Issuu on Google+

DIOCESE P.9

7 MARÇO 2013 ANO 99 - N.º 4950 FUNDADOR: José Ferreira Lacerda DIRECTOR: Rui Ribeiro PREÇO: 0,80 euros (IVA incluído) SEMINÁRIO DIOCESANO – 2414-011 LEIRIA TEL. 244 821 100/1 • FAX 244 821 102 E-MAIL: jornal@omensageiro.com.pt WEB: www.omensageiro.com.pt

FUNDADO EM 1914

DESTAQUE

CULTURA

Na Caranguejeira | P. 4

CATEQUESE FAMILIAR

Artesanato, gastronomia e música no “1.º Convívio com as Tradições” Na Câmara Municipal | P. 5

Quint-Fonsegrives e Leiria assinam protocolo de geminação SOCIEDADE

Solidariedade | P. 6

Cruz Vermelha Portuguesa apela à contribuição através do IRS Câmara de Leria | P. 7

Raul Castro enaltece trabalho dos agentes da protecção civil ECLESIAL

Grémio Literário | P. 9

Próximas “Conversas c’a Fé” dia 8

Santuário de Fátima | P. 9

A Catequese Familiar vem reformular a iniciação cristã das crianças, saindo do esquema escolar, envolvendo os pais e valorizando o Domingo. É um itinerário estruturado por etapas e cada uma delas articula-se em quatro semanas. Para melhor conhecer estas experiências e melhor programar o próximo ano pastoral e catequético, no próximo dia 9 de Março, estará uma equipa de Santarém, paróquia do Entroncamento, no Seminário de Leiria para apresentar o seu projecto. O encontro é aberto a todos os catequistas e terá início às 10h00. Páginas 2 e 3 DR

“Habitar o mundo na esperança e na bondade” é o mote para conferência


2 DESTAQUE EDITORIAL

Rui Ribeiro prui@iol.pt

O Mensageiro 7.Março.2013

EDITORIAL

Novos rumos

A educação é um dos maiores, se não mesmo o maior, problema das sociedades ocidentais. O liberalismo trouxe alguma confusão em termos de cidadania e muitos acabaram por confundir a liberdade com alguma libertinagem, pelo que a educação foi de imediato posta em causa. Que educação estamos nós a dar aos mais novos? Que modelos educacionais oferecem as sociedades ocidentais? Que futuro estamos hoje a preparar? O problema da educação já fez, pela sua importância, ganhar e perder muitas eleições. Já houve governos que caíram por questões relacionadas com a educação. Também a Igreja sente o problema da educação, claro está, educação cristã, como um dos desafios mais pertinentes para o momento actual. A educação cristã dos mais novos, por um lado, e dos adultos, por outro, está a revelar-se um dos desafios da Igreja actual. Em momento em que os cardeais se preparam para a eleição de um novo Papa, este problema deverá certamente fazer parte dos critérios que ajudarão a definir o seu perfil. A fé, a expressão da fé, está intrinsecamente relacionada com a imagem que dela fazemos. E esta, por seu lado, está muito dependente da educação que recebemos. Não sem A Igreja tem-se razão, D. António Marto, empenhado nos bispo de Leiria-Fátima, tem últimos anos insistido nesta tecla e tem para a formação em renovar as apelado como ponto primordial para suas estruturas a descoberta, a vivência e o e modelos testemunho da alegria da formativos. fé. Tal importância está Muitas têm sido presente quando afirma as propostas que no nosso tempo um e variadas as dos maiores problemas que iniciativas, em enfrentamos é a ignorância busca de novos religiosa. Consciente desta imporrumos. tância, a Igreja tem-se empenhado nos últimos anos em renovar as suas estruturas e modelos formativos. Muitas têm sido as propostas e variadas as iniciativas, em busca de novos rumos. No contexto da evangelização e da formação, a catequese das crianças, adolescentes, jovens e adultos, tem sofrido profundas mudanças, por vezes demasiado repentinas, em busca de um modelo que possa ser universal e ofereça resultados sempre mais satisfatórios. Ouvimos agora falar em “catequese familiar” como um desses modelos e que engloba uma dupla perspectiva num único esquema: os adultos e as crianças. Um desafio que ,se por um lado pretende comprometer mais as famílias, por outros compromete mais a comunidade. A propósito da iniciativa promovida pelo serviço diocesano da catequese para o próximo sábado, nesta edição quisemos falar deste tema para que os leitores se sintam mais tocados e motivados à participação.

Nova evangelização

Catequese familiar Caminhos percorridos Desde sempre que a Igreja relacionou de forma íntima e profunda a evangelização dos mais novos, catequese, com o ambiente familiar. Em tempos que já lá vão, a família foi mesmo o único espaço de aprendizagem dos conteúdos da fé, e foi também o espaço das primeiras experiências da vivência da fé. E mesmo se hoje temos uma estrutura de âmbito paroquial ou comunitária, a verdade é que a família continua a ser o lugar primeiro e essencial para a educação cristã dos mais novos. A catequese paroquial não pode, por isso, alhear-se da família, nem esta pode estar ausente daquela. O papa João Paulo II foi incansável em chamar a atenção para esta união entre família e catequese. A sua convicção foi assim expressa ao afirmar “A acção catequética da família tem um carácter particular e, em certo sentido, insubstituível, justificadamente posto em evidência pela Igreja. A catequese familiar, portanto, precede, acompanha e enriquece todas as outras formas de catequese. mediante contactos individuais, encontros, reuniões e recurso a toda a espécie de meios pedagógicos, ajuda os pais a cumprirem a sua missão: presta à catequese um serviço inestimável” «Catechesi Tradendae», nº 68). O impulso dado por João Paulo II, correspondia a uma convicção e a uma procura de caminhos que já se iam fazendo sentir na Igreja. Reforçada pelas palavras do Papa, a Igreja procedeu,

nos últimos anos, a árduo esforço no sentido de renovar a catequese paroquial. Nesse esforço esteve muito presente o encontro com a família. Em 2011 as jornadas nacionais de catequistas centraram-se precisamente na família, com o tema claro e directo “A Catequese e a Família”. O objecto era também muito claro: “reflectir sobre a relação entre a família e a catequese” e “potenciar o desenvolvimento de estratégias de trabalho com as famílias, no contexto da catequese”. Na mesma ocasião foi publicado o livro «A Catequese Familiar: reflexões e propostas de trabalho». Um ano depois os responsáveis nacionais do sector da catequese não tinham dúvidas. Para eles “envolver as famílias na revitalização pastoral da Igreja Católica em Portugal é uma das principais prioridades da Educação Cristã” (D. António Francisco dos Santos, presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé). Nesse sentido desafiava à procura de “novas metodologias” e “novos lugares” para que

“a acção catequética seja fermento de renovação” e ao mesmo tempo “receba um contributo renovador” da parte das pessoas. Como resposta, algumas experiências, globalmente chamadas “catequese em família” ou “catequese familiar” foram sendo feitas a título experimental. Os resultados eram surpreendentes e parecia assim estar a nascer um novo rumo para a catequese. Em praticamente todas as dioceses as experiências foram ganhando corpo, e hoje a catequese familiar parece ser um desafio estimulante e promissor. A catequese familiar A família é o ambiente primário e insubstituível para o despertar religioso e da educação da fé das nossas crianças (LG 11; DGC 255). Não nos podemos esquecer, de que apesar da crise familiar que hoje vivemos, a família continua a ser um valor a defender, é nela que a criança vive a sua experiência de amor e afecto necessários para que entenda o amor que Deus e Jesus Cristo têm por ela. Para

além disso, a família continua a ser indispensável para a catequese e comunidades paroquiais. São elas as comunidades de base de toda a vida cristã e, assim sendo, para que desempenhem verdadeiramente este papel, é necessário investir novos esforços e lançar uma nova evangelização das famílias cristãs. A catequese familiar engloba áreas como “o despertar da fé” e a “formação parental”, dirigidas especificamente à formação de educadores, pais e avós, com o objectivo de transformar o núcleo familiar num espaço primordial de educação cristã e transmissão da fé. “Embora tradicionalmente apontássemos a catequese para as nossas crianças e a seguir começássemos a estende-la aos adolescentes, a educação começa em casa, e os pais têm de ser acolhidos, acompanhados e formados neste processo” refere o director do Secretariado Nacional da Educação Cristã. A ideia é “fazer uma espécie de educação familiar e parental, um trabalho com os pais durante o tempo de catequese dos próprios filhos”. A catequese familiar permite um salto qualitativo, apontando uma nova perspectiva pastoral, onde o centro da atenção passa dos filhos para os pais, onde se percebe que os pais não estão somente para ajudar os filhos na sua iniciação cristã, mas sentem necessidade de amadurecer e aprofundar a sua própria fé. Não é somente uma proposta para os adultos colaborarem na pastoral das crianças, mas um verdadeiro processo


DESTAQUE 3

O Mensageiro 7.Março.2013

de Catequese de Adultos, na convicção de que esta garante, ao mesmo tempo, uma melhor eficácia no processo da iniciação cristã dos filhos. Para que esta grande mudança ocorra é necessário ter em conta os seus objectivos gerais que serão desenvolvidos durante os três primeiros anos da primeira etapa do itinerário catequético: - evangelizar os pais, aproveitando a preparação dos filhos para a Primeira Comunhão; - orientar as famílias para uma integração activa nas suas paróquias, de preferência formando comunidades eclesiais de base; despertar e promover o compromisso social nos pais e nos filhos como fruto da sua adesão a Cristo. Este tipo de catequese dá especial ênfase ao testemunho, indispensável para que a catequese não se reduza a pura teoria, à experiência de vida, à vivência concreta da fé apoiada na doutrina. São inúmeras as experiências e modelos deste tipo de catequese, porém, ganha terreno a proposta para que a catequese da infância seja a «forma fundamental que é a “catequese familiar”, isto é, a catequese dos pais aos seus próprios filhos». Porque «a catequese familiar precede, acompanha e enriquece as outras formas de ensinamento da fé. Os pais têm a missão de ensinar os filhos a rezar e a descobrir a sua vocação de filhos de Deus. Algumas experiências mundiais Um modelo de referência é a Catequese Familiar (CF) chilena. Nasceu na arquidiocese de Santiago do Chile, estendendo-se progressivamente às outras dioceses chilenas, logo após o Concílio, tendo o mérito de ser uma das primeiras experiências deste tipo de catequese a transformar-se em actividade pastoral prioritária, a nível nacional. O seu carácter popular, os efeitos que produziu e a sua vasta difusão, tornaram-na uma referência incontornável na abordagem da CF. Surgindo, inicialmente, como apoio à catequese infantil, a CF passou a centrar-se nos adultos como os primeiros sujeitos do

Exemplo de Catequese Familiar Estrutura A Catequese Familiar vem reformular a iniciação cristã das crianças, saindo do esquema escolar, envolvendo os pais e valorizando o Domingo. É um itinerário estruturado por etapas (meses: de Outubro a Julho) e cada etapa articulada em quatro semanas: 1ª Semana – Em Casa Diálogo em família No encontro de pais, oferece-se-lhes algumas propostas simples, assim como materiais, seguindo o Guia dos Pais, preparando-os para a sua missão de testemunhar a fé aos filhos, com momentos próprios de diálogo, de oração e de confronto com a vida. O diálogo em família, entre pais e filhos, é o momento central de toda a Catequese Familiar. Aliás, esta está estruturada de forma a potencializar e tornar o diálogo familiar verdadeiramente fecundo.

itinerário de evangelização e catequese. Esta CF tem fundamentalmente três objectivos, sendo progressivamente desenvolvidos ao longo de dois anos: evangelizar os pais, aproveitando a preparação dos filhos para a Primeira Comunhão; orientar as famílias para uma integração activa nas suas paróquias, de preferência em Comunidades Eclesiais de Base; despertar e promover o compromisso social nos pais e nos filhos como fruto da sua adesão a Cristo. Em Itália, as primeiras experiências foram surgindo também logo após o Concílio Vaticano II. Na diocese de Roma, já desde o início dos anos 70 se falava da realidade chilena e se realizaram algumas experiências. Giusti, no seu livro, La via italiana alla catechesi familiare, apresenta, entre outras, um conjunto de experiências e projectos de CF realizados com êxito em várias dioceses italianas, tais como: Trento, Verona, Brescia, Vicenza, Pisa, Milão, Florença e Cremona. Este conjunto de referências mostra o quanto a Igreja italiana acredita na centralidade pastoral deste tipo de catequese e a sua pertinência para mudar o modelo da iniciação cristã. Destacamos a proposta do «método a quatro tempos», lançado na diocese de Verona, que aceita a exigência da mudança gradual do modelo de iniciação cristã

e mostra-se como uma ocasião de primeiro anúncio e uma oportunidade para uma proposta bem articulada e atraente da fé cristã. Todas estas propostas têm um modelo comum, o chileno, apenas com algumas pequenas variantes, como, por exemplo, o tempo de duração do processo. Contudo, a consciência progressiva da sua urgência e necessidade, por toda a Europa, acompanha a afirmação crescente da centralidade da Catequese de Adultos e a necessidade de, a partir desta, se coordenarem as catequeses das outras idades. Entre nós As dioceses de Lisboa, Leiria-Fátima, Santarém e Setúbal, por exemplo, têm vindo a apostar, “com sucesso”, na vertente do “despertar da fé”, sendo que a região lisboeta participa com duas paróquias, “uma de características urbanas e outra rural”. Por outro lado, Braga está entre as dioceses que têm combinado várias vertentes da catequese familiar, neste caso através de um trabalho intitulado “Esperança”. A ideia é “fazer uma espécie de educação familiar e parental, um trabalho com os pais durante o tempo de catequese dos próprios filhos”. Nopresente ano pastoral são 4 as paróquias piloto de dioceses diferentes. Patriarcado de Lisboa:

S. João de Brito; Diocese de Coimbra: Cantanhede; Diocese de Santarém: Entroncamento; Diocese de Viana do Castelo: S.ta Cristina da Miadela; S. Miguel de Perre e S.ta Marta de Portuzelo. Leiria-Fátima, olha para estes projectos e estuda a possibilidade da sua implementação, havendo já algumas paróquias com pequenos projectos. Para melhor conhecer estas experiências e melhor programar o próximo ano pastoral e catequético, no próximo sábado, dia 9 de Março, estará uma equipa de Santarém, paróquia do Entroncamento, no Seminário de Leiria para apresentar o seu projecto. O encontro é aberto a todos os catequistas e terá início às 10h00. Convidam-se todas as paróquias da Diocese a estarem presentes mesmo que não tenham ainda a intenção de começar de imediato com uma proposta deste género. Para além dos catequistas, convidam-se também os párocos e outros agentes de pastoral a aproveitarem este tempo de formação, assim como pais e outras pessoas interessadas, para que todos possam ficar mais esclarecidos sobre esta proposta de catequese. A entrada é livre e não é necessário inscrição prévia. Rui Ribeiro

2ª Semana – Na paróquia Encontro de pais Tem como objectivo a descoberta da fé dos adultos, que acontece num grupo de pais orientado por um animador (pároco ou catequista) ou casal animador, seguindo as sugestões do Guia do Animador Familiar. É proposto aos pais um itinerário de Catequese de Adultos, mas ao ritmo das etapas do catecismo dos seus filhos. Ao longo do processo, seria extremamente frutuoso que se convidasse outras figuras ministeriais da paróquia para darem o seu testemunho de serviço no grupo de pais (catequistas, ministros extraordinários da comunhão, membros dos conselhos paroquiais, acção sócio-caritativa, etc.) para estes conhecerem a riqueza e o empenho de tantos adultos na vida da comunidade. Neste encontro são, ainda, fornecidas aos pais pistas para o diálogo com os filhos em casa. Catequese das crianças Começa com um digno acolhimento das crianças, provocando-as a partilhar o que conversaram e viveram em família, (Experiência Humana) seguindo-se o desenrolar da sessão de catequese que aprofunda a temática que os pais, a seu modo, abordaram em casa (Palavra e Celebração da Fé). Neste encontro, podem estar presentes e intervir o pároco, pais voluntários, jovens, os avós ou outras pessoas que possam fazer equipa com o catequista para levar o seu contributo «carismático» específico (caritativo, musical, lúdico, etc.). É um momento frutuoso, depois de um bom diálogo em família. 3ª Semana – Em Casa Diálogo em família Tem como objectivo o que foi referido para a 1ª Semana. 4ª Semana – O Domingo em família Encontro de Pais / Catequese das crianças Os pais encontram-se, guiados pelo animador (pároco ou catequista) ou casal animador, para uma avaliação da experiência feita em família, para aprofundar as questões abertas e viverem a sua Catequese de Adultos. Entretanto, as crianças têm a sua catequese e preparam uma oração, um gesto ou um sinal para partilharem na Eucaristia algo que exprima a caminhada feita e envolva a assembleia (muitas das vezes esta partilha na Eucaristia deverá ser feita pela família). Este encontro acontece ao Domingo cerca de duas horas antes da celebração da Eucaristia. Previamente combinado com os pais, pode ser noutra ocasião.


