Issuu on Google+


01 - Condomínios Vazios Marco Gazolla

Vou pro quarto E da varanda observo As janelas dos vizinhos E eles afastados Pra que os condomínios Pra que estar tão perto Parede com parede Tudo é deserto Se somos tão espertos Se somos tão melhores Por que dia após dia Estamos tão piores, estamos tão piores Nem no elevador Trocamos sentimentos É pura caretice Frios cumprimentos Vizinhas tão vistosas Garotos excitados E toda excitação Em nada é fato Os carros saem vazios Ninguém é de ninguém Carona nem pro shopping Cada um por si, amém, cada um por si, amém


2-Geração Atômica Marco Gazolla Aprendemos a ler, pedalar Para esborracharmos no chão Toda vez que não lemos a placa de contramão A gente só nasce uma vez É burrice assistir a TV E ficar olhando o que eles fazem, como eles vivem, tão deprimente Geração atômica, geração atômica Aprendemos inglês, português Para esquecermos de vez Toda vez que eu e você Num beijo de língua talvez A gente só nasce uma vez É burrice assistir a TV E ficar olhando o que eles fazem, como eles vivem, tão deprimente Geração atômica, geração atômica Esquecemos os modos, os medos Quando estamos juntos, meu bem Toda vez que avançamos a placa de contramão, de contramão, de contramão


LUIZ GAZOLLA


MARCO GAZOLLA


3-Faça-me o Favor Marco Gazolla Pra que tentar Impressionar Com esse seu jeito Intelectual e um tanto sensual Pra que testar Os meus instintos Faça-me o favor Saia já daqui Pare de me provocar Não respondo mais por mim Pra que tentar Me seduzir Com esse seu jeito Difícil e um tanto sensual Pra que brincar Com meus sentimentos Faça-me o favor Saia já daqui Pare de me provocar Não respondo mais por mim


4-Saber viver com pouco não é mau Marco Gazolla Saber viver com pouco não é mau Saber viver com pouco não é mau Separar o desejável do essencial

Saber viver com pouco não é mau Saber viver com pouco não é mau Separar o desejável do essencial

Quando se tem menos, se dá mais valor Mais encontros casuais, menos amor

Sempre tem alguém achando que é o tal Como assim seu ridículo, seu anormal.

Muitos bens materiais, pesada a bagagem Por que não deixar tudo pra trás será uma longa viagem

Gosto de ser simples, ter personalidade, Dinheiro demais distorce a liberdade. Saber viver com pouco não é mau Separar o desejável do essencial Tua amizade quero conquistar Não há bem mais doce não para partilhar A riqueza maior do mundo É a nossa amizade, E quanto mais dela se doar Mais bons amigos haverá Tolos, egoístas, inseguros, guardando a amizade no banco. Que tolice monetária nenhum juro renderá! Saber viver com pouco não é mau Saber viver com pouco não é mau


5-Sonho bom Marco Gazolla Assim que entrei em estado alfa Eu já comecei, eu já comecei A delirar como seria O encontro perfeito, o lugar perfeição Não vou acordar desse sonho bom O perfume dos jasmins Quero sim, quero sim E ver que o céu está anil Vou sonhar, na, na, na, na Esse sonho a gente sonha uma vez Vou te encontrar, vou te encontrar A esperar, toda de branco O sorriso perfeito, a pele de seda pura Desse sonho bom não quero acordar Mas, se ao acordar te perder Doce, doce ilusão Parecia real, pra valer O que é bom dura pouco Ah, sonho bom!

Assim que provei santa ayahuaska Eu me entreguei, eu me entreguei Ao teu amor, ao teu encanto Os contornos perfeitos, o olhar de deusa grega Desse sonho bom Não quero acordar O perfume dos jasmins Quero sim, quero sim E ver que o céu está anil Vou sonhar, na, na, na, na Assim que entrei em estado alfa Eu já comecei, eu já comecei A delirar como seria O encontro perfeito, o lugar perfeição Não vou acordar desse sonho bom Mas se ao acordar te perder Doce, doce ilusão Parecia real, pra valer O que é bom dura pouco Ah, sonho bom!


