Page 1

ANO 14 / Número 243 / 1a edição de Maio de 2012 / New York - USA


02

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARĂ O MENSAGEIRO!

EDITORIAL: CAMINHADA DIFĂ?CIL

7 03

DAVID BRANON

Olå leitor amigo, Ê com muita alegria que lhe apresento esta mensagem que recebi. Quero tornå-la editorial. Leia com atenção, pois, pode ser de um grande valor para sua vida. YHrJonKH GH sXD H[DXstmo (P YH] Gisso YHMD-D D FoPo XPD oSortXniGDGH SDrD (X DssXPir o FoPDnGo GD sXD YiGD´

Em agosto de 2009, Blair e Ronna Martin SHUGHUDP VHX ¿OKR Matti, de nove anos, arrastado atÊ a morte por uma vaca pertencente à família. Tive a oportunidade de encontrar essa família da cidade de Kenai, no Alaska, e unir-me ao seu luto. E sei quão dura foi essa tragÊdia para eles. Ta m b Ê m s e i q u e eles estão buscando o cuidado e conforto de Deus para sua dor. Uma observação feita pela mãe de Matti Ê valiosa para qualquer pessoa que esteja atravessando um dos vales da vida. Durante um de seus momentos de tristeza, Ronna estava lendo 2 Coríntios 1:9 que diz: ³ nmo Fon¿HPos HP nys H siP no 'HXs TXH rHssXsFitD os Portos´. (ODVHQWLXFRPRVH-HVXVHVWLYHVVHOKHGL]HQGR ³5onnD HX sHi TXH D MornDGD tHP siGo SHsDGD SDrD YoFr TXH Hsti FDnsDGD Dtp os ossos 1mo sH Hn-

Quando a jornada ÂżFD H[FHVVLYDPHQWH difĂ­cil de percorrer, a carta de 2 CorĂ­ntios 1:9 nos lembra que nĂŁo viajamos soziQKRV 7HPRV R DX[tlio daquele que nos demonstrou Seu poder na ressurreição e o demonstrarĂĄ novamente quando elevar Seus amados cristĂŁos de todas as geraçþes para a vida eterna. Âł0inKD IoroD H PinKD HsSHrDnoD sy SoGHP HstDr HP Cristo´, disse Ronna. Todos nĂłs precisamos dessa verdade ao percorrer a jornada que Deus tem para nĂłs. Ĺž Leitor amigo, todos temos jornadas difĂ­ceis em nossas vidas, mas o importante ĂŠ ter a Jesus conosco “nessa caminhadaâ€?. Helio dos Santos Filho - Editor

Expediente: Autor & Editor: Helio Dos Santos Filho Design Gråfico: Carlos Fernandes Correção: Gersonita Leguizamon Relaçþes Públicas: Jandir Silva Colunistas: Aloísio Campanha Atilano Muradas Clícia Santos Edson Terci Eli de Oliveira Fernandes Elizabete Bifano Estevam Fernandes Fåtima Melo Flåvia Martins Gilson Bifano Guilhermino Cunha Irland Pereira de Azevedo Israel Belo de Azevedo Ivonildo Teixeira Jandir Silva Jeremias Silva Jorge de Oliveira Bezerra

CONTATOS COM NOSSA REDAĂ‡ĂƒO: Cartas ao Editor Helio dos Santos Filho

2 %roDGZD\ ± %rooNO\n 1< 112- Tel: (347) 239.6700 / (347) 985.9251 ZHEsitH: ZZZoPHnsDJHiroFoP e-mail: omensageiro7@aol.com ©2011 by Santos Production All Rights Reserved Sites que colaboram conosco:

Â&#x203A; (1C25$-$0(172 Â&#x203A; C+$0$'$ Â&#x203A; C%0C %5$6,/ Â&#x203A; 3257$6 $%(57$6 Â&#x203A; $7/(7$6 '( C5,672 Â&#x203A; C/,C. )$0Ă&#x2039;/,$ Â&#x203A; 0$1Ă&#x2C6; '$ 6(*81'$ Â&#x203A; 3257$/ '$ )$0Ă&#x2039;/,$

Os artigos, mensagens e estudos publicados neste Jornal, por cada autor, nmo reĂ&#x20AC;etem a idpia da direomo deste Jornal. &ada escritor p responsiYel por seus assuntos e idpias. $ssim sendo, cada autor a esti j disposiomo para responder as d~Yidas do amigo leitor.

O Mensageiro7 newspaper is a biweekly publication in Portuguese. Reproduction in whole or in part without permission is strictly prohibited. 7he Publisher makes eYery eIIort to ensure the accuracy oI the inIormation giYen in the editorial and adYertising pages oI O Mensageiro7 newspaper but accepts no responsibility Ior erros or omissions Ior claims made in any section oI this newspaper. Printed in the 8nited 6tates oI $merica. O Jormal O Mensageiro7 p uma publicaomo Tuin]enal em PortuguĂŞs. Reproduomo parcial ou total do conte[to da publicaomo sem a deYida permissmo p e[pressamente proibida. O Jornal O Mensageiro7 nmo se responsabili]a por inseromo de Iotos, logos, slogans, erros ou omiss}es por parte dos anunciantes ou inIormao}es Iornecidas por terceiros, editadas em TualTuer parte desta publicaomo. ,mpresso nos (stados 8nidos da $mprica do 1orte.

Juan Pablo Leguizamon LÊcio Dornas Luis Lima Luiz F. de Souza Marcos Roberto Nascimento MoisÊs Apsan Moura Gonçalves Nativa Bezerra NÊlio da Silva Paulo dos Santos Neto Renato Rubim Reuel Pereira Feitosa R.R. Soares Theodomiro JosÊ de Freitas Vitor Hugo Mendes de Så


04

7

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!


MENSAGEM

to, alguém vagamente familiar?

Amigo, essa continua a ser uma boa pergunta. Quase todas as religiões contêm bons ensinamentos morais. Quase todas podem indicar o modo certo para se viver. Mas precisamos mais que isso. Saber o que é certo não é o problema. É o poder para agir certo que precisamos. Precisamos do poder para vencer o pecado e da força para viver uma vida justa. Somente Cristo provê-nos esse tipo de poder.

Cristo, o Amigo especial, requer um compromisso único e singular. Ele deu tudo para poder conquistar nosso coração. Ele se esvaziou para nos tornar plenos. Assim, devemos dar-Lhe tudo também, devemos colocar nossa vida em Suas mãos. Devemos aceitá-Lo como Salvador e Senhor. Você vai fazer esse compromisso agora? Cristo está esperando, Ele anseia por tua aproximação para que possa demonstrar de maneira ainda mais clara o Seu amor e dar-lhe poder para vencer o pecado. Essa decisão depende unicamente de você.

"E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste" (João 17:3). A pergunta do jovem rico: "O que farei para herdar a vida eterna?", é a pergunta que palpita no coração da humanidade. O homem foi criado para viver. O que ele mais quer é viver. A vida pode ser a mais miserável das vidas, mas quando chega à hora da morte o homem se agarra com desespero a ela. A morte é um intruso na experiência humana e por isso não é aceita. O maior desejo do homem é viver. Para ter vida ele é capaz de fazer qualquer coisa, pagar qualquer

7 05

preço, realizar qualquer sacrifício. "O que farei para herdar a vida eterna?", é o grito desesperado do coração humano. Você agora vê Cristo sob um prisma diferente, olhando-O do lado de fora. Ele parece maravilhoso! Incomparável! Sua encarnação é inigualável. Somente Cristo traz o Deus Todo-poderoso para perto

de nós. Sua morte na cruz é inestimável. Somente Cristo demonstra amor em sua plenitude. Sua vida é admirável. Somente Cristo nós dá o poder para vencer o pecado. Você já descobriu esse Cristo extraordinário? Ou Ele é VLPSOHVPHQWH XPD SDUWH VXSHU¿cial de sua vida? Ele é apenas alguém que sempre esteve por per-

Faça a sua escolha agora e ore comigo: “Pai, obrigado por Jesus. Não quero perder essa chance de entregar a minha vida a Ele. Aceito Jesus como meu Salvador e meu Senhor. Creio que Tu tornarás o incomparável Cristo uma realidade para mim. Perdoe meus pecados. Peço-te, Senhor que escreva meu nome no livro da vida”.ž Luiz F. De Sousa: Empresário, Capelão, Diácono da Assembléia de Deus de NY


