Page 1

JORNAL CIDADE PAISAGEM A SERVIÇO DE PIQUETE E REGIÃO

Ano XXI - nº 308- Piquete, dezembro de 2011 - Preço R$1,00 - Distribuição gratuita promocional

Piquete merece nosso apreço Descobrir novos talentos e fortalecer os existentes; registrar nossos principais eventos; estimular nossas micros e pequenas empresas são alguns dos objetivos do Jornal Cidade Paisagem. Como já dissemos, não somos uma Folha de São Paulo, mas somos do tamanho de Piquete. À nossa maneira, procuramos o melhor para nossa cidade. São muitas nossas preocupações, e dentre elas a baixa autoestima do povo ocupa o primeiro lugar, pois povo sem autoestima não chega a lugar nenhum. Sabemos que a perda das benesses governamentais depois que a FPV passou a ser administrada pela IMBEL, causou um choque na cidade. Isso a traumatizou, pois, acostumada a receber, não aprendeu a caminhar com as próprias pernas, padecendo por sua inexperiência. Felizmente, todos nós aprendemos, ou por prazer ou por necessidade, não importa. E Piquete aprendeu a andar. O caminhar pode ser lento, pois as dificuldades são muitas; mas, com pedras ou não pelo caminho as pernas ficarão mais robustas permitindo alcan-

Boas festas!

çar os mais cobiçados objetivos . Uma de nossas grandes dificuldades é a pouca importância que alguns dão à própria cidade. E o pior, são pessoas que costumam formar opiniões. É comum ouvirmos dos críticos de plantão: Piquete não tem nada, não tem planejamento, não tem lazer, não tem saúde, não tem educação, não tem higiene, não tem administração, não tem Câmara, ou se tem alguma coisa, está tudo uma porcaria, e por aí vai... ufa! Como é difícil ouvir um elogio nesta cidade! Parece que criticar é o maior motivo para que algumas pessoas se sintam realizadas. Na realidade, essa crítica, salvo melhor juízo, esconde a incapacidade de fazer. E aí, eu me surpreendo com um “ditado chavão” que

me acompanha desde criança e que ainda é verdade: “Os cães ladram enquanto a caravana passa”. São tantas coisas ruins que são colocadas, que fico me perguntando: o que faço aqui? Afinal, posso afirmar que qualquer lugar deste país a que eu vá, encontrarei um amigo disposto a me auxiliar naquilo que eu pretenda fazer. Então, porque ficar? Ora, Piquete é a minha terra natal; são as lembranças encantadoras da infância e as deliciosas e desconcertantes descobertas da adolescência. Estas, já são motivos suficientes para permanecer. Mas, tem mais: o lugar é calmo, violência mínima, o visual é relaxante, o povo é acolhedor. Temos um artesanato promissor e uma culinária saborosa. Enalte-

cer os defeitos para quê, então? Vamos inverter os conceitos. Apontar defeitos, constantemente, desestimula, baixa a autoestima, afoga nossa capacidade de empreender, afugenta a alegria de viver, nos deixa cabisbaixos, fere nosso orgulho e mata nossa identidade. Os problemas? Claro, não podemos deixá-los de lado, porém não devemos tratá-los a ponto de deixar que eles ofusquem o que temos de bom. A inteligência humana existe para apresentar soluções. Pois então, que sejam soluções racionais, simples e eficazes. Não adianta tentar soluções que não estejam ao nosso alcance, ou seja, devemos trabalhar com os recursos que temos e não com os que desejaríamos ter. Assim, naturalmente, cresceremos. Um exemplo histórico: O Brasil foi colonizado por pessoas que não queriam ficar aqui. Viviam sonhando com a Europa. Os EUA foram colonizados por pessoas que queriam permanecer no local. O resultado? Todos nós sabemos qual foi. Seria bom, portanto, valorizar mais nossa terra. Piquete merece nosso apreço.


