11 minute read

“O PONTO C MARCARÁ ESTE TEMPO E AS PRÓXIMAS GERAÇÕES”

“Ponto C” é a obra do seu mandato, ou dos seus mandatos?

Ao longo deste ciclo autárquico, temos realizado muitas “obras de mandato”, se entendermos que obras de mandato são as que marcam um determinado tempo. Nos mandatos autárquicos que liderámos, foram vários os projetos, de maior ou de menor dimensão, na cidade mas também em cada uma das freguesias, que marcaram este tempo e que concretizaram aspirações e anseios de muitos anos das nossas comunidades. O “Ponto C” é um desses grandes projetos, que marcará este tempo e as próximas gerações.

Advertisement

Onde e como nasceu a ideia?

O ‘Ponto C – Cultura e Criatividade’ foi pensado e projetado para dar resposta a uma das maiores lacunas e uma das maiores fragilidades da cidade e da região do Tâmega e Sousa, que não dispõe de uma sala de espetáculos do género. É nossa convicção que, pela sua polivalência e arquitetura, será uma referência no panorama nacional da cultura e das artes.

A obra permitirá levar a cabo uma espéce de “revolução” urbana. Com a construção do ‘Ponto C’, a malha urbana da cidade vai expandir-se para a encosta do Cavalum, com ligação direta ao Centro Histórico, o que permitirá usufruir da paisagem sobre o verdejante vale do Cavalum e dos demais recantos desta encantadora terra. Com a abertura da nova via através da Variante do Cavalum, com ligação ao Centro Histórico e à Praça da República, junto ao Palacete onde está instalada a Biblioteca Municipal de Penafiel, os nossos concidadãos passarão a ter mais uma opção para chegarem ao centro da cidade, de forma rápida e cómoda.

A obra quadra com aquilo que tem sido, por exemplo, a aposta na Escritaria?

A Escritaria é um dos grandes exemplos de como temos tido sucesso na implementação e dinamização de várias iniciativas culturais por todo o concelho. Neste momento, estamos a fazer um trabalho de internacionalização deste projeto. Queremos levar a nossa festa das palavras além-fronteiras, e já demos o primeiro passo. Em janeiro, tive a oportunidade de estar em Benguela, Angola, na inauguração de uma exposição itinerante dedicada ao escritor angolano Pepetela, homenageado na Escritaria em 2018. Em parceria com o Instituto Jean Piaget, recriou-se grande parte do ambiente de homenagem e de afetos que é uma marca da Escritaria em Penafiel. A par disto, a homenagem ao escritor cabo-verdiano, Germano Almeida, em 2021, que contou com a presença do Ministro das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, também abriu portas a um “Escritaria com Morabeza”, em Cabo Verde. É, sem dúvida, uma nova fase da vida da Escritaria, já com 15 anos de existência, mas que se reinventa permanentemente. Com o crescimento e afirmação de eventos de grande destaque em Penafiel, temos obrigatoriamente de criar equipamentos de excelência, e o Ponto C surge precisamente nesta vertente, para fazer face a uma grande lacuna do nosso concelho e para auxiliar este tipo de eventos.

Por que é a Central de Transportes demorou tanto tempo a concretizar-se?

Todos os projetos requerem tempo, ponderação e muito planeamento. A obra, que está em bom ritmo, terá um impacto muito significativo no que diz respeito à mobilidade na cidade e no concelho.

A grande vantagem é permitir a articulação entre o transporte por autocarro e o transporte ferroviário?

O investimento é de uma importância vital para a rede de transportes do concelho de Penafiel, mas também para a região. Estamos perante um equipamento que trará mais flexibilidade à rede de transportes, por comboio, autocarro ou veículos automóveis ligeiros de passageiros. A Central permitirá criar alternativas de mobilidade para o cidadão e utilizador da rede de transporte público e, em simultâneo, estabelecer uma maior e melhor ligação a partir de Penafiel para a área metropolitana do Porto e para diversos concelhos da região do Tâmega e Sousa.

Quantas pessoas do concelho e da região do Tâmega e Sousa servirá a Central de Transportes?

