Page 1


Capitulo 1

Meu trabalho era mais duro uns dias que outros. ?Vê? É bastante robusta, senhora McSweeney. ?Dava uns golpecitos com a mão à escada?. Agora pode baixar. A senhora McSweeney me olhou do alto do poste telefônico, com óbvias dúvidas a respeito da fiabilidad da escada e da minha própria. Magra, com huesecillos de pássaro, devia ultrapassar os setenta anos. O vento agitou o nimbo de seus finos cabelos brancos ao redor de sua cabeça e abriu sua camisola, me mostrando coisas que não deveria ter visto. ?Senhora McSweeney, eu gostaria que baixasse. A mulher arqueou as costas e inalou profundamente. Outra vez não. Sentei-me no chão e me tampei as orelhas com as mãos. O agudo lamento atravessou a quietude da noite, cortante como uma faca, golpeou as janelas do edifício de apartamentos e produziu um intenso estremecimento nos cristais. rua abaixo, os cães uivaram ao uníssono, unindo-se ao grito em uma harmonia antinatural. O lamento ascendeu, cresceu como uma avalanche, até que não pude escutar outra coisa que seu complexo e elaborado coro: o uivo solitário de um lobo, o chiado desamparado de um pássaro, o angustiante pranto de um menino. Gemeu uma e outra vez, como se lhe estivessem arrancando o coração do peito, me enchendo de desespero. A quebra de onda mágica se desvaneceu. Um momento antes saturava o mundo, potencializando o grito da senhora McSweeney, e ao seguinte se extinguiu sem prévio aviso, como uma linha riscada sobre a areia depois de que uma onda se precipitasse sobre ela. A tecnologia se reinstaurou por si mesmo. Azulada-a abajur feérica que pendurava do alto do poste telefônico se apagou enquanto o ar carregado de magia perdia sua potência. As luzes elétricas se acenderam no bloco de apartamentos. tratava-se da ressonância post?oleada: a magia alagava o mundo como uma onda e anulava algo complexa e tecnológica, asfixiava os motores dos carros, obstruía as armas automáticas e corroía os edifícios mais altos. Os magos lançavam raios de gelo, os arranha-céu se desmoronavam e os amparos mágicas se ativavam, afastando a seres indesejáveis de minha casa. e então, em um suspiro, a magia se desvaneceria, deixando monstros em sua esteira. Ninguém podia predizer quando se elevaria de novo, ninguém podia evitá-lo. Tudo o que nos podíamos fazer era tentar arrumar isso naquela demencial tarantela de magia e tecnologia. Por isso levava uma espada. Sempre funcionava. Os últimos ecos do grito ricochetearam nos muros de tijolo e se dissiparam. A senhora McSweeney me contemplou com olhos tristes e eu me levantei do chão e lhe fiz um gesto com a mão. ? Agora mesmo volto.


Precipitei-me do escuro portal de entrada até o apartamento, onde cinco membros da família McSweeney se acurrucaban na penumbra. ?me conte outra vez por que não pode sair aí fora comigo e me ajudar. Robert McSweeney, um homem de média idade, de olhos escuros e cabelo castanho que já começava a ralear, negou com a cabeça.

?Mamãe acredita que não sabemos que é uma banshee. Escute, senhorita Daniels, pode fazer que baixe ou não? É você um cavalheiro da Ordem, pelo amor de Deus! Em primeiro lugar, eu não era um cavalheiro; tão solo trabalhava para a Ordem do Auxílio Misericordioso e em segundo lugar, a negociação não era meu forte. Eu matava criaturas. Rapidamente e com abundante derramamento de sangue. Ajudar em vão a anciãs banshee a descer do alto de postes telefônicos não era algo que acostumasse a fazer. ?Lhe ocorre algo que possa me ser de utilidade? ?Não o entendo… A esposa do Robert, Melinda, exalou um suspiro?. Quer dizer, sempre o manteve em segredo. ouvimos antes esses lamentos, mas sempre foi muito discreta a respeito. Não é habitual nela. Uma anciã mulher de cor envolta em uma bata desceu pela escada.

?conseguiu essa garota que Margie desça de uma vez? ?Estou nisso ?lhe disse. ? lhe diga que será melhor que não se perca nossa sessão de bingo amanhã de noite. ?Obrigado. Encaminhei-me de novo para o poste. Uma parte de. mim simpatizava com a senhora McSweeney. As três agências encarregadas da aplicação da lei nos Estados Unidos depois da Oscilação ?as Unidades de Defesa Paranormal do Exército, ou UDPE; a Divisão de Atividade paranormal, ou DAP; e meu ilustre patrão, a Ordem do Auxílio Misericordioso? tinham certificado, todas elas, que as banshees não entranhavam perigo algum. Ninguém tinha sido capaz, até agora, de relacionar seus lamentos com mortes ou desastres naturais. Mas a tradição oral' atribuía às banshees todo tipo de sucessos nefastos. Se rumoreaba que podiam voltar louca às pessoas com seus gritos e que eram capazes de matar a um menino com um sozinho olhar. Muita gente encontraria inquietante viver perto de uma banshee, assim podia entender que a senhora McSweeney tentasse, por todos s.us médios, ocultar o que era. Não queria que seus amigos dessem as costas a ela ou a sua família. Infelizmente, não importava quão bem o escondesse, mais tarde ou mais cedo seu segredo te morderia no culo e poderia acabar no alto de um poste telefônico, sem estar seguro de como ou por que falas chegada ali, enquanto a vizinhança tratava de fazer ouvidos surdos a seus arrepiantes uivos.


Sim. Eu era a mais indicada para falar disso. Quando se tratava de ocultar sua própria identidade, era toda uma perita. Inclusive queimava minhas vendagens ensangüentadas para que ninguém pudesse me identificar através da magia de meu sangue. Ocultava meus poderes. Tentava com todas minhas forças não fazer amizades e tinha estado a ponto de consegui-lo. Porque quando meu segredo saísse A. a luz, não acabaria no alto de um poste telefônico. Acabaria morta, e todos meus amigos morreriam comigo. Aproximei-me do poste e dirigi o olhar para a senhora McSweeney. ?De acordo. vou contar até três e então terá que baixar. Negou com a cabeça. ?Senhora McSweeney! Está oferecendo todo um espetáculo. Sua família está preocupada com você e tem uma sessão de bingo amanhã de noite. Não quererá perder-lhe verdade? A senhora McSweeney se mordeu o lábio por resposta.

?Faremo-lo juntas. ?Subi três degraus da escada?. A de três. Uma, dois e três. Um degrau! Baixei um degrau e comprovei que ela também o fazia. Obrigado, quem quer que esteja aí acima. ?Uma vez mais. Uma, dois e três. Degrau, Fizemo-lo de uma vez e logo ela baixou outro mais por si mesmo. Saltei até o chão. ?Isso. A senhora McSweeney se deteve. OH, não. ?Não o contará a ninguém, verdade? ?perguntou-me com um olhar triste. Observei as janelas do bloco de apartamentos. Tinha gritado o suficientemente alto para despertar aos mortos e fazer que estes avisassem à polícia. Entretanto, nesta época, neste lugar, a gente se apoiava mutuamente. A gente não podia confiar na magia nem na tecnologia, tão solo em sua família e em seus amigos. Eles foram guardar' o segredo, não importava quão absurdo pudesse parecer, e eu ia fazer o mesmo. ?Não o contarei a ninguém ?prometi. Dois minutos depois, ela se encaminhava para seu apartamento e eu brigava com a escada dobradiça, tentando que encaixasse no oco sob as escadas, de onde o encarregado a tinha tirado para me emprestar isso

Minha jornada tinha começado às cinco, quando um homem frenético tinha irrompido à carreira no vestíbulo da capela da Ordem gritando que um dragão com cabeça de gato tinha conseguido


entrar na escola New Hope e estava a ponto de devorar aos meninos. O dragão tinha resultado ser um pequeno tatzelwurm ao que, infelizmente, fui incapaz de submeter sem ter que recorrer à decapitação. Essa foi a primeira vez que tinha resultado salpicada de sangue esse dia. Depois tive que ajudar ao Mauro a tirar de um lago artificial uma serpente bicéfala de água doce nas ruínas do One Atlantíc Center, no Buckhead. A partir de então, o dia tinha ido costa abaixo. Nesse momento, era passada a meia-noite. Estava suja, exausta, faminta, manchada por quatro tipos diferentes de sangue e queria ir a casa. Inclusive minhas botas emprestavam, porque a serpente me tinha vomitado nos pés o cadáver de um gato ao meio digerir. Por fim consegui introduzir a escada no lugar que lhe correspondia e deixei o bloco de apartamentos para me dirigir ao estacionamento, onde tinha deixado a minha mula fêmea, Marígold, atada a uma barra metálica instalada ali precisamente para esse fim. Estava a menos de três metros dela quando adverti uma suástica sem terminar desenhada em sua garupa com pintura verde. O pau de revolver a pintura jazia quebrado no chão. Também havia um pouco de sangue e o que parecia um dente. Aproximei-me de comprová-lo. Sim, definitivamente o era. ?tivemos uma aventura, não é assim? Marigold, obviamente, não disse nada, mas sabia por experiência que aproximar-se dela por detrás não era absolutamente uma boa idéia. Escoiceava como uma mula, provavelmente porque isso é o que era.

Desde não ser pela marca da Ordem em um de seus quartos traseiros, poderiam ter roubado ao Marigold essa noite. Felizmente, os cavalheiros da ordem possuíam o horrível hábito de rastrear magicamente aos ladrões e cair sobre eles como uma tonelada de tijolos. Desatei as rédeas, montei sobre ela e nos aventuramos na noite. Pelo general, a tec e as feitas ondas mágicas se impunham a uma à outra a cada dois dias, às vezes inclusive com mais assiduidade. Mas fazia um par de meses tinha estalado uma erupção, uma quebra de onda tão potente que tinha alagado a cidade como um tsunami mágico, fazendo de coisas impossíveis uma realidade, Durante três dias, deuses e demônios tinham percorrido as ruas, e os monstros humanos tinham tido grandes dificuldades para controlar-se. Passei a erupção no campo de batalha, ajudando a um punhado de cambiaformas a massacrar uma horda demoníaca. Aquilo tinha sido um episódio épico. Ainda tinha vívidos sonhos sobre o ocorrido, não pesadelos exatamente a não ser visões embriagadoras e surrealistas de sangue, espadas deslumbrantes e morte. A erupção se extinguiu, deixando que a tec possuísse firmemente o controle do mundo. Durante dois meses, os carros tinham funcionado sem problemas, a eletricidade tinha mantido a raia a escuridão e o ar condicionado tinha feito suportável o mês de agosto. Inclusive tínhamos televisão. na segunda-feira de noite falam emitido um filme, Terminator 2, que se repetia machaconamente... Poderia ter sido pior. Não obstante, na quarta-feira, ao redor do meio-dia a magia tinha golpeado de novo e Atlanta se foi ao inferno, Não estava segura de si a gente se enganou a si mesmo ao pensar que a magia não voltaria


ou se seu reaparecimento os tinha pego despreparados, mas nunca tínhamos recebido tantas chamadas de socorro desde que tinha começado a trabalhar para a Ordem. A diferença do Grêmio de mercenários, para o qual também trabalhava, os cavalheiros da Ordem do Auxílio Misericordioso emprestavam ajuda a todos e cada um dos que a solicitavam, sem ter em conta sua capacidade para retribuir seus serviços. Pediam somente a quantidade que podiam assumir, o que, a maioria das vezes, era nada absolutamente. Tínhamo-nos visto alagados de súplicas. Tive que me arrumar isso com quatro horas de sonho a noite da quarta-feira e me levantar para seguir correndo. Tecnicamente, agora já era sexta-feira, e me assaltavam persistentes fantasias de duchas quentes, comida e lençóis limpa. Tinha assado um bolo de maçã um par de dias atrás e ainda ficava uma porção para essa noite.

Kate? A austera voz do Maxine ressonou no interior de minha cabeça, distante mas clara. Não me sobressaltei. Depois da maratona das últimas quarenta e oito horas, escutar a voz telepática da secretária da Ordem me parecia algo perfeitamente normal. Triste mas certo. Sinto muito, querida, mas o bolo terá que esperar. Que mais viria agora? Maxine não lia meus pensamentos a propósito, mas se se concentrava o suficiente, não podia evitar captar alguns brilhos. Temos um sete verde. fomos avisados por um civil. Um cambiaforma morto. Qualquer tema relacionado com os cambiaformas era meu assunto. Os cambiaformas não confiavam nos estranhos e eu era a única empregada da capela da

Ordem em Atlanta que gozava do status de Amiga da Manada, Embora «gozar» era um término relativo. Mais que nada, meu status significava que os cambiaformas podiam me permitir dizer umas palavras antes de decidir me converter em filetes. Tinham levado a paranóia a um novo nível. ?Onde? Esquina do Ponce de Leão com o Dead Provo


Vinte minutos em mula. Com um pouco de sorte, a Manada já estaria informada da morte e estariam em cachos na cena do crime, grunhindo e reclamando sua jurisdição. Ufff Dava a volta ao Marigold e nos dirigimos ao norte. ?Lá vou. Marigold avançou pelas ruas a um ritmo lento mas sustenido, sem mostrar cansaço algum. O abrupto perfil da cidade se arrastou lentamente ante nosso avanço, com seus antigamente orgulhosos edifícios reduzidos a cascas desmoronadas. Era como se a magia tivesse ganho a partida a Atlanta mas tivesse apagado as chamas antes de que a chamuscada cidade tivesse sido reduzida a cinzas. Aqui e lá, aleatórios e diminutos pontos de luz elétrica perfuravam a escuridão. Um aroma de fumaça de carvão especiado com o aroma da carne assada flutuava em torno dos apartamentos da confluência entre o Alexander e Ponce de Leão. Alguém estaria cozinhando um jantar tardio. As ruas estavam desertas. A maior parte da gente com um pouco de sentido comum sabia que era melhor não sair ao exterior durante a noite. O poderoso uivo de uma loba se elevou sobre a cidade e produziu calafrios que percorreram minha coluna vertebral. Quase podia imaginar a sobre uma pilha de escombros de um arranha-céu cansado, com sua pálida pelagem banhada em prata pela luz da lua e a cabeça alta para mostrar seu lanzudo pescoço enquanto 'entoava sua impecável canção, tinta de veemente melancolia e debruada pela promessa de uma caça sangrenta. Uma enxuta sombra emergiu do beco, seguida rapidamente por outra. Gastos, sem cabelo, correndo a quatro patas de modo espasmódico e descoordinado, cruzaram a rua ante mim e se detiveram. Haviam sido humano em algum momento, mas ambos levavam mortos mais de uma década. Em seus corpos não ficavam traçados de graxa ou flacidez. Nem sequer carne, tão só músculos tensos como cabos de aço sob uma tina envoltório. Dois vampiros em busca de uma presa e estavam fora de seu território. ?Identificação ?lhes exigi. Muitos navegantes me conheciam de vista, ao igual a conheciam todos e cada um dos membros da Ordem de Atlanta, O chupasangre que se achava mais adiantado desdobrou sua mandíbula e a voz de sua navegante surgiu através dela, ligeiramente distorcida. ?Oficial Rodríguez, oficial Salvo. ? Seu senhor? ?Rowena. De todos os Senhores dos Mortos, Rowena era a que menos detestava. ? Estão muito longe do Cassino. ?Nós...


O segundo chupasangre abriu a boca, revelando umas finas presas que destacavam em suas negras fauces. _ Ele se embrulhou e acabamos perdidos no Warren. ? segui as indicações do mapa. ?O mapa não serve de nada se não saber te orientar. A lua não sai pelo norte, estúpido. ?O segundo chupasangre dirigiu um dedo rematado por uma garra para o céu. Dois idiotas. Resultaria divertido se não percebesse a crescente sede de sangue dos vampiros. Se esses duas cabeça ocas perdiam o controle embora fora um instante, os chupasangres se equilibrariam imediatamente sobre mim. ?Continuem ?pinjente, e esporeei ao Marigold. Os vampiros se esfumaram. Quão navegantes dirigiam suas mentes provavelmente discutiam em algum lugar da, profundidades do Cassino. O patogênico Immortuus roubava o ego de suas vítimas. Carentes de raciocínio, os vampiros tão solo obedeciam a sua sede de sangue, caçando algo, que tivesse pulso. O vazio das mentes vampíricas as convertia no veículo perfeito para os nigromantes, os Senhores dos Mortos. Grande parte deles servia à Nação. Em parte culto e instituto de investigação, em parte corporação, todo isso vomitivo, a Nação se dedicava ao estudo e cuidado dos não mortos. Possuíam sedes em quase todas as grandes cidades, ao igual à Ordem. Aqui, em Atlanta, faziam do Cassino sua toca. Entre os diversos poderes factuais de Atlanta, a Nação ostentava uma alta fila. Somente a Manada podia rivalizar com eles em potencial de destruição. A Nação se achava liderada por uma misteriosa e legendária figura que, nesta época, tinha eleito chamar-se Roland. Roland possuía um imenso poder. Também era o homem ao que queria matar, e para isso tinha estado treinando toda minha vida. Rodeei um profundo fossa no gretado pavimento, girei para o Dead Cat e vi a cena do crime sob uma luz danificada. Não se viam policiais nem testemunhas. O tênue resplendor da lua se derramava sobre os corpos de sete cambiaformas. Nenhum deles estava morto. Dois homens lobo em sua forma animal olisqueaban a cena em busca de rastros, pisando cuidadosamente e riscando círculos concêntricos cada vez mais amplos da estreita boca da rua Dead Provo Muitos cambiaformas em forma bestial eram maiores que seus equivalentes animais, e estes demonstraram não ser a exceção: eram criaturas enormes, peludas, mais altas e mais largas que um macho de grande dinamarquês. Depois deles, dois de seus colegas em forma humana introduziam algo sospechosamente parecido a um corpo em uma bolsa para cadáveres. Os outros três percorriam o perímetro, presumivelmente para manter afastados aos curiosos. Se é que havia alguém o bastante parvo para deter-se olhar uma segunda vez. Ao me aproximar, todos se detiveram. Sete pares de olhos brilhantes se voltaram para mim: quatro verdes, três amarelos. A julgar por seu resplendor, a equipe de cambiaformas parecia


suspenso ao bordo de sua imediata transformação. Um dos seus tinha morrido e tinham saído em busca de sangue. ?Meninos, pensastes em oferecer seus serviços como jogo de luzes natalinas? ?Procurei manter um tom humorístico?. Ganhariam uma fortuna.

O cambiaforma mais próximo trotou em minha direção. Com músculos volumosos e em perfeita forma física, teria pouco mais de quarenta anos. Seu rosto tinha adotado a expressão já característica que a Manada oferecia aos estranhos: educada, mas dura como o aço. ?boa noite, senhora. Isto é uma investigação privada a cargo da Manada. vou ter que lhe pedir que parta. Senhora? Ai! Coloquei a mão sob minha camiseta, tirei a carteira de plástico transparente que tinha atada com um cordão ao redor do pescoço e a entreguei. Estudou minha identificação, rematada com um pequeno quadro de prata enfeitiçada. ?É da Ordem ?gritou a outros. Ao outro lado da rua um homem surgiu da escuridão. Onde fazia um instante só havia uma densa sombra noturna pega ao muro do edifício como uma mancha de tinta, agora se elevava ele. Media quase dois metros, sua pele era da cor do chocolate puro, e sua 'compleição, a de um campeão de luta. Normalmente levava uma capa negra, mas hoje se limitava a vestir uns jeans e uma camiseta negra. Enquanto se aproximava até mim, os músculos de seu peito e de seus braços se arqueavam. Seu rosto obrigava a aqueles que procuravam brigas a pensar-lhe duas vezes. Parecia que se dedicasse a romper ossos como profissão e que, além disso, desfrutasse com seu trabalho. ?Olá, Jim ?lhe disse, em tom amistoso?. Me alegro de te encontrar aqui. O cambiaforma que me tinha falado partiu. Jim se aproximou e acariciou o pescoço do Marigold. ?Uma noite larga? ?perguntou-me. Sua voz era tersa e melodiosa. Nunca cantava, mas sabia que seria capaz e que, se se decidia a fazê-lo, as mulheres se jogariam em seus pés. ?Poderia dizer-se assim. Jim tinha sido meu companheiro dos tempos em que trabalhava exclusivamente para o Grêmio de mercenários. Alguns encargos dos negocia requeriam a participação de mais de uma pessoa, e Jim e eu os aceitávamos juntos, sobre tudo porque não tínhamos estômago para levá-los a cabo com ninguém mais. Jim era também o macho alfa do clã felino e o chefe de segurança da Manada. Tinha-lhe visto lutar e antes que me enfrentar a ele preferiria cair em um ninho de víboras furiosas. ? Deveria ir a casa, Kate. ?Um brilho verde pálido brilhou em seus olhos e se extinguiu. Durante um instante, seu lado?animal tinha aflorado à superfície.


?O que aconteceu aqui? ? É assunto da Manada. O lobo situado a sua esquerda deixou escapar um breve ganido. Uma cambiaforma fêmea se equilibrou sobre ele e recolheu algo do chão. Logo que pude lhe jogar uma olhada antes de que introduzira o objeto em uma bolsa. Era um braço humano, amputado à altura do cotovelo, ainda embainhado em uma manga. Tínhamos passado do código sete verde aos dez verde. Cambiaforma assassinado. As mortes acidentais raramente tinham como conseqüência uma série de membros pulverizados em um cruzamento. ?Como dizia, é assunto da Manada. ?Jim me olhou fixamente?. Já conhece a lei. A lei sustentava que os cambiaformas eram um grupo independente, como os nativos americanos, com autoridade para governar-se a si mesmos. Proclamavam suas próprias leis e tinham o direito das impor, sempre e quando essas leis não afetassem aos que não eram

como eles. Se a Manada não requeria minha participação nessa investigação, não havia nada que pudesse fazer. ?Como agente da Ordem, estendo minha oferta de ajuda à Manada. ? A Manada aprecia a oferta de assistência da Ordem. Mas neste caso, declinamo-la. Vete a casa, Kate ?repetiu Jim?. Parece exausta. Tradução: comprido daqui, adoentado e lastimosa humana. Os grandes e poderosos cambiaformas não temos necessidade de suas torpes habilidades para investigar. ?arrumaste isto com a polícia? Jim assentiu. Suspirei, troquei o rumo do Marigold e encaminhamos a casa. Alguém tinha morrido, mas não seria eu quem averiguasse o motivo. No referente a minha profissão, aquilo me irritava profundamente. Se tivesse sido qualquer outra pessoa e não Jim, tivesse-lhe pressionado até conseguir lhe jogar uma olhada ao cadáver. Mas quando Jim dizia que não, era que não. Se lhe pressionava não conseguiria nada, exceto acrescentar tensão às relações entre a Ordem e a Manada. Jim não para as coisas pela metade, assim que sua equipe se comportaria de forma eficiente e competente. E isso ainda me incomodava mais. À manhã seguinte chamaria à Divisão de Atividade Paranormal para comprovar se se tinha apresentado algum relatório. A polícia paranormal não


informaria-me sobre o conteúdo do relatório, mas ao menos saberia se Jim tinha apresentado um. Não é que não confiasse nele, mas não faria nenhum mal em comprová-lo. Uma hora mais tarde, deixei ao Marigold em um pequeno estábulo no estacionamento e subi as escadas até meu apartamento. Tinha herdado o piso do Greg, meu guardião, quem tinha servido na Ordem como caballero?místico. Tinha morrido seis meses atrás e o jogava tanto de menos que inclusive doía. Minha porta dianteira tinha um aspecto bem distinto a qualquer outra. Entrei, passei o fecho, tirei-me os nocivos sapatos e os lancei a um rincão. Já me ocuparia deles mais tarde. Desabotoei o arnês de couro que sustentava a Assassina, minha espada, atada a minhas costas, extraí a folha de sua vagem e a depositei ao lado da cama. O bolo de maçã me chamava. Arrastei-me até a cozinha, abri o frigorífico e contemplei o prato vazio do bolo. Me tinha comido isso? Não recordava havê-la acabamento. E de havê-lo feito, não tivesse deixado o prato vazio no frigorífico. A porta não mostrava signos de ter sido forçada. Fiz um rápido inventário dos bens do apartamento, mas não faltava nada, nem havia nada desconjurado. A biblioteca do Greg, com seus livros e seus artefatos, parecia completamente ordenada. Devia me haver comido tudo o bolo. devido à loucura das últimas quarenta e oito horas, provavelmente o tinha esquecido. Miúdo chateio. Agarrei o prato vazio, lavei-o enquanto murmurava maldições em voz baixa e o coloquei no lugar que lhe correspondia, sob o fogão. Tinha-me ficado sem o bolo, mas ninguém ia negar me uma boa ducha. Desfiz-me da roupa, que deixei cair de caminho ao banho, mergulhei-me na ducha e deixei que o mundo se alagasse sob uma chuva de água quente e sabão de romeiro, Estava-me secando o cabelo com a toalha quando soou o telefone. Abri a porta de uma patada e olhei o aparelho, que soava incessante sobre a mesita de noite contigüa à cama. Chamada-las telefônicas nunca haviam me trazido nada bom. Sempre

avisavam de que alguém tinha morrido, que estava morrendo ou fazendo que outra pessoa morrera ao outro lado da linha. Ring?ring. Ring?ring?ring. Ring? Suspirei e finalmente desprendi. ? Kate Daniels. ?Olá, Kate ?disse uma voz familiar e aveludada?. Espero não haver despertado. Era Saiman. Justo a pessoa com a que menos gostava de falar.


Saiman possuía um conhecimento enciclopédico sobre a magia. Também era um cambiante... ou algo assim. Fazia mais de um encargo para ele quando trabalhava para o Grêmio de mercenários a tempo completo, e lhe tinha parecido graciosa. Como lhe entretinha, ofereceu-me seus serviços como perito em magia com um desconto criminal. Desgraçadamente, a última vez que nos tínhamos visto foi durante a erupção, no alto de um arranha-céu, onde Saiman dançava nu em metade da neve... Com a ereção maior que jamais tinha visto em um ser humano. E não queria me deixar partir daquele coberto sob nenhum conceito, assim tive que saltar para me liberar dele. ?Não quero falar contigo. De fato, nem sequer desejo continuar com nossa associação. ?Utilizei um tom civilizado. Kate Daniels, perita em diplomacia. ?É uma pena. Entretanto, tenho algo que acredito que te pertence, e eu gostaria de pôr esse artigo de novo sob sua custódia. ?envia-me isso Do que poderia tratar-se? ? Faria-o, mas seria dificultoso colocá-lo a ele dentro de um sobre. Ele? Aquilo não soava bem. ?nega-se a falar, mas possivelmente lhe possa descrever isso uns dezoito anos, moreno, com o cabelo curto, expressão ameaçadora e grandes olhos castanhos. Bastante atrativo, para ter aspecto de cachorrinho. A julgar pelo modo em que o tapedum lucidum apanha a luz atrás de suas retinas, é um cambiaforma. Suponho que um lobo. Vinha contigo em nosso último e desafortunado encontro. De fato, sinto muito todo aquilo. Derek, meu camarada e homem lobo adolescente. Que demônios estava fazendo no apartamento do Saiman? ? lhe diga que fique. ?Consegui manter um tom de voz estável?. Derek, me responda para que saiba que não me está mentindo. Está ferido? ?Não. ?A voz do Derek veio acompanhada de um grunhido?. me posso arrumar isso sozinho. Não venha aqui. Não é seguro. ? É surpreendente que se preocupe tanto por seu bem-estar, quando é ele quem está encerrado em uma jaula ?murmurou Saiman?. Tem uns amigos do mais interessante, Kate. ?Saiman? ?Sim? ?Se lhe fizer mal, terá a vinte cambiaformas em seu apartamento que jogarão espuma pela boca assim que percebam seu aroma.

?Não se preocupe. Não tenho a menor intenção de desatar as iras da Manada sobre minha pessoa. Seu amigo está desarmado e contido. Não obstante, entregarei-o às autoridades a


menos que venha e o recolha antes do amanhecer. ?Ali estarei. ? Estou-te esperando. ?A voz do Saiman adquiriu um ligeiro tintura burlesco.

Capitulo 2 Cheguei por volta das três da madrugada. Saiman ocupava uma suíte no décimo quinto piso do único edifício de grande altura que permanecia em pé no Buckhead, A magia parecia odiar os edifícios altos ?a magia odiava algo enorme e tecnologicamente complexa, ponto? e os reduzia a pilhas de escombro, cimento e aço, tão altas que alcançariam quatro ou cinco pisos de altura. erigiam-se com tristeza aqui e lá por todo o centro, como decrépitos obeliscos de uma civilização comprido tempo esquecida. Antigamente denominado Lenox Pointe e agora conhecido como Champions Heíghts, o edifício do Saiman, que tinha sido remodelado mais vezes das que poderia contar, achava-se revestido por um complexo feitiço que enganava à magia para que pensasse que se tratava de uma rocha gigante. Durante as quebras de onda mágicas, algumas parte do edifício pareciam um penhasco de granito. Durante a erupção, algumas parte se converteram em rochas de granito. Mas hoje, sem quebra de onda mágica, parecia simplesmente um edifício de grande altura. Tinha pego ao Betsi, meu Subaru, que tragava quantidades enormes de gasolina, para economizar tempo. A magia se acabava de desvanecer e, tendo em conta quão débil tinha sido a última quebra de onda, a tecnologia continuaria vigente ao menos umas quantas horas mais. Estacionei o velho cacharro, com seu carcasa amolgada, junto a outros veículos mais novos que deviam custar o dobro do que eu ganhava em um ano, ou inclusive mais, e subi uns degraus de concreto até o vestíbulo reforçado com pranchas de aço e cristal a prova de balas. Meu pé escorregou no bordo de um degrau e caí de bruces. Saiman era aterradoramente inteligente e observador, sempre uma má combinação para um adversário. Necessitava toda minha acuidade, mas estava tão cansada que meus olhos requeriam fósforos para permanecer abertos. Se não me incorporava rapidamente, Derek poderia acabar a noite vadeando muito dor. Quando um cambiaforma alcança a puberdade, pode converter-se em lupo ou aceitar o Código. Converter-se em lupo significava claudicar ante a besta interior e rodar colina abaixo para o homicídio, o canibalismo e a loucura, até encontrar-se com umas fauces afiadas, uma espada ou um montão de balas de prata. Em troca, assumir o Código implicava disciplina, um estrito condicionamento e uma vontade de ferro, já que submeter-se a esse estilo de vida era o único modo em que um cambiaforma podia coexistir com a sociedade humana. Adotar o Código também significava unir-se a uma manada, onde a hierarquia era absoluta Y. onde os machos


alfa carregavam não só com um grande poder, a não ser com duras responsabilidades.

A Manada de Atlanta era indiscutivelmente a maior do país. Unicamente a Fúria de Gelo da Alaska rivalizava com ela em número. Os cambiaformas de Atlanta atraíam muita atenção. A Manada era grande em lealdade, responsabilidade, cadeia de mando e honra. Os membros da Manada nunca esqueciam que a sociedade em geral os percebia como bestas e faziam tudo que estava em seu poder para projetar uma imagem de discrição e observância das leis. O castigo para as atividades criminais não permitidas era imediato e brutal. Se descobriam que Derek tinha forçado a entrada do apartamento do Saiman, jogariam-no em água fervendo. Saiman tinha conexões e, se ele assim o decidia, podia criar um grande alvoroço, cujo potencial para salpicar à Manada com uma muito má reputação era bastante significativo. Os alfas da Manada, conhecidos coletivamente como o Conselho, já estariam ensinando os dentes quando se inteirassem do assassinato, assim agora não era um bom momento para os encher o saco ainda mais. Precisava tirar o Derek daquele apartamento, rápida e silenciosamente, e com o mínimo alvoroço. Continuei até o vestíbulo e golpeei a grade metálica. Em' o interior, um guarda apostado atrás de sua inexpugnável guarita situada no centro dos chãos de mármore me apontou com seu AK?47. Dava-lhe meu nome e me deixou passar. Esperavam-me. Que amabilidade a do Saiman. O elevador me levou até o décimo quinto piso e me deixou ante um luxuoso corredor recubierto por um carpete que possivelmente era mais espessa que meu colchão. Percorri-o até o apartamento do Saiman e ouvi o estalo da fechadura quando já alargava a mão para chamar o timbre. A porta se abriu, me descobrindo ao Saiman em sua forma neutra, a que normalmente adotava para mim: a de um homem calvo de média estatura e compleição miúda, vestido com um moletom branco. Seu rosto ligeiramente bronzeado era simétrico, inclusive atrativo em sentido estrito, mas desprovido de toda expressão. Estar cara a cara com ele era como olhar-se em uma superfície opaca, levemente refletivo: desfrutava imitando os gestos daqueles com os que conversava, sabendo que isso os punha nervosos. Seus olhos, pelo contrário, resultavam tão destacáveis como neutra era sua expressão: escuros e com o brilho de um ágil intelecto. Nesse mesmo momento, cintilavam divertidos. Desfruta-o enquanto possa, Saiman. trouxe minha espada. ? Kate, é um prazer verte. Não posso dizer o mesmo. ?E Derek? ? Entra, por favor. Entrei no apartamento, um entorno monocromático, cuidadosamente desenhado, de linhas e curvas ultramodernas e luxuosas almofadas brancas. Inclusive a jaula para lupos em cujo interior se achava encerrado Derek, junto à parede do fundo, fazia jogo com o cristal e o aço reluzente da mesita de café e os spots dos abajures. Derek me viu. Não se moveu nem disse nada, mas seu olhar se posou sobre mim e já não me


abandonou. ?Está ferido? ?Aproximei-me da jaula e o observei. Estava de uma peça. ?Não. Não deveria ter vindo. me posso arrumar isso sozinho. Obviamente, estava-me perdendo parte do panorama. Em qualquer momento saltaria, separaria os grossos barrotes de liga de prata, apesar de que a prata era tóxica para os cambiaformas, e chutaria heroicamente o traseiro do Saiman, Em qualquer momento. Suspirei. Destino, libra me da coragem de estúpidas adolescentes. ?Kate, sente-se por favor. Quer algo de beber? ?Saiman se dirigiu ao móvel bar.

? Água, por favor. Extraí a Assassina de sua vagem. A espada apanhou a luz dos abajures elétricos, na opaca palidez de sua folha larga e fina. Saiman me lançou um olhar do móvel bar. Conhece já a minha espada, Saiman? Morreria por ela. Depositei a Assassina sobre a mesita de café, tirei uma bolinha do sofá e estudei ao Derek, Com dezenove anos, o menino maravilha ainda parecia levemente desajeitado, com largas pernas e um corpo magro que prometia desenvolver-se em uns anos. Seu cabelo castanho se obscureceu, com um rico tom de cromo, e o levava bastante curto. Seu rosto, sombrio nesses instantes, possuía uma descarada e sonhadora beleza que faria que as adolescentes ?e provavelmente algumas mães se derretessem em sua presença. A primeira vez que nos encontramos, pareceu-me bonito. Mas agora roçava de modo sutil um atrativo masculino que prometia desenvolver-se até convertê-lo em todo um rompecorazones. Seus olhos, especialmente, supunham um perigo para todas as féminas: enormes, escuros, definidos por umas pestanas tão largas que arrojavam sombras sobre seus maçãs do rosto. Surpreendia-me que, depois de tudo, pudesse sair à rua a plena luz do dia. Não compreendia por que os policiais não lhe prendiam por provocar tina epidemia de desvanecimentos entre as moças menores de idade. Saiman era' capaz de atirar-se tudo o que se movia. Com o aspecto do Derek, tinha temido encontrá-lo encadeado a uma cama ou algo pior. ?depois de nosso bate-papo Telefónica, tenho cansado na conta de onde tinha visto antes a nosso jovem amigo. ?Saiman trouxe duas taças· de cristal, uma com um vinho de cor dourada pálido para ele e outra com água com gelo para mim. Observei a água. Não continha pós brancos, uma pastilha que borbulhasse nem outros signos óbvios de ter sido adulterada. Beber ou não beber? Hei aí a questão. Dava um gole. Se me tinha drogado, ainda poderia matá-lo antes de perder o conhecimento. Saiman provou seu vinho e me alcançou um periódico dobrado. Os periódicos tinham estado a ponto de desaparecer antes da Oscilação, mas as correntes de magia causavam estragos em Internet e os periódicos impressos tinham ressurgido com seu antigo esplendor. Este mostrava a fotografia de um fatídico edifício de tijolo vermelho depois de um muro ruído. O cadáver de um dragão, pouco mais que um esqueleto com farrapos de carne putrefata pendurando de seus


ossos, decompunha-se em um segundo plano, entre corpos de mulheres mortas. O titular declarava: O PERSEGUIDOR DE REDE POINT ELIMINADO PELO SENHOR DAS BESTAS. Comprovei, agradecido, que não me mencionavam. Uma segunda fotografia ilustrava o artigo um pouco mais abaixo: Derek, sustentado pelo Doolittle, o médico da Manada. O Perseguidor de Rede Point lhe tinha partido as pernas ao Derek e as tinha encadeado para evitar que os ossos sanassem. ?O menino foi branco do Perseguidor devido a sua associação contigo ?disse Saiman?. Acredito que fez um juramento de sangue para te proteger. Saiman tinha fontes excelentes e pagava bem a informação, mas os membros da Manada não falavam com estranhos, ponto. Como demônios tinha conseguido tão saborosa fofoca? ? O juramento expirou. ?Curran, Senhor das Bestas de Atlanta, líder da Manada e Supremo Casulo, que literalmente tinha a vida do Derek em suas garras, tinha-o liberado de seu juramento de sangue uma vez que resolveu o assunto do Perseguidor.

? A magia possui uma interessante qualidade, Kate. Uma vez que se formou um elo, esta afeta a ambas as pessoas. ?Conhecia a teoria do Saiman sobre a reciprocidade da magia melhor que ninguém. Saiman estava tentando pescar informação e me alegrava lhe levar a contrária. ?Se crie que vim aqui compelida por algum tipo de magia residual gerada por um velho juramento de sangue, está equivocado. Ele não é meu amante, nem um familiar secreto, nem um cambiaforma de especial importância para a Manada. vim aqui porque é meu amigo. Se nossos papéis se vissem investidos, você agora estaria morto e ele estaria usando seu mesita de café para fazer alavanca entre os barrotes e me tirar da jaula. Dirigi ao Saiman minha melhor versão de um olhar implacável. ?Não tenho muitos amigos, Saiman. Se algo mau lhe acontecer, me tomarei como algo pessoal. ?Está-me ameaçando? ?A voz do Saiman mostrava certa curiosidade. ?Simplesmente estou delimitando o terreno de jogo. Se lhe fizer mal, eu te farei mal a ti e nem sequer te deixarei pensar nas conseqüências. ? Por favor, te tranqüilize. ?Saiman assentiu lentamente?. Tomarei seu apego emocional em consideração. Não me cabia a menor duvida. Saiman tomava tudo em consideração. Traficava com informação e sempre a vendia ao melhor postor. Reunia sua mercadoria peça a peça, como as teselas de um mosaico, a partir de conversações individuais, para formar com elas um vasto quadro, e jamais esquecia nada. Deixou sobre a mesa sua taça de vinho e entrelaçou seus largos dedos até formar um único


punho. ?Não obstante, seu amigo entrou pela força em meu apartamento e tentou roubar algo de minha propriedade. Vejo-me obrigado a apontar que embora respeito sua capacidade para a violência, sou consciente de que não me matará sem uma razão. Não tento te proporcionar uma e, além disso, nesta negociação eu levo a voz cantante. Tinha razão. Se este assunto saía à luz, Derek teria que lutar com Curran. O Senhor das Bestas era um arrogante e poderoso cabronazo que governava a Manada com mão de ferro e garras de dez centímetros. Curran e eu nos levávamos tão bem como a glicerina e o ácido nítrico: junta-os, agita um pouco e te lance corpo a terra enquanto estalamos. Entretanto, apesar de seus muitos defeitos, e teria que somar os dedos das mãos e dos pés do Saiman a meus para contá-los, Curran não tinha favoritismos. Derek seria castigado, e o castigo seria severo. ?Dei-me conta. ?Tomei um gole de água?. Solo por curiosidade, o que tentou roubar? Saiman fez aparecer de um nada dois retângulos de papel com a untuosa graça de um habilidoso mago. A magia estava inativa, assim devia tratar-se de um jogo de mãos. Arquivei esse dado para o ter em conta no futuro: nunca jogue às cartas com o Saiman. ? Isto. ?Saiman me tendeu os papéis e eu ·os olhei sem tocá-los. Eram de uma cor vermelha sangre. Impresso em umas grosas letras douradas sobre a superfície do pergaminho podia ler-se: JOGOS DA MEIA-NOITE. ?O que são os Jogos da Meia-noite? ?Um torneio sobrenatural ao que se acode exclusivamente por convite.

OH, Deus. ?Suponho que o torneio é ilegal. ? Totalmente. Além disso, acredito que o Senhor das Bestas expressou claramente a proibição de assistir e de participar do torneio aos membros da Manada. Primeiro; Derek irrompia no apartamento do Saiman. Segundo o faça com a intenção de roubar. Terceiro, tentava roubar as entradas de um torneio ilegal de luta em clara violação das leis da Manada. Curran esfolaria vivo ao Derek, e poderia não ser sozinho uma figura retórica. Era possível que aquele assunto piorasse ainda mais? ?De acordo. Como podemos solucionar isto?

?Estou disposto a lhe deixar partir e a esquecer inclusive que esteve aqui ?replicou Saiman?, sempre e quando você acompanhe aos Jogos amanhã de noite.


Nunca faça essa pergunta. ?Não ?disse Derek. Estudei os brilhos da taça de cristal que sustentava na mão, tratando de ganhar um pouco de tempo. Um grande emblema tinha sido concienzudamente esculpido no cristal, uma chama circunscrita no círculo que formava uma serpente. A luz dos abajures elétricos ressaltavam o brilho do desenho e as escamas de cristal da serpente lançavam brilhos de acesas cores. ?Encantador, verdade? ?Sim. ?É uma Riedel autêntica, esculpida à mão. De uma série muito limitada. Solo se fizeram dois. ?por que quer que te acompanhe? ?Minhas razões são dois. Em primeiro lugar, requeiro sua opinião profissional. Necessito um lutador perito. Arqueei as sobrancelhas. ? Eu gostaria que avaliasse a uma das equipes que participará dos Jogos. ?Saiman se permitiu esboçar um pequeno sorriso. De acordo. Isso podia fazê-lo. E em segundo lugar? Saiman estudou a taça que sustentava durante comprido momento e logo a esmagou contra a mesa. A taça estalou com um som limpo, salpicando o carpete com uma chuva de brilhantes pedacinhos. No interior da jaula, Derek grunhiu. ?Se está planejando me cortar com isso ?lutei contra o desejo de pôr os olhos em branco acima de tudo aquele dramatismo e assinalei os restos do pé da taça?, não é muito boa idéia. Uma garrafa é muito melhor. ?Não. Em realidade pensava fazer uma reflexão filosófica. ?O deleite brilhou nos olhos do Saiman?. Agora, a taça que sustenta em sua mão é a única em sua classe que existe. É o não vai mais do luxo. Não há outra igual. A carne ao redor de sua boneca se inchou, fluindo como cera derretida. Meu estômago sofreu uma sacudida e tratou de arrastar-se para outro lugar. Lá íamos de novo. Saiman armazenava a magia como uma bateria, mas acreditava que com a tecnologia em pleno apogeu não seria capaz de metamorfosear-se. Vive e aprende.

Os ombros do Saiman se alargaram. Seu pescoço, seu peito e suas coxas se fortaleceram, esticando-se sob sua roupa. Seus antebraços mostraram novos músculos. Seus ossos faciais se estremeceram e eu estive a ponto de devolver a água. Tinha ante mim um novo rosto: atrativo, forte, sensual, com uma mandíbula quadrada, maçãs do


rosto marcados e entreabridos olhos verdes sob umas pestanas avermelhadas. Uma cascata de espesso cabelo loiro se derramava de sua cabeça para cair em uma brilhante onda sobre seus, agora, enormes ombros. ?Para muitas pessoas, eu sou o mais refinado luxo ?afirmou. O homem sofreu um colapso, encolheu-se, fluiu, retorceu-se, mas seus olhos não trocaram. Olhei-os fixamente, usando-os como uma âncora. Inclusive quando seus borde se afundaram, sua íris se obscureceram e um cerco de escuras pestanas os debruaram, ainda podia assegurar que era Saiman. ?O que ofereço é muito melhor que o sexo ?disse uma mulher hispana de extraordinária beleza?. Ofereço o cumprimento de todos os desejos, quaisquer que sejam. Posso fazer realidade suas fantasias. E ainda mais, posso te proporcionar inclusive o proibido. Seu rosto trocou de novo. Agora era Derek. Um razoável fac-símile, o bastante bom para me enganar com pouca luz. Não obstante, o corpo seguia sendo feminino. estava-se esgotando. Devia ter engolido um montão de nutrientes em antecipação a minha chegada para ser capaz de fazer semelhante exibição ?Posso te dar um amigo. ?Saiman?Derek sorriu abertamente?. Sem remorsos. Ninguém saberia. E os rostos secretos que imagina quando te dá prazer? lhe posso conseguir isso em carne e osso. Derek unicamente nos olhava em silêncio, com uma expressão de profundo desagrado impressa em suas facções. ? Esta demonstração tem algum fim, além de me revolver o estômago? ? Rechaças tudo o que posso te dar, Kate ?suspirou Saiman?. Isso fere meu orgulho. ? Rechaço-o porque não importa que aspecto adote. ?Cruzei-me de braços?. Sei que é você... e você não me deseja por quem sou, mas sim porque te rechaço. ?Possivelmente. ?Considerou-o?. Mas o fato é este: ao me rechaçar, você é meu mais perfeito luxo. A única coisa que não posso ter. Não quer lombriga. Não me devolve as chamadas. Todos os intentos por desculpar meu comportamento durante a erupção foram ignorados. É muito difícil seduzir a uma mulher quando esta nem sequer reconhece sua existência. Quão único quero é te ter para mim uma só noite. ?Porco pervertido. ?Derek finalmente achou as palavras adequadas para expressar seu desacordo com a situação. ? Prefiro o término «desviado sexual» ?disse Saiman. ?Quando sair daqui... Levantei a mão, pondo fim às promessas do Derek de levar a cabo as torturas ilegais e realmente


dolorosas que lhe tivesse gostado de infligir ao Saiman. ?Irei contigo aos Jogos. ?Embora preferiria limpar o quarto de banho?. Em troca, reconhecerá que Derek nunca esteve em seu apartamento e apagará toda evidência de sua presença neste lugar. Não espere uma entrevista. Não vai haver paquera, nem sedução, nem sexo. Essa é minha melhor oferta e não está aberta a negociação. Se decide aceitá-la, recorda que ainda

sou uma representante da Ordem, que assistirá a um evento extremamente ilegal. Não me ponha em uma posição onde me veja obrigada a fazer algo a respeito. Saiman se incorporou, caminhou pela sala que lhe servia como laboratório e voltou com um punhado de cópias impressas de fotografias digitais que mostravam ao Derek enjaulado em toda sua glória. Entregou-me as fotos, agarrou a câmara digital e apagou o conteúdo do cartão de cor. A máscara do Derek se quebrou e através dela pude ver sua culpabilidade. Bem. Planejava fazer uso dessa culpabilidade para conseguir que falasse. Saiman empunhou um mando a distância, pressionou um botão e a porta da jaula se abriu. Derek saiu dela e eu me interpus entre ele e Saiman antes de que acrescentasse o assassinato a sua lista de transgressões. ? Recolherei-te em sua casa às dez ?declarou Saiman. As portas de cristal do vestíbulo se fecharam atrás de nós e deixei escapar o fôlego. O amanhecer ainda estava longe e o estacionamento estava sumido na escuridão, a brisa noturna era fresca e poda atrás da perfumada atmosfera do edifício. ?Obrigado. ?Derek sacudiu a cabeça, como se pretendesse dissipar a neblina de seu crânio. ?Não há de que. ? Não deveria ter entrado pela janela. ? Derek avaliou a torre de apartamentos com o olhar?. Imaginei que ao estar no décimo quinto piso, a janela não estaria protegida. Mas todo o lugar está infestado de armadilhas. ?Teve problemas com intrusos faz uns anos. Esse foi o motivo de que fizesse de guarda-costas para ele durante um tempo. ?A vívida imagem de um homem com um lápis atravessando seu globo ocular passou ante mim. Obrigado uma vez mais, querida memória, por seus intentos de me sabotar a conversação?. Saiman se toma sua própria segurança muito a sério. ?Já vejo. ? Havia um cambiaforma morto na esquina do Ponce de Leão e Dead Cal. ?Chegamos até meu carro?. Jim estava ali junto com uma equipe da Manada. Sabe algo desse assunto? ?Não. ?Uma escura sombra cruzou o rosto do Derek?. Quem morreu? ?Não sei. Jim nem sequer me deixou me aproximar de menos de dez metros do corpo. ?Olhei-o diretamente aos olhos?. Derek, tiveste algo que ver com isso?


?Não. ?Se tiver tido algo que ver, tem que me contar isso imediatamente. ?Não tive nada que ver. Acreditei-. Derek tinha muitos talentos, mas mentir não era um deles. Ficamos de pé junto ao carro. Vamos, menino maravilha. Sei que quer me contar o que está passando. ?Não deveria ir com esse feto. ?Passou os dedos por seus curtos cabelos?. É perigoso. ? Dei-lhe minha palavra. Tenho que ir. Além disso, Saiman é um degenerado. Está completamente dominado por seus apetites. Para ele não há objetivo maior que satisfazer seus impulsos e isso lhe faz predecible. Estarei bem. Na distância, um cão estalou em uma série de latidos histéricos. Derek olhou nessa direção. Um tênue resplendor amarelo se desprendeu de sua íris. concentrou-se, inclinou-se em uma postura animal escutando de noite, igual ao lobo com o lombo arrepiado que pugnava por aflorar sob sua pele. Parecia disposto a saltar em qualquer momento. Algo ia terrivelmente mal.

?Derek? Tinha conseguido recuperar a calma e seu rosto se mostrava inescrutável, mas a besta se negava a apaziguar-se por completo. Dava zarpazos e uivava atrás de seus olhos. ?Está relacionado com a Manada ou é algo pessoal? ?Pessoal. ?Sabe Curran? ?Derek baixou o olhar. Me tomei como um não. ? Há algo que possa fazer por ti? , ?Não. ?Fiz o caminho até aqui para te liberar e nem sequer me conta do que vai tudo isto? Negou com a cabeça e se inundou na noite. Para que logo digam da culpabilidade. Vi que adotava essa forma de correr lobuna, de grandes pernadas e passos aparentemente singelos. Poderia correr assim durante dias, devorando quilômetros. Derek alcançou o extremo do estacionamento e saltou sobre um muro de cimento de um metro, mas ao parecer trocou de ideia a metade do salto. Era algo muito peculiar de ver: esticou-se no ar, incapaz de deter-se, mas em lugar de deixar-se levar por seu próprio impulso voltou a saltar, aterrissou quase no mesmo lugar de partida, deu-se a volta e se dirigiu correndo para mim. Em um instante se deteve meu lado.


? Menti-te. Necessito sua ajuda. ? A quem vamos matar? ?Tem uma caneta? Tirei do carro um caderno de notas e um boli. Rabiscou algo em uma folha de papel, arrancou-a e a dobrou pela metade. ? me prometa que não lerá isto. É importante. É a coisa mais importante que tenho feito jamais. Nos Jogos haverá uma garota. Seu nome é Livie. Está na equipe dos Colhedores. Solo há duas mulheres na equipe e ela tem o cabelo comprido e escuro. Dáselo a ela, por favor. Uma garota. Derek se arriscava a sofrer a ira de Curran por uma garota. Aparentemente, tinha sentido. Tinha dezenove anos e estava sulcando o mar de seus hormônios. Nunca tinha considerado o Derek do tipo dos que se apaixonam cegamente. Ele tinha levado o estoicismo a um novo nível. Além disso, adorava o chão que pisava Curran. Tinha que haver algo mais. Desgraçadamente, a cara do Derek oferecia a mesma expressão que um muro de granito. ?Tentou roubar as entradas para entregar uma nota a uma garota? ?Sim. . ?Sei que tem problemas. Posso senti-lo. ?Arranhei-me a cabeça?. Normalmente esta é a parte em que te ameaço com danos físicos irreparáveis e com a promessa de dançar sobre sua tumba a menos que me conte o que sabe. Unicamente há um pequeno problema. ? Que não acredito que vás romper me todos os ossos do corpo? ? Derek sorriu e por um momento pareceu que o menino maravilha tinha retornado em todo seu esplendor. ?Exatamente. Derek soltou uma pequena gargalhada. ? me diga do que vai isto. Seja o que seja te ajudarei. ?Não posso, Kate. É algo que tenho que fazer sozinho. Por favor, lhe entregue a nota, vale? prometa-me isso

Queria agarrá-lo e sacudi-lo até que o chão se afundasse, mas o único modo de permanecer no jogo era entregar a nota. ? Prometo-o. ?E juras não lê-la? OH, pelo amor de Deus!


?me dê a maldita nota. Já hei dito que não vá lê-la. Tendeu-me o papel e o arranquei de entre os dedos. ?Obrigado. ?Um pequeno sorriso arqueou seus lábios. Retrocedeu dois passos e empreendeu a carreira. antes de que me desse conta tinha desaparecido, fundindo-se nas trevas do beco entre os decrépitos edifícios. Fiquei no estacionamento sustentando sua nota. Um desagradável calafrio me percorreu a coluna vertebral. Derek estava metido em um problema. Não sabia nem como nem por que, mas tinha o intenso pressentimento de que era algo mau e seria ainda pior. Se tivesse tido um pingo de sentido comum, teria desdobrado a nota e a teria lido. Suspirei, subi ao carro e coloquei o papel no porta-luvas. O sentido comum não era uma de minhas virtudes. Fazia uma promessa e devia mantê-la. Doía-me as costas. Até meus ossos estavam cansados. Solo queria me tombar em algum sítio, fechar os olhos e esquecer que o mundo existia. Pu-me o cinto de segurança. Tinha que descobrir algo mais a respeito dos Jogos e necessitava a informação antes da noite seguinte. Pela manhã, iria à Ordem e comprovaria seus arquivos. Ah, e procuraria o relatório da DAP. Não havia nada que fizesse pensar que o assassinato do cambiaforma e a confusão do Derek estivessem relacionados, mas me sentiria muito melhor se descartava essa possibilidade. Inclusive se a Manada se estivesse encarregando da investigação e embora não fora meu assunto. Isso não me incomodava o mais mínimo. Não, nem o mais mínimo. Sentada no carro, com a fadiga apoderando-se de mim, pensei em Curran. Dois meses atrás me tinha encontrado ao Senhor das Bestas em minha casa, lendo um livro. Tivemos um pequeno bate-papo, ameacei-lhe com graves feridas se não partia e então ele se aproximou como se pretendesse me beijar. Mas em lugar disso, me piscou os olhos um olho, sussurrou-me: «Psicopata», e se perdeu na noite. Tinha-me preparado café. Bebi-me até a última gota aquela noite. Não tinha sabor de ciência certa se voltaria, mas se o fazia queria estar preparada. Tinha imaginado nosso encontro uma dúzia de vezes. Tinha elaborado em minha cabeça largas conversações, cheias de afiadas e ocorrentes réplicas. Mas o muito bastardo não tinha aparecido. quanto mais tempo estivesse desaparecido em combate, mais segura estava eu de que não voltaria. Era clarísimamente óbvio: desfrutava me chateando e, depois de conseguir isso, já tinha obtido toda a diversão possível e tinha seguido adiante. Por mim, perfeito. Era a melhor solução possível. Tinha sonhado com ele uma ou duas vezes, mas além disso tudo ia como a seda. Em qualquer lugar que o matagal dos problemas do Derek conduzisse, não abrigava a idéia de encontrar a Curran ao outro extremo do fio. Sempre era bom ter um plano de ação. Pus o motor em marcha. Ponto número um do


plano de ação: evitar ao Senhor das Bestas. Ponto número dois: não ficar dormida.

Capitulo 3 Kate? Tenho um tempo de reação muito rápido. Por isso saltei disparada da cadeira, saltei sobre a mesa do despacho e tentei apunhalar na garganta ao intruso que irrompia em meu escritório, embora detive o fio apenas cinco centímetros antes de que alcançasse o pescoço do Andrea. Porque era meu melhor amiga, e cravar uma faca na traquéia de seu melhor amiga estava considerado, pelo general, como um passo em falso social. Andrea contemplou a negra folha da ominosa adaga. ?Isso foi genial?dijo?. O que faria se te dou um dólar? Franzi o cenho. ? É aterrador, mas não vale um peru. ? Andrea se sentou no bordo de minha mesa. Baixa, loira e mortal. Cavalheiro de pleno direito da Ordem, Andrea possuía um desses rostos agradáveis que imediatamente predispunha às pessoas a seu favor e fazia que brigassem entre elas para lhe contar seus problemas o antes possível. Uma vez fui às compras com ela e ao menos três desconhecidos lhe contaram a história de sua vida. A mim a gente nunca queria me contar sua vida. Normalmente, separavam-se de meu caminho e me diziam coisas como: «Agarra o que queira e vete». De fato, se os desconhecidos tivessem sabido que Andrea podia disparar a uma ficha de dominó e lhe acertar a vinte metros de distância, possivelmente decidiriam manter seus próprios assuntos em privado. _ Pensava que hoje tinha o dia livre. ? Andrea jogo uma olhada ao expediente que havia sobre minha mesa. ? e assim é. ?Desci da mesa de um salto. Logo que tinha dormido três horas e me tinha miserável até o escritório para procurar informação adicional sobre os Jogos da Meia-noite. Imediatamente, organizei meu escritório para me centrar no expediente em questão, apesar da quantidade, quase crítica, de café em meu organismo. O que explicava por que não tinha ouvido o Andrea entrar no escritório. Pelo general, não acelerava de zero a cem morta de sonho, a menos que me sobressaltassem. Massageei-me a cara, tratando de apagar os estigmas da fadiga. Alguém tinha vertido chumbo em minha cabeça enquanto dormia, e agora dava voltas no interior de meu crânio criando barulho. ?Estou procurando informação sobre os Jogos da Meia-noite. Desgraçadamente, o expediente sobre os Jogos demonstrou ser algo anoréxico. Três páginas


sobre a estrutura superficial, nada específico. Isso significava que existiria outro expediente, um muito mais volumoso, com um simpático selo de CLASSIFICADO estampado na coberta, o que o deixava automaticamente fora de meu alcance. Quanto às autorizações de segurança, as minhas eram apenas nulas. Aquele era um desses estranhos momentos nos que lamentei não ser um cavalheiro de pleno direito. E se o fora, pôr minhas mãos sobre aquele expediente secreto seria mais complicado que conseguir um cartucho de sorvete no inferno cristão.

?Não sei muito sobre eles ?disse Andrea?, mas um de meus instrutores esteve ali, antes de que o torneio fora proibido. Posso te contar algumas costure de como funcionavam naquela época. Durante a comida. ?Comida? ? É sexta-feira. Tinha razão. Andrea e eu sempre comíamos juntas as sextas-feiras. Normalmente, ela me emboscava no escritório e não me deixava alternativa alguma. No manual do Andrea, comer juntos é algo que revistam fazer os amigos. Ainda me estava fazendo à idéia de ter amigos. As relações constantes eram um luxo que não me estaria permitido durante grande parte de minha vida. Os amigos lhe apoiavam e lhe protegiam, mas também lhe faziam vulnerável, porque te vela obrigado a lhes devolver o favor. Andrea e eu tínhamos trabalhado estreitamente durante a erupção. EU lhe tinha salvado a vida e ela tinha salvado a minha pequena Julie, que durante a erupção tinha passado de ser uma ratilla guia de ruas com sua mãe desaparecida a uma assassina de demônios que tinha perdido definitivamente a sua mãe e que, em troca, tinha ganho em sua louca tia Kate. Depois de todo aquilo, esperava que Andrea e eu nos distanciássemos tranqüilamente, mas Andrea tinha outros planos. converteu-se em meu melhor amiga. Rugiu-me o estômago e fui consciente de quão faminta estava. Comida e sonho, pode agüentar Sem um deles, mas não sem os dois. Pus a Assassina no lugar ao que pertencia, na vagem sujeita a minhas costas; coloque a faca em meu cinturão e agarrei minha bolsa. Andrea comprovou as duas SIG?Sauer P226 que levava nas pistoleras sujeitas em torno de seus quadris, deu uns tapinhas à faca de caça e a uma pequena pistola que levava no tornozelo e ambas estivemos listas para partir. Morri-me e estou no céu. ?Contemplei o enorme prato de gyros. ?Não, está no Partenón. ?Andrea se sentou frente a mim. ?É certo. ?A única maneira de que eu pudesse entrar no céu seria derrubando a suas patadas douradas portas. Tínhamo-nos sentado no segundo andar, na seção ajardinada de um pequeno local grego chamado o Partenón. O jardim consistia em um pátio a céu aberto e desde nossa mesa podia ver-se a transitada rua depois de um corrimão de ferro. O único inconveniente do lugar era o


mobiliário. As mesas eram de madeira e seu estado era ainda decente, mas estavam rodeadas por incomodísimas sela de metal atarraxadas ao chão, o que implicava que não podia ver a porta de entrada. Agarrei um pouco de carne com meu pão de pita. Meu cérebro continuava retornando ao momento no que Derek esboçou um pequeno sorriso no estacionamento a noite anterior. Um grande nó de preocupação me tinha constrangido o estômago durante as últimas horas. Estava metida em um apuro. Além do Derek, que se negava a falar, quão únicos podiam arrojar um pouco de luz sobre aquele assunto eram os membros da Manada. Tinha que haver algum modo de abordar o tema com eles sem lhes mencionar os fatos relativos a espetacular aventura do Derek, mas era muito estúpida para achar algum e, considerando a recente morte de um deles exigiriam que lhes revelasse todos os detalhes. Se dizia algo sobre o Saiman ou os Jogos, Derek seria castigado. Se não dizia nada, arriscava-me a que cometesse alguma estupidez.

Toda aquela reflexão, combinada com minha dor de cabeça, pô-me de muito mau humor. Por isso sabia, na nota do Derek podia pôr: «te reúna comigo no motel Knights. comprei camisinhas multicoloridas». De fato também podia pôr: «Esta noite matarei a seu irmão. Prepara a panela do guisado». Teria que ter lido a maldita nota, mas tinha dado minha palavra: não podia fazê-lo. No mundo da magia, a palavra tema peso. Quando eu dava a minha, mantinha-a. Além disso, romper minha promessa seria trair a confiança que Derek tinha depositado em mim. Em realidade, qualquer ação por minha parte trairia sua confiança: não podia ler, a nota, não podia lhe perguntar a ninguém pela nota e não podia me negar a entregar a jodida nota. Nestes momentos, tivesse-me gostado de lhe chutar a cabeça. Como cereja, minhas chamadas aos agentes da DAP não proporcionaram nenhuma informação de utilidade. O corpo desmembrado de uma mulher foi achado na esquina do Ponce de Leão com o Dead Cat. Foi identificada como membro da Manada e o assunto se deixou em mãos dos cambiaformas. Fim da história. ?Os Jogos da Meia-noite. ?Lancei um olhar ao Andrea, e ela assentiu. ?Um de meus mentores esteve neles. Os Jogos têm lugar na Areia, uma espécie de búnker. Estão organizados pela Casa, que sempre conta com sete membros. Fazem dinheiro sobre tudo apostando nos combates. Há enfrentamentos individuais, mas o maior espetáculo é a luta por equipes. celebra-se uma vez ao ano. Participam quatorze equipes e cada equipe consta de sete lutadores, cada um deles com um papel específico. ?Sentem predileção pelo número sete, não? ?Dava um bocado a minha comida. O sete possuía certo significado místico. Não tanto como o número três, mas quase: os sete sábios de Atenas, as sete maravilhas do mundo, os sete dias da semana, as botas de sete léguas, os sete


poetas do Moallakat... Não tinha nem idéia do que podia significar, se é que significava algo. Possivelmente os criadores do torneio queriam cimentá-lo na numerología. ?Meu mentor participou como atirador... ?Andrea olhou para a rua e se interrompeu. Entrecerró os olhos. Parecia completamente concentrada, como um falcão espreitando uma apetitosa pomba. Se tivesse tido um rifle em suas mãos, teria temido que disparasse a alguém?. Pode acreditá-lo? Olhei na direção que indicavam os olhos do Andrea e vi o Rafael, o homem hiena, que rondava pela rua. Era um tipo alto com o cabelo negro como o carvão, vestido com jeans e uma camiseta negra. Tinha as mãos metidas nos bolsos e levava a ombros uma mochila. Viu que lhe olhávamos e ficou imóvel. Está bem, pilhamo-lhe. ?Acredito que me está acossando ?disse Andrea. Saudei o Rafael e lhe fiz gestos para que se aproximasse. ?O que está fazendo? ?O sussurro do Andrea se deslizou entre seus dentes apertados. Empalideceu e quase pude ver os tênues contornos das manchas em seus braços. Rafael ensaiou um débil sorriso e se encaminhou para nós, cruzando as portas do Partenón. ?Quero averiguar se souber algo dos Jogos. Contasse-me isso tudo se lhe deixamos sentar-se conosco. Acredito que gosta o bastante.

Era a obviedad do ano. Rafael estava muito pilhado pelo Andrea. Durante a erupção, quando ela esteve a ponto de morrer, fez tudo o que pôde para protegê-la. ?Sim. ?Andrea pôs muito desdém naquela palavra, e eu me calei. Essas era uma daquelas áreas da amizade nas que caminhava sobre uma magra capa de gelo e com grandes possibilidades de acabar inundada em águas gélidas. ?De verdade você não gosta? Uma sombra cruzou o rosto do Andrea. ?Não quero ser seu ECR? TNHE ?E isso o que significa? ?Essa Coisa Estranha com a que Ainda Não Hei Follado. Engasguei-me com um bocado de gyros. Rafael escolheu esse momento para emergir pela porta. Chateada ou não, Andrea o observou enquanto se aproximava de nós e eu fiz outro tanto. Quase me desloquei o ombro para não me


perder detalhe. movia-se com uma graça própria dos cambiaformas, uma elegância inata normalmente reservada aos bailarinos profissionais e aos professores de artes marciais. Seu cabelo negro, comprido até os ombros, balançava-se caminhar, absorvendo a luz do sol. Sua pele estava bronzeada e seu rosto... Havia algo muito interessante nele Tomados aisladamente, os rasgos não eram sobressalentes mas em conjunto se combinavam para dar lugar a uma cara intensamente atrativa. Não era bonito, mas atraía as olhadas como um ímã, e seus, olhos, de um azul intenso e profundo, eram absolutamente provocadores. Olhava ao Rafael e imediatamente pensava em sexo. Nem sequer era meu tipo, mas não podia evitá-lo. deteve-se uns passos de nossa mesa, sem estar seguro do que fazer a seguir. ?Olá, Andrea. Kate. Não esperava lhes ver aqui. Voltei-me para a mesa e ouvi ranger minhas costas. Isso me serviria de lição. ?Sente-se ?disse Andrea com um bufido. Rafael se desprendeu de sua mochila com uma mão e tomou assento na única cadeira que ficava livre, com um aspecto algo nervoso. Andrea contemplou a rua. Ao vê-los juntos, pareciam totalmente opostos: Andrea era de baixa estatura, com o cabelo loiro curto e a pele ligeiramente bronzeada, enquanto que Rafael media um e oitenta, tinha a pele da cor do café com muito leite, o cabelo negro e os olhos intensos. ?O que leva na mochila? ?perguntei-lhe. Uma fofoqueiro, isso é o que sou. ?Um escáner?m portátil?contestó Rafael?. Acabo-o de recolher da loja. Leva ali da erupção. Não podiam provar se funcionava até que não viesse outra quebra de onda mágica. Quando se tratava de um escáner?m, a palavra «portátil» era algo muito relativo. O mais pequeno pesaria quase quarenta quilogramas. Menos mal que era um homem hiena. ?Vou a pela sobremesa. ?Andrea ficou de pé?. Kate, você quer algo? ?Não ?lhe respondi. ?E você? ?Não, obrigado ?murmurou Rafael. Andrea partiu e Rafael me olhou. ?O que estou fazendo mau? ?Pergunta-me isso ? ?Fiquei imóvel, com uma parte de pão de pita na mão. ?Não tenho a ninguém mais a quem perguntar-lhe Você a conhece. São amigas.

? Rafael, não tive nem um só noivo estável em toda minha vida. Faz mais de um ano que não tive sexo com ninguém e já sabe como acabou meu último intento de ter uma vida amorosa. Acredito que estava ali, verdade? ?Sim, eu era o que empunhava a pistola ?disse, e eu assenti. ?Acredito que ambos estamos de acordo em que sou a pessoa menos indicada para levar a bom


porto uma relação amorosa. Não sei o que te dizer. ? Você conhece o Andrea, ? Tampouco tanto. ?Rafael parecia abatido. ?Nunca demorei tanto tempo ?disse em voz baixa. Compadeci-lhe. Levava dois meses detrás do Andrea. Para um homem hiena, ou bouda, como eles mesmos se denominavam, um cortejo tão comprido era algo muito incomum. Os bouda eram promíscuos e desfrutavam de do sexo em grandes dose e com uma grande variedade de companheiros. As fêmeas dominavam a manada e, por isso sabia, Rafael era bastante popular, não só por sua paciência mas sim por seu status como filho da Tia B, a alfa dos bouda. Seu aspecto testemunhava que não tinha que perseguir fêmeas humanas muito tempo antes de que estas decidissem fazer com ele uma... prova de condução. Desgraçadamente, Andrea não era uma fêmea totalmente humana, nem tampouco uma bouda. O vírus responsável pelo fenômeno dos cambiaformas, o Lyc? V, afetava tanto a humanos como a animais. Em casos muito estranhos, a criatura resultante era um ser que tinha começado sua vida como animal e que obtinha a habilidade para transformar-se em humano. A maioria destes seres estava acostumado a ser estéril, com atraso mental e tendências violentas, mas ocasionalmente algum podia integrá-lo bastante bem na sociedade humana como para não ser eliminado imediatamente. Inclusive em casos ainda mais estranhos, podia procriar. Andrea era resultado do emparelhamento de um desses seres, uma hiena, com um bouda, mas o tinha oculto a todo mundo: aos cambiaformas, porque alguns a tivessem matado devido a um antigo prejuízo ampliamente situado, e à Ordem, porque no momento em que soubessem que era uma cambiaforma, expulsariam-na de suas filas. Tecnicamente, como cambiaforma, Andrea se achava sujeita à autoridade de Curran e a Ordem requeria absoluta lealdade. Embora Batalhem não lhe tivesse exigido nada, podia trocar de ideia em qualquer momento. Por isso sabia, solo o clã dos bouda. Curran, Jim, Derek, Doolittle e eu conhecíamos o que era Andrea. E todos nós tínhamos conspirado em silencio para manter o segredo sem discuti-lo sequer. ?De verdade quer um conselho? ?perguntei-lhe. ?Sim. ? Trata de pensar mais como um homem e menos como um bouda. ?Que demônios significa isso? ?endireitou-se?. Sou um bouda. Limpei os últimos restos de tzatziki de meu prato com o pão. ?Andrea é um cavalheiro da Ordem. Somente um de cada oito dos que se alistam na academia da Ordem consegue graduar-se. trabalhou muito duro para ser uma humana. Sei seu amigo. Fala com ela. Descobre que livros lê, que armas gosta... Falando de livros, posso te contar algo específico sobre os gostos do Andrea, mas isto te custará algo. ?O que necessita?


? Os Jogos da Meia-noite. Tudo o que saiba.

?Isso é fácil. ?Rafael sorriu?. Você primeiro. ?Como posso saber se me vais contar isso? ? Andrea está subindo as escadas. Posso ouvi-la. Por favor, Kate. ?Fez sua versão do olhar de um cachorrinho e estive a ponto de cair da cadeira. ?Bem. ?Kate Daniels, excelente negociadora. Quando está em posse de uma informação valiosa, dar-lhe ao primeiro homem atrativo que vê não supõe nenhuma garantia de correspondência?. Colina Sterling. Escreve novelas de romance paranormal. Andrea lhe professa uma devoção sem limites. Tem uma pilha de seus livros no trabalho, sob a mesa de seu escritório. Faltam-lhe os números quatro e seis. Rafael tirou um boli de sua mochila e ficou a escrever em seu antebraço. ?Colina? ?Sterling. Livros quatro e seis. Andrea esteve espreitando a livraria da esquina durante semanas, buscando-os. Andrea apareceu pela porta com uma vitamina e um prato de pêssego em rodelas. A caneta se desvaneceu na mochila do Rafael. ? Fala. ?Dirigi-lhe meu olhar mais duro. ?Os Jogos da Meia-noite estão proibidos ?disse?, por ordem direta do Senhor das Bestas. Nenhum membro da Manada pode participar, assistir nem apostar neles. ?É tudo? Tudo o que sabe? encolheu-se de ombros, mas havia mais. Podia vê-lo em sua cara, e me estava ocultando isso. Maldito bastardo. Assim olhei ao Andrea. me ajude. Agarrou uma pequena parte de pêssego, o meteu na boca e, continuando, lambeu-se os lábios com uma lentidão deliberada. Rafael deu a mesma impressão que um cão de caça quando observa um faisão. ?por que foram proibidos? Há uma história detrás da proibição? ? Andrea comeu outra parte de pêssego e voltou a lambê-los lábios. ?Sim, há a murmurou Rafael, e quase senti pena por ele. Pergunto-me se isso funcionaria com... Agarrei esse pensamento e o pisoteei antes de que infectasse minha mente com sinsentidos. ?Parece interessante ?sorriu Andrea?e?. Eu gostaria de escutá-la. ?Não é algo que contemos aos estranhos ?se conteve Rafael.


? É uma lástima. ? Andrea se encolheu de ombros e me olhou Lista para partir ? ?Nasci lista para partir. ?Agarrei minha bolsa. ?Suponho que não há nenhum mal em contá-la por uma vez ?concluiu Rafael. Voltei a soltar a bolsa. ?No ano 2024 o torneio ainda era legal e o campeonato devia resolver com o combate entre os Necros e os Sete do Andorf. Andorf era um enorme homem ouso kodiak, com um peso próximo aos mil e duzentos quilogramas em sua forma animal. Suas garras eram maiores que meu cabeça. ?Separou as mãos, simulando uma garra do tamanho de uma melancia de grande tamanho?. Era um sanguinário bastardo e adorava lutar. Reuniu uma boa equipe, mas nesse momento só ficavam quatro deles: Andorf, um lobo, um rato e minha tia Minny.