JORNAL CIDADE PAISAGEM

Ed. no 308 - dezembro 2011

Vem chegando o Natal Vem chegando o Natal, e com ele a lembrança de meu avô paterno que, de Trás dos Montes, Portugal, veio fazer a vida no Brasil. Homem tido como bravo, mas de grande coração, tinha verdadeira paixão pela terra e pelas árvores frutíferas. Macieiras, pereiras, pessegueiros, mangueiras, e sob cuidado especial as parreiras, formavam o pomar do Sr. Manoel. Os enormes cachos de uvas que eram pretas, brancas, róseas e até as grandes, italianas, grudadas uma nas outras, davam água na boca de quem por ali passava. Nós, os netos, que morávamos na casa grande da rua São Miguel, perto da sua, não apanhávamos as frutas sem o seu consentimento. Os outros, filhos de meu tio Adriano, que com ele moravam, de vez em quando se davam esse desfrute. Mas, às vesperas do Natal, era para nós que ele reservava as frutas mais bonitas, em especial as uvas. E lá vinham elas, enchendo a cesta de vime, já gasta, mas que viámos como se chegada da loja, tamanha era a importância que lhe dávamos. Junto, para meu pai vinha a sopa feita com o vinho que preparava de véspera, amassando com os pés, numa bacia, as uvas maduras, os que nos fazia torcer o nariz ao vê-la e onde grandes rodelas de pão se encharcavam, colocadas ali, por minha avó Angelina. E tudo era festa, pois tinha o gosto de Natal; e esse era nosso mundo: nossos pais, avós, irmãos, vizinhos e amigos. Os presentes, colocados nos sapatos, eram modestos. Não me lembro jamais de ter visto meus pais ou avós com algum presente.

Era natural, pois “Papai Noel só trazia presentes para as crianças”, e isto nos bastava como explicação. Gostava de ver meu avô de terno branco, gravata e colete, pronto para o almoço de 15 de Março, a exibir, orgulhoso, o relógio de bolso de ouro, presente da F.P.V. pelos 35 anos de serviço, e que, mais tarde, por direito, segundo ele, seria de meu primo Manoel, o primeiro a formar-se professor. Às vezes, me parece ouvi-lo na cadeira de balanço, batendo os chinelos nas tábuas largas de sala, a entoar, com os olhos claros cheios de lágrimas, uma cantiga de sua terra: “ Vem cá pintassilgo, Vem cá, boi pintado, Vem cá, pintassilgo, Vem cá, namorado!”

Em Tempo: 1- Até que enfim o Banco do Brasil colocou senhas para atendimento ao público, embora o aperto continue. 2- A Liga Piquetense de combate ao Câncer agradece a todos que com ela colaboraram e lhes deseja um Feliz Natal e Próspero 2012. 3- Tá na hora do Bradesco colocar uma agência na cidade, já que perdeu a concorrência nos correios e só ficará nas casas comerciais atrapalhando o movimento. 4- Nosso abraço à Rosângela, filha da querida Maria Rosa, falecida dia 10/12/2011. Nos anos 50, ela e Eunice Armando eram ajudantes do Prof Mazza nas aulas de Educação Física, do Ginásio da “ Fábrica Presidente Vargas” Suely Villar Torino

QUITANDA MINEIRA

Desejaaos clienteseamigos FelizNataleum Ano Novo de prosperidade. R. Luiz Arantes Junior, 314 - Piquete. Tel (12) 3156-1610

JORNAL CIDADE PAISAGEM CNPJ - 04.441.411/0001-73 - End: Rua Cel José Mariano,228 - CEP 12 620-000 - Piquete-SP Tel.: (12) 31563498 - jc.paisagem@yahoo.com.br Proprietários: .................................................................................................. Ireana Ferreira de Melo Silva e Arany Norberto da Silva Redator: .............................................................................................................................................................. Paulo Roberto da Silva Diagramação: ...................................................................................................................................................... Paulo Roberto da Silva Gráfica: ............................................................................................................... Jornal Guaypacaré Ltda. CNPJ 45.383.528/0001-25 Tiragem: ........................................................................................................................................................................ 1.500 xemplares Periodicidade: ........................................................................................................................................ Mensal - Circulação Regional A editoria não é responsável por artigos assinados nem solidária com os conceitos emitidos nos mesmos. Fundado em 15 de novembro de 1990 por Claudinei de Barros Magalhães