06

7

MENSAGEM PRUWH1RYHUVLFXORGL]³)H]GD PLQKDYLGHXPDDVVRODomRHWLURXDFDVFDGDPLQKD¿JXHLUD GHVSLXD WRGD H D ODQoRX SRU WHUUD RV VHXV VDUPHQWRV VH HPEUDQTXHFHUDP´ 0DLV DLQGD H[LVWHHVSHUDQoD

TEXTO BASE: Joel 1: 4 “O que ¿FRXGDODJDUWDRJDIDQKRWRR FRPHX H R TXH ¿FRX GR JDIDQKRWR D ORFXVWD R FRPHX H R TXH¿FRXGDORFXVWDRSXOJmR RFRPHX´ INTRODUÇÃO: Joel, o profeWD LGHQWL¿FD TXDWUR WHUUtYHLV LQLPLJRV TXH PXLWDV YH]HV ID]HP PRUDGDV QD YLGD GDV SHVVRDV 5HFRQKHFLGRVRVLQLPLJRVpSUHFLVRVHUHFRUUHUD'HXVSDUDTXH KDMDOLEHUWDomR+iXPDSURPHVVDGHUHFXSHUDomRGHUHVWLWXLomR 4XDLVVmRHVVHVLQLPLJRV" 1. A LAGARTA: eXPLQVHWRTXH VHDOLPHQWDYRUD]PHQWHGHIUXWRV IROKDVHSRGHVHUXPDSUDJDQRV MDUGLQV H ODYRXUDV 0XLWDV YH]HV QDYLGDHVSLULWXDORELFKLQKRpDWp LQYLVtYHO  SRUpP FDXVD HQRUPH GHVWUXLomR SRUTXH GHVWUyL WRGD EHOH]D $ SHVVRD QmR FRQVHJXH FUHVFHUVHGHVHQYROYHUSRUTXDQWR VmR GHYRUDGDV VXDV HQHUJLDV H TXDOLGDGH GH YLGD 4XDQGR Ki EUHFKDV 'HXV SHUPLWH TXH HOD DWXH8PDiUYRUHVHPIROKDVQmR WHPEHOH]DDOJXPDLVVRWDPEpP ID]RLQLPLJRFRPDVSHVVRDV

CONCLUSÃO:

SODQWDV WDLV FRPR FLWURV DUUR] VRMD DOIDID HXFDOLSWR H RXWUDV 2JDIDQKRWRFRPHQGRRVEURWRV QRVHQWLGRHVSLULWXDODSRQWDSDUD D SHVVRD TXH ¿FD HQIUDTXHFLGD SDUDFUHVFHUHYROWDUDWHUEHOH]D HVSLULWXDO1XPRXWURVHQWLGRMXVWDPHQWH RV HOHPHQWRV GRV TXDLV RKRPHPVHDOLPHQWDRJDIDQKRWR FRQVRPH$YLGDPDWHULDOGDSHVVRDYDLGHPDODSLRU¿FDQGRVHP HVSHUDQoDGHFUHVFHUHYROWDUDR TXHHUD+iXPDQHFHVVLGDGHGH XPDLQWHUYHQomRGLYLQD

TXDO D ORFXVWD YDL VH DOLPHQWDU (VSLULWXDOPHQWHDSHVVRDSHUGHX WRGDDVXDDOHJULDVXDEHOH]DHVSLULWXDODHVSHUDQoDGHSRGHUUHYHUGHFHUPDVDJRUDRVWURQFRVH JDOKRVTXHVREUDUDPHVWHLQVHWR YDL GHYRUDU 2 GHYRUDGRU ID] GHVDSDUHFHU 4. O PULGÃO: ³2 TXH ¿FRX GD ODJDUWD R JDIDQKRWR R FRPHXHRTXH¿FRXGRJDIDQKRWRDORFXVWDRFRPHXHRTXH ¿FRX GD ORFXVWD R SXOJmR R FRPHX´ -RHO 

6HMDTXDOIRURHVWiJLRHPTXHHVWHMDV Ki XPD SURPHVVD GH UHVWDXUDomR H DWp GH UHVWLWXLomR GR TXH IRL FRUWDGR FRPLGR GHYRUDGRHGHVWUXtGR³(UHVWLWXLUYRVHLRVDQRVTXHFRPHXRJDIDQKRWRDORFXVWDHRSXOJmRHD ODJDUWDRPHXJUDQGHH[pUFLWR TXHHQYLHLFRQWUDYyV(FRPHUHLVDEXQGDQWHPHQWHHYRVIDUWDUHLV H ORXYDUHLV R QRPH GR 6HQKRUYRVVR'HXVTXHSURFHGHX SDUD FRQYRVFR PDUDYLOKRVDPHQWH H R PHX SRYR QXQFD PDLV VHUi HQYHUJRQKDGR´ -RHO  0DVSDUDTXHLVVRDFRQWHoDXPD RUGHP p GDGD ³%XVFDL DR 6HQKRU HQTXDQWR SRGH VHU DFKDGR´ (OH FXPSUH DV 6XDV SURPHVVDV H UHVSRQGH jTXHOH FXMR FODPRUFRPIpHFRQ¿DQoDFKHJD DR6HXWURQRž

2. O GAFANHOTO: Se alimenta 3. A LOCUSTA: $V iUYRUHV H -XDQ3DEOR/HJXL]DPRQ3DVWRU GRVEURWRV1HVWHFDVRRTXHVR- SODQWDV ¿FDUDP VHP IROKDV VHP 1HVWHHVWDGRGHGHVWUXLomRSDUH- (VFULWRU6RFLRORJR3URIHVVRU EUDUD GD ODJDUWD (VWHV GHYRUDP JDOKRVPDVVREUDUDPRWURQFRGR FH TXH QDGD PDLV UHVWD VHQmR D %UDVLO


MATÉRIA

mem é um pecador.

"Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas" (Mt. 22.37-40).

Segundo ele, havia uma dupla visão da humanidade no país: (1) o homem como sendo pecador, e (2) como intrinsecamente bom. Ele declarou que está era a questão subjacente do movimento da autoestima. Por não crerem em Jesus Cristo, os humanistas seculares têm o ego como o único centro de interesse do indivíduo. Assim podemos entender por que aqueles que não conhecem a Cristo desejam amar, estimar e satisfazer o ego, pois é a única coisa que têm. E qual é a desculpa da Igreja?

O mundo à nossa volta está promovendo o amor-próprio e a auto-estima. A auto-estima é um aspecto popular da psicologia humanista, que é baseada na crença de que todos nós nascemos bons e que a sociedade é a culpada.

Força-Tarefa Pela Autoestima na Califórnia foi a grande responsável por introduzir a ideologia e Esse sistema coloca o homem psicologia humanista nos setores como a medida de todas as coi- público e privado. (É interessante sas. A ênfase no ego é exatamen- notar que, em meados de 1988, te o que começou no Jardim do a Força-Tarefa prestou tributo ao eGHQHVHLQWHQVL¿FDDWUDYpVGRV rei da autoestima, James Dobensinos humanísticos do amor- son, destacando-o em seu bolepróprio, da autoestima, da auto- tim informativo. Além disso, seu -realização e auto-etc. livro Hide and Seek aparece na Promovendo a autoestima, a lista de leitura deles).

