Issuu on Google+

102 FM Rádio abre este mês estúdios nas Caldas da Rainha

ANO I | N.º 8 | DISTRIBUIÇÃO GRATUITA | QUINZENAL | 13 junho 2012

Capitania avisa: Bom senso salva vidas

Peniche

Estudo reforça risco de fecho do Hospital

// P 2

// Suplemento Especial Peniche

Óbidos

Santuário do Senhor da Pedra perto de ser monumento de interesse público // P 6

SUPLEMENTO ESPECIAL

Caldas da Rainha

Autarquia rejeita aumento do preço da água // P 8

PENICHE SUPLEMENTO ESPECIAL

ATOUGUIA DA BALEIA

13 junho 2012


| abertura

Entidade Reguladora de Saúde coloca em risco Hospital de Peniche O “Estudo para a Carta Hospitalar” apresentado pela Entidade Reguladora de Saúde, no dia 1 de junho, revela que o Hospital de S. Pedro Gonçalves Telmo, em Peniche, consta da lista de unidades que poderão perder o internamento em medicina interna. Para o presidente da Câmara Municipal de Peniche, António José Correia, é “inadmissível ter tido conhecimento deste estudo através da comunicação social”. Acrescenta ainda que “estes são sinais preocupantes”, mas vai manter-se “atento, vigilante e atuante, defendendo os interesses da atividade económica e da qualidade de vida dos cidadãos”. Em defesa da população, a autarquia aprovou, por unanimidade, uma proposta na qual pede uma audiência

ao ministro da saúde, “repudiando a proposta de encerramento da urgência médica e do serviço de medicina interna” no hospital de Peniche, defendida neste estudo. António José Correia lembra o acordo assinado há quatro anos com o então ministro da saúde, Correia de Campos. “Por força daquilo que nós manifestámos e da realidade que evidenciámos, o Dr. Correia de Campos acabou por assinar comigo um protocolo que garantia o serviço de urgência básica e, além disso, um conjunto de outros serviços, entre os quais a medicina interna, por isso, nós achamos que este senhor ministro não vai tomar uma opção diferente. O aumento populacional do concelho registado nos censos de 2011, a atratividade turística, os riscos asso-

ciados à atividade da pesca, o porto de pesca, a existência de fábricas de produção de conservas de peixe com centenas de trabalhadores e da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar, com 1300 alunos, deverão ser fatores tidos em conta pela tutela”, defende o autarca. Os responsáveis pelo estudo entendem “haver duplicação de serviços e sobreposições em algumas especialidades”. De acordo com o Ministério da Saúde, este estudo “não tem em conta todas as especialidades médicas hospitalares, não mede os impactos financeiros das opções preconizadas, nem leva em conta as redes de referenciação, logo, pode ser alvo de avaliações suplementares”.

FEIRA TRADICIONAL DA BUFARDA Todos os terceiros domingos do mês. Produtos alimentares diretamente do produtor, vestuário e até mobiliário. Bons negócios. Almoce no Centro Social da Bufarda ou leve para casa. Há uma variedade de deliciosos pratos à sua espera. Visite a Bufarda na freguesia da Atouguia da Baleia, Peniche

Para mais informações contacte

968 736 399

02

13 junho 2012


peniche // concelhos |

Peniche não esquece pescadores

Triatlo volta à casa de partida

O Dia Nacional do Pescador comemora-se a 30 de maio mas a Câmara Municial de Peniche reservou as cerimónias para 3 de junho. Neste dia presta-se homenagem a todos os que fazem da pesca a sua vida e dos que contribuem para o desenvolvimento do setor

Na Sessão de Câmara Municipal, esta decidiu homenagear a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar – Instituto Politécnico de Leiria “pela dedicação e empenho no desenvolvimento de atividades formativas, na investigação científica e prestação de serviços à comunidade em torno dos recursos marinhos”. A diretora da ESTM, Teresa Mouga, agradece igualmente “todo o empenho que o município tem desenvolvido a favor da escola”. Para além desta homenagem também todas as forças políticas com assento na autarquia direcionaram mensagens para o setor. O vereador do PS, Carlos Amaral, pretendeu dar o seu testemunho de “reconhecimento enquanto autarca mas também como cidadão à comunidade piscatória. Pelo contributo que ao longo dos tempos deu a Peniche, principalmente no domínio do desenvolvimento económico mas também para a cultura e história da nossa terra. A nossa história será sempre ligada ao mar”. Luís Ganhão, do Partido Social Democrata, apontou o estado em que se

encontra o setor e a sua importância no futuro. “Os números do desemprego na pesca são alarmantes. A população piscatória é francamente envelhecida e apenas 25% dos pescadores, segundo um estudo da Universidade Técnica de Lisboa, deseja que os seus descendentes continuem na atividade. Isto reflete bem o estado da pesca no nosso país”. Jorge Abrantes, da Coligação Democrática Unitária, enalteceu o trabalho realizado no que toca à gestão da pesca da sardinha. “Peço um aplauso às organizações de produtores por terem feito uma diminuição voluntária, e por iniciativa própria, da sua atividade. E fizeram-no sem qualquer tipo de apoios estatais ou de outro tipo, em prol da melhoria da qualidade da sardinha pescada doravante”. O presidente da Câmara Municipal de Peniche, António José Correia, deu a conhecer as dificuldades da autarquia, “vamos ter de pedir a compreensão da população para certas decisões que vamos fazer no futuro. Tivemos uma notícia que em maio o imposto municipal que o Es-

tado cobra para nos entregar ia ser reduzido em 5%, ou seja, em 104 mil euros. No total de há 3 anos já nos foram cortados quase 2 milhões de euros.” As comemorações contaram ainda com o debate “Porto de Peniche: Perspetivas Futuras”, nos novos armazéns do Porto de Pesca, que contou com a presença do Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto Abreu. Este afirmou que Peniche “é vista como uma aposta segura”, acrescentando que “a gestão dos portos ainda não tem um modelo estabelecido e que haverá uma evolução na Docapesca no que respeita à integração da mesma nos portos, dando corpo ao modelo inicial, o que permitirá uma maior proximidade entre as infraestruturas e as administrações locais”. Manuel Pinto Abreu concluiu dizendo que o desenvolvimento local e nacional “têm de andar lado a lado e que Peniche é um forte polo de desenvolvimento, não só das pescas mas sim de tudo o que é a atividade do mar”.

A 29ª edição do Triatlo de Peniche, que decorreu no passado dia 2 de junho, foi organizada pela Câmara Municipal de Peniche e pela Federação de Triatlo de Portugal. Foi na cidade que em 1984 se realizou a primeira prova de triatlo em Portugal. Paulo Carvalho foi o vencedor de então. José Luís Ferreira, presidente da Federação Portuguesa de Triatlo, realça a “os excelentes desempenhos desportivos já são sintomáticos do nível de desenvolvimento que a modalidade conhece. Há um crescimento no número de praticantes, o que se reflete na qualidade das prestações desportivas. É um balanço extremamente positivo, com uma boa organização que nos faz concluir ter sido uma boa festa do triatlo”. Para os Jogos Olímpicos de Londres 2012 Portugal conseguiu apurar dois atletas, João Silva e Bruno Pais, num máximo permi-

tido até três. Este ano estreou-se em Peniche o campeonato Nacional Universitário de Triatlo onde Miguel Arraiolos do Grupo Desportivo Águias de Alpiarça, e estudante na Faculdade de Motricidade Humana, foi o vencedor da prova, “mas admito que no início não correu muito bem, mas na parte final consegui aproximar-me do grupo da frente e ganhar”. Realça ainda a evolução da modalidade, “Portugal tem um grande nome a nível de equipa, não só por causa da Vanessa Fernandes, e agora estamos a apostar na formação do setor masculino para conseguirmos levar o máximo de atletas aos próximos Jogos Olímpicos”. António José Correia, Presidente da Câmara Municipal de Peniche, defende que “a federação de triatlo tem uma componente muito profissional e bem gerida, e o facto de se ter tornado uma modalidade olímpica ajudou à sua evolução”.

Boias de monitorização marítima em Peniche

As praias com Bandeira Azul do concelho de Peniche vão fornecer aos frequentadores destas informações através de boias de monitorização marítima. Essas informações são, entre outras, sobre a temperatura da água, do ar, intensidade do vento, raios UV, o

nível do PH e do oxigénio diluído nessa mesma água. Esses dados emitidos em tempo real serão fornecidos a utilizadores de telemóvel, iPhone, iPad, computador ou outras plataformas. Estas boias já se encontravam em funcionamento em outras praias do país.

13 junho 2012

03


| concelhos // peniche

Atouguia “MIA” em grande

As televisões do bar da Sociedade Filarmónica União 1º de Dezembro 1902 transmitiam o concerto dos Xutos & Pontapés na 4ª edição do Rock in Rio Lisboa e ouviam-se as letras conhecidas e as notas organizadas. No auditório ao lado, 20 músicos tocavam as últimas notas improvisadas da 3ª edição do MIA

De 1 a 3 de junho, o festival de Música Improvisada de Atouguia da Baleia contou com a participação de 45 músicos vindos de todo o país e cerca de 15 estrangeiros, de forma voluntária - cada um acarretou com as próprias despesas. O MIA começou no dia 1 com um Workshop orientado por João Meneses. No dia seguinte estreou o Video Art Show - uma exibição de curtas-metragens com origem em sonoridades criadas nas edições anteriores. O festival terminou no dia 3 com atuação de vários grupos e do Ensemble do MIA, composto por músicos sorteados aleatoriamente. Os Xutos & Pontapés cantavam: “Eu nunca fiz nada que batesse certo”, o que muitas pessoas devem pensar em relação à música improvisada. Um dos pais do evento e também músico, Paulo Chagas, faz um balanço “extremamente positivo. Podemos congratular-nos por terem

vindo músicos de países como a Áustria, Espanha, Brasil, Argentina e até do Japão”. Enquanto recuperava o fôlego depois da sua performance, o outro criador da ideia, Fernando Simões, partilha do mesmo entusiasmo, “foi a terceira edição mas em termos de qualidade foi a primeira. O MIA não pretende ser um espectáculo de música improvisada, mas um encontro de músicos de improvisação onde todos trocam saberes”. Apesar do entusiasmo, o futuro é uma incógnita. Fernando Simões acrescenta que “é difícil marcar metas quando há entidades que têm pertinência em dificultar, mas temos força e continuamos cá!” O presidente da Sociedade Filarmónica, Afonso Clara, confirma essas complexidades, “estamos de parabéns pelo apoio dado para transformar este evento numa imagem de marca da Atouguia da Baleia. E era bom

que a Câmara Municipal de Peniche entendesse este evento de uma perspetiva mais lata e não como um evento que é promovido só na vila, porque vem muita gente de fora à região e é importante que a câmara não se feche nas suas muralhas”. António Salvador, presidente da junta de freguesia estava rendido: “ou aprendi a gostar ou isto melhorou muito, e não tenho dúvidas que a qualidade tenha sido medonha.” Maresuke Okamoto, músico Japonês, assume que “tinha muita vontade de atuar aqui e todos os improvisadores foram excelentes. É tudo muito bom, um lugar fantástico, o tempo, a comida, a bondade das pessoas é incrível. Vou aproveitar para conhecer mais do país e irei voltar aqui certamente!” O auditório da sociedade filarmónica estava cheio, mas o bar, onde se ouvia Xutos & Pontapés, estava “às moscas”.

ACISCP sem pretendentes No passado dia 1 de junho a Assembleia Geral da ACISCP – Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Concelho de Peniche - teve como objetivo apresentar listas candidatas às eleições a fim de escolher

04

13 junho 2012

os novos órgãos sociais da associação. Como já era esperado, as duas dezenas de sócios que estiveram presentes não foram apresentados nenhuns candidatos para as eleições que serão marcadas para o dia 13 ou

14 de julho. Recorde-se que o atual presidente da ACISP, António Morais, apresentou a demissão do cargo.