Pag 02

Aciap em ação A ACIAP - Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Piquete - deseja a todos UM FELIZ NA TAL COM CRIST O E UM NO VO ANO NAT CRISTO NOV DE MUIT AS REALIZAÇÕES E SUCESSO. MUITAS E convida-os para participarem do grande show de prêmios que será realizado na Praça da Bandeira, dia 27 de dezembro, terça-feira, a partir das 15:00 horas, ocasião em que serão sorteados vales-compras e brindes aos clientes das empresas participantes da promoção de Natal, além de show musical, distribuição de pipoca, algodão-doce e sorteio de brinquedos para as crianças. CRESÇA COM A SUA CIDADE! PRESTIGIE O COMÉRCIO LOCAL! Parabéns aos associados aniversariantes do mês de janeiro 02 ........................................................................................................ Lídia Paulino de Castro 04 .................................................................................................. Sebastião André Gonçalves 06 ................................................................................................. Adenauer Porto de Miranda 07 ........................................................ Jucyérik Uchoas Guimarães dos Santos (Érik Rações) 14 .................................................................................................. Sebastião André Gonçalves 20 ........................................................................................... Célio Vienna (Aerial Surf Shop) 20 .................................................................................................. Expedito Sebastião Ferreira 23 ......................................................... Chystian Elaine Uchoa da S. Santos (Chrys Fashion) 23 .................................................................................. Lucimagno Mendes (Peg Pag Regina) 26 .................................................................... Maria Ana Sinfronio de Souza (Ótica Mariana

Procure ser uma pessoa de valor ao invés de ser uma pessoa de sucesso, pois o sucesso é consequência. Ser bom e possuir ética são um treino que devemos praticar todos os dias e em todas as horas, até que um dia não precisemos pensar em fazer: apenas faremos... Feliz Natal e um Ano Novo repleto de realizações. Rua do Piquete, 17, Praça da Bandeira

Depósito de bebidas Uchôas QueafarturaeapazdoNatalsefaçampresentesemtodososdiasdo novoano,emcadalarpiquetense.ÉoquedesejamRafael e Daiane.


Ed. no 308 - dezembro 2011

JORNAL CIDADE PAISAGEM

Reflexões de um estudante Filosofando sobre 2011

Mais um ano está chegando ao fim. Começam a florescer as expectativas para o ano seguinte e vir à tona as boas recordações trazidas pelo período que passou. As coisas mudam e a convivência com os amigos deixa de ser tão frequente. Mas ainda assim resta a união e a paz entre aquelas pessoas queridas que fizeram parte da nossa vida. Em minha mente faço uma retrospectiva do ano de 2011, e assim digo: foi o melhor ano da minha vida. Fiz muitas novas amizades, tive minha primeira namorada, fui a um show da minha banda favorita. Ampliei e melhorei minha visão do mundo, criei novas expectativas, frustrei muitas delas (isso não foi algo ruim, afinal, com isso eu aprendi a recomeçar e seguir em frente de uma nova forma). Entrei numa nova escola, onde conheci pessoas maravilhosas vindas de muitos lugares. Enxerguei de perto como é a convivência numa universidade, e creio que isso seja um pré-requisito para, no futuro, ingressar mais ambientado numa faculdade. Minha rotina passou por uma grande mudança neste ano. Saí do convívio da minha cidade para estudar em outro lugar, tendo contatos intermunicipais e regionais com as pessoas. Foi exigido de mim um esforço maior do que o de costume. Minhas habilidades foram aprimoradas e desafiadas (principalmente no ramo das ciências exatas, às quais eu nunca fui tão propenso) e, por conta disso acabei, muitas vezes, por pensar em desistir, em procurar algo na área das humanas, ques sempre me agradaram e para cujo desempenho sempre demonstrei talento. No entanto, preferi ficar onde estou, para treinar as aptidões que me faltam. Até porque, como uma vez me disse

Empréstimos

meu pai, “nessa vida a gente tem que ser polivalente. Porque, se a gente souber fazer só uma coisa, e essa coisa acabar, não vamos conseguir sobreviver, pois não vamos saber fazer outra coisa” (eu tentei transcrever exatamente as palavras dele, por isso a frase em alguns pontos abdicou de regras gramaticais. Mas isso não é tão necessário, uma vez que a mensagem foi transmitida claramente). No entanto, neste ano eu não pratiquei só as ciências exatas. Nas humanas eu também me aprimorei. Um fato curioso é que eu estou fazendo isso agora, enquanto escrevo este texto. Paralelamente à escola, atendo-me apenas ao blog, foram sete textos (incluindo este), nos quais abordei opiniões e sentimentos, descrevi experiências memoráveis e passei a escrever as ideias que transcorrem minha mente na conturbada rotina do Cotel (meus condiscípulos entendem o emprego deste adjetivo). E eu realmente fiquei muito satisfeito com a recepção das pessoas aos meus textos: mais de 600 visualizações, três redações publicadas num jornal. o “Cidade Paisagem”, e pouquíssimos defeitos atribuídos a estas e às outras não publicadas também. Um ‘muito obrigado’ não bastaria para dizer o quão grato eu sou por ter vivido este tão maravilhoso ano, perto de pessoas tão especiais, realizando alguns dos meus vários sonhos. 365 dias podem parecer um período curto para algumas pessoas. E isso é verdade, porém, cabe a nós plantar as sementes e, ao final desse ciclo, colher os frutos, podendo dizer o que eu disse no final do meu primeiro texto: “A excelência ameniza a efemeridade!”.

