Page 1

BOLETIM DE

MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO

OUTUBRO 2012 ANO IX Nº 36

Retrospectiva VARIAÇÃO MÉDIA DO FATURAMENTO ENTRE OS 3ºs TRIMESTRES DE 2012 E DE 2011 (%) No 3º trimestre de 2012, as empresas do setor

9,9

Consolidado

de turismo apresentaram, comparativamente ao mesmo período de 2011, uma variação média de

17,8

Organizadoras de Eventos Operadoras de Turismo

15,5

Turismo Receptivo

15,3

faturamento de 9,9%. Dentre os mais importantes fatores favoráveis a tal crescimento, indicados pelos empresários, destacam-se a expansão da demanda nacional, os investimentos realizados

10,5

Meios de Hospedagem Agências de Viagens

10,2

Parques e Atrações

10,0

pelas empresas e a maior divulgação dos atrativos e roteiros turísticos. Como se pode perceber no gráfico, destacam-se, como mais elevados aumentos percentuais do faturamento, os apurados nos ramos organizadoras de eventos (tendo em vista a

8,3

Transporte Aéreo

sazonalidade), operadoras e turismo receptivo.

Fontes: FGV e MTur

Perspectiva INVESTIMENTOS PREVISTOS PARA OUT.-DEZ./2012 PERCENTUAL DO FATURAMENTO TOTAL DE CADA RAMO A SER INVESTIDO No que tange aos investimentos previstos para o último trimestre de 2012, as

40,0

empresas componentes do setor de turismo registraram um percentual consolidado

36,6

de 77% de indicações positivas desse propósito. Os mais elevados percentuais de

35,0

30,9

30,0

indicações positivas nesse sentido, no 4º trimestre de 2012, foram os segmentos de transporte aéreo (96%) e parques e atrações (76%).

25,0

A atual pesquisa apurou, igualmente, percentual médio faturamento total do setor

20,0

de turismo programado para ser investido em

15,0 10,0

out.-dez./2012, de 8,9%, cabendo destacar

11,7 8,9

7,5

os planejados por empresários dos ramos

6,4

5,0

5,3

4,4

organizadoras de eventos e turismo receptivo (36,6% e 30,9%). As principais áreas de investimento apontadas pelas empresas são

0,0 Consolidado Organizadoras de Eventos Fontes: FGV e MTur

Turismo Receptivo

Meios de Hospedagem

Transporte Aéreo

Parques e Atrações

Agências de Operadoras de Viagens Turismo

tecnologia da informação e melhoramento da infraestrutura das instalações das empresas.


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

2

Presidenta da República Federativa do Brasil

Secretária Nacional de Políticas de Turismo

Dilma Vana Rousseff

Paulo Roberto André

Ministro de Estado do Turismo

Diretoria de Estudos e Pesquisas

Gastão Dias Vieira

José Francisco de Salles Lopes

Secretário Executivo

Gerência de Estudos e Pesquisas

Valdir Moyses Simão

Neiva Duarte

Fundação Getulio Vargas

Equipe Técnica

Presidente

Airton Nogueira Pereira Junior Ique Lavatori Barbosa Guimarães Leonardo Siqueira Vasconcelos Paulo Cesar Stilpen

Carlos Ivan Simonsen Leal Diretoria EBAPE

Flávio Carvalho de Vasconcelos Diagramação Coordenação Núcleo de Turismo

Marcelo de Oliveira Carneiro

Luiz Gustavo M. Barbosa Deborah Moraes Zouain Coordenação da Pesquisa

Leonardo Siqueira Vasconcelos Paulo Cesar Stilpen

Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Mario Henrique Simonsen/FGV

Boletim de Desempenho Econômico do Turismo. – Ano IX, nº 36 (Julho/Setembro 2012) / EBAPE/Núcleo de Turismo, Ministério do Turismo. – Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2012. 1 v. Trimestral. ISSN: 22360115 1. Turismo – Aspectos econômicos. I. Fundação Getulio Vargas. II. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Núcleo de Turismo. III. Brasil. Ministério do Turismo. CDD – 338.4791


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

3

4

AMBIENTE ECONÔMICO

4

Ambiente Macroeconômico Mundial

18

Agências de Viagens

41

Resultado Consolidado

5

Ambiente Macroeconômico Brasileiro

21

Meios de Hospedagem

43

Agências de Viagens

9

Análise Econômica do Turismo

25

Operadoras de Turismo

46

Meios de Hospedagem

Relatório Consolidado

28

Organizadoras de Eventos

49

Operadoras de Turismo

31

Parques e Atrações Turísticas

62

Organizadoras de Eventos

34

Transporte Aéreo

55

Parques e Atrações Turísticas

37

Turismo Receptivo

58

Transporte Aéreo

60

Turismo Receptivo

13

17

RELATÓRIOS SETORIAIS

40

TABELAS

Metodologia O Boletim de Desempenho Econômico do Turismo é

Note, em seguida, como o saldo pode ajudá-lo a

uma publicação trimestral que leva ao público o resultado

interpretar as expectativas dos respondentes. No Boletim

de uma análise de caráter qualitativo da conjuntura

de Desempenho Econômico do Turismo considera-se o

econômica do turismo no Brasil. Esta análise considera as

seguinte:

principais variáveis econômicas do ambiente em associação com os resultados de um levantamento amostral da opinião de diversos segmentos do turismo. Variáveis de categorização apuradas na pesquisa permitem a ponderação de cada resposta individual e a estimação do segmento respondente. Esta pesquisa, de âmbito nacional, interpreta as respostas dadas pelos empresários do setor sobre o momento atual dos negócios, o trimestre imediatamente anterior, comparações entre iguais períodos em anos consecutivos e perspectivas para o próximo trimestre. As observações e as perspectivas são apuradas utilizando o saldo de respostas, ou seja, a diferença entre o total ponderado de assinalações de aumento e de queda. Esse saldo indica a percepção do segmento respondente em relação ao tema da pergunta. exemplo: qual a sua perspectiva quanto ao faturamento total neste trimestre em comparação ao trimestre anterior? Diminuição (-): 7%; Estabilidade (=): 61%; Aumento (+): 32%. Saldo de respostas = 25% (positivo). Este número indica a intensidade da percepção dos

• saldo acima de + 10% (inclusive) significa aumento da variável pesquisada; • saldo situado entre - 9% (inclusive) e + 9% (inclusive) significa estabilidade da variável pesquisada. • saldo inferior a - 10% (inclusive) significa queda da variável pesquisada. Os símbolos (+), (=) e (-), que aparecem nas tabelas significam aumento/positivo, estabilidade/neutro e queda/ negativo, respectivamente. As respostas obtidas das empresas são ponderadas para refletir o peso de cada respondente no mercado do turismo em geral e de seu segmento em particular. Os efeitos dessa alteração dos ponderadores foram, em alguns casos, salientados na seção de apresentação das séries históricas da pesquisa. O presente Boletim de Desempenho Econômico do Turismo reflete as respostas coletadas entre os dias 1 a 31 de julho de 2012. No caso de empresas de capital aberto, o prazo para resposta pode ultrapassar este período. Alguns

números

relativos

à

amostra

deste

levantamento (TODOS OS SEGMENTOS) são os seguintes:

respondentes em relação à variável pesquisada. Ou seja,

Empresas respondentes: 523

há uma forte percepção de aumento do faturamento no

Faturamento no trimestre: R$ 8,694 bilhões (informado)

trimestre atual. É importante, então, NÃO interpretar o

Postos de trabalho: 72.920

saldo como aumento percentual das vendas.


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

4

Ambiente Macroeconômico Mundial e pela fragilidade do mercado de trabalho. Num cenário sombrio, o Fundo vislumbra que a economia mundial precisará de, pelo menos, dez anos para sair da crise financeira iniciada em 2008 e agravada em 2009. O gráfico a seguir mostra a influência do crescimento econômico da China tanto no aumento percentual registrado em 2011 quanto nos previstos para o biênio 2012/2013, bastante superiores aos referentes aos das economias desenvolvidas e das médias mundiais. Em jul.-set./2012, a economia chinesa cresceu 7,4% em relação a igual período de 2011, cabendo ressaltar, no entanto, tratar-se de registro de desaceleração pelo sétimo trimestre consecutivo e a taxa mais baixa apurada desde jan.-mar./2009 (6,6%). No que diz respeito ao Brasil, especificamente, a expansão do PIB em 2011 foi inferior à média global, antevendo-se que ela se manterá menor também em 2012, mas que virá a superá-la em 2013.

GRÁFICO 1 Crescimento da Economia Mundial - Regiões e Países Selecionados - PIB Observação em 2011 e Previsão para 2012 e 2013 10

9,2

9

7

6,2

6 5 4

8,2

7,8

8

Variação Anual (%)

Dados divulgados no princípio de outubro/2012, pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), revelam arrefecimento geral das estimativas de expansão detectada em relação a 2012 e 2013, na comparação entre os prognósticos feitos em julho e outubro de 2012. Efetivamente, o mesmo acontece em relação às economias de países emergentes/em desenvolvimento, ainda que reine a expectativa de que o crescimento percentual registrado em 2011 (+6,2%), quase quatro vezes maior do que o das economias desenvolvidas (+1,6%), manterse-á nessa proporção em 2012 e 2013. A expectativa de crescimento a um ritmo mais lento, em 2012, devido à desaceleração global, deveu-se não só à persistência da crise na Zona do Euro, mas também ao enfraquecimento detectado nas economias de países emergentes, tanto na Ásia quanto na América Latina, reflexo (em parte) desse baixo incremento das economias de países desenvolvidos. Num mundo onde os países são interdependentes, nenhum deles estando imune à situação atual de incerteza, independentemente de se tratar de fornecedor de matérias-primas, máquinas ou concernente à cadeia de produção, o FMI atribuiu a deterioração do cenário econômico e o aumento dos riscos à turbulência causada pela intensificação da crise (cujo epicentro está na Europa). No que tange a tal continente, onde permanecem incertezas políticas e ceticismo sobre a solidez do sistema bancário em alguns países, o órgão recomenda que o mais importante, agora, é agir com rapidez, sendo necessário passar ao cenário da aplicação de políticas, no sentido de restabelecer a confiança, reverter a fuga de capitais e reintegrar a Zona do Euro. Nos EUA, o ritmo de atividade econômica é influenciado pelo risco de contenção fiscal

5,3 3,8

3,3

5,6 4,0

3,6

3

1,6

2

1,3

1,5

2,2

1,8

1,4

1

2,7

2,1

1,5

0,2

0

-0,4

-1 -2

Mundo

Economias Desenvolvidas

Área do Euro

Estados Unidos

Emergentes e em Desenvolvimento

Brasil

China

2011

Fonte: FMI (World Economic Outlook - October 2012)

2012

2013

Petróleo GRÁFICO 2 Evolução dos Preços do Petróleo – Tipo WTI US$ por Barril – Janeiro/2011 a Setembro/2012 – Médias Mensais 115 110 105

US$ por Barril

100 95 90 85 80 75

Fonte: U.S. Energy Information Administration (EIA)

Set./2012

Jul./2012

Ago./2012

Jun./2012

Abr./2012

Mai./2012

Mar./2012

Jan./2012

Fev./2012

Dez./2011

Nov./2011

Set./2011

Out./2011

Jul./2011

Ago./2011

Jun./2011

Abr./2011

Mai./2011

Mar./2011

Jan./2011

70

Fev./2011

O gráfico a seguir mostra que, após atingir, em março/2012, a média mensal máxima (US$ 106,16 por barril), verificada desde janeiro/2010, as cotações do petróleo do tipo WTI (EUA) passaram a declinar até o nível de US$ 82,3 por barril em junho último (valor próximo ao detectado em outubro/2010: US$ 81,89). Tal declínio foi atribuído, principalmente, à elevação dos estoques do produto constatados nos Estados Unidos, ao aumento da produção por parte dos países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e à redução das tensões geopolíticas no Oriente Médio. Mas, a partir de julho do ano em curso, as cotações voltaram a se elevar, até atingir US$ 94,51 em setembro, tendo em vista o início do embargo europeu ao petróleo iraniano e a menor oferta do produto.


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

5

Ambiente Macroeconômico Brasileiro Produto Interno Bruto (PIB) O relatório semanal Focus, do Banco Central, que reúne

aumento sucessivo, com elevação de 0,98% em relação a

levantamentos realizados junto a instituições financeiras,

julho, acumulando, no corrente ano, crescimento de 1,06%.

revela redução das expectativas do mercado em relação

Tal resultado – o melhor dos últimos 17 meses – sinaliza

à expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro

que a economia brasileira pode ter iniciado um processo

para 2012: 3,30% (no início de janeiro) e 1,54% (final de

de recuperação, o qual deve se prolongar nos próximos

outubro), ou seja, menos do que a metade prognosticada

meses. Vale ressaltar que o IBC-Br incorpora estimativa

nos primeiros dias do corrente ano. Por outro lado, as

para a produção mensal dos três setores da economia,

previsões do FMI que apontavam, em janeiro último,

bem como para os impostos sobre produtos e, portanto,

estimativas de 3,00% para o PIB do Brasil em 2012, caíram

constitui importante indicador coincidente da atividade

para a metade (precisamente 1,50%), em outubro.

econômica brasileira.

De acordo com o Índice de Atividade Econômica, do Banco Central - Brasil (IBC-Br), considerado como uma prévia do PIB, registrou, em agosto/2012, o quinto

Taxa de Câmbio O dólar (PTAX venda - taxa média praticada no mercado interbancário, coletada e divulgada pelo Banco Central) iniciou julho/2012 cotado a R$ 1,9893/US$ e encerrou setembro em R$ 2,0306/US$. Pode-se observar, no gráfico a

GRÁFICO 3 Taxa de Câmbio - Dólar (US$) Ptax -Venda Julho - Setembro 2011 e 2012 2,10

2,00

seguir, que a taxa de câmbio não oscilou significativamente, no terceiro trimestre de 2012, mantendo-se num nível bem acima do apurado principalmente em jul.-ago./2011, verificando-se, tendência de crescimento da mesma a partir de então, atingindo a barreira de R$ 1,90/US$ no dia 22 de setembro. Segundo especialistas, tal estabilidade (manutenção do dólar na faixa entre R$ 2,00 e R$ 2,10) não é mero acaso, mostrando uma mudança na política cambial brasileira, à medida que a crise financeira na Europa se agrava e os EUA continuam a promover o afrouxamento monetário – cabe ressaltar que o dólar mais elevado aumenta a competitividade da indústria e das exportações de produtos do País.

1,90

1,80

1,70

1,60

1,50 Julho

Fonte: Banco Central

Agosto

Setembro

2011

2012


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

6

Balança Comercial Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) mostram que as exportações

GRÁFICO 4 Corrente de Comércio - US$ bilhões FOB Julho - setembro de 2007 a 2012

brasileiras alcançaram, em jul.-set./2012, US$ 63,382

150,00

bilhões FOB, valor 11,6% inferior ao auferido em igual

140,00

período de 2011 (US$ 71,696 bilhões).

120,00

Por outro lado,

US$ 10,080 bilhões em jul.-set./2011, diminuiu para US$

90,00 80,00

76,42

76,41

70,00 60,00 50,00

8,654 bilhões em idêntico período de 2012 (-14,2%). Já

40,00

a corrente de comércio, que era de US$ 133,312 bilhões

20,00

30,00 10,00

no terceiro trimestre de 2011, reduziu para US$ 118,110 bilhões no mesmo período de 2012 (11,4% a menos).

106,68

100,00

US$ bilhões FOB

bilhões). Em consequência, o saldo comercial, que era de

118,11

112,08

110,00

as importações alcançaram US$ 54,728 bilhões, 11,2% a menos do que no 3º trimestre de 2011 (US$ 61,616

133,31

130,00

0,00

Fonte: MDIC

2007

2008

2009

2010

2011

A diminuição das vendas externas é devida, em grande parte, à tênue expansão da economia global e ao recuo dos preços de commodities que têm significativo peso na pauta de exportações (como é o caso do minério de ferro). Por sua vez, as importações têm sido sustentadas pela elevação da demanda doméstica por combustíveis, bens de capital e bens não-duráveis de consumo.

Taxa de Juros Em outubro, o Comitê de Política Monetária – Copom, do Banco Central, decidiu, pela décima vez consecutiva, num período de 1 ano, reduzir a taxa básica de juros Selic. De acordo com nota à imprensa, considerando o balanço de riscos para a inflação, a recuperação da atividade doméstica e a complexidade que envolve o ambiente

GRÁFICO 5 Taxa Básica de Juros - Selic Janeiro/2011 - Setembro/2012 Taxa (%) 22 20 18 16

internacional, o Comitê entende que a estabilidade

14

das condições monetárias, por um período de tempo

10

12

suficientemente prolongado, é a estratégia mais adequada

8

para garantir a convergência da inflação para a meta, ainda

4

que de forma não linear. O BC constatou que as previsões para a inflação para 2013 e até para 2014 estavam acima da meta; entretanto, a decisão de diminuição da taxa não foi unânime entre os membros do Comitê (5 votos a favor e 3 votos pela manutenção da taxa em 7,50% a.a.), sendo a mesma fixada em 7,25% a.a., sem viés, havendo agora a perspectiva de que a mesma se mantenha nesse patamar (o menor da série, desde 1999) por um período suficientemente longo. Segundo o Ministério da Fazenda, o novo corte da Selic ajuda a conter o câmbio, ou seja, a impedir a valorização da moeda brasileira

6 2 0 Fonte: Banco Central

2011

2012

2012


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

7

Risco País

450 400

era de 213 pontos e, ao final de setembro, de 164 pontos

350

(revelando, portanto, redução de 49 pontos). Ao longo do

300 250 200

pontos, registrando-se o índice mais elevado (213 pontos)

150

no dia 2 de julho, e o mais baixo (152 pontos), nos dias 14

100

Fonte: JP Morgan

das médias das cotações diárias mensais índice vem se verificando desde janeiro de 2010, situando-se na faixa compreendida entre 150 e 250 pontos (no corrente ano, especificamente, entre 162 e 220 pontos).

