Page 1


Introdução Mantenha uma boa qualidade de vida

N

a situação de Insuficiência Renal Crônica (IRC), independentemente

da sua fase de evolução, pretende-se que o paciente mantenha uma boa qualidade de vida, preservando ao máximo a função renal.

A

gora que você está em diálise, existem alguns aspectos de sua alimen-

tação que serão muito importantes. Por isso elaboramos este manual explicativo que contém orientações nutricionais específicas para quem faz hemodiálise.


Dieta Especial Fazer a dieta não é “passar fome” e muito menos “deixar de comer”. Uma dieta especial é parte de seu tratamento, tão importante quanto seus medicamentos. As recomendações nutricionais podem variar de paciente para paciente. Ou seja, converse sempre com o nutricionista para ele adequar a sua dieta de acordo com as suas necessidades. Seguir adequadamente esta dieta é sua responsabilidade, E o sucesso de seu tratamento depende do cuidado e atenção que você dará as nossas orientações. Fazer a dieta não é “passar fome” e muito menos “deixar de comer”.

Você pode aprender a alimentar-se bem com alimentos que lhe fazem bem! Os alimentos que ingerimos diariamente fornecem as substâncias que o nosso corpo necessita para viver, proteínas, gorduras, carboidratos, sais minerais (sódio, potássio, cálcio, fósforo, etc), vitaminas, água e outros. Dentre essas substâncias destacamos as proteínas, o sódio, o cálcio, o fósforo, o potássio e a água, cujo controle deverá merecer toda a nossa atenção para uma melhor qualidade de vida do paciente renal em hemodiálise. Pois quando esses produtos elevam-se no sangue, você pode sentir-se indisposto, apresentar náuseas, vômitos, falta de apetite, pressão alta, dores articulares, olhos avermelhados, entre outros.


Proteína Uma ingestão alimentar suficiente é essencial para o crescimento, manutenção e melhora do seu estado nutricional. A ingestão de proteínas é importante porque perdemos grande quantidade desse nutriente em cada sessão de hemodiálise. O resultado final da digestão das proteínas produz várias substâncias tóxicas que passam pelos rins e devem ser eliminadas pela urina. Assim, para eliminar todas essas substâncias (uréia, creatinina, ácido úrico, etc) o trabalho do rim é muito grande e, dependendo do quanto a função renal já está diminuída, nem sempre é possível eliminar tudo, conduzindo à sua acumulação no sangue. Essas substâncias quando acumuladas em excesso, podem provocar várias modificações no funcionamento do organismo, como perca de apetite, náusea e vômito, diarréia, entre outros. Assim na doença renal é preciso limitar a ingestão de alimentos ricos em proteínas,

garantindo que o organismo obtenha diariamente a quantidade de que precisa, e nas proporções adequadas entre os tipos referidos. A quantidade recomendada de proteína para que não falte e ao mesmo tempo não esteja em excesso, é individual (cada paciente tem sua recomendação) e será estipulada pelo seu nutricionista. Respeite sua cota diária de proteínas: Não exagere! Fontes Alimentares de Proteínas: Carne vermelha, peixe, frango, ovo, leite e derivados (iogurte, queijo, requeijão, coalhada), leguminosas (feijão, soja, grão de bico, lentilha), vísceras (fígado, coração), entre outros. Como reduzir a quantidade de proteínas na alimentação: Limitar a quantidade de carne, peixe e derivados na confecção dos pratos. Pesar as porções, permitirá controlar melhor a quantidade a ser utilizada. Desfiar ou picar a carne ou o peixe, misturando-os com o arroz massa batata, dará a sensação de maior quantidade. Utilizar produtos com baixo teor de proteínas, tais como mandioca, tapioca, fécula de batata ou gelatina vegetal. Utilizar alimentos de pequenas dimensões como por exemplo, ovos de codorna.


Fósforo O fósforo é um mineral que, em conjunto com o cálcio, garante a formação de ossos saudáveis. Na insuficiência renal, os níveis de fósforo no sangue sobem devido à incapacidade dos rins o filtrarem e o corpo não usa o cálcio eficientemente. Como o cálcio está diminuído, o corpo tenta corrigir retirando cálcio dos ossos para o sangue, podendo provocar doenças ósseas. Grandes quantidades de cálcio e fósforo no sangue podem levar á formação de depósitos de cálcio nas articulações, nos órgãos e nos vasos sanguíneos. Quando estes depósitos de cálcio se acumulam em lugares como o coração, artérias, articulações e pulmões, podem levar ao endurecimento do tecido (calcificação). E as conseqüências podem ser: ataque cardíaco, problemas respiratórios ou doença pulmonar, articulações inchadas e aumentadas com presença de dor e dificuldade de movimentação, entre outros sintomas. Embora a diálise adequada ajude a retirar uma parte do fósforo acumulado no sangue, existe a necessidade de diminuir a ingestão de alimentos que são ricos em fósforo da sua dieta. Há ainda os chamados quelantes de fósforo que ajudam a diminuir a ab-