óbidos // concelhos |

Seleção despede-se de Óbidos em festa

Empresa local cria autocarro da seleção

A Almadesign, empresa do Parque Tecnológico de Óbidos, foi a responsável por criar o modelo Winner Facelift, para a CaetanoBus. Este veículo, que assegurou o estágio da seleção nacional em Óbidos, é o sucessor do Winner, autocarro que transportou as equipas de futebol no Euro 2004.

Este novo modelo nasce para melhorar o conforto e a segurança dos passageiros. Os principais traços identificadores da marca Caetano foram mantidos e evoluíram para uma linguagem moderna, com melhorias no desempenho e otimização dos fatores produtivos.

Plano de marketing e promoção da costa marítima obidense

Bandeiras nas janelas e centenas de pessoas nas ruas marcaram a despedida da seleção nacional da vila de Óbidos, que na sexta-feira, 1 de junho, deixou depois do estágio de preparação para o Euro 2012. Numa tarde marcada pela festa e euforia, os jogadores passearam de charrete na vila e ouviram o hino nacional ser entoado na Praça de Santa Maria, por um grupo de crianças. Chegaram de charrete, exceção feita à equipa técnica e aos dirigentes, que fizeram o trajeto a pé. Refira-se ainda que a tarde foi abrilhantada com a presença de Eusébio. Na vila considerada por Humberto Coelho, vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, um “talismã para a Seleção”, o selecionador nacional, Paulo Bento, deixou

expresso o orgulho nos 23 convocados que espera que “sejam uns heróis do nosso povo”. Graffitis retratam jogadores Da passagem da seleção nacional em Óbidos ficarão marcas como a fotografia do selecionador e dos 23 jogadores pintada a graffiti nas paredes do quartel dos bombeiros locais. A ideia partiu de um antigo recluso, Luís David Furtado, que avançou com uma maratona de graffiti de apoio à equipa das “quinas’’. O autor “pretende desta forma dar o seu contributo para fomentar o orgulho nacional e a união em torno da equipa de futebol’’, referia a nota de divulgação da iniciativa

“ApoiArte Seleção’’, que tem ainda como objetivo “reabilitar o edifício devoluto do antigo quartel dos bombeiros voluntários de Óbidos’’. De acordo com o mesmo comunicado, Luís David Furtado, de 30 anos, é o criador do conceito “OH! Arte sustentabilidade urbana’’, um “negócio social com o objetivo de prevenir a reincidência de ex-reclusos transmitindo e possibilitando a outros a sua própria experiência de uma bem-sucedida reinserção social e profissional através da arte’’, que nasceu no âmbito da Academia Ubuntu, iniciativa promovida pelo Instituto Padre António Vieira. A maratona de gaffitis contou com o patrocínio da Federação Portuguesa de Futebol e da Câmara Municipal de Óbidos.

PROPRIEDADE: Hora H - Agência Global de Comunicação Unipessoal, Lda.

DEPARTAMENTO COMERCIAL: Paulo Rodrigues e Cláudia Ramalho

DIRETOR E ADMINISTRADOR: Luís Parreira REDAÇÃO: Dina Aleixo, Letícia Martins e Marcelo Chagas COLABORADORES: João Carlos Costa, José Monteiro, Nuno Jorge, António Marques e Carlos Tiago PAGINAÇÃO: vto | design

Rua Ramiro Matos Bilhau, N.º 10, 3º Esq 2520-486 PENICHE T. 91 857 99 40 Av. Eng.º Luís Paiva e Sousa, N.º 2D 2500-329 CALDAS DA RAINHA T. 91 857 99 40 IMPRESSÃO: Fig-Indústrias Gráficas, S.A. Rua Adriano Lucas 3020-265 COIMBRA

Potenciar os produtos da Lagoa de Óbidos através da ligação entre o turismo e atividades como a pesca e apanha de bivalves, é o objetivo do plano de marketing e promoção da costa marítima obidense, lançado a 25 de maio pela associação Óbidos.com. O projeto apresentado numa das margens da lagoa, no Bom Sucesso, irá contar com uma verba de 38 mil euros e uma equipa de oito pessoas que durante um ano ouvirão “câmaras, associações de pescadores e organismos” com o objetivo de criar alternativas para as pessoas que vivem deste ecossistema”, explicou Nuno Mendonça, diretor do projeto. A primeira fase dos trabalhos incidirá no estudo do tipo, quantidade e rentabilidade das espécies existentes, mas, em simultâneo,

“serão lançadas iniciativas práticas que irão passar pela criação de uma marca da Lagoa de Óbidos e pela certificação da qualidade dos bivalves e peixes aqui pescados”. A par, os mentores do projeto pretendem promover a criação de atividades alternativas que possam ser um complemento aos rendimentos dos pescadores. O projeto foi candidato pela ADEPE (Associação para o Desenvolvimento de Peniche) ao programa comunitário PROMAR, que comparticipará 75 por cento dos custos. A restante verba será da responsabilidade da Associação Comercial de Óbidos - Óbidos.Com. O plano foi apresentado durante um almoço oferecido por pescadores e mariscadores da lagoa de Óbidos e confecionado no local.

13 junho 2012

05


| concelhos // óbidos

Regulamento de trânsito em discussão

A câmara de Óbidos vai realizar, no próximo dia 19 de junho, uma sessão pública de discussão do projeto de regulamento de trânsito da vila, durante a qual os interessados poderão apresentar as suas sugestões. O regulamento apresentado em sessão de câmara a 16 de maio mereceu já reações do Partido Socialista local que defendeu que a vereação da câmara passe a estacionar fora das muralhas, para dar um exemplo pedagógico aos comerciantes e população da vila que só tem 50 lugares de estacionamento. “Num princípio de pedagogia do exemplo a vereação e funcionários públicos devem passar a estacionar fora da muralha, excetuando os casos de pessoas com mobilidade reduzida”, afirmou José Machado, vereador da oposição na câmara de Óbidos, numa conferência de imprensa em que divulgou as propostas para o ordenamento do trânsito. A maioria PSD no executivo defende o aumento do número de estacionamentos reservados à autarquia de quatro para seis, mas o PS considera “necessário passar uma mensagem positiva para que as pessoas estacionem nos parques exteriores e isso só será possível se os vereadores derem o exemplo”, acrescentou José Machado. Os socialistas fundamentam a proposta com o facto de na vila existirem “apenas 50 lugares” de estacionamento dentro das muralhas onde residem a maior parte do ano

cerca de 70 pessoas (em 112 fogos) e as unidades hoteleiras contam com um total de 80 quartos. Defensor de que os moradores, “já escassos e na sua maioria idosos” devem ter tratamento prioritário “para contrariar a desertificação”, José Machado sugeriu que fosse criada uma bolsa de estacionamento para turistas junto ao posto de turismo e que as unidades hoteleiras fizessem o transporte dos hóspedes e bagagens. PS e PSD discordam ainda em relação à abertura ao trânsito na vila entre as 20h00 e as 10h00, defendendo o PS que a restrição à entrada de viaturas deve prolongar-se até às 22h00. Os socialistas sugeriram ainda que a cerca do castelo volte a ter dois sentidos de circulação e que seja implementada uma solução antiderrapante na Porta da Senhora da Graça, onde a calçada está bastante polida e os carros derrapam. As propostas dos socialistas não chegaram a ser votadas, dado o regulamento não ter, à data, entrado ainda em discussão pública. A par com as propostas que já avançou, o vereador socialista manifestou hoje disponibilidade para “ser porta-voz das sugestões da população no sentido de evitar que as pessoas não se apercebam que podem dar contributos durante a consulta pública e sejam confrontados com soluções definitivas”, concluiu.

Senhor da Pedra em processo de classificação

Está a decorrer, até final do mês de junho, o período de consulta pública no âmbito do processo de classificação do Santuário do Senhor Jesus da Pedra como Monumento de Interesse Público. A proposta de classificação do santuário incluindo o adro, e à fixação da respetiva Zona Especial de Proteção foi elaborada pela câmara de Óbidos, no início de 2010, através do Gabinete de Gestão do Património Histórico. Na sequência desta proposta, a Direção Regional de Cultura de Lisboa

e Vale do Tejo (DRCLVT) iniciou um processo de estudo de eventual classificação do imóvel, que permitiu confirmar a relevância dos valores identificados, tendo o Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico determinado a abertura do procedimento administrativo. A classificação do santuário garante a proteção do imóvel no âmbito da Lei de Bases do Património, no que diz respeito à salvaguarda valorização e estudo, traduzindo-se pelo compromisso do Estado em “asse-

gurar a transmissão de uma herança nacional”. Estas medidas vão desde a promoção de boas práticas de conservação, restauro e reabilitação, apoio técnico e acompanhamento da execução de projetos, à possibilidade de financiamento das intervenções no âmbito do Fundo de Salvaguarda do Património Cultural As observações dos interessados em participar na discussão pública deverão ser dirigidas à DRCLVT, que se pronunciará num prazo de 15 dias úteis.

Saúde oral nas freguesias A câmara de Óbidos, em parceria com o Agrupamento de Centros de Saúde – ACES, promove, durante o mês de junho, o projeto “Novos Caminhos em Saúde Oral”, em todas as freguesias do concelho. O objetivo da iniciativa é a promoção do princípio da equidade do

06

13 junho 2012

direito à saúde oral, através da sensibilização, divulgação e promoção de cuidados de saúde oral. Esta campanha, no âmbito do programa municipal Saúde Melhor, será dinamizada junto da população, através da Unidade Móvel de Saúde do município de Óbidos, com técni-

cos de saúde oral (higienistas profissionais) e conta com a colaboração das juntas de freguesia do concelho. No dia 8 foi a vez de Gaeiras, seguindo-se A-dos-Negros (12), Santa Maria (13), São Pedro (14), Usseira (15), Sobral (19), Vau (20, Amoreira (21) e Olho Marinho (22).


caldas da rainha // concelhos |

Cozinha de autor esgota restaurante da Escola de Hotelaria

Isa Alfaiate, natural de Peniche, foi a chef de uma das iniciativas denominadas “Cozinha de Autor”, através das quais o polo caldense da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste dá aos seus alunos a oportunidade de mostrarem os seus dotes culinários, de escansão e de chefe de mesa

Linha do Oeste

Se na cozinha foi Isa Alfaiate quem deu cartas, na sala coube a Jéssica Silva escolher a temática das mesas que desta vez incidiu sobre os quatro elementos: água, ar, terra e fogo. À escansão Maria Inês Oliveira coube a escolha dos vinhos que recaiu num verde seco e suave, “Quinta do Ameal”, para acompanhar a entrada de Salada de Repolho com Rabanete e a Sopa de Tomate com Ovo Picado acompanhada de Gelado de Orégãos. Para o prato de peixe, Isa Alfaiate inspirou-se em Peniche para apresentar um Robalo escalfado em “Água do Mar” acompanhado de Puré de Manjericão e Percebes, servido com um vinho branco Esporão, reserva de 2011. Um Lombinho de Borrego em Crosta de Especiarias acompanhado de Arroz Selvagem e molho de Pimenta Verde, com um vinho tinto Carm, de 2010 e uma Mini Torta de Laranja,

Mais de sete dezenas de atuais e antigos trabalhadores ferroviários aprovaram, nas Caldas da Rainha, uma moção em que contestam a intenção anunciada pelo Governo de encerrar o serviço de passageiros na Linha do Oeste. A moção reconhece como válidas as soluções apontadas por Nelson Oliveira, num estudo em que defende a viabilidade da linha, e reivindica a realização de obras de requalificação na ferrovia.

