Page 1


ESTADO DE MINAS - 1ª P E P. 21 A 23 - 12.12.2011

A ESTRANHA ÁREA PROTEGIDA QUE ENCOLHEU


cont... ESTADO DE MINAS - p. 21 A 23 - 12.12.2011


cont... ESTADO DE MINAS - p. 21 A 23 - 12.12.2011


cont... ESTADO DE MINAS - p. 21 A 23 - 12.12.2011


estado de minas - P. 4 - 10.12.2011


O TEMPO - p. 22 - 10.12.2011


cont.... O TEMPO - p. 22 - 10.12.2011


o tempo - P. 7 - 12.12.2011


CONT... o tempo - P. 7 - 12.12.2011


O TEMPO - p. 18 - 10.12.2011

Diálogo necessário

Belo Horizonte é considerada “capital dos bares”. Tem inclusive um festival, o Comida di Buteco. Botequeiro militante, o professor universitário aposentado Álvaro Falcão colocou, no blog da antropóloga Gilda de Castro, um artigo que é um verdadeiro tratado. O filósofo e teólogo Leonardo Boff, aqui, em O TEMPO, também registrou essa particularidade da capital. Mas os bares e restaurantes, ao mesmo tempo em que são lugares prazerosos, mercê da boa conversa regada a álcool, são também fonte de desconforto para a parte da população que, naquele exato momento, está fora deles. Sucedem, com frequência cada vez maior, as reclamações contra o barulho que provocam, não deixando dormir a sua vizinhança. O barulho é provocado pelas conversas em voz alta, a música mais alta ainda e os shows ao vivo. Perturbam também o silêncio os bebuns, as brigas e a confusão no trânsito, com cantar de pneus, freadas e batidos de portas. Os carros trazem um problema extra quando estacionam nas calçadas e nas saídas de garagens.

Isso começa invariavelmente às 18h de quinta-feira e só vai terminar na madrugada de domingo. Para a vizinhança, é um inferno. No bairro de Lourdes, em três quarteirões, existem 57 bares e restaurantes. No bairro Ouro Preto, só numa avenida há 16 estabelecimentos e mais dois estão sendo abertos. Moradores dessa rua estão se mudando por causa do incômodo. O bairro Ouro Preto é a bola da vez, conforme reportagem que O TEMPO está publicando hoje. Antes, foi Lourdes. O Ministério Público chegou a intervir. A prefeitura aplica multas de acordo com a Lei do Silêncio, que estabelece uma gradação para a poluição sonora conforme o horário, cassando alvarás, mas os comerciantes vão à Justiça e obtêm liminares. Numa situação como essa, em que os interesses são tão conflitantes, é preciso achar um modo em que as partes, comerciantes, frequentadores e moradores, possam conviver. Ao poder público cabe promover o diálogo entre eles e fazer cumprir o que for acertado.

hoje em dia - P. 2 - 09.12.2011

MP cobra de vereadores aval para venda de lotes Prefeitura teve autorização para vender a Praça de Esportes e vários terrenos


O GLOBO - P. 14 - 10.12.2011

08 a 12 Dez 2011  

Clipping CAOMA Digital

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you