Vitor Nunes Amoroso

De sejamos aos client Desejamos clientees e amig os Boas F amigos Feestas e qque ue o A no No vo An Nov seja rrepl epl epleeto de rea lizaçõe s! lizações!

R. Maj Carlos Ribeiro, 301 - Piquete/SP - Tel - 3156 4221

Pag 03

A FAO e a fome

Qualquer aluno de geografia do ensino médio conhece os “belts” americanos. A tradução para o português é cinturão – área reservada para o plantio de um único produto. O “belt” do milho dos Estados Unidos oferta uma safra anual de 300 milhões de toneladas. Outros “belts” importantes são o do trigo e do algodão. Acrescente-se ainda o “belt” da soja. A FAO – Organização para Alimentação e Agricultura – pede a contribuição do Brasil na produção de grãos tendo em vista que, a cada ano, oitenta milhões de bocas são acrescentadas à população do Planeta. E, atualmente, uma multidão já vai dormir com fome todas as noites. O pedido em si não assusta. O território contínuo dos Estados Unidos equipara-se ao do Brasil. E só a safra de milho americana é o dobro de toda a nossa safra de grãos. A acreditar na força-tarefa do Rally da Pecuária , recentemente realizado, as pastagens degradadas vão sumir definitivamente do território nacional. Se a agricultura familiar se casar bem com a integração lavoura-pecuária- floresta, a FAO pode ficar descansada – vai sobrar uma pá de hectares para a produção de grãos. Mas o problema não se situa no futuro. Não podemos planejar tendo em vista apenas o ano de 2050. Os famintos , os refugiados das catástrofes e das guerras não ficar parados em acampamentos. Vão querer moradia, escola, assistência à saúde e emprego. A assistência precisa ser efetuada no local de origem, visto que a imigração está sendo dificultada em todos os países. Em vez de aumentar a produção de grãos de alimentos em geral, vamos pensar na diminuição do número de famintos quer pela produção local, que pela paternidade responsável. Estamos informados do grande número de órfãos de guerra.

Existem já soluções adotadas com bons resultados como as Aldeias SOS. Em vez de mães substitutas, as mães que perderam os maridos podem criar seus filhos e mais algumas crianças em aldeias do modelo citado. Além disso, os jovens casais podem ser exortados a ter apenas dois filhos naturais e dois filhos adotivos. Mas tudo deve ser conduzido de acordo com a cultura do povo e sua religião. Já disse e repito: não vale a pena ter filhos para adubar cemitérios. O sistema de produção denominado integração lavoura-agropecuária-floresta pode reequilibrar os países devastados pela guerra civil na África Subsaariana. Para isso é necessário que a FAO providencie rações individuais para crianças e adultos enquanto o ambiente é recuperado. Além disso, só a ONU pode resolver a questão de nações sem território como a dos curdos, dos palestinos e dos tibetanos. Cumprimentamos o governo brasileiro pela sua atuação na África, pelas ações do Ministério das Relações Exteriores e pela magnífica colaboração da Marinha do Brasil na criação da Marinha da Namíbia. É com pesar que registramos o falecimento da grande amiga do Brasil, Danielle Mittérand. A notável cidadã francesa afirmava: “a água é o vetor da paz”. Dizia ela que olhos cobiçosos não se desviam do Iraque por causa de sua grande riqueza: os rios Tigre e Eufrates; que a China não pensa em sair do Tibete porque os grandes rios da Ásia nascem no platô tibetano. Quando no Brasil, Madame Mittérand sempre alertou quanto à cobiça dos estrangeiros no que diz respeito ao Aquífero Guarani. Para homenagear a incansável Danielle vamos implantar a paz da água e dos alimentos. A FAO pode contar conosco.

Abigayl Léa da Silva

Vereador Rubinho Pedreiro Aos nossos clientes e amigos: que as bênçãos do Natal perdurem por todo o ano de 2012.