Capitulo 4 A boca do Andrea se abriu de um modo decididamente pouco sedutor. ? Sua tia, né? ?soltei, por dizer algo, e Rafael assentiu. ?Assim é como o clã bouda estava acostumado a fazer dinheiro. Apostávamos por nossos lutadores. Antes era diferente. Agora temos à Manada, que nos proporciona recursos operativos. Levamos um pressuposto, temos um plano de investimentos e participações em diversos negócios, mas naquela época não havia nada parecido a uma Manada Só havia clãs isolados e tínhamos que nos valer por nós mesmos. O clã bouda contava com menos de vinte membros. Dezesseis anos atrás, devia ter sido inclusive mais pequeno. Sua sobrevivência não devia ser fácil. ?Quem estava na outra equipe? ?Quatro navegantes da Nação. ?Rafael contou com os dedos?. Ryo Montoya, Sam Hardy, Marinha Buryatova Hardy e Sango Por muito que odeie a esses bodes, formavam uma equipe formidável. Disso não cabia a menor duvida. ?por que se envolveu a Nação no combate? ?perguntou Andrea com o cenho franzido. ? Estavam construindo o Cassino. Tinham perdido bastante dinheiro e as repercussões teriam


agitado a cadeia de mando se não o tivessem acabado rapidamente. Apostaram muitíssimo e precisavam ganhar. ?E o que passou? ?inquiri. ?os da Nação levavam vantagem. ?Rafael fez uma careta?. Os chupasangres partiram para o rato pela metade e pulverizaram os intestinos de minha tia por todo o Poço. Parecia que os Sete do Andorf estavam acabados E? ?Andorf estalou em cólera. Ninguém sabe se se converteu em I upo ou somente se voltou louco, aos ursos acontece com vezes. Adotou sua forma bestial, fez migalhas aos vampiros, esmagou o crânio do lobo e atravessou a cerca que rodeia o Poço para, ir depois dos navegantes, que trataram de escapar, mas lhes deu caça entre a multidão. Destroçou tudo que se interpôs em seu caminho e matou aos quatro, assim como a um centenar de espectadores. Depois, investiu contra o muro e escapou. ? Vá mierda. ?Andrea esvaziou de um gole um terço de sua vitamina. ?Sim. Não foi o melhor modo de finalizar a velada. Um enorme homem ouso kodiak que se tornou louco, solto pelas ruas de Atlanta. Um kodiak treinado como lutador, inteligente como um humano, mas mais forte, maior e mais malvado que um urso comum. Deveu ter sido o pior pesadelo dos cambiaformas. ?Houve uma caçada maciça ?disse Rafael?. Andorf se ocultou no Unicórnio. Um lugar de magia poderosa, selvagem. O distrito do Unicórnio percorria o centro da cidade como uma cicatriz. Ali se acumulava, formava redemoinhos se, uma magia traiçoeira, vigente inclusive durante o predomínio da tec. Inclusive as Unidades de Defesa Paranormal do Exército não se atreviam a permanecer ali muito tempo. ?convocou-se uma assembléia dos clãs para tratar de calibrar como fazer frente ao desastre, porque tinha estalado todo tipo de porcaria. A Nação exigia a expulsão de todos os

cambiaformas e os fanáticos voltaram outra vez com toda essa mierda da Marca da Besta. A situação não podia estar mais jodida e fazia falta solucioná-la rapidamente. O clã dos lobos era o mais numeroso. ?É obvio ?soprou Andrea. ?Francois Ambler liderava o clã dos lobos nessa época e a gente lhe exigiu que eliminasse ao Andorf, mas não o fez. Tal e como o conta minha mãe, simplesmente ficou de pé e partiu. Abandonou o clã, deixou de ser um alfa e partiu da cidade. ?Rafael sorriu?. O que passou a seguir solo sabem os alfas, mas posso lhes contar duas coisas: três dias depois a cabeça


do Andorf se exibia sobre as escadas do Capitólio. E dois dias mais tarde, Curran se converteu no Senhor das Bestas. A primeira lei que promulgou foi a proibição de que os membros da Manada participassem ou apostassem nos Jogos. Fiz os cálculos mentalmente. No 2024, eu tinha nove anos, e Curran sozinho era uns anos maior que eu... ?Que idade tinha? ?Quinze. ?Mierda! ?Sim ?assentiu Rafael. Permanecemos sentados em silencio durante um momento, tratando de digerir a história. As magras esperanças de encontrar a alguém da Manada que se mostrasse pormenorizado com o problema do Derek se acabavam de evaporar no ar. Aquela era a única lei que não lhes deixava nenhuma liberdade de ação. O que podia fazer agora? ? E como estão as coisas entre Curran e você? Em muitas ocasiões ao longo de minha vida tinha desejado possuir fabulosos poderes mentais. Como a telequinesis ou Sobre tudo, queria-os para esmagar a meus inimigos. Mas neste momento ansiava os ter para poder fazer desaparecer a cadeira do Andrea e obter que caísse de culo. Decidi cuspir três vezes por cima de meu ombro esquerdo. ?Está-te protegendo frente ao mal? ?Rafael abriu os olhos de par em par. ?Bom, os dois pronunciastes o nome proibido. Tenho que tomar precauções. Preciso tocar madeira. te aproxime, Andrea, para que possa te dar na cabeça. Andrea esboçou um sorriso. ?Para responder a sua pergunta, estamos genial. Nunca estivemos melhor. Não vi a Sua Suscetível Alteza há dois meses, e não podia ser mais feliz. Com um pouco de sorte, terá perdido seu interesse e terá encontrado a alguém mais a quem acossar por diversão. Durante a erupção, Curran tinha achado por fim o modo de me fazer pagar por todas as ocasiões em que estive a ponto de lhe provocar uma apoplexia. Tinha-me prometido que se deitaria comigo mais tarde ou mais cedo e que, além disso, agradeceria-lhe seus serviços na cama. Antes cresceriam rosas no inferno. ? Até onde eu sei, não encontrou a ninguém ?disse Rafael?. E ninguém lhe viu com uma mulher da erupção. Não é que seja algo terrivelmente incomum nele, mas tampouco é o mais comum. ? E isso o que significa? ?Pus os olhos em branco.


? Viu alguma vez um leão espreitando um rebanho? ?Rafael se inclinou para mim e baixou a voz. ?Não. ?Possuem uma determinação inquebrável. Quando um leão espreita um rebanho, aproxima-se subrepticiamente, esconde-se e vigia atentamente até escolher a sua vítima. toma seu tempo. O antílope ou o ñu não têm nem idéia de que está perto. Escolhe a sua presa, sai de seu esconderijo e se equilibra sobre ela até que a apanha. Inclusive se outro animal, perfeitamente aproveitável, cruza-se em seu caminho, não alterará seu curso. Uma vez que escolheu, prefere ficar faminto antes que trocar de opinião. Uma forma de vida algo estúpida, segundo minha opinião, mas assim é sua natureza. Eu, por minha parte, não ignoro as oportunidades. ?Já. ?A voz do Andrea jorrava sarcasmo. ?Sou o que sou. ? Rafael lhe dirigiu um olhar como se se sentisse ferido. ?Em primeiro lugar é um homem. Sinta-se aqui em sua forma humana, leva roupas humanas, faz ruídos humanos. É bastante óbvio que parte de ti tem o controle, mas quando alguém aponta para seus excessos, leva-te as mãos à cabeça e começa a gritar: OH, não, é a besta! Não posso evitá-lo! ?Andrea se conteve e fechou a boca com cremalheira. ?Acredito que outorga muito crédito a nossa relação. ?Fiz quanto pude para trocar de tema?. Eu o irrito até tirar o pior dele e Curran encontrou o modo de me dar a lata. Isso é tudo. ?Possivelmente tenha razão. ?De todos os modos, Sua Majestade necessita uma garota? posso. E eu não o sou. ?Uma chica?puedo? ?Andrea arqueou as sobrancelhas e eu me inclinei sobre o respaldo. ?Posso lhe trazer a comida, Sua Majestade? Posso lhe dizer o forte e valente que é Sua Majestade? Posso lhe tirar as pulgas, Sua Majestade? Posso lhe beijar o culo, Sua Majestade? Posso...? ?Caí na conta de que Rafael estava sentado rigidamente, imóvel como uma estátua, com o olhar fixo em algum ponto sobre minha cabeça?. Está detrás de mim, verdade? Andrea assentiu lentamente. ? Tecnicamente, deveria ser poderia ?disse Curran, com uma voz mais grave do que recordava?, já que está pedindo permissão. Caminhou até entrar em meu campo de visão, foi agarrar uma cadeira da mesa do lado, mas a encontrou atarraxada ao chão. Atirou da cadeira e a arrancou do cimento com uma só mão, deixando quatro parafusos que se sobressaíam do chão. Pôs a cadeira junto à minha, com o respaldo para diante e se sentou nela como se montasse a cavalo, cruzando os braços sobre o respaldo para mostrar seus avultados bíceps. por que eu? ?Para responder a sua pergunta, sim, pode me beijar o culo. Normalmente, prefiro conservar meu


espaço pessoal, mas você é uma amiga da Manada e seus serviços demonstraram ser de utilidade em uma ou duas ocasiões. Minha única pergunta é, beijaria-me o culo por obediência, por acicalamiento ou como um preliminar do ato sexual? Rafael empalideceu e inclinou a cabeça. ?Com sua permissão, senhor. Curran assentiu e Rafael tomou ao Andrea da mão. –Mas... ?protestou ela.

?Temos que ir agora. ?O sorriso do Rafael mostrava um pouco de nervosismo. partiu e arrastou ao Andrea com ele, me deixando reveste com Curran. Traidores!

Capitulo 5 Não respondeste a minha pergunta ?disse Curran?. Qual das três? ?Não ?respondi. Curran sorriu abertamente e meu coração se acelerou. Não esperava isso. ?Isso é tudo? Essa é sua engenhosa réplica? ?Sim. ?Essa sou eu, a eloqüência personificada. Quando tinha problemas, minha conversação se voltava monosilábica' era mais seguro assim. Curran apoiou o queixo sobre seus braços cruzados. Em realidade, não era tão especial. Vestia uns jeans desgastados e um pólo azul cinzento. É difícil mostrar um aspecto letal quando se, leva um pólo, mas ele o conseguia, possivelmente porque não podia ocultar a definição de seu peito ou as pétreas formas, de seus ombros. De fato, se flexionava os músculos, é provável que o rasgasse. Sabia que baixo esse objeto seu corpo era tão duro como uma armadura. Possivelmente não era seu corpo, a não ser o ar que lhe rodeava. Quando queria, Curran literalmente era capaz de emanar ameaça, Tinha-lhe visto rugir de raiva e mostrar uma ira gélida, resolvida, aguda como o fio de uma adaga, e não estava segura do que resultava mais aterrador. O fogo dourado de seus olhos despertava em mim um medo primitivo, um sentimento nascido eones atrás à luz do descobrimento do fogo, antes da razão, antes da lógica, quando a existência humana estava regida pelo temor a ser devorado por criaturas com garras e dentes afiados. Esse medo me escravizou e não era capaz de racionalizá-lo. Tinha que combatê-lo com toda a força de minha vontade tanto tempo como pudesse, mas não tinha garantias de poder resisti-lo-a próxima vez que decidisse me submeter com seu olhar de alfa. Curran me examinou atentamente e eu fiz o mesmo, respondendo a seu sorriso com outra similar. Levava o cabelo loiro muito curto para sujeitá-lo. Parecia que alguma vez se quebrado o


nariz e não tivesse sanado corretamente, algo estranho para um cambiaforma e, especialmente, para um do calibre de Curran. Os olhos cinzas... Apareci em interior desses olhos e vi pequenas faíscas douradas que dançavam em suas profundidades. Meu coração se sobressaltou de novo. Tenho um problema muito gordo. ? Eu gosto de como leva o cabelo ?disse. Seguindo a filosofia de uma sexta-feira livre, levava o cabelo solto. Quase sempre me fazia uma trança ou me recolhia isso em um coque para que não me incomodasse, mas aquele dia caía solto e livre, como um comprido cortinado castanho escuro que a brisa balançava a ambos os lados de meu rosto. Flexionei a boneca para extrair da capa da muñequera uma larga agulha de prata, recolhi-me o cabelo, fiz-me um coque, atravessei-o com a agulha para mantê-lo em seu sítio e lhe mostrei os dentes em um pequeno sorriso depreciativo. Aí tem. ?Muito bonita. ?Soltou uma gargalhada?. Não te cansa alguma vez de fingir ser tão dura?

Bonita. Acredito que tivesse preferido ser apunhalada em um olho a que me chamasse bonita. ?A que devo o prazer da companhia de Sua Majestade? ?e a que me arruinasse a comida. ? Gostava de comer pêssegos. ?Sorriu. Desde quando uma morte no seio da Manada tinha como resultado tão bons ânimos? ?Há alguma razão em particular pela que estivesse indagando a respeito dos Jogos da Meia-noite? ?perguntou Curran. ?Simplesmente um interesse histórico. ?Achava-me sobre terrenos movediços. Não tinha nem idéia de se sabia um pouco do Derek ou não. Precisava cortar esta conversação?. Necessita a Manada meus serviços como empregada da Ordem? ? Nestes momentos não. ?reclinou-se em sua cadeira, agarrou o prato de fruta do Andrea e me ofereceu isso?. Pêssego? Meu sorriso se afiou. Durante a erupção, Curran me tinha devotado sopa e me tomei. Mais tarde a Tia B, alfa dos bouda, explicou-me a importância daquilo: os cambiaformas ofereciam comida a seus casais potenciais. Ao mesmo tempo, estava-se proclamando como meu protetor, algo que implicava que eu era mais fraco que ele, e oferecendo-se. E eu o aceitei, para sua infinita diversão. Se tivesse sabido o que significava a sopa, me tivesse tirado isso de todas formas, porque naquele momento estava meio morta. ?Não, obrigado. ?Cruzei os braços sobre meu peito?. Não vou aceitar mais comida se for você quem me oferece isso.


? Ah. ?Agarrou uma parte, partiu a fruta pela metade e a meteu na boca?. Quem lhe há isso dito? Rafael? ?Acaso importa? ? Não. ?Seus olhos relampejaram, cheios de faíscas douradas. Mentiroso. Quão último queria era causar problemas ao Rafael por ter arruinado a brincadeira privada de Curran. ? Li-o nas notas do Greg. ?Tirei um par de perus de minha carteira, preguei-os pela metade e os deixei entre o saleiro e o pimentero. ?Já vai? Seus poderes de dedução são realmente surpreendentes, senhor Holmes. ?Como não necessita meus serviços profissionais, vou voltar para minhas obrigações. ? Hoje tinha o dia livre. Como podia saber isso? ?A Ordem estabelece um período de descanso de dezesseis horas quando a magia se desvanece. Um de nossos ratos te viu ontem à noite ajudando a baixar a uma anciã de um poste telefônico. Ao parecer, foi um assunto hilariante. ?comeu-se outra parte de pêssego. ?Vivo para divertir. ?Levantei-me da cadeira. Curran tentou me apanhar pela boneca. Seus dedos foram tão rápidos como um gato, mas eu me tinha passado a vida inteira afinando meus reflexos e não o conseguiu. ?Bom, olhe isto. ?Estudei a boneca que não tinha conseguido apanhar?. Acesso denegado. Adeus, Sua Majestade. Por favor, comunica minhas condolências à família. ?Encaminhei-me para a porta. ? Kate? ?A súbita mudança no tom de sua voz me fez me dar a volta. Todo rastro de humor tinha desaparecido do rosto de Curran?. A família de quem?

Capitulo 6 antes da Oscilação, a rua Ponce de Leão canalizava a grande corrente de tráfico procedente do Stone Mountain através do Decatur e Druid Hills passando pelo City Hall East em direção aos arranha-céu do centro. A torre Belle?South, o Banco da América e o Hotel Renaissance não eram mais que pilhas de escombros, mas City Hall East ainda permanecia em pé. Possivelmente se


tinha mantido porque não era tão alto, unicamente nove novelo. Sua idade, provavelmente, também tinha tido algo que ver. Imerso na história, o edifício tinha evoluído através dos anos, dos armazéns Sears em 1926 a um centro governamental e, mais tarde, a uma comunidade de apartamentos, lojas e restaurantes ao redor de um hectare de jardins. Mas havia uma terceira razão, muito mais importante, para sua continuada permanência. Uns vinte anos atrás, a Universidade de Atlanta de Artes Ocultas tinha adquirido esse enorme complexo. Na atualidade, albergava faculdades, estudantes, bibliotecas, laboratórios e centros de investigação. Se alguém era capaz de fazer que um edifício se mantivera em pé, quatrocentos magos deveriam poder fazê-lo. A presença dos magos ?e de estudantes de magia que, como todos os estudantes, eram bastante impulsivos em suas compras? tinha revivido a rua Ponce de Leão. Na atualidade era uma rua buliçosa, cheia de lojas, bancas e sítios para comer. Em comparação, a rua Dead Cat era um beco estreito. Serpenteava entre edifícios de apartamentos de dois e três novelo, recentemente construídos, até uma pequena praça que albergava um supermercado aberto as 24 horas e uma loja de comestíveis. Curran e eu nos tínhamos detido no bordo da estreita calçada, olhando para o Dead Cat enquanto os carros de cavalos e os pedestres percorriam Ponce de Leão a nossa direita. A cena do crime estava limpa. Não havia manchas de sangue no pavimento, nem signos de luta. Não havia nada. Se não tivesse estado aqui a noite anterior, nem sequer teria imaginado que ali tinha tido lugar uma desgraça. Curran permanecia muito quieto, respirando profundamente. Os minutos se eternizaram. Súbitamente, seu lábio superior se elevou em um movimento que deixou seus dentes ao descoberto. O aviso de um grunhido se estremeceu atrás de seus dentes. Seus olhos relampejaram, dourados. ?Curran? ?Um leão me olhou através de uns humanos olhos cinzas e imediatamente se desvaneceu, substituído pelo rosto neutro de Curran. ?Um bom trabalho, consciencioso ?disse, e eu arqueei as sobrancelhas?. orvalharam o lugar com acónito. As raízes se secam, demolem-se até as reduzir a pó e se mesclam com uma base. O detergente em pó funciona bastante bem. Também o bórax ou o bicarbonato. Não é tão efetivo como a massa de acónito, mas 10 suficiente para impor-se a qualquer rastro olfativo. A equipe do Jim deveu usá-lo em grandes quantidades. Anotei aquele dado para futuras referências. ?Então todo este olisqueo não serviu que nada? ?Não se pode impregnar o ar. ?Curran sorriu?. Inclusive aqui, com todo o tráfico e as correntes de ar, os aromas perduram e flutuam por cima do chão. me conte o que viu e comparemos nossas notas.

Comecei a duvidar. Falar com Curran era como caminhar através de um campo minado. Nunca sabia quando algo poderia desencadear sua reação, e Jim, por muito fastidioso e gilipollas que fora, era meu antigo companheiro.


?por que não o pergunta ao Jim? Provavelmente, quererá ser ele quem lhe conte isso. Curran negou com a cabeça. Seu rosto era sombrio. ?Quando um dos nossos morre, recibo uma chamada. Não importa a hora que seja. Ontem à noite não saí da Fortaleza e não recebi nenhuma. Esta manhã vi ao Jim e não me contou nada de tudo isto. ? Deve ter uma razão de peso para não revelar a informação. ?Kate estendeu à Manada uma oferta de colaboração por parte da Ordem? ?Sim. ?Venha, não me jodas?. E foi declinada. ?Como Senhor das Bestas, aceito agora sua ajuda. Maldita seja. O acordo de mútua ajuda me obrigava a revelar tudo o que soubesse sobre o incidente. ?por que sempre faz o mesmo? ?Olhei-o em vão?. por que sempre me manipula para que faça algo que não quero fazer? ?Tenho muita prática. ?,?O rosto de Curran se iluminou ligeiramente?. A Manada está composta por trinta e duas espécies agrupadas em sete tribos, cada uma com sua própria idiossincrasia. Os chacais e os coiotes se encetam em brigas com os lobos porque têm um complexo de inferioridade e pensam que têm algo que demonstrar. Os lobos se acreditam superiores, casam-se com as pessoas equivocadas e logo rechaçam divorciar-se porque isso vai contra sua absurda idéia da monogamia de por vida. As hienas não escutam a ninguém, procuram sexo indiscriminadamente e sofrem estalos de fúria pela menor nimiedad. Os gatos rehúsan acatar qualquer tipo de ordens, unicamente para demonstrar que podem fazê-lo. Essa é minha vida, e assim foi durante os últimos quinze anos. A tua, em comparação, é singela. ?Perdoa enquanto meu ego se recupera. ?e eu que pensava que supunha para ele alguma provocação. ? É a vantagem de ter princípios. ?Sorriu abertamente?. Quando está encurralado em um rincão, sempre te esforça por fazer o que criar que é correto, inclusive quando você não gosta. Como agora. ?Suponho que me compreende bem. ?Entendo por que faz as coisas, Kate. É como as faz o que me chateia às vezes. ?Às vezes? ?Devo lhe assegurar, Sua Majestade, que passo largas noites em branco tombada na cama preocupada com seus sentimentos. ?Pois deveria. ?Um som, a meio caminho entre uma gargalhada e um grunhido, reverberou em sua garganta?. me provocar não serve de nada, assim me conte o que viu. Ou devo estender uma petição formal por escrito? Aquele, aparentemente, era o dia de «deixemos que Kate aprenda um pouco de humildade». Me tinha bem agarrada pelo pescoço.


Voltei de novo para a cena do crime, reconstruindo-a em minha cabeça. ?Vim com minha mula pelo Ponce de Leão. Aqui havia sete cambiaformas. Dois tinham adotado a forma de lobo e farejavam o lugar em busca de rastros. A gente estava aqui. ?Adiantei-me uns passos para indicar o lugar exato?. Era um macho. Tinha o aspecto típico de um lobo europeu, Canis lupus, com uma grossa pelagem cinza escura veteado de castanho claro, especialmente no

focinho. O segundo estava aí. ?Cruzei a rua para me aproximar do sítio indicado?. Provavelmente era uma fêmea, mas não estou segura. Sua pelagem era castanha, quase de cor canela, com o focinho .negro .ou marrom escuro e as orelhas escuras. Os olhos amarelo pálido. Pareceu-me um lobo americano. ?George e Brenna ?apontou Curran. Observava-me com intenso interesse?. Os melhores rastreadores do Jim, Continua. ?Havia dois cambiaformas aqui. ?Cruzei a rua até o outro lado do Dead Cat?. Estavam colocando um cadáver em uma bolsa. Ambos eram fêmeas. a da direita era de estatura média, compleição pequena e o cabelo loiro cinza em uma meia juba. Não cheguei a lhe ver a cara. ?Dava um amplo passo para a esquerda?. A outra era uma nativa americana próxima aos quarenta, algo rellenita, com a pele acobreada e o cabelo comprido recolhido em uma trança, mas bonita. Curran guardou silêncio. ?A gente vigiava o perímetro aí. ?Apontei para minha esquerda?. E outro ali. ?Girei-me para indicar a convocação do segundo?. O último estava aqui. ?Assinalei com o dedo o lugar onde o guarda me tinha detido?. Os dois de atrás tinham um aspecto similar, latino com um toque índio, provavelmente mexicanos, jovens, de cabelo escuro, baixos mas compactos, muito rápidos e, sem dúvida, bons no combate. que me deu o alto mediaria a trintena, possivelmente os quarenta muito bem levados levava um corte de cabelo uso militar, cabelo castanho claro, olhos avelã, musculado como um fervoroso culturista. Não parecia tão rápido como os outros dois, mas dava a impressão de que poderia nos levantar mim e à mula. Falava com um ligeiro acento, australiano ou neozelandés. Se resentía um pouco do braço esquerdo. Possivelmente tinha sido ferido recentemente. Quer que te descreva suas roupas? Curran negou com a cabeça. ?Quanto tempo esteve aqui? ?ao redor de um minuto e médio, pode que dois. –Cruzei a rua até o lugar onde vi que Brenna emitia um ganido?. Brenna encontrou um braço justo aqui. Acredito que o braço pertencia a uma mulher, porque a manga era pálida e brilhava um pouco. Era de algum tipo de malha metalizada, como um vestido de noite ou uma blusa, não do tipo que habitualmente levaria um homem, a menos que fora bastante extravagante. ? me fale do Jim, ?materializou-se de um nada justo aí. De um modo bastante dramático. ?Levantei o olhar?. Ah,


provavelmente saltou desde esse balcão. ?Repassei mentalmente a conversação?. Isso é tudo. Nem sequer vi o cadáver. Não posso te dar mais detalhe. O rosto de Curran adquiriu um aspecto estranho. Parecia quase mostrar admiração. ?Não está nada mal. É uma habilidade memorística natural ou algo que a Ordem te ensinou? ?A Ordem não. Meu pai. ?Encolhi-me de ombros?. E não é perfeita. Normalmente, sempre esquecimento os artigos mais importantes de minha lista da compra. Mas me treinaram para avaliar qualquer situação .em busca de possíveis riscos, e sete cambiaformas recolhendo um cadáver em metade da noite em uma rua deserta é algo que entranha muitos riscos. Seu turno. ?Um trato é um trato. ?Curran cruzou a rua até situar-se junto a mim?. Não a mataram aqui. O rastro de sangue é apenas perceptível e o chão não está manchado mas, mesmo assim está

muito sujo como para que alguém o tenha limpo. Desmembraram o corpo ao menos em seis partes. Este é um lugar de má morte, mas o escolheram porque um de nossos escritórios se encontra a oito maçãs daqui. É o mais longe que podiam entrar em nosso território sem ser detectados por uma patrulha. Ao menos eram três e não cheiram como humanos. Não sei o que são, mas eu não gosto do aroma que desprendem. muito melhor. ?Não posso te contar muito mais ?contínuo?, exceto Jim trouxe para sua melhor equipe de limpeza consigo. Conheço todas e cada uma das pessoas que há descrito. São muito bons em seu trabalho E nenhum deles lhe havia dito nada sobre o ocorrido. Pergunta-a do milhão de dólares era... por que? Uma vez aceita, a assistência da Ordem não pode declinar?lhe disse?. Agora formo parte da investigação. Isso implica que terei que entrar em seu território e fazer um montão de perguntas incômodas. ?Eu também tenho algumas pergunta. ?Um ouro líquido alagou os olhos de Curran. Os finos cabelos de minha nuca se arrepiaram. Eu não gostaria de estar no pele do Jim nestes momentos. ?Porei-me em contato contigo para programar os interrogatórios. ?deu-se a volta e se afastou, me deixando em metade da rua. Assim era o Senhor das Bestas, um homem além das convenções mundanas, como os agradecimentos e as despedidas. Enquanto voltava para a civilização, caí na conta de que, pela primeira vez nos seis meses desde que conhecia Curran, tínhamos conseguido manter uma conversação e nos havíamos separado sem tentar nos matar mutuamente. Encontrei esse fato profundamente perturbador.


Capitulo 7 Um pequeno pacote envolto em papel marrom me aguardava ante a porta de meu apartamento. . Detive-me e meditei: por que demônios não o teriam roubado? O apartamento, que tinha herdado do Greg, não estava na pior parte da cidade mas tampouco na melhor. A meu guardião não preocupava a segurança. Tinha comprado o apartamento porque estava perto da sede da Ordem. Franzi o cenho ante o pacote. Jazia no imundo patamar diante de minha nova porta. Tinha tido que substituir a antiga quando um demônio a destroçou ao tentar entrar. Tinha-me lavrado uma reputação na vizinhança como a louca da espada do 32B, uma imagem que cultivava cuidadosamente, mas inclusive assim um pacote desatendido deveria ter desaparecido segundos depois de que o tivessem deixado ali. Possivelmente era um pacote bomba. Tirei assassina de sua vagem. A luz que se filtrava através dos sujos cristais da janela do patamar incidiu sobre o metal opaco, quase branco, da folha, como se a recubriera uma capa de madrepérola. Golpeei brandamente o pacote com a ponta da espada e retrocedi, no caso de.

Nada. O pacote seguiu imóvel e silencioso. Sim, sim, e logo que o recolhesse exploraria e reduziria minhas mãos a cotos. Pu-me em cuclillas, cortei a corda que assegurava o pacote e, cuidadosamente, apartei o papel para mostrar seu conteúdo, que revelou uma malha de seda verde e um cartão. Agarrei-a para ler a mensagem: Por favor, me chame. Saiman. Soltei alguns tacos em voz baixa enquanto recolhia o pacote e entrava no apartamento. Minha secretária eletrônica indicava que não tinha mensagens. Não sabia nada do Derek. Arranquei o pacote e derrubei o conteúdo do pacote sobre minha cama. Um par de calças amplas de seda, de cor magenta pálida, umas sapatilhas verdes e um ao dai: um adorno vietnamita, comprido e solto, a meio caminho entre uma túnica e um vestido. Os objetos eram deliciosos, especial?mente o ao dai, confeccionado em seda verde samambaia e bordado com motivos de um verde mais claro e diminutas bolinhas de magenta. Agarrei o telefone e marquei o número do Saiman. ? Olá, Kate. ?Que parte do não é uma entrevista não entendeu?


Um suspiro apenas audível se, filtrou através da linha. ?A menos que tenha estado nos Jogos, é difícil descrever a atmosfera que se respira neles. É um lugar brutal, notavelmente violento. Os limites normais do sentido comum não se aplicam ali. Quem não possui uma mente ágil não prevalecem, e todo mundo arde em desejos de demonstrar suas habilidades físicas. Você é uma mulher atrativa. Se aparece vestida como foi ontem à noite, veremo-nos alagados de opositores que pretenderão te desafiar. Acredito que ambos estaremos de acordo em que chamar tanto a atenção sobre nós é desnecessário. Não lhe faltava razão. ?escolhi seus objetos com grande esmero ?disse?. Permitem uma ampla liberdade de movimento. Se lhe puser isso, terá menos pinta de guarda-costas e mais de... ?Mulher floreiro? ?De acompanhante. Por favor, Kate, sei razoável. Por uma noite, faz o pape1de Emma Peel para meu John Steed.

Não tinha nem idéia dos quais eram Emma Peel nem John Steed, ?Se se sentir incômoda, entenderei-o. ?A voz do Saiman se suavizou, adquirindo a qualidade do veludo?. Sempre podemos renegociar os términos de nosso acordo. Impregnou a palavra «renegociar» com tal insinuação que inclusive uma prostituta se ruborizou. ?Um trato é um trato ?disse. Melhor pagar aqui e agora. Estar em dívida com ele não me fazia a menor graça e ele o, sabia. Sentia-me manipulada uma vez mais. ?O verde é sua cor ?disse Saiman em tom conciliador?. Fiz confeccionar o ao dai a sua medida. Deveria te sentar de maravilha. Não tinha a menor duvida de que o faria. Provavelmente tinha adotado minha forma e o tinha provado. ? Darei-lhe uma oportunidade. ? Recolherei às dez. E, Kate, possivelmente um toque de maquiagem... ?Quer me ajudar também a escolher minha roupa interior?

?Sentiria-me muito agradado. ?Meu sarcasmo fez soar sinos em sua cabeça?. eu adoraria verte com um prendedor palavra de honra, mas me temo que para esta ocasião terei que me conformar


com um sem cheio nas taças, devido ao corte ajustado do vestido sobre seus peitos... Possivelmente deveria ir antes e jogar uma olhada a sua lingerie… Pendurei imediatamente. Uma festa de roupa interior com o Saiman? Nem em seus sonhos mais selvagens. Oito horas mais tarde, enquanto descia do carro do Saiman no estacionamento da Areia, não pude evitar reconhecer que tinha razão. Embora a seda verde se atia sobre meu peito, sem deixar a menor duvida de que era uma mulher, o vestido se ampliava ao cair. O ao dai possuía dois cortes simétricos aos lados, que se estendiam até a altura da cinturilla das calças. As mangas se acampanaban nas bonecas, o bastante largas para ocultar meus muñequeras, que tinha cheio de agulhas de prata. Desgraçadamente, não havia sitio para minha espada. Até? que não passava nada; não me importava levá-la na mão. Saiman me sustentou a porta do co-piloto. Essa noite, tinha adotado a forma de um homem alto, de média idade, um homem que já tinha deixado atrás a flor da vida mas que ainda se conservava esbelto e elegante, vestido com um elegante traje escuro e um pulôver negro de pescoço voltado. Seus rasgos eram grandes e bem definidos, com um nariz Patricia, um queixo poderoso, uma frente ampla e uns olhos cor avelã claro sob umas vigorosas pestanas brancas. O cabelo cinza platino emoldurava seu rosto em minha juba de corte delicioso. Em sua mão direita sustentava um comprido fortificação negro rematado por uma cabeça de dragão chapeada. Irradiava um aura de riqueza que realçava seu aspecto como uma capa de verniz. Tudo nele cheirava a dinheiro e a prestígio. Sua voz era o equivalente acústico de um café excelente, rico, suave e ligeiramente amargo. ? Kate, temo-me que a espada tem que ficar aqui. ?Nem pensar. ? As armas estão proibidas em todo o recinto, exceto no nível do Poço. Não poderá entrar. Mierda. Suspirei e deixei a Assassina entre os assentos dianteiros. ?Fique aqui e protege o carro. ?Saiman fechou a porta. ? A espada te entende? ?Não, mas eu gosto de imaginar que sim o faz. Saiman pulsou um pequeno mando a distância e o automóvel respondeu com um estranho repique. ? O que foi isso? ? Meu sistema de segurança. Eu não te recomendaria tocar o veículo. Vamos? ?Ofereceu-me seu cotovelo e eu apoiei meus dedos em seu braço. Um trato era um trato. Esta noite, seria sua mulher floreiro. Ao menos, parecia-o. Tinha-me recolhido o cabelo e tinha atravessado o nó com duas varinhas


de madeira reforçada para sustentá-lo. Inclusive me tinha aplicada maquiagem que fazia jogo com o ao dai. O vestido já acrescentava um toque de exotismo, mas a máscara e a sombra de olhos escura entravam em um território misterioso. Nunca poderia ser formosa, mas sim atrativa. Um enorme edifício se elevava ante nós, em metade de um vasto estacionamento. De forma oval, revestido com tijolo, alcançava três pisos de

altura e se erigia na noite como se sempre tivesse estado ali. Edifícios desse tamanho eram estranhos em Atlanta, embora um pouco relacionado com sua localização atirou de mim. ?Não havia outra coisa aqui? ? O Refrigerador. Antes era a pista de patinação sobre gelo de Atlanta. Obviamente, fizemos umas quantas modificações. Caí na conta do «havemos». ?Saiman, é um dos membros da Casa? ?Não. Mas Thomas Durand sim o é. ?Indicou seu novo rosto com um elegante floreio de sua mão. Não só ia assistir a um torneio de luta ilegal vestida como uma menina boba, mas sim meu acompanhante possuía uma parte do negócio. Genial. Primeiro assistia de forma encoberta a um lugar onde se apostava e se lutava ilegalmente; talvez depois pudesse passar algumas droga e me converter em prostituta de luxo. Suspirei e tentei oferecer a aparência de alguém que não ganha a vida matando. ?Isso que leva no cabelo são armas? perguntou Saiman. ?Não, não é boa idéia te colocar folhas afiadas na cabeça. ?por que não? ? Em primeiro lugar, se alguém te golpear, as folhas lhe transpassariam o crânio. Em segundo lugar, antes ou depois terá que as tirar. Não gosta de desenvainar dramaticamente as armas de meu penteado e acabar me cortando a metade do cabelo ou, ainda pior, com uma enorme calva. Uma torre de madeira se abria caminho para o céu a uns cem metros da Areia, o bastante perto para cobrir todo seu telhado com o fogo das metralhadoras e balistas montadas na plataforma de sua cúspide. Os indivíduos que permaneciam nela vestiam uniformizem de cor negra e vermelha. ?O Guarda Vermelho? ?Sim. ?Suponho que os deporte sangrentos dão muito dinheiro. ?Do contrário, os anfitriões daquele pequeno sarau não poderiam alugar os serviços do guarda privado mais cara da cidade. Conhecia alguns de seus membros e se mereciam o pagamento que recebiam. Uns anos atrás tinha considerado me unir a eles pelo salário fixo, mas o trabalho era mais aborrecido que o


inferno. ? O Coliseu, orgulho e alegria de Roma, podia albergar cinqüenta mil pessoas. ?Saiman se permitiu exibir um sorriso?. Cinqüenta mil pessoas quando o cavalo era o meio de transporte mais eficaz. Em efeito, o sangue dá dinheiro. Mas também atrai a quem quebranta as normas, por isso o Guarda Vermelho patrulha tanto o perímetro exterior como o interior, especialmente o nível inferior que rodeia o Poço, onde têm lugar os combates. As habitações dos lutadores se localizam ali, e a Casa não tolera nenhuma briga fora do Poço. Minha velada se estava complicando por momentos. Acompanhar ao Saiman, lhe aconselhar fazendo uso de umas habilidades de ninja que não possuía, conseguir passar entre os melhores guardas de Atlanta, entrar em uma planta cheia de gladiadores, encontrar à garota de cabelo escuro, lhe dar a nota e voltar antes de que Saiman suspeitasse que passava algo. Uma guloseima. Não poderia fazê-lo nem em sonhos. Uma vez mais, senti a urgente necessidade de golpear ao Derek em toda a boca.

Cruzamos uma linha de um branco fluorescente, de uns sessenta centímetros de largura, grafite no chão. ? e esta linha? ?Agora nos achamos sob o amparo dos guardas ?respondeu Saiman?. No interior do traçado se preocupam com nosso bem-estar, até certo ponto. além da linha, estamos sozinhos. ?houve mortes no estacionamento? ?Se não fosse agente da Ordem, poderia te contar que houve dois o mês passado. Mas como o é, tenho que declarar minha ignorância a respeito. ?Dirigiu-me um sorriso evasiva. economize-lhe isso Encaminhamo-nos para uma entrada intensamente iluminada, flanqueada por quatro membros do Guarda Vermelho. Dois deles exibiam armas automáticas e os outros dois levavam umas ostentosas lanças chinesas decoradas com estandartes de seda carmesim. Era uma estranha eleição para uma arma, mas eram realmente formosas. Saiman e eu passamos entre eles e cruzamos o estreito arco da entrada até um vestíbulo. Uma mulher se interpôs em nosso .caminho, escoltada por dois membros do Guarda Vermelho que parecia que aguardassem a oportunidade de correr até o bosque com uma mochila de vinte e cinco quilogramas para fazer estalar uma manada de lupos. Sua chefa era ligeiramente mais alta que eu, um pouco mais magra, rodeada em um colete de couro castanho claro e armada com um estoque. Sua mão direita estava nua, mas a esquerda se achava coberta por uma grossa luva de couro. Um brilho verde esmeralda debruava a folha do estoque como se fosse feito de cristal verde garrafa. Dez a um a que estava enfeitiçado. Joguei uma olhada à mulher. Cabelo curto vermelho. Olhos de um cinza claro. Olhei nesses olhos


e uma tipa dura me devolveu o olhar. ? Rene. como sempre, um prazer. ?Saiman fez de novo seu truque com as entradas e as tendeu ao Rene. Rene as aceitou, jogou-lhes uma olhada, as devolveu ao Durand e me dirigiu um olhar territorial que deixou bem claro?que o ao dai não a tinha confundido nem por um instante. ?Não mate a ninguém em meu edifício. ?Faz bem seu trabalho e não me verei obrigada a isso. Permiti que Saiman me guiasse através do vestíbulo. inclinou-se para mim e me disse em tom confidencial: ?Rene é... ? A chefa de segurança. ~Su espada... ?Está enfeitiçada, provavelmente com veneno, e é surpreendentemente rápida com ela. ? Acaso a conheceste anteriormente? ?O estoque é uma arma de duelista. ?Fiz uma careta?. É idôneo para um combate singular, um contra um, mas requer precisão: trata-se de perfurar órgãos vitais e copos sangüíneos com uma folha extremamente fina. Um estoque normal não deteria um cambiaforma enfurecido, por exemplo. A área de danos é muito pequena, o que implica que para que Rene seja efetiva o estoque .tem que ter veneno ou magia e tem que golpear muito rapidamente para que funcione. Suspeito que está envenenado, porque Rene leva uma luva

na mão esquerda, o que significa que não quer tocar a folha com a mão nua inclusive quando a tecnologia está em seu apogeu. Tenho razão? ?Sim. ?Saiman parecia um pouco desconcertado. O estoque do Rene funcionaria provavelmente de modo parecido a Assassina. Minha espada fumegava em presença dos não mortos e diluía suas malhas necrosados. Se a deixava enterrada dentro de um corpo, também absorvia a carne liquidificada. Desgraçadamente, estranha vez tinha a oportunidade de deixá-la em um cadáver o tempo suficiente e, como resultado, Assassina se voltava frágil e quebradiça depois de muitos combates, por isso tinha que alimentá-la. Tivesse apostado uma boa parte de meu salário a que Rene também tinha que reabastecer seu estoque. Rodeamos uma esquina, subimos umas estreitas escadas e saímos a um mundo completamente diferente. O estou acostumado a era de ladrilhos italianos, rústicas e gastas, com um elaborado motivo de peças grandes e pequenas. As paredes, de um esvaído tom pêssego, possuíam nichos


na parte esquerda que albergavam grandes vasos de cerâmica com caules de bambu. À direita, amplos arcos balizavam o muro, cada um deles talher por um vetusto cortinado. Recarregados abajures feéricas, agora apagadas em ausência da magia, decoravam o espaço restante entre os arcos. Uma dúzia de ventiladores girava seus sinais de multiplicação lentamente no teto, e suas lâmpadas arrojavam uma suave luz no corredor. O constante bulício da multidão reunido se filtrava através dos cortinados. Estávamos no terceiro andar. A magia golpeou, anulando a eletricidade. Os abajures piscaram antes de apagar-se. Os ventiladores ralentizaron seus giros até deter-se com vadiagem, e os retorcidos tubos de cristal dos abajures feéricas entraram em ignição com o passar do corredor, tingindo-o com seu resplendor azul pálido. Um bramido profundo e gutural se abriu passo através do ruído branco da multidão, um som desumano de medo, raiva e dor unidos. Os finos cabelos de minha nuca se arrepiaram. Saiman me observou em busca de uma reação. Sua expressão tinha um ar petulante, pago de si mesmo. ?Aonde vamos? ?perguntei-lhe, ignorando o ruído. ?À plataforma de observação para gente VIP. Se recordar, mencionei-te minha necessidade de sua opinião profissional. Os membros da equipe que vais avaliar revistam rondar por aqui antes do combate. ?Que equipe é? ?perguntei, recordando a nota do Derek que tinha escondida em meu muñequera esquerda. Tinha que entregar a nota ao Livie, da equipe dos Colhedores... ?Os Colhedores. Me imaginava.

Capitulo 8

A plataforma de observação semicircular se achava ocupada apenas em um terço de sua capacidade. A maioria das luzes procedia dos conjuntos de velas que ardiam sobre umas mesas pequenas e redondas. além das mesas, um enorme ventanal do chão ao teto com

forma de meia lua oferecia uma panorâmica do estacionamento e da cidade sumida em trevas. Enquanto caminhava, perto do Saiman, para a mesa junto ao ventanal, cataloguei aos patrocinadores. Havia dezesseis pessoas em total, três guarda-costas, quatro mulheres, duas delas moréias, mas ninguém tinha o aspecto de ser um combatente. Meu olhar se deslocou até um homem que se sentava, duas mesas mais à frente e de repente senti uma sacudida, como se uma corrente elétrica percorresse meu braço. Era alto, mais de um


metro oitenta, e estava embelezado com um flexível couro cinza, em grande parte oculto por uma singela capa de malha tosca. Seu cabelo, comprido e escuro, caía-lhe até os ombros. Seu olhar se posou em mim e me aferrou. O poder percorria seus olhos, de um azul pálido. Estava sentado comodamente, com aspecto depravado e cordial. Se por acaso lhe pisava em um pé, podia ser cortês e desculpar-se por interpor-se em seu caminho, mas havia algo nele que transmitia poder e o potencial de uma incrível violência. Sabia com absoluta certeza que podia matar a todos os presentes na sala em apenas uns segundos, e essa certeza ultrapassava, com muito, sua necessidade de demonstrá-lo. O líquido de sua taça era transparente. Vodca? Água? A água significaria que era alguém que desejava permanecer sóbrio e, portanto, supunha uma grande ameaça. Saiman moveu uma cadeira com a intenção de que me sentasse nela, embora então ficaria de costas a esse homem. ?A outra ?murmurei. O olhar daquele homem não lhe separava de mim. ?Desculpa? ? A outra cadeira. Saiman se deslocou grácilmente até o outro lado da mesa e acomodou a outra cadeira. Sentei-me Saiman me imitou. Um garçom se aproximou e obstaculizo meu vestem. Saiman pediu conhaque. ?E a senhorita? ?inquiriu o garçom. Saiman abriu a boca. ? Água. Sem gelo ?disse, me adiantando. Saiman permaneceu em silêncio. O garçom partiu, o que revelou de novo ao homem do cabelo escuro, que se tinha girado sutilmente para poder observá-los. Olhou-me como se estivesse procurando alguma informação em meu rosto. Eu transmitia alto e claro a palavra «guarda-costas»; Muito bem... Olhar é grátis, mas touca ao Saiman e te partirei a traquéia. ?Não há necessidade de jogar a ser meu guarda-costas ?me assegurou Saiman. ?Não há necessidade de jogar a ser minha entrevista. ?.Era questão de princípios. Se alguém atacava ao Saiman enquanto eu permanecia sentada junto a ele teria que tirar tudas minhas facas e tomar cartas no assunto. ?Não posso evitá-lo. Está deslumbrante. ?É agora quando tenho que me deprimir? O homem se levantou e se dirigiu para nós. Ao menos media um e noventa. Eu não gostava do modo em que se movia, avançando sem dificuldade, com movimentos fluídos. Um espadachim. E um de talha excepcional, já que se movia com gracilidad apesar de sua grande estatura. Alto, ágil e mortal.


?Até a risco de sonar grosseiro ?suspiro Saiman te cortejar é como jogar basquete com um puercoespín. Nenhum completo fica sem castigo.

? Então deixa de fazer cumpridos. Um jovem ruivo entrou na plataforma e avançou com brio. O espadachim se deteve metade de um passo. O jovem lhe aproximou, disse-lhe algo em voz baixa e se fez a um lado, tratando-o com a deferência devida a um oficial de fila superiora. O espadachim me olhou por última vez e se deu a volta. Saiman soltou uma risita. ?Não lhe vejo a graça. O garçom trouxe nossas bebidas: minha água em uma taça flauta e o conhaque do Saiman em uma pesada taça de cristal esculpido. Saiman sustentou o globo de cristal na palma de sua mão para esquentar o ambarino líquido escuro e o aproximou para perceber o aroma que desprendia. ?Era de esperar que atraíra a atenção dos homens. É uma mulher cativante, pouco convencional, fascinante. Além disso, ser vista em minha companhia te proporciona muitas vantagens. Sou um homem atrativo, com êxito e respeitado. E muito rico. Minha reputação neste lugar é irreprochável. Sua beleza e minha posição criam uma atmosfera de atrativo encanto. Acredito que logo descobrirá que esses homens lhe encontram extremamente desejável. Poderíamos ser um casal arrolladora... Flexionei minha boneca, extraí uma das agulhas de prata e a sustentei em minha palma enquanto a oferecia. ?O que é isso? ?Uma agulha. ?E o que deveria fazer com ela? Tinha cansado direto na armadilha. Muito fácil. ? Por favor, usa-a para te cravar a cabeça. Obstrui-me a vista da sala. As portas da plataforma de observação se abriram e entraram dois homens. o da esquerda sobressaía sobre seu companheiro. Era alto e corpulento, com o cabelo talhado tão curto que logo que era uma mera sombra sobre seu enorme crânio, e permanecia reto e erguido. Levava calças negras, umas imensas botas militares e nada mais. Retorcido-los motivos de umas tatuagens tribais, de contornos precisos e pintados com uma tinta mais negra que a


noite, subiam por seus braços, obscureciam seu peito e se derramavam pelas costas depois de subir por seu pescoço. Aquilo era um trabalho muito elaborado e uma boa quantidade de tinta. O interessante era que toda ela fora do mesmo tom. A seu lado caminhava um homem com o cabelo tão loiro que parecia um limão. Embora lhe chegava à altura de sua mandíbula, arrepiava-se ao redor de seu estreito rosto em um caos emaranhado. Era um estranho penteado para um homem, mas de algum modo o levava sem parecer muito feminino. ?Aqui estão. ?Saiman se reclinou em sua cadeira de modo casual. ?Os Colhedores? ?murmurei. ?Sim. O moreno bruto usa o nome artístico do Cesare. O loiro é Mart. ?Como se chamam realmente? ?Se alguém sabia, esse era Saiman. ?Não tenho nem idéia. ?Deu um gole a seu conhaque?. E isso me incomoda. Os Colhedores se dirigiram diretamente a nossa mesa. ?Tenho que averiguar algo em concreto?

?Quero saber se são humano. Olhei ao Mart. Enxuto, ao limite da magreza, vestia um comprido impermeável cinza, que levava solto e aberto. Debaixo levava o que solo poderia descrever-se como um traje de ladrão de moradias: negro e apertado sobre seu peito, ajustava-se a suas pernas antes de desaparecer sob umas flexíveis expulsa negras. Se não o tivesse levado tão ajustado, teria perdido o tempo procurando os músculos de suas pernas. Saltou e aterrissou em cuclillas sobre nossa mesa, sem fazer ruído. Um equilíbrio excelente. Não tomou carreirinha para saltar, caiu sobre as pontas de seus pés e a mesa apenas se moveu. Mart olhou diretamente à frente, me mostrando um perfil cinzelado. Olhos muito pálidos, azuis, debruados por um cinza mais escuro, mas inegavelmente humanos. Boa estrutura óssea, masculina, sem debilidades evidentes. Constituição compacta, enxuta, com músculos suspensórios como cabos de aço. Extremidades largas, aptas para largas distâncias. Nenhum aroma estranho. me parecia humano, mas Saiman nunca se equivocou antes. Algo tinha que lhe haver dado que pensar, mas o que? Quando tinha dúvidas, golpeava a colméia com um pau para ver se algo interessante saía voando, assim aplaudi. ?Não sabia que as equipes do Poço tivessem animadoras tão bonitas. Pode repeti-lo, mas esta vez com mais entusiasmo?


Mart se voltou para mim e me olhou sem pestanejar. Era como olhar aos olhos de um falcão: distantes, mas com a promessa de uma súbita morte. ? Já sei o que faltava. ?Fingi meditar e estalei os dedos?. Os pompons! Não houve nenhuma reação. Sabia que lhe tinha insultado, mas não estava completamente seguro de que maneira. Saiman soltou uma risita. Mart continuou me olhando. Sua pele era perfeita, muito perfeita. Sem arranhões, sem cortes, sem imperfeições, acne nem poros negros. Como alabastro gentil até resplandecer ligeiramente. ?O que lhes traz para nossa mesa, cavalheiros? ?A voz do Saiman se mostrava relaxada, sem uma sombra de ansiedade. Terei que conceder-lhe O tio os deixava bem postos. O gorila tatuado se cruzou de braços. Era desajeitado, suas extremidades, muito largas em proporção ao corpo. Seus braços estavam definidos, mas seus músculos eram mais compridos que grossos. Fixou no Saiman um olhar imperturbável. ?ides perder. ?Pronunciou aquelas palavras com claridade, sua voz grave tinta com um acento que não pude se localizar. Estendi o braço lentamente para tocar o rosto do Mart, mas antes de alcançá-lo, este sujeitou minha mão. Logo que vi a sua mover-se e meus dedos foram apanhados pelos seus. Sujeitou-me como uma tenaz de aço. Era rápido, pode que muito. Provavelmente mais que eu. Aquilo ia ser interessante. Relaxei meus dedos. ?OH, é forte. ?Era-o. Ele também afrouxou a pressão. Perguntei-me se seria o bastante rápido para evitar que rompesse a taça e a cravasse na garganta. Era uma teoria que me sentia tentada de demonstrar. ?Mart! ?A voz do Saiman estalou como um látego?. Se a romper, o pagamentos.

Mart girou a cabeça para ele. Foi um gesto estranho: solo se tinha movido sua cabeça, como uma coruja, ou possivelmente um gato. Então soltou meus dedos. Provavelmente, tinha-me infravalorizado por ser uma mulher vestida com um adorno de brilhantes cores. Uma mulher de cabelo escuro entrou na plataforma. Era jovem, apenas dezoito anos. Seus rasgos lhe tivessem feito sentir-se como em casa nas ruas de Nova Delhi: profundos olhos escuros, rosto redondo, lábios sensuais e uma juba escura que se derramava por suas costas. Vestia uns singelos jeans e uma camiseta negra de manga larga, mas o modo em que caminhava, rebolando seus quadris e com os ombros para trás para ressaltar seus peitos, fez-me imaginar a com um sari. Parecia uma exótica princesa hindu, e os homens a seguiam com o olhar. Tivesse apostado três contra um a que se tratava do Livie, a destinatária da nota do Derek,


Nesses momentos, não me custou compreender que ela tivesse feito que um jovem homem lobo perdesse todo o sentido comum. dirigiu-se para nossa mesa e se deteve uns passos de distância, com o olhar baixo. ?Asaan ?murmurou ao Mart?. A senhora quer verte. O indivíduo tatuado mostrou os dentes. Ela tinha interrompido sua rotina de intimidação. A mulher inclinou a cabeça em sinal de submissão, Em uns instantes os Colhedores partiriam e minha oportunidade para entregar a nota do Derek partiria com eles. O que podia fazer? Ao outro lado da sala, duas mulheres se desculparam e se dirigiram para um rincão, onde uma pequena flecha assinalava para os asseios. ?Preciso ir ao lavabo ?anunciei em uma voz mais alta do conveniente, levantei-me e olhei diretamente à moça de cabelo escuro?. Vêem comigo. Não quero ir sozinha. Ela me olhou como se lhe estivesse falando em chinês. Garota estúpida. ?Não quero ir sozinha ?repeti?. Pode haver insetos estranhos ali. O homem tatuado fez um gesto com a cabeça em direção aos asseios e ela suspirou. ? De acordo. Enquanto nos dirigíamos para ali escutei a voz do homem tatuado. ?Quando morrer, sua mulher gritará. ?É uma ameaça? ? Não, uma promessa. Entramos no asseio de senhoras. depois de que a pesada porta se fechasse detrás de nós, a garota se voltou para mim. ? Tudo bem. Já pode ir. A menos que queira que te sustente a mão enquanto se sinta, tenho que ir. ? É Livie? ?Sim. ?Piscou. ?Sou amiga do Derek ?lhe disse. O nome a golpeou como um murro. Deu um passo atrás. ?Conhece o Derek? Tirei a nota da capa de meu muñequera. ? Isto é para ti. Arrebatou-me isso da mão e a leu. Seus olhos se exageraram. Enrugou a nota e a jogou por um buraco circular aberto na superfície da encimera de mármore.


?Tem problemas? ? Tenho que ir. Castigarão-me se demorar muito.

? Espera. ?Sujeitei-a pelo antebraço?. Posso te ajudar. me conte o que está passando. ?Não pode fazer nada! Solo é uma puta. ?Livie sacudiu o braço para liberar-se de minha mão, alisou-se a manga, empurrou a porta para abri-la e partiu. Há vezes em que um condicionamento mental extenuante vem muito bem. Ajuda-te a continuar quando percorre as bocas-de-lobo com águas fecais até a altura das coxas e tráficos de fazer pedaços um verme Empala que se regenera continuamente. Também te impede de gritar quando dois jovens idiotas procuram suicidarse à mãos dos Colhedores e rehúyen todos os intentos por salvá-los. A nota. Tinha-a atirado. Tinha dado minha palavra de que não a leria antes de entregar-lhe mas como já a tinha lido e a tinha atirado ao lixo, agora era propriedade pública. Eu era parte do público, assim tecnicamente podia lê-la. As duas mulheres que tinha visto entrar nos asseios saíram dos cubículos enquanto mantinham uma conversação sobre os bíceps de alguém. Passaram junto a mim e procederam a retocar sua já perfeita maquiagem frente ao espelho. Repassei os raciocínios que passavam por minha cabeça. Era um pouco estreito, mas já não me importava. Aproximei-me dos lavamanos e coloquei o braço no buraco. Meus dedos roçaram montões de toallitas de papel molhadas. As mulheres me olharam como se me tivesse brotado um candelabro da cabeça. Ofereci-lhes um pequeno sorriso, retirei a mão e olhei pelo buraco. Vi um cesto de papéis, mais larga que alta, cheia de Pelotas de papel. Podia seguir pescando todo o dia sem conseguir a nota. A encimera era de mármore, mas o armário inferior era de metal. Uma pequena porta permitia o acesso ao cesto de papéis. Provei o atirador. Fechado. As mulheres determinaram que me ignorar era o curso de ação mais prudente e reataram sua conversação relativa aos bíceps. Olhei o ferrolho. Forçar fechaduras não era meu forte. Mas romper coisas, em troca, me dava bastante bem. Retrocedi e joguei uma olhada aos asseios. Era bom que o mármore estivesse relativamente alto, já que é difícil dar uma patada baixa com força suficiente. Avancei e lancei uma patada lateral à porta. O metal ressonou como um tambor. A porta se curvou mas não se abriu. As mulheres ficaram paralisadas. Lancei uma patada frontal. Bum. ?Boa porta. Bum.


A porta vibrou, desprendeu-se de suas sujeições e se estampou contra o chão com um golpe surdo. Sorri às aterrorizadas mulheres. ?Me tem cansado aí dentro o anel de compromisso. Já sabem, uma garota faz o que seja por um diamante. Elas fugiram e eu agarrei o cesto de papéis e comecei a escavar em seu conteúdo. Toallita de papel, toallita de papel, almofada usada... Ajj. Quem lançaria almofadas usadas no cesto de papéis do lavamanos? Ali estava. Desdobrei a enrugada nota. «Na hospedaria Rede Roof, esta noite à mesma hora». As peças começaram a encaixar em minha cabeça. Uma garota cuja beleza tirava o fôlego, propriedade de uma equipe de letais gladiadores, possivelmente nem sequer humanos. Um jovem homem lobo com um instinto de amparo muito desenvolvido. Derek estava apaixonado

?outra coisa não lhe tivesse feito quebrantar as leis de Curran? e planejava resgatá-la. Também era o caminho mais rápido para conseguir que lhe cortassem as Pelotas. De acordo. Então, qual poderia ser a hora e onde estava a hospedaria Rede Roof? Os estabelecimentos Rede Roof eram a única franquia hoteleira que permanecia em ativo. O telhado de qualquer barracão podia pintar-se de vermelho para identificá-lo instantaneamente como um lugar onde conseguir habitação para uma noite. O problema era que não tinha nem a mais mínima idéia de onde podia haver uma hospedaria Rede Roof naquela parte de Atlanta. Os Colhedores me alteravam com uma espécie de paranóia, que ia e voltava com eles, aparelhada a sua presença. Se eu fosse eles, sairia pouco depois de que seu último combate da noite tivesse terminado. Mantinham atada ao Livie com uma correia muito curta, mas nesse momento sua ausência não seria detectada durante um bom momento. Derek era um idiota, mas era um idiota brilhante. daria-se conta disso. encontraria-se com ela em algum lugar próximo a sua via de saída. No melhor dos casos, falariam e ela retornaria. No pior, ele teria preparado algum veículo para empreender juntos a fuga, o que acabaria em desastre. Coloquei o cesto de papéis de uma patada no armário, apoiei a porta de metal para tampar o buraco, arrumei-me o vestido e saí dos asseios. Saiman estava sentado sozinho. Quando me viu, arqueou uma sobrancelha. Um gesto que estava acostumado a me copiar. Lhe via molesto, mas não o bastante para ficar em pé quando me aproximei. ? Um minuto mais e lhe teria pedido à direção que organizasse uma partida de resgate.


? Você é a direção. ? Não. Eu sou o proprietário. ? Touché. ?Que rivalidade leva com os Colhedores? ?Acredito que interpretaste mal a natureza de nosso acordo. ?Ofereceu-me seu braço de modo galante?. O trato era que avaliasse uma equipe. Você é a' única que está obrigada a revelar toda a informação. Tenha a segurança de que desejo ouvir seu relatório. Tremo de excitação. ?De excitação? ?É claro que sim. vamos ocupar nossos assentos? Suspirei e deixei que me conduzisse além da plataforma. Estava farta de que me deixassem sumida na ignorância.

Capitulo 9 Baixamos à primeiro andar, a outro luxuoso vestíbulo perfurado por arcos. Saiman escolheu um dos arcos aparentemente ao azar e apartou o espesso cortinado avermelhado. Detrás havia Um pequeno balcão. Semicircular e bordeado por um sólido corrimão de aço que me chegava pelos quadris, o balcão albergava quatro poltronas estofadas em uma suave malha cor cobre, colocadas como em um cinema. Atravessei a cortina e cheguei até o corrimão. Um enorme espaço me deu a bem-vinda, muito grande para chamá-lo sala. Oblongo e vasto, estendia-se pelo menos cento

cinqüenta metros. Seus muros pareciam os de um favo, perfurados por multidão de arqueados balcões dispostos em três fileiras. Cada balcão acolhia de seis a oito pessoas e possuía sua própria saída, a qual, se a nosso era um indicativo general, abria-se ao amplo corredor que percorria cada planta. A direção tratava de minimizar os riscos de correria se as coisas ficavam feias. Os muros se inundavam sob o nível do chão. Subterrâneo, o piso inferior não tinha balcões nem assentos. Um anel de nu cimento rodeava o centro, onde se elevava uma areia ovalada. Uma resistente alambrada metálica, ancorada a numerosos postes de aço, circundava-a. Era o Poço. Nosso balcão me sobressaía do muro muito mais que outros, de modo que se tivesse tomado carreirinha teria podido saltar até a cerca. A areia do interior da alambrada atraía meu olhar, assim que a apartei. ? Assentos especiais?


?Os melhores da casa. Apesar de nossa proximidade ao Poço, estamos bastante seguros. ?Saiman apontou a algum lugar sobre nossas cabeças. Um restelo metálico pendia sobre nós, oculto por uma cortina de veludo?. Posso acioná-lo baixando a alavanca. E, é obvio, há precauções adicionais. ?Apontou ao piso inferior. A nossa esquerda, sobre o cimento, descansava uma E?50, uma volumosa e pesada metralhadora, montada sobre uma base giratória e operada por dois membros da '; Guarda Vermelho. As armas de fogo não foram, mas esta a conhecia: era a arma escolhida pelas Unidades de Defesa Paranormal do Exército quando faziam frente a um vampiro extraviado. A E?50 disparava munição do calibre cinqüenta a mais de novecentos metros por segundo. A uma distância de seiscentos metros, um disparo resultava mortal. A quinhentos, atravessaria uma lâmina de aço como se fora papel. A máxima potência de fogo, e?50 podia disparar meio milhar de balas por minuto. É obvio, também a máxima potência de fogo, fundiria o canhão depois de uns milhares de disparos, mas se não eliminava a um vampiro em uns segundos, estaria morto de todas formas. Uma metralhadora idêntica se elevava vigilante" frente a' nós, para a direita. Qualquer que fora apanhado; em seu fogo cruzado morreria instantaneamente. Desgraçadamente, até a melhor arma é tão certeira como os tio! que a dirijam. Se eu queria criar problemas, eliminaria a esses guardas em primeiro lugar. Só em caso de que a tecnologia falhasse, dois grupos> adicionais de guardas perdiam o tempo nas esquinas opostas: um deles com um lançador de flechas e o outro equipado com um sortido de armas. ?Vejo que não querem que se repita o incidente de" Andorf. Se Saiman estava surpreso por meu conhecimento das trivialidades relativas aos Jogos, não o demonstrou. ?Não. Não queremos. Mas te asseguro que ainda temos muita participação por parte dos cambiaformas. ?Como? Não a vetou o Senhor das Bestas? ?Importamos cambiaformas de além dos domínios da Manada. Lutam e os devolvemos a seus lugares de origem antes de que se extinga o prazo de três dias. Todos os cambiaformas que visitavam a cidade dispunham de três dias para apresentar-se ante a Manada e pedir permissão para permanecer em seu território. Do contrário, seria a Manada a que se apresentaria ante eles, e não lhes ia gostar. ?Sairá caro.

? Mas vale a pena. O preço das entradas cobre quase todos os gastos relacionados com os lutadores, mas o dinheiro real vem das apostas. Durante um bom combate, a Casa arrecada


entre médio e três quartos de milhão. A soma mais elevada de um campeonato de luta superou os dois milhões. Meu infeliz salário chegava a uns trinta mil ao ano. Olhei para a areia do Poço. Em minha mente, o edifício inteiro se desvaneceu. Alambrada-a, o cimento, as metralhadoras, Saiman, tudo se dissolveu sob um sol ardente que brilhava cegador e sem piedade. Escutei o bulício da multidão, o rápido staccato do espanhol, as risadas estridentes das mulheres e os gritos roucos dos corredores de apostas ao mugir os números. Senti a presença de meu pai detrás de mim, segura e firme. O tranqüilizador peso da espada que empunhava minha mão. Cheirava minha pele, queimada pelo sol, e as baforadas de sangue que se elevavam da areia. ?Sentamo-nos? ?A voz do Saiman fez pedacinhos meu ensoñación. Tão melhor. Tomamos assento. Uns grandes cortinados se abriram nos extremos direito e esquerdo do estádio, mostrando duas entradas: a da direita estava grafite em um dourado grosseiro, enquanto que seu gêmea da esquerda luzia um alegre tom de negro intenso. ?Os lutadores entram pela porta dourada. ?Saiman se inclinou para mim?. Os cadáveres abandonam a areia pela porta da meia-noite. Se sair através da dourada, significa que ganhaste. O profundo e prolongado tangido de um enorme gongo ressonou sobre a Areia, pedindo silêncio aos espectadores. Uma mulher magra, com um vestido prateado, saiu pela porta dourada. ,?Bem-vindos! Bem-vindos ao estádio de luta onde a vida e a morte dançam no fio da espada. ?Sua voz era grave para uma mulher e se elevava da areia?. Que comecem os Jogos! ?É Sofía ?disse Saiman?. A produtora. A mulher voltou a desaparecer pelo interior da porta dourada. Um gigantesco marcador, suspenso do teto por umas cadeias, pendurava sobre a porta da meia-noite. Havia dois nomes, escritos em papel branco com uma primorosa caligrafia e emoldurados em sendos Marcos de madeira: RODRÍGUEZ VS. CALLISTO. As apostas estavam em ?175+200, ligeiramente a favor do Rodríguez. Se apostava por ele como ganhador, tinha que jogar 175 dólares para conseguir um extra de 100. Em troca, se apostava pelo Callisto e ganhava, por cada 100 dólares jogados, obteria a quantidade apostada e 200 mais. ?Ambos os são humano. Um combate pouco interessante. ?Saiman desprezou o marcador com um gesto de sua mão?. E os Colhedores, Kate? Estou ansioso por ouvir sua valoração. ? Mart e Cesare são os dois combatentes? Saiman assentiu. ?Alguma vez os viu sangrar?


?Ao Cesare. Durante um encontro com um homem jaguar recebeu profundos zarpazos no peito e nas costas. Mart resultou ileso até agora. Fiz um assentimento. ?Deste-te conta de quão perfeita é a pele do Mart? ?Sua textura é muito uniforme, mas não sei aonde quer chegar. ?Franziu o cenho.

Não me surpreendia. Alguém que possuía uma pele similar à argila que podia moldar e amassar a seu desejo não advertiria o significado de uma cútis perfeita. A palavra «tíbia» nem sequer existia no vocabulário do Saiman. ?As pessoas normais têm imperfeições. Acne, machucados, poros negros e obstruídos, pequenas cicatrizes. Mart não tem nenhuma. Sua pele é completamente Uniforme e de uma perfeição antinatural. ?Possivelmente se cure rapidamente. ?Vi cambiaformas com cicatrizes e podem regenerar membros fraturados em um par de semanas. A história de uma pessoa corrente está escrita em sua pele, Saiman. Todos recebemos cicatrizes ao nos treinar antes de ser o suficientemente bons. Mas ele não tem nenhuma. Quanto tempo faz que o conhece? ?Dois meses. ?Assim esteve na Georgia desde finais do verão. Viu-lhe alguma queimadura solar? ?Não. ?Um homem com seu tom de pele deveria gerar uma boa crosta de pele abrasada depois de meia hora sob o sol de Atlanta. por que está mais pálido que um morto? Viu-lhe alguma vez com outro corte de cabelo? Quase podia ouvir as engrenagens girando no cérebro do Saiman. ?Não ?disse lentamente. ?Sempre a mesma extensão? ?Sim. ?Eu também assenti. ?Falemos de seu colega Cesare. Está tatuado da cabeça aos pés? ?Sim. ?advertiste que a tinta parece muito recente? Em primeiro lugar, muita gente se tatúa ao longo dos anos. Um desenho complicado requer tempo. O processo é um ritual para algumas pessoas e importa tanto como o resultado. A tinta perde intensidade com o tempo, mais depressa SE se expuser ao sol. Tudas suas tatuagens, ao menos todos os que pude ver, são da mesma cor,


negro brilhante. Como se nunca saísse ao exterior. ?Possivelmente simplesmente planejou com antecipação a tatuagem inteira e usou nata de amparo solar. ?Duvido muito que um homem como ele entrasse em um salão de tatuagens com um desenho preconcebido de tatuagens tribais para todo o corpo. Além disso, disse que tinha sangrado. Ferida-las profundas tivessem produzido distorções nos desenhos, especialmente se considerarmos quão complexos som. Um engrossamento aqui E lá, linhas ro': vocês ou rabiscadas. Mas não vi nada disso. Uma expressão de preocupação perturbou a atrativa simetria do rosto do Saiman. Uma vez que o sangue um fluido ou qualquer outro tecido orgânico tinham sido extraídos do corpo, o proprietário já não podia mascarar sua magia. Um escáner?m recolhia os rastros dessa magia e os registrava em diferentes cores: púrpura para os vampiros, verde para os cambiaformas, azulo cinza para os humanos. Não havia nenhum problema: tomava uma amostra de sangue, ficava em marcha o escáner?m e qualquer cor que não fora azulo prateado indicava algo não humano. O escáner?m era infalível. ?passaram pelo escáner?m?

? Várias vezes. Ambos deram como resultado azul. Humanos puros. . Que estranho. ?O resultado do escáner?m é irrefutável ?pinjente?. Mas a questão é que tem duas bonecas de porcelana uma quase albina e outra coberta de intrincadas tatuagens. E não gostam de nada. Eu que você me buscaria um guarda-costas, Saiman, e lhe advertiria que esperasse coisas incomuns de seus atacantes. Dois humanos, homem e mulher, entraram no terreno de combate. Rodríguez tinha uns quarenta anos, era robusto e de baixa estatura e tinha eleito como arma um sabre kukri, curto e curvado. Mais pesado no extremo dianteiro, estava desenhado para afundar-se na carne quase por si só. Callisto lhe ultrapassava uma cabeça e pesava, ao menos, quinze quilogramas mais que ele. Suas extremidades, de tom oliváceo, eram desproporcionalmente largas. Levava uma tocha e uma cadeia de prata enrolada a seu braço direito. Soou o gongo. Callisto fez oscilar sua tocha. Se tivesse alcançado ao Rodríguez, o golpe teria partido pela metade ao pequeno lutador, mas este a esquivou, ágil como um gato. Callisto atacou de novo, com um varrido lateral que deixou exposto seu flanco esquerdo. Rodríguez recusou arriscar-se e se apartou. A multidão o vaiou. Inclinei-me sobre o corrimão, seguindo as evoluções do Rodríguez através do terreno. Ambos tinham experiência e habilidades, mas uma perigosa ferocidade tingia a careta depreciativa do


rosto do Callisto. ?Quem ganhará, Rodríguez ou Callisto? ?inquiriu Saiman. ?Callisto. ?por que? ?Uma intuição. Deseja-o mais intensamente. Rodríguez investiu, sua folha cortou a coxa do Callisto e o vermelho cobre em pó correu por sua perna. Pude cheirar o sangue. Callisto ondeou seu braço direito. A cadeia desenhou uma chapeada parábola e se enrolou em torno do pescoço do Rodríguez com uma precisão antinatural. O extremo da cadeia repousou sobre o ombro do lutador e pude ver que estava rematada por uma pequena cabeça triangular. As fauces metálicas se abriram e pequenas presas morderam o ar. Callisto deu um puxão e os elos da cadeia se fundiram em um corpo serpentino com um brilho de aço. A serpente de metal estreitou seu férreo abraço. Rodríguez se debateu com um desespero frenético, mas seu kukri escapou da armadilha de aço. Estava acabado. A multidão rugiu de alegria. O rosto do Rodríguez se tingiu de púrpura e caiu de joelhos. O sabre se deslizou de entre seus dedos e caiu à areia. Tentou arrancar-se em vão a soga de metal que constrangia sua garganta. Ela se limitou a contemplá-lo, embora podia ter detido o suplício em qualquer momento. Podia lhe haver matado com a tocha, mas Callisto simplesmente permaneceu ali de pé enquanto o via asfixiar-se. Rodríguez demorou para morrer quatro minutos. Finalmente, suas pernas deixaram de convulsionar-se. Callisto retirou sua cadeia, seus elos de novo eram mero metal, e olhou para o público. Os espectadores a aclamaram. Deixei de apertar os punhos. Fazia falta toda minha força de vontade para não saltar ao Poço e tirar essa coisa do pescoço do Rodríguez. Não tivesse acreditado que Saiman pensasse o contrário, mas demonstrou que me equivocava.

Quatro homens com batas médicas saíram pela porta da meia-noite, colocaram o cadáver em uma maca e o levaram. ?Como hei dito antes, medianamente interessante. ?Eu o encontrei horrível. ? por que? Já viu matar anteriormente, Kate. Além disso, você o faz muito bem. ?Eu Mato porque não fica mais remédio. Mato para me proteger a mim ou a outros. Não arrebato uma vida para entreter a uma multidão. Nem torturaria a um homem pelo mero prazer de fazê-lo.


?Você matas para sobreviver e para apaziguar sua própria consciência errônea. ?encolheu-se de ombros?. Os que lutam no Poço matam por dinheiro e pela satisfação de saber que são melhores que os cadáveres que deixam a seus pés. No fundo, nossos motivos são sempre egoístas, Kate. O altruísmo é sozinho um conceito criado por mentes matreiras que procuram beneficiar-se da energia e as habilidades alheias. Nada mais. ?Você é como um deus da mitologia grega, Saiman. Não tem empatia. Não tem nenhuma noção do mundo além de seu ego. O fato de desejar algo automaticamente te dá direito a obtê-lo médios que sejam necessários sem importar os danos que possa causar. Eu que você tomaria cuidado. Os amigos e os desejos das divindades caem como moscas. Ao final, os deuses sempre acabam miserablemente sozinhos. Saiman me dirigiu um olhar atônito e ficou calado.

Capitulo 10 Os combates se aconteceram um após o outro e acabaram em morte muitas mais vezes das necessárias. Muita sangue e vísceras, muito espetáculo, muito entusiasmo de aficionados segado por uma gélida experiência. de vez em quando Saiman me perguntava quem ganharia. Respondi áspera e brevemente. Já podia ir a casa. O gongo ressonou uma vez mais. O marcador voltou a descender com dois nomes: ARSEN VS. MART. ?1200+900. Arsen era o ganhador favorito do público. ?Eu gostaria de te oferecer um trabalho ?disse Saiman. ?Não. ?Estava muito enojada para mostrar incredulidade. ?Não é de natureza sexual. ?Não. ?Nos seis combates, acertaste sempre o ganhador. Eu gostaria de te contratar como assessora. Os membros da Casa examinam aos lutadores antes do evento para determinar as apostas que marcará a Casa para cada combate... ?Não. Mart saiu à areia. Tinha deixado atrás o impermeável cinza e seu traje negro de ladrão se aderia a sua magra anatomia. movia-se rapidamente, como uma alargada e escura sombra. Seu cabelo loiro era a única mancha de cor. Levava duas espadas que reluziam como dois raios de sol apanhados em aço, uma larga e outra curta, a clássica katana e um wakizashi. ? Três mil dólares por avaliação.