Inflação Segundo o IBGE, o IPCA do mês de setembro/2012 apresentou variação de 0,57%, ficando 0,16 ponto percentual acima da taxa apurada em agosto (0,41%). Com o resultado de setembro, o acumulado nos nove primeiros meses do corrente ano totalizou 3,77%, abaixo dos

GRÁFICO 7 Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) Evolução Trimestral – 3º Trimestre/2011 a 3º Trimestre/2012 (%) 1,50

1,46 1,42

1,40

4,97% referentes a igual período de 2011. Considerando os últimos doze meses, o índice situou-se em 5,28%, ligeiramente acima dos 5,24% referentes aos doze meses imediatamente anteriores.

1,30

1,22 1,20

1,10

1,08

1,06 1,00 3º trimestre 2011

Fonte: IBGE

4º trimestre 2011

1º trimestre 2012

2º trimestre 2012

3º trimestre 2012

set/12

jul/12

ago/12

jun/12

abr/12

mai/12

mar/12

jan/12

fev/12

dez/11

nov/11

set/11

turbulento da crise econômica mundial, menor oscilação

0

out/11

O gráfico a seguir mostra que, após o período mais

50

jan/11

a 17 de setembro.

jul/11

segundo trimestre de 2012, a amplitude máxima foi de 61

ago/11

No começo de julho de 2012, o risco-país

jun/11

no exterior.

Pontos 500

abr/11

cotação de uma cesta de títulos brasileiros negociados

mai/11

seus pagamentos e é calculado, desde 1994, com base na

GRÁFICO 6 Risco-País - Médias das Cotações Diárias Mensais Janeiro/2011 - Setembro/2012

mar/11

investidor estrangeiro na capacidade de um país honrar

fev/11

O risco-país é um termômetro da confiança do


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

8

Investimento Estrangeiro Direto

GRÁFICO 8 Investimento Estrangeiro Direto (IED) Líquido US$ milhões - Evolução 3ºs Trimestres de 2007 a 2012 20.000

Segundo dados do Banco Central, o Investimento

18.000

Estrangeiro Direto – IED Líquido (crédito menos débito)

16.000

registrado em igual período de 2011 (apenas 0,15% inferior) e bem maior do que o referente a todo o ano de 2005 (US$ 15,066 bilhões).

12.000

US$ milhões

quase se igualando ao montante de US$ 17,884 bilhões

17.857

2011

2012

14.145

14.000

somou US$ 17,857 bilhões no terceiro trimestre de 2012,

17.884

10.481

10.000 8.000

7.129

6.000

5.007

4.000 2.000 0

2007

2008

2009

2010

Fonte: Banco Central

Mercado de Trabalho Segundo

o

Cadastro

Geral

de

Empregados

e

Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o número de admissões no 3º trimestre

GRÁFICO 9 Evolução do Emprego - Saldos entre Admissões e Desligamentos 3ºs Trimestres de 2007 a 2012 900.000

de 2012 totalizou 5.237.755 (0,99% a menos do que os

800.000

5.290.210 registrados em igual período de 2011).

700.000

Por

outro lado, o número de desligamentos em jul.-set./2012 somou 4.843.987 (1,98% a mais do que os cortes de

600.000

meses de 2011). Assim sendo, o saldo acumulado entre

200.000

admissões e desligamentos no terceiro trimestre de 2012

100.000

Em jan.-set./2012 o total de admissões foi de 16.758.277 pessoas, contra 16.811.270 em igual período de 2011, o que corresponde a uma queda de apenas 0,32%. Por outro lado, o número de desligamentos de trabalhadores, nos nove primeiros meses do corrente ano alcançou 15.184.061, contra 14.732.082 nos mesmos meses de 2011 (+3,07%). Portanto, o saldo entre admissões e desligamentos, que era de 2.079.188, em jan.-set./2011, declinou para 1.574.216 em idêntico período de 2012 (-24,29%).

566.164

540.087 393.768

400.000 300.000

apurado no mesmo período de 2011 (540.087).

728.086 633.145

500.000

4.750.123 de empregos formais referentes a idênticos

foi de 393.768, ou seja, 27,09% a menos do que o saldo

725.182

0

2007

Fonte: MTE (Caged)

2008

2009

2010

2011

2012


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

9

Análise Econômica do Turismo Turismo Internacional Evolução Recente e Expectativas para o Setor divulgadas

A Europa (+4%) consolidou o crescimento registrado

pela Organização Mundial do Turismo, num ambiente

em 2011, apesar dos problemas econômicos e financeiros

de incertezas ainda reinantes em alguns dos principais

constatados na Zona do Euro. Os resultados situaram-se

mercados emissores, provocadas pela crise econômica

acima da média no Centro e Leste Europeu (+7%), onde

internacional, a demanda turística continuou a mostrar-

foram computados crescimentos percentuais de dois

se resiliente, registrando 22 milhões de chegadas no

dígitos em regiões como a Geórgia (+54%), Cazaquistão

primeiro semestre de 2012, a mais do que em igual período

(+15%), Federação Russa (+15%), Polônia (+13%), România

de 2011 (445 milhões, o que representa um aumento de

(+12%) e Lituânia (+12%).

cerca de 5%).

As chegadas internacionais, em junho do

apresentou mais elevados registros em destinos turísticos

corrente ano totalizaram 467 milhões, cabendo ressaltar

importantes, tais como Alemanha e Holanda (em ambos,

que, normalmente, a primeira metade do ano representa

+8%) e França (+5%), ao passo que a demanda na região

aproximadamente 45% do total anual, sendo o bimestre

Sul/Mediterrâneo da Europa, o aumento foi apenas de 2%.

julho-agosto o que atrai maior número de turistas (alta

Em outros destinos relevantes, como Espanha, Portugal

estação) nos países do hemisfério norte. Entretanto, até o

e países dos Bálcãs, o incremento foi em torno de pouco

final do corrente ano, é esperada ligeira queda da demanda

mais de 3%.

De

acordo

com

estatísticas

recentes

A Europa Ocidental (+5%)

e o resultado anual deverá representar crescimento entre

As Américas (+5%) revelaram crescimento muito

3% e 4% sobre 2011 (990 milhões), devendo ser ultrapassada

próximo ao da média mundial (+4,9%), sendo os maiores

a marca de um bilhão de chegadas internacionais.

aumentos detectados nas Américas Central (+7%) e do

Cabe destacar que, no contraste entre os primeiros

Sul (+6%), sendo observados percentuais de dois dígitos

semestres de 2012 e de 2011, detectou-se incremento

na Venezuela (+37%), Paraguai (+17%), Chile (+15%),

em todas as macrorregiões, sendo os mais elevados

Equador (+14%), Nicarágua (+12%) e Peru (+11%). Na

(em termos percentuais) os do Norte da África (+11%),

América do Norte, a majoração foi menor (em torno de

Sul da Ásia (+9%), Sudeste Asiático (+9%), Nordeste

4%), sendo verificado crescimento de 6% nos Estados

Asiático (+8%), Centro e Leste Europeu (+7%), América

Unidos e de 4% no Canadá. No Caribe (+5%), destacam-se

do Sul (+6%) e África Subsaariana (+6%), enquanto que os

a República Dominicana e Cuba, com variações de +7% e

menores aumentos foram apurados no Sul/Mediterrâneo

+5%, respectivamente.

Europeu (+1%) e Oriente Médio (+1%). A UNWTO ressalta

Na Ásia e Pacífico, não só a base fraca de comparação,

que, na comparação entre esses períodos, as chegadas

mas também a recuperação do turismo (doméstico e

internacionais de turistas nas economias desenvolvidas e

internacional) no Japão e a expansão da demanda em

nas emergentes cresceram quase num mesmo percentual

outros países do Sul e do Sudeste Asiático resultaram no

(+5,0% e +4,8%, respectivamente).

registro do elevado percentual de +8%, com destaque para Mianmar (+36%), Cambodia (+26%), Cingapura (+12%), Filipinas (+12%), Vietnam (+11%) e Tailândia (+8%).


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

10

Na África (+7%), o retorno do fluxo turístico na Tunísia

disso, enfatiza a necessidade de que sejam formuladas

(+42%) afetou a média relativa ao Norte da África (+11%),

políticas nacionais no sentido de fortalecer a atividade

assim como a recuperação ocorrida no Egito (+23%) também

turística e que sejam desenvolvidos esforços no sentido de

influenciou o resultado do Oriente Médio, o qual registrou

reduzir barreiras á expansão do setor, tais como agilização

resultado positivo (+0,7%), após um período de detecção

da concessão de vistos e diminuição da incidência de

de índices negativos – vale destacar que os conflitos na

taxas. Finalmente, cabe destacar a inclusão do turismo

Síria têm impedido um crescimento percentual maior

sustentável no documento final da Conferência da ONU

naquela região. Na África Subsaariana (+6%), destacam-

Rio+20, sendo identificado como um setor que, se bem

se os aumentos constatados em Serra Leoa (+17%), Cabo

concebido e gerido, pode contribuir significativamente para

Verde (+15%), Madagascar (+13%) e África do Sul (+11%).

as três dimensões da sustentabilidade (social, econômica e

Em termos de mercados emissores de turistas, e entre os dez países com maiores gastos em viagens ao exterior,

ambiental), criar empregos e trabalhos decentes, e gerar oportunidades de negócios.

o crescimento foi significativamente mais elevado na China (+30%), Federação Russa (+15%), Estados Unidos (+9%), Alemanha (+6%) e Canadá (+6%). No Japão, um aumento de 8% nos gastos com turismo no exterior confirma a

GRÁFICO 10 Mundo - Chegadas Internacionais de Turistas Variação percentual sobre o ano imediatamente anterior - 2007 a 2012 (Prev.) 10

os percentuais referentes às despesas com turismo foram

8

pequenos ou até negativos em no Reino Unido, Austrália,

6

Itália e França. A UNWTO ressalta o fato de que, num cenário de incertezas, o turismo é uma das poucas atividades econômicas

que

proporcionando

está

crescendo

progresso

tanto

significativamente, para

economias

desenvolvidas como em desenvolvimento, como um meio de estimular a demanda e os gastos e, assim, promover a criação de inúmeros empregos diretos e indiretos. Além

Variação Percentual

recuperação deste importante mercado. Por outro lado,

6,6

6,5

4

5,0

4,9

11/10

12/11

2,1

2 0 -2 -4

-3,8

-6 07/06 Fonte: UNWTO

08/07

09/08

10/09


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

11

Turismo no Brasil Turismo Internacional no País De acordo com dados do Banco Central, os gastos

despesa), confrontados jul.-set. desses dois anos, registrou

efetuados por turistas estrangeiros em visita ao Brasil,

queda de 4,47%: de US$ 7,502 bilhões, em 2011, para US$

medidos pela receita da Conta Viagens, do Balanço de

7,167 bilhões, em 2012.

Pagamentos, no terceiro trimestre de 2012, somaram US$

Dados divulgados pela Infraero mostram que o total

1,530 bilhão (2,13% a menos do que os US$ 1,563 bilhão

de desembarques internacionais nos aeroportos do

auferidos em igual período de 2011).

País, em jul.-set./2012, alcançou 2.347.782 passageiros,

Por outro lado, os gastos dos brasileiros com

o que equivale a uma redução de 1,80% em relação a

viagens internacionais, medidos pela despesa da Conta

idêntico período de 2011 (2.390.884 passageiros). Do

Viagens, totalizaram US$ 5,637 bilhões em jul.-set./2012,

total referente a jul.-set././2012, 2.283.278 passageiros

registrando redução de 5,10% em relação ao mesmo

desembarcaram em voos regulares (-2,20% do que em

período de 2011 (US$ 5,939 bilhões). Logo, o saldo da

igual período de 2011) e 64.504 em voos não regulares,

conta viagens internacionais, que era negativo em

fretados (+14,45%).

US$

No acumulado de jan.-set./2012,

4,376 bilhões, no terceiro trimestre de 2011, diminuiu para

os desembarques internacionais totalizaram 7.006.754

(ainda negativos) US$ 4,107 bilhões no mesmo período

passageiros, resultado 3,82% superior aos 6.748.853

de 2012.

passageiros registrados em igual período de 2011.

Já a corrente cambial turística (receita mais

GRÁFICO 11 Brasil - Receita Cambial Turística Trimestral - US$ milhões - 3º trimestre de 2011 a 3º trimestre de 2012 e evolução percentual em relação ao mesmo trimestre do ano imediatamente anterior

10,6%

2.500 2.000

US$ milhões

1.623

4.000

30,0%

17,5%

1.775

3.500

7,1% 1.908

10,0%

-1,4%

-5,7%

1.551

1.530

-10,0%

1.500 -30,0% 1.000 -50,0%

500 0

Milhares de Passageiros

3.000

GRÁFICO 12 Brasil - Desembarque Trimestral de Passageiros em Voos Internacionais 3º trimestre de 2011 a 3º trimestre de 2012 e evolução percentual em relação ao mesmo trimestre do ano imediatamente anterior

4º Trim./2011

1º Trim./2012

2º Trim./2012

2.500

de passageiros somou 22.614.849, correspondendo a uma

do que em igual período de 2011) e 550.209 em voos não regulares, fretados (+5,25%). Em jan.-set./2012, os desembarques em voos domésticos totalizaram 63.909.050 passageiros, número 8,40% superior aos 58.957.088

2.263

2.106

0,0%

2.348 -10,0% -20,0%

1.500

-30,0% -40,0% -50,0% -60,0%

3º Trim./2011

4º Trim./2011

1º Trim./2012

2º Trim./2012

3º Trim./2012

Evolução percentual em relação ao mesmo trimestre do ano imediatamente anterior

GRÁFICO 13 Brasil - Desembarque Trimestral de Passageiros em Voos Nacionais - 3º trimestre de 2011 a 3º trimestre de 2012 e evolução percentual em relação ao mesmo trimestre do ano imediatamente anterior 35.000

20,0%

15,0%

30.000

Milhares de Passageiros

passageiros desembarcaram em voos regulares (+8,09%

registrados em igual período de 2011.

2.384

10,0%

-1,5%

0

Do total de

registrados em jul.-set. do corrente ano, 22.064.640

2.517

500

variação positiva de 8,01% em relação aos 20.936.793 registrados em igual período de 2011.

2,0%

Fonte: Infraero

Em jul.-set./2012, o número de desembarques nacionais

20,0%

9,6%

2.000

Evolução percentual em relação ao mesmo trimestre do ano imediatamente anterior

Turismo Nacional

8,1%

3.000

3º Trim./2012

Fonte: Banco Central

11,1%

1.000

-70,0%

3º Trim./2011

30,0%

8,2%

8,6%

7,4%

20.225

20.487

20.407

25.000

20.885 20.000

8,3%

22.615

10,0% 0,0% -10,0%

15.000

-20,0%

10.000

-30,0%

5.000

-40,0%

0

-50,0% 3º Trim./2011

Fonte: Infraero

4º Trim./2011

1º Trim./2012

2º Trim./2012

3º Trim./2012

Evolução percentual em relação ao mesmo trimestre do ano imediatamente anterior


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

12

Rodovias Pedagiadas Em complemento aos indicadores do fluxo interno aéreo de passageiros, o Índice ABCR mede o fluxo de veículos nas

GRÁFICO 14 Brasil - Fluxo Total de Veículos Leves em Rodovias Pedagiadas Números Índices - Série Dessazonalizada - Evolução Mensal - Jan. 2007/Jun. 2012

estradas pedagiadas, sendo produzido pela Associação

150

Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR). O fluxo

145

de veículos leves cresceu, em setembro/2012, 2,3% em

140

relação a agosto, em termos dessazonalizados. A ABCR

135

ressalta o fato de que, de maneira geral, o movimento dos leves, muito atrelado ao mercado de trabalho, nunca

130 125 120

perdeu a tendência de alta. O gráfico a seguir discrimina a

115

evolução crescente do fluxo total de veículos em rodovias

110

pedagiadas a partir do início de 2010.

105 100

Fonte: ABCR

2010

2011

2012

Intenção de Viagem A intenção de viagem retrata a expectativa das famílias brasileiras de consumir os serviços relacionados ao turismo

GRÁFICO 15 Gráfico 15 - Sondagem de Expectativas do Consumidor Intenção de Viagem - Jan.2010 / Out.2012

nos próximos 6 meses, sendo realizada com base numa amostra de mais de 2000 domicílios nas cidades de Belo São Paulo e Recife. Como se pode constatar no gráfico a seguir, ampliou-se a disposição de viajar a partir de fevereiro/2012. É relevante destacar que os índices nesse sentido, apurados em setembro e em outubro (32,8% e 32,0%, respectivamente) situaram-se acima da média histórica (29,4%) iniciada em setembro/2005.

