Issuu on Google+

MEU

psum Caio BERTAZZOLI: Como as Redes SOCIAIS transformaram um músico em um CM

MAIO 2013 Ed. de Aniversário!

PARABÉNS!

Nosso CANTINHO comemora TRÊS anos & traz uma matéria incrível sobre MOULAGE e MODA

Manifesto GAY Uma crítica inteligente pelo olhar de Sebastian VILLAGRA

Mariana MARTINEZ explica tudo!

Como a INTERNET se tornou importante com a WEB 2.0


WWW.DRESSED.COM.BR COMING SOON


MEU PSUM Magazine NATHÁLIA DEPAULLA Ed. Chefe MODA Produção ROSITA ORTIZ & HECTOR ROMERO Make up NATHÁLIA DEPAULLA FOTOGRAFIA Studio & Iluminação MIGUEL ROSALES Locação ROSALES ESTILISTAS Fotos MIGUEL ROSALES Externas PEDRO AZNÁREZ Direção CELESTE TRUJILLO & MARIANA MARTINEZ REDAÇÃO Redação Geral NATHÁLIA DEPAULLA Textos de MARIANA MARTINEZ, CAIO BERTAZZOLI & SEBASTIAN VILLAGRA ARTE Diagramação NATHÁLIA DEPAULLA Edição Fotográfica MIGUEL ROSALES & SEBASTIAN VILLAGRA PUBLICAÇÃO DIGITAL Upload e Gerenciamento NATHÁLIA DEPAULLA Hospedagem ISSUU

MAIS DE 50 PÁGINAS COM TODAS AS NOVIDADES DO MUNDO MEU PSUM PARA VOCÊ!


3 Anos. De muitos outros.

PARABÉNS, MEU PSUM!


Apoio Internacional do Aniversรกrio de 3 Anos do Blog Meu Psum.


Indice 06 Carta da Edição 07 Mural Meu Psum Curiosidades sobre o que já aconteceu no Blog. 09 Colaboradores Conheça Sebastian, Caio, Rocio, Hector e Mariana. 11 Entre Beats and Bytes Como um músico se converteu em um Community Manager 31 MODA Os “likes” do Meu Psum nas peças da Estação. 32 Manifesto Gay! Sebastian Villagra vai te deixar com uma pulguinha atrás da orelha. 34 EBB O Blog já teve um evento. Saiba como foi e quem foi! 36 A Moda da Casa - Rocio Ortiz A Produção de Moda por trás de “La Tienda Los Angeles” 39 Pnina Tornai O Post mais acessado do Blog 41 Web 2.0 A Internet procura inteligência coletiva. Mariana Martinez explica como. 43 Miguel Rosales Entrevista 44 Uma Los Angeles no meio de Córdoba Onde tecidos viram sonhos. 47 Extra! E se as ruas de Córdoba fossem nossas? 53 Notas Box de Caio Betazzoli e da redação.

16 CAPA Photoshoot feito especialmente para o aniversário do Blog pela nossa colunista de Córdoba. Muito glamour em vestidos feitos por Moulage.


Carta da Editora Que nervoso! Sabe há quanto tempo eu não colocava as mãos em uma diagramação de revista? Nada menos que quatro anos... Assim que eu tive a idéia foi um frisson, uma loucura, uma conversa louca com a Dessa pelo Facebook e uma empolgação geral. Assim que eu cheguei em casa, deitei na cama e acalmei a mente eu pensei “P***a que P***u! Que diabos eu tô fazendo!?” Mas aí já tinha virado sonho... E sonho a gente realiza. Não foi fácil, eu fiquei doente nesse meio tempo, eu tive uma carga de trabalho sobrenatural em outros projetos e como se não bastasse meu notebook não estava presente para colaborar. Valeu, namorado pelo empréstimo! Cada página foi desenhada duas vezes. O risquinho do índice, as fontes minuciosamente testadas antes e as cores... Eu não queria rosa, nada rosa! Mas queria muito vermelho, amarelo e preto e branco. Testei cada cor duas, três, nove vezes também. Acho que deu certo, acho que ficou no equilíbrio que uma revista tem que ter. Outra coisa engraçada é que eu nunca participei de nenhuma revista minha... As que eu fiz na faculdade, as que eu fiz para amigas, nada! Eu tinha uma fotinho 3x4 na contra capa e já era demais. Nessa, além de tudo que eu tive que fazer eu ainda modelei. Outra coisa que não foi fácil pela idéia maluca que eu tive para as fotos, mas... Essa história fica para outra página. No fim, o resultado está aí! É de vocês... E claro, meu presente singelo, mas com todo o amor do mundo para a minha Pituca, a Dessa! Bem vindos à nossa revista. Primeira. Sem chances de ser a última. Desfrutem, leitores... Xoxo,

NatháliaDePaulla


Mural Meu Psum post o e u q a i b Você sa Blog o d o d a s mais aces i o de o f o n a o no últim ento m a s a c e d vestidos ornai? T a n i n P a d

O Blog em números

Psiu... O Pr imeiro evento do B log fez tanto sucesso que esteve em ma is de 20 páginas pela net!

sptodsot o p o o m m i i s s s í s í r i r meei O pprriim dniao o i n o f i o f m m u s u s P u ePu o eM dM Noss luAém g l . A 0 . o pú 1 0 0 1 2 0 / 2 5 / 0 blico 0d8ia/058 é 95% dao a r m e e l t a o u q e a r l ab a qleum no. O femini mubérm e l g t??? nde a s ? o ? p ? t s o o d p a acha o tem g e n te hom ==SS/ e segu n ir um s pra blog, hein ? =S quente e r f s i a m o O assunt era nail o i c í n i o n do blog dona é a o m o c s art, ma do his i o p e d , a o camale ou com t l o v g o l b atus, o a muito l e d s o i c í v outros ! bacanas tb

O an i conto versário u d nacio com ap o Blog oi n maio al de u o nterre m de B s redes d a das el e o Ro eza da A Salões rgent sales in E foi um stilistas a, . E arras o!


Apoio do EBB - 1째 Evento do Blog Meu Psum


Colaboradores

Obrigada!

Sebastian Villagra mora em Córdoba e é Community Manager. Participa da revista com um manifesto a favor das comunidades excluídas em uma crônica que leva o leitor a uma autocrítica leve e inteligente.

Mariana Martinez é Comunicadora Social. Cordobesa, atua como Communty Manager entre outras tarefas relacionadas à Comunicação e pesquisas. Nos explica como a internet busca uma inteligência mais coletiva e muda nossos hábitos e cotidiano. Hector Romero é Designer. Vive em Córdoba e foi o responsável por toda a produção de moda da nossa revista. Especialista em Moulage, montou 3 looks maravilhosos para nossa matéria especial.