Girei-me para o Saiman e o olhei fixamente. ? Hei dito que não. Um profundo bramido se elevou pela areia. Ao princípio era um baixo, comprido e grave rugido que procedia de uma garganta desumana, mas logo estalou como um trovão e se rompeu em uma cacofonia de grunhidos e gritos agudos. A multidão permaneceu em completo silêncio. Minha mão saltou automaticamente até situar-se por cima de meu ombro, mas minha espada não se encontrava ali. ?O que é isso? ? Esse é Arsen. ?O rosto do Saiman irradiava uma prazenteira petulância. Uma enorme silhueta apareceu nas escuras profundidades além da dourada porta. Lenta, pesadamente, avançou justo até situar-se ao bordo da abertura iluminada. As sombras se atiam aos contornos de uns gigantescos ombros e de um grosso e musculoso torso, deixando na penumbra um grande elmo. O membro do Guarda Vermelho que mantinha aberta a porta da cerca alambrada do Poço parecia como se queria estar em qualquer outro sítio menos ali. Arsen rugiu de novo, saiu à luz e galopou até o Poço. O guarda fechou a porta de repente e partiu rapidamente. Arsen correu até o centro da Areia, freou, levantou uma chuva de areia no ar e lançou um bramido. A silenciosa audiência o olhava conmocionada. Media dois metros dez e estava esculpido por blocos de duros e avultados músculos que se estendiam sob sua pele negra como o carvão. Sua curta pelagem florescia em um denso matagal sobre seu peito e se derramava por seu estômago em uma estreita linha que se alargava em seu entrepierna, tentando ocultar, sem muito êxito, seus generosos atributos. Umas franjas de pêlo subiam por suas coxas e pelo dorso de seus braços até fundir-se com a larga crina de seu enorme cangote. Dois chifres esbranquiçados brotavam de seu crânio. Seu rosto era uma fusão entre meu ser humano e um touro: possuía nariz e focinho bovinos, mas uns olhos humanos apareciam por debaixo das ásperas cerdas de suas sobrancelhas. Uma barba trancada pendurava de sua mandíbula inferior. Suas pernas terminavam em pezuñas, mas rematavam seus braços umas mãos que poderiam rodear toda minha cara com seus grossos dedos romos, embora solo tinha dois e um polegar em cada mão. A lança que empunhava em sua mão direita dobrava seu tamanho normal. Lembrei-me de fechar a boca, aberta a causa do assombro. ? É um homem touro? ?Não. É algo muito mais exótico ?disse Saiman?. Nasceu assim e não pode adotar forma humana. É um minotauro.


Arsen escoiceou o terreno com seu pezuña esquerda, levantando a areia, e sacudiu a testa. Uns pendentes de aro dourados lançaram um brilho em sua orelha esquerda. Possuía poder, força e raiva ligados a sua carne, lutando por liberar-se. Mart não se moveu. Permanecia em pé e empunhava ambas as espadas em suas mãos, com os extremos para baixo e ligeiramente separados. ? Arsen é meu lutador. ?A voz do Saiman vibrou com orgulho contido. ? Onde o encontrou?

?Na Grécia. Onde se não?

?Trouxeste-o aqui da Grécia? ?Em navio, sulcando oceanos com serpentes marinhas e tormentas. Haveria-lhe flanco uma fortuna. ?Valia a pena ?assentiu Saiman?. Não tenho recursos para gastá-los em coisas trocas. Sacrificaria uma considerável soma tão solo para humilhar aos Colhedores. Isso foi mera caldeirinha. Arsen bramou, com os olhos enfocados no Mart, e baixou a testa. Mart permaneceu erguido, imóvel e em silêncio. Os orifícios nasais do minotauro exalaram rajadas de ar úmido. Arsen encurvou seus ombros e investiu. Bramou enquanto corria, impossível de deter, como um aríete. Mart não fez nenhum movimento para esquivá-lo. Seis metros. Cinco. Quatro. Mart saltou no ar, a uma altura surpreendente, como um retalho de seda negra que se agita tão depressa que desaparece da vista. Durante um instante cavalgou sobre a garupa do Arsen, mantendo o equilíbrio com pasmosa facilidade, e logo se deixou cair, ligeiro como uma pluma, sobre a areia. Arsen se girou rapidamente e arremeteu, impulsionando sua lança em um clássico movimento grego. Mart se inundou sob seu varrido e desviou a arma com sua espada curta. Seu katana roçou a parte interna da coxa direita do Arsen. Em uma fração de segundo, Mart investiu o golpe, cortou a coxa esquerda e ficou fora do alcance do minotauro. Foi vertiginosamente rápido. ? Está morto. ?O que? ?Saiman me olhou.


? Arsen está morto. Cortou-lhe as duas artérias femorales. O sangue começou a emanar a fervuras, correndo pelas coxas do Arsen. Mart se girou sobre as pontas de seus pés, dirigiu o olhar para nosso balcão e inclinou a cabeça em uma saudação com um amplo floreio de suas espadas ensangüentadas. A ira desvirtuou os rasgos do Saiman até torná-los uma máscara irreconhecível. Mart se dirigiu para a porta dourada. Arsen deixou escapar um fraco gemido, a maior parte de seu sangue vital se derramava com cada pulsado de seu coração. Caiu de joelhos na areia. Com um estremecimento, derrubou-se e caiu de bruces. A multidão estalou em um feroz crescendo de aclamações. Saiman se incorporou e saiu através da porta do balcão. Esperei uns trinta segundos para pôr algo de distancia entre nós e saí dali como se meus cabelos estivessem envoltos em chamas. No que a mim respeitava, a velada tinha terminado. Era o momento de partir e localizar a hospedaria Rede Roof.

Capitulo 11 Inclusive os melhores planos têm cabos soltos. O meu tinha dois: primeiro, não tinha nem idéia de onde estava a hospedaria Rede Roof, e segundo, não tinha meio de transporte. O primeiro problema o pude resolver com relativa facilidade: agarrei ao primeiro guarda com o que me cruzei e o interroguei. A única hospedaria Rede Roof que havia pelos arredores estava ao oeste, no caminho da linha de energia sudoeste, vinte minutos a cavalo ou uma hora a pé. Quarenta e cinco minutos se ia correndo. Eram perto das duas da madrugada e, com a magia vigente, as possibilidades de encontrar um cavalo que requisitar eram nulas. Qualquer pessoa o bastante sensata para montar a cavalo não sairia a estas horas e, se o fazia, podia defender-se e veria com maus olhos a perda de suas arreios. Deveria me haver trazido minhas sapatilhas de correr. Saí à escuridão. A magia tinha apagado a iluminação elétrica da entrada à Areia. Em troca, runas e símbolos ocultos brilhavam com tons vermelhos e amarelos pelas paredes, cujos desenhos intrincados teciam no muro uma sólida salvaguarda. De fato, era uma salvaguarda muito poderosa, porque o edifício inteiro brilhava com uma larva translúcida de magia defensiva, fechado mais hermeticamente que uma câmara couraçada. Inspirei profundamente e deixei sair o ar, que exalava ansiedade. O estádio que se elevava detrás de mim emanava malícia. Ali se mesclavam a avareza e a sede de sangue em um miasma que poluía a todos os que entravam em seu interior.


Não havia diferença entre um edifício de pedra abarrotado de homens e mulheres com traje de etiqueta ou um estádio de luta cercado com desvencilhados pavilhões de madeira que albergavam indigentes. Nunca esqueci como lutar na areia, mas não me tinha dado conta de que minhas lembranças jazessem tão perto da superfície. A areia significava para mim várias primeiras vezes. A primeira vez que lutei sem garantias de que meu pai pudesse me resgatar. A primeira 'Vez que matei a uma mulher. A primeira vez que matei em público e a primeira vez que me elevou por isso uma multidão sedenta de sangue. Meu pai pensou que seria uma experiência que devia suportar e por isso o fiz. Deveu me deixar cicatriz, porque solo tive que olhar à areia para que me picassem os braços, como se estivessem cheios de pó. Escovei-me o fantasma do pó, me liberando também das lembranças. Queria tomar banho. Agora mesmo Derek estaria convexo, esperando ao Livie no lugar da entrevista. Era um lobo cuidadoso, por isso teria chegado três horas antes. Precisava mover o culo até a hospedaria Rede Roof. Minha primeira tarefa: recuperar a Assassina. Encaminhei-me para o carro do Saiman. ?Kate? Pela extremidade do olho pude ver que Saiman saía do edifício. Mierda. ?Kate! Detive-me e o olhei. ? Os combates acabaram. terminamos. Alcançou-me. ?Desculpa minha saída precipitada... ?Não quero uma desculpa, Saiman. Quero minha espada fora de seu carro. cumpri com minha obrigação, agora tenho que ir.

Abriu a boca para falar mas deveu ver algo em meu rosto que lhe conteve, porque fechou com força a boca, assentiu e disse: ?Muito bem. Dirigimo-nos para o carro. ?Como teria tirado a espada sem minha ajuda? ?perguntou-me. ? Teria quebrado o guichê. ?Deixamos atrás a linha branca. ? Teria-me destroçado o carro? ?Sim.


? Dá-te conta de que tem um amparo muito poderoso? Senti que o olhar de alguém me cravava nas costas como se me tivessem atirado um tijolo. Olhei por cima do ombro. O Colhedor tatuado, Cesare, estava de pé depois da linha branca, a que tínhamos cruzado fazia um momento. Iluminado pela luz artificial, permanecia muito erguido, com o rosto envolto na escuridão. Seus olhos tinham um brilho vermelho. ? Temos companhia. Saiman viu o Cesare. ?Hilariante. Não imaginava que lhes tivesse dado a impressão de ser suscetível a pueris táticas de intimidação. ?Acredito que pensam em algo mais que em te intimidar. ?Acelerei o passo. A brilhante bale negra do veículo do Saiman com meu sabre no assento dianteiro esperava a uns vinte e cinco metros. Um homem saltou por cima de uma fileira de carros e aterrissou em cuclillas diante de nós, bloqueando o passo. Tinha o cabelo escuro. Levantou o olhar. Seus olhos brilhavam como duas brasas. Abriu a boca e dela emergiu uma língua anormalmente larga, atirando chicotadas no ar. Contraiu os lábios e mostrou fileiras de curvas presas. Magnífico. Com a extremidade do olho observei ao Cesare, que ainda esperava detrás da linha branca com os braços cruzados sobre seu peito. O homem da língua de serpente correu escondido pelo chão. Largos fios de baba se estendiam entre seus dentes e caíam sobre o pavimento, deixando um aroma embriagador de jasmim que se formava redemoinhos no ar. Saliva perfumada de monstro. Aonde iremos parar? Saiman empalideceu. Sua mão agarrou com força o fortificação. Os olhos brilhantes do homem olharam fixamente ao Saiman. Levantou as mãos e lhe mostrou duas adagas, estreitas e afiadas como as presas de uma serpente. Eu nem sequer estava entre seus objetivos. Perfeito. Saiman agarrou a vara do fortificação com a mão esquerda e atirou da manga com a direita. Vislumbrei um brilho de metal entre a manga e a escura madeira. O fortificação escondia uma adaga, e Saiman parecia disposto a utilizar a de um modo heróico. O homem soltou uma espécie de grito estranho que arrepiou os minúsculos cabelos de minha nuca, que se esticaram e levantaram. Deu um grande salto, surpreendentemente alto, pensado para cortar os seis metros que nos separavam. Saiman deu um passo à frente, tirou a adaga com um puxão rápido e se inclinou para diante, preparando-se para enfrentar-se a seu atacante. A primeira regra do código do guarda-costas: mantén a seu cliente fora de perigo. Arrastei o pé direito do Saiman para trás enquanto lhe golpeava no peito com minha mão esquerda. Estava tão concentrado em sua luta iminente que perdeu o equilíbrio de forma


ridícula. Caiu de costas como um tronco. Arrebatei-lhe o bastón?daga das mãos enquanto caía e o arrojei. O fortificação se afundou no homem da língua de serpente, justo sob o esterno. O ar saiu de sua boca com um ofego de surpresa. Girei-me, movendo a vara do fortificação, e a esmaguei contra sua têmpora. A madeira oca se rompeu e fiquei com um fragmento na mão. O golpe teria desabado a um humano normal. Nesse momento, deveria estar acabado. O homem se cambaleou um pouco, sacudiu a cabeça e arremeteu contra mim, empunhando as duas adagas. Esquivei-o e retrocedi, afastando o do Saiman em direção ao carro. Um refletor nos iluminou, permaneceu enfocado um segundo, e seguiu seu curso. Os guardas deviam nos haver visto. O homem serpente prosseguiu dando navalhadas ao ar, com golpes entusiastas mas sem alcançar seu objetivo. Ainda tentava recuperar o fôlego. Se o recuperava, íamos ver nos com a água ao pescoço. Quase estávamos no carro. Um passo, outro passo... Saiman tentou ficar em pé. ?Manten afastado! ?gritei-lhe. O homem serpente olhou para trás enquanto arremetia com sua direita para cobrir-se. Agarrei sua boneca com minha mão esquerda, empurrei-o e o atirei ao chão, apunhalando-o com o fortificação estilhaçado por debaixo das costelas, no rim. Gritou de dor. Lancei-o diretamente para o carro do Saiman. Seu corpo colidiu com a porta do passageiro. O feitiço defensivo ondulou com um brilho amarelo brilhante e envolveu seu corpo. Saltaram faíscas alaranjadas. O homem serpente se contorsionó com o feitiço, cravou-se ao carro como se estivesse pego a ele, com seu corpo agitando-se em uma dança espasmódica e obscena. O fedor a carne queimada emanou de seu peito. Seus braços se flexionaram. Suas mãos, que ainda sustentavam as adagas, apoiavam-se contra o carro. Tentava liberar-se. O feitiço não ia ser suficiente. Maldita seja, negava-se a morrer. Tirei as varinhas de madeira de ? meu cabelo e as apertei em meu punho. Com um som de papel rasgado, o feitiço se desintegrou. O homem serpente ficou livre e arremeteu contra mim. Dava-lhe uma patada na perna, com um bom golpe contundente. Caiu ao chão, agarrei-lhe pela cabeleira e afundei os passadores do cabelo em seu olho esquerdo, uma e outra vez, até quatro vezes. Gritou de dor. Girei sua cabeça e enterrei os passadores em suas conchas tão profundamente como pude. As adagas caíram de suas mãos. Apropriei-me de uma e lhe fatiei a garganta. A folha afiada quase lhe decapita. O sangue emanou a fervuras como se fosse uma fonte, me empapando. Girei-me para controlar ao Cesare, mas encontrei deserto o lugar onde tinha estado de pé. O Colhedor se desvaneceu.


O cadáver do homem serpente jazia murcho e pálido no atoleiro de seu próprio sangue. Olhei ao Saiman e levantei um dedo manchado de vermelho. ? Definitivamente não era humano. ?Isto é um ultraje, possuo a sétima parte da Casa. ?O rosto do Saiman se agitou com fúria. ?Importaria-te abrir o carro? ?O feitiço do carro do Saiman se feito pedacinhos. Agarrou o mando a distancia com uma mão trêmula e pressionou o botão. Não passou nada. ?A magia está vigente ?lhe recordei. Soltou um taco, deu com as chaves e abriu a porta.

Empunhei a Assassina e instantaneamente me senti melhor. ?Necessito que volte para a Areia comigo. ?Saiman se passou uma mão por seus cabelos. ?Não, tenho outro compromisso. ?Mas é minha testemunha! Tentei falar lenta e claramente. ? Tenho que ir a outro lugar. ?Estamos em meio de um nada. Além disso, não tem veículo. ? Tenho duas pernas. ?Se vier comigo e conta a Casa o que ocorreu, levarei-te aonde queira. Sacudi a cabeça. Demoraria muito em chegar. ?Conseguirei-te um cavalo! Detive-me em seco. Um cavalo reduziria um terço o tempo do trajeto. Girei-me. _ Tem que ser uma declaração rápida. Saiman. Muito rápida. Depois me dá um cavalo e me parto. ?Feito! Quando voltávamos para a Areia, disse-me: ? Pensei que havia dito que o que sustentava seu cabelo não eram espadas. ?Não o são, solo são passadores. Respira fundo, Saiman, ainda lhe tremem as mãos. Os olhos do Rene eram claros e frios como as profundidades cristalinas de um lago de montanha. Os arrebatamentos de " indignação do Saiman se faziam pedacinhos ante sua serenidade glacial.


?Quanto tempo necessitam para recuperar um cadáver? ? Chegará em um momento. Apoiei-me em um escritório. Estávamos em uma das habitações de segurança. Seguiam transcorrendo uns segundos valiosos e não podia fazer nada para impedi-lo. Rene estava fazendo seu trabalho e tinha que deixá-la fazer. ?Arrancou-lhe o coração? ?Rene me olhou. ?Não vi a necessidade. ?Sacudi a cabeça?. Fiz-lhe mingau o cérebro e lhe cortei a cabeça. Nunca vi que alguém se regenerasse sem a cabeça. ?É verdade. ?Rene assentiu. Saiman agarrou uma taça de café, olhou-a fixamente e a estampo contra a parede. rompeu-se em uma dúzia de fragmentos. Ambas lhe olhamos. ?Sua entrevista parece estar histérica ?me disse Rene. ?Você crie que deveria lhe colocar um homem dentro? ?perguntei ironicamente. Saiman me olhou fixamente, mudo de raiva. Tive que olhar ao Rene, mas não ria. Embora o estava desejando. Chegou uma brigada de guardas com o corpo do homem serpente em uma maca. Dois guardas e um homem maior os seguiam. O homem tendeu ao Rene um grande livro encadernado em pele e lhe falou em sussurros. Ela assentiu com a cabeça, com um movimento rápido. ?Tomamos muito a sério a segurança de nossos convidados e, em especial, dos membros da Casa. Entretanto... ?Levantou a mão e contou com os dedos?. Primeiro, este incidente teve lugar fora de nossa jurisdição. Nossa responsabilidade para com você acaba na linha branca. Segundo, esta criatura não está registrada como membro ou pessoal da equipe dos Colhedores. Ninguém o reconheceu. O fato de que um jogador da equipe dos Colhedores visse o incidente não implica a cumplicidade da equipe no assalto. De fato, não

tem nenhuma obrigação de lhe ajudar e, possivelmente, simplesmente desfrutava de do espetáculo. Terceiro, os integrantes da equipe e o pessoal dos Colhedores ao completo, exceto Mart e dois ajudantes, abandonaram o edifício logo que começou o primeiro combate, faz umas três horas... ?Isso é normal? ?Um dedo frio percorreu todo meu corpo. Rene tentou ignorar minha interrupção. ?Isso é normal? ?insisti.


?Não ?disse lentamente?. Normalmente ficam a ver os combates. Derek nunca faria nada sem preparativos. Teria chegado ao lugar do reencontro com várias horas de antecipação. Os Colhedores tinham tido um lapso de três horas para interactuar com ele, enquanto eu estava ocupada jogando a avaliar lutadores para diversão do Saiman. Girei-me em sua direção. ?Necessito esse cavalo agora. Saiman duvidou. ?O cavalo, Saiman! Ou juro que acabo o que ele começou! A hospedaria Rede Roof estava no bordo de uma praça ruinosa, flanqueada a ambos os lados por pilhas de escombros que tinham sido edifícios em sua vida anterior. Com dois pisos de altura e sua planta superior curvada para um lado com um telhado sinuoso pintado de estridente carmesim, a estalagem parecia um velho curvado com uma boina vermelha e acurrucado sob uma manta de kudzu. Detive-me na esquina da praça. Meu pálido cavalo soprou, respirando com dificuldade depois da carreira ao meio galope de quinze minutos através das ruas escuras. Manchas de sangue tingiam o asfalto gretado. Sob a luz chapeada da lua, pareciam espessas, negras e brilhantes, como alcatrão fundido. Desmontei e me dirigi para a praça. A magia se retirou durante o trajeto. A tecnologia voltou a ter vantagem, por isso não podia distinguir nada. Nem magia residual, nem rastro de feitiços, nem vigilâncias mágicas. Só asfalto poeirento e sangue, muita sangue. Estava por toda parte, estendida em largas manchas curvas, repartidas em amplas salpicaduras. Me apaché no bordo de um dos atoleiros e molhei os dedos. Fria. O que tivesse passado aqui tinha terminado fazia tempo. Me encolheu o coração e me oprimiu até reduzi-lo a um núcleo de dor. O terror se apoderou de mim. De repente não havia ar suficiente. Deveria ter lido a nota antes. Agarrei a bola de culpabilidade e medo que ameaçava me sepultando e a escondi em um lugar profundo de minha mente. A tarefa que devia realizar sozinho necessitava meu cérebro. Ocuparia-me da dor mais tarde; agora tinha que me concentrar na cena e pensar. Aqui se tinha produzido um enfrentamento violento, mas na praça não parecia que tivesse tido lugar um combate com um lobo. Todos os cambiaformas tinham dois estados: humano e animal. Os cambiaformas mais afortunados podiam manter uma forma jaqueta, metade homem e metade besta, gigantesca, humanoide e armada com umas garras monstruosas e presas de pesadelo. A maioria tinha problemas para manter-se baixo esta forma durante um tempo, poucos podiam articular palavra, mas, apesar destes inconvenientes, a forma jaqueta supunha a arma mais efetiva do arsenal de um homem lobo. Derek era um dos melhores, por isso teria assumido a forma jaqueta no mesmo momento no que começasse a luta.


Se Derek tinha lutado nesta praça, deveria haver arranhões no asfalto e restos de pelagem de lobo pulverizados por toda parte. Também haveria farrapos de carne, já que gostava de rasgar a suas vítimas. Entretanto, não vi nada absolutamente. depois de tudo, possivelmente não tinha lutado ali. Possivelmente se encontrou esta cena e partiu... Escondi a esperança no mesmo lugar no que tinha empacotado a culpabilidade. Teria que esperar até mais tarde. Um rastro fino de gotitas pálidas e homogêneas manchava o asfalto de minha esquerda. Dirigi-me para ali, pisando cuidadosamente entre as manchas de sangue, e me ajoelhei. A escassa esperança que tinha se fez pedacinhos. Teria reconhecido a cor daquelas manchas pálidas em qualquer parte. Eram gotas de prata fundida, condensadas em glóbulos pelo frio da noite. Recolhi um par do asfalto e me guardei isso no bolso. Não havia nenhuma maneira de fundir prata no meio do estacionamento sem ajuda da magia. Ou os Colhedores tinham um poderoso mago de sua parte O... Um grunhido agudo me fez me dar a volta. Dois lobos rondavam na esquina da praça, com um brilho amarelo pálido em seus olhos, como duas ardentes luas as gema. George e Brenna. O focinho do George se enrugou. Separou bem as patas. Levantou seus lábios negros, que revelaram grandes fauces e brancas presas. De sua boca brotou um grunhido. ?Não sou uma ameaça. ?Ergui-me muito lentamente e levantei minhas mãos. Brenna deu uma dentada ao ar, arrojando saliva. Sua dentadura parecia uma densa capa de agulhas. ?Eu não causei este banho de sangue. Conhecem-me, sou amiga da Manada. me levem com o Jim. ?Enquanto não tocasse a Assassina, tinha uma oportunidade de resolver o assunto de forma pacífica. Se se equilibravam sobre mim enquanto sustentava a espada, poderia lhes ferir. Estava treinada para matar, era muito boa, e com a carga de adrenalina de uma luta contra dois animais de cem quilogramas, os teria matado para depois lamentá-lo o resto de minha vida. Dois grunhidos afogaram minha voz. Avançavam, sedentos de sangue, uma sensação que exsudavam como um perfume letal. A mão acostumada a empunhar a espada me picava. ?Não façam isto. Não quero lhes fazer dano. Um agudo uivo de coiote se abriu passo entre os grunhidos. A noite se partiu em duas e uma sombra enxuta apareceu entre os lobos. Uma figura alta e peluda carregou contra mim, um cambiaforma com sua forma de guerreiro, sobrevoando o asfalto, com as pernas inchadas como troncos e os enormes braços musculosos estendidos. Pude ver um brilho de seus fauces grotescas, armadas com as presas afiadas que me arrancariam o rosto do crânio de uma só dentada. Os lobos carregaram contra mim. Mierda. Esquivei o golpe das garras em forma de foice do cambiaforma e lhe cravei o cotovelo no plexo


solar. Deu um tropicão pela força do golpe e lhe afundei duas agulhas de prata no pescoço, detrás da orelha... Gritou e se levou as garras à cabeça. Depois dele, a noite trouxe outras dois pesadelos. Os lobos estavam aproximando-se. Propiné uma patada rápida à perna do cambiaforma. ouviu-se um ranger de ossos. te despeça de andar. Dava- um chute ao George, tirei outra agulha até minha mão, girei-a e a cravei com força a Brenna. Maldita seja. Uns dentes se afundaram em meu muñequera, sua boca se estava

tragando meu braço, e lhe lancei uma agulha à garganta. Brenna soltou meu braço e uivou, girando em círculos enquanto tentava tirar a agulha de prata que lhe queimava a língua. Um ardente zarpazo me rasgou as costas. Girei-me, agarrei com força o braço de pelagem alaranjada de meu atacante, expondo sua axila, e introduzi uma agulha na articulação do ombro. O cambiaforma uivou de dor. Seu braço ficou sem forças. Encurralaram-me. Umas garras me sujeitaram pelos ombros e uns dentes me morderam o coxa esquerda. Lancei patadas, murros e navalhadas, tirei as agulhas de prata por mim muñequera e as afundei em seus corpos peludos. Os ossos emitiam estalos ao contato com minhas patadas. Retorci-me, propiné um murro rápido, esmagando o focinho de alguém, e de repente meu espaço de manobra se voltou inexistente. Um braço de pelagem avermelhada me esmagou a traquéia e pressionou meu pescoço para impedir que o fluxo sangüíneo me chegasse ao cérebro. Clássica tática de asfixia. Joguei-me para trás e lancei uma patada dobro com ambas as pernas, mas não havia espaço suficiente. Não podia respirar. Tinha uma opressão no peito, como se tivesse uma cinta de ferro candente ao redor dos pulmões que não deixasse de apertar até me deixar inconsciente. Umas presas enormes se fecharam a poucos centímetros de meu rosto, banhando minha pele em uma nuvem de fôlego fétido. Um pensamento fugaz me passou pela mente... Que tipo de animal seria um cambiaforma alaranjado? Tudo se tornou negro e me desabei.


Capitulo 12 Doía-me a garganta. Ardia-me a coxa, bem porque alguém me tinha escaldado com azeite fervendo enquanto estava deprimida ou porque um homem lobo me tinha mordido. O resto de meu corpo parecia quebrado, como se tivesse passado através de um pau de macarrão de lavanderia. Abri os olhos E vi o Jim sentado em uma cadeira. ?Que lhe jodan! ?espetei-lhe enquanto me sentava. Jim se passou a mão pelo rosto, como se queria apagar tudo o que lhe causava problemas. Doía-me cada centímetro de meu corpo, mas parecia que não tinha seqüelas nem danos permanentes. Tinha sabor a sangre na boca. Passeei minha língua pelos dentes para provando que estavam todos em seu lugar. ? matei a alguém? ?Não, mas deixaste fora de combate a dois membros de minha equipe, até que sanem seus ossos. Olhamo-nos fixamente. ?Fiquei ali, de pé, com as mãos levantadas. Assim. ? Levantei as mãos?. Não tirei minha espada nem fiz nenhum movimento ameaçador. Simplesmente permaneci como uma puta total e lhes pedi por favor que me deixassem falar contigo. E isto é o que consigo?

Jim não abriu a boca. Imbecil. ?A ver, me diga um cambiaforma de Atlanta que não me conheça. os de sua equipe me conhecem. Sabem quem sou, sabem a que me dedico e apesar de tudo tentaram joderme. trabalhaste comigo durante quatro anos, Jim, Luto com a Manada e pela Manada. lutei junto a ti. Sou uma aliada que até agora teve que ganhar sua confiança, e agora você e os teus me tratam como se fora uma inimizade. Os olhos do Jim se voltaram frios como o gelo. ? Aqui solo será de confiança quando puder trocar de forma. ? Já vejo. Então, se um lupo me remoer amanhã, para ti significaria muito mais que tudo o que tenho feito até agora. ?Levantei-me e uma chicotada de dor me percorreu a coxa?. Derek está


bem? O rosto do Jim se converteu em um muro de pedra. ?Joder, cago-me na puta, Jim, o menino está bem? Nada. depois de todas as vicissitudes pelas que tínhamos passado juntos, deixava-me fora. Assim, sem mais. A lealdade que unia ao Derek não significava nada. Os anos que passei lhe cobrindo enquanto ele me cobria quando formávamos uma equipe nas missões do Grêmio não significavam nada. Com uma decisão executiva, Jim tinha descartado minha precária posição com a Manada, que tinha conseguido com unhas e dentes nos últimos seis meses. Solo permanecia sentado, silencioso e frio, como um completo estranho. ? Deve partir. ?As palavras que brotaram dos lábios do Jim pareciam tijolos. Já tinha suportado o bastante. ?Genial. Não me vais dizer por que seu grupo me deu uma surra. Não me vais deixar ver o Derek. Está em seu direito. Faremo-lo a seu modo. James Damael Shrapshire, em qualidade de chefe de segurança da Manada, permitiu que membros da Manada que estavam a seu cargo lesassem deliberadamente a um empregado da Ordem. Ao menos três indivíduos envoltos no assalto tinham adotado forma de guerreiro. A tenor do Código da Georgia, um cambiaforma em seu estado guerreiro equivale a uma pessoa portadora de armas letais. Por conseguinte, suas ações estão tipificadas no O.C.G.A., seção 16?5?21(c), agressão com agravante a um oficial da paz durante o cumprimento de suas obrigações, que está sancionado com pena irrevogável de não menos de cinco e não mais de vinte anos. Apresentará-se uma demanda formal ante a Ordem em um prazo de vinte e quatro horas. Aconselho-lhe que solicite assessoramento jurídico. Jim me olhou fixamente. A dureza de seus olhos se diluiu, deixando passo a um olhar de assombro. Mantive seu olhar durante comprido tempo. ?Não me chame, nem venha para ver-me. Se necessitar algo, que seja através dos procedimentos oficiais. E a próxima vez que nos encontremos, mede bem suas palavras, porque vou a joder em um abrir e fechar de olhos no momento em que cruzes a linha. Agora me devolva minha espada, porque me comprido daqui e desafio a qualquer de seus idiotas a que tente me deter. Dirigi-me para a porta. Jim se levantou. ? Em nome da Manada, peço-te desculpas... ?Não, a Manada não tem feito isto, foste você sozinho. ?Alcaneé a porta?. Estou tão zangada contigo que nem sequer posso falar. . ?Kate... Espera.

Jim se aproximou de mim, agarrou a porta e a abriu. Fora havia três cambiaformas sentados no chão de um saguão: uma mulher miúda com o cabelo negro e curto, um homem de origem latina


e o culturista que me deu o alto na primeira cena do crime. Uma linha cinza escura e curta marcava o pescoço da mulher, onde o Lyc? V tinha sucumbido a causa do contato com a prata. Olá, Brenna. Provavelmente deviam lhe haver seccionado a garganta para lhe tirar a agulha. O corte tinha cicatrizado, mas seu corpo demoraria uns dias em absorver a descoloração cinza, os restos do vírus morto. Os cambiaformas tinham problemas com todos os metais que se utilizavam na cunhagem de moeda, por isso a maior parte de sua joalheria estava composta de aço e platina. Entretanto, quando se tratava do vírus Lyc? V, a prata era com diferença o metal mais tóxico, muito mais que o ouro ou o cobre. Os cambiaformas olharam ao Jim. Lhe notavam os músculos tensos da mandíbula. Seus ombros se esticaram sob a camiseta negra. Lutava contra um muro que solo ele via. ? É minha culpa. ?Culpa tua? ?Era tudo o que tinha que me dizer? isso solo? Pensou nisso durante uns momentos e assentiu com a cabeça. ? É minha culpa. Devo-te uma. _ Seu intento de controlar os danos se anotará devidamente. ?Sacudi a cabeça e me parti. ?Kate, sinto-o muito. Hei-o jodido todo, não saiu como esperava. Finalmente, parecia que o dizia de verdade. Uma parte de mim queria lhe pegar uma patada na cara, largar-se e seguir caminhando até sair dali. Não obstante, considerei a situação: Jim se tinha desculpado diante de seu grupo. Era o único que ia obter dele. Não ia ajoelhar se e a implorar meu perdão. Ao fim e ao cabo, não se tratava do Jim ou de mim, mas sim do menino. Jim deveu precaver-se de meus pensamentos. ?Levarei-te com ele. Com essa frase resolveu o problema com facilidade. Enquanto passávamos entre os cambiaformas, deteve-se, olhou-os e lhes disse: ?Ela está conosco. Segui-o através do sombrio saguão até uma escada desvencilhada. O ar cheirava a umidade. Os degraus suportavam nosso peso com estridentes rangidos de protesto. Estes não era um dos escritórios habituais da Manada, ou ao menos não a reconhecia. Era difícil esquecer um lugar estucado com papel de ursos panda. O rosto do Jim se fazia mais sombrio a cada passo que dava. Ainda estava furiosa. ?De todos os modos, que tipo de cambiaforma tem a pelagem alaranjada? ? Um homem dingo. Agora o via tudo mais claro. Bom, pelo menos não tinham raptado a meu menino. As escadas acabavam frente a uma grande porta. Jim se deteve. Seu olhar penetrava através da porta com o ódio reservado aos inimigos mortais.


? Destroçaram-no ?afirmou Jim de repente, contendo com muita dificuldade um grunhido em suas palavras?. destroçaram ao menino. Inclusive se sobreviver, nunca será o mesmo. A habitação estava fracamente iluminada. Um pequeno abajur de pé derramava luz sobre uma caixa de vidro retangular cheia de um líquido esverdeado. A caixa era pouco profunda, uns sessenta centímetros, e ao princípio pensei que era um ataúde.

Já a tinha visto antes. Os cambiaformas a chamavam o tanque. Um dispositivo reconstituinte, inventado pelo Dr. Doolittle, o autoproclamado médico de toda a Manada e os seres selvagens. Um menino nu jazia dentro do líquido verde, conectado a uma equipe de respiração artificial através de finos capilares de tubos intravenosos. Em meus vinte e cinco anos de vida, nunca tinha visto um cambiaforma com uma equipe de respiração artificial. Ajoelhei-me frente à caixa e contive a respiração. Derek estava rodeado de cabos. Um inchaço de cor magenta marcava a carne que cobria os ossos partidos, cujos músculos maltratados se negavam a restabelecer-se. Sua perna direita estava destroçada por debaixo do joelho, e sua tíbia era um contínuo caos disforme de cor púrpura anelídea com franjas cinza escuro. Outra mácula púrpura marcava sua coxa esquerda. O fêmur, o osso mais resistente do corpo, estava quebrado justo pela metade, partido como um palito. O braço direito do Derek mostrava duas fraturas, uma por cima do cotovelo e outra na boneca. Em seu braço esquerdo se viam umas fraturas idênticas. A precisão desumana da mente que tinha concebido a necessidade de partir ambos os braços, exatamente nos mesmos lugares fez que me chiassem os dentes. Meus batimentos do coração se ralentizaron. Minha cabeça se esquentou e meus dedos se esfriaram. O ar me oprimia os pulmões como um bloco de gelo. Não se tratava de uma briga, isto era uma' exibição. Uma demonstração intencionada de crueldade e ódio. Tinham-no destroçado, tinham-no quebrado por completo, como se tentassem destruir sua natureza. Este pensamento me pôs furiosa e apertei as mãos até que as unhas se afundaram em minha Palmas. Uma escura queimadura púrpura veteada de manchas cinzas se estendia pelo peito do Derek, perfilando sua caixa torácica até chegar a sua garganta, onde uma mancha cinza encharcava a base do pescoço como se fora uma argola. Uma ferida aberta cortava seu torso do lado esquerdo, passando pelo peito até o ombro direito. A ferida era negra. Não estava cinza, nem sangrenta, era negra. Olhei-lhe diretamente à cara, embora já não tinha rosto. Uma confusão de ossos quebrados me devolveu o olhar, com a carne semeada de cinza, como se alguém tivesse tentado esculpir uma cara em carne picada e a tivesse deixado ao ar livre para que se apodrecesse.


Invadiu-me a raiva. Encontrarei-te. Encontrarei-te, maldito bode, e te farei pagar por isso. Farei-te pedaços com as mãos nuas. Todo pensamento racional fugiu de minha cabeça. A habitação se contraiu, como se me tivesse ficado cega, enquanto em meu interior se gerava e uivava a raiva. Queria gritar, pegar patadas, dar um murro a algo, mas meu corpo se negava a mover-se. Senti-me impotente; era um sentimento do mais estremecedor. Passaram os minutos, compridos e viscosos como mel que cai de uma colher. Derek permanecia ali, morrendo quedamente na cu.ba de líquido esverdeado. Seu peito subia e baixava quase imperceptivelmente, mas além desse pequeno movimento, bem poderia ter estado já morto. Se fosse um humano corrente, haveria falecido muito antes de que a' surra tivesse finalizado. Às vezes uma maior regeneração suporta um maior sofrimento.; A mão de alguém se apoiou em meu ombro. Olhei para cima. O rosto amável do doutor Doolittle me saudou

?Vamos ?murmurou, e atirou com suavidade de mim?. Venha, levanta, vamos tomar um chá.

Capitulo 13 Estávamos em uma quitinete. Doolittle agarrou uma bolsa de cubitos de gelo do congelador, retorceu-a entre' suas mãos negras e os cubitos repicaram em um copo de cristal. Verteu o chá sorvete de uma jarra e pôs o copo diante de mim. ? O chá te ajudará ?disse. Bebi-me isso por respeito para ele. Era surpreendentemente doce, parecia mais um sirope que uma bebida. O gelo rangeu entre meus dentes. ?por que não se está regenerando? ?Minha voz soou monótona, um conjunto de palavras em um tom sem nenhuma inflexão. Doolittle se sentou frente a mim. Tinha um comportamento tão refinado que imediatamente se sentia cômodo a seu lado. Às vezes me encontrava relaxada em sua companhia. Com o simples feito de estar em presença do doutor da Manada, alguém se tranqüilizava. Mas hoje não. Procurei em seus olhos um espiono de certeza sobre a recuperação do Derek, mas não me ofereceram nenhum consolo: escuros e lúgubres, não continham nenhuma pingo do humor que estava acostumada a ver. Hoje parecia simplesmente cansado, um ancião de cor inclinada sobre seu copo de chá gelado.


?O Lyc? V pode obrar milagres ?relatou Doolittle?, mas tem seus limites. As zonas cinzas de seu corpo mostram os lugares onde o vírus morreu em grandes quantidades. Não há suficiente Lyc? V em suas malhas para regenerá-lo. O pouco que fica mantém com vida, mas ninguém sabe com certeza durante quanto tempo. ?Olhou dentro de seu copo?. Golpearam-lhe com muita sanha. Os ossos estão destroçados e quebrados por tantas partes que não posso as recordar todas. E quando tiveram acabado de destroçá-lo, arrojaram-lhe prata fundida no corpo, sobre seu peito. Apertei os punhos. ? e em sua cara. Finalmente, atiraram-no de um carro em marcha em meio da rua para que morrera, a quatro maçãs de nosso escritório sul. Doolittle procurou detrás dele e me tendeu um pano de cozinha de algodão. Agarrei-o e lhe olhei. ?Serve para te secar as lágrimas. ?Dirigiu-me uma meia sorriso amável. Toquei-me a bochecha e me dava conta de que estava úmida. Pressionei o pano contra minha bochecha. ? É bom chorar, não terá que envergonhar-se por isso. ?Podemos lhe ajudar? ?Minha voz soava normal. Simplesmente não podia deixar de chorar. A dor manteve meus olhos úmidos. Doolittle sacudiu a cabeça. Meu cérebro começou a funcionar devagar, como um relógio antigo que levasse anos parado. Os Colhedores tinham descoberto ao Derek na hospedaria Rede Roof, tinham-lhe golpeado e lhe haviam

deixado atirado perto do escritório da Manada. Os companheiros do Jim o encontraram e seguiram o rastro até a localização onde tinha tido lugar a luta. ?Não se transformou ?pinjente. O rosto do Doolittle expressou uma pergunta silenciosa. ?Não havia rastros de lobo na cena. Havia manchas de sangue, muitas para uma só pessoa, portanto teve que lutar e lhe feriram, mas não havia partes de pelagem, nem arranhões de garras. Matou a um vampiro em sua forma jaqueta. Deveria ter trocado de forma no momento no que lhe assaltaram, mas não o fez. Como é possível? ?Não sabemos ?declarou Jim. Estava apoiado no marco da porta, como uma sombra lôbrega composta de raiva. Não lhe tinha


ouvido aproximar-se. A regeneração e a mudança de forma estão ligados irrevocablemente. ?Doolittle bebeu de seu chá?. Existem diversos procedimentos para induzir a mudança de forma. Provamo-los todos, para tentar tirá-lo do vírgula, mas algo o está bloqueando. Mostravam uma atitude muito acalmada. ?por que não lhes surpreende? Doolittle suspirou. ?Não é o primeiro ao que lhe ocorre ?respondeu Jim. A primeira foto mostrava o cadáver de um homem. Tinha o rosto esmagado, o crânio falho com tanta força que sua cabeça parecia uma pá. Tinham-lhe arrancado o esterno do peito e suas costelas se sobressaíam da carne úmida, como uma pálida jaula de ossos manchado de sangue escuro. A fotografia em branco e negro parecia absurdamente desconjurado sobre a toalha de quadros escoceses vermelhos e brancos. Como um buraco em um horrível mundo cinza. Jim bebeu um sorvo de seu chá. ? Doc, esta bebida é mel puro. ?um pouco de doçura não mata a ninguém. ?Doolittle pareceu ofendido e me serve mais sirope no copo. ? Os Jogos de Meia-noite. ? Jim sacudiu a cabeça?. Faz dezesseis anos uma luta do campeonato se foi ao traste. Um urso muito cabronazo perdeu os papéis e se voltou selvagem. Matou uma multidão de civis. Não o interrompi. Estava falando e não queria dizer nada que o fizesse calar. ?Muita gente deveria haver-se devotado para aplacar ao urso e não o fez. Curran assumiu a responsabilidade e resolveu. Dessa forma se comporta um alfa. Estava jodidamente claro, depois daquilo, quem estava ao mando. Jim se inclinou, apoiando os braços sobre a mesa. ? A primeira lei de um alfa deve ser sólida, porque mostra o que o alfa representa. Não importa que coisas aconteçam, o alfa tem que manter essa lei, porque uma vez que permite que alguém a questione, todo seu reinado fica em interdição. A primeira lei de Curran foi: «Não participem dos Jogos». ?É uma boa lei ?continuou Jim?.?, porque não precisamos passar o momento em um lugar destinado a fazer morrer da melhor forma possível. Inclusive a Nação se mantém afastada desde que se converteu em um acontecimento clandestino.


calou-se. Ao igual a Curran, Jim ocultava em grande parte suas emoções, mas esta vez seus olhos lhe delatavam. Escuros e preocupados, transbordavam ansiedade. Tentava ocultá-lo, mas pude notá-lo. Jim estava inquieto, angustiado. ?Então, o que fez que te envolvesse nos Jogos? ?perguntei-lhe. ?Estão importando cambiaformas. Alguns estão à altura. Faz uns meses trouxeram um gato montês do Missouri. Uma fêmea decente. Mas outros são escória. apontam-se para entrar em nosso território. Representam uma ameaça. Este fato é um problema de segurança, portanto sou o responsável. As peças começaram a encaixar em minha cabeça. ? introduziste uma toupeira nos Jogos e não o contaste a Curran porque não crie que se possa raciocinar com ele. ? Jim tinha tomado uma decisão que unicamente correspondia ao Senhor das Bestas. Não era sozinho uma má idéia, era uma aposta segura de morrer em suas garras por causa de uma decisão precipitada. Jim me lançou uma fotografia. ?Garabed. Um gato bom e forte. Armênio. Encontraram-no assim a uma maçã de distância do escritório norte. Agora o entendia tudo. Jim tinha um cambiaforma morto e não podia dizer-lhe a Curran. Conhecendo Curran, cortaria de raiz a operação inteira. O Senhor das Bestas tinha que fazer cumprir suas leis. Mas agora que tinha perdido a um de seu grupo, Jim não podia deixá-lo. Tinha que encontrar e castigar ao culpado. Primeiro, para vingar a morte, e segundo, porque seu grupo o abandonaria se não o fizesse. O primeiro dever de um alfa era proteger a seu clã, e o grupo do Jim era seu clã pelos séculos dos séculos. ?Garabed não mostrava sinais de haver-se transformado? ?perguntei. ?Nenhuma. Se fosse Jim, colocaria de novo a alguém nos Jogos. Alguém selvagem, inteligente e hábil. Alguém duro de roer....,? Colocou ao Derek. Jim assentiu. ?É o melhor agente encoberto que tenho. Parece... ?As palavras lhe amontoaram na garganta?. Parecia um menino bonito e descerebrado. Ninguém lhe emprestava atenção, mas não perdia nem um detalhe. ?O que aconteceu? Jim fez uma careta. ? Esteve ali um mês e vinho com essa porcaria de história sobre os Colhedores. É o nome de uma equipe. Faz umas semanas surgiram de um nada e chegaram fazendo muito ruído. A metade deles eram humano segundo o escáner?m, mas Derek dizia que não o eram porque não cheiravam como tais. Pensou que tinham algum problema conosco. Não só com a Manada, a não


ser com nossa própria espécie. Diziam algo de que fomos uma mescla de humanos e animais, gessos tipos odiavam aos dois. Disse-me que havia uma garota humana entre o pessoal dos Colhedores e estava empenhado nessa larga história sobre que ela queria trocar de bando e nos contaria tudo sobre os Colhedores e o assassino do Gar se a tirávamos. ? E lhe disse que não.

Jim bebeu um terço de seu copo. ?Disse-lhe que era muito arriscado. Os Colhedores viajam juntos, em grupos de quinze ou vinte, às vezes até trinta, e sempre vão armados.

?Como se soubessem que entram e saem de território inimigo. Jim assentiu com a cabeça. ? E não lhes pode seguir pelo aroma? Devem ter algum tipo de acampamento apóie. ?O problema não é lhes seguir o rastro. ?parecia que Jim tinha mordido um limão?. O problema é a localização de sua base. ?Onde está? ?por que tinha o pressentimento de que não ia ser bom? Com minha sorte, as próximas palavras que saíssem de sua boca suporiam alguma loucura, como o distrito do Unicórnio... ?No distrito do Unic... ? Vale. ?Levantei a mão. ? O distrito do Unicórnio não dava quartel. Uma magia selvagem acampava a suas largas, fluindo através dos cadáveres destroçados dos arranha-céu, muito capitalista;'" para controlá-la, muito perigosa para combatê-la. Objetos ordinários se transformavam em armas letais. As coisas horríveis que fugiam a luz se escondiam no Unicórnio, alimentando-se de monstros mais débeis e realizando magia repugnante por sua conta. Ocultistas lunáticos com poderes secretos, lupos transtornados, Senhores dos Mortos proscritos... quando não tinham aonde ir, quando todos os amigos e membros da família lhes davam as costas, quando a ordem de detenção contra eles se transformava em «disparar a matar» e o desespero nublava, seu entendimento, solo então tentavam entrar no distrito do Unicórnio. A maioria acabava sendo comida para abominações. Os poucos que sobreviviam se voltavam;' loucos, se não o estavam já. Havia uma razão pela que Andorf o Urso, que tinha arrasado com tudo nos últimos Jogos legais, tinha eleito o distrito como refúgio. Havia uma razão pela que Curran tinha disposto nosso primeiro encontro nos subúrbios do Unicórnio, o suficientemente perto desse território para afastar aos medrosos e matar aos estúpidos. Seguir a trinta monstros com aparência humana até ali em metade da noite era uma forma cruel e incomum de suicidarse.


?Explorar sua base é completamente impossível ?disse Jim?, mas supón que de alguma forma agarramos à garota antes de que cheguem ao Unicórnio. Teríamos seqüestrado a um dos seus. Culpado ou não, humana ou não, declarariam-nos a guerra. Não podemos confrontar outra guerra. ?Não sem uma razão ?precisou Doolittle. ? Quão único tinha eram uns aromas estranhos e uma garota com a língua solta. Disse-lhe ao menino que deixasse de mordê-la cauda e me trouxesse alguma prova. Foi uma vez mais, mas posso imaginar que a garota o deixou impressionado. ?Eu a vi ?lhe disse? e não posso lhe culpar. ?Como? ?Jim ficou pasmado. ? Primeiro acaba você e depois eu conto minha versão. ? Jim se encolheu de ombros. ?Derek se fechou em banda. Compreendi que não se deixava guiar pela razão, que tentaria resgatada de um modo ou outro, e por isso o tirei do caso. Entrada-las nos Jogos são muito difíceis de conseguir e cada uma costa três dos grandes. Sabia que ele não tinha três dos grandes à mão e, inclusive se os tinha, a entrada não lhe permitiria acessar ao nível inferior. Pu-lhe um espião, disse-lhe que se acalmasse e pensei que se acabou tudo.

Claro, mas Derek tinha visto o Saiman nos Jogos e lhe reconheceu por seu aroma. Sabia que Saiman, encarnado no Durand, era proprietário de uma parte da Casa e teria passes sem restrições. ?Enquanto Derek se acalmava, pus a Linna nos Jogos em seu lugar. ? Jim me lançou uma segunda fotografia. O cadáver de uma mulher jazia sobre uma mesa cirúrgica. O contorno de seu corpo aparecia distorcido e desigual. Estudei a", foto e me dava conta de que estava a partes. O cadáver estava; talhado a partes e haviam o tornado a ensamblar peça a peça. ?Dividiram-na em doze partes ?disse Doolittle?. Cada parte mede exatamente vinte centímetros. Provavelmente estava viva enquanto a cortavam. E não, tampouco trocou sua forma. Ainda tinha a roupa posta. ?Estava-a recolhendo do asfalto quando tropeçou conosco. ? Jim apertou os dentes?. Então voltou espião, que tinha perdido ao menino. Pouco depois encontramos ao Derek. Não necessitava mais explicações. Os homens do Jim tinham captado o aroma seguindo o rastro dos agressores do Derek e me encontraram colocando os dedos em seu sangue. ?Você o que tem? ?perguntou Jim, O contei. Quando cheguei à parte em que levei Curran até a cena do crime da Linna, Jim fechou os olhos e pôs cara de querer me estrangular. Segui contando até que a história completa esteve


sobre a mesa. Jim decidiu que necessitava mais chá. Certamente necessitava algo mais forte, mas teria que brigar com o Doolittle para consegui-lo. O médico da Manada via com maus olhos o consumo de álcool. ?O contaste a Curran? ?Não. ?Sabe algo deste escritório? ?Por favor, dava que sim. ?Não. Este é um de meus lugares privados. ?Então, por isso ele sabe, você e seu grupo lhes ausentastes sem permissão? Assentiu com a cabeça. ?Fugitivos ?precisou Doolittle?, o término correto é «fugitivos». O que não te há dito o gato é que agora mesmo Curran acredita que boa parte de seu pessoal de segurança se partiu que a Manada. Está pondo a cidade patas acima procurando o Jim. ordenou que Jim fique em contato com ele. ?Chamarei-o pela manhã ?replicou Jim, ?O que piorará nossa situação, porque o Senhor das Bestas nos ordenará voltar para a Fortaleza e, como imaginará, este jovenzinho não obedecerá. Jim emitiu um suave grunhido gutural, que ricocheteou contra Doolittle como ervilhas secas em uma parede. ?E por que foste fazer isso? ?Olhei ao Jim fixamente. ?Tenho minhas razões ?replicou. ?Desobedecer uma ordem direta é um quebrantamento da lei da Manada ?expôs Doolittle?. Por tradição, Jim tem três dias para trocar de parecer. Se não o fizer, Curran terá que fazer o que faz um alfa quando lhe desafia. ?Doolittle sacudiu a cabeça?. Matar a um amigo é algo duro de contemplar. Qualquer homem se voltaria louco. O louco de Curran subia na classificação entre as monções, tornados, terremotos e outros desastres naturais. ?e você, como te meteu nesta confusão? ?perguntei, depois de me girar para o Doolittle.

?Seqüestramo-lhe ?respondeu Jim?. A pleno dia e com muita animação. Está a salvo de Curran. ?Justo depois de colocar ao Derek no tanque, tive que tratar as lesões de meus seqüestradores. ? Doolittle sacudiu a cabeça?. Não me parece adequado que empurrassem a um carro e se sentassem sobre mim. Posto que Jim se incomodou tanto para que Doolittle parecesse uma vítima inocente, esperava uma tormenta de proporções impetuosas quando Curran os encontrasse.


?Tinham-me seqüestrado. ?Doolittle sorriu?. Não tenho por que me preocupar. Mas alguém que ajuda ao Jim a esconder-se de seu alfa por própria vontade, bom, isso é uma história completamente diferente. ?Não tem que estar em outro lugar? ?Os olhos do Jim emitiram um brilho verde. Doolittle se levantou e pôs uma pesada mão sobre ombro. ? Pensa-o antes de assinar sua sentença de morte. Saiu da habitação. A conversação ficaria entre o Jim e eu. Em uma luta, Curran era a morte. Eu nunca lhe tinha gostado. Advertiu-me que me afastasse das lutas de poder entre os membros da Manada, mas esta vez não tinha escapatória. ?Jim? Olhou-me diretamente aos olhos e o vi, justo aí, brilhando com claridade através de todos seus escudos: o medo. Tim estava aterrorizado. Não por ele, porque lhe conhecia fazia muito tempo e sabia que as ameaças não lhe inspiravam temor algum. Estava desconcertado, como se tivesse recebido um golpe na escuridão e se pôs de pé sem saber por onde chegaria o seguinte golpe. Ele tinha «suas razões», e eu precisava as saber. ? me diga por que não devo chamar a Curran agora mesmo e acabar com tudo isto de uma vez por todas. Jim contemplou seu copo. Lhe esticaram os músculos de; os braços. Uma brutal luta interior tinha lugar dentro dele' e não sabia que metade estava ganhando. ? Faz sete anos uma série de pragas de lupos assolaram os Apalaches ?me relatou?. Acabava de entrar na Manada. Levaram-me até ali para fazer as tarefas desagradáveis. Tennessee nos deixou nos ocupar disso ao momento, mas Carolina do Norte lhe levou dois anos decidir que não podiam; controlar aquela mierda eles sozinhos. Foi então quando entramos. Aquilo são todo montanhas. Famílias da velha} Escócia e Irlanda, separatistas, fanáticos religiosos, todos chegaram até ali e se estabeleceram nos topos das montanhas para procriar, e seus filhos ficaram a viver nos arredores com caravanas e cabanas. A gente chega ali para viver por sua conta. Todos se ocupam de seus próprios assuntos. Ninguém falava conosco. As famílias se converteram em lupos, clãs inteiros, e ninguém se deu conta. Às vezes sim sabiam, mas não faziam nada para remediá-lo. Você estiveste' no complexo Buchanan, sabe o que nos encontramos. Morte. Encontraram morte e piscinas hinchables cheias de sangue e meninos devorados. Homens e mulheres golpeados, despedaçados e golpeados de novo, depois de ter morrido. Pessoas esfoladas vivas. Encontraram lupos. ?Estávamos rastreando o condado do Iackson quando a poli local nos chamou. Uma casa no Caney Fork Road se gostou muito fogo, mas ninguém queria


aproximar-se. Seth Hayes era o proprietário da casa e tinha disparado a todos os que tinham tentado entrar. Posto que estávamos perto e chegaríamos mais rápido, pediram-nos por favor que passássemos nós. Gilipolleces. Os polis sabiam que Hayes se transformou em lupo. Certamente sabiam fazia tempo. Do contrário, por que foram chamar a uns cambiaformas para apagar um incêndio? ? A casa se erigia no bordo de um puto escarpado. Levou-nos uma hora chegar até ali. Para quando chegamos, o edifício parecia uma ruína. Solo havia carvão chamuscado e fumaça cinza, além disso do fedor. O fedor a lupo, Conhecia esse aroma. Forte, almiscarado e ácido, impregnava-te a língua com uma pátina áspera e amarga, que te asfixiava. Era o aroma de um corpo humano misturado inverificado nas profundidades do delírio do Lyc? V. O tinha cheirado antes. Uma vez que te alcança, nunca o esquece. Jim seguiu falando em um tom monótono. ?O menino estava sentado entre as cinzas. Tinha miserável dois cadáveres, o que ficava de suas irmãs, e se sentou ali, esperando que acabássemos nós. Um menino imundo, fracote e morto de fome, talher pelo sangue de seu pai. Emprestava como um lupo. Pensei que deveríamos matá-lo. Olhei-o e pensei que era um menino lupa, e assim o disse. Mas Curran disse que não, que nos levávamos a menino conosco. Pensei que Curran estava louco. Tudo aquele pesadelo tinha acabado com aquele menino, já nem sequer era humano. Olhei-o atentamente e não encontrei nenhum rastro de humanidade. Mas Curran se aproximou e se sentou junto ao menino, disse-lhe que ficasse conosco. O menino não disse nenhuma palavra. Cheguei a pensar que não sabia falar. Jim se passou a mão pelo cabelo. ? Nem sequer sabíamos seu nome, pelo amor de Deus. limitou-se a seguir a Curran a todas partes, como se fora sua sombra: ao ginásio, à Fortaleza, às lutas. sentava-se na porta quando se faziam as reuniões do conselho, como um cão. Curran lhe lia livros. sentava-se, lia para o menino e depois lhe pedia sua opinião. Esteve fazendo-o durante um mês até que o menino lhe respondeu. Os olhos do Jim ardiam. ?Agora o menino consegue uma forma intermédia melhor que a minha. aprendeu ele sozinho a falar em sua forma jaqueta. Algum dia se converterá em alfa. Não posso lhe fazer isto. ? lhe fazer o que? ? Tenho que solucioná-lo, Kate. me dê uma oportunidade para solucioná-lo.


Jim, o que diz não tem sentido. Doolittle voltou para a cozinha com uma fonte de tortitas fritas em suas mãos. ?Ela não tem seu marco de referência, James. me deixe que o explique. ?sentou-se e me aproximou a fonte de tortitas?. Quando um cambiaforma sofre grande quantidade de estresse, tanto físico como psicológico, seu corpo estimula a produção do Lyc? V. O vírus satura nosso corpo em grandes quantidades. quanto mais cresce o vírus e mais rápido se propaga, majores são as oportunidades de que um cambiaforma se transforme em lupo. ? Por isso o maior risco de lupismo coincide com o início da puberdade ?assenti.

?Em efeito. Derek está atravessando um momento de grande estresse. Algo lhe bloqueia e se conseguimos eliminar esse bloqueio, o vírus se pulverizará dentro dele em grandes quantidades e de forma muito rápida. Será uma explosão biológica. ?Derek pode converter-se em lupa. ?Finalmente compreendi o significado de suas palavras. ? É uma possibilidade sólida. ? Doolittle assentiu com a cabeça. ?Quanto? ? Estimo que há um setenta e cinco por cento de possibilidades de lupismo. Apoiei meu cotovelo na mesa e recostei a cabeça na palma de minha mão. ?Se Curran estivesse à corrente da situação e Derek se convertesse em lupa, teria que matá-lo ?explicou Doolittle?. Seria sua obrigação como Senhor das Bestas. As leis da Manada opinam que quando um membro da Manada se transforma em lupa, o alfa de maior fila presente está obrigada a destrui-lo: OH, Deus. Para Curran, matar ao Derek seria como matar a um filho ou a um irmão. Tinha trabalhado muito para tirar o da corda frouxa do lupismo sobre a que caminhava. Se agora caísse em mãos da loucura seria... Teria que matá-lo. Faria-o ele mesmo, é obvio, já que era sua obrigação. Seria como se eu tivesse que matar a Julie. Doolittle se esclareceu garganta. ?Curran não tem família. É o supervivente de uma massacre. Mahon se ocupou dele, salvou-o igual a Curran salvou ao Derek. Se tiver que matar ao Derek, suporá-lhe sérios danos psicológicos ?disse Doolittle?. Mas o fará. Nunca fugiu suas responsabilidades e não quereria que outra pessoa carregasse com esse peso. Neste último ano esteve sob muita pressão. Ele é o Senhor das Bestas, mas ao fim e ao cabo, solo é um homem. Em minha cabeça se formou uma imagem de Curran sustentando o cadáver do Derek. Estava em minha mão lhe economizar esse mau gole. Não pelo bem do Jim, mas sim pelo seu próprio. Nunca se deveria matar a um menino ao que previamente lhe salvou a vida. ficaria furioso. Faria pedaços ao Jim.


?Deu-nos três dias ?repus?. Se não resolvermos este assunto ao final desses três dias, irei ver lhe. Terei que dizer-lhe Se Derek se transformar em lupo antes desse prazo, matarei-o. Por favor, Senhor, quem quer que seja, por favor, não me obrigue a fazer isso. ? Essa é minha responsabilidade ?disse Jim. ?Não. Curran aceitou uma oferta de assistência da Ordem. Isso significa que nos assuntos concernentes a esta investigação possuo uma fila superiora ao teu. É minha responsabilidade e me ocuparei dela. ?Tinha três dias. Podia fazer muitas coisas em três dias. Os olhos do Jim brilharam. ?lhe aceite disse e olhei ao Doolittle?. O que pode impedir que um cambiaforma troque de forma? ?Magia ?me respondeu?, uma magia muito poderosa. ?Primeiro comemos, depois nos apareamos e em terceiro lugar trocamos de forma. É muito difícil eliminar esses instintos. ? Jim fez chiar os dentes. ?Entretanto, os Colhedores conseguiram suprimir a mudança. Eles têm a chave e quase destroem ao Derek. ?Apertei os dentes. ? Sua espada está jogando fumaça ?murmurou Doolittle. Finas volutas de fumaça saíam de Assassina, embainhada em sua vagem, ao nutrir-se de minha raiva.

?Não se preocupe. ?Fiz tamborilar os dedos sobre a mesa?. Poderia deter os Colhedores, mas não tenho motivos para retê-los. Não temos nenhuma prova de que dessem uma surra ao Derek. ? Têm que cheirar a seu sangue ?disse Jim, ?Eu também. Havia suficiente sangue naquele lugar para manchar a qualquer que entrasse em contato com ela. Isso não é suficiente. Usou o escáner?m no lugar dos fatos? ?Azul e verde por toda a tela. ? Jim se encolheu de ombros, indignado. O escáner?m registrava as cores da magia residual. O azul representava a humanos e o verde aos cambiaformas. Não nos ajudava absolutamente. Possivelmente se o pedia ao Miss Marple, daria-me uma pista... ?Outro problema de retê-los ?pinjente? seriam os Jogos em si mesmos. Suponhamos que os


retenho. Terei que fazer perguntas como «O que estavam fazendo naquela plazaí». Se admitissem que são uma equipe dos Jogos, teria que seguir essa investigação. Não posso ignorar a existência de um torneio de gladiadores clandestino. Os polis, a Ordem e a UDPE devem saber que os Jogos seguem vigentes. O solo feito de que tenham lugar significa que os respaldam muito dinheiro e influências. Jim assentiu com a cabeça. ? Fechariam-lhe o caso incluso antes de começar a investigar. Essa era a razão pela que eu gostava de trabalhar com o Jim, Não esbanjava o tempo me chamando covarde, nem em me provocar e me sugerir que tinha medo às pressões. Compreendia que se os capitalistas me jogavam em cima, a investigação seria dificultosa e meus progressos se ralentizarían como o melaço em janeiro. Simplesmente o aceitava e continuava com a seguinte possibilidade de ação. Sem angústias, sandices nem melodramas. ?assim, oficialmente não podemos fazer nada ?expliquei. ?Já vejo. ?por que alguma vez convida aos trabalhos fáceis? ?perguntei-lhe. ?Eu gosto de te desafiar ?respondeu?. Mantém-te alerta. Inclinei-me e desenhei uma linha pela toalha, com meu dedo. ?Distrito do Unicórnio. Trinta e duas maçãs do' comprido por dez de largura. Comprido e estreito. ?Antes tinha: trinta maçãs de comprimento e oito de largura, mas a erupção o incrementou e o Unicórnio cresceu, tragando uma? parte da cidade?. Se o entendi bem, os Colhedores A entram e se desvanecem. E sua equipe não pode lhes seguir a pista. ?O que opina? ?Recorda a captura do pássaro de fogo o verões de faz dois anos? A metade do condado do Chatham estava em chamas e o pássaro cheirava igual à fumaça. Não podia segui-lo e queimava todas as armadilhas que lhe tendíamos. ? E também se encheu o saco bastante por isso. ?Recordo-o. ?Tim franziu o cenho?. Cevamo-lo com uma zarigüeya morta que levava um rastreador. ?Pode conseguir um rastreador como o que pusemos na zarigüeya? ? É obvio. ?Qual é o alcance máximo do rastreador?

?Quarenta quilômetros, se a tec estiver ativa.


Sorri. Mais que suficiente para cobrir o distrito Unicórnio.

Capitulo 14 Jim franziu o cenho ante a porta do Saiman. ? O pervertido ?disse. ? Ele prefere considerar um desviado sexual. ?Questão de semântica. Consideramos as franjas finais do plano de caminho à cidade. Não era um grande plano, mas supunha uma ligeira melhora com respeito a meu habitual plano, consistente em «vê e molesta a todos os implicados até que alguém tente te matar». Agora solo tinha que penetrar ao Saiman. Saiman abriu a porta. transformou-se em uma loira platina alta e magra, de pernas largas e expressão desdenhosa. Ao Jim lhe puseram os cabelos de ponta. Se se tivesse transformado, teria se arrepiado. A maioria das pessoas que se enfrentaram com dois valentões armados na soleira de sua casa se teriam tomado seu tempo para analisar a situação. Especialmente se um deles lhe tinha ameaçado lhe matando cinco horas antes se não lhe proporcionava um cavalo, e o outro era um homem de mais de metro oitenta com brilhantes olhos verdes que levava uma capa debruada de pele, levava uma arma e parecia que ganhasse a vida esmagando a cara da gente contra paredes de tijolo. Entretanto, Saiman assentiu com a cabeça e nos permitiu o passo. ?Entrem. Entramos. Sentei-me em seu sofá. Jim assumiu uma posição erguida detrás de mim e um pouco à esquerda, com os braços cruzados sobre o peito. Soava uma música de fundo tênue, mesclada com tecno. Saiman não se ofereceu a apagá-la. ? Hei-te devolvido o cavalo ?lhe disse?. Está abaixo, com os guardas. ? Jim havia trazido uma arreios de mais para mim. ?Fique o não necessito nenhum cavalo. Querem ao de beber? E me arriscar a outro sermão sobre o cúmulo do me Deixe pensar... ?Não, obrigado. ? e você? ?Saiman olhou ao Jim, viu em seus olhos a olhe dos condenados e decidiu que a segurança prevalecia sobre a cortesia?. me desculpem enquanto me sirvo algo beber. Penso melhor com uma taça na mão. preparou-se um Martini e vinho a sentar-se no sofá de praças, cruzando uma perna incrivelmente


larga sobre outra e me mostrando seu generoso decote. Sim, sim, tem umas tetas muito bonitas. te acalme. ?Como foi com os Colhedores? ?perguntei. Saiman olhou ao Jim. ? foi muito insatisfatório.

? A Ordem tem certo interesse neles. ? Tecnicamente era certo. Eu era um agente da Ordem e tinha interesse os Colhedores. Tinha interesse em matar a cada um deles forma original e dolorosa. ?Né? ?Saiman arqueou uma sobrancelha, me imitando outra vez. ? Principalmente, tenho um interesse pessoal nesse assunto. Quero eliminá-los. O olhar do Saiman me estudou. ?por que? Tem algo que ver com seu jovem amigo? ?Sim. ?Não vi a necessidade de mentir. ?Acredito que os motivos pessoais são os melhores. ?Saiman me saudou com a taça. Claro que o pensava, o bode egoísta. ?Então, o que necessita de mim? ?perguntou. ? Proponho-te uma associação. ?Estava melhorando este jogo. Quase vomitei quando pronunciei essas palavras Uma pequena vitória a cada passo?. Quer tirar de médio aos Colhedores. A Manada e eu também. portanto, uniremos forças. Você proporciona o acesso aos jogos e nós o músculo. ? Eu sou uma oportunidade enquanto vós são os meios? Afirmei com a cabeça. ?Compartilharemos informação e recursos para obter um objetivo comum. Pensa nisso como um acordo de negócios. ?A óptica dos negócios lhe atrairia. ?por que deveria trabalhar com vós? ?Saiman se inclinou, muito decidido?. Quão desesperadamente o necessita, Kate? Um leve grunhido de advertência reverberou na garganta do Jim, Inclinei-me para trás e pus uma perna sobre a outra, imitando sua pose. ?Você nos necessita mais que nós a ti. Posso mostrar minha identificação, entrar nos Jogos da Meia-noite e me converter em um aporrinho. Aporrinhar me dá muito bem.


?Não o duvido ?murmurou Saiman. ?Porei um grande refletor nos Jogos e particularmente nos Colhedores. Mais tarde ou mais cedo sentirão um desejo ardente de me matar e Jim me ajudará a massacrá-los um por um. Tem uma tocha enorme para amassá-los. Enquanto isso, diminuirá a assistência aos Jogos, os benefícios da Casa cairão em picado e perderá dinheiro. Ofereci-lhe um sorriso. Esperava que fora um sorriso doce, mas empalideceu e se escabulló, afastando-se de mim. Nota mental: trabalhar mais meu aspecto doce e menos minha expressão de assassina psicopata. ? Posto que não quer trabalhar conosco, terá que empregar a alguém musculoso para que te ajude com os Colhedores. Como demonstrou o incidente do estacionamento, todos estão desejando te embarcar no primeiro trem disponível ao mais à frente. Necessita amparo, o que te ocasionará muitas moléstias e te custará bastante dinheiro. Se agarrarmos ao Mart como referência, deve empregar guardas muito preparados se quer seguir respirando. depois de que os Colhedores ajudem a um par de teus guardas a encontrar suas asas e auréolas, terá que contratar substitutos, solo que então já terá a reputação de um homem cujos guardas morrem. Os preços se voltarão estratosféricos e a qualidade dos empregados piorará. Apesar da errônea crença popular, a maioria dos guardas não são suicidas. assim, necessita-nos você mais do que nós necessitamos a ti. Destruiremos aos

Colhedores de uma forma ou outra, não nos importa absolutamente. Nós trabalhamos por vingança, não por dinheiro. ?Desconhecia esta tua faceta. ?Saiman me estudou como se fora a primeira vez que me via. Era a faceta que utilizava para resolver disputas entre o Grêmio e a Ordem, o que tecnicamente era meu trabalho. Levantei-me. ? pense-lhe isso tem meu número. ? Está tão louca como parece? ?perguntou-me Saiman. ? Terá que aceitar o trato para averiguá-lo. Posto que confiava nele tanto como lhe odiava, tivesse preferido que assinasse com seu sangue um contrato mágico lhe vinculem, embora aceitaria um apertão de mãos. Sempre e quando não cuspisse primeiro em sua mão. .. Dava exatamente três passos para a porta antes de que dissesse: ? Trato feito. ?Isto é o que sei ?pinjente. Alguma informação provinha do Jim e outra a tinha deduzido eu mesma?. Os Colhedores entraram em cena aproximadamente faz dois meses. A maioria deles estão creditados como humanos e aconteceram o escáner?m com notável habilidade..


? Na tela sai azul. ?O rosto do Saiman rápido seu desagrado. ?Mas os Colhedores não são exatamente humanos. , constatamos. Entretanto, posto que lutam como «normais», ao princípio a Casa apostou forte a seu favor. Eram uma mercadoria por explorar e a maioria de quão humanos lutam contra um cambiaforma ou um vampiro normalmente revistam perder. Os Colhedores geraram à Casa grandes quantidades de dinheiro, correto? Saiman o confirmou assentindo brevemente com a cabeça. ?Sim, embora também existem outras razões para sua «humanidade». Já vê, para participar do torneio, a equipe deve estar composto por sete membros e ao menos três deles devem ser humano ou um derivado de humano, como os cambiaformas. Sem três humanos, não teriam podido inscrever-se no torneio. ?Então, para resumir: Não sabem o que são, como enganam ao escáner?m nem onde vão quando partem dos Jogos? ?Não. ?Saiman enrugou o nariz com desagrado, um gesto distintivo feminino que lhe sentava à loira como uma luva. ?Não está sendo de grande ajuda ?.penou Jim. Obrigado por ajudar, ás da diplomacia. Saiman lhe olhou fixamente. ? Faz vinte e um anos, em vinte e três de abril, matou ao homem que assassinou a seu pai quando estava no cárcere. Cravou no chão ao assassino de seu pai com uma alavanca no estômago e depois o desmembrou. O juiz de instrução estimou que demorou mais de três horas em morrer. chamava-se David Stiles. Nunca foste acusado por esse crime. OH, tio. ? revelei este fato para dissipar qualquer espionagem de incompetência por minha parte. Dedico-me à informação, sou um perito. Quando digo que não sei o que são os Colhedores, digo-o com todo o peso de minha experiência profissional. Jim riu pelo baixo, mostrando seus dentes brancos com um sorriso largo.

Saiman inclinou a cabeça com uma reverência amistosa. Tinha podido reunir informação sobre. Jim, mas não lhe conhecia. Jim era um jaguar. Solo mostrava os dentes às pessoas que pretendia matar. Não ia matar o agora, posto que o necessitávamos, mas um dia, quando menos o esperasse, Saiman se veria espreitado pela morte. E eu não poderia fazer absolutamente nada para impedi-lo. ?Voltando para os Colhedores ?pinjente?. Sabem o que querem? ?Isso sim sei. Querem o


Diamante Lobo ?respondeu Saiman. Esperava que elaborasse sua resposta, mas se limitou a lhe dar um sorvo a seu Martini. Queria que lhe perguntasse. De acordo, com muito prazer. ?O que é o Diamante Lobo? ? É um topázio amarelo de grande tamanho. ?A que se deve esse nome? ?perguntou Jim. ?Possui a mesma tonalidade que o olho de um lobo. ?Saiman sopesou o Martini?. A pedra é maior que meu punho. Um prêmio muito chamativo. O mesmo topázio seria muito valioso devido a sua singularidade, e a presença desta pedra lhe proporcionava ao torneio um ar quase legendário: a competição entre os guerreiros mais capitalistas para conseguir uma pedra preciosa de fábula, e a glória. Em realidade era um jogo retorcido, onde se esbanjavam vistas costa de pequenas apostas. Glória? Não havia nenhuma sombra de glória em morrer pelo dinheiro e o regozijo de outros. ?Como obtiveram a pedra? ?perguntou Jim. ? Comprou-a um dos membros da Casa e a doou como recompensa para o ganhador do próximo torneio. É um prêmio extravagante, na linha de nosso atual estilo. As pessoas que patrocinam nosso estádio esperam um pouco de exotismo. Um topázio maior que o punho de um homem era algo realmente exótico. Procurei em meu cérebro qualquer rudimentar referência popular a uma gema. O topázio era uma das doze pedras apocalípticas que protegiam a Nova Jerusalém. Amarela por natureza e muito valioso, se rumoreaba que apaziguava o temperamento e protegia ao portador dos pesadelos. A propriedade genérica de «Amparo» era o argumento por defeito para todas as pedras preciosas, quer dizer, o que a gente dizia quando não tinha nem idéia de que servia a pedra ou quando esta não tinha propriedades místicas. Tinha que encontrar um livro de gemología e procurar as características do topázio. ? investiguei a história da pedra, através de três possuidores, até uma família alemã ?explico Saiman?. Não parece que tenha manifestado nenhuma propriedade sobrenatural. Há uma grande variedade de lendas que a mencionam, mas é completamente normal para uma pedra preciosa de seu tamanho. A crença predominante parece ser que a pedra possui virtude e não se pode vender ou agarrar à força, mas sim deve ser dada de presente ou ganha, do contrário trará a morte à pessoa que a roube. Não fui capaz de determinar se este rumor é puro lixo. Os Colhedores acreditam que a maldição é verdadeira. aproximaram-se da Casa justo depois da aquisição para perguntar como podiam obtê-la. Dada sua propensão à violência, esperava que tentassem roubá-la, mas não têm feito nada. ? Já que não sabemos muito sobre eles, o primeiro passo que devemos levar a cabo é sua identificação. ? Franzi o cenho. ? E como propõe que o façamos? ?Saiman arqueou uma sobrancelha e me deu de presente um sorriso sedutor. Falha porque era Saiman e porque se transformou em mulher.