4 CULTURA

O Mensageiro 7.Março.2013

O concurso decorre até 17 de Maio

CINEMAS

Teatro Miguel Franco (Leiria) • A VIDA DE PI | Drama | de Ang Lee | c/ Sura J Sharma, Irafan Khan, Adil Hussain, Gérard Depardieu | 20 de Março, 18h30 e 21h30, 22 de Março, 21h30, 23 de Março, 21h30, 24 de Março, 21h30 e 25 de Março, 21h30. • A ORIGEM DOS GUARDIÕES | Animação | de Peter Ramsey | 25 de Março, 11h00 e 14h30. • MUITOS DIAS TEM O MÊS | Documentário | de margarida Leitão | 28 de Março, 18h30 e 21h30, 29 de Março, 21h30 e 30 de março, 21h30. Cine-Teatro (Monte Real) • BRAVE-O INDOMÁVEL | Animação | de Mark Sndrews, Brenda Chapman, Steve Purcell | 15 de Março, 11h00.

EXPOSIÇÕES

Castelo - Leiria •”Habitantes e habitats” - pré e proto-história na bacia do Lis •”Korrodi e o restauro do Castelo de Leiria” - exposição permanente Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Entre o dia e o sonho” - desenhos de Carlos Roxo (9/03~2/04) Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira - Leiria •”Troca 2013” (12~28/03) •”Viagem no tempo: a magia do pano batique na China” (~30/03) m|i|mo -Museu da Imagem em Movimento - Leiria •”Paralelo 30” (~30/03) •”Maratona Fotográfica” (~06/04) •”(RE)CONHECER Leiria” (~15/06) •”Oficina do olhar” - exposição permanente Edifício Banco de Portugal - Leiria •”Made in Japan” - escultura, gravura e pintura (~23/03) Casa-Museu João Soares - Cortes •”A República” - colecção de António Pedro Vicente (~31/03)

MÚSICA | TEATRO | EVENTOS

Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”A estalajadeira” - teatro (7/03, 21h30) •”Sons da amizade/Sons de lámitié” - música (9/03, 21h30) •”Cinderela on ice” - teatro (14/3, 10h30 e 15h; 15/03, 10h30, 15h, 21h30) •”Os Reis da Comédia” teatro (28/03, 21h30) •”Teatro de portas abertas” - dia mundial do teatro (30/3, 9h30~21h30) Teatro Miguel Franco - Leiria •”Cantigas dos avós” - concerto para bebés (10/03, 10h30 e 11h45) •”Cidadania activa, fé comprometida” (20/03, 9h30~17h30) Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira - Leiria •”A árvore das tocas” - bebetaca (14/03, 10h15; 16/03, 16h00) •”Histórias com coelhos” - conto (8,13,22 e 27/3, 10h30 e 14h30) • Férias da Páscoa - en conto um conto (19 e 26/03, 14h30) m|i|mo - museu da imagem em movimento - Leiria •”Malas com histórias” - oficinas (8 e 22/03, 10h; 16/03, 15h30) •”Desenvolvimento pessoal” (8/3, 18h00; 9/3, 9h15; 10/3, 9h15) •”Luz da Primavera” - oficinas (15/03, 15h00 e 18h00; 23/03, 15h30) •”Perturbações do comportamento” - workshop (16/03, 9h30~18h00) •”(Re)Conhecer Leiria” - tertúlia (16/03, 17h009 Mercado de Sant’Ana - Leiria •”Dolce Vida trespassa-se” - teatro (27/03, 18h00) Arquivo Livraria - Leiria •”Presos” - animação de história infantil (9/03, 16h30) • Clube de Leitura Arquivinho (16/03, 15h00) Sala Jaime Salazar Sampaio - Leiria •”Partidas” - teatro (~9/3, 16h00; 17 e 24/3, 11h00) Espaço O Nariz Recreio dos Artistas - Leiria •”José Dias Quartet” - Jazz (8/03, 22h00) Escola de Educação e Ciências Sociais - Leiria •”Nas asas da diferença... tu existes!” - econtro de formação (8 e 9/03) Biblioteca - Batalha •”Origami” - oficina temática (9/03) Museu Com. Concelhia - Batalha •”Páscoa no Museu” - animação das férias escolares (18~22/03) Associação Nascente de Luz - Maceira • Curso Internacional de Permacultura” (16~29/03)

Museu de Arte Sacra em Fátima pode ser adoptado O Museu de Arte Sacra em Fátima está pronto a ser “adoptado”. Tudo porque faz parte da Rede Portuguesa de Museus que é objecto do concurso escolar «A minha escola adopta um museu, um palácio, um monumento...» uma iniciativa dirigida a alunos dos ensinos básico e secundário, promovida conjuntamente pela Direção-Geral da Educação (DGE), no âmbito do Programa de Educação Estética e Artística, e pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

O objectivo é estimular o conhecimento da realidade museológica e patrimonial nacional, através do contacto das escolas com os museus e consequente sensibilização para a conservação, protecção e valorização do património cultural. Considerando que o conhecimento do património cultural constitui uma importante experiência educativa, facilitadora da integração das crianças e dos jovens na comunidade, torna-se pertinente

proporcionar às escolas e aos museus uma oportunidade de desenvolverem ou de reforçarem a cooperação neste domínio. O concurso consiste na elaboração de trabalhos criativos a partir de testemunhos dos Museus e Palácios que integram a Rede Portuguesa de Museus ou dos Monumentos tutelados pela DGPC. Os trabalhos premiados apresentados a concurso serão objecto de avaliação por um júri e de apresentação final em exposição

num museu ou palácio que integre a Rede Portuguesa de Museus ou num monumento tutelado pela DGPC. A Entrega dos trabalhos (portefólios contendo os trabalhos para apreciação) deverão ocorrer nos museus, palácios ou monumentos com os quais se colaborou até ao dia 17 de Maio de 2013. Os resultados finais serão divulgados entre os dias 31 de Maio e 3 de Junho de 2013 nos sítios da internet da DGE e da DGPC.

No Pavilhão Gimnodesportivo

Rancho Folclórico dos Soutos organiza 1º Convívio com as Tradições O Rancho Folclórico dos Soutos, freguesia de Caranguejeira, concelho de Leiria realizará no dia 10 de Março, o 1º Convívio com as Tradições, no Pavilhão Gimnodesportivo da Associação Cultural e Recreativa dos Soutos

– Caranguejeira. O objectivo do convívio é “dar vida aos saberes tradicionais, através da representação de uma feira de produtos diversificados: cestaria, tecelagem, olaria, latoaria, remédios caseiros, gastronomia, en-

feites, etc.” adianta a organização em comunicado. A parte de animação ficará por conta da actuação de quatro ranchos folclóricos: dos Soutos da Caranguejeira; “Os Camponeses da Beira Ria”, “Os Camponeses de Santana

Mostra até 14 de Março

Fotografias na “Retina” “Retina” é o tema da exposição itinerante de Fotografia que fica patente até dia 14 de Março na Sala de Exposições dos Paços do Concelho da Câmara Municipal de Ourém. Uma mostra composta por 23 fotografias que mostra algumas das melhores fotografias dos seus membros cobrindo diversos géneros e estilos fotográficos. A Retina é uma comunidade fotográfica criada com o objectivo de estimular a paixão pela fotografia, a partilha de imagens e a troca de experiências, oferecendo não só um ponto de encontro atraente e intuitivo, mas também uma plataforma de conteúdos e serviços fotográficos que promovam a Fotografia. Uma exposição com entrada livre para ver, nos dias úteis das 14h00 às 17h00.

Newsletter da Assembleia Municipal Quem desejar receber a newsletter da Assembleia Municipal de Leiria, deverá enviar um email para o endereço manuelavieira@cm-leiria.pt.

do Mato” e ainda o Rancho Folclórico da freguesia de Pussos, em Alvaiázere. A abertura do 1º Convívio com as Tradições está marcada para as 15h00 com a inauguração da exposição dos produtos tradicionais, seguindo-se a animação.

Exposição até 2 de Abril

Desenhos de Carlos Roxo no Teatro José Lúcio da Silva O foyer do Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria será o palco a partir do dia 9 de Março para a exposição de desenho de Carlos Roxo. A exposição intitulada “Entre o dia e o sonho” representa um “regresso aos primórdios da formação artística e do desenho de Carlos Roxo”. Até porque o arquitecto Carlos Roxo apresenta, nesta exposição, a delicadeza dos traços largos assentes numa “escrita cursiva e minuciosa, minimizam o legível e enfatizam a opacidade, enquanto mostra da absoluta pureza” adianta a Câmara Municipal de Leiria em nota enviada à imprensa. Uma mostra com entrada livre para ver, diariamente, até dia 2 de Abril das 18h00 às 22h00 e nos dias de espectáculos no Teatro José Lúcio da Silva das 18h00 às 24h00.


CULTURA 5

O Mensageiro 7.Março.2013

No Sábado em Leiria

No Teatro Miguel Franco

Leiria e Quint-Fonsegrives assinam protocolo de geminação O Município de Leiria vai assinar um protocolo de geminação com o Município de Quint-Fonsegrives, no dia 9 de Março. A delegação francesa chegará a Leiria ao final da tarde do dia 7 de Março, e no dia 8, a partir das 09h00, realizará um périplo por Batalha, Fátima, Nazaré, Alcobaça e Monte Real. No Sábado está marcado para as 11h30, junto à escadaria do edifício dos Paços do Concelho, o descerrar de uma placa evocativa da Quint-Fonsegrives. Um acto que contará com a presença dos presidentes de ambas as câmaras. A assinatura do protocolo de geminação está marcada para as 21h30, no Teatro José Lúcio da Silva. Após a assinatura do protocolo terá lugar um momento musical com o espectáculo “Sons da Amizade” que contará com as actuações da Filarmónica das Chãs e da Harmonie de Quint-Fonsegrives. Além do reforço dos laços de amizade entre as duas cidades, este protocolo irá permitir o acesso

mais fácil aos mecanismos financeiros de apoio às actividades, efectuadas no âmbito das geminações, que são disponibilizados pela União Europeia. A geminação com Quint-Fonsegrives tem por base o Acordo de Cooperação e Amizade, assinado em Novembro de 2010, entre as duas cidades, e todas as actividades de enriquecimento que entretanto foram desenvolvidas, reforçando a cooperação em benefício das duas comunidades. As duas cidades comprometem-se a manter laços permanentes, trocando ex-

periências e desenvolvendo acções conjuntas; a promover projectos comuns que permitam intercâmbios, particularmente ao nível dos jovens; a favorecer os fluxos económicos e a reforçar o desenvolvimento do tecido empresarial; a apoiar a promoção das duas cidades, através de visitas organizadas, festivais e outras manifestações culturais; a auxiliar a criação e difusão cultural e encontros sobre a temática da educação e cidadania e a encorajar as manifestações desportivas organizadas pelas respectivas cidades.

Cronologicamente, o contacto entre as duas cidades teve início em 2009, quando a Câmara Municipal de Quint-Fonsegrives manifestou o desejo de estabelecer um protocolo de geminação com Leiria, apadrinhado pela então Vice- Cônsul de Portugal em Toulouse, Noélia Pacheco, na sequência de intercâmbios desportivos entre a equipa de andebol da Juventude Desportiva do Lis e o Handball Club Quint-Fonsegrives. De 26 a 30 de Junho de 2009, decorreu em QuintFonsegrives uma semana dedicada a Leiria, que contou com a presença de um artesão, um artista plástico, um grupo de música tradicional, representantes do Turismo Leiria/Fátima e uma representação da Juventude Desportiva do Lis. Posteriormente, desenvolveram-se outras actividades entre as duas cidades, com a participação de outras entidades, com destaque para o Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus.

Concertos para Bebés com “Cantigas dos Avós” Desta vez os Concertos para Bebés trazem as “Cantigas dos Avós” ao palco do Teatro Miguel Franco, em Leiria. Vão apresentar-se em duas sessões às 10h30 e 11h45, do dia 10 de Março. E depois é apenas sentar e tentar encontrar a resposta à seguinte questão “O que cantam hoje os avós para os seus netos?” Por isso, a organização convida, em especial, os avós a participarem neste momento musical único.

Artistas Unidos apresentam

“A Estalajadeira” no Teatro José Lúcio da Silva O Teatro José Lúcio da Silva recebe esta Quinta-feira, pelas 21h30 a peça de teatro “A Estalajadeira”, pelos Artistas Unidos com Catarina Wallenstein, Américo Silva, António Simão, Elmano Sancho e Rúben Gomes. Com encenação de Jorge Silva Melo, a peça do dramaturgo italiano Carlo Goldoni, tem em Mirandolina, a estalajadeira, o centro das atenções. Ela é pretendida por todos os homens, dos mais ricos e nobres aos humildes criados. Ela é a mulher que define o que quer da vida, num tempo novo. Os bilhetes custam 12,50 euros e haverá serviço de babysitting.

Na Nazaré

Centro Cultural mostra “Passos de Fé e Esperança” Na Nazaré continuam a decorrer as celebrações da Quaresma e da Páscoa estando agendados vários eventos culturais e religiosas. No Centro Cultural da Nazaré está patente até dia 17 de Março a exposição “Passos de Fé e de Esperança” que apresentas a devoção ao Senhor dos Passos na Nazaré.

