Issuu on Google+

JORNAL ESPÍRITA ESPÍRITA ONON-LINE DE UBERABA Março/2008 – nº. 18 Responsável: Luiz Carlos de Souza Trabalhador na seara espírita em Uberaba-MG

“A justiça não exclui a bondade”. Allan Kardec EVENTOS ESPÍRITAS REUNIÃO LÍTERO MUSICAL DOUTRINÁRIA Organização: União da Mocidade Espírita de Uberaba - UMEU Apoio: Aliança Municipal Espírita – AME - Uberaba Palestra: Allan Kardec e Sua Obra Palestrante: Joaquim Veloso Filho – Quincas de Monte Carmelo-MG Data: 29/03/2008 – sábado Horário: 19h30min Local: Centro Espírita Uberabense (Rua Barão de Ituberaba nº. 449 – Estados Unidos). VI ENCONTRO DE PREPARAÇÃO DE ORIENTADORES DE JUVENTUDE II E II CICLOS Tema: Educar o Jovem de hoje para não punir o adulto de amanhã. Organização: Departamento da Infância e Juventude – DIJ – II e III Ciclos. Data: 29/03/2008 – sábado Horário: 13h Local: Centro Espírita Uberabense (Rua Barão de Ituberaba nº. 449 – Estados Unidos). Público Alvo: Pais, jovens, orientadores, dirigentes espíritas e comunidade espírita.

XL ENCONTRO DE PREPARAÇÃO DE ORIENTADORES DA INFÂNCIA XXIV ENCONTRO DE PREPARAÇÃO DE ORIENTADORES DE JUVENTUDE (I CICLO – PRÈ JUVENTUDE) Tema: Pelos Caminhos da Evangelização Organização: Departamento da Infância e Juventude – DIJ – I Ciclo Data: 15 e 16/03/2008 – sábado e domingo Horário: 09h Local: Centro Espírita Uberabense (Rua Barão de Ituberaba nº. 449 – Estados Unidos). Público Alvo: Pais, evangelizadores da infância e da juventude, dirigentes e demais freqüentadores da casa espírita.

1


I ENCONTRO NACIONAL DOS AMIGOS DE CHICO XAVIER E SUA OBRA Datas: 19 e 20/04/2008 (sábado e domingo). Horário: Início às 13h do dia 19/04/2008. Apresentações: Momentos musicais; Apresentação de Vídeo Inédito sobre Chico Xavier (Oceano Vieira de Melo); Lançamento de Livro Inédito da Psicografia de Chico Xavier (Geraldo Lemos Neto). Palestras com: Marlene Rossi Severino Nobre; Weimar Muniz de Oliveira; Manoel Tibúrcio Nogueira; Caio Ramacciotti; Adelino da Silveira; Elias Barbosa; Jhon Harley M. Marques; Flávio Mussa Tavares; Carlos A. Baccelli. Local: Clube Sírio Libanês (Rua Major Eustáquio nº. 790 – Uberaba-MG). Promoção: AME – Aliança Municipal Espírita de Uberaba e Pedro Leopoldo-MG. Informações: RECEPTA Turismo Receptivo Telefones: (34) 3325-4727 ou (34) 8857-2080 E.mail: lélio.kikuchi@receptaturismo.com.br Observações: O evento será gratuito e não haverá inscrições. CURSO BÁSICO: “A PEDAGOGIA SOB UMA ÓTICA ESPÍRITA”. Objetivo Geral: Analisar, por meio de exposições temáticas e discussões mediadas, qual o impacto cultural das concepções espiritistas no ambiente pedagógico da humanidade. Encontros: Quinzenais (aos sábados, das 16h as 18h), no período de março a dezembro de 2008. Local: Grupo Espírita Eurípedes Barsanulfo (Rua João Pinheiro nº 2185 – Bairro Boa Vista). Carga Horária: 40 horas. O curso será dividido em 06 módulos, sendo: Módulo 1: A Educação na Antiguidade Clássica. Responsável: Aluízio Elias. Datas: 08/03; 29/03; 12/04; 26/04. Modulo 2: O ofício pedagógico e a modernidade (Comenius, Rousseau e Pestalozzi). Responsáveis: Vera Resende e Joamar Nazareth. Datas: 10/05; 07/06; 21/06. Modulo 3: Kardec e Barsanulfo – Um olhar espírita sobre o ofício do pedagogo. Responsáveis: Sônia Barsant e Marta Fernandes. Datas: 12/07; 19/07. Modulo 4: A educação no Brasil e no mundo contemporâneo. Responsáveis: Renata Borges e Simão Pedro. Data: 09/08. Módulo 5: Experiências educacionais e espiritismo – Novas perspectivas. Responsáveis: Convidado da Associação Brasileira de Pedagogia Espírita e outros. Datas: 13/09; 27/09; 11/10; 25/10. Módulo 6: Instituto Eurípedes Barsanulfo – Realizações e projetos. Responsável: Celso Ferreira. Datas: 08/11; 22/11; 06/12; 13/12. Equipe Responsável: Aluízio F. Elias, Adriana de Macedo, Arlindo Frederico e Nídia Ferreira. As inscrições gratuitas estarão abertas no período de 03 a 08 de Março na Livraria Espírita Emmanuel (Rua Artur Machado nº. 288 – sala 04 – Centro). 2


