Issuu on Google+

Informativo diário do GFAL edição 03 - 20.06.2008

A CHAVE É USAR A MENTE Antes de repassar os seus

É preciso fazê-las falar e ouvi-las, orientá-las

dez

Charan

para articular o pensamento, para ter lógica. É

apresentou o que considera

princípios,

preciso lidar com o poder da mente”, ensinou.

a base para que uma pessoa

“No mundo todo há casos de analfabetos que

possa

ergueram impérios e só depois aprenderam a

colaborar

com

o

desenvolvimento sustentável

ler e escrever.”

de outra pessoa, de grupos

Para falar sobre os seus dez princípios para as

ou de comunidades. “Toda

iniciativas sociais e criação de redes sociais, Ram

pessoa pode

isso.

Charan baseou-se numa experiência de Uganda

A colaboração não exige

(África). O líder de uma cooperativa de leite,

dinheiro,

interessado em melhorar as condições de saúde

fazer

mas

dedicação,

tempo, e

da comunidade, buscou informações junto a

Os participantes do Global Forum América

também ferramentas específicas”, afirmou

outros cooperativistas e teve a resposta de um

Latina conheceram nesta quinta-feira os dez

o consultor, que é listado pela BusinesWeek

médico da Califórnia (EUA).

princípios estabelecidos pelo indiano Ram

entre as dez maiores fontes de programas de

“O médico foi para Uganda, conversou com a

Charan para dar efetividade às iniciativas de

desenvolvimento de executivos.

comunidade, criou uma rede social, projetou

inovação social e criação de redes sociais

A chave para o desenvolvimento sustentável,

um sistema que permitia às pessoas pagarem

sustentáveis.

Um

dos

mais

paixão

influentes

segundo Charan, está em usar o cérebro,

um dólar pela assistência médica. As condições

consultores de negócios do mundo, Charan

desenvolver a mente e o raciocínio lógico.

de saúde da comunidade melhoraram”,

falou para os mais de 1.200 participantes

“As pessoas, mesmo as analfabetas e as que

relatou. “O que se fez em Uganda é resultado

do evento sobre os desafios estratégicos da

vivem na pobreza, têm o poder de raciocinar

da disposição em colaborar, somada à

cooperação para a sustentabilidade.

e é com o raciocínio que devemos trabalhar.

aplicação de ferramentas corretas.”

Os 10 princípios 1 – Defina a causa, a missão, os resultados pretendidos e como dimensionar esses resultados. É preciso usar a mente e buscar resultados mensuráveis. 2 – Identifique quem são as pessoas que podem se comprometer localmente com a causa. 3 – Dialogue com essas pessoas até alcançar o consenso. A partir do consenso o interesse se intensifica. 4 – Neste ponto entram as empresas. As empresas podem usar a mente, o raciocínio para projetar sistemas que permitam tornar um produto ou serviço acessível, na base, por exemplo, de um dólar. Não ter dinheiro é uma situação que força a inovação. 5 – Projete um sistema, mas tenha em mente que ele só vai funcionar se as pessoas executoras concordarem com esse sistema. Caso contrário, é preciso voltar ao diálogo. 6 – Identifique líderes na comunidade, pessoas de paixão e confiáveis. Nenhum grupo ou comunidade alcança a sustentabilidade sem um líder. 7 – Não busque a publicidade e o elogio pelo sucesso alcançado. A satisfação pessoal não é medida pela publicidade da sua iniciativa. 8 – Mantenha reuniões periódicas com pessoas de empresas, universidades, autoridades públicas. Não queira abraçar o mundo. Escolha três prioridades. Use palavras exatas, evitando conceitos e definições genéricas. 9 – Busque a criatividade do grupo envolvido no trabalho, identificando quais os recursos com que se pode contar para o desenvolvimento das ações. 10 – Tenha em mente que a vida é a felicidade. Seja feliz e, mais importante, faça outras pessoas felizes.

Hoje, 19 horas, pós-conferência "Redes e Sustentabilidade". Programação completa: www.globalforum.com.br


GLOBAL FORUM AMÉRICA LATINA

MUDAR PESSOAS... Mudanças são feitas por pessoas. Por isso, a difusão do conceito de sustentabilidade no mundo dos negócios e na academia passa pela transformação no plano individual. Esta idéia foi a tônica do diálogo Alianças Estratégicas entre Empresas, Universidades e Sociedade, que mobilizou os participantes do Global Forum América Latina na manhã de ontem. Os palestrantes concordaram que nos últimos anos ocorreu no Brasil uma mudança de paradigma no que diz respeito à consciência socioambiental – mas em geral ela ficou restrita a uma elite mais informada e consciente. O desafio agora é fazer migrar o conceito da sustentabilidade para as demais camadas da sociedade. Confira um resumo do pensamento de cada um dos participantes do diálogo.