Animação infantil acompanhada de Granizado de Tangerina e Crocante de Toranja, para a sobremesa, completaram o repasto. Considerada por todos os alunos participantes uma excelente oportunidade para experimentarem, na prática, os conhecimentos obtidos no curso, a iniciativa contou, ao longo de várias sextas-feiras, com lotação esgotada no

restaurante da Escola de Hotelaria. Na despedida da “Cozinha de Autor” o diretor da escola, Daniel Pinto, deixou a promessa de que a cozinha voltará a dar que falar, convidando alguns grupos da sociedade a darem largas à criatividade e cozinharem os seus próprios menus.

A Semana de Animação Infantil das Caldas da Rainha, que decorreu até 2 de junho, realizou-se este ano sob o tema “As Profissões”. Ateliers, exposições, insufláveis, pinturas faciais, jogos e muita animação fizeram as delícias das crianças que passaram pela Expoeste, que esteve no último dia (sábado 2) aberto igualmente ao público em geral. A organização é da Câmara das Caldas, em conjunto com o grupo de Animação Infantil, que inclui as escolas do ensino básico da rede pública e instituições particulares de solidariedade social.

Caldas Late Night Milhares de pessoas seguiram “o mapa” do Caldas Late Night durante dois dias para verem as 127 intervenções artísticas que integraram a 16ª edição do evento. Organizado por alunos da Escola Superior de Artes e Design (ESAD) o Caldas Late Night decorreu sob o título lowcost e encheu a cidade de instalações, performances, concertos, exposições e até uma procissão, em que o santo em cima do andor deu lugar a um falo, encaminhando os “devotos” para uma festa na Praça de Touros. O evento fechou uma vez mais com uma mega festa e encerramento nas instalações da ESAD.

13 junho 2012

07


| concelhos // caldas da rainha

Arménio Carlos no INATEL da Foz do Arelho O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, esteve, a 24 de maio, na Foz do Arelho, onde participou no IV Congresso da Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT)

Fernando Costa contra aumento do preço da água O presidente da câmara das Caldas da Rainha, Fernando Costa, já comunicou à empresa Águas de Portugal que não pretende “fazer a concessão da distribuição de água a essa empresa nem pode concordar com o preço previsto da água de 2,5 a 3 euros por m3”. A posição do autarca foi expressa em ofício à Águas de Portugal, depois de o governo ter anunciado a intenção de normalizar os preços da água em todo o país. Costa considera que nas Caldas da Rainha “onde o preço médio é de um euro por m3” seria “muito penalizador para a população”, aderir ao aumento proposto pelo Governo. No mesmo ofício o presidente dá ainda nota da situação financeira dos serviços municipalizados que reafirma não pretender concessionar e denuncia o facto de “ o município

08

13 junho 2012

das Caldas da Rainha estar a ser prejudicado pela situação financeira das Águas do Oeste e do elevado preço da água, que nos estão a fornecer”. A manter-se esta situação, ameaça o autarca, “vamos deixar de adquirir água e suspender os pagamentos”, uma vez que de todas as câmaras que integram este sistema apenas Caldas da Rainha e Torres Vedras têm as contas em dia, acumulando os restantes municípios dívidas que nalguns casos ascendem a vários milhões de euros. “Em vez de subir o preço aos consumidores devem é ser reduzidos os custos de exploração e o preço de aquisição que está a ser praticado com a EPAL, por ser manifestamente elevado”, defende ainda Fernando Costa no ofício enviado à Águas de Portugal.

“Mais tarde ou mais cedo o Governo terá que ceder e diminuir a taxa do IVA para a restauração sob risco de pôr em causa a sobrevivência das pequenas empresas”, defendeu Arménio Carlos porque, se não cederem, os governantes serão “obrigados a sair e a serem substituídos”. Arménio Carlos falava no INATEL da Foz do Arelho, onde se concentraram 150 delegados dos sindicatos que integram a FESAHT num congresso que teve como lema “Defender a constituição de Abril, os direitos do trabalhadores e garantir o futuro”.

Objetivos que o coordenador da FESAHT, Joaquim Pires, pretende atingir “através da luta dos trabalhadores e do reforço da nossa própria organização” que neste congresso elegeu novos corpos gerentes para o mandato 2012/2018. A luta pela melhoria dos salários e condições de trabalho, a defesa dos horários de trabalho e direitos sociais, a defesa da negociação da contratação coletiva e a manutenção dos direitos dos contratos são algumas das linhas de ação avançadas pelos congressistas, que acusam o Governo de implementar “políticas

devastadoras” que fazem dos trabalhadores portugueses “os novos escravos do século XXI”, afirmou Joaquim Pires. Os congressistas aprovaram, no sábado, uma plataforma reivindicativa de ação e luta pela valorização dos setores e industria representadas pela federação que abrange mais de 338 mil trabalhadores, representando cerca de 11,2 por cento do emprego nacional e um peso de cerca de 14 por cento no Produto Interno Bruto (PIB).

Campanha de troca de manuais escolares A Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha está a dar continuidade, desde o início de junho, a mais uma edição da iniciativa “Dar e Partilhar” – campanha de troca de manuais escolares. A iniciativa, baseando-se nos valores de solidariedade social, pretende promover a reutilização de manuais

escolares entre vários graus de ensino, contribuindo para a rentabilização dos recursos económicos das famílias e evitar o desperdício. Durante o mês de junho, a Biblioteca Municipal disponibiliza uma base de dados on-line no site da Câmara Municipal (catálogo da biblioteca municipal), com o registo de

todos os manuais disponíveis. Aceitam-se manuais escolares em bom estado de conservação e apenas a partir do ano de 2008. Os mesmos deverão ser entregues na Biblioteca Municipal ou no Posto de Leitura da Biblioteca (na Junta de Freguesia Nossa Senhora do Pópulo).


SUPLEMENTO ESPECIAL

PENICHE

Mar, Sabor & Tradição

13 junho 2012

13 junho 2012 | SUPLEMENTO ESPECIAL

1


As pessoas têm de ter bom senso: “se alguém não sabe nadar não se vai mandar para o fundão!”

-se males maiores. Relativamente às dragagens na Foz do Arelho, há algum perigo para os banhistas? A Foz tem uma praia no mar e do lado de Óbidos tem uma na Lagoa. O que se passa ali é uma alteração no fundo, em termos da parte balnear não vejo grande problema - apesar de após 6 metros se perder o pé. A parte do canal está bastante funda, onde antigamente se podia passar a pé de um lado para o outro agora não dá.

A Capitania de Peniche é das entidades mais importantes da região. A sua jurisdição começa na Foz do Arelho e prolonga-se a Torres Vedras, traduzindo-se em 103km de costa. Patrocínio Tomás, ao comando da Capitania desde 2009, fala da preparação da época balnear que começou a 1 de junho e estende-se até 15 de setembro, das dragagens da Foz do Arelho e das obras nas arribas. Elogia as praias de Peniche e apela à segurança dos banhistas

Que balanço faz das épocas balneares anteriores? No ano passado houve incidentes fora da época balnear no concelho da Lourinhã e aí já houve preocupação por parte do município para tentar ter vigilância nas praias não vigiadas, mas o caso da praia da Areia Branca ocorreu a 10 de junho e a época balnear começou a 15 desse mês na Lourinhã. Aqui em Peniche, felizmente, não tem havido problemas. Este ano houve um esforço por parte da capitania em acelerar os procedimentos burocráticos para que até há data do início da época balnear os concessionários terem o requerimento e o despacho concluídos para autorizar a frente de praia, que é uma formalidade que tem de se cumprir. Anteriormente só se resolvia a partir da segunda semana. Expetativas para este ano? O que está na lei é o concessionário ser responsável para assegurar a assistência aos banhistas e aos nadadores salvadores. Desde que essa parte seja cumprida há boas condições para a época balnear correr bem. Quais são as condições apresentadas pelos equipamentos de salvamento?

Já foram concluídas as vistorias há duas semanas e as falhas eram mínimas. Ao nível dos nadadores salvadores, já troquei algumas ideias com os concessionários sobre isso e está tudo bem servido, inclusive foi concluído um curso de nadadores salvadores há pouco tempo. A nossa região tem mais bandeiras azuis este ano. Têm-se feito investimentos para melhorar as condições das praias? A Bandeira Azul é uma certificação que tem de cumprir com determinados requisitos. Quem submete as candidaturas são as autarquias, depois é avaliada se aquela concessão cumpre com as regras. Depois, as entidades como a Capitania, Delegação de Saúde, Associação da Bandeira Azul e a Administração da Região Hidrográfica (ARH) verificam os requisitos como a qualidade da água, os serviços prestados aos banhistas e a segurança. Se esses requisitos não forem confirmados a Bandeira Azul será retirada. Estão a começar as obras das arribas da praia da Consolação. Como está a decorrer este processo? As arribas estão à responsabilidade da

autoridade marítima. A Capitania acompanha os processos mas o assunto é liderado pela entidade que tem a tutela dessa área, a ARH. Eles auscultam todas as partes e geralmente o parecer dado pela Capitania é sempre favorável para os casos de requalificação. Concretamente, o nosso dever é que a sinalização seja cumprida. Em São Bernardino houve o acidente no ano passado, e neste ano, na zona que já estava sinalizada, por força do acidente, será colocado um perímetro para ninguém se aproximar da área. Está-se agora a evitar o mesmo na Consolação? Temos de ver as coisas de maneiras diferentes. Uma coisa é haver uma praia que é uma unidade balnear e teoricamente tem as sinalizações a indicar os limites da praia, na Consolação esse caso não se põe, porque está fora dessa área – o que não quer dizer que as pessoas não andem nessa zona. A política é a definida pela Proteção Civil: é avisar as pessoas que o risco existe, e se ele for muito grande interdita-se a área, mas há sempre gente a passar os limites. As obras que decorrem na Consolação têm a ver com isso. Mas também sabemos que mais tarde ou mais cedo irá cair, e antes disso evitam-

Mas há sinalização? Temos de averiguar com a Câmara Municipal das Caldas da Rainha se colocamos sinalização, mas só depois da finalização da obra - ainda neste verão. Mas as pessoas têm de ter bom senso: se alguém não sabe nadar não se vai mandar para o fundão. De qualquer modo será feito um anúncio a alertar para esta situação. Qual a avaliação que faz da zona balnear de Peniche comparando com as outras da sua jurisdição? Peniche tem a vantagem de proporcionar excelentes condições para a prática de desportos náuticos. Para além disso tem a costa virada a norte e a oeste, o que lhe dá muito espaço. Mesmo quando o Baleal está “à pinha”, a meio do verão, ainda há algum espaço. A qualidade da água também é bastante boa, apesar de nem todas as praias terem bandeira azul. Deixa algum conselho para os banhistas? Apelo às pessoas para terem cuidado quando forem à praia. Frequentar praias vigiadas e cumprir as regras é essencial para ter um verão em segurança. Proteger-se do sol, beber muitos líquidos e não deixar as crianças sozinhas na praia são alguns avisos que deixo a todos os banhistas para terem um verão em segurança.

encomendas

262 758 689

2

SUPLEMENTO 13 junho ESPECIAL 2012 | 13 junho 2012


SUPLEMENTO ESPECIAL

Sociedade Filarmónica União 1º Dezembro de 1902 de Atouguia da Baleia Tema: As Vindimas da Atouguia

MARCHAS POPULARES DA FREGUESIA DE ATOUGUIA DA BALEIA Quando há três anos atrás, esta autarquia apoiada pelas seis coletividades da Freguesia que na altura se associaram a nós nesta iniciativa, Casal Moinho, Lugar da Estrada, Geraldes, São Bernardino, Casais Mestre Mendo e Sociedade Filarmónica União 1º Dezembro de 1902 de Atouguia da Baleia, não imaginariam o sucesso que a iniciativa iria obter junto das populações e das paixões que iria desencadear nos integrantes das marchas, nomeadamente ao nível do orgulho sentido nas suas Terras e Gentes, mas também pela camaradagem e solidariedade existente entre todos os participantes. Posteriormente, também a Bufarda se juntou a nós, para nossa satisfação, pelo que na edição do ano passado e neste ano temos a presença de sete colectividades, que orgulhosamente irão desfilar de forma garbosa, mostrando os seus trajes e focando-se nas suas Terras e suas Gentes.

