Issuu on Google+

Suportes de comunicação sem fios

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 1


Índice

Capa ---------------------------------------------------------------------------------------------------pagina 1 Índice -------------------------------------------------------------------------------------------------pagina 2 Introdução-------------------------------------------------------------------------------------------pagina 3 Telégrafo sem fios----------------------------------------------------------------------------------pagina 4 História do walkie-Talkie-------------------------------------------------------------------------pagina 9 Telemóveis e a sua evolução------------------------------------------------------------------Pagina 12 Comunicações móveis que futuro------------------------------------------------------------pagina 15 Conclusão-------------------------------------------------------------------------------------------pagina 17 Webgrafia------------------------------------------------------------------------------------------pagina 18

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 2


Introdução

Neste trabalho mais do que aprofundar, como apareceram as ondas de Rádio, ou o código de Morse, ou até mesmo o telégrafo, importa-nos saber quais as implicações da comunicação sem fios como surgiram, e que modificações projectaram e projectam ainda nos dias de hoje. Como modificaram a nossa vida no passado, como evoluíram e fizeram evoluir o pensamento, as sociedades. Propomo-nos por isso a estudar alguns pontos que nos pareceram interessantes, que achamos que poderão contribuir para melhor antever o Futuro.

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 3


Telégrafo sem fios É impossível desassociar a pessoa de Guglielmo Marconi e a história da sua vida, da evolução e desenvolvimento de telégrafo sem fios.

Figura 1 Guglielmo Marconi (1874 - 1937)

É no cenário dos 150 anos que antecederam a revolução Industrial que a existe uma explosão de inventores, espalhados por todo o mundo. Desde o quintal ao sótão e pequenas oficinas, por todo o mundo estes pequenos inventores a semelhança de Guglielmo Marconi gracejavam. O próprio pai de Marconi se vê na obrigação de criar um pequeno laboratório de física para as experiências de seu filho, mente havida e percutora do saber. Nasceu a 25 de Abril de 1874, em Bolonha e desde os primeiros anos de escola de se entediava e chocava com o pensamento académico, que reprimiam a sua mente e talentosa. Era por essa razão um aluno irregular, mas em quem a sua mãe acreditava. Convence por isso o marido a apoiar os estudos e projectos do filho. Estudos e projectos, que a mentalidade Italiana da época, não conseguiu conter, mais por falta do seu entendimento, pois o sentimento patriótico de Marconi, sempre foi grande. Marconi define então com os seus vinte anos um projecto de estudo e carreira, que consistia em desenvolver as ideias e descobertas de Hertz, publicadas 20 anos antes, com o objectivo de encontrar um processo de telegrafia sem fios. Nessa época, o telégrafo já era uma invenção conceituada e cheia de empregabilidade.

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 4


As implicações económicas e militares do telégrafo eram claras, para todos os países, e principais cidades, e atravessava já inclusive oceanos. O telefone também já havia sido inventado 20 anos antes e mundo recuperava ainda destas invenções maravilhosas. Mas assim como hoje, os fios de cobre eram cobiçados e roubados e limitavam a acção de telégrafo.

Marconi compreendeu bem estas limitações, e propõem-se a desenvolve-lo. Em parte os inconvenientes da telegrafia convencional já havia sido superados, pelo telégrafo óptico e os espelhos e faróis especiais, eram equipamentos comuns nas forças armadas, para a comunicação em código morse a longas distâncias. Marconi partia assim da premissa de Hertz que demonstra que as ondas electromagnéticas se comportam de modo semelhante ao das ondas luminosas. Embora pareça simples hoje em dia ao tempo de Marconi não se sabia que as ondes de rádio podiam atravessar paredes ou barreiras naturais ou até que eram reflectidas pela ionosfera. Perguntas como é que as ondas hertzianas que se propagam em linha recta poderiam acompanhar a curvatura da terra, por mais forte que fosse o impulso magnético, como é que atravessariam a terra, eram feitas pelo próprio Marconi e questionadas por muitos científicos da época. Mas antes de pensar nessas dificuldades Marconi, que era uma mente sem pragmática não se deixou demover por essas questões e duvidas e lançou-se na resolução de problemas mais práticos e preliminares como, modular as ondas e os sinais a serem transmitidos. O objectivo era emitir ondas de um aparelho, captá-las a curta distância e descodificálas.

