Page 1

www.impactoevangelistico.net

evangélico

A REVISTA QUE CONSTRÓI A SUA VIDA Julho 2016 / Edição 750

As provas históricas são categóricas

A VALIDEZ DO NOVO TESTAMENTO

PUBLICAÇÃO OFICIALL

MOVIMENTO MISSIONÁRIO MUNDIAL

TESTEMUNHOS

DEVOCIONAL

A luz que resgatou Luis

A grandeza das coisas pequenas

EVENTOS

Todo preparado para o Congresso Europeu Julho 2016 / Impacto evangélico

1


O TESOURO MAIS VALIOSO NA VIDA É PASSAR TEMPO EM FAMÍLIA

O CONSELHO QUE AS FAMÍLIAS PRECISAM QUARTAS E SÁBADOS

Bethel Televisión, o canal do Movimento Missionário Mundial transmite a mensagem da Palavra de Deus mediante uma programação cultural e educativa de Lima-Peru através de 6 satélites e via internet a todo o mundo.

MISIONÁRIO MUNDIAL 2 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


EDITORIAL

LEMBRA-TE DO QUE TENS RECEBIDO Rev. Gustavo Martínez Presidente Internacional del M.M.M.

“Tão-somente guarda-te a ti mesmo, e guarda bem a tua alma, que não te esqueças daquelas coisas que o teus olhos têm visto, e não se apartem do teu coração todos os dias de tua vida; e as farás saber a teus filhos, e aos filhos de teus filhos”. Deuteronômio 4:9.

E

m Apocalipse capítulo 3:3, o apóstolo João escreve à igreja de Sardes: “Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido; e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei”. Jesus disse: “Não vim ao mundo para condenar, vim para salvá-lo, mas minhas palavras os julgarão nos próximos dias”; isto é, você não poderá esquecer o que ouviu de Deus; independentemente do que você quiser a Palavra de Deus o julgará, o salvará ou o condenará. Se obedecer, será abençoado, justificado e livre de culpa; mas se for rebelde, esta mesma Palavra poderá sentenciá-lo e condená-lo. Por isso, deve ter muito cuidado de não esquecer o que Deus ordenou. Lembramos os homens que pregaram para que esse Santo Evangelho chegue a nossos corações, a aqueles que esperaram nosso crescimento espiritual. O apóstolo Paulo, em 1 Tessalonicenses 5:12-13, deixou o se-

guinte: “E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós, e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; e que os tenhais em grande estima e amor por causa da sua obra…”. Devemos lembrar e considerar nossos pastores, não esquecê-los. É importante não esquecer o que Deus fez por nós. A alma é o assento das emoções, e se não a conserva pode aparecer presunção. Em Salmos 103:2, Davi dizia para si mesmo: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios”. Exaltava a Deus e reconhecia que não era sua força, sua coragem ou sua destreza; mas o poder, a misericórdia e a graça de Deus. O pior que um cristão pode fazer é esquecer a misericórdia e o amor de Deus para com sua vida. É como o filho ingrato que depois de conseguir algum sucesso na vida, esquece a mãe que o cuidou, criou e educou; comportando-se como um mal-agradecido. Esquecer algo deste tipo é cair no pecado da ingratidão! l Julho 2016 / Impacto evangélico

3


www.impactoevangelistico.net

evangélico Diretor Fundador: Rev. Luis M. Ortiz Julho 2016 / Edição N° 750 USPS 012-850) PUBLICAÇÃO OFICIAL DO MOVIMENTO MISSIONÁRIO MUNDIAL O World-Wide Missionary Movement, Inc. é uma igreja sem fins lucrativos, com uma visão para fundar novas igrejas nos Estados Unidos da América e seus territórios e também com uma visão missionária para fundar novas igrejas onde Deus abre novas portas em todo o Mundo. PUBLICAÇÃO MENSAL POR: Movimiento Misionero Mundial, Inc (Movimento Missionário Mundial, Inc.) San Juan, Porto Rico Washington, D.C. Postagem Periódica pagada a: San Juan, Porto Rico 00936

AGENTE DO CORREIO:

enviar variações de endereço a Impacto Evangélico P.O. BOX 363644 San Juan, Porto Rico 00936-3644 Telefono (787) 761-8806; 761-8805; 761-8903 OFICIAIS DO M.M.M. INC Rev. Gustavo Martínez Rev. José Soto Rev. Rubén Concepción Rev. Rodolfo González Rev. Álvaro Garavito Rev. Margaro Figueroa Rev. Rómulo Vergara Rev. Humberto Henao Rev. Luis Meza

Presidente Vice-presidente Secretario Tesoureiro Diretor Diretor Diretor Diretor Diretor

OBRAS ESTABELECIDAS EM: África do Sul Alemanha Argentina Aruba Austrália Áustria Bélgica Belize Bolívia Bonaire Brasil Camarões Canadá Chile Colômbia Congo Costa do Marfim Costa Rica Curaçao Dinamarca El Salvador Equador Espanha EUA Filipinas

Finlândia França Gabão Gana Guatemala Guiana Francesa Guiana Inglesa Guiné Equatorial Haiti Havaí (EUA) Holanda Honduras Ilha de San Andrés (Col.) Ilha Rodrigues Ilhas Canárias (Espanha) Índia Inglaterra Israel Itália Jamaica Japão Kuwait Madagáscar

Malásia Maurício México Mianmar Nicarágua Nigéria Oman Panamá Paraguai Peru Porto Rico Portugal República Dominicana Roménia Saint Martin Suécia Suíça Suriname Trinidad e Tobago Ucrânia Uruguai Venezuela

Depósito Legal na Biblioteca Nacional do Peru N ° 2011-02530 Igreja Cristã do Pentecostes do Movimento Missionário Mundial: Av. 28 de Julio 1781 - Lima 13 - Peru Impressão: Quad/Graphics Perú S.A. Av. Los Frutales 344 - Lima 03 - Perú MISIONÁRIO MUNDIAL 4 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

O Movimento Missionário Mundial é uma organização religiosa sem fins lucrativos, devidamente registrada em San Juan, Porto Rico, e na capital federal, Washington DC com sede nas duas cidades, bem como em todos os estados da União Americana e em outros países onde temos obras missionárias estabelecidas. Importante As ofertas e doações em dinheiro, computadores, imóveis, legados em testamento, para o benefício desta obra do Movimento Missionário Mundial, Inc. são dedutíveis do imposto de renda (Income Tax) e os recibos emitidos pelo Movimento Missionário Mundial são reconhecidos pela Diretoria das Rendas Internas (IRS), do Governo Federal dos Estados Unidos da América e do Estado Livre Associado de Porto Rico. n

Visite o nosso website Obtenha informação edificante da Obra de Deus e fique a par das últimas notícias. Um acesso personalizado a partir de qualquer lugar do mundo: www.impactoevangelistico.net n

Se você quiser Escreva-nos para o nosso endereço postal: Movimiento Misionero Mundial, Inc. P.O. Box 363644 San Juan, P.R. 00936-3644 n

Copyright © 2009 Impacto Evangélico Movimiento Misionero Mundial, Inc. (World-Wide Missionary Movement, Inc.) Todo o conteúdo da revista e cada edição subseqüente está devidamente registrada na Biblioteca do Congresso, Washington, DC EUA. Todos os direitos reservados. A reprodução parcial, completa ou em qualquer forma ou sua tradução para outros idiomas sem a autorização do Diretor é proibida. No âmbito dos acordos internacionais de direitos autorais é um crime punível por lei n

Declaração Doutrinária O Movimento Missionário Mundial adere às doutrinas fundamentais da Bíblia, tais como: n

• A inspiração das Escrituras Sagradas: 2 Timóteo 3:15-17, 2 Pedro 1:19-21. • A Divindade adorável em Três Pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo: Mateus 3:16-17, 17: 1-5; 28:19 João 17: 5, 24, 26, 16:32, 14:16, 23, 18:05, 6, 2 Pedro 1:17,18; Apocalipse 5. • A salvação pela fé em Cristo: Lucas 24:47, João 3:16, Romanos 10:13, Tito 2:11, 3:5-7. • O Novo Nascimento: João 3:3, 1 Pedro 1:23, 1 João 3:9. • A Justificação pela Fé: Romanos 5:01, Tito 3:07. • O Batismo nas águas por imersão, segundo ordenado por Cristo: Mateus 28:19, Atos 8:36-39. • O Batismo no Espírito Santo, subseqüente à salvação, falando em outras línguas, segundo: Lucas 24:49, Atos 1:4, 8, 02:04. • A Cura Divina: Isaías 53:4, Mateus 08:16, 17, Marcos 16:18, Tiago 5:14, 15. • Os Dons do Espírito Santo: 1 Coríntios 12:1-11. • Os frutos do Espírito Santo: Gálatas 5:22-26. • A Santificação: 1 Tessalonicenses 4:03, 5:23, Hebreus 0:14, 1 Pedro 1:15, 16, 1 João 2:6. • O Ministério e a Evangelização: Marcos 16:15-20, Romanos 10:15. • O dízimo e a Sustentabilidade da Obra: Gênesis 14:20, 28:22, Levítico 27:30, Números 18:21-26, Malaquias 3:7-10, Mateus 10:10; 23:23. • A ascensão da Igreja: Romanos 8:23, 1 Coríntios 15:51 - 52, 1 Tessalonicenses 4:16-17. • A Segunda Vinda de Cristo: Zacarias 14:1-9, Mateus 24:30, 31, 2 Tessalonicenses 1:07, Tito 2:13, Judas 14, 15. • O Reino Milenar: Isaías 2:1-4, 11:5-10, Zacarias 9:10, Apocalipse 19:20, 20:3-10. • Novos Céus e Nova Terra: Isaías 65:17, 66:22, 2 Pedro 3:13, Apocalipse 21:1.


SOMMARIO Encontrar-nos em

www.facebook.com/impactoevangelistico

Nota de capa. O que diz a ciência sobre o novo testamento? Infográfico. Um percurso pelo Novo Testamento. Fatos. Às portas do congresso europeu. Internacional. As consequências do Brexit. Bem-estar. A violência e a saúde Literatura. O pastor e seu ministério. Música. Mais vontade dá-me. Heróis da fé. O missionário smith. Histórias de vida. A luz que resgatou luis da obscuridade. Entrevista. “Quando deus está comigo, eu estou completa”. Devocionais. Evento. O panamá em mãos do senhor. Cartas.

6

14 16

20 22

24 28

3034 40

42-47

48-65 66 Julho 2016 / Impacto evangélico

5


O QUE DIZ A CIÊNCIA SOBRE O NOVO TESTAMENTO? O Novo Testamento é a principal fonte histórica que fornece informação acerca de Jesus. Devido a isto, durante os séculos XIX e XX muitos críticos atacaram a confiabilidade dos documentos bíblicos. Parece que há uma constante quantidade de acusações que não tem fundamento histórico ou que foram descartadas pela investigação e pelas descobertas arqueológicas. Josh McDowell

MISIONÁRIO MUNDIAL 6 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


NOTA DE CAPA

Julho 2016 / Impacto evangĂŠlico

7


N

o século XX, as descobertas arqueo¬lógicas confirmaram a exatidão dos manuscritos do Novo Testamento. A descoberta dos antigos manuscritos (o manus¬crito John Ryland, 130 A. D.; o papiro Chester Beatty, 155 A. D.; e o papiro Bodmer II, do ano 200) serviu de ponte entre o tempo de Cristo e os manuscritos existentes da data posterior. [A. D.: Anno Domini, no ano do Senhor] Millar Burrows, da Universidade de Yale, diz: “Outro resultado de comparar o Novo Testamento em grego com a língua dos papiros [descobertos] é o aumento na confiança da precisão de transmissão dos textos do Novo Testa¬mento”. Descobertas desta natureza aumentaram a segurança dos eruditos na confiabilidade da Bíblia. MISIONÁRIO MUNDIAL 8 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

William Albright, considerado o mais desta¬cado arqueólogo bíblico no mundo, escreve: “Já podemos dizer enfaticamente que não há mais nenhuma base sólida para datar qualquer livro do Novo Testamento depois de 80 A. D. Isto significa que foi escrito duas gerações antes das datas indicadas pelos críticos contemporâneos mais radicais do Novo Testamento”. Ele reitera este conceito em uma entrevista concedida à revista Christianity Today (Cristianismo Hoje): “Em minha opinião, cada livro do No¬vo Testamento foi escrito por um judeu batizado entre os anos quarenta e oitenta do primeiro século A. D.”. Sir William Ramsay é considerado um dos arqueólogos mais renomados na história. Estudou em uma escola alemã de História que ensi-


NOTA DE CAPA

nava que o livro de Atos foi produto da metade do século segundo A. D. e não do pri¬meiro século, como o livro parece indicar. Depois de ler a crítica moderna acerca do li¬vro de Atos, ficou convencido de que esse não era um documento fidedigno em relação com os acontecimentos desse período da his¬tória (50 A. D.) e que, portanto, não merecia ser considerado por um historiador. Por isso em sua pesquisa sobre a história da Ásia Menor, Ramsay dedicou muito pouca atenção ao Novo Testamento. Porém, no curso do tempo, sua pesquisa o obrigou a considerar os escritos de Lucas. Observou a meticulosa precisão dos de¬talhes históricos e paulatinamente começou a mudar sua atitude sobre o livro de Atos. Então forçosamente concluiu que “Lucas é um historiador

A PROVA BIBLIOGRÁFICA A prova bibliográfica é um exame da trans¬missão textual mediante a qual os documentos chegaram a nós. Em outras palavras, devido a que não temos os documentos originais, quão confiáveis são as cópias que temos em relação com o número de manuscritos e o intervalo de tempo transcorrido entre o original e a cópia existente? Podemos apreciar a tremenda riqueza de au¬toridade do manuscrito do Novo Testa-

A aplicação da prova bibliográfica ao Novo Testamento confirma que, quanto aos manuscritos, tem mais autoridade que qualquer obra da literatura clássica. Além disso, durante mais de 100 anos houve uma intensa crítica textual ao Novo Testamento, assim podemos concluir que foi estabelecido um autêntico texto do Novo Testamento.

Seguir lendo­––

FOTO: AFP

FOTO: AFP

de primeira categoria… esse autor deve estar ao lado dos maiores historiadores”. Como consequência da exatidão dos detalhes, Ram¬say aceitou finalmente que o livro de Atos não era um documento do século II, mas do I. Muitos dos críticos modernistas estão obrigados a considerar que o Novo Testamento foi escrito em uma época anterior à que pensavam. Hoje, os críticos da “forma” dizem que o material se espalhou oralmente até que foi es¬crito em forma de Evangelho. Apesar de que o período foi muito mais curto do que se cria, concluem que os relatos do Evangelho tomaram a forma da literatura popular (lendas, con¬tos, mitos e parábolas). Eu considero que a confiabilidade his¬tórica das Sagradas Escrituras deve ser prova¬da mediante os mesmos critérios com os quais os documentos históricos são aprovados. O historiador militar C. Sanders enumera e explica os três princípios básicos da historiologia: a prova bibliográfica, a prova das evidências internas e a prova das evidências externas.

