Page 1

Levir Culpi Uma trajet贸ria de conquistas


ÍNDICE

História, números e curiosidades dos mais de 40 anos de carreira.

Jogador

Técnico

Coritiba Seleção Jr. Botafogo Santa Cruz Atlante (Méx.) Colorado Vila Nova Figueirense Juventude Juventude Atlético-PR Marcílio Blumenau

Inter de Limeira

Guarani Atlético-MG Portuguesa Cruzeiro São Paulo

Criciúma Internacional Coritiba Paraná Clube

Palmeiras Botafogo São Caetano Cerezo Osaka


CATEGORIA DE BASE

Em 1968, o ex-presidente do Coritiba João Jaco Mehl (na época responsável pelas categorias de base) fundou o infanto-juvenil do Coritiba onde Levir Culpi e o inseparável amigo Dirceu Guimarães começaram com 14 anos. Dirceu vinha do Bairro Alto, encontrava Levir no Bacacheri e seguiam juntos de bicicleta até o campo do Operário do Ahú, onde treinavam as categoria de base do Coxa.

Levir Culpi (em pé), Dirceu e Mamed no Juvenil do Coxa.


SELEÇÃO SUB-20

1

3

Destaque das categorias de base do Coritiba, Levir foi convocado para o Mundial Sub-20 em Cannes. Foi o capitão da Seleção Brasileira e levantou o caneco depois de partidas históricas diante da Rússia e da Argentina adversário superado na final por 2 x 1. Fotos: 1 - Volta Olímpica 2 - Troca de flâmula com a URSS 3 - Levir cabeceia na final 4 - Delegação 5 - Cumprimento na final contra a Argentina

4

2

5


No retorno ao Clube após o Mundial de Cannes, Levir Culpi foi homenageado pelo Coritiba. Entrou em campo com o uniforme da Seleção Brasileira rodeado pelo presidente Evangelino da Costa Neves e os demais jogadores do Coritiba. Foto: Claudio Marques, Evangelino Neves (fundo) Hidalgo, Levir Culpi, Hermes e Tião Abatiá.


Levir fez parte de uma das melhores equipes do Coritiba de todos os tempos e participou de duas das maiores conquistas do Clube: Fita Azul em 1972 e o Torneio do Povo, em 1973. Foto 1: Elenco do Coritiba no Coliseu, em Roma. Fotos 2: Jogadores do Coritiba fazendo a travessia do Canal de B贸sforo, na Turquia Foto 3: Time Campe茫o do Torneio do Povo

1

2

3


BOTAFOGO - RJ

Indicados pelo treinador Claudio Coutinho, a dupla Levir e Dirceu foi para o Botafogo. O jovem zagueiro teve pouca oportunidade na equipe que tinha "simplesmente" Brito e Osmar Guarnieri na zaga. O time base da época era Wendel, Valtencir, Brito, Osmar, Marinho Chagas, Carlos Roberto, Nei Conceição, Zequinha, Jairzinho, Ferreti (Fisher) e Dirceuzinho. Foto: Marinho Chagas, Ferreti, Fisher e Levir Culpi treinando na praia.


Levir Culpi participou  do time que foi campeão pernambucano e surpreendeu o Brasil com o 4ª lugar em 1975 eliminando o Flamengo, de Zico, em pleno Maracanã por 3 x 1 na 3ª fase do Brasileirão. 1 - Levir recebe homenagem como melhor zagueiro do futebol pernambucano. 2 - Levir Culpi com o goleiro Cantarelli. 3 - Jair , Carlos Alberto, Lula Pereira, Levir Culpi, Pedrinho, Givanildo, Carlos Alberto, Fumanchu, Mazinho, Volnei), Ramon, Pio e Alfredo faziam parte do elenco.   

2

1

3


Flecha, Carlos Alberto Rodrigues, Braulio e Levir


COLORADO

1

2

Entre 1978 e 1981, Levir Culpi retornou a Curitiba para defender o Colorado pelo Campeonato Brasileiro. Seu empenho e dedicação foi reconhecido pelo Clube e pelos torcedores. Foto 1: Time do Colorado de 1980 Foto 2: Levir recebe troféu de melhor zagueiro da temporada do ex-presidente Darci Piana Foto 3: Levir sobe para cabecear no clássico com o Coritiba no Couto Pereira Foto 4: Levir recebe homenagem de reconhecimento da torcida colorada em sua despedida para o México

3

4


ATLANTE - MEX

A primeira experiência de Levir Culpi no exterior foi no Atlante ao lado de grandes nomes do futebol mexicano como Cabinho, o maior artilheiro de todos os tempos no país, Luizinho, Spencer e Ricardo La Volpe (que já foi goleiro e técnico da seleção da Argentina). Levir teve o gosto de marcar um gol vno estádio Azteca o mais imponente do México.