É isto o associativismo, sete coletividades envolvidas num projecto comum, esquecendo crises, antes acreditando que o futuro se constrói com o presente, acreditando e realçando as suas raízes e sobretudo, e afirmando alto o seu orgulho de ser Português.

Ao aceitar participar na 3.ª Edição das Marchas Populares da Freguesia de Atouguia da Baleia, feliz iniciativa, a que esta colectividade se associou desde a primeira hora, escolhemos o tema “As Vindimas” como forma de homenagear os homens e mulheres desta Vila, que com dificuldades imensas à época, trabalhavam arduamente, para realizarem as colheitas, tentando assim angariar o sustento dos seus familiares. Na letra lembramos e homenageamos os grandes vinicultores da terra, assim como os proprietários dos muitos lagares existentes na época, tais como: Carlos Vala, João Pereira, Fernando Vala, Brasileiro, Zé Nabo, Francisco Chagas, vulgo Mata-Sete, João da Sofia, etc. Na coreografia procuramos retratar os movimentos dos apanhadores das uvas, assim como dos pisadores das mesmas, desde a saída para a vinha até à festa que se segue

e ao merecido farnel levado para o lagar pelas mulheres. Os arcos são feitos com cepas verdadeiras, de maneira a recriar da melhor forma uma vinha. Uma palavra de agradecimento muito forte a todos os marchantes, cantores, músicos, costureiras, enfim a todos os que de uma forma ou outra proporcionaram as condições para a marcha se realizar. Este é um trabalho que não se quantifica mas que se valoriza e dignifica. Uma palavra de gratidão ao nosso maestro João Paulo Ferrão, pelo seu empenho.

Antigamente as Vindimas Eram feitas com amor Rapazes e raparigas vindimavam com fervor Eles com cestos às costas Lá iam ganhar o pão Elas com cestas ao lado Juntavam os bagos do chão

As vindimas na Atouguia Têm sua história convêm recordar Andavam de vinha em vinha Apanhando os cachos pra depois os ir pisar Nos lagares antigos, Do João da Sofia, Zé Nabo ou Mata Sete Lagares com História Todos fazem parte da nossa memória

Obrigado a todos. Letra: Afonso Clara Cenografia:Cristina Leitão e Ademar Vala Marques Coreografia: Céu Lopes, Ademar Vala Marques e Cristina Leitão

A Junta de Freguesia

11 junho 2012

- REFRÃO – As vindimas na Atouguia Têm sua história convêm recordar Andavam de vinha em vinha Apanhando os cachos pra depois os ir pisar Nos lagares antigos, Do João da Sofia, Zé Nabo ou Mata Sete Lagares com História Todos fazem parte da nossa memória

Recordarmos as vindimas É um preito de gratidão Aos nossos antepassados Que do vinho faziam pão Eram tempos muito pobres Mas ricos em doação Esta é a nossa homenagem Prestada com emoção

As vindimas na Atouguia Envolviam muita gente Nas vinhas do Carlos Vala, João Pereira ou dos Valas Logo ao romper do Sol Lá iam com alegria Para ganharem o pão

Os lagares na Atouguia demonstram a força Que existia então Carlos Bruno ou Felisbela Brasileiro ou Valas Feliz Gaio ou Avelar Nos lagares antigos do João da Sofia, Zé Nabo ou Mata Sete Lagares com História Todos fazem parte da nossa Memória

- REFRÃO –

REFRÃO FINAL

13 junho 2012

13 junho 2012 | SUPLEMENTO ESPECIAL

1


União Desportiva e Cultural de S. Bernardino

Centro Social da Bufarda

Tema: Redes e Rendas

Tema: Os Moinhos

Marcha organizada pela União Desportiva e Cultural de S.Bernardino. Esta colectividade, de utilidade pública, foi fundada em 20 de Maio de 1950 e participa pela terceira vez no desfile das Marchas Populares da Freguesia da Atouguia da Baleia. A marcha de S.Bernardino 2012 vem homenagear a antiga tradição das Rendas de Bilros, tão característica da região e da aldeia. O guarda-roupa, alusivo ao tema das Rendas de Bilros, apresenta-se em tons de azul e laranja, decorado com rendas. Os arcos são bancos com almofadas de fazer renda, adornadas com os piques, as rendas, os al-

finetes e, naturalmente, os bilros. A letra é original e descreve a arte das rendilheiras, os utensílios e alguns dos pontos utilizados. Menciona ainda o importante papel das rendilheiras na reparação das redes de pesca e no sustento dos lares através da venda das artesanais rendas, visto que a pesca nem sempre era suficiente. Integram a Marcha de São Bernardino: • 2 Porta Bandeira (1 adulto e 1 criança) • Par de Padrinhos • Par de Mascotes • 12 Arcos • 48 Marchantes (32 adultos e 16 crianças) • 1 Par suplente • 4 Elementos de coro • 2 Aguadeiros

Com orgulho vem São Bernardino Mostrar uma velha tradição P’ra novatos é um desatino P’ra experientes não tem confusão

As redes de pesca reparavam Na praia ou no cais, olhando o mar A pensar nos homens que pescavam E entre elas sempre a conversar

É uma almofada sobre um banco Uma rendilheira com jeitinho Pique em açafrão e linha em branco Rendas feitas com bilros de pinho

Pouco peixe dentro das traineiras Casa e filhos para alimentar Entraram em cena as rendilheiras P’r’ajudar no sustento do lar

Tantos bilros, alfinetes e fios Vão criando diferentes feitios Numa trama tão perfeita A arte das rendas é a nossa eleita

(Refrão)

São torcidos, tranças e meios pontos Bilros dançam e vão ficando tontos Filigrana, flor, pastilha Astúcias que passam de mãe para filha

Das hábeis mulheres da nossa aldeia Muitas trabalharam neste ofício À luz do petróleo ou da candeia Vale a pena todo o sacrifício Missão de minúcia e pormenor Tantas horas demora aprender Temos aqui uma arte maior E não vamos deixá-la perder (Refrão)

Marcha organizada pelo Centro Social da Bufarda. Esta Instituição foi fundada em 1993 e participa pela 2ª vez no desfile das Marchas Populares da freguesia da Atouguia da Baleia. Tendo a localidade da Bufarda, Alto Foz e Alto Veríssimo uma das paisagens mais lindas desta freguesia, pelo destaque dos moinhos de vento existentes, dado que a sua região está relacionada com a agricultura dos tempos passados. Integram a marcha: • Porta-bandeira; • Padrinhos que representam e homenageiam esta População; • Três mascotes; • 24 Marchantes, distribuídos por 6 arcos; • 2 Elementos do coro.

Cá estamos este ano outra vez De novo convidada pela nossa freguesia Somos a bela marcha da Bufarda E voltamos com muita alegria. É com muito orgulho amor e carinho Que nesta marcha viemos apresentar Bem lá no alto da Bufarda o moinho O tema que vamos cantar Refrão: Campos de Trigo desfeitos a grão Moídos a farinha passados a pão Cabaças cantam a saudade que não tarda O vento move as velas dos moinhos da Bufarda E a melodia da canção embalada Que nas velas é levada pelo vento feiticeiro Bufarda és para o teu povo a mais bela Assim como o moinho é a paixão do moleiro Campos de Trigo desfeitos a grão Moídos a farinha passados a pão Cabaças cantam a saudade que não tarda O vento move as velas dos moinhos da Bufarda

O guarda-roupa e arcos são do Centro Social da Bufarda. A letra original deste ano baseia-se nos moinhos por se transformar a moagem em farinha e esta em pão. A música é de Nelson Santos e a letra de Júlia Leal. O centro Social da Bufarda agradece em especial ao coreografo, Sr. João Martins, à Joana Costa, estudante de design e moda e às costureiras pela confecção dos fatos que simbolizam as cores tradicionais desta instituição. Não esquecendo também de agradecer aos cantores e à banda filarmónica, em especial ao Maestro Paulo Ferrão pelo apoio que prestou. O nosso obrigado a todos!

E a melodia da canção embalada Que nas velas é levada pelo vento feiticeiro Bufarda és para o teu povo a mais bela Assim como o moinho é a paixão do moleiro Vão depois da janta as moças solteiras Junto aos moinhos na roda dançar Com os rapazes que entre as brincadeiras Aproveitam para as namorar E os pares dançando sem nunca parar À volta dos moinhos voltados pró mar Assim vão cantando lindas cantigas Que o tempo não deixa apagar Refrão … O moleiro trabalha desde menino E o seu destino é apenas ver As velas do moinho ao vento a girar É a sua alegria de viver Vamo-nos despedir desta vez Com muito amor saudade e alegria Só queremos de novo agradecer Aqui à nossa freguesia Refrão…

2

13 junho 2012

SUPLEMENTO ESPECIAL | 13 junho 2012


Associação Cultural, Desportiva e Recreativa Casais Mestre Mendo

Associação Desportiva e Recreativa de Casal Moinho

Tema: Marcha CMM 2012

Tema: Casal Moinho em Flor

Casais de Mestre Mendo respondeu, e aceitou o convite, feito pela Junta de Freguesia para a 3ª edição das marchas populares.

A aldeia de Casais de Mestre Mendo é lotada de paisagem natural das mais bonitas do nosso concelho. Não é por acaso, que muita gente, a tem escolhido para viver.

Assim a Associação Cultural Desportiva e Recreativa organizou a marcha, que é composta por 40 elementos, divididos da seguinte ordem: marchantes, padrinho, madrinha, cantoras, ensaiador e porta estandarte e tem como tema “ A nossa Aldeia” aldeia pequena, modesta e pobre, com pouca história para contar, mas da qual os seus habitantes se orgulham muito.

Hoje, aqui estamos de novo, para a todos dizer, que a nossa aldeia é bela. Fazemo-lo com orgulho de sermos casalenses.

Abre as portas Atouguia p’ra passar Tantos grupos que aqui vêm desfilar Esta noite não há crise Vamos todos ser felizes Começa a sardinha a assar Ponham-se à Janela Para ver passar A marcha mais bela que vos vem saudar Somos casaleiros De fatos garridos e folhos bordados Hoje vale tudo, dança velho e miúdo Solteiro e casado Os Casais de Mestre Mendo vem marchar P’ra manter a tradição popular Nosso tema é a Aldeia Uma terrinha pequena Com tanto para mostrar Vaidosas meninas todas emproadas Parecem varinas apregoar p’la estrada Olhem rapazinhos não deixem escapar Nesta noite tão boa Se queres casar Escolhe o teu par Stº António te abençoa

Com muito carinho, a marcha agradece, a todos quantos nos apoiam, e redobra o seu agradecimento aqueles que trabalham, e deram o seu melhor, para que hoje fosse possível a sua atuação.

E com audácia esta gente atrevida Mostra aqui o seu dançar São 7 povoações, trazem arcos e pregões E o melhor do seu saber (Refrão) Um lugar de gente modesta e pobre Mas vai chegando progresso Tem um morador tão nobre Que a todos nos acode Senhora do Bom Sucesso Terra da Lavoura e boas Padeiras Aldeia de agricultores Filhos de lavadeiras Igreja branquinha, moinho saloio E fonte Sagrada Isto é a nossa Aldeia Que fica no Alto É Casais, toca fanfarra

A marcha popular do Casal Moinho participa este ano com o intuito de homenagear a Madrinha dos anos anteriores, a Senhora Ilda Gonçalves, que por devastadora doença, recentemente nos deixou… Tendo sido sempre o nosso amparo e a maior entusiasta no aprontamento das anteriores edições, colocando em tudo o que fazia uma nota de simplicidade e de humildade que a todos tocava. Desta forma, o pequeno grupo de marchantes, constituído por 12 pares e 1 porta-estandarte, desfila, este ano, sem Padrinhos.