Há mais, muito mais, para o Natal, do que somente luz de vela e alegria. Há o espírito da doce amizade que brilha todo o ano. Há consideração e bondade. Há a esperança renascida novamente para a paz, para o entendimento e para a benevolência dos homens. Boas festas!


Ed. no 308 - dezembro 2011 Ed. no 304 - agosto 2011

JORNAL CIDADE PAISAGEM

Pag 04

Carta do Leitor

Sr Editor O ano de 2011 chega ao seu final. Não vai deixar saudade. Talvez deixe uma boa sugestão para exercitar a ação analítica de comportamentos, governança, tempos modernos, em que tudo que é quebrado não se refaz e cujas propostas de reconstrução mergulham nas ambiguidades e no lamento de ilusões perdidas. Mas, deixa-nos lições. Como nem tudo se perde no amálgama das coisas do mundo, Dilma Rousseff tem despertado expectativas, digamos favoráveis, no nível internacional e das relações financeiras. Mas, no nível local, dissonâncias. O jogo político nem sempre tem soluções, mas tem, isso sim, interesses. A trama partidária é urdida por esses fios cada vez mais entranhados. Compreendê-los, entretanto, não é fácil. No nível do mundo globalizado, entrevisto pelo hegemônico norte-americano, nossa presidenta tem sido considerada sob aspectos positivos para colocar-nos como constitutivos de um país emergente de eficiência notável dentre os outros do BRIC – grupo formado segundo a ordem da sigla – pelo Brasil, Rússia, Índia e a China. Esta, já exibindo sinais de cansaço, isto é, dificuldades em equilibrar valor monetário, finanças e empreendimentos internos e externos. O que entretanto não a predispõe a ter a economia como bolha a ser estourada – ela poderá contrabalançar seus impasses. Um novo membro foi associado, a República Sul-Africana, que, entretanto, apesar de muito rica em minérios, sofre as defasagens da herança de um sistema colonial perturbado pelas lutas tribais pós-apartheid. Aqui no Brasil, a política de controle inflacionário e dos juros tem projetado uma imagem favorável, enquanto que a valorização do dólar tem contribuído para a elevação dos preços no mercado de commodities (ma-

téria-prima, insumos), e a de produtos industrializados. O que aumenta lucros brasileiros no mercado externo. Como emergente, o Brasil tem ampliado as oportunidades do aproveitamento de mão-de-obra, gerando empregos e ampliando a faixa da classe média. O mercado interno tem se vocacionado cada vez mais para esse grupo consumidor. Veja, por exemplo, a propaganda da TV. Prognósticos do economista criador dos BRICS, Jim O’Neill, dão conta de que o Brasil dentro de vinte anos se tornará um país desenvolvido. Entrevistado pelo “O Estado de São Paulo”, O’Neill, que ocupa cargo de presidência na Goldman Sachs, importante empresa norte-americana do mercado acionário, tem opinião de que os Brics comporão um grupo de força econômico-financeira ao lado dos Estados Unidos, Japão, Zona do Euro, Reino Unido e Canadá. A crise do euro tornou a situação europeia muito problemática. Angela Merkel (pela Alemanha) e Nicolas Sarkozy (pela França), buscam desesperadamente o equilíbrio, e a Europa pobre acumula problemas. A prestigiosa revista norte-americana “New Yorker” estampou, neste dezembro, matéria que contempla os acertos e os principais problemas brasileiros tendo em vista o governo Dilma Rousseff. Segundo o articulista, a impressão é favorável, apesar da referência à corrupção e à fraqueza da educação. Enquanto a crise europeia se aprofunda, os emergentes contabilizam pontos positivos. Entretanto, uma crise nos desenvolvidos (Europa e América do Norte) tem reflexos. Que nos sejam leves! Aguardemos o novo ano! Que ele nos seja propício! Feliz Natal!

Dóli de Castro Ferreira

Feliz Natal! Próspero Ano Novo!

Os funcionários da Caixa Econômica Federal , Agência de Piquete,desejam aos seus clientes e amigos Bom Natal e próspero Ano Novo.

Aos amigos e clientes: que os sorrisos do Natal permaneçam em 2012!

Boas Festas!

