Page 1


Mensagem do Presidente

Muitos são os entraves à retomada do desenvolvimento econômico em nosso estado e em todo o país. Dentre eles, destaca-se o roubo de cargas, que aumentou 86% nos últimos seis anos, causando prejuízos em torno de R$ 6,1 bilhões e colocando o Brasil, em uma lista com 57 países, como o oitavo mais perigoso para o transporte de cargas no mundo, atrás apenas de países envolvidos em guerra e conflitos civis, como Síria, Yemen, Líbia, Afeganistão, Sudão do Sul, Somália e Iraque. Em 2016 houve uma explosão do crescimento deste crime em relação ao ano anterior. Em 44 dias, o número total de roubos de cargas no Brasil foi o mesmo que o registrado nos Estados Unidos e Europa, juntos, em um ano inteiro. São Paulo e Rio de Janeiro representam 87,8% dos registros de 2016. De produtos alimentícios e bebidas a eletroeletrônicos, passando por itens de higiene e beleza, remédios, peças de vestuário, acessórios e outros, o roubo de carga prejudica vários segmentos da indústria e do comércio e provoca um nocivo efeito em cadeia: os estados deixam de arrecadar impostos, devido à comercialização clandestina das cargas roubadas, e os custos extras acabam transferidos para o consumidor final. Além destes aspectos, da perda de competitividade e da imagem altamente negativa do país, que afasta investimentos, é importante ressaltar outro fato alarmante: o aumento da violência, já que o roubo de cargas serve, também, para financiar o tráfico de drogas e armas.

Estes dados vergonhosos, que fazem parte do estudo “O impacto econômico do roubo de cargas no Brasil”, realizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – Firjan, denotam a gravidade do problema, que exige a atenção e, principalmente, a ação firme e coordenada dos três níveis de governo – municipal, estadual e federal – incluindo segmentos representativos da sociedade, para combatê-lo. Com esta perspectiva, a Firjan lançou o Movimento Nacional Contra o Roubo de Cargas, no dia 16 de março. Uma iniciativa à qual se unem mais de 80 entidades de classe e empresariais de todo o país, aí incluídos o SindilojasRio e o CDLRio, que visa à aprovação de leis mais rigorosas para combater e inibir o roubo de cargas e à ampliação das ações de repressão e fiscalização, atingindo todos os elos da cadeia que este crime alimenta, inclusive o comércio ambulante de produtos roubados. Por tudo isso, a mobilização nacional para o enfrentamento deste problema será decisiva. Considerando esta e tantas outras questões que afetam o desenvolvimento e o crescimento de nossas empresas, e, consequentemente, toda a sociedade, cabe ressaltar a importância cada vez maior do associativismo. Atravessamos tempos difíceis que exigem uma atuação assertiva e permanente nos diferentes fóruns de discussão e decisão. Assim, buscando sempre o fortalecimento e a defesa dos interesses do empresariado lojista, é com esta premissa que o SindilojasRio e o CDLRio trabalham. Juntos, somos mais fortes!

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Todos contra o roubo de cargas

Aldo Gonçalves Presidente do SindilojasRio e do CDLRio

1


SUMÁRIO 20

SERVIÇOS PARA O LOJISTA

Ação vitoriosa Associados do SindilojasRio têm direito a ressarcimento de valores de contas de luz e telefone, que vão ficar 7% mais baratas

32

OPINIÃO

CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL Arnaldo dos Santos Jr., presidente do Sescon-RJ, especial para O Lojista

ATUAÇÃO INSTITUCIONAL E PARCERIAS ARTIGOS

5

12 e 17

MERCADO E TENDÊNCIAS

25

SAÚDE E BEM-ESTAR

27

PESQUISAS

14

HISTÓRIA E CURIOSIDADES DO COMÉRCIO

28

SERVIÇOS PARA O LOJISTA

21

LEGISLAÇÃO E TRIBUTOS

30

DESTAQUES

22

O LOJISTA RESPONDE

31


8

CAPA

ATENDIMENTO Um diferencial que não sai de moda. O atendimento é um dos aspectos mais importantes do comércio e continua a ser o grande diferencial de um negócio, de uma marca. A consultora e especialista em Gestão de Pessoas Mônica Simas, que atua há mais 30 anos no varejo, explica o porquê.

expediente Presidente do SindilojasRio e do CDLRio Aldo Carlos de Moura Gonçalves Diretoria do SindilojasRio Vice-Presidente: Julio Martin Piña Rodrigues Vice-Presidente de Relações Institucionais: Roberto Cury Vice-Presidente de Administração: Ruvin Masluch Vice-Presidente de Finanças: Gilberto de Araújo Motta Vice-Presidente de Patrimônio: Júlio Moysés Ezagui Vice-Presidente de Marketing: Juedir Viana Teixeira Vice-Presidente de Associativismo: Pedro Eugênio Moreira Conti Superintendente: Carlos Henrique Martins

Diretoria do CDLRio Vice-Presidente: Luiz Antônio Alves Corrêa Diretor de Finanças: Szol Mendel Goldberg Diretor de Administração: Carlos Alberto Pereira de Serqueiros Diretor de Operações: Ricardo Beildeck Diretor Jurídico: João Baptista Magahães Diretor de Assiciativismo: Jonny Katz Superintendente Operacional: Ubaldo Pompeu Superintendente Administrativo: Abraão Flanzboym Conselho de Redação SindilojasRio: Juedir Teixeira Carlos Henrique Martins Andréa Mury

CDLRio: Ubaldo Pompeu Abraão Flanzboym Lúcio Ricardo Barbara Santiago Editor Responsável: Luiz Bravo (Registro Profissional MTE nº7.750) Reportagem: Igor Monteiro Publicidade: (21) 2217-5000 Ramais 202, 272 e 273 Corretores: Santos: (21) 98682-1128 Lucélia Rosáro: (21) 99639-9379

Revisão: Andréa Mury Lúcio Ricardo Fotógrafo: Arthur Eduardo Silva Pereira Secretário: Eduardo Farias Supervisão Gráfica e capa: Leonardo Lisboa Diagramação: Márcia Rodrigues Eduardo Farias O Lojista: Publicação bimestral do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro – SindilojasRio e do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro – CDLRio

Versão On-line: www.cdlrio.com.br e www.sindlojasrio.com.br


4

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Atuação Institucional e Parcerias


ATUAÇÃO INSTITUCIONAL E PARCERIAS

ANIVERSÁRIO DA CIDADE Os 452 anos da Cidade do Rio de Janeiro foram comemorados no dia 2 de março, no Largo da Carioca, por iniciativa da Sarca – Sociedade dos Amigos da Rua da Carioca e Adjacências, que há 28 anos celebra a data. Neste ano, como o aniversário de fundação da Cidade, 1º de março, caiu na 4ª feira de cinzas, a Sarca festejou no dia seguinte. Não faltou o tradicional bolo de aniversário que faz parte da programação desde a primeira comemoração. O cantor Neguinho da

Beija-Flor, que recebeu a faixa de “O cidadão mais carioca”, juntamente com o presidente da Sarca, Roberto Cury, e representantes da Igreja Católica e da Prefeitura do Rio, cortou o bolo, que foi oferecido ao público presente à festa do Rio. Na foto, o presidente da Sarca Roberto Cury entregou a Taça alusiva ao evento ao presidente do SindilojasRio Aldo Gonçalves, juntamente com diretores da entidade.

O Sindicato dos Contabilistas do Município do Rio de Janeiro - SINDICONT-Rio promove no dia 1º de maio, a partir das 8h no Parque do Flamengo, a 8ª Caminhada dos Profissionais da Contabilidade. O objetivo do evento é incentivar a atenção à saúde, por meio de um esporte que pode ser praticado por pessoas de qualquer idade.

O credenciamento, a partir das 8h30min, será na descida da rampa de acesso do Museu de Arte Moderna do Rio - MAM, onde haverá a distribuição do kit da caminhada para os 400 primeiros credenciados. O percurso de quase 3 km terá término no Teatro de Marionetes. Haverá o apoio de uma UTI móvel durante todo o evento.

