Issuu on Google+

O Espaço Jornal

Feliz dia das Mães

p4

www.tvespaco.blogspot.com

Espaço político

09 a 16 de maio de 2013

Anuncie: 9 9130-3137

O sangue de Jesus tem poder

O jornalista Cristovão MARINHEIRO recebe "VOTOS DE LOUVOR" DOS VEREADORES DE BARUERI

Vereador Alemão da Banca e o novo salário mínimo de R$1.000,00

Vereador Jânio, jornalista Cristovão MARINHEIRO e o vereador auto, Saulo Góes Foto: Adilson Choffe

A CÂMARA M U N I C I PA L D E BARUERI, Em sessão plenária do dia 5 de março de 2013, consignou na

ata de seus trabalhos, através da moção 3/2013, VOTOS DE LOUVOR ao Sr. Cristovão Hernandes (MARINHEIRO) em razão dos relevantes serviços

prestados ao esporte, especialmente pela dedicação de sua vida à criação e manutenção do Futebol de Barueri. Moção aprovada por

O jornalista Cristovão H e r n a n d e s (MARINHEIRO) que faz a cobertura jornalística de todo o futebol amador de Barueri e região através de sites, blogs e jornal impresso dês do anos de 2006, também faz parte do futebol como presidente e diretor responsável do Califórnia F.C., por amar muito o esporte dedicou quase todos os dias de sua vida a esse ofício. O jornalista agradeceu a todos os vereadores da cidade de B a r u e r i p e l o reconhecimento e em especial ao vereador Saulo Góes, Chico Vilela e Jânio.

O Espaço Jornal

Já está tramitando na Comissão de Constituição e Justiça a proposta de e m e n d a constitucional (PEC 2 1 / 2 0 1 3 ) apresentada nesta semana pelo senador Alvaro Dias (PSDBPR), que reduz de 18 para 15 anos a idade mínima para que o brasileiro responda por um crime na justiça. Na justificativa da proposição, que muda o artigo 228 da Constituição, o senador Alvaro Dias argumenta que, de acordo com a ciência psiquiátrica, hoje em dia as pessoas c o n s e g u e m compreender mais cedo os fatos da vida. O senador também assinalou exemplos de outros países em que a punição é mais precoce: a Alemanha, aos 14 anos; a Inglaterra, aos 10; a África do Sul, aos sete; e até o México, que permite julgar crimes cometidos por crianças de seis anos. A l v a r o D i a s

Foto: Cadu Gomes

PEC apresentada por Alvaro Dias reduz maioridade penal em três anos

reconhece que vai enfrentar forte reação no Parlamento, mas diz contar com o apoio da maior parte da sociedade: "Nós já tentamos outras vezes e essa proposta é mais uma que se soma para promover esse debate. Pesquisa recente mostra isso, uma maioria esmagadora do povo brasileiro deseja a redução da maioridade penal", afirmou o senador. O projeto apresentado pelo senador do PSDB do Paraná confere ao artigo 228 da Constituição o seguinte texto: "são penalmente inimputáveis os menores de 15 anos, sujeitos às normas da legislação especial". No

projeto, o senador salienta que a proposta vem se juntar às atuais normas brasileiras que permitem que o jovem de 16 anos possa votar, o de 14 anos possa trabalhar, ainda que na condição de aprendiz. A fixação desse patamar em diferentes legislações corrobora a opinião de especialistas de que o jovem, nos dias de hoje, possui mais conhecimento e acesso aos meios de comunicação e informação do que o jovem de 1940, quando foi introduzido no Brasil o Código Penal. Na defesa de sua proposição, o senador

Alvaro Dias argumenta que a u m e n t a r a responsabilidade do jovem frente à ordem social imposta é uma medida fundamental para conter o avanço da criminalidade no País, já que as estatísticas mostram uma cada vez maior participação de menores de idade em furtos, roubos e assassinatos. "Verificamos que a opinião pública tem indicado que o crime constitui, na atualidade, um dos principais problemas sociais com que se defronta o cidadão brasileiro. Não são poucos aqueles que têm uma história a ser contada: já foram vítimas de alguma ofensa criminal, especialmente furtos e r o u b o s . N e s s e s acontecimentos, não é raro apontar-se a presença de jovens. Nas imagens veiculadas pela mídia, cada vez mais frequentes, há cenários dramáticos de jovens, alguns até no limiar entre a infância e a adolescência, audaciosos, violentos, dispostos a tudo e prontos para qualquer tipo de ato infracional, inclusive a matar gratuitamente", afirmou o senador Alvaro Dias. www.senadoralvarodias.com

