Issuu on Google+

Tatiane Souza / tatiane.souza@unifacs.br


Que educação? Mudando Paradigmas na Educação

Sir Ken Robinson


Paradigma Científico

O que é um paradigma científico?


Paradigma Científico

é um modelo de pensamento, um padrão a ser seguido, um marco teórico...


Marco Temporal

Etapas da Humanidade (Ocidente) Pré-História

Idade da Pedra

Paleolítico Mesolítico Neolítico

Idade dos Metais

Idade do Cobre Idade do Bronze Idade do Ferro

Idade Antiga

Antiguidade Oriental

Antiguidade Clássica Antiguidade Tardia Idade Média

Alta Idade Média

Idade Média Plena

Baixa Idade Média

Idade Média Tardia

Transição – Idade Média para Moderna

Séculos XV - XVII

Idade Moderna

Século XVIII - XIX

Idade Contemporânea

Século XX - XXI


Ciência Moderna séc. XVII-XVIII

Modelo cartesianonewtoniano separação entre mente e corpo, razão e emoção, nascendo daí a ruptura da ciência com o sensível, a natureza, a imaginação e o sagrado


Ciência Moderna séc. XVII-XVIII

Modelo cartesianonewtoniano sensação, percepção, imaginação, memória e linguagem são vistas como causa do erro e devem ser afastados


Ciência Moderna séc. XVII-XVIII

Modelo cartesianonewtoniano puramente intelectual, parte das ideias inatas e controla (por meio de regras) as investigações, filosóficas, científicas e técnicas


Ciência Moderna séc. XVII-XVIII

Modelo cartesianonewtoniano propõe a redução da complexidade, o separar para estudar, dividir o objeto do conhecimento em suas menores unidades e estudar cada uma delas separadamente


Modelo Pedagรณgico Tradicional autoritรกrio dogmรกtico


Características da Modernidade (Séculos XVIII e XIX) •Idealismo e romantismo •Revoluções burguesas (Liberdade, Igualdade, Fraternidade) •Individualismo – autonomia do sujeito, luta pelos direitos •Tradição como sinônimo de atraso •Razão como fonte do conhecimento •1ª e 2ª Revoluções Industriais •Encantamento pela tecnologia, pela cidade e sua luminosidade •Aperfeiçoamento das organizações capitalistas (Corporações – “pessoa” jurídica)


Século XX


Século XX


Século XX


Paradigmas emergentes séc. XX Albert Einstein cria a Lei da Relatividade (1915) • a realidade passa a ser vista sob o ponto de vista do movimento, do fluxo de energia, em processo de mudança. • espaço e energia passam a ser indissociáveis. • Princípio da Incerteza (Heisenberg, 1927) • Lei da Complementaridade (Bohr, 1928) • Teoria das Estruturas Dissipativas (Prigogine, 1977)


Paradigmas emergentes sĂŠc. XX o todo determina a parte


Paradigmas emergentes séc. XX No novo paradigma, se todos os conceitos, todas as teorias e as descobertas têm um caráter limitado e são aproximadas, isto nos leva a concluir que não há certezas científica e que estamos sempre gerando novas teorias, a partir de novos insights que dependem da maneira como observamos o mundo. Construímos, portanto, “teorias transitórias” cada vez mais próximas da realidade.

Maria Cândida Moraes, 1996, p.61


Características No velho paradigma O professor é leitor/expositor de ideias

Nos novos paradigmas O professor é orientador de estudo/ mediador da aprendizagem O aluno é um receptor O aluno é o agente da passivo aprendizagem A sala de aula é um A sala de aula como ambiente de escuta ambiente de unidirecional cooperação O currículo é fixo O currículo é flexível


Características No velho paradigma

Nos novos paradigmas

A tecnologia está desvinculada do contexto/ pontual

A tecnologia está inserida no ambiente educacional

A escola é uma ilha

A escola é um espaço aberto e conectado com o mundo

Fonte: Andrea Ramal, 1997.