As inscrições, gratuitas, podem ser feitas pelo site do SINDICONT-Rio: www.sindicont-rio.org.br

Na chegada, para recompor as energias, os participantes receberão um lanche. Ao final, haverá sorteio de brindes.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

CAMINHADA DOS CONTABILISTAS DO RIO SERÁ NO DIA 1º DE MAIO

5


ATUAÇÃO INSTITUCIONAL E PARCERIAS

Diretoria do Sescon-RJ visita o SindilojasRio

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Diretores do Sescon-RJ – Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis, Assessoramento, Periciais, Informações e Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro visitaram a sede do SindilojasRio, no dia 21 de fevereiro. Recebidos pelo presidente Aldo Gonçalves, do SindilojasRio, os visitantes percorreram a sede sindical, trocando informações com os diretores e colaboradores.

6

Participaram da visita os diretores do Sescon-RJ, o presidente Arnaldo dos Santos Jr., o vice Renato Mansur, o diretor jurídico Douglas Schneider e o suplente da Diretoria Helio Donin Junior, além da gerente executiva Luciana Buonafina. Na foto, os dirigentes do SesconRJ e diretores e executivos do SindilojasRio.


Será em João Pessoa, Paraíba, de 25 a 27 de maio, o 33º Congresso Nacional de Sindicatos Empresariais do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, promovido pelo Sindicato dos Lojistas do Comércio de João Pessoa. A ser realizado no Centro de Convenções da capital paraibana, o evento abordará a atual situação política do Brasil e seus efeitos danosos sobre a economia e às empresas, e, também, discutirá caminhos para melhorar o ambiente de negócios, com geração de mais empregos e renda para os brasileiros. Mais informações sobre o evento no portal do Congresso: 33cnse.com.br Por iniciativa do Sindilojas-SP, presidentes que já promoveram o encontro reuniram-se no dia 3 de fevereiro em, São Paulo, para definir a programação técnica do 33º Congresso.

ATUAÇÃO INSTITUCIONAL E PARCERIAS

DIRIGENTES SINDICAIS EMPRESARIAIS DO COMÉRCIO VÃO SE REUNIR EM MAIO

A patir da esquerda, José Marconi Medeiros Souza, presidente do Sindilojas-João Pessoa, promotor do evento; Ruy Pedro de Morais Nazarian, presidente do Sindilojas-SP, e Aldo Gonçalves, presidente do SindilojasRio.


CAPA

Atendimento Um diferencial que não sai de moda

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Mesmo com as vantagens competitivas que as inovações trazem, um dos fatores mais importantes para o sucesso de uma marca, de um empreendimento varejista, continua sendo o atendimento ao cliente. Esta constatação ganhou ainda mais relevância na última edição do maior evento de varejo do mundo, o Big Show da National Retail Federation (NRF), realizado anualmente em Nova Iorque (EUA). “Varejo é gente” foi a frase mais ouvida pelos participantes do evento, indicando que oferecer um atendimento de qualidade e diferenciado é fundamental e constitui-se em um grande desafio para as empresas.

8

Para aprofundar o tema, a revista O Lojista entrevistou Mônica Simas, que atua há mais de 30 anos no varejo e fez uma das palestras mais concorridas do seminário Pós-NRF, realizado pelo SindilojasRio em fevereiro passado. Sócia em uma empresa de consultoria em Desenvolvimento Humano e Organizacional que atende várias empresas, ela começou no varejo como vendedora temporária. Hoje, Mônica acumula experiência e especializações em Gestão de Pessoas, Docência do Ensino Superior, Coaching, além de um mestrado em Sistemas de Gestão. Uma história, como ela mesma definiu, “de dedicação constante ao aperfeiçoamento do varejo, unindo suas paixões: varejo, pessoas e educação.”

MÔNICA SIMAS

Palestrante do seminário Pós-NRF

OL – QUAL É A IMPORTÂNCIA DO ATENDIMENTO PARA O SUCESSO DE UMA LOJA? O atendimento é o elemento chave no ecossistema de qualquer negócio. É o que melhor pode diferenciar um negócio no seu ramo de atuação. A maioria das práticas e ações pode servir de inspiração para a concorrência. Já com o atendimento, isto é mais difícil de acontecer, porque uma verdadeira filosofia diferenciada de atendimento, com princípios sólidos e coerentes com o que a empresa acredita e pratica, não acontece de uma hora para outra. Não pode ser construída com ações eventuais e espaçadas. O treinamento para o desenvolvimento de uma equipe precisa ser constante.

OL – QUAIS ATRIBUTOS DEFINEM O ATENDIMENTO DE QUALIDADE? Tendo como premissa o relacionamento interpessoal, é importante ter colaboradores que gostem e entendam de pessoas. O cliente espera que suas necessidades e desejos sejam reconhecidos. Como base da excelência no atendimento, cito os chamados “4 Cês”: Confiança - ter uma proposta de valor que gere credibilidade, coerência, convicção e objetividade;


CAPA Conteúdo - em conhecimento, informação, técnicas e argumentação; Carisma – características que o tornem único, como simpatia, energia positiva, otimismo e inteligência emocional; e Comunicação - escuta ativa, empatia, habilidade verbal e corporal e flexibilidade, demonstrando comportamento alinhado ao perfil do cliente.

Sim. São diferenciais competitivos para criar valor. Se, na avaliação do cliente, estes pontos são positivos, é atribuído valor ao negócio. Caso sejam negativos, este valor é desconstruído. O cenário atual nos mostra uma economia aberta com enorme disponibilidade de opções para a decisão de compra; com a informação totalmente democratizada e de fácil acesso para todos; consumidores muito bem informados; concorrência externa; empresas com ganhos voltados para a operação – ou seja, dependendo de maior eficiência para obter bons resultados; e, ainda, empresas buscando uma gestão mais profissionalizada, mesmo as familiares. Tudo isso mostra que as empresas são reflexos das ações humanas! Há necessidade de comportamentos organizados com senso de propósito, metas e objetivos construídos. E mostram atitudes corporativas que conquistam clientes pela coerência e alinhamento de valores. Daí a importância de estabelecer uma cultura de desenvolvimento humano e consequentemente organizacional nas empresas varejistas.

“O cliente espera que suas necessidades e desejos sejam reconhecidos”

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

OL – A EXPERIÊNCIA DA COMPRA E OS SERVIÇOS AGREGADOS SÃO DIFERENCIAIS COMPETITIVOS? POR QUÊ?

9


CAPA

OL – COMO VOCÊ VÊ A QUESTÃO DO TREINAMENTO, HOJE, NO VAREJO? Não vejo muitas empresas do varejo reconhecendo o valor e investindo no treinamento de seus profissionais. Há, sim, uma diferença de atendimento entre quem investe em treinamento e quem não o faz. Mas, não é só investir. Também é preciso elaborar um programa de educação corporativa, personalizado para cada empresa e atrelado a indicadores que possam dar suporte e acompanhar os resultados obtidos nas ações de treinamento. Muitos empresários não fazem este investimento e, dentre os que fazem, falta a utilização de indicadores que revelem a influência/contribuição, positiva ou negativa, das atividades educativas, para medir a eficiência dos programas que são elaborados e analisar a viabilidade deste investimento. É importante que a análise de performance da educação corporativa perca o viés subjetivo para que possa ser considerada uma atividade necessária para a companhia.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

“Fazer de forma diferente não quer dizer que conceitos básicos se percam, mas demanda constantes ajustes para atender as intensas mudanças que se apresentam”

10

OL – AS EMPRESAS ESTÃO VALORIZANDO A FORMAÇÃO VOLTADA PARA O VAREJO?

