Page 1

House Form and Culture Amos Rapoport

Christianne Quintino . Rebeca Pierre


“As casas dos vários povos do mundo refletem as condições físicas do meio, suas preferências culturais e suas potencialidades” Phillip L. Wagner

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


primitive folk arquitetura

vernacular

grand design

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Acrópole de Atenas

Antiga cidade egípcia

arquitetura folk

Tikal, cidade maia

pouca especialização, o conhecimento é coletivo trabalho manual e cooperativo funcionalismo, sem pretensões estéticas tradição

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Capadócia, Turquia

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


tradição – o modo de construir é resultado da colaboração de vários gerações ao longo do tempo expressa as necessidades, os desejos e as características culturais de um povo, sem interferência estética consciente existência de um modelo aceito, com poucas inovações significativas, resulta em uma forte permanência formal Orthahisar - Turquia

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


maior diferenciação – grande variedade de tipologias

mudanças nos valores e visões de mundo valorização da originalidade e do gênio arquitetônico

diminuição da importância do fator tradição, não há mais a aceitação de normas predeterminadas

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


a casa passa a ser uma expressão do indivíduo, não mais de uma sociedade ou de um povo

o usuário não participa do processo construtivo

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


CLIMA

SÍTIO

MATERIAIS E TECNOLOGIA

ECONOMIA

DEFESA

RELIGIÃO

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


zonas climáticas

x

formas habitacionais

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Habitações Athabascan, Alaska

Habitações Eskimos, Canadá

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Highland, Papua Nova Guiné

Aibom, Papua Nova Guiné

Vila Kaprak, Papua Nova Guiné

Sepik, Papua Nova Guiné

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Tribo itangapuque, Rio Madeira, Amazonas

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


“materiais, métodos construtivos e tecnologia são melhor classificados como agentes modificadores que como agentes determinantes da forma (...) Frequentemente os mesmos materiais podem resultar em diferentes formas”

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


habitações de junco

Peru, Lago Titicaca

Sul do Iraque, fronteira com o Irã

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


habitações de barro

Aleppo, Síria

Novo México, Estados Unidos

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


tendas portáteis de varas e tecido

Tenda árabe

Yurt mongol

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


sítios muitos similares podem apresentar diferentes formas habitacionais, assim como sítios diferentes podem utilizar uma mesma solução formal

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Annam Mountains, Vietnã

Parintins, Amazonas

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Yagna, Peru

Highlands, Sri Lanka

Inlè Lake, Mianma

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


“construir uma casa é um fenômeno cultural – sua forma e organização são fortemente influenciadas pela sociedade a qual pertence”

aspectos socioculturais são fatores primários para a determinação da forma. os aspectos físicos mencionados são fatores secundários ou modificadores

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


clima rigoroso

favorável

economia subsistência

abundância

tecnologia habilidades e capacidades básicas

habilidades e capacidades máximas

materiais um único material local disponível

opções diversas

mesmo quando as restrições mais severas de clima, economia, materiais e tecnologia operaram, ainda encontramos grandes variações, a escolha, a falta de determinismo e a influência clara de fatores culturais

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


CRENÇAS RELIGIOSAS ESTRUTURA FAMILIAR

ORGANIZAÇÃO SOCIAL MODO DE VIDA RELAÇÕES SOCIAIS ENTRE INDIVÍDUOS

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


vila – universo em escala reduzida campos cultivados em espiral

civilização Dogon, Mali

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


círculo – forma perfeita, traz para a terra as bênçãos do céu

tribo Hottentot, África do Sul

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Los Angeles, Estados Unidos

Mykonos, Grécia

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


“embora eu tenha sugerido que o determinismo climático não alcança a amplitude e a diversidade das formas de habitação, o clima é, no entanto, um aspecto importante da geração da forma”

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


“nossas soluções modernas para problemas climáticos muitas vezes não funcionam, e as nossas casas são feitas por meio de engenhosos aparelhos mecânicos, cujo custo por vezes excede o da construção do edifício”

“o fraco desempenho térmico de muitos de nossos edifícios, apesar da grande variedade de equipamentos mecânicos, indica que não se pode ignorar o ambiente físico, e que nós subestimamos o efeito contínuo em nossas cidades e edifícios”