6-Quem sou Marco Gazolla Falo meu nome Pra que dizer Instantes depois Você nem lembra mais Uma palavra Sou bem mais que isso Ideias eu sou Ninguém me perguntou Pergunte-me dos astros Do regime das marés Pergunte-me do passado E eu direi quem tu és Olho no espelho Não me reconheço Eu sei que você Já se sentiu assim Uma imagem Sou bem mais que isso Atitudes eu sou Ninguém nem notou Pergunte-me dos astros Do regime das marés Pergunte-me do passado E eu direi quem tu és

7-Que crise que nada Marco Gazolla Que crise que nada Tua bolsa está em alta A cintura bem cotada Onde eu gosto de investir Que crise que nada Tua bolsa empinada Tão volátil, me agrada Sobe e desce sem parar Que crise que nada Meu desejo mais o teu São juros sobre juros A render no escuro teu Que crise que nada O perigo me atrai Teu perfume me abraça Vamos ficar high


8-Liberdade Marco Gazolla Conversível, vento nos cabelos, som ligado ao máximo Ponte alta, cordas arrumadas, soltar meu corpo pálido Galera acampada, cerveja gelada, muitas gargalhadas Vodca na mão, histórias que vem e vão Praia deserta, eu e ela, pleno verão Mar agitado, corpos sarados, testar nosso tesão Liberdade é assumir quem você é Não ter vergonha de si mesmo Poder viver em paz com o sexo Religião e toda forma de afeto, Forma de afeto, forma de afeto. Conversível, vento nos cabelos, som ligado ao máximo Ponte alta, cordas arrumadas, soltar meu corpo pálido Galera acampada, cerveja gelada, muitas gargalhadas Vodca na mão, histórias que vem e vão Chuva que cai, serei criança outra vez Lavo a alma, água que acalma, agora sinto bem Liberdade é entender quem você é Não ter vergonha do que é certo Poder viver sem preconceitos Fazer amor sem perguntar se é correto Tudo é correto!


9-Morro de tédio, mas não morro por você Marco Gazolla Suma da minha frente Nem mais uma vez Me vejo de repente Livre outra vez No espelho só o meu reflexo Nada nem ninguém por perto Morro de tédio Mas não fico com você Morro de tédio Não fico com você Quebro o teu encanto Mais de uma vez Me vejo de repente Livre outra vez O incerto da companhia Estampado no sorriso Morro de tédio Mas não fico com você Morro de tédio Não fico com você


10-Coração sem tom Marco Gazolla Não consigo achar as notas Não consigo achar o tom Que acorde duro é este Dentro do meu coração Nunca fui bom de romance Nunca senti Que o amor Estava em mim, em mim Nunca vivi um romance Nunca senti Que o amor Estava aqui, aqui! Só foi depois que te encontrei, meu amor pude aprender a amar Não consigo achar as notas Não consigo achar o tom Que acorde duro é este Dentro do meu coração Nunca fui bom de romance Nunca senti Que o amor Estava em mim, em mim

Nunca vivi um romance Nunca senti / Que o amor Estava aqui, aqui! Só foi depois Que te encontrei, meu amor, Pude aprender a amar Não consigo achar as cordas Não consigo achar o som A batera já não toca E a guitarra estragou Antes de tocar na rádio Eu cantei pro meu amor De tanto cantar as notas Minha voz quase acabou Ontem te vi na noite Acho que

Me enganei Vendo o arco-íris Lembro daquela vez Quando me apaixonei Pela primeira vez Primeira vez Meus cotovelos não doem que poeta eu sou? Lábios, olhos nos olhos Feitos para o final Volto em pensamento Posso capitular, capitular Meus cotovelos não doem que poeta eu sou? Ontem te vi na noite Acho que Me enganei, me enganei


11 - Claro

Marco Gazolla Claro que você quer lembrar Juntos éramos mais Hoje olho pra trás Que saudade que dá Vou superar Meus cotovelos não doem que poeta eu sou? Flores e colibris Juntos como um só Vago no meu jardim Outro jeito não há, não, não há, não, não Meus cotovelos não doem que poeta eu sou? Música instrumental Marco Gazolla


FICHA TÉCNICA Produtor fonográfico e direção de produção:

Marco Gazolla | Gravação: Luiz Gazolla (vocais) e Marco Gazolla (todos os instrumentos) | Mixagem e masterização: Rodrigo de Castro Lopes | Gravado no Home Studio dos Gazolla Brothers em Belo Horizonte no ano de 2010. | Revisão harmônica: Alexandre Piló | Todos os arranjos, letras e músicas por Marco Gazolla | Projeto Gráfico: Júlio Corradi - CRIATO | Adap. Ilustração de Capa: xxxxxx | Fotos: xxxxxxxx


Gazzola Brothers - Geração Atômica