Percentual de Respostas

Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador,

80 75 70 65 60 55 50 45 40 35 30 25 20 15 10 5 0

Fontes: FGV e MTur

Não

Sim

Incerteza

2010

2011

2012


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

13

Relatório Consolidado Seis dos sete segmentos componentes do setor de

em jul.-set./2012, quanto no contraste com o quarto

turismo apresentaram saldos de faturamento positivos

trimestre de 2011. Entretanto, o mesmo não se verifica, na

no terceiro trimestre do ano em curso (comparativamente

comparação entre as previsões relativas a out.-dez./2012,

a abr.-jun./2012), e somente um, saldo negativo.

As

com o efetivamente observado em jul.-set./2012 e também

expectativas quanto ao faturamento a ser auferido no

com os dados referentes a idêntico período de 2011, não se

último trimestre de 2012 são, em grande parte, otimistas,

detectando uniformidade de opiniões empresariais quanto

revelando perspectivas de aquecimento dos negócios,

ao futuro nível de emprego.

tanto na comparação com o efetivamente observado

Retrospectiva Comparação entre o 3º Trimestre/ 2012 e o 2º Trimestre/2011 O confronto entre o montante faturado em jul.set./2012 e abr.-jun./2011 revela aumento em 79% no

GRÁFICO 16 Faturamento Observação 3º trim.2012 / 2º trim.2012

consolidado das atividades características do turismo, estabilidade em 10% e diminuição em 11% - o saldo de

80

turísticas (100%), transporte aéreo (98%), organizadoras

70 Saldos das Respostas (%)

saldos foram apurados nos segmentos parques e atrações

trimestre de 2012, em comparação com o segundo: 12% de indicações de crescimento, 65% de inalterabilidade e 23% de diminuição (saldo de -11%).

Destacaram-

se positivamente os segmentos parques e atrações turísticas (saldo de 52%) e operadoras (saldo de 31%), e negativamente, transporte aéreo e agências de viagens (saldos de -35% e -11%, respectivamente).

27

30 20

-10

atividades turísticas revelou tênue redução no terceiro

46

40

intermediário, situam-se meios de hospedagem (46%)

No que tange ao nível de emprego, o consolidado das

70

68

50

10

identificado no segmento operadoras de turismo (-23%).

87

60

de eventos (87%) e turismo receptivo (70%). Num nível e agências de viagens (27%), sendo o mais baixo saldo

98

90

respostas, correspondente à diferença entre as assinalações de incremento e as de queda foi de 68%. Os mais elevados

100

100

0 -20 -30

-23 Consolidado

Fontes: FGV e MTur

Parques e Atrações

Transporte Aéreo

Eventos

Receptivo

Meios de Hospedagem

Agências de Viagens

Operadoras


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

14

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 O contraste entre o faturamento auferido em jul.-

diminuição (saldo de 11%). Os destaques positivos foram

set./2012, com o obtido em idêntico período de 2011,

constituídos pelos segmentos parques e atrações turísticas

revela resultados bastante favoráveis para todos os ramos

(saldo de 38%) e meios de hospedagem (27%), enquanto

componentes do setor turístico. O resultado consolidado

que os negativos foram concernentes aos ramos agências

das atividades turísticas indica 81% de assinalações

de viagens (saldo de -36%) e transporte aéreo (-35%).

de aumento, 9% de estabilidade e 10% de decréscimo, resultando num saldo de 71%, com variação média de 9,9%. Efetivamente, em cinco dos sete segmentos observaramse saldos de majoração do faturamento superiores a

GRÁFICO 17 Quadro de Pessoal Observação 3º trim.2012 / 2º trim.2012 60 50

(saldo de 98%, com variação média de 8,3%), parques e

40

atrações turísticas (66%, com variação média de 10,0%), organizadoras de eventos (87%, com variação média de 17,8%) e turismo receptivo (70%, com variação média de 15,3%). Na comparação entre os terceiros trimestres de 2012 e de 2011, verifica-se, igualmente, ligeira ampliação do nível de emprego da atividade turística como um todo: 19% de indicações de incremento, 51% de estabilidade e 8% de

Saldos das Respostas (%)

50%, destacando-se os computados em transporte aéreo

52

31

30

16

20 10 0 -10 -20

-3 -11

-8

-11

Receptivo

Agências de Viagens

-30 -35

-40 Consolidado

Parques e Atrações

Operadoras

Meios de Hospedagem

Eventos

Transporte Aéreo

Fontes: FGV e MTur

Momento Atual (Outubro/2012) No que diz respeito à situação dos negócios, expansão

transporte aéreo (87%) e turismo receptivo (70%). Parques

é detectada, atualmente, em 64% do mercado pesquisado,

e atrações turísticas é o único ramo a revelar estabilidade

inalterabilidade em 28% e retração em 8% (saldo de 56%).

dos negócios (saldo de 1%), enquanto que apenas agências

Os segmentos que apresentam mais elevados saldos

de viagens registra contração (saldo de -25%).

de respostas são parques e atrações turísticas (100%), GRÁFICO 18 Situação dos Negócios Consolidado - Outubro/2012

Retração 8%

Estabilidade 28%

Expansão 64% Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

15

Previsão Quanto aos investimentos previstos para o último

(76%), cujos percentuais dos faturamentos totais a serem

trimestre do corrente ano, 77% do mercado do turismo

investidos são, respectivamente, de 7,5% e 6,4%.

O

planejam investir 8,9% do faturamento total do consolidado

menor percentual de intenção de investimentos a serem

das atividades turísticas.

Os maiores percentuais de

realizados no quarto trimestre de 2012 foi apurado no

propósitos nesse sentido foram detectados nos segmentos

ramo organizadoras de eventos (2%, ou seja, 98% desse

transporte aéreo (96%) e parques e atrações turísticas

mercado não tencionam fazê-lo).

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012 As previsões para out.-dez./2012, de acordo com 77% do

viagens (-1%) e operadoras de turismo (-6%) pretendem

setor de turismo, são de elevação do faturamento em relação

manter estável o nível de emprego.

a jul.-set./2012, enquanto que 11% anteveem estabilidade

somente o segmento transporte aéreo planeja reduzir

Vale destacar que

e 12%, redução (saldo de 65%). É relevante ressaltar que os

o quadro de funcionários no quarto trimestre de 2012,

segmentos transporte aéreo, parques e atrações turísticas,

em relação ao nível de emprego alcançado no terceiro

e turismo receptivo são os que apresentam perspectiva de

trimestre do corrente ano (saldo das respostas de -35%).

majoração mais ampla do faturamento (saldos de 100%, 100% e 91%, respectivamente). Cabe ressaltar também que empresários do ramo organizadoras de eventos foram os únicos a vislumbrarem declínio do faturamento (saldo de -85%, em virtude da sazonalidade do período).

GRÁFICO 19 Faturamento Previsão 4º trim.2012 / Observação 3º trim.2012 100

quanto ao quadro de pessoal são de ligeiro declínio no

80

consolidado das atividades turísticas: 12% de estimativas

60

de aumento, 65% de inalterabilidade e 23% de decréscimo (saldo de -11%), na comparação com jul.-set./2012.

Os

segmentos que indicaram intenção de contratação de funcionários são os de parques e atrações turísticas (saldo

Saldos das Respostas (%)

Para o derradeiro trimestre de 2012, as previsões

100

91

65 38

40 20

35 6

0 -20 -40 -60

de assinalações de 53%) e meios de hospedagem (20%).

-80

Por outro lado, empresários dos ramos turismo receptivo

-100

(saldo de 9%), organizadoras de eventos (1%), agências de

100

-85 Consolidado

Fontes: FGV e MTur

Parques e Atrações

Transporte Aéreo

Receptivo

Operadoras

Meios de Agências de Hospedagem Viagens

Eventos


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

16

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 Comparando-se a estimativa de faturamento a

A comparação entre os prognósticos referentes

ser auferido em out.-dez./2012 com o alcançado no

a out.-dez./2012 e as observações feitas no mesmo

mesmo trimestre de 2011 revela-se que para 81% do

trimestre de 2011 mostra perspectivas de estabilidade

consolidado do setor de turismo pesquisado deverá

do quadro de pessoal do setor de turismo como um todo

ocorrer expansão, 12% prognosticam estabilidade

(saldo de -9%). Mais amplos saldos foram computados

e 7%, declínio, gerando um saldo de 74%.

Os mais

nos segmentos parques e atrações turísticas (53%) e

elevados saldos relativos à previsão foram observados

meios de hospedagem (29%), enquanto que o menor

nos segmentos transporte aéreo (100%), parques e

saldo refere-se às previsões feitas pelos empresários

atrações turísticas (100%) e turismo receptivo (91%).

do ramo transporte aéreo (saldo de -35%).

É importante ressaltar que apenas empresários do ramo organizadoras de eventos esperam redução do faturamento (antevisto pela maior parcela do mercado: saldo de -86%).

GRÁFICO 20 Quadro de Pessoal Previsão 4º trim.2012 / Observação 4º trim.2011 60

53

50 Saldos das Respostas (%)

40 29

30 20

6

10 0 -10 -20

-2 -9

-10

-14

-30 -40

-35 Consolidado

Fontes: FGV e MTur

Parques e Meios de Operadoras Atrações Hospedagem

Eventos

Receptivo

Agências de Viagens

Transporte Aéreo


Outubro 2012

Ano IX

N潞 36

17

Relat贸rios Setoriais


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

18

Agências de Viagens Desde o segundo trimestre de 2009 os negócios do

turísticos, mas inibem a expansão do segmento a demanda

ramo agências de viagens vêm se mantendo aquecidos,

internacional insuficiente e a crise econômica mundial. Os

apesar de serem constatadas menores assinalações a esse

empresários anteveem, para o último trimestre do corrente

respeito a partir de out.-dez./2011. No princípio de outubro,

ano, estabilidade dos negócios e do nível de emprego em

favorecem a majoração do faturamento a elevação da

relação a jul.-set./2012.

demanda nacional e a divulgação mais ampla dos atrativos

Retrospectiva Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 2º Trimestre/2012 A elevação do faturamento em jul.-set./2012 (já

Como se pode observar no gráfico a seguir, a evolução

esperada) foi detectada em uma fatia menor do mercado:

do faturamento do setor tem se mostrado bastante

54% de indicações de aumento, 19% de inalterabilidade e

favorável nos (quase) quatro últimos anos: entre os 15

27% de decréscimo – o saldo de respostas, correspondente

registros de saldos, somente 1 foi negativo e nenhum

à diferença entre as assinalações de incremento e as de

indicou estabilidade (portanto, 14 positivos); no que

queda foi de 27% (contra saldos de 58% e 96% em idênticos

tange aos preços, apenas 2 foram negativos, ao passo que

períodos de 2011 e de 2010, respectivamente). No que diz

nenhum caracterizou inalterabilidade (logo, 13 positivos). As

respeito aos preços, o contraste entre jul.-set. e abr.-jun.

vendas

de

pacotes

nacionais,

no

terceiro

de 2012 revela majoração pelo décimo segundo trimestre

trimestre de 2012, contribuíram para o aquecimento dos

sucessivo (saldo de 48%, contra saldo de 53% no terceiro

negócios, embora tenham sido menos amplas do que o

trimestre de 2011).

prognosticado (saldo de 37%, contra saldo de previsões

GRÁFICO 21 Faturamento x Preço Comparação com trimestre imediatamente anterior 110 100

97

90

90

73

80

60

Saldo de Respostas (%)

60

63

50 30

39

26

43

39

53 50

58

68 54

53

35

30

20

77

71

62

70

40

96 83

0

48 27

29

24

10

47

Área de Estabilidade

-10 -20 -30

-34

-40 -50

-40 -57

-60

1/09 Fontes: FGV e MTur

2/09

3/09

4/09

1/10

2/10

3/10

4/10

1/11

2/11

3/11

4/11

1/12

Faturamento

2/12

3/12 Preço


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

19

de 64%); por outro lado, frustraram-se (pelo segundo

No que tange à segmentação do mercado, a parcela

trimestre consecutivo) as estimativas referentes às vendas

correspondente a turistas nacionais registrou, em jul.-

de pacotes internacionais (saldo de -27%, contra saldo de

set. do corrente ano, 82% de assinalações, e a de turistas

prognósticos para o período de 58%).

internacionais, 18% (contra 76% e 24%, respectivamente,

Isto se deve, principalmente, ao fato de que ainda ao final de maio último, após uma crescente valorização do

apurados no mesmo trimestre de 2011, e 58% e 42%, respectivamente, em idêntico período de 2010).

dólar verificada desde o início de abril, não estava clara para

A sequência de saldos positivos do nível de emprego

os empresários a decisão governamental de manutenção

foi interrompida em jul.-set./2012 (-11%) – embora mostre

da moeda norte-americana na faixa entre R$ 2,00 e R$ 2,10,

apenas tênue declínio, contrariou o saldo das previsões

justificando, portanto, o menor interesse de realização de

para o período (22%), pressionado, em grande parte, pelas

viagens internacionais.

repetidas majorações dos custos operacionais (saldo de 54% no terceiro trimestre do ano em curso).

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 Com relação ao faturamento auferido no terceiro

Quanto às vendas de pacotes nacionais (comparados

trimestre de 2012, confrontado com o obtido no mesmo

jul.-set. de 2012 e de 2011) foi observada evolução

período de 2011, verifica-se que para 50% do mercado

favorável (saldo de 29%), enquanto que resultado

ocorreu majoração, para 24% estabilidade, e para 26%,

insatisfatório foi detectado, novamente, nas vendas de

diminuição, resultando um saldo de 24%, com variação

pacotes internacionais (saldo de -32%).

média de 10,2%, contra um saldo de 62%, com variação

Neste caso, com muito mais ênfase, o fraco desempenho

média de 12,4%, computado no terceiro trimestre de 2011,

das vendas pode ser atribuído à grande valorização

comparativamente a igual período de 2010.

da moeda norte-americana, confrontados esses dois

No contraste entre jul.-set. de 2012 e de 2011, observouse elevação de preços em cerca de metade do mercado

períodos, conforme mostrado no gráfico 3, do ambiente macroeconômico brasileiro.

de agências de viagens pesquisado: precisamente, 48%

A comparação entre os terceiros trimestres de 2012

de assinalações de incremento, 49% de inalterabilidade

e de 2011 revela, igualmente, elevação, menos ampla, do

e somente 3% de redução (saldo de 45%, contra saldo de

nível de emprego: 32% de indicações de incremento, 49%

67% apurado na comparação entre idênticos períodos de

de estabilidade e 19% de declínio.

2011 e de 2010). GRÁFICO 22 Faturamento 3º trim. 2012 /3º trim. 2011

GRÁFICO 23 Preço 3º trim. 2012 / 3º trim. 2011

Redução 3%

Redução 26%

Aumento 50%

Estabilidade 49%

Estabilidade 24%

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

Aumento 48%


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

20

Momento Atual (Outubro/2012) Situação dos Negócios

Quesito Especial

Expansão dos negócios é verificada, atualmente, em 15% do mercado consultado, estabilidade em 45% e retração em 40%, resultando num saldo de respostas de -25% - configurando situação menos favorável do que a verificada em outubro de 2011 e de 2010 (saldos de 36% e 95%, respectivamente).

A presente pesquisa procurou, igualmente, identificar se as operadoras de turismo possuem alguma estrutura destinada a portadores de deficiência física. Das empresas contactadas que, além de responderem positivamente, também discriminaram o tipo dessa estrutura (representando 18,4% do mercado pesquisado), 62,5% dispõem de rampas de acesso ao local, 37,5% prepararam ambientes para uma boa circulação (independente) desses turistas, 25,0% promoveram a adaptação da parte interna (banheiros, rampas internas, portas alargadas etc.), enquanto que 12,5% destacam funcionários para atendimento personalizado na casa ou no escritório de clientes portadores de deficiência física, bem como já têm projeto para a construção de rampas de acesso.

Previsão No que se refere a investimentos, 62% do mercado consultado pretendem fazê-lo ao longo do derradeiro trimestre de 2012, num montante correspondente a 5,3% do faturamento. Ao se incluir os 38% que não programam investir, tal volume declina para apenas 3,3%

do faturamento total do setor de agências de viagens. As atividades que deverão ser beneficiadas prioritariamente pelos investimentos a serem realizados pelas agências de viagens são: tecnologia da informação e abertura de novos pontos de venda.

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 4º Trimestre/2011

As estimativas do mercado de agências de viagens consultado, para o quarto trimestre de 2012, são de estabilidade dos negócios em relação ao trimestre imediatamente anterior: 49% vislumbram majoração do faturamento em relação ao efetivamente auferido em jul.set./2012, 8% anteveem estabilidade e 43%, diminuição (saldo de 6%). O mercado de agências de viagens pesquisado prognostica, igualmente, ligeiro aumento das vendas de pacotes nacionais (saldo das respostas de 12%) e decréscimo das de pacotes internacionais (saldo de -18%). As expectativas de manutenção dos negócios no mesmo nível do terceiro trimestre não deverão estimular os empresários em geral a ampliar o nível de emprego, no final do corrente ano: 19% do mercado estimam expansão em out.-dez./2012, 61% inalterabilidade e 20%, declínio.

A comparação entre o prognóstico sobre o montante a ser auferido no último trimestre de 2012 com efetivamente obtido em igual período de 2011 mostra expectativa de majoração do faturamento em 45% do mercado, estabilidade em 30% e diminuição em 25% (saldo de 20%). Ao se comparar as estimativas para o quarto trimestre de 2012 com o auferido no mesmo período de 2011, detecta-se que o otimismo do mercado está associado principalmente à elevação das vendas de pacotes nacionais (saldo de 33%), pois as perspectivas quanto às vendas de pacotes internacionais são de ocorrência de redução (saldo de -16%). Por fim, a comparação entre as previsões referentes a out.-dez. de 2012 e de 2011 revela estimativa de tênue queda do nível de emprego: 6% de registros de previsões de ampliação do quadro de pessoal, 74% de estabilidade e 20% de redução (saldo de -14%).