IV CONGRESSO ESPÍRITA MINEIRO “Espiritismo: Amor e Educação” Será realizado, entre os dias 03 e 06 de abril de 2008, no Minascentro, em Belo Horizonte, o IV Congresso Espírita Mineiro. O evento, organizado pela União Espírita Mineira (UEM,) terá como temas centrais o amor e a educação e contará com a participação de representantes da doutrina espírita do país inteiro. As inscrições poderão ser feitas pelo site da União (http://www.uemmg.org.br/congresso) até o dia 20 de março, pelos correios e também por fax, até 29 de fevereiro. De 1º de janeiro a 29 de fevereiro de 2008, o valor da inscrição será: R$ 40,00 e de 1º a 20 de março, R$ 50,00, válidos para os quatro dias de evento. Outras e a programação completa do evento você confere no site da Instituição e na Secretaria Executiva do Congresso pelos telefones (31) 3222-3099 / (31) 32142106. EM DIA COM O ESPIRITISMO DIA NACIONAL DO ESPIRITISMO A Câmara aprovou, no dia 06 de Dezembro, em caráter conclusivo, o Projeto de Lei 291/07, da deputada Gorete Pereira (PR-CE), que institui 18 de abril como o Dia Nacional do Espiritismo. A proposta foi aprovada com parecer favorável relator do texto na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, deputado Wladimir Costa (PMDB-PA). A autora do projeto lembra que o Brasil é a maior nação espírita da atualidade e que os praticantes brasileiros têm realizado "obras extraordinárias no campo da assistência social", como define a doutrina espírita. Gorete Pereira também destaca a figura do médium Chico Xavier, segundo ela fundamental para a difusão do espiritismo no Brasil. A data escolhida é uma homenagem ao dia em que Allan Kardec lançou, em 1857, na França, O Livro dos Espíritos, marco inicial da doutrina espírita. “A instituição do Dia Nacional do Espiritismo é homenagem justa a um dos mais importantes grupos religiosos do país, cuja atuação tem sido indispensável para a construção de uma sociedade mais justa e fraterna entre nós”, argumenta Gorete Pereira. O projeto será enviado para votação no Senado. Transcrito do site da Federação Espírita Brasileira – FEB. ESTUDO ANTE A QUESTÃO DO ABORTO Segundo dados do governo Federal, a questão dos abortamentos tornou-se um problema de saúde pública, pois no Brasil são realizados por ano cerca de l milhão e 200 mil abortos clandestinos gerando vários transtornos, como a morte precoce de mulheres (algumas milhares), a esterilização de mais de 25% das abortantes (cerca de 300 mil), além das vultosas despesas para o Sistema Único de Saúde (já que 70% dos abortos são a quarta causa de internações femininas nos serviços de urgência e emergência). 3


Portanto, de acordo com a posição governamental, considera-se que é chegado o momento de se discutir a legalização do aborto, do mesmo modo que a Europa, o México, os Estados Unidos e outros países o fizeram, ao longo dos anos. Os abortos são feitos clandestinamente, pois as mulheres que os praticam são ameaçadas de condenação criminal, nos termos do Decreto-Lei número 20848 De 7 de dezembro de 1940, que diz que “O aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento” será punido com detenção de um a três anos. Neste sentido, recentemente, no dia 08/05/2007, numa terça-feira, à tarde, foi feito um Manifesto em Brasília por vários religiosos, inclusive Federações Espíritas, e entregue ao Vice-Presidente da República no qual se defendeu a manutenção da situação atual e a condenação a qualquer discussão sobre a legalização do aborto. Meditando sobre a questão, cheguei às seguintes conclusões: sou contra o aborto e acredito que todo espírita também o seja. No entanto, entre a minha convicção pessoal e a realidade que se desenrola dramaticamente na sociedade, existe um verdadeiro abismos a ser transposto. É muito cômodo condenar as mulheres que abortam, sem assumir-se um compromisso afetivo com a situação, ou seja, sem ao menos compartilhar com elas as dificuldades que as levam a este ato extremo. Se existisse em todo o País uma estrutura de acolhimento para as crianças cujas mães desistissem do aborto, mas não se dispusessem a criá-las, sem dúvida nenhuma, o número de abortos diminuiria sensivelmente. Mas hoje, quando mais da metade da população economicamente ativa não tem sequer emprego regular (e 80% dos que têm emprego recebem entre um e dois salários-mínimos de míseros R$ 380,00, ainda estamos longe deste ideal de acolhimento das crianças enjeitadas, pois somos uma sociedade muito excludente e perversa. Em todo o caso, ao invés de engrossar o coro do fanatismo religioso, os espíritas poderiam desenvolver melhores esforços para se evitar o aborto do que apenas defender a criminalização de sua prática e cruzar os braços. É urgente, por exemplo, o aprofundamento da educação sexual de modo que as pessoas – sobretudo os mais jovens – se previnam da gravidez, se não a desejam. Para isso, a única prevenção absolutamente segura exige abstinência sexual, o que é para poucos, pois manter atividade sexual tornou-se uma espécie de direito indeclinável para quase toda a humanidade. Porém acredito que exercer algum controle sobre a sexualidade – variável para cada grau de evolução – representa meta de ascensão espiritual. Por isso, não convém se entregar ao intercâmbio sexual, sem a regência do sentimento. Conquanto, para muita gente, a afeição justifique a interação sexual, uma pequena minoria requisita de si mesmo um elemento a mais, que se pode resumir através da palavra compromisso. Portanto, além do carinho, da simpatia ou do amor que o atrai na direção de outra pessoa, o indivíduo mais maduro estabelece em sua própria consciência o dever de arcar com toda e qualquer conseqüência que advenha do intercurso sexual.

