Page 1

E s t a s e m a na o O p i n i ã o E s p e c i a l d á d e s t a q u e a o s a v ó s . N o p r ó x i m o d i a 2 6 c e l e b r a - s e o D i a d o s A v ó s e p o r i s s o e s t a é u m a f o r m a d e h o m e na g e a r a q u e l e s q u e s ã o o s s e g un d o s pa is. Sã o cad a vez ma is a c tivos e d ão uma aj uda p r ecio sa na ed ucaç ã o d os neto s. Neste esp ecia l d amo s d esta que à s inst ituiç õ es d o co ncelho que p resta m se r viç o a os sénio r es .

Dia dos Avós celebra-se no dia 26 deste mês

Curiosidades

Avós são cada vez mais activos Marta Isabel Marques No próximo dia 26 de Julho comemora-se o Dia dos Avós. O papel dos avós na família vai muito além dos mimos dados aos netos. Muitas vezes, são eles o suporte afectivo e financeiro de pais e filhos. As avós são também chamadas de “segunda mãe”, e os avôs de “segundo pai”, e é com frequência que estão ao lado e mesmo à frente da educação de seus netos, com a sua sabedoria, experiência e, com certeza, um sentimento maravilhoso de estar vivenciando os frutos de seu fruto, ou seja, a continuidade das gerações. Celebrar o Dia dos Avós significa celebrar a experiência de vida, reconhecer o valor da sabedoria adquirida, não apenas nos livros, nem nas escolas, mas no convívio com as pessoas e com a própria natureza. Cada vez mais, avô é sinónimo de energia e vitalidade, pois são cada vez mais os avós que nesta altura da sua vida decidem dar o salto da cadeira e dedicarem-se a uma série de actividades para não se entregarem à solidão e à monotonia. Assim, dedicam-se à ginástica ou à natação, e até mesmo à

aprendizagem, frequentando cursos, por exemplo. Uma forma de se sentirem activos novamente. Em Famalicão, muito contribuem para isso as diversas instituições do concelho. Entre elas está a Câmara Municipal, que proporciona aos seniores do concelho uma grande diversidade de actividades, que vão do lazer ao desporto. Neste momento, são cerca de 2.500 os idosos que frequentam as actividades promovidas pela autarquia, de onde se destacam os programas “Mais e melhores anos”, “Desporto para todos” e “Mexa-se pela sua saúde”, que fomentam a ginástica, hidro-

ginástica e hidroterapia para os mais velhos. A partir de Setembro a Câmara desafia os seniores a participar, de forma gratuita, nas aulas de hidroginástica, hidroterapia e ginástica adaptada. A par destas iniciativas surgem os passeios a Fátima, os bilhetes para a praia, os piqueniques, os saraus desportivos, entre muitas outras iniciativas, que movimentam os seniores, fazendo-os aproveitar o seu tempo da melhor maneira. Depois, há aqueles avós que querem ir mais além e, neste campo, muito contribui a Universidade Sénior de Famalicão, que pro-

Mundos de Vida

Centro Social de Ribeirão

Envelhecer com qualidade No âmbito da terceira idade, a Mundos de Vida, em Lousado, dispõe de lar, centro de dia e serviço de apoio ao domicílio. No total, a instituição recebe 28 idosos no lar, 12 no centro de dia e presta serviços no domicílio a cerca de 60. Com o envelhecimento da população é natural que aumente a procura de serviços como os que a instituição presta. Nota-se, sobretudo, uma necessidade de serviços cada vez mais abrangentes ao nível do apoio ao domicílio, que se traduz nas ajudas de apoio pessoal, doméstico ou social e que visam satisfazer as necessidades básicas e as actividades da sua