Dr Rodrigo Galvão Salles Especializado em implantodontia Av Conselheiro Rodrigues Alves, 45, sala 5, Centro, Piquete. Tel (12)3156 3608

Desejamos a todos os clientes e amigos um Natal pródigo em saúde, paz e alegria, almejando que a semente da fraternidade cristã germine no seio de cada ffamília amília piquetense durante o Ano de 2012

RABELO IMÓVEIS - VENDE E ALUGA Sobrado - vende Sala; Cozinha, 04 quartos, 02 banheiros, garagem e quintal; End: R. Adhemar de Barros, nº 510 - Nova Lorena - Lorena. Casa - vende Casa com sala, coz, copa, 2 quartos, banheiro, dois pontos comerciais. Edícula com sala, coz, banheiro e 2 quartos (01 suíte) end.: rua 1º de maio, Vila Célia- Piquete Casa - vende Casa com sala, cozinha, 4 quartos (2 suítes), banheiros social, quintal e garagem. End.: Rua Antônio Jofre - Parque São Miguel - Piquete Prédio Comercial - ve nde - Rua Doutor Oliveira Braga, 41 - Centro Piquete Casa - vende - Sala; Cozinha; Copa; 02 Quartos; Banheiro e Quintal - Rua Mestre Targino Cunha, 173 - Centro - Piquete Rabelo Imóveis - CRECI 85547 - R Cel Pederneiras, 100, Piquete/tel: 3156-4837 ou 8147-7575

Desejamos a todos clientes um Feliz Natal e um Ano de 2012 com muita paz, saúde e sucesso.


Ed. no 308 - dezembro 2011

JORNAL CIDADE PAISAGEM

Que o espírito de humanidade e justiça do Natal seja presença constante em todos os dias do ano que se aproxima. Boas Festas! Feliz Ano Novo! São os votos do

Supermercado Xeroso

Padaria do Vezaro

Quando Quando,, em sua vida vida,, nada restar estar,, não cruze os braços, pois o maior Homem do mundo morreu de braços

Feliz Natal e 201 2 de muitas 2012 r ealizações!

RPG (Reeducação Postura Global) - Ortopedia -Respiratória Neurologia - Reumatologia

Informamos que retornaremos às atividades em 09/01/2012

A todos os clientes e amigos um Natal de Paz, e que o ano de 2 0 1 2 s e j a c o r o a d o de muito sucesso!

“Que o milagre da Noite de Natal se repita em cada dia do Novo Ano”. Milagre da Vida, da Paz, da Alegria, da Justiça, da Perseverança, da Humildade e acima de tudo o Milagre do Amor. Boas Festas!

Pag 05

Compras de Natal

O celular tocou de maneira cavernosa. Aliás, o som parecia vir das profundezas do infinito. - Não é o meu! - É o meu, já peguei... Alô! Alô! Desligou... - Também, parece que você carrega o mundo nessa bolsa... - Estressa não, meu amor. Se for importante, liga de novo. - Não era de casa? - Não! Número desconhecido. Não ligou e o casal continuou a andar pelas ruas entupidas de dezembro. O comércio aberto até as dez da noite desafiava os que não se importavam com a chuva intermitente. Era preciso comprar. E comprar sem pensar muito, pois o Natal estava próximo. Pisou numa poça e blasfemou. - Droga! A gente bem que podia ter ido no shopping... - Você sabe muito bem que eu odeio shopping. Aquilo lá deve estar uma loucura. E de mais a mais, você tinha que deixar tudo pra última hora? - Última hora... Última hora... - ela resmungou baixinho. - O que você falou? - Falei que você podia ter ficado na choperia enquanto eu fazia compras. E cá pra nós, quando é que íamos achar um tempo pra fazermos compras juntos? Nosso horário não bate, amor. Falavam e andavam, mal olhavam para as lojas. O marido se deteve numa de sapatos, e a mulher continuou com sua sombrinha pela calçada, falando como sempre. De vez em quando gesticulava e apontava uma ou outra vitrine. Nem percebeu que o marido ficara estático, olhando chuteiras, tênis, camisetas novas para suas peladas... Ele se virou para pedir-lhe uma opinião e não a viu. Olhou pelo alto e visualizou uma praia de guarda-chuvas e sombrinhas nas calçadas. Deu de ombros. Melhor assim! Quando precisar, ela liga... Voltou os olhos para os calçados e percebeu que já tinha andado um pouco. A loja já era outra e mais outra e mais