Ainda temos uma longa estrada no que diz respeito à formação adequada para os profissionais da área. O que é uma pena, pois este ramo de negócio é muito promissor. E, cada vez menos, há lugar para amadorismo. O sistema de educação formal em nosso país deixa muitas lacunas, que podem muito bem ser preenchidas por programas corporativos direcionados à formação de uma mão de obra qualificada e, portanto, mais produtiva, contribuindo diretamente com os resultados dos negócios. Hoje, temos muitas opções de cursos. Muitas vezes, as empresas contratam pelas habilidades técnicas que o candidato apresenta, pagando o valor equiparado ao número de exigências que são feitas em termos de formação e experiência, mas, ainda assim, pessoas muito qualificadas tecnicamente podem não atender as necessidades da empresa porque a parte comportamental não atende ao que é exigido pelos clientes e/ou não combina com a cultura da empresa. Para suprir um pacote de exigências em experiência e formação, necessárias para representar uma marca, o melhor caminho é o estudo e o atendimento da empresa conforme cada caso, mas com o princípio básico da profissionalização da empresa, com processos alinhados e um modelo de gestão adequado, seja uma pequena, média ou grande empresa.

OL – QUAL O PAPEL DO ATENDIMENTO EM RELAÇÃO AO COMÉRCIO ELETRÔNICO E O USO DAS REDES SOCIAIS? O modo como são conduzidos rotinas e processos físicos e virtuais depende da estrutura de cada empresa e da estratégia de cada negócio. Mas, a presença precisa ser omnicanal (estar em todos os canais)


CAPA

“É preciso elaborar um programa de educação corporativa, personalizado para cada empresa e atrelado a indicadores que possam dar suporte e acompanhar os resultados “

de forma definitiva. No Big Show da NRF deste ano, em várias palestras foram destacadas situações em que a tecnologia nos leva à disrupção – tema que foi recorrente – que aborda a necessidade de estarmos constantemente inovando no varejo. Entretanto, fazer de forma diferente não quer dizer que conceitos básicos se percam, mas demanda constantes ajustes para atender as intensas mudanças que se apresentam. É pré-requisito para o sucesso dos negócios. Para empresas menores, campanhas no Facebook podem ser suficientes. Para empresas maiores devem ser explorados todos os recursos tecnológicos para ter o produto certo no lugar certo, liberando mais tempo para os clientes se relacionarem com a marca e com as “causas” que representam. Estão disponíveis no mercado várias soluções que dão condições ao empresário de obter informações sobre estoque, cadastro e preferências dos clientes, dentre outros recursos. A tecnologia ajuda a entender o desempenho da empresa e de seus colaboradores e clientes, a ter acesso aos dados do cliente para poder atender as suas necessidades e, também, tem o papel de fazer o trabalho repetitivo e, com isso, disponibilizar tempo para os funcionários atenderem os clientes estabelecendo relações personalizadas e serviços de qualidade em prol da fidelização.

Impressionou-me a abordagem dada à importância das pessoas. Embora seja um evento primordialmente de tecnologia, onde são apresentados muitos recursos para facilitar a vida do varejista, o foco, este ano, foi a importância das pessoas e a forma como se relacionam com a marca, os clientes internos e externos, buscando o engajamento de todos. Outra abordagem interessante foi sobre as mudanças que estão ocorrendo na convivência corporativa: o estilo de liderança que prevalece; a integração entre pessoas de gerações distintas e a complementariedade que pode ser estabelecida entre elas, com seus diferentes talentos, obtendo assim o desenvolvimento constante de competências dentro das empresas. Além de investimento nas pessoas e manter uma liderança flexível para acompanhar as mudanças, eu destacaria, ainda, os seguintes pontos: engajamento para envolver a todos; inovação constante; pensar globalizado, para proporcionar experiências alinhadas onde estiver atuando, mas, também, para atuar de forma localizada, personalizando seu atendimento, para atender o público específico e local. E, para proporcionar e manter tudo isso, muito incentivo para os programas de educação continuada dentro das empresas!

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

OL – BASEADO EM SUA SUA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL E EXPERIÊNCIA NO ÚLTIMO BIG SHOW DA NRF, QUE ENFATIZOU AS PESSOAS, O QUE GOSTARIA DE ACRESCENTAR?

11


ARTIGO

NOVIDADES E TENDÊNCIAS DO VAREJO NRF 2017 JUEDIR TEIXEIRA

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Vice-presidente de Marketing do SindilojasRio

12

Há 12 anos participo do Big Show da NRF (National Retail Federation), o maior evento de varejo do mundo que ocorre todos os anos, em Nova Iorque, sempre em janeiro, desde 1911. Em 2017 aconteceu a 106ª edição e a nossa participação tem como objetivo trazer as principais novidades, tendências e inovações, devidamente adaptadas à realidade brasileira, para o empresário varejista que não teve a oportunidade de participar do evento.

Pela primeira vez, as pessoas foram o foco principal, sejam elas clientes internos ou externos. Quem trabalha no varejo sabe como são importantes as pessoas para o sucesso de qualquer empreendimento. Agora, essa importância torna-se ainda mais relevante, com o advento das vendas on-line, porque as pessoas não precisam mais sair de casa para comprar. Os produtos estão disponíveis na palma da mão. Basta acessar o smartphone, comprar e pagar em qualquer horário e lugar. Hoje, a loja física precisa merecer estar aberta e quem decide isso são clientes. A loja deixou de ser um ponto de venda e passou a ser um local de relacionamento. Neste contexto, as pessoas são de fundamental importância. Somente pessoas constroem relacionamento. Você, como lojista, já pensou nisso? O que tem feito para melhorar o relacionamento com os seus funcionários e clientes? Seus funcionários são treinados e motivados para proporcionar uma boa experiência de compra aos seus clientes? Essa é a melhor estratégia para a construção de um negócio sustentável, com clientes, funcionários e sociedade satisfeitos, e gerando lucro que garante a continuidade do negócio. Com foco nas pessoas, alguns conceitos foram repetidos por praticamente todos os mais de 300 palestrantes do Big Show:


• Envolvimento e lealdade: a marca precisa conquistar o envolvimento e a lealdade de funcionários e clientes;

ARTIGO

• Propósito: a marca precisa ter um propósito. Quem pensar só em ganhar dinheiro está com os dias contados;

• Inteligência artificial: será o grande diferencial do varejo; • Experiência de compra: passa a ser mais importante do que o produto em si. Você esquece o que comprou. Mas, a experiência não;

• Marketing influenciador: a propaganda deixa de ser feita diretamente ao cliente e passa a ser feita por meio de influenciadores, como as blogueiras de moda que influenciam seus seguidores; • Disrupção: precisamos pensar em inovar na forma de agir e o modelo de negócio;

• Conhecer o cliente: é preciso conhecer o cliente para entender e atender as suas necessidades e expectativas em constante mudança; • Preço dinâmico: a tendência do varejo é tornar os preços dinâmicos, como faz o Uber. Já existe plataforma tecnológica para isso: pont93app.com ; • Simplicidade: é e será cada vez mais um grande diferencial competitivo. Uber e Netflix são exemplos de simplicidade, com tecnologia de alto nível que o usuário nem sabe que existe;

• Humanização: empresas precisam humanizar a sua relação com clientes, funcionários e sociedade;

• Autenticidade: ser autêntico e verdadeiro é e será um grande diferencial;

• Solidariedade: passa a ser um grande diferencial competitivo das empresas;

• Realidade virtual: tecnologia que veio para revolucionar o varejo;

• Marca comunitária: cada marca ou negócio precisa ter um público-alvo bem definido e que faça da marca uma comunidade. Exemplo: Harley Davidson;

• Transparência: é preciso ser o mais transparente possível, com clientes, funcionários e a sociedade.

• Laços de relacionamento: o papel dos vendedores não é só vender. É criar relacionamento com os clientes;

Juedir Teixeira é vice-presidente de Marketing do SindilojasRio, professor e consultor em Gestão de Varejo. www.juedirconsultor.com.br juedir@juedirconsultor.com.br

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

• Personalização: forte tendência de personalização dos produtos, em coprodução. Ou seja, o cliente ajuda a criar o seu próprio produto. Exemplo: www.shoesofprey.com;

13


PESQUISAS

Comércio do Rio vendeu menos 7,9 % em fevereiro “Normalmente, fevereiro é um mês fraco em termos de vendas. Além de ser curto (este ano teve 28 dias, tendo apenas 18 dias úteis de vendas), é um mês de férias, quando muita gente viaja. E, também, nos dois primeiros meses do ano, há muitas despesas, como IPVA, IPTU e matrícula escolar. Mas o resultado negativo refletiu mais uma vez a crise econômica, especialmente a do Estado do Rio de Janeiro, que vem afetando as atividades produtivas, principalmente o comércio”, explicou Aldo Gonçalves, presidente do CDLRio.

