Issuu on Google+

AS BORBOLETAS

Brancas Azuis Amarelas E pretas Brincam Na luz As belas Borboletas Borboletas brancas São alegres e francas. Borboletas azuis Gostam muito de luz. As amarelinhas São tão bonitinhas! E as pretas, então… Oh, que escuridão!

Vinícius de Moraes

Canção Tu eras neve. Branca neve acariciada. Lágrima e jasmim no limiar da madrugada. Tu eras água. Água do mar se te beijava. Alta torre, alma, navio, adeus que não começa nem acaba. Eras o fruto nos meus dedos a tremer. Podíamos cantar ou voar, podíamos morrer. Mas do nome que maio decorou,


nem a cor nem o gosto me ficou. Eugénio de Andrade

Canção de Embalar Bonequinhas Pobres", Matilde Rosa Araújo Menina dos olhos doces Adormece ao meu cantar: Tenho menina de trapos, Tenho uma voz de luar...

Os meus braços são da lua, Quando ela é quarto cescente: Dorme menina de trapos, Meu pedacinho de gente.

Dorme minha filha triste, Meu farrapo de menina, Dorme, porque eu sou a nuvem que te serve de cortina.

Menina dos olhos doces Adormece ao meu cantar: Tenho menina de trapos, Tenho uma voz de luar...

Araújo, Matilde Rosa - Livro da Tila. Coimbra: Atlântida Editora, 1973, p. 23

Cavalinho, cavalinho Cavalinho, cavalinho Que baloiça e nunca tomba; Ao montar meu cavalinho Voo mais do que uma pomba!


Cavalinho, cavalinho, De madeira mal pintada: Ao montar meu cavalinho As nuvens são minha estrada!

Cavalinho, cavalinho Que meu pai me ofereceu: Ao montar meu cavalinho Toco as estrelas do céu!

Cavalinho, cavalinho Já chegam meus pés ao chão: Ao montar meu cavalinho Que triste meu coração!...

Cavalinho, cavalinho Passou tempo sem medida: Tu continuaste baixinho E eu tornei-me tão crescida. Cavalinho, cavalinho Por que não cresces comigo? Que tristeza, cavalinho, Que saudades, meu Amigo! Matilde Rosa Araújo, O Livro da Tila

GIRAFA Leonel Neves Tenho pena da girafa de pescoço grandalhão: - Como é que a pobre se abafa,


tendo uma constipação? Coitadinha da Girafa! Quando eu me constipo, posso arranjar um cachecol. Mas com aquele pescoço… Safa! Pobre da Girafa! - Vou oferecer-lhe um lençol.

Igual-Desigual . .

Carlos Drummond de Andrade

Eu desconfiava: Todas as histórias em quadrinhos são iguais. Todos os filmes norte-americanos são iguais. Todos os filmes de todos os países são iguais. Todos os best-sellers são iguais. Todos os campeonatos nacionais e internacionais de futebol são iguais. Todos os partidos políticos são iguais Todas as mulheres que andam na moda são iguais. Todos os sonetos, gazéis, virelais, sextinas e rondós são iguais. E todos, todos os poemas em versos livres são enfadonhamente iguais. Todas as guerras do mundo são iguais. Todas as fomes são iguais. Todos os amores iguais, iguais, iguais. Iguais todos os rompimentos. A morte é igualíssima. Todas as criações da natureza são iguais. Todas as ações, cruéis, piedosas ou indiferentes, são iguais.


Contudo, o homem não é igual a nenhum outro homem, bicho ou coisa. Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho Impar. .

NAU CATRINETA Lá vem a Nau Catrineta Que tem muito que contar! Ouvide agora, senhores, Uma história de pasmar. Passava mais de ano e dia Que iam na volta do mar, Já não tinham que comer, Já não tinham que manjar. Deitaram sola de molho Para o outro dia jantar; Mas a sola era tão rija, Que a não puderam tragar. Deitaram sortes à ventura Qual se havia de matar; Logo foi cair a sorte No capitão general. - “Sobe, sobe, marujinho, Àquele mastro real, Vê se vês terras de Espanha, As praias de Portugal!” - “Não vejo terras de Espanha, Nem praias de Portugal; Vejo sete espadas nuas Que estão para te matar.”