Na Quinta do Alçada

Comemorações

Marinha Grande celebra 25 anos A Marinha Grande celebra o 25º aniversário da sua elevação a cidade no dia 11 de Março, com um conjunto de actividades para a população. O programa das comemorações do 25º aniversário da elevação da Marinha Grande a cidade é o seguinte: 10h00 | Paços do Concelho Hastear da Bandeira do Município 10h15 | Praça Guilherme Stephens “11 de Março no rosto das crianças” Receção às 400 crianças dos jardins de infância do

Agrupamento de Escolas Guilherme Stephens que se dirigem à Praça Guilherme Stephens para entoação de canções. Exposição de desenhos elaborados pelos alunos dos jardins de infância e 1.º ciclo dos três agrupamentos de escolas, subordinada ao tema “Olhar sobre a Cidade”, que ficará patente de 11 a 15 de Março, nos edifícios da Câmara Municipal e estabelecimentos comerciais do Centro Tradicional. 10h30 |OPEN Realização de videoconferência no âmbito do projecto “Dá-te a Conhecer”,

entre alunos das escolas da Marinha Grande, Fundão, Montemor-o-Novo e Vila Real de Santo António (elevadas a cidade no dia 11 de Março de 1988) Ao longo do dia serão efectuados pelos alunos das escolas do concelho contactos via skype, com alunos das congéneres dos três concelhos irmãos 14h30 | Câmara Municipal Visita dos alunos do 1.º ciclo do Pátio da Inês às instalações da Câmara Municipal 16h20 | Inauguração da extensão da Linha Azul

Circuito: Estrada de S. Pedro . Pedra de Cima . Pedra de Baixo . Fonte Santa . Camarnal . Ordem 18h00 | Salão Nobre da Câmara Municipal Sessão solene de apresentação dos Circuitos Industriais Momento musical com alunos do Curso Profissional de Música da Escola Secundária Eng.º Acácio Calazans Duarte Porto de honra servido por alunos do Curso Profissional de Restauração da Escola Secundária Eng.º Acácio Calazans Duarte

Padre João Paulo Vaz dá concerto na Igreja de Nª Srª de Fátima O Padre João Paulo Vaz & Banda actuará nesta Sextafeira, Dia da Mulher, no auditório da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, na Quinta do Alçada, nos Marrazes, Leiria. O concerto está marcado para as 21h00 e a entrada custa 7,5 canções, já que a receita do espectáculo reverterá a favor das obras da Igreja.

Em Leiria

Padre Borga em concerto na Igreja dos Pousos O padre Borga actuará na freguesia de Pousos, concelho de Leiria no dia 9 de Março, a partir das 21h00. O concerto é organizado pela Comissão de Festas do Senhor dos Aflitos 2013 e terá lugar na nova igreja dos Pousos, recentemente inaugurada e abençoada pelo Bispo da Diocese Leiria-Fátima, D. António Marto. A receita deste concerto reverterá a favor da nova Igreja dos Pousos que ainda tem alguns detalhes por concluir.


6 SOCIEDADE Actividade física para a terceira idade na Marinha Grande A Câmara Municipal da Marinha Grande aprovou o Programa de Funcionamento da Actividade Física para a Terceira Idade, na sua reunião de 21 de Fevereiro. O programa destina-se maioritariamente a pessoas com idade superior a 65 anos, com o objectivo de promover a prática de hábitos de vida saudáveis, facilitando, em parceria, o acesso da população idosa à prática de actividades físicas e desportivas. O programa visa contribuir para a melhoria das condições de vida e bem-estar dos munícipes do concelho, de forma solidária e inclusiva, através da sensibilização da população com 65 anos, ou mais, de idade, para a prática do exercício físico, como meio de promoção do bem-estar, da saúde e da qualidade de vida. O programa funciona em regime de parceria com as entidades locais predispostas a desenvolver projectos nesta área e terá um apoio financeiro de 1500 euros As candidaturas a este decorrem até dia 28 de Março de 2013.

Em Ourém

Sessão de apresentação de novos Regulamentos Municipais A Câmara Municipal de Ourém promove nesta Sexta-feira uma sessão de apresentação de novos Regulamentos Municipais, a partir das 15h00, no auditório da câmara. Uma sessão que surge porque estes regulamentos estarão em vigor brevemente e convém que as suas regras sejam conhecidas. Assim a autarquia apresentará o Regulamento de publicidade; o Regulamento de ocupação do espaço público; o Regulamento de horários de funcionamento de estabelecimentos comerciais e o Regulamento de venda ambulante Esta sessão de apresentação e esclarecimento destina-se a todos os munícipes, em particular comerciantes, solicitadores e outros profissionais que de alguma forma trabalham nestas áreas.

Projectos podem ser entregues até 30 de Abril

7.Março.2013

No valor total de 14 mil euros

Município de Leiria atribui auxílios financeiros para hipoterapia Mais de 14 mil euros em apoio social foi quanto desembolsou a Câmara Municipal de Leiria para apoiar sete associações de solidariedade social do concelho, atarvés de contratos-programas a que se candidataram. Um apoio que auxiliará as associações no desenvolvimento de um programa de actividade de hipoterapia, ou seja, equitação adaptada a crianças com necessidades especiais. Ao abrigo do contratoprograma, cada uma das associações irá receber o montante de dois mil euros durante o ano de 2013. Este auxílio financeiro destina-se a suportar parte dos encargos destas associações, tendo em conta a “natureza excepcional das actuais condições económicas da generalidade dos beneficiários abrangidos pela actividade de hipoterapia/ equitação adaptada” informa a autarquia em comunicado. A primeira prestação, que corresponde a 25% do montante total e será paga após a celebração do contrato-programa. As segunda e

DR

Câmara aprova programa

O Mensageiro

terceira prestações, no mesmo valor cada uma, serão liquidadas em Junho e em Setembro. A quarta prestação, correspondente aos restantes 25%, será disponibilizada após a conclusão do projecto e entrega do relatório com os resultados alcançados e documentos comprovativos da despesa. As associações de solidariedade social apoiadas são a Acapo – Associação

de Cegos e Amblíopes de Portugal (delegação de Leiria), APPC – Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral, Cercilei – Cooperativa de Ensino e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados, Oasis – Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social, Os Malmequeres – Centro de Ocupação Permanente de Leiria, Fundação António Silva Leal e Associação de Solidariedade Sorrisos da

Julinha. A hipoterapia destina-se à realização de actividades terapêuticas com cavalos, que ajudam a desenvolver as capacidades físicas e psicológicas de pessoas com problemas de diversa ordem. Esta prática proporciona uma melhor integração na sociedade e melhor qualidade de vida.

Batalha lança concurso de empreendedorismo jovem na área do Turismo

“Empreender BATALHA - TURISMO” é o tema do concurso promovido pela Câmara Municipal da Batalha que visa estimular a capacidade de iniciativa, a criatividade e o empreendedorismo dos jovens residentes do Concelho da Batalha, com idades entre os 18 e os 34 anos e que possuam ideias de negócio inovadoras na área do Turismo.Em comunicado a autarquia admite que o concelho assume, “particular importância no desenho do mapa turístico português e acrescenta valor à proposta do destino, que reúne, entre outros elementos diferenciadores, o clima, a história, a cultura as tradições e a hospitalidade”. Além disso, a estas características diferenciadoras, “a Batalha e a região estremenha, apresentam um legado e singularidades únicas ao nível da História portuguesa e europeia e, neste particular, do seu Património, com o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, classificado pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade, sendo o terceiro monumento nacional mais visitado, que integra a recente criada Rede de Mosteiros Património Mundial da Humanidade”. Assim sendo a autarquia decidiu realizar este concurso cujo prazo de candidaturas para entrega dos projectos termina a 30 de Abril.

Uma doação de 0,5% do IRS pode fazer a diferença

Cruz Vermelha Portuguesa apela à contribuição através da declaração de IRS No momento em que decorre o prazo para entrega das declarações de IRS a Cruz Vermelha Portuguesa vem, em comunicado, apelar aos portugueses para que sejam solidários e façam a sua “contribuição através da declaração de rendimentos” porque esse é “um acto de responsabilidade social que visa apoiar as pessoas mais vulneráveis da sociedade” A Cruz Vermelha

Portuguesa é uma das entidades beneficiárias de consignação de imposto. Assim, pode decidir doar à Cruz Vermelha Portuguesa 0,5% do seu IRS, bastando preencher o quadro 9, do anexo H da sua declaração de rendimentos, com o número de contribuinte 500 745 749 da Cruz Vermelha Portuguesa. Este é um simples gesto que não acarreta qualquer tipo de custos para o contribuinte

uma vez que 0,5% são retirados do imposto total que o Estado liquida, e não do que será devolvido, caso o contribuinte tenha direito à restituição do imposto cobrado. Segundo Luís Barbosa, presidente da Cruz Vermelha Portuguesa “a contribuição através da declaração de rendimentos é um acto de responsabilidade social que visa apoiar as pessoas mais vulneráveis da sociedade. O

empenho de todos nesta acção será muito significativo para ajudar a Instituição a cumprir a sua missão humanitária.” Através de um simples gesto é dada aos contribuintes a possibilidade de decidir o destino de parte dos seus impostos, de ter uma cidadania activa e de contribuir para a continuidade dos projectos da Cruz Vermelha Portuguesa.


SOCIEDADE 7

O Mensageiro 7.Março.2013

Estragos na costa avaliados pela APA

Na Marinha Grande

Câmara da Marinha Grande pede soluções e análise da revisão do POOC A Câmara Municipal da Marinha Grande deu a conhecer as consequências do mau tempo verificado em Janeiro na costa do concelho, a responsáveis da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), no passado dia 11 de Fevereiro. A visita aos locais mais afectados pelo temporal de 19 de Janeiro último, foi orientada pelo presidente da Câmara, Álvaro Pereira; pelo vice-presidente, Paulo

Vicente; e por dirigentes da autarquia. Estiveram presentes o vice-presidente da APA, Manuel Lacerda e técnicos daquele instituto. Foram visitadas as praias do concelho, desde São Pedro de Moel à Praia da Vieira, para identificação dos problemas de erosão da costa e sensibilização por parte dos autarcas aos representantes da APA para a tomada de medidas que visem a sua resolução

urgente. O encontro serviu também para debater o processo de revisão do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Ovar – Marinha Grande, que começou em 2011 com a caracterização da costa. Nesse âmbito, responsáveis da autarquia reuniram com os concessionários dos apoios de praia do concelho e com responsáveis pela Agência Portuguesa

do Ambiente, nos dias 5 e 8 de Fevereiro, Respectivamente. Na primeira reunião, os autarcas informaram a pretensão da Câmara em recolher os contributos dos concessionários, no âmbito da elaboração do novo POOC, ainda em curso, com o objectivo de os comunicar à equipa técnica responsável pelo processo.

A Câmara Municipal da Marinha Grande aprovou a listagem provisória de candidatos admitidos e excluídos do concurso para atribuição de 37 fogos de habitação social, na sua reunião de 21 de Fevereiro. No total foram submetidas a apreciação 67 candidaturas e para a escolha dos admitidos foram realizadas visitas domiciliárias a alguns agregados familiares, de forma a obter informações mais aproximadas da realidade dos candidatos, em termos habitacionais, sociais e económicos. As habitações ficarão sujeitas ao regime de renda apoiada nos 37 fogos disponíveis, situados no Bairro do Camarnal, Rua Prof. Melo Vieira, Rua Júlio Braga Barros, Rua General Humberto Delgado, Avenida da Liberdade e Praceta da Liberdade.

De segunda a Sexta-feira

Gabinete de Informação Autárquica ao Consumidor novamente em funcionamento

Escola Superior de tecnologia e Gestão com curso de Protecção Civil

Raul Castro enalteceu trabalho dos agentes da protecção civil do concelho

O GIAC - Gabinete de Informação Autárquica ao Consumidor foi reactivado e está a funcionar no edifício sede do Município, de segunda a sexta–feira das 9h00 às 12h00 e das 13h00 às 17h00. Em comunicado a Câmara Municipal de Ourém informa que este Gabinete visa prestar informação aos consumidores, orientandoos com vista à resolução dos problemas resultantes das relações de consumo; mediar litígios de consumo com agentes económicos e promover acções de sensibilização junto das escolas, população e agentes económicos.

Para a compra de ambulância

Bombeiros Voluntários da Freixianda angariam fundos A crise económico-financeira que o país está a atravessar é transversal a todos os sectores e no voluntariado também, principalmente, quando falamos de Bombeiros Voluntários. Por isso a Liga de Amigos da Secção de Bombeiros de Freixianda está a realizar um conjunto de acções e actividades que permitam a angariação de fundos para a aquisição de uma nova ambulância de socorro que tanta faz a estes bombeiros. Uma das formas de contribuir para esta causa é depositando o seu donativo através do NIB 003300000918002908575.

Joaquim Santos

Raul Castro, Presidente da Câmara Municipal de Leiria, afirmou no dia 1 de Março, na sessão de abertura do seminário comemorativo do Dia Mundial da Protecção Civil, que “este dia, para além de chamar a atenção para as questões da protecção civil, é um momento de dar os parabéns e dizer obrigado a toda a estrutura e agentes envolvidos no concelho de Leiria, que afirmam diariamente o seu sentido colectivo, em detrimento e prejuízo dos seus interesses individuais”. No auditório da Escola Superior de Tecnologia e Gestão, o autarca destacou o apoio dado pela Autarquia, dentro das limitações existentes, às diversas corporações, destacando a entrada em funcionamento, no início de 2012, do Centro Municipal de Protecção Civil, sedeado no Quartel dos Bombeiros Municipais de Leiria. Este centro garante uma resposta mais rápida e eficaz na prestação de socorro e consequentemente o aumento do sentimento de segurança das populações. O resultado tem sido uma articulação frutuosa,

Câmara já aprovou listagem dos candidatos às habitações sociais

com ganhos de produtividade, de que é exemplo o socorro no temporal da madrugada de 19 de Janeiro. Desde esse dia até 21 de Janeiro, as diversas corporações responderam a 1958 telefonemas, com um atendimento telefónico médio de 9 segundos. O autarca realçou ainda o apoio dado à aquisição de viaturas para as corporações de bombeiros, nomeadamente um veículo ligeiro de combate a incêndios urbanos para os Bombeiros Municipais de Leiria; um veículo urbano de combate a incêndios para os Bombei-

ros Voluntários de Maceira e um veículo de socorro e assistência especial para os Bombeiros Voluntários de Leiria. Luís Távora, Director da Escola Superior de Tecnologia e Gestão, abordou a entrada em funcionamento do curso de Protecção Civil, desde 2007, que “tem formado técnicos qualificados”, imprescindíveis para uma articulação com todo o sistema de prevenção e emergência. O Dia Mundial da Protecção Civil visa atrair a atenção de todos os países do mundo para a importân-

cia dos temas associados à protecção civil, nomeadamente para a prevenção, tendo sido criado pela Organização Internacional de Protecção Civil. Com sede em Genebra, esta organização intergovernamental tem como principal objectivo contribuir para o desenvolvimento, pelos Estados, de estruturas capazes de garantir protecção e assistência às populações e ainda a salvaguarda da propriedade e do ambiente face a catástrofes com origens naturais e tecnológicas.