Ricardo Young, presidente do Instituto Ethos O FIM DO LÍDER HERÓI

Mario Monzoni, coordenador do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas

As organizações estão entendendo que devem ser espaços permanentes

REPENSAR O COLETIVO

de aprendizagem. As universidades

A

refletem e concluem que devem

inovação e conhecimento focados

formar gente para o mercado. Daí,

na gestão sustentável, mas a

temos um diálogo entre surdo e

indústria precisa demandar essa

mudo. O ponto mais importante do

necessidade para que o trabalho

processo de aprendizagem é o combate à fragmentação

seja mais efetivo. O primeiro passo

do conhecimento. Peter Senge, Otto Scharmer e Jawroski

é a percepção de que precisamos

obtiveram respostas surpreendentes numa pesquisa feita

ter consciência da necessidade de mudança da visão

com dezenas de executivos sobre o que fez deles líderes de

individualista, para repensarmos o coletivo. Na FGV, por

sucesso. Numa resposta recorrente, o que eles consideravam

exemplo, o trabalho de disseminação da sustentabilidade

fatores de sucesso eram aspectos profundamente pessoais.

ainda precisa ser feito com mais veemência, a começar pela

A experiência da pesquisa foi sistematizada pelos autores,

integração de todos os departamentos em torno das ações

dando origem à “Teoria U”, cujo princípio é que o processo

sustentáveis. Houve o caso de um banco que precisava

de aprendizado se dá com níveis diferentes de diálogo, com

dos trabalhos da Fundação, mas só aceitaria a proposta

introspecção e aplicação da reflexão em projetos inovadores.

que tivesse módulo em sustentabilidade. O departamento

A teoria demonstra que estamos na iminência do surgimento

responsável, portanto, teve que buscar a gestão para

de um novo tipo de líder, que tem capacidade de aprender,

atender ao cliente. A mudança de foco da educação no

desafiar seus próprios conceitos e ousar, tornando-se um

sentido da sustentabilidade pode ser feita com a introdução

transformador da realidade. Está decretada a falência do

de uma nova metodologia, baseada não mais na arrogância

líder herói, especialista, setorial. A sociedade clama por

ou na sabedoria de um só. É preciso proporcionar que a

lideranças com capacidade de olhar acima e além do

academia forme gestores com a percepção de que se pode

interesse pessoal, da sua organização ou do seu setor.

formar algo mais valioso no futuro, repensando o coletivo.

academia

pode

produzir

expediente Informativo produzido pela Coordenadoria de Comunicação Social do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) Supervisão geral e jornalista responsável: Luiz Henrique Weber (Mtb 2.441/PR) – Coordenação: Silvio Lohmann e Solange Patrício – Edição: Lorena Klenk – Reportagens: Caroline Bosi; Christiane Kremer; Elvira Fantin; Edilane Marques; Eduardo Nunes; Juliana Bannach; Ricardo Sabbag; Rosemeiry Tardivo – Fotografia: Gilson Abreu; Rogério Machado; Rogério Theodorovy – Projeto gráfico e diagramação: Literal Link Comunicação Integrada e João Carlos Gomes Braga – Impressão: Gráfica Capital.


GLOBAL FORUM AMÉRICA LATINA

...PARA MUDAR O MUNDO Oscar Motomura, fundador e principal executivo do grupo Amana-Key, centro de excelência em gestão de alcance mundial

Cláudio de Moura Castro, economista, educador e presidente do conselho consultivo da Faculdade Pitágoras

A FORÇA DOS PEQUENOS ATOS

EDUCAÇÃO É A CHAVE

As pessoas devem subir no

É preciso que haja informação

helicóptero e ver a conexão

e conhecimento. Sem isso, não

de seu departamento com a

se dá um passo para a frente.

empresa, de sua empresa com

Onde existe o capital social,

a sociedade e, numa perspectiva

o

mais ampla, ver a empresa

possível empreender uma ação

sob o prisma do planeta. As

pelo

discussões e o movimento acerca da sustentabilidade são

iniciativa que não beneficia apenas quem a tomou.