Caio Bertazzoli é Músico e Diplomata Cultural. Brasileiro, vive em Córdoba há um ano e conta como virou Community Manager e como as redes sociais foram importantes para sua transição de músico à um estudioso de relações internacionais.

Rocio Ortiz é Comunicadora Social e está à frente do marketing da Tienda Los Angeles. Cordobesa, pretende trabalhar com moda mais e mais e mais... Participarm também: Celeste Trujillo e Pedro Aznárez.


Apoio do EBB - 1째 Evento do Blog Meu Psum


De

BEATS a ByTES

Caio Bertazzoli conta como foi de músico à Diplomata Cultural e Social Media Manager através da descobertas das Redes Sociais

A internet: um oceano de todo tipo de informação, das mais importantes até as mais absurdamente inúteis. Como muitas pessoas, até pouco tempo atrás eu achava que a internet era um mundo com algumas coisas legais, outras interessantes e um monte de lixo virtual. Ok, todo mundo acha divertido um video de gatinhos tomando banho (sim, esse video tem 50 milhões de views!), mas na verdade sabemos que poderíamos viver sem isso, não é? Apesar de sabermos que existem

muitas coisas realmente interessantes e informativas na Web, normalmente essas coisas não fazem parte da nossa atividade diária. Em algum momento, eu comecei a procurar cada vez mais por esse lado “interessante” da internet. Meu interesse por música foi a cada dia se convertendo em um interesse em cultura e isso eventualmente me levou à outros assuntos ainda mais amplos relacionados à esse mundo, como cultura e educação, relações internacionais e sociologia. Foi aí que eu come-

cei a estudar diplomacia cultural. Graças à Web, descobri um curso online de diplomacia. Na verdade eu descobri que existe todo tipo de curso online! Acho que é possível ir da pré-escola ao pós-doutorado somente pela internet. Se você quer aprender história e matemática, por exemplo, pode ir na Khan Academy. Se quiser fazer uma pós, até Harvard já tem mestrado à distância. Isso tudo é muito fascinante, mas com a quantidade de informações e possibilidades jogadas e espalhadas


pelo mundo virtual, as vezes fica difícil encontrar alguma coisa ou até mesmo saber por onde começar. Foi então que eu descobri que essa é uma das grande utilidades das redes sociais. Como normalmente nos ligamos à pessoas ou grupos com os mesmos interesses que nós, a comunidade faz o papel de filtrar e encontrar conteúdos interessantes e relevantes. Cada pessoa descobre uma pequena informação e quando juntamos tudo isso temos uma grande seleção muito educativa e fascinante à nossa disposição. Confesso que caí de pára-quedas no mundo das redes sociais. Até recentemente eu era o típico usuário comum: um Facebook para manter contato com os conhecidos, uma conta no Youtube sem muita atividade... Nada que poderia caracterizar um “heavy-user”. Mas, como a necessidade faz o homem (é o que dizem pelo menos...), eu estava aceitando qualquer emprego que aparecesse: fui carpinteiro, ajudante de cozinha, professor de línguas... Em meio à minha busca por algo que pagasse minhas contas eu encontrei uma oportunidade interessante: Community Manager. A primeira coisa que eu pensei foi “hein?”. Bom, pelo nome e pelo contexto eu pude entender que

seria algo como ser um mediador das páginas do Facebook da empresa. Realmente é isso, mas também é muito mais. Fora os outros aspectos interessantes desse trabalho como estatísticas dos usuários, SEO, mil tabelas cheias de informações, o funcionamento dos algoritmos do Facebook, marketing digital, a responsabilidade jurídica de ser a voz online de uma empresa multinacional, etc, a parte mais interessante ainda é que agora eu sou praticamente obrigado a descobrir verdadeiramente a internet. Nesse trabalho, estar atualizado é fundamental! Vamos com um exemplo: uma vez, uma certa empresa do ramo da moda resolveu identificar alguma de suas coleções no Twitter com o hashtag #cairo. Não seria um problema não fosse o fato de isso ter sido no auge da primavera Árabe enquanto milhões de Egípcios protestavam e confrontos violentos estavam acontecendo na capital do país. Essa hashtag era usado pelos ativistas e agências de notícias internacionais para postar os últimos acontecimentos desse momento histórico. Não precisa dizer que ninguém gostou dessa brincadeira, não é? Quem quer que fosse responsável pela estratégia de social media dessa empresa deve ter aprendido bem rápido que para trabalhar nesse cenário, é preciso estar ligado no mundo inteiro. Certamente, ignorância não é benção aqui! Isso também me levou a descobrir como a internet está se tornando um campo em que a política está cada vez mais presente. E eu não estou falando de somente de assinar petições online, mas existe uma séria e importantíssima batalha na internet em relação à privacidade, direitos autorais ou o que é e o que não é conteúdo impróprio ou abusivo. Essas questões estão nas mãos de Em sua casa, localizada em um calmo bairro de Córdoba, com as mascotes grandes corporações como Google e Facebook, por exemplo. inseparáveis Pipoca e Panceta.

Recentemente, o Google entrou em uma discussão com a União Europeia sobre sua política de privacidade, pois isso pode afetar os cidadãos europeus. O Facebook, assim como o Google, tem que decidir o que eles vão considerar conteúdo impróprio e como eles vão filtrar isso. Um documentário no Youtube pode estar quebrando as leis do Irã mas não da Alemanha, por exemplo, mas o governo do Irã pode não querer que em algum lugar do mundo alguém possa ver um filme que critíca seu regime, o que por sua vez pode ser censura. Bem, as questões vão ainda mais longe que isso e a medida que o tempo passa a internet está cada dia mais próxima do jogo político e econômico. Descobriram nos últimos tempos que é possível “prever” quedas ou altas na bolsa baseadas nas pesquisas que são feitas no Google. Bem, dentro desse mundo de coisas possíveis na Web e com o filtro importante das redes, eu descobri o que eu chamo de “a internet do bem”. Não que a internet seja do mal, mas essa é apenas uma maneira de dizer que existe um mundo de pessoas que realmente desejam usar a Web como uma ferramenta para aprender, ensinar, pesquisar e divulgar conteúdos que possam mudar algumas realidades e ajudar pessoas ou causas importantes. Para quem está começando nesse mundo, eu reuní alguns exemplos de “lugares” interessantes na internet que gosto muito e acho bacana compartilhar. É claro que esse é o “meu” mundo, digamos, tudo é baseado nos meus filtros e interesses pessoais e profissionais. O Facebook é um bom ponto de partida, existem muitas páginas de vários grupos e instituições que podem te levar a outros lugares que você ainda não conhece, basta começar. Sugiro que você crie o seu próprio mundo virtual também, pode ser uma experiência muito interessan-

Veja no final da revista o box com as indicações de Caio Bertazzoli.