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

21

Meios de Hospedagem são

Tanto o incremento da demanda de hospedagem

detectados

fatores

inibidores

apontados

pelos

de brasileiros quanto a de estrangeiros, no terceiro

empresários, tais como: acirramento da competição

trimestre de 2012, já eram esperadas pelos empresários,

no setor e a escassez de mão de obra qualificada.

proporcionando majoração do faturamento. No começo de

perspectivas, em geral, são de ocorrência de elevação do

out./2012, contribuem para o aquecimento dos negócios

faturamento e do nível de emprego ao longo do último

a expansão da demanda doméstica e os investimentos

trimestre do ano.

As

já realizados pelos meios de hospedagem; contudo,

Retrospectiva Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 2º Trimestre/2012 Confirmaram-se, em jul.-set./2012, os prognósticos de

A evolução favorável dos negócios e dos preços

majoração do faturamento dos meios de hospedagem,

estimulou empresários a ampliarem o quadro de pessoal:

comparativamente a abr.-jun. do corrente ano, após um

24% de indicações de crescimento, 68% de estabilidade

trimestre de estabilidade: 63% de indicações de aumento,

e 8% de decréscimo em relação a abr.-jun. (saldo de 16%,

20% de inalterabilidade e 17% de queda – o saldo das

quando o saldo de antevisões para o período era nulo).

respostas foi de 46% – próximo ao saldo referente às

Entretanto, há vários trimestres têm sido constatadas

previsões para o período (53%) e inferior ao apurado em

sucessivas elevações dos custos operacionais, os quais

jul.-set./2011 (78%).

Pelo quinto trimestre consecutivo

apresentaram saldos de 80%, 32% e 53% nos primeiro,

observou-se incremento dos preços praticados pelo

segundo e terceiro trimestres de 2012 (respectivamente),

mercado (saldo de 46% em jul.-set./2012).

sendo que tal fato tem inibido (mais intensamente), desde o início do ano, a realização de contratações de pessoal adicional. O gráfico ao lado mostra que a série

GRÁFICO 24 Faturamento x Preço Comparação com trimestre imediatamente anterior 100

75

80 70 Saldo de Respostas (%)

desde o princípio de 2009, tem se mostrado

90

90

satisfatória para o segmento de meios de

78

hospedagem: entre os 15 indicadores de

67

58

60

59

33

48

44

50 40

de registros de saldos do faturamento,

50

47

47

35

30 10

9

0

-10

-10 -20

18 11

20

21 9

4 Área de Estabilidade

saldos, apenas 2 são negativos e 1 registrou 46

37

32 31

20

46

ressaltar que, apesar da alternância entre saldos elevados ou nem tanto, a média dos

11

saldos do faturamento no período pode ser

-5

considerada bastante favorável (35%). No

-18

que tange à evolução dos preços, 11 saldos

-21

-30

das respostas são positivos, 3 indicam

-40

1/09 2/09 3/09 4/09 1/10 2/10 3/10 4/10 1/11 2/11 3/11 4/11 1/12 2/12 3/12 Fontes: FGV e MTur

estabilidade (portanto, 12 positivos). Cabe

Faturamento

Preço

inalterabilidade e 1 é negativo.


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

22

Comparativamente com o segundo trimestre de 2012,

No que tange à segmentação do mercado, em jul.-

verificou-se, em jul.-set./2012, expansão da demanda de

set./2012, os turistas nacionais corresponderam a 84%

hóspedes brasileiros, pelo quinto trimestre consecutivo

do total da demanda efetiva, e os internacionais, a 16%

(saldo de 40%, contra saldo de estimativas de 51%), assim

(contra 85% e 15%, respectivamente, no mesmo trimestre

como da de hóspedes estrangeiros (saldo de 32%, contra

de 2011, e a 81% e 19%, respectivamente, em igual período

saldo de expectativas de 20%).

de 2010).

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 O confronto entre o que foi faturado em jul.-set. de

Para 35% do mercado respondente houve ampliação

2012 e de 2011 revela que para 69% do mercado de meios

do quadro de pessoal em jul.-set./2012, em relação ao

de hospedagem consultado ocorreu aumento; para 15%,

mesmo trimestre de 2011, 57% acusaram inalterabilidade

inalterabilidade; e para 16%, redução (saldo de 53%, com

e 8%, declínio.

variação média de 10,5%), mostrando situação ligeiramente

O contraste entre os terceiros trimestres de 2012 e

melhor do que a constatada na comparação entre idênticos

de 2011 revela elevação da demanda tanto de hóspedes

trimestres de 2011 e de 2010, quando o saldo apurado foi

brasileiros quanto da de estrangeiros (saldo das respostas

de 45%, com variação média de 9,4%. Quanto aos preços,

de 31% e 23%, respectivamente).

o contraste entre os terceiros trimestres de 2012 e 2011 indica ocorrência de incremento em 58% do mercado pesquisado, estabilidade em 39% e declínio em 3% (saldo de 55%).

GRÁFICO 25 Faturamento 3º trim. 2012 / 2º trim. 2011

GRÁFICO 26 Preço 3º trim. 2012 / 3º trim. 2011

Redução 3%

Redução 16%

Estabilidade 39%

Estabilidade 15%

Aumento 58% Aumento 69%

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

23

Momento Atual (Outubro/2012) Situação dos Negócios

Quesito Especial

Atualmente, expansão é verificada em 46% do mercado,

A presente sondagem procurou, igualmente, identificar

estabilidade em 46% e contração em 8% (saldo de 38%),

se os meios de hospedagem possuem alguma estrutura

mostrando situação dos negócios satisfatória, mas não

destinada a portadores de deficiência física. Das empre-

tão favorável quanto as constatadas nas mesmas épocas de

sas consultadas que, além de responderem positivamente,

2011 e de 2010 (saldos de 52% e de 84%, respectivamente).

também discriminaram o tipo dessa estrutura (representando elevados 74,5% do mercado pesquisado), 90,0% promoveram a adaptação da parte interna (banheiros, rampas internas, portas alargadas etc.), 81,3% delas têm rampas de acesso ao local, 45,0% dispõem de ambientes preparados para uma boa circulação desses turistas. 12,5% destacam funcionários específicos (treinados) para atendimento/deslocamento dos turistas, 3,8% têm serviços de transportes especiais e 2,5% oferecem atividades de lazer (culturais, recreativas ou esportivas) destinadas a turistas com deficiência física. Entre outros itens citados, vale ressaltar a adaptação de elevadores (com grafia Braille e com áudio).

Previsão No que diz respeito aos investimentos programados

meios de hospedagem. As atividades/áreas que deverão

para out.-dez./2012, 68% do mercado pretendem fazê-lo

ser beneficiadas prioritariamente pelos investimentos

num montante equivalente a 11,7% do faturamento. Ao

são: melhoramentos na infraestrutura das instalações

se incluir os 32% que não planejam investir, tal volume

das empresas, tecnologia de informação, e marketing e

declina para 8,0% do faturamento total do setor de

promoção de vendas.

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012 Constata-se, de modo geral, otimismo dos empresários

pois a previsão quanto à hospedagem de estrangeiros é

em relação à estimativa de evolução do faturamento dos

de estabilidade em relação ao terceiro trimestre de 2012

meios de hospedagem no último trimestre do ano em

(saldo de 2%).

curso, comparativamente a jul.-set.: 52% de assinalações

A esperada evolução satisfatória dos negócios em

de perspectivas de majoração, 31% de estabilidade e 17%

out.-dez./2012 deverá estimular a absorção adicional de

de queda, resultando num saldo de 35%. Tal expectativa

mão de obra: 26% de previsões de crescimento, 68% de

baseia-se

estabilidade e 6% de decréscimo (saldo de 20%).

fundamentalmente

nos

prognósticos

de

aumento da hospedagem de brasileiros (saldo de 52%),


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

24

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 4º Trimestre/2011 do

os mesmos períodos de 2011 e de 2010). No que concerne

faturamento - ao se comparar prognósticos para out.-

à hospedagem de estrangeiros, antevê-se estabilidade da

dez./2012 com o apurado no mesmo trimestre de 2011

demanda no quarto trimestre de 2012, comparativamente

- também foram detectadas junto à maior parcela de

ao último de 2011: 22% de assinalações de previsões de

empresários consultados: 68% do mercado vislumbram

aumento, 64% de inalterabilidade e 14% de decréscimo

crescimento, 23% estabilidade e 9%, diminuição (saldo de

(saldo de 8%, contra saldo de -9% observado no confronto

59%, contra saldo de 38% computado no contraste entre

entre os mesmos períodos de 2011 e de 2010).

Estimativas

favoráveis

quanto

à

evolução

A comparação entre as previsões feitas para out.-

os mesmos períodos de 2011 e 2010). à

dez./2012 e as observações referentes a igual período de

hospedagem de brasileiros, feitos para o derradeiro

2011 revelam perspectivas de que o quadro de pessoal

trimestre de 2012, com o efetivamente observado em igual

também será ampliado (saldo de 29%, contra saldo de 24%

período de 2011, revelam previsão de aumento em 56% do

constatado na comparação entre idênticos trimestres de

mercado, estabilidade em 37% e redução em 7% (saldo de

2011 e 2010).

O

confronto

entre

prognósticos

referentes

49%, contra saldo de 40% observado na comparação entre


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

25

Operadoras de Turismo Em termos de faturamento, jul.-set. do corrente

mais ampla divulgação dos atrativos e roteiros turísticos,

ano constituiu-se no mais desfavorável trimestre da

os investimentos já realizados e o crescimento da demanda

série histórica desde o 3º trimestre de 2010, frustrando

nacional são considerados os principais motivos para

prognósticos

a expansão do faturamento.

de

majoração

formulados

pela

maior

Os empresários em geral

parcela de empresas, em virtude, principalmente da fraca

mostram-se otimistas em relação ao desempenho do

demanda. No começo de outubro, a acirrada competição,

setor antevisto para o último trimestre de 2012, prevendo

a sazonalidade, o aumento dos custos financeiros e a

elevação do montante a ser auferido tanto em relação a jul.-

crise econômica internacional são apontados como os

set./2012 quanto na comparação com idêntico trimestre de

mais importantes fatores limitadores do aquecimento dos

2011.

negócios. Por outro lado, o desempenho da economia, a

Retrospectiva Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 2º Trimestre/2012 Não se confirmaram, em jul.-set./2012, as expectativas

em grande parte, o arrefecimento da demanda por destinos

de retomada dos negócios, após um trimestre de

nacionais. Quanto à procura por destinos internacionais,

estabilidade – o saldo de respostas quanto ao faturamento,

o principal motivo foi a valorização da moeda norte-

correspondente à diferença entre as assinalações de

americana, ocorrida desde o início de abril último e

incremento e as de queda, foi de -23% (quando o saldo

manutenção da taxa de câmbio num patamar entre R$ 2,00

das previsões para o período era de 50%).

Por outro

e R$ 2,10, por parte do governo. Em realidade, tal fato

lado, verificou-se, no terceiro trimestre do corrente ano,

ainda não era percebido claramente (ao final de maio) por

elevação de preços em pouco mais de um quarto do

ponderável parcela do mercado, motivo pelo qual foram

mercado de operadoras de turismo (saldo de 27%, contra

frustradas as previsões empresariais de expansão da

saldo de 77% computado no mesmo período de 2011).

demanda por destinos internacionais.

Igualmente a demanda tanto por destinos nacionais quanto de

2012

Após um trimestre de queda, fato diverso ocorreu em

internacionais,

no

terceiro

trimestre

relação ao nível de emprego, em jul.-set./2012: 49% de

(comparativamente

ao

segundo),

frustrou

indicações de aumento, 33% de estabilidade e 18% de

por

no

declínio (saldo de 31%, quando o saldo dos prognósticos

primeiro caso, o saldo computado foi de 10% (quando

para o período era de -5%). Cabe ressaltar que a majoração

o saldo das previsões para o período era de 63%); no

dos custos operacionais vem sendo verificada há várias

segundo, o saldo detectado foi de -78% (quando o saldo

pesquisas (saldo de 73% no terceiro trimestre de 2012).

consideravelmente

os

prognósticos

empresariais:

das estimativas era de 47%). Há cinco trimestres consecutivos vem se detectando majoração dos preços praticados pelo setor de operadoras de turismo, a fim de compensar, pelo menos em parte, o incremento dos custos operacionais. Tal fato influenciou,


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

26

recente relativa ao segmento de operadoras, percebe-se que os saldos (tanto do faturamento quanto do preço) vêm apresentando acentuado declínio desde o início de 2012. Quanto à segmentação do mercado, a participação de turistas nacionais e estrangeiros, em jul.-set./2012, era de 60% e 40%, respectivamente (contra 58% e 42%, respectivamente, apurados em igual período de 2011).

Ao se considerar a série histórica com início no 1º trimestre/2012, plotada no gráfico a seguir, observa-se evolução predominantemente favorável do faturamento do setor de operadoras: entre os 15 registros de saldos, 11 são positivos, 3 são negativos, enquanto apenas 1 registrou estabilidade; quanto aos preços praticados, somente 3 são negativos e 2 indicaram inalterabilidade (logo, 10 saldos positivos). Entretanto, numa análise da evolução mais GRÁFICO 27 Faturamento x Preço Comparação com trimestre imediatamente anterior 120 100 80

96 86

Saldo de Respostas (%)

60

90

77

75

87

78

82 64

56

52

50

42

40

83

77 70

42

66

27

34

20

26

0

Área de Estabilidade

-3

9

-20

-2 -23

-29

-40

-43 -56

-60 -80 -100

-98

-98

-120

1/09

2/09

3/09

4/09

1/10

2/10

3/10

4/10

1/11

2/11

3/11

4/11

1/12

Faturamento

Fontes: FGV e MTur

2/12

3/12 Preço

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 Contrastados os terceiros trimestres de 2012 e de 2011, observam-se 57% de assinalações de elevação do faturamento, 10% de estabilidade e 33% de diminuição (saldo de 24%, com variação média de 15,5%, contra saldo de 63%, com variação média de 23,1% apurado na comparação entre jul.-set. de 2011 e de 2010). O confronto entre os terceiros trimestres de 2012 e de 2011 revela, igualmente, majoração de preços em praticamente

a metade do mercado de operadoras: 49% de assinalações de majoração e 51% de estabilidade. No que tange ao quadro de pessoal no terceiro trimestre de 2012, comparativamente a idêntico período de 2011, verificou-se incremento (saldo de respostas de 20%, contra saldo de 65% registrado no confronto entre os mesmos trimestres de 2011 e de 2010).

GRÁFICO 28 Faturamento 3º trim. 2012 / 3º trim. 2011

GRÁFICO 29 Preço 3º trim. 2012 /3º trim. 2011

Redução 33%

Estabilidade 51%

Aumento 57%

Estabilidade 10% Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

Aumento 49%


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

27

Momento Atual (Outubro/2012) Situação dos Negócios

Quesito Especial

Expansão é verificada, atualmente, em 47% do

A atual sondagem procurou, igualmente, identificar

mercado, inalterabilidade em 33% e contração em 20%

se as operadoras de turismo possuem alguma estrutura

(saldo de 27%), revelando situação dos negócios bem mais

destinada a portadores de deficiência física.

satisfatória do que a observada na mesma época de 2011

empresas

(quando o saldo apurado foi de -2%) e menos favorável do

positivamente,

que em out./2010 (saldo de 70%).

estrutura

pesquisadas

que,

também

(representando

além

de

discriminaram apenas

2,9%

Das

responderem o

tipo do

dessa

mercado

pesquisado), todas elas têm rampas de acesso ao local, bem como promoveram a adaptação da parte interna (banheiros, rampas internas, portas alargadas etc.), metade delas disponibilizam serviços de transportes especiais, além de ambientes preparados para uma boa circulação desses turistas.

Previsão No que concerne aos investimentos programados

reduz-se para ínfimos 1,2%. As atividades que deverão

para o último trimestre de 2012, 27% do mercado planejam

ser beneficiadas prioritariamente pelos investimentos

realizá-los num montante correspondente a 4,4% do

são as seguintes: tecnologia da informação, marketing e

faturamento. Portanto, 73% não pretendem fazê-los e, ao

promoção de vendas e abertura de novos pontos de venda

incluir-se tal informação, o cálculo do volume a ser investido

(nesta ordem).

em relação ao faturamento total do setor de operadoras

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 4º Trimestre/2011

A comparação entre os prognósticos referentes a out.-

O confronto entre os mesmos quartos trimestres de

dez. com o efetivamente observado em jul.-set./2012

anos consecutivos revela comportamento semelhante:

mostra perspectivas de retomada de expansão do

estimativas de majoração do faturamento (saldo de 51%),

faturamento em 56% do mercado, inalterabilidade em

influenciada significativamente pelo aumento da demanda

26% e redução em 18% (saldo de 38%) – vale destacar

por destinos nacionais e internacionais (saldos de 63% e

que tal otimismo é baseado nos prognósticos favoráveis

60%, respectivamente).

de crescimento da demanda por destinos nacionais e

No contraste entre as previsões para out.-dez./2012

internacionais (saldos de 58% e de 59%, respectivamente).

com o observado no derradeiro trimestre de 2011,

Ainda assim, vislumbra-se que tal desempenho, mesmo

o mercado de operadoras também não manifestou

se vier a ser confirmado, não deverá ser suficiente para

intenção de ampliar o nível de emprego: 18% vislumbram

estimular empresários a ampliarem o quadro de pessoal,

aumento; 70%, estabilidade; e 12%, declínio (saldo de 6%,

antevendo-se que o nível de emprego permanecerá estável

configurando previsão de inalterabilidade) – ressalte-se

em relação a jul.-set./2012 (saldo das previsões de -6%).

que, na comparação de jul.-set./2011 com igual trimestre de 2010, o percentual apurado foi bem mais elevado (saldo de 45%).


