Page 34

As estratégias operacionais e improvisações usadas para cortar a cana-de-açúcar manualmente

A criatividade, associada à habilidade dos trabalhadores de fato, transforma as condições de trabalho, tornando o corte manual da cana menos desgastante. Isto colabora com o cumprimento do item 31.10.1 da NR 31 (MTE, 2005) que determina “o empregador rural ou equiparado deve adotar princípios que visem à adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar melhorias de conforto e segurança no trabalho”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT/ CB-32 – Equipamentos de Proteção Individual. Disponível em: http://www.abnt.org.br/default.asp?resolucao=1024X768. Acesso em 03 abr.2008. BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego, Lista dos Laboratórios – CA. Disponível em: http://www.mtb.gov.br/seg_sau/ epi_laboratorios.pdf. Acesso em 15 abr. 2008. BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal Aqüicultura– Nr 31. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_31.pdf. Acesso em 16 out. 2007.

GONZAGA, M.C. O uso de luvas de proteção no corte manual de cana-de-açúcar. 2004.113f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola). Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004. Disponível em: http://www.fundacentro.gov.br/dominios/CTN/teses_conteudo.asp?retorno=130. Acesso em mai. 2006. MURALIDHAR A; BISHU R.R.; HALDECK M.S. The development and evaluation of an ergonomic glove. Applied Ergonomics. London, v. 30, p. 555-563, 1999. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO / INTERNATIONAL ERGONOMICS ASSOCIATION. Pontos de verificação ergonômica. Soluções práticas e de fácil aplicação para melhorar a segurança, a saúde e as condições de trabalho. São Paulo: FUNDACENTRO, 2001. SÃO PAULO, Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Estado do Meio Ambiente, Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento. Protocolo Agro- Ambiental do Setor Sucroalcooleiro Paulista. 3 p. São Paulo.2007. Disponível em: http://www. ambiente.sp.gov.br/cana/protocolo.pdf. Acesso em maio de 2008. TSAOUSIDIS, N.; FREIVALDS, A. Effects of gloves on maximum force and the rate of force development in wrist flexion and grip. In: TWENTY - FIRST ANNUAL AMERICAN SOCIETY OF BIOMECHANICS, Clemson University, California, Setembro, p.24-27, 1997. WISNER, A. Textos Escolhidos, Antropotecnologia / Alain Wisner. (Trad. Adriana Nascimento, José Mário Carvão, Mario César Vidal). Rio de Janeiro: Editora Virtual Científica, 2004.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Equipamento De Proteção Individual – Nr 6. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_06_.pdf. Acesso em 9 abr. 2008. DEJOURS, C. Avaliação do trabalho submetida à prova do real: crítica aos fundamentos da avaliação. Laerte Idal Sznelwar, Fausto Leopoldo Mascia (Orgs.). São Paulo: Blucher, 2008. p.36. (Cadernos de TTO, 2). EPI INFO, Versão 6. Um programa de processamento de texto, banco de dados e estatística para Saúde Pública em microcomputadores IBM- compatíveis. [Computer Program]. Produzido por The Division of Surveillance and Epidemiology, Epidemiology Program Office, Centers of Disease Control and Prevention. Atlanta, EPI Info, 1994. FERREIRA, L. L.; GONZAGA, M. C.; DONATELLI S.; BUSSACOS, M. A. A análise coletiva dos cortadores de cana da região de Araraquara. São Paulo: FUNDACENTRO,1998. GONZAGA, M. Cristina. O uso dos equipamentos individuais de proteção e das ferramentas de trabalho no corte manual da cana - de – açúcar. São Paulo. FUNDACENTRO. 2002. 39p.Disponível em: HTTP://www.fundacentro.gov.br/dominicios/CTN/relatorios_conteudo.asp?retorno=144. Acesso em 12 mar. 2007.

34

Revista ANPG.indd 34

Revista da ANPG, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 27 - 34, segundo sem. 2009

21/10/2009 11:26:05

Revista da ANPG  

Vol1 da Revista Científica da ANPG