7 07

$ LQÀXrQFLD GD &RPLVVmR 3HOD Autoestima na Califórnia se espalhou pelos EUA. John Vasconcellos promoveu uma iniciativa em âmbito nacional sobre a autoestima, semelhante à que introduziu na Califórnia. Vasconcellos deixou muito claro que o movimento da autoestima deveria operar como tem feito, contra o ensino que ele considerava antiquado, ou seja, que o ho-

O que há sob toda a retórica referente ao ego é um ataque ao Evangelho de Jesus Cristo, embora não se trate de um ataque frontal com limites de batalha claramente delineados. Ao contrário, na verdade é uma obra engenhosamente subversiva, não de carne e sangue, mas de principados e potestades, de dominadores deste mundo tenebroso, das forças espirituais nas regiões celestes Continua na página 8


08

MATĂ&#x2030;RIA

7

Continuação da pĂĄgina 7 do mal nas regiĂľes celestes, tal FRPR 3DXOR H[SOLFRX QD SDUWH Âż nal da carta aos EfĂŠsios. Ă&#x2030; triste sabermos que muitos cristĂŁos nĂŁo HVWmRDOHUWDFRQWUDRSHULJReLQ contĂĄvel o nĂşmero dos que estĂŁo sendo sutilmente enganados por outro evangelho â&#x20AC;&#x201C; o evangelho do ego. Percebemos que muita confusĂŁo tem envolvido a Igreja professa pelo uso da terminologia popular DUHVSHLWRGRHJR(PXPH[WUH mo, encontramos pessoas como 5REHUW 6FKXOOHU TXH GH DFRU GR FRP VHX OLYUR 6HOI(VWHHP The New Reformation parece ter abraçado inteiramente a postura humanista secular. Ele abomina o termo pecador e DFUHGLWD TXH D SHVVRD GHYH GH senvolver a sua autoestima antes que possa conhecer a Jesus. Ele descarta por completo o que realmente conduz o indivĂ­duo para a cruz de Cristo. Por outro lado, hĂĄ os que, inconscientes das implicaçþes e da confusĂŁo que tais palavras acarretam, vĂŞm lançando mĂŁo desta terminologia. $GRWDQGR H DGDSWDQGRVH DRV

FRQFHLWRV GD SVLFRORJLD KX PDQLVWD FULVWmRV SURIHV sos dizem que temos DXWRHVWLPD DPRUSUy SULRYDORUSUySULRHWF por causa daquilo que somos em Cristo, mas D LGHRORJLD VXE jacente vem atrås. &RP R SUR gresso da influência HGDSRSX larização GD SVLFROR JLD D rQID se em Deus IRL GHVORFD da para o ego SRU XPD JUDQ de parte da LJUHMD SURIHV sa. De formas muito sutis, R HJR YDL WR PDQGR R SUL

meiro lugar e, assim, a atitude de ser escravo de Cristo Ê VXEVWLWXtGD SHOD GH VH ID zer o que agrada e que VHMDSDUDVXDSUySULDFRQ YHQLrQFLD2DPRUDRVRX WURV Vy p SUDWLFDGR VH IRU conveniente. Com toda esta ênfase no ego, Ê natural que RV FULVWmRV SHUJXQ tem se Ê correto amar a si mesmo. Como Jesus responderia? Embora não seja ardilosa como as dos escribas e fariseus, a questão requer uma resposta "sim" ou "não". 2 VLP OHYD IDFLO PHQWH D WRGD HV SpFLH GH SUHRFX pação consigo mesmo. E o "não" conduz a

Por nĂŁo crerem em Jesus Cristo, os humanistas seculares tĂŞm o ego como o Ăşnico centro de interesse do indivĂ­duo. Assim podemos entender por que aqueles que nĂŁo conhecem a Cristo desejam amar, estimar e satisfazer o ego, pois ĂŠ a Ăşnica coisa que tĂŞm.

XP SRVVtYHO %HP HQWmR GHYH mos nos odiar?" Nem sempre Jesus respondia como esperavam seus ouvintes. (P YH] GLVVR (OH XVDYD D SHU gunta como oportunidade de lhes ensinar uma verdade. Sua ênfase sempre era o amor de Deus e o nosso amor a Ele e aos outros. /LQJ LVWLFDPHQWHHPWRGDD%tEOLD o termo agapao Ê sempre dirigido aos outros, nunca a mim mesmo. 2FRQFHLWRGHDPRUSUySULRQmRp o tema do Grande Mandamento, PDVDSHQDVXPTXDOL¿FDWLYR Quando Jesus ordena amar a Deus "de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força" (Mc 12.30), Ele enfatiza a natureza abrangente desse amor DJDSDR DPRUDWLWXGH TXH YDL alÊm da capacidade do homem QDWXUDO VHQGR SRVVtYHO H[FOXVL vamente pela graça divina). 6H (OH XVDVVH DV PHVPDV SD ODYUDV SDUD R DPRU DR SUy[LPR HVWDULD HQFRUDMDQGRQRV j LGROD WULD &RQWXGR SDUD R JUDX GH LQ tensidade de amor que devemos Continua na pågina 9

PROFESSORES COM MUITA EXPERIĂ&#x160;NCIA EM ENSINO VINDOS DO BRASIL ESPECIFICAMENTE PARA DAR AS AULAS O Instituto ĂŠ interdominacional, nosso objetivo ĂŠ a formação de lĂ­deres e colaboração com as igrejas locais. A escola funciona no sistema de crĂŠditos, a matrĂ­cula pode ser feita em qualquer perĂ­odo do ano. Mais de 27

escolas no Brasil e atuamos em mais de 5 países (Portugal, Venezuela, Itålia, Japão e Estados Unidos). Membro AETAL (Associação de Educação Teológica na AmÊrica Latina).

ATENĂ&#x2021;Ă&#x192;O IGREJAS: Se a sua igreja ainda Tel: 973.766.3209 Celular nĂŁo tem um SeminĂĄrio TeolĂłgico entre Tel:973.344.6007 Escola Local em contato com a sede local e contribua Agora estudando no IFC, vocĂŞ poderĂĄ fazer uma faculdade secular. para a formação de verdadeiros lĂ­deres tambĂŠm Temos convĂŞnio com a faculdade Unida. conhecedores da palavra de Deus. Visite nosso site:www.ifcescola.org Mais informaçþes: Bispo: Antonio Carlos De Souza IFC - Escola de MinistĂŠrios Pr. Nildon Dos Santos


MATĂ&#x2030;RIA Continuação da pĂĄgina 8 ao prĂłximo, Ele usou as palavras "como a ti mesmo". Jesus nĂŁo nos ordenou a amar a nĂłs mesmos. Ele nĂŁo disse que havia trĂŞs mandamentos (amar a Deus, ao prĂłximo e a nĂłs mesPRV (OHDSHQDVDÂżUPRX "Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas" (Mt 22.40). O amor-prĂłprio jĂĄ estĂĄ implĂ­cito aqui â&#x20AC;&#x201C; ele ĂŠ um fato â&#x20AC;&#x201C; nĂŁo uma ordem. Nenhum ensino nas Escrituras diz que alguĂŠm jĂĄ nĂŁo ama a si mesmo. 3DXOR DÂżUPD "Porque ninguĂŠm jamais odiou a prĂłpria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como tambĂŠm Cristo o faz com a igreja" (Ef 5.29). Os cristĂŁos nĂŁo sĂŁo admoestados a amar ou a odiar a si mesmos. Amor-prĂłprio, Ăłdio-prĂłprio (que ĂŠ simplesmente outra forma de amor-prĂłprio ou preocupação consigo mesmo), e auto depreciação (possivelmente uma desculpa para culpar a Deus por nĂŁo conceder ao ego maiores vantagens pessoais), sĂŁo atitudes centradas no eu.

Os que se queixam da falta de amor-próprio geralmente estão insatisfeitos com seus sentimentos, habilidades, circunstâncias, etc. Se realmente odiassem a si mesmos, eles estariam alegres por serem miseråveis. Todo ser humano ama a si mesmo. Em toda a Escritura, e particularmente dentro do contexto de Mateus 22, a ordem Ê dirigir aos outros todo o amor que o indivíduo tem por si. Não nos Ê ordenado que amemos a nós mesmos. Jå o fazemos naturalmente. O mandamento Ê que amemos os outros como jå amamos a nós mesmos. A história do Bom Samaritano, que segue o mandamento de amar o próximo, não só ilustra quem Ê o próximo, mas qual p R VLJQL¿FDGR GD SDODYUD DPRU 1HVVH FRQWH[WR DPRU VLJQL¿FD LU DOpPGDVFRQYHQLrQFLDVD¿PGH realizar aquilo que se julga ser melhor para o próximo. A idÊia Ê que devemos procurar o bem dos outros do mesmo modo como procuramos o bem (ou aquilo que podemos atÊ erradamente pensar que seja o melhor)

para nĂłs mesmos â&#x20AC;&#x201C; exatamente com a mesma naturalidade com que tendemos a cuidar de nosso bem-estar. Outra passagem paralela com a mesma idĂŠia de amar os outros como jĂĄ amamos a nĂłs mesmos ĂŠ Lucas 6.31-35, que começa com DVSDODYUDV"Como quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vĂłs tambĂŠm a eles." Evidentemente Jesus supunha que Seus ouvintes quisessem ser tratados com justiça, amabilidade e misericĂłrdia. Em outras palavras, queriam ser tratados com amor e nĂŁo com indiferença ou animosidade. Para esclarecer esta forma de amor em contraste com a dos SHFDGRUHV -HVXV SURVVHJXLX "Se amais os que vos amam, qual ĂŠ a vossa recompensa? Porque atĂŠ os pecadores amam aos que os amam... Amai, porĂŠm, os vossos inimigos...â&#x20AC;?. O amor que Jesus enfatiza ĂŠ o demonstrado por atos, do tipo altruĂ­sta e nĂŁo o que espera recompensas. Dada a naturalidade com que as pessoas satisfazem suas prĂłprias necessidades e desejos, Jesus desviou-lhes o foco