4


Deste modo, o relacionamento sexual de um sujeito mis sensato, se mostraria uma iniciativa envolvendo afeto e comprometimento. Andaria no mundo, sem ser do mundo . Veria as inúmeras complicações que as criaturas se envolvem por conta do prazer sexual desavisado e elegeria a porta estreita da renúncia e da fidelidade. Numa época em que a sexolatria impera e o erotismo campeia desbragado, o espírita verdadeiro destoaria da grande massa, pois o discípulo do Evangelho deve sempre analisar, ponderar e escolher a atitude prudente de evitar o contato sexual, a menos que exista afeto e somente quando já lhe seja possível assumir uma eventual gravidez, ainda que não desejada. Além do domínio sobre a atividade sexual, a segunda contribuição que podemos oferecer é amar os nossos filhos sem queixas de trabalho que a manutenção ou formação deles reclama de nossas forças e de nosso tempo. É imprescindível amá-los com alegria. Declarar de cima dos telhados a nossa gratidão por essa tarefa bendita. Seja qual for a dificuldade, seja qual for o problema, seja qual for a angústia que, por causa deles, venhamos a experimentar, a cada dia renovaremos nossa disposição e nosso carinho. Antes de tudo, nós os aceitamos quais são, depois os educaremos pacientemente, tendo em vista que aprendemos com Kardec a primeiro amar, e só então, instruir. Dessa maneira, nós demonstraremos aos vacilantes em tomar o fardo da progenitura que , e fato, vale a pena ser pai/mãe, já que o júbilo e a amizade permanecem acima de todas as aflições e aborrecimentos. A terceira contribuição que nos caberia é a de não compactuar com a realização de qualquer abortamento, mas nunca nos confundirmos com outros segmentos religiosos, ao ponto de assumirmos a posição de algozes das que recorrem ao aborto. Advertir e esclarecer qualquer um que nos cruze os passos abrigando tal objetivo, destacando os aspectos positivos e sublimes da pater/maternidade. Quem sente amor pelos filhos, pelas crianças, pelo próximo pode contagiar a pessoa que hesita ou que se dispõe ao gesto infeliz, insuflando-lhe coragem, esperança ou resignação. Assim, não devemos incriminar os que cometem a sandice de matar o próprio filho. Existe loucura maior do que esta? Exterminar uma criança indefesa , a quem se deveria amar incondicionalmente, no próprio ventre? Só uma 5


pessoa transtornada e inconsciente de si mesma e da venturosa missão familiar perpetra ato tão abominável. Diante dessa atitude alienada, não é lícito ao espírita o uso de açoite ou da punição. Basta ao doente a loucura em si mesma. Ou haveremos de transferir todos os dementes para as penitenciárias? Pelo contrário, é necessário trata-los, cuidando de suas perturbações. E é bom lembrar que em momento algum Jesus se aliou aos condenadores, mesmo quando alicerçados no direito vigente. Segundo a legislação dos judeus, a mulher adúltera deveria ser apedrejada. Era a lei! Jesus, no entanto, recomenda que atire a primeira pedra aquele que esteja sem pecado. O discípulo do Evangelho está convocado para implantar a lei do perdão nas consciências. E para isso deve ter presente a dor de milhões de fetos, cujo choro não chega a ser emitido, arrancados violentamente das entranhas maternas. Mas acrescente-se que incriminar o aborto significa conformar-se com a injustiça, porque se condenaria, freqüentemente, a mulher, e, bastas vezes, o homem é o principal responsável, ora pela indução, ora pelo abandono. O movimento Espírita deve se contra o aborto e trabalhar ativamente para reduzi-lo entre os espíritas ou naqueles que freqüentam suas atividades. Em especial, preparando e direcionando orientadores para dialogar com jovens e adolescentes sobre a sexualidade. É recomendável ter um discurso isento de preconceitos e de expectativas exaltadas de sublimação, incompatíveis com o grau evolutivo do ser humano ou da fase cultural em que vivemos. Nós espíritas, podemos e devemos ter alguma iniciativa para minorar esta tragédia planetária, mas que passe muito longe de acentuar o remorso – esses pais faltosos irão despertar um dia e ái deles, pois muitos ressecarão suas potencialidades germinadoras ou lesionarão gravemente seus próprios órgãos reprodutivos, arcando com as conseqüências no périplo reencarnatório. Precisamos nutrir compaixão por eles e não sentencia-los. Imaginemos se Jesus se juntaria, hoje com os fomentadores de culpa! ‘”Simão, uma coisa tenho a dizer-te. Dize-a, Mestre, - Um certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, e o outro cinqüenta. E não tendo eles com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Dize, pois, qual deles o amará mais? E Simão, respondendo, disse: Tenho para mim que é aquele a quem mais perdoou. E ele lhe disse: Julgaste bem.” (Lucas, 740-43) Ser contra o aborto é fácil. O desafio é realizar algum trabalho de prevenção ou de assistência em favor dos que estão a caminho de cometer tal ato.Neste sentido, pergunto o que é pior: matar o próprio filho, num surto de insanidade espiritual, ou incriminar esta loucura, dispondo de uma razão lúcida? Por isso, independente do aborto no Brasil, é preciso tratar o assunto em outra esfera que não a criminal, como atualmente é feito. E para isso é preciso que os espíritas se debrucem sobre o tema, formulem suas propostas e desenvolvam suas ações, afastando-se de vez do fanatismo com que outros segmentos religiosos tratam a questão. É necessário que os espíritas tenham consciência de que, neste mundo tão carente de valores morais adequados à boa evolução das criaturas, é da religião que deve vir este insumo. Por isso, nada justifica que se anule a criação de uma identidade própria misturando-se com concepções ameaçadoras como as dos segmentos cristãos que querem excomungar as autoridades empenhadas na descriminalização do aborto. 6