Votação termina a 10 de Março

Projecto “Heróis da Fruta Lanche Escolar Saudável” No concelho de Leiria sete escolas concluíram o desafio da Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI), no âmbito do projecto nacional «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável», promovido pela APCOI desde 2011. Este projecto visa motivar as crianças até aos 10 anos para a ingestão diária de fruta, na quantidade recomendada pela Organização Mundial de Saúde. A última etapa da 2ª edição do projecto «Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável» é a realização de um «Hino da Fruta», que está em votação nacional, a fim de eleger os 60 Hinos finalistas do ano lectivo 2012/2013. Uma votação publica que termina no dia 10 de Março. Depois o júri escolherá os três hinos vencedores. Pelo distrito de Leiria, concorrem escolas e jardins-de-infância de Figueiró dos Vinhos, Marinha Grande e Peniche.


8 ECLESIAL

O Mensageiro 7.Março.2013

Família há oito séculos

A nobre guerreira S

uavemente a Virgem Santa Clara chegou até ao Litoral, à região de Leiria, mais concretamente à vila de Figueiró dos Vinhos que, com os seus oitocentos anos de História, revela a própria beleza e encanto natural na enorme variedade das suas paisagens: do verde da Serra ao azul da Ribeira de Alge e do Rio Zêzere, é possível contemplar os impressionantes monumentos com que a Natureza e a História vestiram o espaço figueiroense e desfrutar do ar puro e de uma luz única que encantou o Mestre José Malhoa. Detentor de um património natural e cultural de grande riqueza, que concilia com uma gastronomia tradicional de considerável variedade, Figueiró dos Vinhos foi designado por Malhoa como

DOM DA FÉ

Pe Jorge Guarda

Vigário Geral da Diocese

O testemunho de Bento XVI http://padrejorgeguarda.cancaonova.pt

N

a sequência da sua decisão lúcida e corajosa, anunciada no dia 11 de fevereiro, o Papa Bento XVI deixou de exercer o ministério petrino no dia 28 do mesmo mês. Indicou, com clareza e repetidamente, que a razão da sua renúncia era a consciência de já não estar com forças suficientes para tão exigente missão. E disse que o fazia, com “plena consciência da sua gravidade e também inovação”, pensando no bem da Igreja

«Sintra do Norte» e em 1998 declarado «Vila Florida da Europa». Aqui, em 1549, nasceu o Mosteiro de Nossa Senhora da Consolação onde brilhou o ideal da Regra de Santa Clara ao longo de três séculos. O cronista da Ordem dos Frades Menores em Portugal, Frei Fernando da Soledade atribui a fundação a quatro senhoras moradoras na vila, entre elas Ana de Jesus, que se reuniram numas casas no local chamado Fundo da Vila. Rui Mendes de Vasconcelos, que pertencia à nobreza, doou-lhes uma torre contígua à praça da vila, e fez nela as obras necessárias de modo a acolher a Comunidade que entretanto crescera significativamente. Como tantos outros, o mosteiro foi extinto nos finais do século dezanove.

Do edifício parece restar apenas uma fonte, que teria sido construída para abastecer o mosteiro. Facto curioso é que de umas simples e seculares ruínas fique apenas uma fonte promissora de uma outra Água, que tão abundantemente teria brotado daquela nascente sem fundo nem origem, que as moradoras contemplavam dentro dos muros do seu claustro e onde tão diligentemente se submergiam – Jesus-Eucaristia. Entre muitas das Irmãs que ali viveram e se agigantaram na santidade, mencionamos a Irmã Antónia da Trindade falecida em 1575 que frequentara a Universidade vestida de rapaz e possuía uma vastíssima cultura humana e espiritual. se os filhos das trevas são tão astutos no que toca às coisas deste mundo por

que não os filhos da luz?! Mas porque Jesus afirma que o Seu Pai trabalha sempre e Ele também trabalha, Santa Clara de Assis, fiel discípula, também não cruza os braços. E em 1560 prepara, uma vez mais, a mesa para o seu Esposo. Torres Novas foi o lugar escolhido. Conquistado aos mouros por Dom Afonso Henriques em 1148, quase cinquenta anos antes do nascimento de Clara. Aqui ao longo de séculos viveram as suas Irmãs em permanente louvor e adoração ao Deus três vezes Santo. Palmo a palmo, a poderosa guerreira da Idade Média vai conquistando com a espada da Altíssima Pobreza as Terras de Santa Maria. Em 1561 chega ao alto Minho à vila de Caminha onde é edificado o Mosteiro sob o signo da luz: Santa

Clara. Ela deseja clarear de norte a sul ta nobre nação portuguesa. Enquanto as caravelas partem rumo a outros mares, oceanos e novos continentes, inumeráveis jovens consagram as suas vidas à aventura divina de conquistar não só a nação mas também todos os povos para um reino imensamente mais nobre e feliz que todos os reinos e principados deste mundo – o Reino de Deus! As conquistas não são feitas somente pela espada ou o engenho bélico, mas existe uma outra forma mais engrandecedora e bela de combater e conquistar: o Amor! O amor que só em Deus tem origem, meio e fim. Este é verdadeiro. Arreigadas nessa realidade, muitos corações nobres, jovens e ousados, verdadeiramente apaixo-

nados por Cristo e pelo carisma da Ordem de Santa Clara, levantaram em 1563 mais um Mosteiro em Alverca e em 1569 em Torrão. Todas as pedras materiais sucumbiram com as leis da extinção dos Mosteiros e Conventos, mas ficaram a beleza e o perfume da santidade das pedras vivas criadas e sustentadas pelo Senhor da História. Em 2011 o Papa Bento XVI afirmou: O silêncio e a beleza do lugar no qual vivem as comunidades monásticas – beleza simples e austera – constituem um reflexo da harmonia espiritual. Olhando as coisas numa óptica espiritual, estes lugares do espírito são estruturas importantes no mundo!

e não no seu. Declarou que continuava “de modo novo junto do Senhor Crucificado” a servir a Igreja “com a oração e a reflexão, com aquela dedicação ao Senhor e à Sua Esposa” que tentou “viver até agora” e que quer “viver sempre”. Com este ato e ao longo do seu pontificado, Bento XVI foi uma admirável testemunha da fé. Fê-lo com o seu modo de viver e de exercer o ministério pontifício bem como com as suas palavras e ações. Ele mesmo confessou ter sido na fé, em resposta ao Senhor Jesus, que aceitou a pesada responsabilidade de sucessor do Apóstolo Pedro: “Senhor, porque me pedes isto e o que me pedes? É um peso grande este que me colocas sobre as ombros, mas se Tu mo pedes, à tua palavra lançarei as redes, seguro de que Tu me guiarás, mesmo com todas as minhas fraquezas”. Ao longo de quase oito anos de pontificado, tanto nos “momentos de alegria e de luz” como naqueles em que “as águas estavam agitadas e o vento era contrário”, reconhece que sempre o Senhor esteve com ele e

o guiou, nunca deixando “faltar a toda a Igreja” e também a si próprio “a sua consolação, a sua luz, o seu amor”. Foi também pela fé que, consciente da sua longa idade e da falta de forças para continuar o ministério ativo de pastor da Igreja, pediu “a Deus com insistência, na oração” que o iluminasse com a sua luz “de modo a tomar a decisão mais justa”. Chegou assim à convicção de que “amar a Igreja significa também ter a coragem de fazer escolhas difíceis, sofridas, tendo sempre em vista o bem da Igreja e não de si próprio”. Por isso, decidiu renunciar. Fê-lo “com profunda serenidade na alma”. E foi efetivamente um Papa sereno que se despediu dos fiéis, dos seus colaboradores e do mundo, para se retirar e passar a viver na simples condição de “peregrino que inicia a última etapa da sua peregrinação nesta terra”. Não deixou de fazer ainda o convite para envolver os fiéis: “Vamos para a frente juntos com o Senhor para o bem da Igreja e do mundo”. Já antes testemunhara

aos peregrinos de Roma a sua fé em que “Deus guia a sua igreja, amparaa sempre, também nos momentos difíceis”. E convidava todos os fiéis a não perderem “esta visão de fé, que é a única verdadeira visão do caminho da Igreja e do mundo”, formulando o desejo de que, “no nosso coração, no coração de cada um”, “haja sempre a alegre certeza de que o Senhor está ao nosso lado, não nos abandona, está próximo de nós e nos acolhe com o seu amor”. Vemos nestas palavras como ele quer envolver a todos na mesma fé viva, para que dela possam beneficiar e por ela se deixem guiar na vida. Como é a fé testemunhada por Bento XVI? É antes de mais uma confiança firme no Senhor Jesus, que nos sustenta e guia na vida, ajudando-nos a viver com coragem e ousadia as próprias responsabilidades. Esta fé é também a verdade que nos ilumina no conhecimento de Deus e do seu mistério insondável e nos orienta igualmente na compreensão da nossa vida e da história humana na perspetiva do horizonte

eterno. Não deixa de ser ainda uma esperança firme que nos projeta para o futuro que Deus nos oferece, uma esperança que nos acompanha e sustenta na caminhada no tempo. A fé manifesta-se e conduz-nos ao amor, um amor que o Espírito pôs no nosso coração e nos torna capazes de relação, generosidade, entrega total da nossa vida a Deus e aos irmãos, sendo e fazendo-lhes bem. Esta fé é força que nos move e fortalece nos empreendimentos da vida. O Papa Bento XVI manifestou uma fé fraterna, que leva a reconhecer os demais fiéis como irmãos e os valoriza. Pela fé, ele apresentou-se sempre com humildade, autenticidade e sabedoria, não deixando de esclarecer que o dom de Deus não se opõe à razão nem à ciência. A fé requer o esforço da inteligência para a compreender e tornar-se capaz de dar razões para si próprio e para os outros do ato de crer e dos conteúdos em que se acredita. Bento XVI empenhouse ao longo do pontificado em ser “testemunha da verdade”. Foi esse esforço que o levou a tomar posição

firme e sofrida perante os abusos da pedofilia ou de outros escândalos na Igreja. Compadeceu-se das vítimas e reuniu-se com elas, comovendo-se e pedindo perdão. O anseio pela verdade fêlo tornar-se próximo dos homens de cultura e a encontrar-se com os seguidores de outras confissões cristãs e de outras religiões, nomeadamente judeus e muçulmanos. Denunciou também os abusos económicos e financeiros e apelou a ao respeito pela ética neste tipo de atividade. Por fim, a sua renúncia foi em ordem a viver mais a fé, concentrando as forças que lhe restam na prática da oração junto do Senhor Crucificado. É a opção por viver de modo contemplativo e suplicante, fazendo intercessão como o fez Moisés e o próprio Jesus. Este é o seu modo atual de servir a Igreja e a humanidade, testemunhando uma sua vida inteiramente dedicada ao serviço de Deus, em favor dos seus irmãos e da comunidade eclesial.

Irmãs Clarissas de Monte Real

Texto escrito segundo o novo acordo ortográfico


DIOCESE 9

O Mensageiro 7.Março.2012

Breves

“A fé, luz para as noites da vida”

CFC organiza encontro de reflexão O Centro de Formação e Cultura (CFC), da Diocese de Leiria-Fátima, levou à Paróquia da Marinha Grande o encontro de reflexão/ oração sobre a Fé, já realizado em Leiria na tarde de 27 de Janeiro. Na igreja paroquial da Marinha, foi na tarde do domingo, 3 de Março. Uma tarde cinzenta e de muito frio, que mais convidava a ficar em casa, e de preferência, à lareira. Porém, tal não impediu que cerca de oito dezenas de pessoas aí acorressem para participar neste encontro de reflexão, partilha, testemunhos e oração, sob o tema em título. E a avaliar pelas muitas e pertinentes questões colocadas, pela partilha sentida na oração, e diálogo posterior, provaram não ter dado por mal empreguado o seu tempo. Na verdade, o tempo correu veloz e pareceu muito curto. Iniciou-se com a reflexão do Padre Jeremias Vechina, da Ordem dos Carmelitas Descalços, sobre a fé na vida dos místicos e a fé na nossa vida, hoje. De uma forma muito organizada, linguagem muito clara e densa, concisa e convicta, numa comunicação que eu qualifico de “luminosa”,

foi-nos conduzindo ao questionamento da nossa própria fé. Ficam apenas algumas ideias do que nos foi dado reflectir: as situações históricas, as experiências vividas, são sempre pedaços da presença de Deus; as situações de sofrimento, a que se pode chamar, “noites da fé”, são oportunidades de purificação que fazem crescer os fortes e cair os medíocres; os místicos são os que, no sofrimento, se entregam nas mãos de Deus; e Deus, o Pai da ternura e do Amor, sempre presente, continua em silêncio, porque já falou e não o ouvimos; quando não olhamos a realidade, nos fechamos aos outros, e às situações, deixamos de escutar Deus; a fé é activa, criadora, exige fazer escolhas e realizar obras; a fé experimenta-se e alimenta-se no encontro com Jesus Cristo e com os irmãos, é comunitária; sem a experiência de encontro com Jesus, dificilmente damos o salto na fé e facilmente O trocamos por qualquer coisa; educar na fé, em catequese, exige, implica, promover encontro com Jesus Cristo; só a confiança e o abandono total nas mãos de Deus é saída salva-

“Com Maria, caminhamos pela fé”

Peregrinação Diocesana Jovem a Fátima Como já vem sendo hábito o Serviço da Pastoral Juvenil está a organizar um programa especificamente destinado aos jovens para o dia que antecede a peregrinação diocesana, a decorrer no dia 16 de Março. O programa do dia 16, destinado aos jovens da diocese a partir do 10º volume de catequese, inicia às 10h00 com a peregrinação a pé, nas localidades escolhidas no momento da inscrição. A chegada dos grupos a Fátima está prevista para as 16h00, seguindo-se um plenário, no Salão do Bom

Pastor às 17h00. Depois de um jantar partilhado será feita a Vigília de Oração Jovem, na capela da Morte do Senhor. No dia seguinte, Peregrinação Diocesana, o grupo deverá participar no programa geral da diocese, que pode ser consultado na edição anterior do jornal O Mensageiro ou ainda no site da diocese Leiria-Fátima. A inscrição de todos os participantes é gratuita e obrigatória, devendo ser feita até ao dia 11 de Março. Ana Vala

dora para as nossas “noites escuras”… Após um tempo de questões e respostas, ouvimos dois testemunhos de quem, na vida real, e em situações de sofrimento intenso e inesperado, procurou, e continua a procurar, em Deus, sentido para o que irrompeu nas suas vidas, e a entregar-se confiadamente nas Suas mãos, apoiando-se na Palavra, na oração, na vida comunitária e nos amigos, outras tantas formas da presença de Deus. Num dos casos, o Padre Adriano Brites, com uma doença muito limitativa, após uma vida bastante ligada ao desporto, mostrou-nos com o seu testemunho como a fé se recebe, se partilha e se vive nas situações concretas, e de cara alegre, disse! No segundo caso, ouvimos o casal Ana e Bruno Rolla, com três filhos, tendo os dois primeiros nascido com necessidades educativas especiais. No meio de uma vida desgastante, de constante procura de apoios e das formas mais adequadas de educar e de lidar com crianças especiais, este casal testemunhou firmemente e acima de tudo, a sua convicção, pela

Encontro de formação “Fé e família”

fé, de que os seus filhos são filhos de Deus e lhes foram entregues, a eles, por um desígnio divino, como uma missão; guia-os a certeza de que é o Amor de Deus a conduzi-los num caminho de crescimento e de felicidade. Assim disseram também numa linda canção com que terminaram a sua partilha. Num momento celebrativo, de oração partilhada, ouvimos, da leitura de Heb.11,1-40, que “ a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e uma demonstração das que não se vêem; e ainda, que foi pela fé que os nossos antepassados caminharam.” A envolvência musical que deu mais beleza e cor a toda esta tarde disse-nos também: “ nada te turbe (… ) quem a Deus tem nada lhe falta (…) só Deus basta”. A todos os que colaboraram na animação musical e o nosso bem-haja. O mesmo bem-haja vai também para os que aceitaram partilhar connosco a sua fé. Terminámos o Encontro à volta de um chá quentinho, também importante para partilhar afectos, e renovar a comunhão.