?Simples. Mataremos a meu. Saiman o considerou um momento. Falar disso era muito fácil, mas consegui-lo era uma questão totalmente diferente. ?Sabemos que os Colhedores viajam de grupo, o que supõe uma dificuldade para segui-los. Também sabemos que desaparecem no Unicórnio, o que dificulta segui-los pelo aroma e a magia. Entretanto, temos uma unidade de rastreamento cujo alcance cobre a zona do Unicórnio por completo. Matamos a um Colhedor e introduzimos um dispositivo em seu corpo. Uma vez que o levem, perseguimo-los até o ponto exato do Unicórnio e nos aproximamos quando estivermos preparados. Observamos sua guarida. Há muitas perguntas interessantes que podemos resolver. Quantos permanecem ali? Como estão organizados? Têm guardas? Esses guardas são humano? Como obtêm mantimentos? O que comem? Têm uma patrulha para conseguir comida? Podemos apanhar a esses patrulheiros... cortá-los a migalhas poquito a pouco até que os malditos bastardos me digam como curar ao Derek... e interrogá-los? ?Parece muito segura de poder matar a um Colhedor. ?Saiman olhou fixamente seu copo vazio, como se estivesse surpreso pelo desaparecimento de seu Martini. Pensei no Derek, morrendo lentamente no tanque de líquido verde. Seus ossos quebrados, seu rosto destroçado, seu corpo agonizante... ? Kate, sua espada está fumegando. ?Saiman trocou de postura no sofá de dois lugares. ?me coloque no Poço e eu me encarregarei do resto. ? Procurei guardar a compostura. ?eu adoraria, mas não posso. ?Saiman fez um gesto de desgosto com o braço?. Os Colhedores têm um último encontro programado antes do torneio, um evento de equipe. O enfrentamento se anunciou como um combate de classe Pedra e você não entra nessa categoria. ?Eu posso fazê-lo ?disse Jim. Saiman sacudiu a cabeça. ?Embora eu gostaria de muito ter ao chefe de segurança da Manada no Poço, você tampouco entra nessa categoria. A classe Pedra é para lutadores de tamanho desmesurado. Era verdade, Jim nunca tinha sido um peso pesado. Inclusive em sua forma intermédia, era magro, rápido e letal, mas não corpulento. ?De fato, tenho um lutador de classe Pedra disponível. ?Saiman sorriu?. Eu mesmo. O enfrentamento que tinha tido com a Manada deveu me causar danos auditivos permanentes. ?Quem? ?Pois eu. Entrecerré os olhos. ?O que está fazendo? ?perguntou Saiman.


?Conto até dez mentalmente. ?Se a Curran lhe funcionava, a mim seguro que também... Não, não me sentia melhor. Abri os olhos. ?Ganho a vida assassinando, assim entende que digo isto com todo o peso de minha experiência profissional: tornaste-te louco. É entusiasta mas não está preparado e carece da força e dos reflexos necessários para matar a um Colhedor. Se entrar no Poço, morrerá de uma forma horrível e dolorosa. E eu não poderei entrar e te tirar. ?Nunca me viu lutar com minha forma original.

A visão de um Adonis de cabelos dourados que dançava na neve passou por diante de meus olhos. ?De acordo, mas te vi dançar. Sua forma original, devastadora para as mulheres brincalhonas e os gays, não vai matar a nenhum Colhedor. Golpearão-lhe na cabeça e perderemos a única oportunidade para lhes implantar o dispositivo. Saiman sorriu e formou uma estreita linha com seus lábios, sem humor. ? Essa não era minha forma original. ? Touché. ?Nesse caso, espero que sua forma original seja um dragão de duas cabeças que jogue fogo pela boca. ?me dê uma oportunidade de perder ?replicou Saiman?. Prometo-te que meu cadáver não vai interromper seu sermão de «já lhe disse isso». O combate se celebra esta noite. Posso contar com vós dois para atuar como membros da equipe? ?De acordo. ?Que opções tínhamos? Saiman se levantou. ?Tenho que fazer uma aparição oficial na primeira parte dos Jogos. depois da luta, se conseguimos matar a um deles, o Guarda Vermelho reterá os Colhedores durante uma hora para nos dar vantagem. A Casa não quer que haja fricções entre os lutadores fora do quadrilátero. Isto lhes proporcionará o tempo suficiente para chegar até o Unicórnio e realizar os preparativos necessários. Eu ficarei na Areia, em meus aposentos privados, para me recuperar. Ou pode que acabe pernoitando no necrotério. Este pensamento ficou suspenso no ar como se fosse um sudário. Nenhum de nós se atreveu a verbalizarlo.


Capitulo 15 depois de que Jim e eu houvéssemos nos despedi dou do Saiman, Jim nos conduziu para mim e ao cavalo da Manada até meu apartamento. Queria voltar com ele. Queria estar ali em caso de que Derek despertasse. Tinha a irracional ideia de que se permanecia perto dele ia se recuperar. Mas não podia. Se houvesse tornado com o Jim, não poderia dormir e necessitava com urgência comida e um descanso. Aos Colhedores não sentaria bem perder a um dos seus. Se Saiman conseguisse cumprir sua promessa, pode que viessem a por nós. Precisava estar descansada e acordada. portanto, tomei banho e ensaboei cada centímetro de meu corpo e de meu cabelo com sabão aromatizado para matar o aroma do grupo do Jim, comi um pouco de vitela fria com pão negro, um tomate e um pouco de queijo, tomei uma aspirina, sobrevalorada e muito cara, e perdi o conhecimento. Despertei às oito porque soou o telefone. Levantei ligeiramente a cabeça do travesseiro e o olhei. Não deixava de sonar, martilleándome a cabeça com seus timbrazos. ficou em marcha a secretária eletrônica e uma voz familiar me fez me levantar de repente. ?Kate.

Curran. Uf Duas horas de sonho não eram suficientes para tratar com ele. ? me chame logo que te seja possível. ? Desprendi o auricular. ? Estou aqui. ?Seleciona as chamadas? ?por que não? Economiza-me conversações com idiotas. ?É um insulto? ?Sua voz se converteu em um grunhido profundo. ? Você não é idiota ?lhe respondi?. Solo um maldito psicopata com complexo de Deus. O que quer? ?Viu ao Jim? ?Não. ? Não te chamou? ?Não. ?Mas seus valentões têm feito que visse as estrelas. ?E Derek? ?Não, tampouco o vi. ?Está-me mentindo ?disse, depois de um momento de silêncio. Mierda. ?O que te faz pensar isso?


? Kate, não me perguntaste se Derek estiver bem. Este comentário ensinará a não ter delicadas conversações diplomáticas a primeira hora da manhã. ?Porque não me importa. Disse-me que formaria parte da investigação. Prometeu-me completa cooperação e interrogatórios. Isso aconteceu na sexta-feira pela manhã.; Estamos a domingo, passaram quarenta e oito horas. Tem-me feito zangar, Curran. como sempre, porque espeta que perca o culo para te ajudar, mas sua valiosa Manada não pode cooperar com forasteiros. O que escuta em minha voz é apatia. ?e gilipolleces, muitíssimas gilipolleces. ?Divaga. Curran dois, Kate zero. ? É muito importante, Kate. Jim me desafiou Incumplió uma ordem direta de voltar com sua equipe. Não posso permiti-lo. Tem setenta e duas horas para decidir o que fazer. Depois terei que sair para buscá-lo. ?Conhece o Jim há muitos anos, não pode: lhe conceder o benefício da dúvida? ? Neste caso não. ?A dura couraça na voz de Curran se quebrou. O alfa se desvaneceu durante um instante e sotaque ao descoberto o homem que havia debaixo?. Não quero ter que encontrá-lo. Traguei saliva. ?Imagino que ele tampouco quererá que o encontre. ? Então me ajude. me conte o que sabe. ?Não. Suspirou. ?Por um momento, esquece que sou eu. Deixa estacionado seu ego. Sou o Senhor das Bestas e você um membro da Ordem. Está subordinada a mim nesta investigação. Ordeno-te que revele a informação. Faz seu trabalho. Feriu-me profundamente. Estava fazendo meu trabalho o melhor que podia. ?Está equivocado, não sou sua subordinada. Você e eu temos a mesma fila.

?Já vejo... Jim está contigo neste momento? ?Sim. Nos estamos montando isso ao besta e nos interrompeste. Pendurei.


O telefone voltou a soar. ficou em marcha a secretária eletrônica. ?... não está ajudando, K... Desprendi o telefone, sustentei-o um segundo e voltei a pendurar. Não queria mentir a Curran. Inclusive se era por seu próprio bem. me inventar histórias e criticar sem piedade ainda não formava parte de minhas habilidades. Minha habitação estava completamente em penumbra, salvo por uma estreita fresta de luz que penetrava pelo oco que havia entre minhas cortinas até chegar a meu rosto. Voltava a me inundar no mundo dos sonhos, com o travesseiro né a cabeça para bloquear o persistente e molesto feixe de luz, quando ouvi que uma chave girava na fechadura. A porta se abriu. A única pessoa que tinha chave de meu apartamento era o encarregado, e nunca entraria sem avisar. Obriguei-me a ficar em calma, com as pernas lassas. Parecia um quadro: tinha o culo em pompa, com umas calcinhas de algodão branco, e a cabeça sob o travesseiro. Não era a postura mais adequada. Permanecia alerta, sensível, com todos os sentidos agudizados. Uns passos muito tênues se aproximaram da cama. cada vez mais perto. Agora! Levantei-me rapidamente e lancei uma patada direta. Meu pé golpeou ao intruso no abdômen, o que provocou um gemido claramente masculino, e este caiu ao chão. Saltei da cama e me lancei para Assassina, mas não estava onde a tinha deixado. Inclinei-me e a vi sob a cama, longe de meu alcance. Aquele indivíduo a tinha golpeado ao cair ao chão. Uma mão de aço me agarrou o tornozelo. Apoiei-me sobre as costas e o propiné uma patada no ombro com toda a força que pude reunir. Voltou a gemer e então vi sua cara. ?Curran! ?Tivesse preferido a um homicida lunático. OH, espera... Aquele segundo de surpresa me custou caro. Se sobre mim, desviou meu braço para um lado como se não pesasse nada e me imobilizou no chão. Suas pernas se enroscaram nas minhas. Sustentou meu braço direito por cima de cabeça, meu braço esquerdo entre nossos corpos e se inclinou, com sua cara a poucos centímetros da meu e meu flanco contra seu peito. Envolveu-me como se fora um pacote. Não podia me mover nem um milímetro. ?Pensei que foi uma espécie de maníaco! ?grunhi. ?Sou-o. ?O que está fazendo aqui? ?Procuro o Jim em sua cama. ?Não está aqui. ?Já o vejo. Pequenas faíscas douradas dançavam em seus olhos cinza escuro. Parecia estar completamente


agradado consigo mesmo e um pouco faminto. Retorci-me para tentar me liberar de suas garras, mas me abraçou ainda mais forte. Sentia-me como se estivesse lutando com uma camisa de força feita de aço candente. Não daria seu braço a torcer. Imobilizada por Sua Bestial Majestade. Nunca superaria a vergonha.

? Já me pode soltar ?lhe disse. ?Tenho sua permissão? ? Tem-no. Prometo-te que não te farei mal. Um intento de sorriso curvou seus lábios. Não ia soltar me e eu não podia me liberar pela força. Mierda. ?Desfruta com esta situação, verdade? Inclinou a cabeça acima e abaixo, seu sorriso como uma raia branca de pintura em seu rosto. ?Como conseguiste entrar? ? Tenho meus recursos. Caí na conta. Ele tinha substituído minha porta fazia dois meses, porque eu estava bastante ocupada tentando não morrer. ? Ficou uma chave de meu apartamento. Casulo. Quantas vezes entraste? ? de vez em quando. ?por que? ? Para saber que está bem. Economiza-me o tempo de me sentar junto ao telefone a esperar uma de suas chamadas de auxílio. ?Não tem por que preocupar-se: não vai haver mais chamadas. Prefiro morrer a te chamar outra vez. ?Isso é o que me preocupa ?replicou. Suas pernas se enroscavam com as minhas, suas coxas estavam tão duras que pareciam esculpidos em madeira. Seu peito pressionava meus seios. Se pudesse me girar um pouco à direita, meu culo se deslizaria contra sua virilha. um pouco para a esquerda e minha cara acabaria em seu pescoço. ?Não sou um de seus súditos ?lhe espetei. Estava muito perto, era muito quente e muito real?. Não cumpro suas ordens e estou muito seguro de que não necessito seu amparo. ?Mmmm ?repôs.


Ao parecer encontrou meu rosto incrivelmente fascinante, porque seguiu me olhando fixamente, meus olhos, minha boca... ?vieste alguma vez enquanto dormia? ?Ocasionalmente. ? Te teria ouvido. ?Trabalha doze horas ao dia e vem feita pó. Além disso, sou muito silencioso. Afrouxou um pouco a pressão que exercia sobre mim. Permaneci lassa. Esse era o plano: lhe fazer acreditar que controlava a situação. Não estávamos longe da mesita de noite e sob a última leja guardava uma adaga. ? O Senhor das Bestas convertido em meu perseguidor pessoal. Bravo! O sonho de toda mulher. ?Não me dedico a acossar. Olhei-o incrédula. ?Então, como chamas a isto? ? Chamo-o controlar a meu oponente para que não me fira, ?Que mais estiveste fazendo enquanto estava aqui? Ler meu correio? Rebuscar em minha roupa interior? ?Não, não reviso suas coisas. Solo venho de vez em quando para me assegurar de que segue de uma peça. Eu gosto de saber que está a salvo, dormindo na cama. Não roubei nada...

Liberei meu braço esquerdo de sua mão e golpeei com meu cotovelo em seu plexo solar. Deu um grito sufocado. Lancei a pela adaga e me sentei em cima dele, com meus joelhos sujeitando seus braços e minha adaga em sua garganta. Ele permaneceu imóvel. ?Rendo-me ?disse, e sorriu?. Seu turno. Estava sentada em cima do Senhor das Bestas em roupa interior e tinha uma faca em sua garganta. Qual ia ser meu próximo movimento? O olhar de Curran se fixou em meu ombro. ?Isso é uma ferida de garra ?disse endurecendo seu tom de voz?. De lobo. Quem foi? ?Ninguém! OH, era uma resposta muito brilhante. Seguro que acreditava.


?Um de meus? ?O dourado brilhou em seus olhos como um relâmpago. Bom, posto que todos os cambiaformas de Atlanta eram dos seus, era uma pergunta retórica, não? ?Desde quando te importa uma mierda meu bem-estar? Acredito que está confundido quanto à natureza de nossa relação. Você e eu não nos levamos bem. Você é um monstro psicopata do controle. Pretende me dar ordens e eu desejo te matar. Sou uma idiota insubordinada e cabezota. Volto-te louco e você quer me estrangular. ?Uma vez! Solo o tentei uma vez! ?Alguém é mais que suficiente. A questão é que não jogamos limpo. Nós... Liberou seus braços de meus joelhos, atraiu-me para ele, ignorando a adaga, e me beijou. Sua língua roçou meus lábios. O calor percorreu todo meu corpo. Pôs sua mão em meus cabelos. De repente tinha a necessidade de saber a que sabia. Já me tinha beijado em outra ocasião, justo antes da luta contra o Perseguidor de Rede Point. Durante quatro meses recordei aquele beijo. Não podia ser tão bom como minha memória se empenhava em acreditar. Deveria lhe beijar e exorcizar aquele beijo fantasma para deixar de pensar nele. Abri minha boca e deixei entrar sua língua. OH, Meu deus! O Universo estalou. Era muito embriagador, como um vinho antigo. Fundi-me contra ele e bebi de seu sabor e de sua fragrância, seduzida pelo contato de seu poderoso corpo envolto no meu. Dava-me voltas a cabeça. me beije mais, me beije outra vez. me beije, Curran. Que demônios me estava passando? ?Não! ?Lutei contra a parede de pedra de seu peito. Sustentou-me durante um momento que me pareceu eterno e depois me liberou, emitindo um grunhido suave e faminto. Saltei fora de seu alcance e me joguei para trás, com as pernas trementes. ?Está completamente louco? ?O que acontece? Tinha esquecido sua frase de «não o faria contigo embora fosse o último homem da terra»? ?Sal daqui! Permaneceu tendido em meu tapete, vadiando como se fosse um gato com um sorriso presunçoso. ? Que tal o beijo?


?Insípido ?menti?. Nenhuma faísca, nada. Como beijar a um irmão.

Minha cabeça ainda dava voltas. Queria tocá-lo, lhe tirar a camiseta com minhas próprias mãos, deslizar meus dedos por esses braços tão duros como rochas... Queria sentir sua boca na minha. Não! Nada de tocar, nada de beijar. Não. Simplesmente não. ?De verdade? Por isso puseste seus braços ao redor de meu pescoço? Maldito bastardo. ? foi alienação mental transitiva. Apontei para a porta. ? Está segura de que não quer que fique? Prepararei-te café e te perguntarei como te foi o dia. ?Fora. Agora! Deu um suspiro exagerado e ficou em pé sem ajuda das mãos. Maldito fanfarrão. ?Quer que lhe devolva isso? ?Ofereceu-me minha adaga pelo punho. Tinha conseguido que soltasse a adaga. Eu nunca soltava minhas armas a menos que fora a propósito. Arrebatei-lhe a arma dos dedos e o persegui até a porta, mantendo a afiada folha entre ambos. Curran abriu a porta e se deteve na soleira. ?Setenta e duas horas, Kate. É tudo o que tem limo ~l sabe e sabe que lhe estou procurando. Agora você também sabe. ?Capto-o ?lhe grunhi. ? Está segura de que não quer me dar um beijo de despedida, neném? ?Que tal uma patada de despedida na garganta? Dava uma portada, apoiei-me contra a porta e me deslizei até chegar ao chão para analisar a situação. O Senhor das Bestas. Leão de Atlanta. O senhor «o fazemos a meu modo ou te larga». Um bastardo lhe frustrem, lhe exasperem e perigoso que me assustava mortalmente até que todos os freios de minha boca se avariavam. Tinha-me beijado. Não, tinha admitido que entrava em meu apartamento para ver-me dormir, tinha-me apanhado contra o chão e depois me tinha beijado. Deveria lhe haver quebrado o nariz. E em lugar de lhe fazê-lo havia devolvido o beijo. E ainda por cima queria mais. Tentei vê-lo em perspectiva. Havia-lhe dito que nunca me deitaria com ele. Em troca, ele me disse que sim o faria. Para ele era todo um jogo e simplesmente tentava ganhar. Alguém me explicou uma vez que se punha em fila a todas as exnovias de Curran, poderia-se fazer um


desfile. Estava-me avaliando para me converter no próximo entalhe de uma coluna de sua cama. Se cedia, seria uma nota ao pé em sua procissão de noivas: Kate Daniels, investigadora da Ordem, com a que Sua Peluda Majestade tinha estado brevemente até que se cansou e seguiu com assuntos melhores e mais importantes, destroçando sua reputação. Uma relação pública com Curran significava o suicídio profissional. Os agentes da Ordem eram imparciais por definição. Ninguém trataria comigo depois de me haver deitado com o chefe dos cambiaformas. Mais importante ainda, quando Curran perdesse interesse no que eu tinha que oferecer, agarraria meu coração, esmagaria-o com um martelo até que se convertesse em um mingau sangrento, traria-me a ruína e se iria sem complicações. Entendia toda aquela situação, mas mesmo assim o queria. Atraía-me para ele como um maldito ímã. Queria-o mais que a qualquer em minha vida. Nos momentos em que estávamos juntos, me fazia sentir segura, querida, necessitada, desejada, mas tudo era uma ilusão. Precisava me controlar.

quanto mais pensava nisso, mais me zangava. Ele pensava que me tinha comendo de sua mão. Sua Majestade necessitava desde fazia tempo um abrupto despertar à realidade. Grunhi e fui vestir me. Às sete cheguei ao escritório. A Ordem ocupava um edifício em forma de caixa Lisa, ordinário, de tijolo, sólido e protegido tão fortemente quando a magia estava em seu apogeu que inclusive uma divisão inteira das Unidades de Defesa Paranormal do Exército poderia assaltá-lo durante dias. Tinha que haver outro edifício na cidade, uma sede de última geração, mas carecia da fila suficiente para conhecer sua localização. Cheguei até o segundo andar, abri a porta e entrei em vestíbulo. Comprido e cinza, prolongava-se na distância como um túnel estreito e anódino em cujo extremo havia uma porta negra. Um leão heráldico de aço gentil se elevava no centro da porta, identificando-a como o escritório do caballero?protector, o chefe da capela e meu supervisor imediato. bom dia, querida, disse a voz do Maxine em minha cabeça. ?bom dia, Maxine ?respondi. Tecnicamente solo teria que havê-lo pensado, se me concentrava o suficiente, para que o captasse Maxine, mas falar me funcionava:}' melhor. Podia ligar lamente de um morto com a minha e esmagá-la como um piolho, mas telepáticamente era uma completa':1 inútil. Entrei em meu escritório, esperando uma pilha de papeleo.de sessenta centímetros. Entretanto, meu escritório estava! limpo. Impoluto. Sem papéis amontoados. ?Maxine, o que passou com meus expedientes? O caballero?protector decidiu te descarregar de responsabilidades. ?É algo bom ou mau? A Ordem aprecia seus serviços. Especialmente quando se trata de trabalhos com horário noturno.


Então vi a luz. Ted tinha aprovado extraoficialmente que chateasse os Jogos de Meia-noite. Não haveria nenhuma investigação. Ted já sabia todo o humanamente possível sobre os Jogos. Simplesmente carecia de médios ou de uma desculpa para poder fazer algo. Agora me tinha apresentado eu com uma oportunidade de ouro. Tinha-me empurrado aos Jogos como se lançasse uma vara a uma roda. Eu era competente e completamente dispensável. Qualquer problema público que pudesse causar o atribuiriam a minha incompetência. Não era um cavalheiro. Não me tinha treinado adequadamente. A Ordem negaria qualquer conhecimento de minhas atividades, me pontuando de completa incompetente, e rechaçariam me respaldar. Andrea se manifestou na soleira de minha porta, entrou e fechou. ?Rafael chamou. Conforme parece, repartiu-se uma ordem por toda a cadeia de mando. Qualquer membro da Manada que te ataque vai ter um encontro comprido e desagradável com Curran. Levantei o boli a modo de saudação. ?Yuju! Não tinha nem idéia de que era uma florecilla frágil necessitada do amparo de Sua Majestade. ?Atacaram-lhe? ?Sim, mas fui boa e não matei a ninguém. Andrea se sentou na cadeira dos clientes. ?O que está passando? Levantei-me e ativei o feitiço. Uns tênues glifos alaranjados se acenderam no chão, entrelaçando-se em retorcidos desenhos. Um muro de luz laranja se erigiu para selar a porta. Era

o feitiço que meu guardião tinha utilizado para proteger a habitação. A gente contava aos caballeros?místicos seus segredos, o tipo de informação que escutava um confessor ou um psiquiatra. O feitiço defensivo do Greg proporcionava isolação, invisibilidade e era a prova de magia. Não podia rompê-lo nem a telepatia do Maxine. Tinha demorado um mês em voltar a riscar os do chão para compreender como o tinha realizado. Abri a gaveta superiora do escritório, tirei o expediente e o pus em cima da mesa. ?A mão. Andrea levantou a mão. ?Não desvelarei a informação que estou a ponto de receber, a menos que a pessoa que me proporciona esta ação me autorize a utilizá-la a minha discrição. Não utilizarei esta informação para benefício pessoal nem sequer sob coação, coerção ou para me salvar a mim ou a outras pessoas de danos físicos iminentes. Juro-o por minha honra de cavalheiro da Ordem. Era um juramento infernal. Mais gente suspendia na Academia por romper o juramento que por qualquer outra prova de vontade. Quando lhe golpeiam, querem-lhe afogar, atam-lhe e lhe


marcam com um ferro candente, a maioria das pessoas diria algo para que a tortura se detivera. Tinha uma franja estreita de pele mais pálida em minhas costas, uma lembrança do beijo do ferro candente. Aquilo provava que tinha superado o exame. Sabia que Andrea tinha uma cicatriz idêntica. Ambas recordaríamos quão secretos devíamos guardar como prova de nosso juramento até o final de nossos dias e nunca os revelaríamos. Nem sequer embora nos voltássemos loucas. Passei-lhe o expediente. Leu as páginas e me? olhou. Completei os ocos da história, incluindo a visita de Curran. Andrea piscou um par de vezes. ? Mierda. Vá tecido. ?«Vá putada» também teria valido. ? O chefe de segurança da Manada é um fugitivo, Derek está ao bordo da morte e você está atada com o Senhor das Bestas. ? Jim não é um fugitivo, simplesmente não cumpre as ordens neste momento. ?A isso lhe chama transfuguismo! ?De acordo, tinha que conceder-lhe E que conste, não estou atada com Curran. ?Em que planeta vive? ?Andrea sacudiu a cabeça?. penetra em seu apartamento para te agasalhar de noite. Isso é o impulso protetor. Ele acredita que estão atados. _?Puede acreditar o que lhe dê a vontade. Isso não o faz real. Os olhos do Andrea se abriram mais. ? Acabo-me de dar conta: está-te tratando como a uma fêmea alfa. Está sob as regras de um cortejo não muito humano. Pediu-te que lhe faça o jantar? O jantar é um assunto muito sério. ?Não o tem feito. ?O inferno se congelará antes de que cozinhe para Curran?. Olhe, eu não sou cambiaforma e ele esteve com humanas antes. ?Precisamente por isso Andrea tamborilou com as unhas sobre a mesa?. Uma insinuação tão direta é um desafio. Assim é como um macho alfa se aproximaria de uma fêmea alfa. Entre eles

sempre existem lutas sobre o poder e a caça, e não são muito sutis. Sei que sonha arrevesado, mas é um completo ambíguo por sua parte. ? Pois pode agarrar seu completo e meter-lhe onde não brilha o sol. ?Está completamente segura?


? É obvio. trabalhei muito duro para ser seu capricho passageiro. Aproximei-me para guardar o expediente em minha gaveta e meus dedos roçaram um livro em rústica. A princesa prometida. Aquela noite no Savannah, quando quase me beijou, estava-o lendo, e quando lhe disse que fôssemos, respondeu-me: «Como deseja». ?Então, aonde te leva tudo isto? vais desaparecer uma temporada? ?Andrea franziu o cenho. Assenti com a cabeça. ? Tenho que vê-lo com perspectiva e não posso fazê-lo com Curran me respirando na nuca. ?Necessita ajuda? ?Sim, pedi analisar umas amostras de prata com a base de dados do ordenador. Pode demorar para processar-se;' um ou dois dias. Se pudesse recolher os resultados... Andrea fez um gesto com a mão. ? É obvio que o farei. Mas referia a se tabas disparar a alguém. ? Ah, de momento não. Mas te chamarei se preciso lhe colocar uma bala a alguém na cabeça. ?Não duvide em me chamar. E tenta que não lhe matem. ? Tentarei-o. Olhamos aos olhos. ?Como foi? ?perguntou?. Beijar a Curran? ?Não posso deixar que me beije outra vez, porque se fizer, acabarei na cama com ele. Andrea piscou. ?Bom ?disse finalmente?, pelo menos o deixa claro. Chamei o Jim e saí do escritório. Abri-me caminho através do tráfico matutino. Ninguém me seguiu. Finalmente me detive em um antro de frango frito. Glenda me sorriu. Era uma mulher rellenita com o cabelo de cor mel, que passava as noites atormentada por serpentes fantasma. Levou-me semanas, mas ao final encontrei a causa escondida em seu apartamento de cobertura e a matei. Agora me levo um sorriso com meus alitas de frango. Dava-lhe dez dólares. ?Quer os cinco dólares de mudança? ?perguntou Glenda. ?Não, quero utilizar o telefone. ?Esta era a conversação mais larga que tínhamos tido fora do escritório.


Glenda pôs um telefone sobre o mostrador, comprovou que tinha linha e agarrou meus dez dólares. Chamei à Fortaleza, apresentei a uma imaterial voz de mulher e lhe perguntei pelo Senhor das Bestas. Em menos de quinze segundos Curran estava ao telefone. ? Me vou esconder com o Jim. O silêncio ao outro extremo da linha tinha um trasfondo realmente sinistro. Possivelmente tinha pensado que seus superpoderes para beijar me tinham descarrilado. Improvável. Evitaria que tivesse que matar ao Derek. Era uma carga que não necessitava. ? pensei no desta manhã ?disse, tentando soar acalmada e razoável?. Ordenei a

meu encarregado que troque as fechaduras. Se te voltar a encontrar em meu apartamento de novo, vou apresentar uma queixa formal. Tirei-te a diversão, sob coação, mas o tenho feito. Resgataste-me uma ou duas vezes, viu-me quase nua. Por isso me dei conta de que está julgando esta situação segundo os costumes dos cambiaformas e esperas que te receba com as pernas abertas. ?Não necessariamente. ?Seu tom de voz era acalmado, como o meu?. Pode te pôr a quatro patas, se o preferir. Ou contra a parede. Ou na bancada partidária da cozinha. Suponho que posso deixar que ponha em cima, se fizer que valha a pena. Não chiei os dentes porque o ouviria. Tinha que estar acalmada e ser razoável. ? Meu ponto de vista é que não. ?Não? ?Não me vou apaixonar, não vai haver sexo, não vai haver um você e eu. ?Quis te beijar quando estivemos em sua casa, no Savannah. por que se desbocava meu coração? ?E? ? Parecia assustada. Essa não era a reação que estava esperando. te acalme e sei razoável. ?Não te faça ilusões, não dá tanto medo. ? depois de te haver beijado esta manhã, de novo tinha medo. Justo depois de que parecesse que te foste derreter. Derreter? ? Tem medo de que haja algo entre você e eu.


Latido. Custou-me tragar essa intriga. ?Cada vez que penso que alcançaste o limite da arrogância, mostra-me novas cotas. De verdade, seu egocentrismo é como o Universo, sempre em contínua expansão. ?Esta manhã pensaste em me arrastar a sua cama. ?pensei te apunhalar e sair correndo enquanto chiava. irrompeste em minha casa sem permissão e me babaste É um maldito lunático! E não me venha com o conto de que pode cheirar meu desejo, sei que são sandices. ?Não precisava te cheirar. Podia vê-lo no olhar sonhador que despediam seus olhos e na forma em que sua língua se movia dentro de minha boca. ?Desfruta de da lembrança. ?Apertei as mandíbulas com força?. É a última vez que vai acontecer. ?Vete a jogar com o Jim, Encontrarei-lhes aos dois quando lhes necessitar. ?Imbecil arrogante. ?Sabe o que? Se nos encontrar antes de que passem esses três dias, farei-te um maldito jantar e lhe servirei isso nua. ?É uma promessa? ?Sim. Que lhe dêem. Pendurei o telefone de repente. Bem, isso era perfeitamente razoável. Na outra parte do mostrador, um homem maior e gordo me olhava fixamente como se me tivessem saído chifres. Glenda me passou o dinheiro que lhe tinha dado. ? falei bastante por telefone, isso vale dez dólares. Levantei-me bem a tempo para ver como se aproximava Brenna com um cavalo de mais.

Capitulo 16

fui fazer uma visita ao Derek. Estive ali durante meia hora, até que Doolittle entrou, jogou uma olhada a minha cara e decidiu que precisava tomar outra deliciosa taça de chá. Segui-lhe até a cozinha, onde cheirava a comida: um rico e saboroso aroma a carne especiada e pão recém assado. O aroma me apanhou e me arrastou virtualmente até a mesa, bem a tempo para ver o Jim com uma dourada peça de carne sobre a tabela de cortar. Cortou cuidadosamente um filete de um dedo de grossura, que revelou um lombo de carne de vitela exquisitamente preparada e pouco feita. ?Boi Wellington? ?Quase me deprimi.


Jim franziu o cenho. ?Só porque você não tenha nunca nada decente na geladeira... ?Porque você ou Derek ou Julie lhes comem isso tudo. Brenna se aproximou e tirou uma terrina de salada do refrigerador. ? Os pratos estão nesse armário. Tirei quatro pratos, encontrei os talheres e pus a mesa. Doolittle depositou um copo de chá gelado diante de mim e o provei. Tinha tanta açúcar que se tivesse deixado uma colher dentro se sustentaria erguida. Jim serve um filete em meu prato. Quando eu preparava o boi Wellington tinha boa pinta. Este tinha uma pinta excelente. ? Perdoa pelo da coxa ?disse Brenna ao sentar-se junto a mim. Resultou-me difícil relacionar o agudo dentada de minha perna com a mulher tranqüila que tinha a meu lado. ?Não importa. Perdoa pelo da agulha. A cicatriz de sua garganta se apagou, ainda ficava uma fina linha cinza. ?Estou bem ?disse?. recebi outras feridas com armas de prata. ?Onde estão outros? ?perguntei. Ninguém respondeu. Que faladores, os cambiaformas. Cortei meu filete e introduzi uma pequena parte em minha boca. Tinha um sabor celestial. Jim cortava sua carne com a precisão de um cirurgião. ? Chamou-me Curran. Os três cambiaformas que me rodeavam contiveram o fôlego durante um instante. ? pensei mencioná-lo antes de que comecem a comer para que não lhes engasguem. ?Há dito algo? ?Têm três dias para voltar. ?Tratei de imitar a voz de Curran?. depois desse prazo, buscará-lhes até lhes encontrar. E não quer lhes encontrar. ?Algo mais? ?depois disso, basicamente soltou tacos. Hei-lhe dito que você e eu nos estávamos dando um apaixonado queda no palheiro e que nos estava interrompendo.


O chá saiu a jorros pelo nariz da Brenna. ? Eu gostaria que não lhe houvesse dito isso ?disse Jim depois de enfrentar-se aos fatos. ?Não me acreditou. ?Deixemo-lo assim. Ao Jim daria uma apoplexia se lhe mencionava minha promessa de fazer exercício pela manhã e preparar um jantar nu?. Aqui não pode nos encontrar, verdade?

?Nunca subestimamos a nosso senhor ?assinalou Doolittle. ?É difícil assegurá-lo ?Opinou Jim?. Curran é persistente. Ao final nos encontrará, mas não por agora. Esperava que tivesse razão. Do contrário, os dois teríamos que dar muitas explicações. Esperamos ao Saiman no estacionamento dos Jogos. A capa negra do Jim, debruada de pele, ondeava atrás dele ao caminhar e revelava um colete de couro negro, calças negras e umas botas negras com ponteira de aço. Seu corpo estava trabalhado até o limite do absurdo: parecia um boxeador profissional em pleno apogeu, com seus avultados músculos bem definidos, suas enormes pernadas e a ampla difusão de seu mau temperamento. Punha muito má cara e parecia que queria golpear a alguém. ?Necessita uns óculos de sol?le disse ironicamente?. Alguém poderia te confundir com um homem de negócios. ?Nunca me passou. O elegante veículo do Saiman entrou no estacionamento. Deteve-o e saiu de seu interior, com o aspecto elegante e urbano do Thomas Durand. Abriu o porta-malas e tirou um objeto oblongo, envolto em lona e maço com um cordão. Pô-lo sobre seu ombro, o que resultou algo dificultoso, porque aquela coisa media mais de um metro de comprimento e meio de largura. Dirigimo-nos para a entrada. Saiman nos alcançou e aconteceu o fardo ao Jim, que o sustentou sem esforço. Podia ter sido tão ligeiro como uma pluma, mas pelo modo em que Saiman avançou aliviado, devia ser bastante pesado. ?Seus passes de empregados. ?Saiman me tendeu duas entradas amarelas e ralentizó seu passo, para pôr algo de distancia entre nós e ele. Chegamos ante as portas e mostrei os passes aos guardas do exterior, que nos conduziram até os acolhedores braços do Rene. Pelo brilho de seus olhos soube que me tinha reconhecido. Inspeciono ao Jim e se voltou para mim. ? Parabéns, carinho. subiste que nível. Trata-te bem? ? É um osito de peluche.


O osito de peluche parecia que estivesse sofrendo um síndrome de abstinência por não cometer assassinatos. ?De verdade que o é. ?Rene sorriu abertamente?. A primeira sala à direita. lhes registre ali. ?Olhou para a entrada, onde Saiman fazia sua entrada triunfal?. Depressa, seu ex acaba de entrar. Não queremos que fique histérico outra vez. O nível destinado aos lutadores era basicamente um comprido corredor em forma de anel. Os membros do Guarda Vermelho rondavam por ele como moscas revoando ao redor de um cavalo morto. Mas eram moscas letais, armadas com tásers, cadeias e redes. Ali não podia estalar nenhuma trifulca. No interior do anel se erigia uma enorme sala de treinamento localizada diretamente sob o Poço. Na parte exterior do anel estavam os quartos dos lutadores, uma série de habitações onde os participantes no torneio esperavam seu turno para entrar em combate. Jim se dirigiu para a entrada de nossas habitações, como um escuro sentinela, e os guardas que patrulhavam o corredor se separaram dele. Sentei-me em um banco. Tinha inspecionado a consciência nosso alojamento: a sala onde esperávamos era larga e estreita, como um pescoço de garrafa. Nenhuma porta nos separava do

corredor. Em caso de problemas, um par de guardas podia conter facilmente no interior a doze pessoas ou mais. À esquerda, uma porta conduzia a um pequeno vestuário com um banco e três duchas, além de um quarto de banho com três asseios, separados por partições. detrás de mim, outra porta dava acesso a um grande dormitório que albergava oito beliches. Os arquivos da Ordem indicavam que as equipes eram retidas ali uma vez que dava começo o torneio e durante três dias se viam obrigados a residir nas instalações. Sobre nossas cabeças, a multidão estalou em vítores, entusiasmada com a morte de alguém. A culpa me remoeu a consciência. Obcecava-me e me acossava, esperava qualquer momento de debilidade para equilibrar-se sobre mim. Teria que ter impedido que ferissem o Derek. Enquanto lhe tinham golpeado sem piedade, no estacionamento, estava completamente sozinho. Sabia que não receberia nenhuma ajuda e sua última lembrança era a prata fundida que tinham vertido sobre seu rosto. Meu coração se encolheu dentro do peito. Tentei articular algumas palavras, algo que mantivera aqueles pensamentos afastados de minha cabeça. ?A meu pai tivesse gostado deste lugar. De todas as areias de luta às que me levou, esta é a melhor equipada e a mais segura. O olhar do Jim ainda se achava fortemente ancorada ao corredor e às patrulhas dos guardas.


?Que classe de pai levaria a um menino ao matadouro? ?O tipo de pai que pretendia acostumar a sua filha à morte. Suponho que poderia dizer-se que seu plano saiu bastante bem comigo. ?Sim. Ensinou-te também ele a dizer um montão de tolices? ?:?Não. Esse cacoete a adquiri que ti. Sentamo-nos, os dois em silêncio. ?Meu pai odiava matar ?disse Jim?. Não podia fazê-lo, inclusive quando era necessário. ?Não todo mundo se converte em um monstro. Ressonou outro golpe. O ruído dos espectadores diminuiu até converter-se em um murmúrio. Extraí minhas facas arrojadizos e me dispus a poli-los com um pano. ?Era humano ?acrescentou Jim, ?A Manada alguma vez o transformou? ?Não. Assim Jim era um híbrido. Podia me haver confundido pelo modo em que tratava aos estranhos. Normalmente os casais dos cambiaformas também se convertem em cambiaformas. ?Como foi acolhido pelo clã felino? ?Somos gatos. Unicamente nos preocupam nossos próprios assuntos. ?Jim se encolheu de ombros de modo quase imperceptível?. Foi bem-vindo porque era doutor. Logo que tínhamos médicos na Manada. Doolittle e ele eram amigos, graduaram-se juntos. Recordei as palavras do Saiman. Disse que Jim tinha matado ao homem que tinha assassinado a seu pai enquanto ambos estavam no cárcere. ?Como acabou no cárcere?

? Uma das meninas lince se converteu em lupo, uma cria pequena que tinha dez anos. O alfa não estava e os pais a levaram para que a eliminasse, para que lhe desse uma morte piedosa e todo esse cilindro. Uma vez que um cambiaforma se transformava em lupo, não havia volta atrás. ?Mas não pôde fazê-lo ?continuou Jim?. Pô-lhe uma injeção que a deixou dormida. Disse à família que queria conservar o cadáver para lhe fazer a autópsia e averiguar o que tinha desencadeado o lupismo, e lhe acreditaram. Encerrou-a em uma jaula no porão, tomou amostras das malhas para tratar de descobrir uma padre, mas ela conseguiu escapar e matou a duas pessoas antes de que a apanhassem e fora abatida. Uma dessas pessoas era uma mulher


grávida. Houve um julgamento e lhe caíram vinte e cinco anos de condenação. Jim seguia sem me olhar. ? Durante seu segundo dia na prisão, um valentão dos baixos recursos chamado David Stiles o apunhalou no fígado. Muito depois encontrei ao David e lhe perguntei por que o tinha feito. Não estava em posição de mentir. E sabe o que me disse? ?Jim se voltou para mim por fim?. Disse-me que o fez porque gostava, sem motivo algum. Não soube o que dizer. ?Meu pai ajudava às pessoas. Ele tratou a uma menina lupo como se fora normal, enquanto que eu tratei a um menino normal como se fora um lupo, e, seis anos depois, consegui que o espancassem até o bordo da morte. Doolittle me há dito que se está debilitando. Não fica muito tempo. Se meu pai estivesse vivo, cuspiria-me à cara. Era uma velha ferida a que lhe tinha arrancado a crosta e que havia tornado a sangrar sozinho para que eu a visse. Não tinha nenhum ungüento para aplicar sobre ela e aliviar sua dor, mas em troca podia lhe mostrar minha própria cicatriz. ?Se meu pai soubesse que me coloquei aqui deliberadamente, nesta situação, pelo bem de outra pessoa, consideraria-se a si mesmo um fracasso. ?por que? ?Jim me olhou de novo. ?Porque desde que aprendi a andar, ensinou-me a confiar tão solo em mim mesma, a não estabelecer relações nem nenhum tipo de elos com nenhum outro ser humano, lhe incluindo a ele. Estava acostumado a enviar reveste aos bosques durante vários dias sem mais companhia que uma faca. Quando tinha doze anos, abandonou-me no Warren. Tive que me arrumar isso com a banda dos Breakers durante um mês. Golpearam-me em várias ocasiões, estive a ponto de ser violada duas vezes. ?Entrelacei os dedos para formar o signo da banda?. Ainda o recordo. Jim me olhou fixamente. ?Os amigos são algo muito perigoso ?lhe expliquei?. Sente responsabilidade para eles. Quer mantê-los a salvo. Quer ajudá-los e eles lhe fazem perder o equilíbrio, de modo que o seguinte que sabe é que está sentada aqui chorando, porque não chegaste a tempo. Fazem-lhe sentir impotente. Por isso meu pai queria me converter em uma sociópata. Um sociópata não tem empatia, tão solo se concentra em seus propósitos. ?Pois ao final não resultou como ele queria ?disse Jim em voz baixa. ?Não. Seu treinamento teve um engano fatal: preocupava-se comigo. Perguntava-me o que queria para jantar. Sabia que eu gostava do verde, assim se tinha que escolher entre um suéter azul e um verde, comprava-me o verde embora resultasse mais caro. Eu gosto de nadar, e quando viajávamos insistia em riscar nossa rota para que passasse junto a um lago ou um Rio. Deixava-me me expressar e tinha em conta minha opinião Para ele era uma pessoa e era importante. Também vi que tratava a


outras pessoas como se fossem. Apesar de sua suposta indiferença, há um pequeno povo no Oklahoma onde lhe idolatram e uma minúscula aldeia na Guatemala que erigiu sua estátua esculpida em madeira à entrada da população, para que os protegesse de espíritos malignos. Ajudava às pessoas quando acreditava que era o correto. ?Agitei a cabeça?. Tenho essa imagem do que meu pai queria que fora e nunca poderei estar à altura. Nem quero. Jogo segundo minhas próprias regras, defendo-me com elas. Já é bastante difícil assim. Se isso supuser que meu pai me cuspiria na cara, que assim seja. Passaram quase duas horas antes de que Saiman entrasse em nossas habitações. Irrompeu nelas bruscamente, com o rosto ruborizado. ?E o micro? Jim lhe tendeu um pequeno disco de cor carne do tamanho de uma moeda de um quarto de dólar. ?Um transmissor ?lhe esclareceu?. quanto mais profundamente o enterre em seu corpo, melhor. Faz que o trague. Não queremos que o encontrem. Saiman aceitou o artefato e se dirigiu para a porta da parede oposta, golpeando o fardo envolto em lona pelo caminho. Entrou e fechou a porta atrás dele. ?Crie que poderá fazê-lo? ?Não, mas não temos outra eleição. Continuamos sentados. Sobre nós, algo uivou no Poço, o que produziu que um murmúrio amortecido reverberasse no teto. ? Faz frio ?assinalou Jim, Um momento depois eu também o senti. Um helor seco, intenso, emanava da porta depois da que se ocultava Saiman. ?vou ver como está. Bati na porta com os nódulos e a madeira me queimou os dedos com seu tato de gelo. ?Saiman? Não houve resposta. Empurrei a porta e esta se abriu, me admitindo no interior. O vestuário girava para a direita, assim solo vi uma pequena fração de seu espaço, iluminado pelo azulado resplendor dos abajures


feéricas: uma das cabines de ducha, com a cortina aberta, de cuja alcachofra metálica pendia um comprido pedaço de gelo. ?Há alguém em casa? Uma capa de geada cobria o chão sob meus pés. Girei para a direita, me movendo lentamente. Reveste-as de meus sapatos se deslizaram súbitamente, assim que me sujeitei à parede e foi quando o vi. achava-se desabado sobre o banco, com suas enormes costas sulcada por uma robusta urdimbre de músculos sob uma pele tão branca e tersa que parecia completamente sangrado. Um arbusto de cabelo áspero caía por suas costas em uma juba verdeazulada e uma fina linha de pêlo percorria as vértebras de sua coluna para desaparecer sob umas esfarrapadas calças de pele de lobo. Sentado já era mais alto que eu, muito grande para ser humano. ?Saiman? Aquele ser girou a cabeça. Uns olhos penetrantes se aferraram para mim, distantes, de um azul pálido, iluminado do interior como dois fragmentos de gelo que, de algum modo, haviam

adquirido o brilho de um diamante. Possuía o rosto de um lutador cinzelado com delicada precisão por um escultor magistral: aterrador, contundente, arrogante e com um toque de crueldade. Seus olhos se afundavam profundamente em suas conchas, protegidos pelo espesso cós de umas sobrancelhas azuis. Tinha os maçãs do rosto pronunciados, o nariz largo e uma mandíbula tão capitalista que 'podia ter amassado ossos sem esforço algum. O filósofo, erudito cortês que pontificava sobre o significado da luxúria, já não estava. Solo ficava um ser primitivo, duro, gélido e tão antigo como o gelo que cobria o banco no que se sentava. Estive tentada de elevar minhas mãos e me tampar os olhos para me defender contra esse olhar. Entretanto, obriguei-me a avançar até o banco e a me sentar junto a ele. Não fez o menor movimento. A seu lado, sentia-me como uma menina pequena. ?Esta é sua forma original? ?perguntei-lhe com voz suave. ? Esta é a forma com a que nasci. ?Sua voz era um profundo alarido contido. ?E o bailarino dourado do telhado? ? É o que teria podido ser. O que deveria ter sido. Há o bastante dele em meu sangue para poder assumir essa forma com relativa facilidade, mas não me faço ilusões. Este é meu verdadeiro eu. A gente não pode renegar de sua herança. Nisso, ao menos, estávamos de acordo. Sobre nós se ouviu um golpe surdo. O ruído dos espectadores se incrementou e Saiman elevou sua monstruosa cabeça para o teto. ?Estou assustado. Encontro-o merecidamente irônico. É uma noção ridícula.


Elevou um braço enorme, com o antebraço recubierto por um pêlo azul prateado. Seus dedos tremiam. ?É natural?le disse?. Solo os loucos não estão assustados antes de um combate. Nem sequer imaginam que possam morrer. ?Você sente medo, Kate? ?Sempre. ?Então, por que o faz? ?O medo é dor. ?Suspirei?. Faz mal. Inundo-me nele e o uso, como uma pedra de amolar deslizando-se sobre a folha de uma espada. Faz-me sentir melhor, mais consciente. Mas não posso estar assustada muito tempo ou me ultrapassaria. ?E como consegue te liberar dele? –Matando. ?Assim? Sem um nobre propósito? ?Seus olhos azuis me lançaram um estranho olhar, a meio caminho entre o terror e a surpresa. ?Não sempre existe um nobre propósito. Freqüentemente, há uma razão, a necessidade de salvar a alguém ou algo: seu amigo, seu amante, um inocente que não merece resultar ferido. Às vezes é uma razão puramente egoísta. A gente pode lutar por fortalecer seu corpo, por seu bom nome ou por sua prudência. Às vezes, é sozinho um trabalho, mas decidir lutar e fazê-lo são duas coisas bem distintas. ?Como pode viver assim? Parece insuportável. Encolhi-me de ombros. ?Ao igual a você, não albergo ilusões. Conceberam-me, nasci, cresci e fui treinada com um único propósito em mente: me converter na melhor assassina possível. ? E finalmente poder matar ao Roland, o homem mais capitalista da terra.

?É a hora ?anunciou Jim do outro lado da porta. Saiman deixou escapar um comprido e profundo suspiro. ficou em pé e sua cabeça esteve a ponto de roçar o teto. Media mais de dois metros e médio. Latido! ?Prefere ao Aesir? A palavra me golpeou como um relâmpago. As peças se colocaram corretamente no interior de minha cabeça: Saiman, dourado e exultante de magia, que dançava sobre o telhado, celebrando «o tempo dos deuses», seus fluidos mudanças de forma, seu egoísmo desmesurado, seu ego... e agora, um monstro enorme, um homem gigantesco. Dirigi-lhe um olhar, boquiaberta de assombro. Nem sequer acreditava que existisse.


? Minha outra forma, Kate. Você gosta? ?Sim ?disse, tentando que minha voz soasse uniforme?. Então é um deus completo ou um de seus divinos parentes teve um asuntillo com um ser humano? Pela primeira vez, Saiman sorriu e deixou ao descoberto uns dentes brancos que encaixariam perfeitamente nas fauces de um urso polar. ? Um quarto. É suficiente. O resto é geada e humanidade. Agarrou do chão o fardo envolto em tecido, apartou a malha em uma revoada e deixou à vista um pau de mais de um metro vinte de comprimento, arrepiado de puas metálicas mais grosas que meus dedos. Saiman se deu a volta e saiu pela porta. Pude escutar o grunhido de surpresa do Jim. Saiman não se deteve e saiu da habitação' até o corredor, cada um de seus passos era o dobro que meus. Jim grunhia e mostrava os dentes. ?Vamos. ?Dava um golpecito a Assassina para me assegurar de que seguia comigo e persegui o Saiman pelo corredor. Os membros do Guarda Vermelho se apertavam contra os muros quando Saiman passava junto a eles. ?Que demônios é? ?perguntou-me Jim uma vez que me teve alcançado. ? Vikingos ?consegui dizer, empreendendo a carreira. ?O que acontece os vikingos? ? Os vikingos chamavam a seus deuses Aesir. ? Isso não me esclarece nada. A porta dourada surgiu ante nós e através de sua abertura retangular iluminada pude ver o Poço e muito espectadores. Saiman permaneceu na penumbra do corredor, com o grosso pau apoiado no ombro. ?Há dito que possui um quarto de sangre Aesir, o que significa provavelmente que sua avó era uma deusa vikinga. Mas solo há uma deidade nórdica capaz de trocar de forma do modo em que o faz ele e não era um Aesir. Era Loki, o embusteiro, um gigante que se converteu em um deus. Saiman é o neto de duas divindades nórdicas Jim. Saiman elevou o pau de seu ombro com facilidade com que um menino empunharia um taco de beisebol de beisebol de brinquedo se apressou a cruzar a porta para a luz do exterior. A multidão emudeceu e o silêncio se estendeu enquanto a audiência se fazia à idéia de um humanoide de mais de dois metros e meio de altura, embora Saiman não esperou. Com o pau na mão,


avançou a grandes pernadas para o Poço.

Capitulo 17

O Colhedor aguardava outro extremo da areia de combate. Desmesuradamente alto e dotado de uma avultada musculatura, possuía a compleição de um campeão de halterofilismo, seu corpo hiperdesarrollado se parecia com o de um boneco de ação. Se tivesse que lutar contra ele, deveria golpear em uma articulação, porque se se esticava' a espada não penetraria todos esses músculos. O Colhedor levava umas botas negras... e nada mais. As espirais de sua tatuagem cobriam cada centímetro de seu pálido corpo. Levava duas tochas pomposas, afiadas como cuchillas reluzentes, cada uma de um metro de comprimento, que tinham sido concebidas para blandir com ambas as mãos. Saiman entrou no círculo, com suas largas pernas movendo-se lentamente. Ultrapassava ao Colhedor ao menos uma: cabeça, o que indicaria que o lutador das tochas mediria uns dois metros vinte. Apesar da diferença de altura, provavelmente ambos pesavam o mesmo. podiam-se apreciar as costelas do Saiman, mas o Colhedor teria problemas para recolher moedas do chão sem agachar-se. Um dos guardas fechou a porta da alambrada e correu a refugiar-se depois do amparo que lhe proporcionava o muro. Enquanto a porta se fechava, a resolução do Saiman se diluiu. Um ligeiro tremor começou a sacudir seus braços e encurvou os ombros. Podia perceber seu terror de onde estava. O Colhedor o advertiu também e sorriu burlonamente, ensinando os dentes. Tinham sido limados em forma cónica, como as presas de um tubarão. O aroma do sangue e da areia quente invadiu minhas fossas nasais. Pisquei repetidamente a causa do brilhante resplendor dos grandes abajures feéricas e dava um passo em direção ao Poço... e estive a ponto de tropeçar com um guarda que me impedia o passo. ?Nem um passo mais. Se sair pela porta, seu lutador perde automaticamente o combate. Não era minha briga. Apoiei-me no arco dourado e Jim se situou junto a mim. Era o momento do Saiman. O Colhedor lançou uma de suas tochas para cima, que girou umas quantas vezes, com sua polida folha arrancando brilhos quando capturava a luz das tochas, até que voltou a apanhá-la com habilidosa rapidez. À multidão adorou aquilo.


Um gongo ressonou naquele vasto espaço. Quando seu tangido se extinguiu, Saiman se girou para nos olhar. ?Vamos. ?A voz do Colhedor era um áspero grunhido, com um toque do mesmo acento que ainda não era capaz de se localizar. Fez um sinal com sua tocha?. Vêem! vou partir te de cima abaixo. Saiman duvidou. ?Vêem! Saiman se girou a meio caminho, me olhando, com os olhos transbordantes de medo. Nunca deveríamos havê-lo metido no maldito Poço. Não era um lutador. Não importava o grande

que fora, porque se não reunia a coragem suficiente para matar por sua sobrevivência, acabaria talhado a tiras. ?te mova ?sussurrei. O primeiro passo sempre era o mais difícil. Uma vez que se liberasse do medo que o encadeava e desse o primeiro golpe, estaria bem. Mas tinha que mover-se. O Colhedor elevou os braços em toda sua extensão, como se pedisse uma explicação aos espectadores. ouviram-se vaias e mofas, ao princípio de modo isolado, que logo ganharam força até que se encresparam como uma maré de som. O Colhedor sustentou em alto sua tocha e a gritaria cessou. ?vou rachar te ?anunciou. Avançou, flexionou seus músculos e empunhou suas tochas. Saiman retrocedeu um passo. O Colhedor sorriu com satisfação e continuou avançando. Uma careta desagradável distorceu seu semblante. Levantou as tochas e investiu. Saiman o esquivou, mas mesmo assim o fio da tocha esquerda lhe alcançou na coxa e o sangue empapou sua pele branca como a geada. A comoção esbofeteou o monstruoso rosto do Saiman. O lutador das tochas se deteve para deixar-se banhar pelos aplausos e Saiman contemplou seu próprio sangue. Seus lábios tremeram e suas sobrancelhas se uniram em um rictus. Um brilho selvagem dançou na profundidade de seus olhos. A dor, compreendi. A dor era seu detonante. Saiman temia a dor, mas, uma vez que o tinha experiente, faria o que fora necessário para evitar ser ferido de novo. Com um terrível rugido, Saiman fez oscilar o pau mas o Colhedor se fez a um lado e o pau golpeou o chão, levantando uma cascata de areia no ar. Sem deter-se, Saiman levantou de novo o pau e carregou. O Colhedor saltou para trás. Afiada-las puas de aço passaram rozan?l dou sua cara. O lutador o esquivou para a esquerda, logo para a direita, mas Saiman blandía o pau contra ele como se não pesasse nada. O tipo das tochas jogou a correm Todo pensamento racional se desvaneceu dos frágeis olhos do Saiman, que rugiu e perseguiu o


Colhedor ao longo e largo do Poço. Contemplar seu rosto era algo terrível, e sua mente se achava perdida no arrebatamento de fúria. Não estava segura de que soubesse quem era ou o que estava fazendo ali, mas sabia que tinha que matar ao esquivo Colhedor ?Congela-o ?murmurou Jim?. Congela-o! Nossos olhares se encontraram e negou com a cabeça. Como os guerreiros nórdicos das antigas sagas, Saiman, estava poseído por uma ira desatada, muito para recordar que podia utilizar sua magia O Colhedor se deteve. Enquanto o pau assobiava em um varrido que esteve a um cabelo de lhe rasgar o peito, girou sobre si mesmo e golpeou a manga do pau com a tocha de sua mão direita, tentando desequilibrar ao Saíman. Era um bom movimento. O impulso do Saiman, acrescentado ao golpe do Colhedor, apartaria o pau e deixaria ao Colhedor liberdade de movimentos para hendir o braço e o flanco direito do Saíman. A tocha entrou em contato com o pau. O gelo devorou a folha azulada da tocha, percorreu rapidamente seu punho até o braço do Colhedor e apanhou seu punho. O Colhedor gritou. Desesperado, lançou um talho ao cotovelo do Saiman, mas o gigante deu impulso ao pau e o soltou. Tanto o pau como o lutador se estamparam contra a alambrada metálica. As costas do Colhedor golpeou a alambrada justo em frente de mim. Logo que teve ocasião de ricochetear, porque

Saiman se precipitou sobre ele com o rosto transtornado, entrelaçou as mãos em um enorme punho e o deixou cair sobre o crânio do Colhedor como um enorme martelo. O Colhedor tentou evitá-lo no último momento e o golpe aterrissou em seu ombro direito. ouviu-se um rangido de ossos e o Colhedor uivou. Saiman alargou os braços para sujeitar os ombros do Colhedor. Suas enormes mãos se afundaram na carne de seu oponente, levantou-o do chão como se fosse um menino e estampou sua cabeça contra a cara do Colhedor. O sangue emanou e salpicou os rasgos do Saiman. Empurrou ao Colhedor contra a alambrada e o golpeou repetidamente com os punhos em uma virulenta chuva de golpes. Alambrada-a se estremeceu e tremeu. Com cada um dos murros, alambrada-a se cravava nas musculosas costas do Colhedor fazendo brotar o sangue das lacerações de forma romboidal. Sua cabeça ficou pendurando. Saiman golpeou uma e outra vez entre rugidos, totalmente alheio à pegajosa mescla de sangue e ossos que tingia de vermelho suas mãos. Alambrada-a se cravou mais profundamente na carne. ? vai empurrar o através dessa alambrada como se fora um coador ?disse Jim com um grunhido. A multidão se ficou calada, atônita ante a ferocidade de suas investidas. Solo a trabalhosa respiração do Saiman, junto com seus furiosos bufos, ressonava por todo o Poço. ?O Colhedor


está morto. Tirem o daí ?disse a dos guardas. ?perdeste o julgamento? ?O guarda me dedicou um olhar reservado para os dementes?. Ninguém vai meter se no Poço com ele. Se alguém der um passo aí dentro, converterá-se em seu objetivo. Um grupo de guardas observava a cena detrás de nós. ?Jesus ?murmurou um deles. Não havia nada que fazer. Ficamos ali plantados, observando como Saiman vertia toda sua raiva e seu medo sobre o amálgama de carne que ficava do Colhedor. Quatro minutos mais tarde, a magia se desvaneceu do mundo em abruptas fervuras e Saiman finalmente retrocedeu uns passados do cadáver. O que se deslizou pela alambrada até o chão do Poço já não tinha nenhum parecido com um homem. Molhado, vermelho, brando, era sozinho um revolto conjunto de malhas embutida em umas Dota negras. Saiman recuperou seu pau e o estado de transe se dissipou de seu rosto. Olhou a seu redor, sacudiu a cabeça como se se surpreendesse de encontrar-se naquele lugar e elevou sua arma. ?Síííííl ?gritou uma solitária voz masculina da esquerda. Os espectadores estalaram em uma avalanche de aclamações. Saiman se deu a volta, respondeu aos aplausos e tropeçou, coxeando da perna banhada em sangue. Estava a ponto de fazer história como o primeiro homem com poderes regenerativos que se sangrava até morrer. ?por aqui! ?Saltei e agitei os braços por cima da cabeça?. Vêem por aqui! Saiman caminhou arrastando os pés, aturdido e desconcertado. ?Aqui! ?O bramido do Jim se impôs momentaneamente à gritaria do público, golpeando meus tímpanos. Coloquei o dedo indicador em minha orelha direita e a sacudi um pouco. Saiman se agitou bruscamente e girou para nós. O reconhecimento se acendeu em seu olhar e caminhou coxeando em nossa direção enquanto arrastava seu pesado pau. O guarda abriu

a porta da alambrada e lhe dirigiu um olhar de coelho aterrorizado. Saiman se deteve na alambrada. OH, pelo amor de Deus! ?Vêem por aqui! ?gritei-lhe agitando os braços?. Vamos! Avançou mancando através da porta, usando seu pau como uma muleta, mas se derrubou e teria cansado ao chão se Jim não tivesse deslizado seu ombro sob seu braço e o tivesse sujeito. O corredor se encheu súbitamente por um contingente do Guarda Vermelho. Os guardas se fecharam a nosso redor como um muro de cor vermelha e negra. ?Que perda de sangue. ?A voz do Saiman brotou entrecortadamente.


? A próxima vez, te lembre de lhe sanar grunhiu Jim, mantendo-o erguido. ?ganhei. ?Sim, tem-no feito ?convim?. Muito bem. Saiman deixou cair o pau ensangüentado, Agarrei-o e tive que me esforçar para não me vir abaixo por causa de seu peso. Ao menos pesaria trinta quilogramas. Manobrei trabalhosamente para me colocar isso sobre um ombro. Avançamos pelo corredor, defendidos pelos guardas que nos rodeavam. ?Colocou o dispositivo? ?murmurou Jim, ?Sim, afundei-o dentro de seu peito. Preciso me sentar. ?Sigamos um pouco mais, ao menos até a habitação. ?O rosto do Jim não deixava traslucir nenhum esforço, mas os músculos de seus braços se achavam tensos e avultados. ?acabou-se ?ofegou Saiman?. Estou muito contente de que tenha terminado. ?Muito bem, cavalheiros. Embora pensei replicar que eu não era um cavalheiro, a voz do Rene tinha um tom de «te cale, estou trabalhando» que não deixava lugar à discussão. Inspecionou a todos. Saiman estava sentado no chão, com as costas apoiada contra a parede. Tinha bebido quase quatro litros de água antes de que a ferida deixasse de sangrar. Jim permanecia em pé junto a ele, fazendo que ninguém se sentisse bem-vindo nas imediações de seu espaço pessoal. detrás do Rene, quatro membros da. Guarda Vermelho bloqueavam a entrada a nossas habitações e dois mais, já no interior, observavam-nos como se fôssemos ladrões em uma joalheria. ?Os Colhedores som uma equipe nova. Esta é sua primeira derrota. A segunda; tecnicamente, se contávamos a seu colega do estacionamento. ?vamos fazer isto segundo o manual. Os Colhedores estão retidos. Têm uma hora para recolher suas coisas e lhes pôr em marcha, o que lhes proporcionará uma razoável vantagem. Espero sinceramente que não lhes entretenham. Queremos evitar todo tipo de distúrbios fora do Poço. Houve um pequeno alvoroço no corredor. ?Os Colhedores vieram a te dar o parabéns. ?Tornaste-te louca? ?Interpu-me entre a entrada e Saiman, com Assassina na mão. Nem sequer recordo havê-la desenvainado. ? É uma tradição que conta com vinte anos de antigüidade ?me assegurou Rene.


Os guardas se apartaram para deixar passo ao Mart e ao Colhedor tatuado, que entraram na habitação. Rene e o Guarda Vermelho pareciam sabujos que tivessem avistado um cervo. Mart dirigiu para mim um olhar perdido no infinito

?Felicitamo-lhes por sua vitória ?bramou Cesare. ?Que amáveis. Já escutaram suas felicitações ?disse Rene brandamente?. Agora, continuem seu caminho. Mart seguia me olhando fixamente. ?Parte ?lhes exigiu Rene com mais força. voltou-se para a porta e me arrojou uma magra varinha. Esquivei-a mas não havia necessidade. O guarda mais próximo lhe lançou um talho com sua espada curta, cortando-a pela metade. O passador com que sujeitava meu cabelo caiu ao estou acostumado a partido em dois. Uma pequena lembrança que alguém tinha arrancado do corpo do homem serpente que me tinha atacado no estacionamento e lhe tinha entregue ao Mart. ?Uma tolice mais e você E sua equipe serão desqualificadas permanentemente. ?O estoque do Rene apontou para a garganta do Mart. Mart me sorriu. Era um sorriso encantador, cheia de gozo genuíno. Como resposta, ensinei-lhe os dentes. Quando quiser. inclinou-se ligeiramente, sem parecer preocupado o mais mínimo pela ponta do estoque venenoso que se achava a uns centímetros de seu pescoço, girou sobre seus talões e partiu. Rene lhe seguiu ao corredor.

Capitulo 18

Acompanhamos ao gigante às habitações do Durand com o pretexto de que este queria conhecê-lo. Uma vez dentro, Saiman se deixou cair sobre uma cama opulenta. Seu corpo se estremeceu e adquiriu a fisionomia do Thomas Durand, antes de fechar os olhos e cair dormido. Tampei-o com uma manta e nos partimos. Abandonamos a areia sem nenhum incidente digno de menção, montamos e nos dirigimos de novo ao centro.


Jim cavalgava como se estivesse envolto em arame de espinheiro: tenso, com os ombros rígidos, tão direito e imóvel como lhe era possível. ? Esse cavalo se merece uma medalha por não te atirar ao chão. Choveu sobre mim uma corrente de obscenidades. depois de passar uma considerável quantidade de tempo. com o Jim, já; era capaz de distinguir o essencial de seu desgosto de sua asquerosa diatribe se tivesse sabido que a tecnologia ia estar vigente de novo, teria trazido um veículo que engolira gasolina, em lugar de duas partes de carne de pernas ossudas e com predisposição ao histerismo. Viramos para o sul e rodeamos o centro para nos dirigir ao extremo sul do distrito do Unicórnio. Os Colhedores sempre se encaminhavam ao norte em uma linha reta. Havia probabilidades de que tivessem podido captar um rastro de nosso aroma, mas não suspeitariam nada quando se dessem conta de que tínhamos girado à direita, nos afastando de sua rota.

Chegamos uns minutos antes das quatro, quando o amanhecer ainda ficava longe. Ante nós se estendia': o distrito do Unicórnio, como uma doente cicatriz na superfície urbana. Edifícios de escritórios despedaçados, retorcidos e estripados jaziam desmoronados entre os escombros, como popas de navios imprestáveis a ponto de naufragar no tempestuoso mar de asfalto esquartejado. A luz da lua se refletia nas pilhas de cristais fragmentados, os restos de um milhar de janelas rotas. Abandonada-las linhas de poder mágico exsudavam uns fios amarelados do musgo tóxico que proliferava no lugar e que se alimentava do metal. A várias maçãs do Unicórnio, o terreno se fazia muito acidentado para os cavalos. A diferença do extremo norte, onde a maioria das ruas estavam limpas até o Unicórnio, aqui os escombros bloqueavam o passo e formavam ilhotas de cascalho entre rios de águas residuais. O fedor fez que me saltassem as lágrimas. Nunca havia sentido o ardente desejo de me pôr um fralda usado na cara, mas imagino que o efeito em meu nariz teria sido muito similar. Ao nos aproximar, um homem surgiu de entre as sombras. Reconheci ao homem díngo, que entregou ao Jim as chaves de um carro. ?Lhes adiantaram ?disse com voz áspera?. Fará uma meia hora. Vieram do norte, cavalgaram sobre um quilômetro e médio e se detiveram. Jim assentiu, o dingo tomou as rédeas de nossos cavalos e se fundiu na noite. Jim se escabulló em um edifício em ruínas e eu lhe segui. No interior, esperava-nos um Jipe propriedade da Manada. Jim subiu nele? e toqueteó um pequeno visualizador digital encravado no salpicadero. Na tela se acendeu um quadriculado cor verde e pude distinguir o tênue traçado do Unicórnio. Um pequeno ponto verde piscava perto do centro. ?São jodidamente rápidos. ? Jim franziu o cenho. Os Colhedores nos tinham adiantado apesar de nossa vantagem de uma hora. A verdade é que


tínhamos dado um comprido rodeio mas, mesmo assim, eram surpreendentemente velozes. Jim se despojou de sua capa e me tendeu uma cajita retangular que procedi a abrir. Continha pintura de camuflagem de três cores diferentes, cada uma em um pequeno apartad~; Inclusive tinha um pequeno espelho. A maioria das pintura de camuflagem vêm em umas barritas mais duras que uma pedra e tem que as esfregar com as mãos para as derreter um pouco antes de lhe aplicar isso ou acaba com a cara como se lhe tivesse esfregado isso com uma bucha de aço. ?Genial. jogaste a casa pela janela. ? Tenho contatos. ?Sorriu sem que se visse sua dentadura. Melei-me a cara com uma fina capa de marrom estendi umas manchas irregulares de verde e cinza aqui e lá para fazer indistinguíveis meus rasgos. Jim se aplicou a camuflagem rapidamente. Nem sequer se olhou no espelho. Enquanto isso, o ponto lhe pisquem não se moveu. Revisei meu cinturão: levava ataduras, esparadrapo, ervas. Não havia trazido um kit?Ro Os kits de regeneração falhavam dez por cento das vezes e não havia dúvida de que a magia desvirtuada do Unicórnio os faria falhar. Possivelmente me sairiam dentes ou me arrancaria um pedaço de carne. Teria que me ocupar de minhas feridas ao modo tradicional. Abandonamos o veículo e tomamos a rua paralela ao Unicórnio. Meia hora mais tarde, nos nos ocultar baixo a retorcida carcasa de plástico de um enorme pôster publicitário de uma marca de cosméticos comprido tempo esquecida. Achávamos a uns

oitocentos metros ao sul da localização do ponto. um pouco mais perto e poderíamos nos tropeçar com os sentinelas dos Colhedores. Nada parecia indicar que os Colhedores tivessem convocado vigilantes, mas tampouco que não o tivessem feito. Tínhamos que nos aventurar no Unicórnio, mas ao menos a magia seguia inativa. ?Quer ir diante? ?ofereci-lhe. ? Você guia e eu te sigo ?respondeu Jim, negando com a cabeça. No Unicórnio, minha capacidade para sentir a magia era melhor que a sua. ? Nunca tinha pensado que viveria para ver este dia. ?Possivelmente não o veja terminar. Sempre tinha que me aguar a festa. Ante nós, bloqueava o passado uma barricada de rochas, úmidas e brilhantes por causa de uma transpiração sobrenatural. Deslizei-me entre elas. Não toque nada. Não pense.


Confia em seus sentidos. Sabia que Jim, detrás de mim, pisaria onde eu tinha pisado e ficaria imóvel quando eu me detivera. Movemo-nos sigilosamente até a estreita rua, bordeando os escombros. Sobre nós, o musgo do Unicórnio se estremecia enredado nas linhas de poder e derramava uma baba corrosiva. Um par de olhos se iluminaram no segundo andar de umas ruínas a nossa direita. Alargados, estreitos e alagados de um tom escarlate sem turvar por uma íris, seguiram nosso avanço sem fazer o menor movimento para nos seguir. Rodeamos um montão de imundície e vi uma jaula de metal a nossa esquerda. Era o suficientemente grande para encerrar a um ser humano e parecia bastante nova, sem óxido e sem arranhões. Continuei avançando, sem perder a de vista pela extremidade do olho. O estreito atalho viável nos conduziria perto dela. Dez passos. Oito. Sete. Senti que algo não ia bem e me detive. A jaula se abriu verticalmente, desdobrando-se como uma flor. Os barrotes se dobraram e o metal fluiu como a água, convertendo-se em umas patas ínsectoídes providas de garras afiadas como cuchillas. Um corpo escuro revestido de cerdas negras saiu precipitadamente de sua guarida e se equilibrou sobre nós com as extremidades estendidas e as garras preparadas para a matança. Esquivei seu salto e cravei minha espada em suas vísceras. Pu-me em cuclillas na sombria entrada que conduzia aos intestinos de um edifício em ruínas. detrás de mim, a penumbra parecia envolver ao Jim como uma capa. Extraiu um pequeno vial de seu bolso, alargou os braços, agarrou minha camiseta e me subiu isso para despir minhas costas. Um pouco molhado me esfregou o ardente corte que tinha sobre a coluna e senti o agudo ardor do desinfetante. Ouvi o débil gemido do esparadrapo ao rasgar-se. Jim depositou a gaze estéril sobre minha ferida e a fixou com esparadrapo. Quão último precisava era sangrar no Unicórnio. Considerando minha malfadada herança, provavelmente meu sangue estalaria.

