Issuu on Google+

 SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 14/10/2008

EDITORA-COORDENADORA Simone Ribeiro EDITORA Carla Bittencourt dez@grupoatarde.com.br

dez!

caderno blogdodez.atarde.com.br

RG

Aluno de Aderbal Duarte, Ralf Grima, 17, conquistou o respeito de João Gilberto | 3 |

na real Da idéia às prateleiras, entenda o que modifica o preço dos livros | 8-9 |

Este é o percentual de brasileiros, entre homens e mulheres, que terão contato com o vírus HPV em algum momento de sua vida. Uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns, o HPV pode evoluir para câncer no colo do útero, mas é facilmente curável, desde que diagnosticado no começo. Saiba de que forma ele é transmitido, como age no organismo e o que fazer para se proteger | 6-7 |

% FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE


SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 14/10/2008

CAPA ❚ Bahia é o

Estado com mais pessoas infectadas pelo HPV

|

CADERNO DEZ!

Será que

O HPV [Papiloma Vírus Humano] é um vírus sexualmente transmissível bastante comum e o primeiro contato com ele ocorre geralmente na adolescência, nos primeiros três anos da vida sexual. As chances de contrair o microorganismo em algum momento da vida é de 70%. Pensando nisso, o Dez! preparou um guia com informações valiosas para você se prevenir contra o HPV, que pode causar desde simples verrugas ou lesões até câncer no colo do útero, pênis, ânus. A boa notícia é que tem tratamento e já existe até vacina.

você tem ?

Pedro Fernandes | pfernandes@grupoatarde.com.br

RELAÇÃO SEXUAL DESPROTEGIDA QUE RESULTE DE CONTATO COM LESÕES TRANSMITE O HPV

PAPILOMA VÍRUS HUMANO _ HPV Vive na pele e nas mucosas genitais. Há mais de 100 variações deste vírus. Algumas causam verrugas simples na pele, como aquelas que as crianças geralmente têm. Há 40 tipos que são genitais. Entretanto, apenas os subtipos 6 e 11 são os responsáveis pelo aparecimento de verrugas.

6e7

|

COMO PEGA

1. O vírus vai para as camadas mais internas da

A maioria dos casos de contaminação por HPV genital acontece em relações sexuais. Mas nem é preciso haver penetração. O contato da pele com uma das lesões basta para ocorrer a transmissão do vírus. Acredita-se que, contato com objetos pessoais de quem está com HPV [usar a mesma toalha, por exemplo] pode transmitir o vírus.

pele e se incorpora ao DNA da célula.

2. Fase latente. Vírus está presente, mas não se manifesta.

3.Fase de incubação. Ele se prepara para atacar. De acordo com o ginecologista Ayrton Ribeiro, a depender do tipo do vírus e da resistência de cada pessoa, essa fase pode levar um dia ou meses.

4.Em quase 90% dos casos de HPV o nosso sistema imunológico destrói o vírus.

5.Quando o vírus vence a disputa, ele usa a célula em que se hospedou para se reproduzir e se espalhar pelo organismo.

* O vírus é mais difícil de ser diagnosticado em homens. Em muitos casos, a lesão é microscópica e homem transmite o vírus sem saber que está contaminado. Estima-se que, no Brasil, 50% dos homens têm HPV.

*A doença geralmente não tem sintomas, o vírus pode ficar lá por décadas e nem sinal de verrugas. Outros idícios são: corrimento vaginal, sangramento anormal, especialmente fora da menstruação, além de dores durante sexo. *Em grávidas, o tratamento é mais difícil. Por conta dos hormônios, as verrugas podem crescer mais. Há ainda a possibilidade do vírus ser transmitido para o bebê. É preciso avisar ao médico, durante o pré-natal, se você ou seu parceiro já tiveram HPV.

* Perceber verrugas é a forma mais óbvia de detecção. Caso elas não estejam visíveis, os homens devem procurar um urologista para fazer uma genitoscopia.

*HPV tem cura. O tratamento depende da variedade do vírus e do estágio de evolução da doença. É o seu médico que vai decidir qual deles usar. Pode ser criocirurgia [que congela e destrói o tecido anormal], laser, cauterização ou medicamentos que melhoram as defesas do organismo.

* Outros sintomas são um corrimento que sai do pênis e dores na pélvis.

* O vírus causa alterações nas células que podem ser detectadas por exames como o papanicolau, biópsia e colposcopia. A captura híbrida é o exame mais moderno atualmente e é o único que determina de fato a existência do vírus.

*Quem faz sexo oral sem proteção e entra em contato com alguma lesão pode vir a ter verrugas ou lesões na boca, na laringe, nos lábios. De acordo com a médica Luisa Lina Villa, diretora do Instituto Ludwig de Pesquisa Sobre o Câncer, a incidência de câncer de ânus é de cinco casos por 100 mil homens por ano.

* Homens também estão sujeitos a câncer, que pode ser no pênis, no ânus, na boca, na pele, na garganta.