Belmira de Sousa

Um apelo ao testemunho das famílias católicas A equipa vicarial de Leiria da pastoral familiar promove anualmente um encontro de formação, que este ano se realizou na paróquia dos Parceiros, no passado dia 23 de Fevereiro. Com a presença de cerca de duas dezenas de casais, esta acção teve como tema “Fé e família”, com orientação de Jorge Cotovio, director do Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar da diocese de Coimbra. Segundo Jorge Vieira, membro desta equipa vicarial, “são sempre muitas as inquietações trazidas pelos casais para este encontro” e nem sempre as respostas são “as mais claras e directas”. Neste caso, no contexto do Ano da Fé que estamos a viver, e perante a constatação de que o valor da família está cada vez mais ausente das comunidades, a questão de fundo era “o que podemos fazer para inverter esta situação?” Desta vez, a resposta foi objectiva: “Como famílias católicas, apenas temos de estar presentes e atentos às outras famílias que vivem ao nosso lado, para que saibam onde encontrar quem lhes pode estender uma mão e quem lhes testemunhe o exemplo de vivência na fé em Cristo”, aponta aquele participante, em nota enviada ao GIC de Leiria-Fátima. GIC de Leiria-Fátima

“Habitar o mundo na esperança e na bondade”

Conferência no Santuário

“Habitar o mundo na esperança e na bondade” é o mote para mais uma conferência no Santuário de Fátima, no âmbito o ciclo deste ano, subordinado ao tema “Não tenhais medo”, a realizar no próximo dia 10 de Março, às 16h00. O presidente da direcção da “Comunidade Vida e Paz”, Henrique Joaquim, é o convidado para a penúltima conferência do ciclo alusivo ao tema do corrente ano pastoral no Santuário de Fátima, “Não tenhais medo”. Com o título “Habitar o mundo na esperança e na bondade”, a conferência decorrerá na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, no dia 10 de Março, às 16h00. No final, será oferecido um breve apontamento musical pelo “Quinteto Sincoper”, grupo de sopros da Escola de Música de Perosinho. GIC de Leiria-Fátima

“Conversas c’a Fé”

Tertúlias no Grémio Literário Como tem sido habitual nestas tertúlias mensais do ciclo “Conversas c’aFé”, promovido pelo Serviço Diocesano de Pastoral Juvenil (SDPJ) da diocese de Leiria-Fátima, o convidado (ou convidados) só se revela na hora do evento. Confirmado e garantido é apenas o interesse que cada sessão tem despertado em algumas dezenas de participantes que têm respondido ao convite para um café na companhia de quem experimenta e testemunha a riqueza que a fé traz à sua vida. O próximo encontro está marcado para sexta-feira, dia 8 de Março, às 21h00, no Grémio Literário (GL) Caffé, na cidade de Leiria. Como usual, a conversa poderá ser acompanhada em directo na internet, através da transmissão na página do SDPJ e com ligação ao Facebook, havendo a possibilidade de participar com comentários ou perguntas ao orador. GIC de Leiria-Fátima


10 ECLESIAL

O Mensageiro 7.Março.2013

Leituras | IV Domingo da Quaresma

JANELA SOBRE A MISSÃO

Ano C (10/03/2013 Antífona de Entrada: cf Is 66, 10-11 Leitura I: Jos 5, 9a.10-12 Salmo Responsorial: Salmo 33 (34), 2-3.4-5.6-7 (R. 9a) Leitura II: 2 Cor 5, 17-21 Aclamação ao Evangelho: Lc 15, 18 Refrão: Glória a Vós, Jesus Cristo, Palavra do Pai. Repete-se. Vou partir, vou ter com meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Refrão. Evangelho: Lc 15, 1-3.11-32 Naquele tempo, os publicanos e os pecadores aproximavam-se todos de Jesus, para O ouvirem. Mas os fariseus e os escribas murmuravam entre si, dizendo: «Este homem acolhe os pecadores e come com eles». Jesus disse-lhes então a seguinte parábola: «Um homem tinha dois filhos. O mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me toca’. O pai repartiu os bens pelos filhos. Alguns dias depois, o filho mais novo, juntando todos os seus haveres, partiu para um país distante e por lá esbanjou quanto possuía, numa vida dissoluta. Tendo gasto tudo, houve uma grande fome naquela região e ele começou a passar privações. Entrou então ao serviço de um dos habitantes daquela terra, que o mandou para os seus campos guardar porcos. Bem desejava ele matar a fome com as alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava. Então, caindo em si, disse: ‘Quantos trabalhadores de meu pai têm pão em abundância, e eu aqui a morrer de fome! Vou-me embora, vou ter com meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho, mas trata-me como um dos teus trabalhadores’. Pôs-se a caminho e foi ter com o pai. Ainda ele estava longe, quando o pai o viu: encheu-se de compaixão e correu a lançar-se-lhe ao pescoço, cobrindo-o de beijos. Disse-lhe o filho: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’. Mas o pai disse aos servos: ‘Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha. Ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés. Trazei o vitelo gordo e matai-o. Comamos e festejemos, porque este meu filho estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado’. E começou a festa. Ora o filho mais velho estava no campo. Quando regressou, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos servos e perguntou-lhe o que era aquilo. O servo respondeu-lhe: ‘O teu irmão voltou e teu pai mandou matar o vitelo gordo, porque ele chegou são e salvo’. Ele ficou ressentido e não queria entrar. Então o pai veio cá fora instar com ele. Mas ele respondeu ao pai: ‘Há tantos anos que eu te sirvo, sem nunca transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para fazer uma festa com os meus amigos. E agora, quando chegou esse teu filho, que consumiu os teus bens com mulheres de má vida, mataste-lhe o vitelo gordo’. Disse-lhe o pai: ‘Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado’». Palavra da salvação.

Cânticos |V Domingo da Quaresma

Ano C (17/03/2013) INÍCIO Deus vinde em meu auxílio - Lau 288 SALMO RESPONSORIAL O Senhor fez maravilhas - Lau 599 APRESENTAÇÃO DOS DONS Tomai Senhor e recebei - Lau 821 COMUNHÃO Eu vim para que tenham vida - Lau 382 PÓS-COMUNHÃO Dái-me Senhor um coração puro - Lau 264 Vós senhor sois o nosso Pai - Lau 883 FINAL Cristo dará a liberdade - Lau 246

Pe. David Nogueira

Moagem fez um ano de experiência e trabalho

S

audações fraternas a todos os que nos acompanham. Venho dar notícia que a nossa moagem cumpriu um ano ao serviço da comunidade do Gungo. Foi no dia 23 de Fevereiro de 2012 que esta fez soar o zumbir

AO SABOR DA PALAVRA

Pe. Francisco Pereira pe.francisco@mac.com

4º Domingo da Quaresma 10 de Março de 2013

A casa

A

vida é feita de mudanças, pequenas ou grandes. É feita do correr do tempo, da passagem das coisas. Quem não muda está morto, petrificado, não é nada. A mudança assume então vários aspectos, para melhor ou pior, dependendo do ponto de vista. As leituras deste domingo falam-nos da mudança que sofreu o Povo de Deus quando finalmente chegou

dos martelos e o roncar do motor pela primeira vez. Mas mais que o barulho foi apreciada a “fuba” (farinha de milho) que saía e a velocidade a que saía. Esse dia 23, foi um dia de grandes alegrias. O técnico iniciou o seu trabalho pela manhã e rapidamente se ouviu barulho e começou a ver o resultado. O telhado ainda não estava acabado mas a afluência para moer foi como se se tratasse de um verdadeiro dia de trabalho. Estávamos sempre à espera que acabasse a fila mas vinha mais uma, depois, mais outra, e assim se cumpriram seis horas de moagem pensando nós que seria coisa de uma horita. É claro, nesse dia, foi “de favor”, isto é: gratuito.

Recordo o espanto das mamãs ao verem a fuba tão branca e fina e em tão pouco tempo. Depois desse dia, muita fuba já saiu da moagem, muitas pancadas nas pedras se pouparam e muito cansaço das mulheres foi evitado. Não podemos esquecer as preocupações que este projecto também foi e vai trazendo à Equipa Missionária: abastecimento, manutenção, reparações, controle do funcionamento das contas, o salário dos moleiros, ajustes nos dias e horários de funcionamento, etc, etc. É o exemplo de um projecto que vai dando os seus resultados de vários modos, procurando melhorar a vida

à Terra Prometida: deixaram de ser alimentados com o maná, que deixou de cair quando os frutos naturais da região começaram a ser cultivados e colhidos. Os hebreus deixaram assim apenas de apanhar o que lhes caía do céu, dado por Deus. Eles mesmos começaram a luar pela vida, a cultivar com o seu esforço os alimentos para todos. Assim simbolizada a sua responsabilidade perante a terra dada por Deus, que eles tinham de cultivar. Aparentemente seria mais fácil que Deus continuasse a enviar-lhes o maná, mas Deus não criou o homem para ser um mero robot, sem iniciativa, algo que obedece maquinalmente, sem saber o que faz. Cultivando a terra que Deus lhes deu os hebreus revelaram que um dos papéis mais importantes do homem é desenvolver o mundo que Deus lhe Deu. Mundo que é, ao mesmo tempo, dom e tarefa. Por isso é exigido ao Homem que não abandone esse mundo, que não fuja dele. Para ajudar á festa vem S. Paulo dizer-nos que “Se alguém está em Cristo, é

uma nova criatura.” porque é alguém que se descobriu a si mesmo, que descobriu o amor de Deus. O amor que nos maravilha e que nos torna capazes de aceitar viver numa casa que não foi construída por nós e que nos foi dada gratuitamente sem merecimento da nossa parte. E o que é que nos fazemos desta casa. Temos consciência da novidade que é vivermos lutando para alcançar aquilo que Deus nos quer dar. Ou somos como o filho mais velho de que nos fala o Evangelho, que fica com inveja daquilo que o pai faz ao filho que regressa a casa depois de ter destruído a riqueza que o Pai lhe tinha dado. Olhamos mais para a justiça do que para a misericórdia, andamos sempre de pé atrás em relação aos nossos irmãos em vez de abrirmos os braços para os recebermos e acolhermos na família. O filho mais velho seria ainda mais pobre que o irmão pródigo, porque vivia na mesquinhez da sua vida, não reparando para a felicidade que tinha ao partilhar da riqueza do pai, por viver em casa do

do povo. Na foto podemos ver, da esquerda para a direita: o técnico da empresa fabricante da moagem (cujo nome não me recordo); o P. Vítor Mira; Augusto Samissa (um dos moleiros); Alberto Cunganhalã (responsável dos moleiros); Domingos Comendala (membro da comunidade daquele bairro) e José Capoco (catequistas da área da Tuma). Pode-se ver que, à hora que foi tirada a foto, ainda não havia telhado, este foi colocado pouco depois. A moagem foi trabalhando à experiência e só foi oficialmente inaugurada a seis de Maio do mesmo ano. Um abraço fraterno para todos os que vão ajudando para que estes e outros projectos se vão realizando. O Gungo está a crescer e a melhorar graças a muitas ajudas. Boa missão para todos!

Pai, uma casa que não reconhecia como sua porque não partilhava do amor do pai por toda a família. O filho mais velho nunca usa a palavra “Pai”, demonstra não ser um filho, mas um servidor, o pai é apenas um patrão. Assim é fácil rejeitar o irmão. Esse é o pecado de muitos de nós, cristãos: a espectativa da condenação dos pecadores nasce da convicção de que eles são uns espertalhões que vivem bem: por isso são invejados, criam ciúmes e a esperança de um castigo iminente, não percebendo que a vida dos pecadores é uma tragédia, plena de desespero e sem alegria. Que a boa notícia trazida por Cristo não nos leve a fechar os olhos e esta luz clara e distinta que nos mostra que a casa é nossa, e somos nós que temos de cuidar dela. A vida não é uma tarefa acabada, mas é uma construção permanente e diária que lentamente se vai mostrando. Uma construção que não é formada por calhaus, mas que é formada por árvores vivas.


PORTUGAL 11

O Mensageiro 7.Março.2013

I Encontro Nacional de Jovens Voluntários

Jornadas Mundiais da Juventude no Rio No passado dia 2 de Março o Departamento Nacional da Pastoral Juvenil (DNPJ) realizou, em Fátima, o I Encontro de Voluntários Portugueses para as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) a realizar este ano no Rio de Janeiro. Estiveram reunidos, num grupo de mais de duas dezenas, voluntários portugueses com o objectivo de partilhar ideias e reflectir sobre o serviço que vão desempenhar. Os presentes puderam contar ainda com a partilha por parte da Dra. Isabel Jonet, responsável pelo Banco Alimentar (BA), sobre o voluntariado. Inspirados pela frase de Tagore “Sonhei que a vida era alegria, acordei e vi que a vida era serviço, servi e vi que servir é alegria!”, o grupo esteve atento ao testemunho da Dra. Isabel Jonet, a qual mostrou o voluntariado numa perspectiva de “ir ao

encontro dos outros, mais que dar o nosso tempo”, salientando o seu carácter transformador, “porque transforma cada pessoa que o voluntário toca”. O voluntariado não pode ser visto na simples perspectiva do “ir”, mas sim de “ser” com a motivação que impulsiona a ver as coisas de outra maneira. A responsável do BA lembrou ainda “que mesmo com quase duas centenas de inscritos a participação de duas dezenas naquele encontro era de elogiar, pois os presentes são os “melhores” pois são os

que querem servir de verdade.” Para além deste testemunho, que fez cada um pensar na razão do seu “sim”, mais dois voluntários, que vão ao Rio e que estiveram em Madrid, partilharam um bocadinho da sua experiência nas jornadas de 2011. Tiveram Madrid como um momento muito enriquecedor e sentido, por isso repetem a experiência em 2013, no Rio. Deixaram, ainda, o desafio para que todos se lançassem nesta Jornada com expectativas moderadas e com abertura para

acolher todos os desafios que possam surgir, sempre num verdadeiro sentido de entrega e serviço. Depois de um momento de partilha em pequenos grupos, seguiu-se um de animação com um Quizsobre o Rio de Janeiro. Este primeiro encontro foi importante para “quebrar o gelo” entre alguns dos que irão de Portugal para o Rio. Ajudou a perceber a essência de se ser voluntário e sensibilizou os participantes da necessidade de preparar este caminho juntos, pois em Cristo somos Um e, nesta missão, só em Um faz sentido. Por forma a continuar a preparar este caminho em unidade, o padre Eduardo Novo, responsável pelo Departamento Nacional da Pastoral Juvenil, marcou novo encontro para a tarde de 4 de Maio, inserido nas actividades do Fátima Jovem.