Julho 2016 / Impacto evangélico

9


FOTO: AFP

Sherwin–White, um historiador clássico, escreve que “para o livro de Atos, a confirmação de sua historicidade é esmagadora”. “Qualquer tentativa de rejeitar sua historicidade básica, ainda em matéria de detalhes, agora pode parecer absurdo. Há muito tempo os historiadores o consideram verídico”.

Continuar lendo––

mento ao compará-lo com material textual proveniente de outras fontes antigas notáveis. Aristóteles escreveu sua obra Poética aproximadamente em 343 a. C. Porém, a mais antiga cópia que temos dela data de 1100 d. C. Isso significa que entre o original e a cópia houve um período de aproximadamente 1400 anos. César compôs sua História das Guerras Gálicas entre 58 e 50 A. D. A autoridade de sua obra, no que se refere a manuscritos, está baseado em nove ou dez manuscritos escritos mil anos após sua morte. Quanto aos manuscritos, quando se trata da autoridade do Novo Testamento, contrariamente a abundância do material é des¬concertante. Após a descoberta dos antigos manuscritos em

MISIONÁRIO MUNDIAL 10 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


NOTA DE CAPA

papiro que serviram como ponte entre os tempos de Cristo e o século I, outros manuscritos apareceram em abundância. Hoje existem mais de 20 000 cópias manus¬critas do Novo Testamento. Da Ilíada, por exemplo, existem 643 manuscritos, e é a obra que ocupa o segundo lugar quanto à autoridade de manuscritos, depois do Novo Testamento. O erudito em Novo Testamento grego, J. Ha¬rold Greenlee, afirma: “Devido a que os eruditos aceitam geralmente como fidedignos os escri¬tos dos antigos clássicos, apesar de que seus manus-critos mais antigos foram escritos muitíssimo tempo depois que os originais, e há poucos manuscritos existentes em muitos casos, fica claro que a fidelidade do texto do Novo Testamento também está confirmada”.

A aplicação da prova bibliográfica ao Novo Testamento confirma que, quanto aos manuscritos, tem mais autoridade que qual¬quer obra da literatura clássica. Além disso, durante mais de 100 anos houve uma intensa crítica textual ao Novo Testamento, assim podemos concluir que foi estabelecido um autêntico texto do Novo Tes¬tamento. AS EVIDÊNCIAS INTERNAS A prova biblio¬gráfica unicamente demonstrou que o texto que atualmente se conhece é o que foi originalmente escrito. Ainda não se determinou se esse documento é crível e até que ponto. Isto corresponde à crítica interna, que é a segunda prova que C. Sanders planteia sobre historicidade.

Seguir lendo­–– Julho 2016 / Impacto evangélico

11


Continuar lendo––

Os discípulos não podiam correr o risco de apresentar dados inexatos, ainda menos manipular maliciosamente os fatos, pois teriam sido descobertos imediatamente por outros que tivessem estado satisfeitos de poder fazê-lo. Mas aconteceu tudo o contrário: um dos pontos fortes que surgem da pregação inicial dos apóstolos é a confiança com que apelam aos conhecimentos que tinham aqueles que os ouviam.

MISIONÁRIO MUNDIAL 12 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Neste ponto, a crítica literária ainda se¬gue a máxima de Aristóteles: “O benefício da dúvida deve ser aplicado ao documento mesmo, nunca ao crítico”. Dito de outra maneira, e segundo John W. Montgomery: “Precisamos ouvir as alegações do documento analisado, e não assumir a hipótese de fraude ou erro, a não ser que o próprio autor se desacredite, caindo em contradições ou cometendo erros sobre os fatos conhecidos”. Louis R. Gottschalk, ex-professor de História da Universidade de Chicago, expõe seu método histórico em um guia que muitos usam em sua pesquisa histórica e afirma que a “capacidade para dizer a verdade”, do escritor ou do testemunha, é útil para o historiador a fim de determinar a credibilidade, “apesar de que o testemunho desta ‘ca¬pacidade’ esteja em um documento obtido por força ou mediante fraude, ou em qualquer outro sentido censurável, ou esteja baseado em testemunhos de referência, ou proceda de uma testemunha interessada”. Esta “capacidade de dizer a verdade” está intimamente relacionada com a proximidade da testemunha tanto geográfica quanto cronologicamente aos acontecimentos que escreve. Os escritos do Novo Testamento sobre a vida e os ensinamentos de Jesus foram redigidos por homens que foram testemunhas oculares dos eventos reais e dos ensinamentos de Cristo, ou por pessoas que ouviram acontecimentos diretamente das testemunhas oculares. Lucas 1:1-3: “Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que en¬tre nós se cumpriram. Segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o principio, e foram ministros de palavra. Pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelente Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio”. São João 19:35: “E aquele que o viu testificou, e o seu testemunho é verdadeiro; e sabe que é verdade o que diz, para que também vós o creiais”. São Lucas 3:1: “E no ano quinze do império de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos presidente da Judeia, e Herodes tetrarca da Gali¬leia, e seu irmão Filipe tetrarca de Itureia e da província de Traconites, e Lisânias tetrarca de Abiline…”. Esta proximidade com os acontecimentos escritos é um meio muito efetivo para certificar com exatidão o que a testemunha fornece.

O historiador, porém, também tem que lidar com a testemunha ocular que consciente ou incons¬cientemente diz falsidades, apesar de estar perto do evento e seja competente para dizer a verdade. Os dados do Novo Testamento acerca de Cristo estavam em circulação durante a vida daqueles que viveram na época de Cristo. Essas pessoas realmente podiam confirmar ou negar a exatidão dos aconteci¬mentos. Em defesa de seu argumento a favor do Evangelho, os apóstolos testificaram o acon¬tecimento comum que tinham de Jesus, mesmo enfrentando seus mais implacáveis oponentes. Eles não só disseram: “Olhai, nós vimos isso” ou “Nós ouvimos que…”; mas também devolveram o desafio, e justo na frente de seus críticos mais severos disseram: “E vós também sabeis acerca destas coisas…” “Vós as vistes; vós mesmos sabeis acerca disso”. É melhor que um se cuide quando diz a seus opo¬sitores: “Vós mesmos o sabeis”, pois se um não sabe bem o que diz e não é exato, é rejeitado imediatamente e será censurado por isso. Quanto ao valor da fonte primária dos documentos do Novo Testamento, F. F. Bruce diz: “Mas os pregadores primitivos não só tiveram testemunhas amigáveis; também houve outros que eram menos dispostos, mas também conheciam os fatos mais importantes do ministério e da morte de Jesus. Os discípulos não podiam correr o risco de apresentar dados inexatos, ainda menos manipular maliciosamente os fatos, pois teriam sido descobertos imediatamente por outros que tivessem estado satisfeitos de poder fazê-lo. Mas aconteceu tudo o contrário: um dos pontos fortes que surgem da pregação ini¬cial dos apóstolos é a confiança com que ape¬lam aos conhecimentos que tinham aqueles que os ouviam. Não só disseram: ‘Nós so¬mos testemunhas destas coisas’, mas que acrescentaram, ‘como vós mesmos bem sabeis’ (Atos 2:22). Se tivesse acontecido qualquer tendência a se afastar dos fatos em qualquer forma, possíveis testemunhas hostis no auditório teriam feito posteriormente a respectiva correção”. Ernesto Trenchard ensinou exegeses durante cinquenta anos na Espanha e seu magistério conseguiu formar “escola”. Seus livros sobre esta matéria são conhecidos na América Latina. Comentando os fragmentos correspondentes a Atos 2:22 e 26:26-29, ele salienta as amplas repercussões que as obras de Jesus tiveram em


NOTA DE CAPA

círculos nada suspeitosos de influência cristã: “… as características principais do ministério de Jesus eram conhecidas por muitas das mencionadas testemunhas, favoráveis e contrárias. Um tal ‘Jesus Nazareno’ tinha vivido entre eles, e nos estreitos limites territoriais da Palestina tinha realizado um ministério extraordinário. Os milagres eram inegáveis e faziam parte da conversa de milhares de lares e pontos de reunião dos judeus. Mas declara que estas obras eram as ‘credenciais’ que Deus lhe deu para que todos saibam que sua missão era divina”. AS EVIDÊNCIAS EXTERNAS A terceira prova da história é a das evi¬dências externas. O que se discute aqui é se outro material histórico confirma ou nega o testemunho interno dos documentos em questão. Dito de outra forma, quais são as fontes existentes, fora da literatura ana¬lisada, que comprovam sua exatidão, confiabili¬dade e autenticidade? Gottschalk argumenta que “o pacto ou o acordo com outros fatos conhecidos, históricos ou científicos é comumente a prova decisiva do testemunho, de uma ou mais testemunhas”. Dois amigos do apóstolo João confirmam a evidência interna dos relatórios. O historiador Eusébio preserva escritos de Papias, arcebispo de Hierápolis (130 A. D.): “O Ancião [o após¬tolo João] costumava dizer também isto: Mar¬cos, como o intérprete de Pedro, que ajustava seus ensinamentos segundo as necessidades e não como estivesse fazendo uma compilação de frases do Senhor. Portanto, Marcos não cometeu erros quando escreveu as coisas como as menciona, pois pôs atenção em uma única coisa: não omitir nada de tudo o que tinha escutado nem incluir nenhuma declaração falsa entre tudo isso”. Ireneu, bispo de Lyon, escreveu: “Mateus publicou seu Evangelho entre os hebreus [isto é, judeus] em sua própria língua, quando Pedro e Paulo estavam pregando o Evangelho em Roma e fortalecendo a Igreja ali. Após sua par¬tida [isto é, sua morte, que uma sólida tradição coloca no tempo da perseguição de Nero no ano 64], Marcos, o discípulo e intérprete de Pedro, pessoalmente nos entregou por escrito a substância da pregação de Pedro. Lucas, o companheiro de Paulo, escreveu em um livro o Evangelho pregado por seu mestre. Então João, o discípulo do Senhor, aquele que se inclinou sobre o peito de Jesus [essa é uma referência a João 13:25; 21:20], produziu seu próprio Evan-

gelho quando vivia em Éfeso, na Ásia”. A arqueologia oferece frequentemente um po¬deroso testemunho externo. Contribui para a crítica bíblica, não como inspiração e reve¬lação, mas pelas evidências sobre a exatidão dos acontecimentos narrados. O arqueólogo Joseph Free escreve: “A arqueologia confirmou numerosas pa¬ssagens que tinham sido rejeitadas pelos críticos como lendas ou contrárias aos fatos conhecidos”. F. F. Bruce diz que “quando se suspeitou a falta de exatidão de Lucas, e a exatidão foi corroborada [pela] evidência de algum texto [evidência externa], pode-se dizer legiti¬mamente que a arqueologia confirmou os dados do Novo Testamento”. A. N. Sherwin-White, um historiador clássi¬co, escreve que “para o livro de Atos, a confirmação de sua historicidade é esmagadora”. “Qualquer tentativa de rejeitar sua historicidade básica, ainda em matéria de detalhes, agora pode parecer absurdo. Há muito tempo os historiadores o consideram verídico”. Depois de tentar pessoalmente aniqui¬lar a historicidade e a validez das Sagradas Escrituras, eu cheguei à conclusão de que são historicamente fidedignas. Se alguma pessoa descartar a Bíblia por não considerá-la veraz neste sentido, terá que descartar a maior parte da literatura da antiguidade. Um dos problemas que constantemente enfrentou é a intenção de muitos de aplicar um patrão de prova à literatura secular e outro à Bíblia. Temos que aplicar a mesma prova se a literatura investigada é secular ou religiosa. Tendo feito isto, acho que podemos dizer: “A Bíblia é fidedigna e seu testemunho acerca de Jesus é verdade” l Julho 2016 / Impacto evangélico

13


O Novo Testamento foi escrito alguns anos após a morte de Jesus. As datas exatas não estão documentadas. Ao observar os acontecimentos históricos vistos no texto e ao estudar a escritura e a linguagem

que os autores do Evangelho utilizaram, os eruditos e pesquisadores bíblicos podem fazer estimativas fundamentadas sobre as datas em que a maior parte do Novo Testamento foi escrito.

UM PERCURSO PELO

O novo testamento contém

48

Tiago (40-45)

30 DESCIDA DO ESPÍRITO SANTO

Cartas gerais

30

27 livros

CRUCIFICAÇÃO E RESSURREIÇÃO DE JESUS

NOVO TESTAMENTO

Mateus e Atos

Cada um conta com 28 capítulos.

Jesus inicia seu ministério (26)

Nascimento de Jesus (5-4)

Jesus no templo aos 12 anos (8)

Ano 0 MOVIMENTO MISIONÁRIO MUNDIAL

14 América • Europa • Oceanía • África • Asia

Ascenção de Jesus (30)

Pedro prega aos gentios (37 - 38)

Conversão de Saulo (34)

PAULO INICIA SUAS VIAGENS MISSIONÁRIAS

Os livros mais extensos do Novo Testamento são


94%

profecias mencionadas nos livros foram escritas após os acontecimentos históricos. A maioria das datas são aproximadas. As datas separadas por um hífen indicam um marco de tempo referencial.

Filipenses

Romani 2 Coríntios Gálatas

2 Tessalonicenses

Paulo em Roma (62)

APOCALIPSE (95)

70

1-3 JOÃO (85-95) JOÃO (89-95)

LUCAS-ATOS (62)

Martírio de Paulo e Pedro em Roma (67)

QUEDA DE JERUSALÉM E DO TEMPLO

EFÉSIOS FILIPENSES COLOSSENSES FILEMOM (62)

ROMANOS (57)

MATEUS (55-65)

Paulo encarcerado em Cesárea (59)

Terceira viagem missionária de Paulo (52-57)

Tito

1 Tessalonicenses Filémon 1 Timóteo

Efésios

1 PEDRO (62-63) Concílio em Jerusalém (48-49)

2 CORÍNTIOS (56)

GÁLATAS (54) (48?) 1 CORÍNTIOS (54) MARCOS (53-55)

Evangélicos –História

1 TESSALONICENSES 52

1 TESSALONICENSES 51

Cartas de Paulo

Segunda viagem missionária de Paulo (49-51)

2 Timóteo

2 PEDRO JUDAS (64-67)

o Novo Testamento

Colossenses

2 TIMÓTEO (67)

13 livros

1 Coríntios

HEBREUS (60-70)

O apóstolo Paulo escreveu

1 TIMÓTEO TITO (63-64)

A datação dos escritos do Novo Testamento pode refletir a opinião de um erudito na teologia cristã. Geralmente, os tradicionalistas e os cristãos praticantes debatem quais são as datas próximas à vida de Jesus. Os eruditos externos à tradição cristã costumam pôr datas posteriores nos escritos, argumentando que as

O livro mais curto é

2 João

com 13 versículos Julho 2016 / Impacto evangélico

15


ÀS PORTAS DO CONGRESSO EUROPEU “Edificando o reino de Deus com retidão” será o lema d o II Congresso Europeu, que será realizado de 10 a 14 de agosto em Madrid, Espanha.