Madrinha, uma linda flor que será sempre recordada nos nossos corações. Com letra de Cristina Ferreira, música de Nelson Santos, coreografia de Susana Baptista Esteves e execução do figurino de Elisabete Rato. Fazemos uma nota final de apreço e agradecimento a todos os que, com o seu labor e manifestações de apoio, nos motivaram a participar nesta iniciativa da Junta de Freguesia de Atouguia da Baleia.

O tema escolhido foi o Casal Moinho em Flor, sendo que a Flor representa a nossa

Recordamos a mais bela flor Nossa Madrinha a iluminar sem fim Meiga e sedosa e muito formosa Brilha aqui no nosso jardim

Casal Moinho está em flor E nesta marcha alegre e a brilhar Com esta cantiga a nossa Madrinha Aqui viemos recordar

É nesta Linda primavera Que muitas flores aqui vão brilhar Com nomes de moças sempre tão airosas Na nossa marcha a passar

Aí vem a nossa marcha O Santo António vamos festejar E com muito amor a mais linda flor Vamos hoje homenagear

Recordamos a mais bela flor Nossa Madrinha a iluminar sem fim Meiga e sedosa e muito formosa Brilha aqui no nosso jardim

Refrão: São tantas flores, tantas cores E tantos arcos e balões Aqui está a nossa marcha Viva o Santo António e as tradições Vamos na marcha a cantar Que a nossa Madrinha está nos nossos corações

A fanfarra não se cala minha gente Eles bem puxam por nós Olhem p’ro Sr. Ferrão A dirigir esta canção Quase que me falta a voz (Refrão)

13 junho 2012

13 junho 2012 | SUPLEMENTO ESPECIAL

3


Sporting Clube da Estrada

Atlético Clube de Geraldes e Centro de Solidariedade Social, Cultura e Convívio de Geraldes.

Tema: Marcha da Estrada 2012

Tema: O Namoro

O Sporting Clube da Estrada - coletividade desportiva e cultural desde 1947 – ao longo dos anos tem praticado o associativismo como serviço à comunidade e à região onde está implantado. Nas modalidades desportivas destacou-se o futebol, sendo atualmente o futsal a modalidade que mais se pratica. Organiza diversos torneios preservando sempre valores como o espírito de equipa e o convívio entre os seus praticantes. Nas áreas cultural e recreativa tem desenvolvido um vasto trabalho que vai desde a prática do campismo, a implantação de cursos de formação contínua, exposições artísticas, reconstituição de usos e costumes dos nossos antepassados através do evento etnográfica Saberes-Tradições-Sabores, até aos jogos tradicionais, passeios equestres. O Sporting Clube da Estrada é uma autêntica casa da Comunidade onde além da prática desportiva, cultural e recreativa, serve de ponto de encontro onde se convive, se participa em colóquios, se aprecia uma exposição, se dança, se ouve um concerto e se pode tomar uma bebida ou mesmo tomar uma refeição; é o local onde se praticam atos médicos e onde se acolhem crianças em idade pré-escolar. Tem sido inegável a colaboração com os órgãos autárquicos em diversas iniciativas, destacando-se em junho a participação nas Marchas Populares organizadas pela Junta de Freguesia. A fruta é o tema geral da marcha deste ano. Cada arco transporta uma

cesta de frutos. São os frutos da alimentação saudável, a maçã, a laranja, o morango, etc., e são os frutos do associativismo, a escola de cidadania, que nos ensina a praticar desporto em espírito de equipa, que nos ensina a sermos solidários, voluntários e generosos para com a comunidade. A Marcha da Estrada 2012 tem música de R. Ferrão / N. Araújo, letra de Antonino Pinto, coreografia de Lucinda Ramos, sendo cantado pelo Grupo Musical da coletividade, o “ MAR-A-VISTA” e resultou de investigação do grupo musical SERENATA. Os temas dos 5 arcos do seu desfile são: Arco nº1 – Sporting Clube da Estrada: Desporto e Cultura. Os objetivos a atingir: • Construção dum novo pavilhão • Remodelação das instalações • Apoio à Associação de Solidariedade MÃO AMIGA Arco nº. 2 - Roda dos alimentos. Para uma alimentação saudável não devemos esquecer os frutos Arco nº. 3 - AMA - Associação Mão Amiga. Solidariedade - Voluntariado Arco nº. 4 - Homenagem a S. António. Arco nº. 5 - Homenagem a S. Sebastião, com festa anual em Agosto.

De autores desconhecidos, com adaptação de letra de João Sebastião, o Namoro é o tema da marcha com que Geraldes se apresenta às 3ª Marchas Populares da sua Junta de Freguesia.

Santo Padroeiro. Esta Marcha resulta da parceria entre o Atlético Clube de Geraldes e o Centro de Solidariedade Social, Cultura e Convívio de Geraldes.

Com este tema, a Marcha homenageia o namoro, simbolizado nos corações, na cenografia e no figurino, que recriando uma época de fidalguia dourada, se pretende que transportem à nobreza e excelência do ouro para o sentimento sublime do enamoramento e o brilho das luzes à analogia do fogo do amor, trazendo a alegria e encantamento dos namorados no seu apelo a um bom casamento ao seu

As Associações agradecem particularmente à mentora do figurino e cenografia, Rute Frias, à responsável pela coreografia e ensaios, Lucília Ramos, à costureira Suzel e aos criadores e construtores dos arcos Vitor Silva e Francisco Henriques e em geral a todos os que participaram na elaboração da nossa Marcha e ao Maestro Paulo Ferrão pela colaboração.

A todos os que tornaram possível esta marcha, organizadores, músicos, letrista, coreógrafa, marchantes e ao maestro João Ferrão os nossos agradecimentos públicos.

Ai, ó Geraldes, terra tão querida, És nosso amor, és nossa vida! Terra tão bela que tanto amamos, É só p’ra ti que nós cantamos! Terra de um povo trabalhador, P’ra ti é todo o nosso amor. Terra de paz e amizade, Viva tão bela mocidade! 1

Olha olha para ela trás no arco um melão ai Estrada é sempre aquela (bis) que mantém a tradição Nos campos da nossa terra o povo trabalha e luta mostrando que nesta era (bis) se produz boa fruta Refrão Cá vai a estrada com a sua fruta fresquinha seja grande ou miudinha o que interessa é o sabor Cá vai a estrada em festa e animação abrindo seu coração mostrando seu valor

4

13 junho 2012

SUPLEMENTO ESPECIAL | 13 junho 2012

Noutro tempo os namorados Deveriam consultar, Os seus entes mais chegados Para tudo começar: Cá vai a estrada com a sua fruta tão bela uma verde outra amarela as cores da nossa alegria Cá vai a estrada com fruta na garganta a marcha que mais encanta cá da nossa freguesia Olha olha para o mar da praia da consolação sempre foi a melhor praia (bis) do povo desta nação Há um sol a brilhar que mantém a chama acesa vendo a estrada marchar (bis) com toda a sua beleza Refrão

3

Lá se viam de passagem, A pé, e não de automóvel, E nem trocavam mensagens Por não haver telemóvel.

Era o pai, a mãe , a tia, A irmã e mais o irmão, Só no fim é que sabiam Se podiam dar a mão.

2

Outras vezes, p´ra se verem, Inventavam algum truque. O que haviam de fazer? Não havia faceboock? 4

P’ra terem boas maneiras, O jovem e a donzela Só mesmo às quintas feiras Namoravam à janela.

Mas hoje tudo é diferente Nestes namoros de agora, À frente de toda a gente Namora-se a toda a hora.

Aos domingos e feriados, Nas tardes mais soalheiras, Passeavam acompanhados Por um “pau de cabeleira”!

Hora a hora Deus melhora Diz o povo com razão. Namora sempre, namora! Pois faz bem ao coração!


POI Peniche dá a cidade a conhecer O POI Peniche é um projeto criado por Pedro Sampaio em parceria com a ACISCP – Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Concelho de Peniche. Consiste numa página de internet (www.poipeniche.com) com uma base de dados que pode ser acedida de duas maneiras: diretamente no site ou através de dispositivos móveis, GPS’s ou telemóveis. Com informação detalhada de cada um dos lojistas - nome, morada, telefone, latitude e longitude e até fotografias dos estabelecimentos - esta plataforma online foi criada com o intuito de promover o comércio tradicional da cidade através das novas plataformas de co-

municação. O Points Of Interess (Pontos de Interesse) surge como projeto final de Mestrado em Comunicação Educação e Multimédia da Escola Superior de Educação de Santarém. Pedro Sampaio explica que “devido à estratégia de Lisboa para a Europa 2020 – preparar a transição para uma economia e sociedade baseadas no conhecimento, através da aplicação de melhores políticas no âmbito da Sociedade da Informação e do Desenvolvimento - associaram-se duas ideias: empreendedorismo e georreferência. Consegui pensar num projeto capaz de potenciar o comércio tradicional

do concelho de Peniche através da criação de uma base de dados com pontos de interesse para uso nos GPS’s”. Com lançamento oficial em maio, a página tem já cerca de 22 mil visitas. A ACISCP estabelece uma parceria de cooperação, “com o desafio de desenvolver esforços no sentido de encontrar soluções para a manutenção, recuperação e estabilização do comércio, não perdendo a tradição comercial e turística”. António Morais, presidente demissionário da associação, defende que, “todas as iniciativas para promover e dinamizar o comércio local são fundamentais para o desenvolvimento so-

cioeconómico de qualquer região”. “Sendo Peniche uma referência na rota do surf mundial é oferecido mais um serviço de apoio a quem nos visita para podermos chegar a mais gente”. Acrescenta Pedro Sampaio, afirmando estar ainda na primeira fase. “Foram feitas algumas diligências com a Câmara Municipal de Peniche sobre a possibilidade de implementar vários quiosques digitais pela cidade com o site online. Projetado numa segunda fase, assim que se arranjar apoios para os financiar”.

E ainda... PONTO DE ENCONTRO PASTELARIA Rua do Montepio, 26 CALDAS DA RAINHA CONTRADIÇÃO PASTELARIA Rua Dr. Miguel Bombarda, 30 CALDAS DA RAINHA 13 junho 2012

13 junho 2012 | SUPLEMENTO ESPECIAL

3


Rua Vasco da Gama, 81 a 93 | PENICHE Tel. 262 781 820 | restaurantesardinha@clix.pt

DESCONTO NÃO ACUMULÁVEL

Av. do Mar N.º 90 Tel. 262 781 480 PENICHE - PORTUGAL 4

SUPLEMENTO 13 junho ESPECIAL 2012 | 13 junho 2012


região |

GACOESTE disponibiliza quase um milhão de euros para projetos costeiros Jornalistas polacos visitaram Oeste A Entidade de Turismo do Oeste, em parceria com o Turismo de Portugal e a Associação de Turismo de Lisboa, apoiaram a vinda de um grupo de sete jornalistas do mercado polaco, à região Oeste com o objetivo de recolher informação no âmbito do Turismo Religioso. A equipa era composta por jornalistas, editores, fotógrafos e a visita destinou-se a preparar matéria para vários meios de comunicação social importantes na divulgação da temática religiosa. Durante dois dias os visitantes disfrutaram de uma experiência no Hotel Miramar Sul na Nazaré e tiveram degustações no restaurante Atlântico View, que une a inovação da gastronomia nacional com os sabores regionais, num

ambiente alusivo à arte do mar. Um dos momentos marcantes para os visitantes teve lugar no Mosteiro de Alcobaça, Património Mundial da Unesco, e uma das primeiras fundações monásticas cistercienses e residência desta Ordem Religiosa, que apreciaram a grandiosidade deste conjunto único do mundo, e o seu importante testemunho cultural religioso e ideológico. A recolha de imagens e o interesse na generalidade pela oferta turística foi uma constante assim como o elogio pelas excelentes temperaturas. Ao fim dos dois dias rumaram para a região Centro e Norte para aí recolherem outros testemunhos da vivência religiosa em Portugal.