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

28

Organizadoras de Eventos A majoração do faturamento além da esperada, no

eventos vislumbra a ocorrência de forte desaquecimento

terceiro trimestre do ano em curso (comparativamente

dos negócios em out.-dez./2012, tanto em relação a jul.-

ao segundo) surpreendeu favoravelmente os empresários.

set. quanto em comparação com o último trimestre de

Com base nesse cenário, a maior parcela do mercado de

2011.

Retrospectiva Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 2º Trimestre/2012 A evolução dos negócios no terceiro trimestre de 2012

O gráfico a seguir revela que a evolução do faturamento,

superou as expectativas favoráveis da maior parcela de

a partir do segundo trimestre de 2009 (inclusive), tem

empresários: 92% do mercado informaram registro de

mostrado resultados extremamente favoráveis: entre os

aumento comparativamente ao segundo trimestre de

15 registros de saldos de respostas dessa série, 14 são

2011, enquanto que somente 5%, diminuição – o saldo

positivos e, apenas 1, é negativo. Quanto aos preços, a

de respostas, representado pela diferença entre as

sequência de saldos indica menor oscilação, com 9 saldos

assinalações de elevação do faturamento e as de queda, foi

positivos, 6 de estabilidade e nenhum de redução.

de 87% (bem mais elevado do que os 30% e 26% apurados em iguais períodos de 2011 e de 2010, respectivamente) – cabe ressaltar, que o saldo das previsões para jul.-set./2012 era de 49%. Após quatro trimestres de elevação de preços praticados pelo ramo de eventos, que muito contribuiu para a majoração do faturamento, apurou-se estabilidade em jul.-set./2012 (saldo de 9%, contra saldo de 13% em idêntico período de 2011).

GRÁFICO 30 Faturamento x Preço Comparação com trimestre imediatamente anterior 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 -10 -20 -30 -40 -50 -60 -70 -80 -90 -100

96

98

86

87

84

70

76

65

48

49

37

33

27

34

0

0

0

6

46 42

30

26

27

50

13

0

24

20

9

Área de Estabilidade

-79 1/09

2/09

Fontes: FGV e MTur

3/09

4/09

1/10

2/10

3/10

4/10

1/11

2/11

3/11

4/11 Preço

1/12

2/12

3/12

Faturamento


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

29

Confirmaram-se,

em

jul.-set./2012,

pelo

segundo

Tem sido observado, há vários trimestres sucessivos,

trimestre sucessivo, as expectativas de estabilidade do

aumento do número de participantes nos eventos; porém,

: 3% de indicações de aumento, 91% de inalterabilidade

desta feita, tal fato foi mais amplo do que o vislumbrado

e 6% de declínio, gerando saldo de -3%, que corresponde

para jul.-set./2012, apurando-se saldo de 87%, quando

à inalterabilidade (contra saldos de 37% e -10% no

o antevisto era de 45% (contra 20% e 28% em idênticos

mesmo trimestre de 2011 e de 2010, respectivamente).

períodos de 2011 e de 2010, respectivamente). O total de

No que concerne aos custos operacionais, verificou-se

participantes nos eventos, no terceiro trimestre de 2012,

estabilidade em jul.-set./2012 (saldo de 9%), após três

dividiu-se em 93% de brasileiros e 7% de estrangeiros.

trimestres consecutivos de incremento na maior parcela do mercado de eventos consultado.

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 No confronto entre o montante faturado em jul.-

A comparação entre o total de funcionários apurado

set./2012 e de 2011, verificou-se que 92% do mercado

em jul.-set./2012 e de 2011 mostra estabilidade em 93%

assinalaram expansão; 3%, estabilidade; e 5%, redução:

(representando inalterabilidade do nível de emprego) –

saldo de 87%, com variação média de 17,8% (revelando

ressalte-se que a comparação entre iguais trimestres de

cenário muito mais propício do que o detectado na

2011 e de 2010 havia indicado ampliação da mão de obra

comparação entre os mesmos períodos de 2011 e 2010,

empregada no setor (saldo de 42%).

quando o saldo apurado foi de 20%, com variação média de 4,1%). No que tange aos preços praticados pelo setor de eventos no terceiro trimestre de 2012, constatou-se inalterabilidade em 95 %, configurando estabilidade em relação ao mesmo período de 2011.

GRÁFICO 31 Faturamento 3º trim. 2012 /3º trim. 2011

Estabilidade 3%

GRÁFICO 32 Preço 3º trim. 2012 /3º trim. 2011

Aumento 92% Fontes: FGV e MTur

Redução 1%

Redução 5%

Estabilidade 95% Fontes: FGV e MTur

Aumento 4%


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

30

Momento Atual (Outubro/2012) Situação dos Negócios Detecta-se, atualmente, predomínio de estabilidade

Quesito Especial A presente pesquisa procurou, igualmente, identificar

dos negócios no mercado de eventos pesquisado:

se as organizadoras de eventos possuem alguma estrutura

revelando situação semelhante à apurada em out./2011

destinada a portadores de deficiência física. Das empresas

(saldo de 8%), mas não tão satisfatória quanto a registrada

que,

na mesma época de 2010 (quando se computou o elevado

especificaram o tipo dessa estrutura (representando

saldo de 96%).

apenas 4,1% do mercado pesquisado), 80% têm rampas de

além

de

responderem

positivamente,

também

acesso ao local, 60% dispõem de adaptação da parte interna (banheiros, rampas internas, portas alargadas etc.), 60% de demais ambientes preparados para uma boa circulação, e 20% disponibilizam funcionários específicos (treinados) para atendimento/deslocamento desses turistas.

Previsão Ao longo do último trimestre de 2012, o volume de investimentos em relação à receita total do setor de eventos declina para ínfimos 0,7%.

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 4º Trimestre/2011

Para o quarto trimestre do ano em curso, as perspectivas

As estimativas para out.-dez./2012, comparativamente

de evolução do faturamento são de decréscimo em

ao montante auferido no mesmo período de 2011, também

virtude da sazonalidade, comparativamente ao resultado

não são favoráveis: expansão em 2% do mercado de eventos

apurado em jul.-set./2012: os negócios continuarão a

consultado, inalterabilidade em 10% e diminuição em 88%.

manter-se aquecidos para pequena fatia do mercado (4%),

O confronto entre os prognósticos feitos para o último

7% creem em estabilidade e 89%, em declínio – saldo de

trimestre de 2012 e as observações referentes ao mesmo

-85%. A estimativa quanto ao número de participantes

período de 2011 revelam perspectivas de manutenção do

nos eventos a serem realizados no derradeiro trimestre

quadro de pessoal: nenhum prognóstico de aumento, 98%

de 2012, em contraste com o terceiro do corrente ano,

de estabilidade e 2% de diminuição.

também é de decréscimo (saldo de iguais -85%). Apesar das expectativas de desempenho insatisfatório, o mercado não mostra disposição de reduzir o quadro de funcionários em relação ao trimestre próximo passado: a quase totalidade (97%) do prognostica, para out.dez./2012, inalterabilidade do nível de emprego, enquanto que 2% anteveem aumento e 1%, redução - saldo de 1%.


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

31

Parques e Atrações Turísticas Os resultados obtidos ao longo do terceiro trimestre

já realizados pelas empresas constituem os principais

de 2012 foram considerados bastante satisfatórios pelos

fatores apontados como responsáveis pelo aquecimento

empresários do segmento de parques e atrações turísticas.

dos negócios. As previsões para o último trimestre do

No princípio de outubro, o crescimento tanto da demanda

corrente ano são de majoração do faturamento e do nível

nacional quanto da internacional, a maior divulgação

de emprego, comparativamente a jul.-set./2012 e a igual

dos atrativos e roteiros turísticos, e os investimentos

período de 2011.

Retrospectiva Comparação do 2º Trimestre/2012 com o 1º Trimestre/2012 Constatou-se, em jul.-set./2012 (em contraste com

A elevação dos custos operacionais, pelo sexto

abr.-jun./2012), majoração do faturamento para todas

trimestre consecutivo (saldo de 98% no 3º trimestre/2012),

as empresas consultadas, confirmando plenamente as

não inibiu a contratação adicional de pessoal: 52%

expectativas empresariais em grande parte motivadas

assinalações de crescimento do quadro de funcionários,

pela sazonalidade (férias escolares). Após três trimestres

48%

sucessivos de detecção de estabilidade de preços,

resultando num saldo das respostas de 52% (superior ao

registrou-se incremento no terceiro trimestre de 2012

saldo das previsões vislumbrado para o período, que era

(saldo de 23%, contra saldo de 59% em igual período de

de 27%). Confrontados jul.-set. e abr.-jun./2012, detecta-se

2011).

incremento do número de visitantes recebidos (saldo das

de

inalterabilidade

e

nenhuma

de

contração,

respostas de 100%), após um trimestre de declínio.

O gráfico ao lado revela que tanto

GRÁFICO 33 Faturamento x Preço Comparação com trimestre imediatamente anterior 100

100

90 80

a evolução do faturamento quanto a 100

99

dos preços, desde o início de 2009, têm

100

mostrado

79

70 60

59

44

50

25

20

22

22

baixos: entre os 15 registros de saldos de

20

-10 -7 -20 -30

-3

Área de Estabilidade

-40

-45

-60

4

4

16

7

23

1

-1

-20

-20

-50

16

7

10 0

faturamento, 9 são positivos, 2 acusam estabilidade e 4 são negativos; quanto aos preços, a sequência mostra menor oscilação, com 7 saldos de respostas

-28

-27

-36

1/09 2/09 3/09 4/09 1/10 2/10 3/10 4/10 1/11 2/11 3/11 4/11 1/12 2/12 3/12 Fontes: FGV e MTur

evidenciada,

registros de saldos de respostas altos e

39

42

40 30

instabilidade

de modo geral, pela alternância de

Preço

Faturamento

positivos, 6 de estabilidade e 2 negativos.


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

32

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 O contraste entre o faturamento auferido nos terceiros

Esse quadro de evolução favorável dos negócios

trimestres de 2012 e de 2011 revela a ocorrência de

induziu, efetivamente, a absorção adicional de pessoal em

expansão em pouco mais do que 4/5 do mercado e contração

jul.-set./2012, após dois trimestres de registro de declínio

em cerca de 1/5. Mais precisamente: 83% de assinalações

do nível de emprego (saldo de 38%, muito superior ao

de incremento contra 17% de retração, com variação média

saldo de -60% apurado na comparação entre idênticos

de 10,0%. Vale destacar que tal fato é devido, em parte,

trimestres de 2011 e de 2010).

à majoração de preços informada por pouco mais do que 1/3 do mercado: 36% de assinalações de aumento, 47% de inalterabilidade e 17% de redução, acarretando um saldo de respostas de 19% (contra saldo de 68% computado no confronto entre os mesmos trimestres de 2011 e de 2010).

GRÁFICO 34 Faturamento 3º trim. 2012/ 3º trim. 2011

GRÁFICO 35 Preço 3º trim. 2012 / 3º trim. 2011

Redução 17%

Redução 17% Aumento 36%

Aumento 83% Fontes: FGV e MTur

Estabilidade 47%

Fontes: FGV e MTur


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

33

Momento Atual (Outubro/2012) Situação dos Negócios

Quesito Especial

No que diz respeito à situação dos negócios, expansão

A sondagem procurou, igualmente, identificar se as

é detectada, atualmente, em 100% do mercado em pauta,

empresas parques e atrações turísticas possuem alguma

mostrando situação mais favorável do que a constatada

estrutura destinada a portadores de deficiência física.

em igual época de 2011 (saldo de 80%) e tão satisfatória

Das empresas consultadas que, além de responderem

quando à ocorrida em out./2010 (saldo de 99%).

positivamente, também informaram o tipo dessa estrutura (representando 71,0% do mercado pesquisado), todas elas têm rampas de acesso ao local, bem como promoveram a adaptação da parte interna (banheiros, rampas internas, portas alargadas etc.), enquanto que metade delas disponibiliza serviços de transportes especiais, além de ambientes preparados para uma boa circulação desses turistas.

Previsão Quanto aos investimentos a serem realizados no

áreas que deverão ser beneficiadas prioritariamente pelos

decorrer do último trimestre de 2012, 76% do ramo de

investimentos são: melhoramentos na infraestrutura

parques e atrações turísticas programam fazê-lo, num

das instalações das empresas, marketing e promoção de

montante equivalente a 6,4% do faturamento – ao se

vendas, aquisição de novos materiais e equipamentos, e

considerar os 22% que manifestaram intenção de não

tecnologia de informação.

investir, tal percentual diminui para 4,9%. As atividades/

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 4º Trimestre/2011

As estimativas em relação à evolução do faturamento

As previsões quanto ao montante a ser auferido no

esperada para out.-dez./2012, em relação à observada

quarto trimestre de 2012, comparativamente ao mesmo

no terceiro trimestre do corrente ano, continuam a ser

período de 2011, são de expansão também na totalidade

bastante otimistas, com todas as empresas pesquisadas

do mercado consultado (logo, saldo das respostas de

prognosticando aumento. No que concerne ao quadro de

100%). Quanto ao quadro de pessoal, o confronto entre

pessoal, comparados esses dois períodos, verificam-se

as expectativas feitas para out.-dez./2012 e as observações

expectativas de ampliação em pouco mais da metade do

relativas a igual período de 2011 mostram perspectivas de

mercado, e estabilidade no restante – mais precisamente,

incremento em menor fatia do mercado (saldo de 53%).

53% de assinalações de incremento e 47% de estabilidade do nível de emprego (portanto, saldo de 53%).


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

34

Transporte Aéreo O setor de transporte aéreo continuou, ao longo de

melhor qualidade da prestação de serviços no país eram

todo o ano de 2012, a adotar medidas objetivando a

apontados como os mais importantes motivos indutores do

adequação de sua capacidade e estrutura de custos ao

aquecimento dos negócios. Vislumbra-se, para os últimos

cenário referente ao ambiente macroeconômico brasileiro

três meses do corrente ano, majoração do faturamento

e mundial.

e redução do nível de emprego, tanto em relação a jul.-

Em outubro, o crescimento da demanda

nacional, os investimentos realizados pelas empresas e a

set./2012 quanto no confronto com out.-dez./2011.

Retrospectiva Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 2º Trimestre/2012 Confirmaram-se,

em

jul.-set./2012,

pelo

segundo

dos custos operacionais (saldo de 98%, apurado pelo

trimestre consecutivo, as expectativas de aquecimento

segundo trimestre sucessivo) – ressalte-se que o elevado

dos negócios na (praticamente) totalidade do mercado de

consumo de combustível de determinadas aeronaves

transporte aéreo: o saldo de respostas, correspondente à

acarreta elevado encargo para algumas delas, chegando a

diferença entre as assinalações de aumento e as de queda,

representar quase a metade do custo total.

foi de 98%, ao passo que o saldo das previsões quanto ao

Conforme revela o gráfico a seguir, a sequência tanto dos

faturamento para o terceiro trimestre do corrente ano

saldos de faturamento quanto a dos preços praticados pelo

foi de 100%.

Contribuiu para o desempenho bastante

setor tem caracterizado certa instabilidade da evolução do

favorável a majoração de preços detectada em quase

mercado de transporte aéreo, mas no cômputo global de

metade do mercado (precisamente 46%), cabendo destacar

todo o período considerado, o balanço dos resultados dos

que em abr.-jun./2012 o aumento havia sido constatado em

negócios pode ser avaliado como bastante favorável: entre

82% desse mercado.

os 15 registros de saldos de faturamento, apenas 3 foram

Ainda assim, observou-se redução do quadro de

negativos (portanto, 12 positivos); já quanto aos preços,

pessoal (saldo de -35%), devido, principalmente, ao fato

constata-se maior alternância de saldos positivos (8) e

de as empresas sentirem-se pressionadas pelo incremento

negativos (6), sendo que somente 1 indicou estabilidade.

GRÁFICO 36 Faturamento x Preço Comparação com trimestre imediatamente anterior 110 90 70

100

100

100

100

100

98

98

46

30

-10

98 82

50

50

10

98

86

85

90

32

30

12

0

Área de Estabilidade

46

25 Área de Estabilidade

-31

-30

-32

-50

-35

-70 -90

-95

-87

-97

-95

-96

-95

-110 1/09

2/09

Fontes: FGV e MTur

3/09

4/09

1/10

2/10

3/10

4/10

1/11

2/11

3/11

4/11

1/12

Faturamento

2/12

3/12 Preço


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

35

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 Situação análoga pode ser observada no confronto entre

os

resultados

do

faturamento

auferido

No que tange à segmentação do mercado no terceiro

nos

trimestre do corrente ano, a parcela correspondente ao

terceiros trimestres de 2012 e de 2011: 98% indicações

mercado doméstico obteve 91% de assinalações, enquanto

de majoração e 2% de inalterabilidade, gerando, portanto,

que a referente ao internacional, os restantes 9% (contra

um saldo de respostas de 98%, com variação média de

88% e 12%, respectivamente, em jul.-set./2011).