A

realização do II Congresso Europeu despertou uma grande expectativa entre milhares de irmãos do Velho Continente e de outros cantos que estarão neste evento espiritual de grande significado para o Movimento Missionário Mundial (MMM). O acontecimento, que se realizará de 10 a 14 de agosto no Hotel Marriot Auditorium de Madrid, Espanha, abrigará aproximadamente 3000 pessoas espalhadas em seu salão central e outras 2000 em dois recintos adjacentes, onde serão colocados dois enormes projetores para visualizar o desenvolvimento MISIONÁRIO MUNDIAL 16 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


HECHOS

do II Congresso Europeu de início ao fim. Os organizadores do evento confirma¬ram a presença dos oficiais internacionais do MMM, liderados pelo Presidente da Obra, Rev. Gustavo Martínez Garavito; o VicePresidente e Supervisor da Europa, Rev. José Soto, os demais integrantes da oficialidade e o Supervisor do Bloco B do continente europeu, Rev. David Echalar. Todos serão bem recebidos pelo anfitrião e organizador do evento, Rev. Carlos Me¬dina, Supervisor do Bloco A e da Espanha. Junto a eles estará uma enorme de-

legação de supervisores, pastores e irmãos de diver¬sos países, como o Peru, que se destaca por ter o maior número de representantes, Colômbia, Estados Unidos, Pana¬má e outras nações, que se unirão aos 14 países europeus presentes neste encontro. LEMA DO CONGRESSO “Edificando o reino de Deus com retidão” foi o lema escolhido pelos oficiais inter¬nacionais da Obra para o II Congresso Europeu, inspirados pela passagem bíblica de 1 Coríntios 3:10, que diz: “Segundo

Seguir lendo­–– Julho 2016 / Impacto evangélico

17


BETHEL NA EUROPA

D

esde maio passado, uma equipe de Bethel Televisión viajou ao Velho Continente para gravar os diferentes spots do II Congresso Europeu, que se emitirão a partir de 20 de julho. Sem dúvida, impactarão no público do evento, e serão visualizados por meio de seus televisores, computadores ou seus smartphones.

Continuar lendo––

MISIONÁRIO MUNDIAL 18 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele”. Haverá uma série de eventos especiais musi¬cais de irmãos dos países europeus, que mostrarão seu fervor ao Senhor mediante seus louvores em diversas línguas. A men¬sagem da Palavra de Deus coroará cada ati¬vidade, junto com o serviço missionário, que se realizará em uma de suas jornadas.

COMISSÕES DO EVENTO Já que a transcendência do encontro unirá todo o continente, haverá várias comissões de trabalho que se dedicarão a decorar o estrado e receber os congressistas, bem como ao trans¬porte, hospedagem, publicidade e segurança do evento. Além disso haverá guardas para manter a ordem no recinto e realizar outras tarefas. Eles fo¬ram capacitados meses atrás para a boa realização do evento cristão. Também se contará com uma comissão


REALIDAD HECHOS

de imprensa, que reportará todas as incidências do evento mediante uma ampla cobertura jornalística no sítio web que se elabora e nas redes sociais. AO VIVO O II Con¬gresso Europeu será transmitido de por rádio e televisão através de Bethel Televisión, que com um sofisticado equipamento de telecomunicações transmitirá ao vivo to¬das as incidências deste encontro espiri¬tual, por meio de seu sinal em alta definição ou HD, e

para seus sete satélites e internet. Junto com eles, um grupo de irmãos das igrejas de Barcelona e Gênova capacita¬do em comunicações se deslocará à sede do evento, o auditório do Hotel Ma¬rriot de Madrid, Espanha, e dará seu grandioso apoio. Por outro lado, várias emissoras de rádio e televisão cristãs do Movimento Missionário Mundial, situadas em outros cantos, transmitirão simultaneamente e em diferentes espaços tudo o que acontece neste encontro europeu l Julho 2016 / Impacto evangélico

19


AS CONSEQUÊNCIAS DO BREXIT Brexit é um termo abreviado de duas palavras em inglês: Britain (Grã-Bretanha) e exit (saída), que significou a saída do Reino Unido da União Europeia, a associação política e econômica formada por 28 países. Este fato causou comoção na economia mundial.

O

Brexit se tornou a palavra mais mencionada nos últimos meses em quase todo o mundo. A alternativa era Bremain (Britain e Remain: permanecer) que não soou tanto e os resultados foram os que são vistos agora. O Reino Unido fez parte da que então era a Comunidade Econômica Europeia (CEE) em 1973, mas decidiu se manter à margem do espaço Schengen, criado em 1985, em referência ao trânsito sem visto, e era formado por 26 países que aboliram suas fronteiras internas. Em 1993 se integrou ao mercado único, que promove o livre movimento de bens e pessoas como se os Estados-membros fossem um único país. No entanto, não adotou o euro e continua usando sua própria moeda, a libra esterlina.

FOTO: AFP

OS MOTIVOS Atrás dos promotores do Brexit, houve antigas e novas motivações: o receio perante o poder político e central de Bruxelas, centro da União Europeia, o controle da imigração, a defesa da

MISIONÁRIO MUNDIAL 20 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

soberania nacional, o orgulho por um carácter britânico insular e diferenciado do resto da Europa, os desafios de segurança, entre outras. O primeiro-ministro, David Cameron, estava a favor da permanência, bem como 16 dos 21 membros de seu governo. Porém, o Partido Conservador se declarou neutro. O Partido Laborista, o Partido Nacionalista Escocês (SNP), o galês Plaid Dymru e o Partido Liberal também estavam a favor da permanência. Os que defendiam a permanência argumentavam que o Reino Unido ganhava muito sendo membro da UE graças à acessibilidade de vender bens e serviços a outros países de forma mais fácil e também declaravam que a chegada de imigrantes, maiormente jovens com vontade de trabalhar, favorece o crescimento econômico e ajuda a financiar os serviços públicos e as empresas. Outro argumento era que o status internacional de Reino Unido se prejudicaria pelo abandono da UE e que o Reino Unido estava mais seguro fazendo parte da união que por si mesmo. Um dos partidos do lado contrário era o partido nacionalista (UKIP) que nas últimas eleições parlamentares obteve 13% dos votos, quase a metade dos parlamentários do Partido Conservantista, incluídos cinco membros do governo e alguns parlamentários laboristas. Os que promoviam esta opção afirmam que a pertença à UE é um obstáculo para o desenvolvimento do Reino Unido, devido a que gastam mais do que recebem, e que as regulações europeias, que consideram excessivas, prejudicam as empresas britânicas. Também querem que o Reino Unido recupere o completo controle de suas fronteiras e que se reduza o número de estrangeiros que chegam ao país à procura de trabalho. CONSEQUÊNCIAS O grande fator que gerou o voto favorável à


FOTO: AFP

INTERNACIONAL

saída do Reino Unido, junto com o recrudescimento da crise dos refugiados e a fraqueza das reformas da zona Euro, poderia marcar o início de um inevitável declínio da União como experimento político supranacional. Londres, um dos maiores centros financeiros em nível mundial, poderia perder mais de cem mil empregos porque o Brexit obrigaria muitas companhias a partir para outras cidades da zona Euro. Muitos jovens ingleses disseram que perderam o direito a viver e trabalhar em 27 países por causa do Brexit. Além disso, só algumas horas depois do referendo, a libra esterlina sofreu quedas de 4% e 6% respeito ao euro e ao dólar estadunidense. Além disso, os principais mercados bolsistas europeus também foram afetados. A saída da Grã-Bretanha dentro da UE não só afetaria o sistema financeiro britânico, mas também sua própria indústria. Segundo a publicação de ‘The Times’, o Brexit suporia uma incerteza para as empresas, menos comércio com a Europa e menos postos de trabalho. Além do problema dos refugiados e a crise

da zona euro, a saída do Reino Unido enfraqueceria ainda mais a União Europeia, que deveria resolver a perda de um dos membros que defendeu com mais força as políticas do livre mercado. O processo até a saída efetiva que pode durar um par de anos, e o estabelecimento de uma nova relação estável será de longo prazo e está cheio de incerteza, o que poderia afetar negativamente as economias europeias. Um analista retratou detalhadamente o que aconteceu em 24 de junho, afirmando que ninguém festeja um divórcio, isto é uma separação. As pessoas festejam um casamento, a união. No dia seguinte do divórcio, ambos ficam mais pobres. Antes, a casa era paga entre os dois membros, agora cada um tem que pagar sua casa, pagam mais e têm uma casa menor; e o mesmo com a luz, e o carro, as férias e todas as despesas. Pagam mais e têm menos. A desunião os fez mais pobres subitamente. O mesmo acontece agora com o Reino Unido e a UE. A desunião empobrece, por mais que os populistas insistam em afirmar o contrário l Julho 2016 / Impacto evangélico

21


A VIOLÊNCIA E A SAÚDE A violência geralmente é inaceitável como mecanismo de relação entre os seres humanos, nomeadamente quando as crianças e as mulheres são agredidas em forma física, psicológica, verbal, os afetados podem sofrer danos irreversíveis.

Walter Menchola Vásquez (*)

H

(*) Médico internista, Mg. Gestão e Políticas Públicas. MISIONÁRIO MUNDIAL 22 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

á uma ideia generalizada de que a violência é um componente iniludível da condição humana, um problema cuja prevenção envolve o sistema de justiça penal e que o principal papel do setor da saúde é o tratamento e a reabilitação das vítimas. Essas suposições mudaram quando se demonstrou que a saúde pública contribui para cortar pela raiz as causas destas afecções complexas, graças ao sucesso das medidas de prevenção aplicadas a outros problemas sanitários relacionados com o comportamento como as cardiopatias, con-

sumo das drogas e o VIH/sida. Não se pode explicar porque uma pessoa tem um comportamento violento e outra não. Por essa razão, este estudo precisa de modelos que incluam componentes sociais, culturais, eco¬nômicos, políticos e biológicos (modelo eco¬lógico). O relatório da situação mundial da prevenção da violência (2014) indica que em 2012, 475 000 pessoas foram assassinadas, e a taxa de homicídios se tornou a terceira causa de morte no mundo entre os homens de 15 a 44 anos, apesar da diminuição de


FOTO: AFP

BEM-ESTAR

assassinatos no mundo de 16% entre 2000 e 2012. Por cada pessoa que morre por causas vio¬lentas, muitas mais resultam feridas e sofrem diversos problemas físicos, sexuais, reprodutivos e mentais. Quanto às economias dos países, a violência ocasiona uma im¬portante despesa de milhares de milhões de dólares, por atenção sanitária, gastos judiciais e poli¬ciais e perda de produtividade. As mulheres e as crianças têm um sofri¬mento alto pelos atos de violência não mor¬tais. Um de cada quatro meninos sofreu maus-tratos físicos; uma de cada quatro meninas foi vítima de abusos sexuais e uma de cada três mulheres foi vítima de violência

física ou sexual feita por seu cônjuge em algum momento de sua vida (OMS). É importante enfrentar a violência como patologia individual e social porque os danos que provoca podem ser permanentes, com sequelas dolorosas para nós, nossas famílias e a comunidade. A violência faz com que as vítimas tomem condutas de risco, como o uso das drogas e as práticas sexuais promíscuas; além disso, incrementa as principais causas de morte, como o câncer, doenças cardiovasculares, VIH/sida, acidentes de trânsito, violência física (homicídios, violência doméstica). As estratégias centradas no indivíduo têm eficácia demonstrada e servem para prevenir a violência: programas de enriquecimento em idade pré-escolar (de 3 a 5 anos); preparação para a vida diária; programas de desenvolvimento social para crianças, adolescentes e adultos jovens de alto risco (de 6 a 18 anos). Também há estratégias centradas na família: formação dos pais (desenvolvimento infantil, disciplinas educativas não violentas e atitudes para resolver problemas familiares); fomento da participação dos pais na vida das crianças e adolescentes (impulsionar aliança entre a escola e o lar); programas de tutoria (estabelecer vínculos com jovens de alto risco). Por outro lado, também existem os programas comunitários: centros de atenção para crianças (modificar condutas violentas); programas de melhora de ambientes escolares (aperfeiçoar as práticas docentes, políticas escolares e a segurança das crianças). Também se incluem as estratégias e políticas públicas gerais: redução da disponibilidade do álcool e de seu abuso (impostos, preços, horários, idade dos consumidores), restrição do acesso a armas letais e não letais, menor acessibilidade de praguicidas (pessoas de risco; depressivos, tendências suicidas) e programas de apoio para as pessoas em risco (mulheres, crianças, anciãos). Tudo depende de nós para mudar esse panorama. A violência é altamente evitável quando se fomenta uma cultura de paz e boas relações; comecemos por nós mesmos e nossas famílias. Não podemos dar aquilo que não cultivamos, e sempre lembremos: “Não faças a outro o que não queres que te façam” l Julho 2016 / Impacto evangélico

23


O PASTOR E SEU MINISTÉRIO O reverendo estadunidense Wallie Amos Criswell escreveu este guia prática baseada nos princípios bíblicos. O livro oferece orientação clara e simples para os ministros do Senhor com uma linguagem pulcra e precisa.

O pastor é um organizador. É um general que vem e vai observando como seus oficiais e tropas estão agindo. Ele é um executivo corporativo responsável pelo crescimento e extensão da companhia. Com seu pessoal e através dele, pode estudar seus empregados e utilizar suas atitudes e dons especiais. Paulo comparava a igreja com um corpo humano. Cada membro é diferente, mas cada membro tem um lugar vital nele. Alguns podem ensinar, alguns podem guiar as reuniões de oração, alguns são bons em assuntos das finanças, alguns são bons no planejamento de reuniões, alguns podem ser bons pregadores.

