Page 1

pub.

Jovem perde perna em atropelamento na Carreira

Acidente aparatoso na Av. Carlos Bacelar p. 5

P. 7

ANO 18 • Nº 954 DE 18 A 24 DE AGOSTO DE 2010 DIRECTOR: JOÃO FERNANDES

www.opiniaopublica.pt

Fogo provocou enorme nuvem de fumo negro e temperaturas elevadíssimas

INCÊNDIO DESTRÓI ARMAZÉM DA CONTINENTAL MABOR Um violento incêndio industrial destruiu por completo o armazém da Continental Mabor, em Lousado. O fogo deflagrou pelas 14h30 de segunda-feira, mas só ao início da noite de ontem entrou em fase de rescaldo. As labaredas atingiram grandes dimensões e provocaram uma enorme coluna de fumo negro, visível a vários quilómetros de distância. As intensas chamas provocaram temperaturas elevadíssimas que impossibilitaram o ataque directo ao incêndio. Os bombeiros tiveram que deixar arder a matéria altamente inflamável que estava armazenada, para depois proceder ao rescaldo. As causas do incêndio são ainda desconhecidas, sendo que a Polícia Judiciária já está a investigar o caso.p. 9

opiniãosport: AD Oliveirense apresentou-se aos sócios com nulo frente ao GD Joane

Taça de Portugal: sorteio deixa boas perspectivas para as equipas famalicenses

opiniãoespecial Associação Desportiva Ninense


02

pública: 18 de Agosto de 2010

espaço aberto

Conhece situações que podem ser retratadas na Objectiva Pública? Envie as suas fotografi fia as, acompanhadas de um pequeno texto com o local e a descrição, para o e-mail: informacao@opiniaopublica.pt ou entregue nas instalações do Opinião Pública, na Rua 8 de Dezembro, nº 214, em Antas.

Agenda

Objectiva Pública

Sexta-feira, 20 22h00 Hosei actua no mercado municipal de Riba d’Ave, no âmbito da iniciativa municipal “Animação na Praça”.

Sábado, 21 22h00 Espectáculo de Room40, na Praça D. Maria II, na cidade, no âmbito da iniciativa municipal “Animação na Praça”.

Domingo, 22

Bruno Marques

9h00/12h30 Recolha de sangue no Centro Social de Castelões, promovida pela Associação de Dadores de Sangue, em colaboração com o agrupamento de escuteiros e o grupo de jovens local.

Encontrar estacionamento nas cidades nem sempre é tarefa fácil e saber estacionar pode mesmo exigir alguma arte. Ora, em Famalicão, concretamente na Avenida Marechal Humberto Delgado, essa tarefa tem uma dificuldade extra. Isto porque os postes de iluminação, tal como a fotografia documenta, estão colocados na zona destinada ao estacionamento e não junto ao passeio. Imaginamos que a transferência dos postes para o seu devido lugar possa ser uma tarefa complicada, mas estritamente necessária para evitar demasiadas manobras aos condutores e algumas amolgadelas nas respectivas viaturas.

Questão Pública Nos últimos dias em Portugal tem-se registado uma média diária de 400 incêndios. O Ministro da Administração Interna, Rui Pereira, considerou "criminosa" a actual onda de incêndios. Na sua opinião, há falta de fiscalização e de consequências reais para quem comete este tipo de crime? Maria Augusta Santos

Custódio Oliveira

professora

dirigente associativo No dia 10 de Agosto atravessava o Rio Minho em Valença, vindo de Santiago de Compostela. A temperatura era bastante elevada, acima dos 30 graus, quer na Galiza, quer na zona de fronteira em Portugal. Do lado de Espanha não vi um único incêndio nas diversas montanhas e florestas por onde passei. Em Portugal, de Valença a Viana do Castelo, encontrei quatro grandes e assustadoras frentes de incêndio. Dá que pensar: a mesma temperatura, as mesmas montanhas e o mesmo tipo de vegetação… do lado de Espanha não arde… do lado de Portugal não pára de arder. A principal questão que coloco é a seguinte: a quem interessa os incêndios? Quem lucra objectivamente com a floresta ardida? Como é ou não é utilizada a madeira ardida nas celuloses? É uma falsa questão pensar que é possível colocar um fiscal ou um polícia em cada monte ou floresta… A repressão só por si não resolve os problemas. De pouco vale reprimir se não forem descobertas e combatidas as causas que levam crime.

As elevadas temperaturas associadas aos reduzidos teores de humidade do ar que se verificaram durante os meses de Julho e de Agosto, aumentaram, de forma considerável, o risco de ocorrência de incêndios. Ora, ouvimos com muita frequência atribuir à maior parte dos incêndios que deflagraram em Portugal origem criminosa. Sendo esta intencional ou não, o certo é que os comportamentos negligentes, no caso em apreço, também constituem crimes. Naturalmente que lançar a suspeita é, por vezes, muito fácil, provar o crime já se torna bem mais complicado. Daqui advém, na minha opinião, a verdadeira discrepância entre os números de eventuais criminosos que são diariamente lançados para a comunicação social e as “consequências reais” que recaem sobre eles. Por outro lado, pelo que tenho observado e constatado, não têm faltado esforços de todas as entidades envolvidas, a começar pelos Bombeiros e Protecção Civil, até outros responsáveis, nomeadamente, Governo, Autarquias e Polícias. Ainda é cedo para fazer o balanço final, mas os sinais que temos sobre as respostas dadas aos incêndios, apesar dos factores de risco assinalados e do seu elevado número, estarão a ser positivos, a avaliar, por exemplo, pelas palavras do Presidente da República, quando afirma que o dispositivo de combate aos incêndios tem tido “condições de responder às ocorrências”, afirmando-se “descansado quanto à capacidade das autoridades”. Devemos, de forma responsável, enaltecer os esforços de todos os intervenientes, quer no combate aos incêndios, quer nos incondicionais apoios prestados às populações, na certeza de que todas as entidades competentes avaliarão o trabalho desenvolvido e analisarão as acções implementadas, procedendo aos ajustes que se revelarem necessários, de forma a garantirem às populações uma protecção de qualidade e mesmo de excelência, centrada, cada vez mais eficazmente, na prevenção.

Ana Maria Oliveira autarca Todos os anos a mesma história, os incêndios alimentam o triste quotidiano dos noticiários nacionais. Não duvido que grande parte deste flagelo derive de mão criminosa. E é um facto consumado que há um vazio e uma desresponsabilização para quem comete este e outros tipos de crimes em Portugal. As alterações aos Códigos Penal e Processual são urgentes nesta e noutras matérias. Um sujeito que é apanhado a cometer um crime em flagrante delito não pode de maneira alguma ser posto em liberdade e tem que ser julgado em 48 horas. Outras medidas poderiam ser adoptadas para combater este drama. Os beneficiários com capacidade activa que recebem o Rendimento Mínimo Social de Inserção, através de protocolos entre o Governo, juntas e autarquias, poderiam, por exemplo, ajudar as entidades na limpeza das matas e terrenos públicos. Seria um contributo importante e uma forma de estas pessoas se sentirem úteis, prestando um importante serviço ao País e à floresta.

FICHA TÉCNICA CONSELHO EDITORIAL: Alexandrino Cosme, António Cândido Oliveira, António Jorge Pinto Couto, Artur Sá da Costa, Cristina Azevedo, Feliz Manuel Pereira, Joaquim Loureiro, João Fernandes.

EDITOR DE TURNO:

GRAFISMO:

Magda Ferreira (CPJ 4625) magda@opiniaopublica.pt

Carla Alexandra Soares, Elisete Santos, Pedro Silva.

EDITOR DESPORTO: Bruno Marques (CPJ 8022) brunomarques@opiniaopublica.pt

DETENTORES DE MAIS DE 10% DO CAPITAL

SEDE, REDACÇÃO E PUBLICIDADE:

EMBALAGEM E ETIQUETAGEM:

Feliz Manuel Pereira António Jorge Pinto Couto

Rua 8 de Dezembro, 214 Antas S. Tiago - Apartado 410 4760-016 VN de Famalicão

Almeida Pereira - Operador de Marketing e Impressão Documental, Lda Parque Industrial do Mindelo Vila do Conde

SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS:

INTERNET

TIRAGEM DESTE NÚMERO:

Francisco Araújo

www.opiniaopublica.pt

CONTACTOS Redacção:

APOIO À REDACÇÃO: Jorge Alexandre

REDACÇÃO:

OPINIÃO: António Cândido Oliveira, Avelino Leite, Carlos Sousa, Domingos Peixoto, Gouveia Ferreira, J. Silva Lopes, João Casimiro, Joaquim Loureiro, Luís Paulo Rodrigues, Miguel Moreira Silva, Paulo Cunha e Vieira Pinto.

TÉCNICOS DE VENDAS:

DIRECTOR: João Fernandes (CIEJ TE-95) jfernandes@opiniaopublica.pt

informacao@opiniaopublica.pt Carla Alexandra Soares (CICR-248), Cristina Azevedo (CPJ 5611), Magda Ferreira (CPJ 4625) e Sofia Abreu Silva (CPJ 10952).

CHEFE DE REDACÇÃO:

DESPORTO: Bruno Marques (CPJ 8022),

GERÊNCIA: João Fernandes

PROPRIEDADE E EDITOR:

Cristina Azevedo (CPJ 5611) cristina@opiniaopublica.pt

Jorge Humberto, José Clemente (CNID 297) e Pedro Silva (CICR-220).