8,3% (contra saldo de 100%, com variação média de 9,8%,

Quanto ao quadro de pessoal (saldo de -35%), verificou-

detectado no contraste entre iguais períodos de 2011 e

se, no terceiro trimestre de 2012 (comparativamente ao

de 2010). Por outro lado, foi apurada elevação de preços

mesmo período de 2011), resultado muito menor do que o

em 46% do mercado pesquisado e estabilidade em 54%,

apurado na equiparação entre os 3ºs trimestres de 2011 e

o que, portanto, corresponde a um saldo de respostas de

de 2010 (saldo de 66%).

46% (contra saldo de 30% registrado na comparação entre idênticos trimestres de 2011 e de 2010).

GRÁFICO 37 Faturamento Observação 3º trim.2012 / 3º trim.2011

GRÁFICO 38 Preço Observação 3º trim.2012 / 3º trim.2012

Estabilidade 54% Redução 2%

Aumento 98%

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

Aumento 46%


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

36

Momento Atual (Outubro/2012) Situação dos Negócios

Quesito Especial

Atualmente, expansão é verificada em 87% do mercado

A atual sondagem procurou, igualmente, identificar

de transporte aéreo e estabilidade em 13% (logo, saldo de

se o setor de transporte aéreo possui alguma estrutura

87%), revelando situação dos negócios mais favorável do

destinada a portadores de deficiência física. As empresas

que as observadas nos mesmos períodos de 2011 e de 2010

consultadas informaram que disponibilizam funcionários

(saldos de 50% e de 36%, respectivamente).

específicos (treinados) para atendimento e deslocamento desses turistas.

Previsão

No que diz respeito aos investimentos programa-

de transporte aéreo. As atividades / áreas que deverão ser

dos para o último trimestre do corrente ano, 96% do mer-

beneficiadas prioritariamente pelos investimentos são:

cado planejam investir 7,5% do faturamento. Ao se incluir

melhoramentos na infraestrutura das instalações das em-

os (somente) 4% do mercado que não programam fazê-lo, o

presas e aquisição de novos materiais e equipamentos.

montante declina para 7,2% do faturamento total do setor

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 4º Trimestre/2011

Os prognósticos para out.-dez./2012, na comparação

O contraste entre o montante a ser auferido no

com o trimestre imediatamente anterior, são de incremento

derradeiro trimestre 2012 com o obtido em igual trimestre

do faturamento na totalidade do mercado de transporte

de 2011 revela as mesmas expectativas: elevação do

aéreo consultado (ou seja, saldo de 100%).

faturamento e redução do quadro de pessoal (saldos

As perspectivas referentes ao quadro de pessoal, confrontados esses dois períodos, são de queda do nível de emprego em cerca de 1/3 do mercado pesquisado (precisamente, 35%): nenhuma informação de propósito de ampliação, 65% de estabilidade e 35% de decréscimo (logo, saldo de -35%).

de respostas de previsão também de 100% e -35%, respectivamente).


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

37

Turismo Receptivo do

do ramo. Favorecendo a ampliação do faturamento são

faturamento no terceiro trimestre do corrente ano,

citados a melhor qualidade da prestação de serviços

comparativamente ao segundo.

À época da pesquisa

no País, os investimentos já realizados pelo setor e o

(outubro/2012), os empresários destacam o aumento dos

crescimento da demanda nacional. Predominam, para out.-

custos financeiros, a crise econômica internacional e o

dez./2012, previsões de aquecimento dos negócios devido

deficiente marketing de atrativos e roteiros turísticos como

às perspectivas de aumento da demanda tanto de turistas

os mais importantes entraves à expansão dos negócios

brasileiros quanto de estrangeiros.

Confirmaram-se

as

previsões

de

majoração

Retrospectiva Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 2º Trimestre/2012 A majoração do faturamento em jul.-set./2012, pelo

O gráfico a seguir mostra, desde o início de 2009, que

quarto trimestre consecutivo, já era esperada por cerca de

os saldos das respostas apresentam considerável oscilação

3/4 do mercado de turismo receptivo: 78% de indicações

tanto do faturamento quanto do preço praticado pelo

de aumento, 14% de inalterabilidade e 8% de decréscimo

setor de receptivo: entre os 15 registros de saldos de

– o saldo de respostas, correspondente à diferença entre

faturamento, 8 são positivos, 3 indicam inalterabilidade

os percentuais de ampliação e de redução dos negócios,

e 4 são negativos; quanto aos preços, foram apurados 11

foi, portanto, de 70% (contra saldos de -13% e 57%

saldos de respostas positivos, 3 de estabilidade e apenas

observados nos terceiros trimestres de 2011 e de 2010,

1 negativo.

respectivamente).

Após três trimestres de registro de

ampliação, os preços praticados pelo setor mantiveram-se, de modo geral, estáveis (saldo de 7%).

GRÁFICO 39 Faturamento x Preço Comparação com trimestre imediatamente anterior 100 90

79

80 70 60

57

50

Saldo de Respostas (%)

40 30

37

34 24

21

20

19

10 0 -10 -20

79 70

60 54

27

0

19

1

-26

16

17

7

-30

31

25 18

Área de Estabilidade 7

0

0

19

-13

-22 -24

-40 -50 -60

-59

-70 -80 -90 -100 1/09

Fontes: FGV e MTur

2/09

3/09

4/09

1/10

2/10

3/10

4/10

1/11

2/11

3/11

4/11

Preço

1/12

2/12

Faturamento

3/12


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

38

A atual sondagem detectou expansão da demanda

Quanto ao quadro de pessoal, não se confirmaram-

doméstica e declínio da internacional. No caso da recepção

se, em jul.-set./2012, os prognósticos de ampliação pelo

de turistas brasileiros, 84% do mercado pesquisado

segundo trimestre sucessivo: 15% do mercado consultado

assinalaram crescimento em jul.-set./2012 (em relação

assinalaram aumento, 62% estabilidade e 23%, diminuição.

a abr.-jun./2012) e 16% estabilidade; no que concerne

Cabe destacar que, há vários trimestres, as sucessivas

à recepção de turistas estrangeiros, não se apuraram

elevações dos custos operacionais (saldo de 85% em jul.-

assinalações de incremento, sendo informadas 50% de

set./2012) têm desestimulado contratações adicionais de

inalterabilidade e 50% de diminuição.

mão de obra.

No que tange à segmentação do mercado, em jul.set./2012, os turistas nacionais corresponderam a 90% da demanda total, enquanto que os estrangeiros, a 10%.

Comparação do 3º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2011 Na comparação entre o faturamento auferido em jul.-

de 44% (contra saldo de -2% apurado no contraste entre

set./2012 e de 2011 verifica-se que para 78% do mercado

os mesmos períodos de 2011 e de 2010). Mas, por outro

consultado ocorreu majoração; para 14%, estabilidade; e

lado, a recepção de turistas estrangeiros acusou redução,

para 8%, redução, representando um saldo de respostas

na comparação entre jul.-set. de 2012 e de 2011 (saldo de

de elevados 70%, com variação média de 15,3% (contra

-50%, significativamente inferior ao saldo de 67% relativo

saldo de 10%, com variação média de 11,6%, registrado no

à apuração entre idênticos trimestres de 2011 e de 2010).

confronto entre os mesmos trimestres de 2011 e de 2010).

O contraste entre o nível de emprego alcançado em jul.-

Quanto aos preços praticados no 3º trimestre de 2012,

set. de 2012 e de 2011 revela estabilidade desde o início

observou-se majoração em 26% do mercado consultado e

do ano em curso (na comparação com iguais trimestres do

inalterabilidade em 74% (saldo de 26%), em relação a jul.-

ano passado): 23% do mercado pesquisado detectaram

set./2011.

majoração do total de funcionários, 54% inalterabilidade

No que diz respeito à recepção de turistas, a demanda

e 23%, decréscimo.

doméstica registrou expansão no confronto entre os terceiros trimestres de 2012 e de 2011, apresentando saldo

GRÁFICO 40 Faturamento 3º trim. 2012/ 3º trim. 2011

Estabilidade 14%

GRÁFICO 41 Preço 3º trim. 2012/ 3º trim. 2011

Redução 8%

Aumento 26%

Aumento 78% Fontes: FGV e MTur

Estabilidade 74%

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

39

Momento Atual (Outubro/2012) Situação dos Negócios

Quesito Especial

Atualmente, expansão é verificada em 76% do mercado,

A

pesquisa

procurou,

igualmente,

identificar

se

inalterabilidade em 18% e retração em 6% (saldo de 70%),

as empresas de turismo receptivo possuem alguma

revelando situação dos negócios tão favorável quanto a

estrutura destinada a portadores de deficiência física.

constatada na mesma época de 2011 (saldo de 77%).

Das empresas pesquisadas que, além de responderem positivamente, também informaram o tipo dessa estrutura (representando 17,1% do mercado consultado), todas elas têm rampas de acesso ao local, assim como promoveram a adaptação da parte interna (banheiros, rampas internas, portas alargadas etc.), metade delas disponibilizam serviços de transportes especiais, além de ambientes preparados para uma boa circulação desses turistas.

Previsão No que concerne aos investimentos, o mercado de

turismo

receptivo

pesquisado

programa

realizá-

correspondente a 5,6% do faturamento total do setor. Tais investimentos deverão priorizar melhoramentos na

los no derradeiro trimestre de 2012, num montante

infraestrutura das instalações das empresas.

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 3º Trimestre/2012

Comparação do 4º Trimestre/2012 com o 4º Trimestre/2011

Os empresários em geral manifestam grande otimismo

O contraste entre a previsão de faturamento a ser

em relação à evolução dos negócios no decorrer de out.-

auferido no quarto trimestre de 2012, com o efetivamente

dez./2012: expansão do faturamento, comparativamente

obtido em igual período de 2011, indica que para 94%

ao trimestre imediatamente anterior, é antevista por

do mercado pesquisado deverá ocorrer expansão, 3%

94% do mercado; inalterabilidade, por 3%; e diminuição,

vislumbram estabilidade e 3%, redução – saldo de 91%,

por 3%. Quanto à recepção de turistas brasileiros e de

revelando situação bem mais favorável do que a detectada

estrangeiros no quarto trimestre de 2012, as estimativas

na comparação entre os mesmos trimestres de 2011 e de

são de ampliação para a maior parcela do mercado (saldos

2010, quando o saldo apurado foi de -50%. No que tange

de 97% e 60%, respectivamente), em comparação a jul.-

à recepção de turistas, os prognósticos para o último

set./2012.

trimestre do ano são de expansão tanto da demanda

Quanto ao quadro de pessoal, as projeções para o último trimestre de 2012 são de estabilidade em comparação a jul.-set./2012: 22% de assinalações de crescimento, 65% de inalterabilidade e 13% de redução.

doméstica (saldo de 87%) quanto da internacional (saldo de 60%), em relação ao mesmo período de 2011. Quanto ao quadro de pessoal, as previsões para out.dez./2012, em comparação com o mesmo trimestre de 2011, são de tênue redução do quadro de funcionários (saldo de -10%, configurando situação semelhante à verificada no confronto entre idênticos períodos de 2011 e 2010, quando o saldo apurado foi de -18%).


Boletim de Desempenho Econ么mico do Turismo

40

Tabelas


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

41

Resultado Consolidado Retrospectiva TABELA 1 3º trimestre 2012 / 2º trimestre 2012 Faturamento (%) Segmento

Crescimento (+)

Redução (-)

Quadro de Pessoal (%) Saldo

Crescimento (+)

Redução (-)

Saldo

Consolidado

79

11

68

12

23

-11

Agências de Viagens

54

27

27

8

19

-11

Meios de Hospedagem

63

17

46

24

8

16

Operadoras de Turismo

32

55

-23

49

18

31

Organizadoras de Eventos

92

5

87

3

6

-3

Parques e Atrações

100

0

100

52

0

52

Transporte Aéreo

98

0

98

0

35

-35

Turismo Receptivo

78

8

70

15

23

-8

Fontes: FGV e MTur Nota:A soma entre os percentuais de crescimento e redução não somam 100% devido a omissão do percentual de estabilidade.

TABELA 2 Faturamento do 3º trimestre de 2012 / 3º trimestre de 2011 Variação Média (%)

Faturamento (%) Segmento

TABELA 3 Quadro de Pessoal do 3º trimestre de 2012 / 3º trimestre de 2011 Quadro de Pessoal (%) Segmento

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Consolidado

32

0

68

-36

10,2

Agências de Viagens

35

57

8

27

10,5

Meios de Hospedagem

52

16

32

20

24

15,5

Operadoras de Turismo

1

93

6

-5

5

87

17,8

Organizadoras de Eventos

55

28

17

38

17

66

10,0

Parques e Atrações

0

65

35

-35

98

8,3

Transporte Aéreo

23

54

23

0

70

15,3

Turismo Receptivo

23

54

23

0

Crescimento (+)

Redução (-)

Saldo

Saldo

Consolidado

81

10

71

9,9

Agências de Viagens

50

26

24

Meios de Hospedagem

69

16

53

Operadoras de Turismo

57

33

Organizadoras de Eventos

92

Parques e Atrações

83

Transporte Aéreo

98

0

Turismo Receptivo

78

8

Fontes: FGV e MTur Nota:A soma entre os percentuais de crescimento e redução não somam 100% devido a omissão do percentual de estabilidade.

Fontes: FGV e MTur

TABELA 4 Investimentos previstos no trimestre de Out.-Dez./2012

TABELA 5 Situação dos negócios no momento da pesquisa – Outubro/2012

Segmento Consolidado

Opinião Sim

Não

Percentual do faturamento a ser investido (%)

77

23

8,9

Segmento

Opinião (%)

Saldo

Expansão

Estabilidade

Retração

Consolidado

64

28

8

56

Agências de Viagens

62

38

5,3

Agências de Viagens

15

45

40

-25

Meios de Hospedagem

68

32

11,7

Meios de Hospedagem

46

46

8

38

Operadoras de Turismo

27

73

4,4

Operadoras de Turismo

47

33

20

27

Organizadoras de Eventos

2

98

36,6

Organizadoras de Eventos

6

89

5

1

Parques e Atrações

76

24

6,4

Parques e Atrações

100

0

0

100

Transporte Aéreo

96

4

7,5

Transporte Aéreo

87

13

0

87

Turismo Receptivo

18

82

30,9

Turismo Receptivo

76

18

6

70

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

42

Perspectiva TABELA 6 4º trimestre de 2012 / 3º trimestre de 2012 Faturamento (%) Segmento

Crescimento (+)

Redução (-)

Quadro de Pessoal (%) Saldo

Crescimento (+)

Redução (-)

Saldo

Consolidado

77

12

65

12

23

-11

Agências de Viagens

49

43

6

19

20

-1

Meios de Hospedagem

52

17

35

26

6

20

Operadoras de Turismo

56

18

38

18

24

-6

Organizadoras de Eventos

4

89

-85

2

1

1

Parques e Atrações

100

0

100

53

0

53

Transporte Aéreo

100

0

100

0

35

-35

Turismo Receptivo

94

3

91

22

13

9

Fontes: FGV e MTur Nota: A soma entre os percentuais de crescimento e redução não somam 100% devido a omissão do percentual de estabilidade.

TABELA 7 4º trimestre de 2012 / 4º trimestre de 2011 Faturamento (%) Segmento

Crescimento (+)

Redução (-)

Quadro de Pessoal (%) Saldo

Crescimento (+)

Redução (-)

Saldo

Consolidado

81

7

74

14

23

-9

Agências de Viagens

45

25

20

6

20

-14

Meios de Hospedagem

68

9

59

36

7

29

Operadoras de Turismo

60

9

51

18

12

6

Organizadoras de Eventos

2

88

-86

0

2

-2

Parques e Atrações

100

0

100

53

0

53

Transporte Aéreo

100

0

100

0

35

-35

Turismo Receptivo

94

3

91

22

32

-10

Fontes: FGV e MTur Nota: A soma entre os percentuais de crescimento e redução não somam 100% devido a omissão do percentual de estabilidade.