Definitivamente, é preciso dar um basta aos que usam e abusam do poder sagrado (religioso) para perseguir e condenar os que pensam ou agem diferentemente de suas opiniões. Antônio Baracat (Professor de Filosofia e História pela UFMG – Belo HorizonteMG) – Jornal da Mediunidade – julho/agosto/2007 – número 06. JUVENTUDE A IMPORTÂNCIA DAS MOCIDADES ESPÍRITAS As mocidades espíritas tornam-se cada vez mais importantes na Seara do Mestre. Quando questionamos aos freqüentadores de um centro espírita se eles chegaram a ele pela dor ou pelo amor, a resposta e quase unânime: pela dor! Concordo que isso seja reflexo de uma doutrina recente na história da humanidade, mas os centros espíritas não podem esperar sempre por freqüentadores que venham pelo sofrimento moral, físico ou espiritual. Eles também podem optar por ações preventivas que garante equilíbrio entre trabalhadores e assistidos, fornecendo à casa voluntários aptos e com muita força de vontade de colaborar. Uma ação que pode ser tomado pelos dirigentes para garantir ao centro espírita pessoas que já tenham despertado para o ideal da caridade, é a criação de mocidades. Mocidades ativas, participantes e com o apoio e incentivo da sua casa de oração. Eu poderia estar apresentado inúmeros argumentos para validar a presença da mocidade dentro de um centro, mas não podemos nos esquecer que uma mocidade guarnece a família e fornece aos jovens subsídios para protegeremse de males que estão de fácil acesso a todos. Mas o leitor amigo deve estar imaginando: como reunir jovens para um centro espírita e como fazer para estes não criarem problemas? Afinal jovem é jovem em qualquer lugar! E mais: para que “meu” centro precisa de uma mocidade? Esses são realmente os pensamentos da maioria, mas quando o centro resolve abraçar esse investimento em seu futuro, a mocidade rende trabalhos grandiosos na Seara do Mestre. Vamos começar a analisar como os jovens podem ajudar. Uma vez que a maioria das pessoas chegam ao Espiritismo pela dor, o processo para que essa atinja o equilíbrio e assuma tarefas dentro da casa é razoavelmente longo; sem falar no tempo de escola de desenvolvimento mediúnico. Contudo, com uma mocidade, todos estariam sempre em estudo evitando darem cabeçadas na vida. E ao invés de procurarem uma casa de oração somente para aliviar suas dores, os jovens serão agentes multiplicadores na sociedade, que formarão uma família já dentro da conduta espírita. Com uma disponibilidade de horário totalmente diferente dos outros trabalhadores do centro, que normalmente são casados, possuem família e que participam durante as noites da semana, os jovens podem ser uma extensão dessas atividades nos fins de semana, criando assim grupos de estudos onde há a possibilidade de ampliar seu conhecimento na Doutrina Espírita e no comportamento social e familiar. 7


Ao invés de um jovem rebelde , sem rumo, teremos ajudado a construir uma personalidade voltada à reflexão e à compressão do mundo em que vivemos. Criar e manter um grupo de mocidade é tarefa das mais importantes para os dirigentes de um centro espírita. Investir e acreditar nos jovens, é um meio de estabelecer a paz nos lares e garantir o futuro do espiritismo. Por Frederico G. Costa – Fonte: Revista Cristã de Espiritismo - nº 06 – Transcrito do site: http://www.mocidadesespiritas.com.br PINGA FOGO COM CHICO XAVIER Continuamos com o “Pinga Fogo” na antiga TV Tupi – Canal 4, entrevistando o nosso querido e inestimável CHICO XAVIER. 31 – Saulo Gomes – Como nossa oportunidade é rara, eu fujo até de uma seqüência lógica de perguntas, para deixar aos milhares de telespectadores uma palavra sobre um assunto muito profundo. Em recentes experiências todos nós ouvimos falar de que cientistas pretendem iniciar um processo gerando uma criança num tubo de ensaio. Qual seria o destino da humanidade, dentro da sua experiência no campo espiritual para os seres humanos que um dia a Ciência, num tubo de ensaio, viesse colocar no nosso meio. Qual seria a forma interior dessa gente? CHICO XAVIER – Há tempos quando comparecemos num programa de televisão aqui mesmo em São Paulo, foi aventada essa questão do tubo de ensaio. E com a assistência do espírito de Emmanuel, declaramos que o poder da Ciência é infinito, porque a Ciência está credenciada pela misericórdia, pela sabedoria de Deus para entrar em relação com todos os setores do progresso humano. Então nós não podíamos duvidar de que a Ciência chegaria a esta realização. Mas indagamos quanto ao amor de que a criança necessitaria ou necessitará, vamos dizer, qualquer um de nós, para renascermos no tubo de ensaio. Por exemplo: Nós teremos o tubo de ensaio e teremos todo o equipamento de recursos para que o nosso corpo seja tão sadio, tão robusto quanto possível. E o amor, o amor dos pais, o amor da família? Perguntávamos de nós. Mas os espíritos amigos em entendimento conosco nos últimos tempos, afirmam que esse assunto está sendo cogitado no mundo espiritual com muito interesse. A nossa querida Hele Alves se referiu ao trabalho sacrificial da mulher em relação ao trabalho mais livre do homem em todos os séculos que precedem à nossa civilização, ela tem razão, porque a mulher tem sido sempre muitíssimo sacrificada. Mas, é possível, não vamos dizer isso como profecia dentro de ciências exatas, mas vamos estudar isso como um problema de solução provável. É possível que a Divina Providência esteja mesmo promovendo a confecção do tubo de ensaio na Terra, para que a reencarnação possa se realizar sem tantos sacrifícios da mulher. É possível que a mulher esteja se aproximando de uma 8