Em meio à minha busca por algo que pagasse minhas contas eu encontrei uma oportunidade interessante: Community Manager. A primeira coisa que eu pensei foi ‘hein?’.


O Blog Meu Psum comemora três anos de muitos acessos e a equipe de moda prepara um ensaio exclusivo com toda a quantidade de tecido que tem direito. Muito brilho, muito glamour, e claro, muito clima de comemoração.

É Festa!


F

oi uma delícia fazer esse ensaio. Desde o processo de criação ele me pareceu um desafio, mas isso me dava ainda mais vontade de fazer até o fim. Estive esperando para fazer as fotos por dias e justamente por isso acabei ficando muito cansada durante a sessão pelo sono e ansiedade acumulada. Mas acredito que isso tenha sido um bom ingrediente para tentar ficar um pouco mais calma e conseguir fazer tudo a tempo com o maior capricho que podia. E acreditem, coloquei o meu melhor em cada letrinha, cada linha, cada tamanho de imagem dessa revista e isso me deixou mais que feliz! Eu pude ajudar de longe e ainda me diverti horrores. Há muito tempo, quando estudei Moulage foi como descobrir um mundo incrível de brincar, recortar e montar o que quiser em um pedaço de tela. E participar disso anos depois foi como reviver o cheirinho da sala de Moulage da faculdade, a única matéria que eu gostava de verdade. Eu não sabia nada sobre os modelos que vestiria, fiz uma aprovação das telas uma semana antes com a encarregada de Marketing da Tienda Los Angeles, que me vestiu, e só. Coincidentemente me vestiram de noiva, debutante e traje de gala, tudo que o Psum tem! Óbvio que eu fiquei nervosa, eu sou a reencarnação perdida da Carrie Bradshaw, como eu ia modelar de noiva? Foi tenso. Mas na última já me sentia preparada para dizer “sim”. Mentira. Mobilidade Mobilidade é uma coisa que não existe na Moulage. Sério, não existe! Eu não podia me mexer pois um suspiro e eu tomava uma alfinetada... Fora que se movo os pés eu piso na tela que fica por baixo escondida e rasgo um tecido nobre, caríssimo que saiu de uma loja

somente para “brincar” de noite de gala comigo! E... Se ele me der mais folga de tecido nos braços, não fica com o ajuste perfeito. Então, só era permitido mover braços e pescoço. No primeiro look, de noiva, nem os braços! Ao contrário do que muita gente pensa, em um ensaio desses não existe a possibilidade de “aparar” os tecidos para que fquem no tamanho perfeito. É proibido cortar a tela! Aqueles rolos enormes que vemos nas lojas ficam escondidinhos em algum lugar enquanto o designer esconde toda e qualquer pontinha que possa deixar aparecer a falta de costuras. Acreditem ou não, todos os meus vestidos foram feitos apenas com alfinetes fortes, nada mais! Por essa razão eu modelei com os pés no mesmíssimo lugar e virava somente o tronco e a cabeça... Para as fotos de perfil, o designer refazia todo o movimento natural da roupa como se fosse a primeira vez a cada clique. Fiquei as quatro horas do ensaio de pé, no mesmo lugar e lutando para ter várias “poses” diferentes estando sempre com os pés na mesma posição. Processo A criação do ensaio tinha que fazer sentido. Eu não podia simplesmente modelar sem propósito algum, então, elegi o clima “festa” que era exatamente o sentimento que a gente sentiu em cada pedacinho da criação e um assunto que pudesse render uma matéria educativa de moda e a técnica de Moulage é mais que educativa para isso. É antiga, nasceu na Grécia e ficou por anos esquecida, quase ninguém conhece, alguns conhecem mas não sabem bem o funcionamento e é uma delícia de tentar! Você pode brincar com um manequim do jeito que a imaginação permitir e depois colocar em um molde bidimensional com ajuda de um profissional, mas a priori, a brincadeira você pode fazer sozinha!

Produção Para fazer uma produção glamourosa necessitaríamos de muita gente. Por não poder sentar eu tinha que abaixar levemente para a moça da maquiagem retocar os tons e ela ficava na ponta dos pés. Para os cabelos, ninguém podia pisar nos tecidos, então a produtora ficava descalça e fazia o que podia há alguns bons centímetros de distância. Fora isso, ninguém pensa em como tecidos podem ser pesados! Noivas, eu nunca mais reclamo do mau humor de vocês com as cerimonialistas, não sabia que renda e tule pesavam tanto! Cetim então... Muitos quilos a mais que eu! Entre muito mais dificuldades. Então, além de mais gente se fazia necessário escadas, banquinhos, lugares onde eu pudesse me apoiar ou qualquer coisa que permitisse que as pessoas estivessem mais altas que eu, como acontece quando se pode sentar em uma cadeira de salão. O resultado me agradou muito. Os modelos ficaram reais o suficiente, as cores me encantaram e ufa... Ninguém me jogou dentro de um vestido cor de rosa! Fotógrafo Ele teve muita paciência. Muita. Como ser criativo para ter os melhores cliques de uma pessoa que não podia se mover? Aliás, ele já chegou na sessão avisado e eu vi nos olhos dele que seria um desafio também. Mas, ele era tão profissional, foi tão responsável e participativo no processo inteiro que conseguiu o melhor de mim quando eu não conseguia me concentrar com a preocupação de ficar parada. Foi uma das experiências mais diferentes e criativas do meu ano... Acho que nunca fizemos um projeto tão detalhado ou tão estudado como esse. Foi preciso muita conversa, contatos, muita calma e muitas noites em claro pensando em como fazer sempre mais.


Fotografia: Miguel Rosales Produção: Rocio Ortiz Telas: Tienda Los Angeles Moulage: Hector Romero Vestido de Noiva feito somente com cetim, renda e alfinetes. Nenhuma Costura.


O que é Moulage

Criada pela estilista francesa Madeleine Vionnet, a técnica de moulage veio para o mundo da alta costura como um avanço da modelagem já conhecida. Criada de forma tridimensional, permite ter diretamente em um manequim os tamanhos e formas que vemos desenhados em um croqui e dá ao estilista uma prévia de como será o resultado final no tecido original. Feito com tecidos de baixo custo, a técnica da moulage permite reduzir erros de caimento e acabamento, pois torna mais fácil estruturar o tecido com o que se mais assemelha com o corpo humano: um manequim. Em uma criação, por muitas vezes a idéia em mente não se faz possível em um tecido, seja pelo corte, seja pela estrutura ou pelo tecido imaginado para a peça. A moulage permite fazer todos os testes possíveis antes mesmo de fazer um molde em papel e evitar que uma peça importante venha a falhar no momento da execução.