SE CUIDE

*Nem toda mulher que tem HPV terá câncer. O risco existe, entretanto, em 70% dos casos em que a infecção é causada por HPV dos tipos 16 e 18.

CAMISINHA

COMPORTAMENTO

VACINA

O HPV pode ser transmitido mesmo sem relação de penetração, por isso, a camisinha só é eficiente em 70% dos casos. Mas nem pense em não usá-la. Camisinha ainda é a forma mais segura de se proteger de outras DSTs, da Aids e de uma gravidez não-planejada.

Reduzir o número de parceiros sexuais, manter a higiene e visitar o médico com regularidade também é importante para evitar o HPV.

Atualmente é o melhor método. Tem 100% de eficácia contra o câncer de colo de útero e 90% contra o aparecimento de verrugas. O problema é que a vacina ainda é muito cara e não está disponível na rede pública de saúde. Custa em média R$ 445 e são necessárias três doses. Outra coisa importante: por enquanto, a vacina serve apenas para as mulheres. Segundo a hebeatra Margaret Fialho, quanto mais cedo as meninas tiverem acesso à vacina, mais eficaz será seu resultado. Recomenda-se inclusive vacinar quem não transou pela primeira vez.

O MINISTÉRIO DA SAÚDE fez uma pesquisa em seis capitais brasileiras, entre os anos de 2004 e 2007, e chegou aos seguintes números:

70%

50%

dos casos, a infecção ocorreu em menores de 15 anos

das pessoas que procuram postos de saúde têm alguma DST

Dessas

32,6%

FONTES Ministério da Saúde e Creaids

25% da população brasileira está infectada por HPV.

192.750 brasileiros com HPV estão no Nordeste.

Bahia

éo Estado brasileiro no ranking com

52.824 infectados.

têm HPV

ILUSTRAÇÃO E INFOGRAFIA Fabio Perroni

Adolescentes estão mais expostos Entre uma carícia e outra, o namorado de Marcela [*os nomes foram trocados], 16, percebeu uma pequena verruga na virilha. “Foi ele quem sugeriu que eu procurasse um médico”, conta. No início ela ficou com vergonha de procurar ajuda no Centro de Referência Estadual de Aids [Creaids], que também trata de outras doenças sexualmente transmissíveis. Achou que as pessoas iriam ficar olhando para ela, julgando. Foi lá e descobriu que estava com HPV [Papiloma Vírus Humano], doença aparentemente simples, mas que pode causar câncer no colo do útero. Marcela foi contaminada na única vez em que transou sem camisinha com seu ex. Culpada, escreveu uma carta para o namorado atual terminando tudo antes que ele fizesse isso. “No outro dia, ele me procurou e

“Adquirir uma DST não é sinal de promiscuidade. Importante é se informar e buscar tratamento” Margaret Fialho, hebeatra ❚

mandou eu deixar de criancice”. Ela já está em tratamento há cerca de dois meses e o namoro vai bem. “Adquirir uma DST não é sinal de promiscuidade ou infidelidade. Não é necessário se envergonhar. Importante é se informar e buscar tratamento”, avalia a hebeatra e coordenadora do Núcleo de Adolescentes em HIV/Aids do Creaids, Margaret Fialho. O maior inimigo a ser combatido é mesmo a falta de informação. André*, 16, nem tinha idéia do que estava acontecendo com seu corpo quando viu aquela

verruga no pênis. Nunca tinha ouvido falar nesse vírus e deixou lá para ver no que é que ia dar. Camisinha ele diz que não gosta de usar, tanto que sua namorada, que tem 15 anos, está no sétimo mês de gestação. Só procurou um médico quando, passado um mês, a verruga não sarou e ainda aumentou de tamanho. “Os meninos são muito desassistidos quando o assunto é seu órgão sexual. Existe uma dificuldade maior em se expor do que em relação às meninas. É importante visitar um urologista com

regularidade”, diz a hebeatra. O HPV, também conhecido como como condiloma, crista-de-galo ou jacaré de crista por causa do formato que a lesão adquire, tem sido uma doença bastante associada à juventude, embora ela possa aparecer em qualquer idade. Uma pesquisa feita entre os anos de 2004 e 2007 pelo Ministério da Saúde indicou que as chances de desenvolver uma infecção desse tipo é maior em pessoas com menos de 20 anos. O ministério ainda aponta que 70% das pessoas são infectadas antes dos 15 anos de idade, geralmente nos três primeiros anos de atividade sexual. A Organização Mundial de Saúde divulgou este ano uma pesquisa que indica que 3,5% dos jovens da América Latina estejam infectados com o vírus. CREAIDS | Rua Comendador José Alves Ferreira, nº 240 - Garcia | 71 3328-5737.

70% dos brasileiros terão contato com o vírus em algum período da vida.

90% das pessoas no mundo que adquirem HPV não

chegam a desenvolver a doença.

18 meses é o tempo necessário para o próprio corpo

eliminar o vírus.


Será que você tem?