porciona momentos de aprendizagem e convívio aos seus muitos alunos. Para além das diversas disciplinas, como história, informativa, inglês, francês, ou psicologia, entre muitas outras, o convívio entre todos é uma constante. A uns permite-lhes aprender aquilo que, na sua mocidade, não puderam fazer pelas mais diversas razões; outros há que partilham conhecimento. Certo é que todos trocam experiências de vida. Grande mérito, pela importância do trabalho que desenvolvem, têm também as diversas instituições sociais do concelho, os lares e centros de dia que acolhem os nossos seniores e os fazem viver momentos agradáveis e receber todos os cuidados que a idade para muitos requer. Neste Dia dos Avós, vamos lembrá-los com muito carinho pois em matéria de vida eles têm muito a ensinar a todos nós. É, por isso, dever de toda a comunidade reconhecer o seu valor na nossa sociedade. Neste Especial prestamos-lhes a devida homenagem e mostramos um pouco a realidade do nosso concelho no que diz respeito às respostas sociais para esta faixa etária.

O Dia dos Avós é de criação recente. A data para a sua comemoração fixou-se no dia 26 de Julho de cada ano por ser a festa no calendário litúrgico católico de Santa Ana e São Joaquim, pais de Nossa Senhora. Assim este casal de santos foi proclamado padroeiro dos avós. É comovente a história deste casal. Ana e Joaquim viviam em Nazaré. Não tendo filhos, pediam continuamente a Deus uma criança. Com os rogos constantes, Deus concedeu-lhes uma menina chamada Maria que viria a ser escolhida para ser mãe de Cristo. Embora aproveitado pelo comércio para promover produtos publicitários, o Dia dos Avós é comemorado de ano para ano com maior empenho pelas famílias. As razões são por de mais evidentes. Devido aos tempos modernos, em que os pais não têm tempo para os filhos, são os avós que suprem muitas das suas funções. Antigamente, os avós limitavam-se a dar mimos aos netos. Hoje, a sua presença exerce-se em vários domínios.

vida diária. Para além de assegurar as suas necessidades básicas, os idosos do lar e centro de dia da Mundos de Vida dispõem de uma série de programas como: orientação para a realidade, relaxamento, treino de memória, programas de tempos livres, dos bons dias, programa psicossocial, de ginás-

tica e cadeiróbica. As famílias são cada vez mais chamadas a ser parte integrante da vida do idoso, numa tentativa de preservar os laços familiares e até fomentálos quando necessário, sendo que a família e a instituição se tornam parceiros na promoção do bem-estar da pessoa idosa.

Três valências para a terceira idade Para responder às necessidades da população idosa da vila de Ribeirão, o Centro Social e Paroquial criou três valências: centro de dia, apoio domiciliário e lar. O centro de dia foi a primeira resposta social criada, surgiu em Dezembro de 1991; seguiu-se o apoio domiciliário em Junho de 1995; e finalmente o lar, em Junho de 2001. Actualmente, servem 120 idosos (cerca de 40 utentes por valência), tendo a procura dos serviços aumentado ao longo dos anos. Segundo a responsável pelo centro “denota-se que os familiares, por si só, não conseguem assegurar as necessidades da pessoa idosa, e na tentativa de superar este problema escolhem a resposta social mais adequada à sua necessidade”. Mas é nas comemorações das festas – como o Dia do Pai, o magusto ou o Natal – que os familiares dos idosos desempenham um papel mais activo, participando e intervindo em conjunto com estes. Nas três valências, o centro aposta na promoção da Saúde e no bem-estar físico e social da pessoa idosa, desenvolvendo um vasto conjunto de actividades culturais (represen-

tação de peças teatrais, discussão de acontecimentos culturais), actividades recreativas (jogos de cartas, dominó), actividades ocupacionais (culinária, jardinagem) e actividades manuais, onde cada utente dá “asas” à sua imaginação. Para a melhoria do bem-estar físico proporciona também educação física e natação, com um professor cedido pela Câmara Municipal. “Servir com qualidade a nossa população alvo é um dos nossos projectos actuais que pretendemos manter no futuro”, resume a instituição.