Na meia hora transcorrida desde que nos tínhamos internado no Unicórnio, tínhamos sido atacados quatro vezes, todas elas por criaturas para as que nem sequer tinha nomes. A camiseta do Jim pendurava feita farrapos. Seu corpo tinha reparado os danos, mas o sangue que empapava os farrapos de sua camiseta testemunhava que sua integridade física se viu seriamente comprometida. Voltei-me a baixar a camiseta e olhei para cima. Diretamente frente a nós se elevava uma ampla construção. Não era um hotel nem um edifício de escritórios; estes tendiam a remontar-se às


alturas e, quando caíam, derrubavam-se como troncos ou se desmoronavam do topo, reduzidos a pó planta por planta pela magia. Não, esta estrutura era larga e relativamente plaina. Um centro comercial, possivelmente? Uma dessas lojas de departamentos que tinham passado à história, como Sears ou Belks? O edifício, que ainda mostrava uma estucado cor canela, localizava-se justo em metade da maçã. Seu telhado e a planta superior tinham desaparecido, devorados pela magia. Umas retorcidas vigas de aço se sobressaíam dos muros de alvenaria como os ossos de um cadáver a metade do processo de decomposição. Uma luz verde brotava entre os ocos da estrutura. Olhei ao Jim e ele assentiu. A base dos Colhedores. Tinha que sê-lo. Agachamo-nos e esperamos cinco minutos. Logo outros cinco. A escuridão da noite tinha perdido intensidade até converter-se em uma apagada luz cinzenta que anunciava a saída do sol. Na luz prévia ao amanhecer, o verde sudário que se estendia depois do edifício adquiriu uma claridade cristalina: eram árvores. Até onde eu sabia, não havia parques no distrito do Unicórnio. De onde tinham saído essas árvores? Ir para a arvoredo com os Colhedores nos esperando ao outro lado tivesse sido alcançar novas cotas de estupidez e eu não era tão ambiciosa. O muro era uma opção muito mais acessível. Terei que escalá-lo, alcançar o nível superior e observar o terreno. Sentamo-nos e escutamos, observamos e esperamos. Não se percebia o menor movimento, nem se ouvia nada. Toquei-me o nariz e Jim negou com a cabeça. Tampouco percebia rastros olfativos que fossem de utilidade. A magia nos golpeou ao estalar em uma asfixiante quebra de onda, e um violento poder se estendeu pelo Unicórnio. Era agudo, tirava-me o fôlego e me sumia em uma enganosa placidez. Isso não era nada bom. Um trovão grave ressonou no silêncio. Jim soltou um bufido. Outra rajada surgiu do edifício, como se uma enorme trompetista tratasse de interpretar uma fanfarra mas solo conseguisse emitir uma única e poderosa nota, tão cheia de magia que se deslizou por minha pele como um contato físico. O som de um apagado tornado retumbou na quietude do alvorada. Tinha ouvido esse som dúzias de vezes em toda minha vida, mas todas elas em uma tela de cinema. Era o som dos motores de um avião. Amaldiçoei enquanto cruzava a rua. Jim me adiantou à, carreira, saltou sobre o muro e subiu por ele como um eco Vantagens de ser um jaguar. Alcancei o muro e comecei a escalar, procurando ocos no gretado estuque e na estrutura metálica interna que tinha ficado exposta. Jim alcançou o topo do edifício, onde o muro se havia' derrubado, e lançou um breve ganido prenhe de dor. Seus braços deram sacudidas, suas costas se arqueou e seus pés se levantaram do chão. convulsionou-se no ar.


Subi até que meus dedos alcançaram o bordo do; muro. O estuque cedeu e se desfez sob a pressão de minhas mãos. Escorreguei, mas encontrei apoio em uma barra de ferro e me impulsionei para cima até coroar o teto. Senti uma gélida sensação horripilante percorrer minha pele, como se uma áspera língua de papel de lixa me tivesse arrancado uma capa de células ao longo e largo de meu corpo. Esfolou-me a cara, a pele de meu corpo sob as roupas, as intercessões entre os dedos, o interior de minhas orelhas, de minhas fossas nasais e meus olhos. Uma salvaguarda mágica. Os Colhedores tinham minado a terraço do edifício de modo muito inteligente. Nem sequer, fala sentido sua presença, e tínhamos cansado diretamente na armadilha. A dor se abriu passo em meu interior, prendeu fogo a cada, metro de minha pele e me elevou do chão. Gritei, mas fechei apertadamente as mandíbulas enquanto o fogo abrasava o interior de minha boca. O desenfreado galopar de meu coração encheu meus ouvidos com um rápido e enérgico batimento do coração Senti como me desfazia, consumida célula a célula. Incapaz de fazer nada além de dar sacudidas e me revolver, rodei sobre um eixo invisível. A meu lado, as roupas do Jim se rasgaram e delas surgiu um jaguar. Os momentos se desesperados requerem medidas se desesperadas, assim cuspi uma palavra de poder. ?Dair. ?Libera. A magia se derramou de meu interior em um estalo de agonia, como se afundasse uma mão em meu estômago e tirasse puxões um punhado de vísceras. Minha visão se obscureceu e notei o sabor do sangue em minha boca. A salvaguarda se gretou e se desvaneceu. Meus pés golpearam a sólida realidade do muro e fiquei imóvel, cega e temerosa de fazer o menor movimento. Os efeitos do choque me estremeceram. Durante a erupção tinha sido fácil usar as palavras de poder. Agora, com a magia tão débil, se usava uma mais sem ter descansado me arriscaria a perder o conhecimento. Algo aterrissou a meu lado. Umas mãos fortes me agarraram e me sustentaram, rematadas por umas garras que arranharam minha pele. Jim. A escuridão que obstruía minha visão se dissolveu e pude ver dois olhos verdes aparecendo a meus. Jim se girou e assinalou para as árvores. Olhei na direção que me indicava e contive uma exclamação. Umas suaves ladeiras descendiam a um amplo vale boscoso antes de perder-se nos azulados picos das montanhas que se elevavam atrás dele. Rochas manchadas de musgo perfuravam a verde tapeçaria como espinhos cinzas. Entre elas, imensos chapiteles arbóreos se elevavam a alturas vertiginosas, com seus ramos entretecidos com trepadeiras das que brotavam flores amarelas e cor nata. Os pássaros se posavam entre a folhagem como jóias rutilantes. A brisa cheirava a água e a flores.


Olhei para trás por cima do ombro e vi um cemitério urbano. Olhei à frente e contemplei uma selva tirada de um conto de fadas. poderiam-se convocar três cidades como Atlanta nesse vale. Escondi-me junto ao muro. Esta espécie de dimensão alternativa, era uma realidade tirada de um saquinho mágico? tratava-se de um portal a um lugar longínquo? Se os Colhedores sentiam a

necessidade de protegê-lo mediante uma armadilha mágica que apanhava e matava a qualquer intruso, devia ser algo valioso para eles. Possivelmente era seu lar. Perto de mim, Jim estirou o pescoço e inalou a brisa, como faziam os cambiaformas quando queriam registrar os aromas. obrou-se nele uma mudança apenas perceptível. As linhas de seu corpo trocaram, fizeram-se fluídas, alteradas sutilmente pela respiração da selva. Pelo general desajeitado em sua forma de guerreiro, adquiriu uma qualidade sedosa e elegante, como uma adaga de deliciosa fatura, que concedia a suas metades humana e animal um equilíbrio perfeito. Sua pelagem cobrou um intenso tintura dourado em contraste com as espirais de rosetas que destacavam como veludo negro. Abriu seus fauces e deixou escapar um suave rugido, quase um ronrono, se os grandes felinos fossem capazes de emitir tal som, mas o apagou o retumbar de um trovão. Uma estrutura de um dourado reluzente perfurou a selva pelo este, elevando-se lentamente entre as árvores. Com sua forma quadrada e com umas torres coroadas por cúpulas de prata em cada esquina, parecia um palácio. O primeiro andar era um muro sólido, uma abundância de baixos-relevos e texturas brilhantes com um brilho metálico. Sobre este descansava uma colunata com grandes e etéreos arcos definidos por esbeltas colunas e protegida por um corrimão de persiana de pouca altura. Em cima dela, sobre a terraço do edifício, havia um jardim em plena floração, uma exótica profusão que fazia que a luxuriosa selva empalidecesse em comparação. Umas árvores estranhas estendiam seus ramos, adornadas por grinaldas de trepadeiras vermelho sangre. Milhares de flores abriam suas corolas e suas pétalas, interrompidas por lagos ornamentais. O zumbido aumentou. O palácio de metal retumbou e se aproximou enquanto subia sobre as taças das árvores e mais acima, sobre nós, para o céu. Uma nuvem de vapor brotava de seus alicerces até formar uma densa cortina de névoa. Pouco depois o palácio desapareceu da vista, substituído no céu por uma pequena nuvem. ?me belisque. ?Pisquei um par de vezes e tendi meu braço ao Jim. Umas garras perfuraram minha carne. Auch. Observei as marcas vermelhas de meu antebraço, lambi-as e pude saborear a aguda picada da magia em minha língua. Sim, era real. Acabava de ver um palácio volante. Um claro indicava o lugar onde o palácio se erigiu. A vegetação se via delimitada por umas estruturas terrosas: tetos com terraços, uma entrada cheia de maleza e, na distância, uma


elevada coluna de pedra. ?Lar, doce lar? ?perguntei com um murmúrio. ?Deveríamos visitá-lo. Estou faminto. Estive a ponto de cair do telhado. Jim não podia falar em sua forma intermédia. Ao menos, até agora. As palavras tinham surto entrecortadas de suas grotescas fauces, mas inclusive assim pude captar seu significado. ?A selva foi boa contigo ?pinjente. ? É um lugar adequado para mim. ?Se formos ali, não há garantia de que possamos voltar. Jim se encolheu de ombros. ?Enquanto queira continuar... ?Olhei a minha redor em busca de um ponto de apoio para descender.

Um braço musculoso me rodeou a cintura. Jim saltou e de repente estivemos no ar, caindo em picado a grande velocidade. Meu coração tratou de escapar através de minha garganta. Atravessamos o verde dossel de vegetação e aterrissamos sobre uma grosa ramo. Então me lembrei de respirar. ?me avise a próxima vez. Jim emitiu um som áspero parecido a uma risada. ? Bem-vinda à selva. A maleza era densa. Esbeltas árvores com folhas ovais e vastas taças se mesclavam com frondosas tecas asfixiadas por um ficus constrictor. Aqui e lá, brotavam de arbustos desconhecidos umas flores rosa e púrpura que recordavam às orquídeas. As acácias, com seu tronco de escura casca elevando-se desde umas sinuosas raízes, desprendiam um pólen com aroma a mimosa que se derramava de umas grandes floresça amarelas. Umas árvores altas e retorcidas nos ofereciam cachos de flores de um alaranjado avermelhado tão intenso que seus ramos pareciam estar em chamas. As trepadeiras o conectavam tudo e perfumavam o ar com uma sutil fragrância com reminiscências de jasmim. Tentei me mover o mais silenciosamente que pude, mas Jim me ensinou os dentes em desaprovação duas vezes. deslizava-se entre a maleza com passos suaves, como um fantasma furtivo e mortal. Subimos a uma pequena colina e nos apostamos em seu topo. A nossos pés, erigia-se uma antiga cidade, com estruturas desmoronadas pulverizadas ao redor de um amplo claro entre blocos de granito de cor terrosa. Casa em ruínas e pavilhões quadrados se sobressaíam como ilhas de granito em metade de muito erva verde. Uma ampla rua, pavimentada com desgastadas lajes de pedra quadradas, corria em diagonal para nossa esquerda, desembocando em uma antiga praça de mercado. No outro extremo do claro, uma torre ruinosa apontava para o céu. Possuía uma ampla base quadrada sobre a qual se sobrepunham várias novelo também quadradas cada vez mais pequenas. Parecia-me um templo dravídico, mas estava longe de ser


uma perita na Índia. Olhei ao Jim, que se escabulló, saltou até o teto da estrutura mais próxima e se inundou nas profundidades da cidade em ruínas. Eu me afundei ainda mais na maleza decidi esperar. A meu redor, as aves cantavam uma dúzia de melodias distintas. Estudei a selva, mas não havia rastro de animais, nem serpentes deslizando-se entre os ramos das árvores, nem rastros de pegadas, nem arranhões sobre os troncos. Tivesse pensado que haveria bonitos, raposas ou possivelmente lobos, mas não havia nada. Deixando à margem os distantes cantos das aves, a selva bem podia estar morta. Pouco depois, Jim aterrissou sobre a erva, a meu lado. ?Há um edifício na parte de atrás, com vários Colhedores: três, pode que mais. ?São caçadores? ? Poderia ser. Havia aromas de muitos animais e de sangue. Tinha sentido. Voar em um palácio podia ser genial e todo isso, mas os Colhedores teriam que comer. Eu em seu lugar enviaria pequenas partidas de caça à selva, que voltariam para a base de vez em quando para entregar as capturas. ?Também cheirava a sangue humano. O sangue humano era um mau assunto.

Internamo-nos nas ruínas. Jim através dos telhados e eu pelo chão, pega aos antigos muros. Estranhas flores cor laranja, amarelo limão e escarlate se abriam passo entre o que ficava das edificações. Espessas fragrâncias pendiam no ar e impregnavam de especiarias a brisa. Cheirava a sândalo, baunilha, canela, jasmim e a algum tipo de cítrico... Possivelmente os Colhedores também se dedicavam a elaborar perfumes. Alcançamos uma espaçosa praça quadrangular onde se erigia a estátua de um grande carro de pedra. Quatro elefantes alados atiravam do carro, todos eles esculpidos com extremada precisão, da pele enrugada da tromba até as borlas que adornavam seus arreios. Cada elefante era, aproximadamente, do tamanho de um São Bernardo. O carro em si, que descansava sobre umas recarregadas rodas de pedra que parecia que inclusive podiam girar, parecia uma versão mais pequena, e mais opulenta, do palácio volante. Um homem esculpido em pedra, de tamanho desproporcionado, sentava-se sobre o boléia do carro. Ao menos era tão grande como os elefantes. Numerosos braços nasciam de seus ombros, como as plumas da cauda de um pavão macho. De igual modo, seus ombros suportavam uma cabeça com vários rostos. Não podia ver o outro lado, mas se a estátua era simétrica, devia ter ao menos dez. O rosto dianteiro era o de um homem muito formoso, mas os outros eram monstruosos.


A magra silhueta do Jim se deteve no telhado de uma estrutura que se elevava diretamente frente ao carro. ficou em cuclillas e me olhou. Ajoelhei-me junto às rodas do carro. O edifício ao que se encarapitou era grande, com sólidos muros e estreitas janelas, e se encontrava em bom estado. Estranho, escuro e cheio de Colhedores. Que agradável. Jim assinalou com seu polegar para trás, sobre seu ombro. Vê por detrás. Dirigi-me para um lateral e corri através das ruínas até a esquina, onde girei para a parte de atrás da edificação. Tirei assassina de sua vagem e caminhei às escondidas junto ao muro até que, da outra esquina, pude ver a praça e o carro. Jim saltou do telhado, dirigiu-me um olhar de longe e aterrissou de pé. Seus fauces se abriram e delas surgiu um prolongado rugido que finalizou com um grunhido de felino cheio o saco. Um desafio. Um ruído surdo e amortecido ressonou na praça. Duas figuras saíram ao exterior, me dando as costas. Ambos eram machos, de ombros largos e compleição musculosa, e vestiam camisetas e calças idênticas. Jim cuspiu grunhiu, montando follón. Nem sequer me ouviram me aproximar desde atrás. que ia à frente se tirou a camiseta. A pele de seu; costas estava atalho pela metade e uma negra pelagem brotava através da incisão. A criatura se arrancou a carne humana que cobria seu ombro esquerdo e revelou uma clavícula disforme. Suas mãos se afundaram nos restos de sua pele humana e a arrancaram de seu corpo como a camisola de papel de, um hospital. Chutou os restos para um lado e aumentou de tamanho até alcançar os dois metros dez. Uma densa pelagem negra com raias alaranjadas cobria sua silhueta como o negativo da pele de um tigre. Abriu os braços e me dava conta do que acontecia com sua clavícula: um segundo par de ombros brotou de sua coluna vertebral, em posição paralela ao primeiro, e flexionou seus quatro musculosos braços enquanto arranhava o ar. Seu companheiro emitiu um prolongado e rouco suspiro e mudou sua própria pele. Conservava a forma humana, com o apropriado número de extremidades ?obrigado, Deus, pelos pequenos

favores?, mas sua verdadeira pele era de cor vermelha sangre, de textura rugosa com um sinuoso desenho de minúsculas escamas. Tinha esperado um comitê de bem-vinda, mas ninguém havia dito nada de um strip tease grátis. Jim grunhiu. O monstro de quatro braços inspirou profundamente e avançou para ele. Um ensurdecedor rugido se abateu sobre mim. Era o som profundo, primitivo, de um enorme depredador que espreita a sua vítima na escuridão. sobrepôs-se aos grunhidos do Jim e este deu um passo atrás.


A criatura rugiu ainda mais alto, depois de tomar o retrocesso do Jim como uma afronta, com a promessa de que não haveria piedade. Era mais alto e ao menos cinqüenta quilogramas mais pesado. Jim soltou um bufo. Os quatro braços se moveram para ele: vêem. Jim se equilibrou sobre a criatura de quatro braços. No momento em que se chocaram em um torvelinho de dentes e garras, cravei a Assassina nas costas de seu companheiro de escamas vermelhas. A folha penetrou profundamente, segou a coluna vertebral e saiu junto com um jorro carmesim. O Colhedor se deu a volta, mas suas pernas lhe falharam. Enquanto caía, pude ver seu rosto: humano e incrivelmente formoso. escutou-se um ranger de madeira. Uma magra silhueta se precipitou sobre mim e aterrissou em cuclillas sobre o chão de pedra. Era uma fêmea. Seu corpo de cor verde memora estava recubierto por uma pelagem sobre o ventre e o peito e tinha as costas tachonada de largos espinhos como as de um puercoespín. Umas garras negras do tamanho de minha mão rematavam seus dedos. Olhou-me com seus olhos amarelos e arremeteu contra mim. Sua garra afiada se deslocou rapidamente para mim. Esquivei-a para a esquerda, mas me alcançou. A dor se expandiu por meu flanco. moveu-se rapidamente, tentando situar-se detrás de mim, e eu o permiti, empurrei para trás a espada e a cravei na suave e verde pelagem de seu ventre, justo sob a caixa torácica. Assassina penetrou em sua carne, encontrando uma resistência elástica, e a retirei. A criatura tentou me arranhar com sua mão esquerda, alheia ao sangue que emanava sobre seu ventre. Girei-me e saltei para trás, evitando-a. Escutei o assobio de suas garras ao passar ante meu rosto. Continuei evitando-a, um golpe atrás de outro. Não lutava com refinamento, nem tinha recebido um treinamento especial. Era como uma gata raivosa: simplesmente avançava arranhando, igual ao energúmeno do estacionamento. Agachei-me sob o alcance de suas garras e lancei um talho à parte interna de sua coxa. Aquilo me valeu outro rasgão de dor estrago comprido das costas e me apartei. Seguiu lançando golpe detrás golpe. Segue dançando comigo, neném. O sangue empapava a pelagem da criatura a cada passo que dava. Os. zarpazos perderam sua letal velocidade e sua respiração se fez trabalhosa. Tropeçou e se balançou para diante, assim que a sujeitei e a empurrei contra minha espada. Assassina atravessou seu peito e emergiu por suas costas, reluzente por causa do sangue arterial. Na outra parte do claro, o monstro de quatro braços se afastou do Jim, correu para as árvores, deu um salto de uma altura assustadora e fugiu pelos ramos. Com um grunhido, Jim foi atrás dele e se desvaneceu na selva. Ir atrás deles seria uma perda de tempo. Não podia igualar a velocidade do Jim e um jaguar não precisava nenhuma ajuda para caçar entre a espessura. Extraí a espada do corpo sem vida. O homem das escamas vermelhas jazia de barriga para baixo no chão, tentando respirar com baforadas entrecortadas e superficiais. Depois dele, abria-se a porta


que conduzia ao interior do edifício, um retângulo de pura escuridão. Sacudi a espada para eliminar o sangue e me dirigi para a entrada. Levou-me menos de um minuto inspecionar as três salas, sombrias e vastas. Não havia ninguém. Voltei para exterior e me inclinei sobre o homem da pele escamosa. A ferida de suas costas era profunda. Tinha arrancado uma seção de seu espinho dorsal de um só golpe e, inclusive com sua capacidade de regeneração acelerada, não voltaria a caminhar durante uma temporada. ?Faz uma semana, um jovem homem lobo tentou lhes arrebatar a uma jovem ?disse?. Golpearam-no, torturaram-no e o abandonaram perto de uma das sedes dos cambiaformas, mas o deixaram com vida. por que? ?perguntei-lhe, no suposto caso de que falasse meu idioma. Seus lábios escamosos se retorceram em uma careta que poderia ter sido paródia de um sorriso, revelando umas presas de serpente. ? Para enviar... uma mensagem. ?Qual era a mensagem? ?Somos mais fortes. Triunfaremos sobre as raças mestiças. Genial, pois. ?Quais são os mestiços? São cambiaformas? ?Médio humanos, meio bestas... Duas raças que se fundiram em uma. A escória do mundo... Superaremo-los, venceremo-los, os... ?Sofreu um acesso de tosse. ?Há alguma possibilidade de que haja paz? A criatura pugnou por levantar a cabeça do chão. Umas pupilas de diamante me olharam fixamente. ?Nós não queremos a paz ?respondeu com um tom áspero?. Não fazemos... entendimentos. Somente matamos. Matamos e queimamos. Comemo-nos a carne. Celebramo-lo. Conquistamos os territórios dos mestiços... ? De modo que pretendem lhes apropriar do território da Manada? Tentou acrescentar algo mais, assim que me inclinei sobre ele e me olhou com intensidade. ? Violaremo-lhe ?me prometeu?. Muitas vezes. Até que sangre.... ?Sinto-me muito adulada. Elevou sua mão e riscou uma breve linha sobre meu peito. ? Arrancaremo-lhe o coração... mas não o cozinharemos sobre o fogo... Comeremo-nos isso cru quando todos os mestiços tenham morrido.


Assim não íamos chegar a nenhuma parte. ?O que são? ?Guerreiros... supremos. Era difícil ser supremo com o espinho dorsal seccionada. ?Como lhes chamam? Têm um nome? Pôs os olhos em branco. ?O glorioso... exército... Sangue como uma vermelha flor que se abre... Logo. Muito em breve. Devemos obter a jóia. Honraremos a promessa feita ao Sultão da Morte e destruiremos aos mestiços... Tomaremos seu lugar, faremo-nos fortes e quando chegar nosso momento... daremo-lhe uma lição de humildade... ao Sultão da Morte. ?Quem é o Sultão da Morte?

Os olhos do Colhedor lançaram uma faísca de pertinaz negação. Procurei em meu cinturão e extraí um cantil de líquido inflamável e uns fósforos. ?A este líquido gosta do fogo. Arde com intensidade e durante muito tempo. ·me conte

como reverter a magia. que jogaram sobre o cambiaforma e não o verterei sobre seu peito nem te prenderei fogo. ?Humana... Estou por cima de ti... ? Mas não está por cima da dor ?disse enquanto desenroscava o plugue do cantil. Sorriu-me e tragou saliva, mas nenhuma palavra saiu de sua boca. Pôs os olhos em branco. Emitiu uns gemidos breves e abruptos como se de repente se ficou mudo. estremeceu-se e se arranhou a garganta... estava-se asfixiando. Cravei minha espada através de seus dentes.

Capitulo 19

Vinte minutos mais tarde, umas tosses com ressonâncias guturais anunciaram o retorno do Jim, ao que esperava junto ao cadáver do homem escamoso. Saltou de uma árvore e jogou sobre a erva um corpo lasso, cujos olhos saltados e mortos me observaram de um rosto que não parecia nem remotamente humano, a não ser um cruzamento entre um tigre e um cão tirado de um templo chinês, ?É um cambiaforma? ?perguntei-lhe. ?Não. Não tem nosso aroma.


O homem jaguar dirigiu o olhar por volta dos dois corpos cansados e deu um chute à criatura de pele-vermelha, que não reagiu. Jim soltou um leve bufido. ?tragou-se sua própria língua ?lhe expliquei. Jim suspiro, com um fatalismo puramente felino refletido em seu monstruoso rosto. ?Surrupiou-lhe algo antes de que palmara? ? Deixaram assim ao Derek como uma declaração de guerra. Segundo o finado aqui presente, são escória, uma mescla de raças entre humanos e bestas, e a paz não é possível. Odeiam à Manada e planejam lhes exterminar a todos em uma gloriosa matança com grande derramamento de sangue e se darão um. banquete com sua carne logo que consigam a Jóia., Estão aliados com o Sultão da Morte, que lhes ajudasse a lhes destruir, depois do qual esperam trai-lo. Ah, e me vão violar muitas, muitas vezes. Era difícil pôr os olhos em branco em sua forma intermédia, mas Jim o tentou o melhor que pôde. ?Quem é o Sultão da Morte? ?Nem idéia. O certo é que Roland encaixaria no papel, mas não o mencionei em voz alta. Roland era o centro de minha existência. Desde que era consciente, tinha sabido que tinha que matá-lo e que, se descobria algo sobre mim, sacrificaria cada recurso que tivesse ao seu dispor para me eliminar. Seu poder era

incrível. Ao longo dos séculos se criaram lendas sobre ele e quase todas as civilizações antigas possuíam dados sobre seu reinado. Destrui-lo seria algo similar a assassinar a um deus. Mas para isso, antes sequer de contemplar a possibilidade dessa confrontação, necessitava mais experiência e mais poder. Até que minhas habilidades aumentassem tinha que me esconder, viver cada instante com o temor de ser descoberta. Minha paranóia era tão grande que era estranho que não procurasse agentes do Roland até debaixo da cama. Qualquer misteriosa ameaça, qualquer perigo desconhecido, qualquer menção a um ser poderoso levava automaticamente a pensar no Roland. Sim, o Sultão da Morte encaixava com ele à perfeição, porque já havia trazido para o mundo aos não mortos, mas esse título podia referir-se a alguém completamente distinto. Solo porque estivesse obcecada com ele não implicava que o resto do mundo o estivesse também. ?Tudo segue apontando para o Diamante Lobo. Tenho o pressentimento de que tentam utilizá-lo como uma arma. Foi o modo em que o disse, Jim, Disse: teremos a jóia, do mesmo modo em que a UDPE diria: teremos apoio aéreo. Jim soltou uma enxurrada de tacos. Guiei-o ao interior, até a primeira sala, percorrida em toda sua extensão por uma larga mesa de


pedra sobre a que jazia escancarada de barriga para baixo, ainda em forma humana, a vítima do Saiman. Tinham-lhe arrancado tiras de carne das costas e sob as nádegas e as tinham empilhado a um lado, como filetes em um açougue. Aproximei-me de um enorme arca congelador de aço inoxidável situado junto à mesa. Estava desligado, porque não havia eletricidade nas ruínas, repleto de gelo e carne crua. Filetes, bolas de carne picada, blocos de costillar, chuletas de porco, peças de veado amontoadas umas sobre outras, algumas envoltas em plástico, outras em papel e outras sem nada, gotejando sangue congelado. Assinalei à esquerda, onde várias partes de carne de grande tamanho se abarrotavam em um rincão. A pele que recubría essa carne era de cor café com leite. Jim olisqueó e retrocedeu um passo. ?É carne humana? ?Sim. ?Deu um grunhido e cuspiu a um lado. Eu tinha tido quase a mesma reação quando me dava conta do que se tratava. Aqueles bastardos tinham pego a uma pessoa, haviam-na troceado e a tinham metido no congelador para devorá-la depois. Nunca saberíamos seu nome. Nem seu sexo, se é que tinha importância. Simplesmente, em algum lugar alguém não voltaria para casa e nunca se saberia por que. Isso me punha doente. Jim olhou para a mesa, onde uns filetes de carne, cortados ao cadáver do competidor do Saiman, repousavam em uma pilha?. São canibais. ?Supõe as mesmas oportunidades carnívoras: qualquer carne é carne. Não discriminam. Aqui há mais. Seguiu-me até a segunda sala. Vazia e poeirenta, continha vários jergones de palha dispostos caprichosamente em um rincão. Ao longo da parede se apreciava um mural, pintado sobre uma enorme engoma de singelo papel marrom e fixado às pedras com cinta adesiva. Com tons brilhantes de vermelho gritão, verde e dourado, o mural começava com uma forja infernal. Uma cascata de metal fundido se derramava no centro de uma ampla pileta. Ao longo das paredes havia bigornas, de uns ganchos do teto penduravam retorcidas ferramentas de metal e se elevava uma fumaça negra que obscurecia os borde da pintura e se retorcia para formar um marco ao redor da forja. Um homem de aspecto demoníaco sustentava sobre sua cabeça um

grande martelo a ponto de precipitar-se sobre a espada ao meio forjar que sujeitava com a outra mão. Excessivamente musculado, vestia unicamente um avental de couro. Levava uma barba negra e seus olhos despediam um ígneo resplendor. O seguinte painel do mural mostrava uma sala cheia de almofadões esparramados. Em metade dela, um homem formoso se achava reclinado, envolto em objetos de gaze e rodeado de mulheres nuas que lhe ofereciam frutas e grinaldas de flores. O delicado rosto do homem possuía certo parecido com o do escuro habitante da forja, mas a escura barba o delatava. O ferreiro se asseou bastante bem. A terceira parte do mural estava inacabada. Tinham-lhe aplicado uma fina capa de ouro pálido ao redor dos contornos riscados a lápis. O homem grácil que ocupava o centro do mural se converteu em um deus: possuía três rostos adicionais e um


total de seis braços. Uma de suas caras me apontava diretamente, as outras dois se mostravam de perfil, e a quarta, a da parte de atrás da cabeça, era um esboço e apontava em direção contrária. Norte, sul, este e oeste. Duas enormes asas brotavam de seus ombros e entre elas rielaba a miragem de uma cidade: muito elegantes torrecillas e cúpulas delimitado por uma muralha. O estilo pictórico do mural não assinalava nenhuma mitologia em particular, Recordava-me mais a um gibi que a outra coisa. As detrás se estilizaram, a musculatura do homem tinha sido exagerada até o extremo e todas as mulheres vinham equipadas com culos pequenos, pernas desproporcionalmente largas e peitos redondos do tamanho de úberes. ?Recorda a algo? ?Dirigi a vista para o Jim. Este se limitou a negar com a cabeça. ?Já. A mim tampouco. Arranquei o mural da parede e o enrolei em forma de tubo. Jim agarrou o cadáver que jazia sobre a mesa, o jogou sobre o ombro e o levou fora. Voltei sobre meus passos até o congelador. Tivesse-me gostado de dar sepultura aos restos humanos, mas não tínhamos tempo e tampouco lhe via major significado. Tirei um saquinho de couro de meu cinturão, desatei o cordão que assegurava e pulverizei sobre a carne um pó de cor verde escura, com a precaução de não tocá-lo nem inalá-lo. ?Acrescentando especiarias à carne? ?perguntou Jim da entrada. ?É cicuta, uma planta venenosa. ?Guardei o saquinho?. Em trinta minutos começarão a vomitar, sofrerão violentas convulsões e receberão danos permanentes no sistema nervoso ou morrerão. Um pequeno presente de minha parte para seu banquete. Jim se encaminhou ao exterior, agarrou ao tipo dos quatro braços, o jogou a ombros e dirigiu o olhar para os outros três cadáveres atirados sobre a erva. Eram as provas com que contávamos e teria que me levar um. Uma monstruosidade escamosa de mais de dois metros de altura uma criatura verde recubierta de enormes agulhas ou o tipo ao que lhe faltava a maior parte da carne do traseiro e das pernas. Umm, me deixe que pense...

Capitulo 20 Transportar cadáveres a plena luz do dia, especialmente cadáveres com quatro braços, é algo que escapa totalmente ao mero conceito de não chamar a atenção e que explora em uma chuva de fogos de artifício. Também contribuía o fato de que as pessoas que levavam esses cadáveres foram cobertas de sangue e parecia que vinham da guerra, por não mencionar que um deles era um homem jaguar em sua forma de guerreiro e a outra uma mulher que conduzia uns despojos humanos aos que lhes faltava o culo. Felizmente, as imediações de Unicórnio estavam desertas. Em primeiro lugar, a gente tinha que


ser completamente imbecil para aproximar-se dessa rua. Aparentemente, Atlanta estava sofrendo uma escassez de tolos, e Jim e eu fomos os únicos idiotas desse calibre. Inclusive sem as nádegas e grande parte das coxas, a desafortunada vítima do Saiman pesava uma tonelada. Saímos da selva e nos internamos na cidade sem muitos problemas, mas transportá-lo por todo o Unicórnio até o veículo desafiou minha resistência até o limite. Tinha-me sumido em uma espécie de neblina em que solo importava dar o seguinte passo. Logo que recordo ter alcançado o lugar no que tínhamos deixado o veículo nem ter encontrado, em troca, um carro atirado por um par de cavalos. O homem dingo devia ter tornado com eles depois de que sobreviesse a quebra de onda mágica. Desgraçadamente, não se tinha ficado por ali. Também recordo ter subido os cadáveres ao carro, ocultá-los sob umas lonas e me haver sentado no boléia do condutor, dado que Jim, ao ser e! homem mais procurado da lista de Curran, não devia permanecer à vista. Depois tivemos que percorrer penosamente a cidade através do tráfico matinal. As chicotadas de dor de meu flanco e de minhas costas me mantiveram acordada. Sobre minha pele se depositou uma capa de porcaria da selva, mesclada com o sangue dos Colhedores, que o calor do sol tinha convertido em uma seca casca sobre meu rosto e meus cabelos. Ao menos não tive nenhum problema com os engarrafamentos. Os condutores rivais jogavam um olhar à crosta de sangue que cobria meu corpo e se trabalhavam em excesso por apartar-se de meu caminho. Enquanto conduzia o carro, pensei no Roland. Graças a ele, não tinha mãe. Em seu lugar tive ao Voron, ao que chamava pai. Alto, com seu cabelo loiro escuro sempre bem curto, Voron me tinha guiado ao longo da infância com sua força e sua serenidade. Podia matar qualquer criatura, podia resolver qualquer dilema, podia arrumá-lo tudo. Fizesse o que fora por um de seus escassos sorrisos. Era meu pai, uma das duas constantes em minha vida. Roland tinha sido a outra. Tinha entrado em minha vida como um dos contos de fadas que Voron me contava antes de dormir. Era uma vez um homem que tinha vivido ao longo dos séculos. Tinha sido construtor, artesão, curador, sacerdote, profeta, guerreiro e feiticeiro. Algumas vezes tinha sido escravo, outras se tinha convertido em tirano. A magia se desvaneceu e imperava a tecnologia, até que a magia se erigiu de novo e ele perdurou, antigo como a terra mesma, miserável através dos anos por sua obsessão de um mundo perfeito. Tinha levado muitos nomes, embora agora se chamava a si mesmo Roland. Tinha sido um professor para muitos homens e um amante para muitas mulheres, mas nunca tinha amado

tanto a ninguém como amou a minha mãe. Ela era amável, inteligente e generosa e fez que Roland apreciasse a vida de novo. Minha mãe desejava ter um filho, mas tinham transcorrido milênios desde que Roland tinha engendrado um, posto que suas vergônteas herdariam os vastos poderes de seu antigo sangue e toda sua ambição, e Roland já tinha lutado em muitas


guerras para exterminar aos filhos que se elevaram contra ele. Não obstante, amava tanto a minha mãe que acessou a lhe dar um filho para fazê-la feliz. Solo estava grávida de dois meses quando ele começou a pensar-lhe melhor e chegou a obcecar-se com a idéia de que sua origem se enfrentaria a ele, assim decidiu matá-lo enquanto ainda estava no útero. Mas minha mãe ansiava ter o bebê e, quanto mais se obcecava Roland, mais se separava dele. Roland tinha um senhor da guerra. Seu nome era Voron, que em russo significa corvo. Chamavam-no assim porque a morte o seguia lá onde fora, e ele também estava apaixonado por minha mãe. Quando Roland partiu, minha mãe escapou e Voron se deu à fuga com ela. Ele esteve ali quando ela deu a luz. Durante uns poucos meses ditosos, em sua escapada, foram felizes. Então Roland empreendeu sua perseguição e minha mãe, consciente de que Voron era o mais forte dos dois, ficou atrás para atrasar ao Roland e para que Voron e eu pudéssemos escapar. Cravou-lhe uma adaga no olho e ele a assassinou. Foi ali quando o conto de fadas terminou e quando começaria a comprovar se havia alguém com uma faca debaixo de minha cama antes de ir a dormir, com a esperança de matar a meu verdadeiro pai algum dia. Em qualquer lugar que fôssemos, o que fora que fizéssemos, a presença do Roland me perseguia. Ele era meu objetivo e a razão de minha existência. Ele me deu a vida e eu lhe arrebataria a sua. Conhecia-o intimamente. Voron tinha sido seu senhor da guerra durante o meio século e lhe tivesse servido durante eones, porque a magia do Roland o conservava jovem e viril, se não tivesse sido por minha mãe. Voron me ensinou tudo o que tinha aprendido de seu antigo professor e senhor. Sabia a aparência que tinha, porque Voron me tinha mostrado uma foto dela e me tinha ameaçado a memorizar os detalhes antes de queimá-la. Reconheci seu rosto em estátuas que apareciam em velhos livros de história e uma vez o encontrei retratado em um quadro de uma batalha da época renascentista. Li na Bíblia passagens que se referiam a ele, por insignificantes que pudessem parecer. Conhecia seus lugares-tenentes, suas armas, seus poderes... e a idade tinha proporcionado ao Roland poderes inimagináveis. Podia controlar de uma vez a centenas de não mortos. Blandía seu sangue como uma arma até o ponto de solidificá-la para criar armas devastadoras e uma impenetrável armadura. Era sua maldita sangre o que me fazia poderosa. Voron tinha sido um guerreiro supremo. Reuniu cada um de seus conhecimentos e os verteu em mim para me temperar como a uma espada. te faça mais forte: Sobrevive. Mata ao Roland. Destrói-o definitivamente. Mas até então, te esconda. Quatro meses atrás, tomei conscientemente a decisão de deixar de me ocultar e a tinha questionado após. Faltavam-me a força e a experiência para me enfrentar ao Roland, mas agora que jogava em campo aberto, sabia que uma eventual confrontação seria inevitável.


Meu instinto me dizia que ele era o Sultão da Morte, o que significava que se continuava atirando do fio daquela enredada meada, podia acabar tropeçando com algum integrante de seu círculo interior e essa idéia me enchia de pavor. Tinha medo do Roland, mas temia pelo Derek ainda mais. Inclusive me sentia assustada por Curran. Já era bem entrada a manhã quando finalmente nos detivemos frente ao refúgio dos cambiaformas. Retirei a lona para descobrir que Jim dormia sobre os cadáveres. Tinha voltado para sua forma humana e estava nu como um bebê. Sacudi-o um pouco, mas parecia ter cansado em um estupor similar ao da Bela Adormecido e não estava disposta a beijá-lo para conseguir que despertasse. Bati na porta mas não houve resposta. Assim o trinco... e a porta se abriu girando sobre suas dobradiças. Coloquei a cabeça pelo oco e chamei um par de vezes, mas ninguém se apresentou para me ajudar. supunha-se que Brenna tinha que vigiar a porta. Quão único tivesse podido apartá-la dali seria... Por favor, Deus, não permita que Derek mora. Ante o fato de pensar em baixar ao porão, minhas pernas estiveram a ponto de me falhar. Não estava segura de poder assumir a morte do Derek. Tinha que baixar ali, mas nem sequer era capaz de me mover. Traguei saliva e olhei para a entrada. Os cadáveres. Melhor vou a pelos cadáveres. É uma boa idéia. Resultou muito difícil fazer acontecer o corpo sem vida do ser de quatro braços através da porta. Tentei-o ao menos durante três minutos, até que meu paciência se esgotou. No momento em que Brenna apareceu no alto das sombrias escadas que conduziam ao porão, já tinha solucionado o problema resolvendo de uma vez. ?Derek morreu? ? Ainda não. Senti o alívio estender-se por meu interior, mas necessitava um lugar onde me sentar. ?Pensei que tinha que vigiar a entrada ?lhe disse, enquanto deslizava a Assassina sob o braço. ?e o fazia, mas tive que deixar entrar em alguém. ?Olhou o cadáver que jazia a meus pés. ?Não será Curran, verdade? ?perguntei. ?Não. ?Genial. ?Agarrei os quatro braços cerceados e lhe assinalei com o queixo os talões do cadáver?. Importa-te agarrar a parte maior?


Doolittle somente me jogou um olhar e me prescreveu uma ducha imediata. Meia hora mais tarde, depois de uma ducha, remendada e com a taça de café que me tinha devotado Brenna, senti-me quase humana. Doolittle tinha desaparecido em 'as profundidades da casa para continuar sua constante vigília sobre o Derek. Solo ficávamos os dois cadáveres e eu. Quando me tinha bebido a metade do café, Jim entrou na estadia, com aspecto miserável e resacoso. Saudou-me com o cenho franzido e se deixou cair em uma cadeira. ? e agora o que? ? Esperaremos. ?A que? ?A minha perita. Está com o Derek nestes momentos.

Ficamos sentados um momento. Já me tinham deixado fora de novo. Doolittle era o melhor medimago de seu ramo, sem lugar a dúvidas. Quase não me doía as costas e a dor de meu flanco era apenas um eco distante, mas estava tão cansada que logo que podia enfocar a vista. Tinha que comprovar com o Andrea os resultados das análise da prata. Tentei utilizar o telefone, mas não dava sinal. Entrou na habitação uma moça. Logo que mediria um e cinqüenta e era de constituição muito magra. Sua pele era de um tom amendoado escuro, e seu rosto, largo e arredondado. Olhava ao mundo através de umas grosas óculos, e seus olhos, depois dos cristais de culo de garrafa, eram de um castanho escuro quase negro e ligeiramente rasgados, o que evidenciava uns antepassados asiáticos. Caminhou resolvida pela estadia e me olhou com olhos de míope enquanto eu fechava a porta. ? Indonésia ?anunciou, enquanto se recolocaba a bolsa de mão que lhe pendurava do ombro. ?O que? ? Estava tratando de elucidar minha procedência. Sou o Indonésia. ?Sou Kate. ?e eu Dali. Olhou para onde se sentava Jim. Enquanto passava por meu lado, pude captar de uma olhada a coberta do livro que levava em sua bolsa: um homem loiro, alto e fornido blandía uma espada muito grande para ser manejável e posava com três garotas estrategicamente situadas a seus pés. Uma delas tinha orelhas de gato. Dali fixou no Jim seu desconcertante olhar. ?Deve-me uma. Se descobrir que estive aqui, será meu final. Se o descobria quem? Melhor que não fora Curran. ?Assumirei a responsabilidad?dijo Jim, ?Onde estão os cadáveres? ?perguntou Dali. ? detrás de


ti. Dali se deu a volta, tropeçou com o cadáver do monstro de quatro braços e se teria cansado de bruces se tivesse sido uma humana ordinária. Entretanto, separou-se de um salto e aterrissou com perfeito equilíbrio, se não com perfeita graça. Os reflexos dos cambiaformas ao resgate. Dali se ajustou os óculos sobre o nariz e me dirigiu um olhar iracundo. ?Não estou tão cega ?me fulminou?. Tão solo estava distraída. Possivelmente também era telépata. ?Não ?disse?. Não sou estúpida. De acordo. ?OH, céus! ?.bservó o cadáver da criatura?. Simetria polimélica, Há outras partes do corpo que estejam duplicadas? Tinham que lhe arrancar os braços? ?Sim. Não tivesse passado pela porta. ? Diz-o como se estivesse orgulhosa disso. E o estava. Era um exemplo de como pensar rapidamente em uma situação difícil. Dali deixou cair sua bolsa ao chão, ajoelhou-se junto ao cadáver e observou o enorme buraco onde, antigamente, estava acostumado a albergar o coração da criatura. Jim a tinha feito boa. ?contem-me isso tudo. Descrevi-lhe a salvaguarda mágica, a selva, o palácio volante, as ruínas, o carro de pedra com o condutor de múltiplos rostos e a luta, com ocasionais comentários por parte do Jim, Dali

assentiu, levantou o braço esquerdo dianteiro do morto e procedeu a estudar o apêndice duplicado com o cenho franzido... ?Então, quem se supõe que não deve saber que está aqui? ?perguntei. Por favor, que não seja Curran. Por favor, que não seja Curran... ? O Senhor das Bestias?aseveró Jim, Maldição! ? Tecnicamente, Dali está sob arresto domiciliário. ? por que motivo? ?Saí a dar uma volta em carro. ? Dali sujeitou os pés do cadáver e estudou as garras?. A pele é de tato agradável e flexível. Nem sequer há rastros de rigor mortis. ? Impô-te uma detenção domiciliária porque saiu com o carro?


? Deu-lhe um sonífero a seu guarda-costas, fez-lhe uma ponte ao carro e se lançou a uma louca carreira na auto-estrada Buzzard, completamente às escuras?. O rosto do Jim mostrava a calidez de um iceberg. ?Só está zangado porque fiz parecer estúpido ao Theo. ?Dali deixou cair a mão?. Não é culpa minha que sua letal máquina de matar estivesse tão excitado pela perspectiva de pôr suas mãos em meus pequenos peitos que esquecesse olhar em sua bebida. Para ser franco, não sei qual é o problema. ? Está legalmente cega, não pode superar o exame para obter a carteira de motorista e conduz como uma louca. ?Os lábios do Jim se franziram em um grunhido silencioso?. É uma ameaça. ?Quem conduz pelo Buzzard não o fazem porque, seja seguro. Vão ali procurando emoções. Se soubessem que estou legalmente cega, isso solo faria as coisas ainda mais interessantes para eles. É meu corpo e posso fazer o que quiser com ele. Se quero ter um acidente, é minha coisa. ?Sim, mas conduziu até ali ?assinalei, por minha parte. Necessitava mais café?. E se tivesse tido um acidente pelo caminho e tivesse resultado ferida, ou pior, tivesse ferido a alguém mais, outro condutor ou um pedestre, um menino que cruzasse a rua? Dali piscou repetidamente. ?Sabe, isso é precisamente o que Curran me disse. Quase palavra por palavra. ?Deixou escapar um suspiro?. Estamos de acordo em que, visto em retrospectiva, não foi um de meus melhores momentos. Têm algo mais além dos cadáveres? Jim lhe aconteceu o mural enrolado em um tubo e ela desdobrou o papel e arqueou as sobrancelhas. ?Agarra este extremo?me dijo?y Jim, você agarra o outro. Muito bem, lhes separe. Queria que me movesse. Devia estar completamente louca. Jim e eu nos afastamos até que todo o papel esteve desenrolado. Observou o mural apenas um segundo, assentiu e ondeou a mão. ? Podem soltá-lo. assim, têm alguma idéia de que tradição mitológica seguem seus amigos? ?Hindu. ?Atirei uma punhalada na escuridão?. Em primeiro lugar, temos uma selva, as ruínas do que me pareceu um templo dravídico, um carro de pedra atirado por elefantes, um humanoide com vários braços e rostos. Também temos um monstruoso tigre de quatro braços. Não há muitas mitologias com humanoides que possuam braços ou rostos de mais. Possivelmente dragões ou gigantes com várias cabeças, mas humanoides com extremidades ou cabeças extra não.

Além disso, a garota chamou «Asaan» a um dos Colhedores. Busquei-o e descobri que é um término usado para designar a um gurú ou a um praticante das artes marciais dravídicas.


? Você tampouco é parva ?me disse Dali depois de me jogar um largo olhar. ?Já vê, mas isso é tudo o que sei. ?Acredito que é um rákshasa. ?Deu um golpe ao cadáver da criatura com a ponta do pé?. E se tiver razão, estão metidos em uma confusão muito gorda. ?Ao princípio só estava Vishnú, embora nesse momento era Narayama, a encarnação da Suprema Divindade. Dali se sentou no chão, perto do cadáver. ? Narayana flutuava sobre umas águas infinitas, envolto por uma grande serpente albina e desfrutando de uma paz inigualável, até que uma flor de lótus brotou de seu umbigo. No interior do lótus tinha renascido o deus Brahma, o criador de mundos. Brahma olhou a seu redor e viu a Narayama feliz de flutuar na água e, sem razão aparente alguma, s~ obcecou com a idéia de que alguém pudesse lhes roubar essas águas. Por isso, criou quatro guardiães, dois casais. O primeiro casal prometeu render adoração às águas: eram os yákshasas. O segundo casal prometeu proteger as águas: eram os rákshasas. ? nos fale de seus pontos fortes e de suas debilidades ?demandou Jim, ?Os rákshasas nasceram guerreiros. Foram criados com esse propósito. Segundo a lenda, da concepção ao parto transcorre unicamente um só dia e, no momento do nascimento, crescem instantaneamente até alcançar a idade de sua mãe. São carnívoros e tampouco têm escrúpulos na hora de consumir carne humana. Possuem uma ampla variedade de formas e tamanhos. São excelentes magos e ilusionistas. Limitei-me a suspirar. Aquilo se estava pondo cada vez melhor. ?Por alguma razão pensava que os rákshasas eram tigres humanoides, como um cambiaforma em sua forma de guerreiro mas com cabeça de tigre. Dali assentiu. ?Freqüentemente foram representados como monstros parecidos com tigres, porque o tigre é a coisa mais aterradora que um escultor ou um artista hindu pode plasmar razoavelmente, Os elefantes são maiores, mas são vegetarianos e um pouco muito próximo a eles, enquanto que os tigres são sigilosos, mortais e em ocasiões caçam e devoram seres humanos. Um tigre humanoide, equipado com braços extra e inteligência humana, seria o culmen dos pesadelos de qualquer. ?Os rákshasas sabem que os tigres são aterradores e freqüentemente adotam essa forma. Entretanto, a lenda diz que podem ser belos e horrendos. Desde três irmãos rákshasa, a gente podia ser formoso além de toda descrição, outro podia ser um gigante e o último ter dez cabeças. Realmente troca. Algumas fontes asseguram que nunca se pode conhecer o verdadeiro aspecto de um rákshasa, solo a forma que decidiu assumir em um determinado momento.


?Algo mais? ?perguntou Jim em voz baixa. ? Podem voar. Maravilhoso. ?Os nossos não voavam, mas podiam saltar a uma altura impossível. ? Isso pode dever-se ao sob nível da magia, a uma informação incorreta ou a que há um número insuficiente de pessoas que criam no mito. Ou às três opções. Podem escolher uma. ?Podem esses rákshasas fazer algo para impedir que troquem de forma? ?inquiri.

Dali se deteve meditá-lo. ?Eles também trocam de aspecto, mas não são cambiaformas como nós. Seus poderes se apóiam na ilusão. Disseram que se despojaram de suas peles humanas. Onde estão essas peles? Trouxeram suas roupas rasgadas. Resulta difícil de acreditar que os dois esquecessem recolher tais provas. Concentrei-me, tratando de rememorar a cena quando deixamos o templo. ?As peles desapareceram. ?Dali assentiu. ?Isso é porque, tecnicamente, não existiam. Com magia ou sem ela, não há possibilidade física de embutir isto ?chutou de novo o cadáver de quatro braços? em uma forma humana. Em realidade, os rákshasas não esfolam vivo a um ser humano para vestir-se com sua pele. Consomem ao humano de algum modo, física, mental ou espiritualmente, ou inclusive de todas essas formas, e então assumem seu aspecto. ?O fato de despojar-se da pele era uma ilusão. ?fez-se a luz em meu cérebro?. Uma tática intimidatoria. ?Exato. Fingiram despojar-se de suas peles humanas porque queriam lhes incomodar. Os rákshasas são extremamente arrogantes e maliciosos, mas não são muito inteligentes. Seu mítico rei, Ravana, é prova disso: tinha dez rostos, mas muito pouco cérebro. O palácio volante que viram, assumindo que ambos não lhes tornastes loucos, é muito similar à a Pushpaka Vímana, uma antiga máquina voadora. Ravana a arrebatou a seu proprietário original e foi voando daqui para lá até que foi parar sobre a Shiva o Destruidor durante seu sonho. ? Dali fez uma pausa em busca de um efeito dramático. A mitologia hindu não era meu forte, mas mesmo assim sabia algo sobre a Shiva. Qualquer deus denominado como o destruidor de mundos não podia ser tomado à ligeira. Quando não estava em casa, desfrutando da vida caseira com seu amante algema e seus dois filhos, dedicava-se a correr pelos bosques rodeado de cobras, vestido com uma rasgada pele de tigre que ainda gotejava sangue. Arrancava a pele de bestas temíveis com um ligeiro toque de seu dedo mindinho. Sua ira era comparável a da Rudra, uma tormenta rugiente e incontrolável. Em seu aspecto maligno, era absolutamente aterrador. Sob seu aspecto benigno, lhe divertia facilmente. Tinha em sua frente um terceiro olho, com o qual, quando olhava fixamente, podia queimar tudo a seu passo, e periodicamente destruía o universo. Algo associada com a Shiva tinha que tratar-se


com luva de veludo enquanto se tinha posto um traje isolante de perigo biológico de nível 4 e, preferivelmente, um tanque. Dali sorriu. ? Ravana conseguiu incomodar a Shiva, e o destruidor de mundos o encerrou em uma jaula de barrotes de pedra. Ravana teve que sentar-se ali e cantar até que Shiva se fartou de escutá-lo e lhe deixou partir. Ravana era o máximo expoente dos rákshasas: arrogante, ostentoso e completamente dominado por seus impulsos. Era o que outros aspiravam a ser. Estão-lhes isso vendo com autênticos fanfarrões, convencidos de sua própria superioridade. Para eles, são divertidas fatias de carne com as que entreter ao público. Ordenharão até a última gota de leite para criar um efeito teatral e então deixarão de jogar com a audiência. Jim e eu cruzamos olhadas. Se desfrutavam despertando a euforia do público, os Jogos da Meia-noite eram o lugar indicado para seus fins. Voltei minha taça de barriga para baixo, em busca de mais café, mas não apareceu. De todas formas, o fator de entreter ao vulgo tinha que ser um extra. Foram detrás da gema. por que? Estava perdida em

muito informação aleatória que se negava a adotar uma ordem lógica. Abri a boca para perguntar ao Dali sobre o topázio, mas Jim me adiantou. ?Pode explicar o da selva? ?Não tenho nem idéia. ?Fez uma careta?. Poderia ser algum tipo de borbulha mágica ou um portal para uma terra desconhecida. Necessito mais informação para poder responder a essa pergunta. Por certo, estou sedenta e minha língua parece papel de lixa. lambeu-se os lábios, Jim foi à cozinha e voltou com um copo de água, que lhe ofereceu. Ela se bebeu a metade de um gole. ? assim, os rákshasas nos odeiam. ? Refere-te os cambiaformas ou os humanos? ?perguntei-lhe. ?A ambos. Isto nos leva de novo a Ravana, um indivíduo rasteiro e sobe. Tinha dez cabeças e cada século se arrancava uma delas como sacrifício. Finalmente, quando solo ficava uma e os deuses não puderam suportá-lo mais, descenderam à terra com toda sua glória celestial e lhe perguntaram o que queria para deixar de fazer isso. Ele pediu imunidade de todas as raças, exceto a dos homens e os animais. Pensava que fomos muito penosos e insignificantes para lhe fazer o mais mínimo dano. Uma vez que obteve sua imunidade, conseguiu conquistar o céu, incen?dió a cidade dos deuses e matou a todas as bailarinas... Então Vishnú considerou que já tinha tido suficiente e foi à terra a reencarnar-se em um humano, Ramo; encabeçaram juntos um exército de animais e o destruíram.


Se os rákshasas eram tão arrogantes como dizia, odiariam a humanos e animais com uma paixão incombustível. e os cambiaformas eram ambas as coisas. Mais razão para o genocídio. Agora a repulsa que sentiam os Colhedores pelos mestiços tinha sentido. ?Há algo nas lendas a respeito de um topázio denominado o Diamante Lobo? Sobre uma grande gema de cor amarela? ?perguntei-lhe. A frente do Dali se enrugou. ? O topázio está associado com o Brihaspati, quer dizer, Júpiter. ?O deus romano? ?Jim franziu o cenho. ?Não, o planeta. Honestamente, Jim, o mundo não gira ao redor do panteão grecorromano. Rudra Mani, a gema da Shiva, também é de cor dourada. Leva-a no pescoço. Além disso, Shiva foi quem outorgou aos rákshasa a capacidade de voar. ?A gema a que me refiro seria grande ?acrescentei?. Uma pedra poderosa. ? O Rudra Mani é bastante grande. Do tamanho da cabeça de um bebê. Saiman havia descrito o Diamante Lobo com o tamanho aproximado do punho de um homem... Ou era um punho muito grande ou um bebê muito pequeno. A menos que se referisse ao punho de um gigante de gelo. ?O que sabe sobre ela? Dali pôs os olhos em branco. ?supõe-se que é uma pedra de virtude. Mas também pertence a Shiva, se captar o que quero dizer. Com a Shíva, nunca sabe ao que atenerte. Pode encontrar um bebê rákshasa, pensar que é formoso e lhe outorgar o poder de voar, assim como a capacidade de crescer até converter-se em adulto em um dia. Mas também pode começar a pisotear demônios por diversão. ?assim ?disse Jim cruzando os avultados braços sobre seu peito?, temos uma pedra que pertence a um deus bipolar com um retorcido senso de humor.

?Mais ou menos. Não se sabe muito mais sobre o Rudra Amendoim. Investigarei-o. Nem sequer sabemos se seu topázio é o Rudra Mani ou algum outro pedaço de gema amarelo. ? Dali moveu nervosamente as mãos?. É muito vago. Poderia ser algo ou não ser nada. Não me surpreenderia absolutamente se depois do Diamante Lobo se ocultasse em realidade, de modo encoberto, o Rudra Amendoim. O achado de elementos mitológicos estava acostumado a ter lugar em conjunto. Por um lado, tínhamos aos rákshasas, profundamente vinculados com a Shiva nos mitos hindus. Por outro, Shiva possuía uma grande gema dourada. Os rákshasas tinham entrado em formar parte do torneio para ganhar uma grande gema amarela. Não seria muito insensato concluir que as duas jóias eram uma e a mesma.


Ao menos, não teríamos que ver-nos com a Shiva. A erupção tinha estalado e se desvaneceu, assim que o deus não podia manifestar-se. Sob meu ponto de vista, nenhum dos dois aspectos da Shiva era bom, olhe-o como o olha. Dirigi o olhar para o despojo ensangüentado que uma vez tinha sido o lutador das tochas que se enfrentou em combate ao Saiman. Aliado da monstruosidade de quatro braços, parecia quase frágil. ?por que conserva ainda sua aparência humana? ?O que? ?Dali enrugou seu naricilla ao me apontar com ela. ? Este colega se despojou da pele, começou a rugir e a seus contorsionar quatro braços assim que teve a menor oportunidade, mas o lutador das tochas manteve sua forma humana. por que? Dali deixou seu copo de água. ?Bom, de primeiras assumiste que o lutador das tochas não é humano. Mas inclusive se se tratasse de um rákshasa, possivelmente não queria trocar de forma. Disse que se fazem passar por humanos. Isso tivesse acabado com sua coberta. ?Golpearam-no até reduzi-lo a polpa ?disse Jim?. me acredite, teria trocado de forma. Em uma situação assim, é o instinto de sobrevivência o que prepondera. Todos aqueles fatos trataram de fundir-se em minha mente. Quase podia sentir que o tinha. ?Possivelmente não podia trocar de forma. Possivelmente algo o impedia, algo como o que impede ao Derek adotar sua forma animal. Um objeto, um feitiço, algo que suprime a magia. ?Algo que também fora capaz de enganar ao escáner?m para que os resultados de sua análise dessem uma leitura própria de humanos ?acrescentou Jim. Dali se livrou com descuido dos sapatos e se tirou a camiseta. ? Tenho que me transformar. Sou mais sensitiva à magia se adotar minha forma animal, e meu sentido do olfato é muito melhor. Fixei o olhar no chão. Os cambiaformas revistam dividir-se em duas classes: uns som muito pudicos, enquanto que outros se despiriam em metade de uma transitada auto-estrada sem pensar-lhe duas vezes. Aparentemente, Dali pertencia à segunda categoria. O rugido grave e profundo de um grande felino ressonou na casa, como uma cascata de som que ricocheteou em minha pele. Levantei o olhar. Em metade do salão havia um tigre branco. Resplandecia como se tivesse sido esculpido com neve recém queda e me olhava com seus olhos de uma azul geleira, enormes, de outro mundo, como os de um eterno espírito do norte, da taiga, de caçador invernal. Largas franjas mais negras que o


carvão delineavam sua fluida silhueta. Mais que um mero animal, mais que um licántropo em sua forma bestial, era uma criatura majestosa. Inclusive tinha contido o fôlego ante sua presença. Então espirrou e voltou a espirrar, piscando, para logo voltar a levantar a cabeça. Foi quando adverti que só um desses olhos glaciais me olhava diretamente. O outro apontava para um lado. O espírito do tigre era vesgo como um gato siamês. A tigresa elevou uma de suas garras, observou-a com curiosidade e a voltou a baixar para, seguidamente, emitir um grunhido apagado, com uma expressão de atordoamento em sua enorme cara. ?Sim, essas são suas garras ?disse Jim, armado de paciência. Ao som de sua voz, a tigresa deu um passo atrás, tropeçou com o cadáver da criatura de quatro braços e se sentou sobre ele de um modo muito pouco digno. ? Sentaste-te sobre as provas ?asseverou Jim, A tigresa se incorporou, deu-se a volta e esteve a ponto de me esmagar os pés com seu traseiro. De sua boca brotou um grunhido. ?Sim, há uma criatura morta na habitação. te tombe, Dali, e te tranqüilize. Agora recuperará a consciencia. A tigresa se sentou no chão enquanto espionava os cadáveres com desconfiada suspeita. ?Sofre uma perda de cor a curto prazo depois da mudança ?murmurou Jim?. Recuperará-se em um minuto. A bizquera também desaparecerá. Alguns gatos reagem assim ao estresse. ?volta-se agressiva? ?Quão último precisava era lombriga obrigada a caminhar sobre brasas ardentes porque tinha usado uma força excessiva para submeter a uma tigresa vesga enfurecida e com amnésia temporária. Uma expressão estranha se apropriou do rosto do Jim, tão incomum em seu pétreo careto que me levou um momento identificá-la como abafado. ?Não. Sente náuseas ante a carne crua e o sangue. ?O que? ?Não remói nem aranha, porque vomitaria. É vegetariana. Vá tecido. ? Mas quando está em sua forma bestial... Jim negou com a cabeça. ?Come erva. Não pergunte. Dali se incorporou e olisqueó o cadáver. Começou pelos pés, com seu chato focinho felino movendo-se apenas a uns milímetros da pele morta. Seu negro nariz explorou os dedos do pé esquerdo, coroados por garras afiadas, e foi subindo pela tíbia até o joelho. Ali se deteve, lambeu o duro montículo da rótula e continuou pela coxa. Fez uma pausa na entrepierna e se passou ao


lado direito, onde repetiu o mesmo processo olfativo na outra perna. Levou-lhe uns cinco minutos completar seu reconhecimento. ?Algo? ?perguntei-lhe. Dali sacudiu sua magnífica cabeça. Maldição. Voltávamos de novo para o Derek morrendo no interior de um tanque cheio de líquido. ?De acordo ?assentiu Jim?. Volta a trocar. Tenho algo mais que te perguntar.

A tigresa inclinou a cabeça. Sua branca pelagem se estremeceu, tremeu, mas permaneceu em sua forma felina. ?Dali? ?A voz do Jim era serena e mesurada. A pele branca se encolheu e recuperou imediatamente a forma do tigre. Seus olhos azul geleira me olharam e, em suas cristalinas profundidades, pude ver pânico. A tigresa pôs-se a correr. Saiu a toda recheia por todo o salão, saltando sobre os cadáveres. Seu ombro felpudo roçou o comprido caule do abajur com forma de tulipa, que saiu voando e se estampou contra o chão em uma chuva de pedacinhos de cristal. Dali saltou enlouquecida sobre os fragmentos de vidro e se estrelou contra a tela LCD da parede, cujo marco metálico escorregou de suas sujeições, precipitou-se no vazio e aterrissou sobre o crânio da tigresa. Esbocei uma careta de dor. Dali o sacudiu de cima, com os olhos cheios de ferocidade, e se encontrou com o Jim, que se interpôs em seu caminho e a olhou fixamente. Dali tremeu. A pelagem de sua garupa se arrepiou e grunhiu. Jim simplesmente ficou imóvel. Seus olhos eram antigas esmeraldas. Com um profundo suspiro, Dali se inclinou e se tombou no chão. O macho alfa dos felinos em ação. ?Pode trocar de forma? ?Jim se ajoelhou junto ao Dali. A tigresa gemeu levemente. Interpretei-o como uma negacíón, Uns pequenos sulcos de sangue mancharam as grandes zarpa do Dali, em intenso contraste com sua branca pelagem. Dada sua aversão ao sangue, nem sequer seria capaz de lamber suas feridas, assim fui procurar o estojo de primeiro socorros que Doolittle tinha usado para me curar, tirei um par de pinzas e sentei a seus pés. Dali me ofereceu uma de seus enormes zarpa. Abri a garrafa de anti-séptico, empapei uma gaze e limpei o sangue das enormes almofada de sua garra. Três pedacinhos de cristal se incrustaram em sua carne como troféus de sua gloriosa batalha contra o abajur.


?Quero que siga tentando adotar sua forma humana ?lhe disse Jim?. Não te force muito, mas mantén uma pressão firme. Apanhei o primeiro dos fragmentos de vidro com as pinzas e o arranquei da pata, por isso brotou o sangue. Dali se agitou e me arrastou com ela. Uma dor ardente rasgou meu flanco e me encolhi. Despedi-me dos remendos que me tinha feito Doolittle. Fica aquieta, por favor. Dali gemeu e me deixou sustentar a garra. A ferida não sanava e a enxuguei com uma gaze, mas ainda seguia aberta. Mierda. Agora ela e Derek mostravam os mesmos sintomas: incapacidade para trocar de forma e regeneração retardada. Deixei o ensangüentado fragmento de cristal esmerilhado sobre a tampa do estojo de primeiro socorros de primeiros auxílios. ? Falemos dos aromas. ?A voz do Jim era aveludada, relaxante?. cheiraste algo estranho nos cadáveres? Dali moveu a cabeça em um gesto de negação e eu lhe extraí outro fragmento da garra. ?Além da mudança de forma, sente-se diferente? Dali deixou escapar um gemido lastimero. Esse era o problema dos cambiaformas em sua forma animal: não podiam vocalizar e muito menos escrever, assim que as perguntas às que responder com um sim ou um não eram a única opção. Apanhei o terceiro pedaço pequeno, mas as pinzas escorregaram. O muito bode se cravou profundamente.

? Dali, abre os dedos se puder. Ao mesmo tempo que os separava, umas afiadas garras retráteis surgiram de sua garra. ?Obrigado. ?Apanhei o fragmento e pude extrai-lo. A carne do tigre buliu entre meus dedos e de repente me encontrei sustentando uma mão humana. ?OH, Meu deus! ?A voz do Dali, tremente, alcançou uma nota muito alta?. meu deus. ?O que tem feito? ?Jim se inclinou sobre nós, igual a se tivesse avistado uma presa. Dos olhos do Dali se derramaram lágrimas. ?Pensei que ficaria apanhada em minha forma animal para sempre. ?Jogou uma olhada a seu redor?. destrocei o salão. E sua ferida... Sinto-o muito. ?Não se preocupe por isso ?murmurei, concentrada no pedaço pequeno de cristal. Pareceu-me amarelo, embora a tulipa do abajur era de cristal esmerilhado branco?. Sempre me passa. Agarrei o estojo de primeiro socorros de primeiros auxílios e coloquei em cima as pinzas, no caso de perdia o pedaço pequeno pelo caminho, levantei-me e levei a pequena lasca de cristal até a janela. Reluziu à luz e arrojou uma sombra amarela sobre o branco estojo de primeiro socorros.


Por fim tínhamos uma pista. ?É um fragmento do topázio? ?Jim franziu o cenho ante o cristal. ?Isso acredito. O que te aposta a que se trata de um fragmento do Diamante Lobo? ?Tinha sentido. depois de tudo, os Colhedores queriam o Diamante Lobo para usá-lo como uma arma contra os cambiaformas. Neste caso, dois mais dois eram igual ao minúscula parte de silicato que sustentava na mão?. Crie que impede de levar a cabo a transformação? Jim liberou o fragmento das pinzas, rasgou a palma de sua mão com um rápido arranhão de suas unhas e introduziu o cristal no corte. A cor verde resplandeceu em seus olhos e seus lábios tremeram. Um calafrio percorreu seu corpo e o pêlo de seus antebraços se arrepiou. Seu olhar era a de um jaguar selvagem, mas conservava sua forma humana. Sem pronunciar palavra, extraiu a lasca e a deixou cair sobre a tampa do estojo de primeiro socorros como se estivesse ao vermelho vivo. Isso era. Aquela era a arma que os rákshasas necessitavam para destruir à Manada. Não podiam roubar a gema, tinham que consegui-la mediante a vitória ou a jóia desataria uma maldição sobre aquele que a tivesse roubado. Decidiram participar dos Jogos da Meia-noite para fazer-se com ela e, uma vez que a obtiveram, romperiam-na em milhares de fragmentos que usariam para evitar que os cambiaformas pudessem adotar sua forma animal ou jaqueta. Sem os poderes de transformação e regeneração, a Manada seria tão só carne picada para os rákshasas. ?Devo ter pisado no pedaço pequeno ao tocar o cadáver ?murmurou Dali. ?Quererá dizer quando o pisoteou inteiro. ? Jim se agitou, como se estivesse empapado e se sacudisse a água de cima?. O menino tem o fragmento dentro, em alguma parte, mas o escáner?m não o detectou. ? É tão pequeno. ? Dali tocou o cristal com a gema de seu dedo indicador?. Possivelmente o exploratório não seja o bastante sensível para detectá-lo quando a magia não está ativa. ?Não quero fazer migalhas ao Derek para encontrá-lo. Possivelmente não sobreviva. Tem que haver outro modo ?.penou Jim. O plano tomou forma em minha mente. ?Vou ao Macon.

Jim piscou e uma luz iluminou seus olhos. ?Julie, sua protegida. Está em uma escola próxima ao Macon e é incrivelmente sensitiva. Julie, a menina que tinha conhecido durante a erupção, possuía um talento entre um milhão.


Possuía poderes sensitivos e podia ler as cores da magia melhor que qualquer escáner?m. Estudava no melhor internato no que consegui que a aceitassem, a só duas horas através da linha de energia. ?Se alguém pode encontrar o fragmento de cristal no corpo do Derek, é ela ?concluí.

Capitulo 21

Fiz tamborilar os dedos sobre a encimera, com o auricular apoiado em minha orelha, e comprovei a gaze que pressionava contra minhas costelas. Ainda sangrava. A linha emitiu um estalo e uma relaxante voz feminina me saudou. ?Senhorita Daniels? ?Olá. ?Meu nome é Citlalli. Sou a conselheira acadêmica da Julie, ? Recordo-o. Conhecemo-nos. ?A memória me trouxe a imagem de uma pequena mulher moréia, com os olhos de uma virgem. Uma empática muito poderosa. De um modo similar aos sudistas, os empáticos cavalgavam sobre as ondas das emoções da gente e podiam sentir a alegria ou a dor dos outros como se fossem próprios. Isso os convertia em excelentes psiquiatras e, algumas vezes, seus pacientes os voltavam loucos. Franzi o cenho. Passava algo, porque não tinha pedido que me pusessem com a conselheira. ?Senhorita Daniels... ?Kate. ? É você clarividente, Kate? ?Não que eu saiba. por que o pergunta? ? Estava lhe escrevendo uma carta a respeito da Julie, e me perguntava se minha concentração teria suscitado sua chamada Telefónica. OH, não. ?O que tem feito? ?Julie causou alguns problemas. Julie era um problema que cavalgava sobre um problema e que usava como vara um terceiro problema. Mas era minha e, apesar da amável qualidade da voz do Citlalli, todas minhas puas se arrepiaram à defensiva. Tentei manter a raia a hostilidade em minha resposta.


?Continue. ? devido às lacunas de sua educação, tem que assistir a aulas de recuperação. ? Já discutimos esse assunto antes de sua admissão.

?Academicamente, progride a um ritmo superior ao previsto. Estou convencida de que alcançará a seus companheiros antes de que finalize o curso ?me assegurou Citlalli?, mas tem alguns problemas de adaptação social.

Julie tinha vivido virtualmente nas ruas durante os últimos dois anos, escondendo-se das bandas enquanto o cabronazo de seu noivo lhe lavava o cérebro. O que podiam esperar dela? Ao outro lado da linha, Citlalli se esclareceu garganta com um leve pigarro. Minha irritação devia ter sido o bastante intensa como para que a tivesse captado, assim respirei profundamente e tratei de apagar minha bagagem emociorial. As emoções remeteram, ainda pressente mas ocultas profundamente sob a superfície. Era uma técnica de meditação que tinha aprendido durante minha infância e que usava raramente, já que eu gostava de viver ao casaco de minhas emoções. O medo, a ira, a indignação, o amor, a coragem... Utilizava-as todas como um estímulo no combate. Entretanto, sabia como as suprimir, e quanto major me fazia mais fácil resultava essa supressão. ?Sinto muito. Não pretendia incomodá-la. Estava-me contando os problemas da Julie. ?Obrigado. Os meninos podem ser muito cruéis à idade da Julie, Lutam por adquirir uma identidade pessoal. Para eles, estabelecer uma ordem hierárquica chega a ser algo muito importante e, nesse aspecto, Julie se encontra em desvantagem. No aspecto acadêmico vai por detrás de outros, assim qu~ não pode usar seus lucros nessa área para obter popularidade. Não é muito boa nos esportes, em parte devido à malnutrición e em parte porque não possui um talento destacável nesse campo. Temos uns quantos atletas destacados e ela se deu conta de que nunca será uma estrela. Tampouco sobressai em combate, e embora quem a conheço encontramos que sua sensibilidade mágica é impressionante, os meninos apreciam muito mais outros tipos de magia mais chamativos. ? Por dizê-lo com outras palavras: não é uma esportista, não é uma grande jaqueta, está recebendo classes de recuperação e sua magia é medíocre porque não cospe fogo nem pode fundir metais com uma piscada. ? Essencialmente, sim. Alguns dos meninos em sua mesma situação tratam de jogar mão de.su histórico familiar para estabelecer sua reputação ante outros. ? Mas Julie não tem familiares destacados. ?Nem heróis, nem poderosos magos.


? Tem-na a você. ?OH. ?contou algumas historia. Belos e terroríficos relatos sobre demônios, deusas e bruxas. Sei que são lembranças verdadeiras, porque sinto sua sinceridade, mas os outros meninos... ?burlam-se dela porque acreditam que está mentindo. ?Sim. Estamos seguindo a situação muito de perto. Ainda não sofreu nenhum abuso, mas Julie ainda é emocionalmente uma menina... ? É uma parte de explosivo plástico com o detonador posto. ? É uma boa comparação. Tem uma faca. Fechei os olhos e contei até três. Tinha-lhe tirado tudas suas facas e a tinha registrado duas vezes antes de deixá-la ali. ?nega-se a separar-se dele. Poderíamos tirar-lhe fisicamente, mas isso multiplicaria os danos que já sofre seu ego. Seria muito melhor se o abandonasse voluntariamente e me temo que é você a única pessoa que poderia convencer a disso nestes momentos. Olhei ao relógio. Eram as onze da manhã, mas me sentia tão cansada como se fossem as seis da tarde. ?Qual é o horário da Julie para o resto do dia? Houve uma pequena pausa.

? Repasse de álgebra até a uma, segunda pausa para o almoço até a uma e meia, instrução em reabilitação oculta até lastros, estudos sociais até as quatro e arco e flecha até as cinco... ?Pratica o arco e flecha junto com os outros meninos? ?Sim. É uma atividade ao ar livre. ?Se me dava pressa, podia estar ali antes das cinco. ?Poderia me fazer um favor? Eu gostaria que dissesse a Julie durante o almoço, para que os outros alunos possam escutá-lo, que sua tia irá recolher a durante as práticas de arco e flecha. ? É obvio. Muito obrigado. ?Pendurei e vi o Jim apoiado contra o marco da porta. ?A menina está bem? ?Sim. vou recolher a. ? Enviarei a alguém contigo.