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 5


Figura 2 (Primeiro transmissor, 1895)

Para a transmissão, Marconi construiu osciladores eléctricos excitados por uma bobine. Para a recepção, utilizou tubinhos de vidro cheios de carvão ou limalhas de ferro. Estes quando atravessados por ondas electromagnéticas, tronavam-se condutores de electricidades, e as próprias oscilações do fluxo da corrente assinalam a presença das ondas. É na primavera de 1895 que Marconi começa as suas experiências, conseguindo comunicar a uma centena de metros. Depois a segunda etapa seria verificar se as ondas conseguiam superar acidentes naturais de terreno. O que conseguiu muito em breve na região da Bolonha. Ficou com estas experiências a comprovada, a vertente cientifica de que seria possível comunicar a longas distâncias, restando para isso um longo percurso de desenvolvimento e estudos dos componentes. Para isto era necessários recursos maiores de governos, ou grandes empresas financeiras, algo que o seu rudimentar laboratório pessoal não poderia comportar

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 6


Marconi vai por isso solicitar o apoio do governo Italiano, argumentando com o alcance militar, mas não teve êxito, junto da mentalidade da época.

Sem se desanimar, Marconi procurou apoio externo em Londres, onde parentes da sua mãe o ajudaram a fazer contacto com os círculos governamentais, que lhe interessavam. O apoio necessário ao desenvolvimento do projecto chegou rapidamente em Londres pela mão do engenheiro chefe do ministério dos correios, Sir W. Peerce. Também ele inventor de um sistema de transmissão de curta distância. Associa-se assim Peerce a Marconi e fundam a Companhia de Sinais Comerciais de Telégrafos sem fio. As experiências decorreram com rapidez e com uma grande empregabilidade prática, mas Marconi manteve seu sentimento patriótico e novamente ofereceu o seu invento á Itália mas esta não estava a altura de perceber, a grandeza de este invento. Mais uma vez a Itália recusa e Marconi, volta para Inglaterra e preocupa-se com, a sua dúvida agora mais importante, como vencer a curvatura terrestre. Mesmo não sabendo se as ondas acompanhariam a curvatura da terra, Marconi decide mesmo assim experimentar Em 1898, já tinha desenvolvido o transmissor e receptor de longo alcance, conseguindo atingir os 300 quilómetros, mas foi em 1901 que Marconi finalmente dispunha de recursos técnicos e financeiros, para a decisiva experiência da transmissão transatlântica. Foi a 12 de Dezembro de 1901 que se deu a primeira transmissão entre a Cornualha, sul da Inglaterra e a Terra Nova. Esta experiência de Marconi, não deixou ninguém indiferente, e deu origem a uma verdadeira revolução, mundial no campo das comunicações levando muitos investigadores a interessarem-se pela rádio. O facto histórico de relevância simbólica aconteceu quando Theodore Roosevelt Presidente dos Estados Unidos e o Rei da Inglaterra Eduardo VII se comunicaram pela primeira vez em 1903. Apesar das muitas tentativas de boicote, das companhias de telégrafos da época, as necessidades de comunicação foram sendo cada vez maiores e reforçadas essas necessidades, por eventos dramáticos, como a guerra entre a Rússia e o Japão, ou o naufrágio, do Republic e do Titanic, sendo que a bordo de todos os navios passou a ser obrigatório o uso de aparelhos de rádio.

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 7


Seguiram-se vários desenvolvimentos desde a válvula termiónica a díodo, passando para a válvula de tríodo até ao aparecimento do transístor.

Enfim do ponto de vista da evolução do telégrafo sem fios era quanto nós impossível desassociar a sua história da vida de Marconi, por isso terminamos esta parte com uma breve conclusão também sobre a sua vida. No plano pessoal Marconi foi uma figura marcante da Europa e da Itália, assumindo cargos de prestígio, e uma grande relevância social. Alistou-se para combater na primeira guerra mundial, foi ministro, ficou sem um olho num evento automobilístico, e chegou mesmo a receber o prémio Nobel da Física em 1929. Morre em Roma em 1937, vítima de ataque cardíaco.