CAPITAL SOCIAL: 350.000,00 Euros.

comercial@opiniaopublica.pt Agostinha Bairrinho, Maria Fernanda Costa e Sónia Alexandra

EDITAVE Multimédia, Lda. NIPC 502 575 387

20.000 exemplares, nº 954

Tel.: 252 308145 • Fax: 252 308149

NÚMERO DE REGISTO: 115673

Serviços Administrativos:

DEPÓSITO LEGAL: 48925/91

Tel.: 252 308146 / 252 308147 • Fax: 252 308149

IMPRESSÃO: Naveprinter - Indústria Gráfica do Norte, SA Estrada Nacional, 14 - Maia


pública: 18 de Agosto de 2010 03

cidade

Reunião de Câmara com agenda extensa mas sem discussão política

Carla Alexandra Soares Na sexta-feira de manhã decorreu uma sessão ordinária da reunião do executivo camarário, sendo que os protocolos com as freguesias estiveram em destaque [Ver notícia pág.6]. No capítulo das Obras Municipais, surgiu a informação da não adjudicação da instalação de reguladores de fluxo de iluminação pública. Recordo que numa reunião do executivo do passado mês de Março, a autarquia apresentou um estudo realizado para a instalação de reguladores do fluxo luminoso na zona urbana de Famalicão, tendo em vista a melhoria da eficiência energética. É que, além da redução do consumo energia, a aplicação desta medida contribuiria também para a redução das emissões de CO2. Nessa mesma reunião, o vereador do Ambiente, adiantou que, ao final de um ano, seriam menos de 430 toneladas de CO2 só no núcleo urbano da cidade. Agora surge a não adjudicação dessas mesmas instalações, sendo que no final da reunião da passada sexta-feira, aos jornalistas, Armindo Costa explicou que nenhuma das empresas preencheu os requisitos exigidos pelo concurso. “É uma matéria bastante tecnológica e não concorreram muitas empresas. Quando alguém fica em primeiro, a que ficou em segundo reclama e neste caso havia motivo para isso.

Quando o segundo passou para primeiro, veio a empresa que ficou em terceiro e disse que havia ali qualquer irregularidade, porque tinha um texto qualquer em inglês. A lei é clara e por isso tivemos que anular também este caso. Mas o terceiro também tinha pecados e, partir daí, tivemos que acabar com o concurso. Foram todos chumbados”, explicou o edil. Apesar de neste momento a proposta ter sido retirada, o edil adiantou que em Setembro o assunto voltará a discussão e será aberto novo concurso. Tal como já é habitual nesta altura do ano, foi aprovada a proposta da aquisição dos livros escolares do 1º ciclo do ensino básico, em que vão ser gastos cerca de 240 mil euros. Os vereadores socialistas, tal como já vem acontecendo desde que a medida foi implementada, abstiveram-se. No período antes da ordem do dia, surgiram duas propostas do Urbanismo referentes à urbanização das Bétulas, onde vão ser instaladas as famílias ciganas da Estação. As propostas visam a ratificação do auto de suspensão parcial dos trabalhos, tendo com conta a necessidade de rever esses mesmos trabalhos e uma segunda adicional, prorrogação de prazo e trabalhos supridos. Na prática, a obra deverá sofrer um atraso na sua conclusão. Na reunião de Câmara foi ainda aprovada por unanimidade a proposta da 27ª edição da Feira de Ar-

António Freitas

Redução do consumo de energia adiada

Proposta para a instalação dos reguladores do fluxo de iluminação deve voltar a discussão em Setembro

tesanato e Gastronomia de Famalicão, que vai custar 65 mil euros. Na altura, o vereador da Cultura, Paulo Cunha, referiu que se pretende que o certame mantenha a qualidade

de anos anteriores. A feira decorre de 3 a 12 de Setembro no antigo campo da Feira e, como já é habitual, para além do artesanato e gastronomia ineren-

tes, a música estará também em destaque com as presenças de Maria do Sameiro, Alvorada Musical, Terra Divinu’s, Emanuel, Costinha, YURA e Magina Pedro. veja a reportagem www.famatv.pt

pub


04

pública: 18 de Agosto de 2010

cidade

Cineasta é o convidado da iniciativa “Um Livro, Um Filme”

Secundária Camilo lança concurso de ideias A Escola Secundária Camilo Castelo Branco, de Famalicão, no âmbito da modernização do parque escolar, decidiu abrir um concurso público para a apresentação de ideias sobre a elaboração do Projecto do “Painel central do átrio da escola”. São convidados a participar todos os autores individuais ou em equipa que se sintam participantes da comunidade educativa e envolvente desta Escola. Haverá lugar à atribuição de prémios e a obra correspondente ao 1º prémio será executada de acordo com as indicações do seu autor e colocado no lugar no centro daquele estabelecimento de ensino. Ao primeiro lugar será atribuído um prémio de 400 euros, ao segundo, 200 euros, e ao terceiro 100 euros. Haverá ainda atribuição de menções honrosas. As propostas a apresentar serão constituídas por um projecto

Manoel d’Oliveira em Famalicão

feito a uma escala adequada e por uma memória descritiva esclarecedora da proposta, das técnicas a utilizar e das suas condições de execução. Em termos de temáticas, a secundária esclarece que o patrono da escola é o escritor Camilo Castelo-Branco, não se pretendendo limitar o tema, ou temas a trabalhar, à figura do referido escritor. Antes “se considerará uma leitura mais contemporânea e transversal da sua obra, com o que isso implicar na formação dos ideais dos nossos jovens”. A entrega far-se-á pessoalmente na Secretaria da Escola, mediante comprovativo de entrega, ou via postal. As propostas deverão ser apresentadas até ao último dia útil do mês de Outubro deste ano. Os interessados deverão consultar o regulamento do concurso de ideias em http://www.esccb.pt.

Governo Civil reforça apoio aos Bombeiros O Governo Civil de Braga atribuiu um subsídio excepcional às corporações de bombeiros do distrito, anunciou, em comunicado, na quintafeira da semana passada. Afirma ter “um carinho muito especial” por todas as corporações de bombeiros voluntários do distrito, “pois sabe, como poucos, a exemplar dedicação e trabalho real que têm no terreno na ajuda às populações, no socorro, no combate aos incêndios, etc”. Assim, o governo civil decidiu atribuir-lhe um subsídio excepcional, consciente de que esta é uma fase em que os bombeiros despendem “tanto esforço nos permanentes ataques aos incêndios florestais”. Na nota à imprensa, o governo civil diz que espera ainda poder voltar reforçar o apoio financeiro “de novo ainda durante o corrente ano”.

Espaço t promove Formação Inicial de Formadores O Espaço t – Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária inicia, no próximo mês de Setembro, o curso de “Formação Pedagógica Inicial de Formadores”. O curso decorrerá nas instalações do Espaço t, delegação da Trofa, e está devidamente homologado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional. A formação tem a duração de 123 horas, com um custo de 250 euros. Para os interessados, as inscrições podem ser feitas nas instalações do Espaço t, na Rua Infante D. Henrique, 246 – 248, 4785187, na Trofa, ou através dos telefones 252 416 336 e 916 783 029. pub.

Quase vinte anos depois da estreia do filme “O Dia do Desespero”, que relata a história verídica dos últimos anos de vida do romancista Camilo Castelo Branco, o cineasta Manoel d’Oliveira regressa a Famalicão, onde filmou a película, para revelar os pormenores das filmagens e recordar o guião. O realizador mais velho do mundo ainda em actividade – completa 102 anos de vida em Dezembro – é o próximo convidado da iniciativa “Um Livro, Um Filme”, promovida pela Câmara de Famalicão, através do Centro de Estudos Camilianos, em S. Miguel de Seide. O evento que já trouxe a Famalicão personalidades como Pacheco Pereira, Luís Filipe Menezes, Maria João Avillez e Júlio Isidro entre muitos outros, realiza-se no dia 24 de Setembro, sexta-feira, pelas 21h30 e tem entrada livre. Manoel d’Oliveira, que recebeu em 2005, o troféu Pena de Camilo, no âmbito do Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Famalicão, mantém desde há muito uma ligação forte com a obra literária camiliana, tendo realizado filmes como “Amor de Perdição” e “Francisca”, do qual faz parte a personagem de Camilo, para além de “O Dia do Desespero”. De resto, um dos primeiros filmes de Manoel Oliveira, realizado em 1940, denomina-se precisamente "Famalicão", e é um documentário onde se apresenta o município como um centro de comunicação rodoviária e ferroviária, entre várias localidades do Norte. "O Dia do Desespero", que foi filmado em 1991 e estreou um ano depois, conta a história verídica dos

