Issuu on Google+

01 a 07 de setembro de 2013

Luiz Marins A crise brasileira não me parece ser estrutural e sim conjuntural. Temos todos os ingredientes básicos para o sucesso e, no entanto, não conseguimos fazer as coisas ocorrerem no trivial do dia-a-dia. A verdade verdadeira é que não somos um povo de segunda categoria, nem atávicos vagabundos, nem desprovidos de bom senso. O que parece estar nos faltando é um PACTO ÉTICO onde todas as pessoas, a começar pelos políticos e governantes em todos os níveis, se comprometessem a ser menos “espertas” e mais honestas e justas. Esse Pacto Ético incluiria coisas muito simples a que todos os brasileiros poderiam se obrigar, tais como:       

Ser honesto em tudo; Falar a verdade em qualquer circunstância; Cumprir a palavra; Cumprir prazos e horários; Respeitar o dinheiro público e a coisa pública; Não ser complacente com o erro, com a corrupção, etc. (complete a sua lista...)

Não seria preciso nada mais complexo do que isso e o Brasil seria, sem dúvida o melhor País do mundo para se viver. Como todos queremos enganar a todos, todos somos enganados e não nos apercebemos disso. “Eu finjo que prometo e você finge que acredita na minha promessa...”, me disse um amigo ao fazermos um negócio. Parar de enganar, de ludibriar, de “levar vantagem em tudo”, de prometer o que não se pode cumprir é uma exigência que o Brasil como um todo está sentindo. A crise que estamos vivendo é uma crise ética. Ninguém mais acredita em ninguém e consequentemente em nada. Daí o desejo de ir embora do País, de mudar tudo. E seria tão simples se todos nós brasileiros em nosso próprio benefício decidíssemos mudar a nós mesmos. Confesso que não sei como poderíamos chegar a um Pacto Ético, mas tenho a certeza de que ele poderia resolver boa parte de nossos problemas cotidianos. Sem ele continuaremos nesta luta de “esperteza” onde todos sabem que estão perdendo, mas fingem estar ganhando. É claro que esse pacto deveria começar pelos políticos e governantes. Mas esperar mais uma vez dessa gente significa também fingir que vá acontecer alguma coisa. Todos sabemos que os governantes e políticos, com raras e honrosas exceções, são os principais responsáveis pelo estado de ânimo e das coisas que estão acontecendo, até pelo péssimo exemplo que nos dão. Porém se o povo, se nós, não assumirmos uma postura de mudança, exigindo, democraticamente, esse pacto ético, vamos outra vez nos autoenganar e acreditar na mentira. Pense nisso. Sucesso! Feliz Semana da Pátria! ANTHROPOS MOTIVATION & SUCCESS motivacao@marins.com.br www.anthropos.com.br - www.livrariamarins.com.br


Um pacto ético para o brasil