Page 1

Sarah Nelms

O Conto da Tartaruga ea รgua-viva de Plรกstico

Kate Nelms


O mar, uma vez que lança seu feitiço, nos mantém na sua rede de maravilhas para sempre.

- Jacques Cousteau


© 2017 Texto por Sarah Nelms © 2017 Ilustrações por Kate Nelms Título original: the Tale of the Turtle and the Plastic Jellyfish Os direitos de Sarah Nelms e Kate Nelms a serem identificadas, respectivamente, como autora e ilustradora deste trabalho, foram reivindicados de acordo com o “Copyright, Design and Patents Act 1988”. Esse livro foi composto utilizando a fonte Garamond Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida, transmitida ou armazenada em um sistema de recuperação de informações em nenhum formato nem qualquer meio, seja gráfico, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e gravação, sem autorização prévia do editor. ISBN: 978-0-9559036-9-4


Histórias da Professora Penny é uma série de livros infantis escritos pela equipe e estudantes da Faculdade de Ciências da Vida e da Terra, da Universidade de Exeter, localizada em Penryn, Cornwall, no Reino Unido. Com estilo único e apropriadas

para diversas faixas etárias, estas histórias trazem a pesquisa científica e a história natural à vida, abrangendo assuntos de conservação e comportamento animal até microbiologia. Preste atenção em Penny, nossa cientista favorita, em cada história. Com seu fiel companheiro de quatro patas, Wilson, ela te ajudará a entender a ciência por trás das aventuras dos personagens.

Outras histórias na série Professora Penny: As Aventuras de Flo, a bactéria especial O Psilídeo que queria ir pra casa As incríveis asas de Woolly


Nerina – um nome que quer dizer ‘alguém que vem do mar’- era uma tartaruga que vivia em mar aberto.

Suas grandes nadadeiras e casco liso faziam com quem ela deslizasse

sem esforço algum pela água.

E isso era muito bom, porque às vezes ela tinha que viajar milhares de quilômetros procurando sua comida favorita: água-viva. 1


Um dia ela encontrou um cardume de águas-vivas ondulando pela água. “Oba!” Ela vibrou. “Eu tenho tanta fome que poderia comer todas elas!” Nerina nadou muito rápido na direção delas e começou a devorar as águas-vivas como se não houvesse amanhã.

De tão empolgada que estava, Nerina não percebeu que uma daquelas gelecas flutuantes não era uma água viva, mas na verdade uma sacola plástica, como as que encontramos no supermercado. Alguém devia ter

deixado a sacola cair no mar sem querer. 2


Mas já era tarde demais; Nerina já tinha comido a sacola junto com o

resto das águas-vivas.

“Oh não”, ela resmungou. “Essa última água-viva não estava muito gostosa. Talvez eu já tenha comido demais por hoje”.

Então ela nadou até a superfície da água para tirar uma soneca, onde ela sabia que o calor da luz do sol iria ajudá-la a digerir toda a comida.

4


Um pouco mais tarde, Nerina começou a se sentir mal. A sua barriga doía e ela ainda se sentia muito cheia.

“Hmm, acho que eu comi mais do que eu imaginava” Ela pensou.

“Eu devo parar de ser tão gulosa”

6


Mas na verdade ela não tinha comido demais.

A sacola plástica em sua barriga fez com que ela se sentisse cheia e não deixava a comida no seu estômago ser digerida.

7


Com o passar do tempo, ela começou a se sentir cada vez pior. Ela não conseguia comer e estava com dificuldades para nadar.

Um dia, uma grande tempestade chegou. Ela estava tão fraca por não conseguir comer e suas nadadeiras não eram fortes o bastante para lutar contra as grandes ondas. 8


Depois de flutuar sem direção por muito tempo, ela se encontrou num lugar desconhecido. Ela podia ouvir o mar, mas não conseguia senti-lo. Pelo contrário, tudo que ela sentia era areia em suas nadadeiras e um vento suave em seu rosto. Quando ela abriu os olhos ela percebeu então onde estava. Ela estava em terra firme! Sem a água para ajudar seu corpo a flutuar, ela se sentiu pesada. Ela tentou mover suas nadadeiras mas Nerina estava fraca demais.

“O que eu vou fazer?” Ela pensou. “Se eu ficar aqui, eu vou cozinhar no sol!” 10


De repende ela ouviu um barulho. Era uma respiração que ficava cada vez mais alta, como se a coisa que estivesse fazendo esse som estivesse cada vez mais perto. E então ela ouviu, “AU! AU! AU!” E uma voz gritando,

“Wilson? WILSON, VENHA AQUI!” 12


Correndo muito rápido na direção de Nerina vinha uma barulhenta bola de pelos brancos. Ela não sabia o que fazer.

Ela não podia se mover, logo, não podia escapar e então fechou bem os seus olhos e esperou que a coisa fosse embora logo.