“A

modelagem está para o design de moda, assim como a engenharia está para a arquitetura.

A alta costura é marcada pela moulage inserindo corsets, babados, recortes e adornos feitos a mão passo a passo em um manequim antes de ir ao corpo. Por muitas vezes, peças que são feitas por moulage necessitam de várias

provas, o que torna a peça mais cara e demorada, porém, com um caimento exatamente perfeito aos olhos humanos da high couture. Apesar de sua importância a técnica ainda é pouco conhecida no Brasil. Foi difundida apenas com a advento das universidades de moda e ainda assim é pouco utilizada e conhecida em confecções que sejam de pequeno ou médio porte. O nascimento da celebrada técnica nasceu na Grécia. Roupas sem costura com caimento leve e que adornavam o corpo de forma eficaz levando apenas amarrações em pontos de sustentação como cintura e ombros. Madeleine Vionnet, com sua busca interminável pela perfeição acrescentou costuras à técnica de moulage em seus experimentos, podendo explorar toda e qualquer ideia que viesse a ter e que poderia ser imaginada em um tecido. O Brasil, por mais detalhista que seja, criou uma falsa idéia de que não há necessidade de provar uma peça de roupa feita por moulage e por isso há estilistas que aplicam o corte no tecido definitivo. O ato é altamente arriscado e no caso de erros, faz a produção ainda mais cara. Nas escolas sérias e profissionais de moda ao redor do mundo, um peça que usa moulage nunca será feita em um tecido que não seja a “tela-teste”, onde é possível errar, repensar e ajustar toda e qualquer necessidade da criação. A alta costura é a principal cliente da técnica moulage. Nenhum vestido sai das grandes casas de moda sem passar por ela. Isso faz com que os desenhos que impressionam os amantes de qualquer Red Carpet sejam perfeitos a olho nu. Os manequins ajustáveis, aqueles que podem ir de um tamanho a outro sem deformar o desenho do ‘corpo’, se representam a

Moulage feita por Madeleine Vionnet. pessoa que vestirá a peça. Esta, fará a prova depois que toda a estrutura estiver montada e presa por alfinetes ou alinhavos. Outras provas são necessárias posteriormente, antes de cada cos-


tura definitiva, para que o estilista tenha completa certeza da união entre tecidos que fará. Com essa segurança, é praticamente impossível errar e ter uma peça que não apresente um bom caimento.

Moulage e a indústria das roupas prontas

Ao conhecer a técnica uma única vez, é impossível não desejar ter outra peça feita por ela. Nos anos 90, quando o boom das indústrias de roupas prontas veio com a promessa de desbancar a profissão, muita gente apostou que iria comprar roupas por um preço mais baixo e com a mesma qualidade. A indústria continua com a mesma força, mas, a procura por peças exclusivas e feitas diretamente no corpo é mais usual do que se pensa. As festas mais importantes como graduações e bodas são as primeiras na busca de um vestido único e feito para respeitar exatamente as medidas da dona acaba sendo um sonho que muitas vezes não seria possível com uma compra pronta. As peças que mais apresentam problemas diante dos olhos das compradoras são vestidos de festa, calças,

tailleurs e camisas sociais. A busca dos consumidores por modelos cada vez mais parecidos com o que apresentam as revistas faz com que a moulage se torne necessária para todo e qualquer profissional. Por esse motivo, as roupas básicas são as que mais saem das lojas de departamento que conhecemos. Outro problema encontrado pelas lojas é a escolha do tecido. O casamento entre tecido e caimento muitas vezes faz a produção complicada, o que faz com que nas gôndolas, haja muito mais tecidos populares que tecidos nobres. Além da economia que eles trazem à uma peça, muitas vezes são mais fáceis de adaptar à um modelo. Na moulage, é possível transformar um tecido difícil de trabalhar em uma peça final. Essa afirmação, faz com que cada vez mais os profissionais da área de moda busquem aprender moulage a fundo para poder aplicar pelo menos parte da técnica nas peças de departamento que temos na indústria de roupas prontas do País.

“A busca dos consumidores por modelos cada vez mais parecidos com o que apresentam as revistas faz com que a moulage se torne necessária para todo e qualquer

profissional.”

Criação de Madeleine Vionnet feita por Moulage


“Nãe é dificil modelar, o difícil é não se mexer...”

Vestido de gala com tecido brocado e seda. Nenhuma Costura.


Vestido de Gala. Tule bordado, Cristal e Cetim. Sem costura.


“Fique em pânico com a história de me vestir de noiva... Relaxei quando me colocaram em um vestido de gala.”


“Não íamos tirar fotos “tortas” como diz a Andressa, mas aí...”


Apoio Internacional do Aniversรกrio Meu Psum


Moda Psum

Outono/Inverno

Braceles Prateados De R$19,90 à R$80,00

*Por decisão da editora, não citaremos marcas. Pérolas De R$168,00 à R$954,00

Maxi Brincos De R$19,90 à R$100,00

Ankle Boots De R$79,90 à R$350,00

Acessórios Animal Print De R$23,99 à R$60,00

Sapato Bicolor De R$189,90 à R$460,00

Casaco de Couro De R$299,00 à 986,00

Cardigãs com Aplicações de Metal De R$129,00 à R$ R$299,99 Maxi Colares De R$65,00 à R$420,00

Anel Duplo com Aplicações DeR$18,00 à 68,50

Saia Vintage De R$29,00 à 220,00

Clutchs com Aplicações De R$129,00 à R$399,90 Camisas com Spikes De R$59,00 à R$250,00

Vestidos em Renda De R$170,00 à R$699,50


Es costo de la

extravagancia (É o preço da extravagância)

