Page 1

Quinta-Feira, 19 de Julho de 2012

Arquivo dos Bombeiros Voluntários do Peso da Régua As melhores imagens da sua História

Dona ANTÓNIA – A Sócia Contribuinte nº1 dos Bombeiros da Régua Excerto da peça de teatro “A Ferreirinha - uma mulher fora do seu tempo”

Francisco Correia – A senhora dona Antónia dá licença? Dona Antónia – Senhor Correia, ainda bem que chegou! Quero ir às Caldas do Moledo ver como vai o movimento dos banhos! Francisco Correia – Mas está fresco!!!! Dona Antónia – Ora, ora… Nada disso…É verdade, ontem esqueci-me de lhe falar das obras da Capela do Cruzeiro!... Tenho muito gosto em contribuir com uma quantia significativa… desde que não alterem nada do que mostraram no desenho! É muito dinheiro! Aquela capela merece ser bem recuperada! Ali estão os símbolos do Peso e da Régua! Francisco Correia – Como a Senhora desejar…Quando achar conveniente indica-me a quantia. Dona Antónia – Também hei-de ajudar a igreja de Godim na recuperação do altar do Senhor da Misericórdia (pensativa)…e misericórdia tenha de nós!!! Francisco Correia – Na verdade a vida não está fácil! Dona Antónia – Não se esqueça dos Bombeiros! Eles dão a vida

pela vida dos outros... merecem! Francisco Correia – Merecem sim! O senhor Manuel Maria Magalhães ficou de passar por cá, para cumprimentar a senhora dona Antónia e convidá-la para sócia contribuinte. Dona Antónia – Esse Senhor Magalhães é um homem muito dinâmico, não é? Ele também não pertence à mesa do Hospital? Francisco Correia – É um homem de direito, muito empenhado na evolução da Régua! O Hospital já está a funcionar…graças aos donativos da Senhora. Dona Antónia – Meus, da minha família e principalmente do meu falecido marido Francisco Torres! Aliás, se todos pensassem como eu… Cada um na sua terra, deveria fazer tudo que fosse para bem da humanidade! (mudando de tom) Está bem!...Mudemos de assunto… (chega uma criada) Maria – A Senhora dá licença? Acabou de chegar um senhor que diz ser dos Bombeiros. Dona Antónia – Não me diga que é ele??? Só pode ser boa pessoa! Manda-o entrar, Maria.

Francisco Correia – O senhor Manuel Maria Magalhães!...vai ser o comandante! ( a empregada fá-lo entrar) Sr. Magalhães – Dão licença? Dona Antónia – Entre! Entre Sr Magalhães. ( cumprimenta com uma curta vénia dona Antónia e F. Correia) Dona Antónia – Então como vão as diligências para o arranque dessa associação de Bombeiros?! Sr. Magalhães – Senhora dona Antónia, venho informá-la que os estatutos estão prontos, foram redigidos pelo Dr. Claudino, o nosso Presidente da Câmara. E seremos, se tudo correr como todos desejamos, dos primeiros a ter uma instituição de intervenção social, tão necessária. Dona Antónia – Fico contente…já que me visita só para me comunicar que vamos ter uma Associação de Bombeiros!!! Estamos todos mais descansados! Francisco Correia – Senhora dona Antónia, repare no livro que o Sr Manuel Maria de Magalhães traz !... ( Riem um pouco…) Sr. Magalhães – Senhora dona Antónia, tenho a honra de a convidar a assinar o Livro dos Estatutos da Associação e Inscrição dos Sócios Contribuintes! A Senhora será a sócia nº1. ( passa-lhe o livro ) Dona Antónia – Ora muito bem, muito bem!!!…Sócia Contribuinte?!... não é verdade? E então vou contribuir?... Sr. Magalhães – A joia será de 500,000 e a quota mensal 200,000. Acha bem? Dona Antónia – (tosse um pouco) Ora bem!!! E já falaram a outras famílias cá da Régua? Os Barretos, os Vasques? Sr. Magalhães – Já foram contactados e ninguém recusou! Dona Antónia – Temos todos obrigação de contribuir!! É urgente existir na Régua uma associação desta natureza devidamente equipada! Já viu, se acontece algum incêndio na altura em que há pipas e pipas de aguardente nos nossos e em outros armazéns!... Francisco Correia – Lá isso é verdade, seria uma tragédia!