época em que ela também será exonerada da carga de sacrifícios que a maternidade impõe, conquanto nós estejamos convencidos de que a maioria de milhões de mulheres de todo o planeta se sinta imensamente feliz com a maternidade. Mas é possível que o tubo de ensaio para que o homem e a mulher não fiquem na Terra diante de Deus como criaturas em delito permanente – vamos dizer – perdoem-me estas palavras “assassinando· crianças”. Nós sabemos que nações de vanguarda estão legalizando o aborto, não vamos declarar nomes, isso seria injuriar povos que nós amamos e respeitamos muito. Mas é possível que o tubo de ensaio venha mais tarde como uma complementação para que os filhos de Deus que venham nascer na Terra, todos eles dignos do nosso maior respeito e do nosso máximo carinho, sejam então recebidos por pais e mães responsáveis, que possam realmente amá-los, que possam pedir o nascimento desses filhos a governos magnânimos, que ajudem a questão demo gráfica, governos que possam realizar estatísticas adequadas e aceitar novos filhos entre os seus tutelados, permitindo que esses pais responsáveis possam receber os filhos de Deus, que somos nós todos. Nesse sentido digo de coração, pessoalmente, falo isso porque os espíritos mantêm essa opinião em entendimentos conosco. Agora, pessoalmente, digo, que se minha mãe, em seu infinito amor, em sua fé religiosa tivesse tido medo de mim, eu não sei onde é que eu estaria. 32 – Reale Jr. – A Igreja Católica cada dia tem aumentado mais sua atuação no sentido de que haja mais justiça social no mundo, melhor distribuição de renda. Aqui mesmo no Brasil, a participação da Igreja, na área social, tem sido muito grande, o que aliás, lhe tem causado até alguns problemas. O que o Espiritismo no Brasil tem feito nesse sentido; ou por acaso prega o conformismo na vida material? CHICO XAVIER – O Espiritismo não prega o conformismo do ponto de vista em que o conformismo é interpretado. O Espiritismo nos pede paciência para esperar os processos da evolução e as realizações dos homens dignos que presidem os governos, cooperando de nossa parte, tanto quanto possível, para que as leis desses mesmos governos sejam executadas. De modo que, se estamos subordinados ao critério de Nosso Senhor Jesus Cristo que estabelece aquele princípio “dê a Deus o que é de Deus e a César o que é de César”, isto é, aquilo que pertence ao mundo superior da nossa mente, as realizações com Deus, que constituem o progresso e o aprimoramento de nossa alma e aquilo que nós devemos aos poderes constituídos do mundo que nos orientam e que administram os nossos interesses, então o Espiritismo evangélico não se sente absolutamente inclinado a qualquer participação no partidarismo de ordem política para solucionar os problemas da vida material, conquanto reconheça que todos devemos trabalhar. O Espiritismo nos ensina que se existe fome não é por culpa da Terra, assim como o rio não tem culpa quando passamos por cima dele uma ponte cometendo um delito contra a higiene. As leis são magnânimas, mas a vacina contra a ignorância é a instrução e a vacina contra a penúria é o trabalho. Ao invés de pedir melhoria de rendas, vamos pensar assim conquanto precisemos de dinheiro, todos necessitamos do dinheiro 9


como o sangue de nossas realizações materiais e seiva da nossa civilização. Nós todos precisamos do dinheiro, seja ele apresentado de que forma for, em qualquer regime, porque o dinheiro é um documento daqueles que nos governam e que nos credenciam para o serviço aquisitivo onde estejamos. Conquanto precisemos todos do dinheiro, vamos pensar, por exemplo, em trabalhar todos e em organizar vamos dizer, a questão do trabalho com o aproveitamento das nossas energias integrais aumentado. Então, cremos que o problema seria quase que imediatamente resolvido. Vamos dizer que na atualidade déssemos ou que venhamos a dar a liderança das empresas, a chefia das equipes às inteligências juvenis, como vem acontecendo quase em todos os países de vanguarda. Mas, sem valorizarmos a madureza que começa de 40 a 45, 50 anos, colocando a madureza com seu discernimento a serviço da coletividade, proporcionando aos homens e às mulheres que já amadureceram na experiência física, trabalho e mais trabalho, desde que eles tenham condições orgânicas compatíveis com essa necessidade, mas prestigiando a personalidade humana em sua condição de pessoa amadurecida no trabalho remunerado ou tão altamente remunerado quanto possível, nós resolveríamos o problema, sem entrarmos em atrito com a autoridade legal. MENSAGEM ESPÍRITA PERANTE OS AFETOS São de Allan Kardec estas sábias colocações: “não há efeitos sem causas.” E elas não se circunscrevem tão somente, às áreas da ciência, como se tem pensado. Os espíritas são convidados a dilatar a própria percepção e apropriarem estes dizeres em todo contexto da vida das criaturas terrenas. Não há conseqüências infelizes, se as condutas são equilibradas e ponderadas. Vivemos, portanto, no mundo dos efeitos de nossas próprias atitudes que refletem o exercício do livre arbítrio, que ninguém nos pode cercear a uma manifestação. Os dissabores da existência têm, contudo, uma sólida explicação, o homem se posta todavia, na condição de executor de seu próprio destino. Quando a dor rondar com mais constância os seus passos, observa meu filho, a sua participação mesmo que sutil, concorrendo para o seu sofrimento presente. As repercussões da invigilância são notórias e não podem ser apreciadas com ponderações superficiais. Ela é um mal que reclama olhares perquiridores para que se deixe de projetar como ocorre concomitantemente. As existências se interligam e não há ruptura entre elas. As atitudes dão respostas imediatas, àqueles que as exteriorizam, ou tardias também. Ausculta a consciência com mais regularidade e identifica a origem das vicissitudes que lhe desestabilizam as emoções, são dentro de nós que se situam verdadeiros monturos requerendo urgente remoção e saneamento de nossos pensamentos. O mundo melhor se predestina a acontecer, mas diz exatamente respeito aos nossos próprios procedimentos. A nossa renovação há de influenciar o reacerto dos passos de milhares. Primeiro as flores depois os frutos. Sem semeadura não há colheita. A semente demanda tempo para germinarem Não se equivoque, debalde não são seus esforços. Não se inquiete cobrando o despontar rápido que corresponde à qualidade do fruto. 10


