__MAIN_TEXT__
1 minute read

4,8% em setembro puxadas pelo açúcar

Exportações do agro cresceram 4,8% em setembro puxadas pelo açúcar

Queda da produção de açúcar na Índia e na Tailândia permitiu o aumento das exportações brasileiras

O ritmo forte de embarques do setor sucroenergético impulsionou as exportações brasileiras do agronegócio em setembro. As vendas externas do setor subiram 89,8%, elevando as vendas setor para US$ 1,14 bilhão. As exportações de açúcar de cana em bruto mais que dobraram, passando de US$ 420,36 milhões (setembro/2019) para US$ 888,38 milhões, alta de 111,3%.

De acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a queda da produção de açúcar na Índia e na Tailândia nesta safra de 2020 permitiu o aumento das exportações brasileiras. Ainda no setor sucroenergético, as exportações

de etanol também subiram, passando de US$ 112,19 milhões para US$ 124,38 milhões (+10,9%).

O total de vendas do setor ao exte-

DIVULGAÇÃO

rior em setembro somou US$ 8,56 bilhões, 4,8% mais que no mesmo mês do ano passado. A participação do agronegócio nas exportações totais do Brasil era de 40,2%, em setembro de 2019 subiu para 46,3% em setembro deste ano.

Com a exportação do adoçante em alta, a produção voltada ao açúcar continua forte, totalizando 31,95 milhões de toneladas até 1º de outubro. Esse volume representa que 46,96% da matéria-prima foi destinada à fabricação do adoçante, ante 35,31% no mesmo período de 2019.

“Do aumento total de 10,10 milhões de toneladas na produção de açúcar observada até o momento, cerca de 7,40 milhões derivam da mudança do mix de produção e os outros 2,70 milhões resultam do avanço da moagem e da melhor qualidade da matéria-prima colhida”, explica o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues.

“A despeito do aumento da proporção de cana dedicada a produção do adoçante nesta safra frente ao ciclo 2019/2020, este ainda permanece inferior ao valor observado no ciclo agrícola 2017/2018, quando o mix açucareiro atingiu a marca de 48,25%”, completou Rodrigues.