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 8


História do “Walkie-Talkie”

Donald Lewes Hings, em 1937, enquanto trabalhava numa companhia de minas Canadiana, observou que os geólogos da companhia passavam bastante tempo isolados e então inventou um aparelho portátil com capacidade de transmitir e receber voz através de ondas de rádio, aparelho esse a que chamou “pack set”.

Durante a II guerra mundial as autoridades canadianas mostraram grande interesse no “pack set” mas este foi considerado demasiado frágil para um cenário de guerra e Hings viria a melhorá-lo, nascendo o modelo C-58, que foi utilizado pelos Canadianos durante a guerra. O termo “walkie-talkie” passou a ser utilizado devido à influência dos jornalistas que fizeram a cobertura dos acontecimentos da II guerra mundial.

Figura 3- Modelo C-58 (1941)

Figura 4– “pack set” (1939)

Com o envolvimento dos EUA na II guerra mundial, os “walkie-talkie” passaram a ser uma necessidade extrema no terreno. Era necessário que tivessem pequeno tamanho e que pudessem ser utilizados pelos pelotões. O resultado final foi o SRC-300, uma mochila transceptor VHF (40 a 48 MHz) FM que poderia cobrir 5 milhas no terreno com fiabilidade de transmissão, produzido pela Motorola. 1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010

Página | 9


Figura 5- SRC-300 Antes de 1940 a Galvin Manufacturing Company de Chicago, já conhecida no mercado pelo nome de Motorola, desenhou o seu primeiro e verdadeiro “handie-talkie” um pequeno transceptor HF (3 a 6 MHZ) AM em forma de uma pequena caixa que poderia ser operado apenas com uma mão, o SRC-536 (BC-611), o que deu à Motorola um contrato de produção para fornecimento das tropas dos EUA.

Figura 6- SRC-536 (BC-611) Também se diz que os serviços secretos americanos o utilizaram no seu trabalho de protecção do presidente Franklin Roosevelt antes do início da II guerra mundial. No entanto estes “Handie-Talkies” eram limitados, pois tinham poucos watts de potência, daí que em distâncias grandes as comunicações fossem perdidas. Muitas vezes tiveram que ser criadas bases ou serem equipados veículos para transmissão de mensagens. Por serem rádios analógicos, as frequências eram limitadas e a regulação difícil, sempre que precisavam de ser utilizados eram previamente regulados e a sua frequência bloqueada. Após o seu desenvolvimento na II guerra mundial, os “walkie-talkies”, sofreram alterações tanto a nível de componentes como de estrutura. Tornaram-se mais 1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 10

Página |


pequenos e fáceis de manusear, com uma tecnologia mais avançada e fiável. Criaram-se aparelhos para o trabalho diário das pessoas e para o seu uso intensivo, como se pode verificar neste exemplo em 1955 num drive-in em Kentucky onde Frank Lindley criou uma montagem electrónica onde era utilizado um “walkie-talkie” para receber os pedidos dos clientes.

Figura 7- Exemplo de utilização de “walkie-talkie” Os “walkie-talkies” actuais são utilizados intensivamente por forças policiais, por bombeiros, por pessoas que não se podem deslocar de um sítio para o outro e necessitam de contactar entre elas, por funcionários dos hipermercados e seguranças dos mesmos e também, com o fabrico de “walkie-talkies” a baixo custo e que não necessitam de pagar licenças de utilização, começaram a ser utilizados de forma lúdica.

Figura 8

Figura 9

Figura 8- Exemplo “walkie-talkie” Profissional Figura 9- Exemplo “walkie-talkie” sem licença de utilização

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 11

Página |


Telemóveis e a sua evolução Os telemóveis surgiram precisamente no dia 3 de Abril de 1973, pela mão de Martin Cooper, aquele que é considerado o pai do telemóvel. Foi ele que fez a primeira chamada pública de um telemóvel. Esse acontecimento histórico ocorreu em Nova Yorque, na esquina da rua 56ª com a avenida Lexigton, perante a ar de admiração dos transeuntes que mesmo em NY não estavam habituados a ver alguém a passear de telefone na mão. O equipamento utilizado por Cooper, foi o Motorola DynaTac 8000x que foi o antepassado dos actuais telemóveis. As suas dimensões eram monstruosas em comparação com os telemóveis actuais, o seu peso era superior a um quilo, media cerca de 25 cm de altura, por 3,8 de largura e 7,6 de espessura. 1G O Motorola DynaTAC 8000X, chegou ao mercado em 1984, e foi o primeiro telemóvel comercializado no mundo. Era um telemóvel analógico de primeira geração (1G) e vinha equipado só com AMPS (do inglês Advanced Mobile PhoneSystem) que permitia unicamente fazer e receber chamadas, mas de fraca qualidade e com muitas interferências.