A natureza não dá saltos. A renovação da criatura humana se efetiva sem proporcionar traumas em ninguém. Mudanças de superfícies não se interligam com as entranhas. Seja ponderado no que diz respeito às próprias atitudes, porquanto, são elas que representam os efeitos que se repletou na sua existência, na condição de seguidores do Cristo, a nossa reencarnação deve fazer diferença em prol da humanidade. Ama, seja comedido, fraterno, responsável, sério, amigo e prestativo, assim verá que a felicidade tão distante ainda das trilhas terrenas já existe em caráter particular nas suas entranhas. Aura Celeste. Mensagem recebida no Asilo João Evangelista-RJ por Alaor Borges Jr no dia 12/12/2004. TRABALHO IMPORTANTE LAR ESPÍRITA IRMÃ VALQUÍRIA O Lar Espírita Irmã Valquíria foi fundado no dia 16/11/2002, cujo idealizador é o médium Alaor Borges Júnior. Segundo Alaor, o principal motivo que estimulou um grupo de espíritas a fundar uma Casa Espírita foi as dificuldades de realizar noutra instituição espírita os trabalhos propostos pela benfeitora Irmã Valquíria. A partir desse propósito, o grupo começou a trabalhar para levantar os recursos necessários, que sempre vieram por meio de eventos como pizza, feijoada, jantares e doações de vários amigos de Uberaba e outras cidades tais como: Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), São Lourenço (MG), Guarulhos (SP), Curitiba (PR). Um fato curioso nos chamou a atenção, comenta Alaor, que nunca fizemos um planejamento de custos e receitas. Iniciamos a obra ou etapa proposta com o valor que possuímos e a concluímos sem maiores dificuldades. Percebemos a intensa participação da espiritualidade somada ao nosso esforço. É justamente nestas ocasiões que damos um impulso, recebendo doações na construção, ainda em fase de andamento. Outro fato interessante foi o ocorrido no dia da inauguração das salas de evangelização infantil, na reunião das 18h o espírito de Meimei se comunicou pela psicografia e às 19h aparece numa foto junto as crianças, um espírito de uma mulher com características similares as dela, e até julgamos que seja ela mesma. O Lar Espírita Irmã Valquíria possui como atividades: • Reunião de estudos mediúnicos: Terças-feiras às 19h:30min. • Confecção e entrega de enxovais: Quartas-feiras. • Palestras, passes e psicografia de cartas de familiares: Quintas-feiras às 19h30min. • Atendimento médico: Sábados às 13h. 11


Estudos; Palestras; Passes; Lanche e distribuição de pães; Evangelização infantil; e Reunião de mães e pais: Sábados das 16h até às 17h. • Mocidade espírita: Sábados das 17h às 18h. • Peregrinação fraterna com visita a lares dos nossos irmãos: Sábados das 18h30min. • Reunião de estudos das obras doutrinárias e psicografia de cartas de familiares: Sábados após as 19h. • Sopa fraterna: Domingos, início às 8h e distribuída às 11h. Reunião com palestras, passes e receituário mediúnico: Domingos às 18h. • Mensalmente aos domingos é feito o trabalho da Pechincha onde se arrecada recursos monetários destinados a inúmeras despesas da casa. Pertencem à Diretoria, os Colaboradores: Cláudio, Eliane, Elizete, Juliene, Márica, Jackeline, dentre outros confrades. •

PERSONALIDADES DE DESTAQUE NO MOVIMENTO ESPÍRITA MARIA DOLORES Nasceu Maria de Carvalho Leite na cidade sertaneja de Bonfim de Feira-BA, no dia 10 de Setembro de 1900, filha de Hermenegildo Leite, escrivão da Prefeitura, e da doméstica Balbina de Carvalho Leite. Em Bufem passou a infância. Do casal Hermenegildo e Balbina nasceram, com Dolores, três homens e duas mulheres. Em 1916, diplomou-se Professora pelo Educandário dos Perdões, considerada pelas colegas e professores como adolescenteprodígio, graças à rara inteligência. A poesia, começou a senti-la na cidade natal, ainda quase criança, a transformar-se, mais tarde, na poetisa de bons versos que todos conhecemos. Reuniu alguns de seus poemas no livro "Ciranda da Vida". Dizem os que a conheceram de perto que não sabia de cor nenhum de seus versos! Sendo reconhecida na Capital pela sua arte, passou a escrever nos jornais “Diário de Notícias” e “O Imparcial” sendo, neste último, Redatora-Chefe da “Página Feminina”. Durante 13 anos, escrevera nos jornais citados, mostrando o mundo de ternura que trazia dentro de si, adotando o pseudônimo de "Maria Dolores". Apelidada pelos amigos e familiares de Madô e Mariinha, era reconhecida pela simpatia e bondade com que a todos cativava. Dolores lecionou no Educandário dos Perdões e no Ginásio Carneiro Ribeiro, em Salvador. Também dava cursos particulares. Daí, porque entendemos o seu modo todo especial de ensinar, através dos versos, às almas aflitas. Seu espírito não se limitou somente aos versos; ela também tocava piano, pintava, gostava da costura e da arte culinária. Humana por excelência, viveu desenvolvendo em si, contudo, qualidades inatas. Mas a sua vida não poderia ser somente flor: estava-lhe reservada uma prova de sofrimentos morais. Casara-se com o médico Odilon Machado. Suportando infeliz consorcio durante alguns anos, finalmente deu-se a solução pelo desquite. Não houve filhos desta união, como nunca os teria Maria Dolores.