7 09 da atenção para alÊm delas mesmas. Essa espÊcie de amor pelos outros procede primeiro do amor de Deus, e somente depois de respondermos sinceramente ao amor dEle (de todo o nosso coração, de toda a nossa alma, de todo o nosso entendimento). Não conseguiremos praticå-lo a não ser que O conheçamos atravÊs de Seu Filho. As Escrituras GL]HP "Nós amamos porque ele nos amou primeiro" (I Jo 4.19). Não podemos realmente amar (o amor-ação, agapao) a Deus sem primeiro conhecermos o Seu amor atravÊs da graça; e não podemos verdadeiramente amar o próximo como a nós mesmos, sem primeiramente amarmos a Deus. A posição bíblica correta para o cristão não Ê a de encoUDMDUMXVWL¿FDURXPHVPRHVWDEHlecer o amor-próprio, e sim a de dedicar sua vida por amor a Deus e ao próximo como [jå ama] a si PHVPRŞ (Adaptado de um artigo de PsychoHeresy Update).


10

7

Fui ao aniversårio de Bianca, quando ela completou 19 anos. Ela me pegou pela mão e me apresentou efusivamente a todos, seus professores da escola especial, seus parentes e seus colegas de classe: -- Este Ê o meu pastor. Na hora do "parabÊns", antes de orar, lembrei um diålogo com seus amigos, a história de Jesus, nossa alegria, transformando ågua em vinho. Eles prestaram muita atenção, mais do que os outros. Um dos PHQLQRVDR¿PJULWRX Uma salva de palmas para o pastor! Quando uma menina teve que ir, porque o pai tinha chegado, veio se despedir, saudosa. Eles se divertiram muito, sem que houvesse qualquer exagero, típico das pessoas que não aprenderam a se comportar. Eles sabem se portar numa festa. Foi uma celebração como qualquer outra, mas, para eles, foi uma conquista contra o preconceito do olhar diferente, contra a recusa à alegria, contra a ideologia preguiçosa da exclusão.

ARTIGO Neste mesmo dia, eu estava lendo o livro de LevĂ­tico e pude me lembrar de um mandamento de Deus, para nos recomendar o cuidado com as pessoas especiais: â&#x20AC;&#x153;NĂŁo amaldiçoem o surdo nem ponham pedra de tropeço Ă frente do cego, mas temam o seu Deus. Eu sou o Senhor" (LevĂ­tico 19.14 -- NVI) Respeitar, amar e cuidar de pessoas especiais sĂŁo verbos humanos que nascem no coração de 'HXVĹž Israel Belo De Azevedo: Bacharel em teologia e em Comunicação, PĂłs-graduado em histĂłria,Doutor em Teologia, Autor de mais de 30 livros, Pastor da Igreja Batista Itacuruçå, na Tijuca


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

11


12

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

13


14

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!


MENSAGEM Isso te chamou a atenção tambÊm? Essas palavras são aterradoras e não são de minha autoria. Inclusive, elas nunca antes me chamaram a atenção. O grande achado saltou-me aos olhos em meio a uma grande e sangrenta luta contra a carne. Essa luta Ê cruel, mas mostra que se ainda estamos reagindo Ê porque não permitimos que a carne prevaleça, não Ê mesmo?

que eu, eu mesmo, vi isto, diz o SENHORâ&#x20AC;?- Jeremias 7:9-11. O profeta estĂĄ clamando na porta do templo e nĂŁo na porta de um presĂ­dio ou diante de outros lugares que simbolizam a maldade. O clamor ĂŠ feito diante de quem conhece a verdade, mas mesmo assim se desvirtua. O resultado triste na vida daqueles que persistem no erro vem logo a seguir, ainda no mesmo capitulo: "Mas isto lhes ordenei, dizendo: Dai ouvidos Ă minha voz, e eu serei o vosso Deus, e vĂłs sereis o meu povo; e andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vĂĄ bem. Mas nĂŁo ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos, mas andaram nos seus prĂłprios conselhos, no propĂłsito do seu coração malvado; e andaram para trĂĄs, e nĂŁo para dianteâ&#x20AC;?.Jeremias 7:23, 24

(P GLDV GH FRQĂ&#x20AC;LWR RQGH R EHP SHVVRDO R HJRtVPR H VRÂżVPDV tentam imperar corremos riscos de começar a escrever, ou biografar o evangelho paralelo, nesse caso inspirado pelo inferno com boas novas para a carne, ou seja, o evangelho segundo â&#x20AC;&#x153;nosVDVFRQYHQLrQFLDVHMXVWLÂżFDWLYDV´ e a Ăşnica coisa que subsite ĂŠ a Palavra de Deus, nĂŁo a nossa! Aprendi que o mais importante nĂŁo ĂŠ como se começa uma corrida, mas como se termina. Todos estamos sujeitos a ver nossos referenciais de vida e de valores caĂ­rem em ciladas, apesar de terem afetado imensamente nosso modo de agir e pensar. Por outro lado corremos o risco de representar a prĂłpria decepção para as pessoas que tambĂŠm LQĂ&#x20AC;XHQFLDPRV SRVLWLYDPHQWH HP alguma altura da vida. E assim o ciclo de quem começa bem e termina mal vai se repetindo. Para esse contraste entre certo errado gosto de usar a palavra LQFRHUrQFLD  &RHUrQFLD VLJQLÂżFD relação lĂłgica, e lĂłgica aponta para matemĂĄtica, ou seja, algo que nĂŁo se contradiga, mas seja exatamente o que se propĂľe a ser.

7 15

Temos uma carreira a correr com legitimidade mirando o alvo. Não precisamos derrotar pessoas nessa caminhada, mas precisamos permitir que Deus prevaleça e não nossa carne, nossos conVHOKRVRXVR¿VPDV

(PGLDVGHFRQĂ&#x20AC;LWRFRUUHPRVULVFRVGHFRPHoDU a escrever o evangelho paralelo, nesse caso inspirado pelo inferno, ou seja, o evangelho VHJXQGRÂłQRVVDVFRQYHQLrQFLDVHMXVWLÂżFDWLYDV´ mostrando o trabalho desperdiçado e o esforço sem nenhum proveito.

No capítulo 7 Deus ordena que ele clame na porta do tempo convocando o povo a uma coisa simples: MELHORAR. O apelo não Ê para perfeição, mas para o melhoramento na qualidade de vida, Jeremias exigia coerência e usanos valores, na justiça social, ou YD ¿JXUDV GH HVWLOR VDUFiVWLFR seja, na maneira de viver. ou antífrases fazendo perguntas contundentes com intenção de O teor do discurso na porta do templo apontava para que não se um confronto cínico. oprimisse o estrangeiro, o órfão e No capitulo 2 ele confronta o fato a viúva. Falava ainda sobre o não de terem sido cavadas cisternas derramamento de sangue inofuradas que não retêm a ågua,

cente e para que nĂŁo andassem diante de outros deuses. EntĂŁo Jeremias fala como boca de Deus: â&#x20AC;&#x153;Porventura furtareis, e matareis, e adulterareis, e jurareis falsamente, e queimareis incenso a Baal, e andareis apĂłs outros deuses que nĂŁo conhecestes, e entĂŁo vireis, e vos poreis diante de mim nesta casa, que se chama pelo meu nome, e direis: Fomos libertados para fazermos todas estas abominaçþes? - Ă&#x2030;, pois esta casa, que se chama pelo meu nome, uma caverna de salteadores aos vossos olhos? Eis

Temos que atentar sem nos embaraçar com as coisas dessa vida para que não estejamos incluídos numa frase muito triste, num lamento divino: "Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, ainda que não fossem deuses? Todavia o meu povo trocou a sua glória por aquilo que Ê de nenhum proveito" Jeremias 2:11 A maldade existe, mas não fomos chamados para promovê-la. Fomos chamados para ser uma benção. Devemos nos esforçar SDUDLVVRHDVVLPJORUL¿FDUHPRVD 'HXVFRPQRVVRSURFHGHUŞ Gersonita Leguizamon Malafaia: Escritora, Professora, Especialista em voz ( fala e linguagem), Liderança e Aconselhamento na Comunidade evangÊlica.


