Issuu on Google+

perspectivas

por Lurdes Martins e Teresa Rafael


Com a chegada dos computadores, está mudando a maneira de condução das pesquisas, de construção do conhecimento, a natureza das organizações e dos serviços, implicando novos métodos de produção do conhecimento e, principalmente, seu manejo criativo e crítico.Tudo isso nos leva a reforçar a importância das instrumentações electrónicas e o uso de redes telemáticas na educação, de novos ambientes de aprendizagem informatizados que possibilitem novas estratégias de ensino/aprendizagem, como instrumentos capazes de aumentar a motivação, a concentração e a autonomia, permitindo ao aluno a manipulação da representação e a organização do conhecimento.

Maria Cândida Moraes O PRADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE:  implicações na formação do professor e nas práticas pedagógicas www.rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/1053/955


introdução das novas tecnologias de comunicação e informação, assim como de aprendizagem suportada por ambientes virtuais, tem propiciado e favorecido o aparecimento de experiências inovadoras em contextos online, particularmente no que diz respeito à questão da avaliação

A pouco e pouco verificou-se o progressivo abandono das tradicionais abordagens pedagógicas que colocavam a tónica na transmissão pura e simplesmente ”reprodutora” de conteúdos /conhecimentos em favor de uma nova situação educacional virada sobretudo para a construção realizada pelo indivíduo, através de uma pedagogia “activa, criativa, dinâmica, encorajadora, apoiada na descoberta, na investigação e no diálogo”


 em vez de uma educação

circunscrita ao espaço escolar começou a perspectivar-se um tipo de educação mais ligado ao indivíduo enquanto parte constituinte e “motora” de um mundo no qual se integram também de pleno direito os saberes


AVANÇO TECNOLÓGICO

possibilitou uma nova realidade educacional: o ensino mediado por computador

M a s

A OFERTA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA APOIADA POR AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM (AVAS))

tem-se expandido rapidamente como resposta à crescente necessidade de formação continua a que a sociedade tem sido sujeita

tal não significa que o simples emprego da tecnologia computacional na educação constitua a fórmula para o sucesso


Velhas questões como a avaliação continuam a colocar-se de forma cada vez mais pertinente e a velocidade na exigência de respostas as problemas colocados acompanha o progresso,

A “transposição” de técnicas tradicionais para o EAD terá pois constituído um dos aspectos que de forma mais imediata revelou a inoperância de certos sistemas de ensino, principalmente em cursos à distância. Face a problemáticas já “tradicionais” urgiu então procurar entender e encontrar soluções que se enquadráveis nas novas realidades socioculturais, desta feita considerando as “mais-valias” tecnológicas que longe de se constituírem como tal, quando mal aplicadas se podiam revelar “fonte de problemas”.


É que a avaliação em Educação a Distância apresenta algumas particularidades contendo em si novos aspectos a avaliar nomeadamente no que respeita à logística de implementação, que implica também a avaliação de tutores, das estratégias de ensino-aprendizagem e do próprio “material didáctico.


A questão da avaliação é uma das perguntas iniciais que se colocam ao tutor/ professor em EaD


É um aspecto essencial do ensino online encontra os seus alicerces nas tarefas e actividades que permitem uma avaliação contínua suportada pelo uso de tecnologias.


têm destacado o papel do professor, representado como uma figura infalível, que estabelece um processo comunicativo e de ensino aprendizagem unidireccional, que “treina” o aluno, pela repetição e transferência passiva de conhecimentos, para uma postura acrítica e autómata.

No Ead 

surge um professor que treina os seus alunos tarefas a realizar em tempo real, suportada por máquinas, com uma avaliação sustentada na resolução de testes de escolha múltipla, condutor para um processo que Primo (2005) designou como “interacção reactiva” que “depende da previsibilidade e da automação nas trocas”. Nesta perspectiva, valorizase a reprodução, nos testes, dos recursos a que o aluno teve acesso, mas sem uma intervenção criativa ou crítica deste último.


Freire concebeu uma “educação problematizadora”.

Os problemas contextualizados e integrados na vida dos alunos estão alicerçados na busca de soluções relevantes para estes, daí que, mais do que o produto, se valorize o processo.