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


temperatura - quente (seco e úmido) e frio umidade - baixa ou alta

vento - desejável ou indesejável, e, portanto, se deve ser encorajado ou desencorajado

chuva - principalmente em questão da construção, pois

envolve o clima, mais precisamente da necessidade de se manter fora da chuva, mantendo a ventilação, especialmente em áreas quentes, húmidas

radiação e luz natural - desejável ou indesejável, e, portanto, se deve ser encorajado ou desencorajado

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


temperatura

1. quente e seco

elevadas temperaturas diurnas e as noturnas desconfortavelmente baixas solução: “atrasar” a entrada de calor o quanto possível, de modo que só irá alcançar o interior quando for necessário Goulmima - Morocos

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


volumetria compacta e com o mínimo de área exposta ao exterior

geometria que que proporciona o máximo de sombreamento e reduz as áreas expostas ao sol cozinha fora da edificação janelas reduzidas em número e tamanho pátios internos

Atlas Mountains - Morocos

mínimo de ventilação possível

uso do subsolo

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Edificação em Matmata, Tunisia

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Punjab, Índia

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


pátio interno área de estar ao ar livre proteção contra tempestades de areia; uso de vegetação e espelhos água; área sombreada; modifica o micro-clima, baixando as temperaturas do solo e da radiação e por evaporação; efeito calmante e de arrefecimento Palais el Bahia - Marrocos

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Medersa Ben Youssef - Marrocos

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


técnicas e materiais de construção

paredes grossas feita de adobe, lama, pedra, e várias combinações destes (baixa absorção de calor), troncos de palmeiras telhado de lama uso da cor branca para aumentar a reflexão de calor

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


ashanti huts uso de paredes pesados ​de lama grossa ​por razões climáticas empregam uma armação de esqueleto de madeira uso de um telhado de galhos, para além do outro que de barro batido com finalidade de controle climático

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


telhado duplo palha

derrama água e protege a lama no período chuvoso

a palha protege o telhado de barro da insolação direta, reduzindo o acúmulo de calor e, consequentemente, o aquecimento da casa o espaço aéreo proporciona isolamento adicional durante os dias quentes, enquanto que a lama mantém baixas as temperaturas do dia a lama conserva o calor para as noites frias, e a palha ajuda a conservar o calor por um longo período da noite, reduzindo a perda de

calor para o frio do céu

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


temperatura

2. quente e úmido fortes chuvas, alta humidade, temperaturas relativamente moderadas com variação diária ou sazonal, radiação intensa

solução: sombra máxima e mínima absorção de calor

diagrama mostrando a longa e estreita geometria, e amplo espaço de captação de ventos, típico de um clima quente e úmido

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


não há necessidade de armazenar calor no interior

construção pesada irá dificultar a ventilação cruzada - principal requisito para o conforte térmico formas articuladas amplamente separados necessidade de abertura cria problemas de privacidade - isolamento acústico

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Texas, Estados Unidos

Louisiana, Estados Unidos

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


edificações elevadas - permite que o ar flua por baixo contra inundações, insetos e animais

e protege

uso frequente de redes para dormir e facilitam o fluxo de ar casas do tipo são mais confortáveis do que ás de ou de pedra com telhados de zinco.

tijolo, madeira,

“abrigo mínimo”, Colômbia

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Amazônia

Gonave, Haiti

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Yagua, Peru

Orinoco River, Venezuela

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


técnicas e materiais de construção edificações com ou sem paredes, possuem uma tela suspensa de folhas de coqueiro, ou paredes abertas verticalmente espaçados com folhas paredes de espessura mínima uso de pisos de bambu longos beirais oferecem proteção contra o sol e a chuva, e permitem a ventilação durante a chuva

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Yagna, Peru

“El torro village”, Venezuela

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


técnicas e materiais de construção

teto como elemento dominante: funciona como um grande guarda-sol oferece proteção contra as chuvas torrenciais opaco à radiação solar

Detalhe do sistema construtivo do telhado Yagna, Peru

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


temperatura

3. frio diferentes graus de intesidade e duração do frio

mesmos princípios de construção em relação ao clima quente e seco - fonte de calor no interior

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


evita-se a perda de calor através da utilização de: plano compacto, com o mínimo de área exposta para o exterior; materiais pesados ​de boa capacidade de isolamento de prevenção de correntes de ar e fugas de ar habitações subterrâneas ou semisubterrâneas são encontrados com freqüência - necessidade de abrigo contra o vento e reduzir a área de superfície exposta ao frio

durante o verão, habitações semi-subterrâneas com um plano semelhante ao do Igloo são usados