MISIONÁRIO MUNDIAL 24 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

A

s ferramentas do pastor são as palavras. A maneira como ele as exprime molda e dá forma ao que ele está procurando conseguir, exatamente bem como o pintor toma o pincel para criar seu quadro, ou como um construtor utiliza o compasso e uma paleta para erigir um prédio. A vida do pastor está em suas palavras (João 5:43; 47; 17:20; Provérbios 25:11). As palavras são os veículos através dos quais o pastor alcança, toca e abençoa as vidas de sua congregação ouvinte. O pastor deve falar claramente, dirigindo suas orações ao último membro sentado no último banco do templo. O pastor e seu ministério, obra escrita em 1980 pelo reverendo Wallie Amos Criswell, é um guia prática, firmemente baseada nos princípios bíblicos. Criado com o propósito de fornecer orientação simples e clara para os ministros de Deus, o livro trata da vida pessoal do reverendo, da preparação das prédicas e da evangelização, da administração da igreja, da obra cristianizadora e do ministério pastoral com ensinamentos úteis e valiosos baseados na Palavra do Senhor. O pastor é um organizador. É um general que vem e vai observando como seus oficiais e tropas estão agindo. Ele é um executivo corporativo responsável pelo crescimento e extensão da companhia. Com seu pessoal, e através dele, pode estudar seus empregados e utilizar suas atitudes e dons especiais. Paulo comparava a igreja com um corpo humano. Cada membro é diferente, mas cada membro tem um lugar vital nele. Alguns podem ensinar, alguns podem guiar as reuniões de oração, alguns são bons em assuntos das finanças, alguns são bons no planejamento de reuniões, alguns podem ser bons pregadores. No prólogo da obra, o pastor Wallie Amos Criswell, autor deste guia prática, expõe seus pensamentos sobre a intenção de seu livro e afirma que “o que está escrito aqui não pode substituir a experiência pes-

soal do pastor. Ele tem que aprender por conta própria. Tem que fazê-lo por si mesmo. Mas qualquer pastor pode aproveitar a experiência dos outros. É com a esperança de que meus colegas pastores possam ser abençoados por minha longa peregrinação nesta senda de serviço a razão pela qual eu escrevo estes capítulos”. Frequentemente, a vida cristã e o testemunho cristão são comparados nas Escrituras com uma guerra. Paulo escreveu a Timóteo: “Este mandamento te dou, meu filho Timóteo, que, segundo as profecias que houve acerca de ti, milites por elas boa milícia; Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé”, (1 Timóteo. 1:18-19). O apóstolo, em Efésios 6:11-17, descreve a panóplia do soldado cristão. Evidentemente, Paulo estava consciente por experiência dos ataques do inimigo de Deus. Ele mesmo tinha lutado muitas boas batalhas para o Senhor. GANHAR ALMAS Reconhecido nos Estados Unidos e em grande parte do mundo como uma das figuras mais renomadas do cristianismo contemporâneo, o reverendo Criswell serviu a Deus através de uma longa carreira missionária que durou 82 anos. Nascido em 19 de dezembro de 1909, este ministro do Senhor realizou, desde sua conversão produzida em 1919, um trabalho insistente para difundir as boas novas, incluindo a redação de vinte e sete livros nos quais a Palavra do Senhor era o centro da discussão. Não existe um ministério de maior apoio para a igreja, mais necessário e mais útil que sua biblioteca. Um dos milagres de Deus é a possibilidade de encerrar em palavras imortais os pensamentos e fatos dos grandes do glorioso passado. Deus se revelou a si mesmo na Palavra. Podemos ouvir Jesus falar em um livro. Podemos seguir uma pré-


LITERATURA

Seguir lendo­–– Julho 2016 / Impacto evangélico

25


Continuar lendo––

MISIONÁRIO MUNDIAL 26 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

dica de Paulo em um livro. Podemos ter as visões de João através de um livro. Somos apresentados ao verdadeiro Deus em um livro: “No princípio do livro está escrito de mim” (Hebreus 10:7). Dividido em vinte e um capítulos, O pastor e seu ministério contém temas como o lugar do pastor no plano de Cristo, o pastor no púl¬pito, o pastor e seus colaboradores, a organização da igreja, a provisão de fundos para a igreja ou a recompensa de uma obra bem feita. Paralelo a seu amor pela Palavra, o pastor Wallie Amos Criswell plasmou em cada

seção uma série de recomendações apoiadas nas Sagradas Escrituras e evidenciou, com recomendações acertadas, seus mais de cinquenta anos de experiência ministerial. O pastor está sob o mandato de Deus de fazer a obra de evangelista (2 Timóteo 4:5). O evangelista, de acordo com a palavra de Paulo em Efésios 4:11, é um dos dons do Cristo ressuscitado à Igreja. Ele é como um ministro ungido de Deus entre os apóstolos, profetas e pastores-mestres, chamado de Deus na família da fé. Mas a obra que o evangelista faz em seu ministério itinerante


LITERATURA

deve ser feita pelo pastor em seu ministério pastoral. Se não o cumpre, não cumpre com Deus. Se ele é fiel nisso, ele é fiel a Deus. Não há outra alternativa. O pastor deve ganhar almas para Cristo Jesus. UM LÍDER COM CONVICÇÃO Escrito em um estilo pulcro e preciso, o livro do pastor Criswell é um compêndio fundamental que recolhe o essencial da tarefa pastoral. Suas citas bíblicas diáfanas, suas propostas doutrinais rigorosas e seus conselhos sobre o credo de Deus, fáceis de pôr em

prática, estão entre os manuais ministeriais mais relevantes do século XX. O planejamento ri¬goroso e a elegância da prosa do escritor, além disso, ressaltam na estrutura deste com¬pêndio publicado pela editorial Broadman Press. O pastor tem muitas oportunidades de servir a Deus e ao homem. Tem a oportunidade de conhecer Cristo como seu Salvador pessoal e caminhar com ele como um amigo. Tem a oportunidade de depender de Deus para as respostas que cada humano precisa. Tem a oportunidade de pregar as maravilhosas e celestiais novas do Evangelho. Tem a oportunidade de ganhar pessoas para Jesus. E ele tem a oportunidade de ministrar como um pastor-conselheiro as necessidades das pessoas. Cada oportunidade é um convite dourado desde os tribunais do céu para ser um mensageiro de alento e salvação. Nas páginas finais de O pastor e seu ministério, o Rev. Criswell salienta que a Bíblia determina que o pastor deve levar uma vida pessoal que constitua um modelo digno de seguir para qualquer evangélico. Nesse sentido, o autor, que partiu para sempre em 10 de janeiro de 2002 aos 92 anos de idade, declara que o apóstolo Paulo é um dos maiores arquétipos na história do cristianismo. Além disso, afirma que o líder de uma grei deve ter uma convicção profunda de que seu trabalho é guiado pelo Senhor. O maior e mais refinado sermão que qualquer pastor pode pregar é o de seu próprio exemplo. Ninguém pode pregar em voz tão alta que possa apagar o exemplo de sua própria vida. Para ser poderosa e comovedoramente eficaz [a voz], o que prega tem que encarnar em sua própria vida os princípios espirituais que proclama. As pessoas podem ver uma prédica com muita mais facilidade que ouvi-las. O Evangelho segundo você é o Evangelho que a maioria seguirá, não o que se apresenta em uma mensagem ou o que se escreve em um livro. Um bom exemplo vale mais que dez mil discursos e explicações prolixas l

O pastor tem muitas oportunidades de servir a Deus e ao homem. Tem a oportunidade de conhecer Cristo como seu Salvador pessoal e caminhar com ele como um amigo. Tem a oportunidade de depender de Deus para as respostas que cada humano precisa. Tem a oportunidade de pregar as maravilhosas e celestiais novas do Evangelho. Tem a oportunidade de ganhar pessoas para Jesus. E ele tem a oportunidade de ministrar como um pastor-conselheiro as necessidades das pessoas. Cada oportunidade é um convite dourado desde os tribunais do céu para ser um mensageiro de alento e salvação.

Julho 2016 / Impacto evangélico

27


MAIS VONTADE DÁ-ME Escrito pelo compositor estadunidense Philip Bliss, o hino reúne as características básicas que todo bom crente em Deus deve ter. A letra resume com contundência a entrega ao Senhor.

P

ublicado em 1873, o hino “Mais vontade dá-me” descreve os atributos essenciais para ser um seguidor de Jesus Cristo. Obra do compositor evangélico Philip Paul Bliss, o poema apresenta uma lista básica de características próprias dos cristãos: fé, consagração, zelo, prudência, calma, firmeza, sabedoria, força, fidelidade, humildade, pureza e santidade. A estrutura da composição, dividida em três versos, salienta sua mensagem mediante a súplica. Philip Paul Bliss, crente nascido no estado da Pensilvânia em 9 de julho de 1838, é considerado um dos autores cristãos mais renomados da história da música congregacional. Formado em um lar onde a fé em Deus foi permanente, Philip foi instruído na Palavra por seu pai, Isaac Bliss, que lhe mostrou as bondades do Evangelho. Também lhe transmitiu sua inclinação pelas melodias cristãs e o ajudou a desenvolver sua predileção pelo canto. Bliss, que passou grande parte de sua infância em uma humilde cabana feita de troncos, encontrou na Santa Bíblia sua fonte de inspiração, e desde muito cedo se tornou seu livro de cabeceira. Paralelamente, Bliss se dedicou a cantar ao Senhor diariamente e aos 10 anos de idade, enquanto vendia legumes para ajudar a fraca economia de sua família, escutou casualmente uma jovem tocar o piano e isso fortaleceu seu interesse pela música cristã. Foi batizado em 1850 e teve que trabalhar em sua adolescência para pagar sua instrução escolar e musical. Foi uma etapa de muito sacrifício e esforço físico. Primeiro trabalhou como ajudante de cozinha em um acampamento madeireiro e posteriormente como jornaleiro de uma serraria. Porém, sua fé inesgotável em Deus sempre o apoiou e o auxiliou para suportar todas as MISIONÁRIO MUNDIAL 28 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

tribulações físicas que padeceu durante cinco anos. Em 1857, aos 19 anos, Bliss conheceu o professor John Griffin Towner, um cantor evangélico de grande reputação por aquela época, e recebeu suas primeiras sessões de adestramento vocal. Nessa época, sua carreira musical começou e com a passagem dos anos se transformou em um dos criadores mais prolíficos da música cristã. O crente William Bradbury, destacado compositor, o motivou a escrever poesias dedicadas ao Senhor. Professor itinerante, poeta laborioso e amigo próximo de Dwight Lyman Moody, com quem conformou uma ilustre sociedade musical que potenciou o canto sacro, Philip Paul Bliss obteve uma grande reputação nos Estados Unidos graças a suas composições consagradas para louvar ao Senhor. Contudo, sua vida culminou tragicamente em 29 de dezembro de 1876, no estado de Ohio, quando o trem onde viajava junto com sua esposa, a também compositora evangélica Lucy Young, descarrilou sobre as águas do rio Ashtabula l


MÚSICA

MAIS VONTADE DÁ-ME 1 Mais vontade dá-me de odiar o mal, mais calma em pesares, mais nobre ideal; mais fé no meu Mestre, mais consagração, mais força ao servi-lo, mais grata oração. 2 Mais pureza dá-me, mais força em Jesus, mais autodomínio, mais paz nessa cruz; mais rica esperança, mais obras aqui, mais ânsia do céu, mais vida em ti. 3 Mais prudente faz-me, mais sábio e gentil, mais firme na causa, mais forte e viril; mais reto na vida, mais triste ao pecar, mais humilde filho, mais pronto a amar.

Julho 2016 / Impacto evangélico

29


MISIONÁRIO MUNDIAL 30 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


HERÓIS DA FÉ

O MISSIONÁRIO SMITH Smith Wigglesworth serviu fielmente a Deus durante oito décadas. Seu maior gozo foi ver a Palavra de Deus confirmada com sinais e prodígios, através da fé das pessoas. Um incansável pregador. Roberts Liardon

C

urar os doentes foi só uma das incríveis facetas do ministério de Smith Wigglesworth. Mediante sua vida missionária, este servo de Deus deu um novo significado à palavra “fé”. Afirma-se que sua fidelidade ao Senhor era inquebrantável e algumas vezes implacável, mas também se diz que teve uma unção especial, para o ensinamento e um claro sentido da compaixão que deu como resultado muitas salvações e milagres em seu ministério. Filho de John e Martha Wigglesworth, Smith nasceu em 8 de junho de 1859 no pequeno povo inglês de Menston, situado no condado de Yorkshire. Sua família foi muito pobre e suportou várias penúrias. Por isso, apenas aos 6 anos de idade começou a trabalhar arrancando nabos em um campo perto de seu lar. Um ano depois, trabalhou com seu pai em uma serraria. Durante esse tempo começou a pesquisar acerca do Senhor. Seus pais não foram cristãos; porém, Smith sempre dispôs de tempo para procurar a Deus. Ninguém lhe ensinou a orar em seu lar, e apesar disso soube como aprender sozinho. Nesse sentido, sua avó, uma crente fiel do Senhor, só lhe permitiu, quando possível, levá-lo ao templo e conhecer as boas novas. Na casa de Deus, aos 8 anos, compreendeu o que Jesus Cristo tinha feito pela humanidade e imediatamente se tornou cristão. PESCADOR DAS ALMAS Wigglesworth se transformou imediatamente em um pescador das almas. A primeira pessoa que ganhou para Cristo foi sua própria mãe. Depois, aos 13 anos, ele se mudou para a cidade de Bradford, situada nos montes Peninos, onde continuou assistindo à casa do Senhor. Então, sua vida espiritual teve um novo significado e começou a desejar o Espírito de Deus. Apesar

de que não sabia ler, nunca saía de sua casa sem levar um Novo Testamento no bolso. Aos 16 anos, quando trabalhava na serraria, Wigglesworth conheceu um homem de Deus que lhe ensinou o ofício de encanador. Enquanto trabalhavam juntos, este homem também lhe ensinou o significado e a importância do batismo por imersão. Ansioso por cumprir os mandamentos da Palavra, obedeceu alegremente e foi batizado pouco depois. Também, durante esse tempo aprendeu sobre a segunda vinda de Jesus Cristo. Convencido de que o Senhor o ajudaria em tudo, Wigglesworth começou seu ministério. Em 1877 foi para a casa de um encanador para pedir trabalho. O homem lhe disse que não precisava de ajudantes, assim que Smith lhe agradeceu, desculpou-se e retornou. Porém, o homem o chamou e lhe disse: “Há algo em você que é diferente. Não posso deixar que vá embora”. Depois, o contratou. Após um período de muita atividade laboral, Wigglesworth decidiu se mudar para Liverpool. Com o poder de Deus apoiado firmemente sobre ele, começou a evangelizar as crianças, pregar o Evangelho, movido por seu desejo de ajudá-los. Centenas deles iam para o porto onde ele compartilhava a Palavra. Sujas e famintas, as crianças vinham e Wigglesworth se ocupava de todas elas. Apesar de que tinha bons lucros, nunca os gastava em si mesmo, mas os dedicava a vestir e alimentar seus pequenos amigos. Um dos grandes apoios da vida espiritual de Smith Wigglesworth foi sua esposa, Mary Jane Featherstone, que tinha uma sólida fé e era pregadora evangélica, compartilhou com ele seu amor pelo Senhor e sua paixão pela vida missionária. Ele se casou com ela em 2 de maio de 1882, aos 22 anos. Junto a ela, Wigglesworth aprendeu a ler e fortaleceu sua fé em Deus. Am-

Uma das maiores dores na vida de Wigglesworth aconteceu em 1 de janeiro de 1913. Enquanto esperava na estação do trem para partir para a Escócia, recebeu uma notícia devastadora. Mary Jane tinha desmaiado devido a um ataque cardíaco quando realizava suas atividades ministeriais. Imediatamente correu a seu lado e reprendeu a morte, e seu espírito voltou, mas só por um breve tempo. Então, o Senhor lhe disse: “Eu desejo levá-la a casa comigo agora”.