Termômetro de Vendas AS VENDAS ACUMULADAS COMPARADAS COM AS VENDAS DO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

COMÉRCIO DO RIO VENDEU MENOS 9,1% NO ACUMULADO DE JANEIRO/FEVEREIRO

14

O comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro vendeu menos 9,1% no acumulado de janeiro/ fevereiro de 2017 em comparação com o mesmo período de 2016. Em fevereiro, as vendas também caíram 7,9% em relação ao mesmo mês do ano passado. É o segundo resultado negativo do ano (janeiro registrou menos 9,5%). Os dados são da pesquisa Termômetro de Vendas divulgada mensalmente pelo Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro – CDLRio, que abrange cerca de 750 estabelecimentos comerciais da Cidade. Em comparação com o mês anterior (janeiro) o índice foi de menos 9%. A pesquisa mostra também que com a exceção do ramo tecidos, que registrou resultado positivo de 3%, por conta do carnaval, todos os setores do Ramo Mole (bens não duráveis)

e do Ramo Duro (bens duráveis) apresentaram resultados negativos. Os que registraram as maiores quedas no faturamento no Ramo Mole foram Calçados (-9,5%) e Confecções (-6,1%) e, no Ramo Duro (bens duráveis), Óticas (-13,3%), Joias (-11,1%), Móveis (-10,7%) e Eletrodomésticos (-8,3%). A venda à vista com menos 8% e a venda a prazo com menos 7,8% foram as formas de pagamento preferidas pelos consumidores. Também o faturamento das lojas, conforme a localização dos estabelecimentos, foi negativo. No Ramo Mole (bens não duráveis), as lojas da Zona Sul venderam menos 8%, as da Zona Norte menos 5,3% e as do Centro menos 0,7%. No Ramo Duro (bens duráveis), as lojas da Zona Sul, do Centro e da Zona Norte venderam menos 10,7%, 8,7% e 7,7%, respectivamente.


15

Revista O Lojista | Marรงo e Abril de 2017


PESQUISAS

SCPC Inadimplência no comércio carioca cresceu 1,3% em fevereiro NO ACUMULADO DOS DOIS PRIMEIROS MESES DO ANO (JANEIRO/FEVEREIRO) A INADIMPLÊNCIA AUMENTOU 1,6% A inadimplência no comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro aumentou 1,3% em fevereiro em relação ao mesmo mês de 2016, de acordo com os registros do Serviço Central de Proteção ao Crédito do CDLRio. É o segundo mês do ano de aumento da inadimplência. Em janeiro ela cresceu 1,9%.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

As dívidas quitadas, que mostram o número de consumidores que colocaram suas dívidas em dia, recuaram 0,3% e as consultas, item que indica o movimento do comércio, diminuíram 7,4%, também em relação ao mesmo mês de 2016.

16

Em relação ao mês anterior (janeiro), a inadimplência aumentou 13,7% e as consultas e as dívidas quitadas diminuíram, respectivamente, 10,7% e 20,5%. No acumulado dos dois primeiros meses do ano (janeiro/fevereiro), em relação ao mesmo período do ano anterior, a inadimplência cresceu 1,6% e as consultas e as dívidas quitadas caíram, respectivamente, 6,8% e 0,2%.

CONSULTAS

REALIZADAS EM NOSSO BANCO DE DADOS, ACUMULADAS EM COMPARAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR

NOVAS INCLUSÕES - INADIMPLÊNCIA

REGISTROS INCLUÍDOS EM NOSSO BANCO DE DADOS, ACUMULADOS EM COMPARAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR

CANCELAMENTOS - DÍVIDAS QUITADAS

REGISTROS CANCELADOS EM NOSSO BANCO DE DADOS, ACUMULADOS EM COMPARAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR


PESQUISAS

Cheques Movimentação de Cheques Janeiro e Fevereiro de 2017 CONSULTAS

AO CADASTRO DE CHEQUES, ACUMULADAS EM COMPARAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR

NOVAS INCLUSÕES - INADIMPLÊNCIA

REGISTROS INCLUÍDOS NO CADASTRO DE CHEQUES, ACUMULADOS EM COMPARAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR

Segundo o registro de cadastro do Serviço Central de Proteção ao Crédito do CDLRio - Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro, as consultas ao LIG Cheque em fevereiro, em relação ao mesmo mês de 2016, a inadimplência aumentou 1,1% e as consultas e dívidas quitadas diminuíram, respectivamente, 9,5% e 0,1%. Em relação ao mês anterior (janeiro), as consultas, a inadimplência e as dívidas quitadas caíram, respectivamente, 24,1%, 8,1% e 18,5%. No acumulado dos dois primeiros meses do ano (janeiro/fevereiro) em relação ao mesmo período do ano passado, as dívidas quitadas e a inadimplência cresceram, respectivamente, 0,2% e 0,9%, e as consultas diminuíram 7,5%.

CANCELAMENTOS - DÍVIDAS QUITADAS

REGISTROS CANCELADOS NO CADASTRO DE CHEQUES, ACUMULADOS EM COMPARAÇÃO AO MESMO PERÍODO DO ANO ANTERIOR

Caso sua empresa se interesse em participar de nossas pesquisas, contate o Centro de Estudos do CDLRio: (21) 2506-1234 estudos@cdlrio.com.br

PESQUISA E ANÁLISE Acompanhe o comportamento do comércio do Rio de Janeiro:

www.cdlrio.com.br

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

FAÇA PARTE DESTAS PESQUISAS!

17


ARTIGO

Sinais de esperança ALDO GONÇALVES

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

presidente do SindilojasRio e do CDLRio

18

O comércio inicia o ano um pouco mais otimista com as medidas anunciadas pelo governo para estimular a economia, que não resolvem a situação do setor, mas melhoram o ambiente de negócios e animam o consumidor, assustado com o desemprego.

Entre as medidas, pelo menos três devem contribuir para a melhoria das vendas. São elas a cobrança de preços diferenciados por um mesmo produto, com descontos de 5% ou mais para pagamentos à vista, o que também beneficia o consumidor; a diminuição do prazo de recebimento pelos lojistas das compras feitas com o cartão de crédito, que hoje acontece 30 dias após a venda, o que vai melhorar o fluxo de caixa das empresas; e o aprimoramento da regulamentação do trabalho temporário e do trabalho por jornada parcial. Outra decisão importante que terá reflexo no comportamento do consumidor é a autorização para o trabalhador sacar as contas inativas do FGTS. Segundo o governo, a decisão vai injetar R$ 30 bilhões na economia este ano. Tudo isso é animador. Mas não podemos perder de vista que, no caso específico do comércio, o setor vem sofrendo bastante os efeitos da desaceleração econômica — especialmente nos dois últimos anos, agravada pela crise política e embalada pelas denúncias de corrupção em diversas áreas, ampliada pela situação quase falimentar do Estado do Rio de Janeiro.


Conhecido pela sua capacidade de adaptar-se aos momentos desfavoráveis da economia, o comércio varejista é um dos bons exemplos nacionais de desempenho. Funciona como um dos motores que impulsionam a economia, fazendo girar a roda do seu crescimento, além de ser um dos maiores empregadores. Neste cenário, quando a sociedade e os setores produtivos geram emprego, renda e fazem girar o círculo virtuoso da economia, é necessário reagir imediatamente para superar os obstáculos. É preciso buscar soluções que minimizem e deem fôlego às empresas para atravessar as turbulências e chegar em terra firme em condições de, pelo menos, manter os negócios e os empregos.