?Não necessito nenhum acompanhante. Jim apoiou as mãos sobre a mesa e me olhou fixamente. ?Sempre espero o pior. Se fosse eu, teria um modo de rastrear a meus companheiros mortos. Seguiria-os até aqui e vigiaria a casa. Seguiria-te quando saísse e cairia sobre ti quando fosse mais vulnerável, quando estivesse com a menina. Você morreria, Julie morreria e Derek morreria. Não vou dizer te como deve dirigir sua espada. Isso é teu assunto. Mas a segurança é meu assunto. Levará a alguém contigo. Meu flanco tinha deixado finalmente de sangrar. A magia do feitiço curador do Doolittle devia ter feito efeito e reparado os danos. ?Tem querosene? ?perguntei-lhe, Procurou em um dos armaritos e me ofereceu uma garrafa de combustível e uma caixa de fósforos. Aproximei-me da pia e arrojei a gaze dentro, empapei-a de querosene e lhe prendi fogo. ?De acordo. Deixa que me leve ao Rafael. ?O bouda? ?A cara do Jim se enrugou de contrariedade?. Pretende colocar a um bouda nisto? ?Nenhum de vós pode me acompanhar. No caso do esqueceste, pesa sobre ti e sua equipe uma ordem de busca e captura por parte de toda a Manada, mas Cúrran nunca daria a ordem de me capturar a mim. ? Parece estar muito segura disso. Conhecia o modo em que funcionava .a mente de Curran. Fazer que me capturassem não seria tão satisfatório como me dar caça ele mesmo. Não se negaria essa oportunidade. Não obstante, dizer isso ao Jim implicaria lhe contar toda a conversação que Curran e eu tínhamos mantido, quando me disse: «Não só te deitará comigo, mas sim antes o pedirá por favor e depois me dará as obrigado». E o das loucas travessuras matutinas. E o de lhe servir o jantar nu. Que demônios estaria pensando quando lhe dava aquele beijo? ?Eu não estou sob a jurisdição de Curran. ?Escolhi cada palavra cuidadosamente. Felizmente, o tinha tragado?. Não ostenta autoridade alguma sobre mim. Se ordenar à Manada que me detenha será acusado de seqüestrar a um agente da lei. ?O qual, sem dúvida, não deteria Curran nem um segundo?. me permita levar a bouda. ?O que te faz pensar que não nos delatará ante Curran?

?Está apaixonado por meu melhor amiga. Pedirei-lhe que me acompanhe a recolher a Julie e já está. Tecnicamente, nem sequer será consciente de que lhes está emprestando ajuda a ti e a sua equipe. Jim negou com a cabeça, mostrando seu desacordo, mas marcou o número e me passou o auricular. ? Fala você com ele.


?Pode dispor para nós uns cavalos na linha de energia do Macon? ?perguntei-lhe enquanto escutava os tons?. Um pouco bem chamativo que eu não montaria nem em um milhão de anos? ?Claro. ?encolheu-se de ombros com atitude fatalista. ?Olá? ?murmurou Rafael com voz tersa através do telefone. ?Rafael? Necessito um favor. Esperava-me junto à linha de energia, apoiado em um Jipe que tinha sido modificado para funcionar com água enfeitiçada e que parecia que tinha tentado vomitar o motor através do capô. Rafael parecia... Tinha-me deixado sem palavras. Tinha-lhe explicado meu plano por telefone e tinha vindo vestido de couro negro: umas reluzentes expulsa altas até o joelho, calças ajustadas que faziam alarde de suas pernas e uma couraça d~ couro que se amoldava a seu peito como uma segunda pele. Uma escopeta pendurava de seu ombro e uma espada de tamanho desmesurado, de um metro de comprimento e quase quinze centímetros de largura, pendia de sua cintura envolta apenas em uma vagem muito pequena, completando assim o conjunto. A espada era muito pesada para que pudesse blandirla um humano corrente e estava coberta por negras runas que percorriam a parte superior da folha. Todo isso, somado à escura cascata de cabelo negro do Rafael e a seus olhos de um azul defumado, criava um efeito devastador. Não estava segura de saber o que necessitava com mais urgência: um cirurgião cardíaco para que voltasse a me pôr em marcha o coração ou um cirurgião plástico que voltasse a me colocar a mandíbula em seu sítio. Duas garotas camioneras que esperavam seu embarque na plataforma da linha de energia não lhe tiravam olho de cima e faziam quanto podiam para não babar. Enquanto me aproximava, uma delas, uma ruiva, deu-lhe uma cotovelada à outra e disse: ? Estamos esperando uma carga de plugues de níquel do Macon. Munição. As balas eram um produto muito caro. Alguns comerciantes aceitavam balas em lugar de dinheiro e é assim como nasceu a expressão «plugues de níquel». ?Não sou um salteador de caminhos. ?Rafael as deslumbrou com um sorriso. ?É uma lástima ?repôs a ruiva?, porque tivesse deixado que assaltasse meu carregamento. Cheguei junto ao Rafael e permaneci a seu lado, antes de que as camioneras deixassem de lado qualquer reticência e se lançassem sobre ele ali mesmo, sobre a plataforma. A ruiva me olhou com suspicacia. ? Desmancha-prazeres ?murmurou. Girei-me para ela e lhe dirigi meu olhar mais letal. Ambas se afastaram para o extremo contrário da plataforma. Não as culpava, porque me tinha engalanado, mas não como Rafael, que ia reluzente. Eu tinha optado por me embelezar com um couro tratado de uma cor negra mate que engolia a luz, das pontas das suaves expulsa até os ombros, ocultos pela teatral capa negra que me tinha emprestado Jim, Parecia um borrão de escuridão com forma de mulher. Jim tampouco tinha estado muito disposto a me deixar a capa, mas não tinha outras roupas que fossem


adequadas para meu plano e tampouco tinha tempo das conseguir. Todos nós estávamos vivendo um tempo emprestado do Derek, e esse tempo se estava esgotando. A capa, junto com meu negro adorno de couro, convertia-me em algo apropiadamente ameaçador. O único que me faltava era um pôster gigante com letras de néon parpadeantes que advertissem: TI DURA. PERMANEÇA A UMA DISTÂNCIA PRUDENCIAL SE NÃO QUERER QUE LHE CHUTEM O CULO. Os lábios do Rafael desenharam um amplo sorriso. ?Se te rir, você Mato ?lhe sussurrei. ?por que leva o rifle? Todos sabem que não pode disparar. Quais eram todos e por que não ficavam diante de mim, preferivelmente a menos de três metros, para poder discutir aquele assunto com mais detalhe? ? Disparo bastante bem. ?O mau é que falhava oitenta por cento das vezes, ao menos com uma pistola. O fazia melhor com a mola de suspensão e inclusive melhor com as facas?. Sabe que as runas de sua espada não têm sentido algum? ?Sim, mas lhe dão um ar de mistério. Ante nós, a linha de energia rieló. Algumas descrições poéticas a comparavam com o tremor do ar quente que se eleva sobre o asfalto no verão, mas em realidade o efeito era mais pronunciado: um breve espasmo controlado, como se se abrisse um invisível respiradouro que arrojasse uma distorcida rajada e logo se fechasse de repente. A corrente da linha de energia não era nenhuma brincadeira. A magia fluía ao meio metro sobre o chão e sua corrente te agarrava e te arrastava com ela a uma velocidade que oscilava entre os cem e os cento e sessenta quilômetros por hora aproximadamente. Qualquer ser vivo o bastante parvo para introduzir-se na corrente teria que dizer adeus aos cotos ensangüentados de suas pernas, cerceadas por debaixo dos joelhos. A maioria da gente usava táxis de energia, toscas plataformas de madeira ensambladas, mas algo o bastante firme para suportar a uma pessoa faria o mesmo papel. Um veículo, uma tabela de surfe, um pedaço de um telhado velho. Uma vez inclusive tinha visto um moço navegando a corrente sobre uma escada dobradiça. Algo que eu não tentaria. Rafael pôs o Jipe em ponto morto e o fizemos avançar sobre a plataforma até a linha de energia. A corrente se agitou ante nós. Subi-me à cabine e Rafael se reuniu comigo um segundo depois. O veículo se deslizou sobre a linha. As mandíbulas mágicas da corrente nos apanharam e o coração me deu um tombo. O Jipe logo ficou totalmente imóvel, como se estivesse parado e o planeta rodasse tranqüilamente a seu redor para logo acelerar seu curso. Rafael tirou um livro em rústica e me tendeu isso. A coberta, feita na época em que a manipulação de imagens por ordenador se elevou à categoria de arte, mostrava um homem de rasgos


e beleza impossíveis, inclinado para o fronte, com uma de seus grandes expulsa negras sobre o corpo sem vida de alguma monstruosa criatura marinha. Seus cabelos fluíam até os ombros com um reflexo de ouro branco, em agudo contraste com sua pele bronzeada e o emplastro negro que tampava seu olho esquerdo. Tinha aberta seu branca e translúcida camisa, que revelava uns abdominais de aço e um peito enorme, perfeitamente cinzelado e bonito com uns mamilos eretos. Suas musculosas coxas faziam perigar a tensa malha de suas calças, que

tinha desabotoados e descansavam apenas sobre seus estreitos quadris, com um toque de sombra estrategicamente posicionado para insinuar a ereção maior do mundo. Sobre a coberta, umas chillonas letras douradas revelavam: O corsário da dama virgem, de Colina Sterling. ?A quarta novela da coleção do Andrea? ?supus. Rafael assentiu e me arrebatou o livro das mãos. ?Também consegui o outro que queria Andrea. Pode me explicar uma coisa? OH, tio. ?Posso tentá-lo. ?O pirata retém o irmão da chavala para pedir um resgate, assim que ela se deita com ele. ?Golpeou o livro sobre seu joelho coberta de couro?. Estes homens não são tios reais. Solo fingem ser meninos maus que esperam encontrar o amor de uma boa mulher. ?De verdade te tem lido os livros? ?É obvio que os tenho lido. ?Lançou-me um olhar de reprovação?. Vão sobre piratas e as mulheres que roubam, aparentemente para desfrutar de um montão de sexo e ter a alguém com quem compartilhar suas vidas. Latido. Devia haver-se escondido debaixo dos lençóis com uma lanterna para que ninguém chegasse a questionar sua dignidade. Ou de verdade gostava de Andrea ou nos encontrávamos ante um caso de luxúria em estado terminal. ? Esses tios, que são tão maus e agressivos como o demônio, que todo mundo se ma em cima quando os vê passar, conhecem um dia a uma garota e de repente já não são supermachos alfa, tão só meninos incomprendidos que querem falar de seus sentimentos. ? Tem algum propósito esta dissertação? ?Eu não posso ser assim. ?voltou-se para me olhar?. Se isso for o que ela quer, então não deveria nem me incomodar. ?Tem algum disfarce morboso? ?Suspirei?. De donzela francesa, de enfermeira... ?Um uniforme de estudante católica. Bingo!


?Não te importaria imaginar ao Andrea nesse uniforme de estudante católica, verdade? ?Não, não me importaria. ?Pôs uns olhos frágeis e seu olhar parecia perdida em algum lugar muito longínquo. ?Rafael! te concentre. ?Chamei sua atenção estalando os dedos. Olhou-me enquanto piscava repetidamente. ?Suponho, e isto não é mais que um espiono de luz na escuridão, que ao Andrea possivelmente não importaria se, alguma vez, vestisse-te de pirata. Isso sim, não te recomendo que seqüestre a nenhum de seus familiares para lhe pedir um resgate sexual, porque te dispararia na cabeça, repetidas vezes, com balas de prata. ? Já vejo. ?A compreensão se abriu passo nos olhos do Rafael. ?Agora que estamos com o tema, possivelmente possa me esclarecer algo você . Imagina que há um macho alfa. Imagina também que decide que gosta de uma mulher. Como faria para... cortejá-la, ganhar a Que expressão seria aqui a apropriada? ?Levar-lhe à cama? ?sugeriu Rafael. ?Sim. Isso. reclinou-se para trás no assento.

?Bom, antes tem que compreender que os bouda não são chacais, que os chacais não são ratos e que os ratos não são lobos. Cada um tem suas próprias peculiaridades. Mas, se é que há um método, tudo se reduz basicamente a demonstrar que é inteligente e bastante capaz de assegurar seu bem-estar e defendê-la a ela e a seus cachorrinhos. ?e todo isso implica o invasão de moradia? ? Vejo que Sua Majestade já tem feito o primeiro movimento. ?Um pequeno sorriso apareceu nos lábios do Rafael?. Pediu-te já que lhe prepare o jantar? ? Isto não tem nada que ver com Curran e comigo ?lhe grunhi. Soltou uma pequena gargalhada. ?Para responder a sua pergunta, sim. Implica o invasão de moradia. Do modo em que está constituída a Manada, todo o território lhe pertence como uma unidade. Há um pequeno terreno ao redor do lugar de encontro de cada clã que, tradicionalmente, constitui o exclusivo domínio do clã, como os seis quilômetros quadrados que rodeiam a casa dos bouda. trata-se de uma cortesia para que a gente do clã possa reunir-se com privacidade. Não há territórios propriedade do clã, nem territórios individuais, de modo que sua casa constitui seu território. Quando persegue uma mulher, tenta demonstrar que é o suficientemente inteligente para entrar e sair de seu território.


?Ah. ?Como hei dito, a gente faz um cortejo muito elaborado. É um motivo de orgulho e cada clã possui suas próprias tradições. Os ratos conquistam com a comida. Quando Robert, o alfa dos ratos, tentava que Thomas se fixasse nele, preencheu seu colchão do M&M'S. Algo direto, mas funcionou. Estão juntos há doze anos. Os lobos o estabelecem sobre o prestígio e a propriedade. Por exemplo, Jennifer, a loba alfa. Tem um montão de irmãs, pelo menos seis, e se reúnen duas vezes por semana para tomar o chá. São britânicas. Pois em uma dessas ocasiões mencionou a uma de seus amigas que seus pratos estavam lascados e desiguais e que necessitava uma nova baixela. Nessa época, Daniel estava cortejando-a sem trégua. E os lobos têm uma memória perfeita. Ao parecer, ele irrompeu em sua casa e substituiu todos os pratos por uma baixela antiga em perfeito estado. Ela chegou a casa, abriu todos os armários e o encontrou tudo exatamente do mesmo modo em que o tinha ordenado, cada taça, cada prato, nem sequer deslocado um milímetro. Exceto tudo era novo. Jennifer tinha deixado uma taça e um prato na pia e Daniel os substituiu e os encheu de água, tal e como os tinha encontrado. ?Rafael se encolheu de ombros?. Acredito que é um pouco seco para mim, mas as lobas estiveram entusiasmadas durante anos. Algo com tanta classe, tão elegante e tão sublime... ?Pôs os olhos em branco. ?E o que fazem os bouda? ?Não pude resistir a perguntar. ?Tentamos ser divertidos. ?Seus olhos faiscaram?. Minha mãe teve que sair da cidade e enquanto estava fora meu pai pegou todos os móveis ao teto. Imaginei a cara de Tia B ao entrar em sua casa e encontrar todos os móveis pegos ao teto. meu deus. Não pude evitar um sorriso. ?E o que pareceu a sua mãe? ?zangou-se muito pelo do gato. ?Seu pai...? ?Olhei-o com olhos exagerados.

?OH, não. ?Negou com a cabeça?. Não, não pegou o gato ao teto, isso tivesse sido cruel. Minha mãe tinha um transportín para gatos com ralo de arame e ele o pegou ao teto e colocou ao gato dentro. Vi onde queria ir parar, mas era muito gracioso para interrompê-lo, assim tentei conter a risada. ? O gato ficou feito uma fúria e começou a mijar-se por todos lados e como o transportín estava de barriga para baixo, penetrou diretamente pelo tecido metálico. O ventilador do teto estava em marcha naquele momento e sua corrente converteu todo o pis em uma espécie de névoa... Não pude evitá-lo e me inclinei para diante entre gargalhadas, enquanto Rafael sorria de brinca a orelha. ? Tentou limpá-lo, mas quase tudo tinha ido parar ao tapete. Foi um pequeno engano de cálculo por parte de meu pai. Não era muito de gatos, já sabe.


? Isso é difícil de superar ?consegui dizer finalmente. ?Já te digo. ?vais fazer algo pelo Andrea? ?estive pensando muito nisso. ?Seu rosto adquiriu um ar matreiro?. Mas teria que ser algo realmente bom. ?O que fazem os felinos? ?perguntei-lhe depois de soltar a última gargalhada que ficava. ? Os gatos são estranhos. ?Sacudiu a cabeça em clara negação?. Não há nada que contar. Sumimo-nos ambos no silêncio. ?O que tem feito Curran? ?perguntou-me finalmente. Dirigi-lhe um olhar especialmente desenhado para comunicar a ameaça de uma morte segura e imediata, mas ele a ignorou. ?Conta-me o Deve-me isso por te acompanhar nesta viagem. Curran poderia me enjaular por lhes ajudar a ti e ao gato. ?Eu não hei dito que estivesse ajudando ao Jim ?defendi. ?Vamos! Não sou idiota... ?Levantou os braços, irado?. O que tem feito Curran? ? Isto não pode sair daqui. prometa-me isso ?Ha entrado varias veces en mi casa y me ha observado mientras dormía. Rafael frunció el ceño, lo que vino a desvirtuar su atractivo semblante. limitou-se a assentir. ?entrou várias vezes em minha casa e me observou enquanto dormia. Rafael franziu o cenho, o que deveu desvirtuar seu atrativo semblante. ?Bastante singelo. Eu tivesse esperado algo mais elaborado por parte de Curran, mas isso é muito básico inclusive para ele. Fez alguma coisa estranha? Trocar algumas costure de sítio? ?Não. Seu cenho se franziu ainda mais e eu fiz repicar os dedos sobre o volante. ?O único propósito de seus atos parece ser que a mulher saiba que entrou em seu território e saiu ileso. Rafael assentiu. ?Embora não acredito que Curran planejasse que eu descobrisse que me observava pelas noites. Foi um pequeno deslize. assim, que propósito tem ser inteligente se não deixar que a mulher saiba quão inteligente é? ?Não sei. ?Rafael me olhou com impotência?. Não tenho nem idéia do que acontece sua cabeça.


Pois já fomos dois.

Capitulo 22

E1 mundo se encolheu súbitamente. A pressão oprimiu o veículo e me escorreu como se fora uma esponja. Durante um instante, senti que meus átomos se apertaram uns contra outros mais perto do que as leis da física permitiam e, de repente, a linha nos cuspiu de seu corrente. O carro avançou até deter-se brandamente, depois de ter passado junto a uma mulher de cabelo escuro que sujeitava pelas rédeas dois negros corcéis. Desci do Jipe. Eram cavalos frisones, enormes, negros, com suas onduladas crinas ao vento e jubas de um acetinado cabelo da cor da meia-noite ao longo de seus esporões. As monturas dos cavalheiros, poderosos, belos e tão impressionantes como o inferno. Obrigado, Jim. ?São para nós? ?Nome? ?A mulher me observou com evidente suspeita. ? Kate Daniels. ? Então são para ti. Este é Marcus e esta daqui é Bathsheba. ?Fico com a égua ?disse Rafael. ? Tomem cuidado com meus pequenos. ?Só vamos cavalgar três quilômetros até a escola já voltar diretamente ?lhe prometi?. Devolveremo-lhe isso em uma hora. ?Que mais? ? Em perfeito estado. Montamos. A mulher me jogou uma olhada, estudou ao Rafael e soltou um bufo. ?Deveria ter trazido uma câmara. Uma foto como esta houvesse me valido uma ascensão. Exceto a câmara não tivesse funcionado durante a quebra de onda de magia, embora era muito educada para particularizá-lo. Avançamos ao trote pelo atalho. Marcus demonstrou ser ridiculamente fácil de tratar, tão compenetrado e atento às mais mínimas indicações que parecia antecipar-se a meus pensamentos. Se me voltasse louca e decidisse comprar um cavalo, já sabia por qual me decantaria. Uns poucos minutos mais tarde avistamos a escola. Da garupa do corcel, o complexo parecia uma fortaleza, um octógono fechado por um muro de dois metros e médio que contava com uma entrada sob um arco e um restelo metálico. Um par de guardas patrulhavam o perímetro do muro e não duvidaram em levantar seus arcos de caça e nos apontar. Ante as portas, um sentinela


comprovou minha identificação durante ao menos vinte segundos. Ir vestida de negro, montar cavalos negros e levar armas também negras tinha suas inconvenientes. Finalmente assentiu. ? Estávamo-la esperando. Sua menina está ao outro extremo do pátio, para a esquerda. ?Assinalou com a mão. Apressei ao Marcus, que me obedeceu e alcançou um meio galope estrondoso. Rodeamos o edifício principal, enquanto minha capa ondulava detrás de mim de modo espetacular. Havia um grupo de uns vinte meninos situados a uma respeitável distancia dos discos pintados com raias concêntricas que constituíam os brancos, colocados perto do muro. Quatro deles apontavam com os arcos para os alvos, enquanto o resto aguardava de um modo um tanto disciplinado e

pacífico ao redor de um enorme olmo sob o olhar atento de um homem corpulento em cota de malha e de uma pequena mulher moréia. Citlalli, a conselheira. Perfeito. Os meninos nos viram e ficaram muito quietos. Esquadrinhei ao grupo até dar com uma menina de loiros cabelos, ainda muito baixa e muito magra para seus treze anos. Essa era minha garota. Sozinha, detrás de outros. Detivemo-nos ante o grupo. Marcus corcoveou, descontente por ter detido seu galopar. Tentei manter um aspecto apropiadamente letal, enquanto Rafael, a meu lado, lançava olhadas iracundas, com seus olhos banhados por um furioso resplendor vermelho rubi. Os meninos empalideceram e as meninas tentaram corajosamente não deprimir-se. Julie finalmente despertou de seu estupor e se abriu passo a cotoveladas até chegar ante mim. Dirigi-lhe um olhar implacável e ela se estremeceu. ?A faca ?lhe exigi. Procurou no interior de suas roupas e tirou uma de minhas negras adagas arrojadizas. Maldita seja. Tinha-as contado o outro dia e tivesse jurado que estavam todas. Rezei para que Marcus ficasse quieto, tomei a adaga que sua mão me tendia, ergui-me sobre a cadeira de montar e a lancei, todo isso em um único e fugaz movimento. A adaga se cravou na casca do olmo, com a metade da folha incrustada. Alguém sufocou uma exclamação. ? Poderá tê-la quando lhe gradúes. ?Sim, senhora ?se resignou Julie. Tinha-me chamado senhora. Temi-me que o céu se abrisse e que surgissem os quatro cavaleiros do Apocalipse, mas por alguma estranha razão se negaram a aparecer. ? chegou a meus ouvidos que estiveste falando de certos assuntos. ? Sinto muito, senhora. ?Tenho que te recordar que assinou um acordo de confidencialidade com a Ordem? ?O rosto da


Julie era a pura expressão do remorso. ?Assistir a esta escola foi fruto de sua eleição. Se descobrir de novo que divulgaste informação classificada, tirarei-te daqui a rastros e te meterei na Academia da Ordem antes sequer de que possa piscar. Fica claro?

?Sim, senhora. ? Julie se quadrou marcialmente. ? vais vir comigo. ?Devo agarrar minhas coisas? ?Não, não temos tempo. A Manada requer sua assistência imediata. ? Derek requeria sua imediata assistência. Esse era o sinal convindo para que Rafael desmontasse, o que fez com um garbo imponente. aproximou-se até a Julie e inclinou sua cabeça como saudação em uma ligeira reverência. ?Julie. O Senhor das Bestas se pergunta se te encontra bem. ?Estou bem. Por favor, transmite a Sua Majestade meu agradecimento por sua consideração. ?A menina lhe devolveu uma pequena reverência. ? Pode lhe dar as obrigado você mesma. Estará mais que agradado de verte.

Rafael se inclinou para ela, lhe oferecendo a palma de sua mão, e ela não duvidou nem um segundo. Apoiou um pé em sua mão e permitiu que a içasse até a garupa do Marcus, detrás de mim. Seus braços fracotes me rodearam a cintura.

Rafael nos adiantou e saltou sobre seu cavalo. Demos a volta a nossas monturas e nos partimos ao galope. Atravessamos as portas, descendemos pelo atalho, giramos até perder de vista os muros da escola e reduzimos a velocidade até alcançar um trote ligeiro. ? foi o mais genial que vi nunca ?disse Julie sem fôlego. ? Isso acabará com sua reputação guia de ruas, mas a partir de agora deverá continuar você. Não posso aparecer de um nada e afligir a seus companheiros de classe com rudeza cada vez que alguém se comporte como um imbecil. Agora, se alguém te perguntar sobre o que passou, ficará séria e lhe dirá que não pode falar disso. A gente não suporta que alguém saiba algo que desconhecem. Isso os voltará loucos. ?Obrigado. ?Espremeu-me um abraço. ? Em realidade necessito sua ajuda.


?O que acontece? ? Derek está em um apuro. ?Não ?sussurrou, e me abraçou mais forte.

Capitulo 23

Julie chorou. ajoelhou-se junto ao destroçado corpo do Derek e chorou desconsolada enquanto suas silenciosas lágrimas se deslizavam por suas bochechas, Espere a seu lado, porque precisava tirá-lo tudo. Doía olhar ao Derek e ela tinha que suportá-lo ou, do contrário, não seria capaz de lhe oferecer sua ajuda. Uns cinco minutos depois, Julie se incorporou e se passou o dorso da mão por debaixo do nariz, assim que lhe ofereci um lenço, com o que se enxugou os olhos e se soou o nariz. ? De acordo ?assentiu. Jim e Doolittle, que permaneciam na soleira, aproximaram-se de nós. Pude sentir a outros na penumbra, observando. Rafael era um deles. Tinha-lhe explicado que ao me ajudar se convertia em meu cúmplice e isso podia lhe custar o castigo de ser arrojado em água fervendo, mas se tinha limitado a sorrir e a nos seguir a Julie e a mim até a casa. Ele e Jim tinham falado um par de minutos e, depois, lhe permitiu entrar. Jim se acuclilló junto à Julie e abriu uma lata de bolachas. Em seu interior, sobre gazes brancas, havia dois pequenos fragmentos de cristal amarelo pálido, um do cadáver de quatro braços com o que Dali tinha tropeçado e outro extraído da vítima do Saiman. Doolittle tinha encontrado o segundo pedaço pequeno durante a autópsia, dentro do braço do Colhedor. Ele e Jim trataram de me explicar no que se converteu o cadáver depois de lhe retirar o fragmento, mas não pude me fazer uma idéia. Ao parecer, tampouco eles, porque colocaram os despojos em uma bolsa para cadáveres, esconderam-nos em algum lugar do porão e me dissuadiram com todas suas forças quando pretendi lhe jogar uma olhada. Julie agarrou um dos fragmentos e se concentrou, com o olhar fixo no minúsculo pedaço pequeno de cristal amarelo. Observou-o durante um momento, depois o voltou a deixar na lata e dirigiu seu olhar para o corpo lhe jazam.

?Aqui. ?Seu magro dedo assinalou a ferido gravemente coxa do Derek. O escalpelo lançou um brilho entre os escuros dedos do Doolittle. Fez uma incisão limpa, abriu-a


com os dedos e introduziu uns fórceps arteriais no corte. Contive a respiração. Quando extraiu os fórceps, um fragmento de cristal ensangüentado brilhava sob a severo luz do abajur. ?Obrigado, Jesus ?disse Doolittle enquanto depositava o fragmento no interior da lata. acabou-se. Por fim. ? Aqui. ? Julie assinalou o flanco esquerdo do Derek. Doolittle duvidou. ?Corta aqui. ?O pálido dedo acariciou as costelas do Derek. O médico cortou de novo. Outro fragmento de cristal foi reunir se com o primeiro. ?Aqui. ?O dedo apontou ao centro do peito, onde a escura cicatriz da queimadura percorria seus peitorais. Joder, quantos fragmentos de topázio lhe tinham introduzido? Doolittle fez outra incisão. ?Nada. ?Mais profundamente ?lhe indicou Julie, Do corte brotou um sangue escuro e eu me estremeci. ?Aqui está ?disse Doolittle depois do que me pareceu uma eternidade, e escutei o leve som do pedaço pequeno de cristal ao cair sobre a lata. ?Há mais? ?perguntou Doolittle. ?Não ?respondeu Julie. Voltei a olhar, mas nada tinha trocado. Derekyacía imóvel. ? e agora o que? ?Agora esperamos ?asseverou Doolittle. Sentei-me na escuridão, em uma cadeira baixa, observando ao Derek. Tinham transcorrido três horas desde que Doolittle lhe tinha retirado os fragmentos e Derek não se moveu sequer. Seu corpo não mostrava a mais leve alteração. Na habitação ao outro lado do corredor, Doolittle dormia em uma poltrona reclinável, com o rosto gasto, exausto inclusive em sonhos. Tinha permanecido acordado durante dois dias, tentando manter com vida ao Derek, mas se sentia tão impotente que finalmente o deixou por impossível. Durante a primeira hora depois de que Julie encontrasse os fragmentos, esperamos nervosos, ao bordo de nossos assentos. Depois, a esperança se converteu lentamente em desânimo. Vi como o desespero consumia ao Doolittle, até que se deu por vencido, abandonou sua vigília e partiu da câmara. Tinha-lhe jogado uma olhada ao ir ao banho: estava desabado na poltrona, profundamente sumido em um sonho. Julie apareceu na entrada, levando duas taças. aproximou-se, passou-me uma delas e se sentou a meus pés. Dava um gole ao conteúdo da taça. Era chá quente, com limão. Tinha-lhe ensinado a prepará-lo adequadamente. e, ao parecer, tinha funcionado.


?por que há uma jaula? ?perguntou, enquanto assinalava o buraco no chão onde os barrotes de prata e aço brilhavam fracamente?. estive a ponto de cair dentro. ?É uma jaula para lupos. Há uma em cada casa franco dos cambiaformas, solo no caso de. ?Se Derek se convertia em lupo, Jim e Doolittle quereriam contê-lo rapidamente. Não era um pensamento que me agradasse considerar e, certamente, não era um pensamento que queria compartilhar com a Julie. ?Como lhes conheceram? ?perguntou em voz baixa.

?O que? ?Derek e você. Como lhes conheceram? A verdade é que não tinha vontades de falar daquilo. Entretanto, era melhor que me desfrutar em meu desespero. ? Estava procurando o assassino do Greg. A Ordem me tinha feito entrega do último expediente no que estava trabalhando meu guardião, e eu segui seus passos, tratando de descobrir por que o haviam assassinado. Suas investigações me conduziram até a Manada. Não me dava conta até então, mas Greg tinha colaborado muito estreitamente com a Manada. Entre ele e os cambiaformas se estabeleceu uma relação de confiança mútua. Mas eles não sabiam nada sobre mim e eu tampouco sabia nada sobre eles. Quão único sabia era que ao Greg o tinha despedaçado alguém com garras. Tomei um sorvo de chá. ?Eu tinha acesso ao Jim, dado que tínhamos trabalhado juntos para o Grêmio, e Jim pôs em antecedentes a Curran sobre minha investigação. Curran decidiu averiguar o que eu sabia e fez que Jim arrumasse um encontro. De todos os sítios possíveis, teve que ser no Unicórnio, e não foi nada bem. ?Que grande surpresa. ? Julie exalou um pequeno bufo. ?Sim. Agora, ao voltar a vista atrás, dou-me conta de que foi uma prova. Sua Peluda Majestade estava tratando de avaliar de que massa parecia e eu o demonstrei. ?Encolhi-me de ombros?. Vive e aprende. evitaram-se muitos problemas se não me tivesse escondido na escuridão e me tivesse ocorrido dizer: «Aqui, gatinho, gatinho». O que passou depois?


?Ao final, a Manada convidou a um de seus encontros para discutir o assunto em maior detalhe. Já viu como tratam aos estranhos. Primeiro remoem e logo pedem desculpas. Levaram-me a sua Fortaleza em metade da noite e me conduziram clandestinamente até seu grande salão. Caminhei até seu interior e me encontrei com o meio milhar de cambiaformas que não estavam nada contentes de me receber ali. ?Estava assustada? ?Tão assustada que tivesse explorado. Nesse momento me dava conta de que se não podia conseguir que a Manada colaborasse comigo, as coisas me resultariam muito mais difíceis. Tinha passado de ser um mercenário sem nomeie a fazer entendimentos com o líder da Nação e com o Senhor das Bestas, e me via totalmente transbordada. Não estava acostumada a aquilo. ?Sei o que quer dizer ?murmurou Julie?. Faz-o o melhor que pode e quão único consegue é te sentir estúpida. Todo mundo parece conhecer algum secreto que você ignora e isso lhes faz parecer melhores que você. ? Tão malote é a escola? ?Alarguei o braço e lhe acariciei o cabelo. ?Às vezes. Normalmente está bem, mas há algumas pessoas que fazem coisas que não estão bem e, se os chamas a atenção, fazem-lhe sentir que não encaixa ali, com outros. ?Fechou as mãos até formar dois punhos e, com os dentes apertados, acrescentou?: Fazem-me sentir fatal. Se estivéssemos nas ruas, daria-lhes uma boa, mas se lhes pego isso significará que não posso ganhar seguindo suas absurdas regras.

?Bom, então sabe exatamente como me senti. ? Podia entender suas vontades de golpear. Golpear era fácil. Entretanto, o humor inteligente e lutar com arrevesadas meias verdades e feitos que bordeaban a mentira era o que me fazia querer escapar de minha próprio pele. ? E o que fez? ?Abri-me passo através do salão e então um grupo de jovens cambiaformas se interpôs em meu caminho. Começaram a uivar e a colocar um montão de ruído, mas sabia que Curran lhes· tinha ordenado ficar ali para ver o que faria eu nessa situação... Um deles avançou e me tocou, assim pronunciei uma palavra de poder, passou a estar sob meu controle e lhe ordenei que me protegesse de outros. ? Era Derek ?supôs Julie. ?Sim. Então todo se complicou, porque Curran pensou que o tinha desafiado ao lhe arrebatar um de seus lobos... ?Fiz um gesto com a mão?. Ao final, Derek fez um juramento de sangue para me proteger gesso evitou que Curran tivesse que matá-lo. Agora já está liberado desse juramento,


mas já sabe como é. Decidiu que eu era responsabilidade seu e eu me sinto responsável por seu pobre culo... Com um grito rouco, Derek se agitou incontrolablemente e se arrancou as vias intravenosas dos braços. ?Traz para o Doolittle! ?exclamei enquanto me equilibrava sobre o tanque. Umas mãos retorcidas me sujeitaram e na cara destroçada se abriram dois olhos desenquadrados. Arranhou-me, retorceu-me os braços, sem deixar de proferir gritos agonizantes. ?Está a salvo ?lhe gritei ao ouvido?. Está bem, está bem... Sua pele se encheu de protuberâncias, a ponto de rasgar-se. O escuro talho de sua boca se abriu. ?Me dueeele! Dói-me! Nesse momento apareceram Doolittle, com uma seringa de injeção, e Rafael, que sujeitou com seus largos dedos as bonecas do Derek, tocando os pontos de pressão para conseguir que me soltasse, mas Derek se agarrou a mim com uma ferocidade se desesperada. A força de seus braços fez que perdesse o equilíbrio e me arrastou até o tanque. aferrou-se a meus ombros e me arrancou a pele. ?Dói! ?Solta-a! ?Doolittle cravou a agulha no braço do Derek, sem obter nenhum resultado?. A dor é muito intenso. está-se convertendo em lupo! Rafael lutou com os braços do Derek, tentando separar os de mim, mas este me agarrou com mais força se couber. Doolittle deixou cair a seringa de injeção e apanhou a boneca esquerda do Derek. As presas surgiram entre seus lábios desfigurados. ?Solta-a! ?gritou Doolittle. Alguém introduziu uma grande parte de carne crua e ensangüentada na boca do Derek, que imediatamente me soltou e sujeitou a peça de carne para proceder a rasgá-la, salpicando sangue e partes de carne por toda parte. Finalmente consegui sair do tanque. Ao outro lado do recipiente, Jim agitou outro lombo cru diante do Derek, que o arrancou dos dedos e o destroçou de modo frenético. A melodiosa voz do Jim era doce como uma canção de ninar. ?Come, lobo, come. Agora está a salvo. Isso, come. Deixa a loucura atrás.

O ser terrivelmente golpeado que era Derek grunhiu e se meteu a carne na boca. Os sons inquietantes e assustadores de um depredador alimentando-se encheram a estadia. Sacudi-me a


porcaria verde que me cobria os braços e pude ver a Julie na porta, pálida como um espectro, com os olhos fixos no Derek. Jim a apartou, saiu da habitação e voltou com um recipiente cheio de carne picada para hambúrgueres, que deixou no chão. Derek ficou a quatro patas. Suas pernas rotas se vieram abaixo e se estampou de bruces contra a carne. Encaminhei-me para a porta e agarrei a Julie pelo ombro. ?Não ?disse, apartando minha mão. ?Não precisamos ver isto. Na esquina, Doolittle agarrou uma pesado maleta de couro, deixou-o sobre a mesa e o abriu. Ordenadas em fileiras, as folhas de metal apanharam o brilho da luz. ?Mas... ?Não. Tirei-a da habitação de um empurrão. Rafael fechou a porta atrás de nós e me ajudou a me levar a chorosa Julie dali. Os armários da cozinha continham um montão de potes de madeira identificados mediante etiqueta adesivas escritas à mão. O pote etiquetado como AÇÚCAR continha farinha. No que punha FARINHA havia um montão do Chile em pó, que me fez espirrar. No bote em que punha PIMENTA havia uma Smith&Wesson M&P 45 E grunhi. Tinha-me ficado dormida junto à Julie no sofá e me tinha despertado cinco horas depois, incapaz de formular o mais mínimo pensamento racional a causa da dor de cabeça. ?Buscas algo? ?perguntou-me Dali, que acabava de entrar do corredor. ?Não, estou dançando o cancán. ?O que pergunta mais tola... ?Importaria-te preparar café enquanto dança??Dali me olhou enquanto piscava repetidamente?. Posso cheirá-lo na estantería inferior, no primeiro ou o segundo bote à esquerda. Abri o primeiro bote e olhei em seu interior. Café, embora na etiqueta se lia BÓRAX. ?O que acontece as etiquetas? Dali se encolheu de ombros. ? Está em casa de um felino cujo cometido é espiar. Pensa que é inteligente. Eu que você tomaria cuidado com a gaveta do faqueiro. Poderia haver uma bomba. Tirei uma pequena panela e pus o café a ferver. ?Como está Derek? ?Não sei. A porta segue fechada. estiveram dentro durante horas. O café fez espuma. Separei-o do fogo uns segundos e voltei a pô-lo, até que entrou em ebulição de novo.


?Tenho descoberto algo mais sobre a jóia. ?Dali me trouxe as taças. Verti o café na sua enquanto Dali me observava fazê-lo. ?A mim sempre me cai a metade ?disse?. Sempre se escorre por um lado da panela. A destreza manual, o único no que era boa. ?O que tem que a jóia? ?Um par de textos antigos mencionam que o Rudra Mani tem o poder de acalmar às bestas e eliminar o sofrimento de um homem.

Um significado mais profundo se ocultava naquela descrição: o poder de suprimir a natureza animal de um cambiaforma e mantê-lo encerrado em sua humanidade. ? E o faz? Quero dizer, elimina o sofrimento? ?Ter um parecido desses pedacinhos é como se tivessem talhado uma parte de ti. ?Inundou o olhar em seu café?. É uma sensação horrível. Preferiria que me matassem. Isso faria eu na mesma situação. Era algo similar a renunciar a minha magia. Odiava ao homem que me tinha entregue isso. Alguns de seus aspectos me repugnavam e os rechaçava, mas era uma parte de mim. Com ela, sentia-me completa, para bem ou para mau. Usar a magia me tinha convertido na pessoa que estava destinada a ser. Negar uma parte de ti mesmo solo podia te conduzir à loucura. ? Rudra é um dos nomes da Shiva ?acrescentou Dali?. Significa «rigoroso» ou «inflexível». O que apropriado. Isso eram os cambiaformas, uma flexão entre o animal e o homem. A gema os obrigava a ser uma coisa ou a outra. Tinha pensado nisso enquanto voltávamos com a Julie, nos transportando mediante a linha de energia. Naquele momento, estava muito intumescida para me preocupar com o Derek. Tinha-lhe explicado sua estado a Julie e tinha sido como abrir uma velha ferida. Ao princípio havia sentido o agudo flagelo da dor de uma crosta ao ser arranco, e tinha sangrado, mas logo a ferida se adormeceu. Por outro lado, pensei na Ordem, no Ted e na firme crença de sua incapacidade para o compromisso. Ted queria, a toda costa, que os humanos seguissem sendo humano. Uma escura tempestade tomou forma no horizonte de minha mente, com o Rudra Mani firmemente ancorado em seu epicentro. ?O nome do Sultão da Morte te resulta familiar? ?perguntei-lhe. Dali fez uma pausa para considerá-lo e negou com a cabeça. ?Não tenho nem idéia de quem é. Isso me recordou que ainda não tinha comprovado os resultados das análise da prata fundida que os rákshasas tinham vertido sobre o rosto do Derek. A magia se desvaneceu enquanto dormia,


assim desprendi o telefone e pude escutar o sinal de marcar. Por fim. O telefone era um desses artefatos erráticos que às vezes funcionavam durante a supremacia da magia. Muita gente não tinha nem idéia de como podia funcionar. Para eles, era algo quase mágico, e às vezes as quebras de onda de magia compartilhavam essa visão. Marquei o número da casa do Andrea e esta me respondeu ao segundo timbrazo. ?Olá ?me saudou. ?Olá. ? Tenho os resultados aqui mesmo ?me disse, sem o menor rastro de humor em sua voz?. Não é prata, é electrum. O electrum, uma liga natural de prata e ouro com um pouco de cobre, possuía um incrível potencial mágico. Também era extremamente tóxico para os cambiaformas. ?Não possui a fila suficiente para saber o resto e eles não lhe contarão ?acrescentou isso?, assim que o farei eu. Esta liga em particular é muito antiga e extremamente venenosa para os cambiaformas. Já sabe o alta que é minha tolerância à prata, mas este material não posso sequer tocá-lo, Kate. Recorda o acordo ao que chegamos durante a erupção? ?Sim. ?Tínhamos acordado que eu nunca revelaria à Ordem que ela era um híbrido e ela nunca desvelaria que eu possuía a suficiente informação específica sobre o Roland para provocar uma apoplexia coletiva em toda a Ordem.

?Só há uma pessoa que tenha acesso a esta liga em grandes quantidades. Seu composição é muito específica. Tem... ? Cinqüenta por cento de ouro, o quarenta e cinco por cento de prata, três por cento de cobre e o resto é uma mezda aleatória de lixo. ?Sim. tratava-se do electrum de Sejamos, procedente da cunhagem de moedas em uma pequena ilha grega do norte do mar Egeu ao redor do ano 600 D.C. Me deu um tombo o coração. Nesta ocasião, a lógica tinha perdido a partida e meu irrazonable paranóia tinha triunfado. ? Então suponho que sabe o que significa ?concluiu. ?Sim. Obrigado ?lhe disse. ? Tome cuidado. Pendurei. Roland. Solo ele possuía uma grande reserva do antigo electrum de Sejamos. Sem dúvida o


entesourava para usá-lo com moderação, possivelmente para fabricar balas ou estacas, mas em lugar disso os rákshasas tinham fundido o lote completo para arrojar-lhe à cara ao Derek. Uma estupidez. Não cabia dúvida. Roland era o Sultão dos Mortos. Se continuava lutando contra os rákshasas, entraria em confrontação com seus agentes e seria descoberta. ?Encontra-te bem? ?perguntou-me Dali. ?Nunca estive melhor ?lhe respondi. Uma ira ardente me consumiu. Se era descoberta, lutaria com ele até o final com todos os recursos a minha disposição, tal e como tinha feito minha mãe. Estava cansada até a medula da paranóia e do pânico. Era um pensamento irracional, totalmente idiota, e me deleitei com ele. Jim subiu pelas escadas. ? Está acordado e pode falar ?anunciou. Abandonei o café e me precipitei para o porão.

Capitulo 24 Estava sentado na cama, com as pernas cobertas por um lençol azul. Era humano e a cor tinha voltado para seu tom de pele normal. Seu cabelo ainda era castanho escuro, mas isso era tudo o que ficava do antigo Derek. Seu rosto tinha perdido sua simetria perfeita. Suas linhas, tão nitidamente definidas antes, espessaram-se e se feito mais duras. Seus rasgos tinham ganho uma áspera rudeza e desde seu lábio superior até a linha de nascimento do cabelo, sua cara parecia ligeiramente irregular, como se os ossos quebrados de seu crânio não tivessem soldado bem. Antes, se tivesse entrado em um bar chungo, alguém lhe teria assobiado e lhe haveria dito que era muito bonito. Agora a gente permaneceria com o olhar fixo em sua bebida e lhe sussurraria ao do lado: «É um menino que sofreu terríveis experiências».

Levantou o olhar e seus olhos de veludo escuro me contemplaram. Normalmente, um brilho de humor pícaro se ocultava depois da solene compostura de um lobo da Manada, mas agora já não estava. ? Olá, Kate. Seus lábios se moveram, mas me levou um segundo conectar aquela voz grave, áspera, com a boca do Derek. ?Tem as cordas vocais danificadas? ?perguntei-lhe. O assentiu.


?É permanente ?acrescentou Doolittle em voz baixa. Saiu da habitação e fechou a porta, para nos deixar ao Derek e a mim a sós. Sentei-me no bordo de sua cama. ? Sua voz soa como a de um valentão profissional ?lhe disse. ? Também tenho esse aspecto. ?Sorriu, e o efeito foi arrepiante. ?Há algum lugar onde seja seguro golpear? ? Depende de quem vá golpear. ?Eu. ? Então não. ?Fez uma careta de dor. ? Está seguro? Tenho um montão de lastro que soltar dos dois últimos dias. ?Minha voz se quebrou e me esforcei por recuperar o controle. ? Totalmente. Toda minha culpabilidade, todas minhas preocupações, toda a ansiedade, a dor e os remorsos, tudo o tinha embalado cuidadosamente e o tinha deixado de lado no mais recôndito de minha mente para poder seguir em pé, mas se inchou até o ponto de exercer uma insuportável pressão. Lutei por contê-la, mas era como tentar pôr freio à maré e tudo o que consegui foi um espiono de alívio. Meus sentimentos transbordados superaram minhas defesas e me alagaram. Minha coluna vertebral se converteu em algodão molhado. Envolvi-me estreitamente com os braços para tratar de me manter erguida e não me desabar. Um nó compacto e ardente me oprimiu a garganta. Os batimentos do coração de meu coração retumbaram sordamente. Doía, realmente doía, e nem sequer podia entender de onde procedia essa dor. Solo sabia que me doía tudo, uma dor fria e ardente de uma vez. Tive que me obrigar a apertar os dentes para que não tocassem castanholas. ?Kate? ?Alarmada-a voz do Derek exigia minha atenção. Se tão solo pudesse falar, estaria bem. Tivesse-me gostado de chorar. Necessitava, procurava desesperadamente uma liberação, mas meus olhos permaneciam secos e a pressão continuava em meu interior, com seu flagelo de dor. Derek se inclinou para mim. Tinha empalidecido e sua nova tara estava rígida como uma máscara. ?Sinto muito. Reclinou sua frente contra meus cabelos e rodeou meus ombros com seus braços. Fiquei suspensa em meu próprio mundo de dor, como uma bolinha de pó em uma tormenta. ?Não pode me fazer isto outra vez. ?Minha voz soou oxidada, como se não a tivesse utilizado durante años?c. Não pode me dizer que tem problemas e logo não permitir que te ajude, que faça algo. ?Não o farei. ?Não posso suportar a culpabilidade.


?Prometo-te que não o farei. Todas as pessoas que me importavam morriam, violenta e dolorosamente. Minha mãe morreu ao lhe cravar ao Roland uma adaga em um olho, porque pretendia me matar. Arrebataram-me isso antes sequer de que tivesse a oportunidade de recordá-la. Meu pai morreu em sua cama, nem sequer sei' como nem por que. Tinha-me enviado a um treinamento de sobrevivência de três dias em metade dos bosques, com uma faca como único companheiro. O fedor a putrefação golpeou a dez metros da porta dianteira. Encontrei-o em sua cama. Estava inchado, sua pele se encheu de ampolas que exsudavam fluídos sobre seu corpo. estripou-se a si mesmo e ainda sustentava em sua mão a espada. Eu tinha quinze anos. Greg morreu em uma missão... Tínhamos tido uma briga umas semanas antes de sua morte e não nos tínhamos separado em bons términos. Foi despedaçado, com o corpo tão destroçado como se tivesse passado por um ralador de queijo. Bran foi apunhalado pelas costas. Era quase imortal e, entretanto, morreu entre meus braços. Tentei mantê-lo com vida tão desesperadamente que estive a ponto de trazer o de entre os mortos. Era como se a morte me perseguisse, como um cruel e covarde inimigo que se burlasse de mim enquanto roía os borde de meu mundo e roubava a aqueles que me importavam. Não só os matava, mas sim os destruía totalmente. Cada vez que me distraíra, arrebataria a outro de meus amigos e o aniquilaria. Derek tinha encaixado nesse patrão à perfeição. Uma parte de mim tinha sabido, com absoluta certeza, que morreria como os outros. Tinha-o imaginado tão graficamente que podia lombriga a mim mesma diante de seu cadáver, mas explicar todo aquilo seria uma tarefa tediosa e não isenta de dor. ?Pensei que morreria ?pinjente simplesmente?. Pensei-o. Sinto muito. Estivemos ali sentados um comprido momento. Quando finalmente se acalmou a tempestade de meu interior, saí de minha prostração, Derek me soltou, apartou-se e ocultou sua cara. Para quando voltou a me olhar, tinha recuperado toda sua compostura de lobo da Manada. ?Somos tipos duros. ?Sim, somos ossos duros de roer ?disse com uma careta. ? me fale da garota. ?Seu nome é Olivia ?disse?. Livie. Conheci-a nos Jogos. Se escabulló quando começaram os combates e falamos. É jovem e seus pais têm dinheiro. Querem-na, mas ela não era feliz. ?Uma pobre menina rica? ?perguntei. Ele assentiu.


? Livie nunca conheceu seu verdadeiro pai. Sua mãe se casou com seu padrasto quando ela tinha dois anos. Diz que sua mãe a vestia como uma boneca. Ambos a tratavam como se fosse feita de ouro, como se fora especial, mas quando cresceu foi consciente de que era bonita, mas não tão especial: não era tão inteligente, nem tinha talento, nem estada dotada com poderes mágicos. Disse-me que se inventou histórias sobre seu verdadeiro pai, que seria um príncipe mágico. ?Queria ser mais do que era em realidade? ?supus. Derek assentiu de novo. Tinha que ser duro crescer acreditando que foi uma estrela e te estampar de cara com a realidade, descobrir que tão solo seus pais lhe consideravam especial.

?Conseguiu um noivo rico e «especial». Nem sequer gostava de muito, mas a tratava como se ela pudesse caminhar sobre as nuvens, igual a tinha feito sua mãe. Levou-a aos jogos e ali se toparam com os Colhedores, quem a reconheceu. Jim diz que já sabe o dos rákshasas. Bom, pois eles disseram ao Livie que era metade rákshasa, que se se unia lhe permitiriam acontecer o ritual e desencadeariam seus poderes, que seria capaz de trocar de forma e voar, como eles. Solo havia uma pega: uma vez que o ritual tinha dado começo, não podia' deter-se. ? e ela acessou? ?Meu estômago se contraiu por causa das náuseas. ?Sim, acessou. ?Derek fez uma careta?. Disse que flauta voltar para as discotecas onde estavam acostumadas ir seus amigas e lhes mostrar seus novos poderes. ?Uma idéia superficial e estúpida. ? Sei. ?Fez um gesto de assentimento. ?completou o ritual? ? Ainda não. É comprido e complexo, leva várias semanas. Começaram por coisas insignificantes, como matar alguns animais, e ao princípio gostou. Sei pelo modo em que me contou isso: sentia-se excitada, orgulhosa de si mesmo. Pensou que era uma garota dura. Mas as coisas ficaram logo bastante feias. ?Como de feias? ? Obrigaram-na a cometer atos terríveis. ? Derek se encolheu de ombros?. Alguns podiam ter tido um propósito, mas outros... Fizeram-na torturar a outros rákshasas que deviam ser castigados. Em realidade, não sei se o ritual servia para liberar seus poderes. Acredito que solo estava concebido para que eles desfrutassem ao assistir a sua progressiva perversão. Até que decidiu que não podia seguir adiante. ? Mas não havia uma via de escapamento ?acrescentei. ? Em efeito. Ela me pediu ajuda: Prometi-lhe que faria o possível, mas eu sozinho não seria capaz. Tínhamos que fazer um intercâmbio para que a Manada se visse envolta no assunto. Ela


acessou a nos contar tudo o que sabia sobre os rákshasasy o Diamante. Disse que um homem misterioso tinha chegado a um acordo com eles. Pretendem conseguir o Diamante Lobo e usá-lo contra a Manada. Livie nos houvesse o contando tudo se a tivéssemos tirado dali. ?Deixou escapar um fundo suspiro?. O resto já sabe. fui contar se o ao Jim, mas me cortou em seco e se negou rotundamente. Vi-me obrigado a ir a casa do Saiman para roubar as entradas, entreguei-te a nota, preparei um transporte e me encaminhei ao lugar proposto para recolhê-la. Quando cheguei ali, eles me estavam esperando. Ao menos, organizei uma boa briga. ? Ela estava ali? Assentiu. ?O que fez? ?limitou-se a olhar ?respondeu. ?Não tentou te ajudar? Não protestou? Sacudiu a cabeça em uma óbvia negação. ? me fale da briga. ?equilibraram-se sobre mim, quatro contra um. Ao primeiro murro, já tinha dois fragmentos da pedra incrustados. Então chegaram mais. Cesare, o grandalhão tatuado, fiscalizou-o tudo. A tinta se desliza por seu corpo e se retorce até converter-se em serpentes de várias cabeças.

Quando remoem, queima como o gelo. Não há muito que contar: briguei, perdi e experimentei uma dor atroz. Cesare estava morto. ?Vai detrás da garota? ?perguntei-lhe, embora já conhecia a resposta. ?logo que recupere minhas forças, o que não deveria atrasar-se muito. Doc diz que o vírus de meu corpo foi suprimido mas inclusive se multiplicou enquanto tinha os fragmentos alojados em meu interior. Agora me estou curando a uma velocidade recorde. Poderei caminhar em umas poucas horas. ?Entende que ela não te ama? ?Mantive a voz serena. ?Sei ?disse, e tragou saliva?. Para o rito final, tinha que devorar um menino humano. Sei que o fará porque é débil E então já não haverá volta atrás. ?Se sua situação fora a inversa, ela não faria o mesmo por ti. Está-te utilizando. ?Não importa o que ela faça. Solo importa o que eu faça. Estava-me citando! Genial. É difícil discutir contra suas próprias palavras. Temia o que ia dizer lhe a seguir, mas tinha que fazê-lo.


?Resgatar a ela não vai devolver à vida a suas irmãs ?asseverei, e Derek se encolheu de dor. ? Então era débil e não pude fazer nada. Tentei-o, mas não pude. Agora sou mais forte. Aí radicava tudo. Esteve quatro anos apanhado em uma casa com um pai que se transformou em lupo e que violou, torturou e devorou a seus filhos um após o outro, sem que Derek pudesse fazer nada por evitá-lo. Viu suas irmãs na cara do Livie. Não podia ignorá-lo tanto como eu não podia ignorar minhas dívidas de sangue. Persistiria em seu empenho até que os rákshasas o matassem. O inválido decidiu que queria mobilidade, assim que lhe cedi meu ombro para que se apoiasse nele. Juntos empreendemos a viagem até a cozinha, onde Jim, Dali, Doolittle e Rafael comiam biscoitinhos de chocolate. Dali, sentada junto ao Jim, emprestava atenção a outra taça de café. Ao outro lado da mesa, Rafael brincava com uma faca de carne. A sua direita, o bom doutor parecia um homem que acabava de correr uma maratona e ao que, chegado a meta, dizem-lhe que tem que voltar a corrê-la. Viu o Derek e seus olhos se exageraram. ?me ajude, Meu deus. vou ter que te matar eu mesmo, menino. O que faz fora da cama? Derek lhes ofereceu um amplo sorriso, Dali se estremeceu e os olhos do Doolittle se exageraram ainda mais. Jim permaaneció em silêncio, com atitude estóica, e Rafael se limitou a sorrir. Ajudei ao Derek a sentar-se em uma cadeira. ?por que sempre lhes reúnem na cozinha? ? É onde há comida ?argüiu Dali, encolhendo-se de ombros. ? Temos que conseguir o Diamante. ? Jim me dirigiu um olhar inquisitivo. ? Estou de acordo. O Diamante é muito perigoso para a Manada. Os rákshasas pretendem usá-lo como uma arma em seu contrário. ?Agarrei uma bolacha de seu contrabando?. Temos que obter o Diamante. E a cabeça do Cesare. Todos me olharam, surpreendidos. ?por que a cabeça? ?perguntou Doolittle. ? Porque é mais fácil de transportar e posso torturá-la durante muito tempo. ?Não o havia dito em voz alta, verdade? Ao ver suas caras, pude apreciar que sim o tinha feito. ?Como torturas uma cabeça? ?quis saber Dali.

?Ressuscita-a e faz que reviva sua morte uma e outra vez. ?Não podemos roubar o Diamante, nem tampouco comprá-lo ? interrompeu Jim, depois de esclarecê-la garganta com um pigarro.


? O único modo de consegui-lo é participando dos Jogos ?concluiu Rafael. Ao parecer, Jim lhe tinha posto ao tão rapidamente. ?pensaste em algo? ?perguntou-me Jim, ? O torneio começa depois de amanhã. É um evento por equipes. Conseguiremos que Saiman nos deixe participar. ?O que te faz pensar que nos deixará? ?prosseguiu Jim. ?A questão é a seguinte: Como conseguiram os fragmentos da gema os rákshasas? Alguém tem que estar ajudando-os, alguém com acesso à pedra. Saiman os odeia. Ameaçaram-no, atacaram-no e o envergonharam ao eliminar a seu minotauro. ??Tinha um minotauro? ?Dali pareceu voltar para a vida. ?Sim. Trouxe-o até aqui todo o caminho da Grécia e Mart o lanchou em apenas uns segundos. Saiman detesta aos Colhedores. ?Esbocei um sorriso?. Mas não pode fazer grande coisa contra eles. Uma vez que descubra que alguém facilitou os fragmentos aos Colhedores, irá às nuvens. Ofereceremo-lhe duas coisas: uma oportunidade de lutar com eles no Poço e uma oportunidade de descobrir, desde dentro da Casa, quem os ajuda e por que razão. Não poderá deixá-lo passar. ? De acordo ?concedeu Jim. Adverti que já tinha meditado tudo isto e tinha chegado à mesma conclusão. Então, por que me usava como porta-voz? ?E o que passa com o Livie? ?perguntou Derek. ?São muito arrogantes....:.? Procurei o olhar do Dali, em busca de confirmação, e ela o corroborou ao assentir?. Uma vez que lhe reconheçam, há muitas probabilidades de que imaginem que entramos no torneio para resgatá-la e a tirarão para mofar-se de nós. É nossa única oportunidade com ela, porque não há modo de irromper em seu barraco voador e sobreviver. ?Também deveriam estar muito seguros de sua vitória ?acrescentou Dali. ?Uma vez que o façamos não haverá volta atrás ?sentenciou Jim?. Teremos aos Colhedores no interior e a Curran no exterior. Se alguém for tornar-se atrás, esta é a ocasião apropriada para fazê-lo. A cozinha se sumiu no silêncio. Todos pareciam refletir. Jim se voltou para alcançar o telefone da encimera e me passou isso. Marquei o número do Saiman e desprendeu imediatamente. Levou-me menos de um minuto resumir minha proposta. Um detestável silêncio ocupou o outro extremo da linha. ?Como está tão segura disso? ?perguntou finalmente. ?Tenho cinco fragmentos da gema e dois cadáveres ?repliquei?. Será bem-vindo se desejas


examiná-los. Pode conseguir que participemos dos Jogos? ?É muito pouca antecipação ?repôs Saiman?. Mas sim, posso fazê-lo. Sempre e quando eu seja o que ocupe o posto de Pedra. ?Feito ?lhe concedi. ?Necessitará sete lutadores. Fiz gestos de escrever e todos, exceto o médico, procuraram um lápis.

?Não tinha visto em toda minha vida tal coleção de idiotas. ?Doolittle moveu a cabeça em um gesto de desaprovação?. Se participarem dessa loucura, conseguirão que lhes matem a todos. Logo não venham chorando. Agora teríamos um jogo limpo. Dali me passou um lápis. Como não se materializou nenhum papel, rabisquei sobre a toalha. ?Estrategista, Pedra, Funda, Espadachim, Escudo, Ponta aguda e Feitiço. Todos eles devem estar nos Jogos amanhã às nove da noite. Estaremos confinados enquanto durem os Jogos. Uma vez que entremos, não haverá forma de sair, Kate. Não pode trocar de idéia e te voltar para casa. Tem que lutar até que não possa continuar. ? Entendido. ?Necessitam um nome. ?Necessitamos um nome para a equipe ?os pinjente, depois de tampar o auricular. ?Caçadores ?propôs Rafael. ? Os Valentes Cavalheiros das Peles ?sugeriu Dali. ?O Grupo da Justiça ?disse Jim?, porque a Liga da Justiça está pilhado. ?Loucos ?apostilou Doolittle negando com a cabeça. ?Loucos ?lhe disse ao auricular. ? Loucos? ?inquiriu Saiman. ?Sim. ? Então me encarregarei de tudo. E a equipe? ?Levaremos um médico ?acrescentei. ?É obvio que não! ?exclamou Doolittle. ?Muito bem. ?O tom do Saiman era enérgico?. Recorda, todos os membros da equipe devem estar ali às nove. Não cheguem tarde. Pendurei. ?O inseto estranho será Pedra. Kate, você será Espadachim. Derek? ?perguntou Jim


comprovando a lista. ?Escudo ?repôs o aludido?. O lutador defensivo .. ?Será capaz de lutar dentro de dois dias? Derek sorriu e Dali se estremeceu de novo. ? Tem que deixar de fazer isso ?lhe objetou. ?Você deveria ser Estrategista ?disse ao Jim?, já que poses mais experiência. Isso nos deixava com três. ?Eu serei Ponta aguda ?disse Rafael enquanto tocava a lista com a faca?. O lutador mais rápido. ? Está seguro? ?Dirigi ao Rafael um olhar inquisitivo. ?Se algum sobreviver, Curran lhes arrancará a pele a tiras ?sentenciou Doolittle. ?Isso é o que sempre me gostou que ti, doutor. ?Rafael lhe sorriu com ânimo zombador ?. Sempre vê o copo médio cheio. Tudo são flores e raios de sol. ?Não está brincando, Rafael. ?Cravei meu olhar nele?. Não tem por que fazer isto. O sorriso do Rafael se alargou. ?Sou um bouda, Kate. Não tenho princípios nem honra, mas se toucas a um de meus te matarei. ?Estou comovido ?declarou Derek em brincadeira?. Não sabia que te importasse tanto. ?Você? Importa-me uma mierda. ?Rafael parecia um pouco molesto?. Não, mas me importa ela. Tentaram matá-la no estacionamento.

?Desde quando sou tão querida pelos bouda? ?Desde que carregou com um de nós através de toda a cidade durante a erupção para que não morrera ?afirmou Rafael?. Ninguém teria feito algo assim por nós, nem sequer os outros clãs. lhe pergunte ao gato. Jim nem sequer respondeu. ?Serei Ponta aguda ?concluiu Rafael golpeando de novo a lista? e Andrea será Funda. Não discuta, Kate. Andrea disparará a ambos se a deixarmos fora. ?Andrea é um cavalheiro da Ordem ?repliquei?. Não acredito que possa competir. ?Nenhum de nós pode ?me rebateu Rafael, alcançando o telefone. ?Isso nos deixa com Feitiço ?disse Jim. Olhamos a lista rabiscada sobre a toalha. Feitiço. Obviamente, um praticante das artes ocultas. ? Alguém de sua equipe? Jim negou com a cabeça.


? Deveria lhe perguntar onde está sua equipe. ?A cara do Doolittle se enrugou de desgosto?. Adiante. Diga-lhe Jim não parecia disposto a me contar nada. ?Onde está Brenna? ?No telhado, em seu posto de observação ?revelou Jim, ?E o resto? ?Agora que o pensava, não tinha visto nenhum deles desde que saímos do Unicórnio. ?Ao parecer, há uma manada de lupos nos arredores de Augusta ?confessou Doolittle lançando um olhar colérico ao Jim?. Escutei-o na rádio. A cidade está ao bordo do pânico. Que lupos tão estranhos, o que considerados. Embora pareça ser que cometeram atos perturbadores de mutilação animal em uma granja, a plena vista, a família do granjeiro não despertou durante o ataque. Curiosamente, nenhum humano resultou ferido. Estive a ponto de me jogar a rir. Nenhum lupo atacaria ao gado se havia presas humanas disponíveis, tais eram suas ânsias de carne humana. ?Estão criando uma distração ?se desculpou Jim. Rafael deteve sua conversação Telefónica com o Andrea para emitir uma breve e distintiva risada de hiena. ? Esse é o melhor plano que te ocorreu? ? Parece ser que pensa que Curran é tolo. ? Doolittle negou com a cabeça. ?Eu serei Feitiço ?propôs Dali. A cozinha se viu de repente invadida pelo silêncio. ? Posso fazê-lo. Adestraram-me. ?Não ?se opôs Jim, ?Não têm a ninguém mais. ?A mandíbula do Dali adquiriu um rictus de obstinação?. Não sou uma frágil florecilla. Posso fazê-lo. ?O que sabe fazer? ? Jogar maldições. ?ergueu-se em toda sua estatura. ?Isto não é um jogo. Pode morrer nesse estádio –grunho Jim ?Não estou jogando ?grunhiu Dali a sua vez. Brenna apareceu precipitadamente pela porta. ?Curran! ?advertiu-nos.


OH, mierda. Todos saltaram de seus assentos. ?Está muito perto? ?rugiu Jim, ?A duas maçãs, e se aproxima rapidamente. Vem direto para aqui. ?Pela porta de atrás! Agora! ?ordenou Jim. Kate... Neguei com a cabeça. ?Agarra ao Derek e foge. Não deve lhes apanhar fora do estádio. Eu lhe atrasarei. Corre! Jim agarrou ao Derek em braços, como se se tratasse de um menino e Saiu Outros lhe seguiram, incluindo o Doolittle. Baixaram correndo as escadas e passaram junto a Entreva, que se deteve no corredor com a cara ainda assinalada pelos lençóis sobre as que tinha dormido. Sujeitei-a pelo ombro. ?Sal pela porta de atrás e te esconda em algum lugar próximo até que me veja sair. partiu sem pedir explicações. Essa é minha garota. Acabei de arrumar o lençol e um travesseiro no chão, de modo que parecesse que alguém tinha dormido ali, e me afastei para contemplar minha obra. Era bastante boa. Tirei assassina de sua vagem e retrocedi. A uns trinta centímetros do lençol deveria funcionar... A porta se desprendeu de suas dobradiças e caiu ao chão, para revelar sob sua soleira a Curran, que mostrava os dentes em um grunhido e cujos olhos despediam um brilho feralo Levava as calças de moletom que já eram o distintivo da Manada, assim como uma camiseta. Mau, muito mal. Que os levasse implicava que esperava trocar de forma, e Curran em sua forma jaqueta era meu pesadelo definitivo. ? Kate ?disse Curran ensinando as presas. ? demoraste muito. ?Onde estão? ?por que lhe deveria dizer isso repliquei, arqueando uma sobrancelha. ?Kate, não me obrigue a te arrancar a resposta. ?Os músculos de suas coxas se esticaram contra a malha de suas calças. ?O que passou com seu plano de sedução? Ou só é bastante homem quando lanças de uma patada minha espada sob a cama, onde não possa alcançá-la? Cruzou a habitação de um só salto; Eu saltei de uma vez e lhe atirei uma patada no ar, lhe imprimindo tanta potência como fui capaz. Meu pé se estampou contra seu peito e foi como golpear uma parede de tijolos. Aterrissou sobre a cama que acabava de fazer. O lençol cedeu e


Curran caiu na jaula para lupos inundada no chão. Fechei de repente a parte superior. A complexa fechadura se ativou com um estalo e as grosas barras de metal se deslizaram sobre a abertura até selá-la por completo. No interior, Curran rasgou o lençol. Seu semblante era pura raiva. Agarrou os barrotes e os sacudiu. Eu me sentei no chão, ao bordo do buraco, e me friccionei a perna, que se tinha intumescido por causa da patada que lhe havia propinado. Tinha que lhe agradecer a Julie esta idéia, já que tinha sido ela a que tinha estado a ponto, duas vezes, de cair na jaula. Curran grunhiu e soltou os barrotes. Ao menos, devia lhe conceder um pouco de mérito: tinha agüentado cinco segundos. Os barrotes se dobraram ligeiramente ante a pressão, mas agüentaram. Concebida para conter a fúria de um cambiaforma enlouquecido, a jaula tinha a prata suficiente para queimar a pele de suas mãos. Quando Curran as retirou, pude apreciar em sua Palmas as marcas cinzas das queimaduras.

?Isto não me deterá ?disse Curran, e amaldiçoou. Não me cabia dúvida. Menos mal que não queria encerrá-lo definitivamente, a não ser tão solo lhe atrasar. Minha perna ainda não tinha recuperado a sensibilidade. ?Abre-a, ?O ouro relampejou nos olhos de Curran. Sua voz se converteu em um grunhido bestial. ?Não. ?A força de seus olhos despedia tal intensidade, que pensei que meu coração se deteria. ?Kate! me solte! ?Nem de coña. ?Quando sair daqui, vais lamentar o. ?Quando sair daqui, estarei na areia dos Jogos da Meia-noite, provavelmente caminho de me converter em um formoso cadáver. Lamentarei muitas coisas, mas te haver encerrado nesta jaula não será uma delas. Curran retrocedeu. A ira se desvaneceu de seu rosto. Simplesmente a sufocou, adotando uma acalmada compostura do mesmo modo em que ficaria um casco. Nunca tinha fracassado na hora de me aterrorizar, nem o tinha feito nesta ocasião. ?Muito bem. ?sentou-se no fundo da jaula, cruzando as pernas?. Se não ter escapado significa que quer falar. Escutarei suas explicações agora. ?Sério, Sua Majestade? Que amável por sua parte mostrar-se tão condescendente. Tentarei usar palavras singelas e avançarei devagar. ?Faz-me perder o tempo. Sei que Jim me traiu e que você está lhe encobrindo. É sua


oportunidade de me deslumbrar com sua inteligência ou de me desconcertar com suas tolices. Não terá outra. Quando conseguir me liberar, não estarei de humor para escutar nada. ?Jim não te traiu. Idolatra o chão que pisa. Todos eles o fazem e não entendo por que. Para mim, é um dos grandes mistérios do universo. Mas ninguém te traiu. Fizeram-no para te evitar problemas. Descarreguei meu peso e lhe contei toda a história, mas ele não disse nada. Solo estava sentado, me escutando, tão desprovido de emoções e tão frio como o Ártico. ?acabaste? ?perguntou finalmente. ?Sim. ? me deixe que me assegure de te haver entendido. Meu chefe de segurança desobedeceu minha primeira lei, de modo consciente e deliberado, porque pensava que sabia mais que eu; colocou em uma confusão a um de meus melhores homens, que foi golpeado, esteve ao bordo da morte e resultou desfigurado de modo permanente. E não me contou isso? ?O rugido do leão vibrou em sua voz?. Então te convenceu para cobrir sua insubordinação e, juntos, atacaram a um grupo de assassinos mitológicos, agravando o conflito entre eles e minha Manada em lugar de tratar de reparar os danos. E agora ele, acompanhado de outros três cambiaformas, de forma consciente e voluntária, vai a incumplir de novo minha lei exibindo-se ante milhares de pessoas, para que não haja nenhum modo possível de que possa varrer sua porcaria sob o tapete, inclusive se tivesse a mais mínima intenção de fazê-lo, que não a tenho. Entendi-o bem? ? Bom, sim, mas sonha pior quando o diz você. inclinou-se para trás e respirou profundamente, exaltando o ar lentamente. Não me surpreenderia que a jaula se rompesse nesse momento, cheia por sua fúria.

?Curran, a gema é perigosa. Acredito que Roland é o Sultão da Morte e, se tiver razão, isso significa que te tem feito muito capitalista para te ignorar e seguirá tentando te eliminar. O Diamante Lobo é um problema em mãos dos rákshasas, mas seria um problema muito major em mãos da Nação ou da Ordem. Os rákshasas não são muito inteligentes, mas Roland é um gênio. E não só se trata dele se a Ordem se apoderar da jóia, tentará por todos os meios reproduzir sua magia e inocular a sua gente com ela. É a chave do genocídio de seu povo. ? e por que te importa tanto? ?Porque não quero que lhes façam mal. A nenhum de vós. Meu melhor amiga é um híbrido. A Ordem lhe cravaria um desses fragmentos em menos de um minuto. Ao Andrea possivelmente não goste de sua parte animal, inclusive pode que dela renegue, mas é uma eleição que lhe corresponde fazer unicamente a ela. Exteriorizar essas palavras foi como conduzir uma rocha do tamanho de uma casa montanha acima.


? Deveria ter ido a ti. O teria feito se não tivéssemos encontrado uma padre. De qualquer modo, sinto muito. Tentava ajudar a meus amigos. Não tenho muitos Y... Deveria ter visto o Derek. Pensei que ia morrer. Já me via incinerando seus restos. Teria tido que matá-lo se se houvesse convertido em lupo... e não queria verte ferido. ?Dava-me a volta?. Julie te deixará sair da jaula dentro de uma hora. Não disse nada enquanto abandonava o porão. ficou sentado na jaula, com os olhos frágeis por causa de uma ira crescente. Uma vez no exterior, Julie apareceu de seu esconderijo entre dois edifícios e correu para mim. ?O Senhor das Bestas está encerrado na jaula para lupos do porão. Aqui está a chave. ?Entreguei a enorme chave de aço?. Coloca-a na fechadura, gira-a um quarto de volta e logo solta a barra superior, assim poderá abri-la. Curran sabe como fazê-lo; ele te guiará se o necessita. Espera uma hora antes de liberá-lo. Isto é muito importante, Julíe. Não te aproxime dele até então, porque tratará de te convencer para que abra a jaula. De acordo? Julie assentiu ?Uma vez que o tenha feito, se te deixa partir, chama a este número. ?Passei-lhe uma parte de papel?. É o telefone da Tia B. lhe Explique que está sozinha. Alguém virá e te recolherá. ? Eu quero ir contigo. ?Sei. Sinto muito, mas não pode. Não vou a um sítio apropriado e possivelmente não saia dali de uma peça. ?Estreitei-a entre meus braços?. Uma hora. ? Uma hora ?conveio. fui recolher um cavalo ao solar que fada as vezes de estacionamento. Dava-me conta, muito tarde, de que nos Curran tinha encontrado antes de que tivesse transcorrido o prazo de três dias. Duvidava seriamente de que queria fazer valer a aposta. Não depois de nosso último encontro. E se a fada, e de algum modo eu conseguia sobreviver a toda esta ofensa, lhe servir um jantar nu seria a menor de minhas preocupações.

convertido em lupo... e não queria verte ferido. ?Dava-me a volta?. Julie te deixará sair da jaula dentro de uma hora. Não disse nada enquanto abandonava o porão. ficou sentado na jaula, com os olhos frágeis por causa de uma ira crescente.