Figura 10

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 12

Página |


2G No final da década de 80, surge a segunda geração de telemóveis(2G), equipados com o sistema GSM (Global System for Mobile )que passou a desempenhar um papel muito importante, permitindo a melhoria das comunicações móveis e começou a haver mais qualidade nas comunicações. Em relação as funcionalidades vinham com roaming internacional(possibilidade de a partir de um telemóvel realizar e receber chamadas num país estrangeiro), e também os SMS (pequenas mensagens de texto).

Figura 11 telemóvel 2G 2,5G 2,5G é a segunda geração e meia de padrões e tecnologias dos telefones móveis. É considerada o degrau de transição entre as tecnologias 2G e 3G, embora o termo "2,5G" tenha sido definido pela comunicação social, e não oficialmente pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). A 2,5G tem velocidades superiores à 2G e, através de tecnologias de pacotes, permite um acesso à internet mais flexível e eficiente. Utiliza tecnologias como GPRS (General Packet Radio Service ), EDGE (Enhanced Data for GSM Evolution), 1XRTT (primeiro degrau da migração CDMA2000) eHSCSD (High Speed Circuit Switched Data ). O EDGE (também conhecido como 2,75G) é uma versão de maior banda do GPRS (epor isso muitos o chamam de E-GPRS), e permite velocidades máximas de até 384 Kbps.

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 13

Página |


Figura 12 Telemóveis 2,5G

3G O aparecimento da terceira geração de telemóveis (3G) surgiu na Europa em 2003, e fez com que surgissem inovações nunca antes vistas como, tirar fotografias, filmar, gravar lembretes, jogar e ouvir músicas. Mas não foram estas as ultimas inovações nos últimos anos, principalmente no Japão e na Europa, tem ganhado recursos surpreendentes até então não disponíveis para aparelhos portáteis, como GPS, videoconferências e instalação de programas variados, que vão desde ler emails a serem usados remotamente como um computador qualquer, quando devidamente configurado.

Figura 13 Telemóveis 3G

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 14

Página |


Comunicações móveis que Futuro? Quando olhamos apenas um pouco para trás, verificamos que percorremos um grande caminho do ponto de vista tecnológico, desde a poucos anos atrás. Quem não se lembra de falar apenas em telefones fixos ou da primeira vez que viu um telemóvel? São coisas que registramos nas nossas memórias mas às quais não damos a devida importância. Parece que somos os mesmos, que a humanidade não se modificou, com a introdução de estes novos meios de comunicação, se pararmos um pouco e após esta breve passagem por pequenos temas abordados, podemos reflectir um pouco sobre este paradigma da modernidade. Quando temos um olhar retrospectivo, para o que a possibilidade de fazer chegar a informação a longas distâncias, de forma imediata, causou nas nossas vidas ficamos assombrados. Assim observamos que as tecnologias criaram para os Homens novos paradigmas, novos conceitos, novas necessidades de regulamentar e regular. As novas tecnologias, de comunicação lançam-nos ainda um novo desafio, o da ética. Onde começa a privacidade, individual e colectiva? Vamos todos aprendendo á medida que evoluímos. É um Sociólogo Italiano Domenico Masi que nos fala daquilo a que ele “chama de Ócio Criativo”. O ócio criativo tem a ver com um paradigma da modernidade que defende, hoje em dia e graças às novas tecnologias, computadores, telefones Ipad´s etc, todos nós estamos sempre a trabalhar interligados e que ao mesmo tempo trabalhamos também nos divertimos. Esta reflexão é aqui colocada por nós para, ilustrar a forma como as novas tecnologias se intrincam nas nossas vidas, fazem parte daquilo que somos e fazemos e que na maioria das vezes não damos conta, por muito sectários da tecnologia que tentemos ser. É algo incontornável e que irá caracterizar as tecnologias do futuro, que serão como novas próteses para o nosso corpo, como que um prolongamento dos nossos sentidos. Os novos telemóveis por exemplo, já se encontram bem longe de fazer e receber chamadas apenas, eles já nos permitem uma disparidade de funcionalidades e um bom exemplo disso é o Iphone. Estes novos suportes de comunicação, já não lhes chamos telemóveis, são algo que faz já não saímos á rua sem eles, sem que para isso se seja um tecnológico dependente. 1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 15