VILA NOVA - GO

Levir Cupi, Campos e Drailton foram contratados para disputar a fase final do Campeonato Goiano em 1981. O time ficou em terceiro lugar. A Anapolina foi campeã naquele ano mas perdeu o título no tapetão para o Goiás.


FIGUEIRENSE

(1983/84) No Figueirense foi a primeira experiência no futebol catarinense. Foi vice-campeão estadual dois anos seguidos e conquistou um dos turnos do Estado. Atuou com atletas como Albeneir e Balduíno. O time base de 1983 era: Luiz Carlos; Bruno, Levir, Carlos Roberto e Hamilton; Mundinho, Balduino e Oliveira; Tadeu, Albeneir e João Paulo.


JUVENTUDE - RS

J

V

E

D

71

30

20

21

(1984/1985) O Juventude foi o último clube de Levir Culpi como jogador. O respeito da torcida e dos dirigentes por ele era tanto que em 1985 foi convidado para ser o técnico do time. Ele acumulou as funções de técnico e zagueiro em 30 dos 48 jogos da temporada.


O ano de 1986 Levir culpi encerra a carreira de jogador e se dedica apenas ao cargo de treinador do Juventude. E logo no seu primeiro trabalho, pega um time desacreditado, sem condições financeiras e conquista o título de campeão do Interior e uma vaga no Campeonato Brasileiro que seria disputado no segundo semestre.


ATLÉTICO - PR

J

V

E

D

75

42

18

15

(1986/87) -  Levir Culpi teve duas passagens pelo Atlético Paranaense. A primeira, ainda no início da carreira, em 1986 quando conquistou o Torneio Início e fez uma boa campanha no Brasileirão com 9 vitórias, 11 empates e 6 derrotas: 55,7% de aproveitamento.

Conquistas:

1986 - Torneio Início 2004 - Vice-campeão Brasileiro.


(2004) – Na segunda vez que trabalhou com o AtlÊtico PR, Levir Culpi assumiu um time em crise na quarta rodada do Brasileiro e levou o time ao vicecampeonato. O aproveitamento como treinador foi semelhante ao do Santos, campeão com 64,5%.


O time que surpreendeu todo o país terminou em segundo lugar a três pontos do Santos e revelou atletas como o artilheiro do campeonato, Washington, além de Jadson, Fernandinho, Dagoberto, Dennis Marques, Marcão, entre outros.


MARCÍLIO DIAS

J

V

E

D

45

14

16

15

Levir Culpi chegou ao Marcílio Dias em 1987 com objetivo de livrar o time do rebaixamento. Objetivo conquistado, se transferiu ao Blumenau que tentava chegar na Primeira Divisão na mesma temporada. Ano seguinte, Levir retorna ao Marcílio, dessa vez para conquistar o titulo da Taça Carlos Did Renaux, referente ao primeiro turno do Catarinense.


BLUMENAU

J

V

E

D

10

3

5

2

Levir Culpi foi contratado para subir o Blumenau à Primeira Divisão. Fez uma boa campanha, mas não chegou a terminar o campeonato no comando técnico. Mesmo assim, a ascensão estava bem encaminhada. Nesse período atuou também como técnico da Seleção Catarinense em dois jogos contra a Seleção do Paraná.


INTER DE LIMEIRA

J

V

E

D

82

36

19

27

Na Inter de Limeira, Levir Culpi teve quatro passagens intercaladas 1988, 1989, 1990 e 1991. A que mais marcou foi o título da Série B em 1988 quando a Inter atropelou os favoritos e sagrou-se Campeã Brasileira da Série B.


CRICIÚMA

J

V

E

D

129

65

35

29

(1989/1990/1992)- O Criciúma é um dos clubes importantes da carreira de Culpi. Foram três períodos, 1989 quando foi campeão catarinense, 1990 e 1992 quando o time chegou à semifinal da Taça Libertadores da América.  O Criciúma perdeu a vaga na final para o São Paulo (0x1 e 1x1), time que havia vencido na 1ª fase por 3 x 0 e que acabou sendo campeão naquele ano. Foto: Banco de reservas do estádio Heriberto Hulse


INTERNACIONAL

J

V

E

D

5

1

2

2

(1990) - A passagem mais curta de Levir Culpi foi no Internacional de Porto Alegre onde dirigiu a equipe em apenas cinco partidas devido a uma tentativa de interferência na escalação por parte do diretor de futebol da época.