12


Em sua peregrinação, morou em várias cidades do próprio Estado baiano, como Pirangi e Itabuna. Nesta última, conheceu Carlos Carmine Larocca, italiano radicado no Brasil; tornou-se sua companheira, ajudando-o, ombro a ombro, em suas atividades. Notamos nos seus versos o quanto sofrera, buscando algo que não encontrava: a sua complementação afetiva, tal como fora planejado pela Providência, para que buscasse o Amor Maior, que ela soube encontrar um dia - JESUS! Tanto sofrimento não foi capaz de torná-la indiferente ao sofrimento humano. Na imprensa, falava dos direitos humanos e dos sofrimentos dos menos felizes. Não foi compreendida: tacharam-na de “comunista”, tendo de responder sobre as acusações que lhe faziam, pois fora intimada. Em menina, fora católica; em adulta, o sofrimento fizera-lhe conhecer a Doutrina de Allan Kardec, e veio a consolação, a aceitação do sofrimento. Quando Alziro Zarur fundou a Legião da Boa Vontade, ela tornou-se membro integrante, com o seu espírito aberto e cheio de ideais. Era a senhora voa e sempre bem-vinda aos bairros pobres de Salvador, fazendo campanhas, prendas para os bazares realizados em sua própria casa. Fundara um grupo que se reunia em sua residência, todas as semanas, quando saíam para distribuir, nos bairros carentes escolhidos, farnéis, roupas, remédios... Chamavam-se “As Mensageiras do Bem”. No Natal, faziam campanha e distribuíam donativos assim como nos Dia das Mães. Dolores costurava enxovais, vendia o que era seu ou empenhava; às vezes, fazia dívidas para sim a fim de ajudar alguém. Contou-nos uma de suas filhas adotivas que, quando ela desencarnou, alguém viera com jóias que lhe pertenceram, as quais foram dadas para que ela providenciasse vender por uma campanha que faziam. E, no trabalho do Senhor, na dedicação à Causa Evangélica, foi desenvolvendo diversas mediunidades. Tudo isto a ajudou a sofrer injúrias, como quando fora acusada de “comunista”, e outros sofrimentos que, em vez de a abater, a elevavam. Perdoando sempre por cima de suas lágrimas, qual ensinou Jesus. Trazia em si, Maria Dolores, um grande sentimento maternal e, como não lhe foi dado o direito da maternidade, adotou crianças. A primeira, em Itabuna, que foi registrada com o nome de Nilza Yara Larocca (1936), depois em Salvador mais duas filhas: Maria Regina e Maria Rita (1954). Em 1956, vieram Leny e Eliene e, um mês antes da sua desencarnação, Lisbeth. Lia muito e escrevia. Os amigos eram tantos e admiravam-na! Entre eles, podemos citar: José Nunes, Candinha, Maria Alice, Antonieta, José Bastos, Maria Alice Queirós, Faustino, Maria Carolina Sales... Carlos Larocca estava na Itália, quando Dolores adoecera. A pneumonia manifestara-se de forma violenta. Antonieta Bastos fora visitá-la com José e Faustino e, vendo o seu estado dispnéico e de real abatimento, providenciaram o seu internamento no Hospital Português. Inúteis foram os esforços médicos. Poucos dias depois, quatro ou cinco dias, era 27 de agosto de 1959 ela partia de volta à Pátria Espiritual. Eram 1:40 horas. E, como disse Mara em sua crônica, “Partiu-se o Guizo de Cristal”. Nilza foi avisar, imediatamente, a Antonieta e Maria Alice. Levaram o corpo para a “Casa de Tia Sara” – sede da LBV – e de lá partiu, com grande acompanhamento, para o Campo Santo. Numa carta escrita à Maria Alice, Francisco Cândido Xavier narra o seguinte: Maria Dolores lhe aparecera no dia 29 de março de 1964, bela e remoçada. As lágrimas vieram-me aos olhos, de vê-la tão claramente junto a mim. Que emoção! Dolores era alva, de cabelos e olhos pretos, alegre e brincalhona, de estatura mediana e robusta de físico. Desencarnara aos 59 anos, mas a sua lira continuou vibrando em benefício do amor, da caridade e do perdão - o seu hino ao Senhor, não diferente dos hinos que tocava e cantava, cheia da alegria de servir".

13


Perguntando a Chico qual o primeiro poema que Maria Dolores escreveu por seu intermédio, ele nos disse ser o belíssimo “Anseio de Amor”, inserido nas páginas de “Antologia da Espiritualidade”, que aqui transcrevemos. Fonte Livro: Chico Xavier Mediunidade e Ação - 154 a 156 – Autor: Carlos A. Baccelli DATAS IMPORTANTES DO ESPIRITISMO 31/03/1848 – Em Hydesville, no estado de Nova York, Estados Unidos, as irmãs Kate e Margareth Fox, recebem por meio de pancadas concordantes com as letras do alfabeto e formando palavras e frases, a mensagem do Espírito de um mascate assassinado naquela localidade. 31/03/1868 – Desencarna em Paris, aos 65 anos, Allan Kardec, o Codificador do Espiritismo. 23/03/1876 – Funda-se no Rio de Janeiro a Sociedade de Estudos Espíritas “Deus, Cristo e Caridade”, por participantes do Grupo Confúcio, com programa inteiramente evangélico, sob a orientação de Bittencourt Sampaio. 16/03/1893 – Desencarna no Drio de Janeiro, um dos pioneiros do Espiritismo – Luiz Olimpio Telles de Menezes. 31/03/1897 – Organiza-se a Livraria da Federação Espírita Brasileira. 01/03/1923 – Desencarna Rui Barbosa (jurista, escritor, parlamentar e jornalista – realizava sessões espíritas em sua casa. 22/03/1936 – Funda-se em São Paulo, a Sociedade Meta psíquica. 30/03/1940 – Inaugura-se em São Paulo, a Rádio Piratininga, sob a direção dos espíritas. 01/03/1944 – Funda-se o jornal O Semeador. 09/03/1979 – Desencarna João Herculano Pires, em Avaré-SP. LIVROS DO “CLUBE DO LIVRO ESPÍRITA” DEPARTAMENTO – CLUBE DO LIVRO ESPÍRITA MARIA DOLORES (Rua Artur Machado nº. 288 – sala 04 – Centro Telefone: 3312-8327)