sorção do mineral através da alimentação. A prescrição do medicamento e quantidade a ser ingerida deve ser consultada com seu médico. Existem alguns alimentos que tem muito fósforo e não são necessários para que você se sinta bem. Segue abaixo a lista desses alimentos: Outras carnes como: sardinha, frutos do mar (camarão, ostra, lula), miúdos (fígado, coração, moela, bucho), linguiça, salsicha, mortadela, salame; Amendoim e preparações à base de amendoim (paçoca e pé-de-moleque), castanha de caju, nozes ou avelã; Produtos à base de leite como, sorvetes, doce de leite, chocolates, entre outros; Refrigerantes à base de cola (Coca-cola e Pepsi-cola), cerveja; Grãos integrais (arroz integral, pães e biscoitos integrais, etc); O que você precisa fazer para controlar o fósforo no seu sangue?! Compareça regularmente à diálise. Siga uma dieta pobre em fósforo recomendada pelo seu nutricionista. Tome o quelante de fósforo nas principais refeições, quando recomendado pelo seu médico.


Potássio O potássio é um mineral importante para o adequado funcionamento dos músculos de todo corpo, inclusive do coração. Os rins saudáveis têm como função, colocar para fora o excesso de potássio que é ingerido. Na insuficiência renal crônica ele pode não ser excretado adequadamente, podendo se acumular na corrente sanguínea, causando sintomas como fraqueza muscular, batimentos cardíacos irregulares, entre outros. O potássio encontra-se em grande parte dos alimentos, principalmente nos de origem vegetal (legumes, frutas e hortaliças). Os quais não devem ser totalmente retirados da sua diea, mas devem ser consumidos com mo-

deração. A quantidade e a freqüência com que você come esses alimentos é que precisam ser controladas. Siga sempre o tamanho das porções desses alimentos em sua dieta.

Além dos vegetais e frutas existem outros alimentos que contém muito potássio: Grãos: feijão, ervilha, grão de bico, soja Frutas secas: coco, uva passa, ameixa seca, damasco Oleaginosas: nozes, avelã, amendoim, amêndoa, castanhas, pinhão Todos os tipos de sal dietético: Sal light ou diet; Outros: tomate seco, extrato de tomate, caldo de cana, chocolate, caldas de


compotas de frutas, bebidas isotônicas, cerveja, chá preto, chá matte, café solúvel, etc.

Método para diminuir o potássio dos alimentos! A quantidade de potássio em um alimento pode cair, pela metade, quando esse alimento é preparado de maneira especial. Essa técnica é geralmente utilizada com legumes, frutas e hortaliças. Siga os seguintes passos: Lave, descasque e corte os vegetais em

Fique longe da Carambola!

A única fruta que, nesse momento, nós diríamos para você não usar, Nunca, nem em pequenas quantidades, é a Carambola. O motivo é a presença de uma substância que, quando em contato com ouvtras que estão em excesso no seu sangue, pode trazer sérios riscos a sua saúde.

cubos ou pedaços pequenos; Coloque-os de molho em água por duas horas; Jogue a água do molho fora; Lave os vegetais novamente e coloque-os em água limpa; Cozinhe por 15 minutos e jogue essa água fora; Cozinhe, normalmente, em outra água; Jogue fora a água do cozimento, aproveitando somente o alimento.

Lembretes: Não se esqueça: se os alimentos que contêm pouco potássio forem utilizados em grande quantidade, o total de potássio consumido passará a ser muito elevado. Se as frutas forem consumidas sob a forma de suco, a concentração de potássio será maior (uma sugestão é diluir bem o suco em água); Não utilize a calda de compotas de frutas, pois contém muito potássio. Não prepare verduras ou legumes no vapor, pois essa forma de cozimento não diminui a quantidade de potássio.


Sódio O sódio é um dos minerais essenciais para nosso organismo e são os rins que controlam a quantidade de sódio que ele necessita. Entre suas funções estão o equilíbrio hídrico de nosso corpo e o controle da pressão arterial. Na insuficiência renal, o sódio, quando entra no corpo, funciona como uma esponja de lavar louça, ou seja, quando consome alimentos muito salgados, o sódio “puxa” o líquido que você ingere, retendo-o em seu corpo. Com isso, você pode ganhar muito peso (que é só líquido) entre uma diálise e outra, dificultando o processo da diálise de retirar todo esse líquido acumulado em seu sangue, podendo ainda provocar edemas e aumento da pressão arterial. Lembre-se: O problema sempre começa com o excesso na ingestão de sal! Então, tenha bastante cuidado para selecionar alimentos que sejam pobres em sal! Alimentos ricos em sódio (sal) que você deve evitar: Embutidos em geral: presunto, mortadela, bacon, lingüiça, salame, salsicha; Peixes processados e salgados: sardinha,