- “Acima, acima, gageiro, Acima ao tope real! Olha se enxergas Espanha, Areias de Portugal!” - “Alvíssaras, capitão, Meu capitão general! Já vejo terras de Espanha, Areias de Portugal!” Mais enxergo três meninas, Debaixo de um laranjal: Uma sentada a coser, Outra na roca a fiar, A mais formosa de todas Está no meio a chorar.” - “Todas três são minhas filhas, Oh! quem mas dera abraçar! A mais formosa de todas Contigo a hei-de casar.” - “A vossa filha não quero, Que vos custou a criar.” - “Dar-te-ei tanto dinheiro Que o não possas contar.” - “Não quero o vosso dinheiro Pois vos custou a ganhar.” - “Dou-te o meu cavalo branco, Que nunca houve outro igual.” - “Guardai o vosso cavalo, Que vos custou a ensinar.” - “Dar-te-ei a Catrineta, Para nela navegar.” - “Não quero a Nau Catrineta, Que a não sei governar.”


- “Que queres tu, meu gageiro, Que alvíssaras te hei-de dar?” - “Capitão, quero a tua alma, Para comigo a levar!” - “Renego de ti, demónio, Que me estavas a tentar! A minha alma é só de Deus; O corpo dou eu ao mar.” Tomou-o um anjo nos braços, Não no deixou afogar. Deu um estouro o demónio, Acalmaram vento e mar; E à noite a Nau Catrineta Estava em terra a varar. (Almeida Garrett, Romanceiro)

Meninos de todas as cores – Luísa Ducla Soares 07 por contadores.destorias

Conceição Dinis; Fátima Lima (org.) Aventura das Letras Porto, Porto Editora, 2003

Era uma vez um menino branco chamado Miguel, que vivia numa terra de meninos brancos e dizia: É bom ser branco porque é branco o açúcar, tão doce, porque é branco o leite, tão saboroso, porque é branca a neve, tão linda. Mas certo dia o menino partiu numa grande viagem e chegou a uma terra onde todos os meninos eram amarelos. Arranjou uma amiga chamada Flor de Lótus, que, como todos os meninos amarelos, dizia: É bom ser amarelo porque é amarelo o Sol e amarelo o girassol mais a areia da praia.


O menino branco meteu-se num barco para continuar a sua viagem e parou numa terra onde todos os meninos são pretos. Fez-se amigo de um pequeno caçador chamado Lumumba que, como os outros meninos pretos, dizia: É bom ser preto como a noite preto como as azeitonas preto como as estradas que nos levam para toda a parte. O menino branco entrou depois num avião, que só parou numa terra onde todos os meninos são vermelhos. Escolheu para brincar aos índios um menino chamado Pena de Águia. E o menino vermelho dizia: É bom ser vermelho da cor das fogueiras da cor das cerejas e da cor do sangue bem encarnado. O menino branco foi correndo mundo até uma terra onde todos os meninos são castanhos. Aí fazia corridas de camelo com um menino chamado Ali-Babá, que dizia: É bom ser castanho como a terra do chão os troncos das árvores é tão bom ser castanho como um chocolate. Quando o menino voltou à sua terra de meninos brancos, dizia: É bom ser branco como o açúcar amarelo como o Sol preto como as estradas vermelho como as fogueiras castanho da cor do chocolate. Enquanto, na escola, os meninos brancos pintavam em folhas brancas desenhos de meninos brancos, ele fazia grandes rodas com meninos sorridentes de todas as cores. Luísa Ducla Soares

Balada de Neve Junho 2, 2006

Batem leve, levemente, como quem chama por mim. Será chuva? Será gente? Gente não é, certamente e a chuva não bate assim. É talvez a ventania: mas há pouco, há poucochinho, nem uma agulha bulia


na quieta melancolia dos pinheiros do caminho… Quem bate, assim, levemente, com tão estranha leveza, que mal se ouve, mal se sente? Não é chuva, nem é gente, nem é vento com certeza. Fui ver. A neve caía do azul cinzento do céu, branca e leve, branca e fria… . Há quanto tempo a não via! E que saudades, Deus meu! Olho-a através da vidraça. Pôs tudo da cor do linho. Passa gente e, quando passa, os passos imprime e traça na brancura do caminho… Fico olhando esses sinais da pobre gente que avança, e noto, por entre os mais, os traços miniaturais duns pezitos de criança… E descalcinhos, doridos… a neve deixa inda vê-los, primeiro, bem definidos, depois, em sulcos compridos, porque não podia erguê-los!… Que quem já é pecador sofra tormentos, enfim! Mas as crianças, Senhor, porque lhes dais tanta dor?!… Porque padecem assim?!… E uma infinita tristeza, uma funda turbação entra em mim, fica em mim presa. Cai neve na Natureza e cai no meu coração. Augusto Gil


Poemas