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Igloo, Eskimós

Cabana de inverno, Sibéria

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


igloos

uso de fogões grandes no centro da casa, para usar o calor do cozimento para aquecer o ambiente uso de lâmpada de óleo, fonte pontual de radiação térmica, que aquece o centro do hemisfério igloo

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


técnicas e materiais de construção uso de cores escuras para maior retenção de calor

hemisfério do Igloo - maior resistência ao vento e menos área de superfície exposta paredes de pedra com 0,15m de espessura e com 1,50m de altura entrada estreita e subterrâneo e o piso da habitação é a um nível superior do que a entrada vigas de costelas de baleia ou troncos são cobertos por uma camada dupla de pele de foca com musgo neve em camadas espessas nos telhados e afeta a forma, tamanho e força de telhados

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


esquimós Groenlândia e Alasca – usam casas de inverno feitas de pedra e grama durante o dia, e usam o igloo somente durante a noite como abrigo

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


Yakut Siberia, Madeira e Grama

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


habitações de pedra na Irlanda também são uma boa solução para este tipo de clima já que possuem um desenho similiar ao do igloo camponeses na Suíça criam o seu gado dentro casa, de modo que fornecem um calor adicional, assim como fica mais fácil para eles chegar até os animais em tempos de frio e com neve sem ter que sair de casa

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


umidade

em termos de conforto, umidade e temperatura operam juntos

alta umidade ou baixa umidade são considerados de acordo com os tipos de calor correspondentes alta umidade - pouco pode ser feito para reduzi-la por meio não-mecânico baixa umidade - água e vegetação podem ser usados para aumentá-la, ou uso de dispositivos de umidificação

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


vento

também relacionado com a temperatura quando usado para medir o conforto a necessidade de conforto leva ou para encorajar ou desencorajar vento clima frio ou seco: torna-se indesejável clima quente e úmido: o vento é essencial

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


estudos do vento sobre os igloos

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


precipitação

clima quente e secoeco: captação da água das chuvas e protegê-las da evaporação clima quente e úmido: uso de beirais largos ou varandas permitindo que se deixe aberto janelas para ventilação

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


radiação solar e luz natural indesejáveis ​em áreas quentes e desejáveis nas áreas frias áreas frias: grandes aberturas podem causar problemas de perda de calor; esquimós usam janela de gelo ou de pele de frente para o qualquer que seja a direção do sol áreas quentes e secos: é evitado de várias formas e cada cultura lida com o problema na sua própria maneira

radiação do solo (clima quente e seco) aberturas no alto da edificação arcadas sombreadas ao

redor da casa

uso de vegetação: transpiração, evaporação, sombra e reflexo

uso de espelhos d’água

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


“para criar qualquer tipo de local, o espaço deve ser levado em consideração. a razão pela qual a construção (que, naturalmente, envolve tecnologia) e os materiais são considerados como factores modificadores, é que, apesar da sua natureza fundamental, eles não determinam forma. Eles apenas fazem as formas possíveis, que foram selecionados em um outro momento, eles fazem certas formas ‘impossíveis’, e, agindo como uma ferramenta, eles modificam as formas”

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


povos primitivos - habitações como casas dos chefes construídos por comerciantes enquanto a maioria das casas são construídas por seus habitantes cebuan, filipinas - construção cooperativa das habitações, onde certas técnicas complexas ou difíceis e as formas se tornam possíveis construção da casa envolve duas fases distintas: 1.preparação, quando o local é selecionado, e os materiais recolhidos e trazidos para o local; 2.construção, quando a casa está realmente concluída

como na maioria das culturas primitivas e camponesas, a construção tem importante ritual e aspectos religiosos; ação técnica está associado à ação mística

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


materiais mesmos materiais que podem produzir formas muito diferentes a escolha dos materiais é determinada pela tendência do uso de materiais sólidos, como a pedra, para edifícios de culto e túmulos, enquanto as casas são construídas de materiais mais perecíveis

há também muitas áreas onde não se pode presumir que apenas materiais locais serão usados proscrições religiosas também podem afetar o uso dos materiais

tijolos e telhas foram proibidos de casas em algumas áreas da Índia, enquanto que para os templos de madeira foi proibido, exceto para a porta

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


c

c

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


portabilidade

problemas na locomoção, afetado pela carência dos meios de transporte tenda ficou maior com a descoberta do cavalo para ajudar no transporte