últimos anos do eminente escritor português de século XIX, Camilo Castelo Branco. Esta evocação baseia-se, fundamentalmente, em algumas das suas cartas. Os textos são, assim, o fio condutor da evolução dramática de um homem viril, polémico e romântico que contrastava com o espírito funesto, instável e inconformado. A vida de Manoel d’Oliveira Manuel Cândido Pinto de Oliveira nasceu no Porto no seio de uma família da burguesia industrial a 11 de 1908. Interessou-se desde muito novo pelo cinema graças a seu pai que o levava a ver fitas de Charles Chaplin e Max Linder, despertando-lhe o interesse para a sétima arte. Com vinte anos, inscreveu-se na Escola de Actores de Cinema, fundada por Rino Lupo, que frequentou, com o irmão Casimiro de Oliveira, por um só dia, e participaram como figurantes num filme deste realizador, Fátima Milagrosa (1928). Em 1930, o pai comprou-lhe a película e uma máquina Kinamo com a qual começou a filmar “Douro, Faina Fluvial”, com o fotógrafo amador António Mendes. Trabalho inspirado no filme de Walter Ruttman - Berlim, Sinfonia de uma Capital (1927). A 21 de Setembro de 1931 estreia a versão muda do “Douro, Faina Fluvial” no V Congresso Internacional da Crítica, o qual despertou violentas reacções dos nossos críticos e elogios dos estrangeiros. As críticas são centradas na forma como estrutura os filmes e a lentidão com que se desenrola a acção. Em 1933, volta a ser actor, desta vez na Canção de Lisboa, de Cotti-

ALBINA FERREIRA PENICHE

Parabéns Mãe, pelos teus 90 anos de muito carinho, desejamos-te um Feliz Aniversário Fradelos, 18 de Agosto A tua Familía Os Barreiras

nelli Telmo. Passado um ano estreou a versão sonora de Douro, além fronteiras, que o consagrou como cineasta. Em 1940 casou com Maria Isabel Brandão Carvalhais continuando ainda casados. Dois anos depois realizou a sua primeira longa-metragem: “Aniki-Bóbó”. Em 1955 foi à Alemanha, Leverkussen, fazer um estágio intensivo nos laboratórios da AGFA, para estudar a cor aplicada ao cinema, que veio mais tarde (1957) a aplicar no documentário, “O Pintor” e a “Cidade”. A partir de 1971, com “O Passado e o Presente”, acumularamse os galardões e os louvores, assim como as polémicas à volta da sua obra. Recebe em 1980, a Medalha de Ouro pelo conjunto da sua obra, atribuída pelo CIDALC. Mais tarde, em 1985, voltou a ser galardoado com o Leão de Ouro pelo seu filme, “Le Soulier de Satin”, no Festival de Veneza. Data de 1987 o seu último documentário, “A propósito da Bandeira Nacional”, filme de arte sobre uma exposição do pintor Manuel Casimiro de Oliveira (seu filho), em Évora. Desde então tem mantido um ritmo imparável de trabalho (uma longa metragem por ano), alcançando prestígio junto das instituições oficiais, francesas especialmente, mas também as portuguesas, nomeadamente o IPACA. Em 1988 apresentou “Os Canibais” ao Festival de Cannes. Em 1990, no mesmo evento cinematográfico exibiu extra concurso “Non ou a Vã Glória de Mandar”, o qual lhe valeu uma menção especial do júri oficial. Sucederam-se as homenagens, os preitos e as honrarias em “Veneza” (1991), “La Carmo” (1992), “Tóquio” (1993), “São Francisco e Roma” (1994), que lhe dão um prestígio mundial. Neste mesmo ano participou na Viagem a Lisboa de Wim Wenders. Em 1995, a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) atribui-lhe o Prémio Carreira, inserido na comemoração do centenário do cinema. Para terminar e completar este quadro sobre Manoel d’Oliveira resta-nos ver um documentário autobiográfico: “A Visita - Memórias e confissões”, feito em 1982 mas a ser projectado unicamente após a sua morte, por desejo expresso do autor.


cidade

pública: 18 de Agosto de 2010 05 pub.

Colisão entre duas viaturas na Avenida Dr. Carlos Bacelar

Acidente aparatoso fere um homem

Muitas pessoas assistiram ao trabalho dos bombeiros

Um acidente aparatoso, ao final da manhã de quinta-feira, na Avenida Dr. Carlos Bacelar, na cidade, provocou um ferido de média gravidade. Tratou-se de uma colisão entre dois veículos ligeiros, por volta das 11 horas, no sentido Sul/Norte (entre a Rotunda Bernardino Machado e a Rotunda de Santo António), quase em frente ao quartel dos Bombeiros Voluntários Famalicenses. Ao que o OPINIÃO PÚBLICA conseguiu apurar, uma viatura que circulava na avenida foi embater na traseira de uma outra que se encontrava parada, mesmo em frente ao quiosque que ali existe. Com o impacto, o veículo que estava parado, da marca Fiat Punto e cor branca, foi projectado contra o pilar da ponte pedonal que dá acesso à Biblioteca Municipal.

O condutor deste automóvel ficou preso no interior do carro e foram precisas manobras de desencarceramento para o socorrer, tendo os trabalhos demorado cerca de 45 minutos. “A remoção ainda foi um bocadinho difícil, mas rapidamente se criou acessos para a vítima sair”, explicou Bruno Alves, dos Bombeiros Voluntários Famalicenses, que estiveram no local com nove homens, a viatura de desencarceramento e uma ambulância. O homem sofreu ferimentos de média gravidade, “ao nível dorsal/lombar e da cervical”, segundo aquele responsável, tendo sido encaminhado para o Hospital de Famalicão. Apenas seguia uma pessoa em cada uma das viaturas envolvidas, sendo que o condutor da outra viatura, de marca BMW e cor cinzenta,

abandonou o local do acidente. O OP apurou mais tarde que o proprietário deste carro tinha-o dado como furtado em Braga. Quanto à vítima deste acidente, reside em Santiago da Cruz e é cliente habitual do quiosque que ali existe. “Como é habitual, ele vem cá, pára, tem sempre muito cuidado, põe sempre os piscas. Hoje já tinha vindo cá e já estava dentro do carro para ir embora”, contou Deolinda Vale, a proprietária do quiosque, adiantando que não viu o acidente, apenas ouviu “um grande estrondo”. O trânsito na Avenida Dr. Carlos Bacelar esteve cortado no sentido sul/norte durante cerca de uma hora e no local juntaram-se muitos curiosos para observarem o trabalho dos bombeiros e da polícia. veja a reportagem www.famatv.pt M.F.

PJ detém assaltantes de farmácias e gasolineiras A Polícia Judiciária (PJ) anunciou, na quinta-feira passada, que, em colaboração com a PSP do Porto, deteve três jovens suspeitos da prática de “pelo menos 16 roubos” a farmácias e postos de abastecimento de combustíveis do Grande Porto e Famalicão. Em comunicado, a PJ refere que os crimes registaramse entre 20 de Novembro de 2009 e terça-feira da semana passada, dia 10 de Agosto, nos concelhos do Porto, Gaia, Maia, Matosinhos, Santo Tirso, Paredes e Famalicão. As autoridades esclarecem que “os detidos tinham como alvos preferenciais estabelecimentos de farmá-

cia e postos de abastecimento de combustíveis, sendo que o mais novo deles apenas participou num dos crimes”. “Habitualmente aproveitavam ocasiões em que apenas se encontravam os funcionários dos estabelecimentos que eram ameaçados com a exibição de uma arma de salva, em tudo idêntica a arma de fogo verdadeira, e obrigados a entregar-lhes o dinheiro existente na caixa registadora”, relata a PJ. Os detidos, dois de 24 anos e um de 18 anos, um serralheiro, um desempregado e um estudante, não têm antecedentes criminais conhecidos.

Associação Moradores das Lameiras foi à Feira Medieval Meia centena de crianças e jovens do Edifício das Lameiras, da freguesia de Antas, participou no passado dia 6 de Agosto numa viagem medieval a Santa Maria da Feira, onde tiveram a oportunidade de interagir com a população daquela localidade que, no período de 28 de Junho a 8 de Agosto, apresentou uma recriação da Idade Média. As crianças e jovens tiveram oportunidade de participar em diversas actividades e experimentar como os nossos antepassados viveram naquela época.


06

pública: 18 de Agosto de 2010

cidade

Na última reunião do executivo camarário

PCP quer intervenção da ACT na “Sacramento Têxteis”

Subsídios para freguesias em destaque Na reunião do executivo camarário da passada sexta-feira, as freguesias estiveram em destaque. Ao todo foram contempladas 11 freguesias, num total de 12 verbas atribuídas, umas de reforço e outras para a execução da obra. Apesar do voto favorável dos socialistas, o vereador Orlando Oliveira questionou o prazo das referidas obras, sendo que algumas delas já foram concluídas “em tempos de eleições”. Na resposta, o vereador das Freguesias, Paulo Cunha, apontou as obras que ainda estão a decorrer, ou vão começar. A Junta de Freguesia da Cabeçudos vai receber um reforço de verba de 15 mil euros para o arranjo urbanístico do Parque do Souto. O mesmo valor de re-

forço vai receber a Junta da Carreira para o Parque de Lazer construído na freguesia. A Junta de Fradelos foi contemplada com um subsídio de 70 mil euros para a construção do parque de estacionamento junto ao cemitério local. Já a Junta de Jesufrei vai receber um subsídio de cinco mil euros para a construção do Fontanário do Bairro e a autarquia da Lagoa um reforço de 26.700 euros para a envolvente ao adro da igreja. A autarquia de Landim viu aprovado um reforço de verba no valor de 35 mil euros para a envolvente à Rua Senhora do Carmo; a Junta de Pedome viu ser-lhe atribuído um reforço de verba de 10 mil euros para o adro da igreja.