Bombeiros do Bombarral recebem cadeira de evacuação

A segunda edição de concursos do GACOESTE – Grupo de Ação Costeira do Oeste, disponibiliza cerca de 954 mil euros para o apoio a projetos que se insiram nos eixos contempladas por esta nova fase de financiamento, no âmbito do eixo 4 do PROMAR. O prazo para a apresentação de candidaturas decorre até 13 de julho. Até esta data podem ser apresentadas as candidaturas aos fundos disponibilizados pelas ações de “Recuperação do património material e simbólico da pesca do Oeste e Implementação de uma rede regional de equipamentos e serviços sociais de proximidade”. A primeira edição dos concursos disponibilizou cerca de dois mi-

lhões. Foram apresentadas 33 candidaturas, tendo 28 dos projetos sido aprovados. Rogério Cação, da ADEPE, elogiou a “qualidade das candidaturas” bem como a diversidade, tanto de projetos como de promotores, esperando que a segunda fase seja igualmente bem-sucedida a todos os níveis. No sábado, 19 de maio, durante a apresentação desta nova fase de candidaturas, que decorreu nas instalações do IPTM, no Porto de Abrigo, a ADEPE deu, ainda, a conhecer alguns dos projetos financiados pela primeira edição, e que podem servir de inspiração para os potenciais candidatos a esta nova fase. Um site com informações marítimas; um Centro de Recursos Documental

e Etnográfico do litoral oeste; requalificação do Museu Municipal de Peniche; aquisição de equipamentos de mergulho para a prestação de serviços, designadamente resgate de embarcações; projetos de investigação para a indústria farmacêutica, como o do “Pilado ADD Value” (IPL), ou para contributos futuros de uma pesca sustentável, como o “Percebe da Berlenga”, foram algumas das ideias financiadas durante a primeira fase dos concursos. Para mais informações ou formalização das candidaturas, os interessados devem consultar o site da ADEPE – Associação para o Desenvolvimento de Peniche: www. adepe.pt.

Os Bombeiros Voluntários do Bombarral receberam uma cadeira de evacuação, no âmbito de uma campanha de recolha de tampinhas. O equipamento foi atribuído pela Valorsul, empresa responsável pelo tratamento de resíduos sólidos na região Oeste e Grande Lisboa, que recebeu mais de 5.700 quilos de tampinhas que foram “convertidos” na cadeira de evacuação. Segundo o presidente da Associa-

ção Humanitária, Jorge França, o novo equipamento é uma mais-valia para a corporação, que passa a dispor de mais meios para prestar “um melhor serviço” à população. O responsável pela corporação agradeceu ao corpo de bombeiros o empenho depositado na campanha e recordou o trabalho que está a ser feito pelos soldados da paz em outra iniciativa idêntica, o Quartel Eletrão que se dedica à recolha de eletrodomésticos em fim de vida.

Máfia Italiana no banco dos reús O Tribunal de Leiria começou, na passada terça-feira, o julgamento de três portugueses e quatro italianos que ficaram conhecidos por “Máfia do Oeste”. Os homens detidos em outubro de 2010, no Bombarral e na zona de Torres Vedras, são acusados pelo Ministério Público (MP) dos crimes de associação criminosa e burlas qualificadas, que alegadamente terão lesado 20 empresas em 1,5 milhões de euros. Segundo o MP de Leiria, o líder do grupo é um italiano que possui

um mandado de detenção europeu por supostas ligações à máfia siciliana e foi o único dos detidos a quem o tribunal decretou prisão preventiva até ao início do julgamento. Segundo a acusação, o alegado líder do grupo é suspeito de ser um elemento de topo da máfia italiana, com prováveis ligações ao tráfico de droga, armas e seres humanos, bem como ao branqueamento de capitais, refere um documento elaborado pela Polícia Judiciária e que se encontra junto ao processo.

13 junho 2012

09


| necrologia

Joaquim Fonseca Dias Correia

Rosa de Jesus

ATOUGUIA DA BALEIA 20.06.1932 | 21.05.2012

FERREL 26.07.1923 | 20.05.2012

Sua esposa, filho e nora, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, como seria sua vontade, servem-se deste meio para agradecer e dar graças a todas as pessoas que assistiram às cerimónias fúnebres e acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar. Descansa em paz!

Agência Funerária Noivo, Lda. | T. 262 759 434 | Tlm. 913 409 180

Seus filhos, noras, genros e netos, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, como seria sua vontade, servem-se deste meio para agradecer e dar graças a todas as pessoas que assistiram às cerimónias fúnebres e acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar. Descansa em paz!

Agência Funerária de Peniche | T. 262 782 368

Maria Hortense Marta Leitão

Vitor da Silva Santos

Manuel Luís Tomás

CASAIS DO BALEAL 12.10.1927 | 02.06.2012

CASAIS DO JÚLIO 22.12.1935 | 18.05.2012

PENICHE / MACEIRA 08.07.1963 | 02.06.2012

Seus filhos, nora e netos, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, como seria sua vontade , servem-se deste meio para agradecer e dar graças a todas as pessoas que assistiram às cerimónias fúnebres e acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar. Descansa em paz!

Agência Funerária Noivo, Lda. | T. 262 759 434 | Tlm. 913 409 180

Maria dos Prazeres PENICHE 30.08.1929 | 15.05.2012

Seus filhos, nora e netos, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, vêm por este meio agradecer a todas as pessoas que acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar. Descansa em paz!

Agência Funerária de Peniche | T. 262 782 368

Sua esposa, filhos, nora e netos, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, como seria sua vontade, servem-se deste meio para agradecer e dar graças a todas as pessoas que assistiram às cerimónias fúnebres e acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar. Descansa em paz!

Agência Funerária Noivo, Lda. | T. 262 759 434 | Tlm. 913 409 180

Fizemos o que pudemos foi tudo o que pudemos dar demos-te todo o carinho só não te pudemos salvar. Não estás na nossa presença, mas nunca te iremos esquecer vamos rezando por ti neste mundo até morrer. Descansa em paz!

Agência Funerária de Peniche | T. 262 782 368

Olívia da Conceição Severino Dias

ATOUGUIA DA BALEIA 11.01.1925 | 03.06.2012

PENICHE 17.04.1932 | 04.06.2012

Seus sobrinhos, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, vêm por este meio agradecer a todas as pessoas que acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar. Descansa em paz!

Agência Funerária de Peniche | T. 262 782 368

Gerência de: ALBANO NOIVO Com sede na Rua das Cortes, 4 - 2520-050 - Atouguia da Baleia Filial - Largo Dr. Manuel Pedrosa 10-A 2560-106 - Ferrel

TRATA DE TODOS OS ASSUNTOS RELACIONADOS COM FUNERAIS DENTRO E FORA DO PAÍS E TODA A DOCUMENTAÇÃO PARA A SEGURANÇA SOCIAL E SUBSÍDIOS, CAMPAS, JAZIGOS, LÁPIDES, LIVROS, ARTIGOS RELIGIOSOS, ETC. Agência: Telf./ Fax: 262 759 434 - Residência: 262 759 669 Telem.: 913 409 179 - 913 409 180 e-mail: funerarianoivo@iol.pt

13 junho 2012

Agradecimento especial às equipa do hospital de peniche e do hospital pulido valente pela forma carinhosa como trataram o nosso familiar. Bem hajam.

Ofélia Aguiar de Barros Valla

AGÊNCIA FUNERÁRIA NOIVO UNIPESSOAL, LDA.

10

Seus irmãos, filho, nora, neto, sobrinhos, cunhadas e prima, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, vêm por este meio agradecer a todas as pessoas que acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar.

Seus filhos, genro, noras e netos, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente, vêm por este meio agradecer a todas as pessoas que acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos aqueles que de qualquer outra forma lhe manifestaram o seu pesar. Descansa em paz!

Agência Funerária de Peniche | T. 262 782 368

AGÊNCIA FUNERÁRIA

NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO De: Humberto Santos e Eurico Salsinha • FUNERAIS - TRANSLADAÇÕES E CREMAÇÕES • ARTIGOS RELIGIOSOS • CERAS PARA PROMESSAS Trata de toda a documentação para fins da Caixa de Previdência e subsídios

Rua Nossa Sr.ª da Conceição, N.º 38 | 2520-380 PENICHE

Tel./Fax 262 783 291 | Tlm. 966 03 93 62 - 917 44 95 69 www.funeraria-conceicao.com


eventos |

Óbidos despede-se da seleção em festa

13 junho 2012

11


| opinião

Em defesa do poder local e da democracia!

Ataque do governo ao poder local é um grande ataque às aspirações das populações Jorge Amador Os objetivos delineados pelo Governo desde o início das suas funções, neste seu primeiro ano de ação, são devastadores para os portugueses e também para o poder local democrático. E a estratégia utilizada foi bem evidente. Foi promovido, de forma sistemática, um processo de desacreditação do trabalho autárquico, responsabilizando-o publicamente por uma fatia importante da dívida pública e fazendo tábua rasa do contributo imprescindível que as autarquias locais deram e dão para o desenvolvimento dos territórios, para a qualidade de vida dos cidadãos e, sobretudo, para o aprofundamento e consolidação da democracia participativa. Em nome da TROIKA tem valido tudo: não cumprimento da Lei das Finanças Locais, cortes brutais de transferências financeiras em nome do Plano de Estabilidade e Crescimento e do Orçamento de Estado, corte nos valores referentes ao IMI, etc. Também aqui se torna evidente um processo de descapitalização pro-

Eu gosto é do verão Crónica de humor por :

Marcelo Chagas Já estava farta de ouvir “Eu não sei se hei de fugir, ou morder o anzol” e decidi atirar-me ao anzol. Procurei por pescadores nas rochas ou

12

13 junho 2012

gressiva das autarquias, retirando-lhes capacidade de intervenção e tornando quase simbólica a ação que podem desenvolver junto dos munícipes. Importa ainda registar os grandes atrasos nos pagamentos às autarquias dos valores destinados aos transportes escolares, ao serviço de apoio à família, à ação social escolar, entre outros, cujos prazos têm oscilado entre os 12 e os 14 meses, causando inevitáveis dificuldades, designadamente na relação com os fornecedores. É neste contexto que entrou em vigor em Fevereiro de 2012, a famigerada Lei dos Compromissos e dos pagamentos em atraso. Trata-se de um instrumento legal que, a pretexto de “moralizar” a despesa das autarquias, cria tantos e tão graves entraves ao funcionamento que, na prática, torna as autarquias inoperantes e ainda mais reféns da burocracia. São, aliás, conhecidas as posições públicas de autarcas de várias sensibilidades partidárias, relativamente à dificuldade que tal lei vai implicar no funcionamento das autarquias. Efetivamente, esta Lei dos Compromissos vem colocar em causa a dinâmica autárquica na resposta às necessidades dos territórios, em matérias como o apoio a associações e a realização de obras que as autarquias projetaram executar para a próxima década. Com esta Lei, o Governo está efetivamente a asfixiar, degradar e cortar a autonomia do poder local, pondo em causa a eficácia da sua ação e ferindo desse modo princípios elementares da democracia. É neste contexto político, sem paralelo na história recente da democracia, de profunda desconsideração pelo trabalho autárquico e de progressivo aniquilamento da autonomia do poder local, que a equipa da CDU na Câmara Municipal de Peniche tem realizado o seu trabalho, procurando, ainda assim, cumprir com o essencial dos compromissos assumidos em 2009 com o povo do concelho de Peniche. Apesar do corte de receitas que sofremos, superior a 2 milhões de euros (mais de 400 mil

contos), é oportuno falar de projetos e obras em conclusão ou já concluídas, exemplo claro de que não baixámos os braços perante as dificuldades. Promovemos a reabilitação de diversos equipamentos: Fosso da Muralha, Escola Básica nº6 (Prageira), Centro Coordenador de Transportes, Núcleo Escolar de Ferrel, Parque de Campismo Municipal, Posto de Turismo e Escola de Rendas de Bilros. Concretizámos a construção do CIAB – Centro Interpretativo de Atouguia da Baleia, pólo fundamental para a dinamização cultural desta Vila e do Concelho em geral e do Centro de Alto Rendimento de Surf (CAR-Surf), infraestrutura que permitirá consolidar ainda mais o nosso território como capital da onda. Concluímos a construção de saneamento na zona da Varginha em Serra D’El-Rei e continuámos com a reparação de rede viária e caminhos agrícolas, para além da requalificação dos espaços exteriores do Bairro Luís de Camões, uma obra realizada em estreita colaboração com a Junta de Freguesia de Conceição. São apenas alguns exemplos do que já concretizámos, mas há outros domínios, porventura menos visíveis, mas que merecem igualmente destaque. No campo do reforço da intercooperação, o executivo CDU tem prosseguido um importante apoio na descentralização de meios para as juntas de freguesia do concelho. Por outro lado, a dinâmica imprimida na ação autárquica permitiu-nos também o reconhecimento da Berlenga como Reserva da Biosfera da Unesco, a afirmação nacional e internacional da Renda de Bilros de Peniche e a realização, durante mais três anos, do Campeonato Mundial de Surf em Peniche. Temos clara consciência que, apesar do muito trabalho desenvolvido, gostaríamos de ter feito mais e melhor. Mas seria igualmente um exercício de hipocrisia não reconhecer que, no atual quadro e tenda em conta todos os constrangimentos enunciados, é justo valorizar a obra realizada.