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


forças laterais resistência a forças laterais (vento ou terremotos) exige uma amarração rígida, como treliças, armações de espaço, ou contrafortes, ou paredes de corte

uso de telhados simples e apoiados sobre colunas enterrados agindo como uma estrutura rígida, embora a flexibilidade dos próprios membros assegura uma certa flexibilidade

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


impacto ambiental impacto ambiental e o uso adequado de materiais tem sido muitas vezes negligenciada em edifícios modernos grande variedade de materiais “libertou” os construtores de certas limitações - resultado imediato ao impacto ambiental dos edifícios novos materiais usados ​irregularmente, sem a devida atenção às suas características no congo, uso de uma camada de folhas para proteger a palha de secar e rachar ao sol, uma vez que não há vantagem climática para o uso do telhado duplo

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


gravidade

estrutura das edificações habitações circulares habitações retangulares

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


estrutura das edificações telhandos circulares são mais fáceis de construir do que os retangulares

problema na construção dos telhados é o vão para vãos pequenos, tanto formas circulares ou rectangulares tem o mesmo desempenho para aumentar o vão 2 processos são possíveis: 1. introdução de suportes internos 2. uso da treliça uso de materiais resistentes à tração – madeira

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


habitações circulares o mais simples estrutura série de aros cobertas com folhas tenda de índios norteamericanos, utiliza uma membrana elástica feito de couros de búfalo, que é apertado e puxado atrelado ao solo

paredes tecidas como uma cesta tapetes podem ser movidos seguindo as mudanças de vento

uso de um suporte central quando ocorre a ampliação da habitação

uso de reforços independentes para apoiar a estrutura do telhado

uso de nervuras presas no topo, formando um esqueleto coberto por palha

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


habitações retangulares

uso de arcos dispostos em linha para produzir um plano rectangular – “saco de dormir" da área do Rio Sepik de Nova Guiné Marsh Arabs constitui uma série de aros cobertos com materiais leves tais como tapetes, bambu, folhas, canas, ou palha; altura - limitado pela altura das nervuras, uma vez que não é possível ter uma pressão muito lateral.

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


a look at the present

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


características dominantes das edificações primitivas e vernáculos começaram a desaparecer com a globalização homem moderno salienta a mudança e novidade como sendo uma situação essencialmente diferente ele perdeu a orientação mitológica e cosmológica, que foi importante para o homem primitivo, ou que tenha substituído novas mitologias no lugar do velho

perdeu também a imagem da vida boa e os seus valores ele ainda pode ter seus próprios mitos e suas próprias formas de habitações, embora muito diferentes em suas especificidades das do passado

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


países desenvolvidos

características países desenvolvidos: “discriminação das artes populares”, que deixaram de ter valor simbólico problema hoje é vasta alternativas de escolha “queda” da arte popular devido ao vasto vocabulário e a escolha se torna muito difícil arte popular vista não como o resultado de algo misteriosamente bom, mas como resultado de um aprendizado de como escolher entre um número limitado de alternativas aprovadas contraste entre as escolhas de artefatos tradicionais e novos no Japão, entre tecidos tradicionais e novos, no México, ou a música tradicional eo novo na Índia.

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


conclusão

pode-se fazer muito mais do que era possível no passado, e a criticidade é menor do que nunca o problema de hoje é o resultado da: 1. múltipla escolha 2. dificuldade de escolher 3. dificuldades surgidas naturalmente no passado e que são necessários para a criação de forma de casa

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


“a grande liberdade na escolha, e o fato de que a forma da casa agora passa a ser do domínio estético, faz surgir o conceito de criticidade e dá-se a sua primazia sobre fatores socioculturais que implicam sobre o entendimento da forma de casa, bem como a sua escolha”

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5


todas as habitações necessitam alcançar quatro objetivos, a fim de serem bem sucedidos: 1. 2.

3. 4.

precisam ser socialmente e culturalmente válido deve ser suficientemente econômico para garantir o pagamaneto por um número maior de pessoas devem assegurar a saúde dos seus ocupantes devem haver um mínimo de manutenção ao longo da vida do edifício

INTRODUÇÃO PARTE1 PARTE2 PARTE3 PARTE4 PARTE5

House Form and Culture  

Seminário PA4 - House Form and Culture Apresentado pelas alunas Christianne Quintino e Rebeca Pierre

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you