Para o arranjo urbanístico do Largo José da Silva Freitas, na freguesia de Pousada de Saramagos, foi atribuído um reforço de 15 mil euros, e a vila de Ribeirão viu ser-lhe atribuída uma verba de 100 mil euros para os arruamentos Rua S. João/João José da Silva Libório/Escolas da Portela/Curros/Portela Nova. A Junta de Freguesia de Seide S. Miguel vai receber um subsídio de cerca de 60 mil euros para reparações e rectificações nas ruas Raquel Castelo Branco e Seara e, finalmente, a autarquia de S. Cosme do Vale vai receber um subsídio de 10 mil euros para o cemitério e um reforço para a requalificação do adro da igreja. C . A. S. O Comité Têxtil do Distrito de Braga do PCP entende que os motivos apresentados pela empresa “Sacramento – Têxteis S.A.” para o despedimento dos 80 trabalhadores “devem merecer da parte do organismo fiscalizador – Autoridade para as Condições do Trabalho – uma intervenção profunda para se certificar até que ponto tem fundamento a justificação apresentada”. Recorde-se que aquela têxtil de Oliveira S. Mateus despediu, de um dia para o outro, no início do mês, 80 trabalhadores. Aquele organismo do PCP entende que foi uma atitude “escandalosa” e em comunicado pede a acção da ACT. “Segundo informações re-

colhidas junto dos trabalhadores da firma, a Sacramento – Têxteis S.A. abriu empresas noutros países, a exemplo da Tunísia, e as mesmas fontes informaram ainda que esta empresa dá produção para outras confecções da nossa região. Neste contexto não há razões que justifiquem colocar vencimentos salariais em atraso aos trabalhadores”, avança, em comunicado. Nesse sentido, o PCP diz que vai, “mais uma vez”, intervir junto do Governo para solicitar o apuramento dos factos, lembrando que “estas jogadas económicas por parte do patronato causam problemas sérios aos trabalhadores e, ao mesmo tempo, vêm acarretar mais encargos para a Segurança Social”.

António Freitas

Ladrão apanhado pelo proprietário de habitação em Bairro O arranjo da área envolvente à Igreja da Lagoa recebeu um reforço de verba

Homem morre a comer sande de presunto Um homem de 41 anos, natural de Joane, Famalicão, morreu sufocado quando comia uma sande de presunto, em Santa Bárbara, Arcos de Valdevez. O incidente ocorreu, na passada quarta-feira, depois do regresso a casa, após mais um dia de trabalho de Agostinho Braga, funcionário das Águas do Noroeste. O homem estava a lanchar uma sandes de presunto na companhia da mulher quando se en-

gasgou e sufocou. Em situação de desespero o casal, que não tem filhos, terá saído para o exterior, visto que vivem num rés-do-chão, no centro da vila, em frente à zona escolar de Arcos de Valdevez. Perante o marido em agonia, a esposa nada conseguiu fazer. Aliás, os familiares mostraramse indignados, segundo o JN, uma vez que os meios de socorro demoraram 30 minutos a chegar ao local, embora exista um centro de saúde a cerca de 600 metros da

casa. Depois, o corpo de Agostinho Braga acabaria por ficar quatro horas na rua à espera que o delegado de saúde de Caminha e a GNR de Ponte de Lima chegassem, o que também não é compreensível para a família. O funeral realizou-se na passada sexta-feira na freguesia de Joane, onde foi sepultado. Segundo os familiares, Agostinho era saudável e tinha preocupação com o seu físico, pois fazia cinco quilómetros a pé por dia.

Um homem de 60 anos foi detido pela GNR de Riba d’ Ave por ter sido apanhado em flagrante a tentar furtar no interior de uma habitação, na Avenida Padre Manuel Salazar, na freguesia de Bairro, pelo proprietário da casa, na madrugada de domingo. O ladrão tinha na sua posse uma arma branca, que usou para arrombar a porta da moradia, assim como uma lâmina com a qual cortou a vedação.

Tudo aconteceu por volta das 03h40 de domingo e o ladrão terá aproveitado o facto de o proprietário, de 26 anos, se ter ausentado da habitação. Após ter sido surpreendido, ainda tentou escapar, mas o dono da casa trancouo à chave numa divisão e chamou os guardas, que rapidamente se deslocaram ao local. As armas foram-lhe apreendidas pelas autoridades.

Três brasileiras detidas em Landim Três mulheres de nacionalidade brasileira foram detidas na madrugada de sábado, durante uma operação de fiscalização ao bar Quinta da Seara, na freguesia de Landim. Segundo avançou o jornal Correio da Manhã na edição de domingo, as três mulheres foram detidas pela GNR de Riba d’Ave a trabalhar naquela casa de diversão nocturna e encontravam-se em situação ilegal em Portugal. Com 39, 40 e 42 anos de idade, as detidas foram ouvidas ainda no sábado no Tribunal de Santo Tirso, tendo o juiz ordenado a sua extradição para o Brasil.


freguesias

No domingo caiu parte de um eucalipto de grande porte

Árvores preocupam população em Requião Sofifiaa Abreu Silva Um ramo de um eucalipto de grande dimensão caiu na madrugada da passada segunda-feira, na freguesia de Requião, na Rua Santa Luzia. A queda deu-se por volta das três da manhã e assustou os moradores daquela zona que já há algum tempo tinham alertado diversas entidades para a situação das árvores, que estão visivelmente inclinadas para a rua. Alexandrina Dinis, proprietária de uma moradia para onde as árvores estão direccionadas, contou ao OP que o barulho assustou a população e pede, agora, que a situação seja resolvida. “Viemos a correr e vimos que o cano tinha caído no meio da estrada”, descreveu. “Já tinha alertado a Protecção Civil e o presidente da Junta, mas na altura disseram-me que não havia risco de queda, mas agora caiu”, acrescentou. Alexandrina Dinis pretende, assim, que cortem os pinheiros que estão mais perto da sua casa. Precisamente, poucos minutos antes da queda do ramo do eucalipto, José Teixeira, morador naquela rua, tinha acabado de passar pelo local com o filho. “Apenas houve tempo para meter o carro na garagem e ia nas escadas quando parte da árvore caiu. O perigo já está aqui há muito tempo”, disse. Também o autarca de Requião, João Pereira, considera que a questão tem de ser solucionada, mas para tal é necessária a identificação do proprietário

Ramo de eucalipto caiu na madrugada de segunda na Rua Santa Luzia em Requião

do terreno, o que não tem sido fácil. “Cheguei a falar com a Protecção Civil não de forma oficial, mas oficiosa, e disseram-me que temos de saber quem é o proprietário, porque não sabemos ao certo quem é”, afirmou. O presidente da Junta admite que as árvores estão inclinadas “sobre os fios de electricidade e casas” e se “há perigo a Protecção Civil deve tomar as precauções e depois o proprietário aparece”, sustenta. Entretanto, a remoção de parte do eucalipto foi realizada pelos Bombeiros Voluntários de Famalicão e durante a noite a GNR também esteve no local. Árvores não estão doentes Ontem, terça-feira, Manuela Marinho, técnica florestal da Protecção Civil, esteve no local e explicou ao OP que numa análise visual, “as árvores

não estão doentes e não há risco eminente de queda”. Esclarece ainda que aquele terreno “é rochoso e os eucaliptos precisam de água, os ramos acabam por secar e quebram, mas isso não quer dizer que árvores estejam doentes”. Relativamente à distância das árvores em relação às habitações, neste caso a lei é cumprida: “é superior a 5 metros”, garante a técnica. A inclinação das árvores deve-se, ao facto, diz Manuela Marinho, das árvores crescerem “à procura de luz”. Em síntese, esta especialista entende que para salvaguardar os vizinhos e transeuntes a solução é sensibilizar o proprietário para podar as árvores. “Uma poda geral sem condicionar o equilíbrio da árvore, mas não vejo necessidade de remover a árvore”, conclui.

pública: 18 de Agosto de 2010 07

Um jovem de 25 anos perdeu a perna

Carro atropela dois jovens na Carreira Um despiste feriu, na noite de terça-feira da semana passada, duas pessoas na freguesia da Carreira. O acidente ocorreu pelas 20h30, na Estrada Nacional 204/5, quando um veículo ligeiro se despistou e foi bater em dois jovens que estavam sentados no exterior de uma habitação, junto à estrada. Os amigos Rui Marinho, de 24 anos, e Bárbara Veloso, de 16, estavam a conversar à porta da casa da jovem, quando foram surpreendidos por um carro desgovernado que entrou em despiste e os atropelou. O jovem, que foi transportado de urgência para o Hospital de Famalicão, ficou ferido com gravidade e ficou com a perna amputada no local. Já a jovem sofreu ferimentos ligeiros no pé. Também o condutor do veículo foi transportado ao hospital, mas sem ferimentos de gravidade. Os dois amigos foram colhidos por um Opel Corsa, que seguia no sentido Carreira/Delães, e que ainda co-

lidiu contra um muro antes do atropelamento. O automóvel seguiria em excesso de velocidade e apenas conseguiu parar quando bateu na porta de uma outra habitação contígua. Segundo moradores daquela freguesia, o condutor do veículo tinha provocado há pouco tempo um outro acidente, sem vítimas. De resto, de acordo com o jornal Correio da Manhã, no dia do acidente, o condutor foi submetido a um teste de alcoolemia e o resultado foi positivo. Os Bombeiros de Riba d’ Ave socorreram as vítimas e a GNR local também esteve presente. Recorde-se que no início deste ano, um adolescente, de 13 anos, morreu, não resistindo aos ferimentos que sofreu na sequência de um atropelamento nesta estrada. Já uma outra senhora veio a falecer em 2009, vítima também de um atropelamento. Aliás, neste troço, em recta, muitos condutores ultrapassam a velocidade permitida. pub


08

pública: 18 de Agosto de 2010

publicidade

Juízos de Competência Cível de Vila Nova de Famalicão 3º Juízo Cível

Aluga-se T3

Av. Eng. Pinheiro Braga, nº 1000 - 4764-501 Vila Nova de Famalicão Telef.: 252303510 Fax: 252322002 Mail: vnfamalicao.civ@tribunais.org.pt

Próximo Centro de Famalicão

ANÚNCIO

325.00€ c/condomínio incluído

Processo: 2144/08.1TJVNF Acção de Processo Ordinário N/Referência: 2944256 Data: 19-07-2010 Autor: Irmãos Vila Nova, S.A. Réu: Maria Helena Proença Serralheiro Marques Machado e outro(s)...