em barcos mas nem sinal de uma simples traineira, até que encontrei o meu primo carapau que tinha sido lançado novamente para a água e disse-me que a pesca da sardinha estava interdita e para não criar confusões também não queriam nenhum carapau. Caramba, depois de pescarem 90% dos meus pequenos rebentos – até antes de lhes caírem os dentes de leite - agora que me quero ver livre desta vida no fundo do mar e acabar dignamente numa grelha cheia a carvão (que já não há assim muitas) parece não haver anzóis para mim. Mas graças a Poseidon ainda há quem não passe cartão nenhum às leis e continue na pescaria da sardinha. Acabei por morder o isco e o meu primo carapau também. Sonhava ser servida acompanhada com uma saladinha de pimentos e um bom vinho tinto ou uma Coca-Cola fresquinha ali na Avenida do Mar em Peniche. Mas depois de entrar na

carrinha de transporte de peixe achei a viagem longa de mais e perguntei à sardinha ao meu lado se sabia para onde íamos. “Mira, vamo-nos à lás Caldas de lá Rainha. Mira, es lo Festival de lá Sardinha en las Caldas, persupuesto que és muy rica lá, lá sardinha”. Mas estes espanhóis estão doidos? Ou ainda tenho muito sal nos ouvidos ou percebi que ia para um Festival de Sardinha nas Caldas da Rainha. Então e não me escolheram para um festival em Peniche porquê? “No lo hay”. Ter um festival de sardinha nas Caldas da Rainha e nenhum em Peniche é a mesma coisa que fazer aqui em Peniche, cidade piscatória, uma concentração nacional de idosos frequentadores de termas ou uma Expo com a loiça das Caldas – mas desta vez com formas femininas. Aconselho todas as outras sardinhas a começarem a ouvir “Eu gosto é do verão, de passearmos de prancha na mão”, e dedicarem-se ao surf.


opinião |

Adriano Correia de Oliveira nasceu no Porto no dia 9 de Abril de 1942 na rua Formosa nº 370. Teria hoje 70 anos mas já nos deixou vai para trinta. Sintomático é o facto de, com poucos meses ter trocado a margem direita do Douro pela margem esquerda, porque os seus Pais fixaram residência em Avintes terra de agricultores, pescadores e panificadores (a célebre broa de Avintes) onde se respirava um ambiente fraterno, com um associativismo desenvolvido e actividades culturais marcantes entre elas o teatro. Foi na quinta que cresceu o jovem Adriano, rodeado pela natureza pródiga, subindo às arvores de porte, espreitando o rio ao fundo e carregando para casa com quantos amigos tinha, chegando a juntar grupos às dezenas que a mãe com todo o desvelo recebia sem queixumes, bem pelo contrário, orgulhosa pelos valores da solidariedade que se afirmavam no filho que segundo ela sempre soube o que queria da vida e o que queria para o seu Portugal que tanto amava. Foi aí que começou a dedilhar a viola que o acompanhará para toda a vida, dando expressão a uma das vozes mais serenas e empolgantes, portadora de mensagem profunda e rejeitando sempre a repressão e o acinte fascista. Na escola primária de Avintes, foi um bom aluno mas teimoso contra as injustiças e recusando-se a aceitar os castigos impostos aos colegas. No liceu Alexandre Herculano do Porto, fez o curso secundário, embarcando então para Coimbra onde se matricula em Direito em 1959 tinha então 17 anos. A cidade transborda de ideias vivas, a Associação Académica é um verdadeiro cadilho de agitação, a Academia move-se com determinação contra o regime e este laboratório não poderia ser melhor para Adriano absorver o meio intelectual e fundir-se numa ânsia enorme de liberdade e novos horizontes. Descurando o curso, dedicou a sua actividade à cultura e ao desporto, participando em tudo o que podia desde o Orfeão como primeiro tenor ao CITAC (Circulo Teatral) como actor e representando a Academia em Voleibol, mas a música enquanto interprete e autor, o seu sonho só viria a acontecer por influência do grupo de fados dos irmãos Melo, o Eduardo e o Ernesto, que uma noite de frio, lhe deram a oportunidade de cantar numa serenata de rua onde a sua voz melodiosa com um timbre próprio para exterior se fez ouvir com surpresa e admiração de todos. Eis a voz de Coimbra a afirmar-se por becos e ruelas e mais tarde nas grandes serenatas e em todas casas onde se cantava em tertúlias até madrugada.

Em Coimbra, cidade então marcada pelo meio estudantil o tradicional fado ensaiava novos rumos para os quais contribuíram nomes grandes como Edmundo Bettencourt, que foi fundador da Revista Presença, grande compositor e bom cantor da trova coimbrã e Artur Paredes. Todavia Adriano ouviu Fernando Machado Soares, o primeiro a tentar novos rumos na cantiga. Foi aí que o conheci, no nº 12 da rua Lourenço de Almeida Azevedo, onde se conspirava a todas as horas e onde assentava parte do grupo de Angola e o vozeirão do Cúcio Frada da vila de Mira. Aí lhe ouvi pela primeira vez a “Trova do Vento que Passa”, quantas vezes acompanhado apenas por duas violas a dele e a do Cúcio. O poema e a interpretação em restrito que todos cantávamos em coro marcou a nossa geração e transformou-se no hino da Academia, “Há sempre alguém que resiste, Há sempre alguém que diz não”. Agora Adriano Correia de Oliveira, era o nosso Trovador, o Trovador da esperança de uma Academia e de um povo inteiro. Em 1961, Adriano saiu para a Faculdade de Direito de Lisboa, mas a sua paixão era Coimbra e regressou no ano seguinte, indo viver no olho do furação que representava a Republica do “Rás te Parta”, vespeiro de insubmissos e rebeldes, a grande parte algarvios. Em 1966 casou-se com a Matilde Leite estudante de Lisboa e a sua vida deu uma volta inteira. Fez o serviço militar, no regresso em 1970 tentou ainda retomar o curso de Direito, sem grande êxito e trabalhou na Fil para sustentar a família onde os dois filhos, Isabel e José Manuel, reclamavam atenção. Decidiu então que a sua vida profissional e de empenhamento cívico seria a música e a ela se dedicou até ao fim dos seus dias. Assume o levar por diante o projecto baseado no poema proibido de Manuel Alegre, “O Canto e as Armas” composto por sete partes e um verdadeiro libelo e atrevimento na música Portuguesa. Ei-lo de jornada contra o regime a quem dedicará a artilharia das suas mensagens e da sua força símbolo do desassossego de um povo. O homem e o lutador, vai agora produzir um trabalho musical cuidado, revestido de um tecido poético com linguagem acentuadamente critica mas acessível ao comum dos portugueses. Os arranjos musicais muito bem conseguidos passam a ter a coordenação de José Niza nesta fase de grande intervenção de Adriano Os grandes vultos da canção de “revolta” colaboram com Adriano e Fausto Bordalo Dias (Fausto) dá a sua ajuda na fase do trabalho intitulado “Nunca Mais”, artisticamente rico, me-

Adriano Correia de Oliveira

Adriano amou sempre a sua Coimbra que lhe deu uma visão humanista e solidária da vida António Marques nos panfletário e muito mais persuasivo através da estética. É o tempo de além fronteiras se apreciar a qualidade da música de Adriano ao ponto da revista Inglesa “Music Week” lhe atribuir o galardão de melhor Artista Europeu do Ano. O reconhecimento Internacional tardou mas finalmente chegou. Deste disco dirá o próprio Adriano na contra capa num texto magnifico de que retiro esta passagem,“que nunca mais as balas dêem o sangue derramado nas guerras coloniais, nem em nenhuma acção de repressão sobre os povos do mundo. Que nunca mais a produção seja de alguns apenas, mas de todos os que trabalham”. Caminhante por montes e vales deste Portugal onde a sua música o seu exemplo e a sua revolta fosse requerida, o Trovador tudo calcorreou os carreiros enlameados do norte o chão duro e pedregoso do sul os Países da Europa ou os povos irmãos de África que sonhavam ter um País, antes do 25 de Abril. Foi o único cantor de intervenção que ousou desafiar por esse Portugal deserdado, os cacique locais, cantando para quem o quisesse ouvir tantas vezes rodeado apenas por algumas dúzias de jovens e menos jovens. Na ponta da língua a mensagem contra o fascismo, a sua certeza inabalável da queda do regime. Só ou acompanhado tantas vezes de parceria com José Afonso, a figura de Adriano o Cantor Militante é o exemplo provado de que a “cantiga é uma arma”. José Afonso, seu grande amigo e companheiro de tantas andanças dizia num jornal diário que, “O Adriano é uma figura quase heróica, Existia nele uma grande devoção de carácter ideológico, e uma grande coragem que sempre admirei. No Coliseu, por ocasião do último espectáculo público de José Afonso já muito doente, Adriano fez questão de estar presente ao lado do amigo de sempre que débil, emocionado cantou em sua honra “A morte saiu á rua” Adriano amou sempre a sua Coimbra que lhe deu uma visão humanista e solidária da vida.

Em todas as visitas ficava hospedado em casa do professor, amigo e camarada, Louzã Henriques, que viria a ser preso 4 anos no forte de Peniche por ser opositor ao Salazarismo. Dele dizia o célebre professor: “ele era uma pessoa muito forte, para cantar algumas coisas durante esse tempo. Ele iria afirmar-se nas canções que ele cantou, numa época em que houve uma repressão grave. Mesmo assim, ele sempre enfrentou a repressão que com grande coragem. Ele não era um homem de política básica. Ele era um homem determinado, que sabia exactamente o que queria, e por que lutou. Adriano nasceu para ser um homem livre e um artista que luta para que os outros homens sejam livres”. Na morte de Adriano, em 1982 tinha então 40 anos, muito ficou por fazer, projectos novos, sonhos novos mas sempre a mesma vontade de ser livre e ajudar a construir um País para todos. Entre 1960 e 1980 Adriano gravou 90 títulos, deixando uma das obras musicais mais ricas da segunda metade do século XX. * O autor deste texto escreve de acordo com a ortografia antiga.