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

43

Agências de Viagens Retrospectiva TABELA 8 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Faturamento (%)

Quadro de Pessoal (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

97

2

1

96

46

54

0

46

Out.-Dez./2010

60

15

25

35

54

41

5

49

Jan.-Mar./2011

71

18

11

60

28

60

12

16

Abr.-Jun./2011

59

32

9

50

23

72

5

18

Jul.-Set./2011

68

22

10

58

55

36

9

46

Out.-Dez./2011

83

5

12

71

35

55

10

25

Jan.-Mar/2012

73

8

19

54

37

41

22

15

Abr.-Jun./2012

56

17

27

29

39

58

3

36

Jul.-Set./2012

54

19

27

27

8

73

19

-11

Fontes: FGV e MTur

TABELA 9 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Venda de Pacotes Nacionais (%)

Venda de Pacotes Internacionais (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

96

3

1

95

99

1

0

99

Out.-Dez./2010

52

15

33

19

81

11

8

73

Jan.-Mar./2011

59

24

17

42

59

38

3

56

Abr.-Jun./2011

58

32

10

48

44

49

7

37

Jul.-Set./2011

67

24

9

58

66

29

5

61

Out.-Dez./2011

76

7

17

59

37

54

9

28 43

Jan.-Mar/2012

73

6

21

52

63

17

20

Abr.-Jun./2012

60

26

14

46

38

18

44

-6

Jul.-Set./2012

65

7

28

37

24

25

51

-27

Fontes: FGV e MTur Nota: (*) previsão

TABELA 10 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

TABELA 11 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

Custos Operacionais (%)

Preço (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

60

40

0

60

Jul.-Set./2011

53

47

0

53

Out.-Dez./2010

64

35

1

63

Out.-Dez./2011

68

32

0

68

Jan.-Mar./2011

41

53

6

35

Jan.-Mar./2012

80

17

3

77

Abr.-Jun./2011

67

32

1

66

Abr.-Jun./2012

55

37

8

47

Jul.-Set./2011

59

34

7

52

Jul.-Set./2012

49

50

1

48

Out.-Dez./2011

70

28

2

68

Fontes: FGV e MTur

Jan.-Mar/2012

58

35

7

51

Abr.-Jun./2012

69

29

2

67

Jul.-Set./2012

54

46

0

54

Fontes: FGV e MTur


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

44

TABELA 12 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Faturamento Variação Média (%)

Opinião (%)

Período Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

70

22

8

62

12,4

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

90

3

7

83

15,3

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

80

9

11

69

27,4

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

64

9

27

37

5,6

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

50

24

26

24

10,2

Fontes: FGV e MTur Nota: (1) Variação % Média representa a variação média de redução ou crescimento da variável sobre seus níveis no período anterior, segundo percentuais ponderados das observações feitas pelos respondentes.

TABELA 13 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 14 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Quadro de Pessoal (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Venda de Pacotes Nacionais (%)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

8

60

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

55

31

14

41

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

68

24

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

49

35

16

33

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

77

13

10

67

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

56

21

23

33

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

82

6

12

70

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

37

54

9

28

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

48

33

19

29

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

32

49

19

13

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

60

9

31

29

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

TABELA 15 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 16 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Venda de pacotes Internacionais (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Preço (%)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

66

29

5

61

Jul.-Set./2011

67

33

0

67

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

44

52

4

40

Out.-Dez./2011

68

31

1

67

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

68

19

13

55

Jan.-Mar./2012

77

21

2

75

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

30

12

58

-28

Abr.-Jun./2012

58

30

12

46

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

15

38

47

-32

Jul.-Set./2012

48

49

3

45

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

TABELA 17 Segmentação Segmento

Segmentação do Mercado (%) Jul-Set/10

Out-Dez/10

Jan-Mar/2011

Abr-Jun/11

Jul-Set/11

Out-Dez/11

Jan-Mar/2012

Abr-Jun/12

Nacional

58

77

69

78

76

83

80

75

82

Internacional

42

23

31

22

24

17

20

25

18

Fontes: FGV e MTur

Jul-Set/12


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

45

Momento Atual TABELA 18 Situação atual dos negócios - Evolução (%) Comportamento

Situação Atual dos Negócios (%) Out./2010

Jan./2011

Abr./2011

Jul./2011

Out./2011

Jan./2012

Abr./2012

Jul./2012

Out./2012

Em expansão

96

48

70

42

44

30

63

30

15

Estáveis

3

28

27

37

48

54

33

39

45

Em retração

1

24

3

21

8

16

4

31

40

Saldo

95

24

67

21

36

14

59

-1

-25

Fontes: FGV e MTur

Previsão de Investimentos TABELA 19 Orçamento previsto para investimentos no próximo trimeste (%) Sim

Período Out.-Dez./2011

Não

Volume de Investimentos/ Faturamento (%)

(%)

Investimento em % do Faturamento

(%)

Sobre o total da amostra

68

5,8

32

3,9

Jan.-Mar./2012

78

4,8

22

3,8

Abr.-Jun./2012

73

4,1

27

3,0

Jul.-Set./2012

66

6,3

34

4,1

Out.-Dez./2012

62

5,3

38

3,3

Fontes: FGV e MTur

Perspectiva TABELA 20 Comparação com o trimestre imediatamente anterior Previsão para o 3º trimestre de 2012(%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

49

8

43

6

Quadro de Pessoal

19

61

20

-1

Venda de Pacotes Nacionais

51

10

39

12

Venda de Pacotes Internacionais

24

34

42

-18

Fontes: FGV e MTur Nota: Não há previsão para a variável Custos Operacionais

TABELA 21 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Previsão para o 3º trimestre de 2012(%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Faturamento

45

30

25

20

Quadro de Pessoal

6

74

20

-14

Venda de Pacotes Nacionais

50

33

17

33

Venda de Pacotes Internacionais

22

40

38

-16

Fontes: FGV e MTur

Saldo


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

46

Meios de Hospedagem Retrospectiva TABELA 22 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Faturamento com Diárias (%)

Quadro de Pessoal (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

92

6

2

90

20

62

18

2

Out.-Dez./2010

63

22

15

48

34

59

7

27

Jan.-Mar./2011

54

23

23

31

35

52

13

22

Abr.-Jun./2011

34

14

52

-18

20

64

16

4

Jul.-Set./2011

79

20

1

78

26

68

6

20

Out.-Dez./2011

48

25

27

21

29

63

8

21

Jan.-Mar/2012

65

7

28

37

10

80

10

0

Abr.-Jun./2012

46

17

37

9

14

78

8

6

Jul.-Set./2012

63

20

17

46

24

68

8

16

Fontes: FGV e MTur

TABELA 23 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Hospedagem de Brasileiros (%)

Hospedagem de Estrangeiros (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

93

5

2

91

32

59

9

23

Out.-Dez./2010

59

31

10

49

37

50

13

24

Jan.-Mar./2011

60

15

25

35

69

16

15

54

Abr.-Jun./2011

27

44

29

-2

15

13

72

-57

Jul.-Set./2011

64

32

4

60

58

30

12

46

Out.-Dez./2011

44

36

20

24

17

56

27

-10

Jan.-Mar/2012

48

32

20

28

42

40

18

24

Abr.-Jun./2012

38

38

24

14

50

20

30

20

Jul.-Set./2012

54

32

14

40

42

48

10

32

Fontes: FGV e MTur Nota: (*) previsão

TABELA 24 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

TABELA 25 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

Custos Operacionais (%)

Preço (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

62

38

0

62

Jul.-Set./2011

33

66

1

32

Out.-Dez./2010

74

23

3

71

Out.-Dez./2011

23

74

3

20

Jan.-Mar./2011

59

32

9

50

Jan.-Mar./2012

54

42

4

50

Abr.-Jun./2011

35

52

13

22

Abr.-Jun./2012

28

55

17

11

Jul.-Set./2011

50

49

1

49

Jul.-Set./2012

50

46

4

46

Fontes: FGV e MTur

Out.-Dez./2011

63

28

9

54

Jan.-Mar/2012

82

16

2

80

Abr.-Jun./2012

41

50

9

32

Jul.-Set./2012

56

41

3

53

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

47

TABELA 26 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Faturamento com Diárias Variação Média (%)

Opinião (%)

Período Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Saldo 9,4

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

59

27

14

45

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

60

18

22

38

9,4

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

67

20

13

54

10,0

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

58

18

24

34

9,4

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

69

15

16

53

10,5

Fontes: FGV e MTur Nota: (1) Variação % Média representa a variação média de redução ou crescimento da variável sobre seus níveis no período anterior, segundo percentuais ponderados das observações feitas pelos respondentes.

TABELA 27 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 28 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Quadro de Pessoal (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Hospedagem de Brasileiros (%)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

35

57

8

27

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

53

29

18

35

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

30

64

6

24

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

55

30

15

40

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

20

71

9

11

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

54

29

17

37

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

27

61

12

15

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

29

43

28

1

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

35

57

8

27

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

52

27

21

31

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

TABELA 29 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 30 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Hospedagem de Estrangeiros (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Preço (%)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

52

32

16

36

Jul.-Set./2011

44

55

1

43

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

21

49

30

-9

Out.-Dez./2011

33

65

2

31

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

50

33

17

33

Jan.-Mar./2012

58

38

4

54

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

52

23

25

27

Abr.-Jun./2012

47

48

5

42

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

42

39

19

23

Jul.-Set./2011

58

39

3

55

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

TABELA 31 Segmentação Segmento

Segmentação do Mercado (%) Jul.-Set./10

Out..-Dez./10

Jan.-Mar/11

Abr.-Jun./11

Jul.-Set./11

Out.-Dez./11

Jan.-Mar/12

Abr.-Jun./12

Brasileiros

81

81

83

86

85

90

86

83

84

Estrangeiros

19

19

17

14

15

10

14

17

16

Fontes: FGV e MTur

Jul.-Set./12


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

48

Momento Atual TABELA 32 Situação atual dos negócios - Evolução (%) Comportamento

Situação Atual dos Negócios (%) Out./2010

Jan./2011

Abr./2011

Jul./2011

Out./2011

Jan./2012

Abr./2012

Jul./2012

Out./2010

Em expansão

86

44

50

48

56

33

29

43

46

Estáveis

12

41

37

44

40

47

55

44

46

Em retração

2

15

13

8

4

20

16

13

8

Saldo

84

29

37

40

52

13

13

30

38

Fontes: FGV e MTur

Previsão de Investimentos TABELA 33 Orçamento previsto para investimentos no próximo trimeste (%) Sim

Período Out.-Dez./2011

Não

Volume de Investimentos/ Faturamento (%)

(%)

Investimento em % do Faturamento

(%)

Sobre o total da amostra

63

13,5

37

8,5

Jan.-Mar./2012

61

14,0

39

8,5

Abr.-Jun./2012

77

16,2

23

12,5

Jul.-Set./2012

74

16,7

26

12,4

Out.-Dez./2012

68

11,7

32

8,0

Fontes: FGV e MTur

Perspectiva TABELA 34 Comparação com o trimestre imediatamente anterior Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

52

31

17

35

Quadro de Pessoal

26

68

6

20

Hospedagem de Brasileiros

60

32

8

52

Hospedagem de Estrangeiros

13

76

11

2

Fontes: FGV e MTur Nota: Não há previsão para a variável Custos Operacionais

TABELA 35 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

68

23

9

59

Quadro de Pessoal

36

57

7

29

Hospedagem de Brasileiros

56

37

7

49

Hospedagem de Estrangeiros

22

64

14

8

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

49

Operadoras de Turismo Retrospectiva TABELA 36 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Faturamento (%)

Quadro de Pessoal (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

78

22

0

78

78

22

0

78

Out.-Dez./2010

58

18

24

34

60

27

13

47

Jan.-Mar./2011

50

50

0

50

35

65

0

35

Abr.-Jun./2011

92

3

5

87

45

41

14

31

Jul.-Set./2011

82

6

12

70

46

44

10

36

Out.-Dez./2011

45

36

19

26

52

30

18

34

Jan.-Mar/2012

79

8

13

66

70

17

13

57

Abr.-Jun./2012

29

40

31

-2

21

28

51

-30

Jul.-Set./2012

32

13

55

-23

49

33

18

31

Fontes: FGV e MTur

TABELA 37 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Demanda por Destinos Nacionais (%)

Demanda por Destinos Internacionais (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

81

19

0

81

74

26

0

74

Out.-Dez./2010

71

17

12

59

57

36

7

50

Jan.-Mar./2011

89

11

0

89

47

53

0

47

Abr.-Jun./2011

79

16

5

74

91

3

6

85

Jul.-Set./2011

69

22

9

60

1

83

16

-15

Out.-Dez./2011

38

39

23

15

4

95

1

3

Jan.-Mar/2012

28

62

10

18

70

0

30

40

Abr.-Jun./2012

5

36

59

-54

8

58

34

-26

Jul.-Set./2012

49

12

39

10

7

8

85

-78

Fontes: FGV e MTur Nota: (*) previsão

TABELA 38 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

TABELA 39 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

Custos Operacionais (%)

Preço (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

78

22

0

78

Jul.-Set./2011

77

23

0

77

Out.-Dez./2010

73

27

0

73

Out.-Dez./2011

52

48

0

52

Jan.-Mar./2011

71

29

0

71

Jan.-Mar./2012

83

17

0

83

Abr.-Jun./2011

99

1

0

99

Abr.-Jun./2012

42

58

0

42

Jul.-Set./2011

94

6

0

94

Jul.-Set./2012

27

73

0

27

Out.-Dez./2011

90

10

0

90

Fontes: FGV e MTur

Jan.-Mar/2012

75

25

0

75

Abr.-Jun./2012

48

27

25

23

Jul.-Set./2012

73

27

0

73

Fontes: FGV e MTur


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

50

TABELA 40 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Faturamento Variação Média (%)

Opinião (%)

Período Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

75

13

12

63

23,1

Out.-Dez.11 / Out.-Dez. 10

61

26

13

48

9,2

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

73

25

2

71

9,3

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

42

12

46

-4

4,7

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

57

10

33

24

15,5

Fontes: FGV e MTur Nota: (1) Variação % Média representa a variação média de redução ou crescimento da variável sobre seus níveis no período anterior, segundo percentuais ponderados das observações feitas pelos respondentes.

TABELA 41 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 42 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Quadro de Pessoal (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Preço (%)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

75

15

10

65

Jul.-Set./2011

77

23

0

77

Out.-Dez.11 / Out.-Dez. 10

57

31

12

45

Out.-Dez./2011

42

58

0

42

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

70

29

1

69

Jan.-Mar./2012

82

18

0

82

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

32

30

38

-6

Abr.-Jun./2012

42

56

2

40

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

52

16

32

20

Jul.-Set./2012

49

51

0

49

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

TABELA 43 Segmentação Segmento

Segmentação do Mercado (%) Jul.-Set./10

Out-Dez/10

Jan.-Mar/11

Abr-Jun/11

Jul.-Set./11

Out.-Dez./11

Jan.-Mar/12

Abr-Jun/12

Jul.-Set./12

Nacional

58

77

84

57

58

86

69

36

60

Internacional

42

23

16

43

42

14

31

64

40

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

51

Momento Atual TABELA 44 Situação atual dos negócios - Evolução (%) Comportamento

Situação Atual dos Negócios - Evolução (%) Out./2010

Jan./2011

Abr./2011

Jul./2011

Out./2011

Jan./2012

Abr./2012

Jul./2012

Em expansão

70

86

69

48

42

21

52

15

47

Estáveis

30

9

17

46

14

69

47

63

33

Em retração

0

5

14

6

44

10

1

22

20

Saldo

70

81

55

42

-2

11

51

-7

27

Fontes: FGV e MTur

Previsão de Investimentos TABELA 45 Orçamento previsto para investimentos no próximo trimeste (%) Sim

Período Out.-Dez./2011

Não

Volume de Investimentos/ Faturamento (%)

(%)

Investimento em % do Faturamento

(%)

Sobre o total da amostra

68

3,5

32

2,4

Jan.-Mar./2012

70

3,4

30

2,4

Abr.-Jun./2012

73

2,5

27

1,8

Jul.-Set./2012

49

5,4

51

2,7

Out.-Dez./2012

27

4,4

73

1,2

Fontes: FGV e MTur

Perspectiva TABELA 46 Comparação com o trimestre imediatamente anterior Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

56

26

18

38

Quadro de Pessoal

18

58

24

-6

Demanda por Destinos Nacionais

67

24

9

58

Demanda de Destinos Internacionais

61

37

2

59

Fontes: FGV e MTur Nota: Não há previsão para a variável Custos Operacionais

TABELA 47 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Faturamento

60

Quadro de Pessoal

18

Demanda por Destinos Nacionais Demanda de Destinos Internacionais Fontes: FGV e MTur

Redução (-)

Saldo

31

9

51

70

12

6

72

19

9

63

62

36

2

60

Out./2012


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

52

Organizadores de Eventos Retrospectiva TABELA 48 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Faturamento (%)

Quadro de Pessoal (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

29

68

3

26

1

88

11

-10

Out.-Dez./2010

57

19

24

33

10

90

0

10

Jan.-Mar./2011

61

12

27

34

29

68

3

26

Abr.-Jun./2011

96

4

0

96

7

91

2

5

Jul.-Set./2011

39

52

9

30

53

31

16

37

Out.-Dez./2011

64

20

16

48

60

36

4

56

Jan.-Mar./2012

75

0

25

50

11

52

37

-26

Abr.-Jun./2012

59

28

13

46

17

70

13

4

Jul.-Set./2012

92

3

5

87

3

91

6

-3

Fontes: FGV e MTur

TABELA 49 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Total de Participantes nos Eventos (%)

Custos Operacionais Totais (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

28

72

0

28

6

94

0

6

Out.-Dez./2010

57

19

24

33

28

48

24

4

Jan.-Mar./2011

68

5

27

41

43

50

7

36

Abr.-Jun./2011

96

4

0

96

15

85

0

15

Jul.-Set./2011

34

52

14

20

43

14

43

0

Out.-Dez./2011

55

29

16

39

60

32

8

52

Jan.-Mar./2012

41

35

24

17

75

11

14

61

Abr.-Jun./2012

59

28

13

46

55

45

0

55

Jul.-Set./2012

92

3

5

87

9

91

0

9

Fontes: FGV e MTur

TABELA 50 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Preço (%) Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2011

13

87

0

13

Out.-Dez./2011

20

80

0

20

Jan.-Mar./2012

35

54

11

24

Abr.-Jun./2012

42

58

0

42

Jul.-Set./2012

9

91

0

9

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

53

TABELA 51 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Faturamento Variação Média (%)

Opinião (%)

Período Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

34

52

14

20

4,1

Out.-Dez.11/ Out.-Dez.10

66

0

34

32

10,4

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

52

35

13

39

15,9

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

72

18

10

62

10,6

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 12

92

3

5

87

17,8

Fontes: FGV e MTur Nota: (1) Variação % Média representa a variação média de redução ou crescimento da variável sobre seus níveis no período anterior, segundo percentuais ponderados das observações feitas pelos respondentes.