ARTIGO

Não devemos esquecer que países fortes e ricos da Europa e os Estados Unidos tiveram no consumo uma das bases do seu crescimento. E aqui não pode ser diferente, principalmente com um mercado interno grandioso como é o nosso. O crescimento do consumo gera aumento de produção, movimenta a indústria, que, por sua vez, gera mais empregos e aumenta a arrecadação de impostos. E isso possibilita maiores investimentos em infraestrutura. É o chamado círculo virtuoso.

“É necessário reagir logo para superar os obstáculos e buscar soluções” Publicado em O Globo de 20 de fevereiro de 2017

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Efeito perverso desse quadro é que todas as datas comemorativas do comércio do ano passado, como Dia das Mães, Páscoa, Dia da Criança, dos Pais, dos Namorados e do próprio Natal — a maior de todas elas e responsável por um terço do faturamento anual do comércio — tiveram desempenho menor das vendas do que em 2015.

19


SERVIÇOS PARA O LOJISTA

Redução e recuperação de valores O SindilojasRio, após anos de luta na justiça, conseguiu, em parceria com o Escritório de Advocacia Monteiro e Monteiro Advogados Associados, importante benefício para os seus lojistas associados. Por meio de ação com julgamento definitivo, conseguiu-se um direito que, na prática, recupera 10% dos valores pagos pelos filiados, a título de ICMS, sobre as faturas de energia elétrica e telefone, de fevereiro de 2007 até dezembro de 2015, e as reduz em 7% desta data em diante. Dos valores pagos pelos associados, o estado do Rio cobrava repasse da concessionária Light e das empresas de telefonia, equivalente a 29%

destas faturas, enquanto deveria cobrar somente 19%. O estado, inicialmente, criou o Fundo de Combate à Pobreza de 1% que incidia sobre o valor das faturas, aumentando de 18 para 19% o valor repassado. Em 29 de dezembro de 2015, esse montante foi majorado em mais 1% e ainda se criou um adicional temporário de mais 2%, até dezembro de 2018, totalizando os atuais 22%. É importante destacar que os 4% do Fundo de Combate à Pobreza valem somente a partir de 29 de dezembro de 2015. Portanto, antes desta data, o direito à recuperação é de 10%, ou seja, a diferença de 29% para 19%.

Exemplo prático:

CASO A EMPRESA TENHA UMA MÉDIA DE CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA DE R$ 1.000,00 (MIL REAIS):

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

• • • •

20

• • •

Valor da Fatura: R$ 1.000,00; Cobrança do estado: 29%; Valor que ia para o estado: R$ 290,00; Cobrança do estado após a adesão do benefício dos associados: 22% (18% referentes ao percentual-base, acrescidos de 4% do Fundo de Combate à Pobreza); Valor de direito do estado: R$ 220,00; Crédito do associado no mês: R$ 290 – R$ 220,00 = R$ 70,00. Crédito mensal posterior ao dia 29/12/2015 até a data de hoje: R$ 290,00 – R$ 220,00 = R$ 70,00 x 15 meses (dez/2015 a mar/2017) = R$ 1.050,00. Crédito mensal das datas anteriores a 29/12/2015 (10%): R$ 290,00 – R$ 190,00 = R$ 100,00 x 104 meses (fev/2007 a dez/2015) = R$ 10.400,00.

Tomando-se por base o início do crédito a impetração da Ação Coletiva, ou seja, fevereiro de 2007 até o mês atual, março de 2017, teríamos um crédito total de: R$ 11.450,00 (onze mil quatrocentos e cinquenta reais). É importante frisar que este valor será acrescido de correção monetária, o que facilmente dobrará este montante. Os lojistas associados que se interessarem por usufruir deste benefício, podem entrar em contato com o SindilojasRio ou com o Escritório de Advocacia Monteiro e Monteiro Advogados Associados pelos telefones (21)991361618/ (11)2361-4157/ (81)2121-6444, ou pelos e-mails: thiago.monteiro@monteiro.adv.br, juliana.ramalho@monteiro.adv.br


O curso apresenta formato de curta duração, que pode ser realizado em módulos individuais, a fim

de permitir maior flexibilidade ao aluno/cliente. É composto por cinco módulos, criados a partir das necessidades do mercado, com o intuito de alcançar um resultado imediato: o aluno aprende hoje e coloca em prática amanhã. O principal objetivo do curso é a transformação da função de gerente em gestor de negócios, ou seja, um executivo que tenha postura e atitude de empresário, com conhecimento e domínio de todas as ferramentas necessárias para alavancar o crescimento e ter sucesso. O curso será na Rua da Quitanda n° 3, 9° andar, nos dias 17,18,19 e 20 de abril (2ª a 5ª feira), das 18h30min até 21h30min. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas pelo telefone (21) 2217-5005 ou http://ivar-rj.combr

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

O momento difícil do mercado exige colaboradores mais qualificados, treinados e comprometidos. Com uma visão muito clara e objetiva da importância da capacitação de pessoas como grande diferencial competitivo das empresas varejistas, o IVAR – Instituto do Varejo, viés cultural do CDLRio e do SindilojasRio nas áreas de educação e capacitação, vem oferecendo uma série de cursos para os profissionais do setor. Este é o caso do Curso Gerente Executivo, Módulo I, de Marketing no Varejo, com estratégias para crescer e multiplicar, ministrado pelo renomado Prof. Paulo Bertone. Este primeiro módulo é gratuito e o investimento é um quilo de alimento não perecível para doação.

SERVIÇOS PARA O LOJISTA

CURSO GRATUITO DE MARKETING NO VAREJO

21


DESTAQUES

Reforma Trabalhista Palestra abordou os principais pontos do PL 6787

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

O SindilojasRio realizou em seu auditório, no dia 15 de março, a palestra “Negociado x Legislado”, sobre a reforma trabalhista proposta pelo governo federal, que vem sendo debatida pelo Congresso Nacional. O palestrante convidado foi Ronald Sharp Jr., mestre em Direito da Empresa pela UERJ, professor da pós-graduação da FGV-Rio, auditor fiscal do Trabalho e ex-advogado do BNDES, que abordou os principais pontos do Projeto de Lei 6787/2016 que trata da reforma.

22

“Sob a justificativa de que a reforma trabalhista propiciará melhorias no ambiente de negócios para a geração de emprego e renda, o governo federal corre para aprovar as mudanças ainda no primeiro semestre de 2017, ‘apesar do cenário conturbado’ por conta dos desdobramentos da operação Lava-Jato”, disse Ronald Sharp Jr.. Ele comentou que o atual momento político é “confuso” e que importantes segmentos da sociedade já se manifestaram contra ou a favor das propostas, como o Ministério Público do Trabalho, que acusa de inconstitucional o PL 6787/2016 e propõe a sua rejeição.

Dentre os temas abordados, o auditor fiscal do Trabalho explicou aspectos relacionados à valorização dos acordos trabalhistas, à flexibilização da jornada de trabalho, a decisões recentes do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e às diferenças entre flexibilização e desregulamentação. Ronald Sharp Jr. destacou que, para avançar com sucesso, a reforma trabalhista precisa adotar medidas correlatas, tais como o aumento do valor das multas por descumprimento das convenções coletivas de trabalho; a previsão de multas também no escopo das convenções coletivas, acordada entre as partes; e a retirada da ultra-atividade. Ele afirmou que é fundamental dar ênfase à chamada teoria do conglobamento, que analisa a convenção coletiva pelo “conjunto da obra”, avaliando se a retirada de determinados benefícios é compensada por outras contrapartidas. Outra medida importante para Sharp Jr. é acabar com a unicidade sindical, estimulando a pluralidade. Ele defendeu, ainda, o fortalecimento do papel do auditor fiscal do Trabalho para acompanhar negociações e fiscalizar as convenções coletivas.