Contacto: 910 962 132

Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação deste anúncio, citando: Réu: Clarence Augusto Pereira Machado, filho(a) de, estado civil: Divorciado, domicilio: Rua António Maia, 9, 3º Dtº, Vendeira - Amadora, 2720-044 Amadora. Com última residência conhecida na(s) morada(s) indicada(s) para, no prazo de 30 dias, decorrido que seja o dos éditos, contestar, querendo, a acção, com a cominação de que a falta de contestação importa a confissão dos factos articulados pelo(s) autor(es) e que em substância o pedido consiste tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à disposição do citando. O prazo acima indicado suspende-se, no entanto, nas férias judiciais e durante o periodo de 15 a 31 de Julho. Fica advertido de que Não é obrigatória a constituição de mandatário judicial. O Juiz de Direito Dr. Manuel Alexandre Gonçalves Ferreira O oficial de justiça, Ricardo Nuno Dias

ORAÇÃO A SANTO EXPEDITO Oração - Meu Santo Expedito das Causas Justas e Urgentes.Socorrei-me nesta hora de Aflição e Desespero, intercedei por mim junto ao Nosso Senhor JESUS CRISTO! Vós que sois um santo guerreiro.Vós que sois o santo dos aflitos.Vós que sois o santo dos desesperados.Vós que sois o santo das causas urgentes, protegei-me ajudai-me, dai-me força, coragem e serenidade, atendei o meu pedido:”Fazer o pedido”. Ajudai-me a superar estas horas dificeís, protegei-me de todos os que possam me prejudicar, protegei a minha família, atendei o meu pedido com urgência. Devolvei-me a paz e a tranquilidade. Serei grato pelo resto da minha vida e levarei seu nome a todos o que tem fé. Obrigado, Rezar 1 Pai Nosso, 1 Avé Maria e fazer o Sinal da Cruz. Em agradecimento, mandei publicar e distribui um milheiro desta oração, para propagar os benefícios do grande Santo Expedito.Mande você também publicar imediatamente o meu pedido.

Notas: -Solicita-se que na resposta seja indicada a referência a este documento. - As férias judiciais decorrem de 22 de Dezembro a 3 de Janeiro; de domingo de Ramos à segunda-feira de Páscoa e de 1 a 31 de Agosto. - Nos termos do art.º 32.º do CPC. é obrigatória a constituição de advogado nas causas da competência de tribunais com alçada, em que seja admissível recurso ordinário; nas causas em que seja admissível recurso, independentemente do valor, nos recursos e nas causas propostas nos tribunais superiores.

Serenidade Uma vidente é alguém que procura ajudar os outros na procura da sua paz interior. Permita-me que o/a ajude. Uso Tarot

Acção de Processo Ordinário n.º 2144/08.1TJVNF 2944256 REM. Electrónica 19-07-2010, de édito(s) e cópia à Secção de Serviço Externo O oficial de justiça, Ricardo Nuno Dias

Telm.:910 188 653

2ª Publicação - Jornal Opinão Publica, 18 de Agosto de 2010

Passa-se Carro de Táxi Por motivos vários Contacto: 252 921 285

SUCATA CURRAL DE MOINAS Cobre de 3,90€ a 4,50€ Latão de 1,60€ a 2,00€ Inox de 0,70€ a 0,95 € Motores de 0,20€ a 0,25€ Alumínio de 0,65€ a 0,80€

Ferro Recolha de Sucata ao domicílio Contacto: 931 989 019

Transportes de Mercadorias Mudanças - Distr. de Publicidade

Juízos de Competência Cível de Vila Nova de Famalicão 3º Juízo Cível Av. Eng. Pinheiro Braga, nº 1000 - 4764-501 Vila Nova de Famalicão Telef.: 252303510 Fax: 252322002 Mail: vnfamalicao.civ@tribunais.org.pt

ANÚNCIO Processo: 2144/08.1TJVNF Acção de Processo Ordinário N/Referência: 2944348 Data: 19-07-2010 Autor: Irmãos Vila Nova, S.A. Réu: Maria Helena Proença Serralheiro Marques Machado e outro(s)... Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação deste anúncio, citando: Réu: Maria Helena Proença Serralheiro Marques Machado, filho(a) de José Marques e de Maria Piedade Proença Serralheiro, estado civil: Divorciado, nascido(a) em 02-03-1962, freguesia de Barco (Covilhã), nacional de Portugal, BI - 04382782, domicilio: Rua dos Operarios Agricolas, Edific. Panorámicos, Lt.1-1º esq., 2135-322 Samora Correia com última residência conhecida na(s) morada(s) indicada(s) para, no prazo de 30 dias, decorrido que seja o dos éditos, contestar, querendo, a acção, com a cominação de que a falta de contestação importa a confissão dos factos articulados pelo(s) autor(es) e que em substância o pedido consiste tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à disposição do citando. O prazo acima indicado suspende-se, no entanto, nas férias judiciais e durante o periodo de 15 a 31 de Julho. Fica advertido de que Não é obrigatória a constituição de mandatário judicial. O Juiz de Direito Dr. Manuel Alexandre Gonçalves Ferreira O oficial de justiça, Ricardo Nuno Dias Notas: -Solicita-se que na resposta seja indicada a referência a este documento. - As férias judiciais decorrem de 22 de Dezembro a 3 de Janeiro; de domingo de Ramos à segunda-feira de Páscoa e de 1 a 31 de Agosto. - Nos termos do art.º 32.º do CPC. é obrigatória a constituição de advogado nas causas da competência de tribunais com alçada, em que seja admissível recurso ordinário; nas causas em que seja admissível recurso, independentemente do valor, nos recursos e nas causas propostas nos tribunais superiores.

Acção de Processo Ordinário n.º 2144/08.1TJVNF 2944348 REM. Electrónica 19-07-2010, de édito(s) e cópia à Secção de Serviço Externo

ALVARÁ N.º 14030/2007 Tlm. 968 380 719 - 916 938 215 E-mail: franciscopinto_@hotmail.com

O oficial de justiça, Ricardo Nuno Dias 2ª Publicação - Jornal Opinão Publica, 18 de Agosto de 2010

SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO PARA CABELEIREIROS

PART-TIME Colaborador para entregas e montagens de mobiliário

C´tudio team: Técnicas avançadas de cor e corte. Método: teoria e apresentação Duração: 1 dia, horário: 10.30h ás 17.30h 20 Setembro Max. 10 participantes preço: 90€ inscrições : 916272705

Requisitos: Experiência na área Responsabilidade Profissionalismo Dinamismo Transporte de mercadorias próprio (médio) Disponibilidade imediata

"c´tudio team é uma equipe de profissionais com vasta experiência de mercado e formação nacional e internaçional, que partilha o conhecimento e técnicas de uma maneiraprática e inovadora"

Agradeço o envio de proposta para este jornal, acompanhada por uma fotografia. Resposta ao anúncio 936