Nesta perspectiva, Primo (2005) concebe o conceito de “interacção mútua”,o relacionamento dos intervenientes vai-se definindo ao longo do processo, fruto de eventos interactivos, da dinâmica e da negociação de todos os intervenientes. Várias ferramentas podem se utilizadas para dinamizar a interactividade, capacidade de negociação, de debater e dialogar: fóruns, salas de chat, mensagens instantâneas, blogs, agregadores, listas de discussão, envolvendo desta forma os aprendentes na construção do seu saber.


Portefólio 

é perspectivado como como um sistema de avaliação integrado no processo de ensino aprendizagem online.

Através de um conjunto de evidências, permite acompanhar o processo de aprendizagem desenvolvido pelo aluno permitindo por um lado ao aluno demonstrar que está a prender e simultaneamente ao professor seguir a evolução do aluno.

Blogues 

os blogues podem ser adaptados a um contexto educativo online, veiculando o processo de construção do saber, contribuindo para a construção de uma comunidade de saber e para uma maior interacção entre os alunos e o professor, promovendo uma avaliação do processo de construção do conhecimento e consciencializando o aluno para o percurso realizado ao longo do curso online.


O professor, promotor de uma avaliação contínua das aprendizagens, pode propor ao aluno outros percursos igualmente exequíveis e motivadores: ▪ artigos que registem a pesquisa

e visão/reflexão crítica do aluno

▪ elaboração de bibliografias anotadas, de resenhas críticas, de comentários e intervenções problematizadoras, que são promotoras da construção do saber e da consciencialização do aluno relativamente à sua posição e expressão dos seus argumentos face às intervenções dos seus colegas


também contribuem: ▪ os chats ▪ as listas de discussão ▪ os fóruns

através da argumentação escrita o aluno partilha de forma transparente ▪ a sua opinião, ▪ os seus argumentos, ▪ as suas reflexões

ao torná-los públicos, junto do professor e dos seus pares, reforça o cuidado na revisão, na correcção, no carácter lógico dos argumentos e mesmo na estética do seu texto.


deve ser valorizada, numa avaliação contínua que resulta da participação e contributo de todos os intervenientes, desenvolvendo-se ao longo do curso online uma variedade de actividades    

blogues, debates fóruns chats

acompanhados e avaliados pelo professor

quanto maior for a participação e a partilha transparente das leituras, dos recursos, dos argumentos nos fóruns e discussões do grupo tanto mais rico será o percurso educativo do(s) aluno(s


O uso da Informática na avaliação do indivíduo ou do grupo por meio de projetos partilhados permite a visualização e a análise do processo e não só do resultado, ou seja, durante o desenvolvimento dos projetos, trocas ficam registradas por meio de mensagens, de imagens, de textos. É possível, tanto para o professor como para o próprio aluno, ver cada etapa da produção, passo a passo, registrando assim o processo de construção Fagundes et al (1999, p. 24)cit por Primo


BARBERÀ, E. (2006) “Aportaciones de la tecnología a la e-Evaluación”. RED. Revista de Educación a Distancia, Año V. Número monográfico VI. http://www.um.es/ead/red/M6/ BARBERÀ, E. (2005) “La Evaluacion de competencias complejas: La prática del Portafolio” Educera, octubre-diciembre, año, vol.9, número 031 Acessível em: http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf /356/35603110.pdf BARBERÀ, E.,(2006) et al “Portfolio electrónico: desarrollo de competencia profesionales en la red1 acessível em: http://www.uoc.edu/rusc/3/2/dt/esp /barbera_bautista_espasa_guasch.pdf PRIMO, Alex (2006) "Avaliação em processos de educação problematizadora online". In: Marco Silva; Edméa Santos. (Org.). Avaliação da aprendizagem em educação online. São Paulo: Loyola, v. , p. 38-49. http://www6.ufrgs.br/limc/PDFs/EA D5.pdf

CLAUDE SPRINGER;ÉVALUER LES APPRENTISSAGES DANS LES ENVIRONNEMENTS NUMÉRIQUES

www.scribd.com/people/documents/31491sprincloogle 

Josianne Basque, Kim Dao, Julien ContaminesL’apprentissage « situé » dans les cours en ligne : le cas du colloque scientifique virtuel (CSV)

hal.archivesouvertes.fr/docs/00/03/17/76/PDF/14.pdf

Luís Valente e Paula Escudeiro ; ] Avaliação da Aprendizagem em Ambientes Online ; erepository.tecminho.uminho.pt/.../A valiação+da+Aprendizagem+e m+Ambientes+Online.pdf

CAEL –UA –MPEL ….Janeiro 2010


A avaliação das aprendizagens em contexto on line