A Central vai servir a região do Tâmega e Sousa, que tem atualmente cerca de 500 mil habitantes. Depois de terminado o concurso de concessão para o transporte rodoviário de passageiros lançado pela Comunidade Intermunicipal do Tâ- mega e Sousa, esperamos que todos os autocarros – municipais, intermunicipais e expressos – passem por esta Central de Transportes, quer no início, quer no fim de percurso.

Duas décadas depois de prometido,o IC35 viu a luz do dia. É muito tempo...

Este é o primeiro passo para a construção de uma estrada, muito desejada pela população, que, quando se encontrar concluída, ligará Penafiel a Entre-os-Rios, com cerca de 12 km, servindo de alternativa à congestionada e perigosa EN106.

A empreitada foi lançada em meados de 2015. É, de facto, incrível que o seu início se tenha arrastado por mais de sete anos. Mas o importante agora é que a obra se concretize sem mais sobressaltos e que o quanto antes esteja ao serviço das populações. Ainda recentemente ouvíamos nas notícias o lançamento da linha vermelha do metro de Lisboa, que vai custar mais de 500 milhões de euros. Se é uma obra necessária, nada contra. Mas que sentido faz que, ao mesmo tempo e no mesmo país, uma obra de cerca de 30 milhões esteja na prateleira há mais de 20 anos e que agora tenha que ser executada às “pinguinhas”? Mais vale tarde que nunca. Esta obra é uma obrigação que o País tem para com a região, depois de anos e anos de promessas, avanços e recuos.

Novo “Ponto” de referência da Cultura está em Penafiel

GRANDE SALA DE ESPETÁCULOS

ABRE AINDA ESTE ANO

Apartir de Penafiel, mas para toda a sub-região do Tâmega e Sousa e para todo o País. É este o grande propósito do “Ponto C – Cultura e Criatividade”, uma grande sala de espetáculos que será, já a partir do verão deste ano, um espaço de referência para a exibição de todo o tipo de eventos de índole cultural. Pela sua dimensão e poliva-

O Ambiente Conta

Edifício com alta eficiência energética e elevados padrões de conforto, o “Ponto C” mistura um estilo de arquitetura contemporânea com o respeito e total integração na paisagem. A envolvente contará com espaços de socialização e de conexão entre pessoas, edifícios e paisagem, replicando o que de melhor se faz ao nível das grandes cidades europeias.

lência, o “Ponto C” reúne todas as condições para se transformar numa estrutura capaz de ombrear com os melhores espaços do género a nível nacional.

Resultado de uma forte e crescente aposta da Autarquia na Cultura e nas Artes, o espaço, com 15.000 metros quadrados de dimensão e 2.500 metros quadrados de área coberta, está capaz para receber concertos, espetáculos de teatro, música e dança, entre muitas outras manifestações culturais e performativas.

“Penafiel vai ter um espaço cultural de excelência”, comenta o Presidente da Câmara de Penafiel, Antonino de Sousa. “Ambicionamos oferecer aos penafidelenses, mas também às populações vizinhas, um espaço cultural digno, proporcionando, ao mesmo tempo, mais qualidade urbana, nomeadamente na criação de zonas alternativas de acesso

5MILHÕES DE EUROS é o valor do investimento conseguido pela autarquia, entre fundos europeus e recurso ao Banco Europeu de Investimento ao nosso Centro Histórico, espaços de lazer, de parqueamento, entre outros”, acrescenta o autarca.

Lugar De Identidades

A expetativa da Autarquia é que o “Ponto C” venha a ser um lugar de encontro e de partilha de cultura(s), de tradições e de identidades. “Estamos desejosos de que todos possam usufruir deste grande equipamento, que, sem dúvida, valorizará muito Penafiel e fará crescer a cidade para a lindíssima Encosta do Cavalum”, assinala Antonino de Sousa.

O novo polo cultural penafidelense terá, entre outros espaços, um anfiteatro com capacidade para acolher 400 pessoas. No edifício haverá uma outra sala polivalente, para albergar iniciativas de menor dimensão, bem como zonas que pretendem ser um ponto de partida para experiências artísticas de vária índole.