Sr. Magalhães – A Sra dona Antónia disse bem “devidamente equipada” ! Mas esse é o maior problema! A estação de material, no Largo da Chafarica, é um sítio já muito acanhado. A Câmara não tem grandes meios e nós precisamos de bombas mais modernas, mangueiras, um carro de escadas, fardas… Dona Antónia – (olhando-o de alto a baixo) Ó sr Magalhães, olhe que essa sua farda fica-lhe mesmo a matar!!! ( tosse) Francisco Correia – ( comenta) Comandante é comandante!!! Sr. Magalhães – (sorri) Nós também temos um grupo dramático, uma banda de música…preocupamonos em valorizar a cultura e o divertimento! Dona Antónia – É bom que as pessoas…dêem valor à cultura! Sr. Magalhães – A leitura de bons livros, julgo ser da máxima importância…só que a nossa biblioteca está reduzida a uma estante de livros… Dona Antónia – (tosse)Já entendi sr Magalhães, já entendi!!! Precisa de livros…ou melhor…uma quantia para aumentar essa estante!!! Não é verdade???( uma criada entra a correr ) Josefina – Minha senhora! Há fogo…há fogo!!! O sino do Cruzeiro não pára de tocar… Sr. Magalhães – (preocupado) Quantos toques? Quantos toques ouviu? Josefina – São sete! Sete badaladas!!! (à parte) ou foram oito?? Sr. Magalhães – Ora sete…Ameixieira…senhor dos Aflitos…peço desculpa senhora dona Antónia mas tenho de me apressar…não posso ser o último a chegar!!! Francisco Correia – Eu acompanhoo…(saem os dois apressadamente) Dona Antónia – Acho bem… Espero que não seja em nenhuma das minhas casas…Eu tenho lá várias… (esquece) Aqui ficou o Livro….vou assinar sem testemunhas!!! O que eles querem é uma quantia sempre certinha…e mais alguma para mais umas extravagâncias…(assina e fecha o livro em seguida) Ele cá há-de vir buscá-

SEMANÁRIO INDEPENDENTE DEFENSOR DO ALTO DOURO

lo!!! É simpático, bem apessoado!!! Sim senhor!!! (mudando de tom) Ora bem, amanhã é domingo? Pois é…amanhã é domingo…temos bodo aos pobres! ( toca a campainha e aparece uma criada) Chica – A Senhora chamou? Dona Antónia – Sim, Chica! Na cozinha, lembra à Maria que tenha fartura de alimentos. Quero dar um bodo a essa gente que costuma vir assistir à missa. Chica – Sim minha Senhora! O tempo tem ido tão ruim! Há muita fome por aí! Dona Antónia – Então eu não sei?... Vai…vai…despacha-te! Diz ao Damásio que quero ir ao Moledo e na passagem, quero ir ver como vão os preparativos para a vindima na Quinta do Santinho…(ri-se) Fica em caminho, Chica! Chica – (como se já contasse) O Damásio tem a caleche pronta, como sempre e como a Senhora gosta. Mas está fresco…não vai adoecer? D. Antónia – Ora, ora…tens cada uma!!! Estes meus empregados! Sou alguma velha??? (saem e a criada tem de lhe levar o agasalho que ela faz questão de se esquecer) Josefina – (entra um pouco esbaforida…) Minha Senhora, minha Senhora! (repara que já não há ninguém na sala) Ainda bem que já não está cá!!! Então, não é que eles já estão de volta!? Estou a ver que foi só fumaça…. ou será que me enganei nos toques…mas eu contei…7! Será que não foram??? Enganei-me!!! AhAhAh… foram dar uma voltinha à Régua…ver se estava mais direita!!!

Autores: Grupo de Teatro da Universidade Sénior do Rotary Clube do Peso da Régua. Este excerto constitui o Quadro nº 8 da peça de teatro amador que recria com muito rigor histórico factos da vida deste singular mulher reguense, numa excelente representação dos alunos daquela Universidade.

5

Dona ANTÓNIA – A Sócia Contribuinte nº1 dos Bombeiros da Régua  

Excerto da peça de teatro “A Ferreirinha - uma mulher fora do seu tempo” publicado no Jornal Arrais de 19 de Julho de 2012