Por Sebastian Villagra

U

m esteriótipo muito marcado no imaginário coletivo é que uma pessoa gay se veste bem e tem a ver com moda. Há algo de real nessa construção social, os designers da moda são homossexuais e, de certa forma existe uma tendência tácita nas pessoas da minha comunidade em combinar cores e a conhecer nomes de modelos internacionais. No entanto, é paradoxal que esse atributo que tem o gay de ser “fashion” é também a principal razão pela qual a sociedade o descrimina. Uma pessoa que se veste “na moda” não é sempre bem vista nas ruas das cidades conservadoras da América do Sul. A isso devemos somar que ser fashion tem muitas interpretações, quizás, na sua ansia de expressar a moda alguns gays passam a ser extravagantes. É “cool” ser extravagante? Depende de muitos fatores. Primeiro o ambiente por onde andas, não é a mesma coisa ir a uma festa em um clube exclusivo em Paris que caminhar pelas ruas orgulhoso dos olhares de desaprovação. É que a vanguarda é sempre vista como “estranha” pela massa uniforme. É curioso que uma sociedade apaixonada por estrelas que fazem da extravagância um culto como Lady Gaga ou Madona (principais influências de jovens criativos na hora de se vestir) não aprove que alguém se vista de forma exótica no seu dia-a-dia. O mais interessante de toda essa colocação, é que essa rejeição é o que leva muitas minorias

a se expressarem e a se revelarem na sua forma de vestir. Deve-se ser famoso pra se vestir como se quer? A condição sexual tem a ver na hora de expor o bom gosto? Uma nova geração aparece se vestindo como quer e colocando atitude na sua criatividade e seu abandono. Suponho que o status quo não teria sentido se todos se vestissem de maneira igualmente chamativa, não é? Sebastian Villagra


Apoio do Aniversรกrio de 3 anos do Blog Meu Psum.


Matéria Especial - Relembrando o EBB

Elas são blogueiras, profissionais, mulheres e acima de tudo apaixonadas por beleza e mundo feminino. Unindo o útil ao agradável, a blogueira Andressa Marques reuniu 45 dessas mulhres para um encontro de blogueiras e bloguetes onde a regra era “ter um momento agradável e produtivo entre mulheres”. Assim nasceu o EBB, que com o successo da edição volta repaginado para uma nova jornada de muitas surpresas e, com certeza, ótimos resultados.

EBB EBB O

evento foi criado pelo Blog Meu Psum e realizado em 23 de Outubro de 2010. Com o apoio de diversas empresas, o Encontro de Blogueiras e Bloguetes (EBB), como foi denominado pela dona do Blog, teve a participação de mais de 45 meninas que desfrutaram de uma manhã de muito universo feminino e ainda tiveram o privilégio de presenciar lançamentos de produtos de beleza apresentados em primeira mão por profissionais das marcas participantes.

Encontro de Blogueiras e Bloguetes

Sediado pela Spasso Cosméticos, o EBB pode ser considerado um evento de êxito. Com seis patrocinadores, os sorteios que permearam o evento foram os principais atrativos para que as vagas fossem preenchidas rapidamente e contasse com 100% de presença da lista. As participantes, ainda eram contempladas com um Kit Beleza assim que chegavam ao evento, o que foi uma surpresa e de certa forma deixou o evento ainda mais incorpado. Com toda a organização bem estruturada, o EBB teve uma aceitação inesperada e esse foi o motivo da divulgação espontânea das blogueiras e seguidoras que compa-

receram ao evento em mais de 20 páginas virtuais, relatando toda a satisfação das participantes. Entre todas as regalias, as participantes contavam ainda com esmaltação e maquiagem completa, onde profissionais da área estavam à disposição das meninas para que saíssem do evento com unhas e make feitas. Depois do sucesso do primeiro evento, o Blog Meu Psum se prepara para o próximo esperando a mesma repecurssão, ele será feito nos mesmos moldes mas com novidades que são as apostas da dona do blog para um sucesso ainda maior. Reunimos as melhores fotos do evento para relembrar como foi o EBB...


Matéria Especial - Relembrando o EBB

MIMO! Esse era o Kit super fofo que as participantes recebiam na entrada do evento.

SORTEIO HITZ! Um dos sorteios mais esperados do evento foi o Kit com 48 esmaltes Hitz. Dá para ver a carinha de felicidade da ganhadora, não é?

MAKE! E Maquiagem para as sorteadas! O cantinho da Make fez sucesso entre as meninas do EBB!

MOMENTINHO

ES PE CI AL

Várias ganhadoras puderam sair do evento com presentinhos super fofos dados pelo Henrique, que além de apresentar a sua empresa, fez a alegria geral da mulherada!


Rocio Ortiz: A moda da casa! Aos 28 anos, Rocio Ortiz é responsável pelo Marketing e Comunicação de uma das lojas mais influentes na cidade de Córdoba. A comunicadora Cordobesa está há um ano a frente da “Tienda Los Angeles” e pretende muito mais com o mundo da moda que podemos imaginar.


Meu Psum: Quando decidiu que trabalharia com moda? Rocio Ortiz: Tomei conhecimento da oportunidade laboral e comecei a conhecer a fundo o mundo da moda e o grande universo da industria têxtil. Moda é algo que nos encanta pelo simples fato de sermos mulheres e a verdade é que trabalhar nesse cenário é um prazer. MP: Há quanto tempo trabalha nessa área? RO: 1 ano. MP: O que pretende fazer com moda no futuro? RO: Gostaria de seguir desenvolvendo minha profissão no setor. Esse cenário tem muito a dizer. MP: Que significado a moda tem para você? RO: Creio que a moda é uma linguagem que cada mulher usa para sair ao mundo e dizer “esta sou eu.” Coco Chanel costumava dizer “A moda sai de moda, o estilo, jamais.” E para mim, a moda está mais relacionada ao estilo de cada mulher que com a tendência em si. Por isso eu gosto de ressaltar o valor que têm os gêneros têxteis na hora em que uma mulher imagina como quer se apresentar, que possam imaginar o vestido dos sonhos e fazer realidade. MP: Na moda, quais são suas preferências? Há algum designer que você goste mais, uma marca...? RO: Minhas preferências estão sempre relacionadas com meus gostos. Não sou uma fashion victim. Gosto de ter meu próprio estilo, sempre me atento às tendências e sempre me agrada colocar meu toque personal nas minhas produções. E se tenho que escolher um designer que me agrade muito e que com certeza me faria vestir um desenho dele de olhos fechados, sem dúvida seria o Argentino Benito Fernandez. MP: Quais experiências teve no universo da moda até agora?

