A CASA em revista 1

Page 1

A CASA FOTO ARTE



A CASA EM REVISTA - ed.1


Capa Peles Fotogrรกficas Claudia Mauad


Editorial

A CASA em revista é uma publicação virtual de artes visuais

com ênfase na fotografia contemporânea. Nasce dentro

do isolamento social necessário para evitar o coronavírus. Inicialmente voltada para artistas que participam de projetos, encontros ou cursos A CASA, busca dar visibilidade em

tempos de pandemia para a emergente produção destes

artistas, também servir de portfólio e ajudar a colocar novos nomes e trabalhos em circulação dentro do sistema de arte. Além de ensaios fotográficos e trabalhos relacionados à imagem, cada edição terá uma entrevista com um artista

convidado, que apresentará também um ensaio, projeto ou

produção de sua autoria, escolhido e selecionado por ele mesmo.

Nesta primeira edição, temos a alegria de receber em

nossas páginas, Rogério Reis, um artista que se reinventa, depois de anos de sucesso no fotojornalismo. Esperamos que apreciem nossa revista. Bem vindos!


Inquietações

Anne-Marie Maculan Não

são

pesadelos,

somente

sensações,

impressões,

angústias, emergindo da memória profunda, quando estou no escuro esperando a noite chegar entre o sono e a vigília. Porque fotografei esses lugares? São assombrações vindo do passado? vindo de longe? Não sei responder. São falsas lembranças? Talvez. São interrogações soterradas que reaparecem sem avisar: “Em grandes emoções súbitas sem sentido nenhum”. (Alvaro de Campos)









(In)congruências Caique Cunha

(In)congruências descontextualiza propositalmente fragmentos da cidade e seus elementos, ressignificando a paisagem urbana. Aqui busco a harmonia, ou não, das imagens através de semelhanças ou equivalência de características. Sobrepondo fotografias, esse trabalho incentiva a discussão sobre a tênue linha que separa o real do imaginário, o concreto do inventado e do manipulado. A verdade da mentira.









Peles Fotográficas Claudia Mauad

Na série Peles Fotográficas, o trabalho de criação artística procurou revelar as potencialidades do suporte fotográfico, para além da câmera escura, através da utilização de diversas fontes luminosas e químicas que atuaram diretamente sobre o papel fotográfico, provocando diferentes tipos de marcas, como numa pele . As químicas utilizadas no momento da revelação tiveram um novo papel, agindo como pigmentos. Roupas - banhadas em revelador fotográfico - deixaram suas marcas nas superfícies sensíveis. Durante o processo de criação foram trabalhados plasticamente dois conceitos: estranhamento e deslocamento. Nas obras criadas durante a pesquisa, roupas foram deslocadas de suas funções habituais, tornando-se espécies de fantasmas, vestígios de corpos que não estavam mais presentes, nos remetendo a um universo de sonho, a uma instância supra real. Esses fantasmas de pessoas também nos remetem a uma ambivalência que esta no cerne da imagem fotográfica: morte e eternidade, presença e ausência.











Luneta de Galileu Eliane Heeren

No século XVI, Galileu utilizou um conjunto de lentes, por ele desenvolvido, para realizar observações astronômicas que fundamentaram a revolucionária teoria de que a Terra gira em torno do Sol. Em tempos de terraplanismo, este ensaio reverencia Galileu e convoca objetos que, deslocados de seu uso original, são transformados em lentes mediadoras e recriam o seu entorno com novas camadas de luz, de tempo e de significação.











Desenhos Laércio Leão

Desenhos vivos, que no próximo segundo mostram a transformação dessas imagens. Por que não dizer que são únicas pela intervenção do tempo e a força criativa da natureza? Os desenhos das árvores estarão vivos na percepção de cada pessoa.











A Queima Roupa Maria Eugênia Nabuco

A Queima Roupa é uma narrativa cuja linguagem não linear é feita de estranhamento, de escanção, de borda, de pulsação, de poesia, de onirismo. O corpo circula em cena como objeto real, sem nenhum artifício no espaço do visível e do não visível. São imagens construidas dentro de uma estética minimalista que suscitam a leitura de um território denso, onde não há intenção puramente formal de uma escrita do nú. Os modelos são pessoas da vida cotidiana, apresentadas em suas casas, em luz natural.











Paralelo Mauro Land

Na era da pós-fotografia, quando milhares de imagens são produzidas a cada minuto, cada um pode enxergar o seu “mundo possível”. O ensaio “Paralelo” expressa essa ideia, um mundo que existe diante de nós , mas que não necessariamente existiu ou existirá na realidade.









