5 minute read

Claas Axion 960 Terra Trac

No segmento de alta potência, o desafio é conseguir maior capacidade de tração e simultaneamente reduzir a compactação do solo. A adaptação dos Axion 900 ao sistema de rastos Terra Trac é a resposta da Claas a este desafio

POR JOÃO SOBRAL

Foi em Bohmte, na Alemanha, que tomámos contacto com o Axion 960 Terra Trac, finalista do TOTY na categoria de Campo Aberto. Este modelo inaugura um novo conceito que foi pela primeira vez apresentado ao público na Agritechnica 2017, na altura ainda em fase de protótipo. Daí para cá, a Claas pôs em prática um exaustivo plano de testes e aperfeiçoamentos que culminam na produção em série e consequente comercialização.

SÉRIE AXION 900

Na variante de rodas, são cinco modelos, que preenchem um intervalo de potência entre os 325 e os 445 cv de potência máxima. Na variante Terra Trac, a Claas propõe dois modelos: 930 Terra Trac e 960 Terra Trac, respetivamente com 355 e 445 cv de potência máxima.

MOTOR FPT E TRANSMISSÃO CMATIC

O motor FPT apresenta faixas de potência constante entre as 1300 e as 1500 rpm, e entre as 1700 e as 1900 rpm, uma característica favorável ao desempenho a baixo regime. A transmissão, fornecida pela ZF, possibilita três intervalos de velocidade ajustáveis via monitor Cebis e alcança os 40 Km/h às 1450 rpm.

O posto de condução mantém-se semelhante ao dos modelos de rodas

As rodas dentadas permitem arrefecimento e auto-limpeza. Evitam também a patinagem dentro do rasto, minimizando as perdas de tração.

O sistema inclui 3 níveis de altura ao solo, ajustável no monitor Cebis, e suspensão.

O sistema inclui 3 níveis de altura ao solo, ajustável no monitor Cebis, e suspensão.

HIDRÁULICO

Devido à configuração de rastos, os braços de hidráulico são um pouco mais compridos do que na versão de rodas, o que reduz ligeiramente a capacidade máxima de elevação. Do meio para trás sofreu diversas alterações. No lugar do depósito estão a escada e a plataforma de acesso à cabine, e em redor dos guarda-lamas ficou espaço livre que foi aproveitado para oferecer um depósito de 860 litros (+220 litros do que a versão de rodas), para trabalho em contínuo até 12 horas sem reabastecer.

Também a ligação dos rastos à driveline foi reinventada, não sendo assegurada por um eixo traseiro (bainhas). Em substituição desse componente, existe uma amarra pivotante e, independente dessa amarra, um cardã de transmissão.

SISTEMA DE RASTOS TERRA TRAC

A Claas acumula uma larga experiência com os sistemas de rastos de fabrico próprio, aplicados nas ceifeirasdebulhadoras Lexion e mais recentemente nas automotrizes Jaguar.

Ainda assim, a marca deparou-se com a necessidade de readaptar bastante o sistema. Nas máquinas da linha de forragem, o suporte de carga é o elemento essencial, e nos tratores é a tração. Por isso, os rastos estão equipados com um diferente piso das bandas e modificações nas engrenagens, com destaque para uma roda traseira de maior diâmetro, para ter mais superfície de contacto.

Mas como é que o trator vira?

É provavelmente a pergunta que o leitor estará a fazer. Pois bem, o que temos de fazer é usar o volante como em qualquer outro trator. A ordem do volante atua sobre a direção do eixo da frente e, através de sensores, aplica uma certa força de travagem num dos rastos ao virar. Mas é tudo feito automaticamente e em função da velocidade.

A plataforma para acesso à cabine e os guarda-lamas com depósito de combustível embutido são exclusivos dos modelos Terra Trac

A plataforma para acesso à cabine e os guarda-lamas com depósito de combustível embutido são exclusivos dos modelos Terra Trac

Os blocos Terra Trac apresentam um ângulo pivotante à frente (8%) e atrás (15%) e a tração é transmitida aos rastos através de um veio de cardã telescópico externo que segundo a marca não requer manutenção. A força de travagem é transmitida também através deste veio.

Segundo a Claas, este sistema proporciona +30% de área de contacto com o solo do que um trator com rodas, o que se traduz em +15% de potência de tração e -50% de compactação do solo.

DISTRIBUIÇÃO DE PESO

Os Axion são conhecidos por terem uma distribuição de peso repartida a 45%-55% por ambos os eixos. Na variante Terra Trac, muda para 35%-65%, o que reduz a necessidade de lastrar a frente e permite aplicar pressões mais baixas nos pneus.

Comparativamente com os tratores de rastos de apenas duas bandas, em que ao levantar-se a alfaia grande parte do peso fica concentrado na zona traseira dos rastos, formando picos de compactação, a Claas refere como vantagem do seu sistema uma mais homogénea distribuição da carga.

LARGURA DAS BANDAS

Nos tratores em teste estavam instaladas bandas de 735 mm. Com esta medida, o raio de viragem é semelhante ao de um Axion 960 com pneus de 710 mm. A marca propõe mais duas larguras: 635 e 890 mm.

PREÇO

O PVP do Axion 960 Terra Trac no mercado português é de 353.000 Eur + IVA.

APRECIAÇÃO

Fizemos um percurso misto (campo e asfalto) a velocidades altas, com uma alfaia pesada instalada na traseira. E fizemos preparação de solo com um cultivador rebocado. Nas viragens apertadas e a baixa velocidade esquecemo-nos dos rastos. Mas ao virar a velocidades altas pareceu-nos haver ligeiro atraso na mudança de direção. Há a considerar o peso da alfaia instalada. Para uma opinião mais formada sobre este aspeto teríamos de comparar modelos equivalentes (de rodas e de rastos) sujeitos à mesma carga, e explorar com mais demora o ajuste de agressividade da direção, que possui três níveis e é controlado através do monitor Cebis. Em todo o caso, é um comportamento a que nos adaptámos em poucos minutos. A nível de conforto existe um sistema de suspensão integrado nos rastos que complementa a suspensão do eixo dianteiro e da cabine. Ao atravessar margens a alta velocidade, quem está de fora vê as bandas dos rastos a tensionar, mas ao volante experiencia-se um surpreendente conforto. Em estrada formámos a mesma opinião: suave, sem as vibrações dos rastos tradicionais. Em síntese, os Axion Terra Trac assumem-se como um novo e interessante conceito, desenvolvido para clientes que querem entrar no segmento, porque necessitam de alargar a janela de oportunidade da cultura, e que em simultâneo pretendem fazer estrada. Num segmento onde as vendas não são numerosas, a Claas tem o mérito mérito de não ter cedido à tentação de recorrer a um fornecedor externo, enveredando por um projeto próprio, que acabou por dar forma a um trator original, arrojado e interessante.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

MOTOR

Fabricante / modelo: FPT / Cursor 9 • Nº de Cilindros/ cilindrada: 6 / 8.700 cm3 • Potência nominal /máx.: 440 cv / 445 cv • Binário máximo / reserva: 1860 Nm / 35% • Nível de emissões: Fase IV

TRANSMISSÃO

Configuração: Variação contínua • Velocidade máx.: 40 km/h às 1450 rpm

DIMENSÕES

Distância entre eixos:2.950 mm • Carga máx. admissível: 22.000 kg

HIDRÁULICO

Capacidade de elevação: Tr: 10.000 kg Ft: 6.500 kg • Fluxo da bomba (opcional): 220 L/min