20

pública: 23 de Julho de 2008

especial

O Recreio do João agora com apoio à terceira idade

Os avós do João O Recreio do João possui apenas uma valência de apoio à 3ª Idade, sendo o serviço de apoio domiciliário a aposta de intervenção directa a esta população alvo. Actualmente, esta instituição atende 16 utentes no âmbito deste serviço, designado de “Avós do João”. Nos últimos anos, a exemplo de outras instituições, também o Recreio do João tem notado um aumento da procura. O facto de os familiares estarem menos disponíveis para os seus idosos, por questões profissionais, obriga-os a recorrer a serviços externos que minimizem os mais possível essa ausência. Em relação às actividades para os seus utentes, o Recreio do João conta com um Apoio Domiciliário diferente e isso faz desta instituição a alternativa

que todos procuram. O serviço de lavandaria é feito na casa do próprio utente, quando este não tem máquinas, adaptando a casa, sendo a proprietária da maquinaria a instituição. Este tipo de serviço obriga a uma aproximação mais personalizada do colaborador que está mais tempo com o utente. Segundo a responsável pela instituição, outra actividade “de sucesso” neste serviço é a “Hora Social”, que dá ao utente do apoio domiciliário direito a uma hora por semana para utilizar como quiser. “Temos verificado que o utente utiliza a hora para ir às compras, ao cabeleireiro, para ir dar um passeio ou simplesmente para que lhe leiam o jornal”, conta a instituição. Os passeios temáticos, os almoços convívio e a hora do chá, são sempre uma oportunidade óptima para que os utentes se conheçam e interajam entre si. Na opinião dos responsáveis por esta instituição, “a família é um elo de bemestar do utente”, pelo que o Recreio do João “motiva e proporciona todas as condições para que ela seja chamada à responsabilidade, por planeamos sessões de esclarecimentos com os familiares, assim como reuniões de convívio”. De momento, a direcção tem grandes planos para o desenvolvimento da resposta social “Avós do João”. Pretendem criar uma alternativa de ligação 24 horas, da casa do utente ao colaborador que ficará de piquete nesse dia. “Temos implementado o Manual da Qualidade da Segurança Social e estamos aguardar que esta entidade qualifique os seus técnicos para que possamos pedir o Nível A para a valência”. O Recreio do João tem como filosofia de gestão, a inovação, a responsabilização, a qualidade e a satisfação das necessidades e das expectativas dos seus utentes/clientes.

Centro Social e Comunitário da Associação de Moradores das Lameiras

Centro Social da Paróquia de Esmeriz

O bem-estar ao serviço dos mais idosos O Centro Social da Paróquia de Esmeriz para a valência da terceira idade possui o serviço de apoio domiciliário e o centro de dia, serviços estes que tiveram início em Fevereiro de 2001. Nestas duas valências, a capacidade da instituição é de 22 utentes/clientes. Esta instituição afirma que a procura dos serviços relacionados com a terceira idade nos últimos anos tem aumentado consideravelmente. No âmbito das actividades, o Centro Social da Paróquia de Esmeriz proporciona várias iniciativas aos utentes/clientes, tais como ginástica, expressão plástica, e intercâmbios com outras instituições do Concelho. Participam também nas actividades promovidas pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. Também aqui as famílias são chamadas a intervir no bem-estar do utente/cliente na instituição, inclusive a instituição, sempre que possível, proporciona momentos de lazer entre o utente/cliente e os seus familiares (festas de aniversário, dia da mãe, dia do pai, dia dos avós, festa de natal, entre outras).

Segundo os responsáveis por esta instituição, “o Centro Social da Paróquia de Esmeriz assume o compromisso da satisfação plena dos seus utentes/clientes, prestando serviços de qualidade que asseguram a satisfação das necessidades dos utentes/clientes, dos seus familiares, dos funcionários e da comunidade”.