Página |


Esta portabilidade da comunicação caminha agora para novas formas. Estes sistemas de comunicação começam a ganhar outras formas, a poderem ser integrados em diversos materiais que nos rodeiam como a roupa electrodomésticos, veículos, etc, com a possibilidade de comunicarem entre si. O Futuro lança pois novos desafios, como o equilíbrio entre as vantagens da tecnologia e o comportamento Humano.

Figura 14 Uma possibilidade para Telefones do Futuro

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 16

Página |


Conclusão

Concluímos este trabalho, referindo que em termos do Futuro, ninguém poderá fazer previsões, nem grandes, retóricas, do que será ou não será, mas importa claramente compreender e estudar o passado, como fizemos aqui ao analisarmos o telégrafo sem fios, ao estudarmos o Walkie-Talkie, ao recordarmos o que foram os primeiros telemóveis. Só olhando para trás e analisando as mudanças que estes meios provocaram nas sociedades, que poderemos ter uma mente aberta, quanto às possibilidades, do Futuro. Sabemos claramente as implicações da revolução industrial, as implicações da modernidade, na vida e comportamentos Humanos, por isso é também importante esta reflexão para percebermos para onde vamos e onde leva o caminho nesta época que muitos chamam de Pós-Modernidade.

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 17

Página |


Webgrafia:

Figura 1- http://historica.com.br/hoje-na-historia/guglielmo-marconi-pai-do-radio Figura 2- http://www.google.com/imgres?q=Primeiro+transmissor,+1895 Figura 3- http://dlhings.ca/walkietalkie.html Figura 4- http://dlhings.ca/origpackset.jpg Figura 5- http://olive-drab.com/od_electronics_scr300.php Figura 6- http://www.w2ec.com/bc611.html http://en.wikipedia.org/wiki/Walkie-talkie Figura 7- http://blog.modernmechanix.com/2005/11/21/walkie-talkie-carhopsspeed-service/ Figura 8- http://universohistoria.blogspot.com/2011/09/10-tecnologias-que-jafizeram-parte-da.html Figura 9- http://2wayradios.eu/the-way-to-choose-the-perfect-two-way-walkietalkie/ Figura 10- http://www.google.com/imgres?q=telemoveis+1g&um=1&hl=pt Figura 11- http://www.google.com/imgres?q=telemoveis+2g&um=1&hl=pt Figura 12- http://www.google.com/imgres?q=telemoveis+2,5g&um=1&hl=pt Figura 13- http://www.google.com/imgres?q=telemoveis+3g&um=1&hl=pt Figura 14- http://www.carlossilvaonline.com/telemoveis-do-futuro HIGNS, DONALD LEWES, http://pt.wikipedia.org/wiki/Donald_Hings; http://dlhings.ca/walkietalkie.html ANDERSON,LEONARD H.- “THE FIRST WALKIE-TALKIE RADIO” http://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=the%20first%20walkietalkie%20radio&source=web&cd=2&ved=0CCYQFjAB&url=http%3A%2F%2Fww w.repeater-builder.com%2Fmotorola%2Fhistory%2Fmotorolascr300.pdf&ei=6t_8Trv5IsLngbWq_G2Aw&usg=AFQjCNFgI_OQ7bG85dBXBHcsgjgrVdGbTA http://www.aminharadio.com/radio/radio_tsf http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/Guglielm.html Figuras na capa: http://www.google.com/imgres?q=evolu%C3%A7%C3%A3o+dos+telemoveis&hl=pthttp://www.google.com/imgres?q=motorola+dynatac+8000x+cellular+phone&um=1&hl=pt-

1º ano Educação e Comunicação Multimédia 2011/2012 Alexandre Manuel Pires Durão nº110236003 Paulo Alexandre Roxo Fernandes nº110236010 18

Página |


História dos média