RO: As experiências são super positivas. Consegui fazer produções de moda com modelos usando telas sem nenhum tipo de costura, algo que se faz muito nas revistas de moda cordobesas e me senti muito confortável com os resultados. Além disso, cruzei com um monte de gente super capacitada nesse cenário e apaixonados peloque fazem, o que me permite aprender muito em cada produção. MP: O que mais te agrada em fazer produções? RO: Gosto de todo processo que tem a ver com produção. No meu caso o desafio é fazer com que o tecido se destaque mais que o design de um vestido, mostrando a relação da tela com o corpo feminino. Pessoalmente, acho que a escolha de um tecido correto é 70% de um vestido. MP: É sua primeira produção para outro país? RO: Sim, essa é a minha primeira para outro país e a verdade é que estou muito confortável com o que fizemos. MP: Gosta do Brasil? O que mais te chama atenção no País? RO: Me encanta! Disfrutei muito das praias do sul do Brasil. Amo os sapatos Brasileiros e o estilo que têm as mulheres. MP: Se pudesse mudar algo no mundo da moda, o que seria? RO: Gostaria que a moda se adaptasse às mulheres, não que as mulheres se adaptassem à moda.

Como equilibra a vida pessoal com o trabalho: Gosto do meu trabalho, me diverte. Mas trato sempre de colocar um limite para disfrutar das minhas tarefas e meus prazeres. Se tivesse que escolher uma palavra que te defina, qual seria? Amarelo.

Exercitando seu hobby: fotografia.

Gostaria que a moda se adaptasse às mulheres, não que as mulheres se adaptassem à moda.

Curtas! Um pouquinho mais de Rocio Ortiz... Idade: 28 Anos Cidade de Nascimento: Córdoba Formação: Licenciada em Comunicação Social - Universidad Nacional de Córdoba. Hobby: Fotografia. Preferência musical: Gosto de todo tipo de música.

Em estúdio, trabalhando na produção das fotos da matéria especial da Revista Meu Psum. Nota: Rocio Ortiz foi a responsável pela escolha de tecidos e temas do nosso photoshoot. A equipe Meu Psum agradece!


Patrocinadora do EBB - 1째 Evento do Blog Meu Psum


Postado originalmente em 17 de Agosto de 2012

Vestidos de Casamento Pnina Tornai

Olá meninas... Hoje começo uma

saga um pouquinho diferente aqui no blog. Vamos falar de moda, casamento e história. Sim, história, afinal grandes nomes constroem a história. Mas vamos começar do começo, como diria uma antiga professora minha. Há alguns dias atrás uma amiga começou a conversar sobre vestidos de casamento. Então outra amiga passou um link em nossa conversa no Facebook que falava sobre compra de vestido de noiva em New york. Achei o post super bacana, me deu várias ideias (se quiser ler também clique aqui). E uma delas foi trazer aqui para o blog uma bateria de posts que falassem de grandes estilistas de vestidos de noiva, contando sua história, seu estilo e, claro, mostrando alguns de seus vestidos. A escolha para o primeiro post é muito pessoal. Pnina Tornai nem é uma das mais famosas estilistas, conhecida claro, mas não está entre “as mais”. Porém, eu gosto bastante do estilo dos vestidos dela e achei que começar pelo que gosto traria uma vontade extra para o primeiro post. Bem, aos que não sabem, eu adoro o canal Discovery Home & Health, e tem um programa que se chama “Say Yes to the Dress” (O vestido ideal, no programa dublado que passa aqui no Brasil). Foi nesse

programa que conheci alguns dos vestidos dessa estilista. Pnina Tornai nasceu em 1962, em Israel. Na realidade o nome dela é Perla, mas em hebraico é Pnina, que acabou ficando. Quando criança, tinha o sonho de ser atriz, até correu atrás desse sonho, mas seu terceiro marido foi quem impulsionou sua carreira. Ela abriu uma loja em Tel Aviv, a segunda cidade mais populosa de Israel, e lá começou a vender vestidos. Até que um dia uma moça a procurou e pediu que ela fizesse um vestido de noiva. Ela aceitou a proposta, depois do casamento de sua cliente, muitas outras noivas viram a foto do vestido num jornal e pediram cópias para Pnina. A loja cresceu e os vestidos de noiva eram a grande atração. Foi então que seu marido sugeriu que ela apresentasse seu trabalho à loja Kleinfeld (uma mega loja de vestidos de noivas que conta com milhares de vestidos assinados por inúmeros estilistas). Inicialmente ela foi rejeitada, disseram que seus vestidos tinham muita renda. Mas ela não desistiu, refez\ seus desenhos para um estilo mais “Kleinfeld” e conseguiu conquistar a loja. Depois disso sua carreira decolou. Hoje ela tem lojas em Atenas, sua loja em Tel Aviv e uma boutique dentro da Kleinfeld - honra conquistada pela enorme aceitação

que seus vestidos tiveram e tem até hoje.

O estilo

O corpete é a parte mais valorizadas dos vestidos dessa estilista, valorizando o colo. As linhas são femininas e sensuais. Brilho é uma característica quase que obrigatória em suas peças. Pnina não economiza nos tecidos, em vários modelos podemos ver uma saia bem carregada, realmente artesanal. Vestidos básicos não combinam com ela, sempre há algum detalhe. Valores Os vestidos Pnina estão a venda a partir de $ 5,000.00

Vestidos

E agora vamos que que interessa. Abaixo listei alguns dos vestidos Pnina Tornai, tentei trazer modelos diferentes para que possam avaliar o trabalho e conhecer um pouquinho desse universo de alta moda tão gostoso. E essa é Pnina Tornai.... e sua arte. Espero que tenham gostado do post e da ideia de trazer novos estilistas aqui para que todas conheçam um pouquinho mais. Já estão na minha lista: Vera wang, Badgley Mischka, Amsale, Monique Lhuillier e Reem Acra. Adoraria saber o que acharam desse post e o que esperam para os próximos. Dicas e sugestões são sempre bem vindas! Beijinhos!


Fotos que ilustraram o post...


Web 2.0:

Por uma inteligencia cada vez mais coletiva Estamos em uma época onde ninguém vive sem internet. A comunicação tomou outro rumo e estar fora das redes sociais é incomum. O divã virou Twitter, o ponto de encontro Facebook, a entrevista de emprego é no LinkedIn e o lugar old school onde ninguém mais vai costumava se chamar Orkut.

O

que você está pensando? Você começa o seu dia expressando ao ciberespaço o que está pensando como parte de uma macro rede social. Quando menos esperávamos, a era das comunicações digitais nos pegou de surpresa para instaurar uma forma nova para nos expressar: a mobiização e a dinamização do público no cyber -espaço, totalmente aberto, interconectado e muito incerto. As redes sociais nos trouxeram a promesa de uma conexão sem mediações onde permanecemos conectados com uma grande quantidade de mensagens que escapam dos clássicos circuitos midiáticos de comunicação (como eram antigamente algumas instituições políticas, cadeias de televisão ou coorporações multimidiáticas) e onde o poder de emissão de conteúdo retorna a cada emissor. A era do conteúdo não só se coloca como um espaço de comunicação digital, mas revoluciona o tabuleiro do conhecido para nos apresentar usuários com poder ou Power Users, graças a que a geração de conteúdos se fez cada vez mais pessoal.