Diogo Restaurante e Snack-bar Informa todos os seus clientes que durante o mês de Agosto não encerra à terça-feira Está aberto todos os dias CARTÓRIO NOTARIAL de Lic. ANÍBAL CASTRO DA COSTA Rua Conselheiro Santos Viegas, Edifício Domus III, Lojas 3 e 4, VILA NOVA DE FAMALICÃO Certifico, para efeitos de publicação que, por escritura de hoje, lavrada de fls. 79 a fls. 82, do livro de notas para “escrituras diversas” número 167-A, deste Cartório, Deolinda de Fátima da Silva Aguiar Ferreira, N.I.F. 158.118.278, viúva, natural da freguesia de Cavalões, concelho de Vila Nova de Famalicão, residente na Rua do Divino Salvador, n.º 59, Joane, Vila Nova de Famalicão; José Paulo Aguiar Ferreira, N.I.F. 202.722.210, natural da freguesia de Joane, concelho de Vila Nova de Famalicão, onde reside na dita Rua do Divino Salvador, n.º 59, casado com Maria Sofia Ferreira, no regime de comunhão de adquiridos; Francisco Alexandre Aguiar Ferreira, N.I.F. 202 722. 201, natural da dita freguesia de Joane, residente na dita Rua do Divino Salvador, n.º 59, casado com Helena Susana da Costa Machado Ferreira, no regime de comunhão de adquiridos; e Pedro Miguel Aguiar Ferreira, N.I.F. 212.163.485, natural da dita freguesia de Joane, onde reside na dita Rua do Divino Salvador, n.º 59, casado com Andreia Filipa Pinto da Silva, no regime da comunhão de adquiridos, com o consentimento dos respectivos cônjuges, declararam que são donos e legítimos possuidores, com exclusão de outrem, em comum e na proporção de uma quarta parte indivisa para cada um deles, do PRÉDIO URBANO, composto de casa de habitação de rés-do-chão e andar, com a área coberta de oitenta e cinco metros quadrados, e quintal com a área de oitocentos e noventa e nove metros quadrados, sito na Rua Divino Salvador, n.º 59, lugar de Montinhão ou Montinho, freguesia de Joane, concelho de Vila Nova de Famalicão, descrito na Conservatória do Registo Predial de Vila Nova de Famalicão sob o número dois mil cento e trinta e quatro – Joane (extractada da descrição dezanove mil trezentos e quarenta e dois, do livro B- cinquenta e oito), inscrito na respectiva matriz em nome dos aqui justificantes sob o artigo 2.235 (anteriormente inscrito na matriz sob o artigo 159 urbano), mas com participação para a sua actualização, apresentada no Primeiro Serviço de Finanças de Vila Nova de Famalicão em 10/08/2010, com o valor patrimonial de e o atribuído de QUARENTA MIL E NOVECENTOS euros. Que a divergência da área entre a aqui declarada e a constante da escritura de Habilitações e Partilha adiante referida, deve-se a simples erro de medição, não tendo o referido prédio sofrido qualquer alteração na sua configuração, conforme se verifica pela planta topográfica adiante arquivada, elaborada por técnico habilitado. Que este prédio está inscrito na Conservatória do Registo Predial de Vila Nova de Famalicão, a favor de:_João Ferreira de Carvalho, casado, da freguesia de Joane, conforme inscrição apresentação cinco, de trinta de Janeiro de mil novecentos e nove. Que a partir daí, se deram as seguintes transmissões: A) – Que por escritura de compra e venda, outorgada por volta do ano de mil novecentos e vinte, o referido João Ferreira de Carvalho, e mulher, Maria da Costa Ferreira, venderam o referido prédio a Francisco Alves de Carvalho de Ferreira, e mulher, Maria Ribeiro dos Santos, casados no regime da comunhão geral, residentes que foram na dita freguesia de Joane; e B) – Que por escritura de Habilitações e Partilha, por falecimento do referido Francisco Alves de Carvalho Ferreira, outorgada em vinte e quatro de Outubro de mil novecentos e noventa e seis, iniciada a folhas quinze verso, do livro de notas para “escrituras diversas” número duzentos e um-B, do Primeiro Cartório Notarial de Vila Nova de Famalicão, foi adjudicada a raiz ou nua propriedade do referido prédio, em comum e na proporção de uma quarta parte indivisa para cada um dos aqui justificantes, ficando assim, o referido prédio cativo de usufruto a favor de Maria Ribeiro dos Santos, residente que foi na freguesia de Joane, nessa escritura devidamente identificada, pessoa esta, que entretanto faleceu, conforme se comprova pela certidão de assento de óbito, que adiante se exibe. Que se encontram impossibilitados de provar pelos meios extrajudiciais normais a transmissão da alínea A), uma vez que se desconhece qual o Cartório e Notário onde foi outorgada a referida escritura de compra e venda, apesar das várias e minuciosas buscas efectuadas em vários Arquivos e Repartições. Que para suprir tal título, vêm prestar estas declarações de justificação, em ordem ao reateamento do trato sucessivo. ESTÁ CONFORME E CONFERE COM O ORIGINAL NA PARTE TRANSCRITA. Vila Nova de Famalicão, dez de Agosto de dois mil e dez. O Notário, Lic. Aníbal Castro da Costa Publicação Única - Jornal Opinão Publica, 18 de Agosto de 2010


pública: 18 de Agosto de 2010 09

freguesias

Chamas continuavam activas 24 horas depois

Grande incêndio destrói armazém da Continental

Incêndio provocou uma nuvem de fumo visível a quilómetros de distância

Magda Ferreira* Previa-se que entrasse em fase de rescaldo ao início da noite de ontem, terça-feira, o incêndio industrial que deflagrou um dia antes no armazém da Continental Mabor, em Lousado. O violento fogo destruiu por completo o armazém onde a fábrica de pneus guarda as matérias-primas. As labaredas atingiram grandes dimensões e provocaram uma enorme coluna de fumo negro, visível a vários quilómetros de distância. O alerta foi dado por volta das 14h30 de segunda-feira e mobilizou uma grande quantidade de meios: mais de 70 homens e cerca de duas dezenas de viaturas de perto de uma dezena de corporações de bombeiros, nomeadamente de Famalicão, Famalicenses, Trofa, Vila das Aves, Tirsenses e Esposende. O fogo deflagrou no armazém da Continental Mabor, que fica nas antigas instalações da fábrica, na Rua do Rio Ave, a escassos metros da casa mãe, em Lousado. No local estavam agora armazenadas matérias-primas destinadas à produção de pneus, nomeadamente borracha sintética e natural e produtos químicos. Material em grande quantidade e altamente inflamável, que levou a que o incêndio atingisse grandes dimensões e provocasse elevadas temperaturas, dificultando o trabalho dos bombeiros. Inicialmente, tentaram o ataque directo às chamas, mas “a carga térmica muito elevada” e a “falta de condições de segurança” para entrar no armazém obrigaram os bombeiros a mudar de estratégia de combate, explicou o comandante dos Bombeiros Voluntários de Famalicão (BVF), Vítor Azevedo, em pleno palco de operações. Assim, menos de duas horas depois do início do fogo, os meios foram reposicionados e a preocupação passou a ser “proteger as edificações industriais à volta”, que, devido a esse trabalho, não estiveram em perigo. O telhado da estrutura aca-

baria por ruir pouco depois. De seguida, foi esperar que a matéria combustível ardesse até ao limite, o que ainda acontecia na tarde de terça-feira, dia em que uma nuvem de fumo cobria aquela zona do concelho e se estendia até à cidade. Nesse dia, já estavam no local apenas as duas corporações de bombeiros da cidade, que tentavam chegar ao epicentro do incêndio. “Temos cerca de 75% de área do perímetro de incêndio completamente dominada”, referia o segundo comandante dos BVF, Francisco Sampaio, a meio da tarde de terça-feira, mostrando-se confiante que o rescaldo estava para breve, mas que ia ser “extremamente demorado”. “Vai ter que ser levantado todo o entulho e eventualmente haverá pequenos reacendimentos que têm que ser combatidos conforme o material é extraído”, referiu. No armazém onde deflagrou o incêndio não há funcionários a trabalhar permanentemente. Terá sido o porteiro de outro pavilhão da Continental Mabor que se terá apercebido do fumo e dado o alerta. De imediato o corpo de emergência da empresa deslocou-se ao local, mas foi impotente perante a dimensão das chamas. No combate ao fogo, três bombeiros tiveram que ser transportados ao Hospital de Famalicão: um sofreu um traumatismo craniano ligeiro; outro foi afectado pela inalação de fumos; e o terceiro sofreu algumas queimaduras nas pernas. Nenhum deles inspirava cuidados e este último era o único que permanecia internado no hospital no dia seguinte. O presidente da Junta de Lousado, Manuel Martins, acompanhou de perto o trabalho dos bombeiros, classificando de “desastroso” o que aconteceu. O OP procurou chegar à fala com a administração da Continental Mabor, mas tal não foi possível. *com S.A.S. e P.M.

PJ investiga incêndio As causas do incêndio são ainda desconhecidas, mas o comandante dos Bombeiros de Famalicão não deixou de considerar “estranho” que o fogo tenha começado num espaço onde “não há laboração nem movimento de pessoas”. “A ocorrência deste incêndio, neste local, já é de si estranha. Mesmo muito estranho é o facto de um segundo incêndio ter começado, no mesmo dia e à mesma hora”, frisava Vítor Azevedo, referindo-se às antigas instalações da fábrica Tribor, situadas a cerca de um quilómetro de distância da Continental Mabor. É que, enquanto ardia o armazém da fábrica de pneus, foi dado o alerta para outro fogo nas instalações abandonadas da Tribor. Para o local foi enviada uma viatura, que rapidamente controlou a situação. A Polícia Judiciária do Porto já está a investigar. De acordo com a PJ, a participação da GNR de Famalicão sobre o incêndio refere que a origem do fogo é desconhecida, estando este agora sob investigação.