16

7

ARTIGO IRUPRX QD &DWiVWURIH GR 6pFXOR

(VWDWtVWLFDV RยฟFLDLV PRVWUDP TXH D LQG~VWULD TXH PDLV FUHVFH QR PXQGRpDGR/D]HUH(QWUHWHQLPHQWR

XPSUREOHPDWmRJUDQGHTXHQmR Ki FRPR ยฟQJLU QmR YrOR e QHFHVViULR TXH KDMD RSRVLomR FRP

6HJXQGR HVSHFLDOLVWDV HVWH p R VHWRU TXH PDLV SURGX]LUi HPSUHJRVHPRYLPHQWDUiELOK}HVGH GyODUHVQDSUy[LPDGpFDGD

WRGDV DV DUPDV SRVVtYHLV SDUD OLYUDU RV QRVVRV ยฟOKRV IDPtOLD H D VRFLHGDGH GR HVStULWR PDOLJQR

(VWD UHDOLGDGH QRV OHYD D XPD SURIXQGD UHร€H[mR H FRPR FLGDGmRVSDLVHWUDEDOKDGRUHVQRV SHUJXQWDPRV$TXHPVHUiGLULJLGDDLQG~VWULDKRWHOHLUDHGRWXULVPRMXQWDPHQWHFRPHVWHFRQMXQWR GHDWLYLGDGHVHHVSHWiFXORVUHODFLRQDGRVFRPDViUHDVGRWHDWUR FLQHPD PXVLFD UDGLR WHOHYLVmR HLQWHUQHWVHDVDXWRULGDGHVFRQWLQXDUHPDWUDWDURSUREOHPDGDV GURJDV FRPR DOJR FRP R TXDO SRGHPRVFRQYLYHU"

GDVGURJDV

1mR p QRYLGDGH SDUD QLQJXpP TXH D SURGXomR R FRPpUFLR H R FRQVXPRGHGURJDVPRYLPHQWDP PDLV GLQKHLUR GR TXH D LQG~VWULD GRSHWUyOHRDUPDVRXLQIRUPiWLFD

6RPHQWH XPD MXYHQWXGH VDXGi

e XP GLQKHLUR TXH FLUFXOD FRP OLEHUGDGH SHOR SODQHWD SURYHQLHQWH GH XP QHJyFLR VXMR TXH RSULPHURXEDHHQIHUPDGHVWUyL H PDWD 0XLWRV QmR TXHUHP YHU FRPR R 0DO GR 6pFXOR VH WUDQV-

5HFXUVRV WHUDSrXWLFRV GH SRQWD HVWmR VHQGR FRQFHQWUDGRV SDUD UHFRQVWUXLU RV HVWUDJRV ItVLFRV H HPRFLRQDLV FDXVDGRV SHORV Wy[LFRVSRUpPVmRLQVXยฟFLHQWHV eLQGLVSHQViYHORDSRLRHVSLULWXDO SDUD EXVFDU D DMXGD GLYLQD H VHU WUDQVIRUPDGR HP XPD QRYD FULDWXUD YHO HQYROYLGD FRP ODoRV IDPLOLDUHV VyOLGRV SRGHUi GHVIUXWDU GD LQG~VWULDTXHPDLVFUHVFHQRPXQ-

O Mal do Sรฉculo se transformou na Catรกstrofe do Sรฉculo, um problema tรฃo grande que nรฃo hรก como ยฟQJLUQmRYrOReQHFHVViULRTXHKDMDRSRVLomRFRP WRGDVDVDUPDVSRVVtYHLVSDUDOLYUDURVQRVVRVยฟOKRV famรญlia e a sociedade do espรญrito maligno das drogas.

GR%XVFDURSUD]HUQRSDUTXHp PHOKRUGRTXHHQFRQWUDUDPRUWH QRFUDFNลพ Luiz Lima: Teรณlogo, Escritor, Ativista Cristรฃo.


DISCIPULADO & ARTIGO

7 17

JosuÊ - Introdução:

Os israelitas precisavam obedecer exatamente Ă ordem de Deus. As ordens do Senhor precisam VHU FXPSULGDV FRP ÂżGHOLGDGH H amor.

No livro de JosuĂŠ, conta-se a histĂłria de como os israelitas conquistaram a terra de CanaĂŁ e passaram a morar nela. A conquista de CanaĂŁ foi comandada SRU-RVXpTXHÂżFRXQROXJDUGH alegria e benMoisĂŠs como guia do povo de ção. Jesus ĂŠ o Deus. nosso consolo Desânimo e Medo: Js.1.9 - eterno. Desde que o pecado entrou no mundo, o desânimo e o medo fazem parte da nossa vida. Passamos por dias ruins e desesperadores. Sentimos medo de enfermidade, desemprego e, especialmente, do futuro. Todas as pessoas estĂŁo sujeitas hĂĄ dias ruins, derrotas e tristezas profundas. JosuĂŠ, um grande lĂ­der do povo de Israel, tambĂŠm precisou de ânimo e coragem. VĂĄrias vezes o Senhor lhe disse: "SĂŞ forte corajoso". Quando os dias de desânimo e medo tomam conta de nĂłs, ĂŠ hora de irmos para o campo de batalha e enfrentarmos o diabo. Deus nos ordena que levantemos e lutemos. Deus estĂĄ conosco. Ele veio para estar ao nosso lado. NĂŁo hĂĄ noite escura que nĂŁo seja precedida por uma manhĂŁ. O desânimo e o medo podem ser XPFDPLQKRORQJRPDVHOHWHPÂżP e logo estaremos na luz resplandecente do amor de Deus. A tristeza e o terror se transformarĂŁo em Os momentos mais estratĂŠgicos na nossa vida sĂŁo aqueles quando precisamos tomar decisĂľes. HĂĄ decisĂľes que nos afetam imediatamente, hĂĄ outras que nos impactarĂŁo de forma mais mediata; algumas atingem, com seus efeitos, somente a nĂłs, hĂĄ as que se desdobram na vida de outras pessoas. Umas tĂŞm conseqßências momentâneas e de pouca permanĂŞncia, outras repercutem em nosso viver de forma perene. Quando estamos diante da necessidade de tomar decisĂľes podemos estar GHÂżQLQGR DWp PHVPR R que serĂĄ da nossa vida. Mais que isso, podemos estar, inclusive, interferindo positiva ou negativamente, no futuro de outras pessoas. Ă&#x2030; preciso tomar muito cuidado

Poder de Deus: (Js. 3.13) - O Jordão estava transbordando sobre todas as suas ribanceiras e era a Êpoca da ceifa (Js. 3.15). Suas åguas eram um verdadeiro impedimento e um grande GHVD¿R SDUD -RVXp H R SRYR de Deus. Sua travessia exigiu de JosuÊ muita dedicação. Ele levantou-se de madrugada (3.1), levou o povo de Sitim atÊ lå (3.1), ordenou que a arca da Aliança do Senhor fosse à frente, conduzindo o caminho (3.3-4), e TXHWRGRVVHVDQWL¿FDVVHP 3.5). Diante de toda a dedicação e fÊ de JosuÊ, Deus lhe deu a certeza da vitória. O Jordão se abriu e o povo passou tranquilo. Quantos obståculos encontramos na nossa vida?

SĂŁo problemas ÂżQDQFHLURVHID miliares, doenoDVHQÂżPWRGR tipo de adversidades. Confiemos no Senhor! NĂŁo importa o tamanho do problema, Deus abrirĂĄ diante de nĂłs o JordĂŁo, assim como abriu para JosuĂŠ. 3XULĂ&#x20AC;FDomR -V    Gilgal VLJQLÂżFD UHPRYHU URODU $VVLP que os israelitas chegaram Ă Terra Prometida, Deus ordenou-lhes que removessem o oprĂłbrio do meio deles. Os homens estavam incircuncisos, e isso, naquela ĂŠpoca era sinĂ´nimo de impureza, de pecado. O Senhor exigiu que se SXULÂżFDVVHP

JosuĂŠ obedeceu ao Senhor, e ele VDQWLÂżFRXRSRYRGH'HXV'HXV nos chama Ă santidade e coloca diante de nĂłs o caminho santo e puro. O sangue de Jesus nos SXULÂżFD GH WRGR SHFDGR 1mR Ki QDGDTXHQmRSRVVDVHUSXULÂżFD do pelo sangue do Salvador.