AL ETTIFAQ

Levir teve duas passagens pela Arábia Saudita. Em 1990 foi técnico da Seleção Juvenil , mas o trabalho foi interrompido devido a Guerra do Golfo. Em 1992 comandou o Al Ettifaq, da Arábia Saudita.


CORITIBA

J

V

E

D

29

15

7

7

(1990) - Em 1990, Levir voltava ao clube que o revelou com a missão de leválo à Primeira Divisão. O time chegou à semifinal da Série B com o Guarani. Venceu o primeiro em casa: 1 x 0. Faltava apenas um empate. Mas aconteceu o que Levir define como: “uma das maiores injustiças da carreira”.  O árbitro José Roberto Wright anulou um gol legítimo do Coritiba que perdeu por 1 x 0 e foi desclassificado nos pênaltis. O ocorrido foi uma ducha de água fria em Levir Culpi que dias antes da semifinal da Copa do Brasil, diante do Grêmio se transferiu para a Inter de Limeira.


PARANÁ CLUBE

J

V

E

D

73

34

26

16

(1993) - Levir Culpi foi o técnico que levou o  Paraná Clube ao primeiro título da seqüência que daria o penta-campeonato estadual ao time na década de 90.


GUARANI

J

V

E

D

12

3

3

6

(1994) - Chegou no clube paulista para impor sua filosofia mas bateu de frente com a diretoria que tentou intervir na programação e o trabalho teve pouco tempo de duração.


ATLÉTICO - MG

J

V

E

D

175

93

38

44

1994/95-2001-2006/07 - Com três passagens em momentos importantes da história do Atlético, Levir Culpi entrou para a galeria dos principais técnicos do Clube. No primeiro período foi campeão mineiro de 1995. Retornou em 2001 levando o Galo às semifinais da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro. Já em 2006 assumiu o time com o desafio de devolver o clube à série a do Campeonato Brasileiro. Com uma campanha impecável o Galo se tornou campeão brasileiro da série B e campeão mineiro em 2007.


PORTUGUESA

J

V

E

D

21

8

7

6

(1995) - Foi seu primeiro trabalho na capital paulista comandando a Portuguesa no Campeonato Brasileiro. Revelou atletas como Zé Maria, Zé Roberto e Leandro.


CRUZEIRO

J

V

E

D

257

140

68

49

Levir Culpi é o segundo técnico que mais vezes dirigiu o Cruzeiro com 257 jogos. Alguns dos títulos mais importantes de sua carreira foram conquistados no clube, como a Copa do Brasil de 1996 e a Recopa Sul-americana de 1998, entre outros títulos estaduais e regionais.


SÃO PAULO

J

V

E

D

78

42

18

18

Levir Culpi teve a primeira oportunidade em um dos grandes de São Paulo em 2000. Foi campeão paulista, vice-campeão da Copa do Brasil e o reconhecimento do seu trabalho quase o levou ao comando da Seleção Brasileira, como chegou a ser cogitado e, inclusive, confirmado por alguns jornais.


PALMEIRAS

J

V

E

D

18

5

6

7

(2002)- Um dos trabalhos mais difíceis foi no Palmeiras. O técnico assumiu para livrar o time do rebaixamento, melhorou o aproveitamento da equipe mas não conseguiu evitar o rebaixamento. Se levar em conta a campanha de Levir o time seria 20º entre 26 times (aproveitamento de 38,8%) e não cairia.


BOTAFOGO

J

V

E

D

67

32

16

19

(2003) - O primeiro trabalho no Rio de Janeiro era coisa de Bombeiro, apagar o incêndio que tomava conta de General Severiano após o rebaixamento e subir com o time para a Série A. Levir fez do estádio de Caio Martins um caldeirão e o time era imbatível jogando em casa.


SÃO CAETANO

J

V

E

D

9

2

2

5

(2005) – Mesmo trabalhando com ótimos jogadores como Edilson , Lucio Flavio, Marcio Richard e Triguinho, faltou conexão com o clube pela falta de público nos jogos.


CEREZO OSAKA

J

V

E

D

(1997 – 2007/08/09/10/11) Levir Culpi é o técnico estrangeiro com o maior número de jogos no país. Esse recorde foi alcançado na temporada de 2011. Mas a relação com o futebol japonês, mais especificamente com o Cerezo Osaka, começou em 1997 quando trabalhou o clube pela primeira vez. As maiores conquistas vieram na segunda passagem que comecou em 2007. Dois anos depois conseguiu o tão aguardado acesso à Primeira divisão e em 2010 foi o 3º colocado da J League. Em 2011 levou o Cerezo às quartasde-final da Liga dos Campeões da Ásia, a principal competição de clubes do continente.


Álbum Levir Culpi  

Técnico de futebol brasileiro.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you