Eleições realizaram-se no sábado

Lúcia Mota reeleita no Rancho de Oliveira Lúcia Mota foi reeleita presidente do Rancho Folclórico de Oliveira Santa Maria. A colectividade foi a votos no passado sábado, tendo participado no acto eleitoral cerca de 150 dos seus 360 sócios. Foi a segunda vez que se realizaram eleições este ano neste rancho. O primeiro acto eleitoral aconteceu em Março, mas foi impugnado por uma sócia, que alegava que não tinha decorrido o período de tempo necessário desde a convocação das eleições e até à realização destas. Entretanto, a 14 de Junho foi efectuado um acordo de aceitação no Tribunal de Famalicão, em que as partes envolvidas concordaram com a realização de novas eleições no dia 14 de Agosto. A equipa que havia sido eleita em Março voltou a apresentar-se a sufrágio, tendo composto a lista A. Arrecadou 123 votos, contra os 23 que recebeu a lista B, afecta à sócia que avançou com o caso para tribunal. “Os sócios atribuíram uma larga vitória à continuidade da presidente Lúcia Mota, que preside quase há 30 anos à vida desta associação”, avança a colectividade em nota à imprensa. No comunicado, a direcção reeleita afirma ainda esperar que com esta vitória, “a

calma volte ao rancho, que as pessoas entendam a vontade dos sócios e permitam aos eleitos trabalhar em prol do engrandecimento da cultura na vertente da etnografia e folclore”. Por seu lado, contactada pelo OPINIÃO PÚBLICA, Lúcia Mota diz sentir-se “muito lesada por tanta mentira que se disse”, mas o facto de ter sido reeleita por larga maioria dálhe “muita vontade de caminhar”. “Agora o grupo está tão unido, que eu sinto-me contente, não me sinto só”, desabafa. A presidente reeleita lembra que o rancho assinala no próximo ano o 30º aniversário e é possuidor de uma sede, onde foram investidos mais de 75 mil euros, sublinhando que há grupos mais antigos que ainda não têm sede. No sábado, Lúcia Mota foi reeleita para a presidência do Rancho Folclórico de Oliveira Santa Maria, Sérgio Simões é vice-presidente, Manuel Ferreira o tesoureiro e Tomás Gonçalves o secretário. Para a liderança do conselho fiscal foi eleito Domingos Ferreira, ao passo que Ângela Simões preside à assembleia-geral. M.F.

Culpas & desculpas O OPINIÃO PÚBLICA noticiou na última edição, na página 8, sob o título “Escuteiros de Brufe juntam 1.500 kg de tampas”, que a secção de exploradores do agrupamento de escuteiros de Brufe conseguiu angariar 1.500 quilos de tampas de plástico para ajudar o João André, um jovem de Brufe que se desloca em cadeira de rodas e precisa de um aparelho para o ajudar a subir escadas. Na verdade, as tampas foram recolhidas por todos os cerca de 4.500 escuteiros que participaram no acampamento regional que se realizou a semana passada em S. Pedro de Rates. Aos visados e aos leitores pedimos desculpa pelo erro.

300 DVD e CD apreendidos A GNR de Riba d’Ave apreendeu, na manhã da passada quinta-feira, cerca de 300 DVD e CD. A confiscação aconteceu no decurso de uma operação de fiscalização levada a cabo pela GNR de Riba d’Ave, na feira semanal de Oliveira S. Mateus, anunciou o Comando Territorial de Braga da corporação. Submetido a um primeiro interrogatório perante o juiz de instrução criminal do Tribunal de Famalicão e para aplicação de medida de coacção, o referido cidadão foi constituído arguido pela prática de um crime de aproveitamento de obra usurpada, ficando a aguardar o seu julgamento em liberdade, após ter prestado o TIR (Termo de Identidade e Residência).

Homem detido por posse de droga A GNR de Riba d´Ave deteve, pelas 1h30 horas da passada sexta-feira, em Vilarinho das Cambas, um indivíduo de 30 anos suspeito da prática de tráfico de estupefacientes. Na sua posse tinha 7,1 gramas de haxixe que lhe foram apreendidos. O juiz de instrução criminal do Tribunal Judicial citado, após submetê-lo a interrogatório, ordenou que o mesmo fosse constituído arguido. Depois de prestar o termo de identidade e residência, o detido foi restituído à liberdade, aguardando nessa condição o seu julgamento.


10

pública: 18 de Agosto de 2010

publicidade

Falecimentos

António Augusto Caetano da Silva Agradecimento

Maria Fontes de Almeida, no dia 14 de Agosto, com 80 anos, viúva de José Rodrigues de Andrade, da freguesia de Sequeirô (Santo Tirso). António de Pulga Caridade, no dia 10 de Agosto, com 70 anos, casado com Idalina de Jesus Moreira Gonçalves Caridade, da freguesia de Burgães (Santo Tirso).

Joaquim David Moreira Araújo, no dia 16 de Agosto, com 62 anos, viúvo de Ana Maria Martins Abreu, da freguesia de Oliveira S. Mateus. Agência Funerária Carneiro & Gomes Oliveira S. Mateus – Telm. 91 755 32 05

No passado dia 15 do mês de Agosto faleceu o Sr. António Augusto Caetano da Silva , que residia na freguesia de Lousado. Seus filhos, noras, genros, netos e demais família, vêm por este meio, agradecer a todas as pessoas que se incorporaram no funeral do seu ente querido e comunicar que a missa de 7º Dia será celebrada Sábado, dia 21, pelas 18:30 horas na Igreja Paroquial da freguesia de Lousado.

Maria da Conceição Machado Moreira Dietzen, no dia 16 de Agosto, com 60 anos, casada com Anton Josef Dietzen, da freguesia de Burgães (Santo Tirso).

Desde já agradecem a todas as pessoas que se associaram à sua dor.

José Ribeiro Alves Marinho, no dia 10 de Agosto, com 71 anos, viúvo de Maria dos Anjos Azevedo e Silva, da freguesia de Gavião.

Rosa Moreira, no dia 8 de Agosto, com 79 anos, solteira, da freguesia de Riba d’Ave.

João Vilas Boas Pereira, no dia 12 de Agosto, com 44 anos, solteiro, da freguesia da Carreira.

Joaquim Francisco Cardoso Dinis, no dia 8 de Agosto, com 75 anos, casado com Maria da Conceição Silva Oliveira, da freguesia de Riba d’Ave.

Lousado, 18 de Agosto de 2010

Maria Monteiro de Castro, no dia 10 de Agosto, com 78 anos, casada com António Pereira Dias, da freguesia de Pedome. Agência Funerária S. Jorge Pevidém– Tel.: 253 533 396

Agência Funerária de Burgães Sede.: Burgães / Filial.: Delães Telf. 252 852 325

Ana Brandão do Couto, no dia 15 de Agosto, com 78 anos, viúva de Manuel Fernando Lopes Pimenta, da freguesia de Bente. José Araújo Costa, no dia 15 de Agosto, com 61 anos, casado com Rosa Fernanda Vieira de Barros, da freguesia de Calendário. António Ferreira Carneiro, no dia 14 de Agosto, com 70 anos, casado com Emília Dias Azevedo, da freguesia de Bente.

Maria de Lurdes da Silva, no dia 7 de Agosto, com 79 anos, viúva de António Pereira (Semião), da freguesia de Lordelo (Guimarães).

Joaquim Manuel Costa Alves, no dia 10 de Agosto, com 75 anos, casado com Bernarda Arminda Gomes, da freguesia de Riba d’Ave. Elisa Moreira Dinis, no dia 8 de Agosto, com 79 anos, viúva de Manuel de Magalhães, da freguesia de Oliveira Santa Maria. Abílio Ferreira Alves, no dia 13 de Agosto, com 63 anos, casado com Maria Luísa Nunes Ribeiro Alves, da freguesia Antas S. Tiago. Agência Funerária Riba D’Ave Riba D’Ave – 917 586 874

Agência Funerária da Lagoa Lagoa – Telf. 252 321 594

Maria Emília Da Silva Ana Carneiro da Silva, no dia 8 de Agosto, com 84 anos, casada com Manuel Gonçalves de Sá, da freguesia de Ribeirão.

Agradecimento No passado dia 14 do mês de Agosto faleceu a D. Maria Emília da Silva, que residia na freguesia de Ribeirâo. Seus filhos, nora, netos e demais família, vêm por este meio, agradecer a todas as pessoas que se incorporaram no funeral do seu ente querido e comunicar que a missa de 7º Dia será celebrada Sexta-Feira, dia 20, pelas 19:30 horas na Igreja Matriz da Vila de Ribeirão. Desde já agradecem a todas as pessoas que se associaram à sua dor. Ribeirão, 18 de Agosto de 2010

D . A n a B r a n d ã o D o Co u t o Agradecimento e Missa de 7º Dia Seus familiares vêm por este meio muito sensibilizados e na impossibilidade de o fazer pessoalmente, agradecer a todos os que se associaram á sua dor e pelas provas de carinho e amizade que lhes foram endereçadas aquando do falecimento da sua ente querida. Aproveitam para anunciar, que a missa de 7º dia serão celebradas, Sábado, dia 21 de Agosto, pelas 19,00 horas, na Igreja Paroquial da Carreira e Domingo, dia 22, pelas 09.30 horas, na Igreja Paroquial de Bente. Desde já, o nosso profundo agradecimento a quantos se dignarem assistir a este acto religioso. Bente, 18 de Agosto de 2010 Agência Funerária da Lagoa - Telf: 252 321 594

A Família

João Manuel de Oliveira e Silva, no dia 10 de Agosto, com 65 anos, casado com Arlete Laurinda Chivala André, da freguesia de Calendário. Maria Emília da Silva, no dia 14 de Agosto, com 80 anos, viúva de Joaquim do Cirurgião, da freguesia de Ribeirão. António Augusto Caetano da Silva, no dia 15 de Agosto, com 93 anos, viúvo de Olinda da Costa Fontes, da freguesia de Lousado, Florentino Oliveira dos Santos, no dia 15 de Agosto, com 45 anos, filho de Manuel dos Santos Moreira e Florinda de Oliveira Ramos, da freguesia de Ribeirão. Funerária Ribeirense Paiva & Irmão Lda Ribeirão – Telf. 252 491 433

Laura Pinto de Faria, no dia 15 de Agosto, com 89 anos, casada com Domingos Ramos Vieira, da freguesia de Priscos (Braga). Fernando Vilaça, no dia 12 de Agosto, com 77 anos, casado com Glória de Carvalho Branco, da freguesia de Ruílhe (Braga).