Escuteiros realizaram maratona de voluntariado

escuteiras e associações que aceitaram o desafio de integrar nesta maratona de voluntariado. O comunicado refere ainda que foram mais de 1800 horas de voluntariado onde “foi possível que na Figueira da Foz se realizase a reconstrução de uma horta ecológica, em Lisboa, uma escola viu as paredes e os campos de jogos arranjados, na Chainça, Coimbra mais de 1500 kg

de alimentos foram recolhidos, em Odivelas foram animados lares de idosos, em Idanha-a-nova um concerto animou a população e ajudou na recolha de roupa e brinquedos, em S. Paio de Merelim, Braga fosse feita a limpeza da pista pedonal junto do rio Cávado.” Em algumas localidades “o impacto do apoio dos jovens escuteiros foi de tal forma, que há projectos que vão ter continuidade

Dominicanos propõem actividades na Quaresma A comunidade dominicana de Lisboa está a desafiar as populações da cidade para uma vivência de Quaresma baseada na espiritualidade de São Domingos, fundador da Ordem dos Pregadores. De acordo com o frei Filipe Rodrigues, estão neste momento à disposição das pessoas duas propostas de oração e reflexão, para que elas possam preparar melhor a entrada na Páscoa: as chamadas “quartas-feiras da Quaresma”, que se vão prolongar até à Semana Santa, e um retiro marcado para dia 16 de março, na igreja do Convento. A primeira iniciativa, para a qual os fiéis se podem inscrever semanalmente, surgiu como uma aposta dos dominicanos para “praticarem as três propostas evangélicas para a Quaresma, a oração, o jejum e a esmola”. “Começa ao final da tarde de quarta-feira, com a eucaristia às 19h15, depois há uma refeição ligeira com a comunidade, em silêncio, seguida de um tempo forte de oração, com a ajuda de um texto espiritual. O dia termina por volta das 10h00 com a oração de completas”, explica o frei Filipe Rodrigues. As inscrições para as “Quartas-feiras de Quaresma” estão normalmente limitadas a um grupo pequeno de pessoas, adequado à capacidade do refeitório do Convento, e cada participante “é convidado a deixar um donativo, uma parte para cobrir a refeição, a outra para dar aos pobres”. Quanto ao retiro de Quaresma, está aberto não só à comunidade que normalmente participa nas celebrações na igreja do Convento dos Dominicanos, em Lisboa, mas também a outras pessoas que queiram participar. O programa deste ano contará com um pregador “da casa”, o frei José Carlos Lopes Almeida, e as inscrições vão permanecer abertas até 13 de Março.

“Fenómenos místicos” no Porto

48 horas em espírito de serviço e solidariedade Uma maratona de voluntariado, de 48 horas, levou os escuteiros católicos do Corpo Nacional de Escutas (CNE), de norte a sul do país, a organizaremse em vários projectos, nas suas localidades, para uma maratona de voluntariado. Segundo comunicado enviado pelo Gabinete de Imprensa do CNE, “esta acção juntou, mais de 6000 escuteiros em vários projectos, trazendo às suas localidades um trabalho em prol da sociedade”. “Foram mais de uma centena de projectos desenvolvidos, para que lares de idosos fossem animados, muros comunitários pintados, escolas arranjadas, refeições a sem abrigos servidas, espaços verdes arranjados, entre muitas outras acções.” Um projecto que contou com a ajuda de pessoas não

“Falar com Deus ou de Deus”

Cursos da Faculdade de Teologia

ao longo do ano”. Os coordenadores do projecto afirmam que “o balanço não podia ser mais positivo. Estreitaram-se laços entre associações e instituições e celebraram os 90 anos do Corpo Nacional de Escutas com alegria, sorrisos, fraternidade e com um sentido de serviço ao próximo”.

Ana Vala c/ Gabinete de Imprensa do CNE

A Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa (Porto) inicia esta quinta-feira, 7 de Março, um ciclo de 13 sessões sobre “fenómenos místicos” que vai abordar temas como experiências de quase-morte, levitação e êxtases. Os cursos livres “têm como objectivo analisar a essência das experiências místicas, que atraem cada vez mais uma sociedade em busca de uma nova espiritualidade”, como se verifica com a “crescente adesão a filosofias orientais e práticas espirituais decorrentes”, refere uma nota de imprensa enviada à Agência ECCLESIA. Os encontros, que decorrem até 13 de Junho, caracterizam-se “pela articulação da interpretação científica” da Psicologia e das Ciências Naturais com a “leitura teológica”, possibilitando “adquirir respostas para questões que não reuniam consenso”, como a “invisibilidade”, a “cura milagrosa”, o “conhecimento do futuro ou o viver sem comer”. A primeira sessão é dedicada à “mística islâmica”, seguindo-se os encontros sobre a “mística budista”, a 14 de Março, e “mística judaica”, a 21 do mesmo mês. Para os dias 5, 11 e 19 de Abril estão previstos cursos sobre “neuropsicoteologia”, “mística cristã” e “sinais e sintomas na experiência mística”, como “estigmas, anorexia, visões, vocalizações e alocuções”. “Experiências de quase-morte”, “mística e desenvolvimento psicológico”, “experiência espiritual e crise psicótica”, e ainda “leitura psicológica e fenómenos místicos” constituem os temas agendados para 3, 9, 17 e 30 de Maio. Os últimos cursos, a 6 e 13 de Junho, reflectem sobre “a teologia e a levitação, a bilocação e a invisibilidade”, bem como “a teologia e os estigmas, os êxtases e o viver sem comer”.


12 MUNDO

Breves Em prol de cristãos na Terra Santa

Cardeal faz apelo para a colecta O prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, Cardeal Leonardo Sandri, escreveu uma carta, publicada no boletim da Santa Sé nesta terça-feira, 26, convidando os Pastores da Igreja Universal para a colecta de apoio aos cristãos na Terra Santa. Na carta, Cardeal Sandri explica que a compaixão evangélica ajuda a compreender a necessidade de direccionar a Colecta da Sexta-Feira Santa aos irmãos nos “Lugares da Redenção”. “Os cristãos que vivem em Israel e Palestina, Chipre, Líbano, Jordânia, Síria, Egito, formando no sentido mais amplo a Terra de Jesus, devem encontrar em nós o mesmo olhar de fé”, escreve o Cardeal.

Obras Religiosas com novo presiente

Ernst von Freyberg

O Vaticano revelou que o advogado alemão Ernst von Freyberg foi nomeado presidente do Conselho de Supervisão do Instituto das Obras Religiosas (IOR), sucedendo a Gotti Tedeschi, que foi demitido em Maio de 2012. Segundo a Santa Sé, von Freyberg “traz com ele uma vasta experiência em matérias financeiras e de processos de regulação financeira”. O IOR, conhecido popularmente como o ‘banco do Vaticano’, é uma entidade que administra os bens das instituições católicas, aplicando os lucros no apostolado religioso e caritativo. A escolha de von Freyberg, membro de várias organizações católicas, incluindo a Ordem de Malta, foi tomada por “unanimidade” pela comissão de cinco cardeais com funções de vigilância sobre IOR e aprovada por Bento XVI, disse aos jornalistas o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi. Ernst von Freyberg é presidente dos estaleiros navais ‘Blohm+Voss Group’, de Hambrugo (Alemanha), e vai deslocar-se a Roma três dias por semana, de acordo com o Vaticano.

Bispos da Tanzânia

Segurança das comunidades cristã O bispo de Zanzibar, na Tanzânia, está preocupado com a segurança das comunidades cristã no país, neste momento ameaçada por uma campanha de ódio e violência que está a ser promovida por diversos grupos islâmicos. Em declarações veiculadas pela fundação católica Ajuda a Igreja que Sofre (AIS), D. Augustine Shao pede a intervenção do Governo para evitar o crescimento de uma “onda de intolerância” religiosa naquele território africano. “Alguns radicais islamitas defendem que a maioria islâmica não deve tolerar quaisquer outras religiões”, lamenta o prelado, realçando que a onda de ameaças se tem estendido a “sacerdotes e bispos”. Para D. Augustine Shao, os responsáveis políticos do país têm de “garantir a segurança das pessoas e, especialmente, das minorias”. Este ano, segundo a AIS, para além dos ataques a membros do clero católico, “diversas igrejas de várias denominações cristãs foram incendiadas”, na região de Zanzibar.

O Mensageiro 7.Março.2013

Mensagem elogia exemplo “luminoso” do Papa emérito

Cardeais agradecem a Bento XVI Os cardeais reunidos no Vaticano para a preparação do próximo Conclave enviaram uma mensagem de agradecimento a Bento XVI, que concluiu o seu pontificado hoje, quinta-feira. O documento, apresentado em conferência de imprensa, manifesta ao Papa emérito uma “saudação devota” por parte do Colégio Cardinalício, “com a expressão da sua renovada gratidão por todo o seu luminoso ministério petrino”. Os cardeais elogiam ainda o “exemplo de ge-

nerosa solicitude pastoral pelo bem da Igreja e do mundo” dado por Bento XVI, actualmente a residir

no palácio apostólico de Castel Gandolfo, arredores de Roma. Esta gratidão, refere o

texto assinado pelo decano do Colégio Cardinalício, “quer representar o reconhecimento de toda Igreja” pelo “trabalho incansável” do Papa emérito, eleito em abril de 2005. Os cardeais, que se reúnem desde segundafeira para decidir sobre os assuntos “ordinários e inadiáveis” da vida eclesial e para preparar a eleição do novo Papa, vão encontrar-se esta quarta-feira na Basílica de São Pedro, pelas 17h00 (menos uma em Lisboa), para um “momento de oração pela Igreja”.

Decisão sobre data do Conclave “completamente em aberto”

Eleição do novo Papa O porta-voz do Vaticano afirmou hoje, dia 5 de Março, que a decisão sobre o início do Conclave para a eleição do novo Papa, da responsabilidade dos cardeais da Igreja Católica, continua “completamente em aberto”. Segundo o padre Federico Lombardi, este é “um procedimento que quer ser aprofundado e não apressado” por parte dos responsáveis reunidos nas reuniões gerais - órgão interino de governo da Igreja - que decorrem desde segunda-feira. Os membros do Colégio Cardinalício presentes no Vaticano decidiram que as reuniões de trabalho vão decorrer apenas durante a manhã, nos próximos dias. A congregação geral contou com a presença de 148 cardeais, 110 dos quais eleitores no próximo Conclave, sem “qualquer decisão” sobre o processo eleitoral para a sucessão de Bento XVI, que renunciou ao pontificado. “Os cardeais querem reflectir bem, o tempo que desejarem, para aprofundar. O facto de não haver congregações hoje e amanhã [quarta-feira] à tarde parece-me significativo”, disse Federico Lombardi.

“Não me sinto em condições de fazer previsões, de forma alguma”, acrescentou. O director da sala de imprensa da Sé frisou, por outro lado, que a decisão sobre uma eventual antecipação do início do Conclave, permitida por Bento XVI, pode ser tomada sem a presença de todos os cardeais eleitores desde que se preveja a sua chegada. “É necessário que haja tempo para que todos os que querem vir possam chegar”, precisou o padre Lombardi, elencando o nome dos restantes cinco cardeais que são esperados no Vaticano: D. Antonius

Naguib, do Egito; D. John Tong Hon, de Hong Kong, China; D. Jean-Baptiste Pham Minh Mân, do Vietname; D. Karl Lehmann, da Alemanha; D. Kazimierz Nycz, da Polónia. As congregações gerais têm de tomar uma série de decisões, do alojamento dos cardeais aos preparativos para o processo de eleição na Capela Sistina, antes de determinar a data de início do próximo Conclave. Os trabalhos desta manhã, com 11 intervenções dos cardeais, abordaram o recente documento de Bento XVI sobre o processo de eleição do novo Papa, em particular o número 37, no

qual se deixa ao Colégio dos Cardeais “a faculdade de antecipar o início do Conclave se constar a presença de todos os Cardeais eleitores, bem como a faculdade de adiar, se houver motivos graves, o início da eleição por mais alguns dias”. O Vaticano revelou, por outro lado, que foram concedidas 4432 acreditações temporárias a que se somam as 600 acreditações permanentes, entre imprensa, fotografia e vídeo, a profissionais de 1004 títulos de 65 países, publicados em 24 línguas.


OPINIÃO 13

O Mensageiro 7.Março.2013

OPINIÃO

João César das Neves Economista

O recurso vital

O

mundo hoje tem enorme necessidade de um recurso essencial, infelizmente bastante descurado. Fala-se muito de água, ar, petróleo, urânio, cereais, até metais de terras raras, mas pouco se refere aquilo que, se vier a faltar, destruirá de vez a humanidade. O recurso não é escasso, pois existem vastas jazidas. Mas é difícil de isolar por vir misturado com outros elementos e, pior, tende a evaporar-se quando é retirado das condições naturais. Para o compreender é preciso analisar a situação actual. Portugal sofre a crise mais séria das últimas décadas. Isso significa que muita gente sofre, sem

