Issuu on Google+

Ilustração: Estúdio KIwi


“La Vie en Rose”

(La vi ã rôz) ou “A VIDA COR-DE-ROSA” narra a história de uma menina, Rose, em meios aos destroços da guerra. Sua vida desmorona juntamente com o horror da batalha, a perda de sua família e agora ela não sabe qual seu destino. Nesse cenário, encontra Jean-Pierre, um correto e sério soldado que guarda religiosamente seu posto. Eles se aproximam pela saudade em comum, embora ele relute em expressar e demonstrar seus sentimentos, algo que Rose faz espontaneamente, apesar de sua situação difícil. Em meio à brincadeiras, canções, sons, gestos, embalam suas almas ao som de “La Vie en Rose”, da cantora francesa Edith Piaf - um hino de esperança pós-guerra. Juntos, imaginam o futuro e seguem numa caminhada luminosa de esperança. A peça já foi premiada no FENTEAPP 2011, nas categorias Melhor Espetáculo, Melhor Direção, Melhor Texto Inédito, Melhor Atriz e Melhor Iluminação.


Criada em 1995, pelos atores profissionais Drika Vieira e Carlinhos Rodrigues, a Cia da Casa Amarela já conquistou por três vezes o Prêmio APCA, da Associação Paulista dos Críticos de Arte e três Troféus Mambembe. São mais de 100 prêmios em festivais de teatro em diversas regiões do Brasil. Em 2.009, representou o Brasil em dois festivais internacionais em Portugal. Participa de diversos projetos e eventos culturais em diversos estados como o Projeto Mosaico, Mostra SESI de Teatro, PAC Cultural, Caravana Paulista de Teatro, Caravana Funarte de Circulação, Segundas no Memorial da América Latina, Recreio nas Férias na capital paulista, além de festivais nacionais e internacionais de teatro. Desde 1996, apresenta-se regularmente nas unidades do SESC, tanto na capital e interior. Realizou diversas temporadas em São Paulo no TBC (Teatro Brasileiro de Comédia), SESC Vila Mariana e SESC Pinheiros, Teatro Cacilda Becker, entre outros. Tornou-se uma referência no teatro para o público jovem, elogiada pela crítica especializada, educadores, crianças e jovens, com uma Dramaturgia própria, estética diferenciada e temas profundos, pouco comuns nas produções para esse público especificamente. Em 2004, Drika Vieira e Carlinhos Rodrigues realizaram palestra no Fórum Internacional de Teatro na Educação, realizado em São Paulo, sob coordenação da Prefeitura Municipal e do Centro Cultural Vergueiro, com o tema “O Teatro no Desenvolvimento Estético e Espiritual da Criança”.


Espetáculos 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17.

A Cigarra e a Formiga (1995) Uma História que a Manhã contou ao Tempo para ganhar a Rosa Azul (1996) Pedro Paulo Pedregulho (1997) O que o Vento sopra... (1998) Vincent – por um toque de amarelo (1999) Como uma Gaivota (2000) Marc e Bella num Sonho Azul (2001) Candim (2002) Uma Pequena mais que Notável! (2003) Nina e Carambola (2004) A Lua e o Poeta (2005) Bela Flor, Bela (2006) A Menina na Janela (2007) Taí... Na-Ni-Ca!!! (2009) Joana e os Pássaros (2010) Uma Rua como Aquela (2010) La Vie en Rose (2011)

Drika Vieira e Carlinhos Rodrigues são os autores, diretores e produtores de “La Vie en Rose”, além de atuarem na peça. A coreografia ficou a cargo do bailarino André Perosa. Toda criação de sonoplastia, iluminação, cenários, figurinos e adereços também ficou à cargo de Drika e Carlinhos, que contam com Jone Vieira na operação de luz e som.


Gostamos de fazer teatro porque é uma maneira de expressarmos nosso universo interior e de poder interagir com o público, através do silêncio e das emoções que afloram durante a encenação. O Teatro é nossa vida e amamos estar num palco porque criamos um elo sensível com a platéia e isso alimenta nossa Alma.


Ilustração: Michele Iacocca


Conheça um pouco mais sobre o teatro e aproveite para colorir os desenhos com suas cores prediletas.

Iluminador/Sonoplasta. Você sabia que no teatro existe uma pessoa que controla toda a luz e som do espetáculo? Este trabalhador se chama iluminador/sonoplasta.

Vá ao banheiro antes do espetáculo, assim você não perde nenhuma parte da peça!

As poltronas do teatro são numeradas, você escolhe onde vai sentar na compra do ingresso.

Escuridão. A escuridão é necessária para que a gente se prepare para a apresentação, é como dormir para acordar no mundo do sonhos.

Assento. Alguns assentos são destinados a pessoas que têm necessidades especiais. Fique atento para não sentar neste lugar reservado.

Participação. Tem o momento do silêncio, mas tem a hora de participar, às vezes os atores precisam de sua colaboração. Você não vai deixá-los sozinhos, né!?


Iluminação. Para que a gente entenda a história e saiba para onde olhar, algumas pessoas ficam responsáveis por cuidar da luz.

Desligue o celular, Se o seu celular tocar vai atrapalhar os atores e todos que estão assistindo ao espetáculo, inclusive você.

Sim! Comer no teatro atrapalha! Faz barulho e tira a concentração dos atores e de quem está assistindo.

Ilustração: Estúdio KIwi

Conversa. Durante a apresentação fique atento, a conversa pode atrapalhar. Deixe para bater aquele papo com o colega depois do espetáculo.


SESC Consolação | R. Dr. Vila Nova, 245 | Vila Buarque | São Paulo | SP | fone 3234 3000 email@consolacao.sescsp.org.br | www.sescsp.org.br | 0800 11 8220


FDE_Outubro