DESTAQUES

Palestras FINTECHs

Com o apoio do CDLRio, do SindilojasRio, da Boavista/SCPC e, também, do Sindicato das Sociedades de Fomento Mercantil – Factoring do Estado do Rio de Janeiro – SinfacRJ, cujo presidente Carlos Silva abriu o evento, as palestras abordaram os tipos de operações e as oportunidades que as fintechs oferecem. Dentre os temas tratados, os palestrantes Ricardo

G. Bernstein, sócio da RGBsys, e Marcos L. Caldeira, fundador e diretor-presidente da Tecpay S.A., comentaram as oportunidades relacionadas aos FIDCs, fundos de investimento em direitos creditórios, conhecidos como Fundos de Recebíveis, cujas cotas são vendidas para investidores qualificados. Uma fintech é toda empresa que oferece serviços financeiros que se diferenciam pelas facilidades proporcionadas pela tecnologia e, com efeito, pela internet. O resultado desses esforços aparece para o usuário na forma de praticidade, burocracia reduzida, custos baixos, maior controle sobre operações financeiras e por aí vai.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Para entender como funcionam e conhecer quais as vantagens das chamadas fintechs, empresas que unem tecnologia com serviços financeiros, empresários e gestores do comércio se reuniram no auditório do SindilojasRio, em 23 de março passado, para assistir às Palestras FINTECHs.

23


DESTAQUES

ASSOCIATIVISMO EM FOCO MAIS EMPRESAS SE UNEM AO SINDILOJASRIO E COLABORADORES SÃO PREMIADOS Estar associado a um sindicato moderno, forte e atuante faz toda a diferença, principalmente em tempos de crise. Além do trabalho diário, todo ano, o SindilojasRio promove sua campanha de associativismo, para divulgar ações e serviços, e trazer novos filiados para a entidade, que, hoje, reúne mais de 12 mil empresários lojistas no Rio de Janeiro. Os colaboradores do SindilojasRio que mais se destacam na campanha são premiados.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Em fevereiro passado foi realizada a cerimônia de premiação relativa a 2016. Carlos Henrique Martins, superintendente, e José Carlos Pereira Filho, gerente comercial, entregaram prêmios aos seguintes colaboradores: pelo 1º semestre: equipe Águia, formada por Adriana Nicolau, Claudir

24

Carlos, Diassagê Gonçalves e Jorge Felipe. Pelo 2º semestre, a equipe Borboleta foi a premiada, com Angélica Juvêncio, Cibelle Araújo, José Luis Kfouri, Heloiza Machado e Marília Auxiliadora. Além das equipes, também foram premiados, individualmente, 10 colaboradores em cada semestre. Marília Auxiliadora, Diassagê Gonçalves, Claudir Carlos, Angélica Juvêncio, Adriana Nicolau, André Demétrio, Jorge Rocha, Bruno Pizzani, José Luís e Rudinei Sebastião foram os melhores do 1º semestre. Já os campeões do 2º semestre foram Marília Auxiliadora, Diassagê Gonçalves, Bruno Pízzani, Heloíza Machado, Jorge Rocha, Rudinei Sebastião, Angélica Juvêncio, José Luís, Claudir Carlos e André Demétrio.


MÍDIAS SOCIAIS ATRAEM CONSUMIDORES E AUMENTAM VENDAS É muito comum, hoje, você ouvir que o seu negócio precisa estar nas redes sociais. E não é à toa. Os últimos dados divulgados pelo Facebook apontam que 99 milhões de brasileiros possuem perfil na rede; cem milhões usam o WhatsApp; e quase 40 milhões estão no Instagram. O certo é que a sua loja ou a sua marca precisam estar onde o seu cliente está. Com o auxílio de profissionais de comunicação, pesquisa e conhecimento de mercado do seu negócio, você pode obter resultados positivos com o uso das mídias sociais, levando consumidores para sua loja física e/ou loja virtual. Pensar estrategicamente na presença das marcas de varejo nas mídias sociais é fundamental. Mas, cuidado, as redes não são um grande balcão de anúncios de produtos e serviços. As redes sociais são uma forma de construir o relacionamento da marca com o seu público, proporcionando experiência e transmitindo conteúdo relevante por meio das mídias.

Textos, imagens, áudios e vídeos, enfim, todo o conteúdo que pode ser disponibilizado nas mídias sociais é importante e requer muita atenção. É preciso publicar informações relevantes, baseadas no que foi pesquisado anteriormente sobre as necessidades do seu público. Por exemplo, se o seu negócio é uma loja de artigos de ginástica, pode oferecer conteúdo de saúde ou do mundo fitness; para lojas de cosméticos, dicas de beleza; para as de moda, notas de comportamento, e por aí vai. As boas práticas apontam que é melhor dedicar cerca de 80% do conteúdo à informação e 20% à publicidade. É primordial definir temas e pautas que serão tratados e ter um cronograma de publicações nas diferentes mídias, com periodicidade e horários definidos.

“Não importa o tamanho da sua empresa para atuar nas mídias sociais”

MERCADO E TENDÊNCIAS Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

IGOR MONTEIRO JORNALISTA

Faça um diagnóstico inicial, coletando dados e informações sobre o seu negócio, analise o cenário e a sua atual presença digital, caso já a possua. E dê uma olhadinha na concorrência também, por que não? Veja o que estão fazendo de bom ou de ruim. Conheça seu consumidor, pense nas suas necessidades e desejos, e perceba como ele se comporta nas redes sociais. Escolha as ferramentas adequadas que serão utilizadas de acordo com as suas especificidades, seu público e o seu negócio. Blogs, Facebook, Instagram e WhatsApp são as mais usadas no momento.

25


MERCADO E TENDÊNCIAS

Aproveite as redes sociais para direcionar seus clientes em potencial para a sua própria rede de conteúdo, que pode incluir o seu site, e-commerce ou blogs. Além de pensar nas pessoas, é preciso pensar também nas máquinas: nos robôs do Google. Aparecer entre os primeiros resultados nos mecanismos de busca, de forma orgânica (sem investimentos financeiros), é decisivo para o seu sucesso. Para isto, é importante usar técnicas que têm como principal objetivo fazer com que o seu site ou blog sejam rastreados facilmente pelos buscadores, trabalhando palavras-chave selecionadas e construindo a estrutura interna das páginas de forma adequada. Defina os indicadores do seu desempenho nas redes sociais. É essencial para acompanhar o andamento do trabalho. Mensure o número de fãs/seguidores, a quantidade de interações

das suas páginas: número de curtidas, comentários e compartilhamentos e, é claro, o retorno sobre o investimento. Monitore suas redes sociais, interaja com seus usuários, não os deixe sem resposta e esteja preparado. Porque a exposição nas redes pode gerar críticas e reclamações, e sua empresa precisa estar preparada para reagir em momentos de feedback negativo. Não importa o tamanho da sua empresa para atuar nas mídias sociais. Não pense que é apenas para as grandes empresas. Pelo contrário, sendo um pequeno ou médio negócio, você pode explorar nichos de mercado e ter um relacionamento mais próximo com o seu cliente. Busque o melhor engajamento possível nas redes sociais, atraia e envolva seu público consumidor, conecte-se e tenha sucesso no mundo digital e real.

A união faz o

BENEFÍCIO.

O SindilojasRio sabe que quando os sindicatos e as empresas

trabalham juntos em prol do segmento, o benefício é de todos.

Cumprir com a Cláusula do Benefício Social Familiar

é responsabilidade da empresa e direito do trabalhador. O Benefício Social Familiar consta na Convenção Coletiva de Trabalho do SindilojasRio e disponibiliza aos trabalhadores e suas famílias recursos Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

financeiros, alimentares e apoio social nos momentos mais importantes de suas vidas. Também oferece benefícios para a empresa com o intuito de minimizar despesas imprevistas.