OPINIÃO

Adriano Moreira Professor

A ilusão eleitoral

A

s democracias ocidentais, tendo como modelos de referência os EUA e a França, imaginaram que um dos serviços prestados ao globo, durante a proeminência ocidental, era o seu paradigma constitucional, com a definição

meios de subsistência, sem ocupação, sem esperança. A austeridade é indispensável, perante uma situação em que hábitos gastadores, suportados por dívida galopante, não podiam ser mantidos. Apesar disso, muitos a rejeitam, elaborando explicações que os isentam de responsabilidade, procurando culpados e vivendo na ilusão. Assim, ao sofrimento económico junta-se a raiva, o insulto, a fúria, a agressão. Crescem os extremismos e os maiores disparates passam por sabedoria num povo desesperado. O problema não é só português. O nosso caso é manifestação de uma questão muito mais vasta que assola todo o mundo. A recente evolução, com mudanças nas tecnologias da comunicação e abertura à globalização, eliminou muitos empregos tradicionais. Telefonistas, dactilógrafos, amanuenses, arquivistas e tantos outros deixaram de ser precisos, enquanto várias ocupações de baixa tecnologia emigravam para Sul ou Oriente. Muitos na Europa e na América do Norte encontram-se em dificuldades para achar ocupação

compatível. Entretanto os salários não especializados descem pela concorrência das economias emergentes e, como os talentos de qualidade estão a prémio, existe uma forte tensão de desigualdade. Alguns até dizem que foi esta dinâmica que originou a recente crise financeira. Perante a perturbação política gerada pela disparidade, o Governo americano fomentou o crédito à habitação enquanto os orçamentos públicos europeus se desequilibravam com apoios e subsídios. Em ambos os casos, a dívida acumulada, nos bancos ou no sector público, rebentou

inevitavelmente. Entretanto nos países pobres as pressões são diferentes mas igualmente difíceis. Entre as economias emergentes existe forte melhoria de bem-estar, mas começam a denunciar-se situações de exploração, abuso e violação de direitos, semelhantes às da revolução industrial. Entretanto, nas zonas mais pobres, a estagnação tornase mais intolerável quando os vizinhos começam a crescer. Tudo isto não vem da maldade de perversos ou de opções ideológicas neoliberais ou esquerdistas. É apenas um dos muitos

episódios em que os evidentes benefícios do progresso vêm acompanhados de tensões com efeitos nefastos sobre o equilíbrio anterior da sociedade. Aliás este quadro de choque e disparidade é semelhante ao que se viveu na Europa em meados do século XIX ou inícios do século XX. Nessas alturas, a reacção foi terrível, com o surgimento de ideologias radicais que criaram os regimes infames e terríveis conflitos globais, ensanguentando os últimos cem anos. As circunstâncias que nos esperam são explosivas. Aliás, vemos já a acumulação de sintomas,

essencial do eleitorado. O conceito formal teve indiscutível projeção ao redor da terra, o qualificante foi exibido como credencial, mas o conteúdo e a prática correspondente afastaramse consideravelmente dos modelos. Este facto é todos os dias lamentado, sobretudo quando o direito-dever de intervenção chama ao exercício da gendarmerie prevista pelos acordos internacionais, mas até esta intervenção é suscetível de claro descrédito, acusada de forma de exercício interessado das potências. Porque nesse mundo que foi chamado terceiro mundo pelas antigas potências que se proclamavam em missão civilizadora, a degradação do conteúdo do conceito foi durante anos agravado pela contaminação do que tecnicamente se chamou o Estado Espetáculo, uma designação que pretendeu

certamente manter o brilho dos procedimentos, mas não conseguiu assegurarlhe a respeitabilidade. A razão, ou mais propriamente a razoabilidade, não foi o paradigma da prática profissionalizada por especialistas disputados, os custos avultaram em proporção ao crédito das agências especializadas, os eleitores habituaram-se ao espetáculo, mas o procedimento que se guiou pelas regras da mise-en-scene e da prise-en-charge passou de moda e de frequentadores, talvez com alguma relação com a crise financeira que diminui a atenção dos públicos afetados pelos custos. Tornou-se mais global a prática de não aceitar os resultados proclamados das eleições, com os recursos habituais para as instâncias jurídicas competentes. Uma das consequências,

recentemente posta em evidência por Guy Hermet, é que a vontade popular deixa de ser indiscutida como regra, e que, nos casos em que a arbitragem das dúvidas, sobretudo no antigo terceiro mundo, não é entregue ao modelo medieval do duelo, agora mais danoso, acaba por ser a intervenção das ainda chamadas grandes potências, da ONU, dos EUA, da União Europeia, que decide a vitória, dando ao anúncio a forma mais diplomática possível. Tem custos, sobretudo no mundo que deixou de ser colonizado pelos ocidentais, esta degradação do modelo que em todo o caso, na referência ocidental, é, como foi dito, o melhor entre todos os diferentes que se conhecem. Mas isso não impede que os movimentos eleitorais, nos seus modelos mais dominantes, também

entre os ocidentais estejam a perder a respeitabilidade. A crise financeira e económica tem seguramente um papel relevante nesta situação, considerando, apenas por ser a circunstância mais visível, a diferença entre os programas da propaganda e a execução limitada pelos recursos, nem sempre licitamente delapidados pelo Estado. Não pode ignorar-se que o social desafia crescentemente o poder político, e que a circunstância internacional não deixa reinar a confiança entre todos eles. Não existem criatividades financeiras que garantam a confiança, sem a qual os limites da vida pacífica deixam de ser mantidos. Sobretudo quando a humilhação acompanha as dificuldades não apenas dos cidadãos e das famílias despojadas de recursos, mas tendo acrescido a

na indignação, rancor, ódio, impasses eleitorais, violência extremista. Potencialmente, desta vez a erupção será ainda mais violenta do que os horrores que os nossos avós viveram. As próximas décadas mostram-se sombrias. Perante este sinistro cocktail de forças, apenas um ingrediente conseguirá evitar o pior. Trata-se de compaixão, amizade e diálogo, de partilha, solidariedade e benignidade, de paciência, compreensão e perdão. Só quando os que sofrem sentirem o amparo dos mais afortunados e estes partilharem de boa vontade com os deslocados se poderá evitar uma tempestade que arrastará uns e outros. Ao longo dos séculos, este recurso decisivo temse chamado caridade cristã. Ultimamente ganhou outros nomes noutras culturas, mas é vital que seja cuidado e distribuído. Disso depende o futuro. (In DN Opinião, 05.03.13)

Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

humilhação de valores nacionais que se consideravam sagrados. E não é legítimo considerar isso como manifestação de nacionalismo agressivo, uma prática que poucos Estados estão habilitados a exercer com êxito. Tem que ver com a dignidade dos povos, talvez menos humilhados pelas guerras perdidas como no passado, mas sobretudo remetidos para a submissão burocrática de poderes que de regra não conhecem, e que quando conhecem, não lhes reconhecem legitimidade. Este é um perigo que a Europa, incluindo os europeus, já conheceram mais de uma vez. Designadamente no século passado, tão próximo, que não deu tempo para esquecer.

(in DN Opinião 26.02.13)


14 INSTITUCIONAL ...(NOVO) TEMPO DOS PORQUÊS...

Vítor Faria Sociólogo

Escola e Família, a simbiose necessária

R

egresso hoje com satisfação a este espaço, ainda no final de um período de convalescença na sequência de alguns problemas de saúde.

O Mensageiro 7.Março.2013

A realidade recente tem sido fértil em factos, acontecimentos, mudanças e transformações nos mais diversos campos da sociedade, nomeadamente na família e na escola, mas também na economia, na política, na religião. Porquê? Porque o ser humano é naturalmente uma entidade individual e coletivamente organizada e integrada em processos históricos e sociológicos dinâmicos, cíclicos e interdependentes, num todo relativamente equilibrado e autosustentável, ou seja, a humanidade no seu conjunto. Ora, o que se passa num contexto, acaba por ter reflexos nos outros e assim sucessivamente, a uma escala ambivalentemente local e global, pessoal e societal.

Com o título da minha primeira crónica, aqui n’ O Mensageiro, sugeria que entre o contexto familiar e o contexto escolar das crianças, adolescentes e jovens persistem constrangimentos, condicionalismos, lacunas, descontinuidades, contradições e dificuldades várias de articulação e integração funcional entre os agentes de socialização envolvidos. Porquê? Porque tratase da necessária interação entre pessoas com estatutos, lugares de classe, origens sociais, processos de mobilidade social e papéis sociais e profissionais diferenciados, embora complementares, com dinâmicas próprias, mas em interdependência permanente. De facto, de um lado atuam os pais, encarrega-

dos de educação, familiares e amigos dos próprios alunos. Do outro lado, agem os educadores e os professores, auxiliares de ação educativa, funcionários e agentes administrativos, incluindo os detentores de cargos de direcção pedagógica e de gestão dos estabelecimentos de ensino, em regime de autonomia ou em agrupamento.

Serão a dimensão e a complexidade dos contextos de ensino e de aprendizagem duas variáveis essenciais a ter em conta na compreensão da necessária simbiose entre a Família e a Escola visando a melhoria da qualidade e da eficácia da socialização de todos nós? Porquê? Voltaremos a este assunto na próxima crónica.

Até lá, deixo-vos mais um duplo trabalho, a que resolvi chamar “Nós”, porque, parafraseando poetas e poetisas, continuamos todos na mesma barca, que é a Terra (nós e todos os outros seres da natureza, feitos de matéria cósmica). Bem hajam… porque a vida é o melhor que temos. PUB

F. Costa Pereira Médico Especialista Doenças da boca e dentes

Telemóvel: 917 511 889

CONSULTAS COM HORA MARCADA 2ª, 4ª e 5ª: 11h-13h e 15h-19h, 3ª: 10h-13h e 15h-19h, Sábados: 9h30-15h

Telefone: 244 828 450 Telefones: Fax: 244 828 580 BARREIROS (sede): 244 840 677 Rua Machado Santos, n.º 33 JUNCAL: 244 470 610 2410-128 LEIRIA Fernando - 919 890 630

Rua João de Deus, 25- 1º Dt. - LEIRIA

Tel. 244 832406

CEDILE Telefone 244 850 690 ECOGRAFIA / DOPPLER / ECOCARDIOGRAFIA TAC / MAMOGRAFIA / RX / OSTEODENSITOMETRIA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA ARTICULAR Telefone +351244850690 / Fax 244850698 Largo Cândido dos Reis, Nº 11 / 12 • 2400-112 LEIRIA FARMÁCIAS DE SERVIÇO

Maio (7), Vida (8), Dulce Caçador (9), Avenida (10), Batista (11), Central (12), Godinho Tomáz (13) e Higiene (14). TELEFONES ÚTEIS Bombeiros Municipais - 244 832 122 | Bomb. Vol. Leiria (Ger.) - 244 882 015 | Bomb. Vol. Leiria (Urg.) - 244 881 120 | Bomb. Volunt. Batalha - 244 765 411 | Bomb. Volunt. P. Mós - 244 491 115 | Bomb. Volunt. Juncal - 244 470 115 | Bomb. Volunt Ourém - 249 540 500 | Bomb. V. M.te Redondo - 244 685 800 | Bomb. Volunt. Ortigosa - 244 613 700 | Bomb. Volunt. Maceira - 244 777 100 | Bomb. Vol. Marinha - 244 575 112 | Bom.

Registo no ICS N.º 100494 Semanário - Sai à 5ª Feira Tiragem média - 3.000

Volunt. Vieira - 244 699 080 | Bom. Voltun. Pombal - 236 212 122 | Brigada de Trânsito - 244 832 473 | Câmara M. de Leiria - 244 839 500 | Câmara Eclesiástica - 244 832 539 | CENEL (Avarias) - 800 246 246 | C. Saúde A. Sampaio - 244 817 820 | C. Saúde Gorjão Henriques - 244 816 400 | C. P. (Est. de Leiria) - 244 882 027 | Cruz Vermelha - Leiria - 244 823 725 | Farmácia Avenida - 244 833 168 | Farmácia Baptista - 244 832 320 | Farmácia Central - 244 817 980 | Farmácia Coelho - 244 832 432 | Farmácia Higiene - 244 833 140 | Farmácia Lino - 244 832 465 | Farmácia Oliveira - 244 822 757 | Farmácia Sanches - 244 892 500 | Governo Civil - 244 830 900 | Guarda N. Republicana - 244 824 300 | Hospital de S.to André - 244 817 000 | Hospital S. Francisco - 244 819 300 | Polícia Judiciária - 244 815 202 | Polícia S. Pública - 244 859 859 | Polidiagnóstico - 244 828 455 | Rádio Táxis - 244 815 900 | Rádio Alerta - 244 882 247 | Rodoviária do Tejo - 244 811 507 | Teatro JLS (Cinema) - 244 823 600

Fundador José Ferreira Lacerda Director Rui Ribeiro (TE416) Redacção Joaquim Santos (CP7731), Ana Vala (CP8867). Paginação O Mensageiro Colaboradores Ambrósio Ferreira, Américo Oliveira, André Batista (Pe.), Ângela Duarte, Carlos Alberto Vieira, Carlos Cabecinhas (Pe.), Cláudia Mirra, José Casimiro Antunes, Francisco Pereira (Pe.), João Filipe Matias (CO798), Joaquim J. Ruivo, Jorge Guarda (Pe.), José António C. Santos, Júlia Moniz, Maria de Fátima Sismeiro, Orlando Fernandes, Pedro Jerónimo (CO1060), Saúl António Gomes, Vítor Mira (Pe.). Administração / Publicidade André Antunes Batista (Pe.). Propriedade/Sede (Editor) Seminário Diocesano de Leiria - Largo Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA - Reitor: Armindo Janeiro (Pe.) Contribuinte 500 845 719 Contactos Tel.: 244 821 100/1 - Fax: 244 821 102 - Email: jornal@omensageiro.com.pt - Web: www.omensageiro.com.pt Depósito Legal 2906831/09 Impressão e Expedição Empresa do Diário do Minho, Lda - Tel: 253 303 170 - Fax: 253 303 171

Tabela de Assinaturas para 2013 Destino Nacional Europa Resto do Mundo

Normal Benfeitor 20 euros 40 euros 30 euros 60 euros 40 euros

Preço avulso - 0,80 euros


DESPORTO 15

O Mensageiro 7.Março.2013

liga portuguesa de futebol profissional

I Liga

II Liga

21.ª Jornada 3 de Março P. Ferreira x V. Setúbal (2-0) Sporting x Porto (0-0) Gil Vicente x Nacional (1-2) Rio Ave x Estoril (0-2) Marítimo x Moreirense (1-1) Beira-Mar x Benfica (0-1) V. Guimarães x Académica (2-0) Olhanense x Sp. Braga (0-1)

30.ª Jornada 3 de Março Naval x Leixões (0-0) Benfica x Penafiel (1-1) Porto B x Sporting B (1-0) U. Madeira x Tondela . Adiado Belenenses x D. Aves (1-0) Arouca x Marítimo B (3-1) Trofense x Atlético (3-2) Feirense x Oliveirense (1-2) Santa Clara x V. Guimarães B (1-0) Sp. Braga B x Penafiel (3-1) Freamunde x Sp. Covilhã (1-1)

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Benfica Porto P. Ferreira Sp. Braga Marítimo Rio Ave Estoril V. Guimarães Nacional V. Setúbal Sporting Académica Gil Vicente Olhanense Moreirense Beira-Mar

J 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21

V 17 16 10 11 8 8 8 7 7 6 5 4 4 3 3 3

E 4 5 8 4 7 5 4 6 5 5 8 8 7 8 7 6

D 0 0 3 6 6 8 9 8 9 10 8 9 10 10 11 12

Pts 55 53 38 37 29 29 28 27 26 23 23 20 19 17 16 15

22.ª Jornada 10 de Março Porto x Estoril . Dia 8, 20h00, SportTv1 Sp. Braga x Marítimo . Dia 9, 18h00, SportTv1 Académica x Sporting . Dia 9, 20h15, SportTv1 Nacional x Rio Ave . 16h00 Moreirense x Olhanense . 16h00 P. Ferreira x Beira-Mar . 18h00, SportTv1 Benfica x Gil Vicente . 20h15, SportTv1 V. Setúbal x V. Guimarães . Dia 11, 20h00, SportTv1 federação portuguesa de futebol

II Divisão B sul 22.ª Jornada 3 de Março Fut. Benfica x Sertanense (2-5) Pinhalnovense x Fátima (0-2) Oeiras x Mafra (0-1) Torreense x 1.º Dezembro (0-1) Farense x Carregado (2-1) Quarteirense x Oriental (1-1) Ribeira Brava x Casa Pia (0-1) U. Leiria SAD x Louletano (1-0) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Mafra Farense U. Leiria SAD Torreense Sertanense Oriental 1.º Dezembro Fátima Casa Pia Louletano Quarteirense Fut. Benfica Pinhalnovense Carregado Oeiras Ribeira Brava

J 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22

V 15 13 12 11 11 10 8 9 6 6 5 6 5 5 3 2

E 4 7 5 5 5 3 9 2 10 7 10 5 7 7 8 4

D 3 2 5 6 6 9 5 11 6 9 7 11 10 10 11 16

Pts 49 46 41 38 38 33 33 29 28 25 25 23 22 22 17 10

23.ª Jornada 10 de Março Oriental x Ribeira Brava .Todos os jogos às 15h00 Casa Pia x U. Leiria SAD Louletano x Fut. Benfica Sertanense x Pinhalnovense Fátima x Oeiras Mafra x Torreense 1.º Dezembro x Farense Carregado x Quarteirense federação portuguesa de futebol