Seguir lendo­–– Julho 2016 / Impacto evangélico

31


Continuar lendo––

Wigglesworth se transformou imediatamente em um pescador das almas. A primeira pessoa que ganhou para Cristo foi sua própria mãe. Depois, aos 13 anos, ele se mudou para a cidade de Bradford, situada nos montes Peninos, onde continuou assistindo à casa do Senhor. Então, sua vida espiritual teve um novo significado e começou a desejar o Espírito de Deus. Apesar de que não sabia ler, nunca saía de sua casa sem levar um Novo Testamento no bolso.

MISIONÁRIO MUNDIAL 32 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

bos formaram um casal cristão muito comprometido com as coisas do Senhor. HOMEM DE ORAÇÃO A primeira experiência pessoal de Wiggleswor¬th com a sanidade aconteceu nos inícios do século XX. Ele tinha sofrido de hemorroidas desde sua juventude, motivo pelo qual um ministro orou a Deus e lhe pediu ajuda para restabelecer sua saúde. Até este momento, Smith tinha usado sais todos os dias, mas devido a que tinha total certeza da vontade do Senhor, deixou de utilizá-las e pouco depois descobriu que estava completa¬mente são. Em 1907 houve outro fato crucial em sua vida. Ele escutou que um grupo de pessoas em Sunderland foram batizadas no Espírito Santo e falavam em outras línguas. Então, decidiu ver este fenómeno e se dirigiu a essa cidade, onde se comunicou com o pastor Alexan¬der Boddy. Uma vez ali, esteve na frente do Senhor durante quatro dias esperando falar em outras línguas, sem sucesso. Posteriormente, quando Wigglesworth estava prestes a retornar a seu lar, a esposa do reverendo Boddy, a irmã Mary, pôs suas mãos sobre ele e realizou uma oração breve, mas cheia de poder. Foi nesse momento que a glória de Deus se fez presente em sua vida através de uma visão da cruz vazia. Com lágrimas de emoção, Smith abriu sua boca e finalmente começou a falar em outras línguas. O jornal local, o Sunderland Daily Echo, deu a notícia, com um relato detalhado. Nos seguintes dias, Smith tomou o hábito de orar e jejuar. Em breve, começou a receber cartas provenientes de todos os cantos do país, implorando que ore pelos doentes. Ele respondia cada pedido que podia, e algumas vezes, depois de chegar de trem a uma cidade, pegava uma bicicleta e peda¬lava mais de quinze quilômetros para chegar a alguma pessoa afligida. Uma das maiores dores na vida de Wigglesworth aconteceu em 1 de janeiro de 1913. Enquanto esperava na estação do trem para partir para a Escócia, recebeu uma notícia devasta¬dora. Mary Jane tinha desmaiado devido a um ataque cardíaco quando realizava suas atividades ministeriais. Imediatamente correu a seu lado e reprendeu a morte, e seu espírito voltou, mas só por um breve tempo. Então, o Senhor lhe disse: “Eu desejo levá-la a casa comigo agora”.

MISSIONÁRIO INFATIGÁVEL Smith começou imediatamente a ministrar por toda a Inglaterra. A imprensa britânica raramente publicava artigos referentes a notícias religiosas; porém, o Daily Mirror colocou uma nota, em sua tapa, respeito ao trabalho evangelizador de Wigglesworth. Como esse jornal era o de maior circulação no Reino Unido, centenas de pessoas começaram a procurá-lo para conhecer a Palavra de Deus. Ele tinha uma incrível revelação no tema da fé, e seus ensinamentos atraíam as multidões. Wigglesworth levava Hebreus 11:6 muito a sério. Cria pessoalmente que era impossível agradar ao Senhor sem fé. Por tanto, incorporou essa convicção em toda área de sua vida espiritual, incluindo as obras do Espírito Santo. Bastava que o mais leve sopro do Espírito viesse sobre ele para que se recluísse em um quarto e ficasse sozinho com Deus. Homem movido


HERÓIS DA FÉ

pela compaixão, ele recebia pedidos de oração de todos os cantos do mundo. Em 1920, na Suécia –um dos países que visitou graças a sua obra evangelizadora–, os médicos e as autoridades locais creram que poderiam limitar seu ministério e lhe proibiram pôr as mãos sobre as pessoas. Mas isto não o preocupou. Ele sabia que Deus respondia à fé e não aos métodos. Após uma reunião, Smith indicou às pessoas presentes que acreditem que seriam curadas, enquanto ele orava. Os fiéis foram curados rapidamente. Apesar de que os olhos de Wigglesworth viram muitos milagres e curas instantâneas, ele mesmo não recebeu esses milagres. Em 1930, quando tinha 70 anos, sua saúde enfraqueceu. Orou, mas não recebeu alívio, então consultou um médico, e depois de tirar algumas radiografias, o diagnóstico deu como resultado um caso severo de cálculos renais em um estado avançado. Sua única esperança era uma operação, pois,

segundo o médico, se continuava neste doloroso estado, morreria. Depois de ouvir o diagnóstico, Smith disse ao médico: “Deus que criou este corpo é o único que pode curá-lo. Nenhuma faca me cortará enquanto eu viva”. Nesse instante, o médico ficou preocupado e desanimado perante tal resposta, mas Smith, antes de ir embora, disse-lhe que ele estaria novamente são, porque tinha a certeza que este sofrimento acabaria em breve; porém, durou seis longos e dolorosos anos. Em 1932, Smith pediu a Deus quinze anos mais para servi-lhe. O Senhor concedeu o pedido, e durante esse período, visitou grande parte da Europa, a África do Sul e os Estados Unidos. Seu maior gozo foi ver a Palavra confir¬mada com sinais e prodígios, e através da fé das pessoas. Sua principal meta era que as pesso¬as vissem a Cristo e não a Smith Wigglesworth. Em 12 de marco de 1947, no meio de um ser¬viço, deixou de existir e partiu ao encontro com o Senhor l Julho 2016 / Impacto evangélico

33


A LUZ QUE RESGATOU LUIS DA OBSCURIDADE Fez um pacto com o demônio, procurou o sucesso e o dinheiro fácil e tentou se suicidar. Luis Sanabria Gutiérrez tinha esquecido sua formação cristã para se deixar devorar por seu afã de fortuna. Parecia um caminho sem retorno, mas conseguiu ser salvo. Deus jamais abandona. Marlo Pérez Foto: Samuel Rivera y Archivo familiar

MISIONÁRIO MUNDIAL 34 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


HISTÓRIAS DE VIDA

Julho 2016 / Impacto evangélico

35


À

espera da meia-noite para en¬tregar sua alma à Santa Morte, Luis e o chefe de uma conhecida agência de modelos em Assunção, capital do Paraguai, se reuniram com outros desconhecidos para tomar um chá de coca e conversar acerca de seu pacto com o diabo e da mudança que sofreriam para sempre. Luis, muito nervoso, não tinha certeza do que fazia, mas seu afã por conseguir fama e fortuna como aqueles grandes empresários o empurrou a fazê-lo. Uma vez chegada a hora, levou um pacote de velas pretas, cigarros, açúcar, óleo, extrato de cana-de-açúcar e uma folha de papel e os entregou ao chefe da agência, que estava vestido com um manto preto. Ao se aproximar a hora, ingressaram em um quarto, onde um peMISIONÁRIO MUNDIAL 36 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


HISTÓRIAS DE VIDA

queno altar se elevava por cima da escuridão. Ali misturavam as substâncias e acenderam três velas que alumiaram o conhecido pentagrama inver¬tido, símbolo do satanismo e a magia negra. Na meia-noite, o sacerdote satânico guiou Luis para começar o rito. Apenas começaram a invocar o Espírito demoníaco, Luis escreveu sete vezes seus nomes e sobrenomes em uma folha em branco, e selou sua sorte. Ao acabar, o ocultista colocou sobre as mãos de Luis o óleo e a açúcar, depois lhe indicou como invocar a Santa Morte. Quando o demônio se apresentou, Luis tomou o extrato de cana-de-açúcar em uma taça e o oferendou ao Espírito presente. Depois, com os cigarros que tinha comprado se apre-

sentou à Santa Morte como seu novo servidor. Repetiu isso sete vezes, segundo os ritos da magia negra. Quando a sessão acabou e com certa inquietação, Luis saiu daquele quarto com um enorme peso sobre seus ombros, sobretudo esse incômodo remorso que ardia no coração por ter feito um pacto satânico apesar de conhecer a Palavra de Deus. Agora, sua alma pertencia ao diabo. AFASTADO DO EVANGELHO Luis Enrique Sanabria Gutiérrez nasceu em 10 de agosto de 1988 em Assunção. Ele conheceu o Evangelho desde muito pequeno, quando ele, suas irmãs e seus pais assistiram a uma igreja evangélica localizada naquela cidade.

Seguir lendo–– Julho 2016 / Impacto evangélico

37


Continuar lendo––

Luis estava na ruína aos 24 anos de idade. Nessa época, seu pai que vivia na Argentina com sua mãe e suas irmãs lhe apresentou um próspero empresário que o levou a estabelecer um pacto satânico que selou seu destino. O homem com traços arábicos, que dizia se chamar Eduardo, era dono de uma prestigiosa agência de modelos no Paraguai e tinha muito poder no mundo da beleza. No entanto, ninguém suspeitava que debaixo de sua pulcra vestimenta se encontrava um obscuro personagem discípulo da Santa Morte.

MISIONÁRIO MUNDIAL 38 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Sua devoção pelo Senhor se refletiu em sua ativa participação; assistia às reuniões e anotava as mensagens de seu pastor para pregá-las algum dia em ruas e praças. No entanto, com o transcurso do tempo, a indiferença de seu pai –que nunca se comprometeu com o Senhor– acabou por afastá-lo do caminho da salvação. Quando estava prestes a fazer 10 anos de idade, Luis começou a se isolar das outras crianças, tanto em seu bairro como na escola. Grande parte do dia desenhava demônios em sua mesa de trabalho, o que alarmou seus pais e mestres. Tempo depois, seu comportamento se agravou e começou a torturar gatos, arrancando suas unhas e seus olhos, e os matava sem nenhum remorso. Luis começava a mostrar seu lado mais cruel. “Era a única forma que tinha para me desafogar”, lembra ele. Vários anos depois, a convivência em seu lar se tornou muito mais áspera e Luis se converteu em um jovem rebelde que se deixou levar pela maconha e o álcool. Várias vezes seu pai o expulsou da casa, sobretudo quando quis atentar contra a vida de sua mãe. SANTERIA E MISÉRIA Aos 15 anos conheceu João, um garoto do bairro que o introduziu no mundo do heavy metal. As bandas Nemesis, Ghost, Iron Mai¬den se tornaram os ídolos de barro que lhe abriram as portas do inferno. “Este ami¬go era um metaleiro estranho que não se vestia de preto nem maquiava os olhos. Era um tipo normal, mas quando estava bêbado, falava em língua satânica…”, narra Luis. Pouco tempo depois, vários de seus amigos que praticavam a umbanda o levaram a uma casa abandonada para invocar os Espíritos. Vários minutos depois, os demônios Pomba Gira, Exu e outros apareceram e ingressaram nos corpos de vários deles. Luis não acreditava o que via e ouvia. Aos 22 anos de idade, possuído pelos ciúmes, atacou Nicol, uma de suas mulheres; sem o menor escrúpulo, inseriu um pedaço de vidro em seu abdômen e depois lhe deu ferozes golpes no banheiro de seu quarto. Uma das sobrinhas de Nicol procurou uma bruxa para prejudica-lo, mas Luis pagou 100 000 guaranis a outra feiticeira para se defender. “Apesar de tudo, eu andava com muito temor porque cria em Deus e conhecia sua Palavra, mas nesse momento não sabia o que fazia”, confessa ele.

Tempo depois, Luis tentou se suicidar com uma overdose de cocaína. Nicol, a mulher que agrediu, o en¬controu inconsciente e o levou rapidamente ao Hospital de Emergências Médicas, onde foi submetido a uma lavagem gástrica que o salvou. Ao acordar, Nicol retornou com ele por pena. Não passou muito tempo e ambos decidiram acabar sua relação tormentosa. Então, Luis se dedicou a beber cerveja e se tornou um fumante incorrigível. O álcool e o cigarro lhe causaram uma cirrose crônica que o prostrou em cama. Desde esse momento, a miséria e as dezenas de dívidas o afogaram. AGÊNCIA DE DEMÔNIOS Luis estava na ruína aos 24 anos de idade. Nessa época, seu pai –que vivia na Argentina com sua mãe e suas irmãs– lhe apresentou um próspero empresário que o levou a estabelecer um pacto satânico que selou seu destino. O homem com traços arábicos, que dizia se chamar Eduardo, era dono de uma prestigiosa agência de modelos no Paraguai e tinha muito poder no mundo da beleza. No entanto, ninguém suspeitava que debaixo de sua pulcra vestimenta se encontrava um obscuro personagem discípulo da Santa Morte. “Ele sempre se vestia muito bem e me con¬tava que seus outros sócios se dedicavam à falsificação de fertilizantes, o que lhes ge¬rava muito dinheiro. Também dizia que possuía vários automóveis Audi, iates e grandes for¬tunas na Argentina… ele começou da mesma forma que eu, unicamente com um colchão sob o braço”, relata Luis. Luis começou a trabalhar com ele nos inícios de 2012 e frequentava um círculo de amigos que esbanjava o dinheiro em todo tipo de luxos e ex¬centricidades. Depois de ganhar sua confiança em festas e reuniões, eles lhe revelaram que a Santa Morte tinha enchido suas arcas em troca de sua alma. Apesar de que vacilou no início, Luis estava disposto a realizar aquele pacto. “Ao acabar, o empresário tinha que realizar outro pacto satânico com uma mulher da agência, com a que teve relações sexuais contra natura perante o altar do diabo. Ele ia lhe dar todo seu Espírito”, comenta Luis. VOLTANDO AO SENHOR Ao assinar sua sentença, Luis saiu com aquele peso sobre os ombros e o sacerdote satânico lhe entregou um amuleto de pedra de sal para


HISTÓRIAS DE VIDA

que o protegesse. No dia seguinte, o peso na consciência e seu conhecimento das Sagradas Escrituras fizeram com que se aproximasse de Eduardo, o guru espiritual, para desistir de seu pacto; mas ficou paralisado com sua resposta: “Não pense nisso. Você pode se congregar em qualquer igreja... protestante, evangélica ou católica, porque Satanás está em todas elas”, disse-lhe o empresário. Depois de insistir, Luis fugiu do lugar porque não queria estar novamente naquele altar diabólico. Cheio de desesperação, a palavra “suicídio” retumbava em sua mente. “Os pensamentos de suicídio vinham a minha cabeça. Eu lutava comigo mesmo e contra o diabo, que entrava em minha mente… Era muito pertur¬bador, porque cri que estava ficando maluco”, expressa ele.