Ao que pese algumas afirmações contra, as redes sociais, como no mundo dos blogs, geram sim influência e muita. Para o jornalista Juan Varela, os meios sociais se definem pela convergência de indivíduos em redes sociais, o uso de novos meios e a distribuição ou conexão de ideias, textos e outros conteúdos informativos e de opinião. São meios participativos nos quais a informação de define como uma conversa. Os meios sociais usam ferramentas de comunicação, inter-relação e publicação na internet para facilitar e fomentar a participação dos cidadãos na criação de conteúdos na rede. Os recursos tecnológicos se converteram no centro de nossas vidas, assim como a incorporação dos smartphones, dando-nos a possiblidade de estar 24 horas por dia conectados e 100% informados de cada interação em nossas distintas identidades digitais (twitter, facebook, linkedin, instagram, entre tantas outras). A novidade? Escapa ao recurso tecnológico. A colocação da interconectividade nas mão da web 2.0 trouxe novas concorrências digitais, novas formas de relacionamentos baseadas na colaboração coletiva infinita e

multidirecional e a liberdade de expressar uma multidão de ideias e opiniões em diversos formatos e conteúdos que estão abertos para que cada um “edite” e “atualize” em um cruzamento infinito de sentidos. Mas o mais ralevante é, sem dúvida, o desejo de querer sentirse parte deste mundo virtualizado desde a própria participação e ação do cibernauta, onde se divide a responsabilidade da construção de um amplo acúmulo de conhecimento sobre si mesmo, dos outros e do mundo inteiro. Ao ponto que, o fluxo de informação depende exclusivamente do comportamento das pessoas. Se as complexas interações que acontecem neste entorno animam um mundo que, ao que pese sua virtualidade, se transformará em mais solidário e colaborativo, não seria demais apostar que a digitalização desses comportamentos se transporte ao mundo real, onde cada cidadão valha pela sua própria voz e se forme em um mundo mais plural e com um sentido mais comum. A verdadeira essência da inteligência coletiva, sem dúvida alguma, está atrás de cada pessoa que está por trás da rede social, e é isso que conta. Por Mariana Martinez.


Apoio do Aniversรกrio de 3 do Blog Meu Psum.


Entrevista

MiguelRosales O Hair Stilyst fala da carreira, dos planos e da sua relação com o Brasil

Nome completo: Miguel Angel Rosales. Cidade de Nascimento: Córdoba, Argentina. Data de Nascimento: 3 de agosto de 1956 Há quanto tempo iniciou a rede Rosales Estilistas? 28 anos. Quantas filiais tem a rede? Quatro. Pretende expandir para outro país? Já pensei nisso, mas não é fácil... Quando decidiu que queria ser Hair Stylist? Pensei há muito tempo, mas comecei anos depois da idéia. O que é necessário para ser um bom Hair Stylist? Visão estética e empatia com as pessoas. Qual a sua maior conquista como Hair Stylist? Ser para a L’oreal de Paris o número um do interior da Argentina. Como se tornou fotógrafo? Antes de ser estilista, estudei fotografia na Associação de Fotógrafos Profissionais de Córdoba. Como é poder participar da produção de uma sessão de fotos como Hair Stylist e ainda fotografar? As vezes se complica, tem que ter assistentes para não perder detalhes da produção. Quantas modelos já passaram pelo seu estúdio de fotografia? Muitas… trabalhei para a Revista Las Rosas e já realizei produções na Argentina, Brasil e Estados Unidos. Em todos esses anos de carreira, qual produção sua você considera a melhor? Muitas me agradam, mas recordo com prazer a que fiz em Ipanema com a modelo Brasileira Ana Claudia Guerra. Se tivesse que escolher uma terceira profissão além de hair stylist e fotógrafico, qual seria? Me encanta Design de Moda. Há algum plano que gostaria muito de realizar? Não. Geralmente gosto do que faço e desfruto disso. No tempo livre, quais são suas principais atividades? Me encanta praticar Tênis, especialmente. O que mais te agrada em viver em Córdoba? A família e o aconchego das pessoas. O que não te agrada em Córdoba? Que não tenha praias.

Qual a sua relação com o Brasil? Muito grande. Rio é o meu lugar no mundo… Me casei com uma bahiana, uma mulher linda com quem convivi vinte e cinco anos e tive três filhos. Fotografei vários carnavais do Rio para revistas e jornais. O Consulado Geral do Brasil em Córdoba me convidou para realizar uma mostra fotográfica sobre o carnaval que me deixou muito honrado. Se lembra da primeira vez que visitou o País? Sim, foi em 1980 e me apaixonei! Como foi receber o convite para participar da comemoração dos 3 anos de um blog Brasileiro? Me pareceu interessante e além disso, respeito e admiro os brasileiros. Quais são os planos para o futuro da rede de salões Rosales Estilistas? Com a situação atual da Argentina, é difícil projetar qualquer coisa. A verdade é que sinto inveja de vocês... Miguel Rosales.


Tecendo Sonhos Entre telas inovadoras e de alta qualidade, muitos sonhos de ter “o vestido perfeito” realizam-se na Tienda Los Angeles. Fundada no ano de 1940, a loja é atualmente dirigida pela terceira e quarta geração de seu fundador original e desde então, mantém a missão de prover qualidade superior em produtos e atendimento.


O

início da loja foi em uma rua de Córdoba denominada San Martin. Em 1960 se muda ao imponente e reconhecido endereço de nome “Rivera Indarte” e até hoje desenvolve nesse endereço sua “exitosa existência comercial”, como descrevem os donos. De acordo com eles, a empresa trabalha sem pausa em busca de melhoras contínuas e essa busca se faz presente em todas as áreas da companhia. Recursos humanos, Compras, Logística, Administração e Marketing trabalham juntas para que a loja tenha uma posição privilegiada na mente dos clientes e que possam eleger a Tienda Los Angeles em primeiro lugar na busca de tecidos e telas. Com esta meta definida, os diretores utilizam passos bem simples para alcançá-la. Dispondo de fornecedores nacionais e internacionais, investem pesadamente na hora de diversificar as cores, texturas e desenhos junto com a estrita política de seriedade comercial nos preços, o que faz com que a companhia esteja sempre entre as mais competitivas do mercado cordobês. E a decisão de ter duas categorias de fonecedores se dá por um simples fato de consciência: querem fazer sustentável também a indústria nacional, com as últimas tendências do resto do mundo para o centro de Córdoba. Os êxitos nesses 73 anos são muitos, mas o que mais atrai a atenção é a força que a loja obteve no segmento de Noivas e Festas, seguido pelo sucesso do setor de Cortinaria e Tapeçaria. Mas, acima de todos esses, o maior êxito com certeza é seguir como líder de mercado têxtil desde seu surgimento, mesmo com troca de gerações na diretoria e turbulências próprias da econo-