Minha Cidade Invisível Miriam Ramalho

Que cidade é essa que eu não conhecia? Não consigo lê-la, suas páginas estão em branco, ou há linguagem e não a aprendi? Que cidade é essa que minha memória não encontra registro? Que meus desejos e medos se confundem ao olhar o vazio? Não encontro eco da voz que emito em silêncio aos quatro cantos, e não reconheço o que antes estava impregnado nas retinas. Que cidade é essa que preciso entender e recebê-la novamente como minha? Se a quero de volta, porque não parti, apenas aguardo em restauro.












Artista Convidado

RogĂŠrio Reis Voo de Papel


Entrevista A CASA: Antes de iniciarmos nosso bate-papo queremos deixar registrado nossa imensa alegria de tê-lo como primeiro convidado de A CASA em revista. Vamos começar. O que te levou a tirar o foco de uma produção de fotojornalista tão bem-sucedida para se aventurar, com igual sucesso, no campo autoral e mais expandido da fotografia? ROGÉRIO REIS: Meu interesse pelo fotojornalismo é eterno.

Sou

formado pelas divisões de base do jornalismo diário e tenho o Jornal do Brasil dos anos 80, entre as redações por onde passei, como modelo de ambiente de trabalho e produção de ideias. Como integrante da F4, coletivo de fotógrafos independentes dos anos 80, flertei com a contracultura e com a resistência à ditadura. Meu olhar hoje, embora liberto do contexto noticioso, ainda vem das ruas. Problematizar questões urbanas sempre foi minha vocação.


A CASA: Seu ensaio “Voo de Papel” tem uma leveza, um humor que o descola de grandes trabalhos anteriores seus como “Micro Ondas”, “Surfistas de Trem” e até mesmo o “Na Lona”, em que mesmo sendo captada a alegria e o inusitado das fantasias, ainda passa a ideia de um minucioso trabalho de retrato, uma análise antropológica do folião. Na sequência de sua produção, esse humor e leveza retornam no “Ninguém é de Ninguém”. Tem como nos contar como funciona dentro de você essa chave que possibilita trabalhos tão densos, carregados de dramaticidade, seguidos por trabalhos tão leves, mas igualmente bem executados? ROGÉRIO REIS: Penso que o amadurecimento me torna uma pessoa menos dramática. Minha produção está ligada às circunstâncias variadas da vida e ao meu desejo de expandir formas. No caso do Vôo de Papel, busco o lúdico para ressignificar um fato histórico de grandes proporções para a humanidade. Já no “Ninguém é de ninguém” prevaleceu minha vivência crítica ao excessivo controle das imagens nos espaços públicos. Após uma extensa produção de fotos

“roubadas”,

instantâneos, trouxe John Baldessari para dialogar com a nossa carioquice. Um indivíduo com venda nos olhos perde o poder de revidar o olhar, de produzir semelhanças e correspondências.


A CASA: “Voo de Papel” trabalha com a ilusão, temos que ficar atentos para não cairmos na armadilha de estarmos presenciando uma fotografia original do XIV Bis. Seria correto dizer que esse fenômeno se torna possível por que fotografia seria, em si, uma forma de ilusão? ROGÉRIO REIS: A fotografia construída, encenada, pode produzir aproximação entre ilusão e realidade. Um crítico português define essa modalidade como fotografias reimaginadas. No Vôo de Papel tudo começou com o convite que um dos editores dessa revista, o Portela me fez para desenvolver um trabalho para o projeto “Marimage” (casamento de imagens entre o Brasil e a França). Meu desafio foi o que produzir sobre uma Paris já tão bem explorada por ícones como Alécio de Andrade, Cartier Bresson e Robert Doisneau. A ideia inicial de construir um 14 Bis de material leve para ter flutuação no espaço foi inspirada no brilhante documentário “Le Grand Cirque Calder - 1927” produzido pelo francês Jean Painlevé, em1955. Nesse vídeo, Alexander Calder mostra o seu próprio circo, interage e manipula com trapezistas e malabaristas no seu pequeno picadeiro de forma lúdica, leve e divertida. Todo o aparato portátil usado na cena é transportado por ele em duas malas, facilitando a itinerância.