E quando creu que não resistiria mais, Luis lembrou uma de suas tias cristãs e foi procurála para que o ajudasse a sair do inferno no qual se encontrava. Não a encontrou, mas achou os pastores que em sua infância lhe pregaram a Palavra do Senhor; imediatamente lhes confessou que tinha se entregado ao diabo e que se sentia atormentado pelo sofrimento. Desde esse momento, toda a congregação com orações e jejuns recuperou a alma perdida de Luis, que se entregou ao Evangelho em outubro de 2012, em um retiro de jovens organizado pelo Movimento Missionário Mundial do Paraguai. Apesar de que houve muitas tentativas do diabo de tirá-lo dos caminhos do Senhor, Luis, com 27 anos de idade, continua aferrado ao que nunca se afastou dele, transformado em um novo homem l Julho 2016 / Impacto evangélico

39


MISIONÁRIO MUNDIAL 40 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


ENTREVISTA

“QUANDO DEUS ESTÁ COMIGO, EU ESTOU COMPLETA” “Ser mulher é um grande privilégio; o que Deus colocou em cada uma de nós é incomparável”, afirma a irmã Carmen Valência de Martínez, esposa do Rev. Gustavo Martínez Garavito. Seu trabalho missionário contribuiu para o crescimento da Obra.

A

irmã Carmen Valência de Martínez percorreu o mundo junto com seu esposo e presidente do Movimento Missionário Mun¬dial, Rev. Gustavo Martínez Garavito. Para ela, o mais importante é ser fiel a Deus e levar a outros a mensagem de salvação. O que é o Movimento Missionário Mun¬dial para a senhora? –É um refúgio que Deus levantou para estes últimos dias, onde milhares e milhares de almas correram para se refugiar. Através do tempo vimos o avanço implacável da Obra em todos os continentes, onde Deus chama continua¬mente obreiros e muitas almas necessitadas. Como apoia seu esposo na Obra? –Primeiro, eu acho que uma das formas em que uma esposa deve apoiar seu esposo é através da oração durante manhã, tarde e noite, para que Deus o guarde, lhe dê sua sabedoria e para que ele dê uma palavra oportuna; não só para um povo necessitado, mas também para um precioso corpo de obreiros que o Senhor levantou nesta Obra. Mas não só orar, mas também cumprir nossa responsabilidade como esposa e mãe, com os ministérios, talentos e dons que Deus nos deu. Como nasceu a ideia de seu livro Águas para os sedentos? –Desde que eu me converti, nasceu em meu coração o desejo de ler e estudar a Palavra. À medida que Deus me deu o grande privilégio de pregar, eu comecei a guardar aqueles bosquejos. Com o passo do tempo, senti em meu coração que devia compartilhá-lo com outras pessoas, até que um dia meu esposo me disse: “Eu sinto que você deve compartilhar esses bosquejos…”. Eu tomei essas palavras como

a confirmação de que eu estava esperando de Deus. Ali nasceu a ideia de escrever o primeiro volume de Águas para os sedentos. A senhora tem em mente escrever outros livros? –Tenho, sim. Eu penso escrever outros livros referentes à esposa do pastor, aos filhos do pastor e aos filhos em geral. Sempre senti uma carga muito especial pela família, e só peço a Deus que me permita fazê-lo. O que significa Impacto Evangelístico para a Obra? –É a mensagem de Deus para o mundo e a missão que deu à Obra do Movimento Missionário Mundial desde seus inícios. Ter nas mãos uma revista como Impacto Evangelístico é maravilhoso. Esta revista é um instrumento de Deus para a salvação das almas e também para chamar muitos crentes ao ministério, porque len¬do cada mensagem, cada artigo da revista ou um testemunho, deixa semeada a semente nesses homens e mulheres de Deus. Que mensagem deixa para todas as mulheres de Deus? –Irmãs, ser mulher é um privilégio que Deus nos deu. O que Deus colocou em nós é incomparável. A mulher que se coloca nas mãos de Deus se torna um ins¬trumento para Ele; porque a mulher quando ama, ama verdadeiramente; ela se entrega completamente e sem reservas. Você não precisa ser uma mulher superdo¬tada para ser útil a Deus, só precisa lhe dizer: “Conte comigo. Eu quero servir”, já que ao ser escolhida por Deus, está capacitada para vencer, porque quando Deus está comigo, eu estou completa l

Julho 2016 / Impacto evangélico

41


A GRANDEZA DAS COISAS PEQUENAS “Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas? Pois esses se alegrarão...” Zacarias 4:10. Rev. Luis M. Ortiz

O

profeta Zacarias fala das pequenezes, esquecendo que Deus sempre usou os pequenos e o pequeno. Com razão diz a Palavra de Deus: “Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as MISIONÁRIO MUNDIAL 42 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

que não são, para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele” (1 Coríntios 1:27). • O homem esperava que o Messias nascesse em um palácio; Deus o enviou para nascer em uma manjedoura. • O homem esperava que o Messias nascesse de pessoas nobres; Deus o enviou para


DEVOCIONAL

nascer de aldeãos humildes. • O homem esperava que o Messias fosse um general fa¬moso; Deus o enviou como um carpinteiro humilde. • O homem esperava que o Messias o librasse do jugo político; Deus o enviou para livrá-lo do jugo espiritual. • O homem esperava que o Messias se iniciasse com uma grande cerimônia protocolar no suntuoso templo; Deus o enviou para se iniciar nas margens do lamacento rio Jordão. • O homem esperava que o Messias se graduasse na universidade de Jerusalém; Deus o enviou para vencer a tentação no deserto. • O homem esperava que o Messias aren¬gasse as multidões e semeasse ódio contra os inimigos; Deus o enviou para pronunciar as bem-aventuranças e a lei do amor ao próximo. • O homem esperava que o Messias fosse um conquistador de reinos humanos; Deus o enviou para ser um conquistador de corações. • O homem esperava que o Messias se

ro¬deasse de personagens ricos e aristocráticos; Deus o enviou para se rodear de publicanos, pescadores e humildes do povo. • O homem esperava que o Messias fosse meramente um grande Mestre que entretivesse o intelecto; Deus o enviou para ser o grande Salvador que convertesse o coração. • O homem esperava que o Messias fosse um grande hierarca religioso; Deus o enviou para ser humilde pregador de boas novas. • O homem esperava que o Messias estabelecesse seus escritórios nos cômodos recintos do templo ou do palácio; Deus o enviou para transitar os empoeirados caminhos sem ter onde reclinar sua cabeça. • O homem esperava que o Messias condenasse todos os gentios e todas as nações pagãs que não eram de sua raça nem de seu credo; Deus o enviou para salvar todo o mundo. • O homem esperava um Messias exclusivista e sectarista; Deus o enviou para não fazer acepção de pessoas. • O homem esperava que o Messias morresse como um grande patrício; Deus o enviou para morrer como um vil bandido. São o orgulho, a soberba e a vaidade do homem os que o perdem e os que transtornam tudo. Foi o orgulho de Lúcifer o que fez com que se perdesse e o que transtornou tudo. O orgulho religioso e sectário de Jonas o conduziu na direção oposta à que Deus o tinha enviado, e não lhe importava nada, apesar de que se perdessem milhares de almas. Deus teve que intervir na arrogância e a vaidade do profeta, e então este exclamou: “Os que observam as falsas vaidades deixam a sua misericórdia” (Jonas 2:8). Amado irmão, quando se sente incapacitado, é então quando Deus o capacita. Quando se sente pequeno, é então quando Deus o levanta. Quando você encontra que é inútil, é então quando Deus o usa. Quando você pensa que é vil e menosprezado, é então quando Deus o encontra digno e apreciado. Quando você descobre que não tem nada, é então quando Deus lhe dá em abundância. Quando descobre que não pode nada, é então quando Deus o encontra poderoso. Amado, Deus resiste aos soberbos e dá graça aos humildes. Você pode ser usado nas mãos de Deus de maneira maravilhosa. Entregue nas mãos de Deus sua vida, seus talentos, seu tempo e tudo o que você tem l

Quando se sente pequeno, é então quando Deus o levanta. Quando você encontra que é inútil, é então quando Deus o usa. Quando você pensa que é vil e menosprezado, é então quando Deus o encontra digno e apreciado. Quando você descobre que não tem nada, é então quando Deus lhe dá em abundância. Quando descobre que não pode nada, é então quando Deus o encontra poderoso.

Julho 2016 / Impacto evangélico

43


OS PERIGOS DA FAMA “Então todo o povo tomou a Uzias, que tinha dezesseis anos, e o fizeram rei em lugar de Amazias seu pai... E fez o que era reto aos olhos do Senhor...” 2 Crônicas 26: 1-4. Rev. Manuel Zúñiga

A

tualmente há uma corrida terrível pela fama. No entanto, quando a fama começa a atingir a vida das pessoas, elas se exaltam e esquecem de onde vêm e a sua origem. O rei Salomão era sábio e rico como ninguém em seu tempo. Quando ele ficava no seu trono, ninguém podia irromper se não tinha sido chamado por ele; e quando chamava alguém, a pessoa tinha que vir e sair reverentemente, sem ver o rosto do rei. Um dia, sua mãe, Betsabeia, irrompeu sem ser chamada e sem reverência; mas quando Salomão a viu, desceu do seu trono e foi ao encontro dela com reverência, porque ela não era qualquer pessoa, era sua mãe. Há muitas pessoas que se deixam envolver pela fama e já não querem receber nem sua própria mãe. Deus abençoa algumas pessoas com casas, carros, profissão, títulos, contas bancárias e boas roupas. No entanto, depois de receber essas bênçãos, essas pessoas começam a mudar, já não são as mesmas de antes, não falam como antes; agora são soberbas, presunçosas, olham de cima para baixo aqueles que não atingiram o mesmo sucesso (um sucesso que Deus lhes deu por misericórdia) e consideram ignorantes aqueles que não pensam como elas. Cumpre-se nelas o que a Palavra de Deus ensina: “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda” (Provérbios 16:18). Procurar a Deus nos dá orientação divina, inspiração e unção. Quem guia um carro não solta o leme, porque então o carro se despistaria; por isso, precisamos de um bom motorista que nos guie até o nosso destino. As correntes de ar desviam a aeronave, as correntes dos mares desviam os navios e o diabo desvia o crente de sua rota e santidade. Nós temos que procurar o Senhor, porque Ele nos mostra o melhor caminho para nossas vidas. O único que conhece o caminho para o Céu é o Espírito Santo, por isso Deus o deixou aqui na Terra, para nos guiar na direção da MISIONÁRIO MUNDIAL 44 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

justiça e da verdade, “para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado” (Hebreus 12:13). O livro de Isaías nos diz que este é um caminho santo, para que até mesmo os loucos não errem (Isaías 35: 8). Não é um caminho de muito saber, mas de


DEVOCIONAL

muito obedecer. Quem procura a Deus de coração, prospera espiritualmente, moralmente e materialmente. Nós temos que ter algo claro em relação a Deus. Nós não merecíamos Seu sacrifício, mas Sua condenação. Deus não era obrigado a nos salvar, porque Ele não nos fez pecadores, mas o mesmo homem se tornou um pecador. O imenso amor de Deus pela humanidade o levou a fazê-lo. João 3:16 nos dá um grito de amor inefável de Deus: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Jesus justificou o publicano que orava no templo, porque ele estava de joelhos, clamando a Deus com humildade e invocando Sua misericórdia: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!” (Lucas 18:13). Tudo o que temos é fruto da graça de Deus

e de Seu imenso amor. Como diz a Palavra: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2: 8). Uzias se exaltou porque tinha bons engenheiros e foi o primeiro a conceber lanças e manufaturar máquinas que atiravam pedras. Deus deu prosperidade e fama a Uzias, mas ele começou a desconfiar do Senhor, porque o diabo fez com que acreditasse que ele já era popular, famoso. Quando isso acontece, as pessoas estão tão ocupadas que já não tem tempo para rezar ou para ir à igreja. 2 Crônicas 26:16 diz: “Mas, havendo-se já fortificado, exaltou-se o seu coração até se corromper...”. Por sua conta, Cristo nos deu um verdadeiro exemplo do que significa viver em integridade; sua fama se espalhou por toda parte, mas ele se manteve humilde, ensinando-nos que podemos ser famosos e ao mesmo tempo nos render a Deus em integridade e humildade. Queridos amigos, devemos saber que a glória e a honra pertencem somente a Deus. Amém l

Julho 2016 / Impacto evangélico

45


QUAL É O TEU NOME? “Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um homem, até que a alva subiu... E disse-lhe: Qual é o teu nome? E ele disse: Jacó. Então disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste…” Gênesis 32:24-30.