Santa Casa da Misericórdia

26 anos a cuidar dos que mais precisam A Santa Casa da Misericórdia de Famalicão conta com dois lares ao serviço da terceira idade: o Lar de S. João de Deus a funcionar desde Maio de 1980, em Gavião; e o Lar Jorge Reis, em Outiz, que nasceu em Junho de 1991. No primeiro, estão acomodados 90 residentes, sendo ainda servidos 25 utentes em centro de dia e 30 utentes no apoio domiciliário. Já no segundo, há 70 residentes e 10 utentes em centro de dia. E também aqui a procura tem aumentado. A Santa Casa da Misericórdia famalicense proporciona aos seus utentes actividades so-

ciais, como encontros inter-instituições, espirituais, religiosos, lúdicos, recreativos, culturais, desportivas, intelectuais e formativas. Segundo o responsável da Santa Casa, as famílias participam no bem-estar do idoso na instituição. Em relação ao futuro a instituição pretende continuar a prestar serviços aos utentes que promovam a sua autonomia e qualidade de vida, tendo em conta os seus hábitos, gostos, privacidade, necessidades, interesses, expectativas, respeitando sempre a individualidade de cada um.

Entidade certificada pela APCER A Associação de Moradores das Lameiras dá particular atenção aos seniores. Conta com o centro de dia desde 1985, serviço de apoio domiciliário desde 1988 e, mais recentemente, desde 2003 o lar de idosos. Esta instituição movimenta cerca de 100 utentes, existindo já uma lista de espera para estas três valências, sendo a maior parte para o lar. Nesta instituição são realizados diversas actividades. Em relação aos cuidados aos seniores realizam-se planos alimentares específicos, higiene pessoal, serviços de saúde (lar e centro de dia) e tratamento de roupa. Já na parte das actividades recreativas fazem parte o desenvolvimento pessoal e grupal para o envelhecimento activo, animação sócio cultural, ginástica, actividades religiosas, leitura, contos, música, entre outras. O centro das Lameiras tem noção da dificuldade das famílias em conciliar a vida profissional com a familiar, mas, mesmo assim, reconhece a participação das mesmas no bem-estar do seu idoso. Em relação ao futuro, esta instituição tem já vários projectos na vertente da terceira idade, como alargar o lar para mais nove camas. Existe ainda projecto aprovado e algum financiamento, mas que ainda não é suficiente.

A instituição pretende ainda conseguir um terreno na zona nascente da cidade, de preferência na freguesia de Antas, para construir, de raiz, novo lar de idosos, que inclua os cuidados paliativos e continuados, e alargar o âmbito do serviço de apoio domiciliário. Entretanto, a Associação de Moradores das Lameiras concluiu, neste mês de Julho, o processo de certificação das três respostas sociais de apoio a idosos pela Norma Internacional ISO 9001-2000, adaptada ao sector social, através da APCER-IQNET.

Instituto São José

E depois dos 60… O Instituto S. José responde às necessidades da população com mais de 60 ou 65 anos através de várias respostas sociais: lar, que iniciou a sua actividade em 2000; centro de dia a funcionar desde 1994; e serviço de apoio domiciliário que arrancou no mesmo ano. O lar acolhe 40 idosos, o centro de dia 20 utentes e o apoio domiciliário é prestado a 30 pessoas. Também aqui se tem verificado um aumento significativo na procura de respostas às necessidades das pessoas, nomeadamente através do atendimento social e das fichas de inscrição e dos encaminhamentos para outras instituições. A resposta mais procurada é o lar e o serviço de apoio domiciliário. No que diz respeito às actividades para os seus utentes este Instituto promove várias, desde lúdicas, culturais e recreativas, passando também actividades de reabilitação física e cognitiva. Um dos objectivos da instituição é aproximar a família ao utente.