Canais de atendimento:

Siga-nos:

26

Chat Online em nosso site 0800 773 3738 ou 0800 580 3738 WhatsApp 19 9 9755-6089 atendimento@beneficiosocial.com.br

Saiba mais em: www.beneficiosocial.com.br


Febre amarela No dia 25 de março, a secretaria municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS) deu início à vacinação ampliada contra a febre amarela. Todas as clínicas da família e centros municipais de saúde funcionam de segunda a sexta, das 8h às 17h, e aos sábados das 8h ao meio-dia. Segundo a secretaria, a cidade do Rio não é área de ocorrência da doença, sendo a vacinação de caráter preventivo. A vacina da febre amarela não é recomendada para gestantes, idosos, crianças menores de nove meses e pessoas com alergia a algum componente da vacina e a ovo e derivados. Pacientes em terapias imunossupressoras, portadores de doenças autoimunes, transplanta-

SAÚDE E BEM ESTAR

VACINAÇÃO

dos de medula óssea, com histórico de doença do timo e com problemas neurológicos de natureza desmielizante, como Síndrome de Guillain-Barré e ELA, também não devem tomar a vacina. Em caso de dúvidas, o paciente deve conversar com o seu médico para as devidas avaliações e orientações. A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes), que pode levar à morte em cerca de uma semana, se não for tratada rapidamente. É comum em macacos, que são os principais hospedeiros do vírus, mas é transmitida pela picada de mosquitos Haemagogus e Sabethes, que vivem em matas e vegetações à beira dos rios. Quando o mosquito pica um macaco doente, torna-se capaz de transmitir o vírus a outros macacos e ao homem.

VEJA ONDE TOMAR A VACINA NO SITE DA SMS: https://smsrio.org/subpav/ondeseratendido

6 DE MAIO - DIA DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL CONTRA GRIPE

A vacina contra a gripe deste ano terá uma nova cepa do vírus Influenza A/H1N1, porque foi constatado que o vírus sofreu alterações genéticas em 2016, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A vacina de 2017 é a trivalente, que contém os vírus Influenza A (H1N1), subtipo Michigan/45/2015; Influenza A (H3N2), subtipo Hong Kong/4801/2014; e Influenza B, subtipo Brisbane/60/2008. A vacina tetravalente, disponível só na rede privada, contém, também, o vírus da Influenza B, subtipo Phuket/3073/2013. A transmissão dos vírus Influenza ocorre pelo contato com secreções das vias respiratórias que são eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). Fontes: Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro e Ministério da Saúde.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

O Ministério da Saúde vai enviar as primeiras remessas de vacina contra a gripe aos estados a partir do dia 10 de abril. O início da distribuição da vacina fica a critério de cada estado, pois cabe às secretarias estadual e municipal de Saúde definir o cronograma de imunização. Neste ano, o Dia de Mobilização Nacional contra a gripe foi agendado para 6 de maio.

27


HISTÓRIA E CURIOSIDADES DO COMÉRCIO

CURIOSIDADES Dia Internacional da Mulher

Para marcar o Dia da Mulher (8 de março), lembramos Nélida Pinon, primeira escritora brasileira a ocupar a presidência da Academia Brasileira de Letras, entre 1996 e 1997.

Mercadorias que vinham de longe

No Rio de Janeiro do início do século XVII nascia uma incipiente forma de comércio na beira da praia. As mercadorias dos navios europeus eram disputadíssimas: vinhos, veludos, tafetás, azeitonas, vinagre e chapéus...

Ovos de Páscoa

Os ovos de páscoa não eram dados para serem comidos, mas como um presente que simbolizava o início da vida. Mas a substituição dos ovos de verdade pelos de chocolate veio só no século 19, na Alemanha. O ovo é um símbolo de nascimento, de renovação da vida - o mote da celebração da Páscoa.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Símbolos da Contabilidade

28

CADUCEU DE MERCÚRIO, O LOGOTIPO DA CONTABILIDADE É um bastão de ouro entrelaçado com duas serpentes, que na parte superior tem duas pequenas asas ou um elmo alado. Os romanos utilizavam o caduceu como símbolo do equilíbrio moral e da boa conduta.

ANEL DO CONTABILISTA Simboliza e exterioriza o compromisso, a aliança, a união do profissional com o conhecimento científico contábil, o campo do saber e sua disposição de aplicá-lo em benefício da comunidade em que vive.


Tradição em vidraçaria e molduras

Nascido em 1927, em Póvoa de Varzim, cidade portuguesa situada na Região Norte, sub-região do Grande Porto, o comerciante Fernando Santos Graça mudou-se para o Rio de Janeiro em 1950, após se casar com a brasileira Olímpia de Araújo Lages. Aqui, inicialmente, trabalhou por três anos na vidraçaria de seu cunhado, na Rua Leandro Martins, no Centro, onde aprendeu tudo sobre o ramo. Mais tarde, o amigo Avelino Alves de Carvalho, a quem considerava como seu padrinho, lhe passava a Casa Ribeiro de Souza Vidraçaria e Papelaria, localizada na Rua Visconde de Rio Branco, 14, também no Centro, fundada em 31 de março de 1931. Deu prosseguimento ao negócio, que completou 86 anos de atividade em março deste ano. A parte destinada à papelaria foi substituída pela moldura. Ao comparar o comércio das décadas de 50, 60 e 70 com o momento atual, Fernando Graça comentou que as margens de lucro são bem inferiores ao passado e que o comércio também mudou. “Hoje, os clientes pesquisam muito antes de comprar e pedem muitos descontos”, disse o veterano lojista, que lamentou ter que fechar a vidraçaria, segundo ele, a mais antiga do Rio em funcionamento.

– No auge, chegamos a ter mais de 20 funcionários. Mas, nos últimos anos, a empresa foi diminuindo de porte, até se tornar uma microempresa com apenas dois funcionários. Infelizmente, desde fevereiro de 2016, só tínhamos prejuízo. Agora, tomamos a decisão de fechar, pois não temos expectativas de melhoras, explicou o comerciante, ressaltando que a loja não deixará qualquer débito fiscal ou trabalhista. A Vidraçaria Casa Ribeiro de Souza deixará saudade para Fernando Graça, que completará 90 anos em maio próximo, mas, também, deixa sua marca na memória da cidade. O comerciante português, que escolheu o Rio de Janeiro para viver e trabalhar, diz que a saudade da loja só não será maior do que a que sente da mulher, falecida em 2009, com quem teve três filhas, quatro netos e dois bisnetos. – Sou um homem de sorte e agraciado por ter me casado com uma mulher excepcional, disse ele, recordando-se do convívio por quase 60 anos e a alegria das noites de Natal em que toda a família se reunia. À revista O Lojista, Fernando Graça lembrou, ainda, a bela homenagem que, ao completar 25 anos de fundação, a Vidraçaria Casa Ribeiro de Souza recebeu do SindilojasRio, ao qual é associada há décadas.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

Uma das mais tradicionais e a mais antiga do ramo em funcionamento no Rio, a história da Casa Ribeiro de Souza Vidraçaria e Papelaria se confunde com a do seu dono.

HISTÓRIA E CURIOSIDADES DO COMÉRCIO

CASA RIBEIRO DE SOUZA

29


LEGISLAÇÃO E TRIBUTOS

Obrigações dos Lojistas Abril e Maio de 2017

03/04 DCT - Após admissão de funcionário 03/05 não cadastrado no PIS, preencher o

20/04 INSS - Recolher contribuição previden19/05 ciária do mês anterior. (Prorrogado o

07/04 ICMS - Pagamento do imposto pelos contri05/05 buintes relacionados no anexo único do De-

20/04 DCTF Mensal- Instituído para atender 19/05 as inovações da Instrução Normativa

DCT e apresentar à CEF, para efetuar o cadastramento.

creto nº 31.235/2002, referente ao mês anterior.

prazo para o dia 20 pela MP nº 447, DOU em 17/11/08).

CAGED - Cadastro de Empregados. Re-

RFB nº 1.599, de 11/12/2015, como a exigência da declaração para empresas do Simples Nacional que estão sujeitas ao pagamento da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB).

transferências ocorridos no mês anterior.