mia. Em relação ao público, a loja se destaca por uma característica principal e muito bem vista pelos clientes. A grande oferta de produtos para todo o tipo de público, que vai desde produtos de qualidade a preços baixos até produtos exclusivos em tecidos especiais que são cuidadosamente selecionados para satisfazer a demanda dos clientes mais exigentes. Poder atender aos dois extremos é uma das maiores qualidades da loja, segundo seus diretores. Cada tecido vendido é minuciosamente escolhido pela equipe de experts têxteis e acessores de moda, que por serem de diferentes gerações agregam experiência, criatividade, inovação e aprendizado com erros anteriores, tudo isso somado a informação preciosíssima dos clientes que trazem as tendências de moda para dentro da loja dia após dia influenciando diretamente na escolha de novos produtos e fazendo com que a loja, por muitas vezes, supere as expectativas do público. Mas, promover a venda de uma boa tela não é fácil. Para que seja considerada superior, elas têm que apresentar um tipo de tecido que tenha durabilidade, fixação da cor, resistência ao costurar e lavar, que sejam suaves e confortáveis ao toque e ainda que acompanhem conceitos que vêm com a moda, como cores que mudam a cada estação e fazem com que a escolha seja ainda mais criteriosa. E a parte mais interessante... A loja ainda tem que passar tudo isso para uma folha de papel que é entregue ao cliente e a partir desse desenho, nasce um novo modelo. E é possível seguir vendendo tecidos com rentabilidade mesmo com a indústria da moda provendo tantas coleções prontas? Sim, é. De acordo com os donos da Tienda Los Angeles a moda é algo que vem como uma força inovadora que ser-

ve para dar vigor a personalidade das pessoas promovendo autoconfiança, valorização e um sentido de pertencer ao mundo dinâmico em que vivemos. Muitas vezes isso tudo se perde quando são impostos outros desejos e necessidades da indústria de roupas prontas e é aí que se brindam os sucessos de uma loja de tecidos. “Independente de tamanho ou medidas, há sempre uma solução prática, econômica e eficiente para que uma pessoa se sinta cômoda, plena, sensual, única e exclusiva”, afirma o dono da empresa. Além do planejamento atual e de todas as metas, os planos da companhia para o futuro são bem simples: manter o mesmo êxito que tem desde 1940 pelas próximas décadas...


Apoio do 2째 EBB do Meu Psum.


Para esta edição, além de fundos infinitos de estúdios fechados contamos com os puros ares Cordobeses para uma sessão de fotos exclusiva para nossa capa. A ideia do fim de tarde de um domingo por vezes ensolarado, outras nublado, era passear por uma rua qualquer da famosa cidade Argentina e conseguir com trejeitos simples e naturais a foto principal de nossa revista. Ao redor da Rafael Nuñez, avenida pomposa da cidade, encontra-se a cálida Quiroga Sarmiento, que cedeu suas cores e detalhes para a divertida sessão. Com a colaboração de Pedro Aznárez, Mariana Martinez Piervittori e Celeste Trujillo, as flores da cidade se uniram à equipe e uma simples foto de capa se transformou em um mini photoshoot simples, gracioso e natural. Por um momento, a rua se tornou nossa... Edição majestosa de Horacio Sebastian Villagra.

Se essa rua fosse nossa...


Fotografia: Pedro Aznárez Direção e Produção: Celeste Trujillo & Mariana Martinez Piervittori Corset: Dressed Shorts: Zara Sapatos: Arezzo Chapéu: Lacoste


Mariana Martinez, Celeste Trujilli & Nathรกlia DePaulla


Notas

Sites Bacanas - By Caio Bertazzoli

www.facebook.com/KurdMenForEquality Um juiz persa decidiu que uma boa punição para alguns criminosos seria obrigá-los a se vestirem com roupas tradicionais de mulheres Curdas, em público. Com um protesto bem humorado, essa página quer mostrar que não há nada de vergonhoso nas roupas das mulheres Curdas e que isso não deveria ser usado como punição pra ninguém. É apenas um exemplo do tipo de coisa que podemos encontrar pelo Facebook. www.upworthy.com Site de vídeos que tem como missão tornar viral mensagens interessantes e engajadas. É um dos meus sites favoritos do momento! www.digg.com Reúne notícias e artigos diversos da internet. A seleção é sempre feita pelos próprios usuários, então é um ótimo lugar para saber o que a internet está falando no momento. Como é uma plataforma em que as pessoas postam conteúdos de origens diferentes, o site te leva a várias fontes diferentes. www.youtube.com/user/TEDtalksDirector Essa ONG promove palestras dos assuntos mais variados e sempre com um palestrante diferente. Qualquer que seja a sua área você vai encontrar alguma coisa muito legal por aqui. www.youtube.com/user/AlJazeeraEnglish Canal do Youtube da rede de notícias Al Jazeera. Conhecida por sua independência editorial no mundo Árabe, é uma ótima fonte de notícias que nos dá uma perspectiva diferente sobre os acontecimentos do mundo. Contatos com Caio Bertazzoli podem ser feitos através de: www.caiobertazzoli.com

Agradecimentos Toda a Revista foi feita em parcerias. O blog Meu Psum agradece à todos que participaram da edição: escritores, fotógrafos, produtores, diretores. Agradecimentos à: Rosales Estilistas, Tienda Los Angeles, Hector Romero Design e às empresas Brasileiras que participaram dos sorteios e eventos. Agradecimentos especiais à: Caio Bertazzoli, Mariana Martinez, Pedro Aznáreaz, Celeste Trujillo


MEU PSUM Magazine RESPONSÁVEL Nathália DePaulla nathalia.depaulla@gmail.com PUBLICAÇÃO Brasil (Campinas - SP) Argentina (Córdoba - AR) COLABORADORES Caio Bertazzoli Mariana Martinez Sebastian Villagra Miguel Rosales Hector Romero Rosita Ortiz Celeste Trujillo Pedro Aznárez APOIO Tienda Los Angeles Rosales Estilistas Hector Romero Design MEU PSUM Blog www.meupsum.blogspot.com Facebook www.facebook.com/meupsum Contato meupsum@gmail.com



Revista Meu Psum