Voltando ao nosso projeto, o gesto de voar com uma réplica na forma de um mini protótipo do 14 Bis sustentado por uma girafa mecânica com fios de nylon foi emocionante e vibrante. Me senti empinando uma pipa nos céus de Paris, diante de uma plateia curiosa. A CASA: “Voo de Papel” opera com ilusão a partir de imagens que apelam a uma espécie de imaginário coletivo, ou uma “memória coletiva” formada pelas marcantes imagens do século XX. Alguns filósofos e pensadores já afirmam que a massificação da produção e circulação de fotografias do século XXI faz com que nenhuma imagem mais se fixe como antes. Com toda sua experiência de imprensa e arquivo fotográfico, que imagens você acredita que estamos compartilhando nessa possível memória coletiva do contemporâneo? ROGÉRIO REIS: Creio que sempre teremos imagens-ícones, não necessariamente de fatos históricos. O francês, professor da Sorbonne André Rouillé estuda esse fenômeno de massa e ironiza quando diz que o selfie é resultado da extensão do nosso braço. O curador Agnaldo Farias chama de “fotofolia”, essa euforia digital. Os arquivos históricos da era pré-digital estão sendo adquiridos por instituições culturais que trabalham com imagem. Por outro lado, os fotógrafos profissionais


estão perdendo a exclusividade do meio, já que os aplicativos criaram a nova lógica do acerto compulsório, que nos tira a possibilidade de aprender pelo erro. Já a matriz digital é mais vulnerável a possíveis apagamentos e carece de materialidade museológica. Hoje compartilhamos quase tudo, inclusive a nossa intimidade. Vejo o fotógrafo contemporâneo na arte ou fora dela cada vez mais editor de si mesmo e dos outros. A CASA: Pergunta mais pessoal. Quem na fotografia ou nas artes visuais, te influenciou ou ainda influencia? Além disso, a incorporação destas influências é para você um processo consciente, ou você se dá conta delas numa observação posterior das próprias imagens? ROGÉRIO REIS: Não tenho hora marcada com as minhas influências, mas tenho o hábito de fazer anotações visuais com o cel. Essa tomada de consciência pode ocorrer antes, durante, no final do processo ou mesmo depois. Meus primeiros influenciadores foram os professores Alair Gomes (Parque Lage e Laura Alvim), George Racz no Bloco Escola do MAM, o fotógrafo americano Dick Welton, no seu estúdio do Leme e David


Zingg no seu estúdio do Jardim Botânico. E, na condição de estagiário do Jornal do Brasil, tive o privilégio de sair com todos os fotógrafos da equipe nos anos de 1977 e 1978. Nesse período de quarentena, além de pensar como será o nosso pós Covid-19, tenho estudado os discípulos do casal alemão Hilla e Bernd Becher da chamada escola de Dusseldorf, como Thomas Ruff e o Andreas Gursky. Meus ídolos de cabeceira são o Weegee, Larry Clark (Tulsa), Robert Mapplethorpe (Ten by Ten), Dianne Arbus, José Medeiros, Robert Frank (The Americans), Susan Meiselas, Josef Koudelka, Man Ray e László Moholy-Nagy. A CASA: Fora do campo das artes visuais, qual outra arte e/ou quais artistas ou atividades te inspiram a sair produzindo projetos novos? ROGÉRIO REIS: A criatividade do futebol do Flamengo e dos repentistas das feiras nordestinas, me impulsionam. A CASA: Uma das maiores dificuldades de jovens artistas é serem aceitos no mercado de arte, principalmente quando são pessoas de


meia idade, existe a máxima de que o mercado gosta de pessoas de baixa idade, vinte e poucos anos. Você entra no circuito das artes mais velho. Qual o segredo ou qual conselho daria para o artista jovem que está produzindo com desejo de expor e vender? ROGÉRIO REIS: O importante é seguir trabalhando naquilo que de fato se acredita. A galeria é o um dos meios e não um fim. Mas penso que buscar compreender como se engendra o mercado de artes é útil e necessário. O regime de valores do mundo da arte opera uma complexa rede de influências que envolve artistas, colecionadores, consumidores, agentes culturais, editores, galeristas, museus, feiras, bienais, leilões, festivais, críticos, curadores, jornalistas e por aí vai. Para ampliar o conhecimento artístico e ter mais foco na produção, sugiro visitar exposições com frequência, assistir debates, ver filmes, pesquisar na internet, , ler livros, checar o Art 1 e o Curta pois são bons canais de conteúdo e ter um caderno próprio para anotações e consultas.













Artistas

Anne-Marie Maculan Caique Cunha Claudia Mauad Eliane Heeren Laercio Leão Maria Eugênia Nabuco Mauro Land

Convidado

Artista

Miriam Ramalho

Rogério Reis


Conselho Editorial Greice Rosa Mรกrcio Menasce Marco Antonio Portela

Projeto Grรกfico Bruno Almeida


acasafotoarte.com


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.