Page 1

meda; tica sível

or Raquel de Melo

peração de até 15 dias. eciso, além e, o cenário no mundo e Brasileira asil vem tostica estétio plástico e mizio, estes nte, à tecnooporcionam peratórios e s.

O desempenho profissional dos médicos brasileiros é valorizado, principalmente, nos congressos. Algo semelhante ao que já acontece nos Estados Unidos há vários anos. “A técnica cirúrgica vem acompanhando os passos da tecnologia e formando médicos cada vez mais habilidosos. Essa junção transformou a visão do paciente em relação à plástica até porque hoje a volta às atividades rotineiras é mais segura e rápida. Hoje também as pessoas não sentem mais vergonha em dizer sobre sua cirurgia - o que acontecia muito – quando elas não se sentiam a vontade em falar que fizeram uma plástica, ou seja, estão mais decididas e tratam da plástica como opção de bem-estar. Muitos pacientes saem da sala de cirurgia e já comentam nas redes sociais”, conta Dr. Gino. Para ele, os avanços formam um ‘ciclo virtuoso’ em que tudo está interligado.

Tecnologia

Como todos os demais ramos da medicina, a cirurgia plástica depende da tecnologia como forma de permitir que as operações fiquem cada vez mais seguras. “Hoje a acessibilidade à cirurgia plástica está ligada também ao avanço econômico do país, porém, a tecnologia nos dá a possibilidade de proporcionar uma operação mais rápida, menos traumática, além da diminuição considerável de medicamentos durante e depois da cirurgia. Os anestésicos, também por acompanharem o avanço tecnológico, estão menos agressivos, o que deixa o paciente mais seguro”, afirma Dr. Gino.

Dr. Gino Di Domizio

Cirurgias numa só intervenção

Segundo o cirurgião plástico a possibilidade de se realizar duas a três correções numa mesma cirurgia é um exemplo de como a tecnologia avançou e de como os médicos acompanharam a evolução dos novos recursos. Quando se faz uma lipoaspiração, por exemplo, se pode chegar em até três regiões do corpo, o que, antigamente, nem se cogitava como uma possibilidade.

Na mídia

No ano passado, foram realizadas 640 mil cirurgias, segundo o Ibope. Mulheres preferem silicone, homens querem corrigir pálpebras e nariz. A pesquisa estima que 82% das cirurgias são feitas em mulheres. Elas preferem corrigir as imperfeições do pescoço para baixo: principalmente nas mamas. Em segundo lugar, lipoaspiração combinada com outras operações. Já os homens se preocupam mais com o rosto: pálpebras e nariz.

A busca pelo bem-estar e autoestima é muito valorizada pelo brasileiro. A boa notícia é: as técnicas para melhorar o visual estão menos invasivas, mais seguras e mais rápidas. A grande novidade em cirurgia plástica é a preocupação em deixar as cicatrizes cada vez menores e aumentar a segurança do paciente.

ca

Geração de primeira linha

Saúde e Beleza - 9

pag09  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you