Uma vez no exterior, Julie apareceu de seu esconderijo entre dois edifícios e correu para mim. ?O Senhor das Bestas está encerrado na jaula para lupos do porão. Aqui está a chave. ?Entreguei a enorme chave de aço?. Coloca-a na fechadura, gira-a um quarto de volta e logo solta a barra superior, assim poderá abri-la. Curran sabe como fazê-lo; ele te guiará se o necessita. Espera uma hora antes de liberá-lo. Isto é muito importante, Julíe. Não te aproxime dele até então, porque tratará de te convencer para que abra a jaula. De acordo? Julie assentiu ?Uma vez que o tenha feito, se te deixa partir, chama a este número. ?Passei-lhe uma parte de papel?. É o telefone da Tia B. lhe Explique que está sozinha. Alguém virá e te recolherá. ? Eu quero ir contigo. ?Sei. Sinto muito, mas não pode. Não vou a um sítio apropriado e possivelmente não saia dali de uma peça. ?Estreitei-a entre meus braços?. Uma hora. ? Uma hora ?conveio. fui recolher um cavalo ao solar que fada as vezes de estacionamento. Dava-me conta, muito tarde, de que nos Curran tinha encontrado antes de que tivesse transcorrido o prazo de três dias. Duvidava seriamente de que queria fazer valer a aposta. Não depois de nosso último encontro. E se a fada, e de algum modo eu conseguia sobreviver a toda esta ofensa, lhe servir um jantar nu seria a menor de minhas preocupações.

Capitulo 25 Tive que esperar no vestíbulo enquanto Rene simulava procurar meu nome no listrado de parti?cipantes. ?Loucos ?disse, passando as páginas?,.... É uma descrição da inteligência de sua equipe ou se deve a sua necessidade de diversão? ? É nosso lema. ?Mmm... ?fingiu folhear o listrado. ? Você gosta de me chatear, verdade? ?Só faço meu trabalho corretamente. ?Ofereceu-me um sorriso mordaz?. Como você me disse. Sustentou-me o olhar durante um momento.


Deveria ter beijado a Curran antes de ir. De qualquer modo, que mais podia perder? Nem sequer era real. O assunto entre Curran e eu não era real. Tinha-me enganado mesma. Sentia uma dolorosa necessidade de ser amada e isso me tinha semeado de dúvidas. Algumas vezes, ao albergar certos sentimentos, engana a ti mesmo ao pensar que a outra pessoa é outra coisa distinta do que parece. Tinha jogado a esse jogo com o Crest e tinha saído escaldada.

Não, obrigado. Para Curran, eu não era nada mais que um corpo desejável e o sentimento de satisfação por ter ganho. Essa era a realidade, fria, feia e inegável. A mão do Rene se dirigiu ao punho de seu estoque e eu me dava a volta. O espadachim de cabelo escuro que tinha visto na plataforma de observação durante minha primeira visita aos Jogos com o Saiman entrou pela porta. Vestia o mesmo couro cinza, a mesma capa escura que recordou a um molho guerreiro, o mesmo garbo. Dois homens o acompanhavam, portadores de idênticas roupagens. O primeiro deles era jovem e loiro, com uma larga cicatriz que percorria seu pescoço. Seus olhos escuros possuíam o estado de alerta próprio de um assassino disciplinado. O segundo era maior e mais duro. Olhei-o aos olhos e o que vi neles me fez desejar dar um passo atrás. Nick, o cavalheiro cruzado. A Ordem apreciava sua responsabilidade e seu trabalho social, mas algumas costure eram muito feias e escuras, inclusive para os cavalheiros. Quando um desses assuntos turvos levantava a cabeça, a Ordem empregava um cavalheiro cruzado, que se encarregava de resolver o assunto e abandonava a cidade. O Perseguidor de Rede Point que tinha assassinado a meu guardião tinha sido um desses problemas e tinha requerido a implicação do Nick. Neste momento, olhou-me como se nunca antes me tivesse visto, e eu fiz o que pude por imitá-lo. Se andava metido em algo, obviamente o fazia de modo clandestino. O espadachim moreno me viu. ?Vimo-nos antes, senhorita? ?Sua voz era modulada e amável. Falava como um lobo farto depois de um festim e de bom humor. ?Se me conhecesse, saberia que não sou uma senhorita. ?Sorri-lhe. ?Mesmo assim, seu rosto me resulta familiar. ?Seus olhos se estreitaram em duas finas frestas?. Não posso evitar a sensação de que a vi antes. Possivelmente se pudéssemos falar em um lugar mais privado...


?Não tem por que falar com ele ?o interrompeu Rene, que tinha empalidecido. Tragou saliva, suponho que assustada. Tinha medo e isso não era algo ao que estivesse acostumada ?. Recorda nosso acordo. É bem-vindo a observar, tão isso solo. Não somos um campo de treinamento. Se quer contatar com lutadores no exterior do estádio, é teu assunto, mas não pode recrutá-los aqui, especialmente em minha presença. ?É você uma lutadora, senhorita? ?Já estávamos outra vez com o de «senhorita». ?Ocasionalmente ?respondi. ? Forma parte de uma equipe e você está atrasando sua inscrição. ?Rene cravou seu olhar nele. Ele a olhou a sua vez e a autoridade de seu olhar resultou inequívoca. Rene ficou branca como um lençol, mas se manteve em seu sítio. Ele sorriu cordialmente, fez-nos uma ligeira reverência e partiu, seguido do jovem loiro e do Nick. Rene o seguiu com o olhar, cheia de um ódio manifesto. ?Como se chama? ?perguntei-lhe. ?Bastardo –murmurou Rene, olhando seus papéis?. Embora também lhe conhece como Hugh d’Ambray. O mundo se veio abaixo. Hugh d'Ambray; o preceptor da Ordem dos Cães de Ferro. O tutelado e sucessor do Voron, meu adotivo. Hugh d'Ambray, o Senhor da Guerra do Roland.

Não podia ser uma coincidência. Todo mundo sabia que, em algum momento, Roland quereria expandir seu território. Na atualidade, possuía uma área que corria em diagonal através de Iowa e Dakota do Norte. Voron me tinha explicado que era uma terra que ninguém queria, onde Roland podia estabelecer-se e acumular suas forças sem apresentar a ameaça suficiente para garantir uma invasão. Quando suas forças aumentassem notavelmente, tentaria expandir-se para o este ou o oeste. Tratei de pensar como Roland. Fui educada pelo Voron, maldita seja. Deveria ser capaz de me deslizar em sua mente. O que pretendia fazer em Atlanta? A Manada, é obvio. Com o passar do ano anterior, as filas da Manada tinham crescido e agora era a segunda maior da América do Norte. Se eu fosse Roland, trataria de aniquilá-la agora, antes de que se fizesse muito capitalista. Entretanto, não queria implicar a suas coortes da Nação, porque suas ações deixariam meu rastro que conduziria até sua pessoa. Não, em lugar disso tinha contratado aos rákshasas, que eram tolos e sanguinários. Podia usá-los como uma clava para esmagar à Manada. Não sairiam vitoriosos, mas debilitariam à Manada . .Sem dúvida, seu Senhor da Guerra estava aqui para assegurar-se de que seus planos não achassem obstáculos.


Hugh d'Ambray me veria lutar no Poço. Possivelmente reconheceria minha técnica e informaria disso ao Roland, quem somaria dois e dois e viria a me buscar. Comporta-as se encontravam justo detrás de mim. Quinze passos e poderia sair do edifício. Um minuto depois estaria sobre meu cavalo para me inundar na noite. Poderia desaparecer e nunca me encontrariam, mas abandonaria a seis pessoas que contavam comigo para vigiar suas costas. Fugir era tão singelo. Elevei a vista. ? Parece que te tenha queimado a casa ? observou Rene. ?Só estava refletindo sobre o fato de que quando o universo te golpeia nos dentes, nunca se limita a te deixar cair. Chuta-te um par de vezes nas costelas e te cheia de lodo o cérebro. ?Se for afortunada, solo é lodo. Assina aqui.?Passou-me um impresso em uma tabela sujetapapeles?. Exonera-nos de qualquer responsabilidade se morrer no Poço. Assinei-o. Dois minutos depois, abria-me passo até o nível inferior, acompanhada de um sombrio membro do Guarda Vermelho. Minha preocupação era como uma parte de gelo na boca do estômago. Não tive problemas para achar nossos aposentos... já que ouvi a voz do Andrea. ?Funda? ?É sozinho uma forma de falar ?lhe assegurou Rafael. Entrei em nossas habitações e a vi diante de uma mesa, cuja superfície ocupavam suas armas de fogo: suas duas apreciadas SIG?SAUER, um par do Colts, a Beretta, uma Smith & Wesson... Tinha muitos para abastecer a um pequeno exército. Rafael a contemplava sentado no banco e seu rosto era uma estranha mescla de preocupação e sobressalto. Andrea me viu e sorriu. ?E sabe o que podem fazer com sua funda? Podem meter-lhe por onde lhes caiba. ?Bom, tecnicamente se refere a qualquer tipo de arma capaz de lançar projéteis, Andrea... ?Tentei dar uma resposta inteligente. ?Ao diabo! Não vou sair aí fora com uma parte de trapo e um calhau. Rafael parecia um pouco intimidado.

Percorri a sala para deixar minhas coisas em uma das estanterías. Dobre-as portas que conduziam ao dormitório comum estavam abertas e pude ver o Derek convexo em um dos beliches, lendo um livro. Doolittle se abatia sobre ele com um olhar de preocupação mais própria de uma galinha orgulhosa de sua prole. ?Está rondando ?apontou Derek


?Não estou rondando ?protestou Doolittle e Derek me lançou um olhar. ?Sim que o está fazendo ?lhe disse?. Assim ao final decidiste te unir a nós? Acreditava que havia dito que estávamos todos loucos. ?Não há louco como um velho louco... ?murmurou Derek. Doolittle emitiu um som prolongado e zangado, como o grunhido de um urso... se o urso medisse uns trinta centímetros. ?Um texugo! ?Sorri. A verdade é que ia. Derek pôs os olhos em branco. ?O que? Acaba de te dar conta? É estranho que não te tenha precavido do aroma de almíscar. ? Isso era totalmente desnecessário. ? Doolittle sacudiu a cabeça?. Miserável ingrato. Agarrei um lençol e um travesseiro de um dos beliches desocupados e me levei isso até um rincão vazio. ?O que acontece com a cama? ?perguntou Derek. ?Não durmo bem com outros. ?Improvisei uma cama no chão?. Bom, minto. Durmo perfeitamente, mas é possível que desperte com minha espada cravada no ventre. É obvio, se for você, provavelmente me darei a volta e voltarei a dormir. Jim entrou na habitação, aproximou-se das camas e deu um salto até a parte superior de um beliche. De ali desfrutava de uma vista excelente do dormitório. ?Onde está Dali? ?perguntei-lhe. ?No jacuzzi. ?Jim se encolheu de ombros, com o rosto alterado por uma repugnância felina?. Há um contigüo aos vestuários. Se houver um pouco de água corrente, lança-se imediatamente. Estes tigres... ?Não sabia que aos jaguares preocupasse a água. ?Tinha-lhe visto nadar em ocasiões, e parecia desfrutá-lo. ?Não me importa nadar, sempre que houver peixes ou rãs. ?Era sua particular lógica de jaguar. ?chegou todo mundo? ? Exceto o inseto estranho. Conhecendo o Saiman, teria tido que procurar ajuda extra para trazer toda sua roupa. Dali entrou na habitação, recatadamente envolta em uma toalha, da que se livrou imediatamente para me saudar e começar a vestir-se. ? Vem alguém. Várias pessoas ?nos alertou Derek, depois de elevar a cabeça de seu livro, súbitamente em estado de alerta. Rene apareceu na entrada dos aposentos. ?Seu proprietário vos envia suas desculpas. Parece ser que sua Pedra original não vai reunir se com vós, mas Durand vos envia um substituto. ?fez-se a um lado?. Adiante.


Uma figura familiar se desenhou sob a soleira e eu fiquei paralisada da cabeça aos pés. ?Joguem limpo ?nos advertiu Rene, e partiu. Um silêncio fúnebre se apropriou da habitação. Ninguém ousou mover-se. ?De acordo ?disse Curran?. Falemos.

Agarrou ao Rafael pelo braço, arrastando-o do banco como se fora um gatinho recém-nascido. Com sua outra mão agarrou a semidesnuda Dali, levando-lhe a ambos ao dormitório comum e fechando a porta atrás deles. Andrea se sentou no banco, de cara à porta fechada, e deixou as SIG?SAUER ao alcance da mão, uma a cada lado. Sua cara mostrava uma séria expressão. ?Se fizer mal ao Rafael, vou disparar lhe. Solo quero que saiba. ?trocaste que ideia sobre o Rafael? ?Estou-o decidindo ?asseverou?. Mas não vou deixar que o Senhor das Bestas me deixe aleijado isso. ?lhe aponte às Pelotas ?aconselhei, e fui. Vaguei pelo corredor até a porta dourada. O vasto espaço do estádio estava vazio. Não havia nada, exceto a areia de combate e eu. Avancei até a porta da alambrada e entrei no Poço. A areia jazia plácidamente. Em meus sonhos sempre estava salpicada de sangue, mas agora era dourada e estava poda. Me acuclillé, agarrei um punhado e deixei que se escorresse entre meus dedos. Resultava-me estranho que estivesse tão fria. Os grãos de areia caíram como uma delicada cortina. Assaltaram-me as lembranças. O calor. O sabor do sangue em minha boca. A carne trepanada, de um vermelho brilhante. Uns olhos mortos, com seu olhar fixo no céu. Um sol cegador. A gritaria do público. A dor provocada pela dentada de um jaguar no ombro esquerdo, o de um lanzazo em um flanco, o do corte da pantorrilha direita, devido à cauda, cortante qual cuchilla, de um veloz feto reptiliano para o que nem sequer tinha nome... ?É como saudar um velho amigo, verdade? Voltei-me para ver um homem maior que me olhava do outro lado da alambrada. Sulcavam seu rosto profundas rugas sobre uma pele curtida e bronzeada como o couro detrás anos sob o sol. Sua cara era larga, e seu comprido cabelo negro, pacote na nuca, estava salpicado generosamente de cinza. Resultou-me familiar. ?Raramente é um amigo ?lhe espetei.


Mart saiu pela porta da meia-noite. Avançou silencioso como uma sombra, envolto em seu negro adorno, e saltou no ar, aterrissando sem esforço sobre a alambrada. O homem nem sequer o ouviu. ?lutaste aqui antes? ?Sua voz estava tinta por um leve acento francês. Neguei com a cabeça. ?Então onde? E onde não tinha lutado? Escolhi o primeiro lugar. ? Em Fossa de Sangue. Foi faz muito tempo. Mart me olhou. Sua cara mostrava uma estranha expressão, um pouco definitivamente próprio de um depredador, mas também havia um rastro de algo mais, algo perturbador e quase melancólico. ?Ahh. ?O homem assentiu?. Um lugar espantoso. Não se preocupe, a areia é a mesma em todas partes. ?Aqui está fria. ?Sorri-lhe. ?Isso é verdade. ?Assentiu de novo?. Mas supõe muito pouca diferença. Uma vez que escute o clamor ?olhou para os assentos vazios?, recordará-o. Quanto tempo passou?

?Doze anos. ?Doze? ?Arqueou as sobrancelhas?. Não pode ser. É muito jovem e bonita... ?Sua voz fraquejou?. Mon dieu, je me souviens de toi, petite tueuse... Deu um passo atrás, como se a alambrada que nos separava estivesse ao vermelho vivo, e partiu. ?Olá, Ricitos de Ouro. ?Contemplei ao Mart?. Onde está seu amigo tatuado? Ele e eu temos uma entrevista. limitou-se a me olhar. ?Não é muito falador, verdade? ?Tirei assassina de sua vagem e deslizei sua folha entre meus dedos. Ele olhou a espada. Alambrada-a era muito alta. Inclusive se agarrava carreirinha, não chegaria bastante alto para lhe atirar um bom golpe. ?lhe colocando medo à competência? Saltei sobressaltada, me afastando instintivamente da voz, e pude ver Curran, que se achava junto à cerca. lhe arrojar um punhado de areia só tivesse recalcado o fato de que me tinha pilhado despreparada. Não lhe havia, escutado aproximar-se. Nenhum homem de seu tamanho deveria


ser tão silencioso, mas ele se movia subrepticiamente como um fantasma. Quanto tempo levava ali era algo que ninguém podia adivinhar. ?Assustei-te ou está nervosa? ?Possivelmente o som de sua voz me repugna. ?Olhei-o com o cenho franzido?. É uma resposta instintiva. ?E ele não dispara seus instintos? Mart sorriu. ? Ele e eu temos uma entrevista na areia. Não tenho nada que fazer com ele até então. ?Não sei se quer te matar ou follar contigo. ? Fará-me feliz tomar a decisão por ele. ?por que sempre atrai a indivíduos tão repulsivos? ?diga-me isso você. ?Ja! Me tinha posto isso a ovo. Sim senhor. Mart saltou do alto da alambrada e se desvaneceu ao entrar pela porta da meia-noite. Dirigi-me em direção contrária, para a porta dourada. Batalhem me adiantou e me abriu a porta da alambrada. Detive-me. Isso era algo inesperado. Os homens não estavam acostumados a me abrir as portas. ?O que acontece? ? Estou tentando decidir se for uma armadilha. ?Sal daí ?grunhiu. ? vais equilibrar te sobre mim? ?Quer que o faça? Decidi sabiamente não considerar essa pergunta, porque a resposta podia ser aterradora. Saí pela porta. Ele a fechou e me alcançou. ?Estamos acabados? Fez que recolham suas coisas e se vão a casa? ?Você sim está definitivamente acabamenta. E não. vou lutar com vós. Detive-me e o olhei estupefata. ?Conosco? No Poço?

?Sim. Acaso não sou o bastante bom para ti? Preferiria ao Saiman? Mmm... O Senhor das Bestas, deus dos assassinos, contra o histérico gigante de gelo. Realmente havia alguma dúvida?


? E o que tem que o Andorf e a primeira lei? ?O que acontece Andorf? ?perguntou. ? É verdade que acabou com ele quando tinha quinze anos? ?soltei-lhe. ?Sim. Não me ocorreu nenhuma continuação inteligente. Quando demos a volta à esquina, vi o Cesare ao final do corredor. Detive-me em seco. Odiava tanto ao Cesare que quase podia sentir o sabor de seu sangue em meus lábios. Curran me olhou. ?Ele fiscalizou a surra que deram ao Derek ?disse com raiva contida. Os olhos de Curran se alagaram em ouro. Se íamos atrás dele agora, desqualificariam-nos, mas ambos queríamos matá-lo. Desejávamo-lo intensamente. Cesare se deu a volta, viu-nos e tropeçou. Durante um momento, ficou congelado, paralisado como um cervo deslumbrado pelos faróis de um carro, e logo se escabulló em uma habitação. Dava-me a volta e encaminhei a nossos aposentos. Curran não me seguiu. Ao chegar, Andrea me saudou com a mão. Estava sentada no banco, ante uma variedade de estranhas peças metálicas que, sem dúvida, ensamblariam-se em uma arma mortal, esparramadas sobre uma toalha branca. Sentei a seu lado. ?Onde está todo mundo? ? Escondendo-se ?disse?. Exceto Doolittle, que se livrou que a bronca devido a que outros o seqüestraram. Agora está tornando uma sesta, como se nada mais lhe importasse na vida. escutei um montão de coisas interessantes através da porta. ?Conta. ?Me deu de presente um sorriso matreiro. ? Primeiro consegui escutar o discurso do Jim, que dizia que tudo era culpa dela e que o fez sem contar com ninguém. Logo o do Derek, que repetia que tudo era culpa dela e que o fez sozinho. Então Curran lhes prometeu que a seguinte pessoa que queria ser um mártir se converteria em um de verdade. Seguidamente Rafael soltou uma acesa argumentação alegando que estava ali por uma dívida de sangue e que tinha direito a restituir os danos causados a uma amiga dos bouda, coisa que figurava nas páginas tal e tal dos estatutos de seu clã. Acrescentou que se Curran tinha algum problema com isso, podiam solucioná-lo fora. Foi terrivelmente dramático e ridículo. Mas eu adorei. Podia imaginar a Curran aí dentro, com as mãos sobre a frente e os olhos fechados, enquanto grunhia quedamente. ?Continuando, Dali lhe disse que estava cansada, e farta, de que a tratassem como se fora de cristal, que estava ávida de sangue e queria chutar alguns culos.


Isso lhe teria deixado morto. ?E o que disse ele? ?Não disse nada durante um minuto, mas logo lhes jogou a bronca. Admoestou ao Derek por ter sido irresponsável com a vida do Livie e lhe disse que, se queria a resgatar a alguém, o menos que podia fazer era ter um plano factível, não aquela porcaria que rompia todas e 'Cada uma de

as leis da Manada e que lhe tinha explorado na cara. Soltou ao Dali que se queria que tomassem a sério, tinha que aceitar a responsabilidade de seus próprios atos em lugar de fingir ser uma pessoa débil e necessitada cada vez que se metia em uma confusão e que essa não era a forma de demonstrar a dureza de alguém. Ao parecer, não pensava que seu comportamento fora o correto quando tinha quinze anos, mas que não ia tolerar o agora que tem trinta e oito. Me desternillaba de risada. ?Assinalou ao Rafael que a dívida de sangue somente anula a lei da Manada em caso de assassinato ou feridas extremamente graves que ponham em perigo a vida e lhe citou a página dos estatutos, assim como o número de seção onde podia comprová-lo. Acrescentou que desafiar frívolamente ao macho alfa também violava as leis da Manada e era um pouco castigado com pena de isolamento. foi uma confrontação impressionante. Quando acabou de repreendê-los, não ficava culo. ? Andrea começou a ensamblar as distintas peças da arma?. Logo os condenou aos três, e a si mesmo, a oito semanas de trabalhos forçados nas obras de ampliação da asa norte da Fortaleza e lhes disse que se retirassem. Saíram daqui correndo, como se tivessem a cabeça em chamas. ?condenou-se a si mesmo? ? Ao parecer, também tem quebrado a lei da Manada ao participar de nossa loucura. Assim era o Senhor das Bestas. E Jim? ?OH, lhe caiu uma bronca especial depois de que outros se partiram. Foi uma conversação muito tranqüila e irada, e não pude escutar a maior parte. Em troca sim pude escutar o final, quando o sentenciou a três meses de trabalhos forçados na Fortaleza. Quando Jim abriu a porta para partir, Curran lhe disse em tom casual que se decidia meter-se com sua futura casal era livre de fazê-lo, sempre e quando tivesse presente que ele não iria a resgatá-lo quando lhe chutasse o culo. Deveria ter visto a cara que pôs Jim. ?Seu o que? ?Seu casal. P?A?R?E?J?A. Amaldiçoei em voz baixa e Andrea sorriu. ?Pensava que isso te alegraria o dia. E agora estará aqui três dias encerrada com ele e terão que lutar juntos na areia. É tão romântico. Como uma lua de mel. Uma vez mais, meu condicionamento mental veio em meu auxílio, ou a tivesse estrangulado ali


mesmo. Rafael escolheu esse momento para entrar nos aposentos. ?O combate dos Colhedores está a ponto de começar. Curran me pediu que lhes diga que seu repulsivo admirador vai lutar.

Capitulo26

As filas de assentos, vazias uma hora antes, estavam enchem até o limite de sua capacidade. Isolados em suas vidas privadas, aqui os espectadores se fundiam em uma única entidade, uma besta ruidosa, furiosa e excitável com mil gargantas. A noite acabava de começar e a besta estava sedenta de sangue. Alguém, provavelmente Jim ou Derek, tinha encontrado uma estreita escada de acesso que conectava o segundo e o terceiro piso. Profundamente afundada no muro à esquerda da porta dourada, achava-se envolta em sombras e resultava virtualmente invisível à multidão que dirigia seus olhares para a porta dourada, profusamente iluminada, e para o Poço. Transpus a soleira e me situei detrás do Rafael e do Andrea, que se tinham sentado amigablemente um ao lado do outro. Todos estavam ali, exceto Doolittle. Deixei-me cair no degrau superior, com o frio cimento sob as nádegas. Os Colhedores solo tinham tirado dois lutadores contra a equipe rival, composto de quatro. O primeiro era Mart, mas o segundo era uma mulher: pequena, sensual, de curvas voluptuosas e com uma cascata de escuros cabelos que se derramava por suas costas. parecia-se tanto a Olivia que tivesse podido ser sua irmã. Derek a viu e seu corpo se esticou. Frente a eles, elevavam-se os quatro membros da equipe contrária. O primeiro era um asiático enorme, compacto e duro como um tijolo; tinha que ser Pedra. Depois dele se achava Funda, um esbelto arqueiro de pele escura, armado com um arco e um cinturão cheio de facas e dardos. diante dele, na areia, tinha cravadas ao menos trinta flechas, listas para ser utilizadas. À esquerda aguardava seu Espadachim, um homem jovem de pele clara e cabelo loiro que, ao parecer, pensava que era japonês, já que vestia o tradicional quimono azul escuro com umas amplas calças hakama, de um azul mais claro com dobras frontais, e levava uma katana. Vá surpresa. A última era uma mulher, uma feiticeira, a julgar por sua posição em último lugar. Uma sábia eleição, já que a magia estava ativa. O gongo ressonou por todo o estádio.


O arqueiro disparou. A flecha fendeu o ar e foi cair, inofensiva, sobre a areia, enquanto Mart a esquivava convertido em um borrão escuro. O arqueiro apontou e disparou de novo, com uma velocidade sobrenatural, mas Mart o esquivou saltando de esquerda a direita, enquanto a espada pendurava passivamente de sua vagem. Deveram pensar que alguma flecha o teria alcançado. Nem de perto. Pedra avançou de um modo surpreendentemente rápido para seu tamanho. Depois dele, a feiticeira começou um elaborado conjuro, ondeando as mãos no ar. O Espadachim se equilibrou sobre a Colhedora. Ela se inclinou para trás, com os braços estendidos como as asas de um pássaro a ponto de empreender o vôo. Mart não fez o menor movimento para ajudá-la. A três metros dela, o Espadachim tirou sua espada com um relampejo. Deveria ter esperado... A mandíbula inferior da mulher se deformou e se desencaixou ao abrir-se. A magia fustigou meus sentidos, com seu robusto e ardente açoite. A mulher se crispou e vomitou uma nuvem negra na cara

do Espadachim, um enxame que se fechou sobre ele como uma armadilha. O Espadachim ficou gelado, abortado súbitamente seu ataque. Um débil zumbido se propagou pelo Poço. ?Abelhas? ~pregunté. ?Vespas ? Me corrigiu Derek. O Espadachim lançou um alarido e girou sobre si mesmo. Mart investiu, deixando atrás de sua sombra um reguero de flechas cravadas na areia, e lançou um golpe que alcançou o ventre de Pedra, quem se encolheu sobre si mesmo. Uma parte do enxame que espreitava ao Espadachim se dividiu para dirigir-se, como um látego negro, para o arqueiro, que tentou escapar à carreira. Enquanto Pedra se derrubava, a feiticeira elevou os braços. Um cone de fogo brotou de seus dedos, girando como um tornado horizontal. Mart saltou no ar. Ela tentou elevar o jorro de fogo, mas não foi o bastante rápida. Mart caiu sobre ela, com uma patada que a alcançou no pescoço. O impacto a fez cair ao chão, mas não antes de ver que sua cabeça se inclinou bruscamente para um lado. ?Tem-lhe quebrado o pescoço ?disse Andrea. O enxame alcançou ao arqueiro, que virou para a esquerda para encontrar-se diretamente com a espada do Mart, quem lhe atirou duas vertiginosas e precisas estocadas e se dirigiu para o Espadachim, que ainda chiava como um porco. O Colhedor o observou debater-se durante uns segundos, com ar perplexo, até que o rematou de um simples talho. O enxame se desvaneceu e


a cabeça do Espadachim deu voltas sobre a areia. O público estalou em um delírio. Os cambiaformas que me acompanhavam permaneceram absolutamente silêncio. ?Bom, assim é como funciona ?disse Jim em voz baixa, enquanto os empregados encarregados da limpeza carregavam os cadáveres em macas e rastelavam a areia para recolher algumas extremidades extraviadas?e?. Há quatro combates em total. Primeiro o encontro de classificação, logo o segundo nível, o terceiro nível e o combate pelo campeonato. Solo no combate final tem que lutar toda a equipe. Em outros, deixam-no a nossa eleição. Podemos tirar de um a quatro lutadores em cada combate. Se tirarmos quatro e os perdemos a todos, estamos desqualificados automaticamente, ao ser «incapazes de continuar». Fez uma pausa para que o assumíssemos. Ao parecer, tinha estado muito ocupado recolhendo toda a informação possível. Inclusive tinha um sujetapapeles cheio de notas, como se fora o treinador de uma equipe de beisebol. ?Apesar desta norma, muitas equipes saem com quatro participantes, porque tirar sozinho três é arriscado. ?Dirigiu o olhar para Curran, sentado uns degraus mais abaixo. ? É seu jogo. ?Curran se encolheu de ombros. assim, Jim seguia ostentando o posto de Estrategista. Sua Majestade era muito generoso. ?Dividiremo-nos em duas equipes ?decidiu Jim?. Um de três e outro de quatro lutadores. Tudo bem, até o momento. ?Isso minimizará nossos riscos de ser eliminados e nos permitirá descansar entre um combate e o seguinte.

Tinha muito sentido. ?Rafael, Andrea, Derek e eu formaremos parte do primeiro grupo. Curran, Kate e Dali serão os componentes do segundo. Impacto total.

?Quer que lute com ele? ?protestei?. Na mesma equipe? ?Sim. ?por que? ?de repente, senti a incontrolável necessidade de sair correndo e gritar. ?Derek, Rafael e eu temos estilos de luta similares. Movemo-nos pelo terreno. Andrea também é um combatente móvel, já que pode disparar e mover-se ao mesmo tempo. Em troca, Dali não pode ?asseverou Jim.


?Faço magia shodo ?afirmou Dali?. Posso lançar maldições mediante a caligrafia. Tenho que escrever a maldição em uma parte de papel e não posso me mover enquanto o faço. Um borrão e pode que acabemos todos mortos. OH, Deus. ?Mas não se preocupe. ?Gesticulou com os braços?. É algo tão preciso que normalmente não está acostumado a funcionar. A coisa melhorava. ?Rafael e eu não somos bons lutadores defensivos ?continuou Jim?, e Derek ainda não é muito veloz. Tenho que colocar ao Dali detrás de Curran, porque ele é a defesa mais capitalista que temos. Mas necessitará uma forte ofensiva, e você é o melhor lutador ofensivo que temos. De algum modo, não acabava de soar como um completo. ?Do mesmo modo, os três nos submetemos ao mesmo treinamento ?acrescentou?, assim sabemos o que esperar uns de outros e funcionamos bem como equipe. Em cima não acreditava que pudesse trabalhar bem em equipe. Está bem. ?O segundo grupo terá que lutar no combate de classificação e no terceiro nível. A classificação não deveria lhes resultar problemática e, no terceiro nível, os lutadores já deveriam estar cansados. O primeiro grupo liberará o combate do segundo nível e lutaremos todos juntos no combate final pelo campeonato. ? Jim folheou suas páginas de notas?. Esta noite lhes enfrentarão aos Demônios Vermelhos. Por isso ouvi, tirarão a areia um homem ?bisão, um espadachim e, como mago, uma estranha criatura. A magia estará ativa durante o combate. Os organizadores tentam programar os encontros durante as quebras de onda mágicas, porque a magia oferece um maior espetáculo. Tentem parecer descuidados e incompetentes. quanto mais fracos pareçam, mais lhes infravalorizarão seus oponentes e todos o teremos mais fácil nos seguintes combates. Meu senhor, não usem as garras. Kate, não use a magia. Têm que ganhar, mas por pouco. Olhou suas notas de novo e acrescentou: ?As leis relativas ao assassinato não se aplicam no Poço. Curran não disse nada. Jim tinha dada permissão aos cambiaformas para matar sem conseqüências, com o silêncio de Curran para referendá-lo. Menos mal, porque os gladiadores morriam. Essa era a realidade. Nos víamos obrigados a lutar, mas outros tinham acudido ali por própria vontade. Além disso, se se desse a ocasião, cada membro das equipes competidores mataria a qualquer de nós sem pensar-lhe duas vezes. A areia rangeu sob meus pés e quase pude saboreá-la na língua. Trouxe-me lembranças do calor e de um sol abrasador, umas lembranças que me sacudi de cima para observar o Poço.


No outro extremo, três pessoas nos aguardavam. O espadachim era alto e levava uma enorme espada bastarda. O homem bisão, com um emaranhado pelagem castanha escura, destacava por cima de outros, com ar ameaçador. Sua largura era desmesurada, seus ombros possuíam

férreos e avultados músculos e seu peito era como um barril. Vestia uma cota de malha sobre o torso, mas sem calças. Suas pernas terminavam em negras pezuñas. Um denso matagal de cabelo coroava sua nuca. Seus rasgos eram uma mescla de touro e ser humano, mas a diferença do minotauro, cujo rosto possuía uma coesão, o crânio do bisão era uma massa de partes desemparelha. Depois deles se elevava uma criatura de pesadelo. A parte inferior de seu corpo era o de uma serpente pitón, castanho escuro com espirais de escamas cor nata. Perto do abdômen, as escamas se faziam tão finas que brilhavam e se estendiam, rodeadas à carne, até o torso de um corpo humano, que contava com uns pequenos peitos e um rosto feminino que parecia pertencer a uma quinceañera e que nos olhava intensamente com seus olhos de um verde esmeralda. Seu crânio estava totalmente calvo e uma espécie de capuz carnudo o rodeava, similar a de uma cobra real. Uma lamia. Estupendo. A lamia oscilava brandamente, ao ritmo de uma melodia que solo ela podia escutar. Uma velha magia emanava dela, antiga e fria como o gelo, um poder que levantou a areia e a fez girar em sinuosas curvas que acariciaram suas escamas antes de voltar a deslizar-se até a superfície do Poço. detrás de mim, Dali se estremeceu. Permanecia firme sobre a areia e sustentava uma tabuleta sujetapapeles, uma pluma estilográfica e uma delicada folha de papel de arroz atalho em finas tiras. Centrei-me no espadachim. Tinha que parecer débil e desajeitada. Muito bem, isso podia fazê-lo. A multidão aguardava nosso redor. O murmúrio das conversações, os pigarros e o som de mil respirações simultâneas se fundiam em um leve zumbido. Esquadrinhei as filas de assentos e pude distinguir ao Saiman em seu camarote. A Tia B, a mãe do Rafael, sentava-se a sua direita e Mahon, o Urso de Atlanta, verdugo da Manada, ocupava a cadeira de seu direita. Sentado entre os alfas do clã bouda e do clã ouso. Não sentia saudades que tivessem persuadido ao Saiman para que cedesse seu posto a Curran. detrás de Tia B pude ver uma cabeça loira que me resultava familiar. Não podia ser. Quando se girou, pude ver o rosto da Julie. OH, sim podia ser. ?subornaste a minha menina!


?Chegamos a um acordo comercial ?disse Curran?. Ela queria verte lutar e eu queria saber quando, onde e como conseguiriam entrar nos Jogos. Julie me ofereceu um largo sorriso, nervosa, e me fez uma pequena saudação com a mão. Espera a que saia daqui, vocalizei para que me lesse os lábios. íamos ter um pequeno bate-papo a respeito de obedecer ordens. ?Sei qual é o problema. ?Curran jogou seus ombros para trás e os flexionou, fazendo um pouco de aquecimento. Aproveitei para lhe jogar uma olhada. Tinha decidido lutar em jeans e com uma velha camiseta negra com as mangas arregaçadas, provavelmente a que usava para fazer exercício. Seus bíceps estavam esculpidos; os músculos, forjados e definidos por incontáveis esforços, nem muito volumosos nem muito esbeltos. Eram perfeitos. lhe beijar me tinha feito sentir culpado por meu incrível mau julgamento, mas ao menos ninguém podia me acusar de ter mau gosto. A questão era não lhe beijar de novo. Uma vez, podia ser um acidente; dois, seria um desastre...

?Há dito algo? ?Arqueei uma sobrancelha ao olhá-lo. A indiferença era a melhor camuflagem para conseguir que não me caísse a baba. Tanto o bisão como o espadachim pareciam dispostos a atacar, com os músculos de suas pernas tensos e ligeiramente inclinados para diante. Pareciam estar totalmente seguros de que não nos moveríamos de nossa posição e os aguardaríamos. Curran também tinha o olhar fixo em suas pernas, mas pareciam estar esperando algum tipo de distração por parte da lamia, que se escondia amassada em seu casulo de magia e se sustentava com ambas as mãos, como se lutasse contra a correia que a retinha. ?Hei dito que sei por que tem medo de lutar comigo. ?por que? ?Se voltava a flexionar seus músculos, teria que tomar medidas de emergência. Possivelmente, de uma patada, podia lhe arrojar um pouco de areia. Seria-lhe difícil resultar atrativo enquanto se tirava a areia dos olhos. ?Porque me quer. OH, tio. ?Não pode resistir a meu sutil encanto, assim teme dar um espetáculo. ?Sabe o que? Não me fale. Nesse momento, soou o gongo. As lembranças me assaltaram de novo: calor, areia e medo. A magia da lamia estalou como o ataque de uma cobra. Consegui dar um salto para a esquerda, bem a tempo de evitar o buraco na areia que se abria sob meus pés. O espadachim já se pegou a mim como um marisco. Arremeteu contra mim e lançou com raiva um golpe de manual, um poderoso talho em diagonal da direita e descendente. Saltei para trás e


sua espada assobiou ao passar sem me roçar. Sujeitei seu peitilho de couro e lhe estampei a frente na cara. Lá vamos. Desajeitada. Meu rosto se empapou de vermelho. O espadachim pôs os olhos em branco e se derrubou. Aquilo não ia bem. Dava-me a volta a tempo de ver a investida do homem bisão. Demorou uns segundos em adquirir velocidade, mas agora, enquanto corria; largo, enorme, exalando bufidos desde seu nariz disforme, parecia imparable. Curran o viu vir com uma expressão ligeiramente aborrecida. No último momento, fez-se a um lado e lhe pôs a rasteira. O cambiaforma tropeçou e Curran lhe ajudou com um golpe na nuca muito pouco gentil. O homem bisão golpeou o chão como um arranha-céu ao derrubar-se e levantou uma nuvem de areia. convulsionou-se um instante e ficou imóvel, com o pescoço torcido em um ângulo abrupto. Devia haver-se quebrado o pescoço ao cair. Seu peito ainda subia e baixava, assim ao menos não morreria. Curran o observou, com ar perplexo. Dali ladrou uma ordem cortante em um idioma que não identifiquei e lançou no ar uma fina tira de papel de arroz. escutou-se um leve «plop» e o papel se desvaneceu. Olhamos a lamia, espectadores, mas não aconteceu nada. Enquanto isso, ela ondeava os braços, sem dúvida acumulando magia para um pouco realmente desagradável. Supus que o feitiço tinha falhado. de repente, brilhou um resplendor de cor magenta intensa sobre a cabeça da lamia, que floresceu até converter-se em duas deslumbrantes mandíbulas vermelhas lotadas de demoníacos

dentes afiados como agulhas. As mandíbulas se fecharam repetidamente sobre o pescoço, os cotovelos e a cintura da lamia, e se desvaneceram. escutou-se um forte rangido e a lamia se retorceu sua cabeça caiu para trás, quebrado o pescoço, seus cotovelos se dobraram para diante e se desmoronou como uma flor com o caule quebrado. Girei-me lentamente e contemplei ao Dali, que se encolheu de ombros. ?Suponho que funcionou. O que acontece? O público enlouqueceu.


Jim nos esperava na porta dourada, mostrando os dentes. ?O que passou com o de ganhar pelos cabelos? ? Disse que fora desajeitada. Olhe, nem sequer usei minha espada. Golpeei-lhe com a cabeça, como a um parvo. ?Um homem te ataca com uma espada e o desarma e o deixa sem .sentido em menos de dois segundos. ?voltou-se para Curran. ?Não é culpa minha que não tenha sabido cair. ?encolheu-se de ombros. O olhar do Jim passou de Curran ao Dali. ?Que demônios era isso? ? As fauces da morte escarlate. ?E quando planejava me dizer que podia dobrar desse modo os cotovelos da gente? ' ?Disse-te que lançava maldições. ?Disse que não funcionavam! ?Pinjente que não sempre funcionavam. Esta, ao parecer, sim o fez. ?Dali adotou uma careta que enrugou sua frente?. De qualquer modo, não é que esteja acostumada às usar contra oponentes vivos. foi um acidente. Jim nos olhou fixamente. Seu tabuleiro de notas se partiu em suas mãos. deu-se a volta e se afastou de nós deliberadamente. ?Acredito que ferimos seus sentimentos. ? Dali o seguiu enquanto se afastava, deixou escapar um suspiro e se encaminhou atrás dele. Curran me olhou. ?Que demônios se supõe que tinha que fazer, sustentar ao bisão enquanto caía? Uma vez em nossas habitações, agarrei uma muda limpa e me dava uma ducha. Quando saí, o Guarda Vermelho havia nos trazido o jantar: guisado de vitela e pão recém assado. Rafael se evaporou depois de jantar e os cambiaformas me convidaram a jogar com eles ao pôquer. Depenaram-me. Ao parecer, era feita de pistas: podiam escutar os batimentos do coração de meu coração, assim como detectar as sutis mudanças em minha pele e, pelas vezes que piscava, eram capazes de saber que cartas tinha antes das ver sequer. Se tivéssemos jogado strip?póquer, teria que lhes haver dado até a pele de minhas costas. Finalmente, levantei-me da mesa e fui a minha cama a ler um dos livros em rústica do Doolittle, já que ele estava ocupado. O bom doutor tinha resultado ser um exímio ludópata. de vez em quando, levantava a vista para observá-los. Os seis cambiaformas permaneciam quietos como estátuas, com os rostos inexpressivos que não traslucían nenhuma emoção, enquanto sustentavam as cartas e intercambiavam breves e fugazes olhares. Resultava-me estranho dormir com mais gente ali, mas havia algo hipnótico em sua absoluta quietude que convidava a sumir-se em um plácido sonho.


Sonhei que Curran e eu matávamos um dinossauro e logo fazíamos o amor no chão.

ao redor das nove, Curran, Dali e eu nos nos dirigir para a porta dourada para ver o Andrea, Rafael, Jim e Derek enfrentar-se aos Assassinos. A magia estava em seu apogeu. Andrea me sorriu ao passar a meu lado. Levava as SIG?SAUER nas capas de seus quadris e sustentava uma mola de suspensão. Com a magia ativa as pistolas não disparariam, mas tinha querido estar preparada se por acaso se produzia uma mudança e se ativava a tecnologia. Jim e Derek não levavam armas e vestiam idênticas calças de moletom cinzas. Rafael ia armado com duas facas táticas, ambos com um recobrimento antioxidante que fazia que as folhas fossem negras como o Teflón. A faca de sua esquerda tinha a forma de um tanto japonês. o de sua direita, de dobro fio, tinha certa forma de folha: estreito no punho, alargava-se antes de chegar a uma ponta afiladísima. Rafael levava umas botas negras, a jogo com umas calças de couro tão ajustados que moldavam suas pernas com um resultado pasmoso... E não levava nada mais. Quando passava a meu lado, inclinou-se para Curran e lhe aconteceu um leque de papel dobrado, feito com algum tipo de folheto. ?O que??Curran contemplou dúbio o leque. ?Uma precaução em caso de emergência, Sua Majestade. Se por acaso a senhorita se deprime. Curran se limitou a contemplá-lo. Rafael se encaminhou ao Poço, mas se deu a volta um instante, fez uma leve reverencia e me piscou os olhos um olho. ?me dê isso ?lhe disse a Curran?. Preciso me abanar. ?Não, não o necessita. Subimos às escadas para ter uma vista melhor. Quando os três estávamos já sentados nos degraus, Andrea carregou a mola de suspensão de um modo eficiente. Os três cambiaformas se desdobraram ante ela. Ao outro extremo da areia, os Assassinos adotaram uma formação por casais. Os Assassinos desprendiam um ar declaradamente japonês. Sua Pedra, uma enorme e muito alto monstruosidade, devia pesar ao menos duzentos quilogramas. De uma cor anil escuro, media quase dois metros e médio, e tinha uns braços tão grossos como troncos de árvore. por cima de sua saia me sobressaía uma pança avultada e redonda, como se se tivesse tragado uma bala de canhão. Da escura juba que coroava seu crânio brotavam dois chifres retorcidos e de sua mandíbula inferior se sobressaíam duas simétricas presas similares ao os de um dente de sabre. Seu rosto brutal, de rasgos toscos, delatava simples rabia, e o pesado pau de aço que levava em sua mão indicava que ia manifestar a com gosto. tratava-se de um oni, um ogro japonês. Perto


dele, acuclillada, havia uma besta que possuía um inquietante parecido com as estátuas de pedra que guardavam as entradas dos templos chineses. De grossos e poderosos músculos, contemplava ao público com uns olhos saltados, pletóricos de inteligência. Seus flancos eram de cor vermelha escuro e sua curta juba se ondulava em cachos cor rubi. Farejou o ar e sacudiu sua imensa e desproporcionada cabeça. Suas mandíbulas se abriram mais e mais ampliamente, até que sua cabeça parecia partida pela metade. As luzes se refletiram em suas brancas presas. Era um leão Fu. Depois dele, elevava-se uma mulher ruiva, de lábios finos, que levava uma camiseta branca e umas brilhantes calças negras e que empunhava um yumi, um arco tradicional japonês, esbelto, mas de dois metros de altura. A seu lado permanecia imóvel um homem de origem asiático, com uns olhos chamativos de cor verde jade.

A arquera começou a carregar seu arco yumi. ergueu-se com os pés separados e com o flanco esquerdo de seu corpo frente ao objetivo que tinha eleito: Rafael. Levantou o arco por cima de sua cabeça e foi baixando lentamente, ao tempo que esticava progressivamente a corda, até que o reto cabo da flecha se cruzou sobre sua bochecha. Uma faísca de prata prendeu a ponta da flecha e foi percorrendo o cabo em uma labareda de luz branca. Ao outro extremo da areia, Andrea aguardava com a mola de suspensão apoiada na coxa. Rafael lançava com indiferença a faca que sustentava em sua mão direita e o voltava a agarrar, depois de girar no ar, convertido em um borrão metálico. Inclinei-me para diante, com os cotovelos sobre meus joelhos e as mãos entrelaçadas em um único punho. ?Não são meninos precisamente ?me disse Curran?. Sabem o que fazem. Para mim, não supunha a menor diferencia. Preferiria lutar cem vezes no Poço antes que ver morrer a um deles. O gongo emitiu seu tangido. A arquera disparou. Andrea elevou a mola de suspensão e disparou sem apontar sequer. Na piscada que durou aquele instante, Rafael se separou da trajetória da flecha ardente, com uns movimentos tão fluídos que suas articulações pareciam feitas de água, e lançou um talho com sua faca. As duas metades da flecha caíram sobre a areia, chispando de magia. A cabeça da arquera rangeu. O projétil da mola de suspensão se cravou justo entre seus .olhos. Sua boca se abriu em um escuro círculo, perdeu o equilíbrio e se veio abaixo.


O homem que lutava a seu lado fechou os olhos e caiu para trás, mas seu corpo não chegou a tocar a areia. Finos filamentos mágicos o apanharam e o envolveram, tecendo a seu redor uma delicada telaraña que balançava seu corpo como um balancim. Seu rosto adquiriu tal placidez, que parecia dormido. O leão Fu rugiu, embora o som que emitiu era mais próprio de um lobinho cheio o saco que de um felino. De sua boca surgiram avermelhadas volutas de fumaça e investiu. Percorreu a distância que o separava de nossas linhas em três grandes saltos e cada uma de suas garras levantou a areia como o golpe de um enorme maço. Derek se interpôs em seu caminho, enquanto suas calças se rasgavam e se desprendiam de seu corpo em processo de metamorfose. A pele de suas costas se cindiu e brotou a pelagem. Seus músculos e ossos buliram e um homem lobo de mais de dois metros de altura tentou apanhar a cabeça do leão Fu. O pesadelo e o leão chocaram e sua colisão levantou uma palmeira de areia no ar. O impacto impulsiono ao Derek sobre a areia, até que cravou nela suas extremidades lupinas, freando em seco a investida do leão até anulá-la. Os robustos músculos de seu lombo se esticaram sob sua pelagem. O leão Fu sacudiu a cabeça, tratando de livrar-se de seu competidor meio besta, meio homem. Derek afundou seus fauces no enorme pescoço da criatura. A sua esquerda, Jim se transformou em jaguar em metade de um estalo de carne e pelagem dourada. O leão Fu retrocedeu, insinuando zarpazos. No instante em que expôs seu ventre, Rafael e o jaguar se lançaram sobre ele. Houve um relampejo de garras e facas e os escorregadios intestinos da besta se esparramaram junto com um jorro de sangue. Derek liberou suas garras e se separou de um salto. O leão Fu se cambaleou e caiu.

Os cambiaformas se elevaram sobre o corpo cansado, em silêncio. Nos olhos do Derek reluzia o âmbar, enquanto que os do Jim eram verdes simas. ?Jim melhorou sua forma de guerreiro ?asseverou Curran?. Interessante. Depois dos cambiaformas, Andrea carregou a mola de suspensão e disparou. Os projéteis saíram disparados um atrás de outros Três deles tinham feito impacto no peito do oni, mas o ogro bramou e os arrancou de um tapa daquele enorme escudo de carne que era seu torso. Andrea dirigiu um disparo contra a frente. O projétil ricocheteou contra o crânio do ogro. Depois do oní, a magia aumentava, abria-se como uma flor ao redor do adormecido. Uns brincos largos, translúcidos, serpentearam além das pernas do oni, como pálidas cintas. ?Isso é mau ?murmurou Dali a minhas costas?. Muito, muito mau. Os filamentos mágicos se ataram uns com outros e sua luz emitiu uma chama para dar forma a uma criatura de três metros de altura, parecida com um ser humano com ancas de rã, que se


acuclilló sobre a areia apoiada em uns braços anormalmente largos. Os tentáculos mágicos conectavam suas costas e suas pernas com o mago adormecido. Um par adicional de antebraços surgia de seus cotovelos e acabava em umas mãos de dedos largos, rematados por afiadas garras. No lugar onde deveria estar sua cara se abriam umas enormes fauces como um fosso, como um profundo túnel para seu interior. Seus flancos reluziam com um brilho metálico, como se a criatura fosse feita de lã chapeada. O estádio emudeceu. Os cambiaformas retrocederam. Andrea voltou a carregar a mola de suspensão e lançou um projétil às fauces da criatura, que se desvaneceu e emergiu pelas costas daquela aberração. Depois dela, o oni dançava de forma grotesca, pisoteando a areia. A criatura retrocedeu imperceptivelmente, seu cítrico peito se expandiu e cuspiu uma brilhante nuvem chapeada. produziu-se uma chuva de finas agulhas que caiu sobre a areia. Uma delas alcançou ao Jim, que grunhiu. Prata. Os cambiaformas se replegaron. O monstro manteve um constante fluxo de vômito metálico e começou a arrastar-se, lenta e laboriosamente, apanhando-os contra a alambrada. A chuva de agulhas apanhou ao Derek, alcançando seu torso. debateu-se como se lhe queimasse e deu um salto para afastar-se. ?Acabem com o adormecido ?murmurei. Jim ladrou uma concisa ordem, apenas audível depois do assobio das agulhas que voavam sobre a areia. Derek evitou a chuva correndo para a esquerda, enquanto que Rafael se lançava para a direita, tratando de rodear à criatura. Uma segunda boca se abriu no lado direito do peito da criatura e uma nova corrente de agulhas cortou o passo ao Rafael. Sujeitei com força minha espada. Curran observava o combate sem expressão alguma, como uma rocha. Jim deu outra ordem. Rafael e Jim retrocederam, enquanto Derek voltava sobre seus passos lentamente para ficar fora do alcance do monstro. Os dois cambiaformas sujeitaram as pernas do Andrea e a empurraram para cima. Andrea saiu disparada para as alturas e lançou um único disparo. O projétil impactou no peito do adormecido e emergiu por suas costas. despertou com um grito sobressaltado e tentou arrancar-lhe Os translúcidos filamentos mágicos se rasgaram e caiu na areia. Os brincos se encolheram e se desprenderam da pele do monstro, deixando detrás

de si negros buracos, que se aumentaram progressivamente até que a criatura começou a


fundir-se. Estalou como um látego e, de um reverso, tirou-se de em meio ao oni, que foi a estelar se contra a alambrada. A aberração feita de prata se arrastou pela areia até o adormecido, cada vez mais rápido. Suas costas e seus quadris tinham desaparecido, fundidas, e mesmo assim continuava arrastando-se. Durante um instante se inclinou sobre o humano que agonizava, agachou-se e o tragou de um bocado. Os uivos do mago cessaram súbitamente e a criatura se desvaneceu. A multidão estalou e milhares de bocas gritaram de uma vez. A nossa esquerda, uma rouca voz masculina gritou « Bravooo!» com toda a força de seus pulmões. O oni se levantou com dificuldade e se encontrou com os três cambiaformas. Foi algo breve e brutal. Abri a porta e descendi as escadas para a porta dourada. Curran e Dali me seguiram. Um momento depois os quatro se aproximaram, talheres de sangue e salpicados de areia. Andrea correu através. das portas e me abraçou. ?Viu isso? ? Esse disparo foi a repera. ?À enfermaria ?ordenou com brio Doolittle?. Rápido, antes de que a prata se estenda. Quando passaram a nosso lado, Jim olhou a Curran. O Senhor das Bestas fez um ligeiro assentimento. Derek e Rafael foram os últimos em atravessar a porta. O menino maravilha coxeava ostensiblemente. Dirigiu um olhar a Curran, rígido. ?Bem feito ?disse Curran. Derek ficou direito. Um pequeno rastro de orgulho iluminou seus olhos. Passou ante nós coxeando, mas tratava de não apoiar-se no Rafael. A cinco passos das portas, Andrea se derrubou. Um segundo estava sonriendo e ao seguinte caía abatida como uma árvore destruída. Rafael soltou ao Derek e eu o sujeitei enquanto Rafael recolhia ao Andrea do chão. ?Intoxicação por prata ?declarou Doolittle?. Tiremos a daqui. ?Queima-me ?ofegou Andrea. Já tinha tido que lombriga as anteriormente com cambiaformas feridos por prata. Era algo desagradável e terrível. E eu tinha metido ao Andrea nessa situação. Rafael carregou com o Andrea até a habitação do lado, onde Doolittle tinha estabelecido sua consulta, e a depositou sobre uma mesa metálica. Andrea tremia. Umas manchas apareceram em sua pele como uma fotografia ao revelar-se. Seus dedos se alargaram e lhe saíram garras. ?Continua. ?Rafael a imobilizou sujeitando com força seu colete de couro. ?Não.


?Não seja ridícula ?lhe grunhiu. Andrea se aferrou às mãos do Rafael. ?Não! ?Seus olhos enlouqueceram. ?Agora, senhorita... ?disse Doolittle com doçura. ?Não! Suas costas se arqueou. convulsionou-se e uivou. Sua voz vibrava de pânico. Estava trocando e não queria que ninguém a visse.

?Necessitamos um pouco de privacidade ?lhes pedi?. Por favor. ?Parte. ?De repente, deixei de sentir o peso do Derek. Curran o agarrou e partiram à outra habitação, seguidos pelo Dali e pelo Jim. Rafael ficou ali, pálido como um lençol, estreitando ao Andrea entre seus braços. Ela grunhiu com voz rouca. ?Tudo vai bem ?lhe assegurei?. Solo estamos o doutor, Rafael e eu. Outros se partiram. ?Quero que ele se vá ?suplicou com a respiração entrecortada?. Por favor. ?Tem convulsões. Não posso te manter aquieta porque é muito forte e o doutor está ocupado. ?Curta a roupa ?ordenou Doolittle, enérgico. ?Não, não, não... ?Andrea começou a chorar. Rafael a atraiu para si, estreitando-a entre seus braços, com as costas do Andrea descansando contra seu peito. ?Tranqüila ?lhe sussurrou?. Não se preocupe, tudo irá bem. Em menos de um minuto a deixava completamente nua. Feias manchas cinzas salpicavam seu torso. Devia ter recebido uma rajada frontal de agulhas. estremeceu-se de novo e os tremores agitavam seu peito e chegavam até suas pernas. Uivou de dor. ?Não lute contra a mudança ?lhe aconselhou com suavidade Doolittle, enquanto abria uma maleta de couro cheio de instrumental?. Deixa que se apodere de ti. ?Não posso. ?É obvio que pode ?lhe disse. ?iNo! ?exclamou com um grunhido através dos dentes apertados. ?Não vais morrer por te envergonhar de suas manchas de hiena. Eu já te vi em sua forma natural e ao Doolittle não o, importa. Ele já viu de tudo, verdade, doutor?


?OH! a de histórias que poderia te contar! ?Doolittle soltou uma risita?. Isto não é nada. Algo sem importância. ?Sua cara dizia outra coisa, mas Andrea não podia vê-la?. Estará de pé e pegando botes em pouco tempo. ? e Rafael pensa que é muito sexy em sua verdadeira forma. É um pervertido, recorda? Vamos, Andrea. Pode fazê-lo. Rafael a balançou contra seu peito. ?Troca, carinho. Pode fazê-lo. Deixa que o corpo tome o controle. As manchas cinzas se estenderam. Ela espremeu minha mão nas suas, a ponto de me partir os dedos. ?Troca, Andrea. Deve-me uma comida e sabe. ?Não é verdade ?respondeu automaticamente. ?Sim o é. Rafael e você saíram fugindo e tive que pagar eu. Se morrer agora, será-me muito difícil recuperar o dinheiro e sou muito miserável para me fazer carrego da conta. Vamos. A cabeça do Andrea se inclinou para trás violentamente, golpeando o peito do Rafael enquanto gritava. A carne fluiu por seu organismo, adotou nova forma, moldou um novo corpo, uma criatura esbelta, de largas pernas, coberta de uma curta pelagem. Seu rosto era uma mescla de humano e hiena. Mas a diferença dos cambiaformas do clã bouda, cujo aspecto

animal era freqüentemente um horripilante batiburrillo de partes desiguais, Andrea era um ser proporcionado, elegante, formoso. Lástima que ela não se visse assim. Doolittle mediu seu abdômen com os dedos da mão esquerda enquanto sustentava o escalpelo com a direita. ?Agora, quando te fizer o corte, empurra. É rápido e fácil, como já saberá pelo treinamento. ?Treinamento? ?perguntou com voz sufocada. ?O treinamento de extração de prata ?lhe esclareceu Doolittle. ?Não recebi nenhum treinamento! É obvio que não o tinha recebido. Nem sequer assumia o fato de que era uma cambiaforma. ?Não sabe como fazê-lo ?confessei. , Andrea se retorceu e Rafael a sujeitou com mais força. Seu rosto tinha empalidecido. ? A prata queima. Sua carne trata de retroceder ante ela e isso lhe permite penetrar mais profundamente no corpo. Deve lutar contra ?lhe explicou Doolittle?. Sei que vai contra seus instintos, mas quando te cortar, deve pressionar e empurrá-la para expulsar a de seu organismo.


?Não posso ?ofegou Andrea. ?Sim que pode ?lhe disse Rafael?. Todo mundo aprende a fazê-lo. Até os meninos são treinados para isso. É um cavalheiro da Ordem. Pode expulsar uma maldita agulha de seu corpo. Deixa de chorar e de te compadecer de ti mesma. ? Odeio-te ?grunhiu ela. Doolittle situou o escalpelo sobre a mancha cinza maior. ?Preparada? Fez um corte sem esperar a sua resposta. Um sangue negro brotou da ferida. Andrea espremeu minha mão, gritou, lutou, e uma agulha de prata saiu de seu ventre. Doolittle enxugou o sangue viciado pela prata com uma gaze. ? Boa garota. Muito bem. Agora vamos a pela seguinte. Quando teve acabado tudo, Rafael acompanhou ao Andrea às duchas, murmurando tranqüilizadoras palavras carinhosas em seu ouvido. Minha participação tinha chegado a seu fim. Fui ao dormitório comum para me encontrar ali com o Dali, que extraía as agulhas das costas do Derek. A diferença do Andrea, Derek tinha recebido treinamento e sua evolução era muito mais rápida. Inclusive brincava enquanto Dali o fazia os cortes, destroçando as palavras com suas monstruosas mandíbulas, grunhia com uma raiva fingida e exclamava com ar teatral: «OSSS matarrééé a todosss porrr esssto!». Curran ria entre dentes e Dali tinha a risada tola. Inclusive Jim sorriu, por uma vez, na habitação, em lugar de ir-se ver os combates. Não podia ficar ali. Queria estar sozinha. Deveria partir e assistir aos combates. Outras pessoas foram morrer para deleite da ávida multidão. Isso me levantaria a moral. Além disso, não tinha outro sítio aonde ir. Não foi até que me encontrei no corredor quando o impacto posterior ao combate me golpeou totalmente. Pequenas faíscas dolorosas percorreram minha pele e se fundiram, primeiro em alívio, depois em uma ansiedade eletrizante.

Ao outro extremo do corredor, uma mulher que vestia um vaporoso sari se dirigia em minha direção escoltada por dois membros do Guarda Vermelho. Levava uma caixa de metal de elaborado desenho. Voltei para nossos aposentos e bloqueei a entrada. A mulher e os guardas se detiveram ante mim. Ela me sorriu. ?Um presente. Para o jovem do rosto destroçado.


?Assegurarei-me de entregar-lhe Agarrei a caixa. Seu sorriso se fez mais larga. ?Leva posta uma pele muito bonita ?lhe disse?. Estou segura de que sua proprietária gritou de modo dilacerador quando a matou para arrancar-lhe Os guardas se levaram as mãos às armas. ?Você também gritará quando te arrancar a tua ?me prometeu. ?Tirarei-te o coração e farei que lhe coma isso. Ou pode me economizar todo o processo e te tragar sua própria língua, como fez seu escamoso amigo. ?Devolvi-lhe o sorriso. A sua se agudizó. Inclinou ligeiramente a cabeça e partiu. Os guardas a escoltaram, aliviados. Entrei com a caixa ao dormitório e lhes contei de onde procedia. Derek a alcançou e a abriu sem pronunciar palavra. Em seu interior havia uma grande quantidade de cabelo humano. Escavou nele com suas garras e as retirou rapidamente. Não havia sangue, só cabelo escuro, pacote em um acréscimo cerceado. Elevou o lábio superior e mostrou as presas. Era o cabelo do Livie. ?Fizeram isto para desfigurá-la? ?perguntei. Dali negou com a cabeça. ?As viúvas se cortam o cabelo. estão-se burlando dele. Se ela for a noiva, é como se ele já estivesse morto.

Capitulo27

Levantei-me por volta das cinco. Fui ao ginásio, fiz uns estiramentos, seguidos de um treinamento ligeiro, dava-me uma ducha e tomei o café da manhã. Pura rotina. Exceto porque fomos uns monstros reunidos ao redor da mesa. Aos cambiaformas adoravam comer. Era um milagre que a mesa não se viesse abaixo pelo peso de toda a comida que tinham pedido. ?Estas papa são repugnantes. ? Doolittle fez uma careta e arrojou outra colherada de manteiga em sua terrina. ?O cozinheiro deve ser um homem cego com duas mãos esquerdas? opinou Dali, depois de chupar sua colher. ?O que eu gostaria de saber é, como se podem danificar umas papa ?Rafael se encolheu de ombros?. Logo que são comestíveis quando estão bem feitas.


?Contarei a sua mãe que há dito isso ?lhe disse Doolittle.

?O pão de milho está como uma pedra. ? Jim agarrou uma esquina amarela e golpeou a mesa com ela?. E as salsichas têm sabor de papel. ?Talvez querem nos matar de fome ?sugeriu Andrea. ?Mas bem é como se queriam nos provocar dor de estômago. ?Curran se serve mais tiras de beicon em seu prato. Para ser pessoas que se convertiam com freqüência em feras que devoravam crudas a suas presas, eram exigentes e difíceis de contentar. ?Kate prepara boas salsichas ?deixou cair Jim. Seis pares de olhos me contemplaram. Obrigado, inoportuno. Justo o que necessitava. ?OH, sim. ?Andrea estalou os dedos?. Aquela réstia? As que comemos a princípios de mês? Não sabia que as tivesse feito você. Acreditava que as tinha comprado. Estavam riquíssimas. ?Seu sorriso era absolutamente angélico. Lástima que não pudesse lançar raios laser pelos olhos... ?O que põe em suas salsichas, Kate? ?interessou-se Rafael, com um olhar totalmente inocente. Homens jaguar bocazas com um pingo de hiena. ?Carne de veado e coelho. ?Parece uma salsicha de qualidade ?replicou Doolittle?. Importaria-te me passar a receita? ?Não tinha nem idéia de que fosse perita em salsichas ?repôs Curran com um rosto totalmente inexpressivo. Morre, morre, morre... Inclusive Derek quebrou sua compostura em um sorriso. Rafael se inclinou, apoiou a cabeça na mesa e se agitou nervosamente. ?engasgou-se com algo? ?perguntou Dali, enrugando a frente. ?Não, solo necessita um momento ?argüiu Curran?. Os jovens machos bouda se excitam facilmente. ?Com quem vamos brigar hoje? ?perguntei, desejando poder lhe romper a crisma com um objeto contundente. ?Com os Pícaros do Rouge ?disse Jim, ?É uma brincadeira, não? ?Andrea arqueou as sobrancelhas.


?Não. ?Jim negou com a cabeça?. Estão liderados por um francês, que se chama a si mesmo Cyclone. São um grupo perigoso. ?O francês me conhece ?lhe confessei. ?Como de bem? ?Jim fixou seu olhar em mim. ?Bastante bem ?respondeu Curran?. Tem medo dela. ?Viu-te lutar alguma vez? ?perguntou Andrea. ?Sim, faz muito tempo. ?Quanto? ?inquiriu Jim?, Conhece muito bem seu estilo de luta? Se tentava me tirar deste combate, o ia cortar em rodelas. ? Foi faz doze anos, no Peru. Duvido seriamente que recorde os detalhes de minha esgrima. ?O que estava fazendo no Peru? ?perguntou Rafael. ?Lutar em Fossa de Sangue. –Vi-lhe digerir a informação. Sim, tinha treze anos. Não, não queria falar disso?. Como hei dito, é algo irrelevante. O francês é um gladiador profissional. Vai de estádio em estádio, em busca dos prêmios. É um mago do ar bastante competente e

pode lançar poderosos feitiços básicos. Tentará nos bloquear ou nos imobilizar. Que mais temos em sua equipe? Parecia que Jim tinha mordido um limão. ?Assumindo que vão tirar seus melhores lutadores, têm a um trol como Pedra, a um golem como Espadachim e a um vampiro como Ponta aguda. Um vampiro muito velho. ?Como de velho? ?Como os do Olathe ?disse Jim, Meu coração se encolheu. Olathe, a antiga concubina do Roland, tinha usado vampiros tão antigos que deviam ter sido criados antes da Oscilação, a primeira quebra de onda de magia, quando tecnicamente se supunha que não podiam existir. Um vampiro era uma abominação em constante progresso. quanto mais velho se fazia o vampiro, mais acusados eram as mudanças que o patogênico Immortuus infligia em seu corpo, antigamente humano, e mais perigoso chegava a ser. ?O golem é de prata ?acrescentou Jim?. Brotam-lhe espadas dos lugares mais insuspeitados e é vertiginosamente rápido. Não lhe pode cortar nem partir em pedaços. Por outro lado, a pele do trol é quase impenetrável. Fez ricochetear uma lança. Preocupa-me. Preocuparia a qualquer. Somente o vampiro, inclusive se os outros fossem muñequitos de papel, já suporia um esforço. Tal como estavam as coisas, romper sua linha defensiva ia ser quase impossível. O vampiro era letal e perversamente veloz. Com outros dois lutadores e um mago, manter ao vampiro afastado do Dali ia ser muito difícil.


Olathe se tinha levado seus vampiros das quadras do Roland quando lhe abandonou. De onde tinha tirado Cyclone um vampiro tão antigo, especialmente com o Senhor da Guerra da Nação sentado entre o escadaria? Podia amassar a mente do vampiro, mas não sem me delatar. ?Posso me encarregar do chupasangre ?afirmou Dali?, se a magia estiver ativa. ?Este não é um vampiro normal. ? Jim fez uma careta?. Nunca viu a um assim. É realmente velho. ?quanto mais velho melhor ?assentiu ela?. Mas terei que me entregar por completo. Posso fazê-lo somente uma vez. Depois precisarei dormir e descansar. Olhei ao Dali. Se destruía ao vampiro; outros se enfureceriam com ela. Quatro contra três, uma péssima aposta, especialmente se tínhamos em conta ao mago do ar. S.in embargo, havia uma forma de mantê-la a salvo. Sob Circunstâncias normais, seria uma loucura e uma imprudência. Mas com o Hugh d'Ambray como espectador, era uma idéia que qualificaria como realmente estúpida. Se Dali falhava, ficaria completamente desprotegida ante o vampiro, que se lançaria sobre ela. Todos poderíamos escutar seus gritos. ?Se pode eliminar ao chupasangre, eu te manterei a salvo o resto do combate, sempre que a magia esteja ativa. ?Como? ?Com uma salvaguarda de sangue. Bloqueará toda a magia no exterior, incluindo a tua própria. Terá que lançar a maldição e entrar no círculo. Uma vez em seu interior, manterá-te isolada. Não poderá sair sem minha ajuda, mas ninguém mais será capaz de entrar. ?E se não funcionar? ?Dali se mordeu o lábio. ?Terá que confiar em mim. ?De acordo ?disse, depois de considerá-lo um momento. Jim negou com a cabeça.

?considerastes incluir um quarto lutador? ?Não ?dissemos Curran e eu de uma vez. Não queria ter as vistas de mais amigos sobre minha consciência. Doolittle suspirou. ?Isto nos levará um pouco de prática ?disse, me pondo em pé.


O vampiro se escondia junto ao Cyclone, lhe gotejem de magia necromántica. Jim tinha razão, Era um exemplar realmente velho. Nem sequer ficavam rastros de sua capacidade de caminhar erguido. Aguardava quatro patas, como um cão ao que, de algum modo, tivessem-lhe saído pernas humanoides que acabavam em garras aguçadas como estiletes. Os últimos ecos de sua humanidade tinham desaparecido muito tempo atrás. converteu-se em uma coisa, tão repugnantemente estranha e aterradora que sua mera visão me provocava calafrios no espinho dorsal. Sobre seu esqueleto não perdurava nem um grama de graxa. Sua fina pele se atia tão estreitamente contra seus músculos como tensos cabos de aço, que parecia que tinham vertido cera derretida sobre um modelo anatômico esculpido por um artista demente. Agudas protuberâncias ósseas perfuravam a pele ao longo de sua coluna vertebral e formavam cristas irregulares. Seu nariz tinha desaparecido e não ficava dela nem sequer uma fenda. Umas fauces enormes, desprovidas de lábios, sobressaíam-se proeminentes de sua cara arrepiante, revelando um bosque de presas incrustadas em umas gengivas vermelho carmesim. Na parte traseira de seu crânio disforme crescia uma grosa excrecencia a modo de corno. Seus olhos brilhavam com um faminto vermelho escuro, como rubis engastados nas conchas oculares de um demônio. Encontrei a aguda e dolorosa luz de sua mente e esperei nas sombras. Se Dali falhava, amassaria-o, delatasse-me ou não. Perto deles estava o trol. Uma criatura descomunal, quase de três metros de altura. Sua pele era de cor marrom escura; irregular e nodosa, jaspeada com manchas marrons mais esvaídas. Ao vê-lo solo me vinha à cabeça um adjetivo: grosso. Pernas grosas como enormes troncos de árvores, acabadas em pezuñas elefantinas redondas e plainas. Um abdômen grosso, com uma pança redonda que parecia muito coriácea para ser denominada ventre. Um peito monumental, com largos ombros e músculos como blocos de concreto. Um pescoço grosso, mais largo que minha coxa. E uma cabeça também grosa, redonda, que parecia um coto com uma cara plaina. Tinha os olhos profundamente afundados em suas escuras órbitas, um nariz raquítico de gato persa e uma estreita fresta como boca. Duas presas se sobressaíam de sua mandíbula inferior, alargando sua boca em um sorriso malévolo. Parecia como se tivesse sido esculpido a partir de um tronco de árvore gargantuesco e logo tivessem deixado que se petrificasse. Com a força com que empunhava a lança, teria partido uma serra mecânica. No extremo esquerdo aguardava um homem. Era jovem e de pele escura, com o crânio bem barbeado. Tinha a compleição de um ginasta, ia nu e levava duas espadas idênticas. Nunca tinha visto nenhuma como aquelas. Filhas bastardas de uma cimitarra e uma katana, possuíam a folha fina e ligeira da arma japonesa e a suave curvatura, agudizada na ponta, herdada do sabre árabe. De um metro aproximado de envergadura e três centímetros de largura na parte mais estreita, suas folhas eram tão rápidas como devastadoras. Enquanto entrávamos na areia, o homem trocou. Um pálido resplendor cobriu seus fortes rasgos. Sua silhueta se expandiu com uma espessura cinzenta. Uma armadura tomou forma em seus ombros: uma ombreira com relevos sobre o ombro esquerdo e outra mais ligeira sobre o

direito. Uns pesados distintivos se fecharam sobre seus antebraços. Um amplo cinturão de metal


cobriu seus rins, de que descendia uma estreita peça metálica para proteger seu testículo. Seu corpo, talher por um bafo resplandecente, secou-se em um instante, atado em um lustroso recobrimento cinza. Tudo exceto seus olhos era de metal. Era o golem de prata. Suas espadas apontaram em minha direção. Justo o que necessitava: um homem de lata com esteroides. Na atualidade, vagabundear por aí em busca de um coração e cantar alegremente não lhe serviria de nada a este jovem e ambicioso turco de metal. Esse tio queria meu coração, enquanto ainda pulsasse e sangrasse, recém arrancado de meu peito. Detivemo-nos o bordo da areia. A magia estava em pleno apogeu. Dali tragou saliva. Eu levava a Assassina e uma espada tática que tinha roubado da armería da Manada durante a erupção. Tendi-lhe a espada tática a Curran. ? Sustenta-me isso um momento? Sujeitou-a e eu deslizei o dorso de minha mão pela folha de Assassina para obter um corte limpo e superficial. O sangue emanou em um vermelho reguero. Dali fez uma careta de dor e me deu as costas. Deixei correr o sangue pela folha de minha espada. Tanto meu pai como Greg se estariam revolvendo em suas tumbas. Desenhei um círculo de sessenta centímetros de diâmetro sobre a areia, deixando uma estreita abertura. Tirei uma tira de gaze e a envolvi sobre minha mão, deixando que a gaze se empapasse. Logo lhe aconteceu a gaze ensangüentada ao Dali, que a enganchou a seu tabuleiro e se situou frente à abertura do círculo. Levaria-lhe tão solo um segundo, e um passo atrás, entrar na salvaguarda de sangue. ?É igual ao que praticamos. Faz o que tenha que fazer com o vampiro. Tanto se funcionar como se não, retrocede até o interior do círculo e usa a gaze para selá-lo. Entendeste-o? ?perguntei-lhe, enquanto pegava uma parte de esparadrapo sobre o corte de minha mão. ?Sim. ?lhe obedeça ordenou que Curran, com voz tranqüila. ?Sim, meu senhor. ? Dali voltou a tragar saliva. Encaminhamo-nos para o fronte. O vampiro se veria atraído pelo sangue, especialmente por meu sangue. Sua navegante sentiria esse puxão e o enviaria em detrás do Dali. Isso nos deixaria frente ao trol e o golem. Enquanto eles agüentassem, Cyclone estaria a salvo. ?Decisões, decisões ?murmurei. Permanecíamos juntos, um ao lado do outro. ?Eu me encarregarei do trol ?disse Curran. ?Sim.