ARTE DE RECOMEÇAR – HISTÓRIAS DA IMORTALIDADE NA VISÃO DE JESUS – Pelo Espírito de Leon Tolstoi – Psicografado por Cirinéia Iolanda Maffei De onde viemos? Para onde vamos? Por que estamos sobre a Terra? Vivemos realmente muitas experiências? Assim sendo, quem fomos no pretérito? Reis, rainhas, cortesãs, plebeus, sacerdotes, soldados, senhores ou escravos? Onde nascemos? Poderemos reencontrá-los, reconhecendo-os? Em “Arte de Recomeçar”, o autor espiritual Leon Tolstoi mais uma vez recorre a textos bíblicos da época de Jesus, ao “Evangelho segundo o Espiritismo” e as belíssimas narrativas de pessoas anônimas, muito parecidas conosco, enfocando, de maneira esclarecedora e envolvente, o tema reencarnação. Mergulhados em suas páginas, realizaremos uma viagem ao passado de mais de dois mil anos, identificando-nos com os personagens, 14


reconhecendo-nos em seus sentimentos, intuindo havermos trilhado caminhos semelhantes, dos quais guardamos tênues reminiscências, inexplicáveis emoções, imprecisas saudades... RESGATANDO O PASSADO E CONSTRUINDO O FUTURO... (Romance Mediúnico) – Pelo de Espírito Ernesto – Psicografado por Izoldino Resende Na colônia espiritual Nova Esperança, fundada por Eurípedes Barsanulfo, via-se aquele espírito com olhar vago e muito triste. Tratava-se de Joaquim Epaminondas. Estava diante de grande responsabilidade: receber como filhos os seus algozes do passado Dando-lhe todo suporte necessário, estariam a abnegada Geralda Salomé Menin e uma plêiade de Espíritos Superiores também envolvidos naquele processo reencarnatório. Joaquim teria em seu encalço uma legião de obsessores. Por isso, sua reencarnação seria vigiada. Ele estaria vivendo um processo de resgate relacionado às suas últimas seis reencarnações. Viria à Terra com mediunidade de provação e teria de conviver com várias enfermidades em seu corpo físico. Viveria o presente com amor, resgatando o passado de débitos e construindo um futuro de paz. Neste livro, o leitor será levado a refletir sobre uma nova maneira de viver o presente, fazendo uma viagem no tempo e descobrindo que a evolução é lenta, porém constante. Todos caminham para a perfeição e ninguém permanece estacionado. É uma verdadeira lição de vida. O CLAMOR DAS ALMAS – Richard Simonetti - A criança inocente que se transforma no infeliz viciado. - O homem solidário que chora a morte de entes queridos. - O jovem transviado por carência de atenção. - Os que se comprometem no egoísmo. - Os que trazem os enigmas da homossexualidade. - Os que sofrem no Além por desvios nas lides humanas. - Os desiludidos pela frustração de seus sonhos. Estes alguns dos temas desenvolvidos neste instigante livro que nos auxilia a entender e atender os clamores das almas e os nossos próprios clamores. SUGESTÃO DE LEITURA SEXO E DESTINO – Pelo Espírito de André Luiz – Psicografado por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira Que efeito terão para o Espírito imortal em sua vida futura, em seu destino, suas experiências sexuais e sua conduta, quando encarnado? Os livros de André Luiz descrevem, com riqueza de detalhes, o Mundo Espiritual, como vivem os Espíritos, seus habitantes e as relações de causa e efeito que influem na trajetória evolutiva tanto dos encarnados quanto dos desencarnados, delineando sua vida futura, seu destino. O leitor encontrará neste livro respostas às suas indagações sobre o relacionamento sexual humano, com as implicações na vida do Espírito Imortal, possibilitando-lhe que “aprenda com a biblioteca da experiência”. 15


“Sexo e destino, amor e consciência, liberdade e compromisso, culpa e resgate, lar e reencarnação, constituem os temas deste livro, nascido na forja da realidade cotidiana.” A OBSESSÃO – ORIGENS, SINTOMAS E CURAS – Alan Kardec A obsessão se processa através da atuação da mente do espírito desencarnado sobre a mente do espírito encarnado, isto é, entre “mortos” e vivos, levando-se em consideração, inclusive, o quadro reencarnatório preestabelecido do ser encarnado. Situações incômodas e inexplicáveis se apresentam à primeira vista, suscitando indagações: como livrar-se e proteger-se de um processo obsessivo? Através do acompanhamento, análises e curas de inúmeros casos de obsessão, por intermédio do próprio Allan Kardec, o Codificador do Espiritismo, o leitor encontrará respostas a essas indagações. ANUÁRIO ESPÍRITA 2008 Francisco Cândido Xavier – in memoriam / Antônio Baduy Filho / Antônio de Souza Lucena / Carlos A. Baccelli / Divaldo Pereira Franco / Elias Barbosa / Hércio M. C. Arantes / J.Raul Teixeira / Joamar Z. Nazareth / Marival V. de Matos / Walter Oliveira Alves / Walter Barcelos / Washington L. N. Fernandes. Estudos / reportagens / noticiário / história / fatos mediúnicos / cinema e vídeo / literatura / mensagens / esperanto / informações – contendo 108 ilustrações. RAPIDINHAS: BIBLIA DO CAMINHO A “Biblia do Caminho” é uma compilação de todas as obras de Allan Kardec e de Francisco Cândido Xavier e uma versão completa do Antigo e Novo Testamentos, sendo todos os livros e textos interrelacionados através de um Índice temático. A última versão da “Bíblia do Caminho” traz o ESDE – Estudos Sistematizados da Doutrina Espírita, versão completa. Acesse agora o site: www.bibliadocaminho.com.br e instale já em seu micro. O SANATÓRIO ESPÍRITA PEDE SOCORRO!!! O Sanatório Espírita de Uberaba – SEU, foi fundado em 31/12/1933, pela estimada Maria Modesta Cravo. Atualmente o Sanatório possui 120 leitos e com uma média de 130 internações por mês.

16


Para garantir todo esse tratamento, o Sanatório conta com uma equipe de 92 funcionários, além das 12 equipes de médiuns passistas que fazem o tratamento espiritual de segunda-feira a sábado nos períodos matutino e noturno. O Sanatório está passando por dificuldades financeiras, por isso, lançou a campanha “O Sanatório Espírita Pede Socorro”. Se você desejar ajudar o Sanatório Espírita de Uberaba, faça sua doação na Conta Poupança do Sanatório Espírita de Uberaba – Caixa Econômica Federal – Agência: 1538 – Conta: 013.7394-6 Mais informações pelo telefone (34) 33121869 com Márcio ou Sr. Moacir.

17


EDIÇÃO 18