Sejamos o povo santo do Senhor $ SXUL¿FDomR IRL XPD RUGHP GH TXH VHJXH j &DQDm FHOHVWLDO Ş Deus, era o mínimo que podiam Continua na próxima edição. fazer diante de tantos milagres Jandir Silva: Presbitero, e maravilhas que o Senhor ha- Capelão, Membro da Igreja via providenciado para eles. Não Templo de Oração para Todas adiantava nada dar desculpas. as Naçþes

ou com aquelas? DecisĂŁo vital!

com as decisĂľes! Iniciar um relacionamento ou interrompĂŞlo? DecisĂŁo importante demais!

Assim, o tempo todo nĂłs estamos diante de decisĂľes e a qualquer momento poderemos, com XPD GHODV GHÂżQLU o rumo de nossas vidas. Ă&#x2030; necessĂĄrio tomar muito cuidado com as decisĂľes!

Começar algo que pode fazer de nós viciados? Decisão crucial! Escolher uma pro¿VVmRRXDFHLWDUXPD proposta de trabalho? Decisão estratÊgica! Omitir-se de ou assumir a responsabilidade de apresentar o Evangelho a alguÊm? Decisão urgente! Usar o tempo desta ou daquela forma, com estas pessoas

$PHVPDSXUL¿FDomR'HXVH[LJH daquele que aceita Jesus como seu Salvador. A vida do cristão GHYHVHJXLUVDQWL¿FDGDHGHGLFD da a Deus. Hå algum opróbrio sobre você? O coração impuro pode ter diversas origens; o descontentamento com as bênçãos de Deus, pecados cometidos contra outros, contra Deus ou não confessados. Seja qual for à impureza Ê preciso remover o opróbrio. Se o seu problema estå no lar, corrija-o lå mesmo; se estå no trabalho, endireite os seus caminhos; se estå na igreja, procure FRQFLOLDomR (Q¿P UHPRYD ORJR as impurezas da sua vida!

O homem ĂŠ um ser que toma decisĂľes. O homem prudente as toma com sabedoria e cuidado, com muito cuidado!

Minimizamos o risco de errar em nossas decisĂľes se nĂŁo formos precipitados ao tomĂĄ-las, se nĂŁo as tomarmos sem ouvir a opiniĂŁo de pessoas do bem. Se sĂł decidirmos

depois de consultarmos a Deus em Sua Palavra H HP RUDomR H SRU ¿P e permitimos que nossas decisþes sejam gestadas, amadureçam e se FRQ¿UPHP HP QRVVRV coraçþes para, só então, D GH¿QLUPRV H D DVVXP irmos com todos os seus efeitos, implicaçþes, desdobramentos e conseqßências. O homem Ê um ser que toma decisþes. O homem prudente as toma com sabedoria e cuidado, com PXLWRFXLGDGRŞ LÊcio Dornas: Formação em Administração, Bacharel em Teologia, graduação em Liderança Avançada, Pós-graduação em Ensino Religioso, atualmente Representando a Sociedade Bíblica do Brasil nos Estados Unidos, entre os Brasileiros.


18

7

MENSAGEM de grande vulto, as possibilidades de fracasso são muito maiores e, as decepçþes advindas da não realização destes podem levarnos a desistir mais facilmente de nossos ideais.

â&#x20AC;&#x153;NĂŁo ambicioneis coisas altivas, mas acomodai-vos Ă s humildes" (Romanos 12:16) Um membro de certa igreja procurou o pastor para lhe dizer que estava pretendendo visitar a Terra Santa. Disse que sua pretensĂŁo era ir atĂŠ o Monte Sinai. "Na realidade," disse o homem ao pastor, "meu plano ĂŠ subir no Monte Sinai e quando chegar bem no topo, ler em voz alta os Dez Mandamentos.â&#x20AC;?

Quando projetamos, para nossa felicidade situaçþes bem mais modestas poderemos atingir nossos propósitos muito mais rapidamente e, a partir daí, passo a passo, animados com a vitória, atingir patamares mais elevados atÊ, quem sabe, alcançar aquele sonho que, a princípio, poderia ser quase impossível de concretizar.

Achando que sua decisĂŁo iria DJUDGDU DR SDVWRU R KRPHP Âżcou muito surpreso ao ouvir dele: "Olhe, eu creio que vocĂŞ poderia fazer algo muito melhor do que isto." "Ă&#x2030; mesmo, pastor," respondeu o homem, "e o que eu deveria fazer?"

Aprendamos, acima de tudo, a colocar todos os nossos planos diante de Deus.

O lĂ­der logo concluiu: "Em vez de vocĂŞ viajar milhares de quilĂ´metros apenas para ler os Dez Mandamentos em voz alta no Monte 6LQDL ÂżTXH HP FDVD PHVPR H guarde-os!â&#x20AC;? Estamos sempre planejando coisas grandiosas na busca de nossos objetivos de conquistas. Achamos que se nossos feitos

Reconheçamos que nada somos sem Ele e que precisamos de sua direção para vencer as barreiras e alcançar as bênçãos almeMDGDVŞ forem espetaculares, seremos reconhecidos, respeitados e, como consequência, felizes. Mas nem

sempre isso corresponde Ă realidade. Quando nossos sonhos se baseiam em empreendimentos

Paulo Roberto Barbosa: Escritor, $XWRUGRVLWH3DUD5HĂ&#x20AC;HWLU Pastor - Brasil


SAĂ&#x161;DE ORAL Quando andamos pelas ruas normalmente observamos as pessoas a nossa volta; umas tĂŞm cara fechada, outras falam sozinhas, algumas parecem zumbis e outras sorriem. De todas essas expressĂľes, uma ĂŠ bem repetida pela maioria: o ato de sorrir. O sorriso, alĂŠm de fazer bem para quem o dĂĄ, ĂŠ terapĂŞutico e contagiante, como tambĂŠm para a surpresa de muitos, ĂŠ rejuvenescedor. Quando sorrimos ativamos uma quantidade grande de mĂşsculos faciais que apresentam caracterĂ­sticas prĂłprias. Quando falamos em mĂşsculos, normalmente nĂŁo os associamos com os ossos aos quais eles se prendem. A relação mĂşsculo/osso pode ser chamada simbiĂłtica, devido ao fato de que a boa função de um colabora com a qualidade da estrutura do outro. Ao usarmos nossos mĂşsculos, estimulamos a deposição de cĂĄlcio nos ossos, tornando esses mais duros e resistentes Ă s fraturas. O que faz os mĂşsculos da face diferentes ĂŠ o fato de que muitos deles ao invĂŠs de se ligarem aos ossos conectam-se uns aos outros. Isso faz com que a ação muscular atue como impressĂŁo

7 19 tantes com o qual o ato de sorrir contribui positivamente.

digital na superfĂ­cie do rosto, dando a cada um de nĂłs uma expressĂŁo facial Ăşnica. AlĂŠm dessa particularidade, observamos que a função dos mĂşsculos que ligam o rosto ao pescoço exerce uma tremenda inĂ&#x20AC;XrQFLDQDDSDUrQFLDH[WHUQDGR rosto, como tambĂŠm contribuem para uma boa postura. Alguns mĂşsculos do pescoço tĂŞm caracterĂ­sticas ainda mais diferentes; eles estĂŁo localizados na superfĂ­cie da pele, interferindo diretamente com a aparĂŞncia externa dessa regiĂŁo. SĂŁo os chamados cuticulares do pescoço, que sĂŁo facilmente reconhecidas pela aparĂŞncia dada a regiĂŁo frontal do pescoço nas pessoas apĂłs os 40 anos, popularmente conhecida como â&#x20AC;&#x153;pescoço de peruâ&#x20AC;?. Ă&#x2030; realmente fascinante entendermos sobre o mecanismo da ação muscular. A falta de estĂ­mulo aos mĂşsculos faciais leva a pele dessa ĂĄrea a se apresentar enrugada prematuramente e acelera a aparĂŞncia de envelhecimento.