Audit Rio Principal

A sala principal terá 401 lugares sentados (387 em plateia + 14 lugares em balcões laterais) mais oito para pessoas de mobilidade condicionada. A sala, que mantém uma relação com o exterior através de dois janelões junto às entradas principais da plateia, possuirá pontos de luz em todos os espelhos de degraus da plateia, bem como iluminação de segurança presente junto a todas as saídas

Sala Polivalente

Será a sala com maior dinâmica e utilização. De menor escala, com cerca de 100m2, algumas artes terão aqui palco e espaço de apresentação. O edifício ganha uma nova vivência, com abertura constante para o exterior. Com capacidade para 37 lugares sentados, não fixos, abre-se a possibilidade de atrair outras tipologias e performances

O Andamento Das Obras Em Registo Fotogr Fico

PONTO C

Local: Penafiel

Capacidade: 401 lugares

Data de inauguração: Verão de 2023

Identidade

Passo A Passo Pela Cultura Do Concelho

Biblioteca Municipal de Penafiel

Av. Egas Moniz, Penafiel

Tlf. 255712738 (chamada para rede fixa nacional)

De terça a sexta-feira, das 9h00 - 12h30 e das 14h00 às 18h00

À segunda-feira, das 14h00 às 18h00

Ao sábado, das 09h00 às 13h00

Encerra ao domingo e feriados Quando abrir ao público, o Ponto C –Cultura e Criatividade juntar-se-á a um já longo número de instituições culturais espalhadas pelo concelho de Penafiel. Visitá-las é uma espécie de passe de acesso aos valores que enformam a comunidade penafidelense. Aqui fica um roteiro por algumas das mais importantes entidades que dão corpo à identidade do concelho

Museu de Arte Sacra da Santa Casa da Misericórdia de Penafiel

Largo da Misericórdia, Penafiel

Tlf. 255712228 (chamada para rede fixa nacional)

De terça a sexta-feira, 14h- 18h

Ao sábado, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00

Encerra ao domingo e à segunda-feira

Recreatório Paroquial de Penafiel

Rua Direita, Penafiel

Tlf. 255212619 (chamada para rede fixa nacional)

Centro Cultural Casa Do Xiné

Quintandona, Lagares PNF

Tlm. 917430111 (chamada rede móvel nacional)

Museu Municipal de Penafiel

Rua do Paço, s/n

Tlf. 255712760 (chamada para rede fixa nacional)

De terça a domingo, das 10h00 às 18h00

Encerra à segunda-feira e nos dias 1 de janeiro, domingo de páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro

Centro Interpretativo da Aldeia de Quintandona

Rua de Quintandona s/n, Lagares PNF

Encerra à segunda e terça-feira, e nos dias 1 de janeiro, domingo de páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro

Horário de verão - de 1 abril a 30 setembro

De quarta a domingo, das 10h00 às 12h00 e das 14h00 às 18h00

Horário de inverno - de 1 outubro a 30 março

De quarta a domingo, das 10h00 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Centro Interpretativo do Castro de Monte Mozinho

Lugar de Vilar, Galegos PNF

Tlf. 255215294 (chamada para rede fixa nacional)

Encerra ao domingo e feriados, e nos dias 1 de janeiro, 1 de maio e 25 de dezembro

Horário de verão - de 2 maio a 30 setembro: de segunda a sexta-feira, das 09h30 -às13h00 e das 14h00 às 17h30

Sábados, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00

Horário de inverno - de 1 outubro a 30 abril: de segunda-feira a sábado, das 09h30 às 13h00 e das 13h30 às 17h00

Casa da Cultura de Galegos

Largo Padre Américo, Galegos PNF

Tlf. 255724058 (chamada para rede fixa nacional)

De segunda a sexta-feira, das 9h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h00

Encerra ao fim-de-semana e feriados

Centro de Interpretação da Escultura Românica

Largo Dr. Armando Melo, s/n Abragão, PNF

Tlf. 255810706 (chamada para rede fixa nacional)

De quinta a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00

À terça e quarta-feira abre mediante marcação prévia, para um mínimo de 10 pessoas

Encerra à segunda-feira, e nos dias 1 de janeiro, domingo de páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro

Eventos Culturais

CULTURA PARA TODOS. E PARA TODOS OS GOSTOS

Ao longo de todo o ano, são várias e de diversos feitios as manifestações culturais que fazem de Penafiel um dos concelhos que mais apostam na Cultura. Que o mesmo é dizer: na aposta nas tradições que formatam e reforçam a identidade dos penafidelenses. Eventos como o ESCRITARIA são hoje uma marca forte, dentro e fora do concelho. Festas ímpares como o Corpo de Deus, que mistura o sagrado e profano, ou a Feira de S. Martinho, que puxa para a cidade milhares de visitantes, são apenas alguns exemplos da importância que as iniciativas culturais têm no concelho de Penafiel.