QUAL É A RÁDIO QUE VOCÊ OUVE? 13 junho 2012

13


| agenda

Peniche

Óbidos

Desfile de Moda Summer Sensation na Taberna dos Almocreves, Ferrel

Festa de Santo António em A-da-Gorda de 13 a 18 de junho

Dia 15 de junho, sexta feira às 22:30, realiza-se um desfile de moda na Taberna dos Almocreves. Os modelos são vestidos pelas lojas Seven Days, Tons de Areia e O Meu Mundo. Serão usados acessórios de Catarina Teodoro. Atuação de um grupo de Dança de Hip Hop e de DJNekas.

Musical “Até sempre Padre Bastos” Dias 15 e 23 de junho às 21h30 e dias 1 e 15 de Julho às 15h00 no auditório Paroquial – Peniche realiza-se um espetáculo de homenagem a Monsenhor Manuel Bastos.

“Drogas Népias” Está previsto para 23 e 24 de junho um torneio de futebol 7 durante 24 horas no Parque Urbano da Cidade de Peniche com a participação de equipas compostas por elementos das Associações/Instituições do concelho. Tem o Objectivo de assinalar o “Dia Internacional Contra o Abuso e Tráfico de Drogas”.

Carnaval de Verão 2012 A edição deste ano do Carnaval de Verão de Peniche tem data marcada para o dia 14 de julho.

Consolação As empresas juntaram-se para promover o comércio tradicional durante o verão e oferecerem quem os visita descontos durante toda a época balnear. Aproveite o verão e visite a Consolação!

14

13 junho 2012

Dia 13 espetáculo “Viva Santo António” com a participação de Rebeca, dia 14 baile com Os Lords, dia 15 com Bico d’Obra e dia 16 há jogo de Solteiros/Casados seguido da actuação da Banda Xeques. Domingo há concertos da Banda da U.F. A-da-Gorda, do Rancho Folclórico e Etnográfico do Arelho e Banda Fox. Dia 18 depois da tradicional sardinhada a festa termina com um baile de Horácio Manuel Show. Todos os dias há restaurante com o famoso frango assado e outros petiscos.

Putts Solidários Dia 17 de junho decorre no Bom Sucesso, Óbidos, um torneio de golfe com o objetivo de sensibilização para a luta contra o cancro. O evento visa angariar fundos para associações Viva Mulher Viva Associação e Projeto Olha-te.

Exposição de Ilustração. O dia em que a ilustração subiu pelas paredes é a mostra patente, até 20 de agosto, na Livraria O Bichinho do Conto, nos Casais Brancos, em Óbidos. Trata-se de uma mostra ortogonal de cores e imagens pensada e projetada por um homem que um dia habitou folhas de papel gigantes, sonhou pisar a lua e pintar o mundo com marcadores e lápis de cor.A exposição pode ser vista de terça a sexta-feira das 14h00

às 19h00 e aos sábados das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 19h00. Encerra aos domingos, segundas e feriados.

Caldas da Rainha

devem ser feitas no Centro da Juventude, até 30 de junho, entre as 10h00 e as 22h00. O vencedor de cada grupo terá direito a: um prémio no valor de 200€, possibilidade de atuação na 1ª parte de um espetáculo da região e transmissão das músicas e entrevistas aos vencedores na 102 FM. A apresentação vai ficar a cargo do João Carlos Costa e Liliana Franco.

Festival da Sardinha e do Frango Assado

Reguengo Grande

Continua nos dias 15 e 16 de junho a 12ª edição do Festival da Sardinha ao qual se junta o 1º Festival do Frango Assado. A Associação Cultural Desportiva e Recreativa de Stº Onofre - Monte Olivett é a organizadora do evento que conta com animação variada.

Bancos de design na Casa Antero Até 23 de junho está patente na casa Antero, nas Caldas da Rainha, a exposição “14”, organizada pelos alunos finalistas do Mestrado em Design do Produto da Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha. Esta exposição nasce de um briefing lançado durante a disciplina de Atelier de Design I (1º ano de mestrado), o qual consistiu em projetar bancos para um “cliente” especial e famoso nas Caldas da Rainha pelos seus queijos assados, pataniscas e outras iguarias altamente recomendáveis: a Casa Antero.

III edição do Agarra a Música Estão abertas as inscrições para a III Edição do concurso Agarra a Música. As inscrições

1ª edição das Tasquinhas De 9 a 17 de junho, no Reguengo Grande, Lourinhã, realiza-se a 1ª edição das Tasquinhas. Destaque para a atuação de bandas filarmónicas, marchas populares, ranchos folclóricos, acordeonistas, fadistas e de artistas como Mónica Sintra e para a presença de figuras públicas como Susana (ex-Casa dos Segredos) e Ana Lúcia (apresentadora da TVI).

Bombarral Primeiro Centenário da Sociedade Portuguesa de Naturalogia Até ao próximo dia 17 de junho, o Museu Municipal do Bombarral é palco de uma exposição comemorativa do Primeiro Centenário da Sociedade Portuguesa de Naturalogia (SPN), da autoria de Delmar Domingos de Carvalho. A exposição pode ser visitada de terça-feira a domingo, entre as 10 e as 12h30 e entre as 14 e as 18 horas.


economia |

102 FM Rádio e O Jornal

Em 1999 a Hora H, Lda adquiriu a Rádio Litoral de Peniche. Mudou o nome para 102 FM Rádio e transferiu o centro emissor, que se situava no topo do edifício dos estúdios da rádio em Peniche, para a agora vila de Serra d’el Rei, no ponto mais alto do concelho com o intuito de ser transmitida nos concelhos mais próximos e em toda a região oeste. Foi feita então uma aposta na inovação com a contratação de mais recursos humanos e a aquisição de novos e melhores equipamentos para aumentar a eficácia da estação. A 102 FM Rádio pretende, desde o início, estar próximo das instituições – quer câmaras municipais, juntas de freguesias e diversas associações – para que todos consigam chegar mais próximo das pessoas. Assumindo-se como a rádio local de

Peniche, Óbidos e Caldas da Rainha, a 102 FM Rádio teve sempre a política de promover iniciativas para melhorar a qualidade de vida dos seus ouvintes, quer a nível informativo ou até mesmo nas condições de acesso ao comércio tradicional. Em 2012 a Hora H, Lda voltou à casa de partida. A 102 FM Rádio irá inaugurar os seus estúdios nas Caldas da Rainha, ainda no mês de junho, junto à rotunda do CENCAL, com o objetivo de chegar mais perto da população daquele concelho, podendo assim fazer emissões nas duas cidades. Apostou em novos locutores – como o caso de Nuno Jorge, João Carlos Costa, António Louro e Luís Duarte - para conseguir dar aos seus ouvintes novos e melhores programas na sua grelha diária. Investiu-se novamente na

renovação dos meios técnicos e na vanguarda tecnológica para chegar aos ouvintes com mais qualidade. A informação, a cargo de Letícia Martins, é orientada para a população, traduzindo a vontade da rádio em colaborar com as iniciativas das mais diversas instituições. O Jornal foi lançado exatamente com este propósito: reforçar a proximidade às pessoas! Para complementar o trabalho feito diariamente pela 102 FM Rádio, o O Jornal apostou na juventude de Marcelo Chagas e na experiência de Dina Aleixo para divulgar às pessoas o que se passa na nossa região. Editado quinzenalmente e com distribuição gratuita pelos concelhos de Peniche, Óbidos e Caldas da Rainha, O Jornal é o espelho da mentalidade da Hora H, que não desiste do progres-

so apesar das adversidades. É precisamente contra estas que a 102 FM Rádio, ao longo dos seus 14 anos de vida, já ofereceu 2 carros novos, organizou festivais da sardinha e da caldeirada, já ofereceu viagens a Paris, Londres, Veneza entre outras. Já organizou uma caça ao tesouro na ilha da Berlenga e chegou a produzir em conjunto com a TVI a cobertura da chegada de “Icas” a Ferrel depois da sua vitória na segunda edição do Big Brother. Realizada todos os anos, a Gala Peniche é uma homenagem prestada pela 102 FM Rádio a todas as personalidades, entidades e instituições que colaboram, das mais diversas formas, para o progresso e prestígio da região. Ao longo dos anos, durante a época natalícia, foi oferecido um brinque-

do a cada uma das crianças do concelho de Peniche, tendo já sido distribuídos mais de 15 mil brinquedos às crianças dos jardins-de-infância e escolas primárias do concelho. Foram feitas inúmeras parcerias com a ACISCP, como o Comércio Mais Solidário – onde as pessoas faziam compras no comércio tradicional e recebiam senhas. O vencedor do sorteio ganhava um cabaz com 102 produtos alimentares e dava um igual a uma instituição de solidariedade à sua escolha. Com um passado risonho e um futuro promissor, a 102 FM Rádio e o O Jornal continuarão a evoluir para levar até si o melhor da nossa região. Por Luís Parreira, diretor da Hora H, Lda.

Psicoeste inaugura novo centro de análise Decorreu no passado dia 17 de maio a inauguração do Centro de Avaliação Psicológica do Oeste – Psicoeste. Este é um projeto existente desde 2009, mas agora pretende melhorar as condições de trabalho da avaliação psicológica nas Caldas da Rainha. O centro dedica-se à avaliação psicológica a condutores e a candidatos a condutores e realiza uma média de 250 a 300 exames médicos por mês. Esta avaliação é obrigatória para todos aqueles que necessitam de obter ou renovar a carta de condução

do grupo 2 - automóveis pesados, transporte de matérias perigosas, transporte coletivo de crianças, motoristas de táxi, condutores de ambulâncias e veículos de socorro, instrutores e examinadores de condução. Sobreiro Duarte, diretor do projeto, assume que “muitas vezes há dificuldade em perceber os exames psicotécnicos e as suas finalidades, por isso todos os condutores que pretendam obter o título de condução inicial ou renovação têm de proceder ao exame psicotécnico que está estabelecido numa legislação de 2009

- em vez de ir ao delegado de saúde ou médico de família, o interessado vai a um centro de aptidão médica e psicológica, onde naquele local fará todos os exames necessários. Essa lei precisava de regulamentação, o que ainda não foi feito, e o que fazemos neste momento é proporcionar ao candidato a realização do exame psicotécnico, que depois se dirige ao delegado de saúde”. O centro aproveitou esta apresentação para dar a conhecer ao público os seus novos equipamentos ao dispor da equipa de avaliação.

13 junho 2012

15


| última página

Ondas da Almagreira vão produzir energia A praia da Almagreira, no concelho de Peniche, vai produzir energia a partir das ondas através da tecnologia “Wave Roller”, instalada no fundo do mar pela empresa finlandesa AW Energy. Os trabalhos estão concluídos ainda este mês. O presidente da Câmara Municipal de Peniche, António José Correia, disse que “está concluída a construção de uma plataforma metálica de 40 metros que vai ser instalada no fundo do mar. Nesta vão ser incorpora-

das pás verticais que, ao movimentarem-se, produzem energia”. Desde 2009 que os parceiros tecnológicos têm vindo a trabalhar no projeto-piloto, no qual estão envolvidos cinco milhões de euros, três dos quais financiados pela Comissão Europeia, após a aprovação de uma candidatura ao sétimo Programa Quadro de Investigação e Desenvolvimento. Se os resultados forem favoráveis, será avançada uma fase comercial de produção de energia.

Mais de meio milhão de euros para investimento em gás natural O presidente da câmara anunciou no dia 6 de junho que a Lusitânia Gás tenciona instalar uma unidade de gás natural em Peniche.

16

13 junho 2012

Começando por referir que o investimento vai reduzir os custos de produção das fábricas de conservas de peixe, António José Cor-

reia diz ainda que a unidade vem “aumentar a competitividade” das indústrias instaladas na cidade piscatória. A empresa pretende inves-

tir 750 mil euros na instalação de uma unidade de gás natural, com capacidade para 120 metros cúbicos. “Trata-se de um investimento

fundamental para reduzir os custos de produção das fábricas e afastar quaisquer intenções de deslocalização”, sublinhou.


O jornal N 8