Vejamos entĂŁo: quanto maior o nĂşmero de mĂşsculos usados, maior a quantidade de sangue ĂŠ levada Ă regiĂŁo onde esses mĂşsculos atuam. Quanto mais movemos os mĂşsculos faciais atravĂŠs do sorriso, mais Ă­ons de cĂĄlcio sĂŁo depositados nos ossos, como tambĂŠm maior quantidade de oxigĂŞnio ĂŠ distribuĂ­da pela circulação sanguĂ­nea para os mĂşsculos e para a pele. AtravĂŠs do ato de sorrir, os ossos, P~VFXORVHDSHOHÂżFDPEHPÂłDOLmentados,â&#x20AC;? o que vem a nos beQHÂżFLDUFRPXPDDSDUrQFLDPDLV jovem e saudĂĄvel. Hoje, mais do que nunca, se entende que a ação muscular ĂŠ a maneira natural de se evitar um dos maiores problemas apresentados em mulheres quando entram na menopausa: a osteoporose. Para isso, se dĂĄ o incentivo a exercĂ­cios fĂ­sicos. Quando falamos da face, o sorriso ĂŠ um dos â&#x20AC;&#x153;exercĂ­ciosâ&#x20AC;? mais natural pertinente a essa parte do corpo. Existem ainda dois fatores impor-

O primeiro, sendo no aspecto psicolĂłgico, se apresenta quando vemos alguĂŠm sorrindo e instintivamente começamos a sorrir. Isto ĂŠ terapĂŞutico e nos ajuda a liberar as tensĂľes. O segundo, sendo no aspecto ÂżVLROyJLFR VH DSUHVHQWD FRPR estĂ­mulo hormonal. Ao sorrirmos, ativamos a produção dos chamados hormĂ´nios da alegria, a seURWRQLQD H DV HQGRUÂżQDV (VWHV estimulam a sensação de bemestar, melhora o humor e previne estados depressivos. Devido ao estresse do mundo moderno, procuramos constantemente remĂŠdios e novas alternativas para nos sentirmos mais energizados. Ă&#x2030; fundamental entendermos como podemos nos EHQHÂżFLDU GHVVH PHLR IiFLO H QD tural para uma vida saudĂĄvel do ponto de vista estĂŠtico, psicolĂłgico e social. $VVLP VHQGR DTXL ÂżFD R PHX convite para vocĂŞ: 9$0266255,50$,6Ĺž Fatima Demelo,D.D.S. Tel: 718 721 1717 www.bellosmile.com


20

7

FAMĂ?LIA

tamente a oportunidade de aprimorar as relaçþes entre os seus membros e promover o crescimento de cada um deles.

A família Ê o principal contexto de aprendizagem, pois Ê nela que os valores e modelos são assimilados desde a mais tenra infância.

AlĂŠm das crises decorrentes do ciclo evolutivo, os papĂŠis tradicionais de homem e mulher estĂŁo sendo questionados com grandes repercussĂľes para o exercĂ­cio da paternidade e da maternidade.

Ă&#x2030; um sistema interacional, provido de uma estrutura hierarquicamente organizada, com o fim de assegurar a continuidade e o crescimento de seus membros. Assim, como um mĂłbile, a famĂ­lia precisa encontrar o equilĂ­briodinâmico entre duas funçþes aparentemente contraditĂłrias: homeostase e transformação. Uma visa manter a famĂ­lia unida, enquanto a outra promove a sua evolução. A cada fase do ciclo familiar, o equilĂ­brio anterior ĂŠ rompido para dar lugar ao novo. A crise permite uma reorganização mais adequada. Instabilidade, incertezas e ansiedade marcam a passagem para um novo equilĂ­brio funcional.

Comunicação clara, fronteiras QtWLGDVHĂ&#x20AC;H[tYHLVKLHUDUTXLD correta, uniĂŁo e diferenciação sĂŁo algumas condiçþes para a construção de IDPtOLDVVDXGiYHLV

Fatores perturbadores como perdas, abandono, separação, desemprego são a base para o desenvolvimento dos mitos, que vão GDU VLJQL¿FDGR j VLWXDomR YLYLGD humano vai construindo sua idenem função das referências prove- tidade e aprende a se relacionar. nientes das geraçþes anteriores. As falhas e ambigßidades no dePara se desenvolver de forma sempenho das funçþes materna, saudåvel, a pessoa precisa de paterna e de casal geram carências que precisam ser supridas. cuidados especiais. A função materna, assumida pela PmH ELROyJLFD RX SRU XPD ¿JXUD substituta, inclusive o pai, se inicia com a construção de um vínFXORDIHWLYRTXHSHUPLWHjSHVVRD se sentir acolhida e parte integrante da família.

As relaçþes se desenvolvem dentro de regras que determinam a maneira de agir de seus membros e o papel de cada um. A família VH DGDSWD jV PXGDQoDV LQWHUQDV e externas, de acordo com os padrþes de interação desenvolvidos atÊ então.

ou comportamental que precisa ser compreendido como o resultado de uma disfunção da família como um todo. O grande equívoco da família Ê focalizar o sintoma como sendo a causa de seu mal estar, em vez de perceber que Ê apenas a conseqßência de uma crise do sistema familiar. Tentar eliminar o sintoma sem enxergar suas raízes não resolve o impasse, apenas contribui para estigmatizar o membro afetado mais diretamente, que se torna a lata de lixo ou o bode expiatório da família.

Sustentar a casa jĂĄ nĂŁo ĂŠ exclusividade do homem QHP HGXFDU RV Âż lhos, da mulher. Amhos estĂŁo compartilhando essas responsabilidades como um QRYR GHVDÂżR QR TXDO RV SRQWRV de atrito sĂŁo multiplicados atĂŠ encontrarem um equilĂ­brio espeFtÂżFRHYiOLGRDSHQDVSDUDRPRmento presente. Se as mulheres conquistaram novos espaços, os homens muitas vezes se sentem acuados e fragilizados. Eles entĂŁo se isolam e se omitem, deixando o espaço vazio para a mulher assumir. Em conseqßência disso, as estatĂ­sticas apontam um aumento de famĂ­lias matrifocais, do alcoolismo e do homossexualismo. A perda de autoridade do homem tende a gerar um aumento do autoritarismo e da violĂŞncia fĂ­sica. Comunicação clara, fronteiras QtWLGDVHĂ&#x20AC;H[tYHLVKLHUDUTXLDFRUreta, uniĂŁo e diferenciação sĂŁo algumas condiçþes para a construção de famĂ­lias saudĂĄveis.

A terapia familiar sistĂŞmica visa mobilizar os recursos da famĂ­lia para enfrentar as crises e preveQLURXWURVFRQĂ&#x20AC;LWRVjPHGLGDTXH Maternidade diz respeito tambĂŠm SURGX] PXGDQoDV VLJQLÂżFDWLYDV jFDSDFLGDGHGHQXWULomRItVLFDH Se estes modelos de relacionano sistema, contribuindo para HPRFLRQDOEHPFRPRjRUJDQL]D- mentos forem inadequados para aprimorar as relaçþes entre os ção das necessidades bĂĄsicas. OLGDU FRP R GHVDÂżR SUHVHQWH D A terapia familiar sistĂŞmica o membros e no interior dos vĂĄrios A função paterna, por sua vez, famĂ­lia entra em crise facilmente FKDPDGHÂłSDFLHQWHLGHQWLÂżFDGR´ subsistemas. garante limite, proteção e direção. LGHQWLÂżFDGD SRU XP VLQWRPD FRQ- pois ele se torna porta-voz e de- Assim, a abordagem familiar 2FDVDODLQGDWUDQVPLWHjFULDQoD densado num de seus membros. positĂĄrio da patologia da famĂ­lia. propicia uma melhora na qualipadrĂľes de relacionamento quan- O sintoma tem a dupla função de Quando os problemas nĂŁo sĂŁo dade de vida em famĂ­lia, fortaWR j VH[XDOLGDGH DIHWLYLGDGH H denunciar o problema e manter a verbalizados e encarados, a famĂ­- lecendo os vĂ­nculos e ampliando situação. companheirismo. lia tende a parar de crescer. Ela as estratĂŠgias para a resolução Por meio dessa herança, o ser Trata-se de um distĂşrbio mental nĂŁo percebe que esta crise ĂŠ jus- GRVFRQĂ&#x20AC;LWRVĹž