25/04 COFINS - Recolher 3% sobre a receita do 25/05 mês anterior, exceto empresas tributadas

07/04 FGTS - Efetuar o depósito correspon05/05 dente ao mês anterior. 05/04 meter via internet, pelo programa ACI, 05/05 informando admissões, desligamentos e 10/04 IR/FONTE - Referente a fatos geradores 10/05 ocorridos no mês anterior. ISS - O prestador deve gerar no sistema 10/04 documento de arrecadação relativo às 10/05 NFS-e emitidas. O recolhimento do imposto das NFS-e deve ocorrer até o dia 10 do mês seguinte à emissão.

no lucro real. (Prorrogado o prazo para o dia 25 pela MP nº 447, DOU em 17/11/08).

25/04 COFINS - Recolher 7,6% para empresas tribu25/05 tadas no lucro real. (Prorrogado o prazo para o dia 25 pela MP nº 447, DOU em 17/11/08).

25/04 PIS - Recolher 0,65% sobre as operações 25/05 do mês anterior. (Prorrogado o prazo para o dia 25 pela MP nº 447, DOU em 17/11/08).

ICMS: Empresas varejistas e atacadistas

10/04 devem efetuar o recolhimento do tribu10/05 to relativo ao mês anterior.

Benefício Familiar - Recolhimento da

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

10/04 contribuição, conforme a cláusula 22ª da 10/05 Convenção Coletiva do Reajuste Salarial de

30

2016/2017. PIS, COFINS, CSLL - Referente a fatos

13/04 geradores das 2ªs quinzenas de março 15/05 e abril de 2017. Retenção de contribuições: pagamentos de PJ a PJ de direito privado (Cofins, PIS/Pasep, CSLL).

20/04 Super Simples/Simples Nacional Pagamento do DAS do mês anterior 19/05 (março/abril de 2017).

28/04 PIS, COFINS, CSLL: relativos a fatos gera31/05 dores das 1ªs quinzenas de abril e maio de 2017 (retenção de contribuições: pagamentos de PJ a PJ de direito privado).

28/04 IR/PJ - Empresas devem recolher o tributo 31/05 incidente sobre a apuração do mês anterior. 28/04 Contribuição Social - Empresas tributadas com base no lucro real, presumido ou 31/05

arbitrado, devem recolher o tributo incidente sobre a apuração do mês anterior.

28/04 Contribuição Sindical dos Empregados - Efe31/05 tuar o desconto do salário dos empregados admitidos em débito com a obrigação, para recolhimento a favor do sindicato profissional.


O LOJISTA RESPONDE

Pergunte!

QUAL PORCENTAGEM O EMPREGADOR PODE DESCONTAR COMO FORNECIMENTO DE ALIMENTAÇÃO? – O desconto não poderá exceder 20%, limitado ao custo da alimentação, conforme art. 2º, § 1º do Decreto nº 5/1991 e art. 458, § 3º da CLT.

A EMPRESA É OBRIGADA A PAGAR R$ 50,00 COMO QUEBRA DE CAIXA A TODOS OS EMPREGADOS QUE EXERCEM FUNÇÃO DE CAIXA? – Não. O parágrafo 1º da cláusula 21ª da Convenção Coletiva de Reajuste Salarial 2016/2017 estabelece que as empresas estão isentas do referido pagamento se não descontarem as faltas ocorridas no caixa.

EMPREGADO CONTRATADO PARA TRABALHAR EM TEMPO PARCIAL PODE FAZER HORAS EXTRAS? – Não. O parágrafo 4º do art. 59 da CLT proíbe a prestação da jornada extraordinária para os empregados submetidos ao regime de tempo parcial.

O TEMPO USADO PELO EMPREGADO PARA FAZER A TROCA DO UNIFORME EXIGIDO PELA EMPRESA DEVE SER CONTADO COMO TEMPO DE SERVIÇO? – O tempo gasto pelo empregado deve ser contado como tempo de serviço. A súmula nº 366 do TST dispõe que não serão descontadas nem computadas

como jornada extraordinária as variações de horário do registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. Se ultrapassado este limite, será considerado como extra o tempo que exceder a jornada normal, pois configura-se tempo à disposição do empregador, não importando as atividades desenvolvidas ao longo do tempo residual (troca de uniforme, lanche, higiene pessoal, etc).

EMPREGADO QUE TRABALHA NO 1º DE MAIO, DIA DO TRABALHO, TEM DIREITO A QUANTAS FOLGAS? – Conforme a cláusula 13ª da Convenção Coletiva para trabalho nos feriados, em relação ao 1º de maio, além de uma folga remunerada em até 30 dias a contar do feriado trabalhado, será concedida uma outra, a ser gozada, preferencialmente, no dia do aniversário do empregado. Não sendo possível nesta data, a folga deve ser gozada em até 90 dias a contar do feriado trabalhado.

EMPREGADO TEM DIREITO A ACOMPANHAR A MULHER OU COMPANHEIRA EM CONSULTAS MÉDICAS DURANTE A GRAVIDEZ? – Sim. Conforme o art. 473 da CLT, o empregado pode deixar de comparecer ao serviço, até dois dias, desde que apresente documentos comprobatórios, para acompanhar consultas médicas e exames complementares durante o período de gravidez.

O AVISO PRÉVIO PODE COMEÇAR EM UM FERIADO? – Sim. A contagem do aviso prévio se inicia no dia seguinte ao da comunicação, como disciplina o art. 20 da Instrução Normativa do MTE nº 15/10. A contagem do aviso se refere a dias corridos e, por isso, se iniciará mesmo em sábados, domingos ou feriados.

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

O SindilojasRio oferece às empresas lojistas associadas e, também, às não associadas, consultas jurídicas gratuitas, que podem ser feitas de 2ª a 6ª feira, das 9h às 17h, pelo telefone (21)2217-5062. E, a cada edição, O Lojista esclarece dúvidas enviadas à advogada Luciana Mendonça, da Gerência Jurídica do SindilojasRio.

31


OPINIÃO

ARNALDO DOS SANTOS JR. PRESIDENTE DO SESCON RIO DE JANEIRO

Revista O Lojista | Março e Abril de 2017

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE PARA A GESTÃO EMPRESARIAL

32

Ao abrir uma nova empresa no Brasil, os empreendedores se veem diante de uma série de desafios – desde a sua legalização e alvará de funcionamento ao envio das informações tributárias ao fisco. Essas atribuições, desempenhadas pelos profissionais contábeis para empreendimentos de diversas áreas e portes, são fundamentais para que os empresários conheçam exatamente o andamento dos seus negócios e a saúde financeira de suas companhias. Dessa forma, eles podem tomar decisões assertivas com planejamento, conforme as possibilidades existentes e seus objetivos. No caso dos comerciantes e lojistas, conhecer o impacto do resultado das vendas na prosperidade dos negócios os auxilia a projeta-

rem o futuro e a pensarem sobre novas estratégias para otimizar seus índices. Em tempos de recessão econômica, especialmente no comércio, conforme atestam os levantamentos do CDL e do SindilojasRio, isso se torna fundamental para reavaliar custos e buscar medidas para manter a sustentabilidade do negócio. Por conta disso, os empresários contábeis são parceiros dos comerciantes em um momento tão delicado para o país e, especialmente, para o Rio de Janeiro. Ao longo de seus 30 anos, o Sescon Rio de Janeiro orienta seus associados e filiados a atuar como consultores de seus clientes e buscar as melhores alternativas em cada caso, de forma a contribuir com o crescimento de cada um e, por consequência, para o desenvolvimento econômico do setor. Dessa forma, os bons resultados alcançam comerciantes, lojistas, vendedores e profissionais da contabilidade, entre outras categorias profissionais relacionadas. A classe contábil e os lojistas devem caminhar juntos para possibilitar o desenvolvimento e a valorização dos dois setores na sociedade brasileira, já que o consumo contribui para o crescimento da produção nacional e para a empregabilidade no setor. A contabilidade, por sua vez, é um dos alicerces da gestão empresarial, pois indica as possibilidades para que o empreendedor tome as decisões adequadas para o seu negócio. Nesse sentido, o SindilojasRio, o CDLRio e o Sescon Rio de Janeiro são parceiros e buscam propiciar as melhores condições de trabalho e desenvolvimento para o setor.


Revista O Lojista março/abril 2017  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you