Fotos: Cristovão MARINHEIRO

todos os vereadores e assinada por: Vereador autor/ Saulo Goes e presidente/ Francisco dos Reis Vilela.

Vereador Alemão da Banca (PV), morador do bairro Colinas da Anhanguera

O vereador de Santana de Parnaíba, Alemão da Banca (PV) em entrevista ao jornal O ESPAÇO, falou sobre o projeto do prefeito Cezar PSDB que aumentou o piso salarial do servidor da prefeitura para mil reais, trazendo mais fartura á mesa do trabalhador, projeto esse que foi seguido pela Câmara, o vereador Elvis conseguiu a aprovação de todos os vereadores para aumentar o salário dos servidores da Câmara para mil reais. O Alemão parabeniza o prefeito e todos os vereadores por esse momento histórico de conceder tamanho benefício a essas pessoas que trabalham muito para manter toda cidade em ordem e viabilizam até o trabalho do prefeito e vereadores. Além de votar a favor nos dois casos o Alemão lembra das festas do dia do trabalhador que nesse ano levou um pouco de alegria para seis bairros, com sorteio de prêmios e brindes. Segundo o vereador, jamais

na história de Santana de Parnaíba outro prefeito fez tanto pelas pessoas quanto o governo atual tem feito e tudo está acontecendo em tempo récord, menos de seis meses de mandato, ele afirma também que o mais admirável é que o prefeito Cezar lidera um grupo que vai de encontro com as pessoas, para conhecer seus problemas e necessidades afim de resolvê-los. Alemão ressaltou muito a questão de o prefeito ter aceito a idéia de descentralização das festas do dia do trabalhador levando assim a festa do trabalhador ao alcance do povo. " ... _ Tenho orgulho de fazer parte desse grupo político que é muito correto e transparente com interesse verdadeiro em ajudar os cidadãos Parnaíbanos ... " Disse o vereado Alemão da Banca.

Haddad veta projeto que tornaria banca de jornal 'loja de conveniência’ O prefeito Fernando Haddad (PT) vetou o projeto do presidente da Câmara e seu colega de partido José Américo, que permitiria a venda de itens como camisinha, sorvetes e ferramentas e jogos de videogames nas bancas de jornal da cidade. O texto foi aprovado no mês passado na Câmara Municipal. Segundo a prefeitura, um decreto de 2000 já permite a venda de produtos além dos relacionados ao mercado editorial. O plano previa que 30% do que é vendido nas bancas sejam produtos sem relação com o mercado editorial. Os 70% restantes continuaram com o mesmo fim, de vender jornais e revistas. Há cerca de 3.400 bancas na cidade. Segundo o presidente, hoje há um limite de 30 gramas para comercialização de produtos alimentícios. Se o projeto fosse sancionado, a quantidade

aumentaria para 350 gramas. Entre os alimentos, poderão ser oferecidos aos fregueses sucos, sorvetes de palito, chás e iogurtes --bebidas alcoólicas não serão permitidas. Agora, o presidente da Câmara quer derrubar o veto do prefeito. Para isso, basta os vereadores aprovarem na Câmara a rejeição da decisão do prefeito. Para Américo, os vereadores têm aval para legislar em temas relacionados à atividade econômica. "Tão logo o projeto retorne para a Casa, irei articular, em conjunto com os demais parlamentares, uma possível derrubada do veto", disse o presidente. Se o veto for derrubado pela Câmara, o projeto vira lei mesmo contra a vontade do prefeito.

Fotos: Cristovão MARINHEIRO

Feliz Dia Das Mães É o que deseja o vereador Tarzan, amigo de todas as horas.


Jornal o espaço edição 44 página 4