TABELA 52 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 53 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Quadro de Pessoal (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Preço (%) Período

Redução (-)

Saldo

Crescimento Estabilidade (+) (=)

42

Jul.-Set./2011

8

Redução (-)

Saldo

92

0

8

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

58

26

16

Out.-Dez.11/ Out.-Dez.10

43

40

17

26

Out.-Dez./2011

30

66

4

26

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

0

63

37

-37

Jan.-Mar./2012

34

66

0

34

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

19

59

22

-3

Abr.-Jun./2012

20

80

0

20

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

1

93

6

-5

Jul.-Set./2012

4

95

1

3

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

Momento Atual TABELA 54 Situação atual dos negócios - Evolução (%) Comportamento

Situação Atual dos Negócios - Evolução (%) Out./2010

Jan./2011

Abr./2011

Jul./2011

Out./2011

Jan./2012

Abr./2012

Jul./2012

Out./2012

Em expansão

96

0

94

90

24

7

70

57

6

Estáveis

4

33

6

5

60

30

7

29

89

Em retração

0

67

0

5

16

63

23

14

5

Saldo

96

-67

94

85

8

-56

47

43

1

Fontes: FGV e MTur


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

54

Previsão de Investimentos TABELA 55 Orçamento previsto para investimentos no próximo trimeste (%) Sim

Período Out.-Dez../2011

Não

Volume de Investimentos/ Faturamento (%)

(%)

Investimento em % do Faturamento

(%)

Sobre o total da amostra

61

15,1

39

9,2

Jan.-Mar./2012

4

25,0

96

1,0

Abr.-Jun./2012

24

10,0

76

2,4

Jul.-Set./2012

34

38,1

66

13,0

Out.-Dez../2012

2

36,6

98

0,7

Fontes: FGV e MTur

Perspectiva TABELA 56 Comparação com o trimestre imediatamente anterior Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

4

7

89

-85

Quadro de Pessoal

2

97

1

1

Total de Participantes nos Eventos

4

7

89

-85

Fontes: FGV e MTur Nota: Não há previsão para a variável Custos Operacionais

TABELA 57 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

2

10

88

-86

Quadro de Pessoal

0

98

2

-2

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

55

Parques e Atrações Turísticas Retrospectiva TABELA 58 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Faturamento (%)

Quadro de Pessoal (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

99

1

0

99

77

23

0

77

Out.-Dez./2010

53

1

46

7

54

7

39

15

Jan.-Mar./2011

28

48

24

4

0

44

56

-56

Abr.-Jun./2011

32

0

68

-36

3

36

61

-58

Jul.-Set./2011

100

0

0

100

64

36

0

64

Out.-Dez./2011

54

8

38

16

48

38

14

34

Jan.-Mar/2012

58

0

42

16

31

37

32

-1

Abr.-Jun./2012

28

17

55

-27

20

52

28

-8

Jul.-Set./2012

100

0

0

100

52

48

0

52

Fontes: FGV e MTur

TABELA 59 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Número de Visitantes Recebidos (%)

Custos Operacionais (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Jul.-Set./2010

99

Out.-Dez./2010

53

Jan.-Mar./2011

46

30

24

22

25

Abr.-Jun./2011

32

0

68

-36

40

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

1 1

Redução (-)

Saldo

0

99

87

46

7

32

13

0

87

48

20

12

19

56

-31

32

28

12 81

Jul.-Set./2011

100

0

0

100

81

19

0

Out.-Dez./2011

54

0

46

8

62

4

34

28

Jan.-Mar/2012

58

0

42

16

47

29

24

23

Abr.-Jun./2012

28

17

55

-27

57

26

17

40

Jul.-Set./2012

100

0

0

100

98

2

0

98

Fontes: FGV e MTur

TABELA 60 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Preço (%) Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Jul.-Set./2011

62

Out.-Dez./2011

33

Jan.-Mar./2012 Abr.-Jun./2012 Jul.-Set./2012

32

Fontes: FGV e MTur

Redução (-)

Saldo

35

3

59

33

34

-1

12

77

11

1

19

69

12

7

59

9

23


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

56

TABELA 61 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Faturamento Variação Média (%)

Opinião (%)

Período Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

83

0

17

66

5,7

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

57

5

38

19

3,5

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

73

0

27

46

3,9

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

83

0

17

66

10,1

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

83

0

17

66

10,0

Fontes: FGV e MTur Nota: (1) Variação % Média representa a variação média de redução ou crescimento da variável sobre seus níveis no período anterior, segundo percentuais ponderados das observações feitas pelos respondentes.

TABELA 62 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 63 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Quadro de Pessoal (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Preço (%) Período

Redução (-)

Saldo

Crescimento Estabilidade (+) (=)

-60

Jul.-Set./2011

68

Redução (-)

Saldo

32

0

68 57

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

2

36

62

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

48

18

34

14

Out.-Dez./2011

71

15

14

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

31

21

48

-17

Jan.-Mar./2012

31

69

0

31

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

0

52

48

-48

Abr.-Jun./2012

65

23

12

53

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

55

28

17

38

Jul.-Set./2012

36

47

17

19

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

Momento Atual TABELA 64 Situação atual dos negócios - Evolução (%) Comportamento

Situação Atual dos Negócios - Evolução (%) Out./2010

Jan./2011

Abr./2011

Jul./2011

Out./2011

Jan./2012

Abr./2012

Jul./2011

Out./2012

Em expansão

99

51

78

82

80

74

61

63

100

Estáveis

1

47

16

18

20

23

39

37

0

Em retração

0

2

6

0

0

3

0

0

0

Saldo

99

49

72

82

80

71

61

63

100

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

57

Previsão de Investimentos TABELA 65 Orçamento previsto para investimentos no próximo trimeste (%) Sim

Período

Não

Volume de Investimentos/ Faturamento (%)

(%)

Investimento em % do Faturamento

(%)

Sobre o total da amostra

Out.-Dez./2011

78

19,9

22

15,5

Jan.-Mar./2012

60

24,2

40

14,5

Abr.-Jun./2012

63

5,7

37

3,6

Jul.-Set./2012

49

9,8

51

4,8

Out.-Dez./2012

76

6,4

22

4,9

Fontes: FGV e MTur

Perspectiva TABELA 66 Comparação com o trimestre imediatamente anterior Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

100

0

0

100

Quadro de Pessoal

53

47

0

53

Fontes: FGV e MTur Nota: Não há previsão para a variável Custos Operacionais

TABELA 67 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

100

0

0

100

Quadro de Pessoal

53

47

0

53

Fontes: FGV e MTur


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

58

Transporte Aéreo Retrospectiva TABELA 68 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Faturamento (%)

Quadro de Pessoal (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

100

0

0

100

100

0

0

100

Out.-Dez./2010

98

2

0

98

98

2

0

98

Jan.-Mar./2011

56

0

44

12

65

2

33

32

Abr.-Jun./2011

5

55

40

-35

13

55

32

-19

Jul.-Set./2011

100

0

0

100

14

36

50

-36

Out.-Dez./2011

73

0

27

46

58

42

0

58

Jan.-Mar/2012

2

0

98

-96

53

47

0

53

Abr.-Jun./2012

98

2

0

98

82

18

0

82

Jul.-Set./2012

98

2

0

98

0

65

35

-35

Fontes: FGV e MTur

TABELA 69 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

TABELA 70 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

Custos Operacionais (%) Período

Crescimento (+)

Preço (%)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

37

0

63

-26

Jul.-Set./2011

98

2

0

98

Out.-Dez./2010

54

46

0

54

Out.-Dez./2011

86

14

0

86

Jan.-Mar./2011

56

1

43

13

Jan.-Mar/2012

0

5

95

-95

Abr.-Jun./2011

91

9

0

91

Abr.-Jun./2012

82

18

0

82

46

54

0

46

Jul.-Set./2011

48

2

50

-2

Jul.-Set./2012

Out.-Dez./2011

80

20

0

80

Fontes: FGV e MTur

Jan.-Mar/2012

46

3

51

-5

Abr.-Jun./2012

98

2

0

98

Jul.-Set./2012

98

2

0

98

Fontes: FGV e MTur

TABELA 71 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Faturamento Variação Média (%)

Opinião (%)

Período Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

100

0

0

100

9,8

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

73

0

27

46

11,7

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

97

0

3

94

8,3

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

98

2

0

98

10,0

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

98

2

0

98

8,3

Fontes: FGV e MTur Nota: (1) Variação % Média representa a variação média de redução ou crescimento da variável sobre seus níveis no período anterior, segundo percentuais ponderados das observações feitas pelos respondentes.


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

59

TABELA 72 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 73 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Quadro de Pessoal (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Preço (%)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

66

34

0

66

Jul.-Set./2011

64

2

34

30

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

71

29

0

71

Out.-Dez./2011

86

14

0

86

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

97

3

0

97

Jan.-Mar/2012

95

5

0

95

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

82

18

0

82

Abr.-Jun./2012

82

18

0

82

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

0

65

35

-35

Jul.-Set./2012

46

54

0

46

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

Momento Atual TABELA 74 Situação atual dos negócios - Evolução (%) Comportamento

Situação Atual dos Negócios - Evolução (%) Out./2010

Jan./2011

Abr./2011

Jul./2011

Out./2011

Jan./2012

Abr./2012

Jul./2012

Out./2012

Em expansão

36

98

67

100

50

97

10

100

87

Estáveis

64

0

33

0

50

0

0

0

13

Em retração

0

2

0

0

0

3

90

0

0

Saldo

36

96

67

100

50

94

-80

100

87

Fontes: FGV e MTur

Previsão de Investimentos TABELA 75 Orçamento previsto para investimentos no próximo trimeste (%) Sim

Período

Não

Volume de Investimentos/ Faturamento (%)

(%)

Investimento em % do Faturamento

(%)

Sobre o total da amostra

Out.-Dez./2011

100

...

0

...

Jan.-Mar./2012

96

23,9

4

22,9

Abr.-Jun./2012

97

6,2

3

6,0

Jul.-Set./2012

98

8,1

2

8,0

Out.-Dez./2012

96

7,5

4

7,2

Fontes: FGV e MTur Nota: ... Dado numérico não disponível

Perspectiva TABELA 76 Comparação com trimestres imediatamente anterior

TABELA 77 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis Faturamento Quadro de pessoal Fontes: FGV e MTur

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

100

0

0

100

0

65

35

-35

Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis Faturamento Quadro de pessoal Fontes: FGV e MTur

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

100

0

0

100

0

65

35

-35


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

60

Turismo Receptivo Retrospectiva TABELA 78 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Faturamento (%)

Quadro de Pessoal (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

76

5

19

57

76

19

5

71

Out.-Dez/2010

72

10

18

54

0

82

18

-18

Jan.-Mar./2011

46

27

27

19

49

36

15

34 -45

Abr.-Jun./2011

45

10

45

0

0

55

45

Jul.-Set./2011

15

57

28

-13

15

85

0

15

Out.-Dez/2011

48

35

17

31

8

73

19

-11

Jan.-Mar/2012

79

21

0

79

16

72

12

4

Abr.-Jun./2012

50

16

34

16

23

72

5

18

Jul.-Set./2012

78

14

8

70

15

62

23

-8

Fontes: FGV e MTur

TABELA 79 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior) Recepção de Turistas Brasileiros (%)

Recepção de Turistas Estrangeiros (%)

Período

Crescimento (+)

Jul.-Set./2010

95

2

3

92

Out.-Dez/2010

67

11

22

45

Jan.-Mar./2011

80

11

9

71

Abr.-Jun./2011

71

9

20

51

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

2

25

73

-71

5

92

3

2

24

23

53

-29

3

10

87

-84

Jul.-Set./2011

44

10

46

-2

0

87

13

-13

Out.-Dez/2011

65

32

3

62

0

51

49

-49

Jan.-Mar/2012

54

36

10

44

12

88

0

12

Abr.-Jun./2012

44

33

23

21

17

41

42

-25

Jul.-Set./2012

84

16

0

84

0

50

50

-50

Fontes: FGV e MTur

TABELA 80 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

TABELA 81 Evolução dos principais indicadores (comparação com trimestre imediatamente anterior)

Custos Operacionais (%)

Preço (%)

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set./2010

81

18

1

80

Jul.-Set./2011

0

100

0

0

Out.-Dez/2010

28

72

0

28

Out.-Dez./2011

22

73

5

17

Jan.-Mar./2011

73

27

0

73

Jan.-Mar./2012

79

21

0

79

Abr.-Jun./2011

68

0

32

36

Abr.-Jun./2012

23

73

4

19

Jul.-Set./2011

38

62

0

38

Jul.-Set./2012

7

93

0

7

Out.-Dez/2011

41

54

5

36

Fontes: FGV e MTur

Jan.-Mar/2012

79

21

0

79

Abr.-Jun./2012

55

45

0

55

Jul.-Set./2012

85

15

0

85

Fontes: FGV e MTur


Outubro 2012

Ano IX

Nº 36

61

TABELA 82 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Faturamento Variação Média (%)

Opinião (%)

Período Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

53

4

43

10

11,6

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

25

0

75

-50

-12,0

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

75

19

6

69

21,5

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

45

25

30

15

-11,2

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

78

14

8

70

15,3

Fontes: FGV e MTur Nota: (1) Variação % Média representa a variação média de redução ou crescimento da variável sobre seus níveis no período anterior, segundo percentuais ponderados das observações feitas pelos respondentes.

TABELA 83 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 84 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Quadro de Pessoal (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Recepção de Turistas Brasileiros (%)

Redução (-)

Saldo

Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

15

47

38

-23

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

44

10

46

-2

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

33

16

51

-18

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

22

32

46

-24

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

16

72

12

4

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

54

36

10

44

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

8

87

5

3

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

47

32

21

26

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

23

54

23

0

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

64

16

20

44

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

TABELA 85 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

TABELA 86 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos

Recepção de Turistas Estrangeiros (%) Período

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Preço (%) Período

Saldo

Crescimento Estabilidade (+) (=)

Redução (-)

Saldo

Jul.-Set.11 / Jul.-Set. 10

80

7

13

67

Jul.-Set./2011

38

62

0

38

Out.-Dez.11 / Out.-Dez.10

18

2

80

-62

Out.-Dez./2011

54

41

5

49

Jan.-Mar.12 / Jan.-Mar.11

12

88

0

12

Jan.-Mar./2012

63

37

0

63

Abr.-Jun.12 / Abr.-Jun.11

1

37

62

-61

Abr.-Jun./2012

23

73

4

19

Jul.-Set.12 / Jul.-Set. 11

0

50

50

-50

Jul.-Set./2012

26

74

0

26

Fontes: FGV e MTur

Fontes: FGV e MTur

TABELA 87 Segmentação Segmento

Segmentação do Mercado (%) Jul.-Set./10

Out-Dez/10

Jan-Mar/11

Abr.-Jun./11

Jul.-Set./11

Out-Dez/11

Jan-Mar/12

Abr-jun/12

Brasileiros

73

78

61

62

57

81

52

55

90

Estrangeiros

27

22

39

38

43

19

48

45

10

Fontes: FGV e MTur

Jul.-Set./12


Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

62

Momento Atual TABELA 88 Situação atual dos negócios - Evolução (%) Comportamento

Situação Atual dos Negócios (%) Out./2010

Jan./2011

Abr./2011

Jul./2011

Out./2011

Jan./2012

Abr./2012

Jul./2012

Out./2012

Em expansão

80

18

35

28

81

37

7

58

76

Estáveis

1

71

29

29

15

25

77

9

18

Em retração

19

11

36

43

4

38

16

33

6

Saldo

61

7

-1

-15

77

-1

-9

25

70

Fontes: FGV e MTur

Previsão de Investimentos TABELA 89 Orçamento previsto para investimentos no próximo trimeste (%) Sim

Período Out.-Dez./2011

Não

Volume de Investimentos/ Faturamento (%)

(%)

Investimento em % do Faturamento

(%)

Sobre o total da amostra

29

6,9

71

2,0

Jan.-Mar./2012

50

6,8

50

3,4

Abr.-Jun./2012

33

27,8

67

9,2

Jul.-Set./2012

30

9,4

70

2,8

Out.-Dez./2012

18

30,9

82

5,6

Fontes: FGV e MTur

Perspectiva TABELA 90 Comparação com o trimestre imediatamente anterior Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo 91

Faturamento

94

3

3

Quadro de Pessoal

22

65

13

9

Recepção de Turistas Brasileiros

97

3

0

97

Recepção de Turistas Estrangeiros

60

40

0

60

Fontes: FGV e MTur Nota: Não há previsão para a variável Custos Operacionais

TABELA 91 Comparação entre mesmos trimestres de anos consecutivos Previsão para o 3º trimestre de 2012 (%) Variáveis

Crescimento (+)

Estabilidade (=)

Redução (-)

Saldo

Faturamento

94

3

3

91

Quadro de Pessoal

22

46

32

-10

Recepção de Turistas Brasileiros

87

13

0

87

Recepção de Turistas Estrangeiros

60

40

0

60

Fontes: FGV e MTur

boletim2012_out  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you