NOTĂ?CIAS

7 21

PASTORA E JOGADORA DE VĂ&#x201D;LEI, FABĂ?OLA DISPUTA VAGA NA SELEĂ&#x2021;Ă&#x192;O BRASILEIRA A seleção brasileira de vĂ´lei anunciou que pretende substituir duas jogadoras para os jogos olĂ­mpicos de 2012, que acontecerĂĄ em Londres, e uma das favoritas para a vaga de levantadora do time ĂŠ a jogadora FabĂ­ola, que atualmente atua no Sollys Osasco, de SĂŁo Paulo. FabĂ­ola, que tambĂŠm ĂŠ pastora evangĂŠlica, estĂĄ sendo cotada entre a que tem a maior chance de assumir o posto que durante anos foi das experientes Fernanda Venturini e FofĂŁo. O canal ESPN fez uma reportagem especial mostrando um pouco da histĂłria da jogadora, de como ela WHPH[HUFLGRERDLQĂ&#x20AC;XrQFLDVREUH

VXDVFROHJDVGHSUR¿VVmR$PDtÊria ainda mostrou o lado ministerial de Fabíola, que Ê pastora da Igreja Batista, acompanhandoa em uma de suas viagens para a inauguração de uma igreja em Anåpolis-GO. Fabíola continua numa rotina intensa de treinamentos, objetiYDQGR D FRQ¿DQoD GR WpFQLFR GD seleção brasileira, JosÊ Roberto Guimarães, que Ê quem escalarå DQRYDGHWHQWRUDR¿FLDOGRSRVWR de levantadora do time que irå às 2OLPStDGDVGH/RQGUHVŞ Fonte: Atletas de Cristo

APĂ&#x201C;S 1 ANO, VIZINHOS DUVIDAM QUE BIN LADEN FOI MORTO EM ABBOTTABAD dizem que ele ainda estĂĄ vivo.

Um ano depois da morte de Osama bin Laden, sua presença no norte do PaquistĂŁo segue rodeada de um grande mistĂŠrio no paĂ­s, onde o silĂŞncio incĂ´modo GDVDXWRULGDGHVSHUPLWHTXHDĂ&#x20AC;Rrem teses sobre sua "verdadeira" histĂłria. Zain Mohamad gostaria que deixassem de chamĂĄ-lo de "vizinho de Bin Laden", apelido que o persegue desde maio do ano passado, apĂłs o ataque americano que terminou, a alguns metros da sua casa, com a morte do chefe da Al-Qaeda.

gonha de ver que Bin Laden se escondia em sua terra, enquanto Não por cansaço, e sim por amor os aliados da Al-Qaeda matajYHUGDGHD¿UPDRKRPHPTXH vam milhares de pessoas com como quase todos os habitantes seus ataques suicidas no país". do local, não crê "que Bin Laden Na manhã de 2 de maio de 2011, esteve ali", apesar do ataque, a mesma vergonha, foi sentida dos disparos e da presença de na cúpula do poderoso exÊrcito sua família. "Bin Laden não es- paquistanês, segundo uma fonte tava ali. Sua família, talvez, mas próxima aos serviços de segurannão ele. Tudo isso Ê invenção dos ça, garantindo que ele não estava Estados Unidos e do exÊrcito pa- ciente da presença de Bin Laden quistanês, disposto a tudo para em Abbottabad, uma tese que UHFHEHUGLQKHLURD¿UPD$XUDQJ- muitos não aceitam em Washingzeb, 37 anos, diretor de uma es- ton. cola do bairro, resumindo a opi- "Os comandantes militares tinião defendida por toda a vi- veram medo ao dar conta de que zinhança. não poderiam dizer se alguns de "Todos repetem isso, mas Ê para não dizer que tem vergonha", explica um jornalista local, "a ver-

seus elementos, prĂłximos aos islamitas, tinham ajudado Bin Laden a se esconder", alegou. Um si-

nal da gravidade do caso foi que o chefe da inteligência militar, o general Shuja Pasha, fez um mea culpa impensåvel, em meados de maio, no Parlamento, diante do qual confessou as "falhas" de seu serviço. O exÊrcito impediu qualquer acesso à casa em Abbottabad, antes de demoli-la repentinamente em fevereiro passado. Os americanos decidiram não publicar nenhuma imagem do corpo de Bin /DGHQ TXH D¿UPDP WHU VHSXOtado no mar, promovendo, por sua vez, uma fåbrica de boatos. Alguns dizem que Bin Laden foi levado vivo do Afeganistão a Abbottabad pelos americanos, e foi executado no lugar para manchar a imagem do Paquistão. Outros

O mesmo mistĂŠrio cercado por falsos rumores envolve o destino GH VXDV WUrV PXOKHUHV H ÂżOKRV que viviam com ele em Abbottabad. Detidos pelos paquistaneVHV DSyV R DWDTXH ÂżQDOPHQWH quase um ano depois, foram deportadas para a ArĂĄbia Saudita sem terem nunca aparecido em pĂşblico. Em março, um ex-geneUDO SDTXLVWDQrV DÂżUPRX TXH %LQ Laden foi "entregue" aos americanos por uma de suas primeiras mulheres, com ciĂşmes de uma outra mais jovem. Algum dia saberemos sobre o que fazia Bin Laden no PaquistĂŁo e suas cĂşmplices? NĂŁo ĂŠ certo. "Ă&#x2030; XPD JUDQGH GHÂżFLrQFLD GR SDtV Os extremistas raramente sĂŁo castigados, as testemunhas tĂŞm medo e o governo nĂŁo pode proteger os juĂ­zes", disse o analista polĂ­tico Talat Masood. "O mea culpa de Pasha foi um gesto de apaziguamento dirigido Ă s elites. Quanto Ă  grande maioria da população, o exĂŠrcito prefere deixar que inventem teorias da conspiração para nĂŁo correr o risco de uma incĂ´moda transparĂŞncia", explica uma fonte prĂłxiPDGRVVHUYLoRVGHVHJXUDQoDĹž Fonte: Terra News


22

7

ACONTECEU

By Gersonita Leguizamon - Jornal O Mensageiro7

Conferência de Encorajamento para Pastores e Líderes de Fala Portuguesa nos EUA e Canadá

Aconteceu nos dias 12 a 14 de abril em Stanford – Connecticut a Confêrencia de Encorajamento para Pastores e Líderes de Fala Portuguesa nos EUA e Canadá

Como palestrantes estiveram presentes: O Pastor Márcio Valadão, da igreja da Lagoinha, considerada uma das maiores igrejas do Brasil, com mais de 42 mil membros. Sua Palavra foi marcada pelo amor. O Pastor Jeremias Pereira, pastor da Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte muito conhecido dos encontros da SEPAL e Haggai no Brasil, encantou a todos com sua maneira peculiar de ministrar a Palavra do Senhor.

Dr. Elias Dantas O Doutor Elias Dantas, presidente do Centro Para Estudos Em Cristianismo Global (Center For Studies In Global Christianity), foi o idealizador do Encontro que teve por objetivo reunir líderes da região visando o encorajamento e fortalecimento da liderança.

Pr. Carlito Paes armas para ganhar almas e falou sobre grandes projetos da igreja que avança e se recontextualiza.

Estes receberam de Deus poder e despertamento para continuar crescendo e impactando a comunidade onde servem. O encontro seguiu depois para Orlando Florida e todos esperam que no ano de 2013 a Conferência

Pr. Paschoal Piragine O Pastor Paschoal Piragine, líder da Primeira Igreja Batista de Curitiba, tem uma grande visão missionária, e um trabalho social transformador reconhecido por todos, e ministrou com graça e simplicidade o evangelho da Paz.

Pr. Márcio Valadão

Estes palestrantes estiveram antes no encontro de 2011 e ao retornarem promoveram um ambiente de muita familiaridade e OLEHUGDGH SDUD R ÀXtU GR (VStULWR entre os cerca de 450 lideres e pastores participantes.

O Pastor Carlito Paes, lidera a igreja em São José dos Campos, é também o Diretor no Brasil do movimento igrejas com propósito, de Rick Warren. Ele frisou os aspectos de oração e jejum como

Pr. Jeremias Pereira & Asaph Borba O louvor foi conduzido pelo amado Asaph Borba e por sua esposa Rosana e contou também com a participação especial de Ronaldo Bezerra. No decorrer do evento também aconteceram workshops abençoados.

de Encorajamento para Lideres e Pastores aconteça novamente. Graças a Deus por todos os que auxiliaram Dr. Elias Dantas na realização desse encontro. Que 'HXVUHFRPSHQVHDFDGDXPž


ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

23


24

ONDE ESTIVER UM BRASILEIRO, ALI ESTARÁ O MENSAGEIRO!

Número 243  

1a. Edição de Maio 2012