13


Wilson, pelo outro lado, tinha ideias diferentes. Ao se deparar com

Nerina, ele começou a girar em círculos, correndo atrás do seu próprio rabo, como se estivesse muito animado. “Caramba!”, a voz de antes falou novamente. “Uma tartaruga!”.

No meio de toda a confusão, Nerina não tinha visto que Wilson vinha

com uma menina, que agora estava bem perto dela, com seus olhos verdes brilhando de curiosidade mas com um rosto preocupado. 14


“Olá, tartaruguinha”, disse a garota. “O que você está fazendo aqui?” A menina chegou mais perto e colocou sua mão delicadamente no casco de Nerina. “Meus amigos me chamam de Professora Penny. Não se preocupe, eu vou ajudar você”. Antes que ela pudesse perceber, Nerina estava sendo levantada da areia e levada pela praia para longe do oceano. “Espere! Você está indo para o lugar errado, o oceano está para lá!” Nerina tentou dizer. Mas ela estava muito cansada e faminta para lutar. Então ela caiu num sono profundo. 16


Quando ela acordou, ela estava em um quarto branquíssimo, cercada de humanos. No início ela ficou com medo, mas então Nerina viu Penny e sabia que estava segura.

“Você passou por momentos difíceis.” Penny disse à Nerina. “Aquela sacola plástica que você engoliu deixou você bem doente mesmo. Não se preocupe, vamos fazer uma operação e tirá-la daí.”

Depois da operação, Nerina começou a se sentir muito melhor. Ela

começou a comer de novo e já tinha forças para nadar na piscina. 17


Enquanto se recuperava no hospital, ela fez alguns novos amigos. Havia Curtis, o leão marinho – ele ficou com sua cabeça presa em

uma rede de pesca e não conseguia sair. Também havia Winnifred, o bebê gaivota. Os seus pais deram uma

tampinha de garrafa para ela comer sem querer, achando que era comida. E por fim tinha também Sebastian, um golfinho que ficou com sua nadadeira presa em uma linha de pesca.

Felizmente, todos já estavam se recuperando agora. 18


Apesar de que Nerina estava triste em deixar seus novos amigos, ela mal podia esperar por voltar para casa, de volta no oceano onde ela poderia nadar livremente pela ĂĄgua.

Quando o dia finalmente chegou, ela estava tĂŁo feliz que mal podia controlar sua felicidade. Ela bateu suas nadadeiras como se estivesse se aquecendo para uma corrida na areia da praia.

16


Um grupo de alunos de uma escola da região vieram vê-la voltar à natureza e quando ela entrou na água, eles abanaram e se despediram de Nerina. Professora Penny e Wilson também estavam lá, o cabelo vermelho de

Penny brilhando na luz do sol e Wilson latindo de emoção. Enquanto Nerina sentia a água gelada tocar no seu casco, ela pensava em como ela teve sorte em conhecê-los.

Ela nunca esqueceria a gentileza deles. 20


Como você pode ajudar?

Nunca jogue lixo no chão, sempre coloque-o na lixeira. Tente reutilizar e reciclar o máximo que você puder. Use sacolas reutilizáveis de tecido ao invés de sacolas plásticas.

Não compre garrafas de água de plástico. Ajude na limpeza das praias.


Sarah é uma estudante de doutorado na Universidade de Exeter, no laboratório Plymouth Marine, pesquisando o impacto do plástico nos organismos marinhos. Sua irmã, Kate, é uma ilustradora de livros

infantis independente. Esse livro foi inicialmente produzido como parte de uma iniciativa de pesquisa, organizada por Jenny Sanderson e financiada pela Equipe de Desenvolvimento de Pesquisadores da

Universidade de Exeter. Os personagens Professora Penny e Wilson foram desenvolvidos por Nicole Bodey e Katie Cooke. Agradecimentos à Caitlin Kight por todo seu valioso apoio e sabedoria. Traduzido do Inglês por Débora Newlands Souza.


Nerina é uma tartaruga marinha que adora comer águas-vivas. Um dia, ela acidentalmente come uma sacola plástica que a deixa em apuros. Felizmente, Professora Penny, junto de seu amigo canino, Wilson estão a caminho para salvar o dia!

Profile for University of Exeter

O Conto da Tartaruga e a Água-viva de Plástico (Tale of the Turtle & the Plastic Jellyfish)  

Nerin is a sea turtle who loves eating jellyfish. One day, she accidentally eats a plastic bag which puts her in a spot of bother. Luckily,...

O Conto da Tartaruga e a Água-viva de Plástico (Tale of the Turtle & the Plastic Jellyfish)  

Nerin is a sea turtle who loves eating jellyfish. One day, she accidentally eats a plastic bag which puts her in a spot of bother. Luckily,...