Rev. Rómulo Vergara

J

acó, filho de Isaque e de Rebeca, e irmão gêmeo de Esaú, nascido depois de Esaú, foi considerado como menor (Gênesis 25:21-26). No entanto, antes que ambos nascessem, Deus tinha dito: “o maior servirá ao menor” (v. 23). Jacó não esperou a intervenção divina, mas se mostrou disposto a recorrer a qualquer argúcia e fraude para procurar seu benefício. Isaque era velho e quase cego. Rebeca convenceu Jacó a se vestir com roupas de Esaú e cobrir seu pescoço e suas mãos com peles de cabritos, porque Esaú era muito mais peludo do que Jacó, para se fazer passar por seu irmão. Assim obteria de Isaque a bênção que correspondia ao direito de primogenitura. Quando Esaú descobriu o que Jacó tinha feito, ele se lamentou violentamente por se deixar arrebatar seu direito. Esaú resolveu matar seu irmão, mas não quis executar o assassinato enquanto seu pai vivia (Gênesis 27:1-41). O nome de Jacó significa: suplantador, enganador. Por isso Jacó estava disposto a uma mudança; deixou os seus em outro lugar e se afastou com Deus, não precisou que alguém o acompanhasse ou o motivasse. “E levantou-se aquela mesma noite, e tomou as suas duas mulheres, e as suas duas servas, e os seus onze filhos, e passou o vau de Jaboque. E tomou-os e fê-los passar o ribeiro; e fez passar tudo o que tinha. Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um homem, até que a alva subiu” (Gênesis 32:22-24). “Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um homem, até que a alva subiu” (Gênesis 32:24). E o anjo deslocou a juntura da coxa de Jacó (Gênesis 32:25-26). Imagine a dor que produziria, mas Jacó ignorou a dor, estava procurando algo mais, estava procurando um toque especial de Deus. “E disse [aquele homem]: Deixa-me ir, MISIONÁRIO MUNDIAL 46 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

porque já a alva subiu. Porém ele disse: Não te deixarei ir, se não me abençoares” (Gênesis 32:26). Jacó esperava que viesse a bênção. “E disse-lhe: Qual é o teu nome? E ele disse: Jacó” (Gênesis 32:27). Qual é o teu nome? Talvez seja CRÍTICO, porque o que você faz agora é criticar e questionar tudo. Se não é o mesmo, o que mudou em você? Qual é o teu nome? O teu nome agora é INDIFERENTE, por que você age indiferentemente? Não é mais o mesmo, antes se entregava, sacrificava e esforçava, agora é diferente. Mas não é tempo para ser indiferente, é tempo de nos unir mais, de nos esforçar mais. O teu nome agora é MURMURA, agora o que você faz é murmurar, é falar. Um grande desgosto. O teu nome agora é MUNDI, porque já gosta do mundo; está abrindo as portas ao mundo e o mundo está ingressando lentamente. Agora é chamado de LIBERE, porque gosta do liberalismo. Não é tempo de mudar negativamente, é tempo de mudar posi¬tivamente. Qual é o teu nome? Esta Obra leva um nome de santidade, de pureza, de sacrifício, de esforço, de consagração, de procura de Deus, de sã doutrina, de limpo testemunho. Não podemos mudar o nome, não podemos ser chamados de outra maneira. Essa avalanche de apostasia que se levanta tem que se encontrar com uma barreira em nós, com uma barreira nesta Obra, detendo seu avanço nesta Terra para que não sejamos contaminados. Qual é o teu nome? Você percebeu uma mudança negativa em sua vida, que não é mais a mesma pessoa, que não arde mais igual, que se apagou sua vida espi¬ritual e se chama agora FRIALDADE. As de¬mandas da Obra, os conflitos, as lutas, as provas, os


DEVOCIONAL

problemas podem produzir um estancamento e um mudança de rumo. Qual é o teu nome? DESALENTO. Talvez seu carácter, sua pessoalidade, sua atitude, suas ações chegaram ao ponto que às vezes você se desalenta. “Porém ele disse: Não te deixarei ir, se não me abençoares. E disse-lhe: Qual é o teu nome? E ele disse: Jacó. Então disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste” (Gênesis 32:26-28). Esse Jacó

problemático, suplantador, enganador, falso, que deu problemas durante todos estes anos ficou ontem aos pés do Senhor, e agora vem re¬novado, com uma vida nova, com o nome novo que Deus lhe deu. Qual é o teu nome? Não está aqui o que abençoou o até hoje, o que o prosperou, o que o viu mudar, o que pode fazer uma mudança em sua vida? Não está aqui o que pode renovar, que pode dar um nome novo, uma vida diferente de agora em diante? Ele está aqui. Amado, que neste dia aconteça uma mudança em sua vida. Deixe que Deus o transforme e será uma nova pessoa. Que Deus o abençoe! l Julho 2016 / Impacto evangélico

47


Um relatório superficial do trabalho que a Obra do Movimento Missionário Mundial desenvolve pelos caminhos da América e ao redor do mundo. A Santa Bíblia diz: “E, perseverando unânimes todos os dias no templo… E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.” Atos 2:46, 47.

O PANAMÁ EM MÃOS DO SENHOR O Movimento Missionário Mundial do Panamá comemorou o aniversário número quarenta do templo da província de Darién.

C

om a participação especial do Rev. José Arturo Soto, VicePresidente Internacional do Movimento Missionário Mundial, a Obra de Deus do Panamá comemorou em 28 e 29 de maio as quatro décadas de existência da Igreja da província de Darién, localizada perto da fronteira com a República da Colômbia. A celebração se realizou nas instalações do Instituto Técnico Marcos Alarcón, do corre¬gimento de Metetí. Os reverendos Soto, Melvin Bryam e Epifanio Asprilla, Supervisor Nacio¬nal da Obra estabelecida em território panamenho, pregaram a Palavra do Senhor durante o evento dirigido aos pastores, obreiros e irmãos de di¬versas províncias panamenhas que se congregaram MISIONÁRIO MUNDIAL 48 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


Fotos: Cristian Avila Simití

EVENTO

nesta celebração da presença de Deus em Darién. Menção especial merece o Rev. Soto, que emitiu a mensagem de fechamento, na qual realizou um resumo da história deste templo que ele fundou há quarenta anos. Em sua participação, o pastor Soto revelou que chegou a este ponto da geo¬grafia panamenha graças ao convite de um crente que trabalhava na construção da estrada local, que o animou a levar a Palavra de Deus. Depois, o servo do Senhor recebeu o apoio dos homens de fé Melvin Bryam e Ricardo Chen, que por aqueles dias começavam nos caminhos do Evangelho, e estabeleceu este templo que hoje é um dos mais emblemá¬ticos do MMM do Panamá l Julho 2016 / Impacto evangélico

49


FIRMES PERANTE OS ATAQUES DO INIMIGO

Fotos: Yennifer Quechuyante Millal

A Confraternização Regional Zona Sul do Movimento Missionário Mundial do Cse levou a cabo na Região de Los Ríos

MISIONÁRIO MUNDIAL 50 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


EVENTO

L

iderada pelo Rev. Gerar¬do Martínez, Supervisor Nacio¬nal do MMM do Chile, a Confraternização Regional Zona Sul da Obra do Senhor criada em solo chileno se desenvolveu em 29 e 30 de abril, na Região de Los Ríos, com a partici-

pação de uma série de delegações de fiéis provenientes das cidades de Temuco, Lautaro, Villarrica, Panguipulli e Osorno e da Ilha Grande de Chiloé, onde o Movimento Missionário Mundial se encontra presente. Na jornada inaugural da con-

fraternização, realizada no templo do MMM da cidade de Valdivia, o ora¬dor principal foi o pastor Martínez, que emitiu uma mensagem baseada em Hebreus 2:1-4. Durante sua exposição da Palavra de Deus, denominada “Perigos que o crente enfrenta e os infalíveis recursos de Deus”, o servo do Senhor exortou os crentes a estarem vigilantes para não cair no mal e lhes recomendou que fossem cuida¬dosos com sua vida espiritual. Durante o segundo dia do evento, que teve como cenário as instalações da Universidade Austral, o Rev. Martínez evangelizou novamente os crentes que chegaram à Região de Los Ríos. Pela manhã, apo¬iado em Êxodo 4:18-26, o Supervisor Nacional do MMM do Chile relatou o regresso de Moisés ao Egito por man¬dato de Jeová. Depois, pela noite, compartilhou a mensagem “A posição firme do cristão perante os ataques do inimigo” l Julho 2016 / Impacto evangélico

51


A VERDADEIRA FELICIDADE O Movimento Missionário Mundial da Bolívia realizou na província de Pando sua Segunda Confraternização Nacional da Família.

MISIONÁRIO MUNDIAL 52 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

A

Segunda Confraternização da Família da Obra de Deus estabelecida na Bolívia se desenvolveu de 29 de abril a 1 de maio no município de Cobija, localizado no departamento de Pando, muito perto das fronteiras com o Peru e o Brasil, onde chegaram centenas de irmãos de diferentes pontos do território boliviano e da República do Peru. Foi um evento que girou em torno à importância do casamento, dos filhos e da fé no Senhor. Transmitida pela cadeia de rádios do MMM da Bolívia, a confraternização realizou uma série de mensagens que estiveram a cargo do Rev. Ciro Alfonso Soto Ortiz, Supervisor Nacional da Obra do Senhor estabelecida em solo bolivia-


Fotos: Marcos Nina

EVENTO

no, e dos pastores Marcelo Va¬lenzuela, Mário Lima Vacaflor, Enrique Valenzuela e Edgar Cary, Presbítero do MMM de Cusco, que pregaram a Palavra de Deus e instaram os fiéis a se manterem junto ao Senhor. Durante o evento, no qual várias pessoas do mundo secular se entre¬garam a Deus, participou a senhora Paola Terrazas Justiniano, vice-governadora da província de Pando, que assinalou que na Bolívia, desde 2014, em 15 de maio, é celebrado o Dia Nacional da Família. Além disso, as famílias seguidoras de Deus tiveram a oportunidade de se alimentar com o Evangelho e conheceram for¬mas de enfrentar seus problemas diários sob os preceitos do cristianismo l Julho 2016 / Impacto evangélico

53


BOAS NOVAS DE SALVAÇÃO O Movimento Missionário Mundial da República de El Salvador realizou diversas atividades evangelizadoras devido à visita do Rev. Álvaro Garavito.

A

propósito da presença do Rev. Álvaro Garavito, Supervisor Centro-Americano e Oficial Internacional do Movimento Missionário Mundial, a Obra de Deus de El Salvador levou a cabo uma série de eventos de 26 a 29 de maio, que serviram para propagar a mensagem do Senhor em solo salvadorenho e reafirmar a preMISIONÁRIO MUNDIAL 54 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


Fotos: Yaakob Parada Gomez

EVENTO

sença ativa da organização evangélica de fala hispana de maior relevância no mundo. O pastor Garavito, que chegou a El Salvador para visitar os diversos tem¬plos, presidiu em 26 de maio uma reunião de avaliação do trabalho missionário que congregou os líderes da Obra estabelecida em solo salvadoren-

ho. No dia seguinte, o servo de Deus liderou uma jornada de jejum no município de San Marcos, um dos dez que formam o grande San Salvador, onde o MMM continua ganhando a luta contra o mal. Posteriormente, em 28 de maio, Garavito, junto com outros pastores e irmãos do MMM de El Salvador, pre-

gou a Palavra do Senhor no parque San José, localizado no coração da cidade de San Salvador, onde chegou um grande grupo de crentes e pessoas do mundo secular. Um dia depois, a comitiva do MMM se deslocou ao parque Colón de Santa Ana, no qual se compartilhou novamente o Evangelho graças à intervenção do pastor Garavito l Julho 2016 / Impacto evangélico

55


CRISTO QUEBRA AS CADEIAS O MMM do México realizou seu Retiro Nacional de Pastores com uma grande assistência de ministros do Senhor.

P

astores provenientes dos esta¬dos de Monterrey, Chihuahua, Sinaloa, Nayarit, Veracruz, San Luis de Potosí, Tlaxcala, Puebla, Oaxaca e Chiapas assistiram de 5 a 8 de abril ao Retiro Nacional de Pastores, organizado pelo Movimento Missionário Mundial do México e realizado na Igreja central da Obra de Deus estabelecida em território mexicano. O retiro teve como expositor da Palavra de Deus o Rev. Álvaro Gara¬vito, Oficial Internacional do Movi¬mento Missionário Mundial, que pregou o Evangelho durante os quatro dias que durou o evento. Na primeira data, o pastor Garavito emitiu a mensagem “A diferença que há entre o filho e o escravo”. Depois, no segundo dia, o servo do Senhor compartilhou a alocução “Cristo quebrou minhas cadeias”. Durante a terceira jornada, o Rev. Garavito anunciou as boas novas mediante a intervenção baseada no livro de Atos 5:1-5, “Do que está cheio o seu coração?”. Um dia depois, no fechamento do Retiro Nacional de Pastores do MMM do México, o Oficial Internacional da Obra de Deus pronunciou a mensagem “Nossas motivações e obras serão julgadas perante o tribunal de Cristo” l MISIONÁRIO MUNDIAL 56 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


Fotos: Luis Valencia Cruz

EVENTO

Julho 2016 / Impacto evangĂŠlico

57


Fotos: Benjamín G. Mota MISIONÁRIO MUNDIAL 58 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


EVENTO

VIVENDO RETAMENTE O Movimento Missionário Mundial dos Estados Unidos celebrou sua Segunda Confraternização Regional Zona 5 no estado de Nova Jersey.

A

cidade de Perth Amboy, localizada no estado de Nova Jersey, foi sede da Segunda Confraternização Regional da Zona 5 do Movimento Missionário Mundial dos Estados Unidos em 15 e 16 de abril. O evento, presidido pelo Rev. Arturo Hernán¬dez, Supervisor Nacional da

Obra em solo estadunidense, congregou quinhentos crentes provenientes das igrejas da região nordeste do território norte-americano. Durante a festa espiritual, que se realizou sob o lema “Retidão”, foram pregadas as boas novas a um povo sedento de Deus. Nesse sen-

tido, na jornada inaugural o pastor Hernán¬dez compartilhou a Palavra e falou so¬bre a necessidade de retidão na vida dos seguidores de Deus. Além disso, o Supervisor Nacional do MMM dos Estados Unidos, na segun¬da data, anunciou novamente o Evangelho. Uma grande quantidade de vidas foram restauradas durante o evento. Além disso, houve numerosas curas e foram conhecidos detalhes do avanço da Obra em uma das nações com maior diversidade étnica do planeta. Do mesmo modo, houve um ambiente cheio de fé e a multidão que acudiu a Perth Amboy demonstrou de forma permanente seu amor e dedicação a Deus através de louvores, cânticos e orações cheias de uma grande presença do Senhor l Julho 2016 / Impacto evangélico

59


A GLÓRIA CONTINUA

Fotos: Sara Calderón

Com a presença de 350 crentes, o MMM da Espanha comemorou o nono aniversário da Sociedade de Jovens do templo central de Barcelona.