Em termos futuros, o Instituto S. José estará sempre direccionado numa óptica de proporcionar satisfação de vida, que passa pela motivação e estimulação das capacidades dos utentes, independentemente da sua condição física ou psíquica.


especial

pĂşblica: 23 de Julho de 2008 21


22

pública: 23 de Julho de 2008

especial

Centro Social e Paroquial de Avidos

Centro Social da Paróquia de Joane

“Retardar o envelhecimento” O Centro Social e Paroquial de Avidos (CSPA) disponibiliza três serviços distintos na área da terceira idade: apoio domiciliário, centro de dia e mini lar. O apoio domiciliário iniciou em 1999 e foi a base da instituição, pois foi com esta valência que a instituição nasceu. Em 2003 sofreu uma reformulação, tornando-se um serviço mais abrangente, com novas capacidades de resposta. Já o centro de dia e o mini lar abriram as suas portas em Março de 2004. Actualmente, o CSPA presta assistência a cerca de 100 utentes. Segundo o responsável por esta instituição, a procura dos seus serviços “cresce cada ano que passa, os serviços começam a ter cada vez mais visibilidade, tornam-se mais conhecidos”. Contudo, sublinha que “a maior publicidade” do centro são os utentes. Para além das actividades básicas de conforto, higiene habitacional e pessoal, tratamento de roupa e alimentação, cada valência tem um projecto de intervenção social e cultural/recreativa. Estes projectos

são concebidos tendo por base o grupo e a individualidade de cada utente. “Daí termos ateliês diários nas mais diversas áreas, desde culinária, saúde e beleza, debate/formação, ginástica geriátrica, música, piscina…cujo o objectivo é ir ao encontro dos gostos pessoais, preservando as suas competências e capacidades, retardando o envelhecimento”, explica. Além disso, no CSPA mensalmente os utentes são brindados com um passeio, cujo destino é escolhido pelo grupo. O envolvimento das fa-

mílias em todo o processo é uma exigência do CSPA desde o primeiro momento. Aqui a intervenção só é eficaz para o utente se houver máxima concertação entre instituição e famílias. Estas são convidadas a participar quer no diagnóstico inicial, quer na planificação do projecto de intervenção individualizado, no acompanhamento do todo o processo e nos momentos lúdicos. A grande aposta para o futuro é aumentar as respostas nos serviços e torná-los cada vez mais multidimensionais.

Novo projecto para a terceira idade O Centro Social da Paróquia de Joane (CSPJ) tem à disposição da comunidade todos os dias, desde há nove anos, o serviço de apoio domiciliário. Este apoio é feito na alimentação, higiene pessoal e habitacional, tratamento de roupas, compras, acompanhamento ao exterior, cuidados básicos de saúde, serviço de consulta médica, serviço social e serviço de psicologia. Além disto, o centro procura desenvolver um conjunto de actividades socioculturais que vão de encontro aos interesses dos utentes, das quais se salientam os almoços convívio na instituição, passeios, idas ao teatro, desporto, praia, entre outras. Actualmente, usufruem dos serviços do CSPJ 50 utentes, dos quais 40 com acordo de cooperação com a Segurança Social. Segundo o responsável por este centro, a procura tem aumentado considerando que actualmente existe um “número excedente de utentes que não são comparticipados pela Segurança Social”. As famílias são envolvidas desde o início do pro-

cesso de admissão, quer na recolha de informação quer no planeamento, execução e avaliação de todos os serviços a prestar ao idoso. Mas esse envolvimento difere de família para família, dependendo das condições de saúde, proximidade e do tipo de relação que existe na própria família. Há, para tal, um serviço social na instituição que acompanha o idoso, procurando dar resposta às suas necessidades. Pensando no futuro, o

CSPJ adquiriu recentemente um terreno em Joane, que se destina a um novo equipamento de resposta à terceira idade e que se pretende que venha a ser inovador e capaz de responder às necessidades de saúde, reabilitação e acompanhamento do idoso, diferente das respostas convencionais que encontramos no mercado. Para a concretização deste projecto aguardam-se programas de apoio neste enquadramento.

OP 5C  

tica e cadeiróbica. As famílias são cada vez mais chamadas a ser parte integrante da vida do idoso, numa tentativa de preservar os laços fa-...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you