produtos da interconexão de indivíduos. Não existe nada

É preciso trilhar todo o processo da educação. Não

mais poderoso que a iniciativa das pessoas. São elas as

é possível pular etapas. A melhor forma de aprender

responsáveis por acelerar e atuar como catalisadores de

é fazendo, observando. Mas muita coisa não se pode

mudanças. É preciso que cada um faça a sua parte. O

aprender na prática. A sustentabilidade depende da

lado negativo, entretanto, é quando as pessoas acham

liderança de empresas e universidades. Houve uma

que já fizeram o bastante e deixam o restante do

mudança completa de paradigma no nível mais alto

trabalho para os outros. Muitas pessoas atentam contra

da intelectualidade brasileira. Agora essa mudança

a sustentabilidade em razão do analfabetismo ecológico,

tem que chegar mais abaixo. Há uma mudança de

por não saberem que o ato até pode ser pequeno, mas a

paradigma na nova geração. As coisas estão evoluindo

intenção é muito grande.

de forma bem interessante.

capital

de

benefício

cooperação, coletivo,

é uma

Christina Carvalho Pinto, diretora-geral e apresentadora do programa de televisão Mercado Ético PERGUNTAR A SI MESMO – Hoje existe uma elite consciente. Precisamos expandir a consciência sustentável para todas as faixas sociais e etárias da nossa sociedade. Quem vai fazer isso? Esta transformação tem que ser individual. É preciso fazer perguntas a si mesmo. O que eu gostaria de ser e fazer neste processo? Onde estão os meus valores? Este é o verdadeiro processo de reconstrução da vida.

UMA CHAMADA PARA A AÇÃO Marque na sua agenda: o Global Forum América Latina (GFAL), que oficialmente termina hoje, terá continuidade em dois encontros, em Curitiba e São Paulo. O primeiro encontro será no Cietep, em Curitiba, nos dias 29 e 30 de julho. O segundo, na Fecomercio, em São Paulo, nos dias 21 e 22 de agosto. O objetivo é transformar em ações práticas as reflexões sobre sustentabilidade feitas nos três dias do GFAL em Curitiba. Para os organizadores do evento, o GFAL mostrou de forma clara que a sustentabilidade pode ser a maior oportunidade econômica, social e de negócios deste século. O desafio agora é definir como essa oportunidade pode ser aproveitada por cada um de nós, pelas empresas, pelas universidades e grupos sociais. Para isso, é importante o envolvimento de todos no acompanhamento dos resultados do GFAL. As inscrições podem ser feitas hoje, na secretaria do GFAL no Cietep, ou pela internet, no site do evento – www.globalforum.com.br.


GLOBAL FORUM AMÉRICA LATINA

Serviços e informações nos estandes Participantes do Global Forum têm 15 estandes à disposição com diferentes serviços e informações Sistema Fiep/Unidus – informações sobre os projetos Nós Podemos Paraná e de Neutralização de Carbono do Senai, sobre os cursos da Universidade da Indústria (Unindus) e serviços do IEL, SESI e Centro Internacional de Negócios (CIN) Sebrae – informações e cadastramento de empresários interessados em participar dos projetos do Sebrae, que visa fomentar o empreendedorismo e promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas Livrarias Curitiba – livros sobre temas relacionados a sustentabilidade, marketing, gestão, finanças e liderança Quick Massage – oferece massagens para aliviar o cansaço e o stress

Angrad (Associação Nacional dos cursos de Graduação em Administração) – informações sobre o papel da entidade e sobre o Encontro Nacional dos Cursos de Graduação em Adminsitração (Engrad), que acontece em Curitiba de 1º a 3 de outubro Amigos do Hospital das Clínicas da UFPR – além de conhecer o trabalho desta ONG, os interessados podem contribuir adquirindo o livro “Sentir para Ajudar a Curar – uma experiência apreciativa”, de Tereza Rezende ONG Brahma Kumaris – venda de livros, CDs e pôsteres sobre educação, vegetarianismo, meditação e qualidade de vida

Hoo Café Brazilian Coffew Club – informações e degustação de cafés especiais Terra Bar – aqui os visitantes podem assistir à performance dos barmen na preparação de drinks Organics Brasil – divulga as qualidades dos produtos orgânicos e os serviços que o programa oferece aos empresários que querem exportar seus produtos. Orbis – Observatório de Indicadores de Sustentabilidade – apresenta os estudos do Observatório e informações sobre o Instituto de Promoção do Desenvolvimento (IPD) RPC – neste estande o público pode conhecer os projetos sociais do Instituto RPC, informar-se e tirar dúvidas sobre a TV Digital Ecco-Salva – atendimento médico em casos de emergência Curitiba Convention & Visitors Bureau – balcão de informações sobre pontos turísticos de Curitiba V Flow Web Vídeo – neste estande os participantes do GFAL podem registrar sua opinião em vídeo on-line. Para acessar os depoimentos e entrevistas do evento acesse globalforum.vflow.com.br


Informativo Global Forum America Latina - 3