O que ĂŠ tecnologia?


O que é tecnologia? PENSAMENTO HUMANO

Episteme (ciência)

Doxa (opinião)

Tekne (técnica)

Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.)

Técnica é compreendida, pelo filósofo grego, como a habilidade para realizar um determinado ofício.


O que é tecnologia? “*...+ as técnicas carregam consigo projetos, esquemas imaginários, implicações sociais e culturais bastante variados”. Isso significa que as técnicas (ou tecnologias), em determinado tempo e espaço, representam relações de força entre os seres humanos” (p.23). Pierre Lévy (1999)

As tecnologias são produzidas em meio a práticas culturais, não sendo possível dissociá-las da sociedade. Dessa maneira, a sociedade não é determinada pelas tecnologias, mas condicionada por elas.


Revolução Informacional

Manuel Castells (1999)

Paradigma da Tecnologia da Informação • Informação como principal insumo da economia pós-industrial; • Penetrabilidade dos efeitos das novas tecnologias na existência humana; • Organização da sociedade a partir da lógica de redes, com base nas TIC.


Revolução Informacional • •

Flexibilidade nos processos, organizações e instituições contemporâneas; Convergência de tecnologias específicas para um sistema altamente integrado (microeletrônica, telecomunicações, computadores).


Sociedade em Rede […] cultura de virtualidade real construída a partir de um sistema de mídia onipresente, interligado e altamente diversificado (…) pela transformação das bases materiais da vida – o tempo e o espaço – mediante a criação de um espaço de fluxos e de um tempo intemporal como expressões das atividades e elites dominantes. CASTELLS, 2002, p.17


Impacto das tecnologias

Máquina a vapor/ 1ª Revolução Industrial

Microcomputador / Revolução Informacional


Conceitos-chave

Caracterizando o mundo Compreende tecnologias e contemporâneo: Tecnologias de análise métodos de produção, informacional, digital, e difusão de informações Informação e globalizado, conectado por surgidas no contexto Comunicação (TIC)da redes de computadores, Revolução Informacional. convergentes....


Conceitos-chave Inteligência Coletiva "É uma inteligência distribuída por toda parte, incenssantemente valorizada, coordenada em tempo real, que resulta em uma mobilização efetiva das competências. Acrescentemos à nossa definição este complemento indispensável: a base e o objetivo da inteligência coletiva são o reconhecimento e o enriquecimento mútuo das pessoas, e não o culto de comunidades fetichizadas ou hipostasiadas." Pierre Lèvy, 2000, p.29


Wikipedia • Lançada em 2001 • 3 milhões de verbetes e 20 milhões de páginas web (inglês) • Mais de 350 milhões de atualizações • Existem 12 milhões de usuários registrados • Equipe remunerada é formada por 140 pessoas • São 1.800 administradores de conteúdos

wikipedia.org


Referências CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. A Sociedade em rede. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999, v.1. FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 12. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. LÈVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2000. 212 p. Disponível em: http://books.google.com/books. Acesso em: 20/11/2009. MENEZES, Gladston Lisboa de. Escola e Tecnologia. In: Ser Professor Universitário. Disponível em: http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/ler.php?modulo=18&texto=1074 . Acesso em: 20/11/2009 MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente: implicações na formação do professor e nas práticas pedagógica. in: Em Aberto. Brasília, ano 16, n.70, abr./jun.1996. Disponível em: http://www. rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/1053/955 Acesso em: 20 nov. 2009.


Referências MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2001. Disponível em: http://www.juliotorres.ws/textos/textosdiversos/SeteSaberes-EdgarMorin.pdf Acesso em: 20 nov. 2009. RAMAL, Andrea Cecilia. Internet e Educação. In: Rio de Janeiro: Revista Guia da Internet Br, Ediouro, nº 12, 1997

Sites http://pt.wikipedia.org www.sxc.hu


Obrigada! Agnes Bezerra agnes.bezerra@unifacs.br


Educação e Tecnologias