Agência Funerária Arnoso - José Daniel Pereira Arnoso Santa Eulália - Telf. 252 961 428

Emanuel José Sousa e Silva, no dia 12 de Agosto, com 18 anos, solteiro, da freguesia de S. Tiago de Bougado (Trofa). Maria da Conceição Couto Rodrigues Oliveira, no dia 16 de Agosto, com 39 anos, casada com Vasco Manuel da Silva Oliveira, da freguesia de S. Martinho de Bougado (Trofa).

Agência Funerária Trofense, Lda (S. Martinho de Bougado) Trofa – Tel.: 252 412 727


praça pública

pública: 18 de Agosto de 2010 11

Pelos quatro cantos da ca(u)sa Domingos Peixoto

Ah! Então não é nada connosco! A tarde ia a meio; o calor era muito, apesar de não tanto como noutros dias. Neste verão, os incêndios vieram para ficar, apesar dos esforços abnegados dos “soldados da paz”, da morte de alguns deles, de outros meios humanos, do esforço financeiro do Estado, dos meios materiais envolvidos e das ajudas de Espanha e França! Com eles, para além da natureza destruída que torna mais estéril o ambiente, já de si tão degradado, esvai-se, num ápice, o esforço de uma vida inteira de muitas famílias, quase sempre de “velhos” resistentes à emigração… A aflição e a dor de ver desaparecer tudo sem nada poder fazer são de terror. Encontrando-me de férias, o telemóvel dá sinal de entrada de mensagem; mais uma oferta de chamadas grátis se carregar xis euros, pensei… Infelizmente era algo que deixara alguém agitado e me sobressaltou também: “DP, ouvi agora nas rádios que está a lavrar incêndio nos armazéns da Continental. Sabes o que se passa? Vasco” Largo o que estava a fazer, dirijo-me para o terreiro de casa enquanto vou marcando um número no telemóvel e, sem dúvida, por detrás do Santo do Monte, a uns bons 10 km para Sul, lá estava a confirmação: Uma enorme coluna negra se eleva derivando para

Oeste! … Estou… - Olá, Manel, tudo bem? - Sim, tudo bem… - Estás na fábrica? - Não, estou em casa… - Sabes o que se passa? O Vasco mandou-me uma msg… - Já lá estive, é um armazém da OGA, com produtos da fábrica que está a arder… Estão lá muitos meios de combate, jornalistas e… Agora até um helicóptero, consegues ouvir? - Sim, consigo, deve ser de alguma televisão… - Devem ser umas paletes de borracha que foram para lá transferidas, há dias; é muito estranho um incêndio nestas condições! - Obrigado, dá-me notícias; vou ligar ao Vasco, concluí. - Sim, diz, menino… - Sabe, é a OGA… - Ah! Então não é nada connosco… - Mas são materiais da Mabor… - Pois, mas isso o seguro cobre, certamente que está no seguro. O importante é que não seja na fábrica. Aí, conforme as notícias, é que me deixou preocupado… - Pronto, Vasco, se houver mais notícias eu informo… - Já agora, então este ano não há convívio? Vejam lá se marcam alguma coisa; agora já só pode

ser para Setembro… - Eu tenho pouco tempo, mas vou falar com os nossos amigos… - Vê lá, Adeus. Uma cumplicidade (direita/esquerda) Vasco Martinho/Domingos Peixoto, alargada, creio, a todos os demais 9 elementos (apesar de algumas frustrações pessoais causadas por gestões menos consentâneas com o espírito familiar e social de outrora, mas sobre este assunto poderei falar em 2 ou 3 crónicas seguintes) que compuseram a primeira Comissão de Trabalhadores da Mabor, já todos fora da empresa, continuada em alguns outros, como é o caso do Manuel Costa, ainda ao serviço, de quem obtive a informação do sucedido, tal o empenho que sempre foi posto na resolução dos problemas da estrutura industrial e comercial, permitem que, passados muitos anos da nossa saída, ainda hoje consideremos que quando se fala da Continental – a continuadora da Mabor – é como se de nós se estivesse a falar. Daí o desabafo: Ah! Não é nada connosco… Sabem camaradas da ORT, há muito boa gente que nunca partilhou o espírito de que quanto melhor estivesse a Mabor, agora Continental, todos estaríamos melhor!

Modus Vivendi J. Mário Teixeira

A esmola e o resgate Acabaram-se os tempos em que a mendicidade era o refúgio do indigente, e a caridade, em forma de esmola, era um gesto livre, espontâneo e tido como cristão. Hoje a esmola foi substituída pelo resgate para que não nos incomodem, para que não nos risquem a pintura do carro ou para que não sejamos insultados ou vexados. A diferença está entre os mendigos de outrora e os chantagistas de hoje. Entre a misericórdia e a extorsão. Em 2001 andei por Espanha, França, Itália, Suíça, Alemanha, Luxemburgo, Bélgica, Holanda e Inglaterra, e em nenhum deles en-

contrei “arrumadores”. Em compensação era impossível andar no Porto e não “tropeçar” num. Hoje não é só no Porto: é por todo o lado. A moeda já não é dada para ajudar a matar a fome, mas sim para ajudar a comprar a droga. A moeda é dada para algo que nos repugna, mas fazemo-lo porque receamos pela pintura do nosso carro ou pela nossa dignidade. Pagamos para que nos deixem em paz, na nossa paz, seja ela qual for. Estão à vista de toda a gente, obrigam-nos a mudar de escolha de aparcamento, a ir estacionar mais longe para os evitar. Incomo-

dam-nos e irritam-nos. E, no entanto, parece haver embaraço em, sequer, abordar a questão. Até parece que parece mal, que não fica bem dizer que é preciso erradicar este tipo de extorsão das ruas das nossas cidades. Esta decadente realidade dos “arrumadores” prolifera pelo país, disputando espaços de estacionamento. Chegam a estar organizados, só faltando mesmo a legalização, rumo, quem sabe, à institucionalização dos “técnicos de aparcamento de viaturas”. E se isso significar mais impostos, certamente o Estado os tomará em devido cuidado.

Oportunidade em Gavião Moradia T3+1 Marque a sua visita!

www.moradia-em-famalicao.blogspot.com pub.

Famalicão

Barbosa: Rua Santo António, Tel. 252 302 120 Calendário: Rua da Liberdade, Tel. 252 378 400/1 Cameira: C. Mouzinho Albuquerque, Tel. 252 323 819 Central: Praça D. Maria II, Tel. 252 323 214 Nogueira: Av. Marechal H. Delgado, Tel. 252 310 607 Valongo: Rua Adriano Pinto Basto, Tel. 252 323 294 Gavião - Av. Eng. Pinheiro Braga, 72 - Telef. 252 317 301 Marinho: Edif. S. José - Estalagem - Telf. 252 921 182 Martins Ventura: R. C. Cerejeira - Lousado - Telf. 252 493 142 Estação: Largo da Estação - Nine - Telf. 252 961 118 Ribeirão: Largo de Bragadela - Ribeirão - Telf. 252 416 482 Joane: Rua S. Bento, nº 217 - Telf. 252 996 300

Famalicão

S e r vi ç o

R e f o rç o

Vale do Ave

Ser viço

Q u ar t a, 1 8

Nogueira

Central Joane

Q u i n t a, 1 9

Valongo

Calendário Joane

S e x t a, 2 0

Almeida e Sousa

Nogueira Joane

Q u ar t a, 1 8 Q u i n t a, 1 9 S e x t a, 2 0 S áb ad o , 2 1 Do m i ngo , 22 S e g u n d a, 2 3 Terç a , 24

Almeida e Sousa Bairro Delães Riba d’Ave Faria Almeida e Sousa Bairro

S á bad o, 21

Cameira

Do m i ngo , 22

Ribeirão

S e g u n d a, 2 3

Calendário

Barbosa Marinho

Terç a , 24

Nogueira

Cameira Marinho

Vale do Ave

Almeida e Sousa: Covas - Oliv. Stª Maria - Telf. 252 931 365 Bairro: Av. Silva Pereira, Telf. 252 932 678 Delães: Portela - Delães - Telf. 252 931 216 Riba de Ave: Av. Narciso Ferreira, Telf. 252 982 124 Faria: Estrada Nacional 310 - Serzedelo - Telf. 252 532 346

Serviço de disponibilidade

Paula Reis: R. José Elisio Gonçalves Cerejeira, nº 629 Calendário - Tel. 252 378 057 Maceiras: Louro - Telf. 252 310 425 Marques: Largo da Igreja - Fradelos - Telf. 252 458 440 Oliveira Monteiro: Largo Igreja - Cabeçudos - Telf. 252 331 885 Pedome: Av. S. Pedro, 1139 - Pedome - Telf. 252 900 930 Pratinha: Largo do Cruzeiro - Cavalões - Telf. 252 375 423 Santiago da Cruz: Vale S. Cosme - Telf. 252 911 123 Arnoso: Av. Joaq. Azevedo - Arnoso Sta. Maria - Telf. 252 916 612


12

pĂşblica: 18 de Agosto de 2010

publicidade

Jornal  

Jornal Opiniao Publica Nº 954

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you