outra. Cansou. - Um chopinho, por favor! A lanchonete estava apinhocada de gente. Ele ficou ali, em pé mesmo. Recebeu o caneco e saiu na soleira para respirar. O atendente olhou para ele e assentiu com a cabeça. Deu uma tragada e o líquido desceu como se fosse doce. O primeiro gole a gente nunca esquece... Pensou com os seus botões que aquela sensação não tinha preço... Merecia aquele momento, afinal conquistara o mundo. Do outro lado da rua, por entre pernas e troncos alucinados, um olhar cruzou o seu. Pequeno olhar vadio, descalço, sem brilho. A chuva fina trazia um friozinho atípico para a época do ano. Desviou seus olhos, mas conferiu pelo rabo do olho que aquele olhar carente ainda o fitava. Pediu uma coxinha e um guaraná. Voltou para a soleira e olhou. A menininha continuava lá. O balconista gritou a coxinha e o refrigerante. Ele pegou-os e atravessou a rua. - Trouxe pra você... - Precisa não, moço. - Você está sozinha? Minha mãe foi lá, apontando para a esquina onde se via uma pedinte. - Tá cheiroso esse salgado. Vai, pega... Ela pegou o salgado e abocanhou com uma voracidade que o assustou. - Olha o refri... Ela tomou da sua mão e avançou-o na boca. Ele tirou o casaco e o estendeu para ela que já não fez cerimônia. Tremia de frio. A mãe chegou. - Ela é minha filha, doutor. - Sei disso, ela me falou. Enfiou a mão no bolso, tirou a carteira e não escolheu. Estendeu-lhe a mão com algumas notas, entregou-as para a mãe, virou-se e foi pagar a conta. Ainda na lanchonete viu as duas se perderem no meio da multidão. O telefone tocou, era a esposa. Tinha de voltar para a sua dura realidade.

Edwalds Marques - diwas@bol.com.br

Mais uma Conquista: Ponte no Bairro do Ronco Coincidência ou não, na edição anterior citamos o convênio feito com a CODASP - “ Programa Melhor Caminho” para readequação das estradas do Bairro do Ronco e Itabaquara ( Faz.Santa Lidia) e, consequentemente, no mesmo dia, o Secretario Geral de Piquete, Sr. Joaquim, juntamente com o Prefeito Otacilio

Rodrigues da Silva solicitou ao Chefe de Gabinete da Secretaria Estadual de Agricultura, Sr. Adjair Bertochi, agilidade na montagem da ponte no bairro do Ronco e após 20 dias esta aí a tão sonhada ponte instalada no bairro do Ronco, alavancando a economia agropecuária de nosso municipio.


JORNAL CIDADE PAISAGEM

Ed. no 308 - dezembro 2011

LOJA REGINA & REGINA CALÇADOS

Com muito otimismo e coragem caminhemos para 2012!

Boas festas! Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 92

Tel. 3156.1399 QUITANDA SÃO MIGUEL Vi s i t e - n o s e c o n f i r a n o s s a s o f e r t a s . Aceitamos os cartões Master Card, Eletronic, Maestro, Diners ClubRede Shop e Visa. Aceitamos cheques para 30 dias. Temos convênio com o Sindicato dos Químicos.

Boas Festas e Feliz 2012!

Entrega em domícilio (12) 3156-1766 Rua Comendador Custódio, 221

Supermercado Peg-Pag Regina Que em 2012, em todos os lares brilhe a luz do sucesso!

Boas festas!

Que em 2012 as alegrias das festas natalinas estejam sempre presentes!

Escola Professor Leopoldo Marcondes de Moura Netto

Ed. no 256 272--dezembro agosto dede 2007 2008

Natal é vida. Então Então,, viv vivaa plenamente cada momento de felicidade, cada instante de amor e confraternização. Ó timo Natal Natal!! Feliz Ano Novo!