Uma vez que o vampiro estivesse sujeito pela magia do Dali e, com um pouco de otimismo, não pela própria Dali, o golern a atacaria, tratando de tirá-la do círculo. Se o fazia tudo corretamente, o golem fracassaria, o que nos deixaria uns poucos segundos para um encontro cara a cara com o trol. O trol sorriu de brinca a orelha. ?Segue sonriendo, guapetón ?pinjente, enquanto fazia aquecimentos de boneca. Curran estava estudando ao golem. Aquela maldita coisa era de prata. ? O golem é meu. Não te meta em meus assuntos.

? Neste Poço, tudo é meu ?sentenciou. O som do gongo foi corno uma explosão em meu coração. A magia emanou do Cyclone. O ar se espessou a meu redor e me envolveu como um lençol molhado, fez-se mais pesado, opressivo, adquiriu pressão... O feitiço de ar. Fiquei paralisada. Frente a mim, Curran permanecia imóvel como uma estátua, com um pequeno sorriso nos lábios. Também tinha reconhecido o feitiço. O vampiro voou sobre a areia. O golem correu para mim. Uma violenta e fria estocada de magia passou entre nós. Em algum lugar do escadaria, um grito rouco anunciou que um Senhor dos Mortos tinha perdido o controle sobre o vampiro. Ânimo, Dali. O ar me aprisionou com seus grilhões e se congelou, me imobilizando com sua invisível sujeição. Era bastante bom. Curran explorou em sua forma jaqueta e em seu lugar se elevou um pesadelo de mais de dois metros vinte de altura coberta de músculos, de aveludada pelagem cinza escura e com franjas cor fumaça. Esta vez, em lugar da espantosa fusão entre humano e leão, uma cabeça de leão surgia de seus ombros, dotada de umas aterradoras fauces. Solo Curran podia obter aquilo: manter a maior parte de seu corpo em uma forma e adotar parte de outra. Saltei e o feitiço de ar se quebrou como uma folha de papel ao rasgar-se. Estava desenhado para refrear a uma vítima em estado de pânico. quanto mais lutava, mais te constrangia. Mas se o deixava atuar e te relaxava, podia rompê-lo com um movimento súbito. O golem virou à esquerda, agora com o Dali como objetivo. Cyclone se cambaleou, momentaneamente enjoado por ter quebrado seu feitiço.


O trol já se encontrava sobre nós. Corri até me situar debaixo de sua pança. De madeira ou não, era capaz de caminhar; o que implicava que seus joelhos podiam flexionar-se, assim introduzi as espadas entre suas pernas e lancei um talho à parte posterior de seus joelhos. Não se veio abaixo, mas tentou me apanhar. Isso... me olhe a mim, tronco desmesurado. Um fétido fedor a decomposição se pulverizou sobre a areia. Meus olhos lacrimejaram. A demoníaca monstruosidade em que se converteu Curran aterrissou nas costas do trol. As fauces do leão se abriram em toda sua extensão e se fecharam com força sobre o grosso cangote do trol. Suas presas brancas cintilaram, morderam, introduziram-se entre as vértebras cervicais e cortaram a medula espinhal como tesouras. A cabeça do trol caiu para um lado, enquanto seu escuro sangue emanava abundantemente sobre seus ombros. Curran agarrou seu crânio e lhe arrancou a cabeça do pescoço. Seu rosto era uma horrível quimera, médio humana e médio leonina, quando lançou a cabeça do trol ao Cyclone. O mago não fez o menor movimento para evitá-la. Tão solo ficou olhando, atônito. A cabeça se estampou contra ele com tal ímpeto que perdeu o equilíbrio e caiu ao chão, hirto. Girei-me rapidamente. Dali se tinha desabado no interior do círculo, com os braços cruzados sobre a cabeça a modo de amparo. Sua cara e seu ombro estavam manchados de sangue, ao igual ao comprido rasgão em sua camiseta, mas a ferida já tinha sanado. O golem atacou ao Dali, convertendo suas espadas em um redemoinho de metal, mas ricocheteou no escudo. Cada um de seus golpes enviava uma vibração de cor burdeos sobre a superfície do

feitiço. Perto do Dali jazia uma massa de carne pútrida com um pequeno retângulo de papel de arroz aderido. No papel reluzia, azul pálido, um solitário caráter kanji. Tinha-o conseguido. Tinha acabado com o vampiro. ?Está bem? ?perguntei a gritos, antes de recordar que não podia me ouvir. Ela levantou a cabeça, viu-me e sustentou em alto um polegar. ?Né, você, bote de lata! ?exclamei?. Vêem aqui! O golem se deu a volta, o que levantou uma nuvem de areia, e carregou contra mim. Esperei-o com as espadas em alto. Arremeteu e a folha de sua espada passou roçando minha bochecha, abanicándome. Sua velocidade era sobrenatural, mas aquela não era minha primeira vez e minha velocidade podia equiparar-se à sua. Lançou golpe detrás golpe, mas os bloqueei uma e outra vez, deixando que suas espadas entrechocaran com as minhas. Dava-lhe a bem-vinda a familiar sensação de calidez que se estendeu por todo meu corpo. Meus músculos se fizeram dúctiles; meus


movimentos, grácis. Era rápido e estava bem treinado, mas eu também o era e tinha recebido um treinamento melhor. As espadas se converteram em um redemoinho. Ri e segui bloqueando seus golpes. Quer chegar mais longe? Bem. Adiante. Minha única oportunidade radicava em fatigá-lo. Era difícil cravar uma espada no olho de um homem. Infelizmente, era a única parte dele que seguia sendo humano. Transcorreram os minutos, reduzidos a farrapos pela chuva de reluzentes estocadas. A multidão se tranqüilizou e só o rítmico pulso de nossas espadas ousava destronar o silêncio. Meu competidor não poderia manter este ritmo indefinidamente e eu sozinho tinha começado o aquecimento. Curran apareceu atrás do golem. O olhar me custou um agudo talho, arrojado com tino, no ombro esquerdo. ?Não! ?exclamei. Curran apanhou ao golem em um forte abraço, que tinha a finalidade de lhe partir o pescoço. A prata fluiu, líquida, e uns afiadas espinhos de metal brotaram das costas do golem para atravessar o peito de Curran, empalando-o. Curran rugiu de agonia. O som ricocheteou em torno do Poço. A dor e o estrondo se somaram, o que esteve a ponto de me fazer cair de joelhos. No escadaria a gente gritava e se tampava os ouvidos. Umas zonas cinzas começaram a abrir-se passo na pele de Curran, devorando sua sedosa pelagem. O muito idiota seguia sujeitando a sua presa ainda com mais força. O golem se deu a volta, com movimentos um pouco mais lentos, enquanto seus espinhos seguiam aparecendo pelas costas de Curran. O universo se reduziu a Curran e a sua imensa dor. Tinha que liberá-lo como fora, Nada mais importava. Ataquei, deixando um pequeno oco desprotegido em meu lado esquerdo que o golem advertiu. Lançou uma estocada, dirigida a meus pulmões, e eu não tratei de bloqueá-la. A fina folha se afundou através de minhas costelas. Uma pontada de gelo me atravessou, seguida de um agudo e doloroso ardor. Inundei a folha de Assassina em seu olho esquerdo. deslizou-se perfeitamente em uma vagem de carne. Enterrei-a profundamente, pondo toda minha força nisso. Foi um golpe entre cem.

A boca do golem se abriu. Sua pele de prata se agitou, desprendendo-se de seu corpo e, enquanto o


fazia, um grito nasceu das profundidades de sua garganta, ao princípio fracamente, mas logo foi ganhando força. Finalmente, estalou em um uivo de dor e surpresa. Curran se separou dele, desprendendo-se dos espinhos. Os últimos restos de prata se escorreram pela pele do golem. Caiu de joelhos e eu pus meu pé em seu ombro e empurrei para tirar a espada. Caiu de bruces e me afastei, percorrendo a areia, e coloquei a mão através da salvaguarda de sangue. solidificou-se ao redor de minha mão em um brilho avermelhado. Durante um momento, uma translúcida coluna vermelha envolveu ao Dali e depois se quebrou, evaporando-se no ar. Agarrei-a e a tirei dali. detrás de nós, Curran se cambaleou. A multidão estalou em uma gritaria. Malditos bodes. Girei sobre meus talões, fixei minha vista neles e lhes gritei: ?Que vos jodan a todos! limitaram-se a gritar mais forte. Saí do Poço. Na porta, Jim jogou uma olhada a minha cara e se separou de meu caminho. Irrompi em nossos aposentos, direta ao improvisado hospital do Doolittle. Curran me seguiu, fechando de uma portada. Girei-me súbitamente. Ante meus olhos, a besta se fundiu e Curran apareceu ante mim em sua forma humana. Umas escuras manchas salpicavam seu peito ali onde os espinhos se cravaram em sua carne. Observei-o durante um segundo e estampei meu punho por cima de seu abdômen, justo sobre o plexo solar. Exalou um bufo. Doolittle saiu precipitadamente. ?Que coño passa contigo? ?Procurei um pouco pesado com o que lhe golpear, mas a habitação estava quase vazia. Havia instrumentos cirúrgicos, mas não eram os objetos romos e contundentes capazes de lhe causar o dano que desejava lhe infligir. ergueu-se em toda sua estatura. ?Era feito de prata! ?Grunhi em sua cara?. Tinha-o sob controle. O que·passou por sua cabeça? Há um golem tóxico de prata, acredito que saltarei sobre suas costas. Miúda idéia genial! Esquadrinhou-me atentamente e de repente me encontrei atendida contra seu peito. ?Estava preocupada comigo? ?Não, estou destrambelhando por gosto, porque sou uma zorra ingrata. Ele sorriu. ?É idiota! ?disse-lhe. Somente me olhou. Umas alegres luz douradas faiscaram em seus olhos. Sabia exatamente o que significavam essas faíscas. Minha fúria se dissipou, substituída por uma sensação de perigo.


?me beije e te matarei ?lhe adverti. ?Possivelmente mereceria a pena ?replicou brandamente. Se me sustentava durante mais tempo, perderia o controle e o beijaria eu antes. Estava tão contente de que estivesse vivo... Quando te afoga, agarra ao primeiro que haja seu alcance. Inclusive um pequeno ramo serviria. ?Estou sangrando, Sua Majestade. Liberou-me de seu abraço e foi chamar ao Doolittle.

Doolittle salmodió para que as feridas se fechassem, pôs cara de preocupação, cravou minhas pernas com agulhas quentes e declarou que minhas respostas eram normais. ? foi uma ferida de soslaio. Dói-te? ?No?mentí. ?Porquê me preocupo? ?Suspirou, com a paciente expressão de um mártir. ?Não sei. Ajudaria se chorasse como um bebê? ?Pensando-o melhor, mantén a compostura. ?Sacudiu a cabeça. As manchas do peito de Curran seguiam crescendo. Assinalei-o. ?Tenho que ver o Dali. Sofre uma comoção. ? Doolittle me passou o escalpelo. O que divertido. Não parecia estar conmocionada quando a vi. Doolittle partiu com atitude resolvida; Contemplei o escalpelo. Curran se sentou no chão e me mostrou suas enormes e musculosas costas. OH, tio. ?Simplesmente faz-o ?disse?. Ou vais deprimir te? ?te acalme, princesa. Não é a primeira vez que faço isto. Pus meus dedos sobre a primeira mancha. O músculo sob as gemas de meus dedos estava quente e inflamado. Fiz pressão para definir a área, tal e como me tinham ensinado, e cortei. ficou tenso. Um sangue negro brotou da ferida e apareceu um fragmento de prata, que colhi com as pinzas e procedi a extrair. Media dois centímetros de largura e cinco de comprimento. Mierda. Havia prata suficiente para fazer que um cambiaforma adoecesse gravemente. Quantas espinhos mais teria em seu interior? Joguei-a em uma bandeja metálica, enxuguei o sangue de suas costas e fui a pela seguinte tão rápido como pude. Cortar, extrair, enxugar. Uma e outra vez. Grunhiu uma só vez, em voz baixa.


?Quase terminamos ?murmurei. ?Quem te ensinou a fazer isto? ?perguntou. ?Um rato. ?Conheço-lhe? ?Ela. Morreu faz muito tempo. Meu pai gostava. Tirei nove espinhos. Suas feridas já se estavam fechando, soldando-se tanto o músculo como a pele. Levantei-me, molhei uma toalha e limpei suas costas. inclinou-se um pouco para trás, procurando prolongar o contato com meus dedos. Desejei percorrer suas costas com minha mão, mas em lugar disso me obriguei a me levantar, enxagüei a toalha e a joguei no cubo que Doolittle tinha disposto. ?Será melhor que vá ?disse, e me parti antes de fazer algo incrivelmente estúpido.

Capitulo 28

Era tarde. Sentei-me no esquentado jacuzzi profundamente encaixado em uma habitação sem janelas. A umidade se condensava no teto e uns abajures elétricos proporcionavam uma iluminação nebulosa. Os jorros não funcionavam, com magia ou sem ela. Doía-me todo o corpo. Meu flanco, meus braços, minhas costas. O golem tinha repartido muito sofrimento. Considerei sair da água. Tinha os pés enrugados e tinha entrado em calor. Mas isso implicava que teria que voltar para a habitação. Tínhamos chegado até a luta final do campeonato e o Guarda Vermelho nos vigiava de perto. A única forma de sair dos aposentos era através de um interrogatório de terceiro grau e com escolta. Inclusive nesse momento, ali sentada, tinha a dois membros do Guarda Vermelho apostados na porta de entrada. Uma garrafa de Coroa, pálida e coberta de condensação, invadiu meu campo de visão. Estava sujeita por uma mão ligada a um braço musculoso recubierto por pêlo loiro. ? É uma oferta de paz ?disse Curran. Tinha-lhe ouvido entrar? Não. Agarrei a cerveja. deteve-se na parte oposta do jacuzzi. Levava uma toalha branca de ginásio. ?vou tirar me a toalha e a me colocar dentro ?me disse?. Advirto-lhe isso. Há momentos na vida nos que um encolhimento de ombros requer toda sua vontade. ?Já te vi nu antes. ?Não queria que saísse correndo e chiando. ?Não te faça ilusões.


tirou-se a toalha. Não tinha esquecido como era sem roupa, unicamente não recordava quão tentador resultava. Estava feito com os cánones da sobrevivência: forte mas flexível, definido mas esbelto. Poderia fazer ricochetear uma moeda em seus abdominais. Curran entrou no jacuzzi. Obviamente, sem pressa alguma. Era como caminhar sobre uma ponte muito alta: nunca terá que olhar para baixo. Nunca por debaixo da cintura ... OH, Meu deus! inundou-se na água muita perto de mim. Lembrei-me de respirar. ?Como está suas costas? ?Bem ?respondeu?, obrigado. ? De nada. ?Tinha que lhe doer bastante. ?Dói-te o flanco? ?Não. Seu sorriso me indicou que sabia que os dois parecíamos pó. Bebi um gole de minha cerveja, sem logo que saboreá-la. o ter ao outro lado do jacuzzi era como estar cara a cara com um tigre faminto sem nenhuma grade que nos separasse. Ou melhor, com um leão faminto com as presas muita compridos. ?vais despedir do Jim? Tentei parecer casual. ?Não ?respondeu o leão. Não podia suspirar de alívio, já que o ouviria.

Curran se estirou, estendendo seus musculosos braços contra a parede do jacuzzi. ?Admito que se tivesse emprestado atenção, teria talhado este assunto de raiz. Não deveria ter chegado a tal extremo. ?Como? ? Jim acessou ao cargo de chefe de segurança oito meses antes de que aparecesse o Perseguidor de Rede Point. O upir foi sua primeira prova de fogo, e a cagou. Todos o fizemos. Depois entrou em cena Bran, que roubou os mapas da Manada três vezes, que entrava e saía da Fortaleza como queria. Atacou-te enquanto te achava sob nossa custódia e se burlou da equipe que tinha que recuperar esses mapas, incluído Jim. Jim o considera um fracasso pessoal. ?O tio se teletransportaba. Como demônios se supõe que pode te proteger contra alguém que entra e sai de nosso plano de existência?


Curran se deslizou pela parede e se inundou um pouco mais na água. ?Se tivesse sabido o mal que tomou Jim, o teria falado com ele. Recorda quando tentou te utilizar como anzol? ?Lembrança que quis lhe soltar um murro na boca. ?Essa foi o primeiro sinal de advertência. Suas prioridades tinham passado a ser algo assim como «ganhar em toda costa». Em seu momento, pensei que atuava de forma estranha, mas estavam ocorrendo muitas coisas e o deixei passar. converteu-se em um paranóico. Todos os chefes de segurança têm tendências paranoides, mas Jim o levou até extremos insuspeitados. Começou a obcecar-se com a prevenção de futuras ameaças e quando Derek a jodió e lhe desfiguraram a cara, Jim chegou a seu limite. Não podia admitir a possibilidade de ser o responsável pela morte do Derek e de que eu tivesse que matar ao menino. Tinha que arrumá-lo como fora. Basicamente, havia um problema e não o adverti a tempo. E ele, estava claro, não me ia contar isso. Querido Señor?de as Bestas, como seu chefe de segurança devo te advertir de que tenho entre mãos assuntos muito inadequados... Sim, antes floresceriam rosas no inferno. ?Não posso lutar com todo mundo de uma vez ?asseverou Curran?. E Jim é o único que nunca me encheu o saco. Suponho que já lhe tocava. Assim para responder por completo a sua pergunta, não há motivo para degradá-lo. Possui um talento inato para seu trabalho e o está fazendo razoavelmente bem, tendo em consideração ao que se enfrenta. Se a demissão terei que substitui-lo com alguém com menos experiência e a cagará ainda mais. Isto é uma lição. Três meses arrastando rochas enormes lhe ajudarão a relaxar-se. Sentamo-nos em silêncio. Dava um gole a minha cerveja e me senti um pouco enjoada. Era curioso como seis meses de sobriedade me tinham convertido em alguém com tão pouca resistência. Curran descansou a cabeça no bordo do jacuzzi e fechou os olhos. Contemplei o aspecto de seu rosto, em contraste com a escuridão da parede. A verdade é que era um bastardo atrativo. Nesse momento parecia muito humano, sem ninguém a quem impressionar e ninguém a quem repartir ordens. Solo era ele, submerso em água quente, cansado, dolorido, desfrutando de uns preciosos momentos de descanso... e tão irresistivelmente erótico... Bom, o último não sei de onde tinha saído. Era a cerveja. Tinha que ser isso. Apesar de seus grunhidos, de suas ameaças e de sua arrogância, eu gostava de estar a seu lado. Me fazia me sentir segura... Era uma sensação estranha, porque eu nunca me sentia segura.

Fechei os olhos, porque parecia o único modo razoável de sair daquela situação. Se não podia vê-lo, não poderia me lançar sobre ele.


?Então não queria lombriga ferido? ?perguntou-me. Sua voz era aparentemente suave e contida, o matreiro, profundo e gutural ronrono de um gato gigante que quer algo. Admitir que tomava seu bem-estar em consideração suporia um fatídico engano. ?Não queria que te visse obrigado a matar ao Derek. ?E se se tivesse transformado em lupo? ? Me teria encarregado dele. ?Como planejava exatamente passar por cima do Jim? Era o alfa de maior fila. O dever era dele. ?Apelei a minha fila ?repus?. Disse-lhe que do momento em que tinha aceito a assistência da Ordem, minha fila ultrapassava ao de todos eles. ?E te acreditou? ?Sorriu. ?Sim. Também lancei um olhar assassino para criar um pouco de efeito. Por desgraça, não posso fazer que meus olhos brilhem como os teus. ?Assim? ?Sussurrou em meu ouvido. Abri os olhos súbitamente. Estava apenas a uns centímetros de mim, com os pés no fundo e seus braços a cada lado de minha cabeça. Seus olhos eram ouro fundido, mas não era o resplendor duro e letal do macho alfa. Aquele ouro era quente e sedutor, com um ligeiro toque de desejo. ?Não me obrigue a te romper a garrafa na cabeza?le sussurrei. ?Não o fará ?sorriu?. Não quer me fazer danifico. Equilibramo-nos um sobre o outro ao mesmo tempo e chocamos, famintos de desejo e ansiosos por satisfazê-lo. Os avisos e os alarmes ressonaram em minha cabeça, mas os desativei. A mierda. Desejava-o. Ele encontrou minha boca e a pressão de sua língua contra a minha fez que me desse voltas a cabeça. Tinha um sabor celestial. Devolvi-lhe o beijo, mordisquei, lambi, fundi-me com ele. Sentia-me tão bem... Seus lábios riscaram uma linha abrasadora de meus até o bordo de minha mandíbula e seguiram descendo pelo pescoço. Todo meu corpo se estremeceu em uma cálida e líquida sensação de triunfo. Sua voz era apenas um sussurro entrecortado em meu ouvido. ?Só se você quiser... me diga que não e pararei. ?Não ?sussurrei, para comprovar se o fazia. Curran retrocedeu. Seus olhos estavam ávidos de desejo, selvagens, e logo que podia manter o controle. Tragou com dificuldade. ? De acordo. Era a coisa mais erótica que tinha visto em minha vida. Alcancei-o e deslizei minha mão por seu peito, sentindo seus músculos tensos. Agarrou minha mão e beijou a palma com doçura. Um desejo ardente, mas controlado com


firmeza, brilhava em seus olhos. Liberei meus dedos, separei-me da parede e beijei sua garganta, debaixo de sua mandíbula. Aquilo era pura felicidade. Não havia esperança alguma para mim. Deu um pequeno rugido enquanto fechava os olhos. ?O que está fazendo? ?Atirando dos bigodes da Morte ?murmurei, deixando que minha língua brincasse por sua pele, áspera por causa da barba. Cheirava divinamente, um aroma limpo e masculino. Minhas mãos se deslizaram por seus bíceps. Seus músculos se esticaram ante a ligeira pressão de meus dedos.

Tentava com todas suas forças permanecer quieto e quase começo a rir. Todas as vezes que me tinha chamado neném... A vingança era doce. ?Isso é um sim ou um não? ?perguntou-me. Aproximei-me mais a ele e lhe belisquei o lábio inferior. ? Tomarei como um sim. Os músculos de aço de seus braços se flexionaram sob minhas mãos. Agarrou-me, levantou-me até sua altura e me beijou, sua língua entrava em minha boca com um ritmo ardente e hábil, ávido e ansioso. Rodeei seu pescoço com meus braços. Sua mão direita agarrou meus cabelos, sua esquerda sustentou minhas nádegas e me empurrou contra ele. Notei em meu regaço sua ereção, larga e dura. Por fim... ?me deixe entrar ?rugiu Derek na porta. te largue. O guarda disse algo. A mão de Curran encontrou meu peito e acariciou o mamilo, enviando uma descarga elétrica por toda minha pele, que ameaçava fundindo-se... ?Sim ?grunhiu Derek?. Sou um membro da maldita equipe. lhes pergunte. ?Curran ?sussurrei?. Curran! Soltou um grunhido e seguiu com o seu. A porta se abriu de repente. O propiné um golpe na nuca e se inundou. Socorro, afoguei ao Senhor das Bestas. Derek avançou até o bordo do jacuzzi. Curran emergiu pela parte oposta. Parecia muito zangado. ?O que acontece? ?A mulher dos Colhedores trouxe outra caixa. Esta vez levava uma mão dentro. Não é a do Livie, não tem seu aroma, mas é uma mão de mulher. Cheira como se a tivessem cerceado faz dois dias, possivelmente mais. Certamente a congelaram.


Fechei os olhos e deixei que me invadisse a realidade. Em alguma parte havia uma mulher sem mão, possivelmente até tivessem devorado seu corpo. A repulsão me retorceu as vísceras, seguida de uma raiva fruto de minha indignação. ?lhe entregue a mão ao Guarda Vermelho; não podemos fazer nada até manhã ?declarou Curran. Derek partiu. Curran me olhou do outro extremo do jacuzzi, cujas águas nos separavam como um campo de batalha. Seus olhos ainda brilhavam como mel derretido que reluzisse desde seu interior. Precisava me acalmar. Para ele supunha uma luta de vontades. Disse que ia ter me e eu lhe disse que não, por isso ele queria ganhar em toda costa. ?perdeste sua oportunidade. Não vou voltar a me aproximar de ti, assim já pode apagar seus faróis. aproximou-se para mim. ?Não. ?Pus muito ferro nessa negação. deteve-se ? Você queria ?respondeu. Se mentisse lhe daria maior satisfação. Tinha que mantê-lo no outro extremo de1jacuzzi ou me lançaria sobre ele de novo. ?Claro. ?Então, o que passou? ?recordei quem sou eu e quem é você.

? E quem sou? Ilumínarne, ?É o homem ao que gosta de jogar e não gosta de perder. E eu sou quão idiota sempre o esquece. te gire para que possa sair, por favor. ? E quase o tinha conseguido, além disso. Se repantingó contra a parede do jacuzzi tranqüilamente, sem nenhuma intenção de mover-se. ?De acordo. ?Acabemos com isto. Me acuclillé no banco e me levantei rapidamente. A água me chegava até a metade da coxa. Curran fez um ruído áspero, que soou quase como um gemido. Saí do jacuzzi, agarrei a toalha, me envolvi nela e me parti. Não ia voltar a me colocar em um jacuzzi. Ao menos durante muito, muito tempo.


Capitulo 29

Levantei-me cedo, muito. O relógio da parede marcava as três e meia. Fiquei tombada com os olhos abertos uns minutos e finalmente me levantei, agarrei a Assassina e saí da habitação em direção à porta principal. Derek estava sentado em uma cadeira, perto da entrada. Olhou-me com olhos amarelados. ?Onde estão os guardas? ?murmurei. encolheu-se de ombros. ?Deve ser uma substituição. sentaram-se frente à porta durante seis horas e de repente se levantaram e se partiram. ?Quanto tempo faz disso? ?Três minutos. Podia ser uma substituição. Duvidava que os Colhedores tentassem fazer algo estranho. A maldição do Diamante Lobo garantia que tentariam ganhá-lo. O objetivo do Mart era a gema, já que devia ter a para atacar à Manada. Não parecia que aos rákshasas gostasse das apostas. Preferiam ter vantagem e, sem o Diamante Lobo, os cambiaformas varreriam o chão com eles. Sentia-me razoavelmente segura sobre os combates de amanhã. Era certo que a velocidade do Mart era tremenda e sua magia não era para tomar-lhe a brincadeira, mas nossa equipe estava bem equilibrada e os cambiaformas lutavam como uma máquina bem engordurada. Além disso, embora os Colhedores entravam no Poço como equipe, dividiam os enfrentamentos em duelos individuais. ?Agora venho ?pinjente. ? Aonde vai? ?Quero ver o Poço. ?Tive que lhe confessar a verdade. Assentiu com a cabeça.

Cruzei o vestíbulo e me dirigi para o Poço. Solo queria passar a mão pela areia e reviver minhas lembranças, desse modo poderia dormir tranqüila. O caminho mais curto para a areia passava pelo ginásio. Solo tinha que cruzá-lo e chegaria até a porta dourada. Escapuli-me dentro e corri descalça pelo ginásio. Um momento depois já tinha cruzado as portas


e me achava no interior do Poço. Tinham tirado as cobertas que tampavam as enormes clarabóias do telhado para preparar a luta do campeonato. A luz da lua se derramava sobre a areia. No Poço, banhado por um véu de luz de lua, estava Hugh d'Ambray, acompanhado do Nick e do jovem lutador, que entregava um pacote ao Mart e Cesare. Um calafrio percorreu meu espinho dorsal. Detive-me. O pacote era alargado e parecia uma espada envolta em tecido. Assim ali tinham ido os guardas. Tinha-os subornado para poder fazer o intercâmbio. Hugh não era estúpido. Tinha visto os combates e se deu conta de que tinha possibilidades de ganhar amanhã. Mesmo assim, tinha decidido equilibrar as apostas. Aquela espada não devia ser uma espada qualquer. O lábio superior do Cesare se torceu em uma careta. Mart sorriu em minha direção e os dois Colhedores se fundiram na escuridão. Hugh d'Ambray me divisou e olhou a suas costas. ? Não me surpreende que Roland se aliasse com os rákshasas. São uma raça antiga que depende da magia. Respeitam seu poder ?disse?. Tampouco me surpreende que os utilize para debilitar à Manada. São sanguinários e maliciosos, mas não muito inteligentes. Se ganharem, serão um inimigo muito mais fraco que os cambiaformas. Se perderem, a Manada se manchará de sangue de todos os modos. Entretanto, o que sim me resulta surpreendente é ver o Hugh d'Ambray subornando aos guardas e escabulléndose na noite como um vulgar ladrão para proporcionar aos rákshasas uma arma antes da luta final. Parece estar fazendo armadilhas. Que desagradável! aproximou-se de mim e fez um leve gesto de assentimento. ?Caminha comigo. Tinha que saber o que lhes tinha entregue. Nossa sobrevivência dependia disso. Caminhei a seu lado. Nick e o outro lutador nos seguiam uns passos por detrás. Começamos a riscar um círculo ao redor da alambrada. ?Eu gosto da forma em que te move. Onde nos tínhamos visto antes? ?Solo por curiosidade, o que lhes entregaste? ?Uma espada ?respondeu. Não me diga? ?Deve ser uma espada muito valiosa. Os Colhedores tratam as armas como se fossem brinquedos. fundiram todo seu prezado electrum para poder arrojar-lhe à cara a um dos cambiaformas. As comissuras dos lábios do Hugh se moveram nervosamente. Conteve a expressão antes de esboçar uma careta, mas a vi. Um ponto para mim. ?portanto, essa espada deve ser muito especial. Algo que provavelmente não lhes deveria confiar, algo que trocaria as apostas de amanhã a seu favor. É uma das armas pessoais do


Roland? ?Eu gostei do que fez com o golem ?se limitou a responder?. Rápido, preciso e econômico. Boa técnica. ?Entregaste a Açoite?

A espada que lhes tinha entregue tinha uma folha larga. Poderia ser Açoite, mas desejava com todas minhas forças que não fora assim. Açoite desencadeava o tipo de magia que dizimava exércitos inteiros. Não, devia ser outra espada. Uma espada que se pudesse utilizar corto alcance e com muita precisão. ?Se não te tivesse aliado com o bando equivocado, poderia te haver utilizado ?me respondeu. ?Obrigado por não me insultar com uma oferta. ?Seria bem-vinda. Lamento que vás morrer amanhã. ?E por que te importa tanto? ?É uma perda de talento. ?encolheu-se de ombros. Ali estava, frente a mim, o substituto de meu pai. Voron o tinha treinado, como me tinha treinado a mim, embora não tinha acolhido ao Hugh desde seu nascimento. Hugh tinha dez anos quando começou. Era um professor espadachim. Meu pai me disse que nunca tinha visto um lutador com tanto talento. Supus que o reconhecimento de minhas habilidades por sua parte era um completo. ?por que serve ao Roland? ?perguntei. Uma leve pátina de perplexidade revestiu suas facções. Realmente queria sabê-lo. Voron o acolheu. Voron o converteu no que era agora. A magia do Roland o mantinha jovem: tinha o corpo e o rosto de um homem um pouco maior que eu, mas devia roçar a cincuentena. Não envelhecia. Nenhum dos integrantes da cúpula de mando do Roland sentia o discorrer dos anos. Era seu presente para aqueles que lhe serviam. Mas, é obvio, aquele presente não era suficiente. ?É mais forte que eu. Não encontrei a ninguém mais que pudesse me derrotar. ?Hugh me estudou atentamente?. Quantas vezes cumpriste ordens de alguém mais débil, mais tolo ou mais inepto que você? Picou-me o orgulho. ? Faço-o porque escolhi fazê-lo. ? E por que não escolhe servir a um professor mais poderoso? ? Porque tem uma visão retorcida do mundo e não acredito nela. ?Sua visão é a de um mundo melhor. ?Um mundo melhor obtido mediante atrocidades está podre desde o começo. ?Possivelmente ?respondeu Hugh.


Olhei-lhe fixamente a seus olhos. ?Enquanto eu viva, nunca haverá uma torre elevando-se sobre Atlanta. ?Que afortunada é nossa causa, posto que amanhã morrerá. ? Hugh sorriu. Pensou que era ridícula e me demonstrou isso com esse sorriso. ?Quer te treinar comigo? ?perguntou?. Temos tempo. fui muito generoso com os guardas. A oferta me tentou. Hugh era um espadachim inato, um lutador único em sua espécie. Praticar com ele seria o mais aproximado de treinar de novo com o Voron. Mas tinha que lutar em um combate. Se me machucasse ia se pôr muito contente. ?Não tenho tempo de te dar uma lição. ?te chupe essa. Larguei-me dali. ?Pergunto-me quão rápida é ?disse enquanto me afastava. O espadachim loiro me atacou pelas costas. Esquivei o borrão no que se converteu seu arremesso e me agachei, dirigi a Assassina até seu ventre, apontando para cima. O sabre

perfurou seu estômago com um sonoro estalo e se afundou profundamente; até a pressionada aorta. Desdobrei toda minha habilidade para executar essa estocada. depois de tudo, Hugh me tinha tirado de gonzo. Empurrei ao loiro para tirar minha espada. O fio de Assassina apareceu tingido de escarlate e o jovem loiro se desabou no chão. Em seu interior, o sangue saía a fervuras de sua aorta. Um humano normal já estaria morto. Mas este também desfrutava dos benefícios da magia do Roland. Demoraria um par de minutos em morrer. Olhei ao Hugh. Sua cara não delatava nenhuma emoção, mas seus olhos se alargaram. Sabia exatamente o que lhe estava passando pela cabeça. Era a mesma pergunta que me fiz eu quando vi a proeza de um espadachim perito: Poderia ter feito eu isso? Nossos olhos se encontraram. O mesmo pensamento zumbia entre nós, como uma descarga elétrica: um dia teríamos que nos enfrentar cara a cara. Mas não seria hoje, porque amanhã tinha que lutar contra os Colhedores. Tinha que partir. ?Desperdiçaste-o. foste descuidado, Hugh. Deu um passo atrás. Tinha-me dado conta muito tarde de que tinha utilizado a recriminação favorita do Voron. Tinha-me escorregado pela língua. Mierda. Parti-me, mas não me seguiram.


À manhã seguinte, os cambiaformas fizeram meditação. Depois nos treinamos no ginásio. Jim nos tinha dado instruções breves. ?Os Colhedores lutam como samuráis, um a um. Não têm nenhuma estratégia, simplesmente se separam em combates individuais. Gostam de dar espetáculo, mas são eficazes. Todos tínhamos algum objetivo atribuído. O minha era singelo: Mart. Não queria ao Mart, queria ao Cesare. Mas a estratégia deJim tinha sentido e ia cumprir suas ordens. Teria uma oportunidade de ir a pelo Cesare. Era impossível negar que queria destroçá-lo com todas minhas forças. Mas nenhuma tática nem estratégia importavam até que soubesse que tipo de espada tinha entregue Hugh a, os Colhedores. Tinha tido muitas oportunidades de entregar a espada aos rákshasas antes da noite passada. Sabia que não poderiam resistir a utilizá-la, por isso não queria que se conhecesse seu poder até esse momento. Roland tinha forjado várias armas, todas elas devastadoras. Chiavam-me os dentes solo de pensar nisso. Certamente lhe teria dado ao Hugh a ordem de que se assegurasse de que os rákshasas ganhassem em qualquer preço e me perguntei se isso teria incomodado ao Hugh. Dois minutos antes das doze do meio-dia nos alinhamos e nos dirigimos para o Poço. A luz do sol nos banhou através das clarabóias. Os cambiaformas adotaram sua forma jaqueta, Rafael incluído, com Curran à cabeça. Andrea levava uma mola de suspensão e suficientes arma de fogo para tomar ao assalto um pequeno país. Não satisfeita com sua própria carga, também tinha carregado ao Dali com munição de reposto. Cruzamos a superfície do estádio e chegamos até a areia. Frente a nós, os Colhedores formavam duas filas. Meu olhar se posou em cada um deles até que encontrei ao Mart no centro. Tinha a espada embainhada. Maldita seja. O que é? O que lhes deu? Inspecionei ao resto. Cesare estava à esquerda do Mart. O robusto rákshasa, ainda com sua forma humana, levava dois khandas: espadas pesadas, de um metro de comprimento e dobro fio. Havia

dirigido khandas com antecedência e eu não gostava de nada, eram muito pesadas e com um fio estranho. À direita do Mart estava o rákshasa Pedra. Magro e de três metros de altura, possuía a cabeça de um elefante, a que não lhe faltavam umas orelhas gigantes, mas em lugar de ter a pele escura, seu corpo mostrava a pigmentação amarelada de um homem que padece icterícia. Uma cota de malha de um metal amarelo que se assemelhava sospechosamente ao ouro lhe caía dos ombros. Supus que até os elefantes queriam ir à batalha juntados. Sobre o ombro do elefante se posava


uma criatura esbelta: desprovida de pelagem, vermelho escuro como um fígado, suas extremidades ossudas acabavam em garras negras. Parecia um lémur do tamanho de um homem baixinho. De seus ombros brotavam duas asas enormes. Suas mãos sustentavam dois talwares brutais: eram duas espadas pequenas e largas. A segunda linha de Colhedores estava composta de três lutadores. O primeiro era a mulher que me tinha entregue o cabelo. O segundo era uma coisa humanoide com quatro braços, embutido em uma pele de réptil veteada de manchas verdes e marrons. O terceiro lutador era Livie. O réptil era anormalmente magro, verde, e estava armado com dois arcos. Livie tinha uma espada reta e parecia estar morto de medo. Tinham-lhe rapado o cabelo. Isto me devolveu minha fúria com uma claridade cristalina. De acordo, o que tinha feito Livie era estúpido e próprio de uma pessoa débil, mas não era uma lutadora. Não tinham nenhum direito a envolvê-la no combate. Não o merecia. Os olhos do Livie se encontraram meus con?los e brilharam cheios de lágrimas. Tinham-nos caçado como se fôssemos comida. Tinham ferido ao Derek. Tinham-lhe quebrado os ossos, tinham-lhe vertido electrum fundido por todo o rosto, tinham-no torturado e se riram. Matavam cambiaformas e obrigavam a garotas a lutar no Poço. Sua mera existência era uma injustiça. Mereciam morrer e desfrutaria com isso. Pelo amor de Deus, quanto ia desfrutar. A magia se encontrava em todo seu esplendor. A multidão esperava com antecipada ansiedade. Brilhou um sorriso no rosto do Mart, cuja espada permanecia embainhada. Curran deslocou seus pés acabados em garras sobre a areia, perto de mim. Sobre nós, no balcão principal, Sofía, a produtora, elevava uma enorme pedra amarela. Luminescente, amarelo limão, com forma de lágrima, brilhava e brincava em suas mãos como uma corrente viva de ouro, capturando a luz e devolvendo-a com um desdobramento deslumbrante de fogo. Sofía a levantou por cima de sua cabeça, seus braços tremeram pela tensão, e declamou: ?Que comecem os Jogos! O mago dos rákshasas começou a ondear as mãos. Fiz oscilar minhas duas espadas, Assassina em minha mão direita e a espada tática em minha esquerda. Mart alcançou a vagem, sujeitou-a com força e extraiu a espada, atirando a vagem à areia. Uma espada larga se mostrava diante de mim, vermelha como o mais puro rubi. Tudo a meu redor se ralentizó em silêncio e, na conseguinte quietude, pude escutar o rufo de meus batimentos do coração ao bombear o sangue por todo meu corpo, um som surpreendentemente forte, A Estrela Escarlate. Uma das armas pessoais do Roland, uma espada que tinha forjado durante cinco anos com seu próprio sangue. Tinha o poder de lançar treze ataques de magia. Como folhas de serra enfeitiçadas, dirigiam-se para seus objetivos, cortavam tudo o que ficava


em seu caminho e partiam para seu objetivo em dois. Não se podiam esquivar. Não se podiam bloquear. A mesma espada não podia romper-se com uma arma normal. Nem sequer Curran poderia parti-la. Morreríamos em uns instantes. Possivelmente Curran vivesse o tempo suficiente para ser destroçado pelos rákshasas. Não podia permitir que morrera. Girei-me lentamente, como se estivesse sob a água, e vi que ele me olhava com seus olhos cinzas em uma cara monstruosa. O que vou fazer? Como posso mantê-lo com vida? Tudo irá bem, vocalizou Curran, mas não podia ouvi-lo, já que meu pânico tinha bloqueado todo som. Voltei-me. Mart empunhava a espada com ambas as mãos. A folha vermelha refulgiu, como se estivesse manchada de sangue. Tinha que destrui-la, porque se chegava a dar um só golpe, todos nós morreríamos. Sangue. Foi forjada com o sangue do Roland, o mesmo sangue que corria por minhas veias. depois de tudo, possivelmente houvesse uma forma de destrui-la. Se pudesse possuir a espada. O gongo retumbou por toda a areia. O mundo voltou para sua velocidade normal. Ataquei. Mart começou a levantar a espada para atirar um golpe descendente. Nunca tinha deslocado tão rápido em toda minha vida. A areia se apagou. A ponta da espada surgiu ante mim, elevando-se. Agarrei a folha carmesim e me cravei isso no ventre. Doeu. Meu sangue empapou a substância vermelha que recubría a espada. Mart me olhou assombrado. Agarrei a mão do Mart e me introduzi a espada mais profundamente. A ponta saiu por minhas costas. Mais dentro, até o punho. A espada ficou encaixada dentro de mim como uma cunha de ardente agonia. Meu sangue cobria o metal, forjando um vínculo com a do Roland. A meu ao redor, os cambiaformas colidiram com os rákshasas. Sussurrei uma palavra de poder. ?Hessaad. ?Minha. A magia surgiu de meu interior até a superfície de minha pele, das pontas de meus dedos e meus pés, e aprisionou a espada. Esta reagiu, enviando sacudidas de dor por todo meu corpo. Sentia-me como se uns arames de espinheiro se cravassem em minha garganta. Aferrei-me à realidade, tentando não me deprimir. A areia dava voltas, girando como um redemoinho estampado, e através do borrão de rostos pude distinguir ao Hugh d'Ambray de pé, me olhando como se tivesse visto um demônio. O sangue de meu pai biológico reagiu com a minha e a reconheceu. A espada era minha.


Obedeceria-me. Agora. ? Ud ?sussurrei. Morre. A palavra de poder que nunca funcionava. Para querer que algo mora, primeiro devia se ter completa posse do objeto. A magia brotou de mim. A espada se retorceu em meu corpo, como uma criatura vivente, que vibrava e pugnava por liberar-se. A agonia me alagou com uma explosão brilhante. Gritei. A espada se fez pedacinhos. Suas partes caíram ao chão em um fino pó vermelho. A parte da espada que tinha permanecido dentro de meu corpo se desintegrou em pó e se mesclou com meu sangue, fluindo por todo meu corpo. O sangue do Roland me esquentava como se meu interior estivesse cheio de azeite fervendo. Tanto poder...

O fogo me derreteu as pernas e caí na areia. O inferno de meu interior me estava cozinhando viva, me arrancando lágrimas dos olhos. Tentei me mover, mas meus músculos se negaram a obedecer. Cada célula de meu corpo ardia em chamas. Toda aquela cena tinha durado uns cinco ou seis segundos, tempo suficiente para me empalar com a espada e murmurar duas palavras. Hugh tinha razão, ia morrer hoje. Mas a espada inquebrável parecia pedacinhos e Curran viveria. Também o resto deles. Não está nada mal para cinco segundos de trabalho. Um horrível rugido sacudiu a areia. Agitei a cabeça. Curran me tinha visto cair e se dirigia para mim. O elefante se precipitou para interceptá-lo, mas Curran o estripou de um golpe, saltando por cima dele. Não há pressa, Sua Majestade. É muito tarde para mim. Mart deixou cair o punho imprestável e me agarrou, com seus olhos brilhantes de fúria. Curran se precipitou para mim. Entretanto, Mart deu um salto vertical tão rápido como uma flecha. A mão de Curran se afundou na areia vazia. Tinha-me perdido por menos de um segundo. O vento me acariciou o rosto enquanto Mart voava para cima. Sentia-me como se viajasse ao mais à frente, mas ainda não estava morta. Ninguém sente dor no mais à frente, e eu o sentia. Par Deus, como me doía. Elevamo-nos por cima do chão de?la Areia, flutuando no nimbo de luz dourada que entrava pela clarabóia mais próxima. Observei que só três rákshasas tinham escapado com vida da areia do Poço: Mart, Cesare e Livie, apanhada pelo braço do Cesare. Umas minúsculas bolinhas de pele se desprenderam das bochechas do Mart e ficaram suspensas no ar. Respirou e todo seu ser se fraturou em mil peças, as lançando para cima, como uma miríade de mariposas que elevam o vôo para desvanecer-se no resplendor da luz, para revelar uma nova criatura. Era alta, de ombros largos, com a cintura e os quadris estreitos. Tinha a pé! ambarina, tersa sobre uns músculos definidos. O cabelo negro lhe chegava até a cintura.


Seus olhos eram de um penetrante azul cobalto, duas safiras nítidas em um belo rosto tingido de arrogância e regozijo rapace. Mart já não necessitava sua pele humana. Aproximou-me para ele com força e vi a Sofía em e! balcão, que se aferrava ao Diamante Lobo. Dirigimo-nos para ela e nos detivemos sua mesma altura. ?me dê de presente a jóia ?lhe ordenou Cesare, ao mesmo tempo que estendia a mão. A maldição da pedra tinha pesado contra os Loucos e os Loucos tinham ganho. Mart se arriscaria a expor-se à ira do Diamante Lobo antes que enfrentar-se aos cambiaformas que se achavam na areia. Sofía tragou saliva. ?Não o faça ?lhe disse. Sob nossos pés, o estádio inteiro rugia de indignação. ?me dê de presente a jóia, mulher. ?As serpentes tatuadas se levantaram da pele do Cesare e vaiaram. Os dedos largos e pálidos da Sofía perderam força. A lágrima dourada do Diamante Lobo caiu e foi posar se na enorme palma do Cesare. ?É tua ?respondeu a mulher. Será idiota?

Os rákshasas voaram para cima. A clarabóia nos bloqueava e! passo. A mão do Mart resplandeceu e o grosso cristal explorou em uma brilhante catarata de pedacinhos. Atravessamo-la e voamos por cima da cidade. Jazia em uma jaula dourada, em meio de um atoleiro de meu próprio sangue. O sangue' empapava meus cabelos, minha bochecha e minhas roupas. Inclusive a respirei e sua magia me envolveu. Podia sentir o sangue a meu redor como podia sentir minhas extremidades ou meus dedos. Podia estar fora de meu corpo, mas seguíamos conectadas. Sempre tinha notado a magia em meu sangue, mas nunca a havia sentido deste modo. No interior de meu estômago, ardiam diminutas faíscas de poder, o remanescente da espada do Roland. Meu corpo as estava absorvendo lentamente, uma por uma. Seu sangue se mesclava com a minha, liberando seu poder e me ancorando à vida e à dor. Não me movi para tentar conservar as escassas forças e o poder mágico que ficava. Recitei, quase sem mover meus lábios, tentando que meu corpo se regenerasse. Não obedeceu muito bem, mas segui tentando-o. Não ia render me e a morrer. Ao menos a dor se atenuou suficientemente para que meus olhos deixassem de lacrimejar. Muito por cima de mim se estendia um teto dourado, envolto em trevas. Uns muros muito altos suportavam uma câmara cavernosa, seus brilhantes baixos-relevos descendiam até o chão de


azulejos coberto com almofadões de veludo e seda de vivas cores. Nataraja, o mandão da Nação de Atlanta, tinha tentado decorar seu salão exatamente igual a esta sala. Mas o seu, situado no piso superior do Cassino da Nação, empalidecia ante a vista desta habitação. Toda a riqueza da Nataraja não teria podido comprar nenhuma só peça destes muros dourados. Perguntava-me se tinha tirado suas idéias de decoração de interiores ao visitar um vímana. Ao parecer, a associação da Nação com os rákshasas não era recente. longe de mim, o Diamante Lobo brilhava em um estreito pedestal de metal. Os dois troféus dos rákshasas deviam de ser a gema e eu. Onde está sua maldição, maldita rocha? Um zumbido persistente se filtrava em meus pensamentos. Eram as hélices delvímana, Tinha perdido a consciencia durante e! vôo. Quando voltei em mim, tínhamos aterrissado na terraço do palácio volante que estava encalhado na exuberante selva, e Mart me empurrou dentro da jaula. Agora jazia ali, nem viva nem morta, suspensa a um metro do chão como se fosse uma espécie de canário. Mart se achava sentado entre os almofadões. Tinha trocado seu traje de ladrão noturno por um objeto solto azul turquesa, que mostrava seus ombros e braços. Três mulheres revoavam a seu redor, como colibris de cores vivazes. Uma lavaba seus pés, outra lhe penteava os cabelos e a última lhe sustentava sua taça. Outros rákshasas estavam sentados aos pés do muro, a uma distância considerável, um grupo variopinto de corpos monstruosos e humanos vestidos com roupagens das cores das pedras preciosas. Alguns entravam e outros partiam pelas entradas arqueadas que havia em cada parede. Mart me olhou fixamente, com seus olhos azuis como duas gemas desumanas, apartou a um lado às mulheres e se encaminhou para a jaula. Deixei de cantar e fiquei imóvel, como uma boneca de trapo. Tinha suficiente força para me lançar contra ele. No momento em que abrisse aquela porta, romperia-lhe o pescoço. Moveu um dedo e Livie apareceu em meu ângulo de visão. Seu rosto era uma mancha pálida, próxima à cor ambarina da pele do Mart.

Mart falou e sua voz adotou um tom cadencioso que se misturava com notas discordantes. ?Diz que se viver, será sua pulseira, e se morrer, comerão-se sua carne. Se comiam, fariam-se mais poderosos. Não tinha nem a menor ideia de como ia evitá-lo. Oxalá houvesse uma palavra de poder Para a combustão espontânea... Mart falou de novo, me olhando fixamente. ?Quer saber se tiver entendido o que há dito. Tinha que sobreviver, não me deixava nenhuma opção. ?entendeste? Maldito arrogante. Um minúsculo ondulação percorreu o atoleiro de meu sangue. Nenhum deles a notou.


Minha voz se converteu em um murmúrio áspero. Era tudo o que podia articular. ? Primeiro matarei ao Cesare, depois o matarei a ele. Livie titubeou. ?Diga-lhe Una sombra descomunal apareció en la habitación, agrandándose conforme se aproximaba. Cesare, todavía en su forma humana. Las serpientes brotaban de su cuerpo, siseando y enredándose entre ellas. Llevaba una copa dorada. Uma palavra aguda brotou dos lábios do Mart. Livie deu um coice, como se a tivessem açoitado, e traduziu. Mart sorriu com sua dentadura perfeita e voltou para seu assento. Permaneci imóvel, inalando os vapores que surgiam de meu sangue. Minha visão era imprecisa, embora alguns momentos se tornava cristalina para voltar a dissolver-se em um barulho nebuloso. As únicas notas de realidade que distinguia eram a dor persistente de meu estômago, o sangue pulverizado diante de mim e meus silenciosos cânticos. Uma sombra descomunal apareceu na habitação, aumentando-se conforme se aproximava. Cesare, ainda em sua forma humana. As serpentes brotavam de seu corpo, vaiando e enredando-se entre elas. Levava uma taça dourada. deteve-se diante dos barrotes e disse algo ao Mart. ia beber meu sangue. Faria-lhe muito mais forte. Meu sangue alimentaria à criatura que tinha tentado assassinar ao Derek. Que lhe acreditaste isso. Cesare introduziu sua mão entre os barrotes e recolheu algo de sangre em sua taça. Bode. A ira percorria todo meu corpo. Meus dedos tremiam. Uma magra linha de magia se estendeu entre o sangue da taça e eu. Ainda a sentia. O sangue ainda era parte de mim. aproximou-se a taça aos lábios. Não, é minha. A raiva bulia dentro de mim e a enterrei no sangue, lhe ordenando que se movesse como se fosse uma extremidade mais. Obedeceu-me. Os olhos do Cesare se saíram de suas órbitas. Arranhou o líquido vermelho, que em sua boca se tornou sólido de repente, gemendo como se lhe tivessem talhado a língua. Assim eu gosto, maldito bode. Concentrei mais poder em meu sangue. Doía muito, mas não me importava. Umas afiadas agulhas vermelhas saíram despedidas do rosto do Cesare, perfurando seu olho esquerdo, seus lábios, seu nariz e sua garganta. Proferiu um grito, com seu olho perdido sangrando a fervuras. Esta é a vingança pelo que têm feito ao Derek. Desfruta-o, zaraza. Licué.la sangre. Uma vez mais. As agulhas se retiraram e voltaram a sair despedidas de seu rosto. Cesare se retorceu, uivando, com partes de pele desprendendo-se de sua cara. Os rákshasas saíram correndo, alguém gritou. Odiava ter que deixá-lo naquele momento. Queria que


durasse tanto como o que tinha feito ao Derek, mas não me permitiriam continuar. Liquidifiquei o sangue de novo, a cravei, retorci-a com golpes bruscos, voltei-a a fundir e finalmente esporeei a magia do sangue. Uma cuchilla de sangue surgiu da garganta do Cesare. Trocou, delineando claramente um colar .carmesim ao redor de seu pescoço. Liberei o sangue e se converteu em pó negro, esgotada sua magia. Roland tinha o poder de solidificar e controlar seu sangue. Agora, eu também tinha aprendido a fazê-lo. Não sabia se era o estímulo de ter o sangue de sua espada disolvida dentro de mim ou se a causa era minha própria raiva, mas agora tinha esse poder e tinha utilizado cada pingo dele para fazer sofrer ao Cesare. A cabeça do Cesare se desprendeu de seus ombros. Um pequeno jorro de sangue fervia na base de sua coluna vertebral. Seu corpo se desabou com um estrépito ensurdecedor e atrás dele vi o Mart. Disse- algo ao Livie e sorriu. Ela se umedeceu os lábios e traduziu: ? Diz que já demonstraste sua utilidade. O tempo transcorria lentamente, muito lentamente. Os rákshasas se amontoavam pela habitação. Eu cantava silenciosamente, respirando a meu corpo para que se curasse, meus lábios gretados e sangrentos sussurravam as palavras uma e outra vez, mas a corrente enérgica de magia que fluía em meu interior se reduziu a um mero fio. ficou-se débil e imprestável como uma malha empapada e se negava a responder. Entretanto, segui tentando-o. Uns dedos frios entraram em contato com minha mão. Concentrei-me e vi o Livie, com os olhos enormes, quando se inclinou para mim. As lágrimas empapavam suas bochechas. ?Sinto-o muito ?sussurrou?. Sinto tanto te haver envolto em tudo isto. ?Não o sinta, não é tua culpa. Uma careta lhe torceu o rosto. Deslizou uma pequena peça de metal na palma de minha mão. Alguém grunhiu. Livie se apartou com rapidez da jaula. Observei o objeto de metal que me tinha dado. Era uma faca. Tentava me ajudar. Quando me fora deste mundo, não iria completamente sozinha. A escuridão invadia os limites de minha visão. Crescia pausadamente, mas sem descanso, devorando pouco a pouco os borde. A dor tinha dado passo a uma pátina de insensibilidade. Ainda estava ali, presente, mas já não era uma ameaça potencial. Estava-me morrendo. Esperava que minha vida passasse ante meus olhos, mas não ocorreu. Somente via a habitação cavernosa, que brilhava com um brilho metálico, e o fogo que flamejava e se fraturava nas profundidades do Diamante Lobo. Meus lábios se moviam imperceptivelmente, tentando recitar cânticos de regeneração. Era de esperar que já tivesse morrido. Minha teima e o sangue do Roland me tinham mantido com vida todo este tempo. Mas ao final minha vontade se desvaneceria e morreria com ela.


Sempre pensei que minha vida se acabaria em uma batalha ou possivelmente com um golpe certeiro em algum beco escuro. Mas não deste modo. Não em uma jaula dourada esperando servir de comida para uma equipe de monstros. Não obstante, Curran viveria e também Derek, e Andrea, e Jim... Se me dessem outra oportunidade, não trocaria nada. Solo desejaria... desejaria ter mais tempo. A escuridão cresceu de novo. Possivelmente chegava a hora de me render. Estava cansada de lutar contra a dor. produziu-se um alvoroço entre os rákshasas. Revoavam enlouquecidos. Mart se levantou de suas almofadas e começou a ladrar ordens. Um grupo de rákshasas se dirigiu para a porta arqueada, blandiendo umas armas estranhas. Meu debilitado coração começou a martillear com força.

Era impossível. Mais rákshasas correram para a porta e então o escutei, um grave e crescente rugido como um trovão distante, cheio de fúria. Curran. Estava alucinando. Ele não podia estar ali. Escutei o som das hélices. Ainda estávamos voando pelos ares. O rugido aterrador do leão sacudiu de novo o vímana, esta vez mais próximo a mim. Uma quebra de onda de rákshasas entrou de novo na habitação, hasteando suas armas. Um corpo destroçado voou através de uma das entradas arqueadas Livie correu para mim e se escondeu detrás de mim jaula. A maré de monstros se concentrou na entrada e carregou contra o inimigo. estrelaram-se contra a entrada, lutaram e se retiraram, ensangüentados. Curran entrou na habitação. Tinha adotado sua forma de guerreiro. Enorme, com a pelagem cinza manchada de sangue, rugiu de novo e os rákshasas retrocederam pelo som de sua raiva. Destroçava-os como se fossem soldados de brinquedo. Os uivos se escutavam pela habitação quando despedaçava membros, rompia ossos e o sangue emanava a fervuras que salpicavam os muros. Tinha vindo a por mim. Não me podia acreditar isso Tinha vindo a por mim. A um palácio voador lotado de rákshasas armados em metade de uma selva mágica. OH, estúpido, estúpido idiota. Qual era o objetivo de salvá-lo se agora me encontrava arriscando isso sua vida? detrás de Curran, uma enorme besta entrou na habitação. Com uma denso pelagem escura, um enorme focinho aberto e temível, a besta rugiu e se chocou contra a multidão. Umas garras enormes lançaram golpes, rompendo crânios. Mahon, o urso de Atlanta.


Uma criatura infernal se introduziu no vazio que tinha deixado Mahon. Era musculosa, de cor arenosa e coberta de manchas. Suas mãos tinham garras negras. As presas lhe sobressaíam de seus fauces arredondadas. Era uma criatura grotesca cuja mera visão te paralisava de terror. A besta uivou e proferiu uma inquietante risada de hiena. O pêlo de minha nuca se arrepiou. Curran se abriu passo até mim. Tinha cortes e feridas por todo o corpo. Sangrava, mas seguia adiante, com uma fúria imparable e rugindo sem cessar. Seu rugido esbofeteava os sentidos como um trovão, te estremecendo até o mais profundo de seu ser. Os rákshasas eram muitos. Sua única oportunidade era aterrá-los, mas inclusive o pânico não faria efeito muito tempo. Mais tarde ou mais cedo fariam cálculos e se dariam conta de que umas centenas contra três nos podiam ganhar, mas enquanto os esmagasse com seu rugido e os lançasse pelos ares, não poderiam pensar com claridade. Mart se deslizou entre minha jaula e Curran, com as espadas em suas mãos. O resto dos rákshasas se retirou, mas Curran apenas o notou. Foi direto a pelo Mart. As espadas relampejaram, incrivelmente rápidas. Mart se apartou e afundou com profundidade sua espada nas costas de Curran. O Senhor das Bestas se girou rapidamente, alheio à dor, e varreu com suas garras o corpo do Mart, lhe rasgando as vestimentas. O sangue vermelho brotou da pele dourada do Mart. Colidiram. As espadas entrechocaban, as garras rasgavam e os dentes se partiam. Mart afundou sua espada curta no flanco de Curran. Curran rugiu de dor, liberou-se, caiu ao chão e o propinó uma patada ao Mart que o derrubou. Mart se levantou de um salto, com ambas as espadas nas mãos, e se encontrou com Curran a metade de caminho. Foi um movimento estúpido. O Senhor das Bestas propinó um murro no rosto do Mart. O

rákshasa voou através da sala, deslizou-se pelo chão e se embrulhou com seus pés. Curran o perseguiu. Mart girou como um dervixe. Suas espadas se converteram em um tornado letal. Curran se precipitou sobre elas, por todo seu corpo brotavam cortes, e se equilibrou sobre o Mart. O rákshasa saltou, voando por cima da multidão. Curran se esticou. Os monstruosos músculos de suas pernas se contraíram como molas de aço. lançou-se ao ar. Suas garras encontraram a Marta metade do salto e engancharam sua perna. Mart lutou, mas Curran continuou arrancando partes de carne do rákshasa enquanto subia por seu corpo. Retorcida-a boca leonina se abriu e Curran mordeu o flanco do Mart. Caíram como uma pedra e se estrelaram contra o chão a uns metros diante de mim. Mart se escorregou com seu próprio sangue. Seu olhar se fixou no Diamante Lobo, que ainda permanecia em seu pedestal. dirigiu-se para ali. Seus dedos ensangüentados atenderam o topázio. deu-se a volta e se chocou contra minha jaula. Esmaguei-me contra os barrotes e afundei a faca do Livie na base de sua garganta, entre seu ombro esquerdo e seu pescoço. O atoleiro de meu sangue se estremeceu, obedeceu minha vontade e se afundou em suas costas em forma de centenas de puas.


A gema escorregou de seus dedos. Entrelacei meus braços em seu pescoço, tentando lhe asfixiar, mas não tinha forças suficientes. Curran recolheu o Diamante Lobo do chão, atendeu sua grande garra esquerda no ombro do Mart e esmagou o topázio em seu rosto. O rákshasa proferiu um alarido de dor. Curran seguiu golpeando-o, esmagando sua cara uma e outra vez com a gema. O sangue emanou a fervuras. Os golpes tinham transformado a perfeição do Mart em uma polpa sanguinolenta. A espada caiu de suas mãos. Curran-lhe propinó um último golpe e o arrancou da jaula, quebrando meus espinhos de sangue solidificado, que se converteram em pó negro. Retorceu o pescoço do Mart, separando o do espinho dorsal, e lançou o corpo sem vida à multidão de rákshasas com um rugido ensurdecedor. Fugiram. Saíram em correria pelas portas arqueadas, pisoteando-se uns aos outros em suas pressas por desaparecer. Curran arrancou os barrotes da jaula. ?Imbecil suicida ?lhe disse em tom áspero?, o que está fazendo aqui? ? te devolver o favor ?grunhiu. Tirou-me da jaula e observou a ferida de meu estômago. Seu rosto entre humano e leão se alterou. Apertou-me contra seu peito. ?Fica comigo. ?Aonde vou, Sua Majestade? ?Dava-me voltas a cabeça. detrás de nós, a mais alta das bestas aterradoras alcançou à petrificada Livie, que estava escondida detrás da jaula. ?Não se preocupe ?lhe disse o monstro, atendendo-a com uma mão e sustentando o Diamante Lobo com a outra?. Está em mãos de Tia B. No lado oposto da sala, alguém lutava contra a corrente dos rákshasas que fugiam. Brilhou uma espada e reconheci ao Hugh d'Ambray; com o Nick lhe pisando os talões. Viu-nos e gritou algo. ?O que está fazendo aqui? ?grunhiu Curran.

? É o Senhor da Guerra do Roland. Está aqui por mim. Estava aqui pela mulher que tinha destroçado a espada de seu professor.


?Má sorte. Você é minha. ?Curran se girou e correu, me levando nas costas. Hugh gritou, mas a corrente de rákshasas o empurrou fora da habitação. Curran me embalou entre seus braços enquanto corria através do vímana. Outros se uniram a nós, umas sombras altas e peludas. Já não pude distinguir suas caras. Permaneci em seus braços, quase cega, enquanto cada sacudida me produzia mais dor na coluna vertebral. Uma suave escuridão tentou me engolir. ?Segue comigo, neném. ?Farei-o. Era um sonho ou um pesadelo, já não podia decidi-lo. Mas de alguma forma consegui manter a consciencia durante todo o trajeto, embora o palácio volante ia a toda velocidade, inclusive quando saltamos do vímana e o vi estelar se detrás de nós, nas verdes colinas. Estive com ele durante a louca carreira através da selva. As últimas coisas que lembrança foram umas ruínas de pedra e o rosto do Doolittle.

Epilogo

Sonhei que Curran gritava « Cura-a!» e Doollttle lhe respondia que não era um deus e que não podia fazer muito a respeito. Sonhei que Julie chorava aos pés de minha cama, Jim estava sentado perto dela e Andrea me contava alguma história frustrantemente complicada... Os ruídos se mesclaram em minha cabeça até que não pude suportá-lo mais. ?Podem lhes estar quietos de uma vez? Por favor. Pisquei e vi o rosto de Curran. ?Olá ?disse. ?Olá. ?Sorri. Ali estava, vivo. Eu também estava viva?. Estava-lhe dizendo às pessoas de minha cabeça que se calasse. ?Para isso serve a medicação, ?Seguro que não me posso permitir isso. Acariciou minha bochecha. ?Veio a por mim ?sussurrei. ?Sempre ?respondeu. ?É um maldito idiota, tentava desperdiçar sua vida? ?Só tentava me pôr a ponto. te ter a salvo me mantém em forma. inclinou-se e me beijou delicadamente nos lábios. Aproximei-me dele, abraçou-me e me


sustentou entre seus braços durante comprido momento. Fechei os olhos, sonriendo pelo mero prazer de sentir sua pele contra a minha. De repente meus braços se fizeram muito pesados. Recostou-me de novo no travesseiro com suavidade e partiu. Me acurruqué na manta, cálida, segura e muito feliz, e voltei a dormir. A tortura começou pela manhã quando Doolittle levantou três dedos diante de meus olhos. ?Quantos dedos vê?

?Onze. ?Graças a Deus ?respondeu?, estava começando a me preocupar. ? Onde está dom Inquietações? ?partiu de noite. Lutei contra uma inundação de emoções: lamentava não lhe haver visto, estava aliviada porque se partiu e feliz porque estivesse o bastante bem para caminhar. Não havia esperanças para mim. Doolittle suspirou. ?Tenho que te perguntar o habitual? Onde está, como está e como chegaste até aqui? Olhei ao Doolittle. ?Doc, temos que deixar de nos ver assim. Uma careta amarga torceu sua expressão. ?lhe fale com o Noé da chuva... Jim foi meu primeiro visitante do dia, depois de que me observassem, cravassem-me agulhas, tomassem a temperatura e me levassem até o ponto de desejar não haver despertado até dentro de uns dias. Jim entrou e se sentou silenciosamente, com a atitude do chefe de segurança da Manada mais que como meu companheiro ocasional. Olhou-me com uma expressão solene e me disse: ?Cuidaremos de ti. ?Obrigado. ?Não podiam me cuidar melhor do que já o tinham feito. Os cuidados do Doolittle me tinham chegado à alma. Jim fez um gesto estranho com a cabeça e partiu. Perturbou-me sobremaneira. Depois veio Julie, que se arrastou até minha cama e se sentou com uma expressão de tristeza enquanto a repreendia por ter liberado a Curran de sua jaula. Quando estava ali sentada, assentindo a meu sermão, chegou Derek. ?Como está Livie?


?partiu-se ?respondeu?. Deu-me as obrigado, mas não podia ficar. ? Lamento-o ?lhe disse. ?Eu não ?interrompeu Julie. ?Não esperava que ficasse ?respondeu Derek. Seu rosto era uma máscara de pedra e sua voz estava desprovida de toda emoção. Apesar de tudo o que lhe havia dito, ele pensava que lhe amava. ?Eu era seu modo de escapar, nada mais. Tinha-o assumido. Além disso, as coisas trocaram... ?Assinalou seu rosto. Julie se levantou da cama. ?Para sua informação, não me importa! ?partiu correndo e Derek me olhou. ?Não lhe importa o que? Minha menina estava completamente pendurada de meu colega homem lobo adolescente. por que eu, por que? O que tenho feito eu para merecer isto? Retorci-me na cama e atirei das mantas até me cobrir o queixo. ?Sua cara, Derek. Não lhe importa seu aspecto. Terá que arrumá-lo você sozinho. Fiquei dormida e quando despertei, Andrea entrou e jogou ao Doolittle. Aproximou uma cadeira e me olhou fixamente.

?Onde estou e como cheguei até aqui? ?perguntei. Doolittle me tinha dado algumas pistas, mas sabia que ela me ia proporcionar um relatório completo. ?Está no refúgio do Jim ?respondeu?. depois de que os rákshasas lhe raptassem, Curran se voltou louco. Tirou todos os cambiaformas da Areia... ?Havia alguém mais além de nós, Mahon e Tia B? ?Sim, estavam entre a multidão. Pensou que possivelmente os rákshasas preparariam um final apoteótico. Não me interrompa. Seguimos ao Jim através do Unicórnio até a selva, perseguimos o vímana até que aterrissou, essa maldita coisa tem que tomar terra cada duas horas, suponho que para descansar os propulsores ou algo assim. Irrompemos no palácio vímana. Houve um enfrentamento. Não sei o que passou a seguir, porque eu estava no grupo que devia avariar o motor. Quando vi Curran de novo, você estava entre seus braços, feita uma pena. ?De acordo. ?Era mais ou menos o que tinha imaginado. Andrea me lançou um olhar implacável e baixou o tom de sua voz. ?Fez migalhas a Estrela Escarlate.


Mierda, nunca pensei que reconheceria a espada. ?Perdoa? ?OH, por favor, não me cria tão tola. Estou a um passo de conseguir minha Mestria em Armas, especialidade em armas de fogo. ?Andrea fez uma careta?. Já tivesse tido preparados todos meus informe de segurança. Se não fora pelo Ted, já teria a fila de oficial. Sei do que é capaz essa espada. ?O contaste a outros? ?Sim. ?Não parecia arrependida absolutamente?. Disse-lhes como funcionava e que, de não ser por ti, serviríamos de janta na mesa dos rákshasas. ?Oxalá não o tivesse feito. Fez um breve gesto com a mão para me calar. ?É irrelevante. Fez-a pedacinhos. Estava forjada com o sangue do Roland e a manchou com seu sangue para rompê-la. Não sou estúpida, Kate. Por favor, nunca pense que o sou. Tinha pacote cabos. Solo uma relação consangüínea poderia desintegrar a espada do Roland. ?É sua filha? ?perguntou-me. ?Sim. ?Não estava em situação de mentir. Seu rosto se tornou um pouco mais pálido. ?Pensava que se negou a ter descendência. ? Fez uma exceção com minha mãe. ?Vive ainda? ?Ele a matou. Andrea se esfregou a cara com a mão. ?Sabe Curran? ?Ninguém sabe ?lhe respondi. Você é meu melhor amiga, quão única tenho no mundo. Por favor, não me obrigue a te matar. Não posso fazê-lo. Respirou profundamente. ?De acordo ?disse ao fim?. É melhor que ninguém saiba, de modo que o deixaremos tal e como está. Lembrei-me de respirar. ?É ridículo ?resmunguei.

?Quieta! ?Andrea introduziu a chave na fechadura e abriu a porta de seu apartamento?. vais ficar te comigo solo um par de dias. Prometi ao Doolittle que cuidaria de ti durante uma semana. supõe-se que devo te manter afastada de assaltar qualquer castelo.


Era isso ou passar outras quarenta e oito horas baixo os cuidados do Doolittle. Era o melhor médico que tinha tido a honra de tratar. Era uma pessoa amável e bondosa, um ser humano muito melhor que eu. Mas quanto mais tempo passava sob seus cuidados, mais se acentuava sua tendência de galinha poedeira. Daria-me de comer com a colher se lhe deixasse. Permanecer em casa do Andrea era escolher o menor dos males. ? Ainda penso que deveria ter pego as flores ?me disse enquanto entrava no apartamento. ?Eram do Saiman. ?Saiman, fiel a seu modus operandi, tinha-me enviado rosas brancas com um cartão de agradecimento e as tinha deixado na soleira do refúgio do Jim, cuja localização supostamente não conhecia. Ao Jim quase deu uma apoplexia quando as viu. O cartão dizia que Sofía, a produtora do espetáculo, tinha confessado que proporcionava aos rákshasas os fragmentos do Diamante Lobo. Tinha contratado a uns apostadores e tinha apostado grandes somas de dinheiro a favor dos rákshasas desde o começo, quando eram desconhecidos e as apostas estavam contra eles. Saiman não tinha mencionado o que tinha sido dela, mas conhecendo-o como o conhecia, não esperava nada bom. Andrea olhou a sala de estar e ficou petrificada. Permaneceu imóvel como uma estátua e com a boca muito aberta. A mochila se deslizou por seu ombro e caiu ao chão. Uma coisa enorme pendurava do teto da sala de estar. Não era um abajur de aranha nem um móvel; era uma coisa de dois metros feita de metal ... algo, uma construção retorcida que se assemelhava a uma árvore de Natal, composto de arame de cobre e coroado com as obras da Lorna Sterling, os livros do um aos oito, desdobrados como um leque na parte superior. Sob os livros irradiavam vários níveis de ramos de arame em diferentes ângulos, que sustentavam dúzias de delicados ornamentos de cristal enganchados em finas cadeias de ouro que titilavam ao mover-se. Cada ornamento estava decorado com um pequeno laço e cada laço era de um tecido diferente: branco, rosa bolo, azul... Como se estivesse em um sonho, Andrea se aproximou e arrancou um dos ornamentos da árvore, que se abriu em sua mão. Desentupiu o tecido de cor pêssego, desenrolou-o e se encontrou com um tanga. Pestanejei. Olhou-me, sem poder articular palavra, e sacudiu o tanga em minha direção, com os olhos abertos como pratos. ?Me comprido ?lhe disse e me escapei. Doolittle nunca saberia. Pelo menos já sabia aonde tinha ido Rafael quando se escabulló dos Jogos de Meia-noite. Cavalguei sobre um cavalo propriedade da Manada até meu apartamento. Não me caí do cavalo, embora requereu um enorme esforço de vontade por minha parte. A ausência de multidão de admiradores dispostos a me receber com flores e medalhas na porta de minha casa foi muito decepcionante. Aproximei-me de lhe pedir ao encarregado que me desse a nova chave, arrastei-me até meu


apartamento e estudei minha nova fechadura. Grande, metálica e brilhante. Não tinha nem um

arranhão. Inclusive a chave tinha um entalhe estranho gravado, que lhe proporcionava um sistema a prova de ladrões. te chupe essa, Sua Majestade. Abri a porta, entrei e a fechei de novo. Descalcei-me, me estremecendo pela dor no estômago. ia demorar muito tempo em curar-se por completo, mas ao menos já tinha deixado de sangrar. Tinha-me depravado. Amanhã já me preocuparia do Hugh d'Ambray, Andrea e Roland, mas de momento me sentia muito contente. Ah, minha casa. Meu lar, minhas essências, meu querida tapete sob meus pés, minha cozinha, meu Curran sentado na cadeira da cozinha... Espera um momento! ?Você! ?Olhei a fechadura, olhei-o a ele. Era muito bom para a porta a prova de ladrões. Com muita parcimônia, acabou de escrever algo em uma parte de papel, levantou-se e se dirigiu para mim. Meu coração se desbocou. Umas pequenas faíscas douradas dançavam em seus olhos cinzas. Tendeu-me a parte de papel e sorriu. ?Não posso ficar. Fiquei olhando-o como uma idiota. Inalou meu aroma, abriu a porta e partiu. Então olhei o papel.

Kate daniels 03 magic strikes (trad mec esp)  

Tradução mecânica do espanhol para o português, sem revisão ou formatação.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you