atum, salmão, bacalhau, aliche e carne seca; Queijos em geral, exceto a ricota e o queijo minas fresco; Enlatados em geral: palmito, ervilha, azeitona, picles, milho; Temperos e molhos prontos: mostarda, ketchup, maionese, molhos de soja, caldo de carne ou galinha em cubos, molho de tomate industrializado; Sopas e salgadinhos industrializados; Margarina ou manteiga com sal; Temperos prontos, como arisco, sazon, Ajinomoto, tempero completo, molho de soja (shoyu); Atenção: Os substitutos do sal (sal dietético ou sal light) não devem ser utilizados, pois são ricos em potássio! Como reduzir a quantidade de sódio na alimentação: Reduzir ou eliminar o sal à mesa e na confecção dos alimentos. Se possível, prepare tudo sem sal e adicione 1g de sal no almoço e 1g no jantar (1g = tampinha de caneta ou colher de café rasa);


Evitar ou reduzir a utilização de produtos com elevado teor de sódio; Ler com atenção o rótulo dos produtos e alimentos industrializados para verificar o teor de sal. Muitos alimentos têm escrito no rótulo

o teor de sódio e não de sal. Lembre-se que o sódio é 40% do sal. Portanto, se a recomendação PE de 5g de sal por dia, significa que em termos de sódio isso corresponde a 2g de sódio por dia.

Para acentuar o sabor dos alimentos, use temperos naturais, tais como: Alho, cebolinha, gengibre, manjerona, pimenta, alecrim, Colorau, limão e vinagre, mostarda(folha seca) pimentão, Anis, Cominho, Hortelã, Noz moscada, Canela, Louro, Orégano, Salsinha, Cebola, Curry, Manjericão, Páprica, Sálvia, Tomilho. Esses temperos podem ser usados durante o preparo das carnes vermelhas, aves, peixes, hortaliças ou qualquer outro alimento. Na carne vermelha, aves e peixes passe os temperos uma hora antes de prepará-los. Já nas hortaliças, salpique os temperos na hora de prepará-las. Você também pode fazer uma mistura de temperos moídos, para ser usado à mesa, e colocá-la em um recipiente (tipo saleiro).


Liquidos Na Insuficiência Renal, o rim perde sua capacidade de excretar água eficientemente. É muito freqüente ocorrer acúmulos de líquido em seu corpo, já que seus rins não estão conseguindo eliminar os excessos através da urina. O acúmulo de líquidos em seu corpo causa ganho de peso entre as diálises, inchaço (edema) no corpo (pernas, tornozelos, mãos, entre outros) além da dificuldade de respirar e aumenta da pressão sanguínea. Quanto maior a quantidade de água, maior o desconforto durante a diálise, além de torná-la mais longa. A quantidade de líquidos a ser ingerida por dia deve ser discutida com seu médico, devido avaliação da sua função renal, determinando assim o quanto de líquidos você pode beber. Mas de forma geral, a quantidade recomendada é de 800mls/dia ou seja, 4 copos. Líquidos que devem ser controlados:

Água Café Chás Gelatina Gelo Leite Refrigerantes Sopas Sorvete Sucos Lembre-se que algumas frutas contêm muita água e também devem ser controladas: Laranja, mexerica, melancia, melão. Sugestões para Controlar os Líquidos e a Sede: Beba água quando tiver sede. Evite alimentos salgados para diminuir a sede; Não beba líquido por hábito ou por ser social.

Ao invés de tomar chá, chimarrão, café, refrigerantes, bebidas alcoólica, prefira líquidos nutritivos (leite, sopas, sucos); Líquidos gelados, pedaços de frutas geladas satisfazem melhor a sede que uma bebida morna ou quente em volume menor; Suco de limão ou limonada pode ser colocado na forminha de gelo e utilizados quando houver sede. Sucos pobres em potássio também podem ser utilizados; Enxague a boca, molhar os lábios ou fazer bochecho com água sem engolir; Escovar os dentes; Espremer um pouco de limão na água. Dicas Úteis Utilize uma garrafa medidora. Preencha essa garrafa de água com quantidade de líquido liberada para seu consumo diário; Diminua a quantidade de sal da sua alimentação, pois sal provoca sede e retém líquido;


Conclusão As instruções contidas neste material servem para ajudá-lo a preservar ou melhorar seu estado nutricional. Planeje a sua dieta para que você tenha os alimentos adequados em casa. Procure-se manter motivado para a dieta, e encontre o seu ponto de equilíbrio. E lembre-se: a alimentação é um fator importante para a sua saúde. Fique a vontade para, a qualquer momento, tirar suas dúvidas em relação ao seu tratamento. Nosso grande objetivo, é sem dúvida, alcançar o máximo de seu bem-estar. Conte conosco.

Thalita Gonçalves de Souza Nutricionista - CRN 7677


port  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you