Pag 06

Zé-dos-anzóis Maria Tonelli, conhecida por Marinelli, vivia no sítio dos pais, num recanto afastado da cidade. Entre estudar e trabalhar, optou por ajudar o pai no amanho da terra e, às vezes, a mãe, nos afazeres do lar. Era uma moça mais pra feia do que pra bonita. Sua feiúra estava na fala e a beleza na ingenuidade. Seu pai, descendente de italianos, cuidava muito bem das terras arrendadas do irmão que ficara na Itália. Com a morte do pai, Marinelli passou a dedicar-se exclusivamente à lavoura. A fama de que ficara rica e dona das terras correu os quadrantes da cercania e não lhe faltaram pretendentes. Até que um moço da cidade, boa pinta, “bon vivant”, pediu para namorá-la. Ela, de coraçãozinho caído aceitou de bom grado, visto que o rapaz era bonito e bom conversador. Ela até que poderia aprender muita coisa com ele. Namoraram, noivaram e logo veio o casório. A festa foi de arromba. Pinga da boa e bate-coxa viraram a madrugada. E o tempo passou... Zé-dos-anzóis, marido de Marinelli, certo dia, sentado à soleira da cozinha, apreciava a esposa tratar dos galináce-

os. Ela parecia feliz, debulhava milho e o atirava às aves que as rodeavam, e pela primeira vez perguntou-lhe: - Marinelli, estamos casados faz um tempão e você nunca me falou das terras que herdou do seu pai. - Ah Zé, nóis não tem terra não! - Como não? E aqui onde estamos? E a terra plantada? E o campo de invernada? - Sabe, Zé! Nóis temu só esse quadradinho aqui, eu e a mãe não temu terra não! - Não é possível, Marinelli. Qualquer dia desses vou até ao tabelião saber da verdade. - Ah, Zé, me arlembrei agora! As terras qui tenhu, eu trago aqui, oh! Estendeu as mãos e mostrou ao marido a terra que trazia debaixo das unhas. Terra do arado, do plantio e da colheita. Com a unha do dedo minguinho da mão direita tirava a terra sob as unhas da mão esquerda, e falava: - Zé, casei cocê pensandu que fosse trabaiadô, ocê é iguar os zotro. Zé-dos-anzóis viu que tinha dado varada n’água, foi ao cartório, não para saber das terras, e sim, para tratar do divórcio. Edival da Silva Castro


Ed. no 308 - dezembro 2011

JORNAL CIDADE PAISAGEM

Pag 07

Ed. no 256 296-dezembro - agosto dede 2007 2010

O Doutor Charles A.Machado, clínico geral, e o DoutorArrison Alan de Castro, especialista em Ortodontia, desejam aos cidadãos piquetenses um Natal com muita paz. E que os sorrisos desta magna festa perdurem por todo o ano de 2012!

Lojão de Móveis Bibiano: Piquete merece este carinho

Feliz Natal e um ano Desejamos que, neste muito bom para todos! Natal, a luz que guia o

mundo possa também clarear os seus sonhos, e que os anjos acampem ao seu redor para sempre os proteger proteger,, amparar nessa longa caminhada da vida, para que o caminho seja repleto de flores e frutos. Estamos felizes com o nosso trabalho, pois a cada dia fazemos novos amigos, a cada dia aparecem ma is pessoas encantadoras como você.

Belos so sorrrisos par paraa todos!

Boas

F Feestas

Rua Major Oliveira Borges, 41, centro, Piquete/SP - Tel 3156 4567

Novo telefone: (12) 3156 1843

Boas Festas!

Supermercado Genaro

A Pousada Vale das Colinasdeseja a todos Feliz Natal e Próspero Ano Novo www.pousadavaledascolinas.blogspot.com Av Luiz Arantes Junior, 340, Centro, Piquete. Tel (12) 3156 2132

Artesanato São Miguel

Há cinquenta anos junto com Piquete! Boas Festas!

Aos nossos amigos: é muito bom poder fazer parte de suas vidas em momento tão importante neste fim de ano. Boas festas!

Bar do Boi

De pai para filho desde 1948. Ponto de encontro dos piquetenses em Delfim Moreira.

Aos c lientes e amigos de Piquete nossos votos de Feliz Natal, e que 2012 seja um ano repleto de realizações profissionais e pessoais.

Que neste Natal e em todos os dias de 2012 a felicidade possa estar presente em todos nós!Boas Festas!


Ed. no 308 - dezembro 2011

JORNAL CIDADE PAISAGEM

Pag 08

Nós, da Farmavale Mirante do Vale e da Farmavale Cidade Paisagem, sentimos orgulho em servir a você, cliente, que é o nosso maior motivo. Desejamos a todos

Boas Festas e Feliz Ano Novo! Farmavale - Loja 1 - Rua do Piquete, 35, Centro. Tel 3156 1352 / 3156 4650 - Loja 2 - Av Luiz Arantes Jr, 29, Centro, Tel 3156 3403

DEZEMBRO 2011  

ANO XX1 - No.308

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you