D

uas jornadas inesquecíveis, realizadas em 15 e 16 de abril, viveram os integrantes da Sociedade de Jovens da Igreja principal da cidade de Barcelona do Movimento Missionário Mundial da Espanha, a propósito das celebrações de seu nono aniversário de criação. Sob o lema “A glória continua”, este evento se destacou pela unção e pelo fervor demonstrados pelo povo do Senhor da localidade capital da comunidade autônoma da Catalunha. O pastor Morten Christensen, que atualmente pastoreia o templo do MMM da cidade de Malmö, situada ao sul da MISIONÁRIO MUNDIAL 60 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


EVENTO

Suécia, foi o servo de Deus designado para pregar a Palavra do Senhor nesta ocasião. Em sua participação, o ministro do Movimento Missionário Mundial falou sobre a importância da comunhão com Deus e acerca do amor de Jesus Cristo refletidos no próximo. Além disso, Christensen salientou o trabalho missionário da Obra da Espanha. Durante os dois dias de celebrações, os membros da Sociedade de Jovens da igreja principal da cidade de Barcelo¬na demonstraram sua dedicação e amor a Deus. Junto a eles, seguidores do Senhor prove¬nientes das igrejas de Girona, Molleru¬ssa, Terrassa, L’Hospitalet e Reus também adoraram o Rei de reis e conheceram de perto o trabalho realizado pela Obra na Espanha. Foram cerca de 350 crentes os que acudiram ao chamado do templo de Barcelona l Julho 2016 / Impacto evangélico

61


UM CHAMADO DE DEUS

O Movimento Missionário Mundial do Japão celebrou sua Décima Sexta Convenção Nacional na cidade de Narita.

D

e 3 a 5 de maio se rea¬lizou a XVI Convenção Nacional do Movimento Missionário Mundial do Japão, na cidade de Narita, com a presença dos reverendos José Arturo Soto, Vice-Presidente Internacional da Obra de Deus, e Rubén Concepção, Secretário Internacional do MMM, que compartilharam esta festa espiritual com centenas de irmãos das diMISIONÁRIO MUNDIAL 62 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

ferentes igrejas estabelecidas na Terra do Sol Nascente. A convenção, liderada pelo Rev. David Veramendi Takaeda, Supervisor Nacional do MMM do Japão, foi inaugu¬rada pelo Rev. Concepción, que expôs a mensagem “Um novo início”. Baseado em Joel 2:2829, o servo do Senhor, em sua mensagem, afirmou que a adversidade serve para os

propósitos de Deus. Depois, durante o segundo serviço, o Rev. Soto compartilhou as boas novas de Deus mediante o tema “A crise do compromisso”, baseada no livro do Êxodo 8:25-29. Depois, no terceiro serviço, o pas¬tor Concepción pregou novamente e ofereceu uma mensagem, fundamentada em Êxodo 15:22-27, no qual salientou que


Fotos: Jose Enrique Yamanija Mendoza

EVENTO

em momentos de dificuldade devemos clamar a Deus. Posteriormente, no quarto serviço, o pastor Soto foi o expositor da Palavra de Deus e pronunciou o discurso “Procuremos o equilíbrio”, que abordou a passagem bíblica incluída em Lucas 10:38-42. Durante o último dia da XVI Convenção Nacional do Movimento Missionário Mundial do Japão, o Rev. Concepción dirigiu a mensagem “Deus chama”. Durante a prédica do servo do Senhor, inspirada na conferência missionária escrita em 1987 pelo Rev. Luis M. Ortiz, houve um chamado para que escutemos o clamor do Senhor l Julho 2016 / Impacto evangélico

63


JESUS É O CAMINHO

Fotos: Joel Villegas y Esteven Torres

O Movimento Missionário Mundial de Porto Rico desenvolveu seu Retiro Acampamento de Crianças no município de Cidra.

O

Acampamento Ebenezer, situado no município de Cidra, na região central montanhosa de Porto Rico, foi o cenário elegido pelo Movimento Missionário Mundial de Porto Rico para realizar, de 6 a 8 de junho, seu Retiro Acampamento de Crianças. Durante o primeiro dia do evento, liderado pelo Rev. Albert Rivera, Supervisor Nacional do MMM de Porto Rico, a irmã Elizabeth Maldonado, líder de crianças da Zona 4 da Obra de Deus estabelecida na Ilha do Cordeiro, pregou a Palavra de Deus. Depois, na segunda data, pela manhã, as crianças participaram de uma jornada de jejum e oração. Posteriormente, escutaram a conferência “Eu quero saber quem é o Espírito Santo”, na qual se abordou aspectos relacionados com a fé MISIONÁRIO MUNDIAL 64 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

cristã. Mais tarde, pela noite, a irmã Zoraida Ginés compartilhou as boas novas. O Retiro Acampamento de Crianças do Movimento Missioná-

rio Mundial de Porto Rico acabou com um culto especial no qual a irmã Ruth Goden, líder de crianças da Zona 6 e 9 da Obra local, anunciou o Evangelho do Senhor l


Outros Eventos

ARGENTINA INAUGURAÇÃO DE SEDE EM BECCAR

Com a ajuda de Deus TodoPoderoso, o Movimento Missionário Mundial inaugurou em 2 de abril uma nova sede em Juan B. Justo 727, em Beccar, Zona Norte de Buenos Aires, República Argentina. O irmão Juan Herrera e sua esposa Miriam Trujillo estarão a cargo do lugar. O Rev. Ismael Parrado, Supervisor Nacional do MMM da Argentina, difundiu a mensagem da Palavra do Senhor. Ganharam almas para Cristo. Graças a Deus, a Obra na Argentina continua avançando e continuamente cresce o número de congregações. A Deus seja toda a glória! l

HOLANDA

SUÍÇA

ISRAEL

CULTO EVANGELÍSTICO EM AMSTERDÃ

CONFRATERNIZAÇÃO DE DAMAS EM GENEBRA

VIAGEM MISSIONÁRIA E BATISMO NAS ÁGUAS

Em 30 de maio se levou a cabo um precioso Culto Evangelístico na Igreja do Movimento Missionário Mundial de Amsterdã, com a visita do Supervisor Nacional da Itália, Rev. David Echalar, que levou a mensagem de Deus sob o tema “Problemas na Igreja”, baseado nas cartas 1 e 2 de Timóteo. Depois da ministração da Palavra, os participantes passaram ao altar com lágrimas nos olhos para entregar suas vidas ao Senhor. Este evento se realizou com o apoio das diversas igrejas e pastores da Holanda. Damos glória a Deus. Agradecemos a todos os irmãos em nome do pastor local Sergio Veizaga l

De 29 de abril a 1 de maio se desenvolveu a VIII Confraternização de Damas no prédio do ICC, Genebra. O lema da atividade foi “Mulheres que presenciam a vitória”. Assistiram delegações internacionais, como as da Itália, França, Suécia e outras. E entre os participantes nacionais estiveram o pastor Jimmy Ramírez (anfitrião do evento) e sua esposa, da cidade de Genebra, da cidade de Languenthal, de Basel, de Zurique, da cidade de Lausana, entre outros. Foram expostos os temas “Mulheres que se distinguem” (Êxodo 15:1), “Se seus anelos não morrerem, o que você verá?” (Mateus 28:6), “Porque você é a que impulsiona a família, e as esposas animam” (Lucas 7:3), e “Mulheres que presenciam a vitória” (Cântico dos Cânticos 2:15) l

De 11 a 14 de maio, o Rev. Hugo Lope, Presbítero da Zona Norte e Tesoureiro da Obra na Itália, junto com sua esposa, a Irmã Lizet Arias de Lope, e um grupo de irmãos realizaram uma viagem missionária a Israel. No primeiro serviço, o Rev. Lope emitiu sua prédica "Mulheres de guerra", com a qual compartilhou um ensinamento que chegou ao coração de cada pessoa e instou o povo a continuar lutando a boa batalha da fé. O dia 12 de maio foi uma data especial porque cinco irmãos de diferentes congregações foram batizados no rio Jordão. A delegação também visitou Nazaré (Casa de José, Maria e Jesus), a sinagoga onde Jesus leu Isaías 61, o Monte da Precipitação, o Monte das Bem-Aventuranças, entre outros lugares. Não deixemos de orar por nossos irmãos, pela Obra e por esta nação de Israel, que com esforço e dedicação continua dando frutos l

Julho 2016 / Impacto evangélico

65


ESCREVEM-NOS... cartas@impactoevangelistico.net LUIS A. LÓPEZ Eu não cesso de dar graças a Deus pela linda bênção e o grande privilegio de me sentir parte do ministério desta Obra. Eu quero lhes dizer que sempre recebo a revista e desfruto muito ao ler tão edificantes mensagens contidas nela. Também sinto gozo ao ver as fotografias e vistas das várias atividades realizadas em diferentes lugares, tanto aqui em Porto Rico como em outros lugares tão distantes como na Índia. De Mayagüez, Porto Rico.

MARÇO 3-6 Convenção em Honduras - Comayagua (Chegada a San Pedro de Sula) 10-13 Convenção na Austrália (Sydney) 23-27 Convenção na Guatemala (Cidade da Guatemala) 30-3 (ABRIL) Convenção nas Guianas, Trindade e Martinica (Georgetown, Guiana)

Deus os abençoe. Eu estou cheia de gozo porque sou testemunha do crescimento da Obra sob a bênção de Jeová. Em Cristo somos mais que vencedores! De Maracaibo, Venezuela.

ABRIL MAIO 3-5 Convenção no Japão (Narita, Chiba Ken) 26-29 Convenção na Índia (Tamil Nadu, Índia do Sul)

EVELIN CORONADO

JUNHO 23-26 Convenção no Brasil (Manaus) 30-3 (JULHO) Convenção na Bolívia (La Paz)

Que Deus os abençoe. Há 33 anos que eu recebo esta revista e escuto todos os milagres e maravilhas que Deus fez através deste ministério. Esta publicação foi minha Escola Bíblica. De Spring Valley, Califórnia, Estados Unidos da América.

Recebam uma saudação fraterna. Estive lendo a mensagem do Rev. Luis M. Ortiz “O Cristo imprescindível”. Eu lembro que o escutei para este tempo. Se nesta era do cristianismo houve um verdadeiro apóstolo, esse era Luis M. Ortiz, um paladino, defensor da sã doutrina, um genuíno fundador de igrejas além de suas fronteiras, com prodígios, sinais e milagres, um verdadeiro pastor, um entusiasta evangelista e um formidável mestre. Parabéns pela realização da revista. Da República Dominicana.

CARLOS BONILLA SERRANO Deus os abençoe, irmãos. Continuem trabalhando e

que Deus os continue guiando na publicação desta. Desde que a vi, eu gostei e a continuarei adquirindo para ver as maravilhas que Deus faz em muitas vidas. Com Cristo somos mais que vencedores. De La Villegas, Equador.

RICHARD CORONEL Que Deus os continue abençoando. Saudações em nome do Senhor. Eu quero lhes comentar que as publicações deste meio foram muito úteis para mim. Há algum tempo que eu me congrego no Movimento Missionário Mundial e até agora vejo o apoio que recebo de Deus. Continuem trabalhando. Do estado de Monagas, Venezuela.

JAVIER MARTÍNEZ JUAN CARLOS RODRÍGUEZ Agradeço a Deus pelas informações oferecidas na revista, já que os temas expostos aqui são de muita ajuda. Que o Senhor os abençoe ricamente. De Madrid, Espanha.

JANEIRO 1-4 Convenção Nacional em Porto Rico 11-18 Convenção Nacional na Colômbia (Medellín) FEVEREIRO 5-7 Convenção no Paraguai (Itaguá) 5-9 Convenção no Panamá 11-14 Convenção na Argentina

ISABEL SÁNCHEZ

ROBERTO MARTÍNEZ

AGENDA GLOBAL 2016

Agradeço a Deus por me permitir fazer parte desta Obra de fé e de sacrifício, e por ter esta maravilhosa revista que verdadeiramente edifica nossas vidas com cada um dos temas que abordam nela. Deus abençoe os que realizam este nobre trabalho, que trouxe salvação a milhares de almas. De Huíla, Colômbia.

JULHO 6-9 6-9 12-15 21-24

Convenção na Costa Rica (San José) Convenção nas Antilhas Holandesas (Bonaire) Convenção nos Estados Unidos (Virgínia) Convenção no México (Puebla)

AGOSTO 10-14 II Congresso Europeu (Madrid) 11-14 Convenção no Haiti (Porto Príncipe) 18-21 Convenção na África (Guiné Equatorial) 23-27 Convenção na Venezuela (Barquisimeto) 25-28 Convenção no Equador (Guayaquil) SETEMBRO 1-4 Convenção em Belize Sábado 24 Dia Mundial das Missões OUTUBRO 7-9 Confraternização Nacional no Canadá 13-15 Convenção na República Dominicana 14-16 Convenção nas Ilhas Maurício 17-19 Convenção em Madagascar 28-31 Campanha no Chile (Santiago) NOVEMBRO 3-6 Convenção em El Salvador 3-6 Convenção no Uruguai (Montevidéu) 19-24 Convenção no Peru (Lima) 24-27 Convenção na Nicarágua DEZEMBRO

Você pode baixar o leitor de código QR livre nestas plataformas: n Eventos realizados n Eventos a realizar

evangélico

MISIONÁRIO MUNDIAL 66 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Diretor Fundador: Rev. Luis M. Ortiz. Conselho editorial: Rev. Luis Meza Bocanegra, Jacqueline Rovira, Samuel Martínez, Rev. Andrés Espejo. Coordenador editorial: Rev. Julián Morón. Editor geral: Víctor Tipe Sánchez. Editor: Jaime Tipe Sánchez Editor gráfico: Roberto Guerrero. Design gráfico: Adolfo Zubietta. Redação: Johan Pérez Landeo, Marlo Pérez. Diagramação: Lesly Sánchez, Jorge Cisneros. Webmaster e Infografia: Julio de la Cruz. Ilustrações: Pablo Vilca. Transcrição: Fanny Vidal. Community manager: Juan Becerra, Denisse Barrientos. Distribuição: Javier Arotinco.


> Siga-nos em nossas redes sociais e baixe nosso aplicativo oficial

disponĂ­vel para IOS e Android - #betheltv

Julho 2016 / Impacto evangĂŠlico

67


NÃO SE CONFORME EM CONHECER SÓ UM LADO DA HISTÓRIA

ESTREIA

18 DE AGOSTO

Bethel Televisión, o canal do Movimento Missionário Mundial transmite a mensagem da Palavra de Deus mediante uma programação cultural e educativa de Lima-Peru através de 7 satélites e via internet a todo o mundo. MISIONÁRIO MUNDIAL 68 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

750_Portuguesa  

Revista Impacto Evangélico Edição Julho 2016 Língua Portuguesa

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you