Campeonato Nacional feminino 1.ª Jornada - Apur. Campeão 17 de Março Vilaverdense x Albergaria .Todos os jogos às 15h00 Atl. Ouriense x 1.º Dezembro 1.º 2.º 3.º 4.º

Equipa Atl. Ouriense Albergaria 1.º Dezembro Vilaverdense

J 0 0 0 0

V 0 0 0 0

E 0 0 0 0

D 0 0 0 0

Pts 21 20 20 16

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º 17.º 18.º 19.º 20.º 21.º 22.º

Equipa Belenenses Arouca Sporting B Leixões Santa Clara Oliveirense D. Aves Porto B Portimonense Tondela Penafiel Benfica B U. Madeira Naval Atlético Feirense Marítimo B Sp. Braga B Trofense Sp. Covilhã V. Guimarães B Freamunde

J 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 29 30 30 30 30 29 30 30 29 30

V 22 15 13 12 12 12 11 11 12 12 12 11 9 9 9 8 9 7 6 5 4 4

III Divisão D

E 6 8 12 11 10 10 12 11 8 8 7 9 13 12 6 9 4 10 10 11 11 8

D 2 7 5 7 8 8 7 8 10 10 11 10 7 9 15 13 17 12 14 14 14 18

Pts 72 53 51 47 46 46 45 44 44 44 43 42 40 39 33 33 33 29 28 26 23 20

31.ª Jornada 10 de Março Portimonense x Belenenses . Dia 9, 15h30, SportTv1 Marítimo B x Trofense . 11h00 Sp. Covilhã x Porto B . 11h15, SportTv1 Leixões x Arouca . 15h00 D. Aves x U. Madeira . 15h00 V. Guimarães B x Benfica B . 15h00 Tondela x Feirense . 15h00 Atlético x Freamunde . 15h00 Oliveirense x Sp. Braga B . 15h00 Penafiel x Naval . 16h00 Sporting B x Santa Clara . 16h00

associação de futebol de leiria

HONRA 20.ª Jornada 3 de Março Nazarenos x Avelarense (5-1) GRAP/Pousos x Vieirense (0-1) Fig.Vinhos x Lisboa e Marinha (1-1) Guiense x Portomosense (1-2) Pataiense x Pelariga (2-2) Pousaflores x Meirinhas (0-1) Atouguiense x Alvaiázere (3-0) Marrazes x Bombarralense (4-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Marrazes Portomosense Pelariga GRAP/Pousos Fig.Vinhos Pousaflores Guiense Meirinhas Nazarenos Pataiense Atouguiense Lisboa Marinha Vieirense Avelarense Bombarralense Alvaiázere

J 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20

V 13 13 12 11 10 10 9 8 8 7 7 6 5 4 2 2

Golpilheira e Louriçal na Taça Nacional

federação portuguesa de futebol

E 4 3 4 4 5 3 6 7 4 7 2 4 6 1 4 2

D 3 4 4 5 5 7 5 5 8 6 11 10 9 15 14 16

Pts 43 42 40 37 35 33 33 31 28 28 23 22 21 13 10 8

21.ª Jornada 10 de Março Vieirense x Nazarenos .Todos os jogos às 15h00 Lisboa e Marinha x Atouguiense Portomosense x Fig.Vinhos Pelariga x Marrazes Avelarense x Pousaflores Alvaiázere x GRAP/Pousos Bombarralense x Guiense Meirinhas x Pataiense

21.ª Jornada 3 de Março Ol. Hospital x Penelense (3-0) Sp. Pombal x Mortágua (1-2) Torres Novas x Beneditense (2-1) Alcanenese x Caldas (1-3) Sernache x Alcobaça (3-0) Marinhense x Sourense (0-2) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Caldas Sourense Ol. Hospital Sp. Pombal Sernache Alcanenense Torres Novas Marinhense Penelense Beneditense Alcobaça Mortágua

J 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21

V 12 11 11 11 10 9 8 7 6 6 4 3

E 6 7 6 5 4 3 5 5 4 3 5 3

D 3 3 4 3 7 9 8 9 11 11 12 14

FUTSAL – A equipa feminina do Centro Recreativo da Golpilheira (Batalha) venceu, pelo segundo ano consecutivo e a duas jornadas do fim, a Divisão de Honra da Associação de Futebol de Leiria, garantindo ainda o apuramento para a Taça Nacional. Quem também marcará presença na prova nacional é a Associação Cultural Recreativa Desportiva Louriçal (Pombal), que já assegurou o 2.º lugar. No caso da equipa do Louriçal, trata-se de uma estreia numa competição

Pts 42 40 39 38 34 30 29 26 22 21 17 12

22.ª Jornada 10 de Março Mortágua x Ol. Hospital .Todos os jogos às 15h00 Beneditense x Sp. Pombal Caldas x Torres Novas Alcobaça x Alcanenense Sourense x Sernache Penelense x Marinhense

nacional. “Nunca este clube tinha participado numa taça nacional apesar de já ter obtido vários títulos distritais nos mais diversos escalões”, pode ler-se na página oficial do clube no Facebook. A próxima edição da Taça Nacional terá a particularidade de servir de qualificação para o primeiro campeonato nacional de futsal feminino. Tal como anunciado pela Federação Portuguesa de Futebol, este fará a sua estreia já na próxima época (2013/14)

e será constituído pelas 16 equipas que melhor desempenho obtiverem na Taça Nacional desta época. A última jornada (18.ª) do campeonato distrital será de consagração para as duas representantes do distrito de Leiria na Taça Nacional, com ambas a jogarem na condição de visitadas. Assim, a equipa do Louriçal a recebe a do Vidais (4.º lugar), dia 8 de Março, 21h30, enquanto que a da Golpilheira recebe a do Santiais (6.º), dia 9, 19h00.

federação portuguesa de futebol

Juliana Pereira “dourada”

III Divisão E 20.ª Jornada 3 de Março Barreirense x Sacavenense (3-2) Cartaxo x Peniche (1-3) Lourinhanense x Amora (2-0) U. Tires x Fabril Barreiro (2-3) Pêro Pinheiro x Sintrense (1-1) Real x Eléctrico (0-0) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Fabril Barreiro Sintrense Eléctrico Barreirense Lourinhanense Sacavenense Pêro Pinheiro Real Amora U. Tires Peniche Cartaxo

J 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21

V 11 10 10 9 9 10 8 8 7 6 6 0

E D Pts 6 4 39 7 4 37 6 5 36 6 6 33 6 6 33 3 8 33 7 6 31 6 7 30 5 9 26 7 8 25 3 12 21 2 19 2

22.ª Jornada 10 de Março Peniche x Barreirense .Todos os jogos às 15h00 Amora x Cartacho Fabril Barreiro x Lourinhanense Sintrense x U. Tires Eléctrico x Pêro Pinheiro Sacavenense x Real

DR/JV

liga portuguesa de futebol profissional

Atleta da Juventude Vidigalense conquistou medalha de ouro no disco e de bronze no dardo

associação de futebol de leiria

I Divisão norte

I Divisão norte

11.ª Jornada 3 de Março Alegre e Unido x Ranha (2-1) Alb. Doze x Pedroguense (2-0) Ansião x Mata Mourisquense (3-0) Ilha x Caseirinhos (3-2) Moita do Boi x Motor Clube (4-0)

11.ª Jornada 3 de Março Santo Amaro x Boavista (2-2) Alqueidão da Serra x Unidos (3-1) Alfeizerense x Maceirinha (0-5) Outeirense x Nadadouro (5-0) U. Leiria x Os Vidreiros (6-1)

Equipa Moita do Boi Ansião Mata Mourisq. Alb. Doze Motor Clube Ranha Alegre e Unido Ilha Pedroguense Caseirinhos

J 11 11 11 10 10 11 11 11 11 11

V 10 6 5 5 5 4 4 3 2 0

E D 1 0 4 1 4 2 2 3 1 4 2 5 2 5 2 6 2 7 0 11

Pts 31 22 19 17 16 14 14 11 8 0

12.ª Jornada 10 de Março Ranha x Ansião .Todos os jogos às 15h00 Alb. Doze x Alegre e Unido Mata Mourisquense x Ilha Caseirinhos x Moita do Boi Motor Clube x Pedroguense

quatro medalhas (uma de ouro, duas de prata e uma de bronze). Em competição estiveram ainda outros atletas com ligações à cidade do Lis, como são os casos de Irina Rodrigues (Sporting e ex-JV), 1.º lugar no disco, em Sub-23, e Vânia Silva (Sporting e ex-JV), 2.º lugar no martelo, em seniores. Destaque ainda para Jéssica Galvão (Benfica e ex-Arneirense, Caldas da Rainha), 1.º lugar no martelo, em juniores.

Tiago melhor do que Eva

associação de futebol de leiria

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º

ATLETISMO – A vitória de Juliana Pereira, no disco, é o principal destaque do Campeonato de Lançamentos Longos (Leiria, 23 de Fevereiro). A atleta da Juventude Vidigalense (JV) sagrou-se assim campeã nacional de juniores, amealhando ainda o 3.º lugar no dardo, ficando atrás da sua colega de equipa, Marta Mendes, que terminou no 2.º. O mesmo lugar obteve Miguel Lavrador, também nas mesmas provas e escalão. No total o clube leiriense totalizou

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º

Equipa U. Leiria Alq. Serra Unidos Outeirense Santo Amaro Maceirinha Boavista Nadadouro Os Vidreiros Alfeizerense

J 11 11 11 10 11 10 11 11 11 9

V 10 8 7 6 4 4 3 2 2 0

E 1 2 0 2 1 0 3 3 2 0

D 0 1 4 2 6 6 5 6 7 9

Pts 31 26 21 20 13 12 12 9 8 0

12.ª Jornada 10 de Março Boavista x Alfeizerense .Todos os jogos às 15h00 Alqueidão da Serra x Santo Amaro Maceirinha x Outeirense Nadadouro x U. Leiria Os Vidreiros x Unidos

ATLETISMO – Tiago Marto (Grupo de Atletismo de Fátima) terminou em 10.º lugar a prova de heptatlo do Campeonato da Europa de pista coberta (Gotemburgo, Suécia, 1 a 3 de Março). Com um total de 5680 pontos, ficou longe do vencedor, o holandês Eelco Sintnicolaas (6372). Quanto a Eva Vital (Benfica e ex-Arneirense, Caldas da Rainha), não conseguiu o apuramento para a final dos 60 metros com barreiras, embora tenha conseguido melhorar a sua marca (de 8, 22 para 8,20).

Ouriense na 1⁄2 finais da Taça FUTEBOL – A equipa do Clube Atlético Ouriense (Ourém) qualificou-se para as 1⁄2 finais da Taça de Portugal (seniores femininos), ao vencer a campeã nacional, Sociedade União 1.º de Dezembro (Sintra), após a marcação de grandes penalidades (4-2) – empate a zero no final dos 90 minutos e do prolongamento. Resultados: A-dos-Francos (Caldas da Rainha) x Vilaverdense (Braga), 5-2; Valadares Gaia (Valadares) x Leixões Matosinhos), 3-1; e Boavista (Porto) x Futebol Benfica (Lisboa), 1-1 (5-3, a.g.p.).


O maior património de uma nação é o espírito de luta do seu povo e a maior ameaça para uma nação é a desagregação desse espírito.

ÚLTIMA 7 M A R Ç O 2 0 1 3

George B. Courtelyou, secretário do gabinete presidencial americano [n.1862 - f.1940]

Cada vez mais indignados com as políticas do Governo

A luta continua e o povo saiu à rua O cenário é idêntico por todo o Portugal. A braços com o desemprego, falta de apoio social, cortes nas funções do Estado, carga fiscal abismal e uma insensibilidade governativa, os cidadãos portugueses saíram à rua no dia 2 de Março, em 40 cidades do País, para gritar bem alto que ‘basta’ de tanto atropelo à vida do seu dia-a-dia. É transversal o sentimento, assim como é unânime o sentimento de revolta das pessoas, com mais pobres e ricos a caminharem na mesma luta, empregados e desempregados com a mesma indignação, percebendo-se nas ruas que o povo já não aguentará muito mais tantos sacrifícios que lhes são exigidos.

O movimento dos “Indignados” de Leiria, numa altura em que Portugal contou com a sétima avaliação da Troika, fez sair à rua milhares de pessoas. A concentração decorreu junto à Fonte Luminosa, contou com vários testemunhos de cidadãos como Edgar Carvalho e António Ferraria, juntando-se algumas canções de protesto que descrevem um sentimento de revolta. Depois, fez-se sentir ao longo de várias artérias da cidade, um protesto pacífico e ordeiro, mas com tanta gente que se mostrava indignada com os destinos que a nação está a ter com as opções governamentais. Numa concertação nacional, também o ‘hino’ de Zeca Afonso foi cantado,

estando a ficar mais uma vez como um elemento de luta destes tempos onde o regime democrático se começa a colocar em causa por muitos portugueses. O 25 de Abril de 1974 e o modelo europeu de que Portugal passou a pertencer a partir de 1 de Janeiro de 1986, são duas datas que significaram esperança de uma vida melhor para todos os portugueses. Muitos, referem que não passou de um momento de ilusão, que agora está tudo a ficar muito pior, com jovens em precariedade de trabalho ou novamente a emigrarem, uma classe média que desaparece e uma população idosa, cada vez mais envelhecida e a viver com mais dificuldades, com

a agravante de ter cada vez menos o apoio do Estado. As assimetrias entre pobres e ricos são outra problemática da actual conjuntura. Os cartazes que se viram na manifestação de 2 de Março mostram bem

Um curso a realizar no Moinho de Papel

o desespero e revolta das populações. Um sinal de que se torna imperioso uma análise urgente da situação que Portugal atravessa, porque muitos não se revêem com uma austeridade que apelidam

de cega e implacável nos direitos fundamentais da Constituição Portuguesa. Não é para menos que a palavra de ordem é “que se lixe a Troika”. Texto e fotos: Joaquim Santos

A sua vida está numa encruzilhada e não sabe o que fazer? Tem decisões importantes para tomar, mas não sabe o que decidir? Então este é o curso ideal para si. Intitula-se “A Magia da Mudança” e decorrerá em Leiria, nos dias 8, 9 e 15 e 16 de Março, no Moinho de Papel, em Leiria. Um curso organizado pela “Therapy Clinic”que pretende responder a algumas das questões que se nos apresentam num momento de viragem da vida. Segundo a organização o objectivo deste curso é que no final os participantes consigam “avaliar

e consciencializar-se do seu estado actual; como identificar os empecilhos que impedem a sua mudança”direccionar a sua mente no sentido do seu alinhamento com as suas perspectivas, reconhecer princípios de Inteligência Emocional para melhor os seus relacionamentos; como melhor a sua performance pessoal/profissional de modo a sentir-se muito mais feliz e ainda identificar o motor da sua motivação e aprender a definir um plano estratégico para atingir o que deseja”. Os interessados em participar devem fazer as inscrições na clínica.

DR

“A Magia da Mudança” para ajudar nas encruzilhadas da vida


4950#OMensageiro#7MAR