Escritaria

Penafiel realiza, todos os anos, em outubro, o único festival literário que junta, em torno de um escritor de língua portuguesa vivo, o estudo, a partilha e a fruição da sua obra. Assente num amplo conjunto de iniciativas de reflexão e partilha literária sobre o homenageado, o ESCRITARIA “contamina” a cidade e o concelho de Penafiel recorrendo à vida e obra de autores consagrados. A iniciativa já prestou homenagem a Urbano Tavares Rodrigues, José Saramago, Agustina Bessa-Luís, Mia Couto, António Lobo Antunes, Mário de Carvalho, Lídia Jorge, Mário Cláudio, Alice Vieira, Miguel Sousa Tavares, Pepetela, Manuel Alegre, Mário Zambujal e Ana Luísa Amaral, esta a título póstumo.

Festa do Corpo de Deus

No final da Primavera, Penafiel alegra-se para preparar a sua grande festa: o Corpo de Deus. A festa começa sempre na sexta-feira anterior da Corpo de Deus, sendo a manhã marcada pelo cortejo do Carneirinho, que consiste num desfile das crianças das escolas primárias e infantários que se fazem acompanhar de um carneiro posteriormente oferecido ao professor. À noite tem lugar a Cavalhada, desfile composto por uma charrete puxada por uma parelha de cavalos, que transporta a “ figura da cidade” até à Praça do Município. De pé na charrete, a “figura” pede silêncio, saúda a edilidade e declama alguns versos. Singulares são também os bailes das diversas profissões que no passado marcaram a história e a vida das gentes de Penafiel.

No dia do Corpo de Deus tem lugar a ímpar e majestosa procissão, onde o religioso se mistura com o profano.

Feira de S. Martinho

No fim do Outono, início de Inverno o S. Martinho convida a visitar Penafiel.

Padroeiro da cidade de Penafiel, o S. Martinho dá nome à feira que se realiza em novembro: uma verdadeira mostra de produtos variados, com especial destaque para os setores do vestuário e calçado, têxteis lar, ferragens e ferramentas, maquinaria agrícola e gado. Antigamente, a feira servia para a população se abastecer de agasalhos, cobertores, samarras, capotes de pano e de palha, bonés de orelhas e um sem fim de outros produtos que o rigor do Inverno obrigava a ter por casa.

A tradição mantém-se. Por isso, a castanha assada contínua a ser “rainha” na festa de S. Martinho, sem esquecer o vinho novo ou os diversos pratos típicos desta época do ano, de que são exemplo os rojões.

Festa do Caldo de Quintandona

A música, o teatro e os sabores tradicionais marcam presença, em setembro, na Aldeia de Quintandona (Aldeia de Portugal), na Festa do Caldo de Quintandona, em Lagares e Figueira. O programa cultural conta com atuações de teatro, concertos de música tradicional portuguesa, bandas musicais, ranchos folclóricos, espetáculos de Robertos que animam os mais pequenos, animação musical e cénica pelas ruas com Gaitas Daninhas, Bandalhada e “ComodeAntes”, além de uma feira de artesanato e gastronomia com produtos da terra. São três dias de festa em honra do caldo, onde a gastronomia tem como cenário uma aldeia preservada e a beleza da sua paisagem natural.

Endoenças

Todos os anos cerca de 50.000 velas acesas nas margens dos rios Douro e Tâmega iluminam a passagem de uma procissão noturna e dão o mote a uma cerimónia religiosa ímpar – as Endoenças.

Com mais de três séculos de história, este evento de cariz religioso acontece todos os anos na Quinta-Feira Santa, levando milhares de pessoas às margens dos rios Tâmega e Douro que se deixam fascinar por um espetáculo de luz que ilumina por completo as encostas da região.

Até 1941, os barcos eram usados para fazer a travessia entre as duas margens. Atualmente, até os barcos são usados para iluminar. Da proa á ré, do casco ao topo dos mastros, as embarcações também participam neste espetáculo único de luz, que dá ainda mais brilho às comemorações

Pascais.

This article is from: