Issuu on Google+

REVISTA

DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO

Número 42 – SETEMBRO DE 2012

ISSN 1981-7770

COLETANEA SEMINÁRIOS 4, 5, e 6 A CIDADE DO MARANHÃO – UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS

Brasão de João de Barros Brasão de Aires da Cunha

Brasão de La Ravardiére

Edição Eletrônica http://issuu.com/leovaz/docs/

Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, v.1, n.1 (ago. 1926) - São Luís: IHGM, SETEMBRO DE 2012. n. 42, setembro de 2012. Edição eletrônica http://issuu.com/leovaz/docs/ ISSN: 1981-7770 1. História – Maranhão – Periódicos 2. Geografia – Maranhão - Periódicos p. 415 CDD: 918.21 CDU: 918.121 + 981.21

ISSN 1981 – 7770 REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO NO 42 – SETEMBRO – 2012 EDIÇÃO ELETRÔNICA Rua de Santa Rita, 230 – Centro - Edifício Prof. Antonio Lopes – 2º. Andar CEP – 65015.430 – SÃO LUÍS – MA Fone (0xx98) 3222-8464 - Fax (0xx98) 3232-4766 E.mail: ihgm_ma@hotmail.com http://ihgm1.blogspot.com.br/ http://www.facebook.com/people/IhgmMaranhao/100003343278385#!/groups/324308197653931/ https://groups.live.com/P.mvc#!/ihgm/ As idéias e opiniões emitidas em artigos ou notas assinadas são de responsabilidade dos respectivos autores. ENDEREÇO DAS EDIÇÕES ELETRÔNICAS

http://issuu.com/leovaz/docs/ http://issuu.com/leovaz/docs/revista_01_-_1926b http://issuu.com/leovaz/docs/revista_02_-_1948 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_03_-_1951 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_04_-_1952 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_29_dez_2008 http://issuu.com/leovaz/docs/ihgm-30 http://issuu.com/leovaz/docs/ihgm_31_novembro_2009 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm__32_-_mar_o_2010 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_33_-_junho_2010 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_34_-_setembro_2010 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_35_-_dezembro_2010b http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm_36_-_mar_o_2011b http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm_37_-_junho_2011 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm_38_-_setembro_2011 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm_39_-_dezembro_2011b http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm_40_-_mar_o_2012 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm_41_-_junho__2012

“PLANO EDITORIAL DO IHGM”

1

“I – O Plano Editorial do IHGM é destinado, exclusivamente para os seus associados, no sentido de: a) Defender e velar o patrimônio histórico e cultural do Maranhão; b) Estimular o estudo e cooperar na publicação prioritariamente, de questões sobre História, Geografia e Ciências afins referentes ao Brasil e, especialmente, ao Maranhão; c) Cooperar com os Poderes Públicos nas medidas que visem ao engrandecimento científico e cultural do Maranhão. II – O Plano Editorial usará o seu órgão especial – a REVISTA – para as publicações trimestrais de trabalhos previamente selecionados. III – Os Associados poderão usar o PLANO EDITORIAL nas publicações de outros gêneros como romances, peças teatrais, ensaios, críticas, versos, novelas, crônicas, contos e monografias, quando os referidos assuntos forem previamente escolhidos em concursos e promoções realizadas pelo IHGM. IV – Será estabelecido premio anunciado com antecipação, além de medalha de ‘honra ao mérito’, apoio e cobertura da solenidade de lançamentos da obra. V - As inscrições serão feitas de 1o. a 15 do primeiro mês de cada trimestre, com apresentação de original inédito, titulo da obra do nome do autor. VI – A Diretoria do IHGM designará anualmente por portaria três (3) membros de seu quadro de sócios efetivos com três (3) suplentes para comporem a Comissão de Leitura, sendo o julgamento por votação com parecer escrito considerado irrevogável. Os suplentes serão, automaticamente, convocados pela ordem, quando houver impedimento de quaisquer dos membros efetivos da mencionada Comissão. VII – Os casos omissos serão decididos de comum acordo pela Diretoria do IHGM e pela Comissão de Leitura e, em ultima Instancia pela Assembléia Geral do IHGM. São Luís, 05 de outubro de 1984 JOSÉ RIBAMAR SEGUINS Presidente do IHGM.

1

SEGUINS, José de Ribamar. Plano Editorial do IHGM. In Rev. IHGM, São Luís, ano LIX, n. 07, dezembro de 1984, p. 83-84

SUMÁRIO PLANO EDITORIAL DO IHGM SUMÁRIO

LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ APRESENTAÇÃO Diretoria – Gestão 2012/2014 PLANO 21 DA GESTÃO Pe. ANTONIO VIEIRA PARA O BIÊNIO 2012-2014 CALENDÁRIO DE EVENTOS PARA 2012 AGENDAMENTO DO CICLO DE PALESTRAS PARA 2012 POSSES

TELMA BONIFACIO DOS SANTOS REINALDO DISCURSO DE POSSE DA GESTÃO PE. ANTONIO VIEIRA NO DIA 01 DE AGOSTO DE 2012 OSVALDO PEREIRA ROCHA ASSEMBLEIA GERAL DE POSSE NO IHGM JOSEMAR RAPOSO POSSE DO PROFESSOR RAIMUNDO NONATO PALHANO NA CADEIRA DE Nº 39 RAIMUNDO PALHANO ELOGIO AO PATRONO - SABBAS DA COSTA E AS CIRCUNSTÂNCIAS DA HISTÓRIA SOCIAL DO MARANHÃO ANTONIO NOBERTO DISCURSO EM RECEPÇÃO A JOSÉ JORGE LEITE SOARES QUE OCUPARÁ A CADEIRA DE Nº 34, PATRONEADA POR WILSON DA SILVA SOARES, NO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO JOSÉ JORGE LEITE SOARES DISCURSO DE POSSE NA CADEIRA DE NO. 34, PATRONEADA POR WILSON DA SILVA SOARES EM 20 DE SETEMBRO DE 2012 EDOMIR MARTINS DE OLIVEIRA DISCURSO EM RECEPÇÃO A SOFIANE LABIDI NO IHGM SOFIANE LABIDI DISCURSO DE POSSE NA CADEIRA N. 13, PATRONEADA POR RAIMUNDO JOSÉ DE SOUZA GAYOSO LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ APRESENTAÇÃO DE ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA, NOVO OCUPANTE DA CADEIRA 10, PATRONEADA PELO PADRE JOSÉ DE MORAES, em 26 de setembro de 2012 ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA DISCURSO DE POSSE NA CADEIRA NÚMERO 10, PATRONEADA POR JOSÉ XAVIER DE MORAES DA FONSECA PINTO - Padre Jesuíta José de Morais (1708-1777[?]) ARTHUR ALMADA LIMA FILHO DISCURSO DE POSSE NO IHGM

4 5 10 13 14 15 15 16 16 20 21

25

38

43 47 51

55

64

69

IHGM NA MÍDIA

TELMA BONIFACIO DOS SANTOS REINALDO CONVITE DA COMPANHIA VALE DO RIO DOCE AO IHGM PARA APRESENTAR TRABALHO A RESPEITO DAS COMEMORAÇÕES DOS 400 ANOS DE SÃO LUÍS MARDEN RAMALHO PROGRAMA 'EDUCAÇÃO É NOTÍCIA' RECEBE O PROFESSOR EUGES LIMA, DIRETOR DE CULTURA DO SINPROESEMMA E VICE PRESIDENTE DO IHGM LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ Apresentação do Livro: PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA EM IMPERATRIZ-MA – seus personagens e sua trajetória de 1973 a 2010, de MOISES CHARLES FERREIRA DOS SANTOS, Editora Ética, 2012. ÁLVARO URUBATAN MELO ALCANTARENSES DEPOIS SÃO-BENTUENSES – II ANTONIO NOBERTO ESTIVERAM NA FRANÇA EQUINOCIAL E / OU NOS SEUS ANTECEDENTES NATALINO SALGADO FILHO DIVERSIDADE LOCAL COMO SOLUÇÃO GLOBAL NATALINO SALGADO FILHO SBPC 2012: UM CENÁRIO DE MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES AYMORÉ ALVIM AS ESTEARIAS DO ENCANTADO ALDY MELLO RESUMO DE LIVRO: O ENCONTRO JOAQUIM NAGIB HAICKEL A INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA DO MARANHÃO TELMA BONIFACIO DOS SANTOS REINALDO QUEM QUER DOIS PERDE UM – COM OS PÉS NA ARGENTINA E A CABEÇA NO BRASIL AYMORÉ DE CASTRO ALVIM OS BABAÇUAIS DE PINHEIRO OSVALDO PEREIRA ROCHA ADESG NO MARANHÃO MANOEL SANTOS NETO ALDY MELLO MANDA NOTÍCIAS DO TÚNEL DO TEMPO JOAQUIM HAICKEL CONTOS, CRÔNICAS, POEMAS & OUTRAS PALAVRAS LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ O MÚLTIPLO JOAQUIM HAICKEL NATALINO SALGADO FILHO O LEGADO DE RENATO ARCHER E A SBPC 2012

77 78

79

80

82 84 86 88 90 92 93 95 97 99 100 104 106 109

AYMORÉ DE CASTRO ALVIM DE LONDRES AO RIO DE JANEIRO

111

ANA LUIZA ALMEIDA FERRO CONVITE AO PASSADO DE SÃO LUÍS

113

OSVALDO PEREIRA ROCHA ADVOGADO TEM O TÍTULO DE DOUTOR ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA O PASSADO DEVE SERVIR PARA ALGUMA COISA ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA TRIUNFO DO ESPÍRITO FESTIVO ÁLVARO URUBATAN MELO CÔNEGO GREGÓRIO LUÍS DE BARROS - UM SANTO. OSVALDO PEREIRA ROCHA 20 DE AGOSTO - DIA DO MAÇOM ANA LUIZA ALMEIDA FERRO LANÇAMENTO DO LIVRO: O NÁUFRAGO E A LINHA DO HORIZONTE: POESIAS LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ Apresentação dos Anais do 24º ENAREL – ENCONTRO NACIONAL DE RECREAÇÃO E LAZER: “LAZER E DIVERSIDADE CULTURAL” São Luís, MA - 28 a 31 de agosto de 2012 ÁLVARO URUBATAN MELO OS FRUTOS DOS CAMPOS DE SÃO BENTO OSVALDO PEREIRA ROCHA 25 DE AGOSTO – FATOS HISTÓRICOS JOAQUIM HAICKEL MEIA NOITE EM SÃO LUÍS JOAQUIM HAICKEL MEU AMIGO ROBERTO DUAILIBE CASSAS GOMES ANA LUIZA ALMEIDA FERRO WILSON PIRES FERRO SÃO LUÍS, HERDEIRA DA FRANÇA EQUINOCIAL ANTONIO NOBERTO OS ARTÍFICES E OS DONOS DA FESTA ANTONIO NOBERTO A Exposição “FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE” e os quatro séculos da profecia do amor ANA LUIZA ALMEIDA FERRO O FUNDADOR ESQUECIDO ANA LUIZA ALMEIDA FERRO CONVITE AO PASSADO DE SÃO LUÍS ESPECIAL SOBRE OS 400 ANOS DE SÃO LUÍS CRISTINA ROMANELLI PRESENTE DE GREGO NATALINO SALGADO FILHO SÃO LUÍS: AS HOMENAGENS CONTINUAM SAMARTONY MARTINS VIDA MISSIONÁRIA DE PADRE BRANDT É CONTADA EM LIVRO JOAQUIM HAICKEL SAUDADE DE ANTONIO LOBO NATALINO SALGADO FILHO TURISMO E HOTELARIA NO CONTEXTO DAS CIDADES CRIATIVAS

115 117 120 122 124 125

126

130 132 133 135 137 141 143 145 147 149 150 153 155 157 159

NATALINO SALGADO FILHO ENSINO A DISTÂNCIA REVOLUCIONA A EDUCAÇÃO NO MUNDO ÁLVARO URUBATAN MELO VICTOR LOBATO, O REVOLUCIONÁRIO CLENIA DE JESUS PEREIRA DOS SANTOS O MULTICULTURALISMO E A ESCOLA JOSEMAR RAPOSO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO – IHGM – 80 ANOS COLETÂNEAS DO CICLO DE ESTUDOS/DEBATES A CIDADE DO MARANHÃO – UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS ANTONIO NOBERTO “FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE” - UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS PALÁCIO CRISTO REI RECEBE A EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE ESPETÁCULO FRANÇA EQUINOCIAL ENCANTA PÚBLICO NA ABERTURA DE EXPOSIÇÃO NO MEMORIAL CRISTO REI EDOMIR MARTINS DE OLIVEIRA CANTO À CIDADE DE SÃO LUIS – MA PELOS SEUS 400 ANOS. CLAUBER PEREIRA LIMA SÃO LUIS DO MARANHÃO EM SEUS 400 ANOS DE FUNDAÇÃO: ENTRE SONHOS, RUPTURAS E ASSIMILAÇÕES E O FAMOSO PECUAPÁ. ALDY MELO COLONIZAÇÃO: da vontade do rei à fidelidade dos colonizadores LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ QUEM HABITAVA UÇAGUABA/MIGANVILLE? LUCIEN PROVENÇAL LES FRANÇAIS AU BRESIL, LA RAVARDIERE ET LA FRANCE EQUINOXIALE (1612 -1615) JOAQUIM COSTA DE SOUZA FILHO O MITO DA “FUNDAÇÃO FRANCESA" DE SÃO LUÍS ALBERTO PEREIRA MARTINS JÚNIOR UM PRÍNCIPE IRLANDÊS NAS TERRAS DO ITAPECURU ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA A FUNDAÇÃO MÍTICA DE SÃO LUÍS ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA E ADRIANA CAJADO COSTA MITO, IDEOLOGIA, SONHO E O ENIGMA DOS 400 ANOS. JOÃO DIAS REZENDE FILHO SÃO LUÍS, REI DE FRANÇA. ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA TRIUNFO DO ESPÍRITO FESTIVO EUGES SILVA DE LIMA PROJETO FRANÇA EQUINOCIAL: A TENTATIVA FRANCESA DE COLONIZAÇÃO DO MARANHÃO NO SÉCULO XVII

161 163 165 177

184 191 193 195

199

213 221 235 250 256 260 262 264 267 269

EUGES SILVA DE LIMA CATÓLICOS E HUGUENOTES: diversidade religiosa e duplicidade 272 de comando na França Equinocial SEMINÁRIO 4 – SÃO LUÍS FOI FUNDADA POR FRANCESES Conferencia Magna: JOSÉ CLAUDIO PAVÃO SANTANA "AS LEIS FUNDAMENTAIS DO MARANHÃO: DENSIDADE JURÍDICA 279 E VALOR CONSTITUINTE. A CONTRIBUIÇÃO DA FRANÇA EQUINOCIAL AO CONSTITUCIONALISMO AMERICANO". ANTONIO NOBERTO A FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS, O DNA DA CONTESTAÇÃO E 286 OPORTUNIDADES MARIA APARECIDA C. M. SANTOS HORÁCIO DE FIGUEIREDO LIMA NETO A ELABORAÇÃO DO DISCURSO DO MITO DA ATENAS 305 BRASILEIRA PELO GRUPO MARANHENSE E A FORMAÇÃO DOS NOVOS ATENIENSES JOSSILENE LOUZEIRO ALVES INCLUSÃO E LAZER PARA TODOS: conhecendo Centro Histórico 309 São Luis SEMINÁRIO 5 – SÃO LUÍS NÃO FOI FUNDADA POR FRANCESES Conferencia Magna: RAFAEL AGUIAR 316 A CONSTRUÇÃO DO MITO DA FUNDAÇÃO FRANCESA DA CIDADE DE SÃO LUÍS: Uma Análise Historiográfica EUGES LIMA 330 A FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS: mitos e historiografia JOYCE OLIVEIRA PEREIRA DANIEL BRUNO DE JESUS FERREIRA 340 O MARANHÃO DOS NEERLANDESES: Discursos e causas da conquista de 1641 SEMINÁRIO 6 - SÃO LUÍS FOI FUNDADA POR QUEM? – CONCLUSÕES POSSÍVEIS Conferencia Magna: ANA LUIZA ALMEIDA FERRO 352 A FUNDAÇÃO DA CIDADE DE SÃO LUÍS: fatos e mitos ALEXANDRE FERNANDES CORREA A FUNDAÇÃO MÍTICA DE CIDADES: Elementos para a ritanálise da 386 Bigfesta dos 400 anos de São Luís. OSVALDO PEREIRA ROCHA 392 LANÇAMENTOS DE LIVROS NO PALÁCIO CRISTO REI IV ENCONTRO GONÇALVINO DILERCY ADLER IV ENCONTO GONÇALVINO - SÃO LUIS – 05 DE SETEMBRO DE 406 2012 DILERCY ARAGÃO ADLER 414 AGRADECIMENTO À EPFA - MIL POEMAS PARA GONÇALVES DIAS

APRESENTAÇÃO Mais um ciclo se encerrou 28 de julho último, com a posse – dia 1º de agosto – da nova Gestão da Profa. Dra. Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo. A nova gestão pretende retomar a questão do Estatuto Social, adequando-o aos novos tempos e à legislação pertinente, e em consequência, finalmente, a elaboração do Regimento Interno. Buscar soluções para a acessibilidade, com a instalação do elevador, e a desobstrução da rua. A colocação de placas nos logradouros nas proximidades da nossa sede, com a indicação da localização do IHGM, por se tratar de um local de pesquisa e interesse de pesquisadores locais e de outros estados, bem como de importância turística. Buscar meios, parcerias, financiamentos que garantam a publicação em papel da Revista do IHGM; assim como a organização do acervo da Biblioteca; a reforma do auditório; reorganizar a galeria de fotos dos fundadores dando destaque ao Patrono Antônio Lopes; a galeria de fotos dos ex-presidentes do IHGM; a pintura externa de todo o prédio. Instituir uma Comissão para organizar o aniversário de 90 anos do IHGM, com a criação de uma comenda do IHGM para agraciar instituições e pessoas que se destacam nos estudos históricos, geográficos e afins, bem como na pesquisa e produção da História do Maranhão; confecção de um broche com o símbolo do IHGM; Manter as palestras dos sócios efetivos com possibilidade de estendê-las a convidados locais com trabalhos produzidos na área de História, Geografia ou áreas afins. Discutir e entrar com a ação de reintegração de posse do prédio... Enfim, esses os planos da nova gestão. Oxalá se realize. Esperamos dar continuidade à periodicidade da Revista do IHGM, finalmente mantida nas duas ultimas gestões – com a Profa. Eneida Vieira da Silva Canedo. Realizamos os três últimos seminários do ciclo de estudos e debates “A Cidade do Maranhão: uma História de 400 anos”, quando contamos com o posicionamento de diversos sócios. Parece-nos que prevalece a tese de São Luis ser, efetivamente, “‘de fundação francesa”. As contribuições dos sócios – apresentadas nos três números dedicados aos Seminários dizem muito da importância dessa discussão. Fatos novos, e novas leituras, vieram à baila, num trabalho de ‘arqueologia literária’, esclarecendo alguns aspectos, aprofundando outros e – alvíssaras – confirmando aquilo que de há muito vínhamos pregando: Vinhais Velho efetivamente é o berço do Maranhão... O Antonio Noberto – junto com a Clores Holanda e a Joana Bittencourt coadjuvando - brindou-nos com uma magnífica exposição sobre a França Equinocial; sob a chancela do IHGM... Continuamos com o replicar das matérias publicadas por nossos sócios nos diversos jornais da cidade do Maranhão, e nos blogs mantidos em diversos veículos – IHGM na Mídia -; denota a contribuição do IHGM na disseminação da memória e da história do Maranhão. Contrariando certos comentários de algumas pessoas que se

perguntam qual a contribuição do IHGM. Aí está, e em grande número, aparecendo em diversos veículos semanalmente. Difícil é dar conta de tantas contribuições, em tantas áreas distintas. O IHGM está vivo!!! Juntamos todos os trabalhos apresentados nesses últimos dois anos, sob a temática dos 400 anos de fundação de São Luis; trabalhos publicados na mídia, em nossa Revista do IHGM, e apresentados nos Seminários – seis, no total – e das Palestras mensais havidas em nosso soldalício. Cerca de 900 páginas. Esperamos publicar essa “Coletâneas do Seminário ‘A Cidade do Maranhão – uma História de 400 anos”. O que não podemos deixar de registrar são o descaso e o desconhecimento das nossas autoridades – e as Comissões de 400 anos criadas – da existência de uma entidade como o IHGM. Fomos, ao longo desses três últimos anos, consultados se poderáimos integrar essas diversas comissões – Estado, Prefeitura, Assembléia, UFMA, para ficarmos nas oficiais; aceito o convite, ficamos aguardando sua formalização, que não ocorreu. Apenas um ou outro portavoz do convite demonstraram insatisfação e incompreensão da não-formalização do convite... Ficamos por isso – convidado e depois desconvidado; não sabemos – aliás, sabemos, sim! o motivo desse agir... Mas independente de participar, ou não, dessas Comissões - que afinal não fizeram nada, mesmo, o IHGM deu sua resposta e realizou aquilo a que se propôs. Não houve divulgação por parte de nossas Midias, embora toda semana, e em algumas ocasiões, durante a semana, enviassemos um ‘press-realise’ a todos os jornais, TVs, e jornalistas. A exceção de um ou outro, em algumas raras ocasiões, publicaram o que se estava fazendo... Boicote? Nunca saberemos... O que, para nós que fazemos o IHGM, nada significa; apenas para que fique registrado, esse ‘desabafo’, pois foi muito o trabalho em selecionar os expositores, os contatos, os arranjos, o planejamento, e enfim, a realização do evento. O registro em nossa Revista, a organização da Coletânea... Fizemos nosso papel. E vamos continuar... pois com o diz o adágio popular, a caravana passa... Afinal, o IHGM nesses 87 anos de existência tem sobrevivido graças à teimosia de seus sócios. Pela primeira vez, em seus quase 90 anos de existência, terá seu quadro social – 60 cadeiras ocupadas. Finalmente!!! Esperamos que, com esse número, o IHGM possa contribuir, ainda mais, com o resgate da memória e da história, da geografia, e das ciências afins, para o futuro do Maranhão. Como diz meu amigo, ex-professor da UFMA, Dr. Pereira: oremos!

LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ Editor da presente Edição

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO Fundado em 20 de novembro de 1925, registrado no Conselho Nacional de Serviço Social sob no. 80.578/75, de 14 de setembro de 1955 Reconhecido de Utilidade Pública pela Lei Estadual no. 1.256, de 07 de abril de 1926 Reconhecido de Utilidade Pública pela Lei Municipal no. 3.508, de junho de 1996 Cartório Cantuária Azevedo – Registro Civil de Pessoas Jurídicas – reg. no. 180, registro em microfilme no. 31063, São Luís, 23 de agosto de 2007 GESTÃO 2012/2014

CHAPA: Pe. ANTONIO VIEIRA DIRETORIA

Presidente: Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo Vice-Presidente: Euges Silva de Lima 1ª. Secretaria: Clores Holanda da Silva 2º. Secretario: Antonio José Noberto da Silva 1º. Tesoureiro: Dilercy Aragão Adler 2º. Tesoureiro: Aymoré Castro Alvim Diretor de Patrimônio: Álvaro Urubatan Melo Diretor de Divulgação: Manoel Santos Neto Conselho Fiscal Titulares : Raul Eduardo de Canedo Vieira da Silva Maria Esterlina Melo Pereira José Ribamar Fernandes Suplentes: Paulo Sérgio Castro Osvaldo Pereira Rocha Pereira Iva Souza da Silva

PLANO 21 DA GESTÃO Pe. ANTONIO VIEIRA PARA O BIÊNIO 2012-2014 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9.

Reelaborar o Estatuto atual para atualiza-lo frente às novas demandas sociais; Elaborar o Regimento Interno; Buscar soluções para a acessibilidade enquanto direito de todo cidadão/cidadã; Garantir meios para publicação em papel da Revista do IHGM; Climatização e organização do acervo da Biblioteca do IHGM; Elaboração de projeto para reforma do auditório através da captação de apoio e patrocínio; Instituir e reorganizar a galeria de fotos dos fundadores dando destaque ao Patrono Antônio Lopes; Escolher uma comissão par pensar e organizar o aniversário de 90 anos do IHGM; Convocar reunião com os confrades promotores e advogados para discutir e se informar acerca da ação de reintegração de posse do prédio;

10. Solicitar junto a Prefeitura a colocação de Placas nos logradouros nas proximidades da nossa sede , com a indicação da localização do IHGM, por se tratar de um local de pesquisa e interesse de pesquisadores locais e de outros estados, bem como de importância turística; 11. Instituir uma galeria de fotos dos ex-presidentes do IHGM; 12. Negociar com órgãos competentes incluindo a IBIS que ocupa este prédio no andar térreo a pintura externa de todo o prédio; 13. Colocação de placa com as siglas do IHGM na platibanda do lado da Rua Grande para identificação da instituição; 14. Pensar na extensão do funcionamento para tempo integral; 15. Criar uniforme padronizado para funcionário; 16. Reorganizar a galeria de fotos dos atuais membros, de forma que tenha uma visão estética mais destacada; 17. Confecção de um novo folder institucional; 18. Criação de uma comenda do IHGM para agraciar instituições e pessoas que se destacam nos estudos históricos, geográficos e afins, bem como na pesquisa e produção da História do Maranhão; 19.Confecção de um broche com o símbolo do IHGM; 20. Organizar pelo menos trimestralmente um “café da manhã ou um chá das 5” para oportunizar o convívio entre os sócios e seus familiares. 21. Manter as palestras dos sócios efetivos com possibilidade de estendê-las a convidados locais com trabalhos produzidos na área de História, Geografia ou áreas afins. São Luís Ilha do Maranhão em 01 de agosto de 2012 – ano dos 400 anos TELMA BONIFÁCIO DOS SANTOS REINALDO (Presidente) EUGES DA SILVA LIMA (Vice-Presidente)

CALENDÁRIO DE EVENTOS PARA 2012 1. Reuniões de Diretoria – Hora: início 16:30 horas 2. Ciclo de Palestras – 19:00 horas 3. Assembléia Geral Ordinária - Hora: início 16:30horas

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

10 24 31 07

Reunião de Diretoria CICLO DE PALESTRAS ASSEMBLÉIA GERAL Reunião de Diretoria

20

ASSEMBLÉIA GERAL

28

CICLO DE PALESTRAS

03

ASSEMBLÉIA GERAL

12 20

Reunião de Diretoria CICLO DE PALESTRAS

Washington Cantanhede

TERÇA-FEIRA Aniversário do IHGM Elisabeth Rodrigues SEGUNDA-FEIRA – Aniversário do IHGM Confraternização Natalina Revista 43

AGENDAMENTO DO CICLO DE PALESTRAS PARA 2012 MES

DATA

OUTUBRO

24

NOVEMBRO

28

DEZEMBRO

20

AGENDAMENTO Expositor: WASHINGTON CANTANHEDE Tema/Título: A contribuição do Programa Memória do Ministério Público do Maranhão para a historiografia Expositor: ELISABETH RODRIGUES Tema/Título Expositor: Tema/Título

DISCURSO DE POSSE DA GESTÃO PE. ANTONIO VIEIRA PROFERIDO PELA PRESIDENTE PROFA. TELMA BONIFACIO DOS SANTOS REINALDO NO DIA 01 DE AGOSTO DE 2012

Meus Caros Confrades e Confreiras presentes e ausentes nesse recinto; Caros Familiares de nossos confrades e confreiras; Convidados em Geral Meu muito obrigado por terem atendido ao nosso convite nesse dia memorável Senhoras e Senhores É com júbilo inenarrável que comungo com todos e todas nesse 01 de agosto de 2012, ano dos 400 anos de fundação de nossa São Luís Ilha do Maranhão, nesse momento em que somos reconduzidos a mais um biênio de gestão juntamente com alguns membros de nosso staff da gestão anterior e mais alguns a que vem substituir aos que não quiseram continuar nessa jornada de mediar os rumos do IHGM. Esta foi uma experiência impar, prazerosa e ao mesmo tempo espinhosa, mas como nos legou o velho Marx, é do conflito entre os contrários que se gesta a síntese e esta são aqui representadas pelas nossas ações rotineiras em busca da preservação, da pesquisa e da produção da historia e da geografia de nosso estado do Maranhão como nos ensinou o nosso fundador Antônio Lopes. Nesse momento quero congratular-me com todos e todas pelos feitos positivos e pedir desculpas pelos não feitos, pois como todo ser humano têm falhas, e assim não poderíamos ser 100% bons, mas tentamos ser o melhor possível nesses dois anos que se foram e é por isso que em nosso Plano de Ação denominado 21- por ter esse numero traduzido em pontos focais para esse biênio - nos propomos resgatar os quatro pontos não atendidos na gestão anterior e mais alguns importantes e outros não tão importantes, mas que contribuíram para melhorar a nossa convivência nesse sodalício. Convivência essa que para nós deverá se pautar na concórdia, seriedade, justiça e paz a fim de que as dificuldades que certamente sempre iremos nos defrontar sejam como injeções de animo, vontade de acertar e prazer em fazer a historia e a geografia maranhense. Se conforme a vontade de nossos sócios fundadores somos imortais que essa imortalidade seja como a da mitologia grega, onde Hades é a figura de um deus, irmão de Zeus e Poseidón, que é o rei do mundo das sombras, aquele que dominava o

mundo subterrâneo para onde se dirigiam as almas dos mortos quando estas separavamse dos corpos. Hades ajudou a destronar o poder absoluto do pai, Cronos, dividindo com Zeus o domínio do mundo. A Zeus coube o reino dos céus e da terra, a Poseidón todos os mares e a Hades, as profundezas terrestres. Ao se separarem dos corpos, as almas, ao chegarem ao Hades, ainda seriam julgadas, sendo as piores delas destinadas a vagar pelo Tártaro (o pior lugar do Hades), e as boas almas destinadas aos Campos Elíseos, “lugar de temperatura amena, suaves brisas e constante felicidade”. (Coleção Mitologia Grega – Volume Primeiro – Abril Cultural, 2ª Ed. 1976). Aqueles que realmente acreditam nesse mito deverão dedicar suas vidas ao bem e preocupar-se em ocuparem um bom lugar no Hades, estes sim são imortais, pois suas boas ações os imortalizam. Parodiando a lenda grega vejo o IHGM como os Campos Elíseos, lugar mais agradável do Hades, de temperatura amena em antítese ao sol causticante do nosso verão, de suaves brisas, mesmo que seja com a ajuda dos springs de alguma multinacional, mas de constante felicidade por contribuir para a preservação da memória histórica do nosso país, do nosso estado e de nossa São Luís quatrocentona. Contamos com todos os Confrades e Confreiras nessa travessia, pois como nos disse Guimarães Rosa o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia e gostaríamos de encerrar dizendo que o mais importante e bonito, do mundo, é que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando. (Guimarães Rosa). Muito Obrigada!

Profa. Eneida empossa a nova diretoria

Promotora Ana Luiza e Reitor da UEMA, JosĂŠ Augusto Oliveira

Vice pres. Euges Lima e Pres. Telma Bonifácio.

Prof. Aymoré Alvim e Prof. Aldy Mello, ex-reitor da UFMA.

ASSEMBLEIA GERAL DE POSSE NO IHGM OSVALDO PEREIRA ROCHA Aconteceu na tarde noite de 01 de agosto de 2012, Assembleia Geral Extraordinária no Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM, sob a presidência de sua presidente, Professora Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo e presentes os confrades e as confreiras que assinaram a respectiva lista, no livro próprio, em número legal, nos termos estatutários. Sua pauta constou de apreciação do Parecer do Conselho Fiscal, favorável à aprovação das contas da Diretoria, referentes ao exercício de 2011; posse da Diretoria e do Conselho Fiscal, eleitos para o biênio 2012/2014, em sua grande maioria reeleita, como é o caso da Presidente Telma e deste articulista, que foi reconduzido para o cargo de membro suplente do Conselho Fiscal do citado sodalício. Fizeram uso da palavra, na oportunidade, a confreira Eneida Vieira da Silva Ostria de Canedo, ex-presidente do IHGM, saudando a nova diretoria e o novo conselho fiscal, que convidou para a mesa diretora dos trabalhos todos os eleitos e enalteceu o trabalho de alguns confrades e confreiras, citando nominalmente este articulista que, segundo ela, muito tem colaborado com as administrações do Instituto em alusão e, ao final, declarou empossados os membros da diretoria e do conselho fiscal em referência. A Presidente Telma Andrade, que agradeceu a confiança em si depositada e em seus companheiros de diretoria e declarou que envidará todos os esforços para cumprir os planos de metas, apresentadas quando da eleição, sendo vivamente aplaudida. Em seguida, foi servido um excelente coquetel. A foto anexa diz um pouco mais do que foi o supracitado evento histórico e geográfico maranhense.

POSSE DO PROFESSOR RAIMUNDO NONATO PALHANO NA CADEIRA DE Nº 39 JOSEMAR RAPOSO Professora Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo - Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão - IHGM Apresentação do Empossando Raimundo Nonato Palhano Silva nasceu na cidade Caxias em 30 de agosto de 1947, primeiro filho do casal Aracy Moura Palhano Silva natural de Codó e Pedro Nunes da Silva Vianense, ambos falecidos. Ela a sempre mãe dedicada à família e as atividades do lar. Ele ativo agente comercial, à época vendia mercadorias diversas, em várias cidades do interior maranhense, eram então os bravos caxeiros viajantes - os transportes rodo-ferroviário eram irregulares e limitados. Pelo lado materno descendente da família Palhano importantes exportadores de algodão e arroz, na cidade de Codó - segunda metade do século XIX. Esta conceituada família formou médicos e engenheiros onde atuaram no estado do Maranhão e fora dele, sobretudo em obras públicas na área da engenharia e do transporte ferroviário. Dessa união nasceu seu único filho irmão Ruy Palhano Silva, renomado médico psiquiatra, professor da Universidade Federal do Maranhão, Membro do Conselho Regional de Medicina, do Conselho Nacional Antidrogas, Academia Caxiense de Letras, e Ex Presidente da Academia Maranhense de Medicina. Sua tia mais velha Nair Palhano Barros irmã da mãe do empossando, a matriarca da família. Este sólido núcleo da familiar durou até o fim da vida das duas irmãs. Nair foi casada com o comerciante Ezíquio Barros, sobrinho do Ex Governador Eugênio Barros e mãe de Ezíquio Barros Filho, médico e político foi Presidente da União Maranhense de Estudantes, Diretor da União Nacional dos Estudantes - UNE, além dos mandatos de Vereador, Vice Prefeito e Prefeito Municipal da cidade de Caxias. Em 1954 sua família transferiu-se para São Luís a fim de oferecer melhores condições de educação para suas crianças. Este fato aconteceu graças ao estímulo do engenheiro e arquiteto Romeu Rosendo de Souza casado com Ezinair Barros de Souza filha de Nair e Carlos Alberto Duarte Ramos. Foi da conjugação desta circunstância familiar que Raimundo Palhano obteve a maternidade e a “inspiração humana para traçar sua caminhada pessoal, profissional e social, que culmina com a sua eleição para Sócio Efetivo do Instituto Histórico e Geográfico – IHGM, em agosto de 2012”. O início dessa grande jornada aconteceu na cidade de Caxias, sua terra natal. Aos sete anos de idade muda para a cidade de São Luís, por decisão dos seus familiares. “Indagado sobre o que representou para sua vida, não hesita em considerá-la uma das mais saborosas páginas de sua existência, pois, até hoje, guarda lembranças inesquecíveis que o acompanharam para sempre”. Ainda sobre sua terra natal: “Enche-se de emoção ao relembrar a magia que era o Largo de São Benedito, defronte de sua casa, palco de brincadeiras e fantasias e da incomparável Festa em homenagem àquele Santo, que atraia para o lugar toda a população caxiense no mês de agosto e, principalmente, pelas canoinhas, carrosséis e

trens fantasmas dos parques de diversão que eram instalados no período dos festejos”. Foi nesta época que manteve os primeiros contatos com o mundo da escola, suas professoras e colegas de turma. O jardim de infância o fez no grupo Escolar Gonçalves Dias, em sua terra natal, e as quatro séries iniciais do primário na Escola Modelo, nesta capital. Em 1961 ingressa no Colégio Maranhense onde concluiu o ginasial e iniciou o científico, finalizando-o em 1967, na Moderna Associação Brasileira de Ensino no Rio de Janeiro. Nesta cidade maravilhosa engaja-se em movimentos estudantis e pertenceu à Frente Unida dos Estudantes do Calabouço – FUEC*. Retorna para São Luís em 1968 e 1969 é aprovado para as Faculdades de Direito e de Economia, optando pelo Curso de Ciências Econômicas. *Falando em Calabouço seu padrinho, neste sodalício, não resistiu aos inesquecíveis fatos e momentos, por ele vividos naquele famoso calabouço, popularmente conhecido como BIFE DE OURO, no período 1956/64, quer na condição de Presidente do Centro dos Estudantes Maranhense do Rio de Janeiro – CEM e de Presidente do Diretório Acadêmico da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ. Síntese Curricular Nome: Raimundo Nonato Palhano Silva Endereço: Rua 39, Quadra 30, Edifício Portobello, Apto. 602 – Ponta D’Areia – São Luís-MA / CEP 65.077-370 Filiação: Pedro Nunes e Silva e Aracy Moura Palhano Silva Nascimento: 30/08/1947 – Caxias – MA Formação Profissional e Acadêmica - Mestre em História, concentração em História Econômica da Urbanização e Industrialização, pela Universidade Federal Fluminense /RJ; - Graduação em Economia pela UFMA; - Especialização em Economia do Setor Público – Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP; - Aperfeiçoamento em Sociedade e Política no Brasil Contemporânea – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, IUPERT; - Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES; -Diretor Estadual da Associação Nacional de Política e Administração da Educação; -Membro da Comissão Organizadora local da 47º Reunião Anual da SBPC; - Membro da Comissão Fiscal do SEBRAE-MA; - Presidente do Conselho Regional de Economia da 15º Região – MA; -Membro do Conselho Deliberativo da Escola de Gestão Pública do Maranhão; - Diretor Superintendente da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais; - Titular do Grupo de Trabalho para o Planejamento Urbano de São Luís;

-Chefe da Assessoria Técnica da Superintendência de Urbanismo e Planejamento da Prefeitura de São Luis; -Titular do Conselho Municipal de Saúde de Caxias-MA; Titular do Conselho Municipal de Assistência Social de Caxias-MA; - Chefe do Núcleo de Pesquisas do Departamento de Economia da UFMA; - Coordenador do Núcleo de Estudos Latino-Americano da UFMA; - Membro Titular do Conselho Universitário da UFMA; - Membro Titular do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFMA; - Membro Titular da Associação Nacional dos Pró-Reitores de Planejamento e Administração; - Diretor Acadêmico – Escola de Governantes do Estado do MA; - Presidente do Instituto do Homem – São Luís – MA; - Diretor Acadêmico da Faculdade Candido Mendes do Maranhão – FACEM; -Secretario de Educação do Município de Caxias; - Conselheiro Titular do Conselho Municipal de Assistência Social de Caxias – MA; - Membro titular do Fórum Nacional dos Pró–Reitores de Planejamento e Administração – FORPLAN -Professor aposentado da UFMA; Presidente do Instituto Maranhense de estudos socioeconômicos e cartográficos; Titular da Academia Caxiense de Letras; Instituto de Cidadão de São Luís – Câmara Regional de São Luís. -Aprovado em Concurso Publico Federal para o Cargo de Técnico em Assuntos Educacionais do MEC; Ingressou no Magistério Publico Federal também por Concurso Público. Pesquisa e Extensão Desde 1991 vem realizando pesquisas com destaque para as áreas de: - Historia do Brasil – República; - Política Publica; - Política e Planejamento Governamentais; - Economia Regional e Urbana; - Administração Educacional; -Planejamento e Avaliação Educacional; Produção Técnica Científica - Vários livros publicados além de inúmeros artigos em jornais e periódicos. Seu vasto Currículo já se encontra nos arquivos deste SODALÍCIO para consultas bibliográficas, a quem interessar posse.

Títulos Honoríficos Possui vários títulos honoríficos dentre estes “Cidadão Ludoviscence – Câmara Municipal de São Luís”; Também homenageado, como Patrono ou Paraninfo concludente dos Cursos da UFMA;

ELOGIO AO PATRONO: SABBAS DA COSTA E AS CIRCUNSTÂNCIAS DA HISTÓRIA SOCIAL DO MARANHÃO

RAIMUNDO PALHANO Ao tomar posse no IHGM, em 27/08/2012, como Titular da Cadeira 39 Exma. Sra. Presidente do IHGM, Dra. Telma Bonifácio Reinaldo, Senhoras e Senhores membros da mesa, Senhoras e Senhores, Estimadas e Estimados Confreiras e Confrades, Queridas e queridos familiares e amigos, os quais saúdo em nome de Aracy, amada esposa e companheira de 35 de anos de renascimentos, a quem dedico este discurso de posse, juntamente às minhas filhas Raissa, Alessia e Evelyn, orgulhos da minha vida; ao meu queridíssimo irmão Ruy, em quem me inspiro o tempo todo; e às minhas netinhas e netinho, em nome da Princesa Mariana, de quem sou súdito e aluno atento. A cerimônia inaugural solicita do novo sócio, em seu discurso de posse, pelo menos a evidenciação de dois requisitos básicos: realizar, com o melhor dos fôlegos, o elogio ao Patrono, cuja cadeira ocupará ao ser empossado; e explicitar o seu agradecimento pela distinção, na forma de como pretende colaborar para o desenvolvimento do Sodalício. Para atender a tais requisitos é necessário perscrutar a vida e a obra do Patrono, no caso Francisco Gaudêncio Sabbas da Costa, de preferência nas suas mais variadas latitudes e circunstâncias humanas, dentro dos limites inerentes a uma solenidade de posse acadêmica. Proclamo, de imediato, a minha alegria, desvanecimento e honra de passar a integrar o IHGM. Unir-se a uma Agremiação que fará em 20 de novembro próximo 87 anos de existência reconhecida na história cultural maranhense é uma honra muito grande, sobretudo pelo expressivo repertório de feitos em favor do conhecimento científico, nos campos da História e da Geografia do Maranhão.

Em seu Estatuto estão presentes os compromissos com a Memória e com a História do Maranhão e do País. No primeiro plano, a guarda de acervos documentais, a preservação do patrimônio histórico e cultural e a divulgação do esforço feito pelo Instituto para o cumprimento de sua missão. No segundo, o lugar da História, expresso nos desafios de conhecer e traduzir a dinâmica da formação social maranhense, suas especificidades, peculiaridades e complexidades desafiadoras. A CONTRIBUIÇÃO INTELECTUAL DE SABBAS DA COSTA. O elogio ao Patrono procurarei fazê-lo de forma refletida, sobretudo empenhado em estabelecer um diálogo respeitoso e crítico com o legado deixado como herança por Francisco Gaudêncio Sabbas da Costa, pouco conhecido das gerações atuais, patrono da Cadeira 39, que agora, com muita honra e responsabilidade, passo a ocupar. Motiva-me, sobretudo o desejo de situar historicamente a sua contribuição intelectual no contexto maranhense e, em especial, a sua relevância intrínseca, nas dimensões em que teve atuação destacada, principalmente no jornalismo e na literatura, nesta última atuando como cronista, romancista, dramaturgo e crítico teatral. Nascido em São Luís, no dia 25 de novembro do ano de 1829, e aqui falecido, em outubro de 1874, o escritor não teve vida longa, tendo perecido ainda jovem, aos 45 anos. Sobre a sua genealogia e biografia pessoal apresento um rápido perfil, começando pelo fato conhecido de ter desposado a soprano italiana Margarida Pinelli Sachero, prima-donna da Companhia Lírica Marinangelli, da Itália. Nessa época, meados do século XIX, vinham da Europa para São Luís muitas companhias líricas, óperas, entre outras, com seus sopranos, prima-donnas e barítonos. Margarida era casada com Melchior Sachero, tenor italiano que faleceu em Belém, vítima de febre amarela, após temporada em São Luís, cidade onde Margarida conhecera Sabbas e fizera amizades, vindo então ali se radicar em decorrência do matrimônio com o teatrólogo maranhense. Sabe-se pouco sobre a trajetória profissional de Sabbas da Costa, além de suas atividades artísticas nas áreas da literatura e do jornalismo. Outro fato conhecido é que foi conferente nas Alfândegas de São Luís e Belém e que pertencera ao tronco familiar do português João Gualberto da Costa, conforme César Marques. Nascido em Lisboa em 1793, de ascendência nobre, João Gualberto instalou a primeira fábrica a vapor, de beneficiar arroz, no Maranhão, em 1817, denominada Feliz Empresa. Gualberto é considerado o primeiro industrial “adiantado” do Maranhão. Em 1848 o seu irmão Francisco Gaudêncio da Costa entra para sócio do empreendimento. Outra atividade de Sabbas da Costa, no campo empresarial, refere-se à sua participação em Exposições mercantis. É conhecido o fato de o Maranhão ter se destacado na realização de Exposições. As primeiras Exposições Universais foram as de Londres(1851 e 1862) e Paris(1855 e 1867). A Exposição do Maranhão realizou-se em 1871, denominada Festa Popular do Trabalho. O Patrono figura como um dos promotores da Exposição maranhense. A primeira Exposição Nacional só viria a acontecer em 1896. Sabbas integrou o primeiro Grupo Maranhense, cujo recorte temporal correspondeu ao período de 1832-1868, tendo o Romantismo como princípio estético. Dele fizeram parte os principais ícones da nova elite cultural local: Gonçalves Dias, Odorico Mendes, João Lisboa, Sotero dos Reis, Trajano Galvão, Belarmino de Matos,

Sousândrade, Gentil Braga, Gomes de Sousa, Henriques Leal, César Marques, Candido Mendes, entre outros. Os Grupos iniciais tinham como características o fato de boa parte de seus representantes terem estudado fora. No país; em Salvador, Recife e Olinda e, na Europa; especialmente, em Lisboa, Coimbra, Paris e Londres, por isso tendo também, por bom tempo, os referidos representantes morado fora da Província. Fez parte, como posto em evidência, do mais expressivo ciclo literário e cultural do Maranhão, responsável pela constituição de uma plêiade de homens de letras e intelectuais sem similar em sua história social, independentemente do valor que se possa atribuir ao legado deixado como herança. Levantamentos, ainda incompletos, sobre a produção intelectual de Sabbas da Costa revelam as seguintes obras, tidas como as principais de sua lavra: (1)Francisco II ou a Liberdade na Itália, drama em 5 atos, 1861(1881); (2)Pedro V ou o Moço Velho, drama em 5 atos, 1862; (3)A Buena-Dicha, comédia em 2 atos, prólogo e epílogo, 1862; (4)O Escritor Público, comédia em 1 ato, 1862; (5)Garibaldi ou o seu Primeiro Amor(6)O Barão de Oyapock, drama em 3 atos e prólogo, 1863; (7)Beckman, drama histórico em 7 atos, 1866; (8)Anjo do Mal, drama, 1867; (9)Os Bacharéis, comédia em 3 atos, 1870; (10)O Amor Fatal, (11)Rosina, romance; (12)Revolta, romance histórico; (13)Os Amigos, romance, em 25 capítulos; (14)Jovita, novela, em 3 capítulos; (15)Jacy A Lenda Maranhense, esboço de romance, em 14 capítulos. Outras obras publicadas em jornais da época também podem ser destacadas: (a)O Encontro; (b)Teatro de São Luís; (c)Como Nasce o Amor; (d)Simão Oceano; (e)A Madrugada; (f)Maria do Coração de Jesus; (g)O Baile; (h)O Dote; (i)O Adeus; (j)Não Brinques; (k)Sinfrônio; (l)O Homem do Mal; e (m)Encontro de Ronda com a Justiça; entre as que foram possível mapear. A produção literária de sua autoria mais conhecida destaca as obras Jacy, a respeito do extermínio de índios e suas lutas contra os opressores, principalmente os proprietários rurais; o romance Jovita, sobre uma jovem cearense que se inscreve no antigo Batalhão dos Voluntários do Piauí; o romance Os Amigos, que alguns também classificam como crônicas, nas quais aborda a situação do comércio, das casas de alimentação, suas leituras preferidas e aspectos da vida cultural maranhense. O drama Francisco II foi impresso em 1861, pela Tipografia Frias, uma das mais importantes da Província. Já no ano seguinte, Sabbas publica o drama D. Pedro V ou o Moço Velho. Em seguida, edita também duas outras obras, as comédias Escritor Público e A Buena-Dicha. Alguns anos depois, a Tipografia de Belarmino de Matos imprime duas de sua peças, no caso Barão do Oyapock e Garibaldi ou o seu Primeiro Amor. Barão do Oyapock trata dos conflitos de um homem de baixa condição social, que enriquece graças a um assassinato, roubos e outros crimes. Conseguiu ascender posições na escala social sem, contudo, introjetar em seu caráter sentimentos superiores. O seu filho, em razão disso, vivia em permanente tormento. Toda a ação gira em torno de um juiz corrupto e de um escravo revoltado que consegue envenenar o Barão. Os detalhes da descrição dos fatos levaram a critica da época, em tom irônico, a lamentar que o Autor não se tivesse filiado à escola Realista, então muito em evidência, dada a crueza da narrativa. Foi colaborador em A Casca da Caneleira, figurando, sob o pseudônimo de Golodron de Bivac, como um dos onze autores da obra, em 13 capítulos, todos os

autores vinculados à escola Romântica, que também recorreram a pseudônimos. Tratase de uma novela coletiva maranhense, ou, para os autores, uma escrita para puro divertimento, um passatempo literário. Joaquim Serra e Gentil Braga, figuras respeitadas como folhetinistas, escreveram sob os pseudônimos de Pietro de Castellamares e Flávio Reimar, respectivamente. Boa parte da obra do Patrono foi publicada pelo Semanário Maranhense, periódico que, nos seus 54 números, divulgou a cultura maranhense, tendo como colaboradores quadros como Antonio Henriques Leal, Celso Magalhães, César Marques, Gentil Homem Almeida Braga, Joaquim Sousândrade, Joaquim Serra, Pedro Nunes Leal, Teófilo Dias, e outros tantos, todos notabilizados pela contribuição literária e cultural deixada para a posteridade. Para parte da crítica Sabbas foi um dos primeiros a introduzir o interesse pela literatura folhetinesca, como vinha acontecendo no Rio de Janeiro. Por isso, alguns epígonos o classificam como o fundador da novelística na Província, pois os outros prosadores de ficção virão somente após ele, sendo Gonçalves Dias a única exceção, posto que desde 1842 trabalhava na produção da sua Memórias de Agapito. Não há, todavia consenso sobre isso. Críticos há que não enxergam em Sabbas tal pioneirismo, pois consideram menor o valor de sua obra literária no aludido gênero. O romance Os Amigos, com 25 capítulos e a novela Jovita, com apenas 3 capítulos, são as obras que levaram Sabbas à condição de fundador da novelística e do folhetim na Província. Publicou novelas, folhetins e história do Teatro São Luís, mesmo dividindo opiniões entre os que apreciavam a sua arte e os que não o faziam. O drama de sua autoria Anjo do Mal foi elogiado por Joaquim Serra. Quem escrevia peças então eram Joaquim Serra, Gentil Homem, Celso Magalhães, Euclides Faria, Artur e Aluísio Azevedo, João Afonso Nascimento. Isto em meados do século XIX. Deve-se destacar, por oportuno, que Sabbas da Costa era também um dos que escreviam no Jornal de Timon(1852-1855), de João Francisco Lisboa, publicado pela Tipografia de Belarmino de Matos. A marca destacada de sua biografia intelectual liga-se ao teatro. Foi um dos precursores do teatro maranhense, antes de Artur Azevedo. Sua obra, no campo da dramaturgia, é das mais copiosas, incluindo-se aqui o seu trabalho de crítico teatral e animador cultural. Percebe-se no Autor uma peculiar identificação com a dramaturgia grega, pois seus textos parecem nitidamente escritos para serem representados por atores. Drama é uma palavra grega que significa ação, representação da ação. Tanto na tragédia, na comédia, no melodrama ou na farsa, para os gregos clássicos, o centro da ação é o conflito. Sua obra não escapa dessa influência. Os dramas produzidos por Sabbas ajudaram a reforçar a predileção local por peças altamente dramáticas e fortemente sentimentais. Nos meios culturais locais, em especial no ambiente teatral, vivia-se o apogeu do Melodrama, começando pelo romantismo de fundo burguês. Convém lembrar que até 1847 os jornais eram omissos em assuntos de arte e dramaturgia: se limitavam a temas políticos e a publicação de atos governamentais. A partir da segunda metade dos anos mil e oitocentos a situação já estava completamente mudada. Espetáculos teatrais de caráter lúdico-religioso, sacro, comédias despontam no cenário artístico.

CONTRIBUIÇÃO DO PATRONO À CULTURA MARANHENSE É pertinente a afirmação de que o mundo intelectual e literário maranhense no século XIX deveu muito aos periódicos e ao parque gráfico existente. Permitiram o escoamento da produção literária da Província, muitas de padrão discutível, diga-se, estimulada pela riqueza material de suas elites sociais e econômicas, e pelo investimento feito no refinamento educacional de seus descendentes. Convém destacar que até 1870 no Maranhão e no Brasil de um modo geral, o livro ainda não era o meio mais eficaz de difusão da cultura letrada. Os valores do processo civilizatório e a inculcação de tradições locais dependiam fortemente dos jornais e periódicos locais. Percebe-se assim que o modelo literário maranhense decorreu da fusão do jornalismo, principalmente político, com as letras e seus profissionais. Um jornalismo voltado para o cultivo das belas letras, sempre destacando a distinção cultural da Província. Colocava à disposição dos leitores contos, novelas, artigos historiográficos e econômicos, estes mais raramente; poemas, crônicas, crítica literária, preleções, cursos, entre outros. Traziam à luz a literatura e as ideias que circulavam, sobretudo em Portugal e na Europa. Deles emergiram o gosto literário, artístico e cultural-científico, além da simpatia pelo mundanismo. Não eram apenas espaços para o debate de questões políticas. Os periódicos maranhenses tentaram de toda maneira produzir um discurso de exaltação da inteligência local, na perspectiva de tornar-se contribuinte destacado no processo de construção da identidade e da cultura nacional, a partir da distinção cultural da Província. Além disso, outras variantes devem ser levadas em conta na definição desse pano de fundo histórico. No plano da formação social, o Maranhão do século XIX era heteronômico, recebendo de outrem as leis e procedimentos a serem seguidos; e exogênico, sendo uma sociedade originada e dependente de fatores externos. A exogenia não se limitava apenas à dependência ao mundo exterior. Do exterior provinham também as ideias com as quais se abastecia, traço este ainda presente na cultura local. Essa situação se agravava mais ainda pela instabilidade política. Ao longo dos 48 anos que vão de 1841 a 1889 estiveram à frente do governo, entre governadores e vices, quase cem mandatários. Vivia-se nitidamente o processo de construção de uma nova ordem social e política. Estavam em franca germinação as novas instituições sociais e políticas, associadas à constituição de uma nova camada dirigente e seus valores instituintes. Francisco Gaudêncio Sabbas da Costa e sua obra são produtos dessas circunstâncias materiais e subjetivas. Os aspectos constitutivos da ideologia dominante estão presentes em seus dramas, novelas, folhetins, crônicas e críticas teatrais. Em todas prevalecem a visão de mundo das elites, a pura e simples transposição da ideia do romantismo e do parnasianismo como alternativas à industrialização europeia; o naturalismo, o realismo. Em todos os lugares de sua contribuição a forte e fluente presença de uma construção intelectual e literária baseada, flagrantemente, na importação ideológica e cultural. Esse traço não diminui ou distingue a contribuição intelectual de Sabbas. Era comum no ambiente cultural e literário da época, sendo poucos aqueles que de fato erigiram um obra própria e diferenciada. O que interessa vai além de tudo isso: é qualificar em sua obra as linhas de contribuição para a formação social do Maranhão e para as instituições culturais gestadas. No caso específico de Sabbas destaca-se,

sobretudo a sua contribuição no campo das artes e das letras, muito mais que na área de interesse do Instituto Histórico e Geográfico, ou seja, os campos dos estudos e dos conhecimentos científicos propriamente ditos. Em seu afamado livro Sessenta Anos de Jornalismo, 2ª Edição, publicado em 1883 por Faro e Lino Editores, no Rio de Janeiro, Joaquim Serra destaca as principais virtudes de Sabbas da Costa. No capítulo sobre o ano de 1860 evidencia a contribuição do Autor no periódico Marmotinha, de José Mathias Alves Serrão. Um periódico de variedades que publicava artigos amenos, jocosos, crônicas locais e poesia. Serra, um jornalista rigoroso para os padrões existentes, descreve Sabbas como um infatigável trabalhador da cultura e das letras, colaborador assíduo de vários jornais e periódicos, nos quais se dedicava especialmente à crítica teatral, sem esquecer-se de destacar os romances que publicava em folhetins e depois em livros. Como bom agitador cultural e infatigável trabalhador das letras que o era, Sabbas nunca foi considerado, todavia uma unanimidade pela crítica. Em sua expressão maior, a crítica destaca como uma das mais consistentes contribuições de Sabbas o romance Os Amigos. Mesmo permanecendo a dúvida quanto ao valor literário da obra, destaca a sua importância pelas informações que reúne sobre a sociedade maranhense à época, sendo apontado como um vigoroso retrato da vida maranhense no século XIX, no que também se presta, possivelmente, para legitimar a condição de Patrono de uma cadeira no IHGM. Para escrever com mais segurança e conhecimento de causa o presente Elogio procurei também ler o máximo que pude partes da obra acessível do Autor, com o objetivo de formar um juízo mais pessoal sobre a mesma. Em Jacy, por exemplo, é claramente perceptível o seu propósito em mostrar que era “brasileiro” e que escrevia sobre o que seria a “cor maranhense”, ou seja, sobre as especificidades do que é inteiramente local. Um texto plenamente ufanista sobre o Maranhão e o Brasil, no qual se encantava com a imensidão de uma natureza santa e imaculada. Em sua narrativa a Província do Maranhão nada mais era do que “uma terra majestosa, sublime e amena...um prodigioso recanto do Brasil”. Em muitos dos seus textos é marcante o grau de detalhamento que emprega em suas narrativas. Em obras dramáticas, os conflitos são trabalhados com extremada minucia. O estatuto da escravidão e a visão do colonizador não são criticados explicitamente; ao contrário, são constantemente legitimados na composição dos tipos que formam a sua literatura. O poder do Senhorio reina absoluto e é tratado com naturalidade. O detalhamento dos conflitos contribuem muito para que se tenha uma visão precisa dos costumes, juízos de valor e preconceitos presentes na sociedade inclusiva. O dilema de Sabbas e de toda a sua geração, fonte primária do semióforo inventado de um Maranhão culto como os gregos clássicos, é não terem dado conta das questões que cindiam a sociedade maranhense oitocentista. Alheios a essas questões, atravessadas longitudinalmente pela tirania deprimente da escravidão de negros africanos, habitavam olimpos e parnasos imaginários, completamente distantes das pulsações de uma formação social em mutação e desconstrução. Foram poucos os que perceberam esse processo e se lançaram na ousadia de imaginar uma formação maranhense que pusesse fim às hetenomias e exogenias originais. As vozes de João Lisboa e Joaquim Serra foram fracas frente à algazarra dos

poetas do Olimpo. Mesmo a grandiosa plêiade de notáveis de então, como Dias, Odorico, Lisboa, Sotero, Souzandrade na literatura e Gomes de Souza e Custódio Serrão nas ciências, não farão a ruptura com os mecanismos de invasão cultural e importação ideológica. Fragmentos do reacionarismo não desaparecerão facilmente, assim como a predominância de recorrências filosóficas flagrantemente piegas não deixarão de existir, provavelmente fatores retardatários da introdução modernista no Maranhão contemporâneo, inviabilizadoras do desabrochar local de um 1922 maranhense que não houve. As visões estéticas presentes no legado e no acervo cultural erudito maranhense ainda hoje suscitam dúvidas quanto à autenticidade “nacional” e contextual. EM QUE ESPERO CONTRIBUIR. Almejo corresponder à generosidade de terem me escolhido para compor os quadros desta Casa. Cheguei aqui por obra do acaso, ao ser convidado a queima roupa pelo Professor Josemar Raposo, em evento literário, nos pátios do Palácio Cristo Rei, relacionado ao lançamento de obra autoral de Aldy Mello de Araújo, agora confrade. Generosidade que prossegue e se expande no acolhimento da Presidente Telma Bonifácio Reinaldo aos pareceres favoráveis das confreiras Dilercy Adler e Madalena Neves, conhecidas por terem corações bem maiores que o permitido, projetados finalmente na homologação das ilustradas e ilustrados confreiras e confrades que atualmente dão vida a esta valorosa Instituição. Confesso o grande esforço que fiz para, em menos de seis meses, conhecer e me apresentar a Sabbas da Costa. Tomaram-me quase o tempo todo para que produzisse essa pequena homenagem, restando assim quase nenhum tempo para os encômios a Luís Alfredo Neto Guterres Soares, primeiro ocupante da Cadeira 39, na condição de sócio honorário, a mesma que passo a assumir agora, como fundador, decorrência da condição de Sócio Efetivo. Prometo também saldar essa dívida mais adiante, pois se trata de um estudioso da cultura e da realidade maranhense de grande valor, não cabendo assim quaisquer apreciações aligeiradas. O precocemente esquecido Olavo Correia Lima, um polemista nato, afirmava que a história maranhense era uma das mais descuradas do Brasil. Achava que dela pouco caso se fazia. A ideia do maranhense culto decorre de um mito deliberadamente inventado, no bojo de uma suposta ancestralidade francesa. A luta contra um passado imemorial que ainda hoje serve para reforçar mitos e estereótipos não deve ser descurada jamais, cabendo a este Instituto um papel proeminente nesse enfrentamento. Por força do descaso inexplicável do Maranhão com a sua história pensa-se, de modo geral, que se trata de um processo histórico linear. O desprezo com o patrimônio arqueológico pré-colonial é indescritível. Existem escavações no Maranhão que remontam a nove mil anos. Há um patrimônio arqueológico e antropológico précolonial da Ilha e demais territórios que precisa ser pesquisado e traduzido amplamente. É mais do que urgente que se incentivem releituras da historia maranhense, sendo imprescindíveis para tanto a força de instituições vivas como universidades, institutos de pesquisa e de Institutos como o nosso. No surpreendente torrão maranhense gestouse um fenômeno extraordinário, que ainda hoje continua pedido para ser revirado de cabeça para baixo e passado a limpo: como foi possível, em uma sociedade de

analfabetos e excluídos, se implantar um “Olimpo intelectual” com bagagem tão vasta, sofisticada e variada? Provavelmente a explicação da egossintonia que ainda hoje predomina na sociedade tenha origem nesse paradoxo secular. Por que a maioria aceita passivamente as desigualdades sociais, a falta de educação, a falta de ética, a falta de equidade? Como se explica uma Atenas indiferente ante o que foi a maior das infâmias da história nacional: o genocídio de milhões de índios e de negros africanos torturados e escravizados? Precisam-se construir novas subjetividades democráticas para uma melhor adequação ao mundo da diversidade que hoje impera. Não é mais possível repetir a façanha histórica ocorrida no período oitocentista de se erigir uma cultura tida como superior, pela erudição dos seus agentes, deixando de fora os dois principais temas do século XIX: a abolição e a democracia. Com toda a certeza, desse fato é possível encontrar as raízes históricas do atraso política, pois essa realidade produziu, entre outras coisas, um eleitorado incapacitado ao exercício do seu papel político, realidade ainda não superada, pois, ainda hoje, continua assombrando a sociedade atual. No diálogo que foi mantido com Francisco Gaudêncio Sabbas da Costa, percebeuse facilmente que em sua obra e na de seus contemporâneos, faltou um olhar atento para perceber as distinções entre o processo de invasão cultural e o processo de transmissão cultural. O esforço de Sabbas em demonstrar que era brasileiro e que seus personagens refletiam a cultura local denotam isso. O Maranhão era português, demorou a aderir à independência e tinha em São Luís uma influente colônia lusitana, que controlava a economia, por meio do comércio. Esses vínculos orgânicos não se romperam com a Independência facilmente. Os habitantes da Província não passavam de meros espectadores do suposto mundo civilizado, sobretudo em relação à Europa e Portugal. O fenômeno da “portugalização” foi determinante no Maranhão. Orgulhavam-se as elites, em pleno final do século XIX, de terem sido colonizadas por europeus. Um despautério, na visão de alguns. São Luís nunca perdeu a condição de “arrabalde da américa”, e o Maranhão sempre foi uma “rochela de Portugal”, expressões de Antonio Vieira cunhada em meados do século XVII. Por isso é forte a figura do redentorismo no Maranhão. A atemporalidade da história do Maranhão sempre foi a forma preferida da narrativa dos dominantes. É uma história “para sempre”. Para seus cultuadores, a melhor forma de preservar a memória maranhense é encher o Maranhão de estátuas. Ainda hoje as interpretações sobre a história do Maranhão continuam atreladas a esse pretensioso pensamento intelectual. Era secundário o interesse em buscar entender as condições do espaço social maranhense e os seus desafios. Diante dessas reflexões finais surgem-me à frente as palavras amargas e, ao mesmo tempo, verdadeiras e esperançosas de Eduardo Galeano a respeito da América Latina: “somos caricaturas de modos de vida que nos impuseram e impõem de fora”. Nessa mesma linha, interpretando o Brasil e os seus dilemas, Milton Santos afirmava, com muita propriedade: “ainda não descobrimos as formas de pensar a partir do nosso modo de ser”. Todos os que formam esta Casa sabem e conhecem melhor do que eu os dilemas e desafios aqui levantados. Espero fazer parte dessa constelação e oferecer o melhor do meu trabalho.

Uma última palavra, antes de encerrar e agradecer pela resignação com que me ouviram. Acredito firmemente, inspirando-me em Hanna Arendt, que não nascemos apenas para morrer. Nascemos para recomeçar. Sei também, conforme o célebre poemaepitáfio de Jorge Luis Borges, que desde o nascimento “já somos a ausência que seremos”. O que não sei ainda é se seremos capazes de mudar o destino. Continuo acreditando, apesar de tudo. Arlete Machado, em momento de sublime inspiração, descreveu São Luís como uma ilha que se desfaz em salitre. Espero, do mais profundo dos meus sentimentos, que essa ameaça cruel não atinja os corações e mentes daqueles que lutam pela reinvenção das bases constitutivas da história maranhense, afastando para bem longe a ferrugem que decompôs as representações sobre o passado do Maranhão, mas que ainda hoje sobrevivem como caricaturas assustadoras em nossa realidade. Muito obrigado!

POSSE DE JOSÉ JORGE LEITE SOARES E SOFIANI LABIDI

DISCURSO EM RECEPÇÃO A JOSÉ JORGE LEITE SOARES QUE OCUPARÁ A CADEIRA DE Nº 34, PATRONEADA POR WILSON DA SILVA SOARES, NO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO

ANTONIO NOBERTO Excelentíssima Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, Senhora Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo, em nome de quem cumprimento a mesa e demais autoridades. Caros confrades, caras confreiras; familiares, amigos e colegas de trabalho de José Jorge Leite Soares; companheiros e companheiras da Aliança Francesa de São Luís, fotógrafos, funcionários desta casa, amigos (as). Demais presentes, boa noite! Com o vosso beneplácito inicio este discurso fazendo um breve e justo elogio aos nossos confrades e nossas confreiras deste Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM, Instituição fundada há quase noventa anos por homens que conheciam profundamente a história e o tempo em que viviam e, por conta disto, souberam empreender e realizar em benefício da sociedade. Nossa Casa é formada por homens e mulheres de reconhecida contribuição acadêmico-literária. Em seus quadros encontramos escritores dedicados às mais diversas áreas do conhecimento e não somente ao estudo da história e da geografia do Maranhão. Temos muitos pares que, de tão idosos, andam com dificuldade, mas tem em comum o zelo, o respeito, a dedicação e o amor às letras e à vida acadêmico-literária. O ator Antonio Fagundes certa vez, sabiamente, disse que “a sociedade ocidental não se preparou para a velhice e nem para a morte”. Quando me deparo com cada confrade, cada confreira questiono-me sobre o que podemos fazer para que tanto conhecimento e dedicação pelas letras possa ter o mínimo de reconhecimento por parte da sociedade. Acredito que cada um de nós deste sodalício faz a mesma pergunta. Fica

aqui, portanto, a singela homenagem e reconhecimento de toda a diretoria deste Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão àqueles (as) que há tantos anos contribuem com esta Instituição cultural e com a promoção da cultura do estado do Maranhão. O DIPLOMATA Um dia nublado de junho. A barba bem feita, bigode alinhado, perfume discreto, um blazer claro com listras azuis verticais, um chapéu Panamá e um livro à mão direita, ele caminhava elegante e tranquilamente pelas ruas da Praia Grande. Sorrisos e saudações generosas aos conhecidos, abraços nos amigos e nos mais chegados. Aperto de mão a um feirante que o reconheceu em meio a tantos transeuntes. Era José Jorge, que, não obstante aos compromissos, apreciava as belezas do pomposo acervo colonial ludovicense. Não estava lá a negócio, bem que poderia, mas desta vez não. Apenas contemplava o Maranhão novecentista. Talvez visualizando aquele lugar repleto de pessoas, homens bem apresentados, sinhás, escravos conduzindo sinhazinhas nos palanquins. Todos com suas virtudes e defeitos, transitando com as roupas da época: saias rodadas talares, leques, fraques, sobrecasacas, chapéus, bengalas e jornal debaixo do braço. A final, quem vive a frente do seu tempo também tem a capacidade de visualizar e até viver os tempos anteriores, ainda que a regressão seja de cem anos ou mais. Foi este, confreiras e confrades, senhoras e senhores, o quadro que imaginei e visualizei do nosso empossando. Foi por entender que sua trajetória é uma obra de arte, que me decidi a este exórdio novelesco. Nada mais justo. A final, falamos de uma grande alma, que pelo conhecimento, disciplina e sensibilidade acumulados, consegue transcender tempos e épocas. O que lhe permitiu ser essa pessoa de valor, sábia e atenciosa. Um gentleman, cultivador de boas amizades, um homem circundado pelo poder. Por certo, já leu os manuais que preparam um cortesão de sucesso. Um diplomata na essência. Não é por acaso que galgou por duas vezes a glória do parlamento Estadual e foi secretário de estado por três vezes. Mas quem conhece apenas o José Jorge Leite Soares, diplomata, homem público e cônsul, está perdendo o melhor da festa. Nossos avôs diziam que “vida boa é a vida do vizinho”, e o dito se enquadra muito bem à história dele, pois quem o vê no auge do sucesso pode imaginar que o mundo sempre lhe sorriu ou que ele nasceu com alguma parte do corpo virada para o céu. Ledo engano! Nosso noviço sócio, como quase todos os vencedores, também teve seu “vale da sombra da morte”, pois Deus, que a tudo e a todos perscruta, na sua imensa sabedoria, não deixou de colocar à prova o jovem Zé Jorge. Hoje ele não gosta muito de ovo frito, o famoso “bife do olhão”, pois, ainda na adolescência, em Brasília, foi morar na casa de um parente. E como as coisas lá não iam muito bem, o magro cardápio sempre contava com o popular produto da galinha. Na verdade havia uma criativa variação: quando não era ovo frito ou cozido, era ovo mexido. Dormia em um cubículo, a cama tinha que desmontar pela manhã. Restava-lhe, então, mirar o alvo, o estudo, o futuro. A fé, companheira inseparável, a convicção daquilo que imaginava e desejava para si, juntava-se à esperança de dias melhores. Além delas, servia como ópio para fugir, ainda que por breves momentos, das dores daquela estrangeirice, escassez e solidão, as boas e revigorantes lembranças daqueles dias mágicos na Princesa da Baixada. Uma infância saudável, repleta de amigos, coleguinhas com quem dividiu o melhor da vida. Impagável caminhar de pés descalços, descompromissado. Como era boa a vida vagabunda!

Foi a provinciana cidade de Pinheiro, na Baixada Maranhense, belo lugar de muitos alagados repletos de peixes, caças e aves, o berço do pequeno Zé Jorge. No bairro da Matriz, seu real lugar de nascimento, lembra com olhar saudoso daquela mesa de seis lugares, que lhe parecia gigante. Gostava de brincar e se esconder debaixo dela. Tinha apenas seis anos de idade. Das muitas imagens inesquecíveis, muito vivas até, relata-nos aquele período farto, o amontoado de melancias no Porto do rio Pericumã. Melancias que o pai cortava ao meio, cavava e depois fazia barquinhos. Ah, como era bom! Com a irmã, Ana Lourdes, ou com os amiguinhos brincava com carrinhos de madeira. Brincava na burra, o galamarte, aquele brinquedo formado por duas peças de madeira bruta. Uma enfiada ao chão sustentava outra que girava sobre a primeira. Com uma criança de cada lado, a burra girava até deixar seus brincantes tontos. Entre os muitos amigos de infância está o conhecido delegado Nordman Ribeiro. Lembra ainda de outras estripulias, como pular de galho em galho e outras atividades que proporcionavam plena sensação de liberdade! No futebol, nunca foi um Neymar, mas era “secura” (e quem nunca foi?). Debaixo do sol ardente do meio-dia jogava muita bola (não sei se em quantidade ou qualidade). A Curacanga, “a mulher com cabeça de fogo” era algo temido, pois os adultos gostavam de botar medo nas crianças. E quem quiser saber mais sobre esta lenda que permeia o imaginário da Baixada é só adquirir a excelente obra do José Jorge, lançada recentemente, inclusive, prefaciada pelo consagrado Mário Prata. Voltemos à infância... O pai, Orleans Mendes Soares, o Seu Orlico, era homem simples, foi carregador, era fumante e muito amigo de José Sarney. Cartesiano, sempre muito controlado para o lado de dinheiro. A mãe, Dona Diana Leite, era mulher ativa e virtuosa, de muitos predicados: costurava, fazia bolos, participava de blocos de carnaval. Fundou o bloco “Lá vem elas”. Hoje está com 84 anos de idade. Se hoje Zé Jorge compreende bem a finitude da vida material e, por conta disto, empreende e realiza, deve isso a ela, pois foi quem o ensinou a viver a vida. O pai do senador Sarney, desembargador Sarney Costa, é primo do Chico Leite, avô de Zé Jorge. Chico Leite estudou no Ceará e se tornou advogado. Os pais foram grandes incentivadores nos estudos do pequeno Zé Jorge, sendo os padres italianos decisivos no seu processo educativo. O Frei José Preciosa, por exemplo, foi quem o encaminhou para a área técnica, para a engenharia. A adolescência foi marcada pela mudança brusca de endereço. Não foi fácil sair da segurança dos pais na pacata Pinheiro para morar em São Paulo, onde iniciou o nível médio na Makenzie. Mas logo no início veio para Brasília, lá chegando, aos 14 anos, no período de efervescência política provocado pelo Golpe de 1964. O apego aos estudos rendeu-lhe a maior alegria, quando viu seu nome na lista dos aprovados para o curso de Engenharia Mecânica na UNB, isto aos 17 anos. Passou em 13º lugar. No ano seguinte, aos 18, corrigiu a timidez, quando se tornou professor de física no colégio chamado Elefante Branco. Só retorna ao Maranhão em 1986. A POLÍTICA Nunca teve um forte viés político, foi incentivado pelas circunstâncias, em especial, pelo avô, Chico Leite, que era político de esquerda e fazia reuniões secretas em casa. Zé Jorge nunca pensou entrar na política. Foram os amigos que o levaram a sair candidato a prefeito em Pinheiro. Mesmo sem conhecer muito bem os ciclos de São

Luís foi candidato e se elegeu duas vezes a deputado estadual no Maranhão, depois suplente quando assumiu parte do mandato. Foi um verdadeiro sucesso, julgando que ele nunca havia freqüentado o ciclo político da capital maranhense, vez que saiu direto de Pinheiro para o eixo centro-sul. Somado a isto tem a decepção do seu primeiro discurso na CEMAR. Um mico! Pois, na ocasião, nervoso, repetidas vezes chamou de Teixeira o colega Fonseca. O que provocou muitas gargalhadas dos presentes. Nosso recepcionado tem o dom de transitar bem nas diversas linhas políticas. Possui uma rede de relacionamento muito boa, seja no meio político, acadêmico ou artístico. Seu curriculum é extenso e avalizador deste bom trânsito. O lado diplomata veio da boa criação dos pais e a influência dos padres. As três virtudes: o equilíbrio, o bom trânsito e a diplomacia, no entanto, são legados creditados em maior parte ao pai. José Jorge é um sommelier de mão cheia. Conhece tudo de vinho. No início do ano eu fobava à mesa dizendo que em maio, na França, me hospedaria na vinícola de um amigo, que havia me convidado para tomar um gostoso vinho Beaujolais. Zé Jorge, fazendo jus a fama de diplomata, baixou minha bola e me explicou que um Beaujolais é um vinho simples, não era uma Brastemp. Observou, no entanto, talvez para me consolar, que existem alguns bons Beaujolais. Mas o paladar do nosso amigo vai muito além das bebidas. Na cozinha é um mestre cuca, um verdadeiro chef de cuisine. Cada prato que prepara é um show. Neste sodalício vai disputar o primeiro lugar com o confrade Joaquim Haickel. Tais dotes revelam apuramento e refinamento do nosso homenageado. CURRÍCULO EXTENSO No mínimo invejável a trajetória de José Jorge Leite Soares. Um currículo que não deixa dúvida da dedicação, labor, vitória e sucesso do nosso cônsul honorário e agora confrade. Graduado em Dezembro de 1972 no Curso de Engenharia Mecânica pela Universidade de Brasília. Especializou-se no campo de conservação de energia, atuando como consultor do Instituto Brasileiro do Petróleo, do Conselho Nacional do Petróleo, do CEBRAE – Centro Brasileiro de Apoio a Pequena e Média Empresa e do CEAG – Centro de Assistência Gerencial do Estado do Rio de Janeiro. Exerceu atividades docentes nas Universidades Estadual do Maranhão, Federal de Pernambuco, Petróleo Brasileiro S/A – PETROBRÁS, Instituto Brasileiro do Petróleo-IBP e NTT/UFRJ – Núcleo de Treinamento Tecnológico. Foi executivo da Empresa Multinacional (Spirax Sarco), Diretor de Operações da Empresa Concessionária de Energia Elétrica (CEMAR). Na educação, entre outros, graduou-se pela Universidade de Brasília no curso de Engenharia Mecânica (1968-1972). Fez especialização na área de conservação de energia: Department of Energy. London-England, 1981; Spirax Sarco. CheltehamEngland, 1981; Nova Scotia Power Plant. Hallifax-Canadá, 1988; Energy Management Course. Fabrimetal-CIFoP. Brussels-Belgium, October and November-1989. Participou de cursos promovidos pela Dale Carnegie Training (The Leader In You, Leadership Training for Managers and Strategic Presentations Workshop), em São Luís-Maranhão (2000 e 2001). Entre 2003 e 2004 fez MBA em Gestão de Serviços Públicos. Fundação Getúlio Vargas/ISAN. São Luís-Maranhão. Foi professor da Faculdade de Engenharia Mecânica-UEMA, Disciplina Tempos e Movimentos e Instalações Industriais. Período de 1974/1975 e 1987/1989; Coordenador

do Curso de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual do Maranhão. 1974/1975; Professor Auxiliar de Ensino da Universidade Federal de Pernambuco, Disciplina Instalações Industriais. 1977/1978; Palestrante do Instituto Brasileiro do Petróleo, Cursos de Distribuição de Vapor, Conservação de Energia e Distribuição de Ar Comprimido. 1979/1986; Professor contratado pela PETROBRÁS – CEMPES, Cursos CEMANT 1979 e 1980, Curso CIM 1980, e Curso CENTO 1984, 1985 e 1986; Consultor contratado pela CORPORACION ESTATAL EQUATORIANA PETROLERA-CEPE, para ministrar curso realizado em Guayaquil-Equador, em Setembro de 1982; Consultor Técnico na área de conservação de energia pelo CEAG/CEBRAE-RJ. 1982/1986. Entre os muitos empregos, foi chefe do Departamento de Manutenção e Transporte da Cemar, Engenheiro Chefe da Manutenção do Hospital Presidente Dutra, Engenheiro e Gerente Regional da Spirax Sarco, Diretor de Operações e Diretor de Planejamento e Relações Institucionais da CEMAR. Na literatura, publicou Lugar das Águas (Pinheiro 1956/2006) - 2006 Coisas de Antanho (Coletânia de artigos de Josias de Abreu publicados no Jornal Cidade de Pinheiro) – 2006. Quadros da Vida Pinheirense (Coletãnia de artigos de Jerônimo de Viveiros publicados no Jornal Cidade de Pinheiro) – 2006. E, recentemente, Curacanga. É articulista do Jornal o Estado do Maranhão. Na política foi Deputado Estadual duas vezes (1995 a 2002); Gerente de Estado de Desenvolvimento Regional de Rosário (1999/2000); Secretário de Estado Extraordinário no exercício da Gerência Regional de Pinheiro (2000/2001); Secretário de Estado Extraordinário de Coordenação das Gerências Regionais (2002/2004). É Cônsul Honorário da França em São Luís desde 2004; foi Presidente do Conselho Diretor da Aliança Francesa (2004/2007); Membro da Academia Pinheirense de Letras Artes e Ciências; Condecorado com a Medalha do Pericumã (Prefeitura de Pinheiro); Condecorado com a Medalha Manoel Bequimão (Assembleia Legislativa do Maranhão). Recebeu o Título de Cidadão de Guimarães, Pedro do Rosário, São Bento e de Esperantinópolis. Ufa! Apesar de ser muito ocupado, sempre lhe resta um tempo para olhar ao redor, curtir a família e apreciar a beleza das flores. Consegue ser ele mesmo em meio às muitas tarefas. É casado com Elisabeth Soares e tem dois filhos: Júlia e Bruno Soares. José Jorge é essa pessoa maravilhosa, escritor, diplomata, administrador, morubixaba, homem público de muitos adjetivos, que, não obstante aos muitos degraus galgados, nunca se deixou levar pela vaidade excessiva e nunca perdeu a essência de uma criança. Consegue conciliar com sabedoria a vida de homem público de sucesso com uma pessoa popular, interiorana, egressa na provinciana Princesa da baixada. Portanto, José Jorge, com os cumprimentos deste sodalício e dos demais presentes, convido-o agora a entrar nesta Casa cultural para também dar a sua contribuição fazendo valer seus dons, talentos e virtudes. Muito obrigado!

DISCURSO DE POSSE DE JOSÉ JORGE LEITE SOARES NA CADEIRA DE NO. 34, PATRONEADA POR WILSON DA SILVA SOARES EM 20 DE SETEMBRO DE 2012

Saudação à MESA Costuma-se dizer que quando desejamos algo o universo conspira a nosso favor. Desta feita foi o meu dileto amigo e destacado membro do Conselho Diretor da Aliança Francesa de São Luís, Antonio Noberto, que conspirou para que eu pudesse tomar assento neste destacado espaço que abriga ilustres confreiras e confrades, cada qual chegado aqui por merecidas e reconhecidas participações na vida acadêmica, científica e cultural da comunidade maranhense. Fazendo uso das palavras de Wilson da Silva Soares, quando, depois de longos anos ausente de sua terra natal, retorna a Pinheiro no final do ano de 1933, me dirijo ao confrade Antonio Noberto para dizer: “O vosso amável gesto, vislumbrou em mim merecimentos que não possuo senão quando sou observado pela lente pronunciadamente convexa da simpatia, por mercê da qual as qualidades triviais se desnaturam para parecer aos olhos do observador desprevenido atributos tão marcantes”. Imaginem, prezadas confreiras e confrades, um menino nascido numa pequena cidade do interior do Maranhão, que aos 14 anos de idade, em busca do conhecimento, tomou o fluxo das águas do Pericumã e rumou pela foz da baia de Cumã em direção a São Luís para empreender uma longa viagem a Brasília e, mais tarde, a São Paulo, Recife, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, sem sequer ter feito um estágio na capital do Estado. Mais de duas décadas longe de sua terra, já com família constituída (Beth sua amada mulher e os filhos Julia e Bruno), decidiu por fazer o caminho de volta. As raízes

que sempre o mantiveram ligado ao solo de sua terra o trouxeram de volta ao seu torrão natal. E hoje, esse menino sonhador, realiza mais um sonho acalentado nos bancos do colégio Odorico Mendes lá em Pinheiro. Ocupar uma cadeira neste Instituto que já abrigou e continua a acolher personalidades das mais importantes no seio de nossa sociedade. Este momento tem para mim um significado ímpar e registro de início o meu compromisso de retribuir tamanha honraria com aquilo que disponho: a capacidade de trabalho, a dedicação e a vontade de acertar. Estar hoje recebendo das mãos de sua presidente Dra. Telma Bonifácio dos Santos, avalizado pelos demais confrades e, mais ainda, de estar ao lado de conterrâneos do quilate do Dr. Aymoré Alvin, do Dr. José Marcio Leite e da Dra. Joana Bitencourt, me faz crer que valeu a pena ter recebido umas palmatórias de Dona Mundica Costa (para aprender a tabuada), ter ficado de castigo ajoelhado nos caroços de milho de frente para a parede e dos ensinamentos ministrados nas aulas de redação por Dona Cici Amorim e do apoio e carinho de Dona Diana, minha querida mãe de quem tantos incentivos tive ao longo de toda a minha vida. Sem maiores traumas, olho para traz e vejo como tudo isso foi importante para a minha formação. Quis o destino que hoje esteja eu assumindo a cadeira de no. 34, do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, cujo patrono era um conterrâneo de Pinheiro. E mais ainda, um parente. Wilson da Silva Soares. A família Soares, através de Odilon Soares, médico renomado, poliglota capaz de dominar fluentemente o alemão, o italiano, o francês, o inglês e o espanhol, alem de largos conhecimentos do Latim, foi o primeiro deputado federal nascido em Pinheiro, marcando sua passagem na Assembleia Constituinte de 1946 como um parlamentar de raro brilho conseguindo a aprovação de dezenas de projetos de sua autoria. Ocupou a cadeira de no. 25 deste Instituto. Oswaldo da Silva Soares, tabelião, portador de invejável cultura, pesquisador dos mais notáveis, colecionador de obras de arte e com atuação destacada nesta Casa, chegou a ocupar a cadeira de no. 13. Luiz Alfredo Guterres Soares, poeta, escritor e jornalista, ocupante da cadeira no. 39, tem prestado relevantes serviços a este Instituto e, humildemente, me junto a eles com o compromisso de somar esforços para o engrandecimento desta Casa. Assim como eu, Wilson da Silva Soares nasceu em março. Era final do século XIX, 1898. Segundo André Ribard, na Prodigiosa História da Humanidade, nesse ano acontecia mundo afora uma verdadeira revolução no conhecimento científico: Thomas Edison aperfeiçoava a energia elétrica, madame Curie e Monsieur Becquerel isolavam o radium e estudavam a radioatividade natural, Nos Estados Unidos o telefone ligava pela primeira vez duas cidades distantes e na França surgia o cinema com os Lumière. Por outro lado, segundo Jerônimo de Viveiros, em Quadros da Vida Pinheirense, Pinheiro sofria os efeitos da abolição da escravatura, abalando a sua economia baseada na produção de cerca de quarenta fazendas sustentadas pela força dos braços de mais de mil escravos. E foi lá que em 20 de março de 1898 uma parteira lhe aplicou as primeiras palmadas e a sua mãe ouviu o choro daquele que viria a se tornar um dos mais importantes filhos de Pinheiro.

Seus estudos foram iniciados em sua terra natal e mais tarde em São Bento, transferindo-se para São Luís em decorrência do falecimento de seu progenitor. Amante das letras, leitor contumaz, iniciou seus estudos superiores na Faculdade de Direito, porém sua vocação pelo jornalismo o levou a abandonar a carreira jurídica. Fez-se jornalista dos mais notáveis e brilhantes da sua época. Dirigiu o Diário de São Luís, período no qual desenvolveu uma rica produção de artigos publicados em diferentes revistas científicas e culturais. Habituado ao convívio amável dos bons livros foi um colecionador cuidadoso de obras literárias e chegou a organizar nos baixos da sua residência, em três grandes salões na Rua dos Afogados a maior e mais importante Biblioteca do Estado, não somente pela quantidade de obras, que atingiu a casa dos quarenta mil volumes, mas, principalmente, pelo alto valor literário da grande maioria delas, algumas de renomada raridade. Após ter criado a Sociedade Maranhense de Estudos, foi um dos idealizadores da Academia Maranhense de Letras e um dos fundadores do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, quando em 1925 foi escolhido Patrono da cadeira de no. 34 que hoje, com muito orgulho, repito, assumo neste momento. Rotariano de destaque e sempre a frente de iniciativas inovadoras, chegou a ocupar a direção da imprensa Oficial do estado do Maranhão, do Arquivo Público do estado e do departamento Estadual de Estatística. Wilson da Silva Soares, pelo seu elevado espírito público e dedicação teve o reconhecimento dos principais mandatários da época, tais como o presidente do estado José Pires Sexto e do interventor Paulo Ramos. Sua notoriedade já se fazia presente quando influenciado por amigos e correligionários tentou uma vaga na Assembleia Legislativa. Mesmo não obtendo êxito, recebeu uma votação significativa, notadamente de seus conterrâneos pinheirenses. Registros do Jornal Cidade de Pinheiro mostram que nesse ano, mais precisamente no final de 1933, chegava à redação do Jornal um telegrama informando da visita que faria à sua terra natal. Partindo de São Luís a bordo do barco Capricho, após ter vencido os banzeiros do boqueirão, ter contornado a Pedra Grande de Itacolomy e ter adentrado pela baia de Cumã, rumo a sua terra natal, Wilson chega a Pinheiro. Filho dos mais ilustres da cidade àquela época, Wilson fez-se acompanhar pelo desembargador Elizabetho Barbosa de Carvalho e foi recebido pelos seus conterrâneos com salvas de foguetes tão logo a comitiva foi avistada na Ilha de Ventura, à entrada da cidade. O diretor do Jornal, Josias Abreu abriu as portas e salões de sua elegante residência para recebê-lo na presença das principais autoridades, dos membros da Loja Maçônica “Renascimento” e de lideranças de Pinheiro onde proferiu em nome da cidade a saudação ao mais notável de seus conterrâneos: “Abre-vos Pinheiro os braços, neste momento emocionada e trêmula para o amplexo de boas vindas que simboliza na eloquência de um gesto, todo o sentir de seu povo” e, finalizando, conclui: “assim, hospedes queridos, não vos dou as chaves da cidade. Ela, para vós, não possui portas e não tem muralhas”.

Mesmo não obtendo êxito na aventura política e dedicando-se com afinco aos estudos estatísticos por ocasião em que dirigia o Departamento de Estatística do estado, foi convidado pelo embaixador Macedo Soares, à época presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, para instalar no Estado de Sergipe o Departamento de Estatística local. Wilson da Silva Soares foi certamente um dos pinheirenses que honraram a terra onde nasceu, por seu talento, por sua cultura e por sua capacidade admirável de trabalho que ele sempre empregou por onde passou com o brilho de sua inteligência e com o elevado espírito público que sempre carregou consigo. Veio a falecer no Rio de Janeiro em 9 de dezembro de 1949 sendo sucedido por Elizabeto Barbosa de Carvalho. Formado em direito pela Universidade de Pernambuco, natural do estado do Piauí, casou-se com uma pinheirense quando de sua passagem pela cidade de Pinheiro como Juiz de Direito. A essa época, fundou o jornal Cidade de Pinheiro, o hebdomadário mais antigo ainda em circulação no estado do Maranhão, contando com a colaboração de Wilson Soares e Clodoaldo Cardoso, entre outros. Desembargador do Tribunal de Justiça do estado do Maranhão, ocupou o cargo de Corregedor Geral do Estado, chegando a ser o Presidente do Tribunal de Justiça. Como advogado desempenhou-se de forma brilhante como presidente da Ordem dos Advogados do Maranhão. Em 1942 foi nomeado Interventor Federal no Estado do Maranhão, chegou a ocupar pela vontade do povo uma cadeira na Câmara Federal e encerrou sua brilhante história de vida em defesa dos interesses do povo do Maranhão atendendo, mais uma vez, aos apelos populares, quando foi eleito Prefeito de Pinheiro para o período de 1960 a 1964. Veio a falecer em 18 de março de 1966. Esta cadeira ainda foi ocupada pelo seu irmão Fernando Barbosa de Carvalho, piauiense de Amarante que adotou o Maranhão para desempenhar seu importante papel como homem público. Como jurista de formação, teve destacado papel na elaboração da Constituição do estado do Maranhão, ocupou o cargo de Secretário de Estado da Educação e Cultura no governo Eugênio Barros e, posteriormente, no governo de Eurico Ribeiro, conduziu a pasta da Secretaria de Interior, Justiça e Segurança. Os arquivos do jornal Cidade de Pinheiro registram uma leva de artigos publicados por “Tirso Júnior”: pseudônimo usado por ele durante muitos anos para exercitar, de forma refinada, a sua arte da escrita. Na Academia Maranhense de Letras, a cadeira de No. 17, patroneada por Sotero dos Reis foi, por ele, coupada por muitos anos. Faleceu em 1976. Como vêem, minhas senhoras e meus senhores, confreiras e confrades, pesa sobre os meus ombros uma carga hercúlea ao suceder estes homens que fizeram de suas histórias a História do Maranhão. Minha responsabilidade torna-se imensa na medida em que a mim só resta envidar todos os esforços para o engrandecimento desta instituição. Este é, a partir de hoje, o meu compromisso com esta Augusta Casa. Muito obrigado.

DISCURSO - POSSE DE SOFIANE LABIDI NO IHGM

EDOMIR MARTINS DE OLIVEIRA. Ilma.Senhora Presidente do IHGM Diletos confrades Meus Senhores Minhas Senhoras Convidado pela Senhora Presidente do IHGM para saudar, em nome da Casa, o Prof. Sofiane Labidi em razão de sua posse neste Sodalício, o que veio ao encontro dos seus desejos, é tarefa que vou desempenhar com enorme alegria. O empossado meu amigo por quem tenho enorme afetividade, é nome por demais conhecido em São Luís. Aqui chegou como visitante, viu a Cidade, por ela se encantou com as oportunidades que lhe foram oferecidas, provou a culinária maranhense, particularmente o camarão e o caranguejo, e tendo gostado, segundo consta do seu depoimento quando recebeu o titulo de cidadão ludovicense que lhe foi outorgado aos 28.08.2012, pela Câmara Municipal de São Luis em festiva reunião, ficou até hoje, pois assim procede, acrescenta ele no seu discurso, “quem come caranguejo e camarão e nunca mais sai da ilha”. Júlio César, grande Tribuno Romano, utilizou as expressões “vim, vi e venci” em 47aC, em uma mensagem ao Senado Romano, descrevendo sua recente vitória sobre Farnaces II, na Batalha de Zela. A frase serviu tanto para proclamar seu feito, como também alertar aos senadores, de seu poder militar registrando-se que Roma, a época, passava por uma guerra civil.

Labidi, a exemplo de Julio César, também veio, viu e venceu todas as dificuldades naturais que um estrangeiro sofre em um novo País, principalmente no tocante a língua e reconhecimento de valor. Para registro histórico do empossado, Sofiane Labidi nosso confrade que agora toma assento conosco nesta Casa, na cadeira nº 13, patroneada por Raimundo José de Sousa Gaioso, é Tunisiano, da cidade de Kelibia, tendo como pais Gedi Labidi e Naima Haj Salah, casado com a Sra. Afef Labidi, e tem um casal de filhos: Aziz e Nour. Por tradição da Tunisia, os nomes próprios enfeixam sempre forças aos seus detentores: assim, Sofiane significa sabedoria, Afef, pureza, Aziz, querido, e Nour, luz. Labidi com sabedoria, constituiu uma família na solidez da pureza da esposa, contando com dois rebentos, ambos queridos e muito, que lhe trouxeram até hoje a luz necessária para a vida. No que diz respeito aos seus passos para chegar até São Luis, veio de sua terra natal, donde saira para a França, especificamente Paris, onde recebeu toda a formação universitária, fazendo mestrado e Doutorado, para um congresso em Fortaleza, com todos os cursos completos, chegando em outubro/1994 e em seguida, atendendo convite de professores da UFMA, veio a São Luis, para ministrar um curso na sua área específica de conhecimento que diz respeito a Inteligência Artificial, do qual é Doutor pelo Instituto Francês de Pesquisa em Informática e Automática. Labidi, meu afilhado, primeiro por minha indicação para ocupar uma cadeira nesta Casa de Antonio Lopes, segundo por este solene momento, possui “Larga experiência em Pesquisa e produção cientifica tendo vários artigos publicados em periódicos e congressos nacionais e internacionais na área de inteligência Artificial”. É Coordenador do Laboratório de Sistemas Inteligentes – LSI, da Universidade Federal do Maranhão – UFMA, já tendo ocupado cargo de coordenador de muitos cursos de Pós-Graduação, além de ter ministrado várias palestras no Brasil e no Mundo em inúmeros congressos científicos, e de ser editor de revistas internacionais na área de Inteligência Artificial, tendo, em 2004, sido presidente do Simpósio Brasileiro de Inteligência Artificial (SBIA). Envolvem suas áreas de pesquisa, a Engenharia e Gestão do Conhecimento, Tecnologias Educacionais, Telessaúde, Business e Mapeamento de Gerenciamento de Processos. No que diz respeito a sua contribuição a cultura maranhense ocupou cargos como Coordenador do Núcleo de Educação a Distância do Pólo da Saúde do Maranhão, foi Pro - Reitor de Pesquisa da Universidade Virtual do Maranhão, Diretor-Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Maranhão (FAPEMA) de dezembro de 1995 a abril de 2009. Atualmente desenvolve junto ao SEBRAE consultoria na área de Gestão do Conhecimento e Coordenador Executivo do Programa São Luis 400 anos. Em 2008, o confrade Labidi recebeu o titulo de Cidadão Maranhense outorgado pela Assembléia Legislativa do Estado do Maranhão e é detentor da Medalha do Mérito Timbira, maior comenda outorgada pelo Governo do Estado, pelos relevantes serviços prestados às Ciências do Maranhão, tendo em agosto de 2012 recebido o título de Cidadão Ludovicense.

Com o seu espírito empreendedor e criativo, o confrade Labidi é membro fundador da Academia Maranhense de Ciências – AMC, tendo sido, em maio de 2011, eleito Presidente da referida Academia, estendendo-se seu mandato até junho de 2013. Este Senhora Presidente, Diletos Confrades e Confreiras, o novo ocupante da cadeira nº13. Como se vê, com certeza a sua presença entre nós irá enriquecer este Sodalício. Tenho absoluta convicção de que ele aqui muito poderá realizar, e a cada ano mais. A sua vida de prestação de serviços ao Maranhão não deixa dúvidas quanto a afirmativa. Dificuldades iniciais com a língua portuguesa no início de vida no Brasil, e luta pela ocupação dos espaços sociais e profissionais, foram dificuldades logo superadas com invulgar capacidade de trabalho. Confrade ora empossado, na Mitologia Grega os deuses olímpicos eram os mais importantes da Grécia Antiga. Residiam no ponto mais alto do Monte Olimpo, principal montanha da Grécia antiga. Viviam em um grande palácio de cristal no topo do monte sagrado. Eram, segundo os gregos, os deuses que tinham mais poderes e influência na vida dos humanos. Alimentavam-se de néctar e ambrosia, manjar dos deuses do Olimpo, que dava e conservava a imortalidade. Passavam o tempo ouvindo o som da lira do Deus Apolo que era o deus da Música, e se divertiam com o canto das musas e das danças das Graças, deuses da natureza, do encantamento e da beleza. Confrade Labidi, você está agora recebendo uma gloriosa herança que de direito já lhe pertence. O Maranhão é fértil em coisas ainda não reveladas e a Cidade de São Luis, cujo titulo de cidadão ludovicense é detentor, é propícia para revelação de suas histórias, de suas lendas e seu folclore. Com certeza, com a inteligência privilegiada que Deus lhe deu haverá de pesquisar sobre assuntos que são de interesse do Maranhão e de sua gente, e por isso mesmo de todos nós. Com essas pesquisas, novas descobertas históricas virão. Tudo isso lhe servirá de alimento necessário para sobrevivência intelectual e você estará recebendo assim o néctar e a ambrosia, manjar dos deuses Olimpos, que estarão alimentando sua imortalidade. As belezas da natureza do nosso Estado serão as músicas necessárias, como alimentos próprios para o diuturno, que o inspirarão e o estimularão para seus trabalhos, como se fossem canto de musas, cheios de encantamento e beleza. Confrade Labidi, você agora estará interagindo conosco, e se juntando àqueles que lutam por formar opiniões junto a sociedade cultural, contribuindo para que este Sodalício brilhe cada vez mais. Seja bem-vindo entre nós, ocupe a cadeira que lhe está destinada. Aceite o nosso abraço de cortesia amigo, e de boas vindas. Você agora é um dos nossos e está credenciado a trabalhar ao lado de ilustres intelectuais. Parabéns. Obrigado a todos.

DISCURSO DE SOFIANE LABIDI NA SOLENIDADE DE POSSE NO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO –IHGMA PARA OCUPAR A CADEIRA N. 13, PATRONEADA POR RAIMUNDO JOSÉ DE SOUZA GAYOSO.

Sra. Presidente, Dra. Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo , Autoridades presentes, Caras confreiras, caros confrades, Minha queridíssima esposa Afef, Amigas e Amigos, Colegas e Colegos de trabalho, Funcionários da UFMA, Membros da Imprensa, Senhoras e senhores, Boa noite, Através do tempo, a humanidade evoluiu da sociedade pré-histórica, para sociedade agrícola, e a sociedade industrial. Vivemos hoje a sociedade do conhecimento e estamos indo para sociedade da luz, etc. Vocês sabem quem é o responsável por esta evolução? É claro que é a “Ciência”. A ciência, que é a descoberta do conhecimento, é o fruto da nossa curiosidade e das nossas investigações. A ciência gera conhecimento, tecnologias e inovações que impactam, moldam, e transformam a sociedade; sociedade esta que está se tornando cada vez mais dinâmica, e onde a única certeza que existe hoje é que tudo vai mudar! As exigências são maiores, as exigências são muito grandes. Precisamos gerir a mudança, se preparar para o futuro, ser conspiradores adotando atitudes proativas que condicionam o futuro.

Assim, a ciência é fundamental para o desenvolvimento do indivíduo e da humanidade. A Ciência deve sempre considerar o desenvolvimento como um processo global. É preciso sempre enfatizar a importância da educação e da formação dos povos. O desenvolvimento da mente no âmbito do conhecimento humano contribua para a grandeza e a felicidade dos indivíduos. Afinal, qual é o papel da ciência para a humanidade? Um dos maiores filósofos do século XX, Edmund Husserl, em uma famosa conferência intitulada “A crise da humanidade e a filosofia” realizada em 1935 em Viena, demostrou que a ciência em geral, e a ciência moderna em particular, marcada por dois momentos: a revolução de Galileu em 1610 e a divulgação da teoria da relatividade e de mecânica quântica em 1905, saiu do caminho e afastou-se de seus objetivos. Apesar de todas as críticas, a Ciência, ao ampliar o conhecimento disponível para a humanidade, aumenta constantemente seu controle sobre seu ambiente, o que lhe permita de usar a sua criatividade para melhorar a sua qualidade de vida. Vivemos todos no mesmo planeta, no mesmo universo. Reconhecemos agora que estamos em uma situação de crescente interdependência e que o nosso futuro está intimamente ligado à preservação dos ecossistemas em todo planeta e para a sobrevivência de todas as formas de vida. Nações e cientistas de todo o mundo devem estar conscientes da urgência do uso responsável do conhecimento de todos os campos da ciência para atender às necessidades e aspirações do ser humano, sem abusar desse conhecimento. Precisamos buscar uma colaboração ativa em todos os campos da ciência: ciências físicas, biológicas e da terra, ciências biomédicas e de engenharia, ciências sociais e humanas, etc. Todas as culturas podem contribuir para o conhecimento científico universal. A ciência deve estar a serviço de toda a humanidade, e deve contribuir para proporcionar a todos uma compreensão mais profunda da natureza e da sociedade, para garantir o bemestar e proporcionar às gerações presentes e futuras um ambiente sustentável e saudável. Dada a enorme influência da ciência na vida cotidiana, é surpreendente que o cidadão comum continua desinformado nessa área. Se perguntarmos qualquer pessoa que vier, é praticamente impossível que esta saiba algo sobre a teoria quântica e da relatividade, ou até mesmo por que o Céu é azul? Por que o mar é cinza? Qual é o significado da maré, etc. Esta ignorância generalizada é a causa de muitos problemas e exige uma reflexão e uma explicação por todos nós. É uma das missões nobres que entidades como a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência - SBPC, a Academia Brasileira de Ciências -ABC, a Academia Maranhense de Ciências –AMC, e o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão estão enfrentando. Orgulho-me muito de se tornar hoje membro-efetivo desta casa, pela sua história, pela sua importância e pelos ilustres nomes que fazem ou que fizerem parte dela. Meu orgulho ficou ainda maior ao ocupar a cadeira numero 13 patroneada pelo saudoso RAIMUNDO JOSÉ DE SOUZA GAYOSO. Nascido em Buenos Aires na argentina em 1747, filho de JOÃO HENRIQUE DE SOUZA e MICAELA JERÔNIMO GAYOSO. Estudou na França e na Inglaterra onde se formou na área financeira.

Raimundo José residiu no Maranhão em Cachoeira Grande. Seu pai João Henrique de Souza foi tesoureiro do erário Português onde foi acusado de desvios de verbas e foi degredado para o Maranhão por 5 anos. Ao conseguir comprovar sua inocência, o Príncipe Dom José o nomeou Tenente-Coronel do Regimento de Milícias de Caxias. No Maranhão casou-se com Anna Rita de Souza Gayoso das famílias Gomes de Souza e Vieira da Silva. Seu nível cultural muito alto lhe permitiu de se destacar deixando várias obras como “Compêndio histórico-político dos princípios da lavoura do Maranhão”. Obra publicada por sua esposa Dona Ana Rita em 1818 e dedicada a Dom José. “Memória histórico-apologética da conduta do Bacharel Antônio Leitão Bandeira”, publicada em 1785. “Apontamentos do que tem lembrado para aumentar a riqueza do Estado”. “Reflexões políticas sobre o modo de atalhar algumas desordens da fazenda real” entre vários outras. Gayoso recebeu o título de Cavaleiro, professo da Ordem de Cristo. Faleceu em Rosário no maranhão em 1813. Esta cadeira foi ocupada por 4 ilustres membros, em ordens: (1) José Pedro Ribeiro, (2) Oswaldo da Silva Soares, (3) Aluízio Ribeiro da Silva, e (4) Tácito da Silveira Caldas. José Pedro Ribeiro sócio fundador do instituto. Natural do Maranhão, foi Vicecônsul da Noruega no Brasil e Interino da Dinamarca. Publicou “Indústria da Borracha” em 1913. Oswaldo da Silva Soares substituiu o sócio fundador José Pedro Ribeiro. Nasceu em Pinheiro em 16 de março de 1903, mas foi criado na cidade de São Bento. Tinha 8 irmãos. Iniciou os estudos na escola Arimatéia Cisne, concluiu o ensino médio no Colégio Marista e o curso Superior na Faculdade de Odontologia, curso que não concluiu por ter sido convidado pelo tabelião Domingos Barbosa para escrevente juramentado. Eleito Deputado Federal por concurso público. Em Alcântara, ele restaurou o pelourinho com seus próprios recursos. Colecionador de moedas, em 1948 passou a colecionar objetos antigos: móveis, porcelanas, joias, etc. todos expostos na sua residência na Rua São João num 452. Faleceu em 26 de janeiro de 1997. Aluízio Ribeiro da Silva, Nascido em Balsas no Maranhão, filho do comerciante João Ribeiro da Silva. Falecido subitamente quando o filho mais velho Antônio Ribeiro da Silva ocupou-se da família. Ele deixou várias obras escritas. Finalmente, a cadeira foi ocupada por Tácito da Silveira Caldas. Nascido em Teresina no Piauí em 1915, filho de Leônidas Soriano Caldas e Detith da Silveira Caldas. Cursou em Teresina e depois se transferiu para o Liceu Maranhense em São Luís. Bacharel em Direito pela Faculdade do Maranhão, recebeu o título de Doutor pela mesma instituição em 1950, onde ingressou como professor em 1951.

Membro do conselho do OAB por vários mandatos. Foi Procurador da Fazenda Municipal de São Luís, Procurador Geral do Estado do Maranhão. Desembargador do tribunal de Justiça do Estado e ex-Presidente do Tribunal Regional Eleitoral. Reconhecido como grande orador público, tem várias obras publicadas. Senhora e Senhores, Estou muito feliz, muito orgulhoso, e como não ser, ao ter este privilégio de contribuir com esta terra abençoada por Deus e de receber tantas homenagens como esta: ser membro-efetivo do conceituado Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. Muito obrigado confrades e confreira, sra. Presidente, sr. Edomir, sr. Vava. Muito obrigado a todas e a todo, Um forte abraço e um beijo no coração de cada amiga e amigo que vieram abrilhantar este momento, obrigado do fundo do coração, que Deus Abençoe a todos vocês! Que Deus Abençoe nosso Instituto, Muito Boa noite,

APRESENTAÇÃO DE ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA, NOVO OCUPANTE DA CADEIRA 10, PATRONEADA PELO PADRE JOSÉ DE MORAES 26 de setembro de 2012 LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ Conheci o Alexandre ha pouco tempo; em maio do ano passado. Estava às voltas com a organização de um evento de seu grupo de estudos - CRISOL (GPEC – Grupo de Pesquisas e Estudos Culturais) 2 - ali no Domingos Vieira Filho. Greve de ônibus, e os inscritos não apareciam, assim como alguns dos palestrantes; eu era um deles e chegara 30 minutos antes da hora marcada. Observei aquele casal às voltas com as chaves, depois com abrir o auditório, a água, o café com bolachinhas, e ninguém chegava. Como era o único no auditório, até àquela hora, aproximou-se me desejando um bom-dia e pedindo desculpas, pois certamente o evento atrasaria... Identifiquei-me e conversamos um pouco. Entreguei meu material em “power-point”, fizemos os testes, tudo certo. Só faltavam os participantes... Logo em seguida, chegou o Reitor em exercício, o Prof. Oliveira, para falar sobre os 400 anos de São Luis e a programação que a UFMA estava preparando. Já éramos quatro; 15 minutos depois chegaram dois estudantes: tínhamos platéia. E o evento começou... Com as desculpas do Alexandre, por não iniciar no horário... Mas esse foi nosso primeiro encontro ao vivo e a cores. Já o conhecia de algum tempo. De seu trabalho, dos elogios que um seu aluno, o Rafael Aguiar fizera e, em seu nome me consultava se poderia participar do encontro do CRISOL. O tema seria a Capoeira, e poderia falar, também, sobre a programação do IHGM para os 400 anos... Aceitei, e Alexandre entrou em contato via correio eletrônico, convidando-me oficialmente. Depois disso, mantivemos contatos, sempre através de correio eletrônico, até um segundo convite, no segundo semestre, para outro evento do CRISOL, onde estreitamos nossos laços. E após ouvi-lo, ao vivo e a cores, nesse segundo evento, consultei-o se teria interesse em associar-se ao IHGM; precisamos estreitar os laços com a Academia, e alguém da área da Antropologia seria bemvindo... De imediato disse-me sim! Incentivado pela esposa, Adriana... Consultei então a Presidente Telma e esta me disse ser uma ótima aquisição. Desde então temos conversado...

2

Crisol é uma cavidade, um vaso, um cadinho, um pote ou instrumento usado pelo oleiro para purificar o ouro no fogo. Em sentido figurado é a provação, uma prova em que se revela o verdadeiro quilate das boas qualidades. O olhar e a posição epistêmica adotada viabilizou a construção de pesquisas e estudos que abriram em seus métodos um cadinho como um campo de possibilidades no diálogo entre os saberes, uma espécie de crisol da ciência, na aposta de parcerias, diálogos, debates, discussões e produção de conhecimento sobre os temas atuais que envolvem as formações culturais e subjetivas nas áreas das chamadas artes, ciências humanas e sociais. Criado como Grupo de Pesquisa (UFMA) em 2001, o Crisol se constituiu como um espaço de debate e produção de idéias entre pesquisadores e estudantes sobre o estudo da dinâmica dos patrimônios bioculturais e do teatro das memórias na sociedade contemporânea, e de reflexões sobre cultura, arte e imaginário na fase atual da "virada cultural" do Capitalismo. http://crisol-gpec.com.br/site/

Alexandre, de ultima hora, atendeu convite para nosso segundo Seminário como um dos debatedores; os presentes àquele evento extasiaram-se com suas palestras e erudição. Alguns sócios sugeriram um convite a ele, para acompanhar-nos nessa dura jornada. Informei que já fora formalizado o convite, e ele ceita-o. Breve o teríamos como Confrade. Esse dia chegou... Creio que - como me identifico -, Alexandre seja um maranhense que por descuido geográfico nasceu carioca. É do Rio de Janeiro, nascido em 1º de março de 1963, filho de Djalma Corrêa Filho e Maria Leny Fernandes Corrêa – ambos nascidos em 1940, e moradores do Rio de Janeiro; foi casado, desde 1997, com Adriana Cajado Costa (Brasiliense/DF, Psicóloga e Psicanalista), tendo dois filhos: Bruno de Lorenzo e Thiago Bello. Aqui, lembro que Adriana, fisicamente, não está mais entre nós; acompanhamos a evolução de sua doença, as angustias do Alexandre e seus familiares, até a passagem para o outro plano... O Professor-Doutor Alexandre Fernandes Corrêa começou sua formação intelectual na Escola Municipal Abílio Borges, localizada no bairro Humaitá/Botafogo; o Ensino Médio fez em escolas particulares: no Princesa Isabel, no Brasil-América e no São Fernando. Continuou os estudos, já em nível superior, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde se bacharelou em Ciências Sociais: Antropologia (1986); Mestre em Antropologia Cultural, pela Universidade Federal de Pernambuco (1993); Doutor em Ciências Sociais (Antropologia), pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001); e Pós-doutorado em Antropologia, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006). Tem um segundo Pós-Doutorado em Antropologia (UERJ-2009). Em seu Doutorado em Ciências Sociais defendeu a tese que teve por título: “Vilas, Parques, Bairros & Terreiros (Patrimônios Bioculturais) - Novos Patrimônios na Cena das Políticas Culturais de São Luís e São Paulo”. A dissertação de Mestrado em Antropologia teve por título: “Festim Barroco: um estudo do significado cultural da festa dos Prazeres em Pernambuco”. E na graduação em Ciências Sociais Antropologia discorreu sobre: “Academia de Ciências Humanas do Rio de Janeiro: aspectos históricos”. Seu interesse acadêmico abrange: (1) Patrimônio Cultural, tendo como objeto de estudo o imaginário social das práticas do patrimônio e da memória; (2) Memórias Sociais, que abrange estudos e pesquisas sobre as práticas sociais da memória; (3) Antropologia Urbana, onde estuda o meio urbano. Dedica-se ainda aos (4) Estudos Culturais, sobre o imaginário social relacionado às práticas sociais do patrimônio e da memória; (5) à Epistemologia da Complexidade, com estudos na área da Metodologia do trabalho científico implementada nos estudos e pesquisa sobre as praticas sociais do patrimônio e da memória; (6) Patrimônio Etnográfico, sobre tombamento e preservação de bens culturais folclóricos e populares na sociedade brasileira; e por fim, dedica-se à (7) Antropologia do Patrimônio Biocultural. Atualmente, é professor Associado III da Universidade Federal do Maranhão. É Membro do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (UFMA). Líder do Grupo de Pesquisas e Estudos Culturais (CRISOL). Foi Membro do Conselho Estadual de Cultura do Maranhão nos anos 2008-9. Tem publicado quatro livros:

O MUSEU MEFISTOFÉLICO E A DISTABUZAÇÃO DA MAGIA: análise do tombamento do primeiro patrimônio etnográfico do Brasil.. 1. ed. São Luís: UFMA, 2009. v. 300. 192 p. FESTIM BARROCO: culturanálise da festa de Nossa Senhora dos Prazeres de Jaboatão dos Guararapes/PE. 1. ed. São Luís: EDUFMA/PGCult, 2009. v. 1. 136 p. PATRIMÔNIOS BIOCULTURAIS: ensaios de antropologia do patrimônio e das memórias sociais. 1. ed. São Luís: EDUFMA, 2008. v. 500. 220 p. VILAS, PARQUES, BAIRROS E TERREIROS: novos patrimônios na cena das políticas culturais de São Paulo e São Luís. 1. ed. São Luís: EDUFMA, 2003. v. 100. 240 p. E em quatro outros, é autor dos capítulos seguintes: DINÂMICAS DAS PAISAGENS, DOS PATRIMÔNIOS E DAS MEMÓRIAS SOCIAIS NA ATUALIDADE: O Complexo de Dédalo em Perspectiva In: Flávio Leonel Abreu Silveira; Cristina Donza Cancela. (Org.). PAISAGEM E CULTURA: Dinâmicas do Patrimônio e da Memória na Atualidade. 1 ed. Belém: EDUFPA, 2009, v. 1, p. 179-194. SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO NO MARANHÃO: Reflexões sobre a Transmissão da Cultura Sociológica para Jovens. In: Manoel Matias Filho. (Org.). ESPAÇO DOS SOCIÓLOGOS. 1 ed. Natal: Espaço Social, 2009, v. 1, p. 78-85. METAMORFOSES CONCEITUAIS DO MUSEU DE MAGIA NEGRA: primeiro patrimônio etnográfico do Brasil. In: Manuel Ferreira Lima Filho; Cornelia Eckert; Jane Beltrão. (Org.). Antropologia e Patrimônio Cultural: Diálogos e Desafios Contemporâneos. 1 ed. Blumenau: Nova Letra, 2007, v. 1, p. 287-318. TEATRO DAS MEMÓRIAS E DO PATRIMÔNIO CULTURAL. In: Manuel Ferreira Lima Filho; Márcia Bezerra. (Org.). Os Caminhos do Patrimônio no Brasil. Goiânia: Alternativa, 2006, v. 1, p. 69-88. De sua vasta produção científica, destacamos: 28 artigos completos publicados em periódicos, 12 Textos em jornais de notícias/revistas, 16 Trabalhos completos publicados em anais de congressos, 17 Resumos publicados em anais de congressos; 19 Apresentações de Trabalho; 17 Produções técnicas; 19 Produções artística/cultural. Estão identificados ao final desta apresentação... Perguntei ao Alexandre como veio parar em São Luis. Disse-me ser seu avô pernambucano, e desde sua formação e vivência no Rio de Janeiro - nascido na Zona Norte (Méier) e criado no bairro de Botafogo -, nutria uma atração muito grande pelo Nordeste. São Luís foi a primeira cidade nordestina que conheceu; aqui, a grata surpresa: da cidade corresponder àquelas imagens que tinha na cabeça, sobre o passado colonial brasileiro. O centro urbano antigo de São Luís produziu pensamentos e sensações profundas, que até hoje são objeto de suas pesquisas e reflexões. Atualmente, ao realizar pesquisas sobre o Teatro das Memórias Sociais - as Festas e Rituais Comemorativos na sociedade local e nacional continua tentando responder aquele espanto inicial ao conhecer a cidade. Sua chegada foi num 25 de fevereiro de 1987, direto no Baile de Carnaval do Clube Jaguarema! Acabou ficando por aqui, indo trabalhar com Teatro no Município de Morros, com a Profa. Maria de Jesus Medeiros Muniz e Silva; em seguida, começou a dar aulas

de Sociologia para o Magistério na Escola de Carlos Cunha, da Rua do Sol; aulas de Antropologia, Sociologia e Geografia, no antigo CETEMA (Centro Teológico do Maranhão, da Igreja Católica). Em 1989, começou a dar aulas de Antropologia, como Professor Colaborador e Substituto na UFMA. Em 1990 iniciou curso de Mestrado em Antropologia Cultural na UFPE (concluído em 1993), do qual produziu o livro Festim Barroco. Em 1991, concurso público para Professor Auxiliar em Antropologia, pela UFMA. Ter chegado a pleno Carnaval, foi um sinal de que as festas seriam objeto especial de reflexão e pesquisa, como se confirma no momento. Desde aquele fevereiro de 1987 que tenta, através do estudo e da pesquisa, conhecer e compreender a história e a cultura maranhense; trabalho que lhe tem dado muita satisfação e alegrias. Seja bem vindo, Alexandre... ARTIGOS COMPLETOS PUBLICADOS EM PERIÓDICOS: 1. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Dádiva e utilitarismo nas políticas culturais. Fênix (UFU. Online), v. 8, p. 6-16, 2011. 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. ALCANCES INTERPRETATIVOS DE UMA SOCIOLOGIA DAS COMEMORAÇÕES HISTÓRICAS: o caso do IV Centenário de São Luís/MA. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, v. 1, p. 318-337, 2011. 3. CORRÊA, Alexandre Fernandes. O Labirinto dos Significantes na Cultura Barroca. Psicanálise & Barroco em Revista, v. 7, p. 12-34, 2010. 4. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro das memórias: Entre o Passado e o Futuro. Pasos (El Sauzal), v. 8, p. 363-373, 2010. 5. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro das Memórias e das Heranças Bioculturais: Ação Cultural entre o Passado e o Futuro. Fênix (UFU. Online), v. 6, p. 1-16, 2010. 6. CORRÊA, Alexandre Fernandes. TEATRO DAS MEMÓRIAS BIOCULTURAIS: Para uma Nova Terapêutica da Memória. Cadernos de Pesquisa - Universidade Federal do Maranhão , v. 17, p. 7-16, 2010. 7. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Dante Milao e o imaginário do mal no Modernismo brasileiro. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, v. 1, p. 51-65, 2010. 8. CORRÊA, Alexandre Fernandes. O Saber Patrimonial e a Arqueologia de Michel Foucault. Pasos. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural (Online), v. 7, p. 115-125, 2009. 9. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Os Sírios-Libaneses em São Luís e no Maranhão: entrevista. Ciências Humanas em Revista (UFMA), v. 7, p. 8, 2009. 10. CORRÊA, Alexandre Fernandes. O Imaginário do Mal no movimento literário brasileiro do início do século XX. Brasil-Europa, v. 6, p. 122/36, 2009. 11. CORRÊA, Alexandre Fernandes. PATRIMÔNIOS E MUSEUS ETNOGRÁFICOS: estudo de caso sobre tombamentos de terreiros de religião afro-brasileira.. Caderno Pós Ciências Sociais (UFMA), v. 1, p. 1-20, 2008. 12. CORRÊA, Alexandre Fernandes. A NOSTALGIA PÓS-MODERNA: o Complexo de Dédalo em perspectiva. Ciências Humanas em Revista (UFMA), v. 1, p. 1-20, 2008. 13. CORRÊA, Alexandre Fernandes. "UFMA e São Luís 400 anos".. Ciências Humanas em Revista (UFMA), v. 1, p. 1-20, 2008. 14. CORRÊA, Alexandre Fernandes. As Memórias Sociais e do Patrimônio Cultural: os olhares sobre a diversidade cultural na atualidade. Ciências Humanas em Revista (UFMA), v. 5, p. 19-28, 2007. 15. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônios Bioculturais na Hipermodernidade: crise dos critérios de autenticidade. Pasos. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural (Online), v. 5, p. 243-251, 2007. 16. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônios, Museus e Subjetividades. Pasos, El Sauzal (Tenerife) España, v. 4, n. 2, p. 135-142, 2006. 17. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Museu Mefistofélico: o significado cultural da coleção de magia negra do Rio de Janeiro, primeiro patrimônio etnográfico do Brasil (1938). Ciências Humanas em Revista (UFMA), v. 4, p. 31-52, 2006. 18. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Saber Patrimonial e a Arqueologia de Michel Foucault. Caderno Pós Ciências Sociais (UFMA), v. 3, p. 9-22, 2006. 19. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônios Bio-Culturais na Hipermodernidade. Cadernos de Ciências Sociais (Porto), São Luís, v. 1, n. 1, p. 29-41, 2005.

20. CORRÊA, Alexandre Fernandes. A COLEÇÃO MUSEU DE MAGIA NEGRA DO RIO DE JANEIRO: O PRIMEIRO PATRIMÔNIO ETNOGRÁFICO DO BRASIL. Mneme (Caicó. Online), Natal, v. 7, p. 50-70, 2005. 21. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Barroco: conceito em perspectiva. Ciências Humanas em Revista (UFMA), São Luís, v. 2, n. 1, p. 153-163, 2004. 22. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônios, Museus e Subjetividades. Revista de Ciências Humanas (Florianópolis), São Luís, v. 2, n. 2, p. 123-132, 2004. 23. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Cultura e Democracia no Maranhão: o fechamento do Conselho Estadual de Cultura. Caderno Pós Ciências Sociais (UFMA), São Luís, v. 1, n. 1, p. 103-107, 2004. 24. CORRÊA, Alexandre Fernandes . O Paradigma Preservacionista na Berlinda. Ciências Humanas em Revista (UFMA), São Luís, v. 1, n. 2, p. 37-44, 2003. 25. CORRÊA, Alexandre Fernandes . Política Cultural e Autonomia. Série Políticas Públicas em Debate, São Luís, v. 3, n. 1, p. 5-12, 2003. 26. CORRÊA, Alexandre Fernandes . As Relações da Etnologia e A Geografia Humana em Raimundo Lopes. Revista de Ciências Humanas (Florianópolis), São Luís, v. 14, n. 1, p. 89-103, 2003. 27.CORRÊA, Alexandre Fernandes . Memórias Sociais na Contemporaneidade. Cadernos de Pesquisa (UFMA), UFMA São Luís, v. 13, n. 2, p. 65-73, 2002. 28.CORRÊA, Alexandre Fernandes . Mudanças no Paradigma Preservacionista Clássico. Revista da APG (PUCSP), São Paulo, v. 1, n. 1, p. 35-44, 2001. TEXTOS EM JORNAIS DE NOTÍCIAS/REVISTAS 1. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Ciência e Mito. O Estado do Maranhão, São Luís, p. 4 - 4, 26 maio 2011 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Diálogo Cultural. Revista Sociologia, São Paulo, p. 36 - 39, 01 out. 2010. 3. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Dante Milano, Em breves palavras. Jornal Opção, Goiânia, p. 1 - 1, 04 jul. 2010. 4. CORRÊA, Alexandre Fernandes. A Dialética da Permanência do Passado. Jornal do Maranhão, São Lu´s, p. 2 - 2, 01 abr. 2010. 5. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro das memórias: cidadania e direitos culturais. Jornal Pequeno, São Luís, p. 6 - 6, 25 jan. 2009 6. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Projeto Teatro das Memórias. O Estado do Maranhão, São Luís, p. 4 - 4, 29 maio 2006. 7. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro das Memórias de São Luís. O Estado do Maranhão, São Luís, p. 4 - 4, 19 maio 2006. 8. CORRÊA, Alexandre Fernandes . Cinema e Museu das Imagens: para uma futura museologia antropológica cinematográfica. Comunidade Virtual de Antropologia, 02 out. 2004. 9. CORRÊA, Alexandre Fernandes . Cultura e Democracia: o caso do fechamento do conselho de cultura do Maranhão. Jornal Pequeno, São Luís, p. 2 - 2, 04 jun. 2004. 10. CORRÊA, Alexandre Fernandes . Museu das Crianças: Educação Patrimonial para Crianças. Comunidade Virtual de Antropologia, p. 1 - 1, 01 ago. 2003. 11. CORRÊA, Alexandre Fernandes . Cinema e Urbanidade. Estado do Maranhão, São Luís, p. 5 - 5, 25 jan. 1998 12. CORRÊA, Alexandre Fernandes . O que você gostaria de saber sobre a Antropologia.. Comunidade Virtual de Antropologia, p. 1 - 1. TRABALHOS COMPLETOS PUBLICADOS EM ANAIS DE CONGRESSOS 1. CORRÊA, Alexandre Fernandes; COSTA, A. C.; Chaves, César Roberto Castro. CONFIGURAÇÕES PSICOSSOCIAIS DO FUTURO DO PASSADO NA CENA CULTURAL ATUAL. In: V Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2011, São Luís. V Jornada Internacional de Políticas Públicas UFMA. São Luís: EDUFMA, 2011. v. 1. p. 1-30. 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. A EXPERIÊNCIA DO AMOR COMO APROXIMAÇÃO DO CRIME, DA LOUCURA E DA MORTE. In: IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental, 2010, Curitiba. 3. CORRÊA, Alexandre Fernandes. PROJETO UFMA SÃO LUÍS 400 ANOS. In: VII ENCONTRO HUMANÍSTICO, 2008, São Luís. ANAIS DO VII ENCONTRO HUMANÍSTICO. São Luís : EdUfma, 2007. v. 1. p. 89-97. 4. CORRÊA, Alexandre Fernandes. A NOSTALGIA PÓS-MODERNA: O Complexo de Dédalo em Perspectiva. In: VII ENCONTRO HUMANÍSTICO, 2008, São Luís. ANAIS DO VII ENCONTRO HUMANÍSTICO. São Luís: EDUFMA, 2007. v. 1. p. 167-176.

5. CORRÊA, Alexandre Fernandes. O MITO DE DÉDALO EM UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA.. In: XXXII ANPOCS, 2008, Caxambu. XXXII ANPOCS, 2008. v. 1. p. 1-20. 6. CORRÊA, Alexandre Fernandes. O Museu Mefistofélico e a Distabuzação da Magia. In: Reunião Brasileira de Antropologia, 2008, Porto Seguro. RBA, 2008. v. 1. p. 1-19. 7. CORRÊA, Alexandre Fernandes. O COMPLEXO DE DÉDALO EM UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA. In: RBA, 2008, Porto Seguro. RBA, 2008. v. 1. p. 1-19. 8. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Museu de Magia Negra e Dante Milano no imaginário social brasileiro do começo do século XX. In: XIII Congresso Brasileiro de Sociologia, 2007, Recife. Desigualdade Difereça Reconhecimento. Recife: UFPE, 2007. v. 1. p. 17-18. 9. CORRÊA, Alexandre Fernandes. DESAFIOS À POLÍTICA CULTURAL E A NOVA MUSEOLOGIA: Patrimônio, memória e desenvolvimento.. In: IV Reunião de Antropologia do Mercosul, 2007, Porto Alegre. VII RAM. Porto Alegre: UFRGS, 2007. v. 1. 10. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Primeiro Patrimônio Etnográfico do Brasil: a Coleção-Museu de Magia Negra do Rio de Janeiro. In: XXIV Simpósio Nacional de História Histíra e Multidisciplinaridade, 2007, São Leopoldo. XXIV Simpósio Nacional de História. São Leopoldo: Unisinos, 2007. v. 1. p. 1-9. 11. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Projeto "UFMA São Luís 400 an0s". In: VII Encontro Hu 12. CORRÊA, Alexandre Fernandes. MEMÓRIAS SOCIAIS E PATRIMÔNIO CULTURAL. In: III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICA, 2007, São Luís. QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI, 2007. 13. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Museu Mefistofélico: o significado cultural da coleção museu de magia negra, priimeiro patrimônio etnográfico do Brasil (1938). In: XXV Reunião Brasileira de Antropologia, 2006, Goiânia. Saberes e Práticas Antropológicas. Goiânia: UCG, 2006. v. 1. 14. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Museu Mefistofélico: significado cultural do primeiro patrimônio etnográfico do Brasil (1938). In: XXX Encontro Anual da ANPOCS, 2006, Caxambu. 15. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Uma Perspectiva Crítica da Política Cultural Vigente: o paradigma preservacionista clássico na berlinda. In: II Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2005, São Luís. II Jornada Internacional de Políticas Públicas. São Luís: EDUFMA, 2005. v. 1. p. 1-9. 16. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Mudanças no Paradigma Preservacionista Clássico. In: XXIII Reunião Anual de Antropologia, 2000, Brasília. Reunião de Antropologia. Brasília: ABA, 2000. v. 1. RESUMOS PUBLICADOS EM ANAIS DE CONGRESSOS 1. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Em defesa dos patrimônios bioculturais: dádiva, reciprocidade e o utilitarismo economicista. In: 27ª Reunião Brasileira de Antropologia - Brasil Plural - Simpósio Especial, 2011, Belém. Anais 27ª Reunião Brasileira de Antropologia - Brasil Plural. Belém: ABA, 2011. v. 1. p. 1-1. 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Configurações histórico-culturais do Futuro do Passado na cena cultural atual. In: X Encontro Humanístico, 2010, São Luís. X Encontro Humanístico. São Luís: EDUFMA, 2010. v. 1. p. 66-67. 3. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Museu de Magia Negra e Dante Milano. In: XIII Congresso Brasileiro de Sociologia, 2007, Recife. Desigualdade Diferença Reconhecimento. Recife: UFPE, 2007. v. 1. p. 17-18. 4. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro das Memórias Sociais: reflexões de etnologia comparada.. In: V Encontro de História Oral Nordeste, 2005, São Luís. V Encontro de História Oral Nordeste, 2005. v. 1. p. 52-53. 5. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônio Etnográfico: metamorfoses de um conceito em mutação. In: XXIV RBA, 2004, Olinda. XXIV RBA. Recife : UFPE, 2004. v. 1. p. 52-52. 6. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Política dos Patrimônios Etnológicos e Genéticos na Hipermodernidade. In: XXVIII Encontro Anual da ANPOCS, 2004, Caxambu. XXVIII Encontro Anual da ANPOCS, 2004. v. 1. p. 68-68. 7. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônio no Imaginário Social Brasileiro. In: VIII Reunião ABANNE, 2003, São Luís. VIII ABANNE. São Luís : EDUFMA, 2003. v. 1. p. 162-163. 8. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Identidade e Etnicidade no Labirinto Antropológico. In: V RAM Antropologia do MERCOSUL, 2003, Florianópolis. ANAIS da V RAM. Florianópolis : UFSC, 2003. v. 1. 9. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Identidade Nacional e Etnicidade no Labirinto Antropológico. In: V RAM - Antropologia do MERCOSUL, 2003, Florianópolis. V RAM - Antropologia do MERCOSUL. Florianópolis: EDUFCS, 2003. v. 1.

10. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Identidade, Patrimônio e Ambiente no Labirinto Antropológico. In: V RAM - Antropologia do MERCOSUL, 2003, Florianópolis. V RAM - Antropologia do MERCOSUL. Florianópolis: EDUFSC, 2003. v. 1. 11. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Identidade Nacional, Etnicidade e Estado no Labirinto Antropológico. In: V RAM - Antropologia do MERCOSUL, 2003, Florianópolis. V RAM Antropologia do MERCOSUL. Florianópolis: EDUFSC, 2003. v. 1. 12. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Memórias Sociais na Contemporaneidade. In: XXIII Reunião Anual de Antropologia, 2002, Gramado. XXIII Reunião Anual de Antropologia. Porto Alegre: UFRGS, 2002. v. 1. p. 35-40. 13. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônios Bio-Culturais. In: IV RAM, 2001, Curitiba. IV RAM. Curitiba: Douglas Brunnetta, 2001. v. 1. p. 1-261. 14. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônio Bio-Culturais: um debate sobre novas estratégias preservacionistas. In: IV RAM Reunião de Antropólogos do MERCOSUL, 2001, Curitiba. IV RAM. Curitiba: UFPR, 2001. v. 1. p. 1-261. 15. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro das Memórias: a bio-cultura em cena. . In: VII Reunião ABANNE, 2001, Recife. VII Reunião ABANNE. Recife: UFPE, 2001. v. 1. p. 37-40. 16. CORRÊA, Alexandre Fernandes. VILAS, PARQUES, BAIRROS E TERREIROS: novos patrimônios na cena das políticas culturais de São Luís e São Paulo. . In: III Seminário Internacional - Patrimônio e Cidade Contemporâneas, 2001, Salvador. III Seminário Internacional - Patrimônio e Cidade Contemporâneos.. Salvador: UFBA, 2001. v. 1. p. 35-40. 17. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Patrimônio e Memória de terreiros: Estratégias de Ação. In: XXI ABA, 1998, Vitória. XXI ABA. Vitória: UFES, 1998. APRESENTAÇÕES DE TRABALHO 1. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Mito e Ideologia: aproximações teóricas. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. ANTROPOLOGIA, LITERATURA E PSICANÁLISE: as representações do mal à brasileira na poética de Dante Milano.. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). 3. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Ação cultural, fixação identitária e excessos da patrimonialização. 2011. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). 4.CORRÊA, Alexandre Fernandes ; COSTA, A. C. . FIXAÇÃO IDENTITÁRIA, TERRITORIALIDADE E EXCESSOS DA PATRIMONIALIZAÇÃO: riscos para a criatividade e o imaginário artístico e cultural contemporâneo.. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 5. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Dédalo em tempos de globalização e mundialização. 2010. (Apresentação de Trabalho/Simpósio). 6. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Configurações histórico-culturais do Futuro do Passado na cena cultural atual. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 7. CORRÊA, Alexandre Fernandes. A experiência do amor como aproximação do crime, da loucura e da morte.. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). 8. CORRÊA, Alexandre Fernandes. DÉDALO EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO E MUNDIALIZAÇÃO. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 9. CORRÊA, Alexandre Fernandes; COSTA, A. C. . IDENTIDADE, CRIATIVIDADE E ARTE: Riscos do excesso de patrimonialização. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 10. CORRÊA, Alexandre Fernandes. MUSEU MEFISTOFÉLICO: Primeiro Patrimônio Etnográfico do Brasil (1938). Pesquisa de Pós-Doutorado UFRJ/UERJ (2005-2010). 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). 11. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Observatório do Patrimônio Cultural. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 12. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Ciências Sociais: atuação profissional e suas vertentes . 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 13. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Cidade como Fenômeno Cultural. 2010. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). 14. CORRÊA, Alexandre Fernandes; COSTA, A. C.. Cultura e Subjetividades: Cenas e linguagens nas formações subjetivas e na produção cul;tural no estágio atual da modernidade.. 2010. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 15. CORRÊA, Alexandre Fernandes. PAISAGENS, PATRIMÔNIOS E MEMÓRIAS SOCIAIS NA ATUALIDADE.: O Mito de Dédalo em Perspectiva. 2009. (Apresentação de Trabalho/Comunicação).

16. CORRÊA, Alexandre Fernandes. 400 anos de São Luís: contribuições para uma sócio-história das instituições de ensino, dos professores e dos intelectuais no Maranhão. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 17. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Museus como Agentes de Mudança Social e Desenvolvimento. 2008. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). 18. CORRÊA, Alexandre Fernandes. MUSEU DE MAGIA NEGRA DO RIO DE JANEIRO. 2008. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). 19. CORRÊA, Alexandre Fernandes. O Papel do Antropólogo na Gestão do Patrimônio Cultural e Natural na Atualidade. 2006. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). PRODUÇÃO TÉCNICA; 1. CORRÊA, Alexandre Fernandes; MATIAS FILHO, Manoel; SANTOS ALMEIDA, Alderico José. NOTA TÉCNICA A ATUAÇÃO DOS SOCIÓLOGOS NA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PNAS FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SOCIÓLOGOS FNS / MARÇO 2011. 2011. 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro das Memórias Sociais e do Patrimônio Biocultural: pesquisa antropológica na região metropolitana de São Luís/MA.. 2006. 3. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Consultoria sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais no Maranhão. 2002. 1. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Ciência Hoje: Patrimônio Histórico de São Luís. 2012. (Programa de rádio ou TV/Entrevista). 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Relatório Final de Pesquisa Teatro das Memórias. 2011. (Relatório de pesquisa). 3. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Curso Livre de Cultura Popular. 2010. (Curso de curta duração ministrado/Outra). 4. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Relatório de Atividades de Estágio de Pós-Doutorado. 2010. (Relatório de pesquisa). 5. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Ação Cultural em Museus e Patrimônios: gestão de heranças e legados sócio-culturais. 2008. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 6. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Relatório Parcial Projeto de Pesquisa 2006-2008. 2008. (Relatório de pesquisa). 7. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Projeto Ação Cultural TEATRO DAS MEMÓRIAS. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 8. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Relatório de Atividades de Pós-Doutorado: Museu Mefistofélico: o significado cultural da coleção museu de magia, primeiro patrimônio etnográfico do Brasil (1938).. 2006. (Relatório de pesquisa). 9. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Políticas do Patrimônio e da Memória em São Luís/MA. 2005. (Relatório de pesquisa). 10.CORRÊA, Alexandre Fernandes . Mini-Curso Atualidade do Ensino da Sociologia na Escola Média. 2004. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 11. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Educação Patrimonial. 2004. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 12. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Religação dos Saberes - Propostas para o Ensino do Futuro. 2003. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 13. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Vestibular da Cidadania. 2002. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Apostila Pré-Vestibular). 14.CORRÊA, Alexandre Fernandes. Políticas do Patrimônio e da Memória. 2002. (Relatório de pesquisa). PRODUÇÃO ARTÍSTICA/CULTURAL1. CORRÊA, Alexandre Fernandes; SOUSA, Luiz Roberto de. Perséfone. 2004. (Apresentação de obra artística/Teatral). 2. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Dança das Dunas. 2004. (Apresentação de obra artística/Teatral). 3 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Salto para o Futuro TVE-MINC. 2003. (Apresentação em rádio ou TV/Outra). 4 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Política do Patrimônio Cultural. 2002. (Apresentação em rádio ou TV/Outra). 5 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Entrevista sobre o I Seminário & Forum de Licenciatura em Sociologia da UFMA. 2002. (Apresentação em rádio ou TV/Outra). 6 CORRÊA, Alexandre Fernandes . Jam Session. 2001. (Apresentação em rádio ou TV/Música).

7 CORRÊA, Alexandre Fernandes . Apresentação da Tese de Doutorado em Ciências Sociais da PUC/SP. 2000. (Apresentação em rádio ou TV/Outra). 8 CORRÊA, Alexandre Fernandes. TV SENAC: Messianismo e a Cultura do Sucesso. 1999. (Apresentação em rádio ou TV/Outra). 9 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Arthur Ramos: 70 anos de lançamento do livro O Negro Brasileiro. Palestra da Profa. Dra. Luitgarde Cavalcante Oliveira (UERJ). 2004. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 10 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Religação dos Saberes. 2003. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 11 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Oficina de Roteiro para Filme e Vídeo Etnográ'fico. 2001. (Curso de curta duração ministrado/Extensão). 12 CORRÊA, Alexandre Fernandes; SILVA, Creudecy Costa da . Teatro das Memórias: entre o passado e o futuro. 2006 (Projeto de Ação Cultural). 13 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Memórias Fotográficas no Desterro. 2004 (Exposicão Fotográfica). 14 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Religação dos Saberes: mudanças paradigmáticas. 2003 (Palestra). 15 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Percepções do Patrimônio no Sítio Histórico de São Luís. 2002 (Exposicão Fotográfica). 16 CORRÊA, Alexandre Fernandes. CERCO - Vila Dois Rios - Ilha Grande/RJ. 2000 (Filme Documentário). 17 CORRÊA, Alexandre Fernandes; Mário Grisolli . Metamorfoses do Vampiro. 1984 (Filme Documentário). 18 Telles, Mário; CORRÊA, Alexandre Fernandes. Teatro Labirinto: a que causa dedicar a vida?. 1981 (Projeto de Ação Cultural). 19 CORRÊA, Alexandre Fernandes. Referencias Curriculares Ensino Médio Maranhão - Sociologia. 2003 (Consultoria).

DISCURSO DE POSSE NA CADEIRA NÚMERO 10, PATRONEADA POR JOSÉ XAVIER DE MORAES DA FONSECA PINTO - Padre Jesuíta José de Morais (1708-1777[?]) ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA

Senhora Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, Senhoras e senhores, Confrades e confreiras, Convidados, Boa Noite! É com grande alegria e satisfação que tomo posse hoje na Cadeira Número 10 deste egrégio Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, fundado em 1925. Ao compor esse discurso de posse, lembrei-me do poeta romano Horácio (65 a.c.– 8 a.c.), que também foi filósofo, e, como se sabe, dentre suas características literárias, destacava-se a insistência na importância em se aproveitar o presente, sem demonstrar muita preocupação com o futuro. Pelo reconhecimento da brevidade da vida, acreditava na ideia de aproveitarmos cada momento de nossa existência efêmera, antes da morte, dedicando-nos ao amor e as questões sociais. Devemos a ele a difusão da expressão latina Carpe Diem, uma frase em latim retirada de um poema seu, e popularmente traduzida para algo como “colha o dia” ou “aproveite o momento”. É também utilizada como expressão para solicitar que se evite gastar o tempo com coisas inúteis ou como justificativa para o prazer imediato, sem medo do futuro. Inspirado nesses ensinamentos lembrei-me do conselho desse poeta antigo: Esto brevis et placebis, isto é, “Seja breve e agradarás”. É máxima que seguirei hoje... Todavia, é preciso cumprir com o rito de posse tradicional, reverenciando e rememorando as vidas do patrono da cadeira número 10, e do último e único ocupante anterior a mim. Patrono da Cadeira Número 10 Seu nome completo é José Xavier de Morais da Fonseca Pinto. Jesuíta e cronista português, nasceu em Lisboa no ano de 1708. Sua entrada na Companhia de Jesus foi feita em março de 1727, chegando ao Maranhão em 1730, ordenando-se padre em 1744. Foi teólogo e pregador, e por seus méritos foi encarregado pelo El-Rei D. João V para examinar a legitimidade dos cativos de guerra no Maranhão. Saiu do Maranhão quando da expulsão dos jesuítas em 1759, sendo deportado, voltando para Portugal. Pouco antes havia sido nomeado Cronista da Vice-Província do Maranhão e Pará. Sua nomeação fazia parte das comemorações da elevação da Vice-Província à Província; fato que não chegou a ocorrer em virtude da expulsão dos jesuítas. Em Portugal, foi aprisionado em locais não identificados.

Enquanto cronista escreveu Memórias para a História do Extincto Estado do Maranhão, concluída em 1759, e seu primeiro tomo publicada no Rio de Janeiro no ano de 1860; o segundo tomo só será publicado em 1874. Pe. José Moraes ofereceu seu texto à memória da já falecida Rainha Marianna d’Austria (1634-1696), rainha consorte de Espanha de 1649 a 1665, como segunda esposa de Felipe IV e regente de 1665 a 1675 como mãe de Carlos II. A obra do Pe. José Moais foi publicada no Brasil como registro das Memórias para a História da Companhia de Jesus na extinta província do Maranhão e Pará, que compreendia vasta região compreendendo os atuais estados do Maranhão, Piauí, Pará e Amazonas (1621-1775). Em sua edição no Brasil, sob orientação editorial de Cândido Mendes de Almeida, foi publicada apenas a primeira parte do texto, contendo diversos capítulos; pois se considerava na época que a segunda parte da obra estivesse perdida. O que justificava esse juízo da perda da obra se encontrava no final do volume da publicação, em que há uma nota do autor na qual afirma, em primeira pessoa: “Que foi o que pude salvar, com grande risco, do infeliz naufrágio que padeceu toda a Companhia de Jesus; porque a Segunda Parte naufragou no confisco, que se fez em todos os papéis”. A referida obra do Pe. José Morais trata das tentativas para estabelecimento de missões jesuíticas junto aos indígenas do Maranhão, desde as expedições de Pedro Coelho de Souza e Martins Soares Moreno, até o estágio alcançado no ano de 1759. Compreende um rico acervo de descrições notáveis dos feitos históricos dos jesuítas nessa região do País e do Mundo conhecido. Para nós que acabamos de passar pela efeméride dos 400 anos de “fundação” de São Luís e do próprio Estado do Maranhão, esta obra mereceria mais atenção; evitando em fim, polêmicas inúteis e despropositadas; assunto que não tratarei aqui, pois foi fartamente discutido nos VI Seminários promovidos pelo IHGM. Como resumo sumário do livro dividido em dois volumes, destacamos: Livro I – Da Capitania do Maranhão, contendo treze densos capítulos históricos; Livro II – Progressos da Companhia no Maranhão, encontramos oito capítulos com relatos mais específicos sobre a atuação dos primeiros jesuítas; Livro III – Entrada da Companhia de Jesus na Capitania do Grão-Pará, como o próprio título indica, narra-se em dez capítulos os trabalhos no Estado do Pará; Livro IV – Do que se seguiu da Entrada da Companhia no Pará e do Padre Vieira no Maranhão, em sete capítulos; Livro V – De outras ações dos nossos Missionários no Estado do Maranhão, e do grande Padre Antonio Vieira até a sua partida para o Pará, em seis capítulos; Livro VI – Da entrada do Padre Antonio Vieira na Capitania do Pará, do descobrimento espiritual do rio das Amazonas, e das aldeias que nele fundarão os Religiosos da Companhia de Jesus, em onze capítulos. No Tomo II, temos a continuação da história dos feitos da Companhia de Jesus, narradas e descritas com as mãos de outro cronista, já não mais pelas mãos do Pe. José

de Morais. Após um longo ensaio de Cândido Mendes de Almeida, encontramos por fim, A Relação Sumária das Cousas do Maranhão, escrita pelo Capitão Simão Estácio da Silveira. Voltando ao Tomo I, escrito pelo Pe. José Morais cabe acrescentar que o mesmo escreve também a respeito das atividades desenvolvidas nos rios Madeira e Tapajós na Amazônia, tratando com maior atenção das aldeias, seus nomes, localização e missionários responsáveis. São escassos os dados sobre as sociedades indígenas, mas as informações cronologicamente organizadas permitem uma visualização do processo de implantação das aldeias nesta região. A obra de José de Morais se junta ao trabalho de outros dois cronistas da época, também privilegiados como fontes na elaboração de análises sobre a colonização da Amazônia e do Maranhão. São eles Betendorf e João Daniel, produzindo textos e relatos importantes, pois são escritos relevantes em função de seus vários pontos de vista sobre a realidade descrita; tornando seus registros um tanto diversos, mas complementares. Ambos eram igualmente padres jesuítas que permaneceram, por longos períodos, evangelizando na Amazônia e publicaram seus registros após receberem aprovações de seus superiores. Seus relatos abrangem diferentes períodos da colonização da Amazônia, permitindo um acompanhamento do processo dinâmico iniciado com a Conquista da região, durante um período de tempo maior: enquanto Betendorf selecionou e organizou em sua Crônica, informações sobre o Maranhão entre 1594 e 1698; João Daniel compilou dados relativos ao período que permaneceu no Maranhão e Grão Pará (17411757). Esses registros evidenciam o que se considera façanha de grande importância para a História da Evangelização cristã no mundo Ocidental. O patrono da cadeira número 10, nos deixa um legado de grande valor, que hoje pode ser acessado e lido através da Biblioteca do Senado Federal que disponibiliza toda sua obra aqui referida. Último Ocupante da Cadeira Número 10 Nesse momento, passo a tratar da breve vida de Dom Adalberto Acióly Sobral. O mesmo foi o 27º Bispo do Maranhão e o 3º Arcebispo Metropolitano. Era sergipano e após receber o presbiterato exerceu interinamente as funções de Cura da Catedral de Maceió. Com a criação do Bispado de Sergipe em 03 de janeiro de 1910, passou a integrar o clero da nova Diocese, do qual foi Arcediago do Cabido da Catedral, Diretor Espiritual do Seminário, depois Reitor e Vigário Geral. Eleito Bispo da Barra, no Estado da Bahia, em 12 de abril de 1927, teve a sua remoção em 13 de janeiro de 1934 para a Diocese de Pesqueira, em Pernambuco. O Papa Pio XII o promoveu em 18 de janeiro de 1947 para a sede Arquiepiscopal do Maranhão, vindo a tomar posse solene a 18 de agosto daquele mesmo ano. Foi reconhecido como um homem de uma piedade e zelo pastoral edificantes, e segundo relatos, dedicou-se ao seu clero como um verdadeiro pai para com seus filhos. Há quem diga que quando chegou ao Maranhão já era portador da terrível doença, que ainda hoje desafia a medicina, e da qual faleceu em Aracaju, no dia 24 de maio de 1951. O seu corpo foi conduzido à São Luís, e depois de solenes exéquias oficiadas pelo Arcebispo de Belém do Pará, Dom Mario de Miranda Vilas Boas, sepultado na nossa Catedral da Sé.

Dom Adalberto Acióly Sobral seguiu a frente do arcebispado por apenas 4 anos. Como já sofria da doença que o vitimou, antes de aportar à São Luís, teve pouco tempo para exercer seu trabalho clerical e de governança pastoral. Sexagenário, e já tendo sido aureolado com a fama de Apóstolo dos Sertões, que conquistara na Bahia, e de Bispo dos Pobres, como o chamaram em Pernambuco, não teve tempo de conquistar um terceiro cognome. Sua administração foi mais de gabinete, como se podem adivinhar as razões. Entre seus feitos destacamos a instalação do “Centro de Froamção Religiosa para Jornaleiros e Engraxates”, depois chamado de “Centro Pio XII” ou mais simplesmente de “Casa do Jornaleiro”. Assim, apesar de seu curto intercurso entre seus contemporâneos ludovicenses, recebeu dos intelectuais maranhenses uma expressiva homenagem, quando os membros do IHGM o elegeram sócio honorário dessa casa de cultura. Depois de morto recebeu ainda uma homenagem póstuma da Câmara Municipal que deu seu nome à rua da Cerâmica, no bairro do João Paulo. Palavras Finais Termino esse breve discurso agradecendo publicamente o convite do Prof. Leopoldo Gil Dulcio Vaz indicando meu nome para compor o IHGM; muito obrigado pela gentileza, reconhecimento, ajuda e amizade. E aproveito para agradecer também o acolhimento e aprovação da indicação, por parte da assembleia de confrades e confreiras. Estive pensando nos motivos que levaram Prof. Leopoldo Vaz a nos convidar para participar e integrar essa Instituição que possui vultos renomados de escritores, pesquisadores, professores e eruditos sobre a História, Geografia, Sociedade e Cultura do Maranhão. Sou professor universitário, pesquisador e escritor que tem produzido investigações acerca da cultura e sociedade brasileira, e em especial, a maranhense, pelo menos nos últimos vinte anos; algumas vezes de modo mais sistemático, outras vezes de modo mais livre. Creio que ao participar do nosso II Encontro de Estudos Culturais, que organizamos no Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, e do III Encontro: Cultura e Subjetividades, ocorrido no auditório do jornal O IMPARCIAL, o Prof. Leopoldo Vaz reconheceu nossa disposição em dar continuidade aos esforços de realização de estudos e pesquisas culturais sobre São Luís, o Maranhão e o país; orientando e estimulando estudantes e pesquisadores, com entusiasmo e dedicação. Quando digo nós é porque ainda tínhamos a companhia agradável, amorosa e criativa de Adriana Cajado Costa, que nos oferecia confiança e firme presença, qualificando o trabalho comum, com dignidade e beleza. Ela foi uma entusiasta do aceite desse convite; o que justifica nossa presença aqui e agora. Creio que foi esse conjunto de atividades e atmosfera de estudos e pesquisas que chamaram a atenção do Prof. Leopoldo Vaz, e de tantos outros amigos que conviveram conosco nesses últimos anos. E é isso que poderemos continuar oferecendo, muito embora, não contando mais com a presença e o apoio de nossa querida Adriana Cajado Costa; que se foi prematuramente.

Nosso entusiasmo tinha uma fonte segura, quando ainda hoje nos encontramos sob o manto do luto; mas, nossa missão é dar continuidade e preservar os frutos dessa vida em comum, oferecendo nossos melhores esforços para o florescimento de novas perspectivas e olhares sobre a cidade de São Luís, o Maranhão e o Brasil. Conhecimento novo e mais que necessário, pois urgente e emergente, a fim de conduzir nossas vidas para melhores destinos. Muito obrigado a todos!

DISCURSO DE POSSE NO IHGM ARTHUR ALMADA LIMA FILHO São Luís – MA, 28 de setembro de 2012. Convoco esta augusta assembleia para, corações alcandorados e mentes em exaltação, entoarmos em altíssimos acordes um peã sonoroso a esta heroica e invicta cidade de São Luís – parte da antiga Hélade destacada das margens claras do mar Egeu para vir debruçar-se, neste continente do Novo Mundo, nas falésias da Baía de São Marcos. Atenas Brasileira - não escassearam aqui, os Heródotos, os Sófocles e Eurípedes ou os Demóstenes. Longa vida a esta pettite ville au porcelaine, que, vaidosa, vai dando as suas primeiras passadas a caminho de seu quinto centenário. Eu de mim, senhoras e senhores, faço essa louvação genuflexo, agradecido à acolhida generosa que este desconhecido conterrâneo de Gonçalves Dias aqui recebeu já no primeiro encontro com a Inteligência local. Deu-se isto na aula do notável Professor Alves Cardoso, com assistência de mais de 50 estudantes, com os quais não tinha conhecimento. Era a primeira aula a que assistia. Tão logo um distinto colega leu caloroso elogio ao Presidente eleito no pleito do ano anterior, 1945, proferi um inflamado e ardoroso elogio ao candidato vencido que empolgara a minha juventude, numa campanha que se assemelhou às do grande Rui. Tanto bastou para que o Diretor de então, do nosso querido Liceu, o não menos notável Professor Mata Roma, fosse à iminência de impor despropositado gravame ao noviço liceísta. Deteve-se, porém. Teria sido injusto. De todo episódio, sobrou-me valioso saldo: a aceitação imediata dos colegas, e uma saudável camaradagem que dali nasceu. Escuso-me nomeá-los, ou por que a memória não me acuda, ou porque alguns, rogo aos céus que poucos, gozam do descanso eterno, a que não convém perturbar. Estas coisas conto e outras semelhantes contarei, não por pataratas, mas para que se compreenda quão generosa e dadivosa tem - me sido esta abençoada terra e a quanto alcança a minha dívida Favoreçam-me os numes tutelares para que a assistência me seja receptiva e tolerante. E não me escuso, porém, do dever de mostrar quão cativo sou às distinções recebidas. Não foram poucas, nem desvaliosas. Ingresso na Faculdade de Direito, ali, na Rua do Sol, e logo me elegem os colegas para a Presidência do Diretório Acadêmico, desde então Diretório Acadêmico “Clodomir Cardoso”, e, em seguida, para a Presidência da União Maranhense dos Estudantes, sufragada minha candidatura pelas Faculdades de Direito, Farmácia, Odontologia e de Filosofia, bem como pelas Escolas de Serviço Social e de Enfermagem, as três últimas pertencentes à extinta Universidade Católica. Por algum tempo, nem tanto quanto se esperava, ausentei-me da ilha, e aqui retorno, per summa capita, em 1964. . Outras e novas deferências, nunca dantes almejadas ou imaginadas aqui me aguardavam. Assim, o cargo de Diretor Assistente dos Diários Associados - O Imparcial e Rádio Gurupi - aonde me levou a mão amiga e honrada do brilhante homem de imprensa e chefe compreensivo e paciente para com os iniciantes. Refiro-me ao Dr. José Pires de Saboia Filho, figura humana de real valor,

tão cedo tirado do nosso convívio, todavia, em nossas relembranças, mantido em gratidão e respeito. Tempo de grande aprendizagem no trato com mestres do jornalismo. Miécio Jorge, Vera Cruz Santana, Cordeiro Filho, Emanuel da Silva, e com os nossos queridos e sempre lembrados companheiros gráficos, competentes operários, que, ao nome de batismo, preferiam as alcunhas carinhosas com que se confraternizavam, Mário Camelo. Jumentinho, Trauira e Moacir. Este fugia deste modus jocandi, acomodado nos elevados graus centígrados de sua clicheria artesanal. Apraz – me referir a numerosos aprendizes que ali receberam ensinamentos preciosos, entre os quais muito se destacaram os jovens Pedro Freire e Raimundo Borges, hoje brilhantes jornalistas que ascenderam, por justo mérito, na hierarquia da empresa, aos postos de mando superior: Superintendência e Diretoria. Eles editam O Imparcial, diário mais antigo em circulação no Estado. No ano seguinte, convocou-me o Colégio do Estado, Liceu de nossas benquerenças, para lecionar, no segundo grau, o professor de ginásios interioranos Língua Portuguesa e Literatura Luso-brasileira. Uma glória, não há negar, lecionar na sua antiga escola, como se estivesse a contestar o sábio Sêneca- non scholae... Daí, para o magistério e Diretoria da Escola de Administração Pública do Estado do Maranhão, de sigla respeitada EAPEM, de onde alcanço a Presidência da Federação das Escolas Superiores do Maranhão, submisso à intimação que me fez o saudoso e estimado professor Pedro Neiva de Santana, paradigma de honradez, então com assento na curul governamental. Encargo de difícil e insuspeito desempenho, como, de imediato, se viu. Por muito pouco a instituição não foi absorvida pela Universidade Federal. Não faltaram manchetes nos jornais, nem pregões nos noticiários radiofônicos. Silenciosa, entretanto pertinaz justa se travou no início do governo do muito honrado e respeitado Dr. Nunes Freire De um lado os secretários de Estado, mas não em sua totalidade; de outro lado a FESM, na unanimidade de suas Unidades federadas. Não foram poucos os dias de discussões, as partes em confronto expondo razões divergentes em profundidade, resultando disso, a vinda de autoridades do MEC para decidir a contenda. Após várias reuniões, na Reitoria da UFMA e na Presidência da FESM, o caso foi submetido à decisão do MEC, em Brasília. Do resultado, hoje se orgulhece nossa amada cidade com as duas universidades públicas de reconhecida excelência. Neste ponto devo ressaltar a atuação decidida e, por vezes, ousada, dos valorosos companheiros aos quais deve São Luís esse triunfo: nomeio os eméritos professores Haroldo Tavares, José Mariano Santos, Arthur Azar, José Trajano Brandão, Severino Pessoa, Kalil Mohana, Ivo Anselmo Hon, e, fora do âmbito da FESM, o Dr. José Ribamar Araújo, os três últimos já em outra dimensão da existência humana. Desses bravos colegas adveio a força com que a Presidência da FESM se opôs ao projeto que extinguiria esta consolidada instituição de ensino superior, para incorporar suas unidades de ensino à UFMA. Outros encargos destacados reservou-me esta gloriosa cidade. Juiz de Direito, Juiz coordenador do 2° Juizado Especial, membro do Tribunal de Justiça e do Tribunal Eleitoral, onde como vice – presidente assumi temporariamente a presidência da Corte e, ainda mais, Diretor da Escola Superior da Magistratura, sócio efetivo da Academia Maranhense de Letras Jurídicas, legionário do 24º Batalhão de Caçadores – Batalhão Barão de Caxias.

Uma suprema distinção me conferiu a augusta Câmara Municipal de São Luís. Por iniciativa do ilustre e honrado vereador Benedito Pires, que, por sete legislaturas consecutivas, prestou bons serviços à cidade e a seu povo, vi-me consagrado Cidadão de São Luís. Se outros méritos não tivera, sirvam - me de adminículos cinco das oito décadas de minha existência aqui em curso tão feliz. Como se expressava em sua inspiração poética o inesquecível Desembargador José Filgueiras “estou feliz, amando o meu presente, coração leve e forte, crescendo na esperança...” Recorro ao circunlóquio virgiliano para externar meus sentimentos: o terque quaterque beatus, Ó três e quatro vezes afortunado. E mais por que vi aqui nascerem meus cinco filhos e os nove netos. Que mais, senhoras e senhores, poderia esperar desta terra, ora-mãe adotiva, tão soberba, tão abundante as deferências recebidas. Já me preparava ao que me parecia justo - o otium cum dignitate, de que falava Cícero, quando me surpreende a nova de que o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, IHGM, me acolhera para seu quadro de sócios efetivos, por indicação do professor Josemar Bezerra Raposo, cidadão de elevado conceito nos meios acadêmicos e intelectuais no estado, em que desfruta de consideração e respeito, e homologação generosa da assembleia geral do Instituto. Não foi suficiente o meu pouco merecimento e a disposição que me propunha de uma vida silenciosa e meditativa. Reportei-me, no momento, ao episódio, dos soldados franceses sobreviventes da primeira guerra mundial. No final dos anos oitenta do século passado, chamou-os o Governo francês para conferir-lhes a Legião de Honra. Um, ao receber a notícia, faleceu; outro a recusou – tinha cumprido tão somente o seu dever; por fim, os demais receberam a insigne comenda. Sobrevivi, senhoras e senhores, e conquanto estivesse, em parte, seguro do dever cumprido, submeti-me ao peso de tão subida distinção, advertido do compromisso e das obrigações a firmar, mas nem por isso relegando ao esquecimento a sentença do poeta de que esses louros e honras, mais vale merecê-los sem os possuir, que possuí-los sem os merecer. O IHGM por muito tempo vem sendo objeto de muito interesse e atenção, muito embora em tempo algum tenha ousado ambicionar-lhe as galas e comenda. Tomeio-o como paradigma para fundar o IHGC. Aqui vimos buscar os caxienses o Presidente Dr. Nywaldo Guimarães Macieira para as festas inaugurais do IHGC, conferindo a soberana assembleia a comenda de Sócio Benemérito Fundador a tão ilustre intelectual e emérito professor universitário. Chego a este Instituto a crédito, sob fiança do ilustre membro da casa, Dr. Josemar Raposo, visto que o meu Efemérides Caxienses, que era propósito meu lançar nesta solenidade, ainda não foi publicado. É esse um fato inédito? Digo não, à egrégia assistência. De Graça Aranha, patrono da poltrona que ocupei no hoje inexistente Centro Cultural Coelho Neto em Caxias, nos idos de 1947, do século passado, disse o professor Nobre de Melo que aquele ilustre maranhense entrara na Academia Brasileira de Letras, a crédito, sob fiança de Joaquim Nabuco, pois o seu Canaã, ainda não viera a lume. Não foram suficientes algumas linhas estampadas em poucas folhas acadêmicas, ou conferências proferidas sobre a História de Caxias, e, por último, o ímprobo ofício da pesquisa histórica que abracei nos últimos anos, de modo especial da História de Caxias? Concluo, enfim, por reconhecer a generosidade da insigne confraria.

A crônica desta instituição é prenhe de repetidos sucessos. O Professor Josemar deu - me a conhecer o registro que A Pacotilha reportou em sua edição de três de fevereiro de 1925, sobre a inauguração do IHGM. Com a vênia do distinto acadêmico, edito o trecho: “Nenhuma associação literária ou científica foi inaugurada no Maranhão com espontâneo concurso popular que levou ontem o Instituto de História e Geografia na sua 1ª sessão solene, realizada no salão nobre da Câmara Municipal. O povo encheu o salão, invadiu o recinto destinado aos membros do Instituto e às autoridades das quais muitas assistiram de pé a solenidade. Que fazer? Era o povo e todos se conformaram gostosamente com a sua imposição, satisfeitos com seu gesto. Foi num ambiente assim, do mais intenso interesse pelo ato que a sessão começou sob a direção do Dr. Justo Jansen, o presidente do Instituto, tendo a seu lado o Arcebispo Metropolitano, o Prefeito Municipal e o representante do governo do Estado.” Com tão auspicioso prenúncio era de esperar o fasto futuro de que fruiria às vésperas de seu centen��rio. Registra a história que nem sempre foram de bonança os seus dias. Não obstante, alcançou altos triunfos. Ad augusta per augusta, dístico que se lê no brasão de instituição similar. Deste modo, chega o IHGM aos nossos dias em crescente efervescência, sob a segura e fasta administração de sua Presidente, a Professora Dra. Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo. O Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão propicia-me gratas lembranças e fortes emoções de caxiense fervoroso a ponto de me sentir confortável e quase familiar nesta associação. Deparo - me, de início, com dois ilustres filhos de Caxias, José Justo Jansen Ferreira e Arias de Almeida Cruz, fundadores da confraria. Aquele o primeiro presidente, o geógrafo que Caxias deu ao Maranhão, no dizer do Desembargador Kleber Moreira em artigo publicado na imprensa caxiense; este, meu confrade no Centro Cultural Coelho Neto, de Caxias. Ambos a merecer louvores dos conterrâneos. Qual afeito às humanidades e letras, qual, às ciências e matemáticas. De Monsenhor Arias Cruz, orador sacro por nenhum outro superado na Igreja do Maranhão, cuja obra recebeu da douta professora Telma Bonifácio estudo aprofundado, no seu discurso de posse nesta casa. Em nossos tempos serão poucos senão nulos os que se encaminham para os estudos do vernáculo, da arte literária, da retórica. De Arias Cruz não há exagero em se dizer que tinha o verbo de Vieira e a fé de Bernardes. O que diria o bom Castilho? A Justo Jansen tem-no Caxias no esquecimento, talvez pela controvérsia que se fez quanto ao local de seu nascimento. O preclaro e seguro historiador Des. Milson Coutinho, em Caxienses Ilustres, espanca a dúvida. Presto, neste ato, a homenagem que Caxias deve a seu insigne filho. Cabe-me substituir na cadeira 57, patroneada por José Eduardo Abranches de Moura, a um sócio ainda em vida, o que é incomum nos meios acadêmicos, e o faço de bom grado, graças a minha boa estrela. A vacância da poltrona deu-se por ausentar-se o ocupante da cidade, em obediência à disposição estatutária. Não me atrevo omitir a biografia dos a quem devo suceder na cadeira 57 do IHGM, ilustrados confrades “que da lei da morte se libertaram”.

Antecedeu-me José Adirson de Vasconcelos, do circulo de minhas amizades e vivência. Trabalhamos juntos por algum tempo nos Diários Associados no Maranhão. Na sua gestão, introduziu em O Imparcial a impressão em off set, encaminhando para os porões do belo sobrado da rua Formosa, tipos, componedores, linotipos e impressoras obsoletas. Para levar a palma em competição com outra empresa jornalística local, contou Adirson com decisiva e indispensável colaboração do Jornalista e publicista Cordeiro Filho, o mais completo profissional de imprensa que conheci. Da redação, passava à composição, diagramação, laboratório fotográfico até a impressão. Nada escapava a sua operosidade. Por justiça, registro a dinâmica atuação do saudoso Professor Raimundo Melo, incansável em todas as fases daquela operação, deslocandose altas horas da noite para o Porto do Itaqui, cuidando do desembarque e imediato transporte da maquinaria esperada para as oficinas de O Imparcial, a fim de se lograr a marca de pioneirismo na modernização da imprensa maranhense. Durante sua estada em nosso meio, Adirson conquistou viva simpatia dos colegas de trabalho, da sociedade, do empresariado e da intelectualidade. Por estas virtudes não tardou a vir ter assento na poltrona 57 deste Instituto. Deixou marca de sua inteligência e de sua vocação para os estudos e pesquisa da História, em que veio a se notabilizar nacionalmente em trabalhos publicados nas edições de números 08e 09 da revista do IHGM. Na revista nº 8, estampou um substancioso estudo sobre a obra e vida de Humberto de Campos. Instigante análise sobre Manoel Beckman e seus historiadores, desenvolveu Adirson Vasconcelos, às páginas 53 a 59 do nº daquela publicação. Destaco do texto um breve escólio para despertar as nossas consciências e igualmente as responsabilidades de nossas instituições culturais: “Esses livros (refere-se aos de autores desde Francisco Teixeira de Carvalho a Milson Coutinho) apaixonados todos, não dimensionam, com justeza histórica, Bequimão - o homem e o revolucionário, no contexto em que se inseriu aquela distante Revolta, a primeira eclodida no Brasil, e, quiçá, no continente americano, na defesa dos direitos do homem e do cidadão, um século antes da Inconfidência Mineira e muito antes de, na Inglaterra, promulgar-se o “Bill of Rights”, isto é, a “Relação de Direitos”, que data de 1689. Ou de, nos Estados Unidos, em 1774, assentar-se a doutrina do Congresso de Filadélfia, de inspiração de Thomas Jefferson, ou, finalmente, da “Declaração de Direitos do Homem”, pórtico da Revolução Francesa de 1789. “Em outras palavras, Manuel Beckman (Bequimão) se antecipou a Lock, Jefferson, Bolívar e Tiradentes, inscrevendo eu nome como proto-mártir da Independência de todos os países das Américas”. Diante disso, senhoras e senhores, como entender que poucas linhas dedique-lhe a História do Brasil e os maranhenses permaneçamos alheios a tão fulgente Glória? Adirson Vasconcelos, cearense de Santana do vale do Acaraú, o incomparável historiador de Brasília, advogado, jornalista, escritor, historiador, com muito orgulho, gosta de dizer que sempre viveu da profissão de escrever em jornal ou livros. Estes superam o número de mais de três dezenas. Na maioria sobre a História de Brasília, a epopeia de sua fundação, a personalidade de seu criador. Vários reconhecidos como didáticos; alguns já traduzidos para outros idiomas. Todos de excelentes qualidades literárias, vazados em estilo claro e linguagem escorreita, recebendo merecida aprovação da crítica abalizada.

Contam-se em elevado número as cidades brasileiras em que atuou profissionalmente e os jornais que dirigiu. Pertence a um número considerável de entidades literárias espalhadas pelos Estados brasileiros de norte a sul. Alongaria estas palavras se pensasse nomeá-las. De igual modo procederia se me atrevesse a elencar os louros colhidos em concurso e prêmios e, assim, as comendas que lhe cobrem o peito, nos trajes de festas. Adirson Vasconcelos ganhou biografia que lhe mandou editar a Academia Brasiliense de Letras. Escritor de apurado humor, jornalista destemido, maranhense de São Luís Gonzaga, Augusto da Silva Carvalho, primeiro ocupante da cadeira 57, aprendeu a ser independente e destemido no perambular por todo o nordeste, apregoando as virtudes dos medicamentos com que o sobrecarregavam os laboratórios Vital Brasil, Raul Leite e outros, todos nacionais.. Tudo isso fazia em conduções de qualquer tipo, fosse boleia ou carroceria de velhos caminhões, montarias de esquálidos pangarés. Nado o detinha, competia-lhe vender pomadas, comprimidos, elixires. Nisso era bom. Muito bom. Até o fazia prazerosamente. Ia colhendo pérolas da linguagem dos sertões, tecida no enredo dos repentistas. Não resultaram em pequena messe essas andanças. Há visíveis reflexos em sua obra de singular humor: Memorial do Quincas, A Revolução e a Caveira, a Caveira de Burro. Em outros livros lategava os políticos corruptos e não poupava empresários e administradores se os surpreendia à margem de uma postura ética que a sociedade exigia. Nesse sentido, A Máquina da Corrupção, Sulapas e Mentiras, Alcoa e a Moeda da Morte. De sólido caráter, não cedia a pressões quaisquer nem a ameaça do atentado prometido. Nada, nem ninguém o demovia da luta pela verdade, pelo direito, pela liberdade de expressão, e sempre em defesa dos humildes e dos idosos, cujas desventuras conheceu quando exercia o cargo de representante do FUNRURAL, em Vitória do Santo Antão, no agreste pernambucano. Integrante do Comitê da Ilha, ao lado de Nascimento de Moraes e outros, pôs-se de sentinela e alarma a sociedade, advertindo-a de danos irreparáveis para o meio ambiente que adviriam com a instalação de grandes industrias multinacionais na ilha de São Luís. Colaborou com muitos jornais de São Luís, às vezes sob pseudônimo, e de outras cidades- Parnaíba - PI, Recife - PE., nos quais estampou inúmeras crônicas, recordações da infância e da mocidade e de encantamento com o rio Bacanga, de onde lhe veio inspiração para o livro de contos, O Velho Bacanga. Faleceu o honrado sócio do IHGM na cidade que o acolheu, como sempre o desejou, São Luís. Estes os a quem devo suceder na cadeira nº 57. Adirson Vasconcelos e Augusto da Silva de Carvalho, ambos de forte fulguração na literatura, no jornalismo, varões de alta linhagem nos estudos da história, nas letras pátrias. Os caxienses nem sempre somos reverentes a conterrâneos que contribuíram para glória da terra natal, como procedemos com Justo Jansen e João Mendes de Almeida, e, ultimamente com o Conselheiro Sinval, varrido da nomenclatura da via pública dedicada a sua memória. Obsequiosos com Candido Mendes de Almeida, de São Bernardo do Brejo, em lhe gravar o nome na principal praça da cidade, nenhuma viela ou beco, no mais desqualificado bairro, se dedicou ao ilustre caxiense Dr. João Mendes de Almeida, de igual mérito que o irmão.

Se somos assim com os próprios “filhos Gracos da nova Cornélia’, não hão de esperar melhor trato os que ai não tiveram berço. Por mais significativa que tenha sido a contribuição para maior glória de Caxias. Caxias não permaneceria Caxias, não fora a bravura e alto espírito cívico de José Eduardo Abranches de Moura. Esta verdade estremece grato o coração e estreita o recorrente relacionamento entre Caxias e São Luís, e faz-me mais próximo do meu patrono. Filho de Antonio Silva Moura, próspero comerciante, nascido em Trás -osMontes, em Portugal, e Raimunda de Castro Abranches, fundadora do Instituto Nossa Senhora da Glória, primeiro estabelecimento secundário no Maranhão, nasceu José Eduardo de Abranches Moura na capital maranhense, no dia 14 de fevereiro de 1861. Inicialmente seguiu a carreira militar, graduando-se em Engenharia Militar. Participou do movimento pela proclamação da República e, por ocasião da revolta da Armada, chefiada por Custódio José de Melo, manteve – se ao lado das forças legalistas. Deixa o Exército em 1893 já havia alcançado o posto de capitão. Na vida civil, desenvolveu uma intensa atividade profissional na Amazônia e no Maranhão. Matemático, como professor desta ciência, despertou interesse acentuado entre os estudantes do Liceu Maranhense e do Curso Ginasial do Instituto “Raimundo Cerveira”; astrônomo, amigo e colaborador do grande Camille Flamarion, notável astrônomo francês; correspondente do observatório do jurivy e da Societé Astronomique de France; fundou e dirigiu o observatório Orion, em Canutama, no Amazonas; geógrafo, desenvolveu exaustivos estudos sobre a geografia do Maranhão e do Amazonas, sendo valiosas as publicações sobre a topografia e plantas da ilha. O nome de José Eduardo Abranches Moura alinha-se aos fundadores do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão e foi o primeiro ocupante da cadeira nº 15, patroneada por seu avô, o grande João Antônio Garcia Abranches. Deixou uma copiosa bibliografia: Estudos Óptica, O município de Canutama e sua história – fauna e flora amazonenses, Carta do município de Canutama, no Amazonas, Estudos de astronomia (2 vols.), Planta do Rio Purus, Miscelânia matemática, Três teses – Máxima e mínima – Teoria dos menores quadrados – Determinantes, O phantógrafo e o planímetro – O comparso de redução – O azimothographo Abranches, Delimitação intermunicipal, Divisão territorial do Maranhão (relatório), As ruas de São Luís – sua história e suas lendas, Dicionário do Purus, Corographia do Maranhão, A Cartographia maranhense – estudo sobre as cartas geográphicas do Maranhão desde a sua descoberta, A ilha de São Luís, Carta topográphica da ilha de São Luís, Carta geográphica do estado do Maranhão, Carta potamográphica do Maranhão, Planta da Cidade de São Luís, Carta Potamográphica da ilha de São Luís, Estudo de climatologia – a friagem no Amazonas, o Maranhão rodoviário (memória) – 1929, Árvore genealógica dos municípios maranhenses, Notas sobre os municípios maranhenses, Estudo de climatologia – as chuvas em Canutama, no Amazonas, Fragmentos, Contos e poesias, Biographias de sábios antigos e contemporâneos. Em colaboração com seu irmão Dunshee de Abranches publicou Ephemérides de família. A vida, senhores e senhoras, reserva para cada um de nós um momento de grandeza, isto é, um instante de eternidade, quando superamos todas as nossas fraquezas e agimos de maneira excepcional inscrevendo nossas ações numa dimensão local, regional ou nacional.

Abranches Moura, ouso dizer, excedeu as suas qualificações profissionais e intelectuais, quando foi diretor do Conselho Regional de Geografia, o IBGE, em nosso estado. Passo a apreciar a atuação deste grande maranhense em favor das tradições gonçalvinas. Em face dos sucessos da guerra dos topônimos, como, ao episódio se refere o acreditado historiador Milson Coutinho, no já clássico “Caxias das Aldeias Altas”, pouco faltou para que a princesa se visse despojada da áurea de seu nome, por se lhe pretender pespegar a alcunha de Marechal Caxias, invertendo-se a verdade histórica dos fatos. Aproveitando-se da dicção do Decreto nº 311, editado por Getúlio Vargas, em 1938, cuja vigência vetava a mais de uma cidade brasileira ter o mesmo topônimo, Caxias, terra natal do patrono do Exército Brasileiro, no Estado do Rio de Janeiro, e Caxias no Rio Grande do Sul, ameaçavam arrancar de nossa terra, o nome que o tempo, a história pátria e os grandes homens ali nascidos tinham sublimado. Presidente do Conselho Regional de Geografia no Maranhão, José Eduardo Abranches de Moura, recebeu do Conselho Nacional um despacho telegráfico, velada intimação, encarecendo do “valioso apoio caso nome Caxias em face das numerosas representações que estão chegando nas seguintes condições: Comarca fluminense, onde nasceu o grande brasileiro, ficaria Duque de Caxias, Comarca gaúcha, de grande importância econômica, continuaria apenas Caxias e Comarca do Maranhão mudaria para Marechal Caxias ou Caxias do Norte” Abranches de Moura, senhoras e senhores, percebeu a ameaça, e de imediato armou-se de ponto em branco, e saiu para a luta em defesa da cidade maranhense. Ousou opor-se a posição dos superiores. Respondeu ao Presidente do Conselho Nacional de Geografia, o embaixador Macedo Soares, que a comissão revisora maranhense repelia a sugestão, enumerando entre outras razões que de nossa cidade adviera o título de Barão de Caxias para o grande herói nacional. E acrescentou ser a cidade de real importância econômica, além de ser berço de muitos brasileiros ilustres. Arrematou o seu relatório com dizer que “temos dever sustentar a conservação do nome de Caxias, a nossa Princesa do Sertão, nome que nos era caro, pela sua antiguidade, desenvolvimento e tradição”. Não acolhe o Conselho Nacional a manifestação de Abranches de Moura, em virtude da forte reação dos gaúchos. Outro telegrama, Macedo Soares, com dissimulada parcialidade, endereça ao Interventor Federal no Estado, entendendo que o despacho anterior da Diretoria Regional da Geografia informava que “a cidade maranhense chamara-se Barão de Caxias” pedindo permissão solicitar seja examinada restauração tal nome que vem facilitar este instituto, promover atendimento pedido Caxias do Rio Grande do Sul, onde se deu reação muito forte que pode causar embaraço à campanha nacional de revisão territorial e toponímica...” Não é difícil imaginar o quanto se alarmou o nobre patrono desta cadeira. Era evidente o equívoco do Conselho Nacional de Geografia, pois jamais o Conselho Regional afirmara ter a cidade, em tempo anterior, o nome de Barão de Caxias. Logo Abranches de Moura rebate a insinuação em enérgico telegrama ao embaixador Macedo Soares: “tendo conhecimento telegrama de Vossa Excelência ao interventor, devo esclarecer o seguinte: o DIREGO disse em seu telegrama de dezesseis

que a cidade maranhense foi que deu o nome Barão de Caxias ao coronel Alves Lima. Cidade maranhense sempre teve o nome de Caxias”. Vários foram os telegramas trocados na ocasião, sustentando Abranches de Moura a defesa de nossa terra: Maranhão tem fortes razões para pleitear conservação o nome Caxias à cidade maranhense, que data de 1811 e tem imensas tradições a zelar”. Neste período, para ilustrar seu posicionamento, elaborou uma monografia a que intitulou “História da Cidade de Caxias”, uma das melhores até então publicadas. Manteve-se o Maranhão em estado de nervosa expectativa. Um lacônico telegrama trouxe tranquilidade para o Maranhão. A guerra estava finda. Abranches de Moura arrebatou o triunfo para nossa causa. Dizia o histórico despacho: “Caso Caxias deve ser resolvido harmoniosamente, ai ficando tal qual, no Rio Grande do Sul, passando a Caxias do Sul”. Abranches de Moura escrevia, assim, mais uma página de ouro na História de Caxias. Portanto, é forçoso proclamar que é imensurável a dívida de Caxias para com este insigne ludovicense. Os caxienses não ficaram alheios à demanda. O prefeito da cidade, Dr. Otávio Passos, recebeu do Conselho Nacional de Geografia telegramas de igual teor daqueles já mencionados, e não submetendo a pressão gaúcha consultou os notáveis da cidade cuja resposta foi categórica, rebatendo a descabida pretensão dos gaúchos. O professor Nereu Bittencourt, notável intelectual da cidade, elaborou um breve trabalho, contudo de excelente qualidade, acrescentando novas e convincentes razões em apoio à luta que Abranches de Moura tinha comandado com resultado triunfal. Ao eminente político maranhense Dunshee de Abranches, irmão mais moço do patrono desta poltrona, Caxias prestou significativas homenagens: um almoço de quinhentos talheres na residência do Coronel Cesário Fernandes Lima, e um concorrido baile nos salões do Coronel Libânio Lobo, conforme registra o historiador caxiense Francisco Caldas Medeiros. A Eduardo Abranches de Moura, seu denodado paladino, nenhum gesto de gratidão ou reconhecimento foi-lhe prestado. Cabe-lhe um lugar no Panteón de Caxias. As instituições educacionais e culturais caxienses têm por dever, a que não se podem fugir, de resgatar sua dívida para com este notável maranhense, a ser in memorian consagrado cidadão de Caxias. Não chego a este sodalício, senhoras e senhores, indefesso, antes de ânimo retemperado, disposto ao ofício, para não desmerecer a dignidade auferida.

CONVITE DA COMPANHIA VALE DO RIO DOCE AO IHGM PARA APRESENTAR TRABALHO A RESPEITO DAS COMEMORAÇÕES DOS 400 ANOS DE SÃO LUÍS TELMA BONIFÁCIO DOS SANTOS REINALDO O Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão foi convidado pela Cia. Vale do Rio Doce para organizar uma Palestra sobre os 400 anos de São Luís para ser apresentada aos seus funcionários da sede dessa multinacional no dia 21 deste mês às 08 horas na Av. dos Holandeses, nº 01, Quadra 05, Lote 0 - Edificio Venetto - Ponta do Farol - São Luís - MA - Tel. 98 3194-3932 (Prédio do Bobs), a qual foi socializada pela Presidente do IHGM, Profa. Telma Bonifacio dos Santos Reinaldo aos Confrades Antonio Noberto da Silva e Leopoldo Gil Dulcio Vaz para juntamente com a confreira dividirem as responsabilidades sobre as informações solicitadas. Tal evento foi distribuído ficando o confrade Leopoldo Vaz com “as origens do Maranhão pré-colonial, com ênfase na colonização do Vinhais Velho pelos franceses”, coube ao confrade Noberto falar da exposição “França Equinocial para sempre” e a nós a trajetória do IHGM, seus fundadores, sua missão e seus objetivos, note-se que nos foi dado 20 minutos para esses pronunciamentos, no entanto com a exposição oral feita de forma brilhante pelos nossos confrades seguida concomitantemente da apresentação visual em documentário o nosso seleto publico, na sua maioria originários de outros estados da federação não cobraram de nós tal pontualidade espartana. Levamos nossos folders e panfletos de todos nossos eventos desse ano, além de alguns exemplares de nossa revista bem como o material da exposição “França Equinocial para sempre”. Assim nos apresentamos e falamos da nossa querida São Luís, bem como aproveitamos o ensejo para entregar ao responsável pelas relações institucionais da Cia Vale do Rio Doce o projeto de solicitação do elevador para nosso sodalício, projeto esse que em vez de “elevar dor”, necessariamente irá dirimir as dores de nossos confrades e confreiras que pelo adiantado da idade não conseguem mais vencerem os 48 degraus para chegar a sede de nossa instituição. Esperamos que os dirigentes dessa empresa que por muitas vezes sabemos tem contribuído para obras sociais e culturais relevantes em nosso estado do Maranhão se sensibilizem e nos agraciem com a doação e instalação desse “elevador”, que para nós é uma necessidade urgente e que vai possibilitar a presença de muitos de nossos sócios em nossa sede. Alea jacta est' - A sorte está lançada e como Júlio Cesar tomamos a decisão de cruzar Rubicão em busca de nossas aspirações.

PROGRAMA 'EDUCAÇÃO É NOTÍCIA' RECEBE O PROFESSOR EUGES LIMA, DIRETOR DE CULTURA DO SINPROESEMMA E VICE PRESIDENTE DO IHGM. por Marden Ramalho http://domardenramalho.blogspot.com.br/2012/07/programaeducacao-e-noticia-recebe-o.html

O Programa do Sindicato na Rádio Educadora, do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica Pública do Estado do Maranhão (SINPROESEMMA), ‘Educação é Notícia’ recebe hoje à noite o professor Euges Lima, Diretor de Cultura do SINPROESEMMA e membro recém-empossado do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, IHGM. O professor Euges é historiador, formado pela Universidade Estadual do Maranhão, ocupa hoje a Cadeira de número 22 do Instituto onde também foi recentemente eleito como Vice Presidente do IHGM. A cadeira tem como patrono Dr. César Augusto Marques.

Durante o programa serão abordados temas como IHGM, Cultura, SBPC e novo Estatuto do Educador. O Programa começa às 21:00 nas ondas em amplitude modulada da Rádio Educadora AM, de São Luís, Maranhão. A produção é da Assessoria de Comunicação do SINPROESEMMA e a apresentação é de Marden Ramalho. É daqui a pouco! Às Terça-feira, Julho 24, 2012

Apresentação do Livro

“PROCESSO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA EM IMPERATRIZ-MA – seus personagens e sua trajetória de 1973 a 2010”, de MOISES CHARLES FERREIRA DOS SANTOS, Editora Ética, 2012. Quando ouço ou leio notícias sobre Imperatriz, reajo como se por aí ainda estivesse... Quando ouço ou leio amigos falando ou escrevendo sobre Imperatriz, reajo como se dela continuasse a fazer parte... Não poderia ser diferente, pois jamais deixei Imperatriz e nunca abandonei o sentimento de pertencimento construído ao longo dos anos em que nela vivi... Assim que recebo o livro do Charles. E o sentimento de pertencimento fica mais patente quando me vejo retratado; deixando de ‘fazer’ história, Charles me coloca como parte da História da Educação Física, dos Esportes e do Lazer de Imperatriz. Necessário alertar que Charles exagera minha participação... Tenho me dedicado ao estudo da História dos Esportes, da Educação Física e do Lazer no Maranhão ao longo dos últimos 25 anos; tenho acompanhado o surgimento de alguns Historiadores que têm essa área como tema de suas pesquisas. E Charles, licenciado em História pela UEMA em 2002 – quando abordou os Jogos Escolares de Imperatriz – e dentro desse mesmo tema retorna agora, em sua monografia de graduação em Educação Física. Mas não deixou de ser Historiador... Ao assumir função de Gestor da Educação Física, ao planejar o futuro da Disciplina na rede pública municipal, buscou entender o passado para projetar o futuro. Como essa Educação Física e Esportiva começou? Quais eram as teorias, as abordagens, o pensamento de seus introdutores? Teve de retornar aos anos 70, quando o Campus Avançado da Universidade Federal do Paraná, através da Fundação Projeto Rondon – FunRONDON -, se instalou na cidade. Os primeiros eventos ligados à recreação pública, as primeiras Colônias de Férias, o entendimento que havia necessidade de incluir a Educação Física e a prática do Esporte Escolar nas escolas da cidade. As propostas do Professor Alberto Milléo Filho, a “invenção” das Olimpíadas Escolares de Imperatriz – OCOI – só poderiam ocorrer na junção de vários elementos favoráveis – os Jogos Escolares Brasileiros – JEBs – que se iniciavam; os Festivais de Esporte da Juventude – FEJs – na Capital, São Luís, logo transformados em Jogos Escolares Maranhenses – JEMs -; um Professor de Educação Física na direção do Campus Avançado, e o Interventor na Prefeitura sere um dos maiores esportistas que este Estado já teve: o Coronel PM Bebeto – Carlos Alberto Barateiro da Costa. Estavam reunidos num cadinho que só poderiam resultar na criação da Divisão de Educação Física, Esportes e Recreação – DEFER. Era aquele o momento... E é essa História que Charles resgata em sua monografia. Mas não se limita ao resgate da história; vai além, preocupado com os rumos que a Educação Física e o Esporte Escolar seguem após aqueles anos iniciais – 1976 a 1978, época em que trabalhei em Imperatriz, junto com a Marilene Mazzaro. Vai além e

procura respostas... O que aconteceu, quais as mudanças havidas nos anos seguintes? O período da direção das atividades da Profa. Mary de Pinho, a transformação da OCOI em JEI; a criação da Secretaria Municipal de Desportos e Lazer; as incúrias administrativas que causaram sua extinção; o seu reaparecimento; os dias atuais, até que passa a ser, ele Charles, o Gestor, na administração do Prefeito Madeira. Na realidade, Charles procura entender o passado, os passos acertados e os erros cometidos, para justificar uma retomada dos ideais daqueles anos 1976/78, quando o Esporte na/da Escola procurava a inclusão de todos em seu desenvolvimento. Como ter um esporte, na escola, inclusivo? Foi buscar nas suas lembranças de menino como era a Educação Física de seu tempo de estudante para oferecer aos seus colegas de profissão uma alternativa: que é possível ter uma educação física para todos; um esporte na escola para todos. Esse, o trabalho que Charles nos apresenta... Aqui, concordo com Lino Castellani Filho, quando afirma gostar de se referir à História se valendo de uma metáfora com o ato de dirigir. Quando se está ao volante, tem-se o que nos circunda como referencia de realidade presente. Tudo o que fazemos ou deixamos de fazer está diretamente ligado ao que acontece conosco e ao nosso redor... Pois é a partir desse lugar que buscamos alcançar o nosso destino, ou seja, nosso lugar futuro, o que nos faz olhar para frente. Mas ao olharmos adiante, não nos descuramos de olharmos – nos valendo dos retrovisores laterais - para os lados, cientes de que o que nos cerca pode determinar o que veremos à frente. Ao mesmo tempo em que o fazemos, não deixamos de prestar atenção ao que vai ficando para trás, com se fosse nosso passado, para isso lançando mão do retrovisor dianteiro... Não sei se me fiz explicar. É o presente que nos anima a perscrutar o que ficou para trás... São as crises que nele se instalam ou novos efeitos de fatos passados que nele se inscrevem que nos motiva a dar conta de estabelecer visitas a tempos passados. Ao assim fazer, contando com o que o presente fornece mais elementos podemos recolher para, melhor entendendo-o, perspectivar o futuro... Esse, o livro que Charles nos trás; não só um livro de História da Educação Física, dos Esportes e do Lazer em Imperatriz-MA. Um livro que resgata a história de vida de diversas pessoas que tiveram suas vidas modificadas pelas vivencias que a OCOI proporcionou, pelas vivencias nos locais de prática esportiva, pelas lições que levaram para a vida. Como resgatar isso, na Educação Física e no Esporte Escolar de hoje. É o que busca e nos faz refletir sobre nossa profissão... Boa leitura, a todos... E, Charles, obrigado pela sua generosidade, e falo também em nome da Turma 49 do Projeto Rondon – Imperatriz, 1976... LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ Professor de Educação Física do IF-MA aposentado Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão

ALCANTARENSES DEPOIS SÃO-BENTUENSES – II ÁLVARO URUBATAN MELO Pesquisador, membro da Academia Sambentuense e sócio efetivo do IHGM. Dos mencionados no capítulo anterior, o primeiro personagem é o notável Dr. Raimundo Felipe Lobato. Comprovadamente ele, seu irmão, o arcediago Antônio Lobato de Araújo, e, provavelmente, os outros manos nasceram na Fazenda Mato Grosso, patrimônio de seu pai, o português Filipe Neri Lobato, situada em território, hoje, de Palmeirândia. Essa propriedade e terras da Malhada, em 1861, já pertenciam ao filho deste, Carlos Guilherme Lobato. Em Portugal onde foi estudar, matriculou-se em 23 de dezembro de 1818, no curso de Direito da Universidade de Coimbra. Bacharelouse em Leis a 22 de junho de 1822, e em Cânones, a 26 de julho do mesmo ano. Formado retornou para a pátria amada, nomeado Ouvidor na Província da Paraíba. Cumprida a missão, voltou para o Maranhão, ingressou na política, candidato ao primeiro Conselho Geral da Província. Eleito com trinta votos, em décimo quinto lugar, empossou-se em primeiro de dezembro 1829. Com a instituição das Assembleias Legislativas Provinciais, pela Lei n.º 16, de agosto de 1834, denominada Ato Institucional, elegeu-se em novembro de 1834, no décimo primeiro lugar, entre os vinte e oito deputados da primeira Assembleia Provincial, com posse em fevereiro de 1835. Por falta dos seis vice-presidentes da Província, nomeáveis pelo Imperador, o Conselho decidiu elegê-los nas sessões de 17, 18 e 19 de fevereiro. Na composição da Mesa foi votado para a segunda presidência. Nesse cargo de segundo vice-presidente (primeiro – José Lopes de Lemos), assumiu, interinamente, a presidência do Maranhão, de 5 de março de 1834 a 30 de outubro desse ano, quando apresentou esta correspondência de renúncia. Raimundo Felipe Lobato achando-se na precisão de retirar-se temporariamente para a vila de Alcântara em consequência de moléstia que padece a fim de restabelecer-se, não podendo pessoal e particularmente despedir-se de todos os seus amigos e concidadãos, o que tem obsequiado, recorre a este meio, pelo qual se despede dos seus amigos e concidadãos, cuja despedida queira benevolamente aceitar, por não poder de outro modo ser: vai assas penhorado pelo acolhimento que encontrou durante o seu Governo, como vice-presidente, de todos os honrados habitantes desta cidade e província. Maranhão, 8 de novembro de 1834. Já o ECHO, n.° 34, de primeiro de novembro de 1834, publicou o oficio de 27 de outubro de 1834: “Como me acho doente, e seja preciso a conselho do facultativo entrar em uso de medicamento, e por isso impossibilitado de continuar na administração da Província, e sendo V. S.ª o conselheiro mais votado entrega o Governo da Província na conformidade da lei, visto o seu impedimento. Deus Guarde a V. S.ª. Maranhão, em 27 de outubro de 1834”. Raimundo Felipe Lobato, vice-presidente. Em Alcântara assumiu o juizado de Direito, e em 1844, o Juizado de Direito Criminal de São Luís. Promovido desembargador da Relação do Maranhão tomou posse 20 de agosto de 1845. Por duas vezes, 5 de maio de 1845 e 20 de junho de 1846, respondeu, interinamente, pela Chefia de Polícia da Província. Nesse corrente ano retornou à política, sufragado deputado para a 6ª legislatura 1846/47.

Segundo Desembargador Milson Coutinho, em Memória da Advocacia no Maranhão, página 180, consta: “escreveu Princípios ou primeiras noções direito primitivo, Pernambuco, 1830, 308 p; in 4°. O autor estuda os princípios de jurisprudência ou direito, dividindo-os em três classes: relações familiares, relações civis, ações; princípios estes sempre combinados com a razão natural, etc.”. Casou-se a 25 de fevereiro de 1827, na igreja matriz de São Bento, com dona Maria Custódia Costa Leite, filha do tenente Miguel Arcângelo Costa Leite. Foram-nos filhos do casal: Raimundo Felipe Lobato Júnior, Atauhalpa Franklin, Miguel Huascar, Luís Raimundo e o poeta, romancista, magistrado, teatrólogo, promotor público, juiz municipal, procurador fiscal João Clímaco Lobato, nascido em São Bento, em 6 de agosto de 1829. A família Lobato, das mais antigas e tradicionais da região, pelos seus descendentes tornou-se grande latifundiária, com forte presença na vida econômica, social, política e intelectual, esta ainda com grande reflexo. Alcançaram a imortalidade da Academia Maranhense de Letras os bisnetos Emilio Lobato Azevedo e os irmãos: Luís Lobato e Fernando Viana; os trinetos Alfredo Luis Viana (falecido), Waldemiro Viana e Américo Lobato Azevedo. No mundo das letras sobressaem-se as escritoras Maria Thereza Azevedo Neves, Marita Gonçalves, a artistas Iara Brenha Lobato a Maria de Lourdes Lobato França, a boa memória de Nélio Botelho Lobato e outros, com especial ressalta ao renomado jornalista Victor, fundador de a Pacotilha e ex-deputado constituinte do primeiro congresso republicano. Raimundo Felipe Lobato foi o décimo quarto mandatário do Maranhão e o primeiro são-bentuense a galgar o posto de governador do Maranhão, seguido de outros. No exercício da deputação estadual, apresentou projetos favoráveis a São Bento.

ESTIVERAM NA FRANÇA EQUINOCIAL E / OU NOS SEUS ANTECEDENTES ANTONIO NOBERTO Estamos há um pouco mais de um mês do dia em que comemoraremos os quatrocentos anos de São Luís e continuamos com a secular dívida quanto aos colonos pioneiros do Maranhão. O esforço e coragem, sem as atuais facilidades da internet e das redes de relacionamento, para enfrentar as mais diversas dificuldades em convencer e reunir centenas de pessoas de bem (que não vieram das prisões, como em muitos outros casos) é um maiúsculo feito. Ainda mais sem a participação efetiva da coroa francesa. A França Equinocial só foi iniciativa governamental na sua fase de reconhecimento, por iniciativa de Henrique IV de Navarra, que enviou La Ravardière ao Maranhão em 1609, após o regicídio, ocorrido no ano seguinte, o empreendimento virou obra e esforço de sonhadores e valentes lutadores que, visando à colonização destas terras, para cá vieram trazendo, além da coragem, o propósito de uma nova vida e da conversão dos tupinambás. Este reconhecimento nos fez reunir durante muito tempo de pesquisa alguns dos nomes destes abnegados colonos, que fincaram as primeiras bases daquela que se tornaria uma das maiores cidades do Brasil. E tanto esforço, tanta entrega e renúncia não foi em vão. A relação amistosa, propositiva e sustentável entre franceses e os primeiros maranhenses serviu de inspiração a pensadores e escritores europeus e brasileiros. No século dezenove, o legado francês inspirou belas declarações de adeptos do partido dos brasileiros, o partido bem ti vi. João Lisboa, o pena do partido – talvez para provocar os sectários do partido português – dizia que os gauleses “são os verdadeiros colonizadores, tão cheios de humanidade”. Muitos dos que para cá vieram, tempos depois, se tornaram personalidades de destaque na França, como os irmãos Razilly. Isaac de Razilly fez o grande projeto de reforma da Marinha Francesa e, poucos anos depois, se tornou governador da Acádia, no Canadá. É cultuado até os dias de hoje. Entre os colonos vindos ao Maranhão estavam pedreiros, serradores, serralheiros, construtores de navios, carpinteiros, agricultores, religiosos, militares, astrólogos (que, provavelmente, participaram da elaboração do primeiro mapa destas terras) e muitos outros ofícios. Nem a beleza e a moda ficaram esquecidas na Nova França, pois para cá vieram artesãos, fiadores, tecelões, sapateiros, alfaiates, etc., além de muitas esposas, crianças e donzelas. Segue, então, a lista do que foi possível catalogar em livros, documentos e outras fontes, primárias e secundárias. Daniel de La Touche de La Ravardière, François de Razilly, Claude Abbeville, Yves D’Evreux, Arsène de Paris, Ambroise D’Amiens, Luís De Pezieux, M. Montmorency, Jean Mocquet, M. Pégieux, M. Beauvallon, M. De Bos, Jacques Riffault, Charles d’Esternou des Vaux, Du Manoir, Charon, Jean Guérard, David Migan, M. Du Plessis du Richelieu, Thibert de Brichanteau, Hardivilliers, Le Mezérey, Turqualt, Housbocq, Chaperon, Mathieu Maillart, Abraão, Guy Cormier de La Malardière, Louis de Jarre, Jean Pérot, Michel Dupuis, M. de Lacroix, M. Magrot, M. de Launay, M. de Basserue, M. de Chateau, M. de Bachiler, M. Bellanger (Boulanger), M. Vicent Grand, M. Bridu, M. Gatignat, M. Des Marais, Noel De la Motte, Antoigne Lanclure, Jean Pagier, Bizot, M. de Sauvensi, M. d’Ambreville, M. de La Ruelle, Nicolas de Harlay, Nicolas Dupuis, Monthaye, François de Mondion, De La Fausse, De Canonville, La

Touche de Chavannes, De Vanet, De La Bastille, De Longeville, De Pinery, De Cruysilly, Rabeau, M. Fournier, De Jubarville, De Japerin, Archange de Pembroch, Gratien d’Abbeville, Timothée de Paris, Celestin de Bouteville, Tranquile de Montvilliers, Lambert d’Epernay, Paulin d’Amiens, Raphael de Rouen, Gerôme d’Auxerre, François de Bourdemare, De La Fois Bernard (ou de la Foye), Mirabeau, Monsieur de Saint-Gilles, M. Hautneueve, M. de Rochefort, M. de La Benouvière, M. de Saint Vincent, M. de Batallart, M. de La Prairie, M. de Magny, M. de Faus, M. de La Roche, M. de Sablon, La Verdure, Isaac de Razilly, Du Pratz, Claude de Razilly, Pierre Laleman, Martin Bartier, Critien Marixal, M. Abrahan, M. Hibacon, M. de La Blanjartière (ou BlancJarretière?), M. de Condestabre, M. De Lone, M. de Bault, Sebastian, M. de la Planque, Charles Fleury de Vatterville, Adolphe de Montbille (ou Bombille / Montville), M. de Laval, Charles de Menou, Binart Atambor (Autentbeau?), Estevan Marichal, Antoigne Landuzeu Gascont, Martin Hartier, Jean Pache, Le Fevre de la Barre... E centenas de outros colonos. Destacamos que alguns destes sobrenomes até hoje passeiam pelo Maranhão – é só observar os livros de assinaturas de visitantes da Central de Informações Turísticas do município de São Luís, Praça Benedito Leite. Alguns deles como Chateau e Fournier estão presentes em momentos diversos da história do estado. Todos estes nomes merecem, a bem da memória e do turismo, um lugar de estaque em algum local de visitação. A final, o que poderia ser mais negativo e depreciativo para uma população que ser tachada de ingrata. O quatricentenário é o momento de pagarmos esta dívida histórica. A gente se vê!

DIVERSIDADE LOCAL COMO SOLUÇÃO GLOBAL NATALINO SALGADO FILHO Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC. Publicado em O Estado do Maranhão em 17/06/2012

O Brasil está servindo de cenário para um dos mais importantes eventos deste início de século: a conferência Rio + 20, realizada na cidade do Rio de Janeiro, reunindo representantes de 194 nações. Essa conferência acontece exatos 20 anos mais tarde, após a realização da ECO 92, que foi o primeiro grande evento das sociedades contemporâneas a pensar o meio ambiente como um assunto totalmente global. As centenas de atividades do evento estão abordando temas que nortearão o futuro do planeta e, por consequência, da humanidade, e que deverão fundamentar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável, baseado no conceito de economia verde, que envolve a preocupação com a redução dos índices de pobreza. São temas atuais, que despertam calorosas discussões entre as nações pobres e ricas, pela diversidade de opiniões sobre a tradicional relação entre o capital e o trabalho. Temas estes que pretendem trazer soluções para problemas, que envolvem todas as nações, como o aquecimento global, escassez de água, produção de alimentos, explosão demográfica e, ainda, o aumento do padrão de consumo material e energético dos países emergentes como o Brasil. O que está em jogo, em todas essas questões, é como manter o crescimento do planeta, com a consequente qualidade de vida das pessoas, e, ao mesmo tempo, garantir o desenvolvimento econômico dos países. Atendendo a esse chamado de oferecer soluções, é que a Universidade Federal do Maranhão se insere no contexto de incentivo à produção e disseminação de conhecimentos, em especial a partir do estudo da diversidade natural em nosso Estado. Poderia apontar inúmeros exemplos, mas quero destacar, neste artigo, o papel desempenhado pelo Campus Universitário da UFMA em Chapadinha, que, por meio do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA), oferece os cursos de Agronomia, Ciências Biológicas e Zootecnia. O Campus de Chapadinha está estrategicamente localizado numa região que faz parte do cerrado maranhense, segundo maior bioma que se espalha por oito estados e ocupa cerca de 24 % da superfície do nosso país. Essa área representa, por suas características climáticas, topográficas e de solo, a mais explorada pela agricultura nacional ou o chamado agrobusiness. Em particular no município de Chapadinha e região, essa área vem apresentando um desenvolvimento acelerado nos últimos anos, com a implantação de grandes lavouras de soja e milho, além do incremento da produção agropecuária. Isso reforça a decisão acertada de interiorização da Universidade Federal do Maranhão de ocupar estrategicamente as microrregiões que possuem grande potencial, mas que, até há pouco tempo, careciam de conhecimento técnico especializado para sua exploração. Foi a partir da constatação da diversidade e da riqueza natural da região que a pesquisadora Maria da Cruz Chaves Lima Moura, do curso de Agronomia, do CCAA, elegeu como fonte importante de pesquisa uma fruta tipicamente maranhense, o bacuri (Platonia insignis Mart, Clusiaceae), que tem sido fonte de sustento para muitas famílias que dela sobrevivem pela coleta extrativista e processamento da polpa, principalmente. Esse esforço de catalogação de informações sobre o Bacuri permite, por

exemplo, antever um grande potencial econômico que pode vir a ser explorado pela economia verde. A pesquisa da professora informa que das sementes é possível extrair o óleo para fins medicinais, fabricação de sabão com características antifúngicas e antibactericidas; da casca dos frutos, é possível a produção de doces, geleias, sucos, licores, sorvetes e outros produtos que já possuem valor de mercado no Brasil e em outros países; da madeira, é possível extrair material para obras hidráulicas e carpintaria. Além disso, há um grande potencial para uso do produto na fabricação de cosméticos e, possivelmente, uso farmacêutico ainda inexplorado. Tudo isso está sendo pensado, tendo como base a manutenção das áreas nas quais a planta surge naturalmente como mata nativa, o que, portanto, diminui o desmatamento, combate a pobreza e fortalece a pequena agricultura familiar ou cooperativista. Essa pesquisa alia, evidentemente, o conhecimento tradicional ao científico, agora registrado na pesquisa mencionada, já que aponta para uma multiplicidade de usos dessa planta, que se sobrepõe à sua principal utilidade, isto é, uma fruta de consumo extrativista. Esse conhecimento é outro patrimônio que precisa ser ainda mais valorizado para que dele se possa partir para novas descobertas científicas, sem o desmerecimento do conhecimento tradicional. Nesse sentido, uma pesquisa americana aponta que a utilização do conhecimento das comunidades nativas economiza em 400 % o tempo entre a pesquisa, os testes, as matérias, os equipamentos e os salários de cientistas envolvidos. A geração de novas oportunidades de emprego, o desenvolvimento e as divisas para o Brasil passa, necessariamente, por esse tipo de conhecimento catalogado com repercussões importantes para o debate sobre a nossa biodiversidade, uma das maiores do mundo. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estima que esse patrimônio genético valha cerca de U$$ 2 trilhões. Outras nações e a rica indústria cosmética e farmacêutica têm se utilizado de plantas e animais de várias partes do mundo, inclusive do Brasil, na produção de diversos produtos que movimentam um mercado de bilhões de dólares por ano. Guardando-se as devidas proporções, pode-se afirmar que o estudo do Bacuri e de dezenas de outras plantas com igual potencial pode ajudar a realizar as metas de um desenvolvimento sustentável – à semelhança daquelas discutidas na Rio + 20 – e contribuir para soluções que afetarão positivamente não somente nossas comunidades, como também outras similares em nosso país. Afinal, uma terra só pode ser considerada próspera se aqueles que nela habitam forem igualmente prósperos. O equilíbrio entre os tipos de conhecimentos – o tradicional e o científico – é o que pretendemos debater a exaustão na 64ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, que acontecerá de 22 a 27 de julho de 2012, na UFMA.

SBPC 2012: UM CENÁRIO DE MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NATALINO SALGADO FILHO Doutor em Nefrologia, Reitor da UFMA, Membro de IHGM, ACM e AMC. Publicado no Jornal “O Estado do Maranhão” em 15/07/2012

A Universidade Federal do Maranhão está na contagem regressiva para a realização do maior evento científico da América Latina e do Caribe – a 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) –, que será realizado no período de 22 a 27 de julho na Cidade Universitária, em São Luís. O clima de entusiasmo e expectativa toma conta de professores, alunos, pesquisadores, palestrantes e da Sociedade Civil à espera desse acontecimento, que propiciará uma rica troca de experiências e a aquisição de novos conhecimentos. Para que o evento alcance pleno êxito, diversas equipes da direção nacional da SBPC e da Universidade Federal do Maranhão estão engajadas para oferecer bem mais que uma programação de alto nível, comodidade, conforto, acessibilidade e serviços de excelência aos participantes que estão sendo esperados. A programação é extensa e seria impossível destacar todas as atividades, mas cabe ressaltar algumas delas. Em primeiro lugar, a ExpoT&C (Exposição Tecnológica e Científica), uma das mais importantes mostras que ocorrerá em pavilhões climatizados, com a presença de importantes instituições e suas iniciativas em Ensino, Ciência, Inovação e Cultura. São presenças confirmadas os estandes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, do Instituto Nacional de Tecnologia, do Laboratório Nacional de Astrofísica, dentre outros renomados institutos, Agências, Centros e Redes. Vale ainda conferir o calendário da SBPC Cultural que está imperdível, pois contará com mais de 100 atrações culturais, incluindo cinema, música, teatro, artes plásticas e outras formas de expressões artísticas. Teremos como destaque, a tenda Coxinho, um espaço totalmente dedicado à história e à cultura maranhense. Também serão disponibilizados seis telescópios para que o público possa observar, além das estrelas, os planetas Marte, Júpiter e Saturno, visíveis à noite, e o planeta Vênus, que é bem sinalizado às 5 horas da manhã. Finalizado o evento, esses telescópios serão doados para os Campi localizados em Grajaú, Bacabal, Pinheiro, Codó, Imperatriz e São Bernardo. A intenção é incentivar os estudantes do curso de licenciatura em Ciências Naturais a desenvolverem atividades diferenciadas nesses locais. A SBPC Jovem, por sua vez, é uma das programações mais esperadas, pois as atividades dirigidas aos estudantes do ensino básico e profissionalizante certamente estimularão o interesse dos jovens pela ciência e tecnologia, e atenderá, além dos alunos de escolas públicas e privadas, professores e a população em geral. É também importante destacar que a UFMA, numa proposta inovadora de inclusão, disponibilizará rampas de acesso para cadeirantes, banheiros adaptados, piso tátil, calçadas e material de apoio para facilitar a participação de pessoas com necessidades especiais, bem como veículos adaptados para conduzir este público. Tratase de uma iniciativa singular, pois seremos a primeira universidade brasileira a sediar uma SBPC inclusiva.

Desta forma, facilitaremos o acesso a um mundo totalmente novo e cheio de grandes possibilidades para esse público. Toda a programação é aberta ao público e se traduz ainda num grande presente para São Luís em seus 400 anos. A UFMA e a SBPC esperam participantes do mundo inteiro de portas abertas. Sejam todos muito bem vindos!

AS ESTEARIAS DO ENCANTADO

AYMORÉ ALVIM Professor da UFMA aposentado e Diretor do IHGM. Texto publicado anteriormente no Blog Pinheiro em Pauta. http://pinheiroempauta.blogspot.com.br/2012/06/as-esteariasdo-encantado-acad.html

O Encantado é uma povoação próxima à cidade de Pinheiro. Fica situada, à margem esquerda do rio Pericumã, na parte leste dos campos que contornam quase todo o município. Segundo o acadêmico e pesquisador Francisco José de Castro Gomes, tal denominação é devida à escavação de um poço cuja profundidade chegou a tal ponto que os trabalhadores ouviram galo cantar do outro lado do mundo. Apavorados, abandonaram o serviço e a lenda se espalhou pela região. Mas a importância do Encantado não se prende apenas às estórias da sua origem. Segundo revela Estevão Pinto, o Encantado e outras localidades da Baixada Maranhense, situados, às margens de seus rios e lagos, foram sedes de habitações lacustres ou palafitas, erguidas sobre esteios (estearias), cujas ruínas são registros da existência de primitivas comunidades que habitaram a região. As primeiras referências a esses vestígios habitacionais, situados no Lago Cajari, foram feitas pelo Cel. Bernardino Pereira Lago, nas páginas do “Itinerário da Província do Maranhão”. Posteriormente, em fins do século dezenove, o escritor Celso Magalhães, em visita á região dos lagos de Viana, observou muitas pontas de esteios, estrategicamente, distribuídos, nas proximidades desses lagos, mas, sem maiores detalhes, os atribuiu a crendices populares. Foi somente, na década de 1920, que o pesquisador e historiador Raimundo Lopes deu início aos pioneiros estudos de pesquisa desses sítios arqueológicos da Baixada Maranhense. Uma seca, ocorrida àquela época, lhe propiciou a observação, no Lago Cajari, de uma vasta área de, aproximadamente, dois quilômetros, em algumas direções, pontilhada de milhares de esteios que lhe deram a ideia de uma floresta morta. As análises, no material lítico, na qualidade da madeira dos esteios e na cerâmica ali encontrados, levaram-no à conclusão da existência de um povo bastante numeroso que, em épocas pré-históricas, vivia dentro de uma estrutura social bem organizada.

Outros sítios, embora não muito bem estudados como o do Lago Cajari, foram encontrados por Raimundo Lopes. E, dentre esses, estão as estearias do Encantado. O grande problema dos pesquisadores, não obstante todo o material até então recolhido, é a elucidação da origem dos seus construtores e habitantes. Nesse mister, muito trabalhou o médico e arqueólogo Olavo Corrêa Lima. No trabalho que publicou na Revista Nº 09, de junho de 1985, do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, sobre o Homo sapiens stearensis, procurou traçar um perfil dos primitivos habitantes da região que, atualmente, compreende a Baixada do Maranhão. Fixando a idade dessas estearias entre 7 e 3 mil anos A.C., desenvolveu a sua hipótese baseado na coincidência da chegada dos ameríndios ao território maranhense que, segundo estudos de Canall-Pompeu Toledo, ocorreu através de três correntes migratórias: Lácidas, Nordéstidas e Brasílidas. Analisando as características de cada uma, sua distribuição e suas aptidões, o professor Correia Lima destacou o grupo Nu-uraques da corrente Brasílidas como o responsável pela construção das palafitas. Esse grupo ocupou grande parte da região do Estado, principalmente, da Baixada. Vivia à beira dos seus rios e lagos sendo os seus membros, talvez por isso, exímios navegadores. Cultivavam o milho, a mandioca, o tabaco e outros cultivares. Eram excelentes oleiros e costumavam fazer palafitas para fugirem das periódicas enchentes da região. Desta forma, quando comparados aos membros dos outros grupos que também se distribuíram pelo Maranhão, o Professor Correia Lima encontrou fortes indícios para sustentar que os construtores dessas estearias foram mesmo os Nu-uraques e, por conseguinte, os mais importantes habitantes da Baixada Maranhense e os criadores das estearias do Encantado. Logo, foram eles os primeiros moradores da região onde se encontra o município Pinheiro.

RESUMO DO LIVRO

O ENCONTRO ALDY MELLO Lançado na SBPC, dia 23 (2ª feira) às 19 horas, na Programação Cultural - Café Literário da Expo T&C, no Campus do Bacanga.

Esse livro traz um imaginário de seu autor. Ele constrói encontros entre seres que um dia foi vivo e tiveram a experiência da vida vivida, agindo como muitos agem hoje. Eles foram cientistas, políticos, pensadores, filósofos, guerreiros, religiosos, inventores, enfim, homens que ajudaram a fazer a história dos homens e da humanidade, deixando as suas contribuições para o desenvolvimento do mundo. Sabemos que eles não voltam mais a terra, mas, possivelmente, continuam a torcer para que suas contribuições possam ser cada vez mais úteis ao universo, mais práticas para a vida moderna e ajudar os homens a serem melhores seres e fazerem suas experiências de vida. Os mais antigos e famosos filósofos gregos se encontram e falam da filosofia antiga. Sócrates, Platão e Aristóteles discutem, entre si, suas verdades. Eles falam da ética, da virtude e da sabedoria. Confúcio, chinês, e Gandhi, indiano, falam dos caminhos que indicaram para o mundo e para a humanidade. Abraão e Moisés, um patriarca e outro profeta, representam a Bíblia Sagrada e falam da terra prometida e do povo de Deus. Júlio César se encontra com Péricles e lembram seus tempos de Roma e Atenas. Jesus Cristo, Buda e Maomé mostram em que suas religiões se diferenciam e falam dos seus milhares de seguidores. Hamurabi, Beccaria e Lombroso abordam crimes e penas. Maquiavel e Abraham Lincoln discutem sobre o Príncipe e a democracia americana. Cícero e Sêneca comentam sobre Roma, seus tresloucados Imperadores e as proezas da época. Leonardo da Vinci e Picasso, dois grandes expoentes das artes plásticas, discutem sobre arte. Shakespeare e Miguel de Cervantes discorrem sobre suas obras que encantaram o mundo. Copérnico, Galileu Galilei e Isaac Newton discutem ciência. Napoleão Bonaparte e Alexandre, o Grande lembra-se de suas ambições. Marco Polo e Cristóvão Colombo recordam suas aventuras de descobridores. Albert Einstein e Henry Truman falam de bomba atômica. Montesquieu, Voltaire e Rousseau lembram o iluminismo. Max Weber e Taylor rememoram a revolução industrial e suas consequências. Karl Marx e Mao Tsé -Tung relembram o comunismo e a Revolução Cultural da China. Santo Agostinho e o Imperador Constantino comentam a evolução do cristianismo. Beethoven e Mozart recapitulam a música erudita. Santos Dumont e Júlio Verne lembram os primeiros aviões. Lênin e Franklin Roosevelt falam do regime soviético e da democracia americana. Simón Bolívar e Thomas Jefferson discutem imperialismo. Lutero e João Calvino debatem religião. Alexander Fleming e Pasteur constatam a falta de saúde. Thomas Edison e Graham Bell comentam a tecnologia em Cingapura.

A INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA DO MARANHÃO JOAQUIM NAGIB HAICKEL Publicado em O Estado do Maranhão, dom, 08/07/12 http://colunas.imirante.com/platb/joaquimhaickel/

De uns tempos pra cá a atividade audiovisual em todo nosso estado, e não só em São Luís, tem se desenvolvido de maneira bastante satisfatória. Para apoiar e avalizar essa afirmação precisa fazer um pequeno retrospecto da história recente do cinema maranhense. Em minha opinião o cinema maranhense contemporâneo nasceu efetivamente 35 anos atrás com a criação pelo Departamento de Assuntos Culturais da Universidade Federal do Maranhão da Jornada Maranhense de Super-8. Antes de 1978 já havia quem fizesse cinema por aqui. Podemos citar a TV Difusora e a TV Educativa como celeiros dos primeiros cineastas de nossa terra. Nelas trabalharam alguns dos homens que desenvolveriam o nosso audiovisual, como Lindenberg Leite, Murilo Campelo e Mauro Bezerra. Mais tarde, proveniente da TVE, surgiria Murilo Santos. Um pouco mais adiante seria a vez de Euclides Moreira, João Ubaldo de Moraes, Ivan Sarney, Newton Lílio, Nerine Lobão, Luis Carlos Cintra, Cláudio Farias, dentre outros. O cinema como ocupação era difícil e caro. Poucos podiam se dedicar a ele. Com o avanço tecnológico e a popularização dessa tecnologia, o cinema foi ficando mais acessível. Se a Jornada de Super-8 marca o nascimento do nosso movimento cinematográfico organizado, a sua mudança de nome para Festival Guarnicê de Cinema em 1990, marca a nossa primeira tentativa de emancipação, logo amansada pelos afazeres pessoais de cada um. Em meados da década de 90, José Louzeiro tentou arregimentar forças para estabelecer aqui um polo organizado de realização cinematográfica. Não conseguiu, mas a ideia ficou. O Maranhão sempre teve excelentes agências de publicidade. Elas, em todo lugar do mundo, são os berços da produção cinematográfica. Vide Fernando Meireles e outros grandes cineastas que saíram da publicidade. As universidades colocam anualmente no mercado profissionais dos setores de comunicação, propaganda e marketing, desejosos de trabalhar no setor audiovisual. Massa de modelar, combustível para essa indústria. A criação da seccional local da Associação Brasileira de Documentaristas – ABD também foi um bom avanço. Mais recentemente tivemos a implantação do Museu da Memória Audiovisual do Maranhão da Fundação Nagib Haickel que vem ao encontro do anseio de muitos que acreditam que se deva ter um polo de apoio ao cinema, para auxiliar quem deseja produzir obras audiovisuais em que a nossa cultura e a nossa memória, de alguma forma, estejam retratadas.

Mais uma vez aconteceu outra grande onda de avanço tecnológico que possibilitou a maior democratização dos meios e um efetivo desenvolvimento de aptidões relativas ao setor audiovisual. Aparecem entre outros, cineastas como Cícero Filho que realiza a partir de Poção de Pedras, o longa-metragem “Ai que vida!…”, onde apresenta histórias de pessoas comuns do interior do Maranhão, do interior do Brasil. Ele faz isso de maneira alegre e descontraída. A produção de seu filme conta com pouquíssimo recurso financeiro e com quase nenhum recurso técnico, mas o resultado é retumbante. Apesar dos críticos cinematográficos o acharem “trash”, seu filme conquista grande audiência através de cópias de DVDs vendidos por camêlos em feiras e pela disponibilização dele na internet. São do Maranhão duas das maiores e melhores distribuidoras de filmes independentes de nosso país. Uma é a Petrini Filmes, que pertence a um italiano filho de maranhense que desde 2010 distribui daqui para o resto do Brasil, filmes de diversos países do mundo. A outra é a Lume Filmes de Frederico Machado, que apostou na distribuição de um gênero jamais tentado antes por nenhuma empresa do ramo, alcançando grande sucesso. A partir de 2011, a Lume passou a promover um festival internacional de cinema em nossa capital, atraindo para cá o olhar de boa parte do mercado cinematográfico em seu nicho. Enquanto uns exploram um tipo de cinema, outros buscam setores distintos dessa arte. Nesse contexto temos Arturo Sabóia, Francisco Colombo, Ione Coelho, Breno Ferreira, Beto Matuk, Cícero Silva, Júnior Balby, José Maria Eça de Queiroz, Luis Fernando Baima, João Paulo Furtado, Denis Carlos, Gleizer Azevedo, Márcio e Vinícius Vasconcelos… Vêm de Imperatriz dois outros realizadores de longas metragens. Gildásio Amorim com “Renúncia” e Nilson Takashi com “Marilha”. Os dois, cada um a seu modo, realizam obras únicas. O primeiro com um tema evangélico e o segundo realizando um folhetim que muito pouco deixa a desejar se comparado a produções semelhantes realizadas no sul do país. Takashi em homenagem a São Luís batiza os personagens de seu filme com os nomes de bairros e praias de nossa cidade. São pessoas comuns com quem convivemos no dia a dia, que preenchem um enredo que prende a atenção e emociona o expectador. Temos também a nosso favor a existência dos maravilhosos cenários arquitetônicos e ecológicos, o que nos privilegia imensamente quando da escolha de locações para grandes produções como foi o caso de Carlota Joaquina e Casa de Areia. Que fique registrado nos anais da história jornalística de nosso estado que no dia de hoje, foi dito pela primeira vez que no Maranhão tem cinema, que pela primeira vez se afirma que já podemos dizer que temos em nossa terra uma embrionária, mas promissora indústria cinematográfica. Parabéns aos pioneiros dessa nova indústria. PS: Os mais novos cineastas maranhenses são Marcos Pontes, Vander Ferraz e Laila Farias Haickel, que tem em fase de pré-produção um filme inspirado num conto do acadêmico José Ewerton Neto.

QUEM QUER DOIS PERDE UM – COM OS PÉS NA ARGENTINA E A CABEÇA NO BRASIL Telma Bonifacio dos Santos Reinaldo Em tempos de globalização o ser humano ainda não pode de forma corpórea concreta estar em dois lugares ao mesmo tempo, a não ser de forma virtual através das tecnologias digitais, assim no momento em que no Estado do Maranhão mais precisamente em São Luis está acontecendo a 64ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, fundada em 1948 com a missão de defender a ciência e os cientistas brasileiros e contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico do país, tomando posição em questões de política científica e programas de desenvolvimento científico e tecnológico que atendam aos reais interesses do país, nós estamos em Rosário na Argentina. Atualmente a SBPC está representada em 19 estados brasileiros através de suas regionais e nesse momento acontece em São Luis de 23 a 27 de julho a sua 64ª Reunião. A questão que colocamos é de que gostaríamos de estar presencialmente nesse encontro de especialistas das mais diversas áreas do conhecimento, no entanto estamos em outro país do continente americano, mais precisamente na Província de RosárioVenezuela e na Universidade Nacional de Rosário - UNR acompanhando um grupo de estudiosos da Educação, professores universitários que buscam em outras plagas adquirirem novas saberes e titulações stritu-sensu para contribuir de forma mais competente com a educação brasileira em nossa universidade de origem - a UFMA e em nossas escolas de educação básica junto as nossas crianças, jovens e adultos. Tenho acompanhado o desenvolvimento da programação pela internet na pagina da UFMA bem como nos jornais virtuais e vibrado com o êxito e a repercussão desse evento em nossa cidade, são professores de educação básica e nível superior, especialistas e diletantes do conhecimento em geral de todos os estados brasileiros e também de outros países que se juntam para expor e discutir sobre as mais diversas temáticas sociais, políticas, econômicas e culturais, é um momento impar de cultura transdisciplinar, sem barreiras sociais ou culturais pois todos comungam do mesmo ideal como se fora uma polis grega onde a palavra de ordem é a cidadania planetária, irmanados num mesmo ideal de interculturalidade. Do lado de cá do mar oceano também observo uma mesma sociabilidade, são professores das mais diversas regiões brasileiras – norte, nordeste, sul e sudeste – irmanados num ideal de busca de saber, típica do homo-sapiens-sapiens, todos pleiteando um doutoramento em Ciências da Educação na UNR, fenômeno típico nestes últimos tempos, tempo onde existe uma inquietude culturalmente que não se ‘’quedá” parodiando os rosarinos diante dos obstáculos da distancia, dos encargos monetários nem das dificuldades linguísticas. Enfim estou vivendo um momento ímpar que com o uso das tecnologias da comunicação me possibilitam estar em dois países ao mesmo tempo compartilhando dois momentos semelhantes de socialização de saberes, um mais global e diversificado no Brasil – São Luis, outro mais especifico singular em Rosário na Argentina, embora os dois tenham algo em comum – a busca do conhecimento, o compartilhamento de experiências que possam contribuir para um mundo melhor.

A mim é um momento de recordação na medida em que há dez anos vivi este mesmo momento de estar num pais de língua estrangeira, buscando uma qualificação, mais precisamente em Havana – Cuba quando para aquele país me dirigi a fim de fazer um doutoramento em Ciências da Educação e vivia os mesmos momentos hoje vividos pelos meus companheiros atuais, meus orientandos guerreiros e guerreiras que se puseram em campo da batalha pelo saber, objetivando contribuir mais pelo engrandecimento de nosso pais e de nosso estado do Maranhão –este estado quatrocentão, visto não podermos esquecer que daqui a alguns meses estaremos comemorando os nossos quatro séculos de fundação, alias já estamos em festa e a SBPC na UFMA é uma das festas que marcam este evento dos quatrocentos. Viva a SBPC, viva São Luis nos seus 400 anos, viva a UFMA por possibilitar esse congraçamento!

OS BABAÇUAIS DE PINHEIRO AYMORÉ DE CASTRO ALVIM Como um dos símbolos de real destaque na paisagem de Pinheiro pela imponência com que se ergue, dando graça e beleza à sua cobertura florística, a palmeira babaçu (Orbignya martiana) tem muito contribuído em diferentes setores da economia do município. Os estudos desenvolvidos para melhor conhecer as suas características biológicas dão conta de que a palmeira tem uma grande capacidade de regeneração após ser cortada ou queimada e resiste, muito bem, à ação de parasitas e predadores, o que lhe garante excelentes condições de adaptação ao seu ambiente natural. Após a germinação das sementes que geralmente ocorre em torno de 3 meses, o seu completo crescimento, em satisfatórias condições ambientais, é atingido, em média, aos 12 anos, embora, em ambientes umbrosos, aos quais está bem adaptada, possa chegar aos 70 anos. O seu ciclo de vida é superior aos 150 anos. Embora nunca tenha alcançado a importância econômica merecida, o que possibilitaria substancial aporte de recursos às combalidas finanças dos municípios situados, nas áreas geográficas dominadas por essa palmácea, parece, a priori, um contra-senso de vez que tudo ou quase tudo dessa palmeira é aproveitável além dos produtos e subprodutos de grande valor econômico por ela fornecidos. As raízes e o tronco ou estipe quando apodrecidos servem como adubo. Os troncos, em boas condições, são usados pelas comunidades rurais para construção de casas, cercas, bancos, pequenas pontes além de serem também invadidos por larvas de um besouro, vulgarmente chamadas gongo que são comidas fritas em certas comunidades e que também são usadas como iscas para pescar. Das palmeiras novas, “pindovas” ou “pindobas,” são retiradas as folhas que são utilizadas na construção de cofos, cestos, abanos, esteiras e também para tapar portas e janelas, como ainda, para cobrir e tapar casas além de servirem para alimentação de animais em épocas de seca. Mas de todas essas partes da palmeira, é do coco que são extraídos os produtos de real valor econômico. A casca é formada por 3 camadas das quais a mais externa ou epicarpo é uma rica fonte de fibras usadas na fabricação de ração animal e adubo. A camada média ou mesocarpo fornece um amido de boa qualidade que é usado como alimento para o homem ou para animais sob a forma de farinha, como ainda, é usado na fabricação de álcool. O endocarpo, a camada mais interna, de consistência dura, lenhosa, é usado para fabricação de carvão. Dele são extraídos metanol, acetona, ácido acético, alcatrão e gazes combustíveis. As amêndoas, 3 a 5 em cada coco, são utilizadas para a produção de óleo comestível, ração animal, sabão e glicerina. O leite, resultante do esmagamento das amêndoas, é muito utilizado na culinária rural para tempero de caças. Com todas essas qualificações, a palmeira babaçu deveria estar melhor credenciada como importante recurso natural para o desenvolvimento de uma região, mas, na realidade, isto ainda não aconteceu. Ao longo do século passado, a partir da instalação do povoado de Santo Inácio do Pinheiro, não há registro de nenhuma referência à expressão comercial do coco babaçu. Sua utilização se restringia apenas ao consumo doméstico sob a forma de óleo e leite extraídos das amêndoas para o preparo de alimentos e sabão. Usavam, ainda, o palmito das palmeiras novas e adultas para consumo humano e animal e as folhas e troncos, na construção de casas, cercas e utensílios domésticos.

A partir de 1910, certamente como reflexo das mudanças sociais ocorridas, no fim do século passado, o aproveitamento econômico das amêndoas começou a ser incrementado. Surgiram as primeiras transações comerciais com exportadores da capital do estado. Na década de 1920, a sua comercialização ganha maior expressão ao lado do algodão. Firmas como a Ramalho Cruz & Cia., Almeida e Neves, por exemplo, mantinham em Pinheiro seus representantes para aquisição e embarque das amêndoas. Firmas locais como a Albino Paiva & Cia. que exportava, à época, ¾ da produção juntamente com outras de menor porte eram responsáveis pelo bom desempenho comercial do babaçu cujo preço do kg de amêndoas oscilava entre 400 a 600 reis. Em 1926, visitaram a região os engenheiros Rodolpho Sononfield e Alfredo Benna como representantes de um grupo alemão que pretendiam investir na construção de uma fábrica, na chapada, para extrair a partir da casca do coco vários produtos químicos como ácido fênico, glicerina, dentre outros. As amêndoas seriam exportadas para a Alemanha. Quanto a instalação dessa indústria não há notícias disponíveis, no entanto, no ano de 1927, uma companhia francesa construiu uma fábrica para extração de óleo e outros produtos da amêndoa do babaçu. Tal empreendimento teve um triste fim, em 1931, quando da explosão de uma das suas caldeiras que causou a morte do seu chefe de produção, o eletricista cearense Porfírio Costa, além de outros dois mecânicos. A partir de então, o comércio das amêndoas do coco babaçu prosseguiu numa trajetória sempre oscilante, encontrando muitas dificuldades não somente com o armazenamento, como ainda, com o transporte das mesmas para a capital do estado. Com a expansão da fronteira agrícola do Estado, a partir de 1960, houve uma intensificação no processo de desmatamento dos coqueirais, que já vinha ocorrendo desde o século passado, para plantação de pastagens e de outros cultivares, na região. Além disto, o lento crescimento da palmeira e a baixa produção média anual de coco por hectare refletem sua incapacidade de competir comercialmente com outras fontes produtoras de óleos comestíveis e de outros derivados de comprovado poder econômico como, atualmente, vem ocorrendo com a soja. Tais ocorrências têm, gradativamente, descredenciado comercialmente o coco babaçu. No entanto, a variedade de produtos que é capaz de fornecer o mantém como cultura de subsistência de diversos grupos sociais, principalmente, na zona rural, além de ser ainda bastante útil a alguns mercados pouco exigentes de grandes investimentos.

ADESG NO MARANHÃO OSVALDO PEREIRA ROCHA A Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra – ADESG através de sua “Revista ADESG Defesa e Desenvolvimento”, de publicação mensal, divulga as atividades da Escola Superior de Guerra – ESG e das Forças Armadas Nacionais (Marinha, Exército e Aeronáutica), com pontualidade e precisão, dando enfoque especial à Segurança Nacional e, por isto mesmo, é merecedora de encômios. A ADESG tem por finalidade, o seguinte: 1 – preservar e projetar os valores morais e espirituais da nacionalidade; 2 - incentivar, cada vez mais, a amizade e a solidariedade entre os seus membros; 3 – difundir conceitos doutrinários e estudos conjunturais relacionados com a Segurança e o Desenvolvimento, com ênfase na Defesa Nacional, observados os métodos e as pesquisas da Escola Superior de Guerra – ESG; 4 – desenvolver outras atividades de natureza cultural e educacional. “A ADESG, por estar em todo o país, e cultuar a Pátria acima dos regimes, paira soberana sobre todas as questões. É a entidade que defende a unidade de pensamento na diversidade cultural do Brasil” (Moacir Elias, Membro da Turma ESG 1982 – Marechal Eduardo Gomes. É médico, de saudosa memória, visto que falecido em 17 de agosto de 2006). A mencionada revista, na sua edição de junho de 2012 destaca a INDÚSTRIA DA DEFESA; SEGURANÇA PÚBLICA; CENTENÁRIO DE RIO BRANCO, O MAGO DA DEFESA; e A COMEMORAÇÃO DO DIA DO EXÉRCITO NO RIO. A de julho de 2012, por exemplo, tem como matéria de capa A “AMAZÔNIA AZUL”; como Editorial ‘MAR MARINHA DO BRASIL’, de autoria do ContraAlmirante Wilson Montalvão, Primeiro Vice-Presidente ADESG; SOAMAR É FORTE ALIADA DA MARINHA; 147 ANOS DA BATALHA NAVAL DO RIACHUELO; MAJOR BRIGADEIRO DO AR RODRIGUES FILHO ASSUME COMANDO DO III COMAR; Mensagem do Presidente da ADESG, Delegado de Policia Federal Pedro Luiz Berwanger aos Associados, abordando o tema Preservação das Tradições, Marcas e Símbolos, todas da mais alta importância. A ADESG MARANHÃO, que tem como dinâmico Delegado o Professor Josemar Bezerra Raposo está programando novo Curso em nossa Cidade Cultural, Patrimônio da Humanidade para ter início ainda neste ano e conclusão em 2013, possivelmente mediante convênio com a Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, gestão do Magnífico Reitor José Augusto Silva Oliveira que, por sinal, recebeu com a maior cortesia o mencionado Delegado Josemar, que se fez acompanhar de Arthur Almada Lima Filho, João Francisco Batalha e Osvaldo Pereira Rocha, em seu Gabinete, no dia 16/07/2012. *ADESG Maranhão, turma 1975 – V Ciclo de Estudos sobre Segurança Nacional e Desenvolvimento. Jornalista-Colaborador (Registro DRT-MA nº 53).

ALDY MELLO MANDA NOTÍCIAS DO TÚNEL DO TEMPO MANOEL SANTOS NETO Esta entrevista foi publicada originalmente na edição de sábado(5/08/12) do Guesa Errante, Suplemento Cultural e Literário do Jornal Pequeno.

Ex-reitor da UFMA relata encontros entre ilustres personagens da história da Humanidade

O mais recente livro de Aldy Mello Com uma viagem no tempo e no espaço, o professor Aldy Mello de Araújo, exreitor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), escolheu uma maneira inusitada para falar sobre idéias, sonhos, esperanças e aventuras do homem na face da Terra. O relato está contido nas 255 páginas de seu mais novo livro, intitulado “O Encontro”. A obra foi lançada no Café Literário da ExpoT&C, durante a 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que aconteceu em São Luís, no Campus do Bacanga, entre os dias 22 e 27 de julho passado. Aos 69 anos, o professor Aldy Mello, com uma narrativa simples e cativante, promove neste livro encontros entre personalidades expressivas da história da Humanidade, cujas experiências, ideias e inventos mudaram os rumos da forma como os indivíduos vivem, agem e pensam no mundo contemporâneo. Cientistas, políticos, pensadores, religiosos e inventores como Isaac Newton, Lênin, Voltaire, Jesus Cristo e Thomas Edison são alguns dos personagens que se encontram em cenários conhecidos pessoalmente pelo autor. Ele explica que a ideia surgiu quando pensava sobre ciência e tecnologia e o que tem sido produzido atualmente nestas duas áreas. “Percebo que pouco é criado originalmente. Muita coisa é aproveitada a partir de conhecimentos e invenções já

existentes. Então, fiquei pensando o que os grandes criadores e pensadores diriam se pudessem ver como os indivíduos se apropriaram de suas criações. Será que eles estariam satisfeitos?”, questiona. A escolha dos personagens foi fruto de um trabalho minucioso de dois anos de pesquisa, em que o escritor mapeou figuras célebres de diferentes momentos históricos segundo critérios de importância. Entre as figuras, há um brasileiro, Santos Dumont, que conversa com Júlio Verne sobre os primeiros aviões. Entre os cenários escolhidos, cidades como Beijing, Xangai, Veneza e Rio de Janeiro, o único local no Brasil onde se passam os encontros. Na cidade maravilhosa, com a vista da praia de Copacabana, quem se reúne é Alexander Flaming e Louis Pasteur. O primeiro, inventor da penicilina; o segundo, descobridor dos micróbios e criador do sistema de pausterização. Ambos deram grande contribuição para a medicina. “O encontro desses dois cientistas acontece no Rio de Janeiro, onde eles se deparam com as favelas e os problemas de saúde pública, diretamente ligados com suas descobertas e criações”, afirma Aldy Mello. O escritor destaca que os personagens que conversam entre si têm ligações muito próximas e que a conversa entre eles reafirma a importância do diálogo presencial. “Hoje, as pessoas se encontram em frente à televisão, à tela do computador, pelo celular... É importante resgatar a arte do encontro. Daí o nome do livro”, explica. Temas da atualidade refletidos num painel de passado e presente

O Jornalista Manoel Santos entrevista o autor O livro “O Encontro”, que é fruto também das andanças do autor pelo mundo, traz um formidável imaginário do professor Aldy Mello de Araújo. Ele constrói encontros entre seres que um dia foram vivos e tiveram a experiência da vida vivida, agindo como muitos agem hoje. O prefácio do livro é assinado pelo professor Edmilson de Jesus Costa Filho, coordenador de Políticas e Planos da Agência Espacial Brasileira. Costa Filho observa que Aldy Mello narra em seu livro encontros impensáveis, que seriam proporcionados somente com o avanço da tecnologia, como naquele episódio em que Nat King Kole canta com sua filha Natalie a música “Unforgetable”, através de uma gravação, num verdadeiro dueto entre passado e presente.

“Em seu livro”, diz Costa Filho no prefácio, “Aldy tenta resgatar o encontro presencial, e não meramente fruto do acaso, mas com propósitos de 25 novas reeleituras sobre temas muito atuais”. Homem culto, dono de uma erudição impressionante, Aldy Mello reúne em seu novo livro personagens que foram cientistas, políticos, pensadores, filósofos, guerreiros, religiosos, inventores, enfim, homens que ajudaram a fazer a história dos homens e da humanidade, deixando as suas contribuições para o desenvolvimento do mundo. “Sabemos que eles não voltam mais à terra, mas, possivelmente, continuam a torcer para que suas contribuições possam ser cada vez mais úteis ao universo, mais práticas para a vida moderna e ajudar os homens a serem melhores seres e fazerem suas experiência de vida”, assinala Aldy Mello. No livro, os mais antigos e famosos filósofos gregos se encontram e falam da filosofia antiga. Sócrates, Platão e Aristóteles discutem, entre si, suas verdades. Eles falam da ética, da virtude e da sabedoria. Confúcio, chinês, e Gandhi, indiano, falam dos caminhos que indicaram para o mundo e para a humanidade. Abraão e Moisés, um patriarca e outro profeta, representam a Bíblia Sagrada e falam da terra prometida e do povo de Deus. Júlio César se encontra com Péricles e lembram seus tempos de Roma e Atenas. Jesus Cristo, Buda e Maomé mostram em que suas religiões se diferenciam e falam dos seus milhares de seguidores. Hamurabi, Beccaria e Lombroso abordam crimes e penas. Maquiavel e Abraham Lincoln discutem sobre o Príncipe e a democracia americana. Cícero e Sêneca comentam sobre Roma, seus tresloucados Imperadores e as proezas da época. Leonardo da Vinci e Picasso, dois grandes expoentes das artes plásticas, discutem sobre arte. Shakespeare e Miguel de Cervantes discorrem sobre suas obras que encantaram o mundo. Copérnico, Galileu Galilei e Isaac Newton discutem ciência. Napoleão Bonaparte e Alexandre, o Grande, lembram de suas ambições. Marco Polo e Cristóvão Colombo recordam suas aventuras de descobridores. Albert Einstein e Henry Truman falam de bomba atômica. Montesquieu, Voltaire e Rousseau lembram o iluminismo. Max Weber e Taylor rememoram a revolução industrial e suas consequências. Karl Marx e Mao Tsé-Tung relembram o comunismo e a Revolução Cultural da China. Santo Agostinho e o Imperador Constantino comentam a evolução do cristianismo. Beethoven e Mozart recapitulam a música erudita. Santos Dumont e Júlio Verne lembram os primeiros aviões. Lênin e Franklin Roosevelt falam do regime soviético e da democracia americana. Simón Bolívar e Thomas Jefferson discutem imperialismo. Lutero e João Calvino debatem religião. Alexander Fleming e Pasteur constatam a falta de saúde. Thomas Edison e Graham Bell comentam a tecnologia em Cingapura. Biografia Natural de Tutóia, município localizado no litoral Norte do Maranhão, onde nasceu no dia 28 de agosto de 1942, Aldy Mello de Araújo é professor aposentado da Universidade Federal do Maranhão (UFMA); mestre em Ciências Sociais pela Universidade de Louvain, na Bélgica; especialista em Administração Universitária pela Organização Universitária Nacional – OUI, do Canadá; especialista em Metodologia da Pesquisa Social pela Portland State University, nos Estados Unidos; professor emérito

da Arkansas State University, também nos Estados Unidos; bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela UFMA.

Manoel Santos e Aldy Mello apresentam o livro Membro do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), onde ocupa a Cadeira Nº 45, patroneada por Manoel Nogueira da Silva, o professor Aldy Mello foi reitor da UFMA, da Universidade Ceuma e ex-diretor da Faculdade Euro-Americana, em Brasília. É membro titular do Conselho Diretor da Universidade Federal do Maranhão; da Academia de Ciências e Artes da Câmara Brasileira de Cultura, na área de Ciências Sociais, onde ocupa a cadeira Gilberto Freyre, e do Conselho de Desenvolvimento Tecnológico do Estado do Maranhão.

CONTOS, CRÔNICAS, POEMAS & OUTRAS PALAVRAS JOAQUIM HAICKEL Na próxima quinta-feira, dia 9 de agosto, às 19 horas, na sede da Academia Maranhense de Letras, localizada à Rua da Paz, 84, lançarei o livro intitulado “Contos, Crônicas, Poemas & Outras Palavras”, evento para o qual você que me lê agora está desde já convidado. Trata-se de uma obra que deveria ter sido lançada em 2010, quando comemoraria 30 anos do lançamento de meu primeiro livro. Naquela ocasião não comemorei com um lançamento de livro, preferi comemorar a data aprovando na Assembléia Legislativa, em meus últimos meses como deputado estadual, as leis de incentivo à cultura e ao esporte, encerrando assim minha carreira política eleitoral. Fiz isso como preconizava meu pai que se mirava em Pelé, que segundo ele soube a hora de parar de jogar futebol. Parou no apogeu, quando ainda fazia uns golzinhos. Eu acredito que fui mais além. Parei quando fiz o único gol de placa em toda minha carreira política, que não foi curta, começou em 1983 e acabou em 2011. Pensei que pararia definitivamente com a política e me dedicaria apenas a minha família, aos negócios, à literatura, ao cinema, às viagens. Pensei que poderia então me dedicar a finalmente dirigir a Fundação Nagib Haickel, entidade que idealizei em meados dos anos 90 e a qual jamais pude dar a devida atenção. Não consegui. Tentei ficar totalmente fora da política, mas não resisti às pressões e acabei aceitando o cargo de secretário de Esporte e Lazer do estado. Como em tudo que faço, faço de forma total e completa, os projetos que tinha para essa fase de minha vida foram adiados temporariamente. Alguns, inadiáveis, vêm sendo desenvolvidos de forma mais lenta. Mas o lançamento de meu livro não. Só faltava achar uma boa oportunidade para fazê-lo. Essa ocasião é agora. Trabalhei recolhendo alguns de meus textos inéditos, contos e poemas, pois as crônicas que constam desse livro já foram publicadas no jornal O Estado do Maranhão. O restante do título do livro, “& Outras Palavras”, bem que poderia ser o título todo, mas poderia parecer para alguns que plagiasse Caetano… Preferi dar precedência, hierarquia, no que acredito ser a sequência decrescente de minha competência literária. Acredito ser melhor contista que cronista, e melhor cronista que poeta, então coloquei essa ordem no frontispício do livro. O “&” (e comercial) representa e significa a importância que dou aos coadjuvantes, personagens sem os quais, não podem existir, em toda a sua plenitude e grandeza, os atores principais. Vejo-me muitas vezes como coadjuvante, mesmo quando desempenho o papel principal. Esse exercício me coloca em uma situação bem mais confortável e privilegiada para analisar tudo que ocorre na cena, como está disposto o cenário, como os personagens se apresentam. No capítulo “Outras Palavras” reúno tudo o que não sejam contos, crônicas ou poemas. Lá estão alguns discursos políticos além de meus discursos de posse na AIL, na AML e no IHGM. Estão algumas frases, que ultimamente perdi a vergonha de colocar

no papel. Elas foram a minha primeira forma de manifestação literária. Ainda garoto tinha cadernos cheios delas. Graças a Deus estas não são aquelas. Coloquei neste livro alguns de meus roteiros cinematográficos e também estão nele alguns de meus contos antigos transformados em histórias em quadrinhos, verdadeiros storyboards para futuros filmes. As HQs foram desenhadas por Beto Nicácio e Iramir Araújo, companheiros da Dupla Criação. Senti-me o próprio Stan Lee. A capa nasceu de uma ideia minha e foi realizada por Edgar Rocha e Nazareno Almeida. São fotografias de três janelas e uma porta de casarões antigos. Uma alegoria que acredito ser perfeita para o título: os contos, as crônicas e os poemas estão debruçados nas janelas, à mostra, acessíveis, enquanto para alcançar as outras palavras o leitor deve ir porta adentro. A seleção do material publicado, o editor responsável pelo livro, é meu amigo e mestre Sebastião Moreira Duarte, que apresenta a obra e dirá algumas poucas palavras antes do lançamento. Também avalizam a publicação os escritores Jomar Moraes e Américo Azevedo Neto. A revisão ficou ao cargo de Reydner de Carvalho, o projeto gráfico é do velho parceiro Paulinho Coelho e a impressão foi feita na Gráfica Minerva de meu amigo e irmão de alma Antonio Carlos Barbosa. Dito isso, só espero que depois de 32 anos tentando ser um escritor razoável, os meus críticos mais cruéis concordem que pelo menos estou no caminho.

O MÚLTIPLO JOAQUIM HAICKEL LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ http://www.blogsoestado.com/leopoldovaz/2012/08/10/o-multiplo-joaquim-haickel/

Foi ontem, na Academia Maranhense de Letras o lançamento da mais nova obra de nosso multimídia Secretário de Estado de Esportes e Lazer Joaquim Haickel. Da dedicatória do meu exemplar – custou R$ 30,00 no lançamento – “Ao Leopoldo, que como eu é um ex-gordo, um livro gordo de histórias finas. Um Abraço, (Joaquim Haickel), SLZ 09/08/2012“. Realmente, um livro ‘gordo”. Não um, mas cinco obras, reunidas em um unico volume. José Louziero, ao recepciona-lo na Academia Maranhense de Letras anunciou a nova obra do Quincas, comemorativa aos 30 anos de sua estréia na literatura. Não saiu em 2010, apareceu ontem…

CONTOS, CRÔNICAS, POEMAS & OUTRAS PALAVRAS, Joaquim Haickel, São Luis, AML/Giarnicê, 2012

Meu Mestre Sebastião Moreira Duarte, na apresentação, tratou-o de multiplo. Tal qual Louzeiro. Contos, crônicas, poemas, discursos, roteiros, frases, quadrinho… só faltou, mesmo, um CD com uma de suas produções cinematrográficas e, pecado dos pecados, não ter incluido algumas de suas tão decantadas receitas culinárias! Sim, senti a falta das receitas de Joaquim, cozinheiro (não chef, pois não dirige cozinha, pilota fogão, portanto cozinheiro…); dizem que suas receitas são primorosas, pois feitas para agradar ao seu paladar e aos dos amigos convidados para os acepipes. Não provei, ainda… mas poderia nos ter dado algumas delas, para tentarmos fazer em casa, enquando nos deliciamos com a leitura dessa obra… fica devendo!!! Ouso compara-lo com nosso Aluísio Azevedo, também dedicado às mais variadas formas de comunicação com o publico. Também um ‘sportman’. Tendo iniciado com a caricatura (desenho), Joaquim o replica, com algumas primorosas (e safadas – ver Aurora e Catarina…) historinhas em quadrinho. Passa pelo conto, pelas

cronica, e no lugar do teatro, apresenta-nos filmes – alguns roteiros… que bem podem ser adaptados para o palco. Aluisio dedicou-se ao Serviço Público – foi diplomata – para poder sobreviver, pois a Literatura, naquela época como hoje, não dá o pão de cada dia a ninguém. Joaquim é homem público. Político experiente, hoje Secretário de Estado. E logo de Esportes e Lazer… o esporte é outra de suas paixões… e em plenos Jogos Escolares, lança essa obra. No auditório – cheio… - a chamada ‘elite maranhense’, representantes de famílias tradicionais, intelectuais – além dos membros da AML, lá estavam os sócios do IHGM João Batalha, Vavá Melo, Prof. Raposo, Elizabeth Rodrigues -, politicos (deputados, vereadores, vários Secretários de Estado, níveis estadual e municipal), enfim, a ‘inteligentzia’ maranhense e, em se tratando de Joaquim, pessoas ditas comuns, o Povo… sim, o Povo estava lá representado… e nós, esportistas (além de mim, Clineu, Alim, Marco Aurélio – seu primo -, Luis Costa Rodrigues, Gafanhoto, Roberto Rocha, Nan Sousa…), assim é o Joaquim – transita por todas as áreas, com a sua simpatia, comprimentandos a todos, com alegria, agradecendo a presença… E o coquetel, então? regado a Cola Jesus, sucos de frutas naturais – o de goiaba… - o bacalhau e o arroz de camarão, seriam receitas de Joaquim??? fica a duvida… Mas voltemos ao Múltiplo Joaquim… Sebastião e Jomar o elevaram à essa categoria. Antes, dizia-se ser duplo, ao ingressar na Academia Maranhense de Letras. Joaquim e Nagib, referencia ao seu pai, o Caboclo do Pindaré, o Deputado das Balinhas; referiu-se, ainda, em seu discurso de posse na AML, que seu pai poderia afirmar, naquela ocasião que “esse menino chegou mais longe do que poderia imaginar. Para quem tinha extrema dificuldade em ler, para quem não sossegava um só instante, o lucro foi grande.” Joaquim diz-se ‘disléxico’, não conseguindo captar as letras dum texto… diz que as mesmas dançam, embaralhando sua compreensão, numa primeira leitura. É mais auditivo e visual… mas essas mesmas letras e palavras que se lhe embaralham nos sentidos, se transformam em ritmo cadente, numa melodia, quando as coloca nesse mesmom papel – como dizia o pai Nagibão, “Para quem tinha extrema dificuldade em ler… As palavras fluem, escorregam, num ritmo do Boi do Pindaré, em sua cadencia e beleza, dançando à nossa frente, livro aberto; às vezes lembra esse mesmo Pindaré, fluindo lento, gostoso, preguiçoso, quando do verão e das estiagens; outras impetuoso, forte, vigoroso, em suas cheias de nosso inverso… assim são as palavras que Joaquim coloca, ordeiramente, manifestando seus pensamentos e nos enchendo de curiosidade, a cada novo conto, a cada nova cronica… realmente, velho Nagib, “o lucro foi grande”… Nascido em São Luís a 13 de dezembro de 1959, enquanto estudante do Pituchinha, e depois do Batista e do Dom Bosco viveu a efervescência dos anos 70 – a década em que houve o renascimento dos esportes no Maranhão através do empenho de Cláudio Vaz dos Santos, o Alemão, do Prof. Dimas, do Prof. Laércio, do Prof. Lino, do Marcão, do Zartú. Jogava basquete… Concluída a fase juvenil, ingressou na Universidade Federal do Maranhão, onde se bacharelou em Direito. Ah os anos 70… Anos de rebeldia; culto à juventude. A televisão chegando a São Luis… As mudanças de hábitos com as novidades da telinha e a unificação do linguajar, todos falando – ou procurando imitar – o carioquês… E aquele jovem “boleiro”, seguindo a tradição da Atenas brasileira, dedica-se também às letras. Joaquim é um dos

expoentes da nova geração de intelectuais que surgia naqueles idos. Dedica-se as lides das letras e da cultura, na época do Guarnicê. Desde essa época tem no cinema, uma de suas paixões… Seu primeiro livro, Confissões de uma caneta, é gestado ainda naqueles anos de 1975/76, embora lançado apenas em 1980; premiado no Concurso Cidade de São Luis… Por isso, tardiamente ontem, comemorou os 30 anos de vida do escritos Joaquim, ‘nascido’ em 75/76, registrado em 80 – um ‘gato’ (??? – no sentido esportivo!!!). No ano seguinte, aparece O quinto cavaleiro, poemas; seguido do livro de contos Garrafas de ilusões, de 1982, premiado também, desta vez pelo Concurso SECMA/ SIOGE/ Civilização Brasileira. Trinta anos, neste ano, de sua primeira premiação. Não vamos contar as medalhas do campo do esporte… Nesse mesmo ano de 1982, Joaquim junto com Celso Borges, e coadjuvados por Roberto Kenard, Ivan Sarney, Ronaldo Braga, e Nagibinho (seu irmão), produzia e apresentava o programa “Em tempo de Guarnicê”, levado ao ar pela Mirante FM; programa que falava de literatura, arte, cultura e tocava música maranhense; esses “novíssimos atenienses” se serviam do meio de comunicação de sua época, para discutir a cultura maranhense. Para quem conhece um pouco de nossa História, mais um movimento, qual Fênix, ressurge das cinzas… Já se passara um tempo da geração de 45… Mais um evento, para a comemoração dos 30 anos… O inquieto e indisciplinado Joaquim – no dizer de José Louzeiro – novamente recorre aos amigos para cometer,em Paço do Lumiar, o curta Padre Nosso, de 59 segundos, também baseado em poema de sua autoria. É ainda de 2008, também roteiro a partir de conto Pelo Ouvido, publicado em A Ponte; roteiro, produção e direção, o sonho de realizar um filme estava concretizado. E selecionado para participar de inúmeros festivais de cinema, no Brasil e exterior; para ser mais exato, a 128 eventos, ganhando nada menos que 18 até agora… Mas seus projetos não param por aí. Como disse dele Louzeiro, é um inquieto. Mas indisciplinado? Creio que não, haja vista sua determinação em produzir sempre, levando seus sonhos para o concreto, como Dito & Feito, registro de suas crônicas aparecidas em o Estado do Maranhão; ou O Múltiplo dos Quatro, reunindo o melhor de sua produção. De seu “avatar” de político, pretende reunir os seus discursos em A palavra quando acesa, título em homenagem a José Chagas; para 2012… Pois bem, 2012 chegou. E somos brindados com esse CONTOS, CRÔNICAS, POEMAS & OUTRAS PALAVRAS (AML/Giarnicê, 2012). O Multiplo Joaquim… vou passar o final de semana lendo-o… Leopoldo ps. para quem perdeu o lançamento, haverá uma nova oportunidade, no proximo dia 05, pela tarde, no Palácio cristo Rei. O IHGM promove mais um ciclo de estudos sobre os 400 anos de São Luis, e haverá uma tarde de autógrafos. Joaquim se fará presente, então, com os demais Confrades…

O LEGADO DE RENATO ARCHER E A SBPC 2012 NATALINO SALGADO FILHO Publicado no Jornal “O Estado do Maranhão” em 22/07/2012. O presidente da Academia Maranhense de Letras, Benedito Buzar, em artigo publicado no último domingo, dia 15, ressaltou a importância de Renato Archer que, se vivo estivesse, teria completado 90 anos neste mês de julho. Buzar destacou, em seu artigo, o viés político daquele maranhense que galgou – numa trajetória de diversas lutas, embates e conquistas – diversos degraus até dirigir o Ministério da Ciência e Tecnologia, hoje transformado em Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, considerado um dos mais importantes órgãos para um país que almeja ser referência interna e externamente - na área. O artigo de Buzar – que descreve em ricos detalhes os bastidores da vida política de Renato Archer, traça um cenário da política maranhense na época da ditadura militar com reviravoltas e detalhes pitorescos –, traduz-se numa feliz coincidência para este mês de julho, uma vez que terá início neste domingo, dia 22 e prossegue até o dia 27, na Cidade Universitária da Universidade Federal do Maranhão, o maior evento científico da América Latina e do Caribe: a 64ª reunião anual da SBPC, que reunirá pesquisadores, cientistas e interessados em adquirir conhecimentos e trocar experiências. A coincidência é quanto ao fato de que grande é a contribuição de Renato Archer para a área da ciência brasileira. Formado em Física Nuclear e autor de obras como Política Nacional de Energia Atômica (1957); Aspectos Econômicos do uso da Energia Nuclear (1958); e Diretrizes para uma Política Externa Independente (1963), lançou – na década de 80 – uma campanha ao lado de um grupo de renomados cientistas pela criação do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT). A reivindicação foi atendida na gestão do presidente José Sarney, por meio do Decreto nº 91.146, de 15 de março de 1985, o qual criou formalmente o Ministério de Ciência e Tecnologia. Archer foi nomeado o primeiro ministro da pasta. Foi a concretização de um sonho antigo, acalentado por professores e pesquisadores de todo país. Já em dezembro de 1985, diversas reuniões regionais simultâneas, em onze cidades do país, agregaram empresários, pesquisadores, estudantes e professores, objetivando debater soluções para a ciência no Brasil. Coube ainda a Renato Archer a realização da primeira Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia. A Professora Doutora Angelise Valladares Monteiro, em sua tese “A dinâmica de mudanças estratégicas: estudo de multicasos em institutos de pesquisa”, para obtenção do título de Doutora em Engenharia de Produção na Universidade Federal de Santa Catarina, faz um resgate histórico da gestão do então ministro Renato Archer, e credita a ele, além de diversas realizações, a abertura do diálogo com os responsáveis pela produção científica e tecnológica brasileira, a manutenção de órgãos de pesquisa fundamentada na decisão de priorizar investimentos na área, a criação de uma comissão interministerial, com membros representantes da comunidade científica e empresarial, intencionando orientar as ações estratégicas para a área de novos materiais e a criação de uma Secretaria de Biotecnologia. Aqueles que tiveram o privilégio da convivência com Archer, enquanto este era ministro, contam que ele era um homem afável, profundo amante da ciência e da

pesquisa. A partir da sua passagem pela Marinha, interessou-se por Energia Nuclear e sempre dispunha de tempo para ouvir aqueles que o procuravam com ideias e sugestões. O Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getúlio Vargas e dados históricos da Câmara dos Deputados registram ainda que ele integrou como Delegado do Brasil a comissão da instalação da Agência Internacional de Energia Atômica, em Viena, Áustria, em 1957; foi Delegado do Brasil na Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica, em 1959; Governador pelo Brasil da Junta da Agência Internacional de Energia Atômica, em 1960; e integrou a Conferência da instalação da Comissão de Energia Atômica da Organização dos Estados Americanos OEA, em Washington, EUA. Sua importância para a área foi reconhecida tanto que seu nome batizou o Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, unidade do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), que atua na pesquisa e no desenvolvimento em tecnologia da informação. Sua biografia foi tema de duas importantes obras: “Renato Archer: energia atômica, soberania e desenvolvimento”, de Álvaro Rocha Filho e João Carlos Vitor Garcia (Rio de Janeiro: Contraponto, 2006, 272 p.), e “Renato Archer: diálogo com o tempo”, de Regina da Luz Moreira e Leda Soares (Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, 2007, 379 p.). Que seu exemplo de abnegação pela causa da ciência sirva para inspirar as novas gerações a também se dedicarem à causa, não apenas nestes dias em que estaremos às voltas com a programação rica e extensa da SBPC – que tem justamente como tema a Ciência, Cultura e Saberes Tradicionais para Enfrentar a Pobreza –, mas em todas as épocas. O país que valoriza seus pesquisadores e cientistas oportuniza que todos cresçam com qualidade, com cultura de inovação. Como consequência, surge o incremento na competitividade global da economia aliada à inclusão social.

DE LONDRES AO RIO DE JANEIRO AYMORÉ DE CASTRO ALVIM IHGM, AMM, APLAC. Os Jogos da XXX Olimpíada, sediados, neste ano, em Londres, Inglaterra, foram solenemente abertos, no Estádio Olímpico daquela capital, no dia 27 de julho passado com grande presença de ingleses e turistas torcedores além dos 4 bilhões de pessoas, em todo o mundo, que receberam as imagens pela televisão e Internet. Foi tudo grandioso. Uma verdadeira apoteose garantida pelos sofisticados recursos pirotécnicos e tecnológicos do mundo moderno. Frustração até agora? Nem tanto. Os jogos olímpicos, ao que parece, não foram concebidos com a intenção de frustrar os competidores. Como nem todos os que gostariam de participar conseguiram chegar lá, só o fato de estar disputando qualquer uma das modalidades oferecidas já coloca o atleta entre os melhores do seu país. Não podemos, no entanto, restringir o espírito olímpico apenas ao pensamento de Pierre de Freddy, o barão de Coubertin, criador das Olimpíadas dos tempos atuais, para quem o importante é competir. O objetivo olímpico busca, na verdade, a quebra de recordes, a superação pelo homem e pela mulher de seus próprios limites dentro de princípios éticos que norteiam o espírito das competições e as relações de camaradagem entre os atletas. Assim o foi, na antiguidade, e assim o é, na era moderna. Na Grécia antiga onde surgiram, em época não muito bem precisa, esses jogos eram realizados por gregos e por povos de cultura helênica para celebrar o final do período das colheitas e manifestar o seu agradecimento aos deuses Zeus e Apolo. Era uma festa com fortes traços mitológicos. Servia, também, para melhor expressar o culto daquele povo à beleza. Mas as primeiras competições devidamente organizadas datam do ano 776 a.C. A partir de então, foram elas realizadas por quase 1.200 anos, na cidade sagrada de Olímpia, de cujo nome derivou a palavra OLIMPÍADA, numa referência ao intervalo de 4 anos de suas realizações, segundo o calendário grego da época. Esse evento tinha duração, inicialmente, de um dia e uma noite. Ao começar as cerimônias, acendiam uma tocha que era conduzida pelos competidores ao altar de Zeus onde o fogo ardia enquanto duravam os jogos. Tal simbolismo foi incorporado às solenidades das olimpíadas atuais. Grande multidão formada por atletas e expectadores se deslocava para a Grécia, no período de realização dos jogos, geralmente, no mês de agosto, em pleno verão europeu, chegando a ser calculada em, aproximadamente, 200.000 pessoas por temporada. Era o evento esportivo mais difundido, naquela época, em todo o mundo grego que se estendia das colônias gregas de Phanagoréia e Tanais, no Mar Negro, ate as situadas em pontos mais distantes na região do Mediterrâneo. Somente homens podiam competir e o faziam todos nus, não apenas para demonstrar o desempenho de que tanto se orgulhavam, como ainda, para evitar a presença de mulheres ate mesmo como expectadoras. Discriminação sexual? Parece que não. Eram costumes culturais da época que talvez cuidassem de preservar as mulheres da exaustão física e da grotesca visão das competições.

De início, apenas a prova de 200 metros fazia parte do programa. Posteriormente, outras foram incorporadas como as corridas de 400 e 5.000 metros, as lutas cujo vencedor seria aquele que se mantivesse de pé, de vez que não havia limite de tempo. Havia, ainda, corrida de charretes sempre envolvendo grandes perigos, o hipismo, a música e o pentatlo. Aos vencedores cabia uma coroa de ramos de oliveira, muitos prêmios alem do direito de ter uma estátua, em Olímpia, o que os imortalizaria, na memória dos seus patrícios. Desse período se destacaram como grandes campeões olímpicos Milo de Crotona, Timotheos, Leônidas de Rodes e muitos outros que marcaram com suas habilidades as Olimpíadas gregas. Mas, em 393 d.C., estas foram suspensas por decisão do imperador romano Teodósio. Somente em fins do século XIX, por iniciativa do Barão de Coubertin, os Jogos Olímpicos foram reorganizados. Não foi tarefa fácil, mas, com muita determinação e muito empenho, o Barão e um grupo de colaboradores encontraram a boa disposição do governo grego para realizar, em Atenas, os primeiros Jogos Olímpicos ou a Primeira Olimpíada da era moderna. A festa de abertura e as competições esportivas foram realizadas, no estádio Panathenaic, com início, no dia 26 de março pelo calendário grego ou em 6 de abril pelo calendário gregoriano. Participaram 311 atletas de 13 países, dando, assim, o caráter universal às olimpíadas. Delas deveriam participar apenas atletas amadores dentro de um espírito de igualdade independente de religião, raça ou sexo. O Brasil, no entanto, só teve a sua primeira participação olímpica, nos Jogos de Antuérpia, na Bélgica, realizados, em 1920. A estreia foi boa. Começou conseguindo a sua primeira medalha de ouro conquistada pelo Capitão Guilherme do Exército, nas provas de tiro. Nessa caminhada, em que não compareceu apenas, em Amsterdã, na Holanda, em 1928 por motivos políticos e financeiros, até o dia 8, quarta-feira passada, em Londres, o Brasil já havia conquistado a sua centésima medalha, em jogos olímpicos, com grande esperança de aumentar este número até domingo próximo quando os mesmos serão encerrados. Muito pouco, se considerarmos o grande empenho, desprendimento e sacrifício dos nossos atletas e o grande compromisso que temos de ampliar esse número, no quadro de medalhas, no Rio de Janeiro, em 2016, senão vamos acabar fazendo festa para os outros se divertirem. O apoio oficial e da iniciativa privada serão de grande importância para o preparo dos atuais e dos novos atletas que irão se apresentar pela primeira vez nesses jogos. E, assim, nós vamos sonhando e, mais uma vez, o sonho olímpico nos mostrará o caminho da consagração que todos esperamos, no Rio de Janeiro. Quem não conseguir ganhar, vai continuar sonhando sempre com a próxima. Não é uma boa compensação?

CONVITE AO PASSADO DE SÃO LUÍS ANA LUIZA ALMEIDA FERRO Promotora de Justiça, Presidente da Academia Maranhense de Letras Jurídicas e Sócia efetiva do IHGM alaferro@uol.com.br Publicado no jornal O Estado do Maranhão, 18.08.12

Caro leitor, ludovicense por nascimento ou adoção, que estás a buscar inspiração para as labutas de hoje e os desafios de amanhã nos tesouros ainda pouco explorados da cidade, vai à Praça Gonçalves Dias, saúda primeiro o poeta, para que não fique enciumado, entra devagar no Palácio Cristo Rei e prepara-te para voltar no tempo. Lá estão abertas, de segunda a sexta-feira, das 8 às 12h e das 14 às 17h30min, desde 16 deste mês até 14 de setembro, as portas para o passado primordial de nossa urbe. Descobre-te, como num passe de mágica, em Saint Louis Capitale de la France Équinoxiale, no ano de 1615, e procura no mapa os quatro fortes implantados na Ilha do Maranhão pelos franceses – inclusive o de São Luís, batizado pelo almirante François de Razilly –, e o Convento de São Francisco, primeiro edificado pelos capuchinhos no Brasil, também abrigando a primeira escola do Maranhão. Se preferires, mergulha nos rios Maiove, Ibacanga e de la Touche, mas toma cuidado com Guasinduba, afinal não quererás transformar a tua viagem numa batalha. Mas recua ainda mais no tempo: sentirás a presença de um dos fundadores da cidade, Daniel de la Touche, em todo o esplendor de seu sonho da França Equinocial, estabelecida em 1612, mas não poderás contemplar-lhe o rosto, pois, afinal, o mistério é sempre estimulante... Ao invés, entrevista-te com Razilly, o cofundador frequentemente olvidado de São Luís. Quando o vi, estava sorrindo, mas pode ser que o encontres acabrunhado, pois não lhe deram um palácio para descansar, nem uma avenida para fazer novo reconhecimento da ilha, nos moldes daquelas que levam os nomes dos inimigos lusos Jerônimo de Albuquerque e Alexandre de Moura. Se queres reviver o rebuliço em Paris pela chegada dos embaixadores índios do Maranhão, conversa com Japuaí (ou Louis de la St.-Jean), Itapucu (ou Louis Marie) e Uaroio (ou Louis Henri). Leva o intérprete Charles des Vaux a tiracolo, no caso de não falares tupi. E faz uma oração pelos que não sobreviveram: Anthoine Manen, François Carypyra e Jacques Patuá. O Cardeal de Joyeuse, que fez doação para a construção em pedra do Convento de São Francisco, poderá te ajudar nesse ato de piedade cristã. Além da assistência religiosa, aproveita para saber da coroação de Maria de Médici, do batismo de Luís XIII e, fofoca suprema, dos bastidores da anulação do casamento do Rei Henrique IV com a Rainha Margarida de Valois. E fica para o casamento de Luís XIII com Ana d’Áustria. Entretanto, se necessitas de um empréstimo, melhor consultares o riquíssimo banqueiro e conselheiro real, Nicolas de Harlay, Senhor de Sancy, um dos chefes e financiadores da expedição de 1612. Talvez ele te mostre o valiosíssimo diamante Sancy... Se os mapas são a tua praia, veleja pelo mundo daqueles tempos e aporta na França e em Paris. Torna a ser criança e encontra, pelas cores, os locais de nascimento de personalidades francesas ligadas à França Equinocial, inclusive de Richelieu, que tanto trabalho deu aos três mosqueteiros de Alexandre Dumas. E cuidado: estão em vigor as Leis Fundamentais da colônia, decretadas na Ilha do Maranhão, “primeira manifestação com natureza constituinte elaborada no Continente Americano, antecedendo a Declaração de Virgínia”, na avaliação de José Cláudio Pavão Santana, e lá vale a pena de talião!

Tudo isso – e muito mais – está à disposição de qualquer ludovicense, por nascimento ou adoção, viajante do tempo, que se aventurar pelos mares, terras e ilhas da fascinante exposição “França Equinocial para sempre”, idealizada e coordenada pelo amigo Antonio Noberto, turismólogo e historiador, talento emergente e dínamo infatigável, e realizada pelo Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, pela Aliança Francesa de São Luís, pela Universidade Federal do Maranhão e pela Universidade Estadual do Maranhão. A exposição foi inaugurada na noite de 15 de agosto, em um evento concorrido, prestigiado por autoridades, professores, membros de academias, escritores e aficionados da história e da cultura maranhense em geral. Nessa noite encantada, veio à luz a obra França Equinocial: uma história de 400 anos em textos, imagens, transcrições e comentários, organizada pelo mesmo Noberto, também um de seus autores. E os presentes ainda puderam se deliciar com uma encenação teatral sobre a fundação de São Luís pelos gauleses, promovida por Joana Bittencourt, que dirige a Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt. E o Palácio Cristo Rei testemunhou a saga de La Ravardière, de Itagiba e sua amada Lua Cheia e dos tupinambás maranhenses, conheceu Maria de Médici e o jovem monarca Luís XIII e ouviu a Marselhesa e o hino de São Luís, tudo numa única noite... A França Equinocial é um eco do passado, a inspirar a celebração do presente e um vislumbre do futuro que São Luís merece ter. Caro leitor, a França Equinocial está à tua espera!

ADVOGADO TEM O TÍTULO DE DOUTOR OSVALDO PEREIRA ROCHA Publicado no Jornal Pequeno de 19/08/2012, Pesquisa chegada a mim, por e-mail, com artigo da Advogada Doutora Carmen Leonardo do Vale Poubel, de Canhoeiro de Itapemirim – ES informa que o título de doutor atribuído ao advogado tem procedência jurídica, independentemente de ele haver cursado doutorado. Dele reproduzi trechos que integram este artigo. “O título de doutor foi concedido ao advogado por D. Pedro I em 1827. Título este que não se confunde com o estabelecido pela Lei nº 9.394/96 (Diretrizes e Bases da Educação), aferido e concedido pelas Universidades aos acadêmicos em geral”. “A Lei do Império de 11 de agosto de 1827 cria dois cursos de Ciências Jurídicas e Sociais; introduz regulamento, estatuto para o curso jurídico; dispõe sobre o título de (grau) de doutor para o advogado”. A referida Lei possui origem legislativa no Alvará Régio editado por D. Maria I, a Pia (A Louca), de Portugal, que outorgou o tratamento de doutor aos bacharéis em direito em exercício regular da profissão e no Decreto Imperial (DIM), de 1º de agosto de 1825, editado pelo Chefe de Governo Dom Pedro Primeiro. O Decreto 17.874A, de 09 de agosto de 1827, declara feriado o dia 11 de agosto de 1827, data em que se comemora o centenário da criação dos cursos jurídicos no Brasil. Os referidos documentos encontram-se microfilmados e disponíveis para pesquisa na Biblioteca Nacional, localizada na Cinelândia (Avenida Rio Branco – Rio de Janeiro – RJ). A Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994, no seu artigo 87 (Estatuto da OAB), ao revogar as disposições em contrário, não dispôs expressamente sobre a referida legislação. Revogá-la tacitamente também não o fez, uma vez que a legislação Imperial constitui pedra fundamental que criou os cursos jurídicos no Brasil. Historicamente, sabe-se que o título de doutor foi outorgado pela primeira vez no Século XII aos filósofos – DOUTORES SAPIENTIAE – como, por exemplo, Santo Tomaz de Aquino, e aos que promoviam conferências públicas, advogados e juristas, estes últimos como JUS RESPPONDENDI. Na Itália, o advogado recebeu pela primeira vez o título como DOUTOR LEGUM, DOCTORES ES LOIX. Na França, os advogados eram chamados de DOCTORES CANONUN ET DECRETALIUM, mais tarde DOCTORES UTRUISQUE JURIS e assim por diante em inúmeros países. Pesquisa histórica creditada ao Doutor Júlio Cardella (Tribuna do Advogado, 1986, página 05), considera que o advogado ostenta legitimamente o título de doutor antes mesmo que o médico, uma vez que este, ressalvado o seu imenso valor, somente recebeu o título por popularidade. E mais, historicamente a Bíblia denomina de juristas àqueles que interpretavam a Lei de Moisés, no Livro da Sabedoria, considerados doutores da lei. Não é difícil encontrar-se quem menospreze os advogados, expurgando destes o título legítimo de Doutor, por falta de conhecimento legal e jurídico. Não obstante, o referido título não se reveste de mera benesse monárquica. O exercício da advocacia consubstancia-se essencialmente na formação de teses, na articulação de argumentos possíveis juridicamente, em concatenar ideias na defesa de

interesses legítimos, que sejam compatíveis com o ordenamento jurídico pátrio. Não basta, portanto, possuir formação intelectual e elaborar apenas uma tese. “Cada caso é um caso”. As teses dos advogados são levadas a público, aos tribunais, contestadas nos limites de seus fundamentos, argumentos, convencimento e, por fim, julgadas à exaustão. Se confirmadas pela justiça passam do mundo das ideias para o mundo real, por força judicial. Não resta dúvida que a advocacia possui o teor da excelência intelectual e, por lei, os profissionais que a exercem devem ostentar a condição de doutores. O advogado, profissional da advocacia e do direito, deve a si mesmo o questionamento interior de estar à altura de tão elevada honraria, por mérito, por capacidade e competência; deve ser distinto e justo na condução dos interesses por Ele defendidos. O Advogado (bacharel em direito aprovado no exame da OAB e nesta devidamente inscrito) é legalmente doutor; é Doutor por Excelência! SL, 11/08/2012)

O PASSADO DEVE SERVIR PARA ALGUMA COISA ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA Os leitores que hoje possuem mais de 40 anos devem ter ouvido falar da peça de teatro Calabar escrita por Rui Guerra e Chico Buarque, e dirigida por Fernando Peixoto em 1973. Devido a censura da ditadura militar só foi encenada em 1980. A lembrança desse texto nesse momento de debates sobre a fundação francesa ou portuguesa da cidade de São Luís nos parece oportuna. As reflexões sobre o tema das origens míticas ou históricas da capital maranhense têm adquirido sobressaltos um tanto dramáticos; com partidários apaixonados dividindo-se entre posições de defesa veemente dos fundadores franceses (francofilia), de um lado; e dos portugueses (lusofilia), de outro. Semelhanças há com a história de Recife e Olinda, estudadas quando nós pesquisamos em Pernambuco, no final dos anos de 1980. Ao realizar esse trabalho de pesquisa nos famosos Montes Guararapes, nos quais se realizaram as memoráveis batalhas pela expulsão dos holandeses; pudemos constatar que ainda há reminiscências profundas do mesmo conflito entre duas versões de fundação e identificação histórico-cultural. Em Pernambuco também encontramos o dilema tratado no fundo da peça: a qual senhor europeu o Brasil deve servir? O Brasil - projeto de futuro nativismo - seria melhor colonizado por holandeses ou portugueses? No ensaio Festim Barroco (Corrêa, 2008), nós traçamos algumas considerações críticas sobre as versões históricas e econômicas desse conflito, e suas conversões míticas e culturais mais sobressalentes. Podemos então tirar algumas lições desse trabalho, através do exercício da mitanálise, tomando foco agora sobre os nossos atuais estudos dos mitos e dos ritos de fundação da capital ludovicense. Domingos Fernandes Calabar foi utilizado por Chico Buarque e Rui Guerra, no início da década de 1970, como personagem de crítica ao momento pelo qual passava o país sob o jugo severo do regime ditatorial militar; período em que eram comuns os usos das metáforas nas produções artísticas a fim de, por um lado, burlar a censura rigorosa do sistema e, por outro, denunciar a situação atual. Na peça encontramos distorções históricas importantes, com intuito deliberado de causar espécie de inquietação, com muita força dramática; licenças mais que compreensíveis naquele contexto. Quando aqui forçamos alguma comparação com o que foi tratado nessa obra, é no sentido de provocar uma movimentação no nosso imaginário social sobre a questão em voga. Afinal, realmente há semelhanças que suscitam comparações intrigantes. Em Pernambuco, ainda hoje é comum ouvirmos elogios as possibilidades de maior desenvolvimento de Recife e Olinda, caso os holandeses continuassem como senhores. Invocam-se as ciências e as artes de Nassau, o esclarecimento dos empreendedores batavos e judeus, e muitas outras vantagens modernistas e capitalísticas que os holandeses teriam sobre os atrasados, semi-feudais e barrocos portugueses e ibéricos. Em São Luís parece-nos que o ‘elogio da traição’ às origens lusitanas e ibéricas graça com força, ao ponto de ser oficializada a sua fundação por franceses. Contudo, em Pernambuco jamais essa traição ganhou apoio institucional; aliás, naquele estado da federação as Forças Armadas do Brasil celebram as suas origens, fincadas nas batalhas dos Montes Guararapes, em rituais de rememoração teatralizados, com grande pompa e ostentação espetacular, comemorando a expulsão dos invasores holandeses. Sempre que pensamos nessas celeumas históricas, sobre as faustosas vantagens que poderíamos obter ser fossemos colonizados por franceses ou holandeses, lembro-me

dos países de fronteira ao norte: as Guianas! Parece que nenhum desses três países colonizados por europeus não-ibéricos são exemplos de desenvolvimento nos trópicos. Os defensores de “senhores melhores e mais esclarecidos” se esquecem de consultar os índices de desenvolvimento humano desses países fronteiriços colonizados, e alguns ainda submetidos, as três metrópoles européias: Inglaterra, França e Holanda! Voltando a peça teatral, no meio do ATO I, no diálogo entre Mathias Albuquerque (ex-governador de Pernambuco) e uma personagem que representa o Holandês, diz-se: “No fim das contas o passado deve servir para alguma coisa...” (2006, p. 45). Pode parecer irônico, mas em São Luís ocorre um fenômeno interessante; enquanto em Recife e Olinda (Pernambuco) se expressa sorrateiramente, e as vezes bem queixosamente, a infelicidade de ter caído de novo nas mãos ibéricas, no período designado de ‘Restauração’ (começando com a expulsão dos holandeses em São Luís!); entre nós, maranhenses, desde 1912, ao se escolher o ‘pai’ fundador, deu-se atestado ao gaulês. No nosso pacto edípico firmado no começo do século XX, as elites hegemônicas entronizaram os francos, como os fundadores da cidade e da capital do Estado. A ‘traição’ foi legitimada e, sem resistências contundentes, percorreu o tempo em celebrações cada vez mais espetaculares, culminando com a apoteótica consagração em 1962! Agora, em 2012, prenuncia-se nova espetacular encenação cívica, com o passado servindo para muita coisa! Dessa vez, ao que parece, com algumas resistências de membros de academias científicas e universitárias, engrossando as falanges dos descontentes com essa ‘traição’ ou ‘mistificação francófila’; não querem deixar passar para o século XXI tal atentado aos princípios da historiografia e da verdade histórica. Reler a peça Calabar: o Elogio da Traição, hoje, é um exercício para espírito que fará muito bem a todos; movimentando nossa musculatura ética e sacudindo nossa mente das poerias e teias de aranha das velhas e costumeiras ideias, repetidas ad nauseam. Trata-se de uma obra inteligente e sutil que coloca em foco; como escreveu Fernando Peixoto: “o comportamento dos homens entre si, observados numa determinada circunstância histórica. Essa postura traz o texto até nossos dias”. Sem dúvida, tal objetivo é alcançado com maestria. E vemos até que, no que tange aos entrelaçamentos dos mitos individual e coletivo, comentados em outro artigo nosso, um dos autores da obra traz no nome a marca desse entrelaçamento mitológico. O que nos faz relembrar de Mircea Eliade: “É por isso que o inconsciente apresenta a estrutura de uma mitologia privada. Podemos ir ainda mais longe e afirmar não só que o inconsciente é ‘mitológico’, mas também que alguns dos seus conteúdos estão carregados de valores cósmicos, isto é, que eles refletem as modalidades, os processos e o destino da vida e da matéria viva. Podemos até dizer que o único contato real do homem moderno com a sacralidade cósmica se efetua através do inconsciente, quer se trate dos seus sonhos e da sua vida imaginária, quer das criações que surgem do inconsciente (poesia, jogos, espetáculos, etc.)” (Eliade, 2000, p. 68-69). Citação que cai perfeitamente no caso, como uma mão na luva! Temos analisado os mitos, os ritos, as versões históricas e historiográficas, e os discursos de fundação da cidade de São Luís, há alguns anos, e consideramos que nossa contribuição torna-se significativa e útil na medida em que pretende alargar nossos horizontes para além das obviedades e da dimensão anedótica. Nessa trilha analisamos os contornos desses debates e pontuamos aspectos muitas vezes encobertos e negligenciados; afinal, o inconsciente social é dinâmico e não convêm posturas reducionistas no seu trato. O desafio é trazer à tona continentes subterrâneos que subjazem aos enunciados tomados como naturais e óbvios; trabalho que demanda tempo, elaboração e profunda escavação na história cultural.

Referências BUARQUE, Chico. Calabar: o elogio da traição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. CORRÊA, Alexandre Fernandes. Festim Barroco. São Luís: EUFMA, [1993] 2008. ELIADE, Mircea. Aspecto do mito. Lisboa: Edições 70. [1963] 2000

TRIUNFO DO ESPÍRITO FESTIVO ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA A cidade não é um lugar. É a moldura de uma vida. Pensatempos. Mia Couto Em nossas pesquisas em São Luís encontramos com uma força extraordinária, a realidade presente das festas e das comemorações, com toda a sua exuberância de cores e expressões. E foi assim desde sempre na sociedade maranhense, e brasileira, periférica do sistema-mundo. Desde os indígenas autóctones, passando pelos períodos colonial, imperial e republicano, a efervescência da festa sempre foi, e ainda é, um traço marcante de nossa sociedade, como se constata em bibliografia histórica desde o século XVII. Os preparativos para os ritos festivos em alusão a ‘fundação’ do centro urbano antigo da capital do Estado do Maranhão, como se sabe, estão a pleno vapor. Os conflitos entre os poderes estabelecidos – autoridades políticas, religiosas, intelectuais, escritores e artistas – e as diferentes versões míticas que fazem alusão ao passado, revelam que não se consagrou uma versão mitológica unívoca: há uma disputa acirrada entre as versões francesa e lusitana. E curiosamente a herança marcante do mundo Ibérico, volta forte, num momento de crise das identificações elitistas e aristocráticas, mais afrancesadas. Numa recente reunião política, ocorrida na Câmara Municipal (03/11/2011), declarou-se publicamente que a politicagem tem impossibilitado a implantação dos Projetos Comemorativos e que, por conseguinte, restará às autoridades realizarem as festividades, festivais e celebrações marcadas pela efemeridade e eventualidade. O esquema político estabelecido optou, - diante das circunstâncias, e da ausência de um consenso -, por investir na estrutura organizacional do festival público: a Bigfesta. Na verdade, opção que se rendeu ao modelo histórico, dominante no imaginário ritualístico brasileiro desde o Triunfo Eucarístico, de Vila Rica, em 1733 (Ávila, 1969; 1971; 1993). É a prova certa da escolha pelo que vem da Tradição, ao invés de arriscar com o incerto: é a cultura barroca de lastro colonial estendendo seu poder simbólico. Parece que assim se fortalece a dimensão teatral e mágica do sentimento coletivo fincado nas mais profundas tradições da cultura barroca latino-americana; com raízes no barroco ibérico e italiano3. É a força da consagração do sentido da história, reproduzida de modo inconsciente. Pois, a disponibilidade para a festa, enquanto válvula de evasão do cotidiano hierárquico e desigual, e dos conflitos acerca da cultura política e da mitologia da ‘fundação’, se confirmam mais uma vez. Processo que se dá pela via estratégica da enunciação triunfalesca do poder laico e religioso; tudo isso em busca de afirmação e de hegemonia. Metaforização de um discurso de poder através da festividade elevada a última potência; como prometem os organizadores oficias do grande evento, já designado de bigfesta. No fenômeno da festa, como se sabe, há a motivação buscada do 3

Uma análise mais especifica desse aspecto, ver o texto O labirinto dos significantes na cultura barroca (Corrêa, 2009).

prazer; o ensejo lúdico, proporcionando a fuga do ‘horror ao vazio’. É a eficácia do artifício político de fazer prender e submeter todos à magia admoestadora do brilho e da glória do poder. Como escreveu João Francisco Lisboa, sobre a Festa de N. S. dos Remédios; ilustrando nossa tese: Um dos maiores benefícios que dispensa a Virgem com sua festa (...) é este prazer universal, tantas classes confundidas, tantas dores adormecidas, tantos escravos deslembrados de seus ferros. Inda mal, que é tudo tão fugaz! Não importa, é um momento de repouso nesta lida que só tem a morte por termo, é um conforto para recomeçar-se com mais vigor a tarefa do dia seguinte. Mil ferventes e gratas orações à compassiva e misericordiosa Virgem (1992, p. 61). Para nós, nos limites dessa crônica, esse modelo de festividade, ou festival, segue a linha temporal da festa maior da nossa história colonial, qual seja o Triunfo Eucarístico de 1733, ocorrida em Vila Rica. Nela aglutinam-se, numa só imagem coletiva: a) as desinências culturais do sagrado e do profano, escrevendo uma primeira metáfora do êxito sociológico da miscigenação e do sincretismo místico, alimentada até hoje - azeitando a máquina comemorativa -, com pujança tropical e dionisíaca; e, b) a resistência das classes dominadas contra a coerção de uma estrutura hierarquizada, desigual e historicamente perversa, consolidada na sociedade brasileira, e permanecendo ainda inalterada em diversos torrões. E no torrão maranhense esse processo se dá de forma extraordinariamente semelhante e persistente 4. O consagramento festivo do Triunfo Eucarístico premonitório nos tem preparado para entender a contradição brasileira e em especial suas aberrações e incongruências regionais e locais. Além de servir para compreender a festa brasileira, e os fenômenos ligados à antiestrutura e ao excesso, como processos vinculados à gênese e à transformação de nossa cultura e de seus agentes sociais. Ajuda também a apreender a lição moderna de liberdade e interação que ainda nos é presentificada pelo espetáculo cíclico do Carnaval, modelo de alegria eufórica programada, agendada, ritualizada e cada vez mais frugal, nos prometendo um estado permanente de festa e efervescência coletiva, como bálsamo fugaz em meio a tantos infortúnios.

4

Utilizamos o termo torrão no sentido de torrão natal (homeland), terra natal, empregado pelo geógrafo maranhense Raimundo Lopes que aos 17 anos de idade publicou livro famoso no Maranhão, O Torrão Maranhense. Obra que hoje compõe publicação reeditada conhecida como Uma Região Tropical (Lopes, 1970). A expressão adquiriu grande repercussão no imaginário regional, surgindo recorrentemente em toadas de bumba-boi e em diversas canções e poemas populares e eruditos. Em breve, vamos desenvolver estudos sobre possíveis paralelos literários entre o torrão natal (homeland) dos poetas brasileiros e a waste land (tierra baldia) do poeta T. S. Eliot (1888-1965). Sobre a obra Waste Land de Eliot, ver as análises do antropólogo mexicano Roger Bartra, em Culturas Liquidas (2008).

CÔNEGO GREGÓRIO LUÍS DE BARROS - UM SANTO. ÁLVARO URUBATAN MELO, Membro da Academia Sambentuense e sócio do IHGM. Há cento e dez anos, dia 8 de junho de 1902, assumia a paróquia do Senhor São Bento, o seu 13° vigário, padre Gregório Luís de Barros, um de seus mais devotados sacerdotes, nomeado que fora em 24 de maio anterior. Nascido em Loreto a 17 de novembro de 1868, seguiu para Recife, cidade que por alguns anos cursou a Faculdade de Direito. Em Olinda, ingressou no Seminário e estudou Ciências Eclesiásticas. Ordenado a 13 de maio de 1902, logo foi servir na paróquia do Senhor São Bento, localidade que já conhecia desde seu tempo de seminarista. Durante sua permanência de dezesseis anos, sua gestão foi marcada de trabalho, muita generosidade, devoção e uma vida de simplicidade. Tudo o que ganhava acudia os mais carentes, ou investia na melhoria física da igreja. A mobília de sua modesta casa resumia-se de alguns tamboretes e umas caixas vazias, e assim recebia o bispo Dom Francisco, o governador do Maranhão e qualquer autoridade. Homem de profunda fé, sem destemor fustigou os que dissonavam dos princípios cristãos e éticos. Essa inflexível conduta fê-lo granjear um punhado de descontentes paroquianos que utilizavam da denúncia infundada como torpe vingança. Em face ao elevado conceito desfrutado nos altos escalões da Mitra, e o menoscabo de seus maledicentes, infrutíferas eram. Pediram-lhes a transferência, ao invés de atendê-los o bispo o nomeou cônego, e para contrariar os desafetos, manteve-o na paróquia, com todo prestígio. Das calúnias, a mais sórdida o cidadão Raimundo Hermógenes boatava que o padre namorava Maroca Melo, bela devota chegada de Manaus, com quem todas as noites, para se encontrarem pulava a cerca da casa em que habitava. Diante de tão absurda notícia, os honrados senhores Bentoca Corrêa e Inácio José Rocha, tipo São Tomé decidiram comprovar. Esconderam-se e mais tarde, das bandas da Casa Paroquial lá vem o padre. Decepção, surpresos, mas conhecedores da santidade do reverendo decidiram-se capacitar-se. Foram à residência dele bateram na janela, chamaram: cônego, cônego. Aberta a janela, surge o suposto difamado a segurar o breviário, lanterna e uma arma, e aflito perguntou o que é filhos que vocês tão impacientes desejam a estas horas da noite? . - Nada, nada, saíram apressados, foram convidar os vizinhos, ficaram na espreita. Quando o padre namorador saltou a cerca, foi desmacarado. Era o dito Raimundo Hermógenes, vestido de uma batina que o filho trouxera ao ser expulso do Seminário, ato que o pai admitia haver sido influência de cônego Barros. Esse episódio foi mais bem descrito em artigo da lavra do historiador Desembargador Nicolau Dino que, concluiu: enquanto seus caluniadores morreram de doenças malignas, o padre foi tido como Santo, venerado pelos romeiros que iam ao santuário do Coco da Aparecida, devoção estimulada pelo seu fervor.

Depois de realizar seu objetivo, retirar-se de São Bento somente concluir a reforma da matriz, retornou para sua terra natal quando profetizou que o padre Felipe a quem entregou o bastão, seria o último são-bentuense a ordenar-se. Durou mais de meio século. É de bom alvitre que nosso querido município já havia dado onze sacerdotes ao Catolicismo, entre eles um arcebispo, um bispo, um arcediago, três cônegos, um mestreescola. Concluiu que São Bento cresceria como rabo de cavalo, e chegaria ser governado por moleques. Monsenhor Barros domiciliado em seu município foi a 11 de maio de 1925, honrado pelo Santo Padre com o título de Monsenhor Camareiro Secreto. Cercado de total respeitabilidade faleceu em Loreto a 26 de janeiro de 1935.

20 DE AGOSTO - DIA DO MAÇOM OSVALDO PEREIRA ROCHA Hoje, 20 de agosto, é, legalmente, consagrado ao Maçom, Homem diferente, que se dedica à prática do bem e que pertence à Sublime Instituição Maçonaria. Em homenagem a este dia, ontem, 19/08/2012, a Maçonaria Unida do Maranhão (Grande Loja Maçônica do Estado do Maranhão – GLEMA, Grande Oriente do Brasil no Maranhão – GOB-MA e Grande Oriente Autônomo do Maranhão – GOAM), sob a coordenação da Grande Loja Maçônica do Estado do Maranhão – GLEMA, realizou, com muito sucesso, a 10ª Grande Ação Social da Maçonaria Maranhense, com cerca de 100 mil atendimentos, à qual este articulista compareceu. Mas, afinal, o que é ser Maçom? “Ser Maçom é buscar a verdade; ser Maçom é lutar em prol da liberdade, da igualdade e da fraternidade”. “Nenhum Maçom é tão pequeno que não possa fazer algo pela Humanidade”. Ser Maçom é ser amante da virtude, da sabedoria, da justiça e do ser humano. Ser Maçom é trabalhar incansavelmente pela harmonia das famílias, da concórdia, da harmonia e da união. É lutar pela Paz do gênero humano. Ser Maçom é derramar por todas as partes os esplendores divinos da instrução, a educar a inteligência para o bem comum, conceder os mais belos ideais do Direito, da moralidade e do amor, e praticá-los. Ser Maçom é levar à prática o formosíssimo preceito de todos os lugares e de todos os séculos que diz, com infinita ternura aos seres humanos indistintamente, do ato de uma Cruz e com os braços abertos ao mundo: “Amai-vos uns aos outros, formai uma única família, sede todos irmãos”! Ser Maçom é amar a luz e aborrecer as trevas; é ser amigo da Ciência e combater a Ignorância; é render culto à Razão e à Sabedoria. Ser Maçom é praticar a tolerância, exercer a caridade, sem distinção de raça, crença ou opinião, é lutar contra a hipocrisia e o fanatismo. Ser Maçom é realizar, enfim, o sonho áureo da Fraternidade Universal entre os Homens. Parabéns Maçons, especialmente os maranhenses, pelo seu dia!

LANÇAMENTO DO LIVRO O NÁUFRAGO E A LINHA DO HORIZONTE: POESIAS (São Paulo: Scortecci, 2012) ANA LIZA ALMEIDA FERRO

No livro O náufrago e a linha do horizonte: poesias, os versos da autora revelam o toque de sonho da mulher, o timbre firme da jurista e o tálamo polinizado de uma alma cheia de paixões. A sua poesia, caracterizada pela intelectualidade da linguagem e pela seleção minuciosa de temas – egoicos, sociais, ambientais, filosóficos –, parece buscar, nas sutilezas da forma, a sua genealogia: música e feminilidade. A autora explora as possibilidades poéticas da figura emblemática do náufrago diante da linha do horizonte, em meio às vagas do oceano.

24º ENAREL – Encontro Nacional de Recreação e Lazer APRESENTAÇÃO DOS ANAIS

“LAZER E DIVERSIDADE CULTURAL” São Luís, MA - 28 a 31 de agosto de 2012

Pertencer a uma identidade cultural significa descobrir-se, ser diferente dos comportamentos globais. Por isso, patrimônios culturais intangíveis como as formas de manifestações lingüísticas, de relacionamento, de trabalho com a terra e a tipificidade da culinária, o cultivo e o preparo do vinho, os passos das danças, os lazeres tornaramse patrimônios da cultura e demonstram a riqueza da relação entre identidade e diversidade da cultura brasileira 5. Retomo o exposto em 2010, quando do 22º ENAREL, ao tratar de ‘identidade’ e ‘cultura’6. A idéia de diversidade está ligada aos conceitos de pluralidade, multiplicidade, diferentes ângulos de visão ou de abordagem, heterogeneidade e variedade. E, muitas vezes, também, pode ser encontrada na comunhão de contrários, na intersecção de diferenças, ou ainda, na tolerância mútua. O termo diversidade diz respeito à variedade e convivência de idéias, características ou elementos diferentes entre si, em determinado assunto, situação ou ambiente. É a identidade própria de um grupo humano em um território e num determinado período7. Cultura é entendida aqui como o conjunto de manifestações que dá singularidade a um determinado grupo social, fruto das relações sociais e da profunda interação dos homens com o meio em que vivem. Constitui-se num patrimônio material e imaterial acumulado e transformado ao longo de gerações. Um legado que não se limita a manifestações artísticas, à língua, à religião, mas se articula nos mais variados domínios da produção humana. A cultura confere uma identidade coletiva a um determinado grupo social, espacialmente definido e historicamente determinado 8. Identidade é um processo em constante movimento e é o que faz com que o indivíduo reconheça a si mesmo, a priori, como parte de uma identidade coletiva, reconhecendo aos outros como iguais, estabelecendo uma relação íntima ou essencial entre ele e seu grupo. Portanto, a identidade se constrói dentro de um mecanismo que

5

REIS, Fábio José Garcia dos. Patrimônio cultural: revitalização e utilização. In Fonte: http://www.lo.unisal.br/nova/publicacoes/patrimoniocultural.doc, disponível em http://www.etur.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=14218, 6/11/2009, acessado em 03/09/2010. 6 VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. LAZER, HOSPITALIDADE, IDENTIDADES E CULTURAS REGIONAIS E LOCAIS. Fala na Mesa Redonda 1 do 22º ENAREL - Lazer e Hospitalidade: desafios para as cidades sede e subsedes de megaeventos esportivos, tendo como tema: Lazer, Hospitalidade, Identidades e Culturas Regionais e Locais. 7 http://pt.wikipedia.org/wiki/Diversidade_cultural 8 CASTRO Cláudia Steffens de. Educação para o turismo: preservação da identidade regional e respeito à cultura imaterial. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais. Outubro/ Novembro/ Dezembro de 2008 Vol. 5 Ano V nº 4, ISSN: 1807-6971, Disponível em: www.revistafenix.pro.br acessado em 09/09/2010.

engloba a consciência de si mesmo e o reconhecimento do outro 9. Assim, a identidade de um povo é o resultado da identidade individual e coletiva estabelecidas pelos membros de uma mesma comunidade 4. No século XX a sensação da fragmentação da identidade, da perda das referências culturais, despertou no homem o desejo de “retorno a algo perdido”, ou seja, a necessidade de buscar manifestações culturais que pertencem a seu passado vivo, a comportamentos que deixaram de ser comuns, pois o frenesi contemporâneo exige atitudes da sociedade globalizada: “A preservação do patrimônio tem entre suas funções o papel de realizar “a continuidade cultural”, ser o elo entre o passado e o presente e nos permite conhecer a tradição, a cultura, e até mesmo quem somos e de onde viemos. Desperta o sentimento de identidade. Margarita Barreto 10 defende a ‘recriação de espaços revitalizados’, como um dos fatores que podem ‘desencadear o processo de identificação do cidadão com sua história e cultura”. Então, ao se buscar a identidade, fatalmente chegar-se-á a quem realmente se é. A essência cultural é o que une os povos, permitindo que se reconheçam como grupo, como coletividade diante de sua diversidade. A identidade irá se concretizar a partir da consciência de que a riqueza das pluralidades culturais, reveladas através da memória coletiva, está inserida no potencial de superação de marcas particulares do indivíduo. Até que ponto é possível conservar essa identidade num mundo marcado pela intensificação de fluxos globais de informação? É possível pensar em mundialização da cultura? Costa (2002) 11 considera haver um “paradoxo das identidades culturais em contexto de globalização”: Porventura, um dos aspectos mais importantes a sublinhar é, justamente, o cruzamento de dinâmicas identitárias que este tipo de contexto urbano cosmopolita proporciona. Cruzamento que se estabeleceu entre cada uma das representações de identidade cultural nacional ali presentes e a representação de uma “síntese global” da multiplicidade cultural planetária; síntese global essa, por sua vez, “localizada” num espaço de representação que se constituiu como referente identitário privilegiado da cidade e da sociedade promotoras. (p. 23) Da globalização cultural emergem novas identidades nacionais, regionais e locais agora com novas abordagens. Vê-se atualmente o ressurgimento das culturas populares com algumas de suas características regionais modificadas para atender um novo mercado de consumo de bens simbólicos em um mundo gerido pelos meios de comunicação, de informação e inclusive, do turismo 12. Chamo aqui atenção, ao me referir às questões de cultura, memória, identidade regional e local, ao fato de que teremos um grande evento por estes lados: os 400 anos 9

BETTIO, Valéria Maria da Silva. Movimento Brasileiro: crítica e nacionalismo no Modernismo. Porto Alegre: PUCRS, 2000. 10 BARRETO, Margarita. Turismo e legado cultural. Campinas: Papirus, 2000, citada por REIS, 2009, obra citada, disponível em http://www.lo.unisal.br/nova/publicacoes/patrimoniocultural.doc . 11 COSTA, António Firmino da. Identidades culturais urbanas em época de globalização. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17 n. 48, fev. 2002, citado por ALMEIDA, Bárbara Schausteck de; MEZZADRI, Fernando Marinho ; MARCHI JUNIOR, Wanderley. CONSIDERAÇÕES SOCIAIS E SIMBÓLICAS SOBRE SEDES DE MEGAEVENTOS ESPORTIVOS. In Motrivivência Ano XXI, Nº 32/33, P. 178-192 Jun-Dez./2009 12 CASTRO Cláudia Steffens de. Educação para o turismo: preservação da identidade regional e respeito à cultura imaterial. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais. Outubro/ Novembro/ Dezembro de 2008 Vol. 5 Ano V nº 4, ISSN: 1807-6971, Disponível em: www.revistafenix.pro.br acessado em 09/09/2010

de São Luís. Esse fato foi primordial para que esta edição do ENAREL viesse para esta parte “de cima do mapa”, haja vista que “a Cidade do Maranhão” é um lugar de diversidade cultural, com tradição na arte, na poesia, na dança, nas manifestações folclóricas, na música, na culinária e em seu patrimônio histórico. Tudo isto demonstra a relevância de um patrimônio material e de toda uma herança imaterial que contribuiu para a obtenção do título de Patrimônio da Humanidade. Desse modo, toda a diversidade de São Luís favorecerá as discussões no ENAREL 2012, a partir de óticas especiais, o lazer e a cultura em suas mais simples e mais complexas expressões, no reconhecimento do tema como importante e oportuno assunto para um Brasil moderno e audacioso. O objetivo é promover a reflexão, o debate e o intercâmbio científicos, fundamentados em contribuições acadêmicas advindas de estudos, pesquisas e ações sobre o lazer e a pluralidade da cultura em suas vivências e experiências sociais; os aspectos culturais das comunidades, com suas configurações refletidas no lúdico em articulações individuais e coletivas em termos dos modos de vida, dos costumes, dos fazeres e os lazeres nos diversos espaços e tempos sociais. Em São Luís, vamos recuperar a importância do evento. Foi o que discutimos em 2010 - Uvinha, Bramante, Leila, Giuliano, Marcellino... Ano passado veio Avaré e as conversas continuaram: como recuperar o ENAREL, tornando-o um evento que de fato, estude o Lazer… pois virara um evento voltado para a recreação, esporte de aventuras e turismo, sem maiores debates epistemológicos; estaria esgotado o modelo? O lazer deixou de ter importância enquanto campo de estudo, absorvido pelo Turismo? Somos uma comunidade científica, aberta em pluralidade epistemológica e disciplinar, atuamos em um campo extremamente marginal e secundário na ciência e nas políticas públicas. Já não vivemos mais a época do constrangimento citado por S. Parker em falar que estudamos lazer. A recuperação da importância estava depositada em São Luis, quando se reveria esses aspectos. Na formulação do evento, houve a participação de todos os grandes nomes para dar um cunho efetivamente científico. É um evento com possibilidades de congregar um número maior de pessoas que trabalham e estudam recreação, lazer e temas afins, interessadas em divulgar seus trabalhos e trocar experiências: tivemos 169 trabalhos inscritos e 154 aprovados. O que demonstra a revitalização do ENAREL. Começamos por algumas discussões, nos encontros temáticos, coordenados pelo Prof. Dr. Antonio Carlos Bramante, com os seguintes eixos: ET (1) Docência, Pesquisa e Extensão na Recreação e no Lazer; Coordena pela Profª Dra. Gisele Schwartz (Unesp Rio Claro); ET (2) Terceiro Setor na Recreação e no Lazer, sob a Coordenação do Prof. Esp. Sergio Castro (ONG Estação Eco Guanhanhã; ONG Instituto Dom Quixote; Instituto Oceanográfico USP); o ET (3) Recreação e Lazer no Sistema “S”, Coordenador: Prof. Luiz Wilson Pina/SESC – SP; ET (4) Gestores Privados da Recreação e Entretenimento, Coordenadores: Prof. Me. Sidnei Castro (Universidade Anhembi Morumbi) e Prof. MSc. Luiz Fernando Oliveira (Universidade Anhembi Morumbi); ET (5) Gestores Públicos da Recreação e do Lazer, Coordenador Prof Esp. Liviomar Macatrão (Prefeitura Municipal de São Luís-MA/SETUR – SL); ET (6) Animadores Socioculturais da Recreação e do Lazer, Coordenador Prof. Esp. Tiago Aquino (LEL – Unesp; ABRE – Associação Brasileira de Recreadores).

A conferencia de abertura terá por tema “Lazer e Diversidade Cultural”, proferida pelo Prof. Me. Lerson Fernando Maia (IFRN). As demais palestras estarão a cargo de Prof. Dr. Nelson Carvalho Marcellino (UNIMEP – Universidade Metodista de Piracicaba/SP): “Barreiras intra e interclasses sociais para a prática do lazer”; e dos participantes da mesa redonda “Educação para a Diversidade Cultural: contribuições do Lazer”, mediada pela Prof. Dra. Linda Rodrigues (UFMA), tendo como convidados o Prof. Dr. Ricardo Ricci Uvinha (USP) e o Prof. Me. Sergio Souza (UFMA). Não fugindo à prática, serão realizadas as seguintes oficinas: (1) – “Ritmos Maranhenses“ com o Prof. Dr. Nonato Viana (UFMA); (2) – “Jogos Eletrônicos, Lazer, Recreação e Entretenimento”, Prof. Esp. Cleber Mena Leão Júnior /Pesquisador do GELL/PUCPR; Membro da Confraria dos Profissionais de Lazer do Paraná; Sócio Diretor do Clube dos Recreadores; Diretor da Associação Brasileira de Recreadores no Paraná; (3) – “Caldeirão da Recreação com Ênfase na Motricidade Humana”, com Prof. Me. Sergio Nassar (UFPA); (4) – “Rodas, Brinquedos Cantados e Danças Folclóricas: Lazer e Diversidade Cultural?” sob a responsabilidade do Prof. Esp. Edinho Paraguassu/FAAP-SP; (5) – “Jogos Teatrais e de Improviso” com Prof. Esp. Tiago Aquino (Palhaço Paçoca) - (LEL – Unesp; ABRE – Associação Brasileira de Recreadores). As sessões de PÔSTERS e as COMUNICAÇÕES ORAIS estão distribuídas nos seguintes eixos: (1) – Lazer e Políticas Públicas; (2) – Lazer, Corpo e Saúde; (3) – Lazer, Turismo e Meio Ambiente; (4) – Lazer, Formação e Atuação Profissional; (5) – Lazer e Trabalho; (6) – Lazer, Cultura e Educação. É o que apresentamos a seguir.

LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ Professor de Educação Física do IF-MA (aposentado) Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão

OS FRUTOS DOS CAMPOS DE SÃO BENTO ÁLVARO URUBATAN MELO Membro da Academia Sambentuense e sócio do IHGM

César Marques, em seu Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão, 3ª edição, página 574, registra: a Câmara Municipal de São Bento, em 1843, por uma postura proibiu não só que se tirassem ovos, como também que se matassem as ditas aves nos meses referidos; o povo gritou contra esta medida, que privava a alimentação tão fácil adquirida. A municipalidade não atendeu o clamor do povo. Foi rigorosamente cumprida e nesse ano houve pouca caça. Anos depois a medida foi repetida, com iguais resultados. O povo supersticioso alegava tratar-se de castigo divino, por privar a pobreza de saciar sua fome. Câmara a suspendeu eternamente as normas e a fartura voltou a reinar. O próprio historiador, em parágrafos anteriores frisa que havia tantas marrecas que matavam com uma vara, e não vendiam porque não terem quem as comprasse. Tenho depoimento de minha avó, que em sua fazenda em Tamanduaí, o vaqueiro caçava do lance do curral. Mais recentes, em minha infância, os caçadores com seus marrequeiros, com um tiro de granadeira matavam dezenas. Essas afirmações são feitas pelo consagrado historiador, o bispo Dom Felipe Conduru Pacheco, em seu livro "Pai e Mestre", capítulo flora e fauna. Essa alegação atípica, certamente ocorreu em anos pontuais, por razões outras, visto serem aves de arribação, fato de que se prevaleceram pouquíssimas pessoas imbuídas de índole destruidora dessa riqueza natural. Tanto é verdade que diante desse nocivo procedimento, a Câmara Municipal passou a inserir em todos os Códigos de Posturas, proibições aos tipos predatórios de pesca e caças, com rigorosas penalidades aos infratores, expressas em multas, prisões aos reincidentes e destruição dos instrumentos utilizados. Com o crescente vandalismo aos campos, intitulados de “Pai da Pobreza”, pela fartura de alimentos e criação extensiva de bovinos, suínos e patos, surgiram ambientalistas, do qual o coronel Alexandre Viveiros Raposo (avô da confrade Conceição Raposo) foi o primeiro, com uma série de artigos publicados na imprensa maranhense, com o pseudônimo de “Canário”. Tornou-se intransigente combatente da criação de suínos, queimadas da vegetação, construção de tapagens. Qual seria, hoje, a reação do coronel com a presença dos búfalos? Não distam os anos em que os prefeitos, os últimos Vicente Aragão de João Muniz Pereira foram vigilantes ao combate às caçadas em épocas de chocagem e boiadas intempestivas, o que levou às prisões os desobedientes. A pescaria recebeu idêntico zelo por parte dos delegados, com destaque ao senhor José de Jesus Farias que não deu tréguas, tomou e queimou tarrafas e malhadeiras impróprias. Com essas medidas houve abundância de peixes, baratos e graúdos. Vinham

nas lanchas, vivos em tonéis, trazidos por Nato Cascavel, Nhô Bagre, Luís de Marinha e outros. Quantas vezes, para ter o prazer de ouvir nome da minha terra, ia aos postos de vendas (feiras e mercados), tufava o peito e perguntava: de onde são esses peixes? – De São Bento. Tanta, triste e rápida mudança. Quando vamos a qualquer peixaria de São Luís e fazemos aquela pergunta, ouvimos: os peixes de São Bento são poucos, pequenos e caríssimos. Na própria feira de São Bento, imunda, maltratada, urubuzada, assiste-se a essa triste e revoltante verdade. Raros os dos nossos campos, e de tão miúdos parecem mais alevinos. Os melhores em tamanho são de tanques. Entre os nativos já proliferam qualidades novas, estranhos ao nosso hábitat: tilápias, tambaqui, bodôs. Quantidade avultada de outras espécies vem de fora, salvo os criados na piscicultura de Arão/Lourdes França. Inclui-se nesses absurdos, o pior. Os peixes do lado direito da barragem estão por muitos preteridos, infestados por fezes humanos provindas das casas construídas à margem da pista, sem nenhuma proteção sanitária, obras irresponsavelmente permitidas por quem de direito. Há muitos anos que todas as autoridades com a maior liberalidade fecham os olhos para a preservação dessa nossa riqueza. O campo está cheio de centenas de currais; utilizam malhadeiras 17, os mortais puçás, pescas no período da desova. É uma depredação absoluta. O que faz ou fizeram ao longo de décadas o sindicato(s), com seu avultado número de associados e expressiva quantidade de aposentados? A Secretaria de Meio Ambiente, a Promotoria Pública. Quais as providências das autoridades eletivas nas últimas legislaturas, sobretudo, os excelentíssimos senhores vereadores, responsáveis maiores pelo bem comum. Preferem ajoelhar-se diante de votinhos a proteger a comunidade. Permitir o arrasamento no presente, das esperanças do futuro. Que saudades dos jejus (guadrejubas) pegos no caniço pelo velho senhor Duca. Dos bagrinhos das tapagens de setembro para as saborosas ceias. Desapareceram os cascudos pretos, jandiás. Surpreendeu-se ouvir da senhora Gonçala do Restaurante, por ocasião do banquete da Academia Sambentuense revelar- nos que, os bagrinhos ali servidos, comprou-os em Pinheiro. Sejamos mais ambientalistas. O patrimônio é nosso. Até os moradores dos municípios vizinhos de Bequimão, Perimirim e Bacurituba, vigilantes fiscais de seus domínios estão ensarilhando as armas. Nossa dádiva divina está assoreando. Como ficarão os órfãos desse “Pai”? Os seus delinquentes: autoridades e vândalos na impunidade.

25 DE AGOSTO – FATOS HISTÓRICOS OSVALDO PEREIRA ROCHA Em 1803, nasceu o Irmão Maçom Luiz Alves de Lima e Silva, Duque de Caxias, Patrono do Exército Brasileiro e Grão-Mestre de Honra do Grande Oriente do Brasil; em 1961, com apenas seis meses de mandato, o Presidente da República, Irmão Jânio Quadros, renunciou ao cargo e pediu asilo na Embaixada da Austrália e assumiu a Presidência da República o Presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazilli, estando viajando à China o vice-presidente João Goulart (Jango); em 1969, foi fundado o Grande Oriente do Estado do Rio Grande do Norte, federado ao Grande Oriente do Brasil – GOB e em 1973, foi fundada a Potência Maçônica o Grande Oriente Autônomo do Maranhão – GOAM, sendo que, dois dias antes, haviam sido fundadas as Lojas Maçônicas Guardiã da Independência e Defensores da Ordem, lojas estas que, com as Lojas Oliveira Roma, de Chapadinha, Atalaia Codoense, de Codó e Cruzeiro do Sul VI, de Caxias, foram as fundadoras da referida Potência Maçônica. Ressalto que os maiores líderes das supracitadas fundações maçônicas foram os Irmãos Afonso Augusto de Morais, José Joaquim Ramos Filgueiras, Raimundo Ferreira Marques, Felinto Ribeiro da Silva Neto, José Maria Serejo Santos Jacinto e Israel Perdigão Freire, e que este articulista integrou o quadro de fundadores da Loja Guardiã da Independência e foi o seu primeiro Orador, bem como o primeiro Grande Secretário de Administração do GOAM. E que em 25 de agosto de 1999 assumi a Cadeira nº 8 do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM, patrocinada pelo Padre João Felipe Bettendorf, sucedendo ao escritor Bernardo Coelho de Almeida. 25 de agosto é, também, o Dia do Soldado, instituído em homenagem a Luiz Alves de Lima e Silva, nascido em 25/08/1803 que, com pouco mais de 20 anos de idade já era capitão e, aos 40, marechal-de-campo, e que entrou para a História como ‘o pacificador’. Sufocou muitas rebeliões contra o Império. Comandou as forças brasileiras na Guerra do Paraguai, vencida pela aliança Brasil-Argentina-Uruguai, em janeiro de 1869. Canhões, baionetas e muito sangue. A Guerra já durava quatro anos. As tropas não estavam conseguindo passar a ponte do Ribeirão de Itororó, para tomar a estrada para Assunção... Eis que no meio do campo de batalha surgiu um homem de 65 anos, mas em pleno vigor, montado a cavalo, que se destacou dos demais e bradou “SIGAMME OS QAUE FOREM BRASILEIROS! Foi o brado de comando de Luiz Alves de Lima e Silva. Os brasileiros ultrapassaram não só a ponte, mas o caminho para a tomada da capital inimiga. E, finalmente, em 1º de janeiro de 1869, a bandeira do Império brasileiro tremulou vitoriosa, quando o Exército brasileiro chegou a Assunção, capital do Paraguai. Luiz Alves de Lima e Silva, exemplo de amor e dedicação à Pátria, foi elevado à condição de Duque de Caxias, o mais alto título de nobreza concedido pelo Imperador. Publique-se, igualmente, que o dia 20 de agosto é consagrado ao Maçom brasileiro. Salve a Maçonaria, os Maçons e o Soldado, que nos fazem Irmãos!

MEIA NOITE EM SÃO LUÍS JOAQUIM HAICKEL Outro dia tive um sonho interessante: Estava eu em companhia de um grupo de amigos, deste e de outros tempos, apreciando o mural que retrata a fundação de São Luis, que se encontrava pendurado na parede do Salão de Atos do Palácio dos Leões. Comigo estavam Japiaçu, principal chefe das aldeias de Upaon-Açu; Davi Migan, o língua, gaulês que foi trazido para os trópicos ainda menino e que aqui chegando, assimilou e foi assimilado pela cultura nativa, o que lhe propiciou a função de tradutor e diplomata dos tupinambás; Charles de Vaux e Jacques Riffau, misto de negociantes e corsários; os empreendedores Daniel de La Touche, senhor de La Ravardiere, François de Rasilly, senhor Almers e Nicolau de Herley, senhor de Sancy; os padres capuchinhos Claude d’Abbeville e Yves d’Évreux. Estavam também Jerônimo de Albuquerque, Diogo de Campos Moreno, Alexandre de Moura e o engenheiro-mor Francisco de Frias, responsável pelo primeiro desenho urbanístico de nossa cidade. Mais atrás vinham Simão Estácio da Silveira, fundador do Senado da Câmara de São Luís e o padre Antonio Vieira, que dispensa qualquer aposto. Vinham seguidos de um sizudo Manuel Bequimão, a quem todos devem conhecer. Em meu sonho estava também o político, escritor e jornalista João Francisco Lisboa e dona Ana Jansen que vinham acompanhados pelo igualmente político, escritor e jornalista Erasmo Dias, o pintor Floriano Teixeira, autor do magnifico mural, o poeta Valdelino Ceccio, o fotografo Dreyffus Azoubel, os historiadores Mário Meireles e Carlos de Lima, o famoso maluco local “Bota Pra Moer”, que trazia atenciosamente pelas mãos minha espevitada filha Laila, de sainha plissada e maria chiquinhas, do tempo em que ela ainda era uma menininha perguntadeira. Hoje, mesmo que ainda perguntadeira, já é uma bela mulher. Todos apreciavam o quadro de seu ponto de vista. O velho índio via sua gente parda, lindamente retratada pelo artista que ao fundo apreciava sua obra, e mais ainda, apreciava a apreciação e o deslumbramento dos demais. Os franceses se acharam garbosos. Os portugueses não se viam registrados. Os padres se viam elegantemente retratados. Mas Vieira, como era de seu temperamento, já se preparava para dizer que ali começava a exploração dos silvícolas pelo branco. O clima não era de disputa. Não havia tensão no ar. Havia comtemplação. A obra de Floriano, mesmo se não represente a verdade dos fatos acontecidos, retrata solidamente aquele tempo feito luz e cor. Lembro da primeira vez que vi aquele quadro. Ainda menino, fui levado por meu pai ao Palácio, não me lembro bem por qual motivo. Ao passar por uma das salas vi aquela imensa pintura, a maior que veria por muitos anos e me apaixonei por ele, pela história que cada um daqueles personagens contava. Mesmo que não tivesse movimento em si, os desenhos pareciam se mexer. Os personagens tinham vida, corriam, falavam, sorriam…

De repente o Salão de Atos do PL, locação inicial de meu sonho, transformou-se em uma espécie de corredor por onde passavam todos os personagens que participaram da história de São Luís nesses 400 anos. No meio do sonho, lembrei que da primeira vez que fui ao Palácio vi um outro quadro que me comoveu bastante. Tratava-se de uma pintura que trazia um índio sobre uma prancha de madeira e nela, a seus pés, jazia morto um homem, que de imediato perguntei de quem se tratava e me foi respondido que aquele era o poeta Gonçalves Dias. Em minha procura daquele quadro, no sonho, acabei por encontrar um outro, que até aquele instante me era desconhecido. Tratava-se de uma obra moderna, iconográfica, cheia de informação, ícones culturais. Em estilo lembrava Andy Warhol. Havia no meio dessa tela, que trazia por trás de si uma luz que oscilava de um lado para outro, uma série de números: “…398, 399, 400, 401, 402…”. Todos haviam ficado para trás. Em frente aquele quadro estavamos apenas eu, minha filhinha perguntadeira, o padre Vieira e “Bota Pra Moer”. Laila perguntou o que significava aquele quadro. Eu calei. Vieira franziu a testa, suspirou e levou as mãos justapostas ao peito, como se rezasse. Só o maluco foi capaz de expressar claramente o que via. Segundo ele aquele quadro recomendava que tratássemos de comemorar os 400 anos de São Luís da melhor maneira possivel, mas que mais importante que isso, seria comemorarmos com igual entusiasmo e com cada vez maior empenho os aniversários vindouros, buscando preservar nossa cidade para as gerações futuras. Acordei sobressaltado. Aquilo tudo pareceu tão real, tão verdadeiro. Fiquei triste por ter acordado e parado de sonhar. Deitei novamente, fechei os olhos e busquei-me concentar naquele sonho, tentando alcançar novamente aquelas imagens, aqueles sons, aquele filme que havia sido interrompido. Não consegui voltar ao sonho, mas acordado mesmo passei a desenhá-lo em minha mente. De tudo que pensei, o mais importante foi reflexo direto do que disse “Bota Pra Moer”: As comemorações dos 400 anos de São Luís são importantes, porém, mais que isso será no ano que vem comemorarmos os 401 anos de nossa cidade podendo oferecer a ela e a seus habitantes, nós, uma melhor qualidade de vida, uma cidade mais bem tratada, mais preservada, mais amada, mais respeitada. Esse será sempre o melhor presente que poderemos dar à nossa terra mãe.

MEU AMIGO ROBERTO DUAILIBE CASSAS GOMES JOAQUIM HAICKEL Já havia escrito uns quatro parágrafos sobre outro assunto ao qual voltarei num domingo adiante, quando me ligaram dizendo que meu amigo Roberto Duailibe Cassas Gomes havia falecido. A partir dali a minha crônica para hoje iria mudar de direção. Passaria a ser, pelo tom triste e saudoso do adeus, um réquiem, mas seria principalmente um instrumento de catarse, de enfrentamento de alguns de meus maiores defeitos, de algumas de minhas maiores fraquezas. Como diz o título, vou falar-lhe um pouco sobre meu amigo Bob. Nasci 53 dias antes dele. Eu em dezembro de 1959 e ele em fevereiro de 1960. Talvez tenhamos vindo ao mundo pelas mãos de médicos diferentes, em hospitais diferentes. Mas logo iríamos nos encontrar, pois nossos pais se conheciam. Quase todos se conheciam em São Luis durante os anos 60 e 70. Não me lembro ao certo como e onde nos conhecemos. Acho que foi em um aniversário na casa de Daniel Aragão, amigo e sócio de meu pai. Tio Daniel morava no Apeadouro. Tia Oneide, sua viúva, ainda mora lá. Uma tia de Roberto morava em frente e as famílias se frequentavam. Deve ter sido assim. A primeira coisa que soube sobre ele é que era neto do dono da Cola Jesus. Isso era o máximo. O certo é que crescemos juntos. Convivíamos nas aulas de judô, nas mesas de ping-pong, nas escolinhas de basquete, nas peladas de futebol, nos jogos de vôlei, nas quadras de tênis, tanto no Lítero como no Jaguarema. Lembro de uma época em que meu pai era um grande distribuidor de bebidas, em especial da Cola Jesus. Algumas vezes me levava com ele até a fábrica que ficava ali no Filipinho, perto de nossa casa, no Outeiro da Cruz. Muitas dessas vezes encontrei com Roberto por lá. Uma de nossas maiores diversões era tirarmos as garrafas de refrigerante das esteiras de transporte, quando elas saiam da máquina, antes de serem tampadas. Escalávamos os engradados, brincávamos de esconde-esconde e de “mãos ao alto”. A vida parecia que não nos traria até aqui. Roberto sempre foi uma dessas pessoas que você conhece e automaticamente gosta. O tempo foi passando e nossas vidas foram naturalmente seguindo seus cursos. Nos últimos anos não nos víamos mais com tanta assiduidade. A cidade, graças a Deus, cresceu. Nós, infelizmente crescemos. Mas Roberto foi um daqueles que conseguiu preservar em algum lugar dentro de si o garoto alegre e feliz que ele sempre foi. Esse trabalho de preservação é que faz com que pessoas como ele se destaquem por onde quer que passem. Encontrei-o certa vez no saguão de aeroporto. Conversamos, matamos a saudade, colocamos os assuntos em dia. Passávamos tempos sem nos ver, mas sempre que nos

encontrávamos era como se tivéssemos nos visto ontem. Era como se ele soubesse que eu havia me separado e casara novamente, que minha filha acabara de chegar de um ano de estudos em Londres. Era como se eu soubesse a quantas ia a sua vida. Éramos verdadeiramente amigos. Soube algum tempo atrás que Bob estava doente. Torci para que o caso fosse fácil de resolver. Quis me convencer que seria. É aqui que começa o meu drama. Devo reconhecer que sou um grande covarde, desses que não consegue presenciar a dor de quem ama. Desse defeito me penitencio diariamente. A dor proveniente disso é resultado da vergonha que sinto, de minha impotência, de minha incapacidade de conviver com o sofrimento de alguém com quem partilhei momentos tão alegres e tão felizes. O egoísmo que transparece nessa covardia eu assumo. Mesmo que não admita para mim outro tipo de egoísmo ou outra forma de covardia. Não fujo da luta. Fujo do luto. Não abandono os amigos, da mesma forma que não ambiciono para mim coisas dos outros ou me apego demasiadamente a bens materiais. Quando soube que Roberto estava muito mal, meu coração ficou pequeno. Mesmo diminuído, bloqueou minha garganta. Minhas mãos gelaram. Por um momento me lembrei de seu sorriso juvenil e ele, em minha mente foi tomando o aspecto da doença. Fechei os olhos para não ver meu pensamento. Sacudi a cabeça na tentativa de fazer passar a imagem que teimava em ser projetada em minha cabeça. Preferi outras: Ora era ele de kimono, ora jogando basquete com suas pernas arqueadas, ora com a raquete de tênis na mão, ora simplesmente brincando. Sempre sorrindo. Quanto a mim, que vivo também sempre risonho, não consegui escapar do choro enquanto aqui catava milho e desenhava essas palavras. Não tive coragem de ir ver Roberto doente. Perdoe-me tia Zezé, tio Eli, Sham, Roberta… Nisso sou um fraco. Apesar de tê-lo visto morto, quero preservar a antiga lembrança de meu amigo Bob, de nossa infância e de nossa adolescência. Gosto de pensar que esse fraco aqui se torna forte por preservar impressa, de forma definitiva no jornal de minha existência, as crônicas de meu tempo que contam as histórias de pessoas como Roberto. Se existir um céu, deve algo ser parecido com um imenso ginásio de esportes e tenho certeza que esse garoto, uma hora dessas, está lá numa das primeiras filas, torcendo para que quando chegue a minha hora de comprar o meu ingresso para o grande evento, consiga um lugar no mesmo setor que ele, que certamente é um dos melhores

SÃO LUÍS, HERDEIRA DA FRANÇA EQUINOCIAL ANA LUIZA ALMEIDA FERRO WILSON PIRES FERRO Publicado no jornal O Imparcial, 08.09.12

Je voudrais bien savoir la clause du testament d’Adam qui m’exclut du partage du monde! Francisco I, Rei de França

Se, no fértil campo semeado pelos mitos, a Atenas dos gregos, cidade da Ática, preferiu a patronagem da deusa da razão e da sabedoria, de mesmo nome – a mesma Minerva cultuada pelos romanos, cujo presente fora uma oliveira plantada na colina da Acrópole –, àquela de Poseidon, ou Netuno, seu nome latino, cuja oferta fora um lago de água salgada, a Atenas dos trópicos desde cedo se renderia ao reino do deus que governava os mares, em uma época em que a partilha do mundo dependia da partição do Mar-Oceano e da ousadia e coragem dos navegadores no desafio ao Mar Tenebroso e a seus monstros lendários. Pelos mares nunca dantes navegados, celebrados por Camões, a atual Ilha de São Luís, antes Upaon-açu (significando “Ilha Grande”), Jeviré, da Trindade, das Vacas e do Maranhão, foi repetidamente frequentada por franceses e lusitanos, em meio a imensas dificuldades, ao longo do século XVI e, finalmente, ocupada, conquanto somente por pouco mais de três anos, pelos franceses, que aí plantaram um forte batizado de Saint Louis – em homenagem ao Rei Luís XIII, então menor –, moradias, duas capelas e outras construções em 1612, sob o comando dos locotenentes-generais François de Razilly e Daniel de la Touche, ambos fidalgos, um católico, o outro huguenote, sob a regência da florentina Maria de Médicis, contando com a valiosa colaboração e auxílio dos aliados tupinambás, habitantes da terra, os quais desejavam a proteção da Coroa gaulesa contra os inimigos portugueses, que já os haviam expulsado do leste do Brasil. Por esses mares navegaram as naus Régent e Charlotte e o patacho Sainte Anne, que trouxeram a expedição gaulesa ao Maranhão, com seus gentis-homens, soldados, colonos, marinheiros e quatro capuchinhos, dois dos quais seriam praticamente os primeiros historiadores de nossa terra: os notáveis cronistas Claude d’Abbeville, autor da fantástica Histoire de la mission des pères capucins en l’Isle de Maragnan et terres circonvoisines (História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e terras circunvizinhas), originalmente publicada em Paris, no princípio de 1614, e Yves d’Évreux, Superior da missão no Brasil setentrional, autor da também fascinante Suitte de l’histoire des choses plus memorables advenuës en Maragnan, és annees 1613 & 1614 (Seguimento da história das coisas mais memoráveis, ocorridas no Maranhão nos anos de 1613 e 1614), obra igualmente publicada naquela cidade no ano de 1615, edição destruída pelo tipógrafo François Huby – por ordens superiores, para evitar mal-estar nas relações com a Espanha, alegada senhora do Brasil nos termos da União das Coroas Ibéricas (1580-1640), em virtude do casamento ajustado do soberano francês com a

infanta Ana d’Áustria –, de que sobraram pouquíssimos exemplares, nenhum completo, um dos quais salvo por pronta interferência de Razilly. Independentemente da tempestade política, diplomática e militar que se formava, nasceu a colônia da França Equinocial em 8 de setembro de 1612 – em cerimônia de posse formal da terra em nome do Cristianismo e da Coroa gaulesa –, situada pouco abaixo da linha do Equador ou “equinocial”, como era chamada naquele tempo, e com ela a única capital brasileira fundada por franceses: São Luís. A infante cidade, como defende Guy Martinière, foi a “capital sonhada” da França Equinocial, posterior e gradualmente relegada à condição de “capital abandonada”, por força da deletéria mudança dos ventos da política europeia, vindo a ser conquistada pelos lusos em 1615, como resultado das ações dos comandantes Jerônimo de Albuquerque e Alexandre de Moura, a serviço da Coroa Ibérica, e conhecendo, a partir daí, um deliberado processo de urbanização, mas que, possivelmente, fora idealizada para constituir o centro de um império ultramarino francês na América do Sul, à semelhança da cidade de Québec, fundada por Samuel de Chaplain no ano de 1608, tornada a capital da Nova França na América do Norte. Embora menos conhecida que a anterior e também malograda colônia da França Antártica, instalada na Baía de Guanabara (1555-1567), talvez por ter sido menos duradoura, a França Equinocial, sediada na Ilha do Maranhão, foi mais promissora sob muitos aspectos: a relação entre católicos e protestantes nesta foi bem mais amistosa ou, pelo menos, bem menos marcada por hostilidades do que a conduzida naquela; a colonização portuguesa ainda não se iniciara em todo o norte do Brasil – bastante desguarnecido militarmente –, apesar de algumas tentativas dos lusitanos nesse sentido, todas infrutíferas; o Maranhão era a porta para o vasto território amazônico, no qual se escondia, conforme a crença, o famoso Eldorado; e, sobretudo, a Ilha Grande já era um próspero entreposto comercial beneficiado por uma linha quase regular de navegação entre o Porto de Dieppe e a costa setentrional brasileira, organizada pelo Capitão Guérard a partir de 1596. A França, nos séculos XV, XVI e XVII, não reconhecia a exclusividade concedida pela Santa Sé aos portugueses e espanhóis para a exploração e domínio das terras descobertas ou ainda por serem descobertas no Novo Mundo, a América de hoje, as Índias Ocidentais de então. Em outras palavras, não acolhia a tese do mare clausum, afirmada no Tratado de Tordesilhas (1494) e em várias bulas papais de partição do MarOceano. A observação espirituosa do Rei francês Francisco I de que gostaria de tomar conhecimento da cláusula do testamento de Adão que o excluíra da partilha do mundo ficou célebre. Ademais, os gauleses utilizaram no Maranhão uma estratégia colonial baseada no estabelecimento de uma aliança prévia com os tupinambás, habitantes da ilha, os quais, liderados pelo morubixaba Japi-açu, voluntária e espontaneamente aderiram ao projeto da França Equinocial, com tudo o que ele significava – sujeição à autoridade da Coroa francesa e adoção do Cristianismo, mais exatamente da fé católica, como religião –, em troca de proteção contra os inimigos lusos. Por isso, é consenso que o tratamento que dispensaram aos indígenas da terra foi mais benigno do que o empregado pelos ibéricos, de um modo em geral, na América meridional, com suas constantes iniciativas de conversões forçadas e escravização dos nativos. Isto é uma realidade, mas não um atestado de que um povo fosse mais ou menos cruel, mais ou menos benevolente, do que o outro: diferentes circunstâncias determinaram a opção por estratégias coloniais distintas.

De qualquer maneira, é míope a visão, propagada pelos vencedores – os portugueses – de que os vencidos – os franceses – foram “invasores” da terra. Em 1612, quando do desembarque dos gauleses na Ilha Grande, ainda não existia o Brasil como nação independente, a colonização por parte dos ibéricos na região ainda representava uma quimera e a definição da posse sobre todo o território em questão era uma questão a ser resolvida pela ocupação e povoamento. Mesmo os tupinambás não eram originários da ilha e lá haviam se estabelecido no século precedente, após expulsarem indígenas rivais. Em suma: o Maranhão, do ponto de vista europeu, não tinha dono, ainda que a Coroa Ibérica o reivindicasse como possessão sua; e, do ponto de vista índio, a colonização francesa era bem-vinda e foi estimulada. O Maranhão hodierno, no ano em que sua capital São Luís completa quatro séculos de fundação pelos franceses, no longínquo 8 de setembro de 1612, procura reviver este passado distante, jamais olvidado. A fundação de São Luís por La Ravardière e Razilly – este, injustamente, pouco lembrado – não é e nunca poderia ser um mito: é, sim, um fato histórico preciso e documentado. O único mito de que poderíamos falar é o mito português de fundação da cidade, fomentado, desde o século XVII até o presente, inicialmente pelos vencedores de Guaxenduba e posteriormente por autores lusófilos, com o propósito de apagar ou, pelo menos, fazer esmaecer a memória do feito francês. A cidade, hoje com pouco mais de um milhão de habitantes, em contraste com os cerca de dez a doze mil tupinambás que habitavam a Ilha Grande quando da chegada dos gauleses em 1612, estes em número aproximado de 500, conserva o fascínio de seus primeiros tempos. Para a comemoração da efeméride, ela ostenta uma rica história, tesouro de muitos eventos e muitos personagens. Seus sobradões, que já conheceram épocas de maior fausto, ainda guardam a imponência de outrora, apesar dos maus-tratos ao patrimônio histórico; seus mirantes, que já contemplaram horizontes mais promissores, ainda encontram no mar argênteo a lembrança das épicas navegações dos franceses e portugueses, apesar da pouca visão de alguns de seus novos morubixabas; seus monumentos, que já testemunharam tantos fatos, feitos e malfeitos, ainda mantêm viva a esperança de dias mais venturosos; seus modernos edifícios, que já se incorporaram à paisagem quadricentenária, ainda prometem a chegada do novo às praias do antigo. O Palácio dos Leões e a Igreja e Seminário de Santo Antônio, para a maioria dos estudiosos, ou o Recolhimento (atual Colégio Santa Teresa) e a Igreja do Rosário, na Rua do Egito, para outros, marcam os sítios originais onde os franceses edificaram, respectivamente, o Forte São Luís e o Convento de São Francisco – para os meninos colonos e índios, quiçá a primeira escola do Maranhão –, no que é ainda hoje o coração da cidade, onde estão situados o seu centro administrativo e a maioria de suas igrejas tradicionais, a qual, se herdou dos lusitanos os traçados das ruas e os azulejos dos sobradões, recebeu de seus fundadores vencidos, mas não esquecidos, o nome, o ponto de partida e as primeiras construções. Ao longo de sua história, a cidade teve sua fascinante história contada por uma considerável plêiade de mortais e imortais, a exemplo de Claude d’Abbeville, Yves d’Évreux, Ferdinand Denis, Charles de la Roncière, José Ribeiro do Amaral, Mário Meireles, Carlos de Lima e, mais recentemente, Vasco Mariz e Lucien Provençal. Afirma o escritor Oscar Wilde, a propósito, que qualquer pessoa pode fazer história, mas apenas um grande homem pode escrevê-la, em elogio ao mister dos historiadores: Anybody can make history. Only a great man can write it.

A França Equinocial foi sonhada por homens que acreditavam na força de um ideal, como Daniel de la Touche de la Ravardière e François de Razilly. Sentencia o historiador e ensaísta Thomas Carlyle, em tributo àqueles que deixam a sua marca para a posteridade, que nenhum grande homem vive em vão, de sorte que a história mundial se revela na biografia dos grandes homens: No great man lives in vain. The history of the world is but the biography of great men. A França Equinocial é um eco do passado, a inspirar a celebração do presente e um vislumbre do futuro que São Luís merece ter.

OS ARTÍFICES E OS DONOS DA FESTA ANTONIO NOBERTO Charles des Vaux, fidalgo de Turrene, havia contatado Daniel de La Touche de La Ravardière, que, por sua vez, relatou ao Rei Henrique IV as vantagens de uma Nova França no Maranhão. Ravardière veio à Ilha Grande e constatou tudo aquilo relatado por Des Vaux. De volta à França recebe a triste notícia do assassinato do rei. Mas já estava “posto o machado à raiz da árvore”, a mão já estava no arado. Não havia outra hipótese senão estabelecer a França Equinocial. Os ventos políticos franceses, porém, sopravam em sentido oposto. Os interesses dinásticos não residiam mais na aventura de uma Nova França no Maranhão, mas na união franco-ibérica, a ser selada com o casamento entre o primogênito Luís XIII e a espanhola Ana de Áustria. La Ravardière, obcecado pelo projeto, se associou a católicos de peso junto a corte, entre os quais os irmãos Razilly, a Louis de Pézieux, ao Barão de Sancy e tantos outros. A rainha regente, Maria de Médicis, pressionada pela Espanha, pouco contribui com o projeto francês, mas a luta, a obstinação, o sonho e a visualização das oportunidades pelos expedicionários foi maior que as dificuldades que se descortinavam. Partiram, venceram as tempestades e transpuseram as querelas religiosas que grassavam a Europa. Chegaram e fundaram a sonhada colônia. Contaram com a ajuda dos eternos aliados tupinambás, que trabalhavam entusiasmados no estabelecimento da França Equinocial. Alteraram o espaço físico natural e construíram moradias, várias capelas (sendo duas “junto ao forte”), uma escola, o primeiro convento capuchinho do Brasil (primeira construção em pedra de São Luís – edificado com a doação do cardeal François de Joyeuse, que havia batizado Luís XIII e consagrado Maria de Médicis), prédios públicos, quatro fortes, aí incluído o Forte São Luís – em forma de cidadela cercada por uma paliçada, onde hoje se encontra a Praça Pedro II –, serraria, estaleiro e uma serralheria. Trouxeram toda sorte de profissionais necessários ao sucesso de uma colônia e de uma cidade, sendo soldados, pedreiros, serradores, agricultores, carpinteiros, construtores navais, dentre outros, e também profissionais ligados às ciências: dois astrólogos, e à moda: artesãos, fiadores, tecelões, costureiros e sapateiros. Excetuando-se alguns poucos desentendimentos, vivia-se em paz na Nova França. A determinação da rainha de que aqui só deveria ser pregada uma única religião, as Leis fundamentais decretadas na Ilha do Maranhão, primeiro conjunto de leis elaborado nas Américas, e a habilidade do general Daniel de La Touche foram determinantes para a regulação da boa convivência neste torrão. Perdida a Batalha de Guaxenduba, mesmo com muitos franceses permanecendo na Ilha Grande, a França Equinocial estava vencida. São Luís estava definitivamente em mãos portuguesas. Mas o que é bom não é esquecido facilmente. Os padres jesuítas foram pródigos em narrar o caráter pacífico da colonização francesa no Maranhão. Os padres capuchinhos de Saint-Honoré, Claude Abbeville e Yves d’Evreux, também são pródigos em mostrar o respeito mutuo e a boa convivência no Maranhão entre franceses e tupinambás. E centenas de outros pesquisadores, historiadores e escritores se dedicaram em resgatar o importante evento simbiótico que foi a França Equinocial. E foi esse exemplo de boa convivência que fez com que maranhenses e franceses nunca esquecessem deste primeiro capítulo da nossa história. Esta foi a vitória que os portugueses nunca alcançaram. Os vencedores tentaram passar uma borracha nesta bela

história, queimaram livros e documentos dos gauleses, outros tentam até hoje diminuir tal legado, mas a França Equinocial a tudo resiste e chegou aos nossos dias, seja no imaginário coletivo, seja na maior presença de turistas franceses em São Luís. Quatro séculos depois de aportarem oficialmente no Maranhão, os franceses continuam lembrados por aqui. E foi com o intuito de resgatar este belo legado que um grupo de maranhenses e de instituições culturais e educacionais idealizaram e realizaram neste último mês de agosto a Exposição FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE. Trabalho de quinze anos de pesquisa deste que vos escreve, o turismólogo Antonio Noberto, que encontrou as pesquisadoras Joana Bittencourt e Clores Holanda e juntos desenvolveram a exposição. A realização do evento é do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM, Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Universidade Estadual do Maranhão – UEMA e da Aliança Francesa de São Luís. O trabalho teve o apoio do Instituto Federal do Maranhão – IFMA, Cia Beto Bittencourt, BUS Transportes e o toque de Midas do designer Reginaldo Silva (Folhagem). A Exposição é um verdadeiro sucesso, pois, diferenciada, mostra o detalhe, como rostos, nomes, mapas, realizações e a história de muitos daqueles atores que um dia, enfrentando todas as adversidades da época, decidiram fundar uma Nova França neste local então distante e abandonado pelas coroas ibéricas. No dia da abertura foi lançado também o livro “FRANÇA EQUINOCIAL, UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS, em textos, imagens, transcrições e comentários” e um álbum com postais sobre a Exposição. Os expedicionários que aqui fundaram a França Equinocial, os muitos escritores, e os resolutos idealizadores e realizadores da Exposição, que conseguiram reconstituir este importante primeiro capítulo do Maranhão e de sua capital, são alguns dos artífices do empreendimento gaulês nesta parte do Brasil setentrional, mas os donos da festa são maranhenses, franceses, nacionais e visitantes, principalmente aqueles que conseguiram transpor querelas e nunca perderam a fé nas palavras do nosso primeiro cronista, o padre Claude Abbeville: “E os índios com os franceses fincaram os estandartes da França no centro desta terra recentemente conquistada não por armas, e sim pela cruz, não pela força, e sim pelo AMOR”. São estes os artífices e os donos desta grande festa do quadricentenário! Todos estão de parabéns!

A Exposição “FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE” e os quatro séculos da profecia do amor ANTONIO NOBERTO “E os índios com os franceses fincaram os estandartes da França no centro desta terra recentemente conquistada não por armas, e sim pela cruz, não pela força, e sim pelo AMOR” Claude Abbeville Linda e inesquecível esta data! Quatro séculos de uma saudável e feliz relação França x Maranhão. E o que teriam feitos os franceses para continuarem sendo tão lembrados tanto tempo depois? Eles simplesmente fizeram diferente de muitos outros reinos e colonizadores ao conquistar o coração dos maranhenses plantando o estandarte do amor. A relação com os autóctones era amistosa, em lugar da força a cruz, em lugar das armas e do chicote a flor-de-lis. Em lugar da segregação a união. As crianças tupinambás estudavam sob o mesmo teto das crianças francesas no primeiro convento capuchinho do Brasil, o convento e igreja São Francisco, atuais Seminário e igreja Santo Antonio. Os padres jesuítas portugueses se admiraram e não pouparam elogios ao empreendimento gaulês no Maranhão. O próprio papa, em visita aos capuchinhos em Paris, em 1631, lamentou o fim de “tão santa empresa”. O maior poeta brasileiro, Antonio Gonçalves Dias, concluiu que “... a expulsão dos franceses levou consigo muitas esperanças”. Foi assim que David Migan e La Ravardière conseguiram manter cerca de vinte mil selvagens sob seu comando, praticamente extinguindo o canibalismo entre eles. Vale lembrar que na França Antártica no Rio de Janeiro, este foi um dos maiúsculos problemas enfrentados pelo líder Villegaignon. No Maranhão foram criadas as “Leis fundamentais decretadas” pelos franceses em 1612, primeiro conjunto de leis escritas nas Américas, que, entre outras coisas, previam a proteção a íncolas e religiosos, e o sossego público. O rei de Espanha, Felipe III, ao tomar o Maranhão dos franceses, entendeu a estratégia gaulesa e deu garantia aos naturais da terra de que se submetessem aos portugueses, pois nada mudaria e eles seriam protegidos. Meras palavras. Um só governante da Ilha Grande, entre o Ceará e o Amapá, prendeu e matou meio milhão de índios. Poucas décadas de colonização ibérica foram suficientes para a dizimação dos íncolas da Ilha Grande e a conclusão do frei luxemburguês João Felipe Bettendorf, que escreveu: ”quanta devia ser a crueldade e cobiça dos que acabaram por guerras e trabalhos tanta gentilidade”. A leveza e habilidade do maior líder do empreendimento gaulês, Daniel de La Touche de La Ravardière, e as determinações da rainha regente Maria de Médici, foram de suma importância para manutenção da paz e da ordem na Nova França. Foi a soma destas santas premissas que fez com que eles passassem para a história como “verdadeiros colonizadores tão cheios de humanidade” (João Lisboa). La Ravardière, primeiro governador do Maranhão, é o vértice que une quatro cidades co-irmãs: São Luís, Saint-Malo, Cancale e Berthegon (esta é a cidade natal dele). É por isso que Cancale, cidade de onde partiu a expedição francesa em direção ao Maranhão, está

fazendo uma grande festa em homenagem a São Luís e a Daniel de La Touche. SaintMalo e Cancale enviaram, oficialmente, representantes para a festa, que também é deles. Estão aqui em São Luís no dia de hoje, entre outros, Alain Roman e Yves Claquin. Nunca li nada a respeito, mas ouvi dizer que a profecia do nosso primeiro cronista ajudou a balizar a expressão ILHA DO AMOR. Quem sabe! Este é o segredo e a dica a quem aspira conquistar os moradores desta terra, que receberam o adjetivo gentílico ludovicense, derivado de Ludovico, Luis em latim. E flor-de-lis deriva de Flor-de-Luís. Semeemos flores, então, pois quem semeia ódio, violência e destruição nesta terra está fadado ao ostracismo. Cada letra da palavra AMOR representa um século de existência da nossa bela capital. Daqui a cem anos, quem sabe, a profecia de Abbeville esteja mais em voga ainda e a palavra de ordem seja AMOUR. Um pouco desta “bela história de AMOR” você poderá conferir visitando a Exposição FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE, que permanece em cartaz até o fim deste ano, no Palácio Cristo Rei, Praça Gonçalves Dias, São Luís - MA.

O FUNDADOR ESQUECIDO ANA LUIZA ALMEIDA FERRO O sócio mais ativo e destacado de Daniel de la Touche na expedição de 1612 ao Maranhão era Cavaleiro da Ordem do Rei, um militar católico de prestígio do gabinete real, gentil-homem da Câmara do Rei Luís XIII, bem relacionado, portanto com acesso facilitado à Corte, Senhor de Razilly, de Oiseaumelle (ou de Aumelle ou des EauxMelles) e de Vaux-en-Cuon, nascido em 1578. Originário da região de Touraine, como Charles des Vaux, era o filho mais velho de François – cabeça dessa tradicional família, Cavaleiro da Ordem do Rei, que foi governador de Loudun, nas proximidades de Amboise – e de Catherine de Villiers de Laubardière, da mesma família de Villiers de l’Isle Adam, famoso grão-mestre da Ordem de Malta, também conhecido pelo papel desempenhado como protetor de Villegagnon. Mas não paravam aí as preciosas conexões familiares desse ilustre filho da França, que se revelariam fundamentais para a materialização do projeto da França Equinocial. Tinha relações de parentesco com Armand-Jean du Plessis, que se celebrizaria como o Cardeal de Richelieu. E, ainda mais significativo, era primo de Anne de Montafié, a Condessa de Soissons, casada com Charles de Bourbon e de Soissons, “ele mesmo primo do falecido rei Henrique”, de sorte que logo saberia “interessar seu parente em seus projetos brasileiros”, consoante pontifica Maurice Pianzola. Enquanto La Ravardière e Charles des Vaux tratavam dos aspectos organizacionais da empreitada, sobretudo no tocante à obtenção dos equipamentos e abastecimentos requeridos para a viagem e à reunião da mão-de-obra, o nosso personagem assumiu a tarefa de atrair a participação de nobres e figuras de destaque da Corte gaulesa no financiamento e na expedição em si e de conquistar apoio político, para o qual era essencial despertar na Rainha Maria de Médicis um interesse genuíno pelo projeto, no que foi bem-sucedido. Ele arregimentou os seus próprios irmãos, Isaac e Claude, para a expedição, “ambos já prestigiados por suas proezas no mar”, conforme Vasco Mariz e Lucien Provençal. Foi ele quem comandou, juntamente com La Touche, a nau capitânea, grande e fortemente armada, denominada Régent, em homenagem à Rainha Regente, partindo de Cancale em uma frota de três navios com aproximadamente 500 homens em 19 de março de 1612. No dia 26 de julho, dia de Santa Ana, a expedição adentrou o Golfão Maranhense. Foi o nosso personagem quem batizou Upaon-mirim (Ilha Pequena) com o nome de Sant’Ana. Foi ele quem assumiu o papel de “grande morubixaba” nos contatos com Japi-açu, cacique principal de toda a Ilha de São Luís na época. Foram ele e La Ravardière os lugares-tenentes-generais do Rei Luís XIII que selecionaram o local da edificação do Forte São Luís, núcleo originário da cidade. Quando Nicolas de Harlay regressou à França, o que ocorreu logo depois da chegada ao Maranhão, este delegou ao nosso personagem os seus poderes. Ele logo se tornou o “senhor da colônia”, como lembra Lucien Provençal. Coube-lhe cuidar das relações humanas, do reconhecimento da terra e da evangelização dos indígenas, com a valiosa assistência dos frades capuchinhos. Foi ele a figura mais proeminente a participar da cerimônia de tomada de posse oficial da terra em 8 de setembro de 1612, na qual ele batizou de São Luís, em homenagem a Luís XIII, o forte que emprestaria o seu nome à cidade. E foi ele quem, de volta à França, salvou um precioso exemplar da obra

Seguimento da História das coisas mais memoráveis, ocorridas no Maranhão nos anos de 1613 e 1614, de Yves d’Évreux. Ele era o almirante François de Razilly, o cofundador da cidade de São Luís, “uma das velhas glórias da França”, na expressão de Ferdinand Denis. Por estes dias, honra a cidade com a sua presença o Sr. Roland de Rasilly, descendente do irmão mais novo de François, Claude de Razilly. O visitante que se entregue à prazerosa tarefa de descobrir os mistérios e tesouros da cidade, de percorrer as ruas estreitas do centro e as avenidas do entorno, de admirar os palácios da Avenida D. Pedro II e certo busto de uma figura conhecida, verá que Daniel de la Touche, Jerônimo de Albuquerque, Alexandre de Moura, os franceses, os holandeses, os portugueses e os africanos estão bastante vivos nos logradouros, prédios ou vias dos ludovicenses. Mas não encontrará nenhum François de Razilly. Desafortunadamente, ele é o fundador esquecido de São Luís, a merecer o reconhecimento que lhe é devido.

CONVITE AO PASSADO DE SÃO LUÍS ANA LUIZA ALMEIDA FERRO Caro leitor, ludovicense por nascimento ou adoção, que estás a buscar inspiração para as labutas de hoje e os desafios de amanhã nos tesouros ainda pouco explorados da cidade, vai à Praça Gonçalves Dias, saúda primeiro o poeta, para que não fique enciumado, entra devagar no Palácio Cristo Rei e prepara-te para voltar no tempo. Lá estão abertas, de segunda a sexta-feira, das 8 às 12h e das 14 às 17h30min, desde 16 deste mês até 14 de setembro, as portas para o passado primordial de nossa urbe. Descobre-te, como num passe de mágica, em Saint Louis Capitale de la France Équinoxiale, no ano de 1615, e procura no mapa os quatro fortes implantados na Ilha do Maranhão pelos franceses – inclusive o de São Luís, batizado pelo almirante François de Razilly –, e o Convento de São Francisco, primeiro edificado pelos capuchinhos no Brasil, também abrigando a primeira escola do Maranhão. Se preferires, mergulha nos rios Maiove, Ibacanga e de la Touche, mas toma cuidado com Guasinduba, afinal não quererás transformar a tua viagem numa batalha. Mas recua ainda mais no tempo: sentirás a presença de um dos fundadores da cidade, Daniel de la Touche, em todo o esplendor de seu sonho da França Equinocial, estabelecida em 1612, mas não poderás contemplar-lhe o rosto, pois, afinal, o mistério é sempre estimulante... Ao invés, entrevista-te com Razilly, o cofundador frequentemente olvidado de São Luís. Quando o vi, estava sorrindo, mas pode ser que o encontres acabrunhado, pois não lhe deram um palácio para descansar, nem uma avenida para fazer novo reconhecimento da ilha, nos moldes daquelas que levam os nomes dos inimigos lusos Jerônimo de Albuquerque e Alexandre de Moura. Se queres reviver o rebuliço em Paris pela chegada dos embaixadores índios do Maranhão, conversa com Japuaí (ou Louis de la St.-Jean), Itapucu (ou Louis Marie) e Uaroio (ou Louis Henri). Leva o intérprete Charles des Vaux a tiracolo, no caso de não falares tupi. E faz uma oração pelos que não sobreviveram: Anthoine Manen, François Carypyra e Jacques Patuá. O Cardeal de Joyeuse, que fez doação para a construção em pedra do Convento de São Francisco, poderá te ajudar nesse ato de piedade cristã. Além da assistência religiosa, aproveita para saber da coroação de Maria de Médici, do batismo de Luís XIII e, fofoca suprema, dos bastidores da anulação do casamento do Rei Henrique IV com a Rainha Margarida de Valois. E fica para o casamento de Luís XIII com Ana d’Áustria. Entretanto, se necessitas de um empréstimo, melhor consultares o riquíssimo banqueiro e conselheiro real, Nicolas de Harlay, Senhor de Sancy, um dos chefes e financiadores da expedição de 1612. Talvez ele te mostre o valiosíssimo diamante Sancy... Se os mapas são a tua praia, veleja pelo mundo daqueles tempos e aporta na França e em Paris. Torna a ser criança e encontra, pelas cores, os locais de nascimento de personalidades francesas ligadas à França Equinocial, inclusive de Richelieu, que tanto trabalho deu aos três mosqueteiros de Alexandre Dumas. E cuidado: estão em vigor as Leis Fundamentais da colônia, decretadas na Ilha do Maranhão, “primeira manifestação com natureza constituinte elaborada no Continente Americano, antecedendo a Declaração de Virgínia”, na avaliação de José Cláudio Pavão Santana, e lá vale a pena de talião! Tudo isso – e muito mais – está à disposição de qualquer ludovicense, por nascimento ou adoção, viajante do tempo, que se aventurar pelos mares, terras e ilhas da fascinante exposição “França Equinocial para sempre”, idealizada e coordenada pelo amigo Antonio Noberto, turismólogo e historiador, talento emergente e dínamo infatigável, e realizada pelo Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, pela Aliança

Francesa de São Luís, pela Universidade Federal do Maranhão e pela Universidade Estadual do Maranhão. A exposição foi inaugurada na noite de 15 de agosto, em um evento concorrido, prestigiado por autoridades, professores, membros de academias, escritores e aficionados da história e da cultura maranhense em geral. Nessa noite encantada, veio à luz a obra França Equinocial: uma história de 400 anos em textos, imagens, transcrições e comentários, organizada pelo mesmo Noberto, também um de seus autores. E os presentes ainda puderam se deliciar com uma encenação teatral sobre a fundação de São Luís pelos gauleses, promovida por Joana Bittencourt, que dirige a Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt. E o Palácio Cristo Rei testemunhou a saga de La Ravardière, de Itagiba e sua amada Lua Cheia e dos tupinambás maranhenses, conheceu Maria de Médici e o jovem monarca Luís XIII e ouviu a Marselhesa e o hino de São Luís, tudo numa única noite... A França Equinocial é um eco do passado, a inspirar a celebração do presente e um vislumbre do futuro que São Luís merece ter. Caro leitor, a França Equinocial está à tua espera! Promotora de Justiça, Presidente da Academia Maranhense de Letras Jurídicas e Sócia efetiva do IHGM alaferro@uol.com.br

ESPECIAL SOBRE OS 400 ANOS DE SÃO LUÍS

A TV Difusora (canal 4) vem realizando um especial sobre os 400 anos de São Luís, contando um pouco da história da cidade e mostrando os pontos de vistas de especialistas, historiadores e professores de história.

O documentário está dividido em vários capítulos, dia 8 de setembro foi a estréia e amanhã, sábado, será transmitido o segundo capítulo da série, às 18:45, abordando entre outros temas, a fundação de São Luís. O Vice-presidente do IHGM, Prof. Euges Lima, foi entrevistado e falou um pouco sobre a controvérsia da Fundação de São Luís e explicou como surgiu no início do século XX a versão oficial de uma São Luís fundada por franceses, segundo ele, “a comemoração do aniversário da cidade, a partir de uma origem francesa, é produto de uma tradição inventada em 1912, ano do primeiro aniversário da cidade, já com trezentos anos”.

PRESENTE DE GREGO CRISTINA ROMANELLI Do site da Revista de História da Biblioteca Nacional Replicado em http://ihgm1.blogspot.com.br/2012/09/presente-de-grego_15.html

São Luís completa 400 anos no dia 8 de setembro e vai receber do governo do Maranhão um presente orçado em nada menos que R$100 milhões: a chamada Via Expressa, primeira avenida de grande porte da capital, com cerca de nove quilômetros de extensão. A previsão é que dois quilômetros já estejam prontos este mês. A festança, no entanto, gera polêmica. A obra não foi aprovada pelo Conselho Regional de Engenharia (Crea-MA) e acabou embargada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan),pois foi iniciada em 2011sem nenhum estudo arqueológico, como a lei exige. Mesmo assim, os tratores continuaram a trabalhar, revirando o bairro do Vinhais Velho, onde há vestígios de ocupação anterior à fundação da cidade. O caso começou a ser investigado pela Procuradoria da República no Maranhão em agosto de 2011. Segundo o procurador Alexandre Soares, em abril deste ano foi estabelecido um acordo indicando as medidas necessárias de salvamento e proteção do material arqueológico. “A equipe de arqueólogos contratada pelo estado apresentou um relatório afirmando que realmente houve dano ao patrimônio durante as obras, mas que agora as medidas estão sendo cumpridas. As obras na região do Vinhais Velho deverão ficar paralisadas até que o Iphan apresente um relatório confirmando essas informações, e que nós realizemos uma audiência com todos os envolvidos, incluindo moradores”, afirma o procurador. Os moradores estão envolvidos a fundo nessa história e já conseguiram algumas vitórias. De acordo com Leopoldo Vaz, vice-presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, o traçado da Via Expressa passaria a poucos metros da Igreja de São João Batista, que é tombada, e desalojaria mais de trinta famílias no Vinhais Velho. Protestos dos moradores fizeram o número de casas desapropriadas diminuir para oito e a via se afastar 100 metros da igreja. “Solicitamos a criação de um museu para guardar as peças arqueológicas encontradas aqui e estamos negociando a compensação dos moradores, porque as desapropriações ficaram muito aquém dos valores dos imóveis”, diz Vaz.

Mesmo com as mudanças, a estrada vai cortar a vila ao meio, e a Igreja de São João Batista poderá ser prejudicada. “Certamente haverá prejuízos, mas isso independe da nossa vontade. Já mandamos um documento para a Secretaria de Infraestrutura, responsável pelas obras, dizendo que esse patrimônio é tombado e deve ser respeitado”, conta Andrea Costa, diretora do Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Paisagístico do Maranhão. Procurada pela RHBN, a Secretaria de Infraestrutura do estado (Sinfra) não se manifestou sobre as denúncias. A igreja tombada tem relação direta com os primórdios do Vinhais Velho. Ali, em outubro de 1612, os índios tupinambás ergueram uma capela, benzida pelos padres capuchinhos da missão francesa que colonizava o Maranhão. É este evento que marca a fundação do bairro. A capela, que desabou várias vezes, foi sempre reerguida no mesmo lugar. De acordo com a historiadora Antonia da Silva Mota, da Universidade Federal do Maranhão, os franceses cederam o território do Maranhão aos portugueses em 1615. No local onde hoje está Vinhais Velho foi então organizada a primeira missão jesuítica no norte da Colônia. “Em 1757, o local ganhou o nome de Vila dos Vinhais. Acreditamos que durante o século XIX se consolidou o processo de expulsão das populações indígenas. Poucos descendentes resistiram. Entre eles, a família Ribeiro, que tem cerca de 50 membros no Vinhais Velho”, diz Antonia. Segundo ela, há duas cartas no Arquivo Histórico Ultramarino, em Lisboa, enviadas pelo índio Manoel Ribeiro, da Vila de Vinhais, em 1782 e 1790. Ele seria ancestral da família de mesmo sobrenome que vive hoje no bairro. “Além dos traços físicos inegáveis, os mais velhos da família Ribeiro contam que seus avós e bisavós estão enterrados no cemitério da comunidade, fundado pelos jesuítas”. Outros moradores, como Carlos Jacinto Penha, mudaram-se para o Vinhais Velho há cerca de 30 anos, quando o bairro passou a ser menos isolado. O comerciante é dono de uma das 35 residências que o governo havia decidido desapropriar. Depois das negociações, ele se livrou de parte do problema, mas o quintal da casa ainda está no trajeto da via expressa. “Soubemos disso tudo em setembro de 2011. Os engenheiros da Sinfra diziam que, como é uma obra pública, não teríamos como evitar o despejo. Um dos moradores tentou explicar para uma engenheira a importância das casas, mas ela respondeu que o governo não avalia valor sentimental”, lembra Carlos Jacinto.

Pelo visto, tampouco avalia valor arqueológico. Segundo Kátia Bogéa,superintendente do Iphan no Maranhão, foi preciso entrar na Justiça para ter acesso ao licenciamento ambiental da obra. “Nós pedimos, mas eles não mandaram o licenciamento e iniciaram as obras mesmo assim. Quando finalmente recebemos o material, não tinha uma palavra sequer sobre o patrimônio cultural, que inclui o patrimônio arqueológico. Depois de nos pronunciarmos no Ministério Público Federal, ficou definido que o trecho do Vinhais Velho em diante só poderia passar por obras depois do estudo arqueológico. Ainda assim, as máquinas entraram no bairro”, denuncia Kátia. Arqueólogos só foram contratados em fevereiro deste ano, depois de nova intervenção do Iphan. A equipe, chefiada por Cínthia Moreira, encontrou mais de 80 peças. “Muito material já estava revirado. Se as obras não tivessem sido iniciadas, teríamos encontrado o sítio com as peças ainda no subsolo. Só conseguimos fazer isso nos quintais das casas, onde havia peças de até 20 centímetros”, conta Cínthia. Em um mês de trabalho, a equipe encontrou artefatos de cerâmica tupinambá e faianças. Ainda não foi feito um estudo para confirmar a datação, mas algumas peças podem ser anteriores à ocupação francesa.

SÃO LUÍS: AS HOMENAGENS CONTINUAM NATALINO SALGADO FILHO Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC

O Memorial Cristo Rei - museu que guarda um rico acervo da história da Universidade Federal do Maranhão e desponta frente à Praça Gonçalves Dias como um dos mais belos cartões postais da cidade - surge neste mês de setembro como lugar obrigatório para todos aqueles que almejam conhecer um pouco mais de nossa história e da tão propalada fundação da cidade de São Luís, há 400 anos, pelos franceses. Refirome à exposição França Equinocial para sempre, aberta em 15 de agosto, promovida pelo Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM) em parceria com o Palácio Cristo Rei, que tem o mérito de apresentar a versão francesa da fundação da capital maranhense, ancorada no sonho de ousados aventureiros como Daniel de La Touche e François de Razilly em fundar a França Equinocial. Lembrando João do Vale, “todo mundo canta sua terra/ eu também vou cantar a minha”: São Luís é alvo de um registro digno de louvor nos importantes registros dos franceses em terras maranhenses que estão à disposição do público. São 11 telas do artista plástico Rogério Martins; oito mapas que retratam São Luís do Maranhão, SaintMalo e Paris, bem como plotagens com imagens que ajudam a resgatar o início de nossa formação como cidade. A exposição está sob a coordenação do turismólogo e historiador Antônio Noberto, que é membro do IHGM, da administradora do Palácio Cristo Rei e integrante do IHGM, Clores Holanda, e da pesquisadora Joana Bittencourt. Quando da abertura, houve o lançamento do livro França Equinocial, uma história de 400 anos em textos, imagens, transcrições e comentários, organizado por Antônio Noberto que brinda os leitores, entre outros dados históricos, com a reprodução da palestra escrita por Vasco Mariz, diplomata brasileiro, escritor e membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, na qual ele discorre acerca de detalhes pitorescos da saga empreendida pelos franceses em terras maranhenses, além de artigos escritos pelo professor Wilson Ferro e pela promotora de justiça Ana Luiza Ferro, que trazem à lume eventos que culminaram com a fundação da capital maranhense. A obra tem o mérito de condensar ricas informações que muitas vezes passam desapercebidas pelos atuais moradores da cidade. Como por exemplo, desvenda alguns dos cenários onde se desenrolaram as cenas iniciais da fundação e colonização desta terra, caso do Palácio dos Leões, do Colégio Santa Tereza ou mesmo a Igreja de Santo Antonio; lança um novo olhar sobre as intenções e motivações da coroa francesa em patrocinar essa empreitada, em especial personagens importantes como Henrique IV, Maria de Médicis e Luís XIII; e revela um perfil, pouco conhecido, dos homens que abraçaram o desafio de vir para cá numa viagem profusa de perigos, mas garantidora de fama e reconhecimento. O relacionamento dos franceses com os indígenas primitivos, bem como o cenário de fundo das guerras religiosas entre católicos e protestantes fazem parte ainda da tecitura que nos legou esta cidade quatrocentenária. Não cabe aqui falar do desfecho que teve essa empreitada, pois a história guarda seus mistérios e aqueles que a protagonizam

sequer imaginam como serão conhecidos pelas futuras gerações e nem a qual julgamento serão submetidos. Diante de toda essa riqueza histórico-cultural narrada, não foi surpresa o sucesso da exposição. Em menos de um mês, aproximadamente três mil pessoas a visitaram, incluindo a visita do embaixador da França no Brasil, Yves Saint Geours; do cônsul da França para o Nordeste, Patrice Bonnal; do ministro do Turismo, Gastão Vieira, bem como da comitiva oficial da cidade de Cancale - cidade francesa de onde partiram as três naus com destino a São Luís, em 19 de março de 1612 - e diversas outras autoridades, além de muitos escritores e visitantes em geral; em especial, jovens alunos das mais diversas escolas, interessados em conhecer sua própria história. Para aqueles que ainda não a visitaram, eis uma excelente notícia: a exposição, que deveria ser encerrada neste final de semana, foi prorrogada até o final do ano. Trata-se de mais uma ação que prioriza a cultura, o patrimônio e a história, como é próprio da Universidade Federal do Maranhão. Aliás, a Universidade Federal do Maranhão saiu na frente em relação ao calendário das comemorações do quarto centenário de São Luís, ao abrigar em julho a reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência - SBPC, para discutir o tema Ciência, Cultura e Saberes Tradicionais para Enfrentar a Pobreza, reunindo milhares de pessoas, entre pesquisadores, professores, alunos, gestores e representantes governamentais. A utilização dos saberes tradicionais como suporte vital para a geração de riqueza, renda, ampliação e qualificação desses saberes para a melhoria da qualidade de vida da população, norteou toda a programação. Se queres ser universal, começa a pintar tua aldeia, já disse Leon Tolstói. A visita à exposição no Palácio Cristo Rei tem, além do enriquecimento cultural que proporciona aos visitantes, o predicado de ser uma janela para o nosso futuro. São Luís tem uma história rica, um destino pelo qual somos todos responsáveis. Afinal, o que os registros contarão daqui a 400 anos depende das ações dos homens e mulheres que hoje realizam com seu esforço, seu crescimento pessoal e coletivo. As futuras gerações serão tão mais ricas quanto o legado que deixarmos para elas na forma do bem e da educação, valores imperecíveis sobre os quais milênios podem ser fundados.

VIDA MISSIONÁRIA DE PADRE BRANDT É CONTADA EM LIVRO SAMARTONY MARTINS - JORNAL O IMPARCIAL http://comentandoosfatos.blogspot.com.br/2012/09/vida-missionaria-de-padre-brandt-e.html

A biografia conta que sacerdote movimentou a cultura, a comunicação e a política da cidade maranhense de Arari. Polêmico por sua postura revolucionária, monsenhor Clodomir Brandt da Silva, conhecido entre os fiéis do município de Arari como padre Brandt, tornou-se uma referência na região, em meados do século passado, como exímio educador e político oposicionista que contestava, com intransigência, os detentores do poder. A saga do vigário que faleceu no dia 23 de abril de 1998 aos 81 anos foi transformada na biografia intitulada O universo de padre Brandt, que leva a assinatura do escritor José Fernandes. A obra será lançada nesta sexta-feira (21), às 19h30 na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), na Rua da Estrela, 472, antigo prédio da Cemar, na Praia Grande. No livro, José Fernandes resgata os passos do sacerdote que antes de morrer foi consumido pelo mal de parkison e vivenciou na pequena cidade uma tumultuada experiência de intensas emoções, permeadas por conquistas, enganos, glórias e frustrações. Além dos fatos que fazem parte da história de Arari e do próprio padre Brandt desde a infância, a biografia conta com depoimento de pessoas que conviveram com o sacerdote como Abdelaziz Aboud Santos, o educador Antônio Rafael da Silva, Cleison Fernandes, Francisco Ribeiro Silva Júnior Hilton Mendonça entre outros que por meio de seus olhares remontam a imagem de padre Brandt. Para José Fernandes escrever sobre a vida de padre Brandt foi a realização de um sonho, pois vai restaurar a memória de um dos maiores educadores do Maranhão de todos os tempos. "Ele teve uma vida extraordinária. A fase das maiores realizações do padre Brandt começou a partir de 1944, com a fundação de colégios e de um jornal, tomando impulso com a inauguração, em 1948, do serviço de alto-falante Voz de Arari", contou José Fernandes.

O escritor relatou que padre Brandt foi um dos primeiros maranhenses a dar importância para a sétima arte, tanto que foi o responsável pela criação do Cine Paroquial de Arari, cinema que para sobreviver e obter lucro, exibia filmes sem preocupação seletiva, muitos de faroeste, famosos pela violência, e outros um tanto eróticos como o protagonizado pela sensual atriz Elvira Pagã, que causou protestos que ecoaram na imprensa em São Luís. Entusiasta das artes, padre Brandt criou no início dos anos de 1950, o Teatro Experimental, onde ele próprio treinou um grupo de atores que encenou várias peças no auditório do Salão Paroquial da igreja atraindo um bom público pagante. Segundo José Fernandes, o sacerdote também organizou o Coral Santa Cecília com moças e rapazes da região que interpretavam composições clássicas em suas apresentações, algo inédito para época, além da fundação da Escola de Música Carlos Gomes. "Ao promover essas práticas artísticas como o teatro, coral e aprendizagem musical, o pároco mudou a ambiência local, tornando-a mais civilizada", explicou Fernandes. Padre Brandt também foi o grande responsável pela instalação de um parque gráfico na cidade para tornar viável a editoração do Boletim Paroquial e dos seus futuros livros. Com o equipamento, ele inaugurou a Escola de Artes Gráficas Belarmino de Matos, denominação alusiva ao famoso tipógrafo e editor maranhense do século XIX, impressor da primeira tradução brasileira do livro Os Miseráveis, de autoria do escritor francês Victor Hugo. José Fernandes ressaltou que o estabelecimento foi o primeiro a ser implantado no Maranhão e formou os primeiros tipógrafos e impressores para o mercado profissional. POLÍTICA BRANDTIANA Em O universo de padre Brandt, José Fernandes conta que o sacerdote usou o seu talento, o seu prestígio de líder religioso, professor e dirigente de uma escola para aliarse aos opositores do prefeito de Arari, Antônio Garcia que por mais de duas décadas comandou a cidade. O escritor explicou que padre Brandt ingressou na política local por conta de uma decepção com o então governador que entregara a direção do partido da situação a Theodoro Batalha, ex-católico colaborador da Igreja, que teria se convertido a Assembleia de Deus. A sua primeira atitude ostensiva foi criar o Movimento Católico Arariense, que era uma espécie de ala política destinada a combater os protestantes, a quem chamava de hereges, que no fundo, servia de pretexto para implantar uma oposição aguerrida. "Consciente de sua força política, padre Brandt teve a feliz ideia de candidatar à prefeitura na eleição de 1950, Justina Fernandes Rodrigues, conhecida como Dona Bembém, descendente da aristocracia rural, e o conceituado enfermeiro Antônio de Jesus Santos, o Tonico Santos, pai do cantor Zeca Baleiro como vice-prefeito que foram eleitos sepultando de vez a hegemonia política de Antônio Anísio Garcia, o mais antigo líder político de Arari de todos os tempos", contou Fernandes. Para Mauro Rego, que assina a orelha do livro, a juventude, a cultura, a brilhante oratória de padre Brandt fizeram dele não somente um sacerdote que manteve total domínio sobre seus paroquianos, como também um ser partidário que levou seus seguidores a subserviência, chegando estes a se armarem para defende-lo de hipotéticas ameaças. "Mais do que um ensaio, esta é uma bibliografia bem apurada, um dos melhores livros da atual safra literária", acrescentou Mauro Rego.

SAUDADE DE ANTONIO LOBO JOAQUIM HAICKEL domingo, 16 de setembro de 2012 A realização do projeto Academia da Memória – Homens & Imortais me propiciou conhecer mais de perto alguns personagens de nossa história literária e cultural, sobre os quais eu sabia algumas poucas coisas, desconhecidas da grande maioria das pessoas. Esse trabalho fez com que aprofundasse meu conhecimento, fato que espero aconteça com todos que tiverem acesso a esse material. Uma das personalidades mais polêmicas de nossa história, com toda certeza, foi Antonio Lobo, dínamo de sua geração, jornalista competente e cronista implacável. Se por um lado ele serviu como motor de força e gerador de energia para o movimento que culminou com a criação da Academia Maranhense, que mais tarde passaria a ser “de Letras”, ele também era um encrenqueiro contumaz, um polemista ferrenho, um crítico ácido. Professor, jornalista, romancista e tradutor, Antonio Lobo, nasceu a quatro de julho de 1870 e morreu ainda jovem, aos 46 anos. Ele dirigiu a Biblioteca Pública, o Liceu Maranhense e a Instrução Pública, que seria hoje a Secretaria de Educação do Estado, além de ter sido diretor de A Revista do Norte, importante periódico de sua época. A militância na imprensa era para ele, sua razão de viver. Por meio dela, pôde disseminar suas idéias de educador, de crítico de costumes e de político. Seu estilo era simples, mas impregnado de ironia. Envolveu-se em grandes polêmicas. Entre os adversários estão quase todos os grandes intelectuais de sua época: Nascimento de Moraes, Manoel de Bethencourt, Barbosa de Godóis, Alfredo Teixeira, Fran Pacheco e Xavier de Carvalho. Alguns destes eram seus diletos amigos. Em 1915, Antônio Lobo assume a direção do jornal ‘A tarde’, de J. Pires. Escreve ali duras críticas endereçadas ao então governador Herculano Parga. Este, o calou comprando o jornal. Meses depois se suicida enforcando-se com uma corrente de rede. Ao me defrontar com a história de Antonio Lobo, de saber de sua vida, dos fatos que o fizeram ser quem foi, das decisões que o fizeram fazer o que fez, olho em volta e vejo o quanto evoluímos em certos aspectos, o quanto continuamos iguais aos pais dos pais de nossos pais e o quanto pioramos depois deles. Lendo sobre a vida do escritor, vejo que ele polemizava com todos a respeito de quase tudo. Amigos de longas datas, companheiros de jornadas, adversários políticos, desafetos. Literatura, política, filosofia, costumes. Talvez fosse essa a maneira que ele tenha encontrado para movimentar a província. Gostaria de tê-lo entre nós para que ele dissesse poucas e boas para certas pessoas invejosas e recalcadas, que não fazem nada para melhorar nem a si nem a comunidade onde vivem, e ao invés disso se subtraem, ou melhor, se multiplicam negativamente. Se

bem que multiplicando por zero o resultado é sempre zero e subtração de zero não altera o resultado. Fico imaginando o que diria Antonio Lobo para uma determinada figura carecida de piedade, farrapo humano que não consegue guarida nem no seio de sua própria família. Tenho certeza que tanto quanto eu, o mestre Lobo não se fixaria no defeito físico que o dito cujo carrega. Dizem que a parteira que lutou para trazer o infeliz ao mundo, tentando abreviar o sofrimento de sua pobre mãe, puxou-o pelo braço, entortando-o. Lobo preocupar-se-ia tão somente com os defeitos do caráter e da alma do sacripanta. Alguém que segundo dizem, foi expulso de sua própria entidade de classe. Boa coisa esse Belo não pode ser! Se o chamassem de rapace, o indigitado teria que recorrer a um dicionário para saber do que foi qualificado. Pior seria chamá-lo de cinesiforo valdevinos apedeuta viegas ou de sostro lheguelhé atrabiliário gilvaz. Uma hora dessa ele deve está mergulhado no Aurélio tentando se achar. Em “A carteira de um neurastênico” Antonio Lobo desenha um auto-retrato contundente e corajoso, um belíssimo reflexo da alma inquieta e atormentada que habitava seu corpo, “cousa” que não tenho certeza haja em certas figuras. O que deve sustentar essas criaturas não são almas. O que os sustenta é uma intrincada rede de idiossincrasias que lhes servem de cabide onde penduram os trajes com os quais escondem suas vergonhas e seus recalques. Escondidos atrás de mídias poderosas esses lombrosianos modernos tentam apropriar-se da capacidade de disseminação de injúrias, calúnias e difamações dando às suas palavras a força de uma mídia avassaladora. No entanto, suas palavras são pobres, desprovidas de luz, e acabam por criar no máximo um traque, emissão de gases pútridos de origem orgânica. Seria bom que tivéssemos de volta Antonio Lobo para dizer cobras e lagartos de e para essa gente. Nossa cidade seria um lugar bem melhor se o falastrão a quem me refiro fosse capaz de imitar Antonio Lobo, única e exclusivamente no que diz respeito ao último ato de sua vida. PS: Como tenho andado muito ocupado, esse texto serve de resposta, tardia, mas necessária, a um imbecil. E a outros também!

TURISMO E HOTELARIA NO CONTEXTO DAS CIDADES CRIATIVAS NATALINO SALGADO FILHO A Universidade Federal do Maranhão teve o privilégio de abrigar nesta semana o I Seminário Patrimônio Cultural & Cidades Criativas: Interfaces com o desenvolvimento local e integrado, que se propôs a discutir criatividade, sustentabilidade e geração de emprego e renda. Essa diversidade de temática foi um espaço de diálogo entre diversos especialistas e estudantes. A ocasião também serviu de cenário para a comemoração dos 25 anos do Curso de Turismo da UFMA. Não poderia ser melhor a ocasião desse aniversário, pois coincide com as comemorações dos quatrocentos anos de São Luís. É bem verdade que a cidade recebeu merecidas homenagens, mas toda homenagem é efêmera e se dissolve nos fogos de artifício das festividades se os valores culturais, artísticos e sociais são pouco conhecidos pelo seu próprio povo. O curso de Turismo da nossa Universidade foi criado em 1987 e, ao longo de sua benfazeja história, tem gerado um rico patrimônio de conhecimento e promoção da riqueza cultural única e das características singulares de nossa cidade e de nosso Estado. O momento também é propício para que se lembre do fato de que o Labotur, vinculado ao curso, foi a primeira empresa de turismo júnior no Brasil, fundada em 1991, e muito tem servido para o campo de prática dos alunos. Outra boa lembrança é o fato de que, por intermédio da lei 12.591, de 18 de janeiro de 2012, o profissional de turismo alcançou o tão merecido reconhecimento. Trata-se de conquistas que merecem ser celebradas, pois integram um legado que tem contribuído para além da formação de profissionais, ao gerar oportunidades e possibilidades inúmeras, se pensarmos à luz do paradigma das cidades criativas, tema escolhido para o seminário. Com um olhar mais apurado sobre o tema, é possível descobrir que o termo cidades criativas foi cunhado pelo pensador britânico Charles Landry em 1995, autor do livro “Cidades criativas: um kit de ferramentas para inovadores urbanos”. A ideia equivale a uma espécie de reinvenção de um lugar, e essa expressão define bem as mudanças radicais pelas quais inúmeras cidades no mundo têm vivenciado, o que chamaria de um efeito fênix: revocacionamento, palavra que significa um novo olhar que uma comunidade se dá e isso se traduz na redescoberta de seu potencial, talentos e bens intangíveis que podem ser vistos em sua forma de ser, falar e fazer coisas. Esta forma ganha vida na arte, na gastronomia, no folclore, que, por sua vez, se tornam elementos atrativos para pessoas de todas as partes. Acima de tudo, geradora de esperança de dias melhores para suas futuras gerações. No dizer do Padre Antônio Vieira, a mais fiel de todas as companheiras da alma é a esperança. No Brasil, diversas cidades têm descoberto – no conceito de cidades criativas – formas de gerar emprego e renda, revitalizar-se por completo ou apenas determinadas áreas como centros antigos que em outro momento estavam abandonadas e destinadas ao esquecimento. De certo modo, aqui se inclui o antigo anseio do curso de Turismo de ter sua sede no Centro Histórico de São Luís. Este sonho, agora prestes a se tornar realidade, será concretizado na antiga fábrica de tecidos Santa Amélia, localizada numa área de 9 mil m2. O espaço – que deverá abrigar também o curso de Hotelaria – está sendo restaurado com o apoio do IPHAN e do Ministério do Turismo.

E como a ocasião é propícia, importa lembrar duas excelentes iniciativas recentes dos professores e estudantes de Hotelaria: a primeira, coordenada pela professora Elza Galvão, é o Projeto Hotelaria e Saúde, que tem como objetivo humanizar o serviço hospitalar através de uma capacitação específica voltada para a área de saúde; e a segunda, capitaneada pelo Núcleo de Projetos e Pesquisas em Hotelaria, é a realização de uma pesquisa científica para verificar os impactos econômicos causados durante a 64ª Reunião Anual da SBPC, que aconteceu em São Luís, na Cidade Universitária, e é coordenada pelo professor Davi Andrade. Os resultados vão integrar um relatório que será divulgado na próxima SBPC. De certo modo, tais ações estão afinadas com essa nova maneira de fazer e pensar turismo e hotelaria de forma criativa e inovadora. O seminário realizado também se traduz num marco importante para que São Luís, em data tão simbólica, comece a se repensar. Se, por um lado, vemos com bons olhos o crescimento que nos elevou à categoria de cidade com mais de um milhão de habitantes – apesar do contraste entre os efeitos negativos, como custos não sustentáveis com reflexos importantes na qualidade de vida de sua comunidade, e os efeitos positivos, dentre os quais a geração de emprego, ampliação de oportunidades de estudo e inclusão na economia do país –, por outro é mister que sua identidade, sua posição geográfica, sua cultura necessitam de um tipo de economia chamada criativa. Esta é, por natureza, transversal, inclusiva, de baixo custo e extremamente agregadora de valor a bens que estão disponíveis aqui mesmo na cidade. O entendimento dessa questão passa pela compreensão de que o fenômeno turístico tem representado para o país uma fonte de riquezas e de desenvolvimento humano e social. São Luís é uma cidade com vocação natural para se tornar um dos maiores pólos criativos do Nordeste, e o Maranhão tem cenários de beleza ímpar. Claro que isto deve mobilizar todos os atores possíveis – sociais e governamentais – e tão somente precisamos nos espelhar em grandes cidades que seguiram essa trilha. No Seminário a que já me referi, diversos estudantes e docentes receberam homenagens pelos relevantes serviços prestados, honraria que também alcançou o trabalho desenvolvido em nossa gestão, o qual tem procurado imprimir a marca da seriedade e do respeito ao trato com a educação pública de qualidade, em suas mais diferentes esferas. De parabéns, portanto, estão todos aqueles que, com seu trabalho árduo e incansável, contribuíram para que o curso alcançasse esta significativa data: professores, alunos, técnicos, pois não ficaram apenas em palavras, mas construíram, com seu abnegado labor, uma obra da qual podem se orgulhar e, sobre isso, já vaticinava o Padre Antônio Vieira: “Para falar ao vento, bastam palavras; para falar ao coração, é preciso obras”.

ENSINO A DISTÂNCIA REVOLUCIONA A EDUCAÇÃO NO MUNDO NATALINO SALGADO FILHO Nesta semana, a Universidade Federal do Maranhão sediou o 18º Congresso Internacional de Educação a Distância (CIAED). O evento, que também faz parte das comemorações do quarto centenário de fundação da cidade de São Luís, foi organizado pela Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), pelo Núcleo de Educação a Distância, da UFMA, e ainda contou com a parceria da Universidade Estadual do Maranhão. Cerca de 1.600 pessoas, entre pesquisadores, professores, estudantes, gestores e representantes de outras áreas afins, estiveram reunidas no encontro para debater o futuro do ensino. Esta é a primeira vez que um evento dessa natureza vem para o Maranhão, desde que o ensino a distância foi implantado no Brasil em 1939, o que demonstra por si só a capacidade da UFMA em realizar grandes eventos, tal como ocorreu com a edição da 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). E o mais importante disso: tivemos a participação de representantes de vários países que utilizam, desde o século XIX, essa modalidade de ensino como parte dos seus processos de desenvolvimento social. A UFMA disponibilizou todo o apoio necessário para que o congresso tivesse êxito. A escolha do tema Histórias Analíticas e Pensamento “Aberto” – Guias para o Futuro da EAD também foi extremamente feliz, pois se propôs, a partir da singeleza do ato de contar histórias, discutir sua utilidade para esse modelo de ensino. Durante três dias de congresso, esse tema foi discutido e analisado em várias línguas, do português de Portugal ao português do Brasil; do espanhol ao inglês; do francês ao mandarim, tendo como base as experiências educativas exitosas dos vários continentes. Histórias do passado, como a instalação, em 1934, por Edgard RoquettePinto, de uma Rádio – Escola, pertencente à Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, dirigida por Anísio Teixeira – ou do presente, como a implantação, em 2005, da Lei de Diretrizes e Bases, cujos princípios assentados são aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser. Sem dúvidas, vivemos numa era em que o futuro está cada vez mais próximo. Os antigos métodos de ensino coexistem, ao mesmo tempo, com inovadoras fórmulas transmissoras de conhecimento, em que a distância e o tempo não são mais fatores a impedir o desenvolvimento pessoal e profissional de milhares de pessoas que podem aprender fora dos moldes do chamado ensino convencional. É de Pierre Lévy, intelectual da área da Ciência da Informação e da Comunicação, a constatação de que a internet é a grande metrópole mundial, que reúne todas as outras, na qual o amplo acesso à informação resulta na democratização do saber e na conseqüente emancipação do ser humano. O sucesso do ensino a distância é inquestionável. Somente no Brasil temos um milhão de estudantes, e na UFMA, 14 mil alunos inscritos em cursos de graduação e pós-graduação que, somados aos alunos do ensino convencional, elevam o total para quase 28 mil inscritos este ano em nossa Universidade. O percentual de inscritos em

EaD no Brasil chega a 15% do total de matrículas ao ano. As avaliações de acompanhamento dos cursos são superiores aos exames feitos nos cursos convencionais. A média de alunos formados por professor de EaD chega a 44 per capita, acima do demonstrado nos demais cursos. Uma verdade incontestável é que um em cada sete alunos de graduação no Brasil estuda na modalidade a distância, de acordo com o Censo da Educação Superior de 2011, realizado pelo Inep. Nesse sentido, a UFMA também tem dado sua grande parcela de contribuição a este desafio através de seu Núcleo de Educação a Distância – NEAD. Além do mais, está conectada a 16 polos UAB e 7 campi no interior do Estado, fato que permite atender a mais de 140 municípios com cursos de graduação, pós-graduação, extensão e aperfeiçoamento. Vale dizer que, apenas em 2006, a nossa Instituição foi credenciada para oferta de Educação Superior na modalidade a distância. No início de nossa primeira gestão, em 2007, assumimos o compromisso de dotar de qualidade e de forma igualitária tanto os cursos presenciais quanto aqueles que – como resultado de um investimento sério e permanente em tecnologia – oferecem um ensino de qualidade aos alunos nos mais distantes rincões de nosso Estado. O historiador, político e advogado francês Edgar Morin, autor do célebre texto “Os sete saberes necessários à educação do futuro”, já preconizava que tudo deve estar integrado para permitir uma mudança de pensamento, para que se transforme a concepção fragmentada e dividida do mundo, que impede a visão total da realidade. As novas tecnologias, ou seja, os Recursos Educacionais Abertos são instrumentos úteis para que não apenas as barreiras físicas sejam transpostas, mas também que novos caminhos sejam oportunizados. Portanto, trata-se de uma nova ótica que aponta para diversas possibilidades que antes eram imperceptíveis. Essa sociedade de rede, termo cunhado por Castells, tem o mérito de expandir o mundo, não só de forma geográfica, mas por meio da informação. São chamadas infovias, pelas quais trafegarão de modo muito mais célere as próximas gerações, que herdarão essas nossas preciosas lições. Nessa perspectiva, o futuro das universidades passa pela capacidade de trabalhar, com qualidade, o ensino, a pesquisa e a extensão, aliando o conhecimento tradicional às mais novas tecnologias da informação e da comunicação. São esses critérios que tornam o ensino a distância uma modalidade cada vez mais utilizada e em franca expansão no mundo, no Brasil e no Maranhão por sua capacidade de se inserir num contexto local e global e, ao mesmo tempo, incluindo a todos, sem distinção de classe social, etnia, etc. Segundo a poetisa Cora Coralina, “...feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”. Assim, em todas as épocas, independentemente da forma de ensino-aprendizagem (presencial, semipresencial, a distância), a essência da educação está no compromisso daqueles que abraçaram a nobre missão do ensino.

VICTOR LOBATO, O REVOLUCIONÁRIO ÁLVARO URUBATAN MELO Membro da Academia Sambentuense e sócio efetivo do IHGM.

Dizem os entendidos, certamente, com relevo entre eles, o amigo e professor Sebastião Jorge, bicatedrático da matéria, que, deveras, nosso conterrâneo Victor (Abrilino) Lobato com o lançamento de seu jornal “A Pacotilha”, foi o marco inicial renovador da imprensa escrita do Maranhão, no último quartel do século XIX. Depois de ele colaborar com o Diário da Manhã, consagrar-se ao fundar em 1876 o “Jornal para Todos”, de publicação quinzenal, às vezes estampava desenhos litográficos. Inconstante, em busca de seus sonhos criou a “Flexa”, em 1879, em igual estilo. As mínimas alterações neles implantadas não o acomodaram. Ansiavam com um jornal diferente, que rompesse aquela mesmice. Que fosse impactante, não tão sérios e muitos graves, igual a dois ou três da época. Apaixonado pela arte de jornalizar, com clarividência genial colimou seu desiderato e partiu para lançar uma gazeta moderna, audaz, sem o comodismo das similares, convidou os antigos companheiros de oficinas, Agripino,George Gromwel, Pedro Freire. Foi contra aquela imprensa, que caracterizava todo um mundo de preconceitos, que Victor Lobato se insurgiu, atirando à rua em 9 de abril de 1880 a “Pacotilha”, que os moleques apregoavam por todos os cantos da cidade. Era a primeira vez que isso se fazia. Vendidos a preços módicos de quarenta réis, “com títulos que desfechavam fortes machadas nos prejuízos e a soltar expansivas gargalhadas à cara dos Rouons. Aliado a rápida popularidade obtida, pelo grito audível e repetitivo de “jornaleiros”, de Pacotilha, assumiu uma linha corajosa no combate ao clericalismo; em defesa do abolicionismo, com artigos talentosos de Ignotus, o laureado Joaquim Serra. Recusava-se noticiar pretos fugidos, o que raras vezes aconteceu. Na parte de crônicas e artigos, contou com a participação do grande Aluísio de Azevedo, de quem cunhado, por haver esposado a senhora Camila Azevedo Lobato. Por questões financeiras desfez-se do jornal e mudou-se para terra natal, na qual montou uma indústria. Convicto republicano que foi, de lá retornou eleito deputado estadual para o primeiro Congresso Republicano, em 11 de maio de 1891, mandato esse encerrado por dissolução do contragolpe do marechal Floriano Peixoto. Nosso homenageado nasceu em São Bento, terras de seus descendentes, no ano de 1854 e faleceu em São Luís, a 11 de março de 1893. Filho de Ataualpa Franklin Lobato. Em preito a esse ilustre são-bentuense, transcrevo trechos do professor Jerônimo Viveiros, livro Benedito Leite – um verdadeiro republicano, páginas 60/62. “Mas, quem era Vitor Lobato? Ainda não publicaram a biografia. “Nasceu jornalista: ninguém lhe ensinou a sê-lo. A este destino não pôde fugir. Por isso empregado público classificado na Secretaria do Governo, ele foi elemento de

destaque entre os moços que faziam o “Jornal para Todos” e a “Flexa”. Mas esta atividade jornalística não lhe bastava ao espírito. Em 1880, exonerou-se do cargo público e entregou-se de corpo e alma à imprensa, criando a “Pacotilha”. Por esse tempo, nossa imprensa compunha-se de dois ou três jornais que faziam a opinião pública - jornais muito sérios e muito graves. Vitor criou a gazeta moderna, barata a 40 réis por exemplar – jornal leve, prazenteiro, a desfechar fortes machadas nos prejuízos e a soltar expansivas gargalhadas à cara dos Rougons. A mudança foi radical. Em torno desse homem franzino estabeleceu-se uma guerra sem trégua, uma campanha de injúrias e de intrigas. Uns ridicularizam-lhe a pequena estatura: “ O moço é tão pequerrucho / Quem olhá-lo de repente. / Se não puser uma lente, / Julga ver um cartucho”. Outros salientavam-lhe o atrevimento da linguagem: “A esse menino, / Ninguém sobrepuja,/ E pena que tenha, / A língua tão suja. “Em casa da Pacota / Que escritório se chama/ Não se escreve com tinta / Lá só se usa a lama”. “Tudo é silêncio na terra, / Em volta de seu redator, / Só Lobatini é quem berra / Feito mocho berrador”. Seu amigo Pedro Freire assim o definiu: “morreu pobre, com a mesma serenidade de espírito que manteve em todas as batalhas que enfrentou, sempre afrontando adversidades. Morreu com a tranquilidade de uma consciência impoluta. Victor foi um emancipado. Tinha uma inteligência lúcida e um coração bondoso. Viveu para lutar com o destino e para amar a família.”

O MULTICULTURALISMO E A ESCOLA

CLENIA DE JESUS PEREIRA DOS SANTOS RESUMO O objetivo deste trabalho é discutir sobre a temática da diversidade cultural no processo educativo. Refletir em torno do mito da democracia racial, cultural, racialismo, etnia, identidade ética e multiculturalismo. Pontua-se ainda a presença de diferentes experiências socioculturais no Brasil, contribuindo para o repensar da prática pedagógica do professor e a formação do aluno enquanto sujeito das suas ações. Palavras-chave: Cultura, identidade ética, diversidade cultural, educação e cidadania. ABSTRACT The objective of this work is to discuss on the theme of the cultural diversity in the educational process. It is to contemplate around the myth of the democracy racial, cultural, racialism, ethnic, ethical identity and multiculturalism. It is still punctuated the presence of different sociocultural experiences in Brazil, contributing to rethinking of the teacher's pedagogic practice and the student's formation while subject of their actions. Keywords: Culture, ethical identity, cultural diversity, education and citizenship.

INTRODUÇÃO O objetivo deste trabalho é pontuar as características das lutas de diferentes grupos sociais em favor do reconhecimento de suas diferenças culturais. Abordará o conceito de multiculturalismo, fazendo uma ponte dessa temática com o papel que a escola vem desempenhando no seu bojo para incluir esse fenômeno no seu currículo Pretende-se ainda identificar as múltiplas maneiras de perceber a diferença cultural entre os seres humanos, no período que corresponde aos séculos XVII e XIX, nas sociedades ocidentais, e sua relação com a constituição da cidadania como um direito, apontando as implicações e os limites dessa concepção. Pontuaremos também os diversos significados do respeito à diferença no cotidiano escolar, distinguindo a diferença entre tolerância com o “outro” e exercício da cidadania cultural no espaço escolar. Para finalizar, será feita uma reflexão, quando ousaremos perspectivar um cenário de futuro para a escola frente o multiculturalismo. Atualmente, vários movimentos sociais no Brasil e no mundo têm questionado a visão homogeneizada na sociedade e reivindicam uma política de reconhecimento, tanto de suas diferenças, de suas múltiplas identidades, como de suas desvantagens e desigualdades sociais, oriundas da discriminação social de gênero, de raça, de opção sexual e de origem regional. As ações dessas diferentes instituições são cognominadas multiculturalismo. Nesse sentido, é obrigação dos Estados democráticos contribuírem para que os grupos que se encontrem em desvantagem possam conservar as suas culturas contra as interferências das culturas majoritárias ou de massa. A política voltada para o reconhecimento da diferença exige que as instituições públicas não passem por cima das particularidades. Afinal, existe um leque muito largo de opções para viver a vida em sociedade. E o mais interessante é quando “apreendemos” e compreendemos o outro, ocasião em que podemos perceber com nitidez o que somos e os valores que norteiam nossas vidas.

Esse movimento de reconhecimento e valorização das especificidades culturais do outro tem sido um postulado desafiador para a escola por alguns indicadores, que convém refletir para que possamos perceber e entender atitudes exclusivas por parte desta instituição, quando na verdade tem como função primordial respeitar as diferenças, haja vista, ser um palco onde desfila a democracia e, principalmente, pelo seu principal objetivo: proporcionar o aprendizado do aluno, considerando o ritmo individual de cada um. Neste sentido, pretendemos neste diálogo, construir um entendimento de cultura à luz dos estudiosos desse tema para, a partir de então, refletir a atenção que temos disponibilizado sobre esse entendimento dentro da escola. Seria na verdade a desconstrução do conceito de cultura e outro olhar para essa concepção. Larraia (2005) no seu livro Cultura: um conceito antropológico apresenta alguns fatores que promoveriam a homogeneização da cultura, aborda o determinismo biológico, o geográfico, mas conclui dizendo que não é o suficiente para manter uma cultura de um povo igual ao outro e ratifica dizendo: As diferenças existentes entre os homens, portanto, não podem ser explicadas em termos das limitações que lhes são impostas pelo seu aparato biológico ou pelo seu meio ambiente. A grande qualidade da espécie humana foi a de romper com suas próprias limitações: um animal frágil provido de insignificante força física dominou toda a natureza e se transformou no mais terrível dos predadores. Sem asas, dominou os ares; sem guelras ou membranas próprias, conquistou os mares. Tudo isto por que difere dos outros animais por ser o único que possui cultura (LARRAIA, 2005, p. 24). Mas afinal o que é a cultura? Este é o ponto no qual vamos nos deter neste momento a fim de encaminhar um foco, uma possível resposta ou, quem sabe, provocar dúvidas e incertezas sobre o assunto. Larraia (2005), depois de ter elencado vários conceitos de cultura, arrisca mais um e diz que: O homem ao adquirir cultura, perdeu a propriedade animal, geneticamente determinada de repetir os atos de seus antepassados, sem a necessidade de copiá–los ou de submeter a um processo de aprendizado. Logo tudo que o homem faz, aprendeu com os seus semelhantes e não decorre de imposições originadas fora da cultura. Portanto, cultura é um conjunto de artefatos imprescindíveis para a existência humana, isto é, para definir cultura, significa compreender a própria natureza humana, tema perene da incansável reflexão humana (LARRAIA, 2005, p. 42). Referenciando Murdock (1932), “os antropólogos sabem de fato o que é cultura, mas divergem na maneira de exteriorizar este conhecimento” (p. 63). Toda esta discussão é para nos remeter a uma reflexão: Por que descortinar essa concepção de que somos todos iguais? O que tem de fato nos atraído no cenário atual que embala essa discussão acerca do multiculturalismo? Parece que tudo leva a crer que este embate permeia e se intensifica nas últimas décadas, devido aos efeitos da “globalização”, isto é, a integração mundial das economias, dos meios de comunicação de massa e das políticas governamentais. Neste mundo globalizado, uma antiga concepção de nação, vista como culturalmente homogênea, uma só língua, uma só raça, uma só história, uma só cultura, etc., deixou de fazer sentido.

No meio desse debate, está também uma visão de cidadania, formada a partir de dois movimentos históricos, políticos e culturais importantes: o Iluminismo e a Revolução Francesa, os quais lançam uma série de ideias fundamentais e que estão presentes no nosso cotidiano. Uma delas é a de que todo ser humano é um indivíduo naturalmente livre e igual a todos os outros. Entretanto, compete à escola e aos educadores, em especial, fazerem indagações do tipo: será que essas noções que influenciam o nosso modo de vida são adequadas? São capazes de satisfazer os desejos de homens e mulheres de diferentes regiões do planeta? Será que essa noção de cidadania, de que somos todos livres, todos iguais, é suficiente para fundamentar nossa prática pedagógica? Seremos mesmo todos iguais? O que podemos dizer de antemão é que essa concepção tem tomado outro rumo, graças às inquietações e conflito de movimentos diversos que têm surgido e se alastrado pelo mundo inteiro. O que tem nos mostrado tais conflitos, é que por todo o planeta, povos, maiorias e/ou minorias, têm exigido o reconhecimento de suas especificidades culturais e de suas desigualdades sociais, o que exige das instituições políticas, que levem em conta os múltiplos modos de ser e de estar no mundo, que caracterizam essas populações. Como alternativa de luta em favor de suas especificidades culturais, diferentes instituições vêm procurando desenvolver ações conhecidas por “multiculturalismo”. Destarte, convém refletir: Mas afinal, o que é multiculturalismo? Trata–se de uma série de ações institucionais, desenvolvidas na sociedade civil e nos diversos níveis de poder da República; ações voltadas para a compreensão do problema das diferenças e para a elaboração de projetos capazes de fazer frente aos mecanismos que permitam a reprodução das desigualdades. É um termo típico do contexto globalizado e se constitui em um dos mecanismos para lutar contra toda forma de intolerância e em favor de políticas públicas capazes de garantir os direitos civis básico de todos. Sob uma perspectiva multiculturalista, os Estados democráticos têm obrigação de contribuir para que os grupos que se encontrem em desvantagem, os chamados grupos minoritários, possam conservar as suas culturas contra as interferências das culturas majoritárias. Dessa forma, uma política voltada para o reconhecimento da diferença exige que as instituições públicas não passem por cima das particularidades. Afinal, existem muitas maneiras de viver a vida em uma sociedade. A título de ilustração, tomemos como exemplo a pesquisa de um professor em escola pública de Minas Gerais, publicada num caderno pedagógico da Universidade Estadual de Santa Catarina (2002), sobre discriminação racial. Ao perguntar ao corpo docente sobre a presença de desigualdades e da prática de exclusão, ouviu de seus interlocutores quase sempre a mesma resposta: “Nesta escola, não existe racismo, tratamos todos os alunos como iguais”. Isto nos remete a uma reflexão imensa, a ponto de questionarmos: Será que a questão é tratarmos todos os alunos iguais? Um depoimento do professor Roque de Barro Laraia (2005) enriquece a discussão quando afirma: “Os africanos removidos violentamente de seu continente e transportados como escravos para uma terra estranha e habitada por pessoas de fenotipia, costumes e línguas diferentes, perdiam toda a motivação de continuar vivos” (LARRAIA, 2005, p. 75). Ainda refletindo, ele continua dizendo: a apatia dizimou parte da população kaingang de Pão Paulo, quando teve seu território invadido pelos construtores da estrada de ferro de noroeste. ao perceberem que os seus recursos tecnológicos e mesmo os seus seres sobrenaturais eram imponentes diante do poder da sociedade branca, estes índios

perderam a crença em, sua sociedade. Muitos abandonaram a tribo; outros, simplesmente, esperaram pela morte que não tardou. (LARRAIA, 2005, p. 75 –76). O que pretendemos com este depoimento é fazer uma analogia com a pesquisa supracitada. Neste momento, cabe uma série de indagações, como por exemplo: Será que a postura da escola e de seus atores em conceber os alunos como classe homogênea, não tem provocado mortes, falta de iniciativa, dificuldade em se expressar, tolhimento pelo fato de serem considerados iguais, quando na verdade somos excepcionalmente diferentes, até mesmo no bojo familiar, que é uma instituição mais estreita? Acreditamos plenamente que sim, partindo do pressuposto que pesquisas têm comprovado que o aluno, ao adentrar a escola, não é uma tabula rasa, não é um sujeito desprovido de conhecimento. E a nossa preocupação é exatamente com o cenário da escola diante desse contexto, ou seja, procurar entender como essa instituição tem desenvolvido suas ações, perspectivando lidar com a diversidade cultural e, a partir desse entendimento, perceber a importância que tem essa concepção na construção do conhecimento por parte do aluno. Como a escola tem respondido às demandas pelo reconhecimento do direito à diferença? Como construir um currículo sob uma perspectiva multicultural? A imaginação que temos acerca dessa discussão é que a exigência de respeito à pluralidade cultural significa, antes de tudo, o desenvolvimento de ações específicas voltadas, no caso brasileiro, para a incorporação dos grupos “minoritários” - nativos americanos e afro-descendentes. Não por acaso, existem ainda os que defendem a ampliação do campo de preocupação, principalmente na região sul do Brasil, para a inclusão do estudo dos povos germânicos, italianos e demais migrantes europeus. O problema desse tipo de posição é que entendemos o respeito à diversidade como mera somatória, ao currículo tradicional, de uma série de assuntos que dizem respeito aos “outros”. Dessa maneira, não temos colocado em questão este “nós” oculto, que tem norteado as práticas escolares cotidianamente. Cria direta dos ideais iluministas, a escola se vê como instrumento civilizador. Logo, considera tarefa sua transferir aos alunos uma série de conhecimentos considerados universais. O problema é que sobre a capa do universalismo, a escola toma o modo de vida das elites européias e as transforma em modelo civilizatório válido para todos os grupos humanos, como se fôssemos todos noruegueses. Dessa forma, uma política de reconhecimento da diferenças não pode se limitar à política de classificação, controle e fiscalização de referências culturais. Uma política de tolerância e conservação deve constituir-se em esforço de satisfação de demandas sociais e políticas, que mobilizam os indivíduos nos termos de uma identidade ética. Portanto, em uma política multicultural, em especial no campo da educação, não se trata apenas de reconhecer o “outro”, mas, igualmente, de desbancar a pretensão etnocêntrica das culturas das elites brancas brasileiras, de constituir uma referência normativa, a partir da qual todos os outros valores culturais possam ser julgados. Assim sendo, não basta introduzir conteúdos afro-brasileiros nas disciplinas curriculares, ou mesmo pensar numa educação bilíngüe para as crianças nativas americanas. É preciso colocar em questão a totalidade do currículo e das práticas cotidianas que constituem a escola como um espaço fundamentalmente de formação do

indivíduo. É preciso questionar as ideologias nacionalistas, racionalistas e profundamente assimilacionistas, centradas no “mito de democracia racial”. Práticas escolares comprometidas com a constituição da identidade; uma “mesmidade” nacional, que atuaria no sentido de minimizar diferenças e ressaltar aqueles fragmentos que, aparentemente, dão um sentido coerente. EXCLUSÃO E EDUCAÇÃO O que nos move a incluir esta discussão neste trabalho, passa pela necessidade de refletir o papel da escola frente a esta realidade tão presente, que é a exclusão. Portanto, discorrer sobre multiculturalismo, inclui, de certo modo, o processo de exclusão ou inclusão, dependendo do ângulo que a escola assuma enquanto espaço vivo dos problemas sociais. Após toda essa reflexão sobre multiculturalismo e sobre como ele está presente na escola e, a partir da escola, como está presente na relação com a sociedade, vamos procurar analisar como podemos pensar o espaço escolar e a sala de aula como lugares que possam pontuar estratégias para superação, esse olhar unilateral, isto é, esta lente única por onde a escola vê os seus alunos. A sensibilidade para esse olhar perpassa por vários fatores no que diz respeito à formação do professor. Para enriquecer os argumentos supramencionados, convém referenciar André Marli no seu livro Etnografia da Prática Escolar (2004), quando ela lança um depoimento sobre a formação de professor dizendo: [...] resultados de estudos indicam que há pelo menos três determinantes fundamentais que afetam o processo de construção de competência docente. De um lado coloca-se o ambiente/ familiar/cultural em que o professor cresceu e se desenvolveu, isto é, valores, hábitos, crenças, costumes adquiridos, sexo, a classe social a que pertence, os modelos com que foi exposto. Por outro lado, se mostra muito relevante o processo de escolarização pelo qual passou quando se deu a formação, em que tipo de instituição ela teve lugar, quem foram seus professores. Tem ainda um peso bastante grande na competência construída o ambiente de trabalho em que o professor desenvolveu sua prática docente, os papéis e funções desempenhados e os desafios enfrentados. (ANDRÉ, 2004, p. 90). Desse modo, acredita-se que cada indivíduo caracteriza-se pelo que lhe é peculiar, isto é, por uma identidade pessoal/social, uma marca que os distingue dos outros indivíduos e que o leva a buscar certos objetivos. Isto nos remete a um entendimento de que essa identidade muda, amplia-se, transforma-se em decorrência do momento, da cultura e de todo o ambiente social, político, religioso e econômico que o rodeia. Esse contexto que o cerca, apresenta dados que concorrem ou se opõem à consecução de seus objetivos. Nesse sentido, cabe à escola essa responsabilidade na otimização dessa formação, no sentido de repensar as formas com que vem implementando essa política, a fim de fazer as correções e reformulações necessárias. Mota (2002), analisando exclusão social, argumenta que este termo aparece 39 vezes, no ano de 1994, nos arquivos do jornal Folha de São Paulo, enquanto que em 2001 este número sobe para 171 citações. A tese levantada pelo autor denuncia a inadequação da abordagem do tema exclusão. Para ele, não existem excluídos no Brasil.

Aqui, todos somos incluídos que fazemos girar a máquina da reprodução das desigualdades. O jornalista argumenta que, na Índia, onde existe o Sistema de Castas e os Panas, pode até haver exclusão social, mas no Brasil não. Exemplifica que o catador de latinhas de alumínio, que trabalha arduamente para obter dois ou três reais por dia, não está excluído e que o seu trabalho permite ganhos mais substanciais ao atravessador (comprador de latinhas). Mota diz ainda que raramente as pessoas que detêm o poder da palavra reconhecem como meio legítimo as palavras e cidadania desses cidadãos como produtores de suas histórias. Ele destaca a necessidade da construção de narrativas que reconheçam que não há no Brasil dois mundos separados. Carmem Lúcia Guimarães de Matos no seu artigo Exclusão, uma meta categoria nos estudos sobre educação, afirma que de fato existem inúmeras dificuldades para se identificar quem é o excluído, quantos são no Brasil, se eles pertencem a um grupo específico, ou até se eles têm existência de modo isolado no sistema social brasileiro. Dados estatísticos da última década, analisados pelo PNAD do IBGE, revelam números que retratam, entre outros, a desigualdade e a exclusão. Em destaque, pontuaremos informações relacionadas à educação e que podem nos ajudar a entender melhor esse quadro. No que se refere ao analfabetismo funcional entre jovens, o PNAD declara que, no período de 1992 a 1999, são alarmantes as proporções de analfabetos funcionais existentes em todas as regiões do país (PNAD 200). Na região sudeste, a taxa é de 22,3%. Os atuais níveis de escolaridade são baixos. A média de anos de estudos da população economicamente ativa (PEA) era de apenas 6.3 anos. Os dados evidenciam ainda que o perfil educacional da PEA feminina é melhor que a da PEA masculina, independente do local de residência. Enquanto as mulheres, em média, de 6,8 anos de estudos, entre os homens essa média é 5,9 anos. No que concerne ao grupo etário, de 18 e 19 anos. A escolarização atingia em 1999 pouco mais da metade desse contingente populacional (51,9%). Considerando que parte desses alunos freqüenta, ainda, o supletivo do ensino fundamental ou as séries iniciais do ensino médio, significa dizer que a parcela de jovens no ensino superior ainda é bastante reduzida. Outras informações que convém pontuar é com relação aos negros, onde o analfabetismo é mais expressivo, (35%), do que entre os pardos (28,4%) e os brancos (21,3%). Também no Sudoeste, onde são encontradas as menores taxas de analfabetismos do Brasil, os negros (14,4% e os pardos (11,4%) também apresentam uma taxa bastante superior à dos brancos (5,6%). Estes dados foram analisados para fortalecer a nossa discussão diante dos excluídos que, se juntos àqueles que conseguem um registro na escola e sutilmente desaparecem, sem dizer que estão se afastando, podemos deduzir o grande índice de pessoas marginalizadas do processo escolar. Os desafios que a escola enfrenta no que se refere à inclusão de conteúdos de diversas etnias. Convive hoje no território brasileiro, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998) cerca de 210 etnias indígenas, cada uma com identidade própria, representando riquíssima diversidade sociocultural junto a uma imensa população, formada pelos

descendentes dos povos africanos e um grupo numeroso de imigrantes descendentes de povos de vários continentes, com diferentes tradições culturais e religiosas. A dificuldade para categorizar os grupos que vieram para o Brasil e formaram sua população é indicativo da diversidade, seja o recorte continental ou regional, nacional, religioso, cultural, lingüístico, racial/étnico. A diversidade marca a vida social brasileira. Diferentes características regionais e manifestações de cosmologia ordenam de maneiras diferenciadas a apreensão do mundo, a organização social nos grupos e regiões, os modos de relação com a natureza, a vivência do sagrado e sua relação com o profano. O campo e a cidade propiciam às suas populações vivências e respostas culturais diversas, que implicam ritmos de vida, ensinamentos de valores e formas de solidariedade distintas. Os processos migratórios, por exemplo, colocam em contato grupos sociais com diferenças de fala, de costumes, de valores, de projeto de vida. Freqüentemente, o que temos percebido por parte da escola é que esse processo complexo, presente na vida brasileira e, conseqüentemente, na vida do aluno, é ignorado e/ou descaracterizado. No âmbito escolar, onde a diversidade está presente diretamente naqueles que constituem a comunidade, essa presença tem sido ignorada, silenciada ou minimizada. São múltiplas as origens da omissão com relação à pluralidade cultural. O nacionalismo exacerbado dos períodos autoritários, em diversos momentos da história, valeu-se da ação homogeneizadora veiculada na escola. Na década de 30, quando a política oficial buscou “assimilar” a população imigrada de diferentes origens, documentos de autoridades educacionais explicitavam grande preocupação com a nacionalização do imigrante, implicando a marginalização do negro e a culturação do índio. As ações oficiais buscavam interpretar o Brasil na perspectiva da homogeneidade cultural e do “mito da democracia racial brasileira”. Essas interpretações conduziram a atitudes de dissimilação do quadro de fato existente: um racismo difuso, porém efetivo, com repercussões diretas na vida cotidiana da população discriminada. A ideia veiculada na escola, de um Brasil sem diferenças, formado originalmente pelas três raças – índio, o branco e o negro – que se dissolveram, dando origem ao brasileiro, também tem sido difundida nos livros didáticos, neutralizando, de certo modo, as diferenças culturais e, às vezes, subordinando uma cultura à outra. Divulgouse, então, uma concepção de cultura uniforme, depreciando as diversas contribuições que compuseram e compõem a identidade nacional. Outro ponto que convém ser ressaltar é que a perspectiva de um Brasil “de braços abertos” compôs–se no mito da democracia racial. Desse modo, na sociedade em geral, discriminações praticadas com base em diferenças ficam ocultas sob o manto de uma igualdade que não se efetiva, empurrando para uma zona de sombra a vivência do sofrimento e exclusão. A escola, por seu turno, sofreu influências profundas da história da educação no Brasil, consolidando mentalidades e atitudes que, na maioria das vezes, não são percebíveis pelo educador no seu cotidiano. As discriminações entre alunos, professores, funcionários e administrativos são manifestadas com freqüência. O desrespeito ao aluno, numa situação direta de sala de aula, tornou-se uma atitude corriqueira, criando expectativas preconceituosas em relação ao seu desempenho. É bastante natural a expectativa de desempenho baixo em relação ao aluno proveniente das camadas economicamente menos favorecidas e/ou de grupos étnicos

socialmente discriminados. A situação de pobreza, manifestada na favelização das áreas urbanas, na precariedade da zona rural ou na dificuldade de adaptação do filho do migrante, tem sido, lamentavelmente, um estigma para muitas crianças e adolescentes na escola. Algumas tendências pedagógicas contribuíram para acentuar atitudes equivocadas por parte da escola e dos educadores. Teorias que afirmam a carência cultural, ainda que sujeitadas atualmente, mas presente e bastante vivas no cenário atual onde deixaram marcas profundas no fazer pedagógico, justificando o fracasso escolar de responsabilidade única do aluno. O fato é que a escola ainda se encontra contagiada, cultural e historicamente, por teorias que deslocam a responsabilidade da escola para o aluno, além do currículo precário na formação dos docentes. Entre outras medidas estruturais, o estabelecimento de condições que revertem esse processo, inclui, necessariamente, o reconhecimento e a valorização de características específicas e singulares de regiões, etnias, escolas, professores, e alunos. O REDIMENSIONAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA FRENTE AO DESAFIO DE TRABALHAR COM UM CURRÍCULO QUE CONTEMPLE O MULTICULTURALISMO. Tematizar esse conteúdo nos remete à análise de vários paradigmas experienciados pela escola. Para a escola compreender o fenômeno do multiculturalismo, isto é, entendê-lo e assumi-lo como movimento emancipatório e ou política de reconhecimento, de identidade de diferença cultural e de direitos é imprescindível que todos os agentes que direta ou indiretamente compõem o conjunto de sujeitos envolvidos no processo educacional do aprendente, estejam mobilizados por uma visão ética do fenômeno educacional. Daí a necessidade de mencionarmos os paradigmas educacionais, para que possamos perceber a contribuição de cada sujeito e a importância da escola enquanto palco desta cena. Em se tratando do contexto brasileiro, desde o período colonial até os dias atuais, as políticas que se instalaram na nossa cultura, todas são oriundas de certo modo de uma gestão autoritária, seletiva e exclusiva e que as implicações no meio escolar são bem plausíveis. Esses efeitos são refletidos no grande índice de analfabetos no país. De acordo com as pesquisas do censo, o Brasil ocupa o quinto lugar entre os países com maior número de analfabetos. A distribuição da população analfabeta pelas regiões do país também se apresenta de maneira desigual, enquanto 10% se localiza em São Paulo, 40% está no Piauí por exemplo. O Relatório do desenvolvimento humano no Brasil aponta para dados que demonstram também o caráter racial das desigualdades, pois, em termos de educação no Brasil, o percentual de negros e pardos é de 35% dos negros e 33% respectivamente, contra apenas 15% dos brancos. Esta é uma realidade que convém mencionar, por que dentro deste cenário, nos deparamos com um público que corresponde a 68% da população que se quer saber ler e escrever e se considerarmos analfabeto funcional que ler escreve, mas não compreende o que ler, esse universo se alarga muito mais. A sala de aula está repleta com uma variedade de culturas, etnias e grupos. Precisamos estar atentos a essas questões de natureza discriminatória, principalmente aquelas remetidas às minorias raciais, às mulheres, aos indígenas etc. É preciso perceber

seus desafios contextuais e a forma como tais desafios podem ser trabalhados na escola, no sentido de que os alunos possam aprender a respeitar as diferenças. Precisamos estar atentos, procurando reconhecer e incorporar, no espaço de sala de aula, a diversidade ética e cultural que caracteriza suas sociedades e todas as implicações advindas daí. Primeiramente, temos de partir da ideia de que nem uma forma de discriminação ocorre no vácuo. Ao contrário, elas sempre estão entrelaçadas a outras formas de discriminação, bem como à maneira pela qual uma sociedade se organiza. A discriminação, desse modo, apresenta-se sob as mais variadas formas, desde a intolerância manifestada em seu mais alto grau através de atos de violência, até as práticas mais sutis, de forma moral e social, que podem se dar através das brincadeiras ou do isolamento do individuo na sociedade. A marginalização é uma das maneiras de excluir os indivíduos ou os grandes contingentes populacionais do processo de tomada de decisões a respeito de sua própria vida e da vida do país. A participação dessa maneira é dificultada por uma série de obstáculos culturais, matérias e políticos. Todos sabem que a maioria das constituições dos países da América Latina garante formalmente que nenhum individuo venha a sofrer discriminação por questões da raça, etnia, origem, cultura, religião ou gênero. Ao mesmo tempo, elas também garantem os direitos humanos fundamentais a essas pessoas. Temos percebido também que os direitos humanos das minorias, tanto como indivíduos quanto como coletividade, são freqüentemente violados na prática, já que esses princípios constitucionais têm se mostrado a essas populações, relativamente ausentes. As conseqüências da discriminação sexual no mundo, por exemplo, são enormes e devastadoras, não só para as mulheres como também para a sociedade. A discriminação contra as mulheres deixa metade da população sem educação apropriada; o fracasso na educação das mulheres, por sua vez, leva-as a gerarem mais filhos, e o fazem cada vez mais cedo; esse tipo de violência tornou-se um problema nacional de saúde, afetando, inclusive as crianças. Geralmente, a discriminação de gênero é profundamente associada a outras formas de discriminação, tais como etnicidade, raça, orientação sexual, classe social ou status econômico. Para superar o problema de não inclusão social dos privilegiados, é importante que levemos em consideração o aspecto relacional da discriminação. A discriminação racial tem trazido também conseqüências sérias à sociedade, pelo fato de ser uma das mais evidentes expressões de acesso desigual como democracias liberais, entretanto, a igualdade de todos perante a lei é regularmente desafiada pela desigual distribuição de poder. No Brasil, por exemplo, negros e mulatos sofrem problemas sérios de preconceitos e de discriminação nas relações sociais, principalmente no lugar de trabalho e na relação com a polícia. É comum a sociedade aceitar o negro em algumas áreas que “não causaria problemas” como bares, festas, igrejas e futebol, sendo aceitável que aí eles obtenham prestígio. Já nos espaços em que o preconceito e a discriminação se manifestam claramente, como os ligados ao mercado de trabalho, ao contato com a polícia e ao mercado de casamento, “negro não entra”. Neste sentido, vêm sendo buscadas alternativas e meios de superar a discriminação. As primeiras tentativas estão intimamente ligadas à transição democrática, em cujo contexto tais tentativas remetem para a equalização do conteúdo e da aplicação das leis na população, sem levar em conta raça, gênero ou situação

econômica. Apesar dos avanços positivos alcançados a partir do estabelecimento da democracia na América Latina, ainda estamos distantes de termos assegurado liberdade e justiça para todos. Por isso mesmo, movimentos da sociedade civil, ligadas às minorias, têm surgido com o objetivo de construir pacificamente sociedades multiétnicas e prosperar na diversidade, evitando conflitos interétnicos e guerras como as que temos visto ocorrer no Ocidente médio, por exemplo, entre os israelenses e os palestinos. Brasil e Estados Unidos e, mais recentemente, países europeus e a Índia enfrentaram, de diferentes modos, o problema do racismo e de outras formas de intolerância. Na década de 1960, as instituições estatais estadunidenses, sob pressão dos movimentos de direitos civis, contestavam a sociedade estritamente segregada do ponto de vista racial. Os negros, nessa época, eram proibidos de freqüentar instalações públicas; estavam à margem da educação e do emprego, não tinham direito ao voto e a muitos outros direitos da vida social. Constituíram uma política de ação afirmativa, ou seja, uma série de ações voltadas para a proteção de grupos em desvantagem social. Uma das conseqüências dessa luta foi a decretação da lei de Direitos Civis de 1964, que abordava, entre outras várias formas de discriminação, o artigo VII, relativo ao emprego. Os exemplos supracitados enfatizam o quanto a discriminação está presente e, por que não dizer, enraizada na sociedade como um todo, isto é, como sistema macro. Portanto, os reflexos dentro da escola são, de certo modo, influenciados pelo meio, uma vez que seus agentes são também membros do meio social e mantêm relação com outro publico. Contudo, as ações, a concepção de mundo, de formação enquanto ser influencia também a escola enquanto microssocidade educativa. A proposta que faremos aqui, enquanto cidadã que vivencia a realidade da escola pública, é a de uma mudança de postura dos atores que materializam as ações no âmbito escola. Para tanto, é necessário perceber a escola comprometida com esse tempo de mudança. Para isto, necessita se empenhar na promoção do desenvolvimento humano, que é uma necessidade em nossos dias.Isso implica em uma total revisão do seu papel e seu sentido na sociedade, o que remete a pensar sobre a tarefa do professor. Antonio Nóvoa disse certa vez que nós “precisamos reconhecer, com humildade, que há muitos dilemas para as quais as respostas do passado já não servem e as do presente ainda não existem”. Para mim, ser professor no século XXI é reinventar um sentido para a escola, tanto, do ponto de vista ético quanto cultural. (NÓVOA apud FERRAZ, 2002, p. 185). Construir nosso pensar a partir dos novos paradigmas da educação pode ser um bom começo para elaborarmos coletivamente este novo sentido para a escola, como nos diz Nóvoa. Isto quer dizer que a escola também precisa repensar a sua função institucional e social, levando em conta os aspectos éticos políticos e culturais, científicos e tecnológicos, mediante estruturação a partir desses novos paradigmas. Portanto, é preciso conceber como o aluno aprende, como o conhecimento se constrói, assumir o aluno como agente de seu aprendizado, compreender que o conhecimento é dinâmico, é mutante. Outro ponto interessante é com relação à concepção do conhecimento, no sentido de que é contextual, ancorado na realidade. A aprendizagem é significativa, duradoura. As disciplinas precisam ser desenvolvidas de modo interdisciplinar e transversal. O objetivo da educação é o desenvolvimento de habilidades e competência inteligências, atitudes e valores. É preciso também tratar os conteúdos como maior para o

desenvolvimento de habilidade. A fonte de informação são os Livros, CDs, DVDs, revistas jornais, internet, televisão e rádio não somente o professor. Este, por seu turno, é o mediador entre o aluno/conhecimento/realidade. Portanto, deve ser um especialista no processo de aprendizagem. Portanto, a escola precisa pensar um novo currículo e também um projeto, um plano global, isto é a sistematização de um planejamento participativo. Desse modo, teremos definido o tipo de ação educativa que se quer realizar. E é claro que dentro deste panorama, é visto como uma ferramenta ou instrumento que serve para organizar e integrar a ação, a prática da instituição escolar. O PPP é uma travessia para a conquista da autonomia da escola, o que lhe garante espaço enquanto instituição cidadã, pois, como se sabe, não são as medidas políticas institucionais ou teorias, que mudam a prática pedagógica. As propostas pedagógicas impostas envelhecem com certa rapidez porque não são frutos do coletivo. É neste sentido que a política pública em educação necessita ser (re)pensada. Sônia Kramer (2002) diz que a política pública, ao propor parâmetros, acaba por determinar o modelo, o método ou grade curricular. “É preciso propor caminhos, levantando perguntas e gerando perguntas, experimentado caminhos, em vez de pretender trazer saídas prontas e adoradas [...]”. E complementa: “Se é função de uma política pública indicar diretrizes, ela precisa garantir condições de implementá-la, assumindo que não há uma única saída pretensamente melhor, mas múltiplas alternativas possíveis.” (KRAMER, 2002, p.70). Na perspectiva discutida anteriormente, pensar um novo currículo é um desafio e também um projeto. Se pretendermos contribuir para a construção de uma sociedade em bases democráticas, onde a justiça social seja um bem de todos e de maneira igualitária, a construção de um currículo deve, necessariamente, contemplar a participação efetiva de toda a coletividade. Assim sendo, podemos pensar uma proposta curricular que leve em conta “as contradições e as especificidades da realidade brasileira, de cada região, estado ou município, zona urbana ou rural”. (KRAMER, 2002, p. 71). Como fazer isso em meio a uma diversidade tão grande? Aqui reside o desafio. Nenhum de nós tem as respostas, até porque ela está sendo construída. Mas já aprendemos que é fundamental considerar as diferenças e as desigualdades; dar prioridade aos fatores sociais e culturais, se pretendermos construir uma proposta curricular mais próxima da realidade. Esses fatores são os principais responsáveis pela valorização de si, pela conquista da autonomia, do diálogo, da parceria, da solidariedade coletiva. Dimensionar a prática mediante uma perspectiva interdisciplinar e transversal, pois a solução de muitos problemas passa pela via da responsabilidade do compromisso e da conscientização. Como diz Moacir Gadotti: “A escola que nega a cultura do povo, nega também o povo”. CONSIDERAÇÕES FINAIS Conclui-se, portanto, que a educação pode ser uma via de combate à discriminação. Isso pode ser manifestado por intermédio de gestos, comportamentos e palavras, muitas vezes explicitas ou não, que, de certo modo, afastam e estigmatizam grupos sociais. Contudo, ao mesmo tempo em que não se aceita que permaneça a atual situação da qual a escola é cúmplice, ainda que só por omissão, não se pode esquecer aqui que

esses problemas não são essencialmente do âmbito comportamental, individual, mas também das relações sociais e como estas têm história e permanência. O desafio que se coloca para a escola enquanto instituição formadora e responsável pela disseminação da cidadania e inclusão em primeira ordem, é que ela desenvolva no seu bojo outras formas de relação social e interpessoal, por meio da interação do trabalho educativo escolar e das questões sociais, posicionando-se crítica e responsavelmente diante delas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais, V. 10 (Pluralidade Cultural e Orientação sexual). Brasília: MEC/SEF. 1997. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Apresentação dos Temas transversais – Brasília MEC/SEF, 1998 436p. CUNHA, Manuela Carneiro. Negros estrangeiros. São Paulo: Brasiliense, 1987. DA MATTA, Roberto. O que faz o Brasil, Brasil? 3. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. DA MATTA, Roberto. Relativisando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura. As bases e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. LARASA, Roque de Barros. Cultura: um conceito Antropológico. 18 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed. 2005. MARLI, Eliza D. A. de André. Etnografia da Prática Escolar. 11ª ed. São Paulo: Papirus. 2004. MELLO, Luís Gonzaga de. Antropologia Cultural iniciação, teorias e temes. Petrópolis, Vozes. 11ª ed. 2004

OS 80 ANOS DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO - IHGM (publicado para efeito de registro, a pedido do Autor)

CONFERENCISTA: JOSEMAR BEZERRA RAPOSO – SOCIO EFETIVO CADEIRA N° 02

INTRODUÇÃO Inicialmente julgamos oportuno destacar fatos que registram a origem destas entidades civis no Brasil cujo principal objetivo é preservar a MEMÓRIA NACIONAL, realizando estudos permanentes nas áreas de História, Geografia, Etnologia, Antropologia, principalmente. SOCIEDADE AUXILIADORA DA INDÚSTRIA NACIONAL Desde o reinado de D. João VI, um expressivo e conceituado grupo de brasileiros entendia que somente através do desenvolvimento industrial o Brasil transformar-se-iá em uma grande potência. Essa idéia somente se concretizou em 1827, graças ao empenho de Inácio Álvares Pinto de Almeida e outros companheiros que, comungado dos mesmos sentimentos de brasílidade, fundaram a SOCIEDADE AUXILIADORA DA INDÚSTRIA NACIONAL. A consciência industrialista dominava não somente àqueles que hoje integram a categoria de empresários, mas também envolvia os intelectuais e atuantes em outras áreas, ou seja, os economistas dos nossos tempos. A fim de disseminar seus programas e projetos, a Sociedade mantinha uma revista denominada O AUXILIADOR DA INDÚSTRIA NACIONAL — que expressava as preocupações da classe empresarial e da elite intelectual da época, com os problemas brasileiros. Foi desse núcleo de patriotas que nasceu a convicção de que uma vez conhecedores de estudos de economia, era necessário criar uma inst ituição para colet ar, metodizar, analisar e divulgar os document ários que interessavam à História e à Geografia do Brasil. Na sessão da SOCIEDADE AUXILIADORA DA INDÚSTRIA NACIONAL, realizada em 16 de agosto de 1838 o Cônego Januário da Cunha Barbosa e o Marechal Raimundo José da Cunha Matos, membros da Diretoria da Sociedade, propuseram a criação de um Instituto Histórico e Geográfico e que seria filiado à citada SOCIEDADE. Os signatários da proposta enunciaram as bases nas quais funcionária o Instituto a ser criado. Foi lavrada em Ata um voto de louvor aos seus componentes "pela idéia da criação de um Instituto do qual grandes vantagens se devem esperar em prol da Pátria e para a glória de seus amigos".

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO - IHGB Fundado em 21 de outubro de 1838, na cidade do Rio de Janeiro, sob os auspícios da SOCIEDADE AUXILIADORA DA INDÚSTRIA NACIONAL, quando os Secretários, Cônego Januário da Cunha Barbosa e o Marechal Raimundo José da Cunha Matos, apresentaram proposta naquele sentido. Sendo aprovada em 21 de outubro de 1838, data de nascimento do IHGB, o primeiro no Brasil. T em a finalidade de proceder aos estudos e às investigações concernentes à História, Geografia e demais Ciências Sociais - conforme Estatuto e Regimento, reformados em 6 de novembro de 1996. No Estatuto aprovado pelos sócios Fundadores, continha a seguinte redação: "Capitulo 1 - Fim e objeto do Instituto - Art. I° O Instituto Histórico e Geográfico tem por finalidade coligir, metodizar, publicar ou arquivar os documentos necessários para a História e Geografia do Império do Brasil, como também promover os conhecimentos destes dois ramos filosóficos por meio do ensino público, logo que seu cofre proporcione esta despesa. Art. 2° Procurará sustentar correspondências com sociedades estrangeiras de igual natureza; e se ramificará nas províncias do Império para mais fácil desempenho dos fins que se propõe" Seus fundadores inspiraram-se no Instituto de Paris; que teve vida efêmera. Não tem relação com o Instituto da França, iniciativa de Napoleão Bonaparte, reunindo as Academias Francesas pré-existentes, desde a Academia Francesa (de Letras), a primeira criada pelo cardeal RICHELEU. O Instituto ofereceu ao imperador D. Pedro II, à época com 13 anos incompletos, o título de Protetor, que realmente o foi durante seu longo período de reinado, através de doações de peças e livros, de subsídio a pesquisadores e estudiosos que se destinaram aos países do Velho Mundo, na busca de manuscritos copiados para o enriquecimento do acervo da historiografia brasileira. Além de presidir 506 sessões do IHGB. O grupo pioneiro foi de 27 sócios fundadores, sendo que atualmente superam em mais de duas centenas. Cumprindo dispositivo estatutário da divulgação de documentos e estudos, logo em 1839, passou-se a editar a Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, ostentando a bela cifra de 453 volumes – este ultimo relativo a out/dez de 2011, editados ininterruptamente, além de outras publicações. No Estatuto e Regimento Interno reformulados em 6 de novembro de 1996 preserva-se o estímulo à criação de entidades análogas nas províncias. A primeira unidade foi a de Pernambuco-1862, Alagoas-1869, Ceará-1877, São Paulo-1894, e Santa Catarina-1896, e o Maranhão em 20 de Novembro de 1925 ainda no século XIX. Há um pemianente e intenso intercâmbio entre o IHGB e todos os seus congêneres, nas Capitais e inúmeras cidades do interior do País. INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO — IHGM SÍNTESE HISTORICA Fundado em 20 de novembro de 1925, em São Luís do Maranhão, com a denominação — INSTITUTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO MARANHÃO — e

inaugurado em 02 de dezembro do mesmo ano, em comemoração ao 1° centenário do nascimento de D. Pedro II, Imperador do Brasil. O artigo 1° do seu Regimento o classifica como uma Associação Científica para o estudo e difusão do conhecimento da História, Geografia, Etnografia e Arqueologia, especialmente no Estado do Maranhão. OS FUNDADORES Seus ilustres sócios fundadores foram:

1.

Benedito Barros Vasconcelos;

2.

Padre José Ferreira Gomes;

3.

Cônego Arias de Almeida Cruz;

4.

José Ribeiro do Amaral;

5.

José Pedro Ribeiro;

6.

José Abranches de Moura;

7.

Wilson da Silva Soares;

8.

Justo Jansen Ferreira;

9.

Domingos Reis Perdigão;

10.

José Domingues da Silva;

11.

Antônio Lopes da Cunha

PRIMEIRA DIRETORIA Presidente — Justo Jansen Ferreira Vise-Presidente —José Domingues da Silva Secretário Geral — Antonio Lopes da Cunha Tesoureiro — Wilson da Silva Sousa SESSÃO SOLENE DE INAUGURAÇÃO DO IHGM Nas exaustivas pesquisas efetuadas em Bibliotecas e Arquivos Públicos somente foi possível localizar, no jornal "A PACOTILHA" dos dias 27/ 1 1/ 192 5, 01/ 12/ 19 25 e 03/ 12/ 19 25 o que co nst a a ba i xo so br e o acontecimento: Jornal: A pacotilha 27/11/1925 “Reuniram-se ontem para tratar da fundação de um c entro de estudos histórico-geográficos no Maranhão, os senhores Justo Jansen Ferreira, José Ribeiro do Amaral, Benedito Barros Vasconcelos, José Domingues da Silva, Antônio Lopes da Cunha, José Pedro Ribeiro, Wilson da Silva Soares, Cônego Arias de Almeida Cruz e Domingos Reis Perdigão.”

“..Leu-se o projeto de regimento para Associação, sendo aprovado após receber algumas emendas. Procedeu-se a eleição dos corpos dirigentes e consultivos que ficaram assim constituídos: Assembléia Geral, Presidente: José Ribeiro do Amaral, Secretário: Domingos Reis Perdigão.” “A sessão inaugural do Instituto Maranhense de História e Geografia realizar-se-à no próximo dia 02/12/1925”. Jornal: A Pacotilha 01-02-1925 “...embandeiração, às 10 horas os marinheiros do Destroyer “Amazonas” desembarcarão para assistir os festejos do dia.” Jornal: A Pacotilha 03-02-1925 “Nenhuma associação literária ou científica foi inaugurada no Maranhão com o espontâneo concurso popular que levou ontem o Instituto de História e Geografia na sua 1ª sessão solene, realizada no salão nobre da Câmara Municipal. O povo encheu o salão, invadiu o recinto destinado aos membros do Instituto e às autoridades das quais muitas assistiam de pé a solenidade. Que fazer? Era o povo e todos se conformaram gostosamente com a sua imposição, satisfeitos com seu gesto. Foi num ambiente assim de grande interesse pelo ato que o presidente do Instituto e da sessão solene Justo Jansen Ferreira, tendo ao seu lado o Arcebispo Metropolitano, o Prefeito Municipal e Representante do Governo do Estado, dirigiu os trabalhos”. Presentes os membros do Instituto, o Delegados da Associação Comercial, Centro Caixeral, Associação dos Empregados do Comércio, Câmara Municipal, Capitão dos Portos, Comandante do Destroyer “Amazonas”, Delegado Fiscal, Chefe do Distrito Telegrafico, Administrador dos Correios, Secretário da Fazenda, Secretário da Justiça, Comandante da Guarnição Federal, Faculdade de Direiro, Liceu Maranhense, Intelectuais, representantes da imprensa, da sociedade maranhense e da classe operária. O Presidente Justo Jansen abriu a sessão proferindo uma bem coordenada oração sobre os motivos da solenidade... Aludiu com muita felicidade ao desejo de D. Francisco de Paula e Silva, o nosso muito lembrado Bispo de que se fundasse aqui um Inst it uto Histórico e Geográfico e que funcionasse no então Paço Episcopal. Usaram da palavra também o Desembargador Benedito de Barros Vasconcelos, Antônio Lopes e outros. Apontou os exageros das apreciações cortesans ou demagógicas formuladas sobre o monarca. Trouxe à baila as opiniões e apontamentos de Gomes de Castro, Martim Francisco, Joaquim Nabuco, Afonso Arinos, Crist iano Otoni e João Francisco Lisboa. ... O Excelent íssimo senhor Arcebispo do Maranhão. Apresentou proposta visanda à consagração do título de Magnânimo a Dom Pedro lI, por todos os Institutos Históricos do País, foi recebida com vivas, aplausos e unanimente aceita. ... Na entrada do prédio da municipalidade uma banda militar executava hinos oficiais e divercificados números musicais. ... A gentileza do Senhor Prefeito Municipal mandando ornamentar o salão, da Câmara Municipal cedendo o recinto das sessões plenarias... O Capitão do Porto e Comandante do "Amazonas" e outras embarcaç��es ancoradas no Porto embandeiram-se, na hora da solenidade promovida pelo Instituto.

O ACERVO DO IHGM O acervo histórico-cultural do instituto não atende às suas reais necessidades. Fat os que independera m, e m part e, da vo nt ade daquele s verdadeiramente abnegados no decorrer dos 80 anos de existência do !nstituto bem caracterizam as deficiências existentes. Mes mo a ss i m est ão so br e a guar da do inst it ut o va lio so s documentos da Historiografia Maranhense. Possui, também, uma biblioteca que disponibiliza ao público, livros e periódicos de autores maranhenses, brasileiros e internacionais. Atualmente está sendo reformada e ampliada, para melhor cumprir suas finalidades. O BRASÃO OFICIAL DE SÃO LUÍS O engenheiro Jayme Tavares quando prefeito de São Luís — 1926/1930 sancionou a Lei Municipal nº 362, de 20 de abril de 1926 criando o sinete das armas do município para ser usado em atos oficiais e solicitou ao Instituto de História e Geografia do Maranhão um estudo para sua elaboração. O professor Antônio Lopes da Cunha, Secretário Perpétuo do I nstituto apresentou no nº 1 da revista do Instituto a sugestão do Brasão de Armas do Município, sendo aprovado pela Câmara Municipal. Em 31 de dezembro de 1926, o Senhor Prefeito Municipal decretou a adoção do Brasão Oficial para o município de São Luís. Tendo este a seguinte configuração:

O IHGM E A IGREJA CATÓLICA Desde sua fundação em 1925 o Instituto mantém um harmônico e benéfico relacionamento com a Igreja. Pertenceram ao Instituto, na condição de sócios honorários os Arcebispos de São Luis: Dom Adalberto Acioly , Dom José de Medeiros Delgado e Dom José da Mota e Albuquerque.

De nacionalidade diversas, honraram o Instituto, na condição de patrono 12 religiosos, dentre eles destacamos os franceses Claude d’Abeville e Yves d’Vreux; os padres portugueses Luis Figueira e José Morais; os frades portugueses Francisco de Nossa Senhora dos Prazeres e Cristovam de Lisboa; O Jesuita Luxemburguês padre João Felipe de Bettendorf; o Bispo Historeador Mineiro Dom Francisco de Paulo e Silva e os Sarcedotes Maranheses: Frei Custodio Alves Serrão, Cônego José Constantino Gomes de Castro e Cônego José de Ribamar Carvalho. PRINCIPAIS FATOS QUE MARCARAM OS 80 ANOS DO IHGM Nos seus 80 anos de exixtência o Instituto teve na solenidade de instalação uma demonstração do seu significado e responsabilidade junto à sociedade maranhense. Assim, como primeira iniciativa, implantou o Curso de Estudo Maranhense que compreendia uma série de conferências públicas realizadas por pessoas de elevadas e conhecida competência sobre os mais relevantes problemas da época. Realizou, no período de 20/11/1925 a 15/08/1941, 17 memoráveis sessões sendo que na 11ª (04/08/1927) foi aprovado, por unanimidade, propostas concedendo o título de Secretário Perpetuo do Instituto ao confrade Antônio Lopes. Também nessa sessão aprovou-se a rejeição de duas propostas para sócio efetivo e correspondente. Também em 28/09/1948 foi reslizada uma sessão magna no teatro Artur Azevedo, quando se prestou especial homenagem à memória do visconde do Rio Branco, o egrejo estadista do império. Na sessão de 1° de Novembro do mesmo ano, também no teatro Artur Azevedo, uma homenagem especial à memória Gonçalves Dias, na programação constante da SEMANA GONÇALVINA. CONCLUSÕES PRELIMINARES Inegavelmente o Maranhão não dispõe de arquivos de apreciável valor histórico visto que muitos documentos referentes ao passado desapareceram. Mesmo tendo um historiador notável - João Francisco Lisboa, que legou à posterioridade, na segunda parte do “Jornal de Timon”, impolgante quadro do passado de nossa terra. Esta realidade inquestionável foi, em parte, comprovada pelas longas pesquisas realizadas por este confrade, nos maiores arquivos ultramarinos – ARQUIVO DA TORRE DO TOMBO EM LISBOA, BIBLIOTECA NACIONAL DE LISBOA E ARQUIVO ULTRAMARINO. Acerca da historia do Maranhão que pretendera elaborar, João Lisboa, pouco antes de morrer, escrevia a um amigo e compromiciano. ... ”Júlgo que quem se deve ocupar com essa terra ilustre são os seus filhos prediletos e mimosos. Quanto a mim parece-me que me não devo matar, só pelo prazer que poderiam ter meia dúzia de amigos meus com a leitura de algumas horas – a fora isso não vejo mais nada que me estimulasse. Devo confessar-lhe que há tempos tive impulso de queimar tudo e quanto tenho feito até o presente”.

É verdade que os jesuítas destruiram muitos papéis de sua prestante Companhia quanto daqui tiveram que sair, mas mesmo assim deixaram grande parte de seus documentos, além da preciosa livraria do Colégio Nossa Senhora da Luz, fundada pelo padre Antônio Vieira com livros que escrevera na Itália, Portugal, França, Holanda, etc. Os cartórios e livrarias das outras ordens religiosas desapareceram, quer dos conventos de São Luís que dos de Alcântara. Já o arquivo do Bispo, hoje Arquidiocese Metropolitano de São Luís, arrumado e catalogado meticulosamente por César Marques foi, em parte, destruido pela ação dos cupins. Felizmente a Arquidiocese Metropolitano de São Luís vem, na medida de suas possibilidades, preservando e atualizando seus arquivos. Deveremos, pois, ler com atenção o que sobre nossos arquivos Ferdinand Denis escreveu há muitos anos em apêndice à edição da “Viagem ao Norte do Brasil” do Padre Yves d’Évreux: “As recordações do passado que tanto desenvolvem a população, aí não existem”. Não há arquivos, bibliotecas públicas e nem instituições literárias, e tanto é verdade isto, que o Imperador D. Pedro II, incumbiu um dos homens mais ativos e eminentes desse país para examinar, na cidade de São Luís, o estado real dos depósitos literários da capital do Maranhão. Não reproduziremos aqui as queixas de Gonçalves Dias. Assim já mais se escreverá uma História do Maranhão cabalmente documentada sem auxílio de pesquisas arquiviais demoradas no Pará, Rio de Janeiro, Portugal, França, Espanha e Vaticano. Destaque-se o fato ímpar com as monografias de Ribeiro do Amaral e Justo Jansen, acerca, da questão de Tutóia, pois os dois ilustres maranhenses foram a Europa comissionados pelo Governo, à procura de documento que servissem para defesa do Maranhão no dissídio. O professor Antônio Lopes faz alusão à “Noite dos Tempos” – espécie de abismo de onde saem todas as coisas de princípios ignorados, ao afirmar que as origens de Alcântara perederam-se na história do Maranhão. Na própria história geral do Brasil há fatos por nós ainda ignorados, mas os arquivos europeus tem uma farta documentação sobre eles. O caso do Maranhão não é diferente. No período anterior à fundação da França Equinocial, pela expedição de Làravadiere, as fontes de consultas históricas são questionadas. Que se sabe ao certo, das mais antigas explorações do litoral e das primeiras tentativas de povoamento dos portugueses? Muito do que se sabe é inverossímil, para quem deve exigir da História fatos e documentos claros e consequentes. Particulamente, na história de São Luís há muitas questões e dúvidas a elucidar. Os pesquisadores estão, assim , diante de um vasto campo de trabalho e desafio. Esta apresentação está sendo feita em versão preliminar. Posteriormente será apresentanda de conformidade com as normas regulatórias do IBBD e outras.

Exposição “FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE” UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS De 16 de agosto a 14 de setembro no Palácio Cristo Rei. ANTONIO NOBERTO

Abertura: 15 de agosto de 2012, às 19h – para convidados. Período da exposição: 16 de agosto a 14 de setembro de 2012. De segunda a sexta-feira, das 08h às 12h e das 14h às 17h30. Local: Palácio Cristo Rei, Praça Gonçalves Dias, São Luís - MA. Coordenação: Antonio Noberto, Clores Holanda e Joana Bittencourt Realização: IHGM – Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, Aliança Francesa de São Luís, UFMA e UEMA. Apoio: IFMA, Folhagem (Reginaldo Silva), Cia Beto Bittencourt

O trabalho inédito é uma reunião de quadros, imagens de personalidades, mapas, transcrições de documentos, textos, heráldica, objetos e muito mais sobre o empreendimento francês que deu início ao Brasil setentrional, ao Maranhão e a sua capital, São Luís. Pela primeira vez os interessados terão em um mesmo lugar físico um acervo que reúne a história da França Equinocial, um dos mais belos capítulos do Brasil colonial. E este lugar não poderia ser outro senão a capital maranhense, guardiã do legado francês na parte norte do Brasil. A exposição conta com onze quadros do consagrado artista plástico Rogério Martins; oito mapas – de São Luís, do Maranhão, de Saint-Malo, Paris, dentre outros; várias plotagens com imagens que resgatam os anos iniciais destes quatro séculos. O evento foi idealizado pelo turismólogo e escritor Antonio Noberto*, que também é coordenador geral da Exposição e proprietário do acervo a ser exposto. Está programado para a mesma ocasião o lançamento do livro sobre a exposição, com o título “França Equinocial, uma história de 400 anos: em textos, imagens, transcrições e comentários”. O visitante também poderá adquirir souvenires do evento.

Sobre a história da França Equinocial e a Exposição São quatro séculos completos neste oito de setembro de 2012. Foram muitas lutas pelo território, escassez, dificuldades, trabalhos, vitórias, luxo, pomposidade, ascensão e declínio econômico, e uma miríade de capítulos no processo histórico do Maranhão e da sua capital. E tudo isto começou com um empolgante e fascinante capítulo, escrito não por pena lusa, mas por mãos gaulesas, sendo delas as primeiras e inesquecíveis marcas e balizas legadas a este território e aos seus habitantes. Foi o general francês Daniel de La Touche, aqui chegado com centenas de comandados em 1612, quem primeiro, oficialmente, desbravou o território, alterou o espaço físico natural, pacificou as tribos rivais praticamente acabando com o canibalismo entre eles, criou o primeiro conjunto de leis das Américas, a primeira organização de estado, as primeiras construções – inclusive em pedra como se poderá ver na exposição –, as primeiras casas, os primeiros

fortes e todo um processo colonizatório e civilizatório nesta porção do Brasil setentrional (que se estende do Rio Grande do Norte ao Amazonas). A colônia francesa não era um céu absoluto, existiam dificuldades e divergências como em qualquer empreendimento desta natureza, mas vivia-se em paz no Maranhão, vez que brasileiros e estrangeiros estavam de um mesmo lado, não se disputavam, vigorava o império da sustentabilidade e da harmonia. Tal estado de equilíbrio contribuiu para sábias manifestações, como a do maior poeta brasileiro, o maranhense Antonio Gonçalves Dias “a expulsão dos franceses levou consigo muitas esperanças”. A França Equinocial (1612 – 1615) foi, temporalmente, efêmera, porém, eternizada no seio e espírito daqueles que cultivam belos e harmônicos sonhos. Nasceu de um laborioso empreendimento partilhado por católicos e huguenotes. Tal parceria levou o escritor e conservador da Biblioteca de Santa Genoveva, Ferdinand Denis (1798 – 1890), a dizer que esta parceria em todo o século XVII não se conhece “transação outra entre católicos e protestantes mais leal e desinteressada”. Não bastasse a eternização da história gaulesa no imaginário coletivo local, o consagrado historiador Mário Martins Meireles, observador da realidade maranhense, à vista da maior demanda de visitantes franceses em São Luís e no estado, concluiu que a “maior presença de franceses em São Luís é a prova material de que a França Equinocial nunca acabou”. Fato que comprovamos ao realizar uma pesquisa a mais de uma década entre os turistas franceses. Parte considerada dos entrevistados, mesmo sem nenhuma política pública direcionada a este fluxo e sem nenhuma racionalização da história deles neste torrão, respondeu que visita São Luís para conhecer a “Única capital brasileira fundada por franceses”. Some-se o feed-back do consultor e então secretário de turismo de Saint-Malo (cidade do tamanho de Rosário-MA que recebe quatro milhões de visitantes por ano), Jean-Claude Weiss, que não cansava de dizer “Vocês dormem sobre um tesouro e não estão sabendo”. Foram estas e muitas outras informações, observações e impressões, além da patente vocação para com o tema, que nos levaram a concluir pela realização deste importante evento. É a França Equinocial, nosso primeiro capítulo, que o Maranhão reportará neste oito de setembro, e nos trinta dias da exposição – 15 de agosto a 14 de setembro. Nossos quase quinze anos de pesquisa nesta temática nos permitiram construir um acervo sobre este que é um dos três capítulos mais bonitos do Brasil colonial – infelizmente, marginalizado em razão dos interesses do vencedor e colonizador luso. Lançamos as balizas para que São Luís e o Maranhão façam como o fizeram Rio Grande do Sul e Pernambuco com, respectivamente, as missões Jesuítico - guarani (1609 – 1750) e o Brasil Holandês (1624 – 1654). O quadricentenário é o momento ideal de começarmos a “pagar” a dívida histórica com o primeiro capítulo desta rica e abençoada terra, a final, o Maranhão e a sua capital são os legítimos guardiões do legado gaulês nesta parte norte brasileira. Ludovicenses, maranhenses, brasileiros e visitantes agradecem. O visitante poderá ver e apreciar imagens de personalidades protagonistas do evento francês no Maranhão, como o quadro de François de Razilly, lugar-tenenteGeneral, primo do futuro cardeal de Richelieu, que pôs nome ao Forte (São Luís), que se estendeu a toda a Ilha; Nicolas de Harlay, Senhor de Sancy, também Lugar-tenenteGeneral, financista e conselheiro do rei, custeou um terço da expedição ao Maranhão; Cardeal de Joyeuse, batizou Luís XIII e coroou Maria de Médicis, doou o dinheiro para a construção em pedra do primeiro convento capuchinho do Brasil, onde hoje se acha o atual convento Santo Antonio, na capital maranhense; Luís XIII, rei de França, dentre outros. Mapoteca: O primeiro mapa do Maranhão, feito a partir dos desenhos feitos e

entregues pelos franceses aos portugueses; mapa Saint-Louis capitale de La France Equinoxiale – 1615, reconstituição da capital da França Equinocial, todo em francês; Mapa do Poitou; de Saint-Malo; mundi da época, mapa das descobertas, de Paris em 1575, etc. Várias transcrições de documentos relativos ao Maranhão francês, como a carta de Maria de Médicis a La Ravardiére, correspondência fundamental para a manutenção da paz e unidade e na colônia; Leis fundamentais decretadas na Ilha do Maranhão, primeiro conjunto de leis escrito nas três Américas; o depoimento dos prisioneiros franceses do combate de Guaxenduba; cartas trocadas entre La Ravardière e Jerônimo de Albuquerque, etc. O interessado também terá disponível vários banners e plotagens de dois e três metros, além de objetos, como uma réplica de arma de fogo do século XVII.

.

PALÁCIO CRISTO REI RECEBE A EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE A exposição pode ser visitada, gratuitamente, até 14 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 17h30

A cidade de São Luís recebeu mais um espaço de homenagem aos seus 400 anos de fundação. O Palácio Cristo Rei, guardião de parte da memória histórica da Universidade Federal do Maranhão, está sendo local da Exposição França Equinocial para sempre, que apresenta o legado francês em São Luís e a versão francesa da fundação da capital maranhense. A abertura oficial da exposição ocorreu às 19 horas, num evento para convidados, no qual estiveram presentes historiadores, pesquisadores, artistas maranhenses, membros do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). O reitor da UFMA, Natalino Salgado Filho, que esteve presente na abertura da exposição, lembrou a importância do evento para o aniversário de São Luís e destacou a parceria da UFMA com projetos que homenageiam a cidade. “Nós estamos empenhados em contribuir com a valorização da nossa cidade que completará 400 anos. A SBPC foi um exemplo disso, agora, abrimos espaço para essa exposição que mostra como a França contribuiu com a formação de São Luís. O trabalho está bem feito, é uma exposição única que resgata a parte importante da história da capital maranhense”, ressaltou. A exposição está sob a coordenação do turismólogo e historiador Antônio Noberto, que é membro do IHGM, da administradora do Palácio Cristo Rei e integrante do IHGM, Clores Holanda, e da pesquisadora Joana Bittencourt. Para Antônio Noberto, a exposição é ímpar, pois resgata a memória de um período único na história do Maranhão e do Brasil. “Esse evento fala muito sobre a história dos 400 anos de São Luís e mostra como a cidade nasceu. Os participantes da exposição, com certeza, sentirão prazer em conhecer essa história e fazer parte dela. É um grande presente para a nossa cidade”, afirma Noberto. Durante a abertura, houve o lançamento do livro França Equinocial, uma história de 400 anos em textos, imagens, transcrições e comentários, além de apresentações culturais com a participação do Projeto Abrindo Fronteiras com Música, que apresentou chorinhos, e a Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt, que trouxe a peça sobre a vinda dos Franceses para o Maranhão. A administradora do Palácio Cristo Rei, Clores Holanda, destacou que a exposição vai dar mais visibilidade ao Cristo Rei, um museu que conta parte da história da UFMA e tem, ao longo dos últimos anos, contribuído com a divulgação histórica no Maranhão. “É fundamental essa parceria entre o IHGM e a UFMA, pois fazer do Palácio Cristo Rei espaço de uma exposição como essa é um privilégio, enaltece o nosso museu, faz dele um local de encontro com a história que deve ser lembrada e valorizada pela nossa sociedade”, enfatiza Clores Holanda. Saiba + - A exposição França Equinocial para sempre é promovida pelo IHGM em parceria com o Palácio Cristo Rei. A mostra apresenta os registros de franceses em

terras maranhenses e o sonho de fundar a França Equinocial. Estão expostos onze quadros do consagrado artista plástico Rogério Martins; oito mapas: de São Luís, do Maranhão, de Saint-Malo, Paris, dentre outros; e várias plotagens com imagens que resgatam os anos iniciais destes quatro séculos de história da capital maranhense. Quem quiser conhecer essa parte deslumbrante da história de São Luís, pode ir ao Palácio Cristo Rei, que fica localizado no Largo dos Amores (Praça Gonçalves Dias) e visitar a exposição, que é gratuita, e fica aberta ao público até 14 de setembro, podendo ser visitada de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 17h30.

ESPETÁCULO FRANÇA EQUINOCIAL ENCANTA PÚBLICO NA ABERTURA DE EXPOSIÇÃO NO MEMORIAL CRISTO REI http://www.ufma.br/noticias/noticias.php?cod=13036 A peça da Companhia de Bonecos Beto Bittencourt apresentou a versão francesa da fundação de São Luís A abertura da Exposição França Equinocial para sempre foi um momento ímpar na história do Memorial Cristo Rei, museu que guarda um rico acervo da história da Universidade Federal do Maranhão - UFMA. Durante a abertura do evento, houve a encenação do espetáculo França Equinocial, que apresentou de forma didática, melodiosa e bem detalhada a história da chegada dos franceses em terras maranhenses. A peça foi encenada pela Companhia de Bonecos Beto Bittencourt, que pertence à Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt. O Espetáculo é uma adaptação da obra Itagiba – O braço de pedra da França Equinocial (romance histórico), de autoria da pesquisadora do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), Joana Bittencourt. A encenação França Equinocial narra a chegada do francês Jacques Riffault, em 1594, em Upaon-açu (ilha de São Luís), na qual estabeleceu uma feitoria que deixou sob a responsabilidade de seu compatriota Charles Dês Vaux, que logo conquistou a amizade dos indígenas, chegando a casar com uma índia. Esse contato levaria a França a fundar a cidade de São Luís, única cidade fundada por franceses. Toda a história é contada com canções e narrações, com uma linguagem simples e uma sensibilidade que leva o público a sentir um encantamento pela cultura francesa, valorizando o legado deixado por essa nação europeia em terras maranhenses. A encenação é rica em detalhes desde os figurinos até a utilização da língua francesa, bem como a singularidade das canções bem interpretadas pelos atores, além dos efeitos especiais que remontam o clima nativo de São Luís na época de sua fundação e todo o brilhantismo da corte francesa. Outro detalhe que chamou a atenção foi a união da cultura regional, como o bumba-boi, o reggae e a cultura francesa. Houve uma sintonia entre música, estética de figurinos e sensibilidade dos atores que interpretaram seus personagens com maestria. A diretora da peça, Rosa Ewerton, disse que essa é a primeira vez que o espetáculo é apresentado com a presença de atores no palco, antes, ela só havia sido encenada com bonecos. Segundo Rosa, a intenção do grupo é expandir esse trabalho, levando-o para escolas e outros locais de grande visibilidade. “O nosso objetivo é mostrar para as pessoas como é importante conhecer esse lado da nossa história, saber a versão francesa da chegada deles no Maranhão”, enfatiza Rosa. Joana Bittencourt, que é diretora da Companhia Beto Bittencourt, falou com muito entusiasmo sobre esse projeto. Segundo ela, levar esse espetáculo para outros lugares como escolas será importante para a divulgação da história de São Luís. “Assim como a exposição França Equinocial para sempre, que conta essa parte importante da história de

nossa capital, a peça também serve como um elemento propagador desse legado. O que torna o espetáculo mais encantador é a forma didática de contar a história. Nosso espetáculo é belíssimo, não há quem não pare e fique encantado com a qualidade da nossa encenação”. Michael Magalhães, diretor da Aliança Francesa em São Luís, também aprovou a iniciativa e disse que tanto a Exposição quanto a peça sobre a França Equinocial são importantes para que os ludovicenses conheçam mais sobre sua própria história e a valorize. A Companhia de Bonecos Beto Bittencourt pretende encenar a peça em outros lugares, valorizando a cultura francesa em São Luís. E a exposição França Equinocial para sempre está aberta para visitações até o dia 14 de setembro, de segunda a sextafeira, das 8h às 12h e das 14h às 17h30, no Palácio Cristo Rei, que fica na Praça Gonçalves Dias. A Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt A Sociedade é uma associação civil de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos. Ela foi fundada no dia 05 de setembro de 1999, em homenagem ao ator e bonequeiro Beto Bittencourt. O objetivo da companhia Beto Bittencourt é fomentar a educação e a cultura, por meio de produções artísticas, teatrais, literárias e musicais. São várias as áreas de atuação do grupo, como segurança, saúde e meio ambiente. A sociedade artística realiza, também, oficinas e espetáculos que são encenados em teatros, abrigos, asilos, comunidades e instituições públicas e privadas.

CANTO À CIDADE DE SÃO LUIS – MA PELOS SEUS 400 ANOS. EDOMIR MARTINS DE OLIVEIRA Fui gerado, nasci e fui criado em São Luis, Capital do Estado do Maranhão, e ao longo dos 75 anos de minha vida, sempre vivi nesta encantadora ilha, berço de grandes tradições, que traz nos versos poéticos do Hino do Maranhão, Estado do qual ela é a Capital, a mensagem de que “seja de glória tua existência inteira”, e me propicia como sempre propiciou a felicidade das grandes conquistas que a sociedade permite. Habituei-me, desde minha infância, aos problemas, superações, vitórias e conquistas da encantadora Cidade, berço de Gonçalves Dias, Coelho Neto, Humberto de Campos, Ruben de Almeida, e tantos outros imortais, que fizeram refulgir as letras maranhenses porque eles mesmos tinham luz própria e as iluminaram sempre com a doação do seu intelecto, para que ocupássemos espaço nas letras e nas artes. Olhei sempre e até com orgulho, suas ladeiras, seus azulejos, suas ruas tortuosas, suas praças e ruas com nomes até muito extravagantes, porém, que traduzem, em si mesmo, uma história do Brasil que não pode ser esquecida. Caminhei por ruas como do Sol, Afogados, Alegria, Inveja, Veados, Giz, Passeio, Hortas, Remédios, que conduziam sempre a praças como da Alegria, Misericórdia, Mercado Central. Ao lado desses nomes pitorescos, contudo, formavam-se outros, em homenagem a nomes ilustres, como Rua Rio Branco, e Praças: Pedro II, Benedito Leite, João Lisboa, estas em homenagem a grandes nomes ligados ao cenário nacional e internacional. Passear pela Rua Osvaldo Cruz, popularmente conhecida por Rua Grande, contemplar as vitrines de grandes lojas de exposição de roupas e calçados, jóias, ver a beleza do adorno dessas lojas, contemplar as vitrines da Real Jóias, de lojas de calçados, artisticamente preparadas, tudo isso que ficou na lembrança e que não mais existe. Hoje, passear por essa rua principal de São Luís, causa preocupação e nos assusta, em razão dos marginais que por ali campeiam. Passear pela Praça João Lisboa e Pedro II, onde estavam localizados bares de São Luís, que deliciavam seus clientes servindo entre outras coisas, sorvetes de frutas regionais, tais como bacuri, murici, jenipapo, que dizer deles? Ah! Quantas belas lembranças! Vi e revejo em minha memória São Luis, minha Cidade natal, que hoje continua doando nomes ilustres ao cenário cultural do País, como José Chagas, Nauro Machado, Arlete Nogueira da Cruz, Ferreira Gullar, este, segundo noticia a imprensa falada e escrita está cotado para receber o prêmio Nobel de Literatura. Ressalta-se que Ferreira Goulart, nunca quis o seu nome ligado a qualquer academia, embora seja detentor de grandes títulos nacionais e internacionais, que por si só já o imortalizaram. São intelectuais que têm luz própria e sempre impregnam de luz o lugar onde estão. Herdaram dos antepassados correligionários, as luzes próprias que fazem resplandecer o nome do Maranhão, produzindo poesias, romances, contos, crônicas, etc.

Suas seculares Igrejas estão a dizer da fé do nosso povo temente a Deus e de hábitos ligados á participação constante em cultos religiosos, principalmente aos domingos, onde assistem a Santa Missa e as homilias que os sacerdotes pregam em mensagens de fé e esperança aos fiéis. Aqui formam como Igrejas históricas a Catedral Metropolitana, com uma nave de templo belíssima, onde se tem a certeza de que só um homem inspirado por Deus poderia pintar um teto tão belo. A Igreja do Carmo, situada na praça do mesmo nome, herança dos Frades Capuchinhos que tantos e belíssimos serviços emprestaram e continuam emprestando até hoje à nossa terra. Igreja do Desterro, de sagradas tradições, rica em história local, com construção datada do século XVIII; Igreja de Santana e Igreja de São João, dirigidas por piedosos sacerdotes, que têm bem conduzido o rebanho ao aprisco do Senhor. Ao lado dessas Igrejas está a formar as Igrejas Evangélicas, o que acaba se constituindo de um valor histórico enorme, vez que Igrejas como as Presbiterianas e Batistas principalmente, a cada dia têm mais adeptos, com a pregação da Bíblia Sagrada e mensagens constantes também de fé e esperança aos fiéis, registrando-se aqui, nomes de oradores sacros como Benedito Guimarães Aguiar, Orlando Lopes de Morais, Capitulino Lázaro Amorim, Rui José de Morais Barbosa (in memoriam), Silas Marques Serra e mais recentemente, sobressaindo-se o nome do Pastor Antonio Fontes Martins de Sousa, grande nome do Ministério Sagrado Presbiteriano atual. Fluem-me à mente, no campo do exercício das ciências médicas, nomes como Djalma Marques, Neto Guterres, este chamado de “médico dos pobres”, pois nunca deixou de atender qualquer paciente que o procurasse, não importando se podia ou não pagar consulta. Genésio Rego, Carlos Macieira, Odorico Amaral de Matos, Alarico Pacheco, este por mãos de quem o autor deste texto foi trazido à luz, para citar apenas alguns nomes de ilustres médicos de outrora, sendo que hoje nomes de novos médicos, continuam a prestar relevantes serviços ao Maranhão, destacando-se entre eles, na pediatria, Orlando Araújo, Raimundo Nina Rodrigues, in memorian, Getúlio Ferreira de Albuquerque, e na angiologia, Sebastião Barreto de Brito Filho, que independente da posição social dos pacientes, sempre a todos atenderam e atendem de braços e coração abertos. Acodem-me no campo das Ciências Jurídicas e Sociais nomes de outrora como o do grande criminalista Valdemar Brito, Soares de Quadros, e José Santos, estes dois últimos, excelentes civilistas, todos destaques como nomes de outrora, que inestimáveis serviços jurídicos prestaram ao povo e a Cidade. Atualmente, apenas a titulo ilustrativo, vinculamos o nome dos grandes advogados Pedro Leonel Pinto de Carvalho, José Caldas Góis e Mário Macieira, este, no momento Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do Maranhão (OAB-MA), em nome de quem saúdo a todos os valorosos militantes das Ciências Jurídicas e Sociais, que caminham ao abrigo da Deusa Themis. E no magistério? Neste sagrado mister de formação de homens para o futuro, temos por imperioso dever de citar entre estes nomes Zoé Cerveira, Zuleide Bogéa, Luiz de Moraes Rêgo, Francisco Solano Rodrigues, Rosa Castro, Carmem de Berredo Martins, que se ocuparam na formação de jovens com raro brilhantismo. Foram meus professores, estes dois últimos, e eu lhes devo muito pela sólida formação que me transmitiram.

No exercício do magistério Superior, relembro com a maior alegria, nomes como Orlando José da Silveira Leite, Tácito da Silveira Caldas, Antenor Mourão Bogéa, Fernando dos Reis Perdigão, Clodoaldo Cardoso, Pedro Neiva de Santana (in memoriam), José Maria Ramos Martins, registrando-se que Pedro Neiva de Santana, foi médico, que formou ao lado dos outros nomeados e juntos lecionaram na velha e tradicional Faculdade de Direito de São Luis. Muitos são os nomes de professores, magistrados, estes na esfera estadual ou federal, políticos, que ainda na época atual, continuam fazendo resplandecer o nome da nossa terra. Não se pode deixar de falar também do rico folclore maranhense, onde ocupa lugar de destaque o bumba-meu-boi, que através das matracas ou orquestras, encanta nas festas dos arraiais da Cidade, maranhenses e turistas no mês de junho, época dos festejos. A “festa da melancia”, que era procedida todos os anos na Avenida Beira-Mar, também por um imperioso dever de boas lembranças, tem que ser mencionada, pois ali era um local de encontros românticos, aonde casais apaixonados vinham, com suas presenças, se divertir ao ar livre e a custo baixo, saboreando esta gostosa fruta. Os enfoques acima dão uma visão panorâmica da Cidade de São Luis, aonde reminiscências da minha vida me conduzem aos bondinhos elétricos, às fábricas de tecidos, às oleaginosas, às fábricas de sabão, às casas de ferragens, à chamada Praia Grande, (todas que infelizmente não mais existem). Recordo-me dos cinemas Roxy e Éden, este último pela natureza do nome já conduzia os espectadores ao paraíso dos cinemas e dos filmes que a empresa Moisés Tajra trazia. Afluem-me à mente, o Teatro Artur Azevedo, belíssima casa de espetáculos que tantas gerações abrigou. Este, felizmente, sobrevive, enquanto aqueles cederam lugares a outros empreendimentos. Vale lembrar a Casa das Variedades, A “Lobrás” - Lojas Brasileiras S.A (de nível nacional), Lundgren Tecidos S. A., Tabuleiro da Baiana (loja de variedades), a Loja Singer que vendia as máquinas do mesmo nome, que engalanavam a Rua Grande com suas lojas bem trabalhadas. Afloram-me à imaginação os passeios pelas praias: Ponta da Areia, Olho d´Água, do Meio, Araçagy, Raposa, estas quatro (4) últimas, à época, de difícil acesso, por ficarem mais afastadas do centro da Cidade, nas quais se podia tomar banho de mar a qualquer hora, sem o perigo de contaminação de qualquer espécie, diferentemente do momento que ora vivemos, onde os alertas aos banhistas são de que evitem banhos de mar, pois as águas estão impróprias para banho, em virtude de estarem contaminadas por coliformes fecais, com esgotos que irresponsavelmente são jogados nas águas do mar. Eis por que turistas e banhistas locais limitam-se, hoje, a uma partida de futebol e prática de outros esportes que minimizam o sofrimento por ver o mar e se limitarem tão somente a isso. Fazem parte ainda das minhas lembranças as agências bancárias à época: Banco do Brasil S.A., Banco do Estado do Maranhão S.A., Banco do Maranhão, Companhia Progresso do Maranhão, Banco da Lavoura de Minas Gerais S.A., como principais agentes financeiros, dos quais apenas o Banco do Brasil S.A. sobreviveu, enquanto que os demais foram encampados por outros estabelecimentos de crédito.

Entre as casas de cultura, sempre se destacaram e felizmente ainda hoje existem para gáudio dos intelectuais, o IHGM (Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão) e a Academia Maranhense de Letras. Muito ainda poderia ser dito. No coração de cada pessoa pulsará sempre o desejo de conhecer mais um pouco desta Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade. É preciso, pela beleza de sentimentos que ela expressa ao visitante, dar um destaque especial para a Praça Gonçalves Dias. Quem visita essa praça, sente a poesia do poeta maior que emprestou nome à praça: Antonio Gonçalves Dias, que tanto decantou o amor, quando nos deixou o legado do seu nome à Ilha, ao nos dizer: “ Minha terra tem palmeiras, onde canta o sabiá/ Não permita ó Deus que eu morra, sem que eu volte para lá”. E neste canto poético, estando a falar de si, foi como encontrou a morte, afundando junto com o navio Ville de Boulogne, nas costas maranhenses, bem próximo à Ilha. A Praça Gonçalves Dias, onde está localizada a Sede da Reitoria, da Universidade Federal do Maranhão, com o histórico Palácio Cristo Rei, sintetiza tudo que tivemos e ainda temos, de história e de tradições onde precisa ser lembrado o nome do Reitor Cônego Ribamar Carvalho, sacerdote, poeta, escritor, membro da Academia Maranhense de Letras e tribuno, do mais alto quilate. Morando há mais de 15 anos no bairro do Renascença, em nossa São Luis, vejo uma nova Cidade, a substituir fisicamente a antiga, o que nenhum prejuízo traz à Velha Cidade que sobreviverá sempre na eterna lembrança dos que, como nós, amamos nossa vetusta Ilha. Apresenta-se agora plena de prédios e construções modernas e ainda assim, ao ver uma São Luis modernizada que está acompanhando o progresso com paisagens artificiais impostas pelo homem, vaticino que ao lado do seu embelezamento, continuará sempre sendo berço de glória de maranhenses ilustres. Tu, São Luís, caberias inteirinha nesta praça. Ela permite vista panorâmica da cidade, das praias, de ruas, igrejas, quer da velha cidade, quer da cidade nova e acima de tudo, sentir os encantos do poeta Gonçalves Dias que sintetizou sua poesia e seu imenso amor por São Luis, ao rezar ardentemente: “não permita ó Deus que eu morra sem que eu volte para lá”.

SÃO LUIS DO MARANHÃO EM SEUS 400 ANOS DE FUNDAÇÃO: ENTRE SONHOS, RUPTURAS E ASSIMILAÇÕES E O FAMOSO PECUAPÁ. CLAUBER PEREIRA LIMA Dedico este trabalho aos amigos Luis Mario Lula, que foi padre e hoje é pai de verdade e sua eterna Chiquita, que vivem felizes no querido Québec - Canada 10 de Janeiro de 2012, dia de São João Batista: Pecuapá dormia nas escadarias em frente da Igreja do Carmo e, de repente começou a escutar partes do sermão do Frei Guilhermino que lhe fizeram levantar as sobrancelhas: Com um sotaque italiano assim falou o bom frade: - Sim, meus queridos fiéis devotos desta linda cidade de São Luis do Maranhão. São Luis é sim a filha primogênita da Amazônia e daqui brilham as luzes do conhecimento para todo o território amazônico. São Luis não pode querer expressar-se no território brasileiro, sem esquecer-se de que faz parte de uma simples bacia amazônica. Aqui não há grandes intelectuais, porque a terra é pobre e o sol é quente demais, destruindo todos os neurônios do caboclo. Foi um milagre do bom Deus a existência de Padre João Mohana e Padre Jocy Neves Rodrigues neste solo, mas eles foram os últimos padres intelectuais, que por acaso nasceram no Maranhão. Hoje os padres, os pastores evangélicos, os pais e as mães de santo apenas trabalham em suas comunidades e não deixam registro do que fazem e do que sonham; não mais se escreve nesta terra de Humberto de Campos, porque não há mais tempo para isso. Primum vivere, deinde Philosophare. Vocês têm que se conformar. Busquem em Jesus e na Virgem Maria um consolo espiritual e deixem que a preguiça e a moleza do calor acalentem os vossos sonhos de civilização que nunca se concretizam. Abandonem a macumba e a dança do coco e parem de querer ser o que não são. Como disse El-rei: aqui não há ouro, nem prata; trabalhem na terra e deixem que outros pensem por vocês. Vamos agora rezar o nosso Credo... Pecuapá ficou nervoso com estas palavras e, tapando os ouvidos num ar de pânico, colocou as mãos no queixo e a pensar repetiu incansavelmente para si mesmo: - São Luis, a filha da Amazônia brasileira. Como se deu isso na nossa história? Não acho que isto esteja correto. Saiu caminhando pela rua do Sol, passando pela fonte do Ribeirão, que jorra suas águas desde os tempos das sinhazinhas. Foi até próximo da antiga estação de trem da RFFSA, em frente do Primeiro Distrito Policial, passando em frente ao rio Anil e, na ladeira que dá para o Seminário Santo Antônio parou e olhou para o céu cheio de estrelas e, sentindo o frescor da brisa sorriu. Neste instante, Antonio passou correndo por ele e disse: - Ei Pecuapá! Tú estás a pensar por ti ou pelos outros. És o homem de um livro só, ou de livro nenhum?

Pecuapá disse: - É hoje que a porca torce o rabo. Não basta ler rapaz. É preciso interpretar, digerir o que se lê e transformar tudo num novo argumento, numa nova síntese filosófica, antropológica e matemática. Pecuapá foi se aproximando até parar no bar do português Albino, que de calça comprida e sem camisa, barriga estufada, atendia e servia aos fregueses do bar e da quitanda. Encontrou-se com a turma da Universidade Federal do Maranhão - UFMA e da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, e lançou a questão: O que tu achas Estevão do que o Frei Guilhermino disse, de que São Luis é a filha primogênita da Amazônia? Estevão levantou sua barriga pro ar, conseqüência de muita cerveja e vinho tinto de terceira categoria, barato e ruim, e foi logo dizendo: - Adoro os sermões do Frei Guilhermino, mas fico confuso com suas lições de História e Geografia. Nunca li um livro do começo ao fim. Da História tenho pavor, porque tem muitas datas e só falam de guerra. Explica tú mesmo essa questão histórica porque só aprendemos o suficiente para saber que São Luis foi fundada por franceses, embora os portugueses digam que foram eles que tudo fizeram por estas bandas. Para te dizer a verdade Eu sou apenas um cantor. Josefina, ajeitando os seus cabelos longos interveio na conversa, dizendo: - Alguns dos nossos professores não sabem fazer a conexão entre o livro e a geografia da cidade e do Estado. Todo mundo sabe um pouco de tudo, mas, quanto à nossa identidade nacional, quanto a saber se São Luis é a capital do reggae ou se ainda é a Atenas do Brasil, ninguém sabe dizer. Aliás, falar de Atenas já não soa tão bem como antes. Talvez seja melhor ser a filha da Amazônia por causa do minério de ferro que escoa dos portos de São Luis para o resto do mundo. A cidade e o estado do Maranhão estão perdendo sua identidade, pois a cidade está cheia de forasteiros, matemáticos e engenheiros que nada escrevem e nada pensam, apenas constroem pontes, viadutos ou máquinas pesadas, como se nos cálculos que fazem para qualquer projeto de engenharia civil ou mecânica não houvesse um conteúdo filosófico, histórico, geográfico e até teológico. Isto é o que eu tenho escutado pelos corredores da UFMA e da UEMA, foi logo se defendendo Josefina com um ar infantil. Mas gostaria de te escutar. Fala para o nosso coração e nossa alma o que tú pensas disso tudo. Sim, repetiu Estevão. Queremos te escutar. Pecuapá disse sorrindo: - Bem minha gente, e, levantando a mão com um ar nobre de caboclo pediu ao Albino uma aguardente local para molhar a garganta. Eram 8 horas da noite e Pecuapá estava calmo. A brisa do mar sacudia os cabelos das mulheres em volta que, tanto bonitas como feias, louras, morenas ou negras sorriam meigamente. Mês de Junho era o mês das festas populares e de muita conversa ao pé da porta e o mês de Santo Antonio casamenteiro. Todos se voltaram para ele a fim de escutá-lo atentamente.

Levantando sua mão direita pra cima com o dedo polegar direito empinado, respirou fundo e disse: - Espero que esta conversa não fique muito longa porque todos começarão a dormir. Disse em seguida: - Pessoal querido desta terra equatorial. Como todos sabem, o Maranhão teve e tem uma ligação muito forte com a França através dos padres capuchinhos franceses e dos marinheiros da Bretanha e Normandia, que já faziam comércio com os índios tupinambás, nestas terras que eles consideravam como a França equinocial. É só vocês pararem de ver a novela das oito e começarem a ler todos os livros de História disponíveis ou a escrever a tradição oral para as gerações futuras. Em qualquer cidade maranhense, por mais analfabeto que seja o sertanejo sente que deve haver uma origem além mar para o Maranhão e se orgulha disto. Por mais pobre que alguém seja, você não vê em São Luis, Tutóia, Caxias, Codó, Santa Inês, Pedreiras, Imperatriz, Carolina ou Balsas qualquer pessoa correr atrás de turista. O turista brasileiro ou estrangeiro ou mesmo qualquer trabalhador que para cá vem é bemvindo, mas ninguém bajula ninguém. Queres comprar, compra. Se não queres outros o farão. Queres criticar, critica, pois o papel aceita tudo, mas não comentas erros de sintaxe. Queres visitar, visita; se não o queres: outros dias virão e outras pessoas irão passar por aqui e deliciar-se com a nossa juçara e cochilar em nossas redes lendo Josué Montello. Não querendo te interromper e já te interrompendo, disse Maria Nunes: - Eu acho que tú tens razão e é por isso que todos são poetas ou poetisas no Maranhão e até filósofos. O lavrador mais analfabeto do vale do Mearim tem um linguajar refinado e não aceita nenhum poderio econômico passar por cima da dignidade de um homem ou de uma mulher. É assim mesmo Maria. Pecuapá retoma a conversa: - Lembram-se do Padre Antonio Vieira e dos seus sermões inflamados na Capela ou Igreja de Nosso Senhor dos Navegantes em que defendia os índios e seus direitos a uma vida digna. Este orgulho de ser maranhense e bem falante está no sangue de todos, quer sejam descendentes da mãe África, da mãe Europa ou da terra Brasilis. Bem. Como o projeto da França equinocial foi destruído, começou então o projeto lusitano, em que o Maranhão enquanto capitania foi se transformando aos poucos no Maranhão luso-equinocial. Se vocês forem dormir num casarão colonial de São Luis, vão encontrar os armadores para as redes em que as Sinhazinhas dormiam embaladas pela fresca do mar. Os arquitetos e construtores portugueses foram inteligentes ao adaptarem-se às condições do clima equatorial e a um modelo de cidade banhada pelo mar e por seus rios e baías. Os arquitetos e engenheiros de hoje têm que fazer o mesmo, pois as águas das chuvas devem escoar para uma bacia de tratamento antes de ir para o rio e o Oceano. Os seus conhecimentos de Cálculo devem ser complementados com estudos de História e Geografia para que a cidade não fique alagada com o menor chuvisco. Alguns arquitetos e engenheiros fazem também suas rupturas e o resultado é visto através de ruas alagadas e esburacadas. Provavelmente o material usado não condiz com a força das chuvas; é preciso mais pesquisa para descobrir que material seria adequado para o mar de águas que caem na época das chuvas.

Bom, já estou cansado e com fome, falou o Pecuapá e assim se expressou com o seu dedo polegar levantado: - Albino, traz-me uma caranguejada com um arroz de cuxá e uma cerveja bem gelada e oferece para todos porque hoje estou pagando. Todos falam ao mesmo tempo: - Que bom que temos comida de graça! Diz o Seu Luis: Longe de quem trabalha e perto de quem come, diziam os mais velhos. Albino, afadigado mas, contente com o número de fregueses, responde lá de dentro: - Tú não estás no Restaurante Sra Cabana. Aqui nós temos apenas caldo de peixe ou mocotó. Se quiseres vou logo buscar. Traz-me então um mocotó e deixa de conversas. Afinal tú não és o Eça de Queiroz ou o Ramalho Ortigão para quereres desvendar numa só noite todo O Mistério da Estrada de Sintra. Tudo já está desvendado: maranhense não gosta de sopa, mas aceita um caldo de bom grado. Todos os presentes aplaudem e dizem É isto mesmo! Ao comer este caldo bem apimentado com molho de pimenta bem maranhense e, depois de tomar sua cerveja bem geladinha, Pecuapá fala com voz de locutor de radio: - Como eu estava dizendo: - Se o Padre Antonio Vieira inaugurou em 1654 uma concepção filosófica, poética e barroca do Maranhão colonial pode-se dizer que em termos históricos o século XVII foi somente de tentativas de formação de um povo e de um território, mas o fracasso predominou sempre porque ninguém vive só de filosofia e poesia. Minha concepção é a de que: para estudar a História do Maranhão, antropológica e filosoficamente falando, é preciso levar em conta as rupturas Políticas, Culturais, Religiosas, etc., ao longo destes 400 anos. Além das rupturas políticas: primeiro os espanhóis, depois os franceses e holandeses e por fim os lusitanos, temos a questão dos rios, que separam o homem da terra e cortam o seu ser em dois: de um lado um homem e uma mulher fortes e altaneiros e de outro, pessoas doentias e febris, com possibilidades de adoecer de Hantavirose ou Esquistossomose e muitas outras doenças geradas pela umidade e calor, misturada com a abundância das águas, tanto dos rios quanto das chuvas. Os nossos médicos têm levado em consideração este fator climático nas suas consultas da população, e têm dado o melhor de si para a população. É Preciso continuar estudando as bactérias em sua adaptação ao nosso clima maranhense para encontrar soluções locais para os nossos problemas de saúde. Meses depois... Todos foram para suas casas e, meses depois se encontraram novamente, mas desta vez na beira-mar pelo meio da tarde.

- Ei Pecuapá, disse Josefina. - Continua então aquela conversa sobre a ruptura Psicológica e Cultural do povo do Maranhão. - Sim Josefina. Que bom reencontrar você e todos os outros nesta tarde de sol quente em pleno Janeiro de 2012, que deveria ser de chuva, já que estamos em plena estação do inverno e até meados de Março é chuva que não acaba mais em São Luis. Por sua vez li nas notícias que chove forte lá em Imperatriz e, em Porto Franco, a água do rio Tocantins subiu e desabrigou muitas famílias. Isto é uma ruptura que provoca tragédias humanas que poderiam ser evitadas se houvesse prevenção. - Ei Estevão. Fizeste uma dieta porque estás com um aspecto melhor. - Sim Pecuapá, tive que ir para a Academia e além disso só como beijú e cuscuz de milho e pão de nenhum tipo não como. A ruptura agora no Maranhão é também com o corpo físico e, por isso precisamos malhar. O negócio agora é malhação e evitar pão e açúcar; vamos comer a comida do pobre lavrador: macaxeira e beiju com café e leite e muito arroz de cuxá com peixe. A comida do pobre hoje é a mais saudável de todas. Neste instante, alguns pescadores saiam do portinho para irem em busca do peixe da madrugada. Eram por volta das 5:45, quase 6 horas da tarde e o sol já ia se pondo na beira-mar e no Itaquí-Bacanga. - Que foto linda! Disse Freddy Servais ao tirar várias fotos do pôr-do-sol, e da cidade dos azulejos, dos seus mais variados ângulos. Turistas passavam com seus guias falando das proezas da Nega Catarina Mina e de seus rebolados de fazer a alegria da praia grande. Todos se encontram novamente mas desta vez no Restaurante do Joarez, nos fundos do Mercado Central. Pecuapá pede uma pescada e diz que já está parando de beber. Pede um suco de maracujá, para acalmar os nervos. Joarez, um senhor bem vestido e aparentando um ar europeu nórdico, que era o dono do restaurante aquele ano, manda o garçom servir o grupo prontamente. Era um local bem organizado e asseado. Lugar para nenhum turista botar defeito e os garçons e as meninas do caixa, eram todos bem treinados. Pecuapá disse então: - Vocês querem retomar aquela conversa que tivemos há meses atrás. - Sim, respondeu logo Josefina e toda a turma da UFMA e da UEMA. - Bom, então continuando vou logo dizendo: - Falando um pouco sobre os índios do Maranhão, posso afirmar que as rupturas e assimilações culturais fazem com que a cultura indígena dos Canelas seja preservada e diferenciada das demais, apesar de todas as tentativas de destruição, conforme reportagem do programa do Fantástico da Rede Globo de Televisão do dia 1° de Janeiro de 2012. As rupturas culturais dos índios canelas com a cultura brasileira, são bastante salutares porque demonstram que ainda existe uma cultura tradicional, que através da dança em círculos e da corrida das toras insiste em permanecer no ambiente da aldeia. Fazendo um adendo, podemos dizer que estes nossos índios estão melhores, se comparados com a realidade dos índios canadenses, na cidade de Saskatoon, onde, segundo o documentário Out in the Cold, há uma tentativa de destruição de uma cultura tradicional, reduzindo-a um simples problema de ordem policial. Os índios seguem com suas rupturas.

Voltando para o que eu estava falando do povo. Tudo o que eu disse sobre a população da nossa terra faz do maranhense um povo forte e manso, esperançoso e sonhador. As águas dos rios, quando não se tornam enchentes devastadoras, servem de inspiração e formam o caráter de um povo. Dos rios de que falei pode-se mencionar os principais: Rio Itapecurú, Mearim, Pindaré, Corda e Parnaíba, em Balsas, bem lá no sul do Maranhão. Por falar em Balsas, alguns querem transformar toda aquela região no Maranhão do Sul, e a cidade de Balsas na capital da soja e do agronegócio e, desconhecendo totalmente os fundamentos históricos e topográficos de nossa cultura querem deixar de lado este lado poético e saudosista do maranhense. Em Balsas há também rios e riachos e isto vem moldando o caráter do povo. A riqueza econômica não deveria ser um empecilho para o desenvolvimento da transcendência e do valor da vida porque existem outros valores que formam um povo além do financeiro. Como disse são muitos os rios do Maranhão e muita água, e isto molda a terra e o homem. Se formos analisar o rio Itapecurú, que hoje, segundo Carlos Wilmsen está secando rapidamente, vemos que sua artéria divide o centro do Maranhão num grande arco até o rio Parnaíba, sendo a artéria mais histórica do Estado. Segundo Astolfo Serra, que todo estudante deveria ler: Essas águas rolam pelos quatro séculos de formação histórica do Maranhão. Estes rios todos formam a identidade cabocla e à parte do resto do Brasil. Para dar um descanso a Pecuapá, Josefina intervém mais uma vez e, de saia rodada e com os cabelos em rabo de cavalo, diz: - Canta para nós alguma coisa Estevão. Estevão diz: : - Eu gostaria de cantar as músicas do Maranhão que continuam inéditas no Arquivo Público do Estado, doadas que foram pelo Pe. João Mohana, mas como não posso vou cantar outra coisa. Com a licença do César Teixeira vou cantar: A flor do mal me quer, eu a quero também, só pra saber o gosto que a morte tem. E, quando os espíritos voltarem da guerra, encherei os olhos com a mais suja terra e ferrarei a mula rumo a Portugal... Bravo! Esta é a verdadeira música maranhense . Pecuapá continua num tom calmo e sem contestação: - Tivemos também as rupturas religiosas, que me fazem pensar no que teria acontecido de diferente em nossa História Eclesiástica se o Bispo Dom Jacinto Carlos de Oliveira tivesse tomado posse de verdade e não apenas por procuração lá de Portugal, no dia 21 de setembro de 1779, vindo a renunciar ao cargo no dia 8 de Agosto de 1780, sem nunca ter pisados os pés no Maranhão. Triste dele que não pisou na areia fofa da praia da Raposa, nem contemplou o sair dos barcos de pescadores na baía de São José de Ribamar. Quais teriam sido suas diretivas pastorais para aquele século da Revolução Americana e Francesa? Isso nós não iremos ficar sabendo, mas é curioso pensar nisto. Na sua fundação histórica, o Maranhão foi tudo menos Brasil. Algumas pessoas do sul do Brasil e outras de fora também dizem na surdina que o Maranhão não é Brasil. Pois eu vos afirmo como de um mirante: - Esta é a pura verdade histórica e não é uma ofensa.

O Maranhão é um marulhar de águas, e isto influencia a dolência do povo, o ser pacato e pensativo e, juntando-se ao analfabetismo crônico e a uma economia informal, da pesca ou da coleta do côco babaçú, etc., faz com que o Maranhão seja geográfica e politicamente uma incógnita, um aglomerado de pensamentos e sentimentos, que faz surgir figuras históricas que aparecem e desaparecem rapidamente: Neste caso temos um Padre Antonio Pereira, um Padre José Constantino Gomes de Castro, um Padre Raimundo Alves da Fonseca, que não temeu os ataques literários da pena de Tobias Barreto e que, de acordo com Graça Aranha, foi (a maior figura do clero do Norte e um dos mais conspícuos sacerdotes brasileiros) e que hoje ninguém se lembra em nossas terras. Foram e são as rupturas e assimilações filosóficas, culturais, geográficas, econômicas, religiosas e políticas que produziram aquilo que se pode denominar de um emaranhado cultural maranhense. Deste jeito maranhense de ser confuso e orgulhoso do passado glorioso da Atenas brasileira surgiu um Nauro Machado e sua poesia hermética e que ainda hoje pode falar tranquilamente com todos os que passam por seu caminho na Rua do Alecrim. Tivemos um Joãozinho Trinta e o seu brilho de um carnaval diferente, temos um José Sarney que, com sua sabedoria política fez tremer os generais da República e faz calar todos os que de norte a sul do país o criticam, saber talvez que para ele, que leu Maquiavel e o interpretou de forma original: perder em política é o pior das perdas, erros e danos. Por todo o nosso abençoado solo existem poetas e poetisas anônimos de norte a sul do Estado. A comprovação destas rupturas dá-se através das caixeiras do Divino Espírito Santo que, lá em Alcântara tocam as suas caixas em louvor dos seus ancestrais africanos e das tradições Católicas Açorianas. Convém que sejam feitos estudos mais detalhados para ver como surgiu em Portugal esta devoção da irmandade do Divino Espírito Santo como forma de ajudar os pobres a enterrar seus mortos, sob os auspícios da rainha Santa Isabel e que aqui perdurou, apesar de todas as rupturas. Para que não fique falando sozinho e ninguém contra-argumente vou expor-vos o seguinte: Se os séculos XVIII e XIX foram o século de ouro destes 400 anos, e isto com o cultivo e exportação do algodão, e as intervenções políticas do Marquês de Pombal, fazendo surgir um Gonçalves Dias, monárquico e altaneiro, figura de peso que se podia igualar a Homero e a um Coelho Neto, que já foi um dos mais lidos autores brasileiros e que hoje poucos estudantes no Brasil têm a coragem debruçar-se, alegando que sua linguagem está ultrapassada, aqui vai uma questão: Porque a São Luis do Maranhão republicano do século XXI se reduziu tão somente à capital do reggae e dos crimes mais inesquecíveis da nossa página policial local. Será que perdemos a capacidade de ler e interpretar os fatos da vida numa congruência filosófica que nos torna diferentes dos demais Estados brasileiros? Não somos contra o Reggae, que o diga a cantora Rosa Reis e suas músicas de Lelê e Reggae, mas no Maranhão, do ritmo Reggae deveriam se feitos estudos a fim de que ele pudesse ser assimilado e transformado em algo novo, como aconteceu com as Festas do Divino Espírito Santo.

Os crimes hediondos deveriam servir como estudo para a Polícia Técnica e Científica elaborar projetos de prevenção e fazer com que os criminosos vejam de uma vez por todas que o Crime não Compensa, como dizia no famoso Programa Policial do locutor Ruy Dourado e seu querido Xeleléu. Tem algo errado ai. Falta um que de ruptura e assimilação. Falta mais leitura e tempo para pensar e produzir conhecimentos novos para o nosso povo. O desconhecimento por alguns de nossa riqueza intelectual faz com que de forma pragmática ao modo Americano, uma cultura e um povo sejam classificados de forma preconceituosa e pejorativa, daí resultando afirmações tais como: maranhense é preguiçoso, paulista é trabalhador. Estas são afirmações que desconhecem a História real de um povo e não tem comprovação científica. No Maranhão a pobreza e a fome já produziram revoltas como a Balaiada, e até este fenômeno pode servir de modelo para a tese da ruptura e assimilação em que o auto-proclamado Imperador das Liberdades Bem-te-vis, que, para além da luta armada e sangrenta fez poesia e sonhou com um mundo diferente, sem temer as forças de Luis Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias. A geografia maranhense, com suas águas ribeirinhas produz sono e fantasia, imaginação e poesia, dolência e produção musical e literária. Para conhecer em primeira mão a diversidade geográfica deste querido Estado viajei em 1987 por longas 14 horas de barco no rio Turiaçu, pelas cidades ribeirinhas de Apicum-Açu, Turiaçu, Cândido Mendes e Carutapera, dormindo e acordando com o barulho do motor da lancha, entre céu e água, entre conversas sobre matemática e astronomia, carnaval de rua, filosofia e política, ouvindo o canto do Sabiá saudoso de terra, porque no Maranhão até os pássaros têm saudades, como a rolinha no paiol da fazenda. Em Turiaçu estive distraído pela conversa e perdi a beleza da ararajuba, ave símbolo do Brasil com sua beleza singular, que vive nas matas da Reserva Biológica do Gurupi, mas de qualquer forma não se tem acesso a esta reserva e os caçadores deveriam ser colocados em prisão caso tentem burlar a lei. Nas nossas rupturas e assimilações dorme o poeta e o louco e ninguém é censurado a não ser pela velha do sobrado do Carmo em São Luis, que aos gritos foi retirada de seu casarão numa tarde de sol, como esta que vivemos hoje. Enquanto não aparece um contestador, como Angel Vega e seu Orós grego, no teatro das paixões da vida ou o irônico Fenômeno Aristotélico, que é o ser ai entufado e presunçoso, as assombrações desfilam pelas dunas dos lençóis maranhenses nas noites de lua cheia, enquanto que os turistas paulistanos e mineiros, americanos e franceses dormem nas pousadas depois de um passeio de bugue, sem compreenderem de onde vem tanta miséria e tanto orgulho deste emaranhado de povo, que é uma mistura de poeta e sertanejo, filósofo positivista anti-clerical, mas cheio de vivências espirituais e de devoção católico-popular a São João Batista e Santo Antonio ou com um cunho evangélico exacerbado em que a visão de Jesus como único Salvador predomina ou os tambores da Casa das Minas que embalam as noites e madrugadas de São Luis; um povo analfabeto mas com um falar macio e doce como as noites das danças folclóricas em Braga ou da calmaria de uma manhã no Porto em Portugal, porque culturalmente o Maranhão está mais para Portugal do que para São Paulo ou Rio de Janeiro, mais para La Baule, Le Croisic e Nantes na França do que para Great Falls no Estado de Montana nos Estados Unidos. Quando este povo tiver mais acesso à educação formal ninguém o impedirá de produzir Ciência com Poesia, Engenharia com leveza Filosófica.

Aqui em São Luis até o mendigo mais pobre e o pescador sobre a ponte do São Francisco à beira-mar, como o seu Zé Sabonete sabe o valor do uso da vírgula e, mesmo sem nunca ter ido à escola tem um falar até certo ponto correto e educado. Nas cidades grandes do país faz-se pontes e viadutos, mas o povo vive triste e sem laços, enquanto que aqui faz-se literatura e pontes de convívio no bairro da MadreDeus. A literatura foi o que sobrou para o povo maranhense nesta República que tardiamente se tornou democrática e que em suas promessas, continua a viver sob o medo da discussão do rumo de uma monarquia interrompida, que no Maranhão deixou saudades. No Maranhão tudo é interrompido: amores são interrompidos como os de Gonçalves Dias e Ana Amélia, palácios são interrompidos como os palácios de Alcântara, projetos são interrompidos como o da França equinocial ou o da Holanda, que foi destruído por uma guerra tão violenta, que até hoje o povo acende velas pelos finados da guerra, tanto portugueses como holandeses lá no Outeiro da Cruz. O que permaneceu por inteiro no Maranhão foi a Literatura e a Poesia na alma de um povo assimilado mas contente, disposto a romper e assimilar-se num consolo com a vida digno do filósofo Epicuro. Poucas coisas são permanentes por aqui e o rei português Dom Sebastião é outra, para além da Literatura. Com seu ar fidalguio e seu rosto de menino, caminha com sua espada e couraça de guerreiro cristão pelas dunas dos lençóis maranhenses, entre o marulhar das águas cristalinas, numa contínua simbiose entre águas e dunas noite a dentro. Enquanto o mouro não o abate vive, o sonho de um Portugal eterno, próximo ao seu cachorro branco com pintas negras. Também nós vivemos o sonho de um Maranhão eterno, assim viveram nossos antepassados com a fartura do algodão que enriqueceu o Estado. Vivemos assim com as ilusões de um passado glorioso e assim vivem os jovens maranhenses e estrangeiros neste século XXI, feito de máquinas e tecnologia, a sonhar que com o gás natural virá a riqueza fácil e o ócio tão necessários para a poesia. Estes jovens maranhenses têm que observar as atitudes de seus colegas americanos, que embora tenham uma excelente formação petroquímica ou em diversos componentes da Engenharia industrial, uma só coisa rodeia as suas mentes: ganhar um bom dinheiro e retornar para a querida América porque aqui pode ser tudo menos América. Eles agora fazer parte da nova geração da ruptura tecnológica e preconceituosa que vê o outro não como desprovido de neurônios e mesmo capacidade de aprendizagem. As estatísticas atuais dizem que somos o Estado mais pobre do Brasil e os jovens tem baixos resultados no estudo da língua portuguesa. Isso prova que a República nos deixou na margem mais longínqua da nossa história. Somos quase a Sibéria tropicalensis, como dizia Dom Xavier nos seus tempos de padre, se referindo a Tutóia, baseado no que afirmou Monsenhor Hélio Maranhão. Apesar disso não conseguimos nos esquecer de que aqui se fala um bom português, quando se tem as condições favoráveis para isso. Neste ponto Justino entra na conversa e diz: - Geograficamente falando, já é bastante sabido que o Estado do Maranhão é um estado de transição entre o Norte e o Nordeste do Brasil, com um relevo de costa recortada, planície litorânea, com dunas únicas no mundo e planalto no interior e isto produz uma vegetação composta de cocais a leste, mangues no litoral, floresta Amazônica a oeste e

cerrado ao sul do Estado. Esta parte de floresta Amazônica ou semi-amazônica confunde a pessoa e muitos dizem que o Maranhão é também Amazônia. Sim, isto é verdade, mas apenas em parte porque acima do Maranhão passa a linha imaginária do Equador a 2 graus de latitude que faz toda a diferença com o resto da Amazônia. Qualquer turista estrangeiro ou brasileiro deveria pedir ao seu guia local para mostrar-lhe o sol em pleno meio-dia. À pergunta: onde está o sol? A resposta simples de qualquer criança é: Está lá em cima pai. Por causa disto é que o calor é grande e o paulistano, se não quiser derreter tem que andar de ventilador portátil como Dom José da Motta e Albuquerque, nos seus auges de Arcebispo. Josefina continua: Se o turista quiser frio terá que ir para Caxias do Sul e saborear as uvas deliciosas que produzem um vinho brasileiro que está cada vez melhor, sem se comparar ainda com o vinho Francês, Sul-Africano ou Português mas a tendência é melhorar. Neste caso deve evitar a querida Caxias porque lá o sol é eterno. Caso esteja disposto a experimentar o calor então venha e aproveite as nossas praias e os nossos lençóis maranhenses e coma bastante bacuri, buriti, murici, jenipapo, tamarindo, cajú, cupuaçu, jaca e tantas outras frutas deliciosas e, sorria porque você está no melhor do Brasil. Aqui somos pobres mas felizes. A taxa de suicídio, é mínima se comparada com a do Japão porque o maranhense é povo feliz. Pecuapá retoma as reflexões e diz: Se formos fazer um apanhado geral podemos dizer que em termos filosóficos aqui no Maranhão o método filosófico que se baseia na tese, antí-tese e síntese hegeliana retomada por Karl Marx de forma materialista, tem um novo patamar que seria: ruptura, assimilação e, ao invés da síntese final, temos um novo recomeço com a ruptura segunda, num contínuo Ad eternum, que a nossa História futura dirá até onde vai chegar. Como exemplo disso temos os vasos comunicantes dos laboratórios de Química dos anos oitenta. No Maranhão estes vasos seriam incomunicantes, porque cada um chega e faz a sua História, sem levar em conta o que o outro fez ou disse. Há uma presunção e discontinuidade que irrita o pesquisador ou o estudante de História e poucos deixam o registro histórico dos fatos. Neste caso a conclusão seria Ruptura, Assimilação e Ruptura como constantes filosóficas de nosso modo de ver a vida e os fatos e isto tem um pouco de herança lusitana e europeia com suas guerras infindáveis. Antes da guerra que pós fim à ex-Iugoslávia, o filósofo Emanuel Lévinas dizia em Paris numa conversa que tivemos em 1990 que era a primeira vez em que a Europa vivia um período de paz por muito tempo. Depois de tanta conversa, Pecuapá foi-se embora para Pedreiras no primeiro ônibus que encontrou e se retirou para debaixo da ponte que separa Pedreiras da Trizidela do Vale e, adormeceu sob as dunas do rio Mearim, sob o calor dos trópicos que só os locais apreciam. Uma semana depois Uma semana depois em São Luis, em frente da Igreja da Sé, por volta das 10 da manhã, a bela negra Raguel, vestida de um manto azul celeste e com um véu branco na cabeça, começa sua pregação diária. Ela se auto-proclamou a profetisa de um novo tempo e sua missão é ler a Bíblia e comentar fatos da cidade e do mundo. Fala por horas a fio e, depois come uma comida saborosa pela Praça João Lisboa e vai até a fonte do

Bispo e bebe de sua água pura antes de ir para casa descansar e pensar em outras leituras. Naquela manhã de Sexta-feira, dia 13 de Janeiro de 2012 ela falou com todos os pulmões: No livro de Ester 7, 1-2 está escrito: "O rei e Haman foram, pois, ao banquete de Ester. No segundo dia, disse outra vez o rei a Ester, durante o festim: Qual é o teu pedido, rainha Ester? Ser-te-á concedido. Que é o que desejas? Mesmo que fosse metade do meu reino, obtê-lo-ias...". Raguel nossa profetisa retoma o seu diálogo que é na verdade um monólogo para o mundo: - O rei perguntou à rainha o que ela queria. No nosso contexto cultural e antropológico diria que eu gostaria que a História se fizesse de outra forma. Se eu fosse Dom Xavier Gilles de Maupeou d'Ableiges, como bom maranhense que se transformou eu iria interromper qualquer outro projeto de autoridade Eclesiástica e iria emaranhar o meu projeto de realização do sonho tardio de uma França equinocial em 2012. E a profetisa continou a falar com voz forte... O dia de Dom Xavier no 8 de Setembro de 2012 poderia ser assim: Na escuridão dos trópicos, às 6:30 da manhã do dia 8 de Setembro de 2012, lá pelos lados do Bonfim, junto dos leprosos e leprosas deste mundo, como um moderno Franciscano, apesar de ser somente um Bispo diocesano emérito, não muito longe de onde os portugueses receberam a cidade de volta dos franceses, Dom Xavier Gilles de Maupeou d Ableiges, direto descendente de nobres franceses, acorda feliz na cidade que acolheu Daniel de La Touche Seigneur de La Ravardière e que o acolhe todos os dias, passados 400 de sua conquista pelos franceses. Dom Xavier pega no seu carro e dirige-se até à Catedral da Sé em São Luís. Levanta os olhos para a praça Pedro II e lembra-se da Catedral do Sagrado Coração de Jesus, em cima da colina Montmartre em Paris, onde os revolucionários franceses travaram sangrentas batalhas para depor o rei; respira fundo, e sente-se acalentado com as boas lembranças da França que o viu menino, já que a França equinocial foi destruída pela guerra, interrompida por lutas sem fim, numa ruptura antropológica nos trópicos. Coloca as mãos na cabeça e, com a altivez de seus quase dois metros de altura, com um ar próprio da nobreza das cortes europeias e, com um sorriso seco olha para o piso e o telhado da Sé e vê lá em cima a imagem de Nossa Senhora da Vitória. Seus pensamentos vão para seu pai, Gilles Marie H. de Maupeou d'Ableiges e sua terna mãe Marie Fernande de Maupeou d'Ableiges, que espiritualmente contemplam com ele a beleza desta cidade, através de seus olhos azuis como o céu da nova América. Num Te Deum interior, típico de todos os Bispos que passaram por esta cidade e, ao lado do Arcebispo Metropolitano Dom José Belisário adentra no átrio da Igreja e, com lágrimas de emoção celebra a Missa de Ação de Graças pela cidade, pelo povo francês e pelo povo maranhense, pelo povo de Tutóia e de Viana, de Axixá e Humberto de Campos, e todos os que acreditaram e acreditam que é possível ser feliz em Deus. Tinha a mesma devoção de um jovem sacerdote. Eram 8 horas da manhã e o sol já estava alto e os bem-ti-vis não paravam de cantar por todos os lados da cidade. Enquanto isso em La Baule, no oeste francês, o conde e a condessa tomam o seu chá das 5 da tarde com os seus filhos e amigos e se lembram de quanta coisa Xavier deixou para trás para viver coisas novas e evangelizar o povo.

Ao fim da Missa, pelas 9 e meia da manhã, ouve-se o pregão do velho André na Praça Benedito Leite: Balaio, tem Balaio! Quer Balaio ai freguesa? E sai com todos os seus balaios pelas escadarias das ruas históricas. Grita então o homem da barba grande: - Viva São Luís do Maranhäo, a capital da Cultura das Américas em 2012! Vivam os seus 400 anos de História! Vivam os laços de São Luis com a França e Cancale. Viva o Brasil! E todo o povo disse: Viva! Raguel, a Profetisa do novo tempo, saiu calmamente, com a consciência do dever cumprido e foi para a fonte do Ribeirão. Bebeu da água em que os antigos escravos africanos beberam e deram de beber às Sinhazinhas portuguesas, e saiu caminhando pela rua do Ribeirão e, olhando para a estátua de Netuno em cima da fonte, disse: - Sai pra lá Satanás. Em nome de Jesus! Ao lado da rua do Sol passava o Pastor Junior que foi logo dizendo: Isso mesmo irmã. A esperança é Jesus! Dom Xavier saiu caminhando lentamente para a frente do Palácio dos Leões e, de frente para a Baía de São Marcos levantou os braços e acolheu a brisa do mar, lembrando-se da chegada dos seus ancestrais Franceses, mostrando um grande sorriso no lugar em que os Governadores foram amaldiçoados ou abençoados por seus Bispos e, lembrando-se de quando foi preso pela Ditadura Militar Brasileira disse bem alto para o mar e o Mundo ouvir: - Eu, Deus e o homem! E recitou com fé o tradicional Te Deum que todos os Bispos rezavam quando tomavam posse da Sé Episcopal: Te Deum laudamus: te Dominum confitemur. Te aeternum Patrem omnis terra veneratur. Tibi omnes Angeli; tibi caeli et universae Potestates; Tibi Cherubim et Seraphim incessabili voce proclamant: Sanctus, Sanctus, Sanctus, Dominus Deus Sabaoth. Pleni sunt caeli et terra maiestatis gloriae tuae. Te gloriosus Apostolorum chorus, Te Prophetarum laudabilis numerus, Te Martyrum candidatus laudat exercitus. Te per orbem terrarum sancta confitetur Ecclesia, Patrem immensae maiestatis: Venerandum tuum verum et unicum Filium; Sanctum quoque Paraclitum Spiritum. Tu Rex gloriae, Christe. Tu Patris sempiternus es Filius. Tu ad liberandum suscepturus hominem, non horruisti Virginis uterum. Tu, devicto mortis aculeo, aperuisti credentibus regna caelorum. Tu ad dexteram Dei sedes, in gloria Patris.

Iudex crederis esse venturus. Te ergo quaesumus, tuis famulis subveni: quos pretioso sanguine redemisti. Aeterna fac cum sanctis tuis in gloria numerari. Salvum fac populum tuum, Domine, et benedic hereditati tuae. Et rege eos, et extolle illos usque in aeternum. Per singulos dies benedicimus te; Et laudamus Nomen tuum in saeculum, et in saeculum saeculi. Dignare, Domine, die isto sine peccato nos custodire. Miserere nostri Domine, miserere nostri. Fiat misericordia tua, Domine, super nos, quemadmodum speravimus in te. In te, Domine, speravi: non confundar in aeternum. E com seu sorriso corriqueiro, Dom Xavier concluiu: - Em Cristo nós vencemos o mundo e suas maldades, e o Maranhão e o Brasil, do Rio Grande do Sul ao Acre hão de ser novamente a terra onde se pensa, ama, vive e reza, com um desenvolvimento por igual! Enquanto isso em Codó, Padre Carlos Wilmsen passeia por sua horta orgânica bebendo leite com bastante água e ensinando ao povo a dar valor à sua terra dizendo: Não me tirem do meu Maranhão! O que importa é ser feliz e cuidar da saúde do povo. Nesse instante, a jovem Gabriela, de 20 anos de idade se aproximou da Catedral de São Luís e falou em Francês e Inglês para os visitantes de outras terras: En parlant un bon français, Gabriela, une jeunne-fille de 20 ans a dit a des touristes francophones de Belgique, de la France, de Suisse et du Québec: Esperons que le jumelage entre Saint Louis du Maranhao au Brésil et Saint-Malo en France pourra s agrandir pour nous faire parvenir a une nouvelle vie ici aux tropiques. Vive la ville de Saint Louis en ses 400 ans d’histoire! Vive La France! Vive Saint-Malo et son amour pour la ville de Saint Louis! Vive la Belgique, son peuple et son roi Albert II! Vive le Brésil! Et tous on dit: Vive! Gabriela, a young lady of 20 years of age said in English to the tourists from Canada, USA, South Africa and Australia outside Sao Luis’s Cathedral: This is the story of Pecwapah or Pepe like Canadians lovely call him, and the city of Sao Luis in Maranhao State – Brazil. If you wish to know more about it’s foundation 400 years ago look for the Museum of the city and talk to the people of the Institute of History and Geography of Maranhao. There is a lot to know about Maranhao and it’s relationship with England because Lord Cochrane was Governor here in the XIX century. In Maranhao there is always unfinished business. Conquered by French, Portuguese and Dutch, Sao Luis will be forever the land of poets and authors despite of its poverty. Maybe its richness resides on the passion for literature.

Bibliografia consultada: MÉRIAN, Jean-Yves. Les Aventures des Bretons au Brésil à l'Epoque Colonial, Editions Les Portes du Large - décembre 2007 - ISSN 1950-0491 - ISBN : 978-2914612-22-7; SERRA, Astolfo. A Balaiada, 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Bedeschi, 1946. A polêmica de Tobias Barreto com os padres do Maranhão – Josué Montello Alusão ao programa da Rádio Timbiras O Crime não Compensa do radialista Ruy Dourado e seu personagem Xeleléu. Reserva Biológica do Gurupi: http://wikimapia.org/9744577/pt/ReservaBiol%C3%B3gica-do-Gurupi-Maranh%C3%A3o-Brasil Reportagem no Programa Fantástico da Rede Globo de Televisão mostra os índios canelas no sul do Maranhão em interação escrita e cultural com o antropólogo americano Bill Brocker há mais de 50 anos, demonstrando que todas as pessoas podem ter acesso á informação, independente da sua origem cultural ou filosófica. Documentário canadense Out in the Cold, www.sarahabbot.ca/outinthecold, 29:40, B&W, Stereo sound 2008 Amoeba Works. Notícias do sul do Maranhão http://www.radioboanoticia.com.br/2011/ Dom Sebastião, rei de Portugal:http://pt.wikipedia.org/wiki/Sebasti%C3%A3o_de_Portugal Composição geográfica do Estado do Maranhão: http://brasilchannel.com.br/estados/index.asp?nome=Maranh%E3o Cidade de Saint Malo: http://www.ville-saint-malo.fr/ http://jcraymond.free.fr/Celebrites/R/Ravardiere/Ravardiere.php Lord Cochrane: http://en.wikipedia.org/wiki/Maranh%C3%A3oo Maranhão, Monsenhor Hélio. O brilho das Estrelas. São Luis: Academia Maranhense de Letras, 2004. Bíblia Sagrada. Lisboa: Difusora Bíblica, Missionários Capuchinhos, 9ª edição, 1981. De Moraes, João Quartim. Epicuro – as luzes da Ética. São Paulo: Editora Moderna, 1998. César Teixeira. CD Shopping Brazil. Gravado entre Dezembro de 2002 e Abril/2003 nos Studios Phocus – São Luis/MA. Te Deum. Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Te_Deum Palavras chaves: Rupturas filosóficas, culturais, geográficas, econômicas, religiosas e políticas Lendas, poesias, impermanências, Maranhão, culturas, rupturas e tradições.

COLONIZAÇÃO: da vontade do rei à fidelidade dos colonizadores ALDY MELO Existem conceitos que são fundamentais para se entender bem o que foi a colonização, como e porque agiram os colonizadores enquanto pessoas, ou cumpridores de ordens superiores, quais os interesses principais dos paises colonizadores e o comportamento dos colonizados. É importante, também, que nos estudos sobre o poder, se constate igualmente as marcas do tempo da colonização, o poder que exerciam os governos e os grandes rumos que o mundo daquela época vinha tomando, até chegar aos nossos dias. 13 Em qualquer língua e em qualquer dicionário, colonização sempre é vista como um processo de povoamento de um território por indivíduos ou povos que a eles não se vincula ou, como bem diz a expressão comumente usada, são estranhos. Colonização significa ocupação de um território estrangeiro por outros povos. Vindos de outros paises ou regiões, povos diferentes daqueles que habitam os territórios, assumem o poder e exercem o domínio, quase sempre subjugando os habitantes naturais. Esse foi o processo que fez com que a espécie humana se espalhasse e crescesse pelo mundo a fora, fazendo surgir paises, cidades ou conglomerados de pessoas que absorveram, sob pressão, os costumes e os valores dos colonizadores individualmente ou das nações. A colonização, como tudo na vida humana inclusive a própria vida, teve seu início e seu fim, mesmo que continue em alguns casos, mas com outros nomes e outros métodos. A colonização foi uma aventura do poder estabelecido, mas foi também uma rara prova de fidelidade dos seus líderes, quase sempre fidalgos, nobres ou mercadores de alta confiança do Rei ou Imperador. Nos diversos processos de colonização, encontramos distintos perfis de colonizadores, cada um exercendo suas tarefas específicas de acordo com o ordenamento real ou imperial. Havia os mercadores e mascates, responsáveis pelas atividades mercadológicas de acordo com os desejos da colonizadora; os administradores das colônias; os olheiros, aqueles que exerciam as funções de delatores dos contrários á vontade da coroa; os arrecadadores de tributos; os zeladores da fé, quase sempre bispos, padres ou missionários. Aos colonos cabia a missão de produzir, de seguir as ideias dos senhores, não se opondo ao rei ou imperador. Já nessa época, quando se expandia a aventura da colonização, surgiram os primeiros traficantes de escravos negros, oriundos do litoral africano, sobretudo para as colônias portuguesas e espanholas. Os colonizadores eram assim: exploradores dos nativos habitantes, pondo em prática uma política escravocrata nos novos territórios colonizados 14. Tempo de Colonização: início e fim 13

Alvin Toffler, quando escrevia “O Choque do Futuro”, em 1972, pág. 155, referiu-se à passagem do tempo e dizia: “ O problema não é saber se o homem sobreviverá à arregimentação e à estandardização. O problema, como haveremos de ver, é saber se pode sobreviver ao exercício pleno da liberdade .” 14 “ A Ilha de São Tiago, no Arquipélago de Cabo Verde, e as de São Tomé e Príncipe, por exemplo, foram importantes entrepostos exploradores dessa mercadoria humana sem que, por isso, as peças delas saídas, ou fôlegos vivos, como também de dizia dos escravos, fossem negros insulares.” Dez Estudos Históricos, Mario M. Meirelles, pág. 128.

Na Pré-História a colonização de territórios novos enfrentou a luta contra a população de animais que ocupavam os territórios. Na Antiguidade já pudemos conhecer diversos tipos de colonização, sem os métodos e procedimentos que marcaram esse tipo de ação nos séculos posteriores. No século XII, os reis mongóis constituem um império colonial. Naquela época, a colonização assumiu uma configuração bem distinta e o crescimento populacional, econômico e social deu-se por um tipo de colonização que teve muitas vezes de exterminar povos, com o foi o caso dos Mongóis e Japoneses, no século XIII, sob o comando de Kublai Khan, líder os povos Mongóis. A partir do século XV, passamos a conhecer o tipo de colonização que perdurou durante muito tempo, a cabo de países europeus que passaram a se dedicar à busca de outros e novos territórios. Foi a partir desse século que começou a aparecer esse tipo de colonização que conhecemos. A escravidão foi muito comum na colonização, permitindo a essa tipo de ocupação sob pressão a exportação de populações africanas para as Américas e a Europa. Os séculos XV e XVI, chamados de séculos dos descobrimentos, tiveram uma liderança da Espanha e Portugal. Os portugueses e espanhóis foram os pioneiros na conquista das descobertas no Pacífico, nos Oceanos Atlântico e Índico. Foram esses os séculos das grandes navegações e dos descobrimentos marítimos. Veneza e Gênova, na Itália, eram detentoras das grandes empresas da Europa. Todo o continente europeu voltava sua atenção para a Índia, em busca de especiarias e metais preciosos. 15Foram séculos marcados pelo absolutismo dos regimes. O século XVII já chegou diferente. O século já veio com sua filosofia moderna. Começava o racionalismo até chegar ao Renascimento. Foi o século dos grandes filósofos e cientistas como Francis Bacon, Thomas Hobbes, Pascal, Galileu Galilei, Isaac Newton e Baruch Spinoza. A Grã-Bretanha criou a Companhia de Comércio, em 1620, e atinge o Canadá. Através de sua Companhia das Índias Orientais, chega à Índia. Os franceses chegaram à Guiana Francesa e à costa do Brasil. Nos Estados Unidos os franceses fundaram a colônia de Louisiana. Os holandeses, como os britânicos, criaram a sua Companhia das Índias Orientais , em 1621, e a Companhia das Índias Ocidentais e conseguiram sair do domínio dos espanhóis. Houve tentativa de colonização dos holandeses, no Brasil, sob o comando de João Maurício de Nassau. Na América do Norte, os holandeses criaram a colônia de Nova Amsterdã, hoje Nova York. O século XVIII foi o século das chamadas revoluções burguesas como a Revolução Francesa e a Revolução Industrial. Foi com ele que a humanidade conheceu o Iluminismo - foi o século das luzes. Os russos iniciavam sua política de colonização, chegando ao Alasca. Os Estados Unidos da América tornaram-se independentes, em 1783, perdendo a Grã-Bretanha suas colônias no território norte-americano. Esse foi o século onde houve maior incidência de independências nas nações e dos povos da América do Sul. No século XIX, a Grã-Bretanha colonizou Cingapura, em 1819. Nesse século, a Grã-Bretanha chega a Xangai e avança na África. Foi nesse século, em 1872, que a 15

Em seu livro “Gente do Mar... Maranhão”, o autor Carlos Alberto Santos Ramos, assim se expressa: “ Os navegadores portugueses exploraram, se apossaram e fundaram várias cidades portuárias no seu litoral, que serviam de Feitorias e pontos de apoio para inúmeras Frotas e Esquadras de navios portugueses que operaram na Carreira das Índias; destacam-se os Portos de Goa e Málaca, pontos estratégicos para a conquista europeia no continente asiático; esses portos foram posteriormente ocupados por holandeses e ingleses que alí se estabeleceram nas suas expansões marítimas no oriente.”

rainha Victória proclamou-se Imperatriz da Índia. Em 1884, deu-se a Convenção de Berlim que dividiu os territórios africanos entre as diversas coroas europeias. A Alemanha, detentora de uma parte importante do território africano, criou a sua Associação Colonial para proteger suas colônias na África. A Rússia terminou a metade do século XIX como uma das grandes potências da Europa e uma das monarquias hereditárias mais absolutistas da Europa. No final do século XIX, os japoneses dominam a Coreia, ocuparam parte da China, a Indochina, as Filipinas e a Indonésia que também era chamada de Índias Orientais Holandesas. No século XX, a Grã-Bretanha devolve Hong Kong à China e o colonialismo com visto nos séculos anteriores passa para a história da humanidade. Uma história de horror, humilhação e tristeza. Se observarmos a história, podemos descobrir que a colonização também seguiu uma cronologia. O poder dos colonizadores ocorreu dentro de um tempo que lhes era favorável e de acordo com os interesses que defendiam na época. Assim podemos dizer que o poder do Império Alemão nem sempre correspondeu ao poder colonialista da Coroa Britânica. O poder da Coroa Espanhola não foi igual ao poder da Coroa Francesa. A Coroa Holandesa não tinha os mesmos interesses da Coroa Portuguesa e essa última não fazia o que fazia a Coroa Russa. Mais tarde, passado o tempo de colonização, vieram as Independências das nações e dos povos, com vida e morte. A cronologia da colonização A Coroa Espanhola foi pioneira em descobrimentos e conquistas no território do Novo Mundo, fundando suas colônias no Caribe, na América Central e na América do Norte. As terras encontradas por Cristóvão Colombo logo foram disputadas pela coroa portuguesa. A disputa foi grande que precisou da interferência da igreja católica. O Papa Alexandro VI, que era espanhol, propôs a Bula Inter Coetera que, através de um meridiano, dividiu o Oceano Atlântico em duas partes: a parte que pertenceria à Espanha e a parte que pertenceria a Portugal. Foi o Tratado de Tordesilhas, em 1529. No Caribe a Coroa Espanhola possuía as seguintes colônias: Antígua e Barbuda, Cuba, Hispaniola (hoje República Dominicana e Haiti), Jamaica e Porto Rico. Na América Central: Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá. Na América do Norte: México, Novo México, Texas, Colorado, Nevada, Nebraska, Dakota do Sul e do Norte, dentre outras regiões. A colonização espanhola começou no século XV, com Cristóvão Colombo que descobriu as Américas em 1492. Diz a história que Colombo buscava um caminho para as Índias. Nessa época, a Europa vivia a euforia da expansão territorial e pipocava por todo o velho continente a ganância por novos territórios e pelas suas riquezas naturais e minerais, como o ouro. Os espanhóis tiveram que fazer muitas concessões e alianças com os nativos, sobretudo, os Incas e Astecas que contavam com os seus impérios. Todo o processo de colonização da Coroa Espanhola começou no século XV, com o interesse de chegarem até as Índias Ocidentais. Cristóvão Colombo, embora não fosse espanhol, começava o processo de colonização espanhola quando, em 1492, descobriu o continente americano. O império colonial espanhol existiu no período de 1494 a 1898, ou seja, desde a era dos reis católicos até 1898, quando foi feita a dissolução do império. O mundo vivia no século XV, a era dos descobrimentos, e a Espanha e Portugal empolgavam-se pelos territórios americanos descobertos por Colombo e logo implantavam seus projetos de colonização em territórios que foram

divididos pelo Tratado de Tordesilhas, em 1529. Os espanhóis tinham sob seu controle toda a costa das Américas Central e do Caribe, indo até a costa brasileira que pertencia a Portugal. Os espanhóis,diferentes dos ingleses, não estavam interessados em desenvolver seus territórios colonizados e sim na exploração dos recursos naturais e minerais. O império colonial espanhol expandiu-se até o novo continente americano, chegando a ser chamado de império onde “o sol não se punha”, devido a sua ganância por territórios novos e riquezas. Ele assumia a liderança nas explorações por mar e por terra trazendo não apenas novos conhecimentos, mas especiarias, e muito luxo para a Coroa Espanhola. No entanto, com a chegada do século XIX e os movimentos de independência, a Espanha perdeu suas antigas colônias e passou a ser uma potência de menor tamanho e importância para a Europa, diferente do que fora nos séculos XVI e XVII. A colonização portuguesa foi responsável pela chamada América Portuguesa, mais tarde chamada de Brasil. O sentimento europeu da época era o de expansão marítima e comercial. No princípio do século XIV, os portugueses já haviam descoberto a explorado as Ilhas Canárias, no reinado de D. Afonso IV. Mas foi com a conquista de Ceuta, em 1415, que Portugal deu início ao seu processo de colonização e começou efetivamente a chamada “era dos descobrimentos” portugueses, onde se inclui o Brasil, em 1500, terras da China, em 1513, e terras do Japão, em 1543. Os interesses comerciais de Portugal conduziram as decisões da Coroa Portuguesa, levando em conta os portos do Mediterrâneo, as rotas comerciais da época e os caminhos existentes na Europa. A expansão portuguesa era seu objetivo e sua principal ambição era chegar até as Índias. Ainda no século XV, os portugueses descobriram a Ilha da Madeira, sem qualquer povoamento, na costa africana, depois vieram ao arquipélago de Açores e chegaram até a costa oeste da África, após contornar o Cabo Bojador, referido por Fernando Pessoa. Em seguida vieram Cabo Verde, ilha do Oceano Atlântico, Golfo de Guiné, Serra Leoa, Benin, Gabão e as Ilhas São Tomé e Príncipe, na África. Em 1500, foi descoberto o Brasil por Pedro Álvares Cabral, que se caracterizou como uma mera colônia de exploração. No período colonial brasileiro que foi de 1500 a 1530, não houve, por parte da Coroa Portuguesa, planos para o desenvolvimento da nova região, cabendo aos portugueses somente a defesa contra as invasões, como foi ocaso da França Antártica, no Rio de Janeiro, e da França Equinocial, no Maranhão. Depois foram criadas as Capitanias Hereditárias, visando o desenvolvimento da colônia e a defesa das mesmas contra a invasão de estrangeiros. É bom esclarecer que o modelo colonial vindo da Coroa Portuguesa, no Brasil, foi caracterizado pela escravidão vinda da África, instituindo-se o tráfico negreiro. A colonização portuguesa foi uma colonização que mais contou com estruturas do ponto de vista econômico e social e das condições nacionais para o exercício das conquistas. Os portugueses foram, sem dúvidas, os europeus que mais dispuseram de instrumentos que garantissem seus procedimentos de expansão marítima e comercial para fixar seus domínios coloniais. Os ingleses iniciaram a colonização desde Henrique VII, em 1465, mas foi no reinado de Isabel I que surgiu a primeira colônia britânica, a Califórnia, com o nome de Nova Inglaterra. Em 1587, no reinado de Jaime I, surgiu a segunda colônia, também no continente americano, chamada de Virgínia, em homenagem à futura rainha virgem, Elizabeth I. Mas foi a partir do século XVII, já no reinado de Elizabeth I, (1558 a 1603) após a Espanha e Portugal, que a Grã-Bretanha assegurou seu processo de colonização. Ela avançou no Novo Mundo, embora suas terras colonizadas fossem de pouca produção e não muito úteis a seus interesses mercantilistas. Mas tarde foi criada a Companhia de Comércio e, em 1620, a Grã-Bretanha chega ao Canadá e avança seu

poder de colonizadora, passando a ter territórios no Note, no Sul de no Centro do território americano até atingir as 13 colônias só no futuro Estados Unidos. A GrãBretanha desenvolveu um processo distinto nas suas colônias americanas, diferente dos espanhóis e dos portugueses, dando às colônias poderes para se desenvolverem, desde que não pudessem fugir do domínio exercido pela coroa britânica. Na colonização inglesa nos Estados Unidos, os protestantes que foram da Europa fugindo da perseguição religiosa tiveram um importante papel no processo produtivo que lá se implantou. A Grã-Bretanha estendeu seu poder a outros novos continentes e marchou para a Índia. Até l670, a Coroa Britânica já contava com as seguintes colônias: Nova Inglaterra, Virgínia e Carolina, na América do Norte; Barbados, Belize e Jamaica, além da Índia, graças ao desempenho da Companhia das Índias Orientais. Com a independência dos Estados Unidos, estende seu poder sobre a Austrália e a Nova Zelândia. Em 1819, é incluída Cingapura e logo depois o Canadá. Em 1872, a rainha Vitória proclamou-se Imperatriz da Índia, num gesto de engrandecimento do poder colonial. A Grã-Bretanha ocupa Xangai, na China, e na África conta com o Egito, Cabo da África do Sul, Sudão, Tanzânia, Uganda e Rodésia. Com a partilha da África, em 1884, a Coroa assumiu o Senegal, a Nigéria e Gana, além da região onde já exercia seu poder colonial. Após a Primeira Guerra Mundial, foi criado o Crommonweath que muito fortaleceu a unidade da Coroa em suas colônias. Na Segunda Guerra Mundial, a Coroa Britânica sentiu as reações da Índia e do Paquistão caminhando para suas independências. A partir da Segunda Guerra Mundial iniciou-se a desagregação do Império Colonial Britânico indo terminar, em 1997, com a entrega de Hong Kong à China. Hoje a Grã-Bretanha não é mais potência para enfrentar ou desafiar o mundo. Os franceses também chamados de bretões e normandos voltavam suas atenções para o novo continente americano e pretendiam disputar com os espanhóis e portugueses que já tinham seus territórios definidos pelo Tratado de Tordesilhas, em 1529. Como ocorreu com a Grã-Bretanha, a colonização francesa aconteceu tardiamente, quando as nações ibéricas já tinham avançado bastante. O processo de colonização francês começou efetivamente no reinado de Francisco I, pela ocupação de áreas na América do Norte, sem, no entanto, ter tido sucesso. Eles começaram suas aventuras em 1563 pela Flórida, lá deixando a cidade de Jacksonville. Em 1589, partiram para a Nova Escócia, em território canadense, sem muito sucesso também, só voltando mais tarde para fundar Quebec, com o nome de Nova França. Trataram de ir ao território brasileiro fundar a França Antártica, no Rio de Janeiro, mas foram expulsos por Mem de Sá. No século XVII tentaram novamente fundar um nova colônia, deste vez no Maranhão, onde fundaram a cidade de São Luis, e a chamaram de França Equinocial, em 1612. Novamente foram expulsos pelos portugueses. No caso específico da fundação da cidade de São Luis, que comemora seus 400 anos, o Professor Mário Martins Meirelles em seu livro França Equinocial pág. 65 nos conta o momento da fundação. Assim relata: “Por fim, dada por formalmente fundada a Colônia, o Senhor de Razilly deu ao Forte o nome de Saint-Louis, em homenagem ao rei menino, Luis XIII, de França e Navarra, de quem era loco-tenente-generais na terra; e ao ancoradouro, ao pé do Forte, e do Port de Sainte-Marie, em homenagem à Virgem Mãe de Deus, pois que era aquele o dia de sua natividade, e em homenagem à Rainha-Mãe e Viúva, Maria de Médici, patrocinadora da expedição.”

A Coroa Francesa estendeu seu poder para as Índias Ocidentais ou Antilhas, quando surgiu o Haiti. Consegui chegar até a costa brasileira, emGuiana Francesa. Fundou também as colônias de Guadalupe e Martinica. Em 1699, os franceses chegaram a Louisiana no território americano, instalado as cidades de Mobile e New Orleans. Na África, a Coroa Francesa apoderou-se do Sudão francês, atual Mali, e outras regiões coloniais menos importantes, estendendo seu poder até a Índia. Durante o império de Napoleão, a França teve o Egito como colônia, embora por um curto período. Diz a história que a Alemanha chegou bem tarde ao grupo de colonizadores da Europa, pois só após a Convenção de Berlim os alemães tiveram com precisão uma política de colonização. A Convenção de Berlim realizou-se no período de 1884 a 1885, visando uma partilha da África entre as potências coloniais da Europa. Foi organizada pelo chanceler alemão Otto van Bismarck, chamado também de “Chanceler de Ferro.” Por essa convenção, a África ficou assim dividida entre os colonizadores: Alemanha Sudeste Africano, onde hoje está situada a Namíbia, e o Tanganica, hoje a Tanzânia; os Estados Unidos ficaram com a Libéria, na África Ocidental; a Grã-Bretanha com a África Austral, com exceção das colônias portugueses Angola e Moçambique, toda a África Oriental e o Sudoeste Africano, com exceção da Tanganica; os territórios da Grã-Bretanha, no Norte, foram compartilhados com a França e a Espanha; Portugal ficou em Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde; a Bélgica com o Gongo. Em 1883, a Alemanha criou a Associação Colonial Alemã com a finalidade de proteger suas áreas de colonização na África. O Império Colonial Alemão não teve muita duração e foi um império muito disperso. Lutou muito pela unificação da Alemanha e logo se interessou pela Rússia e a Romênia, estendendo seus interesses a toda a região dos Balcãs. Com a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial, que terminou com o Tratado de Versalhes, em 1919, a Alemanha perdeu seus territórios voltando para a França, o Reino Unido e a Bélgica. Os colonizadores alemães além da África colonizaram também as Américas e terras brasileiras, mais especificamente o Paraná, Santa Catarina e o Rio Grande do Sul. A colonização alemã, no Brasil, ocorreu no governo de D. João VI e continuou até o império de D. Pedro II. A Holanda, com o nome de Províncias dos Paises Baixos, atingiu a sua independência em 1609. Até então, os holandeses integravam o Império Espanhol na Europa, e viviam sob o domínio da Espanha, até o reinado de Felipe II, rei da Espanha. Com a independência dos Países Baixos tornaram-se um dos mais fortes países europeus e tinham como bases de seu desenvolvimento o poderio marítimo e o dinamismo da sua burguesia que era protestante. Em 1602, os holandeses criaram a Companhia das Índias Orientais e, em 1621,a Companhia das Índias Ocidentais. Essas duas empresas foram fundamentais para que os Países Baixos dessem decisivos passos para o desenvolvimento e independência do povo holandês, lutando contra o domínio dos espanhóis. Os holandeses ocuparam o Ceilão (hoje Sri-Lanka), Java, Sumatra, e Molucas (arquipélago hoje pertencente à Indonésia), no Oriente. Em 1654, invadiram o nordeste do Brasil, especificamente Pernambuco e Bahia, movidos pela produção açucareira da região e o mercado de escravos. Mais tarde, sob o comando do conde João Maurício de Nassau, foram adotadas várias medidas administrativas e progressistas que levaram a produção e venda de açúcar ao auge junto ao mercado europeu. Coube também a Maurício de Nassau pôr em prática seus projetos de reforma urbanística na cidade de Recife. Em 1641, deu-se a invasão dos holandeses no Maranhão. Os holandeses deixaram o nordeste brasileiro após vários choques militares com os portugueses, a quem pertenciam as áreas invadidas, e depois de amplas e demoradas negociações diplomáticas entre a Holanda e Portugal. Depois de expulsos do Brasil, os

holandeses ocuparam a Guiana e Curaçao, nas Antilhas. Na América do Norte, ocuparam o vale de Hudson e lá fundaram a Nova Amsterdã que foi mais tarde a colônia de Nova Yok e Delaware. A colonização holandesa teve uma característica ímpar na história das colonizações, que foi a sua vinculação com a economia açucareira. Naquela época, o açúcar era um produto agrícola de muita aceitação no mercado europeu, dando, portanto, muito lucro para os seus produtores, o que vinha suprir o mercado de minerais preciosos como o ouro. Os últimos europeus a buscarem a colonização foram os russos. No século XVIII, os russos procuraram ampliar seus territórios e consequentemente o Império Russo. Foram eles que descobriram o Alasca e as Ilhas Aleutas no território das Américas, regiões muito ricas em peles de animais selvagens e madeira. Em 1840 a colônia do Alasca extinguiu-se e em 1867 foi vendida para os Estados Unidos porque a Rússia não tinha mais condições financeiras de mantê-la. O Império Russo foi instituído em 1721 pelo czar Pedro I, também chamado do Pedro, o Grande, até o czar Nicolau II, em 1917, quando foi deposto. O Império Russo chegou a ser o terceiro império mais importante na história moderna, dando à Rússia o título de maior país do mundo, em 1855, com a maior população do planeta. A capital do Império Russo era São Petersburgo e o império incluía os estados bálticos da Lituânia, Letônia e Estônia, a Finlândia, Cáucaso, Ucrânia, Bielorússia, parte da Polônia, Moldávia, parte do Irã e Mongólia, na China. A Rússia era considerada uma das cinco grandes potências no início do século XIX, até a Primeira Guerra Mundial, em 1914, e tida como uma das maiores monarquias hereditárias absolutistas da Europa. A religião predominante era a Igreja Ortodoxa Russa. O czar Pedro I foi substituído por Catarina I, sua esposa que governou até 1727. Conclusão Os países europeus não tiveram suficientemente matérias-primas para garantir seus progressos, por isso buscavam produtos minerais como o ferro, o chumbo e o cobre, produtos agrícolas como o algodão, a borracha, a madeira e o açúcar. Assim começava o processo de colonização que conduziu o povo europeu a buscar também riquezas do solo como o ouro para seu próprio enriquecimento. Tudo mão passou de formas que encontraram para invadir novas terras para exploração. As Américas, como se pode observar no processo de cronológico da colonização do mundo, foi o primeiro território explorado, desde o século XV, vindo depois os continentes africano e asiático. A Revolução Industrial acelerou o processo de colonização no século XIX, porque os europeus buscavam novas fontes de recursos para se tornarem industriais. Segundo a historiografia colonizatória, foi exatamente no século XIX que a África recebeu maiores impactos de colonização, só vindo a ter uma política continental em 1884 com a Convenção de Berlim. Em uma de suas afirmações sobre verdade, Sêneca disse certa vez “que ninguém conserva por longo tempo o poder exercido com violência.” Será que a colonização tem a ver com o dizer de Sêneca? Como sabemos e a história nos narra, a colonização se caracterizou, quase sempre, por invasões. Era um ato vinculado aos interesses mercantilistas europeus e à ganância por novos territórios. Afigurava-se uma época em que as relações de dominação eram vinculadas à subordinação das metrópoles, o que marcou muito bem o sistema colonial mercantilista. Havia um profundo sentimento e compreensão por parte dos líderes da colonização, tanto com a fé religiosa, como com a Coroa, os desejos de Sua Majestade. Como bem relata o Professor Mário

Meirelles no seu livro França Equinocial pág. 54, o sentimento dos colonizadores ocorrido no Maranhão parece ser o sentimento de todos aqueles que se deixavam levar pelo prazer de colonizar. O autor relata: “Nós, abaixo-assinados, damos voluntariamente nossos bens e nossas vidas em prol do estabelecimento da Colônia francesa além da linha Equinocial, a serviço do rei, em obediência aos desejos de Sua Majestade.....” e continua: “Resolveram os chefes da expedição tomar posse solenemente., primeiro em nome da Fé, depois em nome da Coroa...” Uma das premissas que os colonizadores faziam ao invadir os territórios e instalar as colônias era instituir leis e normas que garantissem suas terras e o poder da Coroa. Eram leis e ordens em nome e a serviços do rei. Tais leis e normas passavam, assim, a ser institucionais. Os círculos da colonização terminaram efetivamente com as independências das colônias, ocorridas, sobretudo, nos séculos XVIII e XIX. REFERÊNCIAS DREIFUSS, René Armand. Política, Poder , Estado e Força: uma leitura de Weber. Petrópolis: Vozes, 1993. (3) SCHNEIDER, Adolfo Bernardo. Povoamento-Imigração Colonização. Edição do Autor, Joinville-SC, 1983. (8) MEIRELLES, Mário Martins. França Equinocial. São Luis - Ma: Ed.Civilização Brasileira,1982. (4) BOXER, C. R. Os holandeses no Brasil (1624-1654) S.Paulo: Companhia Editora Nacional, 1961.(2) MEIELLERS, Mário Martins. Dez Estudos Históricos. São Luis – Ma: Alumar Cultura, 1994. (5) TOFFLER, Alvin. O Choque do Futuro. Rio de Janeiro: Editora Arte Nova, 1972. (10) RAMOS, Carlos Alberto Santos. Gente do Mar - Maranhão. São Lujs-Ma: Ed. Palmares, 2007. (6) ROMAG, Frei Dagoberto. Compêndio de história da igreja. Rio de Janeiro: Vozes, 1952. (7) SCHWARTZ, Stuart B. e LOCHART, James. A América Latina na época colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. (9) BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. (1)

QUEM HABITAVA UÇAGUABA/MIGANVILLE? LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão A Vila Velha de Vinhais é o núcleo habitacional mais antigo do Maranhão. Referimo-nos à ocupação por brancos, pois os Tupinambás ocupam aquele espaço há mais tempo, provavelmente desde 80 anos antes da chegada dos Franceses de La Ravardiére; os tapuias já estavam aqui, quando estes chegaram; pelo menos 9 mil anos. Fundada a França Equinocial, saíram De Rasilly, o Barão de Sancy e os padres D' Abbeville e Arséne de Paris acompanhados de um antigo morador de Upaon-Açú, de nome David Migan, a visitar as aldeias da Ilha: "(...) levaram-nos os índios, de canoa, até Eussauap, onde chegamos no sábado seguinte ao meio-dia. O sr. de Pizieux e os franceses que com ele aí residiam receberam-nos com grande carinho (...)". (D'ABBEVILLE, 1975, p. 114).

Das 27 aldeias existentes na Ilha, 14 tinham apenas um Principal; 10 possuíam dois; um possuía três. Eussauap possuía quatro – "... é uma das maiores aldeias da ilha e nela existem quatro principais: Tatu-Açu; Cora-Uaçu ou Sola-Uaçu, às vezes também Maari-Uaçu; Taiacú e Tapire-Evire". Mas antes, Jacques Riffault, personagem constante em nossa história, desde 1594 se estabelecera em Upaon-açu (Ilha de São Luís) com uma feitoria, contando com o auxilio de seus compatriotas Charles - Senhor de Des-Vaux, cavalheiro do Condado de Tomaine, e de Davi Migan, natural de Vienne, no Delfinado. Ambos haviam conquistado a amizade dos silvícolas, e tinham o domínio da língua nativa16, Vamos encontrar Jacques Riffault na hoje Alcântara, cuja ocupação remonta a um primitivo aldeamento dos Tapuias, conquistado pelos Tupinambás e denominado "Tapuitapera" ("casa dos Tapuias") à época de sua chegada. Estabelecidas relações

16

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_Maranh%C3%A3o

amistosas entre os dois povos 17, esta aldeia teria fornecido de trezentos a quatrocentos trabalhadores para a fortificação do nascente núcleo colonial na ilha Grande, depois ilha de São Luís, após a chegada de Daniel de La Touche, senhor de La Ravardière (1612).18 Dentre outros franceses, freqüentava a Ilha Grande o Capitão Guérard, que em 1596 armou dois navios, sendo um deles para o Maranhão – Poste, chegou ao Camocim – estabelecendo com regularidade as visitas à terra de corsários de Dieppe, de La Rochelle e de Saint Malo. É nesse ano que o Ministro Signeley toma como ponto de partida dos direitos da França nesta região, funcionando como uma linha regular de navegação entre Dieppe e a costa leste do Amazonas. Datado de 26 de julho de 1603 há um arresto do tenente do Almirantado em Dieppe relativo a mercadorias trazidas do Maranhão, ilha do Brasil, pelo Capitão Guérard19. Meireles (1982, p. 34) 20 traz também Du Manoir em Jeviré; Millard e Moisset, também encontrados na Ilha Grande. Os comandados de Du Manoir e Guérard chegam a quatrocentos; há esse tempo já dois religiosos da Companhia de Jesus haviam estado no Norte do Brasil. Henrique IV, de França, concede a René-Marie de Mont-Barrot, Carta Patente datada de 8 de maio de 1602, autorizando-o a arregimentar 400 homens e fundar uma colônia no norte do Brasil; se associa a Daniel de La Touche, transferindo-lhe a empreitada. O Senhor de la Ravardière com o navegador Jean Mocquet parte a 12 de janeiro de 1604 com dois navios, chegando as costas da Guiana (Oiapoque) a 8 de abril, retornando àquele porto a 15 de agosto. Ante a desistência de Mont-Barrot, o monarca francês, por Carta Patente de 6 de julho de 1605 nomeia La Ravardière seu Lugar-tenente e vice-almirante nas costas do Brasil. A primeira concessão a Daniel de La Touche, data do mês de julho: “Luis, a todos os que virem a presente. Saúde. O defunto rei Henrique, o Grande, nosso muito honrado senhor e pai [...] tendo por cartas patentes de julho de 1605 constituído e estabelecido o Sr. De Ravardiére de La Touche seu lugar-tenente na América, desde o rio do Amazonas até a ilha da Trindade [...] 21 Segundo o sócio do IHGM Antonio Noberto, é confirma a presença de franceses pelo Padre Luis Figueira, em sua Relação do Maranhão (de 1608): "Mandamos recado a outra aldea para sabermos se nos quirião la e q' viessem alguns a falar cõ nosco, e tãbem nos queriamos emformar dos q' tinhão vindo do maranhão q' la estavão principalmente acequa dos frãcesez que tinhamos por novas que estavão la de assento com duas fortalezas feitas em duas ilhas na boca do rio maranhão". 22

17

D´ABBEVILLE, Claude. HISTÓRIA DA MISSÃO DOS PADRES CAPUCHINHOS NA ILHA DO MARANHÃO E TERRAS CIRCUNVIZINHAS. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: USP, 1975. 18 http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_S%C3%A3o_Sebasti%C3%A3o_de_Alc%C3%A2ntara

19 (MEIRELES, Mário Martins. FRANÇA EQUINOCIAL. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; São Luis: Secretaria de Cultura do Maranhão, 1982) 20 MEIRELES, Mário Martins. FRANÇA EQUINOCIAL. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; São Luis: Secretaria de Cultura do Maranhão, 1982 21 LIMA, Calos de. HISTÓRIA DO MARANHÃO – A COLONIA. São Luis: Geia, 2006, p. 170-171, nota de pé-de-página; MEIRELES, Mário Martins. FRANÇA EQUINOCIAL. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; São Luis: Secretaria de Cultura do Maranhão, 1982 22 Conforme Antônio Noberto original deste documento está nos arquivos da Ordem de Jesus Claudio Aquaviva, Maison d'Etudes, Exaten, Baaksen, Limburgo Hollandez. Estas informações estão no

Em 1607 - ou 1609 - Carlos Des-Vaux retorna à França cansado de esperar por Riffault, e é recebido por Henrique IV. Ainda em 1609, Daniel de LaTouche e Charles Des-Vaux visitam o Maranhão. De LaTouche certifica-se de que as informações sobre a terra eram verdadeiras e pede licença ao rei para explorá-la. Mas com o assassinato de Henrique IV, sucede-lhe ao trono Luis XIII, ainda menor, governando em seu nome Maria de Medicis. É esta quem concede licença à Daniel de La Touche, Senhor de La Ravardiére, de formar uma companhia para explorar as "terras" de Riffault: “[...] e havendo ele feito duas viagens às Índias para descobrir as enseadas e rios próprios para o desembarque e estabelecimento de colônias, no que seria bem sucedido, pois apenas chegou nesse país soube predispor os habitantes das ilhas do Maranhão e terra firme, os tupinambás e tabajaras, e outros, a procurarem nossa proteção e sujeitarem-se à nossa autoridade, tanto por seu generoso e prudente procedimento [...] de lhe fazer expedir nossas cartas patentes de outubro de 1610 para regressar, como Chefe, ao dito país, continuar seus progressos, como teria feito e aí demorar-se-ia dois anos e meio com os portugueses.”, em paz e 18 meses tanto em guerra como em tréguas”. 23 De acordo com Moreira (1981) 24 essa concessão foi uma farsa dos franceses, pois na verdade eles não tinham credencial nenhuma e tanto é verdade, que Maria de Médicis, que reinava em nome de seu filho, ainda menor, Luís XIII, estava há muito tempo negociando o casamento dele com a princesa Ana d’Austria, filha de Felipe III, que era portador das coroas Espanha e Portugal. Nutria esse desejo de muito tempo e por isso, não iria autorizar um aventureiro e conhecido pirata Daniel Ravardiére, inimigo da sua religião, a invadir terras que eram da coroa portuguesa, desde a assinatura do Tratado de Tordesilhas, homologado pelo Papa Alexandre VI, há 118 anos, isto é, antes da descoberta do Brasil.

Marie de Médicis

Louis XIII enfant

Le duc de Montmorency Damville, Amiral de France

Philippe III d'Espagne

La-Ravardière, associa-se a François de Razilly, Senhor de Razilly e Aunelles, ajudante de ordens do Rei, gentil homem de sua câmara, aparentado com o cardeal de trabalho do Barão de Studart Documentos para a história do Brasil especialmente a do Ceará - 1608 a 1625, publicado em Fortaleza em 1904. 23 LIMA, Calos de. HISTÓRIA DO MARANHÃO – A COLONIA. São Luis: Geia, 2006, p. 170-171, nota de pé-de-página; MEIRELES, Mário Martins. FRANÇA EQUINOCIAL. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; São Luis: Secretaria de Cultura do Maranhão, 1982 24 MOREIRA, José. Fundação Da Cidade De São Luís. In Jornal o Estado do Maranhão, 1981, p. 6

Richelieu; Nicolas de Harlay, Senhor de Sancy e Barão de Molle e Gros-Bois, membro do Parlamento e do Conselho do Rei; além deles conseguiu o apoio e a proteção do Senhor de Dampulho, Almirante de França e Bretanha, primo do Rei, e do abastado Auber de Claumont.

A 24 de julho de 1612, Daniel de La Touche, Francisco de Rasilly e o Barão de Sancy largam âncora na ilha de Sant' Ana e a 6 de agosto a esquadra entra no golfo, indo fundear frente a Jeviré (ponta de São Francisco), onde se localizavam as feitorias de Du Manoir e do Capitão Guérard. Os franceses atravessam o braço de mar, indo se fixar em um promontório onde, a 12 de agosto, uma sexta-feira, dia consagrado a Santa Clara, celebram o santo ofício da missa. A 8 de setembro, uma quarta-feira, dia consagrado à Santíssima e Imaculada Virgem Maria, é realizada a solenidade de fundação da Colonia.

Du Manoir, Riffault, Des-Vaux e os piratas de Dieppe, encontravam-se fundeados no porto, confirmam a presença continuada dos exploradores de todas as procedências nas costas do Maranhão, e do Norte em geral: uma companhia holandesa presidida pelo burgomestre de Flessingue, ingleses, holandeses e espanhóis negociando com os índios o pau-brasil; armadores de Honfleur e Dieppe; o Duque de Buckigham e o conde de Pembroke e mais 52 associados fundaram uma empresa para explorar o Brasil; espanhóis de Palos25. O historiador Antonio Noberto continua: “Segundo, tanto comércio fez com bretões e normandos se estabelecessem com feitorias na Ilha Grande, e um desses lugares era a aldeia de Uçaguaba

25 LIMA, Calos de. HISTÓRIA DO MARANHÃO – A COLONIA. São Luis: Geia, 2006, p. 174.

/ Miganville (atual Vinhais Velho), misto de aldeia e povoação européia. Terceiro, o porto usado nessas atividades era o de Jeviré (Ponta d'Areia)”.

Para Noberto, é quase inimaginável que todo esse aparato comercial existisse sem uma forte proteção das armas. Some-se que o chefe maior de tudo isso era David Mingan, o Minguão, o "chefe dos negros" (daí o nome de Miganville), que tinha a seu dispor cerca de 20 mil índios e era "parente do governador de Dieppe". Por fim, a localização da fortaleza está exatamente no lugar certo de proteção do Porto de Jeviré e da entrada do rio Maiove (Anil), que protegeria Miganville. Pianzola, em sua obra “OS PAPAGAIOS AMERELOS – os franceses na conquista do Brasil (1968, p. 34)26 apresenta decalque de mapa datado de 1627 ou 1627, cujo original desapareceu, feito em torno de 1615 pelo português João Teixeira Albernaz, cosmógrafo de sua Magestade, certamente feito a partir daquele que LaRavardiére deu ao Sargento- Mor Diogo de Campos Moreno durante a trégua de 1614. O autor chama atenção para os nomes constantes dos mapas, entre os quais muitos de origem francesa, ‘traduzidos’ para o português. Vê-se, na Grande Ilha dentre outros, Migao-Ville, propriedade do intérprete de Dieppe, David Migan, seguramente um psudônimo, no entender de Pianzola: “[...] No último quartel daquele século, o que era apenas um posto de comércio, sem maior raiz, tornou-se morada definitiva dos corsários gauleses, vindos de Dieppe, Saint-Malo, Havre de Grace e Rouen, que aqui deixavam seus trouchements (tradutores) que viviam simbioticamente com 26

PIANZOLA, Maurice. OS PAPAGAIOS AMERELOS – os franceses na conquista do Brasil. São Luis: SECMA; Rio de janeiro: Alhambra, 1968

os tupinambá (escreve-se sem “s” mesmo). Entre estes estava David Migan, o principal líder francês desta época. Ele era o “chefe dos negros” (índios) e “parente do governador de Dieppe”. Tinha a seu dispor cerca de vinte mil guerreiros silvícolas e residia na poderosa aldeia de Uçaguaba (atual Vinhais Velho), apelidada de Miganville[...].(NOBERTO SILVA, 2011)27.

Fonte: PIANZOLA, 1968, p. 3428

Continuemos com Noberto Silva (2011): “[...]Na virada do século, segundo o padre e cronista Luis Figueira, que escreveu sua penosa saga na Serra de Ibiapaba, os franceses no Maranhão contavam, inclusive, com “duas fortalezas na boca de duas grandes ilhas”. Uma destas fortificações, por certo, era o Forte do Sardinha, localizado no atual bairro Ilhinha, nos fundos do bairro Basa em São Luís. Esta, em mãos portuguesas, foi nomeada de Quartel de São Francisco, que deu nome ao bairro. Servia de proteção ao lugar, em especial, a Uçaguaba, reduto de Migan”29. Quando da implantação da França Equinocial esse complexo passou para mãos oficiais. Uçaguaba/Miganville passou a ser chamada pelos cronistas Claude Abbeville e

27 SILVA, Antonio Noberto. In Blog de Antonio Noberto O Maranhão francês sempre foi forte e líder. http://antonio.noberto.zip.net/, publicado em 03/11/2011 Evandro Junior, in Jornal O Estado do Maranhão, 18.12.11: Saint Louis Capitale de La France Equinoxiale, disponível em http://maranhaomaravilha.blogspot.com/2011/12/saint-louis-capitale-de-lafrance.html 28 PIANZOLA, Maurice. OS PAPAGAIOS AMERELOS – os franceses na conquista do Brasil. São Luis: SECMA; Rio de janeiro: Alhambra, 1968 29 SILVA, Antonio Noberto. In Blog de Antonio Noberto O Maranhão francês sempre foi forte e líder. http://antonio.noberto.zip.net/, publicado em 03/11/2011

Yves d'Evreux de "o sítio Pineau" em razão de Louis de Pèzieux, primo do Rei, ter adotado o local como moradia 30. Capistrano de Abreu esclarece que: “EUSSAUAP - nom do lieu, c'est à dire le lieu ori on mange les Crabes. - Bettendorf leu em Laet Onça ou Cap, que supôs Onçaquaba ou Oçaguapi; mas tanto na edição francesa, como na latina daquele autor, o que se lê, é EUSS-OUAP. Na história da Companhia de Jesus na extinta Província do Maranhão e Pará, do Padre José de Morais, está Uçagoaba, que com melhor ortografia é Uçaguaba composto de uça, nome genérico do caranguejo, e guaba, participio de u comer: o que, ou onde se come caraguejos, conforme com a definição do texto ...". 31. Vencidos os franceses em Guaxenduba (19/11/1614), os portugueses se estabelecem no Maranhão, vindo com Jeronimo de Albuquerque os padres Manuel Gomes e Diogo Nunes, aqui permanecendo estes até 1618 ou 1619: "A primeira missão ou residência, que fundaram mais junto à cidade para comodidade dos moradores, foi a que deram o nome de Uçagoaba, onde com os da ilha aldearam os índios que haviam trazido de Pernambuco ...". (MORAES, 1987, p.58)32. A residência dos jesuitas em Uçagoaba é ocupada com a chegada da segunda turma de jesuitas ao Maranhão, os padres Luis de Figueira e Benedito Amodei. De acordo com CAVALCANTI FILHO (1990) 33 a missão jesuitica no Maranhão inicia-se com a chegada dos padres Figueira e Amodei: "... Ao que tudo indica, a aldeia de Uçaguaba, situada a margem esquerda do igarapé do mesmo nome, teria sido o ponto de partida dessa missão ... desta primeira, denominada 'Aldeia da Doutrina'".(p. 31). Antes dos franceses, os portugueses, pois com o início da colonização do Brasil em 1534, D. João III divide ‘suas novas terras’ - "descobertas" pela expedição de Pedro Álvares Cabral em 1500 - entre seus vassalos, pois preocupado com a presença de corsários franceses que navegavam por estas costas desde 1504. Estabele o sistema de Capitanias Hereditárias (Regimento Castanheira). O Maranhão atual, por sua extensão litorânea do Paraíba ao Gurupi, está compreendido nas duas mais setentrionais, dentre elas: a de Fernão Alvares de Andrade, com 70 léguas de costa contadas da foz do Mundau (Camocim) aos Mangues Verdes (Golfão Maranhense) e uma segunda, de João de Barros, com 50 léguas, dos Mangues Verdes à foz do Gurupi. João de Barros e Fernando Álvares de Andrade associam-se a Aires da Cunha, na tentativa de apossarem-se dela, sem resultado. Eram lotes enormes, 30

Evandro Junior, in Jornal O Estado do Maranhão, 18.12.11: Saint Louis Capitale de La France Equinoxiale, disponível em http://maranhaomaravilha.blogspot.com/2011/12/saint-louiscapitale-de-la-france.html "(...) levaram-nos os índios, de canoa, até Eussauap, onde chegamos no sábado seguinte ao meio-dia. O sr. de Pizieux e os franceses que com ele aí residiam receberam-nos com grande carinho (...)". (D'ABBEVILLE, 1975, p. 114). 31

ABBEVILLE, Claude d’. HISTÓRIA DA MISSÃO DOS PADRES CAPUCHINHOS NA ILHA DO MARANHÃO E TERRAS CIRCUNVIZINHAS. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: USP, 1975, p.107 32 MORAES, José de. HISTÓRIA DA COMPANHIA DE JESUS NA EXTINTA PROVÍNCIA DO MARANHÃO E GRÃO-PARÁ. Rio de Janeiro : Alhambra, 1987. 33 CAVALCANTI FILHO, Sebastião Barbosa. A QUESTO JESUÍTICA NO MARANHÃO COLONIAL. São Luís : SIOGE, 1990.

de cerca de 350 km de largura, até à linha estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas, interior a dentro: "Dez anos depois de criadas, as desordens internas, as lutas com os índios e a ameaçadora presença dos franceses acabaram provocando o colapso do sistema que o rei e seus conselheiros haviam optado por aplicar ao Brasil" (BUENO, 1999)34. Vamos seguir Ribeiro 35, ao perguntar: qual era a verdadeira missão de Aires da Cunha? Quando a costa brasileira foi tocada pela primeira vez por Pedro Álvares Cabral, em 1500, os portugueses mal imaginavam qual a extensão exacta da "Terra Brasilis". Os métodos cartográficos eram muito rudimentares e os mapas, muito vagos. Assim, o "descobrimento" ainda estava apenas começando. Tanto que muitas regiões só foram colonizadas décadas depois da chegada de Cabral. A história do Maranhão ilustra bem a dificuldade dos descobridores e, até hoje, guarda em seus arquivos a mal-explicada história do navegador Aires da Cunha - um personagem misterioso e pouco explorado pelos livros. Lembremos que por mais de 30 anos após o descobrimento, o Maranhão foi totalmente desprezado pelos portugueses. O ano de 1536 é tido como o da chegada ao Maranhão dos sobreviventes da expedição de Aires da Cunha. Até hoje se discute o local do desembarque desses sobreviventes: se na Ilha Grande (Trindade, São Luís) ou na Ilha Pequena (Sant' Ana) ou na do Boqueirão (do Medo) onde teriam erigido a aldeia de Nossa Senhora de Nazaré. Outros a localizam em terras de Cumã (Alcântara) ou mesmo há quem afirme que ela nunca tenha existido. Luís de Melo da Silva estivera por aqui em 1554 e tenta retornar em 1573, quando naufraga no Mar-Oceano sua nau-capitânea "São Francisco" que tinha Luis da Gamboa como comandante. Deixamos a seguinte questão em aberto: tivemos uma invasão francesa a um território português, como está registrado na História, ou teria sido, na verdade, uma invasão ibérica a uma ocupação francesa, que se estabelecia por conta de um período histórico confuso, que já não mais garantia o domínio indiscutível dos portugueses sobre a região? MAS QUEM ERAM OS PRIMITIVOS HABITANTES? O Maranhão é território de uma rica história de intercâmbio e conflítos entre os povos indígenas nativos e europeus - franceses, holandeses, ingleses e portugueses. Os franceses já negociavam, o chamado escambo, com os povos nativos dessa região antes mesmos das primeiras expedições portuguesas. Antes dos Tupinambás, os Tremembé, havendo indícios de ocupação pelo menos de nove mil anos... O que nos leva a essa afirmação são documentos que estão vindos à luz por pesquisas recentes, com base em informações obtidas em diversos arquivos e interpretação e uso de fontes as mais diversas. 34

BUENO, Eduardo. Capitães do Brasil: a saga dos primeiros colonizadores. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999 35 RIBEIRO, Carlos Leite (Ed.). "A Travessia do Atlântico" - Do Livro de Bordo A Caminho de São Luís. Disponível em http://www.caestamosnos.org/viagem/SLuis03.htm

Para Feitosa (1983)36, não é possível determinar a origem dos primeiros habitantes, havendo várias teorias que supõem o aparecimento do homem., havendo duas hipóteses explicativas: a monogenica (o homem descendente de um único casal original) e a poligenica. Dentre as diversas teorias, temos: Africana, Monogenismo Americano, Australiana, Atlante, Cartaginesa, Chinesa, Egipcia, Grega, Ibera, Irlandesa, Malaio-Polinesia, e por fim a Mista. Ainda a Paleo-Asiática, Viking...37

36

FEITOSA, Antonio Cordeiro. O MARANHÃO PRIMITIVO: UMA TENTATIVA DE RECONSTITUIÇÃO. São Luis: Augusta, 1983. 37 DOMINGUES, Virgilio. O TURIAÇU. São Luis: SIOGE, 1953 LOPES, Raimundo. A civilização lacustre do Brasil. In COSTA, Cássio Reis. A BAIXADA MARANHENSE, no plano do Governo João castelo. São Luis: SIOGE, 1982. LOPES, Raimundo. UMA REGIÃO TROPICAL. Rio de janeiro: Cia Ed. Brasileira; Fon-Fon, 1970. LOPES DA CUNHA, Antônio. Instituto histórico. In ESTUDOS DIVERSOS. São Luís: SIOGE, 1973. BANDEIRA, Arkley Marques. Os registros rupestres no Estado do Maranhão, Brasil, uma abordagem bibliográfica. In http://www.naya.org.ar/congreso2002/ponencias/arkley_marques_bandeira.htm ver também: http://www.naya.org.ar/ - NAYA.ORG.AR - Noticias de Antropología y Arqueología LIMA, Olavo Correia (1985). Província Espeleológica do Maranhão. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. Ano LIX n 10, São Luís-MA, p. 62-70. LIMA, Olavo Correia (1986). Cultura Rupestre Maranhense. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. Ano LX, n. 11-São Luís –MA, p. 7-12. LIMA, Olavo Correia; AROSO, Olair Correia Lima (1989). Pré-História Maranhense. SIOGE São LuísMA. CARVALHO, J. B. de. Nota sobre a arqueologia da Ilha de São Luís. Revista do IHGM, Ano VII, n. 6, dezembro de 1956 LOPES, Raimundo. O TORRÃO MARANHENSE. Rio de Janeiro: Typ. Do Jornal do Commercio, 1916 LOPES, Raimundo. ANTROPOGEOGRAFIA. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1956. (Edição facsimilar comemorativa ao centenário de fundação da Academia Maranhense de Letras, São Luis: AML, 2007). SAMPAIO, Alberto José de. Biogeografia Dinâmica - a natureza e o homem no Brasil. Coleção Brasiliana, vol. 53, 1935 SAMPAIO, Alberto José de. Fitogeografia do Brasil Coleção Brasiliana, vol. 35, 1935 AVELINO, Paulo. ”Resenha de livro raro: Uma Região Tropical, de Raimundo Lopes”, disponível em http://www.fla.matrix.com.br/pavelino/lopes.htmlfala - LOPES, Raimundo. Uma região tropical. Rio de Janeiro: Cia. Editora Fon-fon e Seleta, 1970. 197p. Coleção São Luís, volume 2. CORREA, Alexandre Fernandes. A ANTROPOGEOGRAFIA DE RAIMUNDO LOPES SOB INFLUÊNCIA DE EUCLIDES DA CUNHA in http://teatrodasmemorias.blogspot.com/2009/12/antropogeografia-de-raimundo-lopes-sob.html CORREA, Alexandre Fernandes. AS RELAÇÕES ENTRE A ETNOLOGIA E A GEOGRAFIA HUMANA EM RAIMUNDO LOPES. Cad. Pesq .. São Luís. v. 14. n. 1. p.88-1 03. jan.!jun. 2003disponivel em http://www.pppg.ufma.br/cadernosdepesquisa/uploads/files/Artigo%206(16).pdf MAUSO, Pablo Villarrubia. As Cidades Perdidas do Maranhão. IN Revista Sexto Sentido, postado em 2010-06-11 13:25, no sitio http://www.revistasextosentido.net/, disponível em http://www.revistasextosentido.net/news/%20as%20cidades%20perdidas%20do%20maranh%C3%A3o /

Correia Lima e Aroso (1989) 38 apresentam as correntes migratórias das Américas, segundo Canals-Pompeu Sobrinho, em número de cinco: Australóides, Protossiberianos, Paleo-siberianos, Protomalaios, e Protopolinésios. Os australoides deram descendentes em ambas as Américas, sendo que na do Sul, aparecem os Lácidas, Huarpidas, Patagônicos. Os Lácidas, paleossiberianos, atingem o Brasil e o Maranhão; assim como os nordéstidas e os fueguinos, sendo que os primeiros atingem o Brasil e o Maranhão. Na época da chegada dos portugueses ao Brasil, os povos que viviam ao longo da costa eram os Tupi. Estes tinham escorraçado os povos de língua e cultura Jê para o interior, vivendo, em geral, na região dos cerrados. Durante a expansão dos Tupis-Guaranis – descendentes dos protomalaios, e desembarcados nas costas ocidentais do istmo do Panamá, deslocaram-se para o suleste, atravessando os Andes, e atingindo o Amazonas, onde fizeram seu centro de dispersão (CORREIA LIMA, AROSO, 1989). Migravam com muita freqüência, surpreendentemente rápidos. Desceram o Rio Amazonas e se embrenharam em seus afluentes: Madeira, Tapajós, Xingu, Tocantins, Araguaia e ainda Gurupi, Mearim, etc. Passaram ao rio Paraguai e seus afluentes do Paraná, chegando ao Atlântico. Marginaram-se em direção ao Norte, parando no Maranhão, para reencontrar seus irmãos amazonenses. Sua migração pela costa nacional é recente e se fazia sempre ás custas dos velhos ocupantes, notadamente os Lácidas, os quais eram empurrados para o interior. Deixaram sempre ocupantes por onde passam, a exemplo dos Tupinambás, na Ilha de São Luis. Dos Tupis, hoje, restam os Guajajara – Tenetehára – com uma história longa e suingular de contato, a partir de 1615, nas margens do Rio Pindaré, com uma expedição exploradora francesa. Os Awá-guajá – se autodenominam Awá, também chamados EVREUX, Ives d´. VIAGEM AO NORTE DO BRASIL FEITAS NOS ANOS DE 1613 A 1614. São Paulo: Siciliano, 2002. ABBEVILLE, Claude d´. HISTÓRIA DA MISSÃO DOS PADRES CAPUCHINHOS NA ILHA DO MARANHÃO E TERRAS CIRCUNVIZINHAS. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1975 MELLO, Evaldo Cabral de (org.). O BRASIL HOLANDÊS (1630-1654). São Paulo: Penguin Classics, 2010. PAULA RIBEIRO, Francisco de. MEMÓRIAS DOS SERTÕES MARANHENSES. São Paulo: Siciliano, 2002 PROJETO JOGOS INDÍGENAS DO BRASIL. in http://www.jogosindigenasdobrasil.art.br/port/campo.asp#canela PUXADA DO MASTRO AGITA OLIVENÇA. In CIA DA NOTÍCIA, disponível em http://www.ciadanoticia.com.br/v1/tag/derrubada-de-toras/, 08/01/2011, acessado em 23/01/2011 38 CORREIA LIMA, Olavo; AROSO, Olir Corria Lima. PRÉ-HISTÓRIA MARANHENSE. São Luis: Gráfica Escolar, 1989. CORREIA LIMA, O.; AROSO, O. C. L. Ameríndios maranhenses. REVISTA IHGM, Ano LIX, n. 08, março de 1985 38-54 CORREIA LIMA, O. Homo Sapiens stearensis – Antropologia Maranhense REVISTA IHGM Ano LIX, n. 9, junho de 1985 33-43 CORREIA LIMA, O. Província espeleológica do Maranhão REVISTA IHGM Ano LIX, n. 10, outubro de 1985 62-70 CORRIA LIMA, O.; AROSO, O. C. L. Cultura rupestre maranhense – arqueologia, antropologia REVISTA IHGM Ano LX, n. 11, março de 1986 07-12 CORREIA LIMA, O. Parque Nacional de Guaxenduba REVISTA IHGM ano LX, n. 12, 1986 ? 21-36 CORRÊA LIMA, O. No país dos Timbiras REVISTA IHGM Ano LXI, n. 13, dezembro de 1987 82-91 CORREIA LIMA, O. Mário Simões e a arqueologia maranhense REVISTA IHGM Ano LXII, n. 14, março de 1991 23-31

Wazaizara (Tenetehara), Aiayé (Amanayé), Gwazá. O termo Awá significa ‘homem’, pessoa’, ou ‘gente’; sua origem é obscura, acreditando-se originários do baixo Tocantins. Acredita-se que a partir da Cabanagem (1835-1840) tenha inicado a migração rumo ao Maranhão. Já os Ka´apor (Urubu-Kaapor, Kaáporté) surge como povo distinto à cerca de 300 anos, provasvelmente na região entre os rios Tocantins e Xingu. Talvez os conflitos com colonizadpores luso-brasileiros e outros povos nativos, iniciaram longa e lenta migração, por volta de 1870, do Pará ao Maranhão, atraves do Gurupi. Foram pacificados em 1911. 39 Correia Lima e Aroso (1989) trazem que os Lácidas foram os primeiros povoadores do Maranhão, como o foram do Brasil. Vieram através de correntes migratórias interioranas e se localizaram de preferencia na parte setentrional e maranhense do Planalto Central do Brasil. Eram representados por um povo, os Tremembé (Tatamembé, Trememmbé) que ocuapava inicialmente a costa maranhense, antes da chegada dos brasílidas. Na época do contato, viviam da fronteira do Pará (Rio Caeté) à do Piauí (Tutóia), sendo sua área preferida o Delta do Parnaíba e a Baia de Turiaçú. Os Nordéstidas chegaram ao Maranhão pela corrente litoranea local, ocupando todo o litoral, sendo os primeiros a usar essa corrente, vindo do Nordeste. Apenas os Muras seguiram para o amazonas, tornando-se fluviais. Correia Lima e Aroso (1989) ao analisarem as estearias maranhenses, área ocupada pelos brasilidas, que atingiram também o Maranhão através de duas correntes migratórias, interiorana – Nu-Uraques (Uraques), depois os caraíbas, e finalmente os Tupi-Guaranis - e pela litoranea, e às vesperas e durabnte o contato, chegaram os ultimos Tupis, representados pelos Tupinambás. Com a invasão dos Tupis-Guaranis perderam a Ilha de São Luis e seus arredores. Ainda dos Macro-jê temos os Canelas (Rankokamekrá; Apanyekrá); são remanescentes das cinco nações Timbira Oriental, sendo os Rankakomekrás descendentes dos Kapiekran, como eram conhecidos até 1820. Os primeiros contatos, indiretos, se dão por forças militares no fim do século XVII, ocorrendo incursões contra essas populações na ultima decada do seculo XVIII, dizimados por volta de 1814. Os Krikati se localizam ao sul do Maranhão, com os primeiros contatos por volta de 1814. O Gavião (Pukobyê) teve contato a partir do século XVIII, por volta de 1728. 40 Vaz (1991, 1996, 2001, 2011) 41 traz que a ocupação do território maranhense se deu através de três correntes migratórias - Lácidas, Nordéstidas e Brasílidas, nessa

39

Associação Carlos Ubbiali; Instututo Ekos. OS ÍNDIOS DO MARANHÃO. O MARANHÃO DOS ÍNDIOS. São Luís: Associação Carlos Ubbiali, 2004 40 Associação Carlos Ubbiali; Instututo Ekos. OS ÍNDIOS DO MARANHÃO. O MARANHÃO DOS ÍNDIOS. São Luís: Associação Carlos Ubbiali, 2004 PREZIA, Benedito; HOORNAERT, Eduardo. ESTA TERRA TINHA DONO. 6 ed. Revs. E atual. São Paulo: FTD, 2000 41 VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. A história do atletismo maranhense. "O IMPARCIAL, 27 de maio de 1991, p. 9. VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. A corrida entre os índios canelas – contribuições à história da educação física maranhense. In SOUSA E SILVA, José Eduardo Fernandes de (org.). ESPORTE COM IDENTIDADE CULTURAL: COLETÂNEAS. Brasília: INDESP, 1996, p. 106-111; VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. A corrida entre os índios canelas – contribuições à história da educação física maranhense. In REVISTA “NOVA ATENAS” DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA, São Luís, v.4, n. 2, jul/dez 2001, disponível em www.cefet-ma.br/revista.

ordem, seguindo Correia Lima e Aroso (1989). Embora os traços mais antigos da presença do homem no continente americano datem de 19 mil anos, as teorias mais recentes o dão como procedentes da Ásia a 20 ou 30 mil anos (CORREIA LIMA & AROSO, 1989) 42. Esses autores, ao adotarem a sistemática de Canals (1950) - Pompeu Sobrinho (1955), afirmam que caçadores australóides do nordeste asiático - Sibéria, de acordo com Aquino, Lemos & Lopes (1990, p.19) 43 - ingressaram no Alasca há pelo menos 36 mil anos e durante os 20.000 anos seguintes consolidaram sua cultura e se expandiram pelo território, tendo seus descendentes atingido Lagoa Santa há 7.000 (mais ou menos) 120 anos. Sander-Marino (1970, citados por Correia Lima & Aroso, 1989, p. 19) registram entre 40 e 21 mil anos a presença dos superfilos MACRO-CARIB-JÊ, uma das correntes pré-históricas povoadoras das Américas. Para Feitosa (1983, p. 70) 44 há um consenso quando da "determinação temporal" da chegada dos australóides no Novo Mundo, com as estimativas variando de 20.000 a.C. (RIVET); 28.000 a.C. (CANALS); 40.000 a.C. 45 De acordo com pesquisas mais recentes, realizadas em São Raimundo Nonato Piauí, foram encontrados fosseis com datação de 41.500 anos (FRANÇA & GARCIA, 1989) 46. Os Lácidas, descendentes dos australóides, atingem o Maranhão. Das famílias lingoculturais suas descendentes, destaca-se a JÊ, grupo mais populoso; de maior expansão territorial; e de melhor caracterização étnica. Os Jês caracterizam-se pela ausência da cerâmica e tecelagem, aldeias circulares, organização clânica e grande resistência à mudança cultural, mesmo depois de contato, como se observa entre os Canelas, ou RANKAKOMEKRAS como se denominam os índios da aldeia do Escalvado (DICKERT & MEHRINGER, 1989ª, 1994). 47 Paula Ribeiro (1841, apud CORREIA LIMA & AROSO, 1989); Paula Ribeiro (2002) 48; Franklin e Carvalho (2005) 49 descrevem uma das principais "manifestações

VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. A CORRIDA ENTRE OS ÍNDIOS CANELAS. REV. IHGM 36, MARÇO 2011, p 128 42 CORREIA LIMA, Olavo & AROSO, Olir Correia Lima. PRÉ-HISTÓRIA MARANHENSE. São Luís: Gráfica Escolar, 1989. 43 AQUINO, Rubim S.L; LEMOS, Nivaldo J. F. de & LOPES, Oscar G.P. C. HISTÓRIA DAS SOCIEDADES AMERICANAS. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1990. 44 FEITOSA, Antonio Cordeiro. O MARANHÃO PRIMITIVO: UMA TENTATIVA DE RECONSTITUIÇÃO. São Luis: Augusta, 1983. 45 VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. A CORRIDA ENTRE OS ÍNDIOS CANELAS. REV. IHGM 36, MARÇO 2011, p 128 FUNAI. JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS. Disponível em http://www.funai.gov.br/indios/jogos/novas_modalidades.htm#005 46 FRANÇA, Martha San Juan & GARCIA, Roberto. Os primeiros brasileiros. Superinteressante v. 3, n. 4, p. 30-36, abril de 1989. 47 VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. A CORRIDA ENTRE OS ÍNDIOS CANELAS. REV. IHGM 36, MARÇO 2011, p 128 48 PAULA RIBEIRO, Francisco de. MEMÓRIAS DOS SERTÕES MARANHENSES. São Paulo: Siciliano, 2002 49 FRANKLIN, Adalberto: CARVALHO, João Renor F. de. Francisco De Paula Ribeiro – Desbravador Dos Sertões De Pastos Bons: A Base Geográfica E Humana Do Sul Do Maranhão. Imperatriz: Ética, 2005

do lúdico e do movimento" - para usar uma expressão de Dieckert & Mehringer (1989b, 1994) 50 -, na cultura Jê, referindo-se à música e à dança: "... enquanto as muitas mulheres guizam as comidas, dançam eles e cantam ao som de buzinas, maracás e outros instrumentos... esta dança e música noturna, melhor repetida depois da ceia, dura quase sempre até as cinco da manhã..." (p. 39).

NIMUENDAJÚ, Curt. A corrida de toras dos timbira. Mana v.7 n.2 Rio de Janeiro oct. 2001

50

DIECKERT, Jurgen & MEHRINGER, Jakob. A CORRIDA DE TORAS NO SISTEMA CULTURAL DOS ÍNDIOS BRASILEIROS CANELAS (RELATÓRIO DE PESQUISA PROVISÓRIO). Zeitgschift Muncher Beltrdzur Vulkerkunde, julho, 1989. DIECKERT, Jurgen & MEHRINGER, Jakob. Cultura do lúdico e do movimento dos índios Canelas. REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, Campinas, v. 11, n. 1, p. 55-57, set. 1989. DIECKERT, Jurgen & MEHRINGER, Jakob. . A corrida de toras no sistema cultural dos índios brasileiros Canelas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte - v.15 - n.2 - 1994

Os Jê são conhecidos no Maranhão com a denominação de "TIMBIRAS", e dividem-se em dois ramos principais, segundo seu habitat - Timbiras do Mato e Timbiras do Campo -, estes apelidados de canelas finas "pela delicadeza de suas pernas e pela velocidade espantosa que desenvolvem na carreira pelos descampados", conforme afirma Teodoro Sampaio (1912, apud CORREIA LIMA & AROSO, 1989, p. 41), confirmando Spix e Martius (1817, citados por CORREIA LIMA & AROSO, 1989, p.59) quando afirmam, sobre os Canelas, "... gaba-se a sua rapidez na corrida, na qual igualariam a um cavalo.". Os Timbira são um povo física, lingüística e culturalmente caracterizado como da família Jê, que disperso, habitava o interior do Maranhão e partes limítrofes dos Estados do Pará, Goiás e Piauí. Esse povo existe ainda parcialmente, compondo-se hoje das seguintes tribos (NIMUENDAJÚ, 2001) 51: Timbira orientais: Timbira de Araparytiua Kukóekamekra e Kr˜eyé de Bacabal Kr˜eyé de Cajuapára Kre/púmkateye Pukópye e Kr˜ikateye Gaviões Apányekra (Canellas de Porquinhos) Ramkókamekra (Canellas do Ponto) Krahó Timbira ocidentais: Apinayé Seus parentes mais próximos são os Kayapó do norte, os Suyá e os hoje extintos Kayapó do sul. Hoje, os Tremembé são um grupo étnico indígena que habita os limites do município brasileiro de Itarema, no litoral do estado do Ceará, mais precisamente na Área Indígena Tremembé de Almofala (Itarema), Terras Indígenas São José e Buriti (Itapipoca), Córrego do João Pereira (Itarema e Acaraú) e Tremembé de Queimadas (Acaraú). Originalmente nômades que viviam num território que estendia-se nas praias entre Fortaleza e São Luís do Maranhão. Foram aldeados pelos Jesuítas no século XVII nas missões de Tutoya (Tutóia-Maranhão) 52, Aldeia do Cajueiro (Almofala) e Soure (Caucaia). Foram declarados como não existentes pelo então governador da Província do Ceará (José Bento da Cunha Figueiredo Júnior), após decreto de 1863. Antes disto, em 1854, os índios perderam o direito da terra pela regulamentação da Lei da Terra. Estes ressurgem no cenário cearense nas décadas de 1980 e 1990, quando são reconhecidos pela FUNAI. 53

51 52

NIMUENDAJÚ, Curt. A corrida de toras dos timbira. MANA v.7 n.2 Rio de Janeiro oct. 2001 VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. “BREVE DESCRIÇÃO DAS GRANDES RECREAÇÕES DO RIO MUNI DO MARANHÃO, Pelo Padre João Tavares, da Companhia de Jesus, Missionário no dito Estado, ano 1724”. REVISTA DO IHGM, No. 37, junho de 2011 – Edição Eletrônica, p 176-186 http://issuu.com/leovaz/docs/revista_ihgm_37_-_junho_2011

53 http://pt.wikipedia.org/wiki/Trememb%C3%A9s

No século XVII, a populaçõa indígena do Maranhão era formada por aproximadamente 250.000 pessoas, pertencente a cerca de 30 etnias, a maioria delas, hoje, não existindo mais: “Povos indígenas como os Tupinambá que habitavam a cidade de São Luis, os Barbados, os Amanajós, os Tremembé, os Araioses, os Kapiekrãs, entre outros, foram simplesmente exterminados ou dissolvidos social e culturalmente [...] São notórias as causas do desaparecimento de cerca de 20 povos indígenas no Maranhão: as guerras de expedição para escravizar, as doenças importadas, a miscigenação forçada, a imposição de novos modelos culturais, entre outras”. 54

54

Associação Carlos Ubbiali; Instututo Ekos. OS ÍNDIOS DO MARANHÃO. O MARANHÃO DOS ÍNDIOS. São Luís: Associação Carlos Ubbiali, 2004, p. 2

LES FRANÇAIS AU BRÉSIL, LA RAVARDIÈRE ET LA FRANCE ÉQUINOXIALE (1612 -1615) par LUCIEN PROVENÇAL Conférence du mardi 20 mars 2012 Texte intégral et illustration du conférencier mis en page par Christian Lambinet Société Hyéroise d'Histoire et d'Archéologie La première tentative d'implantation permanente d'une colonie française à Rio de Janeiro a échoué pour des raisons que je vous ai déjà exposées ; est-ce la fin de notre rêve brésilien ? Non car nos marins continuent à trafiquer avec nos amis Tupinambas qui, fuyant la répression, ont migré vers le Nord-Est mal contrôlé par l'occupant.

Par ailleurs, Catherine de Médicis élevée aux sources du mercantilisme florentin a perçu lês avantages à tirer d'une colonisation et, forte de son influence sur ses fils, elle ne renonce jamais. Aussi soutient-elle en 1580 les prétentions d'Antonio 1er, prieur de Crato, contre Philippe II d'Espagne couronné Philippe 1er du Portugal. Le prix de ce soutien sera une certaine liberté d'action au Brésil. Depuis plusieurs années, la reine mère a chargé son cousin Philippe Strozzi de missions de reconnaissance et d'encouragement des indigènes à la rébellion. La défaite du prieur aux Açores, as fuite en Angleterre, la mort au combat de Strozzi mettent fin à ce rêve.

De gauche à droite : Catherine de Médicis vers 1585, Antoine 1er du Portugal (prieur de Crato), Philippe Strozzi et Philippe Duplessis Mornay

Philippe Duplessis Mornay tente en vain d'intéresser Henri III au projet ; il aura plus de chance avec Henri IV dont il est un conseiller très écouté. Le Béarnais est d'autant plus enthousiaste qu'il y voit une occasion supplémentaire d'affronter Philippe II dont le père lui a volé sa Navarre . Il va donc encourager la fondation de cette France Equinoxiale dont je vais vous conter l'éphémère existence. Au nord-est du Brésil, dans la zone équatoriale proche de l'Amazonie, existe une capitainerie (bande de terre) attribuée à un donataire qui n'est jamais parvenu à s'en rendre maître. Difficile d'accès, située en milieu hostile, les Portugais l'ont abandonnée. Les Français la connaissent bien, ils pratiquent depuis longtemps lês atterrages et y trafiquent librement avec un peuple à qui ils promettent la protection du Roi. Charles des Vaux, un protestant de Sainte Maure en Touraine y entretient d'excellentes relations avec les caciques locaux. Deux Dieppois, Gueirard et Du Manoir, y ont fondé uns ligne de navigation Dieppe-Maranhào.

Carte du Brésil avec Maranhào en rouge

C'est alors qu'apparait notre héros Daniel de La Touche de La Ravardière, lui aussi protestant, originaire de Berthegon en, Poitou, province dont Duplessis Mornay est gouverneur. Il a épousé Charlotte de Montgomery dont le père est ce capitaine dês Gardes qui a tué accidentellement Henri II . Le couple s'installe en Basse Normandie,

participle activement aux guerres de religion ; habitant Du Clos Poulet, près de Cancale, Daniel deviant marin et, en 1594, effectue un premier voyage de reconnaissance au Brésil qui lui ouvre dês horizons. En 1602, Henri IV charge René Maresch de Monbarrot, gouverneur de Bretagne d' implanter une colonie de quatre cents hommes dans le nord du Brésil et il lui adjoint La Ravardière ; deux ans plus tard, celui-ci, accompagné du naturaliste Jean Mocquet55, investigue la Guyane et l'Amazonie, y fait de profondes recherches qui le persuadent d'une possibilité d'implantation ; il ramène un Indien, Yapoco, originaire de l'Oiapoque qui lui restera toujours fidèle ; sa cargaison compense largement les frais engagés. Il rend compte de sa mission à Monbarrot qui se désintéresse Du Brésil.

Buste en hommage à Daniel de La Touche de La Ravardière, à São Luís (Maranhão)

Par lettre patente du 12 juillet 1605 dont nous n'avons pu retrouver trace, le Ro i nomme La Ravardière "Lieutenant général es contrées de l'Amérique depuis la rivière des Amazones jusqu'à l'île de la Trinité" et le charge d'y établir une colonie ; nous reviendrons sur la disparition de ces lettres. La Ravardière et des Vaux, désormais réunis de par la volonté du Roi, appareillent ensemble de Cancale en 1609 pour s'assurer de la faisabilité du projet. Rappelons cependant qu'aux termes du traité de Vervins signé avec l'Espagne en 1598, de telles actions n'engagent que la responsabilité des exécutants ; le Roi qui entend l'abroger ne s'en soucie pas. Pendant six mois, nos explorateurs s'assurent de la fidélité de leurs alliés, des ressources du pays et de La présence des marins normands ; ils reviennent rassurés pour

55

Jean Mocquet, né dans les environs de Vienne en 1575, était un voyageur français qui donna beaucoup de détails sur les sauvages et sur l'histoire naturelle de l'Amérique méridionale...

apprendre, patatras, que le 14 mai 1610, Henri IV a été assassiné. Qui dirige la France ? Il nous faut faire un retour en arrière.

Croquis de Jean Mocquet ¹ Après la répudiation de Marguerite de Valois, le Roi a bien semé des bâtards mais il est toujours célibataire et officiellement sans héritier. Gabrielle d'Estrées meurt sans que le Roi ne l'épouse ; en 1600, il se laisse marier à Marie de Médicis, descendante des Habsbourg ; cette union le réconcilie avec le Pape et lui rapporte une dot qui met fin à sés problèmes ; le peuple baptise la souveraine "la grosse banquière" ; six enfants naissent en neuf ans mais le couple vit mal les incartades Du mari. Le roi ne fait couronner son épouse que le 13 mai 1610 et lui accorde la régence avant de partir en Flandres guerroyer contre lês Espagnols et abroger le traité de Vervins ; le lendemain, il est assassiné. Le gouvernement revient à Marie qui s'entoure de fantoches, écarte lês amis du feu Roi et ne rêve que de rapprochement avec l'Espagne ; elle impose un étroit retour à la religion catholique, apostolique et romaine. La Ravardière et des Vaux reviennent au plus mauvais moment.

Marie de Médicis

Pourtant, le 1er octobre 1610, Marie, au nom de son fils âgé de 9 ans, précise la mission : fonder une colonie, dans un rayon de 50 lieues autour de Upaon Açu, la grande île du Maranhào et y convertir lês indigènes ; La Ravardière, placé sous l'autorité de l'Amiral de France, le duc de Montmorency Damville, en est le chef.

le duc de Montmorency Damville, Amiral de France

Mais La Ravardière et des Vaux se méfient ; ils savent que sans le concours de catholiques fortunés et puissants rien ne se fera ; de nombreux courtisans les encouragent : Charlotte de Montmorency, la duchesse de Guise, le cardinal de Joyeuse, La comtesse de Soissons, les encouragent.

François de Razilly La Ravardière traite du voyage et de la logistique ; s'associent à lui deux catholiques : François de Razilly, Poitevin, bien en cour qui recrute lês participants et le richissime banquier Harlay de Sancy responsable Du financement ; les trois hommes sont bientôt nommés lieutenants généraux avec pouvoirs égaux.

Nicolas de Harlay 70 000 livres sont aisément trouvées malgré les réticences de la régente qui tarde à décider. Elle obtient de Rome l'envoi de quatre missionnaires capucins, avouant ainsi sa priorité aussitôt indiquée à La Ravardière qui devra revenir en France avec ses coreligionnaires une fois la colonie établie. Les participants sont nombreux ; outre les 600 habituels migrants, la noblesse est largement représentée ; citons au hasard Henri de Richelieu, frère de l'évêque de Luçon, Félisbert de Brichanteau, fils d'un amiral de France, Louis de Pézieux, cousin du prince de Condé et du Roi, Claude et Isaac, frères de François de Razilly... Il est à noter que tous ces gens affirment par écrit leur solidarité et mettent en garde contre un ennemi non cité. C'est à Cancale qu'en présence de l'amiral de Montmorency Damville se prépare le départ dans une succession de festivités civiles et religieuses présidées par l'évêque de Saint Malo ; deux vaisseaux, le "Régent" et la "Charlotte", une patache, la "Sainte Anne", constituent la flotte. Le 19 mars, tambours, trompettes et salves d'artillerie saluent l'appareillage mais la tempête oblige la flotte à une courte escale en Angleterre à Dartmouth, Plymouth et Falsmouth.. Le 26 juillet après 116 jours dans des conditions difficiles, vengeance de Satan, disent les capucins,et une courte escale à Fernào de Noronha, les colons découvrent ce qu'ils croient être le paradis terrestre. C'est grâce aux témoignages de Claude d'Abbeville et Yves d'Evreux, deux capucins, que nous connaissons les débuts de la colonisation. Les bâtiments mouillés à Upaon Mirim, la petite île du Maranhào aussitôt rebaptisée Sainte Anne, les cérémonies commencent, érection d'une croix, procession, messe solennelle, "Te deum laudamus", "veni creator". Avant toute autre initiative, des Vaux va s'assurer que les sentiments des caciques à notre égard n'ont pas changé trois ans après son départ ; pleinement rassuré, il fait découvrir la "Grande Ile" à François de Razilly qui organise la réception solennelle ; il faut en effet convaincre et impressionner les "natives" dont 12000 vivent là regroupés en 27 villages ... Le 6 août à l'aube, la flotte rallie la Grande Ile où commence un cérémonial parfaitement orchestré ; une procession s'organise, capucins appelés prophètes par des Indiens habillés de bleu pour la circonstance, nobles en armes puis colons ; tout ce monde défile dans une ambiance à la fois festive et solennelle ; bien sûr, une croix est plantée, un "te Deum" est entonnée, une grand messe suit où, pour impressionner les indigènes, un voile vient cacher la consécration. Les salves d'artillerie tirées peu après impressionnent fort les autochtones qui ne doutent plus de la puissance de la France. Un

somptueux déjeuner est servi chez Du Manoir dont quatre cents marins et deux vaisseaux sont présents. Rassuré, Harlay de Sancy rentre en France, laissant ses pouvoirs à François de Razilly qui devient, en fait, le maître de la colonie. Il reste maintenant à se mettre au travail. Les deux lieutenants généraux restants se répartissent ainsi les tâches ; à La Ravardière, La défense et l'organisation urbaine, à Razilly, les relations humaines, la reconnaissance de pays et l'évangélisation des Indiens. Chaque étape est marquée par de grandioses cérémonies. Les tupinambas participent avec enthousiasme à l'oeuvre commune. Bientôt, um port peut accueillir les plus gros navires du temps ; sur un éperon rocheux, là où se trouve aujourd'hui le palais du gouverneur, s'élève une forteresse baptisée Saint Louis inexpugnable pour l'époque. Près d'une fontaine, une chapelle de branchages est bientôt remplacée par le futur couvent Saint François. Des magasins et dês logements permettent de vivre à l'abri en toute sécurité... Les inaugurations solennelles ont lieu le jour de la Sainte Claire ou de l'Immaculée Conception em présence d'indigènes toujours invités et toujours présents, sûrs de la force de leurs nouveaux protecteurs ; eux, pour qui nous n'étions que dês commerçants, découvrent que nous sommes aussi dês combattants et des croyants.

Tupinambas François de Razilly, Claude d'Abbeville, accompagnés de Des Vaux fidèle malgré une foi différente, parcourent inlassablement un pays acquis à leur cause. Japi Açu, le cacique, est souvent présent ; on arrive, on palabre, on célèbre un office dans un lieu de culte sommaire, on catéchise, on baptise et on marie ; seuls incidents, la mort du père Arsène de Paris victime de fièvres et le discours d'un vieillard qui doute de nos bonnes intentions. Mais, les coeurs sont déjà colonisés. Il faut maintenant doter de lois la nouvelle colonie ; ce sera fait le 1er novembre, jour de la Toussaint ; toujours cette volonté de lier le public au sacré. A l'issue d'un somptueux défilé militaire suivi de salves d'artillerie et de sonneries diverses, toute la population est rassemblée ; tous, nobles, colons et Tupinambas sont revêtus de leurs plus beaux atours. Il leur est donné lecture dans les deux langues d'un texte pompeusement appelé "lois fondamentales de la France Equinoxiale". Il s'agit en fait de règles de comportement ainsi résumées : devoirs de

tous envers les capucins dont la mission de conversion est une priorité, discipline stricte imposée aux Européens, respect dû aux Indiens et à leurs femmes notamment. Cet enthousiasme de façade cache mal les soucis ; tous ont conscience de la faiblesse dês moyens mis à leur disposition mais aussi d'une action subversive menée de la cour contre l'action engagée. François de Razilly est chargé d'aller chercher à Paris des renforts et de l'argent ; il será accompagné de Claude d'Abbeville afin de convaincre d'autres missionnaires de se lancer dans l'aventure et de quelques Indiens témoins de leur intégration. Pendant son absence, Le commandement sera exercé par La Ravardière soumis à un conseil de tutelle ; au retour de Razilly, La Ravardière obéissant aux voeux de la Régente, reviendra en France avec les autres protestants. on ne peut vraiment pas dire que le lieutenant général soit placé dans les meilleures conditions. Il en profite néanmoins pour faire reconnaître le pays par ses subordonnés sans autre succès que le ralliement de tribus éparses ; hélas, les richesses de l'Eldorado ne sont pas au rendez-vous. Lui-même, laissant le commandement à Louis de Pézieux se lance dans une aventure amazonienne en milieu hostile quelque peu risquée. Une inquiétante incursion portugaise contre les positions françaises motive son rappel mais trois mois ont été perdus . Des mesures de défense s'imposent. A Paris, Razilly est bien reçu; les Tupinambas exhibés devant le jeune Louis XIII produisent le meilleur effet; les promesses sont nombreuses mais il faut se rendre à l'évidence, il y a loin des paroles aux actes. Seul, Claude d'Abbeville obtient quelques succès, douze missionnaires partiront, diriges hélas par un Ecossais rigide, Pembroke, dont le comportement nuira à la colonie. Marie de Médicis promet certes vingt Mille livres mais n'en remet que six mille aux seuls capucins; pour le reste, on verra plus tard. D'Harlay de Sancy, on n'entend plus parler.

Louis XIII enfant

Philippe III d'Espagne

La Régente a en effet décidé un rapprochement avec l'Espagne de Philippe III, maître de l'Union ibérique fondée par son père en 1580, et elle sait que cette Union souhaite s'en tenir à la stricte application du traité de Vervins ; comme toujours, des mariages d'enfants royaux peuvent aider à des rapprochements, Louis XIII est promis à Anne d'Autriche, sa soeur Elizabeth au prince des Asturies, futur Philippe IV. Tant pis pour la France équinoxiale. François de Razilly est découragé ; il décide de rester à Paris et de se mettre aux ordres du duc de Savoie ; il renvoie cependant à ses frais Le "Régent" au Maranhào

mais avec très peu d'argent, sans renfort militaire sinon quelques nobles aventureux et environ trois cents colons. Désormais, La Ravardière se trouve bien seul pour faire face à une situation qui s'aggrave ; lês Français l'abandonnent, les Espagnols agissent.

Jeronimo de Albuquerque Philippe III ignore les lettres patentes délivrées par les rois de France, elles sont sans objet, La Ravardière et les siens sont dês corsaires qu'il faut chasser du Maranhào ; il charge de cette mission Le gouverneur du Brésil Gaspar de Souza ; tout juste consentil à quelques arrangements pour ne pas heurter la cour de France. La reconquête est confiée à un métis, Jeronimo de Albuquerque, auquel est associé Diogo de Campos Moreno qui a déjà combattu La Ravardière autrefois em Flandres . C'est à Campos Moreno que nous devons la relation dês événements qui vont suivre. Les deux hommes ont beaucoup de mal à organiser l'opération, les effectifs sont faibles, les moyens navals dérisoires, les Indiens amis sont réticents , les atterrages du Maranhào sont inconnus de leurs pilotes. Néanmoins, ils parviennent à proximité du camp français qu'Albuquerque veut attaquer aussitôt, Capos Moreno le calme, lês Portugais s'installent au fond d'une baie fermée nommée Guaxenduba, inaccessible à marée basse et y construisent une fortification sommaire. Les Français, sûrs de leur supériorité dans tous les domaines ne s'inquiètent pas. Suivent une série de provocations réciproques et d'engagements mineurs à la suite desquels les Portugais se trouvent bloqués au fond de leur trou sans aucun moyen d'en réchapper ; le combat est inévitable.

Guaxenduba

Le 19 novembre, la flotte française, "le Régent" en tête, se présente devant Guaxenduba ; La Ravardière a choisi de rester à bord avec deux compagnies de réserve et de confier les forces débarquées, soit quatre compagnies renforcées par un millier de Tupinambas, à Louis de Pézieux ; CE faisant, il ne peut ignorer que le jusant l'empêchera d'intervenir ; en face, Albuquerque choisit de diviser ses forces en deux et d'attaquer séparément le dispositif français. Alors que tout se passe bien pour les Français, La Ravardière, chevalier du moyen-âge égaré au XVIIème siècle, a l'idée aussi noble que saugrenue d'accorder à l'ennemi une trêve de quatre heures pour capituler ; inconsciemment, Louis de Pézieux met ses hommes au repos. Albuquerque et Campos Moreno n'en attendaient pas tant, ils feignent de ne pas avoir compris l'ultimatum et attaquent les Français sans défense ; s'en suit un désastre pour les troupes à terre, cent quinze Français dont trente nobles sont tués ou noyés tandis que les Tupinambas prennent la fuite ; lês réserves françaises ne peuvent intervenir pour pallier un "sauve qui peut" général ; les pertes portugaises sont extrêmement faibles. La situation des Français n'est cependant pas désespérée, ils restent maîtres de la mer, leurs forces sont considérables face à un adversaire épuisé et toujours bloqué au fond de son trou. Après une période de tension et de reproches réciproques, les relations entre belligérants s'humanisent ; des visites de courtoisie sont échangées, des repas sont offerts ; conscients de leurs faiblesses, La Ravardière et Albuquerque ne veulent plus se battre et négocient un armistice ; Campos Moreno y prend une part active. Aux termes de cet accord, il est admis que les deux partis camperont sur leurs positions et vivront en paix jusqu'en décembre 1615 ; La Ravardière a la faiblesse d'accorder à son adversaire la libre circulation maritime, ce qui, compte-tenu des distances à parcourir, le rend maître de la mer et l'autorise à recevoir des renforts. Pour ce qui est de la possession du territoire, on s'en remet à La décision des deux couronnes, Paris et Madrid, auprès de qui seront envoyés des émissaires. Marie de Médicis qui retarde l'âge de l'accession au trône de Louis XIII ne réagit pas ; à Madrid, Philippe III est furieux, il n'admet pas que l'appartenance du Maranhào à la couronne espagnole soit remise en cause ; il désavoue l'accord conclu par Albuquerque et ordonne au gouverneur du Brésil d'expulser les Français militairement ; il admet cependant que quelques compensations soient accordées à La Ravardière et aux siens ; la tâche est dévolue à Alexandre de Moura qui disposera à ces fins de moyens considérables. Compte tenu des liens que le roi a noué avec la Régente de France, il nous semble invraisemblable que celle-ci n'ait pas été informée par les três actifs ambassadeurs d'Espagne à Paris.. La Ravardière qui dispose encore de moyens de défense conséquents est moralement abandonné ; il n'a plus de bateaux, les missionnaires sont partis ; seuls deux cents hommes et lês Indiens lui sont restés fidèles. Dès le 1er juillet 1615, une première escadre portugaise aux ordres de Francisco de Castelo Branco se presente devant Saint Louis ; des conversations s'engagent courtoisement mais le Portugais en position de force exige certaines évacuations, la Ravardière sans nouvelles de La métropole ne peut qu'obtempérer. Le 31 octobre, Alexandre de Moura mouille à son tour au Maranhào ; avec l'aide d'Albuquerque, il contraint La Ravardière à capituler ; le 4 novembre, le fort Saint Louis est remis entre les mains du vainqueur qui n'a pas eu à tirer um seul coup d'escopette et

n'a fait aucune concession à des "pirates dirigés par un hérétique" ; il n'a accordé aucune dês concessions admises par son roi ; tout juste a-t-il racheté les armes, les matériels et les munitions.

Francisco Caldeira Castelo Branco On a beaucoup disserté sur le capitulation sans gloire du Français qui pouvait encore se défendre honorablement ; on l'a même accusé de concussion ; mais à l'époque, il était dans lês moeurs d'indemniser le vaincu. A quoi aurait servi un inutile baroud d'honneur ? Le "Régent" réarmé à ses frais par Isaac de Razilly, le frère de François, arrivé trop tard, ne rapatriera que quelques rescapés.

La tour de Belem

La Ravardière et son ami des Vaux qui ont choisi de ne pas revenir en France de crainte de représailles sont amenés à Pernambouc où ils sont correctement traités par le gouverneur du Brésil puis à Lisbonne. Amoureux de "son" Maranhào, La Ravardière propose ses services au roi d'Espagne qui, en raison de l'inflexibilité religieuse du Français et des risques qu'il représente ne donne pás suite. Sous un prétexte futile , La Ravardière et des Vaux sont enfermés à la tour de Belem où CE dernier meurt d'épuisement. Après quatre ans de captivité, et grâce aux interventions Du gouvernement de Louis XIII, enfin Roi, et de sa soeur Elizabeth, le huguenot est autorisé à revenir en France.

Elizabeth d’Espagne

Louis XIII adulte

Dès son arrivée, il va consulter son maître Duplessis Mornay toujours gouverneur du Poitou ; sur les conseils de ce dernier, il part à la recherche d'alliés intéressés par la reconquête du Maranhào ; il va en Angleterre puis aux Pays Bas ; en 1624 , Louis XIII conscient des fautes de sa mère lui renouvelle ses lettres patentes. La Ravardière se rapproche alors des Rochelais dont il devient viceamiral ; huit bateaux armés sont destinés au Maranhào ; malheureusement, ils seront employés contre la flotte royale ; la sécession rochelaise s'achève dans le sang ; il n'est plus question de repartir au Brésil.

Isaac de Razilly

Richelieu

La Ravardière vieillissant s'engage alors sous les ordres de son ancient subordonné Isaac de Razilly et sert au Maroc où il participe à une opération de libération d'esclaves chrétiens ; il meurt à Saint Malo en 1635.

En est-ce fini des espoirs français au Brésil ? Pas tout à fait car Isaac essaie de convaincre son illustre cousin Richelieu de faire une nouvelle tentative mais le cardinal doit choisir entre le Canada et le Brésil, vous connaissez la suite. Du rêve sud américain, il nous reste cependant La Guyane. Quelques Rochelais protestants, alliés des Hollandais, sont revenus au Maranhào en 1630 ; ils ont régné sous les couleurs de leur ville sur une république huguenote dont la capitale était Saint Louis ; victimes de leur intolérance, ils en ont été chassés en 1645 ; l'heure de la France Equinoxiale était passée.

Sào Luis Saint Louis rebaptisée Sào Luis, nous avons pu le constater, conserve une piété filiale pour ces malheureux Français qui l'ont créée ; invité à y prononcer une conférence, j'y ai été royalement reçu ; la ville, classée au patrimoine mondial de l'Unesco, est riche de son passé ; développée par lês Portugais, elle est restée pourtant fière de ses origines et affiche ses différences. Elle s'apprête à fêter son quatre centième anniversaire. Plusieurs historiens se sont passionnés pour le sujet ; en France citons les missionnaires capucins, Claude d'Abbeville et Yves d'Evreux, Ferdinand Denis, Hélène Clastres, Andréa Daher et bien sûr Léon Guérin et Charles de La Roncière.

Livres de Claude d’Abbeville et d'Yves d'Evreux

Qu'a-t-il manqué à ces aventuriers ? Toutes les chances étaient de leur côté : ils ont certes commis des fautes mais ont surtout été victimes de la mort d'Henri IV et de la médiocrité de Marie de Médicis qui, comme nous l'a écrit um historien madrilène, les a sacrifiés "pour marier un roi de France à une infante espagnole".

Rubens, !’échange des princesses Quelques liens pour approfondir vos connaissances : Wikipédia - La France équinoxiale Wikipédia - Daniel de La Touche de La Ravardière Wikipédia - São Luís (Maranhão) Wikipédia - Catherine de Médicis Wikipédia - Antoine Ier de Portugal, prieur de Crato Wikipédia - Jean Mocquet Wikipédia - Nicolas de Harlay sieur de Sancy

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=11&id_noticia=177043 3 de Março de 2012

O MITO DA “FUNDAÇÃO FRANCESA" DE SÃO LUÍS JOAQUIM COSTA DE SOUZA FILHO Graduando do curso de Filosofia / Universidade Federal do Maranhão. Este ano a elite ludovicense (2) (prefeitura de São Luís, governo do Estado do Maranhão e grupos econômicos que operam por aqui) celebrará os 400 anos da “Fundação Francesa de São Luís”, um mito que surgiu em 1912, quando a capital maranhense completou 300 anos. O objetivo das festividades é envolver as populações maranhenses, que da janela da casa, das telas de TV ou mesmo dos visores de telefones celulares assistirão a sonhos e realidade desfilarem juntos e misturados, revelando uma grande oportunidade para se discutir a cidade que, apesar do orgulho narcísico de suas elites, vive ao abandono e desprezo delas mesmas. Essa imagem, a idéia da Fundação Francesa de São Luís, ingressou oficialmente nas últimas décadas nos sistemas de ensino e hoje ocupa lugar central da programação midiática local. É amplamente aceito que para a elite exercer o seu domínio não lhe interessa o esclarecimento das amplas massas populares, como por exemplo, sobre a relação entre orçamento público e desenvolvimento humano. Ao contrário, nas questões norteadoras da sociedade a confusão ou o “desentendimento” toma conta do “senso comum”. É o caso deste tema que, nos parece, ainda não foi bem colocado para discussão, o que gera muita confusão, alimentando várias opiniões discrepantes. Para uns a cidade de São Luís teria sido fundada por portugueses, para outros por franceses, holandeses, nativos indígenas e outros povos. Também há quem diga que agora isso pouco importa. Mas qual é o caráter deste enunciado, uma imagem concebida no “mundo das idéias” provincianas, mas que encontra abrigo na pós-modernidade? Nosso objeto de análise não é propriamente a fundação da cidade de São Luís. Tomando como pressuposto o domínio da elite ludovicense no campo das idéias sobre as demais populações do Maranhão, nos interessa o “Enunciado Ludovicense” (3) da fundação francesa de São Luís que, fundamentado em uma cerimônia religiosa, apresenta-se em um contexto em que é retirado da reflexão seu conceito central: fundação. Ora, a partir dos dicionários de língua portuguesa, por fundação entendemos o ato de assentar os alicerces de um edifício; levantar os fundamentos de uma construção. Ademais, para além da materialidade poder-se-ia admitir as intenções manifestadas ou projetos revelados. Embora não se considere a verdade como dogma, também não nos aventuramos no horizonte aberto pela pós-modernidade onde não cabem verdades duradouras. E trabalhando com a hipótese de que o que está em questão não é a “fundação de São Luís”, mas o enunciado sobre este fato, nesse quadro obscuro e confuso - em que mesmo aqueles que não se identificam com os interesses da elite reproduzem o discurso em voga - conservamos como fio condutor a busca da verdade racional e objetiva, na qualidade de uma necessidade especificamente humana pelo seu valor produtivo, educativo, moral, estético e especialmente político.

Nosso problema é o Enunciado Ludovicense da Fundação Francesa de São Luís, isto é, sua natureza. Objetivamos tirar o problema da confusão em que se encontra no campo da ciência e da cultura e compreendê-lo em uma ampla perspectiva política. Com isto pretendemos enquadrar essa problemática em bases racionais, ao alcance do entendimento dos “simples mortais”, de modo a permitir àqueles que pretendam contribuir para o debate que o façam claramente. A importância desta reflexão corresponde à necessidade de se entender um discurso que envolve politicamente a capital do Maranhão, um dos estados naturalmente mais ricos da federação brasileira, mas que tem suas populações sobrevivendo como as mais pobres das Américas. O Enunciado Ludovicense da fundação francesa de São Luís “A História Maranhense é uma das mais descuradas do Brasil. (...) É natural que esteja recheada de mitos, a começar pelo da fundação de São Luís (...) Tais mitos ou sonhos públicos são enunciados às inteligências (...) a desabrochar nossos jovens para a Vida e para a Pátria, no que se impõe desabusada revisão, embora com risco de antipatia e o dissabor de ferir tabus consagrados”. (Lima, 1993. Apud LACROIX, 2008. Grifo nosso.) Tomemos dois importantes acontecimentos para compreender o problema. No plano da arte e da cultura popular destaca-se o mesmo enredo da fundação francesa... cantado e decantado pelas escolas de samba e grupos carnavalescos locais. Diante da “unanimidade” que a ideia alcançou, preparou-se como momento áureo desse enredo o desfile da Escola de Samba Beija Flor, do Rio de Janeiro. Nesse processo, no afã de promover suas doutrinas e ideologias e procurando adesão para reeditá-las na cultura nacional, a elite ludovicense restaurou e reuniu histórias, mitos, lendas e fantasias para mostra-las na Marquês de Sapucaí. Já no plano da cultura dita erudita destacamos o ciclo de debates promovido pelo Instituto Histórico Geográfico do Maranhão (IHGM). Sob a responsabilidade da “Comissão de Comemorações dos 400 anos de fundação de São Luís”, o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão - IHGM iniciou um círculo de debates em 28 de julho de 2011, em uma seqüência de seis seminários que irão até o dia 12 de setembro de 2012, com os seguintes temas: 1) As primeiras tentativas de ocupação até a consolidação da conquista da terra; 2) Do Reino Unido português ao Império Brasileiro; 3) Maranhão Republicano; 4) A cidade de São Luís foi fundada por franceses; 5) A cidade de São Luís não foi fundada por franceses; 6) A cidade de São Luís foi fundada por quem? Conclusões possíveis. Considerando a plausibilidade e licitude de possíveis conclusões legitimadoras de peças publicitárias de interesses privados sem grandes compromissos com a história, retomamos o livro “A Fundação Francesa de São Luís e seus mitos” (São Luís: Editora Uema - 2008). Neste livro, lançado em 2001, a professora Maria de Lourdes Lauande Lacroix (4), após uma revisão desabusada da historiografia local, afirma categoricamente que desde o século 17 ao início do século 20 a historiografia regional considerava os franceses invasores das terras maranhenses e não fundadores de São Luís. Ora, se a própria historiografia registra que a construção da cidade teria sido iniciada após a expulsão dos franceses por Jerônimo de Albuquerque Maranhão na Batalha de Guaxenduba, ela questiona: o que teria levado os ludovicenses a dar uma nova interpretação aos acontecimentos? Sobre a Missão de Daniel de LaTouche, o Senhor de LaRavardière que aportou no Maranhão em 1612, diz que o curto tempo em terras maranhenses e outros interesses

ainda relativos à região norte do Brasil não permitiram àquela empreitada fundar uma cidade em São Luís. Citando Berredo a historiadora afirma ainda que o Forte São Luís não passava de uma “débil força de pau a pique”. E mais: “Convém grifar que o nome da cidade invoca o querido santo francês Luís IX, canonizado muito antes do descobrimento do Brasil, muito reverenciado pelos fiéis portugueses, e não uma homenagem prestada a Luís XIII”. Em consonância com suas informações a confusão começa em 1912, quando surge a ideia de fundação francesa em substituição à versão original. José Ribeiro do Amaral, um importante intelectual, primeiro presidente da Academia Maranhense de Letras, no trabalho Fundação do Maranhão faz uma nova interpretação dos fatos e declara que a fundação de São Luís se deu através de uma missa celebrada em 8 de setembro de 1612 - a segunda missa celebrada por franceses em terras maranhenses. “Este acto, que, pela magnificência e excepcional solenidade de que se revestiu, é considerado como o verdadeiro – auto da fundação da cidade -, foi, sucessivamente, sendo seguido de outros, complementares...” (Ribeiro do Amaral, apud Lacroix, cit) Essa ideia é legitimada por outro importante intelectual local - Mário Meireles em 1962, no livro “França Equinocial”. Na polêmica registrada (5) em matutinos locais (2001-2005) que se seguiu ao lançamento do livro, estão demarcadas as posições da autora e dos guardiões dos enunciados ludovicenses. Naquele debate suas teses não foram refutadas, aliás, em razão do incômodo de sustentar cientificamente tal enunciado pela ausência das marcas francesas por aqui, o problema é deslocado do escopo epistemológico para o nível da consciência em que os registros não são lidos pela razão, onde não há discurso lógico, mas mitológico. Segundo o professor Flávio Reis (Departamento de Sociologia e Antropologia da UFMA) ter aquela cerimônia religiosa como “auto de Fundação” da cidade exige uma operação transformadora dos significados dos acontecimentos históricos. Embora possa ser considerada uma “tradição inventada” 300 anos depois da presença francesa em terras maranhenses, atualmente essa transformação é operada sem cerimônia, o que pode ser constatado sem contestação. Em 13 de junho de 2001 (jornal O Estado do MA) um notável representante da Academia Maranhense de Letras (AML), Jomar Moraes, considerando que embora o referido livro tenha um estilo alucinante e que a autora disponha de grande “habilidade argumentativa na defesa de seus pontos de vista... eles seguem na contramão de fatos consabidos, irrefutáveis e devidamente registrados pela história”. Em outro artigo (jornal O Estado do MA, 04/09/02) diz que naquela solenidade, franceses e índios estavam em “atitude de contrição diante da cruz chanteada em memória daquele ato fundador”. O intelectual ainda se refere aos mesmos fatos como as “solenidades que oficializaram o domínio espiritual e a conquista administrativo-militar da França sobre a nascente colônia...” (jornal O Estado do MA, 05/10/05). Outro membro da AML, Abel Ferreira, (jornal O Estado do MA, 12/09/02) afirma, referindo-se à missa: “Contudo, tal cerimônia ocorreu e, mesmo que não tivesse essa finalidade, pode ser considerada como marco zero, o termo inicial da História de São Luís, especialmente porque não há registro de que os portugueses tenham realizado atos cerimoniosos de fundação da cidade”. (grifos nossos).

Na Revista eletrônica do Instituto Histórico Geográfico do Maranhão de setembro de 2011 (acesso em 23/nov/11) pode ser lido: “Uma missa rezada por capuchinhos e a construção de um forte marcaram a data de fundação de nova cidade: 8 de setembro de 1612”. Já na revista Portal da Ciência, da Universidade Federal do Maranhão (Ano I, Nº I - p.50. – Outubro 2010), se lê: “Em 2012, ano que a cidade de São Luís comemora seus 400 anos, (...) A capital do Estado, fundada por franceses em 8 de setembro de 1612...”. (grifos nossos). Como se vê não se trata de um lapso histórico ou uma opinião isolada, mas de um esforço concentrado reunindo diversas instituições para defender a ideia de fundação francesa como uma “evidência indiscutível”, uma verdade mitológica, um mito de fundação. Aí surge mais um problema: é possível caracterizar a fundação de São Luís como um acontecimento mitológico, do tipo Mito de origem (de fundação)? Sobre o mito Embora superficialmente, aqui elencamos alguns aspectos do mito, necessários à compreensão deste problema. Desde a filosofia clássica grega o termo mito vem sendo criticado e rejeitado. Quando a história enquanto ciência positiva procurou encontrar as bases fundamentais sobre as quais se sustenta irrefutavelmente um enunciado em geral esse termo ganhou uma acepção correspondente a “fábula”, “invenção”, “ficção”. Atualmente o mito de origem é aceito como era compreendido pelas sociedades arcaicas, como designação de uma “história verdadeira”, exemplar e significativa – pelo seu caráter sagrado. Ou seja, hoje há uma ponderação de que o mito de origem não corresponde necessariamente a uma falsidade. Considerando ser “difícil encontrar uma definição de mito que fosse aceite por todos os eruditos e, ao mesmo tempo, acessível aos não especialistas” Mircea Eliade (Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 2010) apresenta o mito como uma realidade cultural extremamente complexa, que pode ser abordada e interpretada através de perspectivas múltiplas e complementares e o define da seguinte forma: “o mito conta uma história sagrada; ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial, o tempo fabuloso do princípio”. Situados no contexto sócio religioso, os mitos podem ser divididos em cosmogônicos e de origem; narram uma criação, (origem) seja de uma realidade total – o cosmo, ou apenas um fragmento, como por exemplo, uma ilha ou o próprio homem. O modelo cosmogônico trata da criação do mundo como criação por excelência, e como todo aparecimento ou criação implica a existência de um Mundo, o mito de origem pressupõe e prolonga a cosmogonia. Sobre a estrutura e a função dos mitos, ela apresenta preliminarmente cinco características. 1) Os protagonistas da narrativa mitológica são Entes Sobrenaturais; 2) Por ser obra de Entes Sobrenaturais, o mito é considerado uma história verdadeira; 3) O mito sempre se refere a uma “criação”, contando ao homem como algo veio a existir, e por isso se constitui um paradigma para as ações humanas significativas; 4) O mito não pode ser conhecido exteriormente, abstratamente, mas apenas pelo ritual – que o justifica; 5) O mito impregna-se na cultura pelo poder sagrado e exultante de eventos rememorados ou reatualizados. No caso da “Fundação Francesa de São Luís” a historiadora encontra na própria historiografia a não correspondência entre o enunciado e o fato histórico o que torna o enunciado uma falsidade. Aqui, o que caracteriza o mito é o sentido atribuído à missa três séculos depois da passagem dos franceses pelo Maranhão. É nesse sentido que a ciência afirma que A “fundação francesa de São Luís” é um mito. Ou seja, neste caso se

emprega o vocábulo mito não com referência à Mitologia Tradicional, mas para designar em termos científicos uma imagem falsa - o mito moderno, um discurso que não se sustenta na Ciência nem na Mitologia Tradicional. “O mito deve ser pensado aqui como mito moderno. É uma fala roubada e restituída, que, ao ser trazida de volta, não se encontra mais no mesmo lugar, para utilizar a formulação sintética de Roland Barthes, no Mitologias. O mito se coloca num terreno ambíguo ‘nem verdadeiro nem falso’, ele simplesmente deforma, apresenta uma nova significação” (Flávio Reis, jornal O Imparcial 08.09.2007). Então, se no escopo epistemológico essa ideia não encontra respaldo, como mito de fundação ela continua desamparada. Considerações finais Consideramos que o Enunciado Ludovicense da fundação francesa de São Luís é apresentado ao “domínio público” em termos mitológicos e não nos termos de um discurso lógico, factual. E a pretensão de seus promotores é de imprimir-lhe a força de um mito, e não de um argumento lógico. Neste aspecto este enunciado é de natureza mitológica. Entretanto, se por um lado já não se sustenta como argumento, por outro não reúne as qualidades de um mito de origem, se revelando um mito moderno, e que faz parte de um esforço “para fazer as imagens ultrapassarem a condição de meras matérias-primas das aparências da vida”. Sobre o carnaval, é mesmo uma festa que reúne fantasias, histórias, mitos e lendas. Quanto ao ciclo de debates do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, que prioriza a questão da fundação de São Luís, o que poderia ser uma ocorrência esclarecedora como um amplo processo de debate pautado no princípio da objetividade científica, uma vez que essa problemática foi (re)colocada na esfera da mitologia, nos parece mais uma peça a serviço da negação do esclarecimento, pois o lema impresso nos cartazes, folderes e peças publicitárias do IHGM vaticina: A cidade do Maranhão – uma história de 400 anos. Ora, a própria referência a São Luís como “a cidade do Maranhão” é a representação da “ideologia da singularidade ludovicense” construída no século 19, mas que ainda hoje confunde a mente de muita gente e contribui para manter a cidade de São Luís diferenciada e distanciada das outras regiões do estado e do Brasil. E quando diz “uma história de 400 anos” - embora admita outras “conclusões possíveis” - o IHGM já deixa claro o partido que defende. Conclui-se finalmente que a “fundação de São Luís” como fato histórico está fora de questão, a contenda é outra. “O que importa é o que se diz”, ou seja, o problema é o enunciado, o discurso. Um discurso de caráter mitológico. Entretanto, embora se encontre desamparado no âmbito da mitologia tradicional, como mito moderno se apresenta associado a uma ideologia (singularidade) local. E, pressupondo que nesta combinação não há neutralidade e cada um desempenha suas funções interferindo em vários aspectos importantes da realidade humana, conclui-se que seguir tal enunciado é uma escolha política. E assim, para além do salutar aspecto teórico, adotar a missa como mito de fundação ou adotar o mito moderno como versão histórica é uma escolha que não se deve reduzir ao refinamento cultural de alguns “iluminados” que contemplam o mundo com a pura luz da razão. Quanto à ideologia da singularidade ludovicense, que pelo viés da cultura procura justificar o “isolamento” de São Luís, é outro problema. São Luís, MA. Fevereiro de 2012.

Notas (1) Graduando do curso de Filosofia / Universidade Federal do Maranhão. (2) São Luizense ou ludovicense é adjetivo gentílico de quem nasce ou está radicado em São Luís. Vem do latim Ludovico, relativo ao nome próprio Luís. In Borralho, José Henrique de Paula. Uma Atenas Equinocial: a literatura e a fundação de um Maranhão no Império brasileiro. São Luís: Edfunc, 2010. (3) “O Enunciado Ludovicense – outro olhar sobre a fundação de São Luís”, apresentado por este autor no Instituto Histórico Geográfico do Maranhão (IHGM) em julho de 2011. (4) Professora aposentada da Universidade Federal do MA. (UFMA) e da Universidade Estadual do MA. (UEMA). Graduada em Direito e História, publicou os livros Educação na Baixada Maranhense 1828-1889 (1982); A Fundação Francesa de São Luís e seus mitos (2001); A Campanha da Produção 1948-1958 (2004) e Jerônimo de Albuquerque: guerra e fundação no Brasil colonial (2006). (5) Ver artigo “Os estilhaços”: debate intelectual sobre a fundação francesa de São Luís do Maranhão, de Jhonatan Uelson Pereira Sousa. Disponível em www.outrostempos.uema.br/Volume04/vol04art08.pdf. Acesso em 14/jul/2011.

UM PRÍNCIPE IRLANDÊS EM TERRAS DO ITAPECURU ALBERTO PEREIRA MARTINS JÚNIOR Membro da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes http://www.itapecurunoticias.com.br/i_index.php?pag=noticias&acao=exibir&id=3986 www.itapecurunoticias.com.br

Quem vai a Itapecuru Mirim, cerca de 110Km da capital, São Luís, não imagina a importância deste lugar na história do nosso país e como ainda hoje outros locais como Rio de Janeiro, por exemplo, têm relação com a “ribeira do Itapecuru”. Mesmo porque sua história parece ter sido esquecida nos últimos 10 anos e a cultura abandonada. As primeiras referências à povoação da região datam dos anos de desbravamento para exploração das terras. Em 1768 os moradores pediram ao rei de Portugal confirmação de vila que ali fora fundada anos antes por ordem régia, o que indica haver história anterior a esta data. Pouquíssimas pessoas sabem que em terras itapecuruenses viveu um príncipe irlandês, patriarca de uma das famílias mais importantes do Maranhão. Lancellot (Lourenço) Belford chegou ao Maranhão no ano de 1736 e por votla dos anos de 1738 ou 1739 casa-se com Isabel de Andrade Ewerton, filha do capitão (norte americano) Guilherme Ewerton, rico proprietário de lavouras na região de Cajapió, baixada maranhense. Lourenço Belfort nasceu em Dublin, Irlanda, em 05 de Julho de 1708, foi batizado na paróquia da vila de Michans, arcebispado de Dublin, como comprovam sua certidão de batismo e de cristão velho. Descende de uma antiquíssima família de nobres irlandeses, os Berford, família de origem no nobre Geoffry Berford que viveu em 1190. Sua saída da Irlanda está ligada á perseguição religiosa e ao confisco de terras em determinada época por problemas sociais daquele país. De espírito aventureiro Lourenço Belfort sobe o rio Itapecuru à procura de lugar para se estabelecer. No sítio escolhido para tal objetivo funda um engenho ao qual deu o nome do castelo de seus ancestrais na Irlanda, Kilrue. O engenho prosperou com o

plantio, colheita e industrialização dos frutos da terra com maior destaque para o arroz e algodão. Lourenço envia pedido de reconhecimento de sua ancestralidade nobre de origem irlandesa e em 20 de Julho de 1758 D. José I, rei de Portugal, concede a este o Hábito da Ordem de Cristo 1. Em 21 de Junho de 1761, na igreja de N. S. da Conceição de Lisboa, foi armado Cavaleiro da Ordem de Cristo, neste mesmo dia, na igreja de N. S. da Luz tendo professado e recebido o hábito. “Ao muito illustre e Reverendíssimo Senhor Doutor Joam Rodrigo Covette, Acipreste da Igreja Cathedral do Maranhão, Comissário da Bulla da Cruzada Vigário Geral do Temporal e Spiritual, Juiz dos Cazamentos e Justificaçõens e Habelitaçõens de geração, e das Capellas e Riziduios no Bispado do Maranham, pelo Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom Frey Antonio de Sam Jozé da Ordem de Santo Agostinho, Bispo do Mesmo Bispado, do Conselho de Sua Magestade Fidelíssima.Frey Thomaz de Burgo, da Ordem dos Pregadores, Mestre na Sagrada Theologia, Protonotario Apostólico por Graça de Deus e da Santa Sé Apostólica, Bispo de Osoria, Sofraganio do Illustrísssimo e Reverendíssimo Dom Ricardo Limeollo Arcebispo de Dublim, Primaz da Ibernia, deseja muita saúde ao sobre dito. “Receby as letras requisitórias de vossa Senhoria Reverendíssima a respeito da inquirição do Senhor Lancellote Belfort, e dos seos ascendentes, e sobre os quisitos della com toda a diligencia tomei todas as informações necessárias, e oportunas assim por testemunhas, como por notários públicos desta Província aonde reina a ejrezia, por cuja razão nãomandamos os actos originaes,. Pois se deve dar mais credito, os que das ditas inquiriçõens dissemos nos Dom´nios, e Estados Catholicos pela nossa fé, do que a tudo o que contem a letra, a inquirição que tomamos.Porem vos attestamos nós Arcebispo e Bispo sobredito, e vos damos sem duvida ffe de que pellos documentos autênticos, nos consta claramente.Primo; quue o referido Senhor Lancellote Belfort, que agora vive no Maranham, he filho legítimo do Senhor Ricardo Belfort, e da Senhora Izabel Lowther ambos Catholicos Romanos, os quais tivera este filho de leggítimo matrimonio que contrahirão, que foi baptizado na Parochia da Cidade de Sam Micama do Arcebispado de Dublim em sinco de Julho de mil settecentos e oito. – Segundo, que o dito Ricardo nasceo em Castello Ricardo no Condado Midensi junto do Quilrã Castello eludial da família Belforts, pertencente a mesma. ha muitos secolos, e sua mulher Izabel Lowther nasceo em Onnisfrilenam Capital da Provoação do Condado de Ferinacanni, ambos baptizados solennemente.Terceiro, que referidos Pais do dito Lancellote morrerão no Grêmio da Santa Madre Igreja Catholica com todos os Sacramentos, e se sepultarão na Parochia de Santa Maria de Moleidard junto a Metropole de Dublim. – Quarto, que os Avos do dito Lancellote, Pais de Ricardo et setra, forão João, que nasceo no referido Castello Kilerânne, e sua nmulher a Senhora Catharina Barneval, filha do Senhor Patricio Barneval Cavaleiro Ilustre do ditto Condado Midensi, os quais todos forão christaons baptizados e catholicos Romanos.Quinto, que o sobredito Lancellote Belfort, tanto pela parte Paterna como Materna, he aparentado com os principaes do Reino Biscondes, et setra, Baroens et setra que se omittem por evitar prolixidade. – Sesto, que o Sobredito por

seus Pais e Avos he Christão velho, Catholico Romano, sem raça de infecta nação Judaica, e para que se de inteira ffe as presentes letras, e a esta Attestação, como que fosse aos proprios documentos, que se juntão, de que esta se extrahe; se extrahe seo mesmo dos referidos documentos de minha própria mão a estrahy dellas, e seley com o meu sello, e asistencia do referido e Illustrissimo Arcebispo; dada em Kalibannia a outo de Dezembro de mil sete centos e sincoenta e nove. Frey Thomaz da Ordem dos Pregadores, Bispo Osiriensse.” Lourenço Belfort morreu em Lisboa no final do ano de 1777 quando ali se encontrava de passagem, por lá foi sepultado. Deixou testamento e seus herdeiros, não menos importantes figuras na província do Maranhão deram continuidade ao seu lagado. Podemos, para citar alguns, destacar dentre seus descendentes magistrados, barões, nobres e ricos proprietários de terras. No local onde fundou seu engenho hoje há uma pequena povoação que conservou o nome “kelru”, aportuguesamento da denominação do castelo de onde se origina a família Belfort (ou Belford, em irlandês). Em outro sítio da mesma propriedade Lourenço mandou construir uma capela em homenagem a Saint Patrick, onde, segundo Edmundo Murrey (2006), houve a primeira manifestação do Saint Patrick’s Day de que se tem registro no Brasil, no dia 17 de Março de 1770. A tal capela já não mais existe, mas uma pequena povoação com o nome de São Patrício de Kelru preserva a memória da história ímpar da região. Ainda hoje os Belfords irlandeses buscam assegurar o direito às propriedades que lhes foram tiradas pela política de confisco da coroa britânica, que tomou as terras dos antigos clãs gaélicos e hiberno-norman dandos aos colonos provenientes da Inglaterra. Isto causou um choque social, criando uma calsse dirigente protestante que acabou por depor a antiga calsse dominante católica. Há registro de suas posses na região de Kylrue em documentos irlandeses datados desde o ano de 1563, mas um detalhado genealógico feito pelo Journal of the Meath Archaeological and Historical Society atesta sua presença no baronato de Ratoath desde o século 12. “O primeiro senhor feodal que tomou o nome de Belford, ou Berford em irlandês, era originário da Normandia príncipe e duque que sendo coronel foi alferes mor (porte oriflamme) de Henri II, Rei da Inglaterra, a quem acompanhou a Irlanda onde, em 1171, foi criado conde de Belfort e Lord de Tarah. Investido de um dos antigos principados irlandeses, que sob a forma de condado feodal foi successivamente passando aos seus descendentes, todos condes e lords, coube de direito a todos elles a hereditariedade do título de príncipe, deixando de ser transmissível o título de duque por ter continuado o seu domínio féodal a ser sempre mantido sob forma de condado, ou por ser elle duque como chefe militar, título que então trazião os generaes chefe de exército». Há em nossos arquivos alguns documentos referentes à Família Belfort, que foram registrados no Consulado do Brasil, em Paris, a 15 de Setembro de 1910, provando sua origem Real no século XI - e que, pelos Reis de Portugal descende diretamente de Roberto “O Devoto”, Rei de França, e de Affonso VI, Rei de Leão e Castela; e pelo primeiro Senhor feudal de Belford, Príncipe e duque, descende de Guilherme, duque da Normandia, posteriormente Rei da Inglaterra.” (BARATA, 2001).

“O último irlandês conde e príncipe de Belfort, de direito, segundo alguns pesquisadores, foi Lancelot Belfort [bat. 05.07.1708, Dublin, Irlanda Lisboa], que deixou testamento feito em São Luiz do Maranhão, a 15 de março de 1775. E data incerta, retirou se para Portugal, de onde emigrou para o Brasil, fixando se na Capitania do Maranhão, onde foi Almotacel em 1744, 1750 e 1754; Vereador de 1753 e 1759 e Juiz de Fora interino. Fundou na margem esquerda do rio Itapicuru uma importante Fazenda, denominada “Kylrue” nome da propriedade feudal de seus antepassados, na Irlanda.” (BARATA, 2001) 1. Ordem de Cristo é uma ordem religiosa e militar, criada a 14 de Março de 1319 pela Bula Papal Ad ea ex-quibus de João XXII, que, deste modo, acedia ao pedidos do rei Dom Dinis. Recebeu o nome de Ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo e foi herdeira das propriedades e privilégios da Ordem do Templo.

FONTES: COSTA, John Wilson da. “A Casa dos Belfort no Brasil” in Revista do instituto Heráldico e Genealógico, nº 9, 1942. COUTINHO, Milson 2005. Fidalgos e Barões. Uma história da nobiliarquia lusomaranhense. São Luís. pp. 137-139. GALLWEY, Hubert 1979. The Berfords of Kilrue. Ríocht Na Midhe, Vol. VI, 4, 89-115 JIM BYRNE, Philip Coleman and Jason King (eds.), Ireland and the Americas: Culture, Politics and History (Santa Barbara, CA: ABC-CLIO, forthcoming 2006). MARSHALL, Oliver, Brazil in British and Irish Archives (Oxford: Centre for Brazilian Studies, University of Oxford, 2002) VON ALLENDORFER, Frederic. 'An Irish Regiment in Brazil 1826-1828' in The Irish Sword Vol. 3 (1957-1958), pp. 28-31.

A FUNDAÇÃO MÍTICA DE SÃO LUÍS ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA Ao cidadão comum, não especializado em debates sobre a cultura, preocupações mitológicas sobre a fundação de cidades passam distante de suas atenções mais cotidianas. Não está errado em agir assim, pois temos que nos ater com problemas mais urgentes, em tempos furiosos. Porém, os profissionais do conhecimento deveriam tratar esse tema de modo menos equivocado, como ultimamente. No teatro das memórias encontramos o campo simbólico dos mitos operando desde as sociedades mais arcaicas, até as supermodernas. Enquanto jogo estruturado de narrativas, de alcance e difusão universal, os mitos são especialmente eficazes ao sustentar enunciados sobre os fundamentos das origens do mundo cósmico, sociocultural ou pessoal. Como disse Roland Barthes (1972) toda fala é uma fala mítica. De um modo sintético podemos afirmar que os mitos funcionam por oposições que têm sua infraestrutura mais profunda ancorada geralmente nas relações entre o sagrado e o profano, o puro e o impuro, o maligno e o benigno... Estas oposições atuam nos mais diversos planos da vida sociocultural, ativando, como forças subjacentes, diferentes instâncias das expressões simbólicas ancestrais ou hodiernas. E para nossa felicidade, podemos vê-las atuando exemplarmente no caso das comemorações do IV Centenário de São Luís/MA. É desse cenário efervescente que destacamos características dessa força motriz que movimenta o discurso mítico, em todas as sociedades humanas. A sociedade maranhense, situada na periferia do sistema-mundo (Wallerstein, 1974), oferece oportunidade interessante de observarmos as características básicas desse processo simbólico fundamental. Temos realizado pesquisas empíricas nesses últimos anos que corroboram a importância hermenêutica desses fenômenos míticos. A construção social dessas comemorações é uma chance única de no estudo do particular, perscrutar sua estrutura sociológica. É importante também como ponto comparativo com os ritos do passado histórico, e de outras regiões e sociedades. Caso recuperássemos da história exemplos semelhantes mais ou menos eloquentes, nossa lista seria bem vasta. E o caso mais exuberante de uma listagem rápida pode ser ilustrado com a lembrança da fundação mítica da cidade de Roma. Todos nós temos profunda atração por discursos invocando as origens de nossos núcleos urbanos antigos; e mais especialmente os centros urbanos patrimonializados no decorrer do século XX. Ab Urbe condita: "Desde a fundação da cidade...", é recorrentemente enunciado, abrindo a oratória de autoridades, políticos, intelectuais, artistas, escritores etc. No caso de Roma, a cidade eterna, pergunta-se quem fundou: Rômulo ou Remo? Porém, não encontramos respostas prontas, nem certezas. Em busca da solução desse enigma entramos no labirinto maravilhoso do reino da lenda! Diferentes versões já foram formuladas, em séculos de especulações, apoiadas ou não em pesquisas arqueológicas e históricas na região do Lácio. Todavia, é o mundo da Mitologia que não nos deixa escapar da imaginação, da fábula, dos sonhos e das quimeras. Sabemos do legado que nos deixaram em séculos de narrativas em versões sempre variadas, que uma loba acolheu e gerou como uma mãe os dois irmãos abandonados, bebês na beira do rio Tibre; vivendo, quando adultos, em lutas e combates, terminando por disputar o fatal embate fraticida. Rômulo assassina Remo, como nos narram Virgílio e Tito Lívio. Rômulo, o vencedor, toma para si a fundação de Roma... No entanto, Rômulo não constrói Roma sozinho. Quem ajudou a construir a nova cidade: os latinos ou os sabinos? Teria havido a participação dos vênetos, umbros, oscos, tadiates, tadinates,

ausônios, saminitas, lucanos, rútulos, picenos, bretões, os sículos, sicanos e elimos? Quem sabe a resposta mais verdadeira, mais científica? É certo que considerando o fato de todos terem formado um agrupamento sociocultural denominado itálico, ou italiota, e de suas línguas ter derivado o latim, sabemos que os futuros moradores da Cidade Eterna tiveram origens comuns. Essas perguntas, repletas de oposições e polaridades, ativam os mitos; os quais não contornamos com fórmulas científicas salvadoras. Em Roma, como em qualquer cidade, - e em igual medida na fundação de narrativas sobre origens de povoados, vilas, lugarejos, grupos, pessoas etc., - os mitos articulam os símbolos do imaginário social, recolhendo do real os signos adequados a sua movimentação e eficácia. Em São Luís assistimos a um embate algo semelhante, num disputa mítica peculiar, encontrando a oposição de duas versões narrativas rivais. Essas duas versões invocam as nossas origens europeias. Pois, não se atribui a fundação da cidade aos indígenas: como os Tupinambás, vindos da Bahia após expulsarem os Timbiras/Tapuias para o continente (Lopes, 1970). Afirmam que esses indígenas não construíam cidades, viviam em aldeias. Também não se atribui o ato fundacional aos africanos alegando-se o fato de que ainda não havia o tráfico de escravos para a região nesse período. Resta para o embate teatral a presença dos franceses e dos portugueses, representados pelo confronto das personagens Daniel de la Touche, do lado franco; e Jerônimo de Albuquerque, do lado luso (-brasileiro). E nós como ficamos? Vamos tomar algum partido na contenda? Nesse momento, lembramos do poema de Jorge Luís Borges (1899-1986) intitulado Fundación Mítica de Buenos Aires, no qual o escritor portenho lapida com mais felicidade o que pretendemos defender com palavras mais prosaicas. O verso a destacar do poema em tela, - “los hombres compartieron un pasado ilusório” -, nos insita a enfrentar a dimensão positiva, não negativa, da ilusão mítica fundacional projetada sobre as nossas origens. Ilusão no sentido de que não há possibilidade de certezas, definições definitivas ou sólidas, das imagens ou configurações simbólicas originais. Buenos Aires é eterna para o poeta, porque suas projeções imaginárias são líquidas e etéreas, como a água e como o ar, referidos no verso final do poema. Outro aspecto elaborado no verso destacado refere-se ao peso do verbo compartilhar: “los hombres compartieron un passado...”. Esse ponto é importante, e é o que merece nossas palavras finais. Creio que com o passar do tempo poderemos avaliar melhor esse compartilhamento na conclusão dos trabalhos de celebração do IV Centenário. Muito embora, seja possível adiantar nesse momento um olhar distanciado e admitir que Roberto DaMatta foi certeiro, e nos parece ter razão, quando apontou para o traço melancólico do brasileiro que geralmente confunde crítica com flagelação 56. É o que percebemos em muitos textos produzidos nesse período preparatório. A persistência nesse trajeto queixoso talvez signifique que o que nos distingue seja realmente muito frágil, e obscurecido por uma recalcitrante fantasmagoria nostálgica, resultando disso uma sensação de que afinal perdemos, mais uma vez, boa oportunidade de avançar na compreensão da importância real das potencialidades de nossa singularidade, no grande mosaico sociocultural brasileiro... Por fim, após atravessar estas breves linhas interpretativas, lembro o verso borgeano parodiado: só na lenda começou, São Luís!

56

Descoberta e Invenção do Brasil, publicado no Jornal da Tarde de 16/04/2000.

MITO, IDEOLOGIA, SONHO E O ENIGMA DOS 400 ANOS. ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA E ADRIANA CAJADO COSTA Com a aproximação da efeméride dos 400 anos da cidade de São Luís, o que temos a dizer sobre os mitos? O mito é uma fala histórica, como adiantou Roland Barthes. E nesse momento oportuno nada mais fecundo do que invocar algumas reflexões sobre o trabalho de recuperação do mito na modernidade. O mito tanto remete a uma fala histórico-cultural, como também a fala do mundo psíquico individual. Veremos mais a frente que uma estrutura analítica mais pessoal, não nega homologia com os processos de análise sociocultural. De certa forma, podemos dizer que há muita semelhança entre o trabalho da Psicanálise e o da Culturanálise e Mitanálise; operam escavações arqueológicas do inconsciente social e psíquico, sob os mesmos regimes de escuta, pontuação, interpretação etc. Por isso, afirmamos que é um grave erro a leitura do mito como discurso falso, enunciado mentiroso. Trata-se de uma resistência epistemológica reativa; remetendo-nos a um cientificismo obscurantista e retrógrado. O diálogo entre Logos e Mythos ecoando desde a Antiguidade Clássica já passou por viradas importantes, em diversas revoluções epistêmicas do século XX. A crise do cartesianismo e do positivismo já vem de longa dada e hoje já entramos num novo estágio de conceituação da Mitologia. Contudo ainda encontramos sobreviventes do velho paradigma, resistentes na visão já anacrônica do mito como discurso falso e enganador. São recalcitrantes presos a um racionalismo do século XIX, que contagiou espíritos da envergadura de um Karl Marx, por exemplo. Como se sabe, o jovem Marx chegou a considerar a noção de ideologia de um ponto de vista negativo: como ilusão, falsa representação, falsa consciência. Na verdade podemos dizer que os que têm o mito como discurso mentiroso, o identificam com a noção de ideologia; no jargão do jovem Marx da Ideologia Alemã (1846). Mas os que se apegam a definição platônica do mito, também se vinculam aos pré-freudianos, os mesmos que ainda consideram o sonho como material psíquico sem importância; um disparate insignificante. Só depois de Freud o sonho passou a ser considerado material relevante para a análise psicológica. Da mesma forma, só depois da revolução epistemológica realizada no século XX, pelos revisores do próprio marxismo, passou-se a considerar a ideologia de um ponto vista positivo, e não mais negativo. Encontramos em Louis Althusser um dos grandes teóricos dessa virada filosófica e conceitual. Desde então, ideologia deixou de ser definida como sonho e ilusão, para ser considerada um sistema de representações articulando valores e ideias dominantes, em qualquer sociedade. “A ideologia é eterna, como o sonho”, escreveu Althusser. E parafraseando o filósofo francês, também podemos dizer que o mito é eterno. E no intuito de solapar de vez as resistências ao estudo positivo do mito, recolhemos algumas citações significativas de alguns mestres da alta modernidade. E começamos com Edgar Morin: “O mito não é uma mentira, pois é verdadeiro para quem vive e é uma forma espontânea do homem situar-se no mundo, elevá-lo a outra esfera, ao transcendente, oferecendo valores absolutos e paradigmas às atividades humanas, ocupando-se de tudo o que suscita a interrogação, a curiosidade, a necessidade e a aspiração” (1986, p. 150). Nessa mesma linha de raciocínio, lembramos de Mircea Eliade, ao constatar que “o mito é uma realidade cultural complexa, que pode ser abordada e interpretada em perspectivas múltiplas e complementares... Conta uma

história sagrada, relata um acontecimento que teve lugar no tempo primordial, o tempo fabuloso dos começos” (2000, p. 12). Afinal, é ao mito que cabe preservar a verdadeira história, a história da condição humana; falando de realidades e do modo como elas passaram a existir. Conhecer os mitos é aprender o segredo da origem das coisas. Por outras palavras, “aprende-se não só como as coisas passaram a existir, mas também onde as encontrar e como fazê-las ressurgir quando elas desaparecem” (p. 19). Azoubel Neto comenta: “A psicanálise redescobriu o mito, retomou o seu estudo e fê-lo através de um método de trabalho próprio, um método que constitui em si um processo de resgate. Localizou a presença do mito como uma condição real, atuante e atual no inconsciente” (1993, p. 15). E retomando Eliade: "É por isso que o inconsciente apresenta a estrutura de uma mitologia privada. Podemos ir ainda mais longe e afirmar não só que o inconsciente é ‘mitológico’, mas também que alguns dos seus conteúdos estão carregados de valores cósmicos, isto é, que eles refletem as modalidades, os processos e o destino da vida e da matéria viva. Podemos até dizer que o único contato real do homem moderno com a sacralidade cósmica se efetua através do inconsciente, quer se trate dos seus sonhos e da sua vida imaginária, quer das criações que surgem do inconsciente (poesia, jogos, espetáculos, etc.)" (2000, p. 68-69). Jacques Lacan afirma que a função do mito é a de liberar as pessoas de uma pergunta que dizima os seus melhores... “querendo responder ao que se apresenta como enigma, quer dizer, àquilo que se presume ser sustentado por esse ser ambíguo que é a esfinge, onde se encarna, falando propriamente, uma dupla disposição por ser feita, tal como o semi-dizer, de dois semi-corpos” (1992, p. 113). O mesmo autor reitera que este progresso do imaginário ao simbólico constitui uma organização do imaginário em mito, ou, pelo menos, está a caminho de uma construção mítica verdadeira, isto é, coletiva, e nos lembra disso por todos os lados, a ponto mesmo de evocar para nós os sistemas de parentesco (1995, p. 273). É quando nos aproximamos de Lévi-Strauss (1985): “A substância do mito não se encontra nem no estilo, nem no modo de narração, nem em sintaxe, mas na história que é relatada. O mito é linguagem, mas uma linguagem que tem lugar em um nível muito elevado, e aonde o sentido chega, se é lícito dizer, a decolar do fundamento lingüístico sobre o qual começou rolando” (p. 242). Enfim: “o mito se desenvolverá como em espiral” (1958/1985, p. 265). Considerando todas essas referências mestras, acusar o propalado enunciado de fundação francesa de São Luís do Maranhão de exercício espúrio de mitomania interessada ou alienada, é perpetuar o véu do obscurantismo: afinal, que nome teria essa cidade? Os que tentam resolver de modo simplório o dilema do drama sociocultural subjacente a essa configuração mitológica no campo simbólico, apenas encobrem com inconsequente irresponsabilidade algo que submerge nessas falsificações e mistificações pseudo-esclarecedoras. Subjacente a estas incompreensões e confusões está o debate sobre o reconhecimento das identificações recalcadas e não resolvidas, pois encobertas e disfarçadas neuroticamente. Acusar de mitomania os que se alinham a fraconfilia, é querer falsificar a ciência sob o manto da verdade historiográfica - recurso último da propaganda lusófila -, da qual não se tem garantia alguma de carta fundacional mais legitima ou mais verdadeira. Para solucionar esse enigma é preciso superar os obstáculos que ainda obnubilam a mente dos que se dizem críticos. Em suma, mito não é mentira, ideologia não é ilusão e sonho não é um disparate! Parafraseando o grande poeta portenho Jorge Luis Borges: só na lenda, começou São Luís!

SÃO LUÍS, REI DE FRANÇA JOÃO DIAS REZENDE FILHO Seminarista da Arquidiocese de São Luís, acadêmico do quarto ano de Teologia e pesquisador Artigo publicado no Jornal “O Estado do Maranhão" de 25 de agosto de 2012, dia da solenidade de São Luís de França, patrono de nossa Arquidiocese. http://imirante.globo.com/oestadoma/noticias/2012/08/25/pagina227904.asp

Aproxima-se o 08 de setembro, quando será comemorada a efeméride da presença francesa em Upaon-Açu e, para os católicos, os 400 anos da chegada do Evangelho pela missão capuchinha composta de quatro frades do convento parisiense de Saint-Honoré. Polêmicas à parte quanto a uma fundação francesa ou uma invasão francesa e fundação portuguesa por obra de Jerônimo de Albuquerque, o fato é que os franceses cá estiveram e cá deixaram algumas marcas. Poucas? Talvez sim, porém a mais significativa e que permanece está no nome da cidade que fora tomado do forte erguido pelos franceses. São Luís foi o nome escolhido para homenagear o pequeno Luís XIII e seu ilustre antecessor, o Rei Luís IX, àquela altura já elevado à honra dos altares com o nome de São Luís, Rei de França.

Retábulo-mor da Igreja da Sé (Catedral) onde ao centro vê-se a imagem de Nossa Senhora da Vitória, titular da Catedral, à esquerda São Pedro em vestes pontificais e com a tiara papal e à direita São Luís, Rei de França.

Entretanto, o que muita gente desconhece é que São Luís é o padroeiro da cidade e da Arquidiocese de São Luís do Maranhão. Atribui-se equivocadamente a Nossa Senhora da Vitória o patronato de nossa capital. Nossa Senhora da Vitória é a padroeira da paróquia da Igreja da Sé, a nossa catedral, Ela é, portanto, a titular da Catedral, mas não a padroeira da cidade e da Arquidiocese. Em 25 de agosto de 1882, no Jornal “Diário do Maranhão” recolhemos a seguinte nota: “Dia de gala por ser hoje dia de São Luiz, padroeiro desta capital estiveram embandeirados os fortes salvando o de São Luiz à 1 da tarde”. Mais próximo a nós, em 26 de agosto de 1934, no Jornal “A Pacotilha”, em coluna intitulada Vida Religiosa está a notícia, da qual transcrevemos alguns trechos: “ É hoje (sic) que se realiza na Sé Cathedral Metropolitana a festividade de São Luiz, padroeiro da cidade e da Arquidiocese do Maranhão. (...) Serão celebradas duas Missas: a primeira, às 7 horas (...); a segunda, às 8 e meia, cantada solenemente, fazendo o panegírico do padroeiro o Revmo. Sr. Cônego Arias Cruz.” Outra fonte que atesta São Luís como patrono da cidade é a obra História Eclesiástica do Maranhão, de Dom Felipe Condurú Pacheco: “São Luís – cidade ilustre, de 2000 habitantes, sede do bispado, estendido do Ceará ao Cabo Norte – teria o mesmo ex-soberano francês por Patrono” (1968, 16). Obviamente, não esgotamos as várias fontes que validam nossa informação. E quem foi São Luís? Filho do Rei Luís VIII e da infanta espanhola Branca de Castela, Luís nasceu em 1215 e recebeu uma educação profundamente católica de seus pais. É famosa a frase que sua mãe, mulher forte e determinada, talhada pelo tradicional catolicismo espanhol, sempre repetia a Luís: “Meu bom filho, saiba que eu prefiro vervos morto que saber que vós cometestes voluntariamente um só pecado mortal”. Quando morreu seu pai, Luís tinha apenas 12 anos e assumiu o governo sua mãe até sua maioridade. São Luís cedo se destacou como um governante bom e justo, granjeando a admiração e o respeito de todos. Extremamente piedoso, cercou-se de conselheiros franciscanos e dominicanos e era sempre visto em oração, diante das relíquias da Paixão: a Coroa de espinhos de Cristo e um pedaço da Cruz, que ele mandara buscar no Oriente. Foi esposo amantíssimo e pai zeloso de 11 filhos. Promoveu uma profunda reforma administrativa que visava o fim dos apadrinhamentos, da corrupção e de julgamentos eivados de vícios que só promoviam injustiças. Proibiu duelos e ordálios, tão comuns na Idade Média. Sua sabedoria e prudência fizeram com que ele fosse árbitro de conflitos importantes entre senhores e reis. Amigo dos pobres, muitas vezes deu de comer aos famintos com suas próprias mãos e, sentado diante do Castelo de Vincennes, limpava e aplicava remédios nas escrófulas dos doentes, o que lhe deu a fama de taumaturgo ainda em vida, quando muitos se curavam. São Luís concebia a função de rei como um mandato divino que não devia jamais ser exercido para o seu próprio benefício, mas para o bem do povo que lhe fora confiado por Deus.

Envolvido pelo espírito de cruzada, organizou duas expedições para libertar os lugares santos em Jerusalém e arredores das mãos dos infiéis, os mulçumanos. Na primeira delas, caiu prisioneiro dos sarracenos, mas conseguiu libertar-se. Na segunda, faleceu, em 25 de agosto de 1270, vítima de tifo e disenteria que dizimou parte de seu exército. Deixou um testamento espiritual para seu filho mais velho do qual destacamos um trecho: “Filho dileto, começo por querer ensinar-te a amar ao Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com todas as forças; pois sem isto não há salvação. (...) Ademais, se o Senhor permitir que te advenha alguma tribulação, deves suportála com serenidade e ação de graças. (...) Guarda o coração compassivo para com os pobres, infelizes e aflitos, e quanto puderes, auxilia-os e consola-os. Por todos os benefícios que te foram dados por Deus, rende-lhe graças para te tornares digno de receber maiores. Em relação a teus súditos, sê justo até ao extremo da justiça, sem te desviares nem para a direita nem para a esquerda; põe-te sempre de preferência da parte do pobre mais do que do rico, até estares bem certo da verdade.” São Luís foi sem dúvida um cristão modelar, exemplo para pais, esposos, governantes e para todos nós. Não foi, pois, por acaso que o século XIII passou à história como “O Século de São Luís”.

TRIUNFO DO ESPÍRITO FESTIVO ALEXANDRE FERNANDES CORRÊA A cidade não é um lugar. É a moldura de uma vida. Pensatempos. Mia Couto Em nossas pesquisas em São Luís encontramos com uma força extraordinária, a realidade presente das festas e das comemorações, com toda a sua exuberância de cores e expressões. E foi assim desde sempre na sociedade maranhense, e brasileira, periférica do sistema-mundo. Desde os indígenas autóctones, passando pelos períodos colonial, imperial e republicano, a efervescência da festa sempre foi, e ainda é, um traço marcante de nossa sociedade, como se constata em bibliografia histórica desde o século XVII. Os preparativos para os ritos festivos em alusão a ‘fundação’ do centro urbano antigo da capital do Estado do Maranhão, como se sabe, estão a pleno vapor. Os conflitos entre os poderes estabelecidos – autoridades políticas, religiosas, intelectuais, escritores e artistas – e as diferentes versões míticas que fazem alusão ao passado, revelam que não se consagrou uma versão mitológica unívoca: há uma disputa acirrada entre as versões francesa e lusitana. E curiosamente a herança marcante do mundo Ibérico, volta forte, num momento de crise das identificações elitistas e aristocráticas, mais afrancesadas. Numa recente reunião política, ocorrida na Câmara Municipal (03/11/2011), declarou-se publicamente que a politicagem tem impossibilitado a implantação dos Projetos Comemorativos e que, por conseguinte, restará às autoridades realizarem as festividades, festivais e celebrações marcadas pela efemeridade e eventualidade. O esquema político estabelecido optou, - diante das circunstâncias, e da ausência de um consenso -, por investir na estrutura organizacional do festival público: a Bigfesta. Na verdade, opção que se rendeu ao modelo histórico, dominante no imaginário ritualístico brasileiro desde o Triunfo Eucarístico, de Vila Rica, em 1733 (Ávila, 1969; 1971; 1993). É a prova certa da escolha pelo que vem da Tradição, ao invés de arriscar com o incerto: é a cultura barroca de lastro colonial estendendo seu poder simbólico. Parece que assim se fortalece a dimensão teatral e mágica do sentimento coletivo fincado nas mais profundas tradições da cultura barroca latino-americana; com raízes no barroco ibérico e italiano 57. É a força da consagração do sentido da história, reproduzida de modo inconsciente. Pois, a disponibilidade para a festa, enquanto válvula de evasão do cotidiano hierárquico e desigual, e dos conflitos acerca da cultura política e da mitologia da ‘fundação’, se confirmam mais uma vez. Processo que se dá pela via estratégica da enunciação triunfalesca do poder laico e religioso; tudo isso em busca de afirmação e de hegemonia. Metaforização de um discurso de poder através da festividade elevada a 57

Uma análise mais especifica desse aspecto, ver o texto O labirinto dos significantes na cultura barroca (Corrêa, 2009).

última potência; como prometem os organizadores oficias do grande evento, já designado de bigfesta. No fenômeno da festa, como se sabe, há a motivação buscada do prazer; o ensejo lúdico, proporcionando a fuga do ‘horror ao vazio’. É a eficácia do artifício político de fazer prender e submeter todos à magia admoestadora do brilho e da glória do poder. Como escreveu João Francisco Lisboa, sobre a Festa de N. S. dos Remédios; ilustrando nossa tese: Um dos maiores benefícios que dispensa a Virgem com sua festa (...) é este prazer universal, tantas classes confundidas, tantas dores adormecidas, tantos escravos deslembrados de seus ferros. Inda mal, que é tudo tão fugaz! Não importa, é um momento de repouso nesta lida que só tem a morte por termo, é um conforto para recomeçar-se com mais vigor a tarefa do dia seguinte. Mil ferventes e gratas orações à compassiva e misericordiosa Virgem (1992, p. 61). Para nós, nos limites dessa crônica, esse modelo de festividade, ou festival, segue a linha temporal da festa maior da nossa história colonial, qual seja o Triunfo Eucarístico de 1733, ocorrida em Vila Rica. Nela aglutinam-se, numa só imagem coletiva: a) as desinências culturais do sagrado e do profano, escrevendo uma primeira metáfora do êxito sociológico da miscigenação e do sincretismo místico, alimentada até hoje - azeitando a máquina comemorativa -, com pujança tropical e dionisíaca; e, b) a resistência das classes dominadas contra a coerção de uma estrutura hierarquizada, desigual e historicamente perversa, consolidada na sociedade brasileira, e permanecendo ainda inalterada em diversos torrões. E no torrão maranhense esse processo se dá de forma extraordinariamente semelhante e persistente 58. A consagração festiva do Triunfo Eucarístico premonitório nos tem preparado para entender a contradição brasileira e em especial suas aberrações e incongruências regionais e locais. Além de servir para compreender a festa brasileira, e os fenômenos ligados à antiestrutura e ao excesso, como processos vinculados à gênese e à transformação de nossa cultura e de seus agentes sociais. Ajuda também a apreender a lição moderna de liberdade e interação que ainda nos é presentificada pelo espetáculo cíclico do Carnaval, modelo de alegria eufórica programada, agendada, ritualizada e cada vez mais frugal, nos prometendo um estado permanente de festa e efervescência coletiva, como bálsamo fugaz em meio a tantos infortúnios.

58

Utilizamos o termo torrão no sentido de torrão natal (homeland), terra natal, empregado pelo geógrafo maranhense Raimundo Lopes que aos 17 anos de idade publicou livro famoso no Maranhão, O Torrão Maranhense. Obra que hoje compõe publicação reeditada conhecida como Uma Região Tropical (Lopes, 1970). A expressão adquiriu grande repercussão no imaginário regional, surgindo recorrentemente em toadas de bumba-boi e em diversas canções e poemas populares e eruditos. Em breve, vamos desenvolver estudos sobre possíveis paralelos literários entre o torrão natal (homeland) dos poetas brasileiros e a waste land (tierra baldia) do poeta T. S. Eliot (1888-1965). Sobre a obra Waste Land de Eliot, ver as análises do antropólogo mexicano Roger Bartra, em Culturas Liquidas (2008).

PROJETO FRANÇA EQUINOCIAL:A TENTATIVA FRANCESA DE COLONIZAÇÃO DO MARANHÃO NO SÉCULO XVII EUGES SILVA DE LIMA http://ihgm1.blogspot.com.br/2012/09/projeto-francaequinocial_8244.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+InstitutoH istricoEGeogrficoDoMaranhoihgm+(INSTITUTO+HIST%C3%93RICO+E+GEOGR%C3%81FICO+DO+MARANH%C3%83O-IHGM)

Carta do Maranhão de João Teixeira de Albernaz, 1626.

A presença francesa no norte do Brasil no século XVII deve ser entendida dentro do contexto das disputas franco lusitanas. Num primeiro momento, meramente restrito à concorrência da indústria extrativa do pau Brasil e outros gêneros tropicais, para depois se tornar projeto de colonização com vistas a um estabelecimento permanente. Embora de iniciativa particular, o projeto de colonização francesa em terras do Maranh��o contou com a chancela real. Na medida em que a colonização portuguesa foi se tornando mais efetiva ao longo do litoral brasileiro, os franceses foram sistematicamente avançando em direção ao norte, as incursões francesas à costa do Brasil no decorrer dos séculos XVI e XVII, ocorreram no sentido sul/norte. Observe que as invasões gaulesas iniciaram-se no Rio de Janeiro em 1555 e culminaram no Maranhão em 1615. Isso se deve principalmente em razão da união ibérica, em 1580. A exigência espanhola era que a ocupação e colonização do Brasil se desse em direção ao norte, ao contrário do que estava acontecendo até então (sentido sul). A intenção espanhola era proteger suas minas localizadas na região do Peru, de possíveis invasões estrangeiras. Maranhão e o Amazonas constituíam portas de entradas para essas regiões mineradoras. É nesse sentido que a colonização portuguesa pós união peninsular coincidiu com o banimento dos franceses dessas regiões mais localizadas ao norte. O Maranhão passou a ser alvo dos franceses, na medida em que constituía ainda uma das poucas áreas restante do litoral brasileiro livre da ação portuguesa.

François de Razilly Embora o nome de Daniel de la Touche, Senhor de la Ravardière seja comumente evocado como o principal líder da expedição francesa às terras maranhenses, é necessário, contudo, ressaltar a imprescindível participação de François de Razilly nos preparativos e administração dessa empresa, não só em termos religiosos como sugeriu o capuchinho francês Claude d’Abbeville, mas principalmente no que diz respeito à articulação para reunir recursos para o bom andamento dos negócios. O projeto: França Equinocial era uma empresa cuja liderança era dividida entre Razilly e La Ravardière, sendo que em momento algum, o Senhor de Razilly assumira papel secundário. Se La Ravardière assume posição de liderança principal nos acontecimentos finais de 1614 a 1615 no Maranhão, isso se deu, certamente devido à ausência de Razilly que se encontrava na França. Se por um lado, não podemos negar a intenção francesa em fundar uma colônia em plagas do Maranhão, por outro lado, os três anos e quatro meses que aqui permaneceram os franceses não foi tempo suficiente para que eles se consolidassem, no sentido de estabelecerem uma colônia propriamente dita ou até mesmo uma cidade. A chamada França Equinocial não conseguiu criar raízes, o projeto francês ainda estava em andamento quando da chegada dos portugueses. A experiência francesa no norte do Brasil, em todos os seus aspectos, não chegou a se consolidar enquanto modelo de colonização típica do século XVII, as relações entre metrópole e colônia durante 1612 a 1615 não foram tão regulares assim, aponto de se estabelecerem ali os fundamentos necessários que envolviam as relações metrópole e colônia, típicas do sistema colonial. Portanto, mais pertinente seria entendermos essa ocupação dos gauleses no Maranhão, como uma tentativa de colonização que foi frustrada pela vinda dos portugueses e não fundação de algo no Maranhão, seja uma colônia, seja uma cidade. Na aventura francesa do Maranhão seiscentista, os indígenas eram peças chave nos métodos de cooptação dos brancos. As alianças entre mairs (franceses) e Tupinambás demonstram uma relação com o “outro” feita com base em negociações comerciais, ao mesmo tempo em que também se constituía uma política para se viabilizarem em terras da América.

Sem o apoio das tribos Tupinambás do Maranhão, dificilmente os franceses tinham condições de se estabelecerem por estas terras. Os “Papagaios Amarelos”, como eles eram chamados pelos indígenas, tinha tanta consciência disso que procuram estabelecer leis que protegessem os índios, pois sabiam que o sucesso da empresa, dependia, do bom relacionamento entre os europeus, mas principalmente da relação amistosa entre franceses e nativos.

Fonte: Relatório de Alexandre de Moura, Lisboa, 1616. Os Tupinambás que foram descritos por cronistas franceses do início do século XVII, apesar de terem apresentados características semelhantes dos que habitavam outras regiões do Brasil, estavam razoavelmente preservados em sua cultura primitiva, visto o isolamento do Maranhão da ação de colonizadores portugueses antes da chegada dos franceses. Abbeville e d’Evreux, quando chegaram ao Maranhão em 1612, encontraram esses índios quase nada modificado culturalmente, ao contrário de franceses lançados em terras maranhenses, anterior à expedição de La Ravardière que já se encontravam praticamente “indianizados”. Os Tupinambás maranhenses procuraram proteger sua comunidade, nesse sentido, a iniciativa em aliar-se aos franceses ocorre da necessidade desses índios de se protegerem da dominação lusitana, preservar sua cultura e suas próprias vidas. Emigrados de Pernambuco, fugindo da escravidão imprimida pela ação colonizadora portuguesa, assim como, em busca de uma possível “terra sem mal”, os Tupinambás buscaram estabelecer alianças com os franceses que disputavam com Portugal a posse do norte do Brasil. O sonho francês acalentado há muito tempo em fixar um estabelecimento colonial no Brasil, mais uma vez não dá certo. O norte brasileiro não pertenceria aos mairs e a dúvida que durou muito tempo acerca da posse do território brasileiro, como assinalou o historiador Capistrano de Abreu, se definiria a favor dos perós (portugueses). Depois da derrota fragorosa na batalha de Guaxenduba e a partir da expulsão definitiva comanda por Alexandre de Moura, chega ao fim a pretensão francesa em colonizar o Maranhão. A França Equinocial entra, portanto para o rol das tentativas mal sucedidas de ocupação francesa em terras brasileiras.

CATÓLICOS E HUGUENOTES: diversidade religiosa e duplicidade de comando na França Equinocial EUGES SILVA DE LIMA

Detalhe do painel de Dila Rodrigues, retratando a cerimônia do 8 de setembro O sonho francês em estabelecer uma colônia nas terras do Maranhão, remonta a viagem de Jacques Riffault ao norte do Brasil, em 1594 e principalmente ao interesse do náufrago Charles des Vaux em convencer o rei da França, Henrique IV, em empreender projeto de colonização na Ilha dos Tupinambás. Além destes, Daniel de la Touche, Senhor de la Ravardière e François de Razilly, Senhor de Aumelles se interessaram e deram continuidade ao projeto, associando-se à vários nobres. Antes da partida dessa empresa para o Maranhão, ainda no porto de Cancale, na França, os principais integrantes, resolveram fazer votos de protesto e promessa para que tudo desse certo. Os comandantes estavam imbuídos de não cometerem os mesmos erros de desunião que contribuíram para o fracasso da experiência francesa anterior, em terras do Brasil meridional, a França Antártica de Villegagnon. Previamente selaram acordo para o sucesso da expedição. Segundo as diretrizes contidas em tal documento, o êxito da colônia francesa no Maranhão dependia de três ações essenciais: obediência aos chefes, união entre os franceses e o bom governo entre os índios. Nestes termos, estava firmado em 1.º de março de 1612, o protesto da companhia, para o bom estabelecimento da colônia. Os franceses estavam convictos que o sucesso do empreendimento só lograria êxito se houvesse uma convivência pacífica, não só entre eles, mas também entre nativos e europeus. Para os conquistadores gauleses em terras americanas o bom tratamento dispensado aos indígenas era estratégia imprescindível para captar apoio, tanto para os objetivos econômicos quanto bélicos. Tinham consciência que sem a ajuda dos índios Tupinambás a possibilidade de implantação de uma colônia no Maranhão ficava inviável, para isso buscavam sempre o bom trato com essas nações.

Maria de Médicis Havia uma exigência real que o catolicismo deveria ser a única religião a ser implantada nesse novo estabelecimento. A expansão do catolicismo em terras do Novo Mundo é também um dos objetivos da expedição, seja para dar um “colorido” religioso, conforme revelação de Razilly, contida no manuscrito do anônimo de Turim ou uma manobra política da Rainha Regente, Maria de Médicis, buscando se legitimar junto ao Papa. A preocupação da Rainha em enfatizar que não deveria haver outra religião se não a católica nas novas terras a serem conquistadas no norte do Brasil, se explica também pela duplicidade de comando e a diferença religiosa entre Razilly e Ravardière, católico e huguenote, respectivamente. João Lisboa, em seu Jornal de Tímon, sugere que o estabelecimento francês no Maranhão pudesse servir de abrigo para exilados calvinistas: Não é impossível também que Ravardière, sectário de Calvino como o mais da gente da expedição, traçasse em ânimo dispor nas novas conquistas um abrigo seguro em que pudesse os seus correligionários acolher-se, para diante, das perseguições, a que então andavam continuamente expostos no próprio país. A especulação de Lisboa faz sentido, pois um dos líderes era adepto do calvinismo. De repente, no íntimo de Ravardière e dos demais huguenotes que se deslocaram até o Maranhão, existisse a idéia que a pretendida França Equinocial pudesse se tornar um refúgio dos calvinistas na América. No entanto, o que demonstra os documentos existentes sobre esse período é que a expedição francesa no Maranhão foi do ponto de vista oficial uma empresa imperativamente católica e a religião que deveria predominar era de fato o catolicismo, porém, sabe-se que nesse estabelecimento coabitaram católicos e protestantes.

Franceses e índios fixam a cruz na ilha do Maranhão (Lèonard Galtier) Como deve ter sido a convivência entre comandantes e comandados? Entre católicos e huguenotes? Conviveram estes franceses em plena harmonia na França Equinocial? Segundo Bernardo Pereira de Berredo - autor de “Anais Históricos do Estado do Maranhão” - não, este, insinua possíveis dissídios na incipiente colônia, possivelmente de origem religiosa. O autor chama a atenção para o silêncio de Claude d’Abbeville, acerca dessas prováveis divergências religiosas, classificando-o de “culpável política”. Para Berredo, a diversidade de religião entre os colonos era motivo de crescente discórdia. Embora Abbeville em sua crônica, “História da Missão dos Padres Capuchinho na Ilha do Maranhão”, mantenha certa posição de silêncio sobre possíveis divergências, por outro lado, em alguns momentos, o capuchinho francês deixa escapar indícios da existência de divergências entre seus compatriotas, quando por exemplo, antes do embarque para o Maranhão, ainda na Bretanha, atribui ao demônio um caso de rivalidades entre os tripulantes, gerando assim facções contrárias: “[...] não deixou [o diabo] de perseguir-nos, revolvendo para isso céus e terras, semeando a maldita intriga da divisão no coração dos franceses, para esmorecer o sr. Rasilly”. Há também evidências dessas divergências nos depoimentos de trabalhadores artífices que vieram ao Maranhão na nau Regente comandada pelo Capitão Du Pratz, em 1614 e que foram aprisionados pelos portugueses durante a Batalha de Guaxenduba. Nesses depoimentos, prestados diante de Jerônimo de Albuquerque e Diogo de Campos Moreno, não se percebe que na colônia prevalecesse um clima de harmonia entre governantes e governados, ao contrário, a insatisfação por parte dos colonos parecia generalizada. Sobre isso, ressalta Sérgio Buarque de Holanda (2004): Muitos desses prisioneiros mostraram claramente seu despeito contra Daniel de la Touche, o qual deveria ter regressado à França na mesma nau Regente, ou até antes da chegada desta, e não o fizera, conduzindo todos a uma desastrosa peleja. Um desses homens, que tinha vindo da Europa com a esposa, diz do Senhor de la Ravardière que “se intitula lugar-tenente general do rei da França” como se não fosse.

Embora haja fortes indícios que a convivência entre os franceses não fora tão harmônica como desejara Maria de Médicis, não podemos afirmar, entretanto, que tivesse havido algum tipo de desentendimento sério a ponto que “a recíproca tolerância entre os chefes” não conseguisse contornar.

François de Razilly (Museu do Louvre) Não há dúvida que a pluralidade de chefia gerou um mal estar na França Equinocial, tanto em relação aos indígenas como em relação aos franceses, no entanto, deve-se admitir que a forma como os chefes resolveram essa questão, deixa transparecer a vontade mútua de Ravardière e Razilly de solucionar o impasse, sem colocar em risco a segurança do projeto de colonização. A França Antártica era uma experiência que eles não queriam repetir. Ficou acertado entre os dois comandantes que La Ravardière permaneceria no comando da expedição só até a chegada de Razilly, que teria ido à França em busca de ajuda para continuidade do projeto. La Ravardière se mostra favorável em consentir que todo o poder passasse finalmente às mãos de Razilly, dando demonstração que ao contrário de possíveis atritos entre ambos, havia um relacionamento sempre tolerante.

La Ravardière ( Busto idealizado) Mesmo tendo havido tolerância entre os chefes da colônia, como podemos explicar a capacidade de desprendimento de um La Ravardière em aceitar renunciar a

sua chefia, em favor de Razilly e segundo ele próprio, “em benefício da colônia, que ganharia com a existência de um único chefe, o Senhor de Rasilly.” Como poderia La Ravardière abandonar um projeto de colonização, tendo sido ele o primeiro a ser convidado por Sua Majestade de empreender tal estabelecimento? Para Sérgio Buarque de Holanda, a explicação do gesto de renúncia de La Ravardière reside no fato de que Razilly, apesar de sido nomeado loco tenente general das Índias Ocidentais posterior a La Ravardière e por ter sido convidado por este a se associar a essa empresa, de fato, não ocuparia lugar secundário nos trabalhos de preparação e manutenção na França Equinocial. Seu papel teria sido muito mais importante do que aparentemente tem sido tradicionalmente demonstrado pelos historiadores. Foi a morte de Henrique IV que provocou a modificação no projeto de ocupação e colonização do Maranhão. Sem querer arcar com todos os custos da expedição como prometera seu falecido marido, a Rainha Regente, Maria de Médicis não deixara alternativa a La Ravardière se não buscar apoio junto a nobres influentes da corte. A modificação do projeto original, com a entrada de Razilly, provocara a duplicidade de chefia, assim como o papel imprescindível que ele ocupara para viabilização, manutenção e administração do estabelecimento francês no Maranhão. Favorecido por uma conjuntura existente na França, onde ainda havia divergências entre reformados e católicos, Razilly, merecedor da credibilidade dos católicos, ao contrário de La Ravardière, ligado aos protestantes, reunia as melhores condições para obter apoio e patrocínio para o projeto de colonização do norte do Brasil e aprovação da Coroa francesa. São essas condições favoráveis que reunia o Senhor de Razilly que o respaldava para que pudesse vir a assumir definitivamente posição de liderança única na França Equinocial. Portanto, uma explicação possível e plausível para renúncia sem contestação de Daniel de la Touche ao comando da colônia francesa na Ilha do Maranhão.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO COMISSÃO DE COMEMORAÇÕES DOS 400 ANOS DE FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS PORTARIA 03/IHGM, de 15/12/2010 CICLO DE ESTUDOS/DEBATES

A CIDADE DO MARANHÃO – UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS 2011 – 2012 SEMINÁRIO 4 – SÃO LUÍS FOI FUNDADA POR FRANCESES 29 DE AGOSTO DE 2012 – PALÁCIO CRISTO REI

Brasão de João de Barros Brasão de Aires da Cunha

Brasão de La Ravardiére

EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CURADORIA: ANTONIO NOBERTO; CLORES HOLANDA; JOANA BITTENCOURT

29 de agosto de 2012 PALÁCIO CRISTO REI – 08:00 ÀS 12:00 HORAS SEMINÁRIO 4 – SÃO LUÍS FOI FUNDADA POR FRANCESES 08:00 – Abertura EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CURADORIA: ANTONIO NOBERTO; CLORES HOLANDA; JOANA BITTENCOURT

08:15 - Conferencia Magna JOSÉ CLAUDIO PAVÃO SANTANA "AS LEIS FUNDAMENTAIS DO MARANHÃO: DENSIDADE JURÍDICA E VALOR CONSTITUINTE. A CONTRIBUIÇÃO DA FRANÇA EQUINOCIAL AO CONSTITUCIONALISMO AMERICANO". 09:15 – Intervalo (café) 09:15 - Sessão de Pôsteres JOSSILENE LOUZEIRO ALVES INCLUSÃO E LAZER PARA TODOS: conhecendo Centro Histórico São Luis 09:30 – Debatedor(es) ANTONIO NOBERTO – IHGM A FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS, O DNA DA CONTESTAÇÃO E OPORTUNIDADES MARIA APARECIDA C. M. SANTOS – UEMA/UFMA HORÁCIO DE FIGUEIREDO LIMA NETO - UFMA A ELABORAÇÃO DO DISCURSO DO MITO DA ATENAS BRASILEIRA PELO GRUPO MARANHENSE E A FORMAÇÃO DOS NOVOS ATENIENSES 12:30 – Debate com a plenária

LEIS FUNDAMENTAIS DO MARANHÃO: DENSIDADE JURÍDICA E VALOR CONSTITUINTE. A CONTRIBUIÇÃO DA FRANÇA EQUINOCIAL AO CONSTITUCIONALISMO AMERICANO

JOSÉ CLAUDIO PAVÃO SANTANA 59

INTRODUÇÃO: O presente artigo é uma síntese da Conferência Magna proferida no Ciclo de Estudos/Debates promovidos pelo Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão intitulado “A CIDADE DO MARANHÃO – UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS. Registra-se o mais sincero agradecimento pelo honroso convite. Põe-se, assim, de maneira sintética o assunto que tem nos ocupado como pesquisa e que possibilitou a publicação do livro “O PRÉ-CONSTITUCIONALISMO NA AMÉRICA”, pela Editora Método de São Paulo. Trata das normas concebidas e escritas pelos franceses quando da fundação da França Equinocial e que completarão 400 anos de publicação no dia 1º de novembro de

59

JOSÉ CLÁUDIO PAVÃO SANTANA - Doutor em Direito do Estado - Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Mestre em Direito pela Faculdade de Direito do Recife, da Universidade Federal de Pernambuco - Menção Distinção. Professor do Curso de Mestrado em Direito da Universidade Federal do Maranhão; Professor Adjunto IV do Departamento de Direito da Universidade Federal do Maranhão. Subprocurador Geral do Estado do Maranhão, tendo sido o primeiro Procurador Geral de carreira É membro efetivo da Academia Maranhense de Letras Jurídicas; Membro do Instituto Brasileiro de Direito Constitucional.; Membro do Instituto Maranhense de Direito Eleitoral. Foi membro do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, por dois biênios, na classe de jurista. É autor de: "O PRÉCONSTITUCIONALISMO NA AMÉRICA", obra individual pela Editora Método: SP; "PréConstitucionalismo na América: Uma abordagem acerca das manifestações constitucionais nas terras do Maranhão no Século XVII". EDICEUMA: MA;CONSTITUIÇÃO: ENTRE O CONTRATADO E O DESEJADO": Letras Contemporâneas: Florianópolis; "CONSTITUIÇÃO: SENTIMENTO E CONSCIÊNCIA". Saraiva: SP. É articulista de vários jornais Conferencista em eventos internacionais e nacionais. http://www.facebook.com/joseclaudio.pavaosantana # http://claudiopavao.blogspot.com.br/

2012. Saber de sua densidade jurídica e valor constituinte é o objetivo, a fim de se identificar o contributo ao constitucionalismo americano. O CONSTITUCIONALISMO: O Constitucionalismo é concebido como o fenômeno histórico que estuda o aparecimento do Estado Constitucional. Muitas são suas perspectivas de abordagens que ora o concebe como movimento revolucionário, ideológico, político, sociológico etc. Os autores tem reservado ao final do século XVIII o marco fundamental desse período de rompimento com os fundamentos do estado absolutista monárquico. Em verdade o Estado inicial, mais do que constitucional, é o Estado Legal, de bases racionalista que transpõe o teologismo existente. De fato, sejam manuais propedêuticos, sejam tratados de densidade notória, enfim, a literatura constitucional converge para esse cenário, sinalizando com a Constituição Americana e os demais documentos que lhe antecedem, como sendo a primeira manifestação efetiva constitucional do continente americano. A riqueza da literatura sobre o assunto tem registrado como principais documentos históricos a “Magna Charta Libertatum” (1215-1225), a “Petition of Rights” (1628), o “Habeas Corpus Amendment Act” (1679), o “Bill of Rights” (1688). A Declaração de Mayflower (1620), a Declaração de Direitos do Bom Povo da Virgínia (1776), a Declaração de Independência dos Estados Unidos, A Constituição Americana (1787) e a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789) constituem o conjunto de documentos formais que dão força emblemática ao assunto. Como, nem sempre, a história é infensa ao subjetivismo do seu narrador que muita vez se seduz por circunstâncias pautadas por conveniências (ou conivências) o registro de alguns fatos passam a ter dimensão capitular e, eventualmente, sendo reservado a acontecimentos significativos para a história a clausura de uma nota de rodapé. Isto estimulou-nos a iniciar a pesquisa sob uma perspectiva até então inédita: apreciar as Leis Fundamentais do Maranhão sob uma ótica-histórico-jurídica. O PRÉ-CONSTITUCIONALISMO: A ideia de pré-constitucionalismo nasce da necessidade de buscar o valor constituinte das Leis Fundamentais do Maranhão. Não se pode pretender que com os critérios formais do Século XVIII seja dada dimensão constituinte às leis concebidas e escritas no Maranhão. É preciso buscar “a Constituição como uma realidade orgânica cuja presença independe de um dado momento histórico, sendo, aqui, úteis as ideias de constituição natural e consituição intitucional...”60 Por isso a ideia de estabelecer a noção de um período anterior ao chamado constitucionalismo: “Sendo assim, e retomando o estudo histórico com base na técnica de divisão dos acontecimentos em Idades, é lícito afirmar que o préconstitucionalismo, embora se situe na Idade Moderna (a exemplo do 60

SANTANA, José Cláudio Pavão, O rpé-constitucionalismo na América, São Paulo: Método, 2012, p. 72.

constitucionalismo visto sob a perspectiva jurídica), com ele não se confunde, pois reúne as manifestações que antecedem 17 de setembro de 1787.”61 Pré-constitucional, assim, é todo o período associado ao chamado Estado de Direito, na realidade Estado Legal, eis que a discussão democrática só mais tarde porá na berlinda a verdadeira dimensão do que é Estado de Direito. É necessário registrar que o que há de mais remoto concebido no continente americano é precisamente a Carta Colonial da Virgínia (1606), mas que chegou a continente por obra e graça da côrte, portanto, sendo escrita na Europa. Mas, ainda, no continente americano, merece registro a Declaração do “Mayflower”, estabelecendo bases principiológicas para construção de um Estado de Direito que data de 1620. É quando entra em cena a reunião de dois elementos fundamentais para a pesquisa desenvolvida, e que mudam o panorama do que tem sido ensinado no estudo do Direito Constitucional até aqui. O CENÁRIO: O mundo do século XVII era aquele mapeado pela Igreja Católica. O Tratado das Tordesilhas já o havia dividido entre Portugal e Espanha, fato que se faz atribuir a Francisco I de França indagar sobre o testamento de Adão nesse sentido. O Brasil havia sido descoberto, conquanto sua exploração por piratas e corsários persistisse, dado ao completo desinteresse pela colonização desta terra. O Maranhão fora alvo dessa exploração. Aqui já estivera o capitão Riffaut (1594) que, por infortúnio, deixou inúmeros franceses em terras brasileiras, dentre os quais o Sr. Des Vaux, principal responsável pelos relatos entusiasmados a Sua Majestade Henrique, O Grande, cuja prudência enviou Daniel de La Touche para verificação e constatação da narrativa. Aqui passou seis meses, retornando,após, à França, onde se deparou com a morte do magnânimo rei. Só em 1611, já no reinado de Luis XIII e da Rainha Regente, sua mãe, Maria de Medicis, foi possível o empreendimento de fundar aqui uma colônia, o que contou com a sociedade do Sr. de Rasilly e do Barão de Sansy (D’ABEVILLE: 1975, pág. 23). Somente em 1612 veio a se concretizar o empreendimento, tendo como marco a fundação de São Luís no dia 8 de setembro. Discussões à parte acerca da fundação da cidade o que importa destacar é a contribuição normativa (legislativa, modernamente) institucional elaborada em terras maranhenses, fato que, por si mesmo, singulariza o acontecimento de tantas conquistas anteriores, quando as normas eram escritas e entregues aos conquistadores empreiteiros da realeza. É esta circunstância singular que nos interessa aqui. AS LEIS FUNDAMENTAIS DO MARANHÃO: À época da concepção das Leis Fundamentais do Maranhão já existia a Carta Colonial denominada “Carta da Virgínia, de 1606, pouco difundida, alias.

61

IDEM, p. 54.

Sucede que esse documento, seguindo a prática da época, foi introduzido no continente americano como originário daA determinação de constituir uma colônia e o propósito de catequizar seus habitantes revela-se em diversos momentos do empreendimentos, tendo como marco inicial o compromisso assumido em Cancale dias antes da partida “de observar o que for necessário ao bem da colônia” (D’ABEVILLE: 1975, pág. 27). Mas o fato nodal da história de formação constitucional reside precisamente na concepção, redação e publicização em terras americanas das Leis Fundamentais do Maranhão. Elas davam força formalizante ao simbolismo da cruz plantada em terras maranhenses, que para o franceses implicava na configuração da posse das terras, seguida dos rituais das procissões e estandartes, diferenciando-os dos rituais ingleses, espanhóis e holandeses de conquista da Nova Terra (SEED:1999, pág. 19). A necessidade de legitimação encontra nas Leis Fundamentais (1 o./11/1612) a criação de autoridade baseada na característica de então, uma sucessão de normas voltadas a Deus, ao Rei e aos franceses. Para PIANZOLA (1992, pág. 163) “espécie de constituição implicitamente destinada, a bem da verdade, unicamente aos franceses...”. Em verdade é impróprio imaginar-se uma norma constitutiva aqui unidirecional, pois ao se tratar de fenômeno relacional (a norma) encerra uma ideia de bipolaridade, implicando, sim, em normas direcionadas tantos aos franceses quanto aos índios que habitavam as terras do Maranhão. É nesse sentido, aliás, que tem simbologia o discurso do Sr. Des Vaux respondido por Japi-açu “principal de Juniparã e de toda a ilha...”(D’ABEVILLE: 1975, pág. 84). Eis, aí, o pacto firmado que se vai concretizar nas Leis Fundamentais do Maranhão. As bases institucionais das normas guardam, certamente, conotação eclesiástica como fruto do Estado da época, fundado no teocentrismo absoluto, mas revelam preocupações que bem mais tarde restaram assentadas em disposições constitucionais expressas, inclusive a atual Constituição da República de 1988. Atento à brevidade do texto merecem destaque disposições como: “Ordenamos que o autor de qualquer homicídio, a menos de perpetrado comprovadamente em legítima defesa, seja punido de morte para exemplo; Ordenamos que quem quer que seja, convencido de falso testemunho contra quem quer que seja, sofra a pena que caberia ao acusado; Ordenamos que quem que se encontre furtando seja, da primeira vez, acoitado ao pé da fôrca, ao som da corneta, e sirva durante a um ano nas obras públicas, com perda, nesse espaço de tempo, de tôdas as dignidades, salários e proveitos; da segunda vez seja o infrator enforcado. Em se tratando de criado domestico seja já no primeiro roubo enforcado”. O conjunto de disposições transcritas se não é suficiente para identificar nas Leis Fundamentais do Maranhão uma Constituição, com base nos elementos edificados pelo liberalismo, certamente importa, para a época em estudo, uma conotação institucional das leis, dantes só vistas na “Magna Charta” de João Sem Terra. A instituição das bases religiosas, seguidas pelas disposições atinentes à honra do Rei dão a composição fundamental das leis consignadas no seu próprio nome, alem de

contar com a convergência de vontades formalizadas no pacto contido na cláusula final das normas, a saber: “As presentes leis e ordenações acima transcritas foram lidas e tornadas públicas, de modo a que ninguém alegue ignorância, neste dia de Todos os Santos, 1o de novembro de 1612... Transcritas no arquivo Geral do Estado e Colônia Francesa no Brasil as Leis Fundamentais do Maranhão possuem precedência cronológica em relação a todas as normas escritas no continente americano que tenham por propósito a constituição de um estado. Nem mesmo a Declaração de “Mayflower” (1620) a antecede. “Sob o aspecto formal, as Leis Fundamentais do Maranhão são um documento único, de modo escrito, obediente aos preceitos estruturais da espécie normativa, vale dizer, atende às características que identificam as Leis Fundamentais existentes na Idade Média, que mais tarde foram resgatadas pelo sistema real do século XVII.”62 A natureza constituinte das Leis Fundamentais guarda, ainda, uma particularidade que ratifica este entendimento sobre sua natureza precursora: Foram escritas em solo maranhense, portanto, a exemplo da Declaração de “Mayflower”, é obra escrita na América, mas com a singularidade de preceder-lhe e a todas as demais manifestações formais da espécie. Portanto, quer sob o aspecto geográfico, dado que foram escritas no continente americano, quer sob o aspecto cronológico, pois antecedem os documentos como a Declaração de “Mayflower” (1620) quer sob o aspecto geográfico, pois escritas aqui, no que diferem da Carta Colonial da Virgínia (1606), escritas na Europa, as Leis Fundamentais do Maranhão podem ser consideradas as primeiras manifestações constitucionais, pois “...orgânico-constitutiva escrita com natureza fundamental no continente Americano do sil que se tem notícia, vocacionada à instituição de uma sociedade politicamente organizada.” 63. Finalmente, e para menção e identificação de preceitos hoje constates em Constituições modernas, pode-se sintetizar que as Leis Fundamentais do Maranhão possuem: Cláusulas de origem e fundamento, cláusula de incidência, cláusula de salvaguarda, cláusula da companhia e da sociedade, cláusulas de proteção dos índios e cláusulas do sistema de penas. Colhidas à miúde, pode-se constatar a presença de normas que hoje estão presentes no ordenamento constitucional pátrio e que são normas sobre o meioambiente, normas penais, e, sobremodo, sobre a dignidade da pessoa humana. CONCLUSÃO: De certo que se exigir a composição formal de uma Constituição com critérios só mais tarde concebidos pelos revolucionários americanos seria impor à história um método estanque de conhecimento, circunstância inapropriada para quem observa, reflete e escreve a história dos homens. Ainda quando se não possa concordar com o argumento, ainda assim, é plausível compreender que os franceses ofertaram contribuição significativa ao estudo do Direito 62 63

IDEM, p. 81. IDEM, p. 35.

Constitucional, uma vez ser possível compreender, que houve na história o préconstitucionalismo, como tal compreendido o estudo da formação do Estado Constitucional em época anterior ao século XVIII. A organização da colônia, a proteção da propriedade, da liberdade e da integridade física dos índios, através do estabelecimento de normas jurídicas cujas consequências iniciavam pela declaração de desobediência do sossego público chegando até a pena de morte - aplicáveis, inclusive, aos franceses -, revela a natureza institucional e orgânica das Leis Fundamentais, que seriam, como foram, adotadas como princípios fundamentais à organização do estado constitucional. Assim sendo, em que pese a “imperfeição” utilizada àquela época, além de regras de conteúdo iminentemente teológico - até porque a catequização era objetivo indissociável da colonização - vemos com muita ênfase as normas penais destacadas, como forma de garantir, sobretudo em relação aos índios, os direitos de liberdade e propriedade. Portanto, não observamos a presença de norma afirmativa de direito como as declarações emergentes do séculos XVIII, mas constatamos a previsão de direitos a partir da advertência a uma conduta firmada em critérios substancialmente morais. E a noção de ordenamento jurídico é que nos permite chegar a tal conclusão. Desse modo, a preocupação em dispor de um elemento normativo que estabelecesse um relacionamento social e jurídico na colônia e político com a coroa, além de dimensionar um constitucionalismo primário, por assim dizer, merece destaque pelo pioneirismo no continente americano. Portanto, sem que se possa negar a natureza da Declaração da Virgínia como documento que estabelece direitos atendendo aos critérios do constitucionalismo moderno, do mesmo modo reconhece-se que as Leis Fundamentais representam a primeira e mais autêntica manifestação constitucionalista no continente americano, pois produzida em terras maranhenses e para serem aqui aplicadas. Portanto, concluímos por entender que as normas instituídas nas terras do Maranhão, ainda carentes da feição constitucional presente na Declaração de Virgínia, quer sob sua ótica formal ou material, dispõem de conteúdo jurídico-político suficiente para afirmar que as Leis Fundamentais podem ser consideradas a primeira manifestação do que, por prudência, resolvemos chamar de pré-constitucionalismo no continente americano. Mais do que uma praça e um forte que dá nome à cidade, mais do quem uma história e lendas que permeiam suas ruas, mais do que uma cruz e seus estandartes, os franceses, pioneiramente, firmaram nesta terra valores e princípios que mais tarde seriam resgatados pelo constitucionalismo moderno e que ainda hoje permeiam os textos constitucionais. Quisera tivessem deixado o sentimento de obediência e zelo, desvinculados do personalismo que vulnera insensivelmente a Lei Fundamental atual. BIBLOGRAFIA: D’ABBEVILLE, Claude, História da missão dos padres capuchinhos na ilha do Maranhão e terras circunvizinhas. São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1975. DOUGLAS, William O., Uma carta viva de direitos. São Paulo: IBRASA, 1976. PIANZOLA, Maurice, Os papagaios amarelos – Os franceses na conquista do Brasil. São Luís: Alhambra, 1992.

SANTANA, José Cláudio Pavão, O Pré-constitucionalismo na América, Coleção Gilmar Mendes, 14.. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Editora Método, 2010. SANTANA, José Cláudio Pavão, Eram os franceses corsários? Ensaio veiculado na página http://claudiopavao.blogspot.com.br/[ acesso em 10 de setembro de 2012]. SANTANA, José Cláudio Pavão, Maranhão tinha constituição em 1612, Jorna; O Imparcial, 15 de junho 2008, p 7. SANTANA, José Cláudio Pavão, Pré-constitucionalismo na América: Uma abordagem acerca de manifestações constitucionais nas terras do Maranhão do século XVII. São Luís: Ediceuma, 1997. SEED, Patrícia, Cerimônias de posse na conquista européia do novo mundo. São Paulo: UNESP, 1999. SWARTZ, Bernard, Os grandes direito da humanidade. Rio de Janeiro: Forense, 1979. WILLIAMS, William Carlos, En la raiz de América. Madrid: Turner Fondo de Cultura Econômica, 2002.

A FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS E O DNA DA CONTESTAÇÃO ANTONIO NOBERTO64 Discurso proferido no Ciclo de estudos e debates “A cidade do Maranhão: uma história de 400 anos”, promovido pelo Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM em agosto de 2012 por ocasião das comemorações dos quatrocentos anos de São Luís. “Os ausentes estão sempre errados” Provérbio chinês Senhora Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM, confreiras e confrades, autoridades, estudantes, acadêmicos, pesquisadores e estudiosos deste assunto, demais presentes, senhoras e senhores, bom dia. Primeiramente, gostaria de parabenizar ao IHGM e a Comissão de comemoração dos 400 anos de fundação de São Luís pela promoção e realização do Ciclo de estudos e debates ‘A cidade do Maranhão: uma história de 400 anos’, evento de grande valor e que tem sido um verdadeiro sucesso. Segundo, o meu engajamento nos mais diversos eventos comemorativos dos quatrocentos anos – em especial a Exposição FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE e a conseqüente elaboração do livro e do álbum FRANÇA EQUINOCIAL, UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS, além da recepção à comitiva oficial da cidade francesa de Cancale – e constantes problemas de saúde em minha família, não me permitiram dar melhor forma a este trabalho e desenvolvê-lo como pretendido, por isso, serei mais cerne e essência, e menos forma, pois o pouquíssimo tempo a que pude me dedicar neste metier não me autorizou melhor apresentação e roupagem de assunto tão vasto. Por outro lado, não posso dizer que estou em desvantagem com relação aos outros debatedores, vez que iniciei o estudo sobre os franceses no Maranhão, e a fundação de São Luís faz mais de uma década, quando, em 1998, comecei os estudos para minha monografia na Universidade Federal do Maranhão – UFMA, com o título “A influência francesa em São Luís e os benefícios à atividade turística”, publicado em 2004 pela Editora Belas Artes com o título “A influência francesa em São Luís: uma oportunidade de segmentação do mercado turístico local”. Sugiro a quem deseja conhecer e se aprofundar um pouco mais sobre a fundação de São Luís que leia alguns dos nossos textos no livro “FRANÇA EQUINOCIAL, UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS: em textos, imagens, transcrições e comentários”, obra lançada na abertura da Exposição FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE, neste Palácio Cristo Rei, no último dia 15 deste mês de agosto, e que deverá permanecer em cartaz até o final deste ano. O trabalho conta com a participação de especialistas em França Equinocial, como Ana Luiza Ferro, Vasco Mariz e Lucien Provençal. Entendo que neste dia, às portas do tão esperado 08 de setembro de 2012, não era para estarmos aqui debatendo a fundação de São Luís, mas a aplicação dos recursos 64

Antonio Noberto é turismólogo, pesquisador, escritor, consultor em turismo, Representante regional da ANPRF, Sócio-efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM e membro do Conselho diretor da Aliança Francesa de São Luís.

oriundos deste legado à cidade e ao estado. Mas, como de praxe, ainda não aprendemos a valorizar da melhor forma aquilo que realmente nos interessa, uma das razões do nosso secular atraso. Falar sobre fundação de São Luís não é algo tão fácil. As dificuldades que permeiam o assunto, por sua vez, são muito mais por envolver amores, ódios e paixões. Acredito que as falas apresentadas neste Ciclo de estudos e debates ajudarão a balizar posicionamentos sobre o assunto, mas ninguém se engane pensando que deste evento sairá uma palavra final que porá termo à discussão. Os ânimos sempre estão acirrados entre as partes. Existe um patrulhamento ostensivo, principalmente por parte daqueles que contestam a fundação de São Luís. Entendo, por outro lado, que é preciso um posicionamento oficial por parte deste Instituto. Do contrário, não existiria razão para realizá-lo. Ouvi, desde criança, que não se deve discutir futebol, política e religião. Meu engajamento e participação ativa neste assunto me avalizam concluir pelo acréscimo de mais este item: a fundação de São Luís, pois sempre “dá muito pano para a manga”. Às vezes mais parece um Vasco x Flamengo, um GRENAL (Grêmio x Internacional), um PT x PSDB, catolicismo x protestantismo ou ainda INRI Cristo x Padre Quevedo. Observa-se, no entanto, uma imperial necessidade de continuarmos mostrando as raízes históricas da nossa capital e o real valor da França Equinocial e do título de “única capital brasileira fundada pelos franceses”. Enquanto alguns, por motivações que mostraremos neste estudo, sempre tentaram esconder de maranhenses e brasileiros o belo legado gaulês, eu e muitos outros pesquisadores maranhenses, nacionais e estrangeiros nos dedicamos a mostrar as maravilhas da Nova França no Maranhão. Outra razão é o recorrente desencontro de informações sobre este tema e a tentativa de alguns em desacreditar e diminuir o legado francês neste torrão. Outros tentam confundir o leitor / interlocutor usando a estratégia de misturar fundação com colonização. Recentemente um dos suplementos de um importante diário ludovicense, não se sabe por qual razão, dominado pela crítica infundada aos franceses, fez uma tremenda confusão na sua apresentação. Deixou a entender que os franceses iniciaram um holocausto em São Luís. Um total desconhecimento da história da cidade e do estado. Na verdade, são muitos os desencontros de informação neste tema. Entre os próprios maranhenses percebemos uma carência de aprofundamento, vez que, por exemplo, ainda hoje muitos ainda chamam a ocupação francesa na Ilha Grande de invasão, o que é um erro primário, pois os gauleses já a ocupavam, com anuência e parceria dos tupinambás desde o final dos anos mil e quinhentos. A França Equinocial foi a ocupação oficial do lugar. E quem entre na casa de alguém convidado jamais poderá ser chamado de invasor. Neste pequeno estudo buscaremos analisar o que foi e como se deu a fundação de São Luís pelos franceses em 1612. Mostraremos o que caracterizava de fato a fundação de uma cidade em tempos tão primitivos, que dispensava aparatos mais adiantados, comparando-a com a fundação de algumas das principais cidades do Brasil daquele período. E analisaremos o DNA da contestação da fundação de São Luís, para isto, aproximando a lupa a fim de vermos o detalhe e os reais motivos das querelas que permeiam o assunto. Ao final, abordaremos o que São Luís ganha com o título de “única capital brasileira fundada pelos franceses” e o que perde com a semeadura do antigalicismo. Talvez consigamos mostrar ao leitor os motivos que levam algumas pessoas a nutrirem ódio aos franceses, que só fizeram o bem quando aqui estiveram, e a louvarem aqueles que por séculos, enraizaram o privilégio branco (tão presente nos nossos dias), escravizaram a magia africana e dizimaram a indolência indígena.

Neste trabalho lançaremos mão de parte de alguns artigos já publicados na mídia local e regional, como o texto o Quadricentenário de São Luís: Fundação francesa e oportunidades. Com a aproximação do evento das comemorações do quadricentenário da capital do Estado. Especula-se muito. Vemos e ouvimos de tudo: críticas, polêmicas, contestações, politização do evento, manifestações, atrasos, cobras e lagartos. Quase tudo contra a gestão pública nas três esferas de poder. E que pena que muito do que é falado realmente procede. Não precisava ser assim! Tudo bem que não somos um Canadá da vida, que iniciou seus preparativos dos quatro séculos com quase uma década de antecedência. Tivemos muito tempo para começar a trabalhar, mas não o fizemos. Deixamos tudo para a última hora, como sempre. Mas o mal maior talvez seja a tentativa de alguns de politizar o evento, vez que o quarto centenário cai em ano eleitoral. E o que era para ser um jogo de frescobol, onde um arredonda a bola para o outro, tornou-se um desafio de tênis, um dificultando a vida do outro. O que todos torcemos é que uma oportunidade tão grande para São Luís e para a população não seja totalmente esvaziada por interesses pessoais e político-partidários. Por outro lado, não se pode esquecer que nem tudo está perdido e estagnado, existe a mobilização de alguns que estão correndo atrás e, com isto, muitas ações deverão acontecer neste ano de 2012 e 2013. E é procurando visualizar mais as oportunidades que as dificuldades, mesmo em meio aos desentendimentos, contestação e outras mazelas, que São Luís caminha para ser a mais nova integrante do grupo de cidades quadricentenárias das Américas. É senso comum, por sua vez, que dificuldades assim quase sempre antecedem grandes eventos similares. O Brasil, no evento comemorativo dos 500 anos, também não conseguiu fugir de polêmicas. Na década de noventa, alguns dos principais líderes políticos de quatro estados da Federação iniciaram querelas em torno do descobrimento. A aproximação do mega-evento dos quinhentos anos foi o combustível para o desencadeamento de uma grande peleja, briga de gente grande. O jogo de interesses político-econômicos teve de um lado, o então governador de Pernambuco, Miguel Arraes, defendendo que Vicente Pinzón chegou ao Cabo de Santo Agostinho em janeiro de 1500, quatro meses, portanto, antes de Pedro Álvares Cabral. Tasso Jereissati pediu vênia e defendeu que o Cabo onde Pizón arribou não era outro senão o do Mucuripe, no Ceará. O senador e ex-presidente José Sarney se adiantou e reivindicou a passagem do navegador Duarte Pacheco Pereira, em 1498, no litoral oeste do Maranhão – entre Guimarães e a foz do Gurupi. Outro poderoso do cenário político, o senador paraense Jader Barbalho, alegou que Pacheco teria aportado no litoral de lá, entre o rio Gurupi e a terra dos Caetés – hoje Bragança. Em meio ao puxa pra cá, estica pra lá, o homem forte do governo FHC, o baiano Antonio Carlos Magalhães, ciente de que a precedência do descobrimento vai muito além de algo romântico ou novelesco por envolver grandes interesses políticos e econômicos, impulsionado pelo trade turístico da terra de Jorge Amado, bateu o pé e sentenciou: “Tais polêmicas são desnecessárias, pois o que importa é que Cabral é o descobridor oficial porque foi o primeiro que aportou aqui para esse fim, autorizado pela coroa portuguesa”. O papo estava encerrado e a Bahia promoveu sem mais problemas o grande evento do descobrimento – exceto, todos lembram, a réplica da nau, não navegou. O Canadá, em 2008, no evento dos 400 anos, também precisou transpor seus obstáculos e polêmicas antes da grande festa. Mas ao final todo esforço valeu a pena. Não bastassem problemas políticos, também se observam polêmicas semelhantes a esta que antecedeu as comemorações dos quinhentos anos do descobrimento do Brasil,

que tentam arrefecer os ânimos comemorativos e as iniciativas programadas. E uma destas polêmicas gira em torno da fundação francesa de São Luís, sob o argumento de que o evento protagonizado pelos franceses quatro séculos atrás não caracterizaria bem uma fundação. E é por entendermos justamente o contrário que nos debruçamos sobre esta curiosa e importante temática, que sempre ocupa espaço nos diários são-luisenses. O leitor que nos acompanha sabe que sempre defendemos, com propriedade e riqueza de informação, a França Equinocial e a fundação francesa de São Luís, por compreender terem sido acontecimentos dos mais valorosos do Brasil colonial e uma das maiores oportunidades atuais de geração de emprego e renda aos maranhenses através da maior indústria econômica mundial, o turismo. A convivência harmoniosa e sustentável entre franceses e nativos à época foi um grande legado para os nossos dias e uma contundente afirmação de que é possível conciliar diferenças e caminhar de mãos dadas rumo ao progresso e ao desenvolvimento. Tudo isto soaria como uma visão ingênua e sonhadora não fosse isso o que a história tem registrado desde os períodos mais remotos. Os franceses, históricos aliados dos maranhenses, sempre estiveram presentes participando e construindo os capítulos mais destacados da história do estado. Foi assim na proto-história, na fundação, no século do luxo (séc. XIX) e nos dias atuais como maior demanda estrangeira, que consome a oferta turística do estado e, com isso, com sua moeda forte, mantém muitos dos empregos gerados pelo setor. O interessante é que tudo isto se dá sem a disponibilização de políticas públicas a este fluxo francês. Este é o momento ideal para revisionarmos esta injustiça. Os franceses no Maranhão, comandados pelo General La Ravardière, foram além das fundações brasileiras da época. O historiador Jerônimo de Viveiros cita na sua mais importante obra História do comércio do Maranhão (LITHOGRAF. São Luís, 1992. P.3) que os franceses na Ilha Grande construíram em pedra. O fato é comprovado no “Depoimento dos prisioneiros franceses em Guaxenduba” prestado em novembro de 1614 a Jerônimo de Albuquerque no Forte de Santa Maria. A Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro conserva uma cópia destes depoimentos. Os originais estão na Espanha. Edificaram a princípio em madeira, palha e barro e, dois anos depois, iniciaram a reconstrução em pedra, foi assim com o Counvent Saint-François (Convento São Francisco), atual Capela dos Navegantes (núcleo inicial da Igreja e Convento Santo Antonio), primeiro convento capuchinho do Brasil, e o Fort de Caillou (pronuncia-se caiú), e quer dizer “Forte de Pedra”, que deu origem ao termo “Caur” e hoje se chama Caúra, em São José de Ribamar. Calhau é outro termo originário da palavra francesa caillou. O dinheiro para a edificação em pedra do Convento no Maranhão foi doado pelo Cardeal François de Joyeuse, o mesmo que batizou Luís XIII e coroou Maria de Médici. Alicerces e paredes foram levantados em pedra, mas não foi concluído, vez que os conflitos de novembro de 1614, a famosa Batalha de Guaxenduba, absorveram os trabalhadores franceses. O forte ficou apenas cheio os alicerces. Outras considerações também não podem ser omitidas. A capital da França Equinocial tem o nome do Rei da França e está localizada até hoje no mesmo lugar onde foi fundada por escolha de Daniel de La Touche. Fossem os portugueses, tudo seria uma incógnita, ninguém poderia dizer onde e como seria. Não dá para imaginar a capital maranhense com outro nome: São Felipe, Dom Manuel ou Nazaré. Ou ainda, fundada onde hoje está Cururupu, Alcântara, Tutóia, Guimarães, para não falar nas áreas mais interioranas (Portugal planejou no início da colonização transferir a capital maranhense para as imediações de Rosário e Bacabeira, como forma de garantir mais proteção à cidade e seus habitantes de possíveis invasões). Faltaram recursos materiais.

A reivindicação da fundação da cidade de São Luís pelos franceses, ao contrário do que equivocadamente é apregoado, não foi obra de maranhenses e historiadores do século passado, pois já constava em literaturas coloniais. O cronista luxemburguês Felipe Bettendorf, habituado à pomposidade européia, não arriscou dar o crédito total aos franceses na fundação de São Luís, disse apenas que os franceses começaram a fundação. “Mas se perguntarmos, e buscarmos quem foi o primeiro que descobriu, povoou a Ilha do Maranhão, fazendo nela casa-forte, e edificando moradas para soldados, acharemos que foram os franceses, como manifestamente se prova e convence do nome S. Luís, Rei da França, com que apelidaram primeiro a cidade do Maranhão, que também começaram a fundar65”. (grifo nosso) Já aclimatado à realidade brasileira, celebrou uma missa no interior do Pará em uma frágil capela de pindoba. A celebração passou para a história como o marco da fundação de Santarém e ele se tornou o fundador da cidade paraense. Outro jesuíta, o padre José de Moraes, sempre habituado aos paradigmas brasileiros, muito conhecedor da realidade e dos fundamentos das possessões portuguesas, publicou em 1759 uma das mais importantes obras do Brasil colonial. Nela, por diversas vezes, ele relata que os franceses haviam fundado São Luís. De onde transcrevemos uma dessas muitas citações que diz que os capuchinhos franceses participaram ativamente da construção de São Luís e “... acabaram aquela pequena e ainda pobre cidade a que deram o nome de São Luís do Maranhão, lembrados de um tão grande santo, que duas vezes tinha enobrecido o ilustríssimo nome da nação francesa” 66. Moraes faz outras referências à cidade francesa 67. E nos fala que os portugueses apenas a “fundaram em melhor forma”, vez que os franceses já a estabeleceram em forma de cidadela (compreendendo todo o espaço da atual Praça Pedro II – Capitania dos Portos, Banco do Brasil, Tribunal de Justiça, João Goulart, Hotel Central, Igreja da Sé, Cine Rox, Grand São Luís Hotel, Prefeitura, etc. Tudo isto cercado por um fosso e uma paliçada), com todos os aparatos, critérios e ofícios necessários à uma cidade à época. Vale lembrar que o atual Palácio dos leões era apenas o núcleo do Forte São Luís. Foi assim que muitos destes mesmos franceses fizeram no Canadá, quando fundaram a Acádia, tendo Issac de Razilly se tornado governador (1632). Mais adiante, abordaremos a fundação de importantes cidades brasileiras e faremos a comparação com a fundação de São Luís. Salvador (cidade-fortaleza), Rio de Janeiro (acampamento militar), Belém (frágil fortaleza de pau-a-pique), etc. A maioria delas não possuíam Câmara, e nem aparatos de cidades, eram apenas fortalezas de paua-pique.

65

BETTENDORF, João Filipe. Crônicas da missão dos padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. 1ª Ed. – Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2010. P. 5. 66 Moraes, José de. História da Companhia de Jesus na extinta província do Maranhão e Pará. Alhambra. 1987. Rio de Janeiro. P. 41. 67 Ibid, PP. 42, 53, 57.

A FUNDAÇÃO DA FRANÇA EQUINOCIAL E DE SÃO LUÍS A permanência dos franceses na Ilha Grande é algo conhecido pela maioria dos ludovicenses e muito mais por vocês que aqui se encontram, creio. Por isso a descreverei de forma sucinta. Foi em uma reunião entre a rainha regente Maria de Médici com a alta cúpula francesa, nobres e generais, no então Palácio do Louvre, hoje museu, em Paris, que foi decidido o estabelecimento da França Equinocial, com sede na Ilha Grande do Maranhão. Esta reunião selou também o núcleo fundacional de São Luís, pois foi ali que se concluiu a idéia de “construção de um forte” (atual Palácio dos Leões) e, junto a ele, “um porto” (Praia Grande / Rampa Campos Melo), além de um convento para os religiosos capuchinhos (Atual igreja e seminário Santo Antonio). Aqui chegados, em harmonia com os naturais da terra, trataram de fundar a sonhada colônia, tendo como sede São Luís. O dia 08 de setembro foi a data comemorativa da conquista pelos sucessos e trabalhos investidos. Contaram com a ajuda dos eternos aliados tupinambás, que trabalhavam entusiasmados no estabelecimento da empresa. Alteraram o espaço físico natural e construíram moradias, várias capelas (sendo duas “junto ao forte”), uma escola, o primeiro convento capuchinho do Brasil, prédios públicos, quatro fortes, aí incluído o Forte São Luís – em forma de cidadela cercada por uma paliçada, onde hoje se encontra a Praça Pedro II –, serraria, estaleiro e uma serralheria. Trouxeram toda sorte de profissionais necessários ao sucesso de uma colônia e de uma cidade, sendo soldados, pedreiros, serradores, agricultores, carpinteiros, construtores navais, dentre outros, e também profissionais ligados às ciências: dois astrólogos, e à moda: artesãos, fiadores, tecelões, costureiros e sapateiros. A determinação da rainha de que aqui só deveria ser pregada uma única religião, as Leis fundamentais decretadas na Ilha do Maranhão, primeiro conjunto de leis elaborado nas Américas, e a habilidade do general Daniel de La Touche foram determinantes para a regulação da boa convivência neste torrão. O complexo edificado pelos gauleses na Ilha Grande, por mais incipiente que possam nos parecer – principalmente se comparado com a pomposidade das grandes cidades de hoje, repletas de prédios, shoppings e com milhões de habitantes – atendia as “exigências” de uma cidade para época. Os padres capuchinhos de Saint-Honoré, Claude Abbeville e Yves d’Evreux, mostram o respeito mutuo e a boa convivência no Maranhão entre franceses e tupinambás. Os padres jesuítas foram pródigos em narrar o caráter pacífico da colonização francesa no Maranhão. E centenas de outros pesquisadores, historiadores e escritores se dedicaram em resgatar o importante evento simbiótico que foi a França Equinocial. E foi esse exemplo de boa convivência que fez com que maranhenses e franceses nunca se esquecessem deste primeiro capítulo da nossa história. MAS A HISTÓRIA É DOS VENCEDORES Portugal nunca admitiu e sempre tentou diminuir qualquer outra presença estrangeira no Brasil antes da sua, sempre usou sua máquina bélica violenta e uma sábia produção religiosa para legitimar seus procedimentos e conquistas (não é à-toa que em quase todas as vitórias lusas sempre “aparecia” uma nossa senhora ou um “milagre” envolvendo algum santo). O Maranhão é um exemplo clássico disto, pois, ao menos em dois momentos – na batalha de Guaxenduba e na batalha contra os holandeses “aconteceram” milagres que deram a vitória aos lusos. No Rio de Janeiro, na França

Antártica (1555 – 1567), não foi diferente, também “apareceu” uma santa. E falando em França Antártica, que durou até mais que a França no Maranhão, aqui cabe um comentário. Certa vez, em um debate com uma historiadora que contesta a fundação de São Luís, ela disse que “o Rio de Janeiro não reivindica a fundação francesa”. Realmente, apesar de muitos historiadores a defenderem, é fato que a maioria dos fluminenses não a reivindica. Faz mister explicar a razão da falta de interesse deles. Os motivos são simples, lúcidos e óbvios. E reside em uma séria de problemas acontecidos na colônia de Nicolas Durand de Villegaignon. Quatro deles foram decisivos para o fracasso da França no Rio de janeiro. Os três primeiros foram de responsabilidade do chefe da colônia, fruto da falta de habilidade dele. Sendo, primeiramente, a baixa qualidade do material humano captado, egresso, em maior parte, das prisões da Normandia e da Bretanha; a proibição dos franceses de manterem relações sexuais com as índias (os franceses eram obrigados a se casarem com as nativas, mas parte considerável deles já era casada na Europa); e a proibição da antropofagia entre os silvícolas, o que acirrou os ânimos dos aliados tamoios contra os franceses. Somado a isto se registra um maiúsculo problema: os conflitos religiosos entre católicos e protestantes. O que não foi resolvido na Europa não o seria no Novo Mundo. Vale lembrar que decorridos apenas cinco anos da expulsão dos franceses do Rio de Janeiro teve início o massacre contra os protestantes, na conhecida Noite de São Bartolomeu. O morticínio, que durou meses, dizimou entre 30 mil e 100 mil huguenotes franceses. E assim, o sonho de uma nova França no Brasil, virou pesadelo. Os habitantes do Rio de janeiro, em uma atitude óbvia, em vista deste cenário gaulês desfavorável, fizeram a opção pelo que deu certo: a palpável e material instalação da família real portuguesa naquele estado. Foi este fato, aliás, que transformou a cidade do Rio de Janeiro em capital do Brasil. Trocaram o duvidoso (?) pelo certo. Quem ousaria dizer que a opção carioca não foi a melhor? Entendo, por outro lado, que, apesar dos problemas verificados na França Antártica, da mudança do núcleo fundacional, etc., que a cidade do Rio de janeiro também foi fundada por franceses. A Henriville realmente existiu. Os holandeses governaram grande parte do Brasil entre os anos 1624 a 1654 e legaram ao país importantes ganhos materiais e culturais, como edificações de fortalezas e pontes, tolerância religiosa, mapas, desenhos, pinturas, literaturas, etc., mas apesar de tudo isto eles passaram para a história como maus e destruidores, porque a história dos vencedores é implacável, foi assim com eles e não seria diferente com os franceses no Maranhão, primeiros conquistadores do Brasil setentrional, que viviam em paz, sustentável e harmonicamente com a população autóctone. Os romanos designavam de bárbaros aqueles que habitavam além das fronteiras do seu poderoso Império. Atualmente o dicionário designa como bárbaro aquele que não é civilizado. Hoje à luz da razão, ao observamos com uma lupa percebemos que os verdadeiros bárbaros foram os romanos, pois, se comparados aos gauleses, cometiam, por exemplo, os grandes excessos da época. Enquanto os gauleses de Vercingetórix tinham leis que protegiam mulheres, crianças e idosos. Os romanos, entre tantos procedimentos toscos, podiam abandonar crianças deficientes. Mas a história é dos vencedores, que a escreve à sua maneira. Quem não conhece a famosa frase de Jesus Cristo referindo-se à moeda cunhada com a efígie e inscrição do imperador Júlio César: “Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. O que poucos sabem é que César havia copiado tal conhecimento (imprimir a face na moeda) a partir das moedas cunhadas pelo líder dos gauleses. O mesmo aconteceu com o primeiro calendário gaulês, também copiado pelos romanos, e que chegou aos nossos dias. O calendário original de Vercingetórix, felizmente, encontra-se no Museu Gallo-romano, em Lyon,

França. Apesar de tanta contribuição, tecnologia e respeito ao ser humano e de todo o grandioso legado gaulês, foram eles que passaram para a história como maus Um bom exemplo do que aconteceu com a história e o espólio dos vencidos no Maranhão vem de uma atitude do inquisidor para cá enviado, o Frei Cristóvão de Lisboa. Poucos anos depois da saída dos franceses, Lisboa destruiu as literaturas dos franceses por “considerá-las” obras de piratas e hereges. Antes, porém, se apropriou e publicou uma das mais importantes contribuições literárias dos franceses no Maranhão como sendo sua, intitulada a História dos animais e árvores do Maranhão. Na obra, ao lado de vários desenhos de peixes, animais e plantas, vê-se que as mesmas expressões na língua tupi, na forma usada pelos frades franceses Abbeville e Evreux, estão riscadas e adicionadas com finais em português. Mais interessante ainda é observar na página que antecede ao índice dos peixes as expressões em francês: St-Louis du Maranhan, ville du Brésil (São Luís do Maranhão, cidade do Brasil) 68. Não faz muitos anos foram encontrados no estado do Pará alguns canhões com a flor-de-lis. Certamente aqueles deixados pelos franceses no forte São Luís. Quem sempre são os culpados nos acidentes aéreos? As mega-empresas do setor de construção de aviões: Airbus ou Boeing? São as companhias aéreas: American Airlines, Air France, Delta Airlines, TAM, Gol? Claro que não! Toda a culpa e todo o caos vai parar na conta dos pilotos, pois não estão mais aqui para se defender. Na capital maranhense, aliás, virou moda colocar na conta da fundação francesa toda a inércia governamental. Muito da insatisfação popular e daquilo que deixa de ser feito põem na conta dos franceses, é a desvantagem de quem perdeu a batalha. Os ausentes realmente estão sempre errados. O VERDADEIRO DEBATE: o que era uma fundação em tempos tão primitivos? O evento gaulês no Maranhão contou com todo o aparato oficial necessário, com mais predicativos que muitos outros estabelecimentos no Brasil colonial, que, vale dizer, davam-se sem a estrutura mínima necessária e em condições ainda mais precárias e sem pactuação contratual. Pode-se saber facilmente se os franceses fundaram ou não São Luís com a simples comparação com as demais fundações brasileiras da época, onde quase cem por cento delas se deram em condições extremamente frágeis: com orçamento minguado, onde não raro Portugal mandava fazer raspa nos cofres das principais cidades brasileiras e de seus habitantes a fim de prover novos estabelecimentos – foi assim que aconteceu quando vieram tomar São Luís dos franceses; as edificações se davam em madeira, palha e barro; o número de colonos era muito reduzido (na maioria dos casos não chegava a duzentos, contando ainda com muitos degredados); não possuíam aparelho administrativo estatal bem definido, faltando-lhes câmara municipal e intendente na data da fundação; os níveis de organização eram mínimos; pouco planejamento, dentre outras carências. Algumas cidades coloniais possuíam planos urbanísticos, elaborados por engenheiros militares e, quase sempre, implementados somente após a data de fundação. O marco fundacional quase sempre é o término da construção do forte (praticamente todos de madeira, palha e barro, só muitos depois construídos em pedra), outras nasciam a partir da edificação de uma capela e a celebração de uma missa.

68

LISBOA. Frei Cristovão de. História dos animais e árvores do Maranhão. 3. ed. São Luís: Alumar, 1998. (Documentos maranhenses, 2). p. 65.

FUNDAÇÃO DE VILAS E CIDADES NO MUNDO PORTUGUES: inexistência de normatização Criticar os fundamentos iniciais das cidades estabelecidas nos dois primeiros séculos do Brasil colonial – seja ela de fundação francesa, portuguesa, inglesa ou qualquer outra – não deixa de ser uma atitude grosseira e até arrogante da parte de quem o faz, pois se hoje vivemos um mundo hi-tech, onde a sociedade e as cidades desfrutam de comodidades, luxo e conforto, ele tem lastro no ontem, nas frágeis bases legadas pelos pioneiros conquistadores. Tudo fruto da ação antrópica e da evolução do lugar e dos atores que o estabeleceram e o desenvolveram. Os critérios das fundações coloniais, em especial aquelas estabelecidas até a primeira metade do século XVII, não podem ser confundidos com nenhum outro. São um caso particular, vez que inexistiam critérios definidos. Até esse tempo, os reinos, via de regra, sequer possuíam exército regular, fardamento, etc. Nas viagens marítimas, mesmo as oficiais, não havia a exigência de rol de passageiros (na França isso só passou a ser obrigatório a partir de 1680). A obra do escritor Antonio Lopes (1889 – 1950) nos informa que “Segundo expressões de um documento oficial do século XVII (como reza a carta régia de 26 de junho de 1675, constante de manuscrito da Biblioteca de Évora – Cód. CXV/2/18/f 65 v), eram requisitos indispensáveis à fundação de vilas d’el-rei de Portugal: igreja, casa para cadeia e governo político”69. (Destaque nosso). A data em tela, 1675, está em consonância com o período de normatização verificados na maioria dos reinos. Antes, prevalecia a informalidade e os fundamentos legais e institucionais básicos. Foi assim com quase todas as cidades iniciais do período. Em um dos debates travados com a contestação, ouvi um argumento pouco convincente sobre o que seja fundar. Foi inferido que “fundar é continuar”. Mas até quando? Nosso entendimento é bastante diferente. Fundar é fazer o básico, é fazer nascer. E quando se nasce, isso sempre acontece da forma mais incipiente possível. O dicionário Aurélio é taxativo sobre o verbo fundar, quando diz: “levantar os alicerces de (construção)”. O que era então fundar uma cidade em tempos tão remotos? Uma importante referência é o escritor, doutor honoris causa pela Universidade de Zurique e pela Sorbonne, Leonardo Benévolo, que na obra História da cidade (Ed. Perspectiva. 1983), mostra diversas formas de fundação mundo afora e de onde se observa que o estabelecimento de uma cidade não exige mais do que quatro fundamentos simples, sendo este o quadripé: alteração do espaço físico natural (aí incluídos a abertura do espaço e as edificações oficiais e particulares); presença de um governo oficial; delimitação territorial e local de ajuntamento cívico-militar (representado geralmente pela praça). Aí estão as bases da maioria das fundações das cidades brasileiras daquele período, sendo que muitas não contavam com os quatro pilares, mesmo assim estas fundações não são contestadas. A obra do famoso pesquisador e escritor Nestor Goulart Reis, um dos papas no conhecimento do estabelecimento de vilas e cidades do Brasil colonial, sempre deixa entender que as cidades, mesmo nascendo frágeis e extremamente carentes de infra-estrutura, as datas de fundação são aceitas e não são refutadas. Em todo o Brasil colonial são muitos os exemplos de lugares e cidades estabelecidos em fundamentos primitivos. Foi assim na Paraíba com o forte do 69

LOPEZ. Antonio. Alcântara: subsídio para a história da cidade. 2. Ed. – São Paulo : Siciliano, 2002. P. 204

Cabedelo (1587) construído em palha, madeira e barro; Belém – Forte do Castelo (1616). A capital paraense contava na data de fundação um pouco mais de uma centena de pessoas. As melhores casas de Belém, mais de dez anos após seu estabelecimento, eram de taipa revestida. Quase vinte anos depois, a cidade ainda era chamada por muitos de povoação, devido a sua fragilidade. “Formou-se a matriz de taipa de vara”, finaliza o historiador Ribeiro do Amaral70. A fundação da primeira capital, Salvador, não fugiu à regra: madeira, palha e barro. O historiador Francisco Adolpho de Varnhagen (1816 – 1878), que não raro trocou farpas com o historiador maranhense João Francisco Lisboa (1812 – 1863) é sintomático quando fala sobre as precárias condições do lugar. Ele, apesar da “simpatia que nutria pela monarquia, que lhe rendeu severas críticas”, dá-nos a verdadeira dimensão do que era a fundação de uma cidade à época, quando narra a criação do arraial de Salvador. “Para a primeira vivenda dos colonos, construíram-se provisoriamente, com a ajuda de muitos índios, alguns como tujupares cobertos de palmas. Depois tratou Tomé de Sousa de dar mais solidez à cerca, substituindo-a por uma forte muralha de taipa (...) A este arraial, ainda apenas em princípio, deu o primeiro Governador-geral do Brasil o religioso nome de “Cidade do Salvador71”. (grifos nosso) Dois anos depois de fundada, a cidade do Salvador continuava com os mesmos fundamentos. Detalhe, na data de fundação ainda não existia Câmara, até porque não existia intendente (prefeito), mas um Governador-geral. E “Por tempo já a cidade-capital se achava bastante bem fortificada, e toda amuralhada de taipa, tendo dois baluartes, um deles de madeira de mangue. (...) A dita muralha de taipa saiu um pouco alta, e não deixou de sofrer na invernada desse ano72. (grifo nosso) Observa-se que na data de fundação de muitas capitais e cidades brasileiras não existiam Câmara. O Rio de Janeiro, por exemplo, na data da fundação por Estácio de Sá, não era mais que um frágil acampamento militar. E, tal qual Salvador, também não seguiu etapas para ser reconhecida como cidade. Observa-se a inexistência de parâmetros definidos para a fundação de cidades naquele período inicial do Brasil. À Época inexistia uma cartilha disciplinando normas de fundação. Daí a quase totalidade das fundações portuguesas no Brasil não se enquadrarem nas “exigências” da contestação. Cem por cento delas era em madeira, palha e barro. Só depois as construções eram edificadas em fundamento mais forte. Outra informação importante era a inexistência de câmara. São Luís, ao contrário do que alguns disseminam, não possuía Senado da Câmara. Jerônimo de Albuquerque morreu sem ver uma Câmara em São Luís, pois só construída anos depois por Simão Estácio da Silveira. O mesmo aconteceu com muitas das principais cidades brasileiras. O nascimento de Salvador e de São Luís possui muito mais em comum do que se imagina. Além de estabelecidas com os mesmos fundamentos iniciais, possuíam 70

AMARAL, Ribeiro do. Fundação de Belém do Pará: jornada de Francisco Caldeira de Castelo Branco em 1616. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2004. P.79. 71 VARNHAGEN. Francisco Adolpho de. História geral do Brasil: antes da sua separação e independência de Portugal. São Paulo: Edições Melhoramentos, em convênio com o Instituto Nacional do Livro, MINC. 5 v. 9ª Ed. Tomo I. 1975. P.241. 72 Ibid., p. 256.

governador (Tomé de Sousa e La Ravardière), e não intendentes (substituído pela figura do prefeito). Não possuíam edis (vereadores), mas conselheiros. Características das cidades iniciais estabelecidas em regiões isoladas e sem vizinhança. São Paulo é a maior metrópole da América do Sul, mas nos seus cinqüenta primeiros anos a população não ultrapassava os trezentos habitantes. E para não ficarmos apenas nos exemplos distantes, lembramos da fundação de Santarém no Pará, onde o marco é uma capela de pindoba sem paredes, e a celebração de uma missa, realizada pelo conhecidíssimo frei e escritor luxemburguês João Phillippe Bettendorf (1625 – 1698). O que dizer da vizinha Icatu, que tem como data de fundação a construção do forte de Santa Maria (1614), feito, às pressas, inicialmente nos mesmos fundamentos primitivos, e que depois ficou abandonado no matagal. A cidade de Icatu, como todos sabem, foi edificada em outro momento e em outro lugar, distante do forte, sendo a construção do mesmo aceita como data de fundação da cidade. Trouxemos todas estas informações à tona por entendermos ser condição sine qua non comparar a fundação de São Luís com as demais fundações de cidades brasileiras da época. E não é só no Brasil que os estabelecimentos se davam desta maneira. No filme Novo Mundo, produção hollyhoodiana estreada em 2005, com direção de Terrence Malick, mostra como se deu a pedra fundamental dos Estados Unidos, sendo as construções, cem por cento delas, em madeira. E os pioneiros desbravadores, como não poderia deixar de ser, passaram para história como heróis, com destaque para a índia Pocahontas e o inglês John Smith. A data de fundação das cidades brasileiras do período colonial quase sempre respeita o evento principal inicial: a construção de um forte, de uma capela, uma igreja, a celebração de uma missa, etc., pois fundar é fazer o básico, o fundamental. É como nascer. Não nascemos indefinidamente, apenas uma única vez, pequenos, frágeis, carentes de cuidado, mas mesmo assim já nascemos, viemos ao mundo. Assim nascem coisas e pessoas. Não vemos atualmente polêmicas criadas pelos brasileiros em razão da fragilidade da fundação da cidade onde moram, ao contrário, como é de se esperar, são orgulhosos ou, no mínimo, encaram com normalidade o evento. A implantação de Câmara e cadeia, plano urbanístico, etc., a exemplo de Salvador, São Paulo, Belém e Rio de Janeiro, não são exigências das mais urgentes para que uma povoação seja reconhecida como cidade. Os requisitos iniciais das primeiras cidades do Brasil são aqueles de caráter urgente – residências, capelas, fortaleza, etc. Ou, no máximo, aqueles mostrados anteriormente no quadripé fundacional. No Maranhão, tornou-se um álibi da contestação o incremento do plano urbanístico de Frias de Mesquita, implementado (aparentemente) de imediato, porém, concluído em um dilatado espaço de tempo. Não existem dúvidas sobre a importância de um plano urbanístico para uma cidade, porém, as primeiras delas foram fundadas sem tais aparatos. O escritor maranhense Domingos Vieira Filho nos dá uma dimensão da importância dos logradouros no período colonial. “As ruas não tinham por então as funções socializadoras de hoje, porque na sociedade colonial, como na medieval, a rua era uma simples linha de comunicação do que de transportes (...) Podiam por isso ser estreitas que por elas não transitavam carros” 73.

73

FILHO, Domingos Vieira. Breve história das ruas e praças de São Luís. Rio de Janeiro: Gráfica Olímpica e Editora Ltda, 1971. P. 10.

Lembramos que os primeiros logradouros de São Luís foram criados pelos franceses de La Ravardière, estando entre eles a Praça do Forte (Pedro II), o caminho que interligava o Forte ao Convento (atual rua dos Afogados) e o porto Santa Maria (Praia Grande). Não esqueçamos ainda incontáveis fundações do Brasil colonial que não contavam com nada, absolutamente nada na data de fundação, tendo como marco fundacional a passagem de uma personalidade, a celebração de uma missa, etc. Nota-se aí que os moradores são parte importante neste processo de decisão, ignorados por aqueles que criticam a fundação de São Luís. SEM COMPARAÇÃO NÃO EXISTE CIÊNCIA A história, senhoras e senhores, ela é uma ciência, a ciência que estuda o desenvolvimento do homem no tempo. E como todas as ciências, não pode fugir aos princípios científicos, por ser “um corpo de conhecimentos sistematizado e verificado”74. Os fatos científicos são necessariamente verificáveis e as hipóteses testáveis. Não é o que se vê na argumentação da neo-contestação, por fugir a passos largos da comparação. Quem pode aqui dizer, nestes mais de dez anos, que algum dia ouviu algum dos seus defensores mostrarem o que era a fundação de uma cidade naquele período? Eu particularmente nunca vi ou ouvi. E olha que já participei de mais de um debate público com a professora que trouxe a “teoria” a partir do Canadá. Acredito que hoje, dia 29 de agosto de 2012, decorridos mais de dez anos de formulada a neo-contestação, após solicitar a um dos debatedores que defendem a idéia contrária a fundação francesa que, ao menos desta vez, apresente claramente, nesta boa oportunidade, a verdadeira realidade dos fatos, mostre como se dava a fundação de uma cidade no Brasil daquele período. Até porque os maranhenses e ludovicenses não entendem a razão desta grave omissão. A contestação da fundação de São Luís é muito bem escrita, e nisto parabenizamos a quem o fez. É filosoficamente perfeita, conduz, de forma sedutora, o leitor a adotar uma postura antigalicista, fazendo-o imaginar que, com isto, está sendo um crítico da história. Levando-o a crer que a fundação de São Luís foi obra de gente vaidosa no século passado e que fora da contestação “tudo é ilusão e mentira” (convidoo, caro ouvinte e caro leitor, a ler e refletir sobre o conto de Machado de Assis “Idéia do canário”, disponível na internet). Ao estudioso mais atento, no entanto, a argumentação é apenas uma nova roupagem da versão dos vencedores, um belo discurso filosófico alógeno, engendrado no seio acadêmico radical. Discurso de quem nunca se conformou com o modo de ser da sociedade local. Sociedade da qual todos fazemos parte, com nossas virtudes e defeitos. Tão belo discurso crítico, porém, contraditoriamente, não traz consigo lastro na história, não porta a verdade e a realidade dos fatos. É por isso que ela não adentra na luz da comparação. É isto o que justifica, ao ser questionada sobre a ausência de comparação, o uso de frases do tipo: “mas nós estamos debatendo é sobre São Luís e não sobre o Brasil”. Frases evasivas, pois a luz não permite a escuridão. E a luz da razão sobrepõe a belas filosofias, a bonitos textos acadêmicos e a discursos ideológicos, ainda que recheados de fortes apelos. Após compararmos a fundação de São Luís com as fundações de outras cidades brasileiras do início do período colonial fica cristalino o que tentam fazer com São Luís 74

Ernesto Von Ruchert. http://wolfedler.blogspot.com.br/2011/02/historia-e-uma-ciencia.html

e os ludovicenses. E, como diriam nossos avós, “justiça para ser boa começa pelos de casa”. Se a contestação realmente que fazer algum tipo de justiça, antes de criticar a fundação de São Luís, deve fazê-lo primeiramente com as fundações portuguesas do Brasil colonial, pois quase cem por cento delas estão em desacordo com as novas exigências da contestação, vez que Portugal não investia a contento nas suas colônias e não provia a estrutura mínima devida às cidades que ele mesmo estabelecia. A jornada ao Maranhão feita por Jerônimo de Albuquerque a partir de Pernambuco foi realizada em maior parte a pé, não por profissão de fé ou algo similar, mas pela carência material, pelo perigo das frágeis embarcações lusas (com reduzido número de canhões e armas) se depararem com embarcações de outras nações, o que poderia ser um desastre para suas forças. Aquilo que a contestação chama de fundação portuguesa de São Luís, no início de 1616, foi feito, na verdade, com o espólio gaulês. Uma flagrante continuação e ampliação do trabalho do general Daniel de La Touche de La Ravardière, que aqui deixou toda a estrutura para uma nascente cidade: fortalezas (o forte São Luís já era uma pequena cidade), casas, capelas, convento, serraria, serralheria, estaleiro, depósito, porto, lavouras, etc. Se hoje o país pena pela falta de regulamentação em diversos setores, imagine àquela época. No início do século XVII não havia regulamentação sobre fundação de cidades. E cem por cento delas eram fundadas de forma extremamente frágeis, pois feitas em palha, madeira e barro. O DNA DA CONTESTAÇÃO A contestação da fundação de São Luís é uma filosofia bem feita, bem arranjada, um pacote bonito recheado de belas cores e formas, uma prateleira arrumadinha, que faz o leitor ou ouvinte acreditar que, assimilando-a, tornar-se-á um crítico a tantas “vaidades” e ao “narcisismo” da sociedade local e, com isto, tornar-se-á diferente dos demais. As argumentações são tantas e tão “lúcidas” que praticamente não dão outra opção a quem com ela se depara que, de pronto, o leitor/ ouvinte “se converte” e passa, inclusive, a nutrir raiva ou ódio aos franceses e à própria sociedade ludovicense, da qual ele próprio faz parte e corrobora. O leitor é conduzido como gado ao matadouro, sem lhe ser permitido levantar a cabeça ou olhar ao redor. Escaramuças sobre a fundação de São Luís são bem antigas, vem do século passado, vez que alguns outros escritores se manifestaram sobre o assunto. O que todos tem em comum é a omissão dos parâmetros de uma fundação à época e a ausência de comparação com outras cidades. Estratégias Uma das estratégias da contestação é tentar fazer crer que São Luís, em mãos portuguesas, sempre foi um céu. O estratagema é maximizar os feitos e ações de Albuquerque (início do século dezessete) fazendo uma ligação direta com o período áureo lusitano (início do século dezenove). Com isto leva as pessoas a vincular fundação com o pomposo casario (fruto da colonização), edificado quase duzentos anos depois. Omite o caos reinante na colônia, que vigorou a partir da saída dos franceses, estimulados pelo massacre dos nativos e conflitos entre os próprios colonos. Nessa época São Luís era apenas um entreposto militar que ajudava na proteção do Amazonas. Ao mesmo tempo que maximiza tudo o que é luso, faz parte do pacote aviltar o legado gaulês no Maranhão. Por isso a insistente utilização de termos como piratas, invasores,

hereges, tugúrios, casebres, pau-a-pique, etc., expressões com conotação política utilizadas durante os séculos por governantes e escritores portugueses ou que serviam ao reino português. A realidade, no entanto, é bem distinta. Como nos informa o Padre Antonio Vieira, que reclamava que São Luís era “acanhada e de ruas tortuosas... e os melhores da cidade se vestiam de saco de algodão tingido e preto”. Sobre a precariedade de São Luís na gestão portuguesa Amaral também é elucidativo: “Em vereação de 6 de outubro de 1646 delibera a Câmara de São Luís que, visto as casas da cidade ou as mais delas serem de pindoba, ninguém trouxesse ou desse fogo senão em panela para se evitarem incêndios, pena de mil réis pagos na cadeia. “A princípio eram de pindoba as paredes e os tetos das casas, mas com o correr dos tempos, sobretudo 1692 em diante, foi essa edificação sendo substituída por outra mais de acordo com o progressivo desenvolvimento que foi tendo a cidade. Passaram então as casas a ser construídas de taipa de pilão com telha-vã sobre mal polida madeira. Por aquele tempo tinha São Luís quinhentas casas”75. Tutela Outra estratégia, utilizada durante anos, é tutelar as pessoas mais próximas e os menos avisados. Bombardeá-los com suas informações, para, com isso, reduzir qualquer possível influência de quem defende posicionamento contrário. Um caso emblemático é que vem acontecendo com uma historiadora que, sabendo do sucesso da Exposição FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE – quase três mil visitas em vinte e seis dias –, passou a convidar alguns dos seus amigos – geralmente pessoas influentes - para vêla, antes que estas o façam a seu talante e possam receber informações não tuteladas. Algo no mínimo estranho. Escritores e historiadores que defendem a fundação francesa são sistematicamente criticados e emparedados. Algo que beira a tortura psicológica. Alguns se deixam intimidar. Outros não ligam para a contestação. Grandes historiadores maranhenses, que deram vasta contribuição ao estado, passaram a ser alvos preferenciais daqueles que não medem conseqüência e fazem de tudo, até atropelar a história e a realidade brasileira para fazer prevalecer a qualquer custo a sua verdade. Quando estamos a beira de repetir as palavras do apóstolo Paulo, quando perguntou aos irmãos da igreja de Corinto: “Não há um sábio entre vós?” (I Coríntios 6:5), aproximamos novamente a lupa e observamos que a contestação não é um produto da universidade ou mesmo do curso de história, mas de interesses de alguns grupos que tiram proveito da crítica. Uns tem como alvo a censura a França, outros a sociedade, pelo simples desejo de se saciar através da crítica fácil. Mas existem aqueles que utilizam o assunto como degrau para ascensão política. O útil ao agradável. Saciam o ego e ainda tem o dividendo político-sindical. A maior parte do universo acadêmico, por sua vez, não pactua com a crítica indulgente, ao menos da forma interesseira como está posta.

75

AMARAL. José Ribeiro do. O Maranhão histórico – Artigos de jornal (1911 – 1912). São Luís: Instituto Geia (Coleção Geia de Temas maranhenses), 2003. P. 75.

A crítica tem como alvo preferencial os historiadores – e, consequentemente, a sociedade do início do século passado – que teriam criado o “mito da fundação francesa”. O perfeito entendimento do assunto, porém, requer melhor análise e entendimento. É verdade que houve uma maximização do evento gaulês neste torrão, acontecido em 08 de setembro de 1612. E que isto foi sabiamente usado em prol dos interesses sociais da época, quando a República necessitava de fato ser firmada em detrimento do império, recém substituído. Foi com a saída dos comerciantes lusos que foi possível aos ludovicenses tomarem as rédeas do seu destino. Mas será que mudanças como estas à época não aconteceram em todo o Brasil? A Semana de Arte Moderna de 1922 não foi um reacender das luzes, uma negativa ao modelo colonial absolutista luso? Ou alguém acredita que o Brasil se tornou de fato independente em 1822 com o grito do Ipiranga? Desde o final do século dezenove o Brasil buscou romper com muitas das práticas e costumes de toda ordem. Foi a partir de então que o país passou a perseguir um modelo mais condizente com o novo momento de independência, pautado na salubridade. Para tanto criou o serviço de vigilância sanitária; sistema de abastecimento de água nas principais cidades; proveu de forma mais limpa e saneada ruas, praças e logradouros; residências em melhores condições, etc. A historiadora pernambucana Vanessa de Castro, referindo-se a salubridade e a novas práticas na sua cidade natal, o Recife, nos fala que o objetivo dos novos idealizadores naquele final do século XIX era “...romper com as referências simbólicas e materiais relacionadas à condição de ex-colônia portuguesa. Para tanto, impuseram um novo conceito de cidade: limpa e esquadrinhada, de onde deveriam ser banidos os elementos potencialmente nocivos à “ordem urbana”. Além disso, comportamentos deveriam ser moralizados, tendo como referência os países europeus, especialmente a França”76. A observação que fazemos em relação ao texto acima é que tal objetivo de vinculação ao modelo francês não foi prerrogativa do Recife e de São Luís, mas de quase todo o país. E não somente isto, o início das comemorações do aniversário da capital maranhense coincide também com o luxo e as comodidades da Belle époque (1875 – 1914). O final deste período, em razão da Primeira Guerra mundial (1914 a 1918), teria início o que o economista e colunista da revista Veja, Claudio de Moura Castro, chamou de “O milagre brasileiro”. Segundo ele: “Faz um século, não éramos quase nada (...) colonizados pela nação mais atrasada da Europa Ocidental. Em 1900, Portugal tinha a mesma taxa de alfabetização (15%) que a Europa antes de Gutemberg. Entramos no século XX com a renda per capta menor que a do Peru e cinco vezes menor que a da Argentina (e com nossas revistas escritas e impressas na Europa), Mas a economia disparou. Entre 1870 e 1987, nosso PIB cresceu 157 vezes (...) por mais de um século lideramos o crescimento mundial (...) o salto econômico foi enorme. Viramos um país industrializado (...) Trocamos uma agricultura semi-feudal por um agronegócio de forte base tecnológica, apoiado em pesquisa de primeira linha”.77

76

CASTRO, Vanessa de. Das igrejas ao cemitério: políticas públicas sobre a morte no Recife do século XIX. Recife : Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2007. Il. P.281. 77 CASTRO, Claudio Moura. O milagre brasileiro. Veja. Ed. 2173, 14/07/2010. Ano 43, nº 28. P. 24.

O início do século passado foi realmente esse momento de transformação. Impulsionado pela liberdade nunca antes visto. O país passou a visualizar um novo futuro, sem o cerceamento de outrora. Foi neste ambiente de liberdade e expansão que o Brasil assumiu seu próprio destino fazendo bonito, como visto no texto acima. São Luís, tendo uma demanda reprimida de três séculos com relação a fundação francesa, fazendo valer sua condição de guardiã do legado gaulês, principalmente em razão da implantação oficial de uma colônia próximo a Linha Equinocial, definitivamente livre do jugo e opressão portuguesa, passou a comemorar a fundação da cidade na data assinalada da fundação da Colônia gaulesa. Lembremos que Portugal nunca o havia feito em razão da falta de legitimidade, pois consciente da precedência gaulesa nessas terras. Mito e vaidade. Tudo é vaidade Mito, muito mito. Para a contestação, em seu patrulhamento ostensivo, São Luís e os ludovicenses são apenas mito e vaidade. Mito da fundação, mito da Atenas, mito disso, mito daquilo... Tenho um amigo historiador da UFMA que diz que “americano vê terrorista no vaso do banheiro”. Frase bem sugestiva. Tanta folie nos faz lembrar outra valorosa obra de Machado de Assis, O Alienista. Alienista é o médico que trata de loucos. Ele “passa a internar todas as pessoas da cidade que ele julgue loucas: o vaidoso, o bajulador, a supersticiosa, a indecisa, etc.” Ao final do livro, o alienista Simão Bacamarte, de tanto internar no hospício a população de Itaguaí (80%), decide internar a si próprio. As pessoas acreditavam que ele é que era o único louco da cidade. A contestação é uma crítica à vaidade ludovicense, que não consegue ver virtude nas pessoas. Como se a vaidade fosse algo totalmente negativo. Uma temeridade, a final, é ela quem nos mantem firmes na luta, nos faz agir, criar, empreender, etc. Na verdade, via de regra, quem critica demais a vaidade alheia geralmente só tolera a própria. A vaidade ludovicense, para o bem e para o mal, realmente é fruto da própria história da cidade. Isto, ao contrário do que prega a contestação, deveria ser visto como uma virtude, e não como um vício. É a vaidade local que faz com que a cidade cultive a boa forma, a beleza e a vida saudável: São Luís sempre está entre as três capitais do país com menor quantidade de obesos; as academias de ginásticas estão sempre cheias, bem como os salões de beleza. Os ludovicenses tem o elogiável habito de se cuidar, de cultivar o corpo e a forma física. Some-se a este rol de vaidades a maior frota de veículos novos do país. Infelizmente, tem gente que se incomoda com isto. Grave Equívoco Um dos graves equívocos da contestação é o de desconhecer completamente que no período colonial já se falava que os franceses já haviam fundado São Luís, conforme mostramos na primeira parte deste texto. A teoria contrária não sabia ou sequer ouviu falar disto, porém, divulga aos quatro cantos que foi um grupo de intelectuais, encabeçado pelo escritor Ribeiro do Amaral, faz um século, quem “inventou” a argumentação. Grave erro, que preferimos acreditar que realmente desconhece esses textos.

Do Canadá para o Maranhão A contestação da fundação de São Luís é bonita e bem redigida, mas, como “de longe toda montanha é azul”, é preciso aproximar a vista, ou a lupa para entendermos a origem dela na forma agressiva e tendenciosa como está posta. O DNA dela está no Canadá, no tratado de Paris de 1763, quando a França, vencida pelos ingleses no campo de batalha, foi obrigada a entregar suas colônias da América do Norte, inclusive o Canadá. Alguns franceses, sentindo-se abandonados pela pátria-mãe, passaram a nutrir sentimentos pouco nobres contra a França. Passou o tempo e o fato foi perdoado ou esquecido pelos canadenses. Alguns poucos, no entanto, conservaram o ódio, e foi esse sentimento, contraditoriamente trazido por sobrenome francês, que chegou entre nós na década passada e passou a semear o antigalicismo, para tal, utilizando a fundação francesa de São Luís. No seio da academia, a crítica não foi bem aceita pela maioria. Alguns a refutam e a maioria a despreza. Alguns núcleos radicais, geralmente ligados a interesses políticopartidários e ou sindicais, por sua vez, viram a oportunidade da crítica política, e abraçaram o argumento como forma de censurar a sociedade. Tem-se a partir daí a junção de dois interesses: a crítica à França e a crítica aos ludovicenses, um casamento que não foi para o bem da cidade e de seus moradores. Felizmente os maranhenses souberam peneirar e subtrair os radicalismos, pois sabedores de que os franceses neste torrão só fizeram o bem. Semearam a paz e foram reconhecidos, inclusive, pelo papa, que chamou o empreendimento no Maranhão de “tão santa empresa”. Talvez o que esteja em debate não seja apenas a fundação de São Luís, mas duas visões distintas sobre a história do Maranhão. Uma que dá maior importância à forma e outra à essência. Uma visão otimista, das oportunidades, e outra pessimista e preconceituosa. A continuação do joio político semeado pelo vencedor, pelo colonizador. Algo que nunca interessou ao nosso país e aos brasileiros, mas sempre rendeu muitos frutos aos que sabem tirar proveito do caos que eles mesmos instalam. Ninguém deve se enganar minimizando o valor deste debate, pois que o que está em jogo nesta peleja vai muito além de estima e sentimentos, de um debate acadêmico se São Luís foi fundada ou não por esse ou aquele. Na realidade, escondidos nas entrelinhas, estão interesses políticos de alta monta, que podem definir rumos à cidade e aos seus moradores, interesses coletivos ou sectários, melhores ou piores aos maranhenses. Abordaremos o motivo de uma deformação. O que leva um segmento da academia a marginalizar os franceses e até nutrir ódio a eles, que só fizeram o bem, semearam a paz e viveram harmoniosamente com os primeiros habitantes locais, e, por outro lado, a se posicionar a favor, defender e até louvar aqueles que promoveram o genocídio da gentilidade tupi-guarani, escravizaram a magia africana e marginalizaram os estrangeiros, verdadeira raiz dos desmandos históricos do Brasil, aí incluídos os mais altos impostos do mundo, a ligação telefônica mais cara, a política do individualismo, do “salve-se quem puder”, onde “manda quem pode e obedece quem tem juízo”. O que vemos e continuamos sofrendo na pele não é outra coisa que a estratégica continuação da massacrante política colonial, que sempre negou qualquer outra presença estrangeira ou precedência no país. Digo isto, mas sabendo que um revisionamento de tudo o que foi legado só depende de nós. Mudança que foi sabiamente iniciada nas últimas décadas pelo Governo Federal, e está sendo intensificada no atual governo (redução considerada nas taxas de juros, pressão por melhores serviços sobre as operadoras de celular, etc.).

A GRANDE CONTESTAÇÃO Entendemos, por outro lado, que o maior combustível para qualquer tipo de contestação da fundação de São Luís não deixa de ser a inércia do poder público, que de posse de uma história única, valorosa e importante para maranhenses, brasileiros e franceses, nunca se ocupou de resgatá-la e, com isto, deixa de gerar emprego e renda à comunidade local e regional. E não cansamos de dizer que nossa maior oferta é história e cultura, e dentro desta, o maior atrativo é a pioneira e legítima fundação francesa de São Luís, uma das três grandes oportunidades que o Maranhão tem para trazer de volta momentos de riqueza e prosperidade só vistos no século dezenove, o século do luxo, promovido, em grande parte pelos muitos franceses que aqui se instalaram e formaram uma “Colônia de comércio de artigos de luxo” deixando muitos descendentes entre nós. Os franceses, mesmo sem políticas públicas locais direcionadas a eles, estão entre os estrangeiros que mais visitam São Luís e, com isto, dão importante contribuição à economia local gerando e mantendo empregos no município. O consagrado consultor e ex-secretário de turismo de Saint Malo – cidade que recebe anualmente quatro milhões de visitas –, Jean Claude Weisz, conhecedor das oportunidades e dos benefícios advindos da atividade turística, nos exorta: “Vocês dormem sobre um tesouro e não estão sabendo”. Weisz sabe do potencial do grande casario lusitano, das manifestações populares e, principalmente, da exclusividade da fundação da capital da França Equinocial. São Luís, por conta disto, fundada em forma de cidadela, completa seus quatro séculos com o mesmo nome, situada no mesmo lugar (atual Praça Pedro II), mantendo o mesmo formato de praça. São Luís – e somente São Luís – é a VERDADEIRA CONTESTAÇÃO, vez que a partir do próprio nome, encravada neste mundo português, permanece firme e incisiva afirmando que a bula papal – o Tratado de Tordesilhas – foi algo totalmente questionável, sem a legitimidade pretendida pelos ibéricos, vez que atendia a interesse de apenas dois dos vários países que disputavam o Novo Mundo. Se na América do Norte existe Canadá e Estados Unidos, na América do Sul as Guianas (Inglesa e Francesa) e Suriname (de origem holandesa), no Brasil, SÃO LUÍS É A GRANDE CONTESTAÇÃO, que faz coro com o rei francês Francisco I, que dizia: “Que me mostrem o testamento de Adão que deu o mundo a Portugal e Espanha”. Com o nome do rei da França, sendo a grande contestação, não é por acaso a metralhadora das críticas de todo lado. Enquanto isso, a contestação permanece com um silêncio sepulcral com relação às demais cidades brasileiras fundadas nas mesmas condições por portugueses. Ela sabe que se abrir o bico, se tocar neste assunto, a “teoria” vai pelo ralo e o véu não mais existirá. As cidades francesas de Saint-Malo, Cancale, Paris e Berthegon são boas oportunidades de captação de visitantes para São Luís. Investir na relação com estes lugares poderá ser uma excelente janela de incremento da nossa economia a partir do turismo, pois eles mesmos sempre quiseram este intercâmbio entre os dois países. Turismo e história são dois irmãos que devem andar de mãos dadas. Ora, se Brasil e Argentina são rivais apenas no esporte, na economia procuram andar juntos, pois ambos ganham com o mercado comum, por que nós da academia temos que nos digladiar? A história de São Luís poderá ser uma importante ferramenta no incremento da economia do município. O desafio é fazer com que seus atores tenham esse entendimento e compromisso com a sociedade, que espera a retribuição do investimento feito nos quatro ou cinco anos que estiveram na universidade.

São Luís possui três belos atrativos que qualquer cidade brasileira queria ter: fundada por franceses, colonizada por portugueses (acervo lusitano) e manifestações populares excêntricas. Vale a reflexão! Muito obrigado!

A ELABORAÇÃO DO DISCURSO DO MITO DA ATENAS BRASILEIRA PELO GRUPO MARANHENSE E A FORMAÇÃO DOS NOVOS ATENIENSES MARIA APARECIDA C. M. SANTOS HORÁCIO DE FIGUEIREDO LIMA NETO No final do século XIX, dois discursos tiveram uma marca significativa na constituição da memória da cidade de São Luís e deram expressividade à cultura dos maranhenses. O primeiro deles seria o da Atenas Brasileira, fruto da atuação de jovens intelectuais em práticas que reforçavam a ideia de que a fase de opulência cultural do Maranhão deveria ser perpetuada e resguardada a todas as gerações. O segundo, diz respeito à fundação de São Luís pelos franceses, originando o discurso de uma identidade moldada aos costumes da Europa. Este último discurso ainda contribuiu para que o posterior progresso intelectual dos ludovicenses fosse associado e fundamentado à ancestralidade ilustre dos franceses gentis e fidalgos que deram origem a capital do Maranhão. O mito da Atenas Brasileira esteve vinculado à fase de esplendor que os maranhenses obtiveram na economia, quando o Maranhão foi incorporado ao sistema mercantilista por meio da atuação da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão, fundada pelo marquês de Pombal na segunda metade do século XVIII. O objetivo da Companhia era dar reforço às atividades agroexportadoras do Norte e Nordeste, e diante deste auxílio, a Província experimentou um grande avanço econômico que a possibilitou viver um período áureo na produção de algodão e posteriormente de arroz. Estes dois produtos promoveram o Maranhão a um estado de riqueza e ao papel de grande exportadora da Colônia. Assim, com a atuação da Companhia de Comércio, o Maranhão começava a ganhar espaço na economia colonial e destaque nacional. A Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão se tornou, então, responsável por proporcionar condições favoráveis ao progresso da economia maranhense, ao financiamento da compra de mão-de-obra escrava e de ferramentas agrícolas. Proporcionou o enriquecimento significativo da Província e esta expansão econômica supostamente promoveria uma grande ascensão cultural no Maranhão. Isto é, o avanço econômico ocasionado pela Companhia de Comércio refletiu fortemente na cultura da região maranhense, uma vez que nessa época foram construídos em São Luís casarões que hoje caracterizam o Centro Histórico da cidade. Os sobrados que compõem o Centro Histórico, foram erguidos pelos agroexportadores locais daquela época que recebiam influências europeias em diversos aspectos cultuarias: vestimentas, mobílias, educação, artigos de uso pessoal e móveis. A este respeito, Jean-Yves Mérian coloca que alta burguesia era “notável por sua elegância e suas maneiras e por sua fineza. Na classe alta do país, o desejo de imitar os costumes europeus foi marcado por uma infinidade de casas construídas em estilo francês e inglês [...]”. (1998, p. 13). O desenvolvimento econômico maranhense contribuiu para a fomentação da cultura do Estado e a partir dos lucros da produção algodoeira, foi possível proporcionar

aos filhos dos agroexportadores locais uma educação mais elitizada – eram enviados à Europa para estudarem nas universidades de Portugal, Paris e Londres. O regresso desses jovens estudiosos, juntamente com aqueles que haviam se alimentado da cultura europeia impregnada na sociedade maranhense, favoreceu mudanças na vida cultural do Maranhão. Os grandes proprietários rurais, além de fazerem altos investimentos na educação de seus filhos, faziam também a aquisição de bens materiais que denotassem a sua riqueza e influência pelos costumes europeus. No ano de 1816, com a construção do Teatro União – hoje conhecido como Arthur Azevedo – a cultura popular foi marcada por espetáculos teatrais que demonstravam aos maranhenses ao modo de vida da Europa: “várias companhias francesas, italianas e portuguesas apresentavam ali espetáculos líricos ou peças de teatro, em tudo se procurava imitar a Europa. (MÉRIAN, 1998, p. 13). A classe alta do Maranhão transfigurava a imagem dos ludovicenses através da erudição propagada naquela época. Assim, dentro deste contexto, as atividades intelectuais ganhavam expressividade, dando origem à ideia de Atenas Brasileira. Então, nomes como os de Odorico Mendes, João Lisboa, Gonçalves Dias, Sousândrade, Humberto de Campos, Cândido Mendes e outros, expandiram no Maranhão uma cultura literária que passaria a ganhar destaque nacional. O espaço cultural em que o Grupo Maranhense fazia suas atividades ficou fortemente caracterizado pela: [...] recorrência de palestras e conferencias de várias sociedades recreativas e literárias; pela publicação intensiva de obras nativas e de outras Províncias; pelas festas tradicionais; pelas disputas jornalísticas elegantemente talhadas; pelo crescente número de obras comercializadas; pela inauguração do Liceu Maranhense; pela intensificação da atividade tipográfica e pelo significativo número de periódicos criados. (MARTINS, 2006, p. 96). O destaque deste grupo de poetas, romancistas, jornalistas e historiadores, favoreceu o reconhecimento de um Maranhão rico não apenas na economia, mas também em sua atuação intelectual. A sociedade maranhense, de fato, viveu um período de esplendor cultural, mas isso não foi o bastante para que ela se considerasse superior às demais. Contudo, o Maranhão moldado à educação e ao costume de vida europeu, se considerou cultíssima e contribuiu para a idealização de um momento glorioso, que deveria ser conhecido por todos e em todas as gerações. Assim, criou-se o mito da Atenas Brasileira, sendo compreendido nessa perspectiva devido ao fato de que: o mito não está obrigatoriamente contra a história. Ele tanto pode ser usado para remeter a um passado que se quer manter vivo, tornando o presente continuidade de um passado que se constrói, como foi o caso dos mitos tecidos pelos tradicionalistas, como pode ser usado para valorizar uma descontinuidade entre o presente e o passado. Quando o mito se humaniza, se encarna na história, faz a história possível; torna a utopia material. (ALBURQUE JÚNIOR, 2001, p. 193). Porém, na segunda metade do século XIX, a fase áurea das atividades intelectuais da plêiade da Atenas Brasileira entraria em baixa com a morte de alguns de seus principais representantes e com a emigração de alguns ícones da geração para outras

Províncias na tentativa de obterem reconhecimento intelectual: “mortos alguns gênios da pena e emigrados outros tantos, a chama vibrante da Atenas de outrora, agora se exauria ante a falta de oxigênio econômico e cultural”. (SILVA, 2008, p.147). Outro fator determinante para a decadência do Grupo Maranhense está relacionado à crise algodoeira enfrentada pela Província nessa mesma época. A partir daí – dessa escassez das atividades intelectuais e do declínio da economia – postulou-se um discurso de decadência na região maranhense. Como explica Graça Aranha: Aquella floração intellectual brilhante, artificial, extinguia-se. A poesia e a criação estylizavam-se na grammática e na copia de clássicos verbais, longínquos e estranhos. Os que deviam trazer a seiva nova ainda não eram entendidos. A intelligencia desertou do seu antigo solo e seu êxodo e o das forças da mocidade, precipitaram a decrepitude. A preguiça espiritual marcava o ritmo moroso [...]. (ARANHA, 1903 apud CORREA, 2001, p. 127). Entretanto, entre as décadas de 1870 e de 1890, surge outro grupo de intelectuais, os Novos Atenienses, que almejavam resgatar e reconstruir o período áureo da cultura maranhense. Ícones como José Ribeiro do Amaral, Antônio Lobo, Fran Paxeco, Justo Jansen, Antonio Lopes da Cunha, Domingos de Castro Perdigão, José Nascimento Moraes, Antônio Baptista Barbosa de Godóis e tantos outros, formavam os Novos Atenienses. A estes intelectuais coube a iniciativa de reestruturar a presença mítica da Atenas Brasileira, dando-lhe uma nova relevância. Estes pensadores representavam “promessas intelectuais em busca de afirmação, situadas no centro da tensão e do desconforto de descortinar e construir o futuro, sem, contudo, olvidar o passado mitológico, onipresente, herdado dos ‘gigantes’ da velha Atenas [...]”. (MARTINS, 2006, p. 118). Os Novos Atenienses proporcionaram ao Maranhão, a construção de espaços e a reforma de outros já existentes, com a intenção de resguardar e perpetuar a memória do passado grandioso que teria levado à ascensão cultural do Estado. Então, foram destinados ao Liceu Maranhense, a Escola Normal, a Escola Modelo, a Escola de Música, a Renascença Literária e a Academia Maranhense de Letras (AML) a importância de preservar e propagar o ideal de que o Maranhão seria culto por essência. No que se refere às criações feitas pelos Novos Atenienses, a Academia Maranhense de Letras é sem dúvidas uma das instituições que merece destaque, pois por meio dela esse grupo de jovens intelectuais honravam as tradições literárias do Estado. A AML foi fundada em 1908, tendo como precursor a Oficina dos Novos – instituição criada em 1900 com uma estrutura organizacional nos moldes das Academias de Letras existentes no Brasil até então. A lista de fundadores da Academia Maranhense de Letras apresenta um número significativo de intelectuais, dos mais reconhecidos àqueles que tiveram menor destaque, mas nem por isso dignos de esquecimento. No âmbito do desenvolvimento das atividades intelectuais executadas pelos Novos Atenienses, exaltavam a volta ao passado glorioso. Compreendia-se que mais um período de opulência intelectual vinha progredindo a cada dia no intuito de resguardar e reconstruir a história de uma época nostálgica. Sobre essa questão, Antônio Lobo afirma que: aos anos de apatia e marasmo que se seguiram à brilhante e fecunda agitação literária, de que foi teatro a capital deste Estado, nos meados do século findo, e que ficará marcado para honra e gloria nossa, uma das épocas mais fulgentes da vida intelectual brasileira, substituiu-se, afinal,

uma fase franca de revivescência intelectual, que desde o início, vem progressivamente caminhando, cada vez mais acentuada e vigorosa, destinando-se a reatar as riquíssimas tradições de nossas letras, que a muitos já se afigurava totalmente perdida. (LOBO, 1970, p. 4–5). A Academia Maranhense de Letras enquanto “lugar de memória”, representou um papel fundamental para dar credibilidade ao mito da Atenas Brasileira. Contudo, com o passar dos anos, esta mesma instituição, não seria mais suficiente para satisfazer os anseios de seus membros. A partir de então, houve um número considerável de intelectuais que emigraram para outras regiões a fim de obter notoriedade por suas produções. Estes homens das letras almejavam reconhecimento e condições mais favoráveis para expandir as suas ideias e vivências. Após a crescente “fuga” dos jovens estudiosos para outras regiões, com o objetivo de serem reconhecidos nacionalmente, o Maranhão deu início a mais um fase de declínio no exercício de suas atividades intelectuais. Os literatos que não rumaram para outros Estados lastimavam a realidade em que se encontravam. Contudo, a responsabilidade daqueles que ficaram para honrar a sua terra natal e o seu compromisso com a Academia Maranhense de Letras, estava diretamente ligada ao fato de preservar e glorificar um passado grandioso, ofuscado pela decadência vivenciada. Em suma, percebemos que a trajetória cultural do Maranhão no campo das Letras, obteve oscilações significativas no âmbito das suas maiores conquistas e no declínio gradual de suas atividades. Contudo, nota-se que todos esses intelectuais tiveram um objetivo comum – fazer renascer a fase de esplendor das Letras no Maranhão e perpetuar à todas as gerações as tradições culturais elaboradas a partir do mito da Atenas. Por fim, preocupavam-se em elaborar ideias, obras e discursos que honrassem e ao mesmo tempo regatasse a cultura do Estado: “a marcha prosseguirá porque um só ideal, que é puro e sacrossanto, nos anima e nos irmana, sob a bandeira de nossos patronos – o de fazer eterna a glória do Maranhão Atenas”. 78 REFERÊNCIAS ALBURQUE JÚNIOR, Durval Muniz. A invenção do nordeste e outras artes. São Paulo: Editora Cortez, 2001. CORRÊA, Rossini. Atenas Brasileira: a cultura maranhense na civilização nacional. Brasília: Thesaurus; Corrêa & Corrêa, 2001. LOBO, Antônio. Os Novos Atenienses: subsídios para a história literária do Maranhão. 2. ed. São Luís: Academia Maranhense de Letras, 1970. MARTINS, Manoel de Jesus Barros. Operários da saudade: os Novos Atenienses e a invenção do Maranhão. São Luís: EDUFMA, 2006. MÉRIAN, Jean Yves. Aluísio Azevedo – vida e obra (1857-1913). Rio de Janeiro: Espaço e Tempo; banco Sudameris-Brasil; Brasília: INL, 1998. SILVA, Ana Ladia Conceição. Falas de decadência, moralidade e ordem: a "História do Maranhão" de Mário Martins Meireles. Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo. Dissertação de Mestrado. 2008.

78

Discurso pronunciado por Mário Meireles na sessão comemorativa do cinqüentenário da Academia, a 10 de agosto de 1958. Revista da Academia, Ano 80, v. 20, dez, 1998. p. 175.

INCLUSÃO E LAZER PARA TODOS: conhecendo Centro Histórico São Luis JOSSILENE LOUZEIRO ALVES79 INTRODUÇÃO A educação inclusiva é uma questão de direitos humanos e implica a definição de políticas públicas, traduzidas nas ações institucionalmente planejadas e avaliadas. A concepção que orienta as principais opiniões acerca da educação inclusiva é que a escola é um dos espaços de ação e de transformação, que conjuga a ideia de políticas educacionais e políticas sociais amplas que garantam os direitos da população. Assim, a implantação de propostas com vistas à construção de uma educação inclusiva requer mudanças nos processos de gestão, na formação de professores, nas metodologias educacionais, com ações compartilhadas e práticas colaborativas que respondam às necessidades de todos os alunos. PROBLEMÁTICA A escola busca uma intervenção junto aos alunos deficientes com os colegas que estarão próximas deles, de modo a assegurar uma real inclusão. A análise da aceitação e do desenvolvimento das interações sociais de alunos portadores de necessidades especiais por seus colegas de escola contribui, não somente para uma avaliação das conseqüências sociais para os estudantes em ambiente inclusivo, mas também para auxiliar no esboço de uma prática educacional inclusiva que promova a interação e aceitação social de todos os estudantes. Nesta relação de aceitação do outro surge o projeto INCLUSÃO E LAZER PARA TODOS: conhecendo Centro Histórico São Luis, que nasce com a escola, haja vista que estes alunos fazem parte da comunidade Vila Maranhão onde a escola esta inserida Através da disciplina de turismo ministrada pela professora Jossilene Louzeiro Alves diante dessa realidade, senti-se a urgência de criar mecanismos que possam dar condições para que essas crianças tenham espaço para se desenvolverem com o que têm e não com o que lhes falta. E como incluir os alunos por meio do lazer – na forma de passeio possibilitando aos alunos Portadores de Deficiência e aos demais alunos da escola Gomes de Sousa. Percebendo o quanto é importante para os alunos desta UEB Gomes de Sousa uma aula prática para além do muro da Escola, cuja meta é caminhar para a inclusão ampliando o contexto social desses alunos em participar do turismo quanto na forma de passeio, porém não o fazem por dificuldades financeiras, acessibilidade, outros não participam por insegurança e outros por se acharem incapazes. OBJETIVOS 79

Professora Mestranda em Ciências da Educação, pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Professora da rede municipal de São Luís-MA.

Os objetivos consistem em refletir sobre a aprendizagem, possibilitando uma aula fora dos muros da escola onde o aluno passa vivenciar seu aprendizado interagindo com o meio, sua comunidade; Melhorar a qualidade do ensino oferecido aos alunos, estabelecendo um diálogo com a comunidade mais de perto com um novo olhar. A disciplina de Turismo proporciona desenvolver pesquisa sobre São Luis. Tendo como objetivos permitir aos alunos conhecer a história da sua cidade através de um passeio, estudando ao ar livre os conteúdos trabalhados em sala de aula. Os objetivos mais amplos do projeto foram direcionados pensando em quatro frentes: Propiciar alternativas de cultura, lazer, e formação para os alunos EUB Gomes de Sousa. Estimular o encontro entre alunos e outras pessoas para integração e conseqüente perspectiva de organização popular para iniciativas, demandas ao poder público, melhorias para os alunos em conhecimento através de trabalhos conjuntos e articulados, desenvolvimento da auto-estima, além de troca de experiências. Estimular o uso, pelos alunos, dos espaços públicos existentes no Centro Histórico - como a escola , tornando-os possíveis fontes de alternativas de formação e lazer nos bairros. Servir de exemplo a outras escolas d Município. METODOLOGIA Como metodologia faz-se a uso do currículo das séries envolvidas no projeto contemplando os conteúdos. Para que o aluno venha compreender os relatos sobre os Monumentos de São Luís são parte indissociável de um imenso patrimônio cultural. Neles, a cidade guarda sua história, preserva suas tradições e, mais importante ainda, assegura a manutenção de sua identidade junto às novas gerações. Através de aulas expositivas e outros recursos como mapas do centro histórico de São Luís tornava-se possível o conhecimento das praças, igrejas, fortes, casarões e fontes não são, portanto, apenas pontos turísticos, nem devem ser vistos, entendidos ou admirados tão somente como realizações arquitetônicas cuja beleza deslumbra e empolga quem vem a conhecê-los de perto A professora de Turismo graduada em História – UFMA, foi questionada pelos alunos sobre a importância de conhecer o Centro Histórico de São Luís, passo que culminou na idéia deste projeto que nasceu em Fevereiro de 2007, quando estudávamos na disciplina Turismo sobre a fundação da cidade de São Luís. Os alunos da 7ª da U.E.B. Gomes de Sousa. Então começou a se reunir com o objetivo de refletir e propor alternativas de realizarmos uma aula a passeio, pelo centro histórico. Os alunos organizaram – se em equipe para analisamos a importância da aula a passeio, pois os mesmos relataram a importância de conhecer melhor a cidade e suas riquezas, pois só ouvir não basta já ouviram falar sobre o Centro histórico, porém não o conhecem e ficaram alegres em saber que poderão tirar fotos para mostrar para as pessoas da sua comunidade e relataram Por que é importante a aula a passeio no centro histórico . Em São Luís do Maranhão, muitos dos monumentos amados pelos homens passaram, assim como suas casas suntuosas. Mas, se aqui as Casas de Deus são humildes, elas, no entanto, permanecem de pé. Respiram o Eterno. Então resolvemos registrar as produções destes alunos, conforme ilustração abaixo.

RESULTADOS, DISCUSSÃO E CONCLUSÕES Centro histórico - O conjunto arquitetônico de São Luís é formado por mais de 3,5 mil edificações, a maioria dos séculos XVIII e XIX. Os sobrados que margeiam as ruas estreitas do centro e da Praia Grande exibem em suas fachadas azulejos portugueses de diferentes cores e padrões. Por refletir o sol e tornar as paredes impermeáveis, esse revestimento ajudou a preservar os prédios. Cerca de mil dessas construções históricas encontram-se restauradas. Merecem destaque o Teatro Arthur Azevedo, de 1817, em estilo neoclássico, e a Casa das Tulhas, de 1820, onde hoje funciona um centro de vendas de produtos maranhenses. O Palácio dos Leões foi originalmente uma fortaleza erguida pelos franceses, depois transformada em palácio pelos portugueses. O antigo mercado de escravos funcionava em um sobrado em estilo

colonial do século XIX, chamado de Cafua das Mercês. Também deve ser conhecido o Centro de Cultura Popular, instalado em um casarão do século XIX, que tem em seu acervo com objetos e trajes referentes a manifestações folclóricas e populares, como Tambor da Mina e Carnaval. E a Matriz da Sé, que foi construída no século XVII, cujas reformas alteraram seu estilo para o neoclássico. Tem altar-mor em ouro. CONSIDERAÇÕES FINAIS O projeto INCLUSÃO E LAZER PARA TODOS: conhecendo Centro Histórico São Luis nos permitira verificar a aprendizagem dos conteúdos de forma contextualizados e também os alunos estarão melhorando seu relacionamento com as pessoas, conseguindo explicar os objetivos das tarefas para a comunidade, e assim a comunidade estará valorizando mais a escola. O Maranhão é um desses lugares abençoados pela natureza. Localizado numa zona de transição entre o Nordeste e o Norte do Brasil, tem na diversidade dos ecossistemas uma das suas características mais marcantes. Praias, florestas, cerrados, lagos e rios são alguns desses atrativos, que fazem do Maranhão um estado diferenciado além, é claro, da sua história, cultura popular e muitas outras que você precisa descobrir. Portanto se faz necessário oportunizar essa aula a passeio ao Aluno UEB. Gomes de Sousa. E contamos como o apoio desta secretaria de educação. Assim como o apoio da Secretaria Municipal de Turismo cuja meta consiste em promover o conhecimento aos seus escolares. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRÊS, Luís Phelipe de Carvalho Castro. Centro histórico de São Luís-Maranhão: patrimônio mundial. São Paulo: Audichromo Editora, 1998. CAMARGO, L. H. Fundamentos multidisciplinares do turismo: história. In: TRIGO, Luís Gonzaga Godoy (Org). Turismo como aprender como ensinar. São Paulo: Senac, 2000. CANTANHEDE, Palmerio de C. Saneamento das Cidades e sua aplicação à capital do Maranhão. São Luís,Tipografia Frias, 1902. LOPES, Raimundo. Uma região tropical. 2ª ed., Rio de Janeiro. Fon - fon e Saleta, 1970 MONTE, Francisca Roseneide Furtado do e SANTOS, Idê Borges dos. (Coordenação Geral). Saberes e práticas da inclusão: introdução. Reimpressão. Brasília: MEC, SEESP, 2004. (Educação Infantil). SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997 KRIPPENDORF, Jost. Sociologia do Turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: Aleph, 2000. MORIN, Edgar. Ética, cultura e educação. 2º edição.São Paulo: Cortez, 2003. SUNG, Jung Mo; SILVA, Josué C. da. Conversando sobre ética e sociedade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

ANEXOS

Fotografia 2 – Organização para o passeio.

Fotografia 4 – A caminho do Centro Histórico de São Luís.

Fotografia 1 – Saída da escola Gomes de Souza.

Fotografia 3 – Alunos concentrados na Praça João Lisboa.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO COMISSÃO DE COMEMORAÇÕES DOS 400 ANOS DE FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS PORTARIA 03/IHGM, de 15/12/2010 CICLO DE ESTUDOS/DEBATES

A CIDADE DO MARANHÃO – UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS 2011 – 2012 SEMINÁRIO 5 – SÃO LUÍS NÃO FOI FUNDADA POR FRANCESES 29 DE AGOSTO DE 2012 – PALÁCIO CRISTO REI

Brasão de João de Barros Brasão de Aires da Cunha

Brasão de La Ravardiére

EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CURADORIA: ANTONIO NOBERTO; CLORES HOLANDA; JOANA BITTENCOURT

29 de agosto de 2012 PALÁCIO CRISTO REI – 14:30 ÀS 18:00 HORAS SEMINÁRIO 5 – SÃO LUÍS NÃO FOI FUNDADA POR FRANCESES 14:30 – Abertura EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CURADORIA: ANTONIO NOBERTO; CLORES HOLANDA; JOANA BITTENCOURT

14:45 - Conferencia Magna RAFAEL AGUIAR – Historiador A CONSTRUÇÃO DO MITO DA FUNDAÇÃO FRANCESA DA CIDADE DE SÃO LUÍS: Uma Análise Historiográfica. 15:45 – Intervalo (café) 15:45 - Sessão de Pôsteres 16:00 – Debatedor EUGES LIMA - IHGM A FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS: mitos e historiografia JOYCE OLIVEIRA PEREIRA (História / UFMA) DANIEL BRUNO DE JESUS FERREIRA (História / UFMA) O MARANHÃO DOS NEERLANDESES: Discursos e causas da conquista de 1641 17:30 – Debate com a plenária 18:30 - ANTONIO MARTINS DE ARAÚJO JOGRAL SOBRE ANTONIO VIEIRA

A CONSTRUÇÃO DO MITO DA FUNDAÇÃO FRANCESA DA CIDADE DE SÃO LUÍS: UMA ANÁLISE HISTORIOGRÁFICA.

RAFAEL AGUIAR DOS SANTOS 80 Resumo O presente trabalho visa a uma análise critica do processo de construção do discurso histográfico constituinte do mito de fundação francesa da cidade de São Luís, visando a uma reflexão critica sobre a temática. Tendo como principais pressupostos teóricos os conceitos de representação de Roger Chartier e a noção de construção do discurso de Michel Foucault. Constituindo um breve panorama de como o mito da fundação francesa da cidade de São Luís, foi aos poucos sendo incorporado junto a intelectuais e historiadores locais, repetindo-se e sendo (re) significado constantemente dentro de um processo de invenção da identidade local e consolidando-se no imaginário maranhense, constituindo-se assim enquanto mito fundador. Palavras Chave: mito, Fundação francesa, São Luís, discurso historiográfico. Abstract This present work aims at a critical analysis of the construction of discourse historiographic constituent myth of the French foundation of São Luis, seeking a critical reflection on the thematic. With the principal theoretical concepts of representation from Roger Chartier and of notion of discourse construction from Michel Foucault. Constituting a brief overview of how the myth of the founding of the French city of São Luís, was slowly being built next to local historians and intellectuals, repeating and being (re) meaning constantly in a process of invention and consolidating a identity local on the maranhense imaginary, thus becoming a mythical founder. Keywords: myth, French foundation, São Luis, historiographical discourse.

“A história ensina também a rir das solenidades de origem” Michel Foucault 80

-Rafael Aguiar dos Santos: Graduado em História pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Graduando em Direito pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Pós-Graduando em GeoHistória e Didática do Ensino Superior pelo Instituto de Ensino Superior Franciscano - IESF. Historiador com ênfase em intelectuais e discurso historiográfico. Professor da Educação Básica da Rede Privada de Ensino de São Luís do Maranhão. E - mail: raf_500@hotmail.com.br.

Introdução Durval Muniz de Albuquerque coloca que o historiador é como um rio “natural e humano, cursivo e discursivo, inventa na História e a História” (ALBUQUERQUE JR, 2007). Nesse sentido tecer a prática da escrita envolvendo o discurso historiográfico ligado ao projeto de colonização francesa no Maranhão traduz-se como uma prática riquíssima e um grande desafio por parte do historiador. Nesse aspecto, abordaremos no presente trabalho o mito da fundação francesa da cidade de São Luís visando à construção do que o filosofo francês Michel Foucault conceitualiza como uma Arqueologia do Saber81, sobre a temática. Tendo a consciência que trabalharemos com documentos muitas vezes riscados, embaralhados ou reescritos. Que foram interpretados sobre as mais diversas óticas e perspectivas e que assumem determinado sentido de acordo com a realidade histórica no qual são interpretados ou estão inseridos. Constituindo assim uma análise nas entrelinhas da construção hermenêutica da produção discursiva sobre a fundação francesa da cidade de São Luís, enquanto relação de poder condicionada a determinado tempo histórico, dentro de uma ótica: “onde o principio da interpretação nada mais é que seu interprete” (FOUCAULT , 2000, p.49). Realizando assim o que Benjamim coloca como escrever a “História a contrapelo” (BENJAMIN, 1993). A História do Maranhão que permanece ainda permeada por fantasmagorias, onde o discurso historiográfico reproduz ainda de modo conservador uma tradição construtora de nossa identidade enquanto espaço de memória permeada por um passado histórico anterior mal interpretado. Estabelecemos nossa própria História através de repetições quase obrigatórias como coloca-nos Flávio de Moura Reis: A história do Maranhão foi se povoando de sombras, personagens, fatos e processos irreais – a “França Equinocial”, a “loucura industrial” a “greve de 51”, o “sistema agroexportador”, a “decadência”, a “oligarquia”, entre inúmeros outros quase-acontecimentos e processos-fantasmas, que existem apenas em seu fundo falso e podem ser olhados pelo avesso. (REIS, 2011, p.17) E descortinar parte desse passado forjado e ainda vivo, reafirmado todos os dias nos livros, em manuais educacionais, nos discursos e enunciados, nas instituições, nos meios de comunicação, na promoção de festas e eventos demagogicamente lucrativos, tanto economicamente, quanto politicamente, faz-se uma tarefa necessária. Nesse sentido partiremos para a construção de uma análise critica de um pedaço desse passado forjado enquanto ambiente de memória: o mito da fundação francesa da cidade de São Luís. Trabalhando o conceito de mito no seu sentido antropológico, enquanto narrativa que constrói a si mesma e “solução imaginária para tensões, conflitos e contradições que não encontram caminhos para serem resolvidos ao nível da realidade.” (CHAUÍ, 2000, p.09). Enquanto mito fundador, o discurso historiográfico sobre a fundação francesa da cidade de São Luís acaba por impor de modo autoritário um vinculo teologal com o passado enquanto origem, visando assim a um projeto de imposição de uma realidade forjada que acaba por mascarar os conflitos e as contradições inerentes da nossa própria sociedade. 81

Michel Foucault coloca-nos que “A genealogia é cinza: ela é meticulosa e pacientemente documentaria. Ela trabalha com pergaminhos embaralhados, riscados às vezes reescritos” (FOUCAULT , 1979, p.15).

O mito de fundação, também “não cessa de encontrar novos meios para exprimirse, novas linguagens, novos valores e idéias, de tal modo que, quanto mais parecer ser outra coisa, tanto mais é a repetição de si mesmo” (CHAUÍ, 2000, p.09), nesse sentido o mito de fundação francesa da cidade de São Luís vem sendo (re) significado desde o final do século XIX, estando sempre em aberto e em disputa, assumindo determinado significado e caráter de acordo com a realidade histórica e social no qual está inserido e sendo construído, mas se constituindo como uma repetição de si mesmo e se caracterizando ainda enquanto instrumento de poder, adquirindo assim atualidade. O Projeto de Colonização Francesa nas Terras do Maranhão. Durante o século XVI (1501-1600), navegadores franceses passaram a freqüentar o litoral do que é hoje o estado do Maranhão. Sendo uma das causas da regularidade de tais expedições à própria ausência portuguesa advinda de várias tentativas frustradas de seus donatários de ocuparem as terras maranhenses vindas pelo litoral (1535, 1554 e 1573) e do fracasso de outras expedições por terra (1591,1603 e 1607) (LACROIX, 2000, p.23) Em Maio de 1594, o então Capitão Jaques Riffault, com três navios embarcou em direção ao norte do Brasil para uma viagem de reconhecimento da região. Em 1604, Daniel de La Touche, nobre protestante Frances, Senhor de La Ravardière efetuou junto a René de Marec, Senhor de Montbarrot, sua primeira expedição rumo à região ao Norte do Rio Amazonas. Viagem essa descrita por Jean Mocquect em sua Obra Voyages em Afrique, Asie, Indes Orientales et Occidentales (1617). Após a expedição Daniel de La Touche apresentou formalmente relatório ao Rei da França Henrique IV sobre suas observações acerca da viagem, no qual fez apologia a um projeto de colonização nas terras do Norte do Brasil. La Ravardiere foi então nomeado pelo rei capitão mor da “costa das Amazonas” e encarregado de uma nova viagem ao Norte do Brasil. (FORNEROD, 2001, p.16). A nova expedição deixou a França em 1609 e, após de seis semanas de exploração, a região onde atualmente se localiza a ilha de São Luís é escolhida como local para o estabelecimento de uma futura colônia francesa. Mas retornando a França, La Ravardiére vê seus planos e projetos imediatos frustrados, pois o assassinato do rei Henrique IV em maio de 1610, influenciou negativamente o projeto colonial. A Rainha Regente Maria de Médicis, católica que ascendeu ao controle do trono com a morte do monarca huguenote (protestante), embora tivesse reconhecido os títulos anteriormente outorgados a Daniel de La Touche, pelo rei Henrique IV, recusou o financiamento do Estado Frances ao projeto colonial no Norte do Brasil, devido principalmente a divergências religiosas com os principais artífices desse projeto que eram em sua maioria protestantes (FORNEROD, 2001, p.17). Portanto, embora o projeto inicial da França Equinocial tenha sido construído predominantemente por protestantes. La Ravardière e os principais agentes do mesmo acabaram, levados pelas circunstâncias dos acontecimentos, a buscar apoios em outras esferas sociais, associando-se então a católicos, que dentro do campo 82 político francês da época contavam com amplo poder de ação; como François de Razilly e Nicolas de 82

O Conceito de Campo compreendido a partir da noção apresentada pelo sociólogo francês Pierre Bourdieu como um “espaço social relativamente autônomo” e “dotado de suas leis próprias”, onde os agentes, de acordo com a posição em que ocupam nesse campo e dos bens simbólicos que possuem, determinam o “que eles podem e não podem fazer (BOURDIEU, 2004, pp.20-23)

Sancy e aceitando ainda a participação na empreitada colonial de uma missão de padres capuchinhos que tinham um projeto de evangelização das comunidades indígenas locais. A professora Andrea Daher aponta que provavelmente François de Razilly, foi o principal responsável pela solicitação a coroa francesa da presença missionária capuchinha no Brasil visando catequizar as comunidades indígenas locais e implantar a fé católica no novo mundo. E a própria escolha capuchinha não deve ser tomada como algo inópito, ou fruto do mero acaso, uma vez que os mesmos gozavam de grande prestígio na França do período, pois detinha grande conhecimento farmacêutico, freqüentavam a corte, e em meio a um contexto histórico francês do final do século XVI e inicio do século XVII marcado por conflitos no âmbito religioso que envolviam os processos de reforma e contra reforma religiosa, foram os responsáveis por importantes conversões de diversos elementos da nobreza francesa ao catolicismo (DAHER, 2007, pp.52-53). Assim, a então regente do trono francês, a rainha de origem italiana, católica notória, Maria de Medicis, deu aprovação e financiamento da coroa ao projeto de colonização nas terras do Norte do Brasil. Mas a escreveu pessoalmente a La Ravardière, impondo-lhe que somente a religião católica deveria ser difundida na nova colônia francesa que deveria se constituir: [...] que em todos os sítios e lugares dos países em que ires conquistar para neles implantar uma colônia francesa e também a fé do nosso Senhor, não permitais exercício de nenhuma religião que não seja a Católica Apostólica Romana (FORNEROD, 2001, p.31-32) . Em Julho de 1612, liderados por La Ravardière e Razilly, os franceses desembarcaram nas terras do Maranhão e iniciaram os primeiros contatos com os povos indígenas tupinambás que aqui habitavam, constituíram um pequeno núcleo de povoamento composto por algumas cabanas de pau-a-pique, a construção de um armazém e do Fort Sant-Louis de madeira, assim como a exploração da região (D'ABBEVILLE,1975). Mas a Manutenção do projeto colonial francês no Maranhão dependeria cada vez mais de novos recursos materiais e humanos, que deveriam ser conseguidos junto à coroa ou a iniciativa particular nesse momento. Assim devido à necessidade de homens e recursos para levar-se adiante o projeto da França Equinocial, os bons frutos da missão capuchinha no Maranhão multiplicaramse cada vez mais no discurso empreendido pelos padres Yvrex e Abberville. Segundo Daher, as cartas dos mesmos endereçadas a França passaram a ter um entusiasmo que foi proporcional “a dificuldade ressentida pelos cumprimento de sua obra Evangélica junto a tão elevado numero de infiéis, febrilmente ávidos conversão” (DAHER, 2007, p.56). Enquanto Razilly partiu em direção a França em 07 de Dezembro de 1612, acompanhado do padre Claude d`Abberville e de seis embaixadores tupinambás, visando obter apoio e financiamento para o Projeto da França Equinocial. A presença dos seis índios tupinambás na França foi marcada por procissões e diversas solenidades festivas, altamente ritualizadas, onde se incluiu a recepção dos indígenas no Louvre e o batismo de três dos mesmos celebrado pelo arcebispo de Paris na Igreja dos Capuchinhos. Solenidades essas que se inseriram dentro de um verdadeiro projeto propagandístico da missão colonial francesa visando à arregimentação de recursos para

a mesma. De acordo com Andrea Daher o Livro de Claude d`Abberville História da missão dos Padres capuchinhos na ilha do Maranhão é publicado em meio a essa verdadeira “campanha publicitária” (DAHER, 2007, pp. 91-92), buscando em um contexto de urgência e em meio à iminente partida de uma segunda companhia, conseguir novos colonos e apoio total da monarquia ao projeto colonial brasileiro. A publicação do livro, realizada em edição luxuosa, as cerimônias solenes e a ritualização em torno dos índios inseriam-se sem dúvida, nesse claro propósito de encorajar o projeto de colonização da França Equinocial em terras maranhenses. Em meio a toda a pompa e circunstância que marcou a propaganda monárquica de encerramento das cerimônias parisienses de 1614, alinhava-se o contexto global dos princípios da expansão católico cristã nos séculos XVI e XVII. Pois missões como a capuchinha nas terras maranhenses, representavam junto aos agentes que as promoviam a internalização de um sentimento quase divino de está contribuindo efetivamente para a salvação de almas, em um projeto que transcendia a própria terrenidade. Enquanto isso, percebendo o sério perigo que representava o avanço francês sobre as possessões portuguesas na América, o então governador-geral do Brasil Gaspar de Sousa, enviou uma expedição ao Maranhão, comandada por Jerônimo de Albuquerque e com objetivo de expulsar os franceses do território Maranhense, iniciava-se o conflito pela posse do Maranhão. Um ano depois, em 1615, o capuchinho Yves d’Evreux publica a sua famosa obra Viagem ao Norte do Brasil: Feita nos anos de 1613 a 1614, cuja leitura foi muito pouco conhecida pelo público da época, devido principalmente ao fato dos exemplares terem sido destruídos dentro do próprio ateliê de impressão do editor, François Huby. A destruição dos exemplares da obra do padre d’Evreux ocorreu principalmente graças as mudanças ocorridas na dinâmica na política européia do período. Pois em meio à ordem político-diplomática e aos acordos de estado que visavam estabilizar as tensões internacionais da época, tivemos o estabelecimento do casamento do jovem monarca francês Luís XIII com a infanta espanhola Ana d’Áustria. O estado francês deixa então a sua própria sorte o projeto de implantação de uma colônia no Brasil em meio a uma verdadeira guerra contra os portugueses pelo controle da região. Em 17 de outubro de 1615, o então capitão general de Pernambuco, Alexandre Moura, liderando mais 600 homens e trazendo armamentos e víveres, junta-se as forças portuguesas comandadas por Jerônimo de Albuquerque (FORNEROD, 2001, p.21). A chegada de reforços e uma nova frota portuguesa representaram então um duro golpe aos franceses. Em novembro de 1615, com o forte de São Luís constantemente atacado e cercados, os franceses serão definitivamente derrotados pelos portugueses e acabam oficialmente capitulando no dia 04. Era o fim da França Equinocial e dos planos de estabelecimento de uma colônia francesa no Maranhão, parafraseando tais planos não passaram de sonhos de uma noite de verão. Uma breve viagem historiográfica sobre a invenção da fundação francesa da cidade de São Luís. A Partir da última década do século XIX e do inicio do século XX a idéia da fundação francesa de São Luís no dia 8 de Setembro de 1612 começou a ganhar corpo, adquirindo um caráter mítico e ideológico de singularidade e auto-afirmação da

identidade ludovicense. Mas cabe-nos enquanto historiadores questionarmos sobre a produção discursiva que envolve a produção de tal invenção historiográfica. Mas façamos uma breve viagem historiográfica pela produção que envolve a escrita da história sobre a temática do mito de fundação Francesa da cidade de São Luís e do projeto da França Equinocial. Segundo a professora Maria de Lourdes Lauande Lacroaix os primeiros cronistas e historiadores que escreveram sobre a História da fundação da cidade de São Luís não consideravam os franceses como legítimos fundadores da capital do Maranhão. Diogo de Campos Moreno 83, João Felipe Bettendorff84 e Bernardo Pereira de Berredo e Castro85 entre outros, em sua escrita tratavam os súditos dos Bourbons como invasores ambiciosos e não como fundadores da capital Ludovicense (LACROIX, 2000, p.33). Lacroaix aponta-nos, por exemplo, que: Bernardo Pereira de Berredo (16..-1748), em seus Annaes Históricos, assim reportou-se à fundação da cidade de São Luís: “Logo que o General Alexandre de Moura sahio da bahia do Maranhão, applicou Jeronymo de Albuquerque o principal cuidado à útil fundação de uma Cidade naquelle mesmo sítio...” (LACROIX, 2002, p.56). Porém analisando a obra de Berredo e dos primeiros cronistas e historiadores que escreveram sobre o Maranhão nos séculos XVII e XVIII sob uma perspectiva genealógica (FOUCAULT, 1979), e conceituando essas mesmas obras como uma produção discursiva, com o discurso compreendido enquanto forma de poder onde o mesmo “não é simplesmente aquilo que traduz as lutas ou os sistemas de dominação, mas aquilo por que, e pelo que se luta, o poder do qual queremos nos apoderar” (FOUCAULT, 2006, p.10), levando em consideração que esse mesmo discurso constitui regras próprias de produção e circulação dos enunciados e tece sistemas de produção de verdades que o legitimam como: um conjunto de enunciados, na medida em que se apóiem na mesma formação discursiva; ele não forma uma unidade retórica ou formal, indefinidamente repetível e cujo aparecimento ou utilização poderíamos assinalar (e explicar, se for o caso) na história; é constituído de um número limitado de enunciados para os quais podemos definir um conjunto de condições de existência (FOUCAULT, 1987, p.135-136). Podemos estabelecer que o discurso foi construído principalmente por agentes ligados a administração local portuguesa nos séculos XVII e XVIII. Pois tais cronistas e historiadores eram principalmente militares ou religiosos a serviço nas colônias. Diogo 83

Diogo de Campos Moreno: fora militar português, tendo vindo para o território brasileiro em 1602, com o posto de Sargento-mor. No Maranhão juntou-se a Jerônimo de Albuquerque Maranhão e a Alexandre de Moura na luta contra os franceses, redigiu enquanto cronista as obras: "Livro que Dá Razão ao Estado do Brasil" e "Jornada do Maranhão" . Nesta última, Moreno relatou a conquista do território maranhense, embora houvesse seguido uma linha de escrita que acabou por enaltecer os seus próprios feitos. 84 João Felipe Bettendorff (1625-1698), padre Jesuíta nascido em Luxemburgo, atendendo a um convite do Pe. Antônio Vieira, veio ao Maranhão em 1661, iniciando sua vida missionária, assumiu vários cargos, tais como superior da Missão (1668 a 1674 e 1690 a 1693) e reitor do colégio do Maranhão (1674), sendo um importante cronista sobre o Maranhão no século XVII. 85 Bernardo Pereira de Berredo e Castro: historiador e administrador colonial português. Foi governador do Estado do Maranhão, de 1718 a 1722. Tendo como obra mais conhecida os Annaes historicos do estado do Maranhão no qual escreve sobre o Maranhão desde o inicio de sua colonização até o ano de 1718.

de Campos Moreno, por exemplo, fora militar português com o posto de sargento-mor, tendo lutado no processo de expulsão dos franceses do território maranhense; João Felipe Bettendorff, padre jesuíta que ocupou diversos cargos de destaque na colônia portuguesa e Berredo fora governador do Maranhão entre 1718 e 1722. Logo compreendendo que a escrita da história parte de um “lugar social” (CERTEAU, 2008) torna-se facilmente compreensível o porquê a produção discursiva emitida pelos mesmos de representação e reconstituição do passado seguisse uma lógica voltada para a apologia da fundação portuguesa da cidade de São Luís. Na aurora do século XIX, tivemos ainda um processo de continuidade do discurso histórico ligado a uma fundação portuguesa da cidade de São Luís, onde historiadores como Raimundo José de Sousa Gaioso, César Augusto Marques86 e João Lisboa87 apontaram também os franceses como invasores e não como fundadores da capital maranhense. De acordo com Lacroaix, João Lisboa, foi de opinião semelhante. Ao descrever a ocupação e expulsão dos franceses, nosso eminente jornalista, em seus Apontamentos para a História do Maranhão, encerrou o capitulo dizendo: “Assim findou a primeira invasão estrangeira que sofreu a nossa pátria.” (LACROIX, 2000, p.34). Também inexiste qualquer verbete França Equinocial ou algo do gênero e qualquer outra referência à origem francesa de São Luís no famoso Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão, obra escrita por César Augusto Marques no século XIX, considerada ainda hoje por muitos historiadores como referência nos estudos relativos ao Maranhão. César Marques assim como todos seus antecessores, reafirmou a fundação da cidade de São Luís pelos portugueses, quando assim se expressa(LACROIX, 2002, p.57): Jerônimo de Albuquerque, inteiramente senhor de suas ações e livre dos cuidados inerentes à guerra, aplicou-se à fundação da cidade, hoje de São Luís, como lhe fora recomendado pela Côrte de Madrid. Dentro de pouco tempo por seu zêlo e atividade pôde adiantar tanto a povoação “que reduzida a regular forma de república, na frase de Berredo, debaixo da proteção soberana de Maria Santíssima com o augusto título de Vitória, que já lhe tinha decretado no feliz lugar de Guaxenduba, lhe declarou à invocação de São Luís.”(MARQUES, 1970, p.445 In: LACROIX, 2002, P.57) No inicio do século XX, Barbosa de Godois 88 também foi de opinião semelhante, o historiador local também colocou os franceses como invasores, e em sua obra clássica História do Maranhão para o uso dos alumnos da Escola Normal, publicada em 1904, defendeu a origem da cidade de São Luís a partir de uma perspectiva ligada a fundação lusitana, colocando Jerônimo de Albuquerque que havia liderado o processo de expulsão dos franceses no atual território do Maranhão como legitimo fundador da cidade:

86

César Augusto Marques (1826-1900): médico, professor e historiador maranhense cuja obra de maior relevância foi o Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão. 87 João Francisco Lisboa (1812-1863): Político, historiador, escritor, jornalista e cronista maranhense. 88 Antônio Batista Barbosa de Godóis (1860-1923): Historiador, educador, escritor e jurista e um dos fundadores da Academia Maranhense de Letras (AML).

de posse do governo do Maranhão, Jerônimo de Albuquerque, cumprindo as ordens que recebera da Corte de Madrid, tratou com solicitude da fundação da cidade, dando o nome de São Luiz (GODOIS, 1904. In: LACROIX, 2000, p.34) Mas, a partir da última década do século XIX, tivemos o inicio de um processo de ruptura e descontinuidade dentro do discurso histórico ligado a fundação da cidade de São Luís, processo esse que foi consolidado nas primeiras décadas do século XX; onde a afirmação de que São Luís foi fundada por franceses começa a tomar corpo, passando a ser construída, dita e repetida com certo orgulho pela elite ludovicense, como parte da constituição da própria singularidade maranhense (LACROIX, 2000, p.34). Portanto, durante a primeira republica brasileira (1889-1930) o mito da fundação francesa da cidade de São Luís: foi gestado, construído e consolidado, dentro do processo de descontinuidade ligado ao próprio discurso historiográfico. E o primeiro trabalho que defendeu abertamente a idéia de uma fundação francesa da capital maranhense foi o Estado do Maranhão de autoria de José Ribeiro do Amaral89, publicado em 1896, no qual o autor coloca La Ravardiére como fundador da cidade de São Luís. Em 1912, Ribeiro do Amaral retornou a temática na obra Fundação do Maranhão, construindo ainda uma nova interpretação dos fatos históricos no qual o marco de fundação da cidade passou a ser o momento da cerimônia religiosa de benzimento e batizado do forte de São Luís, episódio narrado e descrito de modo minucioso pelo padre capuchinho Claude D’Abbeville em seu Livro História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão (LACROIX, 2002, p.62). A idéia de uma origem francesa de São Luís foi assim aos poucos sendo sedimentada e a mesma acabou sendo facilmente aceita e reproduzida pela elite intelectual local, que em um momento no qual o Maranhão passava por um estágio letárgico de periferização tanto econômica quanto em termos de representação política na primeira republica brasileira (1889-1930), buscou elementos de singularidade e auto afirmação. Com a reestruturação produtiva do Estado ocorrida no âmbito econômico devido principalmente ao final da escravidão em 1888 e as transformações na política estadual e de ordem de representação federal com os ajustamentos aos novos mecanismos de controle da República Velha (1889-1930), tínhamos uma realidade local no final do século XIX e inicio do século XX, lida pelos intelectuais locais sob a ótica da decadência econômica e intelectual, onde havia um presente pautado por dúvidas e incertezas, mas restava um passado profundamente idealizado de glórias a se exaltar e a perspectiva de um futuro projetado no mesmo a se construir (ALMEIDA, 1983, pp. 6769). Visão essa da realidade maranhense que Alfredo Wagner Berno de Almeida 89

José Ribeiro do Amaral (1853-1927): Maranhense, natural de São Luís. Fundador do Colégio de S. Paulo. Catedrático de História e Geografia do Liceu Maranhense, instituição no qual também foi diretor, ex-diretor da Biblioteca Pública. Sócio fundador da academia Maranhense de Letras, e correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Suas principais obras publicadas foram: “O Estado do Maranhão em 1896”, 1898; “Apontamentos para a História da Revolução da Balaiada na Província do Maranhão”, 1898, 1900, 1906; “A Fundação do Maranhão”, 1912; “Apontamentos para a História da Vida e Obras do Senador Candido Mendes de Almeida, 1913; “História do Maranhão” - Edição para a infância-, 1914, 1923; “Limites do Maranhão com o Piauí ou a questão Tutoya”, 1919; “As Revoluções do Segundo Império e a obra pacificadora de Caxias”, 1922; “Ephemerides Maranhenses - 1° Parte - Tempos Coloniais”, 1923; “Estado do Maranhão”Contribuição ao 2° Volume da Introdução Geral do Dicionário Histórico, Geográfico e Etnográfico do Brasil do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. (SANTOS, 2012, p.64)

caracterizou como ideologia da decadência, temática que permeou boa parte da produção intelectual maranhense na primeira República; (...) pode-se inferir que os historiadores regionais, classificados como patronos e clássicos acabam por introjetar nas representações acerca do Maranhão um dilema básico que contrapões a mencionada decadência à prosperidade. Configura-se nos desdobramentos desta oposição uma imagem de progresso que remete invariavelmente para o passado numa busca de relevar e explicar o declínio geral sempre observado no tempo presente. O procedimento resume-se em pensar uma existência anterior e vivê-la, de uma forma idealizada, num momento presente que a desdiga por completo. A reflexão se dá pela evocação do avesso. A apologia do progresso, que é um objeto presumivelmente alcançável, passa por esta idealização do passado. (ALMEIDA, 1983, pp. 67-69) O passado fora assim idealizado como referência para a construção do futuro, assumindo um caráter didático pedagógico, com a História pensada como um importante elemento para a afirmação do estado e a construção de um projeto de identidade e singularidade local. A História do Maranhão seguiu assim uma dimensão teleológica, que vinha ao encontro à construção da ideologia da decadência, onde o Maranhão assumiu um caráter de uma eterna tendência, um permanente vir a ser (ALMEIDA, 1983). Em meio à realidade social em que estavam inseridos, os intelectuais maranhenses da primeira republica constituíram um discurso sem perspectivas promissoras quanto ao presente, visto sob a ótica da decadência, mas formaram um modelo representacional do passado, especialmente do século XIX, como o momento áureo maranhense. O que reproduziu dois mitos principais: o mito da Atenas Brasileira e o mito da fundação francesa da cidade de São Luís, ligados a um projeto elitista de invenção da identidade local e da singularidade maranhense. E a construção do mito de origem ligado à fundação francesa da cidade de São Luís gerou ainda sua contraparte necessária: o rito comemorativo dos 300 anos de São Luís, festa faústica, constituída em 1912, onde se comemorou o aniversário da cidade no dia 8 de Setembro em meio à reprodução do discurso da fundação francesa da cidade de São Luís por parte de diversos intelectuais da época, do qual se destacaram José Ribeiro do Amaral, Justo Jansen Ferreira 90, e Domingos Perdigão 91. Que deram a sua 90

Justo Jansen Ferreira (1864-1930): maranhense, nascido em São Luís, médico com formação no Rio de Janeiro. Atuou como professor de Geografia do Brasil do Liceu Maranhense, de física, química e mineralogia da Escola Normal do Maranhão, Sócio fundador efetivo da academia maranhense de Letras e correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, do Instituto do Ceará, da Sociedade Astronômica de Paris, da Sociedade de Geografia de Lisboa, da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, da Sociedade de Medicina e cirurgia do Rio de Janeiro e da Sociedade de medicina do Paraná. Seus principais trabalhos publicados foram: “Fragmentos para a Chorographia do Maranhão”, 1904; “A propósito da Carta do Maranhão”, 1904; “Breve notícia sobre o ensino de Física, Química e Mineralogia no Maranhão”, 1907; “A Barra da Tutoya”, 1908 “Geografia Médica e Climatologia do Estado do Maranhão”, “A Mulher e o ensino primário”, obras publicadas em 1910; “Carta Geográfica do Maranhão”, 1912; “Carta Geográfica da Ilha de São Luís”, 1912; “Planta da Cidade de São Luís”, 1912; “Contribuição para a História e Geografia do Maranhão. Ainda a Barra da Tutoya”, 1913; “A divisória Pelo Parnaíba”, 1921. Boa parte de sua obra desenvolveu-se no âmbito geográfico, com uma vasta problematização sobre as áreas limítrofes entre o Maranhão e o Piauí na região do delta do Rio Parnaíba (SANTOS, 2012, pp.63-64). 91 Domingos de Castro Perdigão: Maranhense. Ex-diretor da Biblioteca Pública do Estado do Maranhão, com diversos trabalhos publicados, entre os quais prefiguraram: “Catálogo do Estado do Maranhão na

contribuição para a consolidação do mito: através de artigos, ensaios, trabalhos e publicações, cujo discurso vinha de encontro ao mesmo. Alicerçava-se assim o mito da singularidade maranhense ligado à fundação francesa da cidade de São Luís, mito esse que vem sendo desde a sua construção no final do século XIX (re) significado por sucessivas gerações de intelectuais locais até hoje, através de ensaios, seminários, artigos e trabalhos, o que atualiza sua simbologia junto ao imaginário local. Um projeto de esplendor idealizado do passado, construído por elites decadentes que buscavam a autoafirmação através de um projeto de superioridade do maranhense em suas origens francesas, nas palavras de Lacroaix: Pela visão exagerada de todo um questionável esplendor desse passado, o maranhense sentiu-se superior às populações da outras províncias e procurou buscar uma diferença até nas suas origens, atitude esta confirmada pela autoria dada aos franceses à fundação da cidade de São Luís, capital do Maranhão. (LACROIX, 2000, p.65). Consolidou-se então “o culto as origens francesas do Maranhão (...), como reforço a idéia de singularidade” (LACROIX, 2000, p.73) enquanto projeto elitista de forjamento de uma identidade local. E no inicio do século XX, a população maranhense já estava completamente imbuída do “orgulho de ser a Atenas Brasileira e da sua presumida origem francesa” (LACROIX, 2000, p.35). Idéias que serão reproduzidas e (re) significadas no âmbito acadêmico entre os intelectuais locais também na segunda metade do século XX. Lacroaix descreve-nos que o historiador maranhense Mario Martins Meireles, por exemplo, No corpo do seu trabalho intitulado França Equinocial, não se refere à cidade de São Luís, porém no capitulo final, intitulado A frança equinocial em três séculos e meio demonstra que incorporou o discurso da inteligência, da cultura e do requinte da sociedade ludovicense, de sua origem francesa, assim como da vaidade de ser deferentes de suas congêneres. (LACROIX, 2000, p.36). Porém, se analisarmos a principal obra de Mario Meireles que aborda a temática sobre o projeto de colonização francesa no Maranhão: França Equinocial, publicada inicialmente em 1962 por ocasião das festividades relativas aos 350 anos da cidade de São Luís. Nas entrelinhas do discurso notamos que o historiador maranhense dentro de sua narrativa não se arriscou em defender abertamente a fundação francesa de São Luis. A escrita de Meireles que geralmente se caracteriza por um viés profundamente cientificista, e um rigor metodológico sob uma perspectiva influenciada pelo arcabouço teórico ligado ao historicismo rankeano, opta por uma descrição dos fatos de modo pomposo, mas visando a uma neutralidade objetiva que podemos classificar até mesmo como quimérica. Porém Meireles, que foi um dos principais nomes da escrita da História do Maranhão no século XX. Após uma minuciosa descrição da cerimônia religiosa de exposição Nacional de 1908”, publicado em 1908; “O Maranhão na Exposição Nacional de 1908”, publicado em 1910; “Álbum do Tricentenário do Maranhão de 1913; “A Biblioteca Pública do Estado do Maranhão em 1914”, obra publicada no ano de 1915; “Relatórios da Biblioteca pública do Maranhão, 1916, 1917, 1918”; “A Biblioteca Pública do Maranhão em 1919”, obras de 1920; “Exposições e Feiras” de 1922; “O Esperanto”, As Bibliotecas Infantis”, “o Colégio Perdigão”, “Nos Anais do primeiro Congresso Pedagógico Maranhense, obras publicadas em 1922; “O que se deve ler” 1924. Domingos de Castro Perdigão contava com uma vasta obra que abrangia desde as temáticas ligadas a área da biblioteconomia, até a leitura e educação. (SANTOS, 2012, p.63).

benzimento e batizado do forte de São Luís, colocou em sua obra a fundação da França Equinocial e não da cidade de São Luís no dia 8 de Setembro de 1612, nas palavras do próprio Meireles: Por fim, dada por formalmente fundada a Colônia, o senhor de Razilly deu ao forte o nome de Saint-Louis, em homenagem ao rei menino, Luís XIII, de França e Navarra, de quem eram loco-tenente-generais na terra, e ao ancoradouro, ao pé do Forte, e de Port de Sainte – Marie, em homenagem a Virgem Mãe de Deus, pois era aquele o dia de sua natividade, e em homenagem a Rainha Mãe e Viúva, Maria de Médici, patrocinadora da expedição. Estava Fundada a França Equinocial – 8 de Setembro de 1612.”(MEIRELES, 1982 p.65) Roger Chartier, ao escrever sobre a construção do conhecimento histórico, ressalta que “as percepções do social não são de forma alguma discursos neutros: produzem estratégias e práticas (...) em termos de poder e dominação” (CHARTIER, 1990, p.17). Nesse sentido, a própria construção hermenêutica do conhecimento histórico ligado a um projeto de passado de significação maranhense: o da nobre fundação francesa da cidade de São Luís, constituiu uma série de táticas e estratégias simbólicas de autoafirmação no âmbito do discurso, além de um projeto elitista de identidade e singularidade local, reproduzido pelo discurso historiográfico ao longo do século XX e alicerçando-se junto ao imaginário local da maior parte da população maranhense até hoje. E uma análise histórica apurada sobre o projeto da França Equinocial permite-nos tecer que os franceses quando da sua chegada às terras maranhenses ainda estavam em fase de reconhecimento da região e em vias ainda de consolidação de um projeto de colonização. Projeto esse com um caráter profundamente ambicioso, mas que apesar de todo o seu potencial foi interrompido após um breve período de apenas três anos pela intervenção militar lusitana, findando portando a França Equinocial. E o próprio núcleo urbano de São Luís, foi apenas constituído e consolidado após a expulsão dos franceses em 1615. Portando o próprio mito de fundação francesa de São Luís, enquanto discurso historiográfico de origem merece uma reflexão e um estudo criterioso por parte dos historiadores: em sua construção enquanto saber científico, em suas fontes e no modo como as mesmas adquirem sentido e são interpretadas e reinterpretadas em um processo de construção da memória histórica. As fontes que legitimaram o Mito. Uma análise critica das obras dos padres capuchinhos Claude D’ Abberville: História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão e Yves D’ Evreux; Viagem ao Norte do Brasil: Feita nos anos de 1613 a 1614; principais fontes sobre o projeto da França Equinocial, amplamente utilizadas pela historiografia tradicional que ao longo do século XX construiu e consolidou o mito da fundação francesa de São Luís. Permite nos interpretar que os franceses em seus três anos de estadia no Maranhão, apenas realizaram: o reconhecimento da terra, algumas expedições, a construção de alguns casebres de pau-a-pique, contatos com os povos e comunidades indígenas locais, e a catequese de alguns integrantes desses povos indígenas. Ações com vias a implantação de um ambicioso projeto de colonização, mas que não chegou a ser concluído, o que desconstrói completamente a invenção historiográfica da fundação

francesa da cidade de São Luís a partir das fontes constituídas pelos próprios padres franceses. Sobre a cerimônia religiosa que boa parte da historiografia tradicional local colocou a partir do final do século XIX como grande marco de fundação da cidade de São Luís. Abberville em nenhum momento fez menção à fundação de uma cidade, pois o mesmo apenas caracterizou de modo minucioso uma cerimônia religiosa ao qual se incluiu o benzimento após uma missa e o batizado da fortaleza de madeira construída pelos franceses, o Forte de São Luís. Segundo o Padre Capuchinho: Erguida a cruz, como já disse, foi também benzida a Ilha, enquanto dos fortes e dos navios muitos canhonaços se disparavam em sinal de regojizo. O Sr. De Razilly deu ao forte o nome de forte de São Luís, em memória eterna de Luís XIII, rei de França e de Navarra; e ao ancoradouro ou porto, junto ao forte, chamou Porto de Santa Maria em homenagem a rinha do céu, a Sagrada Virgem Maria, cuja natividade se festejava naquele dia, e também em homenagem a sua irmã na terra, Maria de Médicis, Rainha de França e de Navarra, mãe e, regente de nosso cristianíssimo rei e cuja vida suplicamos a Divina Bondade nos conserve por longo tempo. (D’ABBEVILLE, 1975, p.73) O documento como nos aponta Jacques Le Goff é o resultado de uma “montagem consciente ou inconsciente, da história, da época, da sociedade em que os produziram” (LE GOFF, 1992, p.547). E esse mesmo documento é produzido, e sobre essa produção estão os mais diversos jogos de interesses, tanto individuais, quanto coletivos e relações de poder. Onde o mesmo acaba por assumir os mais diversos sentidos de acordo com a realidade socio-histórica na qual está inserido. Destarte a cerimônia religiosa realizada pelos franceses no dia 8 de Setembro de 1612, que foi narrada de modo descritivo por Abberville acabou interpretada propositalmente por setores da historiografia maranhense como marco inaugural da fundação da cidade de São Luís, uma construção historiográfica que permeia um projeto de História enquanto memória visando à construção de um projeto de identidade no presente e a constituição de um futuro. Conclusão Embora a construção da estrutura física da cidade de São Luís tenha sido delineada pelos portugueses após a expulsão dos franceses consolidada em 1615, e a historiografia local até o século XIX houvesse constituído um discurso que caracterizava os franceses como invasores e os portugueses como fundadores da capital maranhense. Tivemos a partir da primeira república brasileira (1889-1930) um processo de ruptura e descontinuidade do discurso historiográfico. Ruptura essa demarcada pela construção do mito da fundação francesa da cidade de São Luís, ligado ao forjamento de um projeto de identidade e singularidade maranhense, a partir de uma leitura propositalmente idealizada e deturpada da obra do Padre Capuchinho Claude D’ Abberville: História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão, que colocou o projeto da França Equinocial, ainda em construção, como grande marco de fundação da cidade. Sendo que tal visão foi se incorporando ao longo do século XX junto à boa parte dos intelectuais e historiadores maranhenses, repetindo-se constantemente no imaginário local, constituindo-se como mito fundador e sendo tomada enquanto estatuto de verdade, protegida pelo manto da ciência histórica. Mas cabe-nos enquanto

historiadores descortinar esse passado, compreendendo-o como uma construção que foi historicamente determinada, e visando a uma reflexão critica sobre o mito fundador e seus elementos constituintes e o modo como o mesmo influencia na construção do presente, pensando concretamente assim a realidade social na qual estamos inseridos, uma vez que como nos aponta o historiador francês Michel de Certeau: a História “combina o ‘pensável’ e a origem, de acordo com o modo pelo qual uma sociedade se compreende” (CERTEAU, 2008). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz. Historia: a arte de inventar o passado. Ensaios de teoria da História- Bauru, SP:Edusc, 2007. ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. A Ideologia da Decadência: leitura antropológica a uma história da agricultura no Maranhão. São Luís, IPES, 1983. BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Obras escolhidas vol. I: magia e técnica , arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1993. BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da Ciência: por uma sociologia clinica do campo cientifico; texto revisto pelo autor com a colaboração de Patrick Champagne e Etienne Landais; tradução Denice Barbara Catani.-São Paulo: Editora UNESP, 2004. CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2008. CHARTIER, Roger. A História Cultural Entre Práticas e Representações. Trad. De Maria Manuela Galhardo...Rio de Janeiro-RJ: Editora BERTRAND BRASIL, 1990. D'ABBEVILLE, Claude. História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão. São Paulo, USP/BH, Itatiaia, 1975. DAHER, Andrea. O Brasil Frances: as singularidades da França Equinocial, 16121615; prefacio de Roger Chartier; traduzido por Albert Stuckenbruck e revisto pela autora.- Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. D`EVREUX, Yves. Viagem ao Norte do Brasil: Feita nos anos de 1613 a 1614; com a colaboração de Ferdinand Denis: traduzida por Cesar Augusto Marques.-São Pulo: Siciliano, 2002. FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987. ___. A ordem do discurso. 13. ed. São Paulo: Loyola, 2006. ___. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento; organização e seleção de textos. Manoel Barros da Motta: tradução, Elisa Monteiro- Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000. ___. Microfísica do Poder; organização e tradução de Roberto Machado. – Rio de Janeiro: Edição Graal, 1979. GODOIS, Barbosa de. História do Maranhão para uso dos alunnos da Escola Normal Tomo I. São Luís: Typ. de Ramos d’ Almeida & Cia, 1904. P.114. In: LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. A fundação francesa de São Luís e seus mitos. – São Luís: EDUFMA, 2000. FORNEROD, Nicolas. In: Sur La France Équinoxiale/Edition réalisee por Guilhem Beugnon e Jomar Morais. Co-Edition Alliance Français de São Luís e Academia Maranhense de Letras, 2001. LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. A fundação francesa de São Luís e seus mitos. – São Luís: EDUFMA, 2000. ___.A CRIAÇÃO DE UM MITO. Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 02, p. 54-80, 2002.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Trad. de Bernardo Leitão ... [et al.] -2°ed..—Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1992. MEIRELES, Mario Martins. França Equinocial. – São Luís, SECMA, Civilização Brasileira -, Rio de Janeiro, 1982. REIS, Flávio, Guerrilhas: artigos — São Luís, Pitomba/Vias de Fato, 2011. SANTOS, Rafael Aguiar dos. A odisséia neo-ateniense: a fundação do IHGM e a construção épica de um Maranhão grandioso. – Monografia (História). UFMA, 2012.

A FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS: mitos e historiografia

EUGES SILVA DE LIMA

INTRODUÇÃO Pesquisar sobre os mitos que permeiam a historiografia maranhense é hoje uma tarefa cada vez mais necessária aos historiadores. Estudar o mito fundador da cidade de São Luís e suas conexões historiográficas torna-se relevante, na medida em que se constitui um tema privilegiado para se refletir com quais concepções da história do Maranhão forjou-se sua historiografia, principalmente a do século XX. Esta, notadamente de caráter passadista, calcou-se na busca de uma identidade regional marcada pelo traço da singularidade. O presente artigo traz como objeto de estudo, a questão do mito fundador da cidade e suas representações. Busca-se abordar a importância e implicações da historiografia na construção de mitos relacionados à fundação de São Luís, por meio de invenção de tradições, socialmente, culturalmente e historiograficamente construídas. Contribuição importante sobre esse tema foi dada pela historiadora Maria de Lourdes Lauande Lacroix, em 2000, com a publicação do livro “A Fundação Francesa de São Luís e Seus Mitos”92, onde retoma uma antiga polêmica, há muito esquecida: o questionamento da fundação francesa da cidade. A autora rompe com a historiografia oficial do século passado, retirando dos franceses que aqui estiveram de 1612 a 1615, o mérito da fundação da cidade e atribuindo-o aos portugueses. Como indica o título da obra, ela classifica de mítica a idéia de uma São Luís fundada por franceses e o faz baseada na leitura atenta da historiografia do século XVIII e XIX. Embora não discorra sobre um tema totalmente inédito, Lacroix, o faz de uma maneira nova, buscando os por quês, os franceses que aqui estiveram nas primeiras décadas do século XVII e que foram vistos pelos cronistas e primeiros historiadores até o século XIX como meros invasores, de repente passam a serem considerados pelos 92

Utilizamos a 3.ª edição, revista e ampliada, publicada pela Editora da UEMA, São Luís, 2008.

historiadores do século XX como legítimos fundadores da cidade. É através desse problema que a autora buscou explicar quando, como e por que a cidade deixou de ter uma origem lusitana para ter uma origem francesa. Em artigo publicado no Diário Oficial do Estado do Maranhão 93, em 24 de novembro de 1911, intitulado “Fundação do Maranhão”, o historiador José Ribeiro do Amaral, lança uma nova visão sobre a fundação da cidade, considerando-a fundada pelos franceses em 1612 e ignorando toda historiografia produzida até ali que via a fundação a partir da colonização portuguesa, iniciada em 1616: “A Cidade de São Luís, capital do Estado do Maranhão, é uma cidade de origem absolutamente francesa, ocupando ainda hoje, o mesmo lugar escolhido por seus fundadores.” (AMARAL, 2003, p. 39) A VERSÃO CLÁSSICA DA HISTORIOGRAFIA Embora a versão que a cidade de São Luís teria sido fundada por franceses, no início do século XVII, já tenha quase cento e um anos, ela é a mais recente, a rigor, não é a versão clássica da historiografia maranhense sobre a fundação da cidade, no sentido de ser a mais antiga. É necessário salientar que até o início do século XX, era consenso entre os historiadores que a cidade de São Luís teria sido fundada por Jerônimo de Albuquerque, em 1616, após a expulsão dos franceses por Alexandre de Moura. O primeiro a escrever uma história do Maranhão, foi Bernardo Pereira de Berredo, governador da província do Maranhão entre 1718 a 1722 e que teve sua obra publicada em Lisboa, no ano de 1749, com o título “Anais Históricos do Estado do Maranhão”. Ele se respaldou numa vasta e variada documentação dos séculos XVII e XVIII para escrever seu livro, inclusive muitos deles, manuscritos originais da época da conquista do Maranhão por Jerônimo de Albuquerque e Alexandre de Moura, conseguidos na grande biblioteca do Conde de Ericeira. Nesse sentido, veja qual é a visão de Berredo no século XVIII sobre a fundação da cidade: Logo que o General Alexandre de Moura saiu da baía do Maranhão, aplicou Jerônimo de Albuquerque o principal cuidado à útil fundação de uma cidade naquele mesmo sítio, obra de que também se achava encarregado por disposição da corte de Madri. (BERREDO, 1988, p. 116) Após Berredo, todos os cronistas e historiadores, do século XVIII, XIX e até o início do século XX, vão basicamente seguir esta mesma visão acerca da fundação da cidade de São Luís, sejam eles de origem portuguesa, brasileiros e até mesmo de outras nacionalidades, como é o caso de Gaioso, que era argentino, porém residia no Maranhão. Fazendo um breve apanhado dessa historiografia clássica sobre o Maranhão, observa-se o consenso que havia entre esses autores sobre a fundação portuguesa da cidade, sua data de fundação e seu pai fundador. Não se percebe nenhuma dúvida relativa a isso, ao contrário, verifica-se um olhar consolidada da historiografia regional, que foi encampado por nomes como, Gaioso, João Lisboa, César Marques, Barbosa de Godóis, entre outros. 93

Esse e outros artigos do historiador Ribeiro do Amaral, publicados originalmente entre 1911 e 1912 no Diário Oficial do Estado do Maranhão, por ocasião do sesquicentenário do autor, foram reunidos e publicados pela coleção Geia de Temas Maranhense sob o título “O Maranhão Histórico”, São Luís: Instituto Geia, 2003.

Crônica da Companhia de Jesus no Maranhão [1738]: Desassombrado Jerônimo de Albuquerque de Alexandre de Moura, deu princípio uma cidade em o mesmo sítio em que os franceses tinham o seu forte. (CARVALHO, 1995, p.90) Compêndio Histórico-Político dos Princípios da Lavoura do Maranhão [1818]: Fundação da cidade do Maranhão: Livre o Maranhão n’aquele dia de toda a sugeição franceza, aplicou Jeronimo de Albuquerque todo o seu cuidado na fundação de huma cidade n’aquelle mesmo. (GAIOSO, 1970, p. 73) Poranduba Maranhense: Jerônimo de Albuqueque fundou logo junto á fortaleza de São-Luiz uma cidade. (PRAZERES, 1891[1819], p. 42) Jornal de Tímon [1858]: 1615 – Lançado fora os franceses, Alexandre de Moura, capitão-mor da armada que ultimou a conquista, nomeou a Jerônimo de Albuquerque, que a tinha começado , por capitão-mor do Maranhão, e a Francisco Caldeira Castelo Branco, com igual patente, para o descobrimento e conquista do Pará [...] Tanto um quanto outro fundaram pacificamente, e sem oposição dos naturais, as duas cidades de S. Luís, e de Belém. (LISBOA, s/d, p. 13) Semanário Maranhense (1867): Retirando-se para Pernambuco Alexandre de Moura em 9 de janeiro de 1616, Jeronimo de Albuquerque volveo suas vistas para a fundação e edificação da capital dando-lhe nova forma e ordem. (MARQUES, 1867, p. 2) Barbosa de Godóis, em sua História do Maranhão para uso dos alunos da Escola Normal, publicado em 1904, obra panorâmica sobre a história do Estado, que apesar da finalidade didática na época foi visto depois como uma importante fonte de pesquisa por várias gerações de historiadores, aborda assim o tema da fundação de São Luís: De posse do Governo do Maranhão, Jerônimo de Albuquerque, cumprindo as ordens que recebera da Corte de Madri, tratou com solicitude da fundação da cidade, que pôs sob a proteção da Senhora da Vitória, dandolhe todavia o nome de São Luís, que os franceses haviam posto ao seu forte. (GODÓIS, 2008, p. 138) Para o autor, quem é considerado o fundador da cidade não é o fidalgo Daniel de La Touche, senhor de La Ravardière, mas sim o mestiço pernambucano, Jerônimo de Albuquerque94, filho de índia mais pai português. Em seu livro não demonstra qualquer sinal de controvérsia ou dúvida acerca da fundação de São Luís, para ele é ponto 94

Sobre a primazia de Jerônimo de Albuquerque na fundação de São Luís, na obra Jerônimo de Albuquerque Maranhão: guerra e fundação no Brasil colonial. São Luís: UEMA, 2006, p.147, capítulo Jerônimo de Albuquerque Maranhão e a Fundação de São Luís, a professora Lacroix faz uma revisão da historiografia dos séculos XVII – XX, onde Albuquerque Maranhão é visto como fundador pelos primeiros cronistas e historiadores do Maranhão.

pacífico a origem lusitana da cidade. Evocando os frades cronistas franceses que aqui estiveram em 1612, diz o seguinte: Cláudio d’Abbeville, descrevendo que o lugar em que os franceses construíram o forte, mais tarde nominado São Luís, é tão preciso nas suas palavras, que admira como, em face do seu testemunho presencial, haja quem, conhecendo a ilha de São Luís, alimente dúvidas a respeito da posição escolhida pelos invasores para a montagem de sua fortaleza. (GODÓIS, 2008, p. 100) Os franceses são, portanto, vistos pelo autor, não como fundadores, mas como meros invasores. A cerimônia do 8 de setembro de 1612, entre franceses e tupinambás, na ilha de Upaon-açu, foi por Barbosa de Godóis ( 2008, p. 101), descrita assim: [...] fizeram construir uma grande cruz de madeira, para ser em procissão transportada ao forte, onde deveria ser levantada como símbolo da tomada de posse do território, no interesse da religião do Crucificado, e da aliança entre indígenas e a mesma religião. Em seu livro “Cerimônias de Posse na Conquista Européia do Novo Mundo”, a historiadora inglesa Patrícia Seed, corrobora com a idéia de Godóis. Faz uma acurada análise de todas as cerimônias das principais metrópoles européias ao desembarcarem na América entre 1492 e 1649. No caso do Maranhão, ela se refere assim à procissão do 8 de setembro de 1612: Após quase seis semanas dessas demonstrações de aprovação nativa, os franceses encenam o primeiro de dois rituais de posse política. Como naquela miniatura de cerimônia de chegada na pequena ilha de Sainte Anne, os elementos centrais foram uma procissão e a colocação de uma cruz. (SEED, 1999, p. 64, grifo nosso) É importante ressaltar que a visão aqui explicitada de Barbosa de Godóis, em 1904, sobre a fundação de São Luís, não representa uma leitura nova sobre o tema, ao contrário, expressa a visão tradicional, desenvolvida desde os séculos XVIII e XIX, portanto, já consolidada. Era a visão corrente até esse início de século XX. A FUNDAÇÃO FRANCESA, UMA TRADIÇÃO INVENTADA A mudança da visão tradicional a respeito da fundação da cidade passa a ganhar outra versão a partir dos artigos e depois do livro “Fundação do Maranhão”, respectivamente entre os anos de 1911 e 1912, escritos pelo historiador maranhense, Ribeiro do Amaral, autor de vários estudos sobre a história do Maranhão, membro fundador da Academia maranhense de letras, professor do Liceu maranhense e diretor da Biblioteca Pública É esse autor que muda completamente a tradição historiográfica sobre a fundação de São Luís que vinha sendo aceita até 1904. Em 1911, Ribeiro do Amaral, numa coluna do Diário Oficial do Estado do Maranhão, publicada às sextas-feiras, intitulada “O Maranhão Histórico”, onde discorria sobre temas relativos à história do Estado, escreveu dois artigos, desconsiderando toda a tradição historiográfica sobre a fundação da cidade. Suscitando uma nova versão. No primeiro artigo, escrito em 17 de novembro de 1911, comparando as ocupações holandesas e francesas, diz o seguinte: “Os franceses levantaram, os holandeses derrubaram; os franceses deram começo à fundação da cidade e à construção dos

primeiros edifícios que aqui houve, alguns dos quais ainda hoje duram.”(AMARAL, 2003, p.36) No segundo, escrito em 24 de novembro de 1911, com o título “Fundação do Maranhão”, portanto, bastante sugestivo; o autor pormenoriza mais os principais momentos que compuseram a chegada e a instalação dos franceses em terras tupinambás e principalmente procede a uma releitura da cerimônia do 8 de setembro descrita por Claude D’Abbeville: São decorridos 299 anos das cenas que, aqui, ligeiramente ficam descritas, mas ao percorrer ainda hoje aquelas páginas de Cláudio de Abbeville na sua História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão, como que nos parece vê-las renovarem-se aos nossos olhos, tão viva e tão verdadeira que pode e deve ser considerada como o auto da fundação da cidade. (AMARAL, 2003, p. 45) Segundo Lacroix, é em 1912 com o livro “Fundação do Maranhão” que os fundamentos da nova interpretação de Ribeira do Amaral são lançados. Embora essa obra represente de certa forma um marco para essa nova interpretação, escrita com o objetivo de comemorar as efemérides do suposto terceiro centenário da cidade, a rigor, a gestação dessa nova interpretação nasce um pouco antes, não com a publicação do livro “O Estado do Maranhão em 1896” como ela afirmara, pois ali Ribeiro do Amaral se refere à povoação e colônia e não à cidade, abordagens, portanto, diferentes. É precisamente em 1911, como foi demonstrado, a partir desses artigos antecessores ao livro “Fundação do Maranhão” que o autor começa a gestar de fato, sua releitura da descrição de Abbeville do 8 de setembro, agora não mais como um ato de posse e afirmação da ocupação francesa nas terras americanas tão somente, mas na nova perspectiva de Amaral: dia, mês e ano do nascimento da cidade. Uma “renovada” visão das cerimônias e seus (re) significados, sendo agora os franceses, vistos como pais fundadores e não como invasores, como constava na historiografia anterior. No ano seguinte, estimulados pelo artigo do historiador, o então governador do Maranhão, Domingues Luís e a sociedade ludovicense se mobilizam para comemorar uma tradição que já começara com trezentos anos, ou seja, o aniversário de tricentenário da cidade. Verifica-se, portanto, a partir daí, o surgimento e a tentativa de estabelecimento de uma nova tradição para a cidade, a comemoração de sua fundação – algo sem precedentes - agora não mais de origem portuguesa, mas de origem francesa. Nota-se aí, um processo iniciado de invenção de uma tradição, forjada recentemente pelo autor, gestando-se um dos mitos mais marcantes da nossa historiografia, a fundação francesa de São Luís. Sobre a invenção de tradições ligadas a uma origem francesa, relata Lacroix (2008, p. 96): A nova interpretação ficou ligada a um passado imemorial, mítico. A idéia da tradição francesa foi se avolumando no momento da formação republicana, em que símbolos, imagens e alegorias criadas pelas elites buscavam alicerçar sentimentos de coesão. Os mitos, assim como heróis, hinos e bandeiras conquistaram o imaginário republicano e cada região procurou firmar suas identificações.

Neste sentido, como referencial para explicação do problema, utilizamos o conceito de “tradição inventada” 95 que “entende-se [como] um conjunto de práticas, normalmente reguladas por regras tácita ou abertamente aceitas; tais práticas, de natureza ritual ou simbólica, visam inculcar certos valores e normas [...] através da repetição, o que implica, automaticamente, uma continuidade em relação ao passado [...] histórico apropriado” (HOBSBAWM e RANGER, 2006, p. 9). A mudança de versão sobre fundação da cidade engendrada por Ribeiro do Amaral, não há dúvida, encontrou eco nas gerações seguintes de historiadores maranhenses, reafirmando-se assim o mito da fundação francesa, sem contestar, embora, observa-se de forma esporádica, inseguranças, como é o caso de Crisóstomo de Sousa nos anos de 1940. “Ele confessa estar, no assunto perdido num mar de dúvidas, com a bitácula apagada. Não sabe se São Luís foi fundada a 8 de setembro de 1612, ignora se o fundador da cidade foi Francisco de Rasilly ou Daniel de La Touche” (LOPES, 1973, p. 5) 1962 é o segundo momento importante de reafirmação do mito, onde este reaparece com muita força. Comemoram-se nesse ano os 350.º aniversário da “fundação francesa” da cidade96, com toda pompa e circunstância, são oito dias de comemorações oficiais, com atividades culturais, cívicas, desfiles etc.. Mário Meireles, historiador de grande importância no contexto da historiografia maranhense, autor de uma vasta bibliografia sobre História do Maranhão, termina por ir à esteira de Ribeiro do Amaral, contribuindo para transformar uma versão mítica em “verdade” histórica. Em sua Pequena História do Maranhão, ele afirma: Daniel La Touche, Senhor de La Ravardière, foi o chefe da expedição dos franceses, eram êles cerca de quinhentos homens e vieram em três navios – “Regente”, “Carlota” e “Sant’Ana”. Aqui chegando, La Ravardière fundou a cidade de São Luís, que é a capital do Maranhão, no dia 8 de setembro de 1612. (MEIRELES, s/d, p.14) Astolfo Serra, em seu Guia Histórico e Sentimental de São Luís do Maranhão, no capítulo relativo à ocupação francesa, assim se expressa: “É dos capítulos mais bonitos da história da cidade; talvez o seu mais belo colorido sentimental, o de ter sido fundada por franceses. Constitui esse acontecimento motivo de orgulho para os sanluisenses, que o invocam, sempre com ênfase, e com prazer dessas origens de sua cidade” (SERRA, 1965, p. 37). Nota-se a partir daí que a idéia de uma cidade fundada por franceses, portanto, com origens supostamente singulares, de um passado histórico vinculado à nobreza francesa do seiscentos, encontra-se completamente consolidada, pelo menos na visão dos historiadores e intelectuais. Os anos de 1960 são de fato imperativos na construção mítica da fundação da cidade.

95

Ver Eric Hobsbawm ;Terence Ranger (orgs.) em A Invenção das Tradições, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 4. ed. 2006. 96 A comissão executiva dos festejos comemorativos era composta pelas seguintes autoridades e intelectuais: Governador Newton Bello, Prefeito Ruy Mesquita, Sec. de Educação José Carvalho, Sec. de Finanças Jesus Ribeiro, Prof. Mário Meireles, Prof. Ruben Almeida e Prof. Fernando Perdigão, entre outros. Ver 350.º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS: programa das comemorações. São Luís: Gráfica Industrial e Comercial LTDA, 1962.

QUESTIONANDO O MITO O século XX é um período fértil de construção do mito da fundação francesa, onde ele se gesta e se desenvolve, além de eventualmente ter sido questionado. Em fins do século passado e início deste, verifica-se o momento de seu maior questionamento, em grande medida pelos estudos da professora Lacroix. É precisamente nessa virada de século que os mitos relativos à fundação da cidade ficam mais expostos e sujeitos a novas leituras e desmitificações. No final dos anos de 1970 e início de 1980, o mito da fundação francesa começa a ser questionado. José Moreira, membro do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão e que assinava uma coluna nos jornais O Estado do Maranhão e O Imparcial, denominada de “História da nossa História”, embasado na historiografia maranhense dos séculos XVIII e XIX, passou a escrever vários artigos durante esse período, chamando atenção para inconsistência da fundação da cidade pelos franceses, causando, inclusive certa repercussão na imprensa. Em 1993, Olavo Correia Lima, sócio honorário do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão e professor de Antropologia da Universidade Federal do Maranhão, é o primeiro autor a usar o conceito de mito para designar a consagrada historiografia que defendia a origem francesa da cidade. Em artigo denominado “Duas Controvérsias Científicas”, ele o classifica de o mito capital da história do Maranhão. Para ele, a historiografia maranhense “vem repetindo-se erros dantanho, sem a devida aferição da Pesquisa Histórica e até pela Crítica Científica. É natural que esteja recheada de mitos, a começar pela fundação de São Luís, que representa, por sua vez, um dos primeiros passos históricos do Maranhão” (CORREIA LIMA, 1993, p. 81). Quando a controvérsia da fundação de São Luís parecia estar esquecida, a polêmica reaparece com toda força, com a publicação em 2000 do livro “A Fundação Francesa de São Luís e seus Mitos”, da historiadora Lacroix. Embora a contestação do mito não fosse exatamente inédita, como foi ressaltado, no entanto, dessa vez, veio de uma forma mais sistemática, através de um livro, algo inédito sobre o tema. Investigava mais a fundo o que estava por trás dessas construções míticas relativas à fundação francesa da cidade e buscava responder os por quês da virada historiográfica operada por Ribeiro do Amaral nas primeiras décadas do século XX. Lacroix chama atenção para a mudança de versão na historiografia sobre a fundação da cidade, deixando de ser de origem portuguesa e passando a ser de origem francesa, a partir das primeiras décadas do século XX. No entanto, para além da controvérsia da fundação, se de origem francesa ou portuguesa, sua contestação, assumiu uma dimensão maior, pois suscitou o debate e a reflexão acerca dos mitos e símbolos que subjazem nossa historiografia. Nesse sentido, assinala Flávio Reis (2002): A felicidade na formulação não estava em simplesmente recolocar uma antiga questão controversa na mesa, como se fosse o caso apenas de contrapor uma versão “verdadeira” a outra mítica, e sim em fazê-lo de uma maneira que obrigava a pensar exatamente nessa criação de símbolos afirmadores de um passado singular. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao se usar a expressão “mito fundador” é importante esclarecer o que está se entendo por isso. Primeiro, o termo “mito”, aqui, não é usado somente no seu sentido

etimológico, grego, “mythos”, no sentido de narração pública de feitos lendários e imemoriais, mas, sobretudo no seu sentido antropológico, onde essa narrativa funciona como solução imaginária para tensões, conflitos, contradições que não encontram maneiras de serem resolvidos no âmbito da realidade. Neste sentido, dizemos que é um mito fundador porque o mito estabelece uma ligação interna com o passado como origem, ou seja, um passado que não termina nunca, que se mantém permanentemente presente e, portanto, não permite o exercício da diferença temporal e da compreensão do presente enquanto tal. O mito é um “impulso à repetição de algo imaginário, que cria um bloqueio à percepção da realidade e impede de lidar com ela”. (CHAUÍ, 2000, p. 9) O problema em estudo reside em se explicar, como o mito fundador da cidade se constituiu enquanto invenção histórica, enquanto construção cultural e suas conexões com a historiografia. É a elite decadentista ludovicense do início do século XX, influenciadas pelo galicismo então em voga no mundo, que procede a construção e invenção do mito fundador da cidade que agia também como reforço a outro, mais antigo, o mito da Atenas Brasileira. Neste sentido, a transição da versão histórica dos séculos XVIII e XIX para versão mítica do século XX da fundação de São Luís, deve ser compreendida a partir da necessidade que as elites intelectuais maranhenses tinham de se sentirem diferentes, únicas, em relação ao resto do país. O livro de Lacroix permitiu-nos perceber o quão frágil é a historiografia maranhense do século XX, construída a partir de uma concepção da história do Maranhão representativa de uma visão acalentada em que a identidade do Estado estava marcada pela afirmação de um passado glorioso, pela idéia de singularidade 97 do Estado e seu povo. Ao estudar a criação do mito da fundação francesa, a autora, acabar por desvelar o traço narcísico e passadista que permeia a historiografia maranhense do século passado, resultando dessa percepção da história do Maranhão as construções e invenções míticas e simbólicas. Sendo assim, as implicações contidas no seu livro, vão além da querela da fundação da cidade e apontam para uma revisão da historiografia maranhense. REFERÊNCIAS ANNAES DA BIBLIOTHECA NACIONAL. V. XXVI. Rio de Janeiro: Officina Typographica da Biblioteca Nacional, 1905. AMARAL, José Ribeiro do. O Maranhão Histórico. São Luís: Instituto Geia, 2003. ________________. Fundação do Maranhão. 2. ed. São Luís: Editora da UEMA, 2008. 350.º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA CIDADE DE SÃO LUÍS: programa das comemorações. São Luís: Gráfica Industrial e Comercial LTDA, 1962. BERREDO, Bernardo Pereira de. Anais Históricos do Estado do Maranhão. Brasília: Editora Alhambra, 1988. BURKE, Peter. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. ________________. O que é história cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005. 97

Lacroix usa o conceito de Ideologia da Singularidade para explicar o conjunto de idéias que estavam subjacentes ao mito da fundação francesa da cidade, ou seja, a necessidade que as elites intelectuais maranhense tinham de serem vistas como diferentes, únicas, singulares. Ver “A Fundação Francesa de São Luís e Seus Mitos. 3.ª ed. São Luís: EDUEMA, 2008, p. 64 - 69.

CALDEIRA, José Ribamar Chaves. Dois Estudos: os discursos de Japi-açu e Momboré-uaçu e vadiagem no Maranhão, 1800-1850. São Luís: Edufma, 2004. CALMON, Pedro. História do Brasil: séculos XVI e XVII. 2. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora S. A., 1963. V. 2. CARVALHO, Jacinto de. Crônica da Companhia de Jesus do Maranhão. São Luís: Alumar, 1995. CHAUÍ, Marilena. Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária. 4. ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001. D’ABBEVILLE, Claude. História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão e Terras Circunvizinhas. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1975. D’EVREUX, Yves. Viagem ao Norte do Brasil: feita nos anos de 1613 a 1614. São Paulo: Siciliano, 2002. DAHER, Andrea. O Brasil Francês: as singularidades da França Equinocial, 1612 -1615. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. FORNEROD, Nicolas Sobre a França Equinocial. São Luís: Aliança Francesa e AML, 2001. GAIOSO, Raimundo José de Sousa. Compêndio Histórico-Político dos Princípios da Lavoura do Maranhão. Rio de Janeiro: Cia Editora Americana/ Livros do Mundo Inteiro, 1970. GODÓIS, Antônio Batista Barbosa de. História do Maranhão para uso dos alunos da Escola Normal. 2.ed. São Luís: AML/EDUEMA, 2008. HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (orgs.). A Invenção das Tradições. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006. HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Os franceses no Maranhão. In História Geral da Civilização Brasileira: a época colonial. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2004, V. 1, p. 204 – 234. LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. Jerônimo de Albuqurque Maranhão: guerra e fundação no Brasil Colonial. São Luís: UEMA, 2006. ________________. A Fundação Francesa de São Luís e seus Mitos. 3. ed. São Luís: Editora UEMA, 2008. LIMA, Euges Silva de. Do Mito à História: a Fundação de São Luís. In. www.historiadomaranhaonanet.hpg.ig.com.br (entrevista), agosto, 2002. ________________. LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. A Fundação Francesa de São Luís e seus Mitos. (resenha). São Luís, 2002 (mimeo). LIMA, Olavo Correia. Duas Controvérsias Científicas. In RIHGM, Ano LXIII, vol. 16, São Luís: SIOGE, 1993, p. 77 a 88. LISBOA, João Francisco. Jornal de Tímon: apontamentos, notas e observações para servirem à História do Maranhão. Brasília: Editora Alhambra: s/d. V. 1 e 2. LOPES, Adriana. Franceses e Tupinambá na Terra do Brasil. São Paulo: Editora Senac, 2001. LOPES. Antônio. Estudos Diversos. São Luís: SIOGE, 1973. MARQUES, César Augusto. Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão. Rio de Janeiro: Cia. Editora Fon-Fon e Seleta, 1970. ________________. Jerônimo de Albuquerque Maranhão: capitão-mor da conquista e descobrimento das terras do Maranhão. SEMANÁRIO MARANHENSE. São Luís: Sioge, 1979.

MEIRELES. Mário M. História do Maranhão. Rio de Janeiro: DASP, 1960. ________________. França Equinocial. São Luís: Tipografia São José, 1962. ________________. França Equinocial. 2. Ed. São Luís: Civilização Brasileira/SECMA, 1982. ________________. Pequena História do Maranhão. São Luís: Tipografia São José, s/d ________________. São Luís, Cidade dos Azulejos. Rio de Janeiro: Editora Barão São Félix, 1964. MORAES, Jomar. Guia de São Luís do Maranhão. São Luís: Edições Legenda, 1989. MOREIRA, José. Fundação da Cidade de São Luís. O Estado do Maranhão, São Luís, 16 de fev. 1981. ________________. Fundação da cidade de São Luís. O Imparcial. São Luís. 17 de abr. 1983. MARIZ, Vasco; PROVENÇAL, Lucien. La Ravardière e a França Equinocial: franceses no Maranhão (1612-1615). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007. _______________. Depois da Glória: Ensaios sobre personalidades e episódios controvertidos da história do Brasil e de Portugal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012. OBERMEIER, Franz. Documentos Sobre a Colônia Francesa no Maranhão (1612-1615): as partes censuradas do livro de Yves d’Evreux Suitte de l’histoire. In COSTA, Wagner Cabral(org.) História do Maranhão: novos estudos. São Luís: EDUFMA, 2004. PIANZOLA, Maurice. Os Papagaios Amarelos: os franceses na conquista do Brasil. São Luís: Alhambra, 1992. PRAZERES, Francisco de N. S de. Poranduba Maranhense. Revista Trimensal do Instituto Historico e Geographico Brazileiro. Tomo LIV, Rio de Janeiro, 1891. REIS, Flávio. O Maranhão bárbaro e sua miséria historiográfica. O Estado do Maranhão. 22 de set. São Luís, 2002. SEED, Patricia. Cerimônias de Posse na Conquista Européia do Novo Mundo (1492 1640). São Paulo: Editora UNESP, 1999. SEMANÃO. Ruben Almeida: La Touche fundou São Luís. São Luís, dom. 15 de out. 1978. SERRA, Astolfo. Guia Histórico e Sentimental de São Luís do Maranhão. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1965. SOUTHEY, Robert. História do Brasil. 3. ed. São Paulo: Editora Obelisco Limitada, 1965. STUDART FILHO, Carlos. Fundamentos Geográficos e Históricos do Estado do Maranhão e Grão Pará. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1959. VAZ, Leopoldo Gil Dulcio. São Luís, portuguesa com certeza. Revista Nova Atenas de Educação Tecnológica. V. 4, N.º 1, 2001. VIVEIROS, Jerônimo. História do Comércio do Maranhão. 1. vol. São Luís: Associação Comercial do Maranhão, 1954.

O MARANHÃO DOS NEERLANDESES: Discursos e causas da conquista de 1641 JOYCE OLIVEIRA PEREIRA (História / UFMA) DANIEL BRUNO DE JESUS FERREIRA (História / UFMA)

As ssobredittas tregoas e ssuspenssao de todo acto de hostilidade teram seus effeito por tempo de dez anno en as terras emares pertencentes aodestritto da Iurdição concedida pollos senhores das ordeés geraes a Companhia das India Occidental destas Provincias des de a data, tanto que aratificação sobre este trattado em nome d’El Rey de Portugal(...) Trecho do Tratado de Haia

RESUMO

Análise das causa que levaram à invasão neerlandesa no Maranhão em 1641 tendo em vista o contexto da Restauração Portuguesa e das negociações de trégua e paz estabelecidas com a subida de D. João IV. Por meio da análise de discurso encontramos a descrição vantajosa da conquista do Maranhão pelos bens que produzia, como o açúcar e pela posição geográfica. Palavras-chaves: Restauração - Trégua - Invasões neerlandesas - Maranhão - Economia RÉSUMÉ Cette étude vise à analyser les causes qui ont conduit à l'invasion hollandaise de Maranhão en 1641 dans le contexte de restauration portugaise et les négociations de paix et trêve établies avec la montée de d. João IV. Grâce à l'analyse du discours, nous trouvons la description de la conquête du Maranhão en offrant des marchandises produisent, comme le sucre et par emplacement géographique. Mots clés : Restauration- néerlandais Invasions- Maranhão- Économie

Os interesses da Companhia das Índias Ocidentais e o Novo Mundo Antes da rebelião contra os espanhóis, muitos holandeses, zelandeses e frisões já navegavam como tripulantes em barcos espanhóis e portugueses, que iam com destino à África, à Ásia, à América e às Índias. Utilizavam-se de mapas portugueses, que eram considerados mais confiáveis e precisos, e da prática do corso. A geografia acabou se tornando um dos temas mais debatidos e estudados dos Países Baixos. Podemos tomar como exemplo do desenvolvimento destes estudos o mapa de Mercator, que utilizamos ainda hoje e que foi elaborado pelo flamengo Gerardus Mercator (1512-1594), em 1569. (. LOPEZ, 2002, p. 58) Segundo Braudel, se os neerlandeses não tivessem derrubado o Império Português, os ingleses o teriam feito. Aliás, ao ocuparem esses territórios, tiveram que se defender dos compatriotas de Francis Drake (154-1596).98

98

Francis Drake (1540-1596) corsário, explorador e almirante inglês é famoso pelos seus ataques a navios e estabelecimentos espanhóis no Novo Mundo. A Rainha Elisabeth I o nomeou cavaleiro em 1580 pelos seus grandes feitos.

Mapa de Geradus Mercator Os ataques neerlandeses mais pesados e contínuos concentraram-se nas possessões portuguesas do que nas espanholas. Esta ‘preferência’ ocorreu porque a América Portuguesa era o elo mais desprotegido do império espanhol: sendo uma possessão portuguesa tinha uma posição subalterna nas prioridades militares do governo dos Filipes. (BOXER, 2002, p. 120) Esses conflitos envolveram muito mais que portugueses, espanhóis e neerlandeses. Também participaram ingleses, dinamarqueses, congoleses, persas, indonésios, cambojanos e japoneses, em diversos locais e datas. O Império Espanhol, espalhado pelos quatro continentes, levou a guerra ibero-holandesa aos setes mares. (BOXER, op. cit., p. 121) A assinatura da trégua entre espanhóis e neerlandeses (1609-21) permitiu um maior conhecimento das condições econômicas, sociais e geográficas do litoral nordestino, assim como de seus portos e do traçado urbano das cidades, como Olinda, que se tornavam essenciais para planejar uma invasão. Mas o acordo não foi renovado e a guerra foi reatada. Por forte insistência da Zelândia, reduto da “indústria do corso”, em 9 de junho de 1621 a Companhia das Índias Ocidentais (WIC) recebeu seu alvará detendo como monopólio a conquista, navegação e o comércio em toda a área compreendida entre a Terra Nova e o estreito de Magalhães, de um lado do Atlântico, e entre o trópico de Câncer e o Cabo da Boa Esperança, do outro. (MELLO, 2010, p. 13) A WIC foi fruto do empreendimento de um grupo de comerciantes calvinistas originários dos Países Baixos espanhóis, que emigraram para a Holanda depois que Flandres e Brabante foram reconquistados para a causa do catolicismo, em 1580. A WIC era organizada como “sociedade por ações”. Seus estatutos autorizavam alianças com os naturais da África e América, construir fortificações, nomear governadores, funcionários, enviar tropas, contratar soldados e realizar comércio. 99 (LOPEZ, 2002, p. 14) O incentivo à organização da WIC levou-se em conta o odium theologicum entre calvinistas e católicos romanos, nesse caso o ódio da Espanha. Assim, investir na Companhia se tornou algo popular. Os pequenos investidores, mesmo sem poder de voz e voto100, eram muitas vezes participantes ativos da igreja reformada neerlandesa; e levavam a guerra contra o catolicismo e a Espanha como um dever religioso a quem Deus e seu dinheiro podiam ajudar. (LOPEZ, 2002, p. 14) 99

As autoridades civis deviam jurar lealdade à Companhia e aos Estados Gerais. Os oficiais e soldados também deveriam jurar ao príncipe de Orange. (LOPEZ, 2002, p. 65) 100 Era necessário possuir ao mínimo 4 mil florins em ação para ser diretor. (LOPEZ, 2002, p. 67)

A escolha do Nordeste como lugar de invasão levou em conta que os núcleos de poder espanhol estavam localizados nos altiplanos101, o que tornava a tarefa mais complicada, enquanto os núcleos de povoação portugueses estavam ao longo do litoral ao alcance do poderio neerlandês. O Brasil seria uma ótima localização contra as operações espanholas no Caribe, as lusas no Oriente e havia a proximidade com as minas de prata do Peru. (MELLO, 2010, p. 09) Além de se constituir no elo frágil do sistema espanhol, a escolha do nordeste como local de invasão foi pela perspectiva de obtenção de lucros pelo açúcar 102 e pelo pau-brasil. O grande objetivo da WIC era conquistar as áreas açucareiras do Nordeste do Brasil. O negócio do açúcar se mostrava bastante lucrativo, levando-se em conta o transporte e a venda de açúcar branco, mascavo, de panela: Desta terra do Brasil, podem anualmente ser trazidas para cá e aqui vendidas ou distribuídas 60 mil caixas de açúcar. Estimando-se as mesmas atualmente em uma terça parte de açúcar branco, uma terça parte de açúcar mascavo e uma terça parte de açúcar de panela, avaliando-se cada caixa em quinhentas libras de peso, poder-se-ia comprar no Brasil, sendo estes os preços comuns nesse país, o açúcar branco por oito vinténs, o mascavo por quatro e o panela por dois vinténs a libra; e descontando-se doze florins de carga e de pequenas despesas por cada caixa, ter-se-ia um lucro de aproximadamente 53 toneladas de ouro. As mesmas 60 mil caixas de açúcar custam no Brasil, conforme a citada compra, aproximadamente 35 toneladas de ouro que a Companhia das Índias Ocidentais poderá pagar, em sua maior parte, com mercadorias, lucrando com isso ao menos 30% de vantagem sobre os preços que Portugal costuma cobrar. Donde resulta que a Companhia obterá ainda um lucro anual de dez toneladas de ouro. (MELLO, 2010, p. 31) Ataques neerlandeses ao Nordeste Em 1623, a República das Províncias Unidas começou a montar uma expedição para a invasão da Bahia composta de 26 navios, 3.300 homens e 450 bocas-de-fogo sob o comando de Jacob Willekens (1571-1633), tendo como vice-almirante Piet Pieterszoon Heyn (1557-1629). Johan van Dorth (1586-1624) ficou encarregado das tropas terrestres quando conseguissem adentrar em Salvador. (VAINFAS, 2008, p. 36.) No dia 8 de maio de 1624, a frota neerlandesa foi avistada na Bahia de Todos os Santos pelos habitantes e pelo governador Diogo de Mendonça Furtado, que de pronto

101

As cidades castelhanas coloniais possuem um traçado geométrico com rigor matemático se comparado às cidades coloniais portuguesas. Francisco Frias de Mesquita, engenheiro-mor do Estado do Brasil fez planejamento urbano para Maranhão e Pernambuco, mas, em geral os núcleos de povoação portugueses se adaptavam as condições locais: “É reconhecida a preferência lusa por cidades localizadas em acidentes geográficos, protegidas, de um lado, por pântanos e morros, rios e, de outro, por ilhotas perigosamente próximas a bancos de areia, capazes de conter ânimo das invasões corsárias”. (CARDOZO ; CHAMBOULEYRON, 2009, p. 37) 102 Para manter a conquista ultramarina americana (que era ameaçada por invasores estrangeiros) era necessário ocupar produtivamente, pois, seria a única forma estável e duradoura de colonização. Esse produzir tinha que ser algo que a terra estivessem em condições de fornecer, que fosse forte no mercado europeu, que os portugueses já tivessem o domínio da cultura, que a produção e seu valor superasse as distâncias, a força de trabalho e o investimento. O açúcar se encaixou nesse perfil. (SODRÉ, 2010, p. 23.)

organizou as gentes para a defesa como julgou conveniente. 103 . Logo que amanheceu, os neerlandeses tomaram posse das entradas da cidade e chegando à entrada principal não encontraram resistência. De pronto, se dirigiram à casa do governador Diogo Furtado de Mendonça que quis reagir intentando pôr fogo nuns barris de pólvora e empunhando a espada contra os invasores, mas não adiantou. Devido à prisão do governador Diogo Furtado de Mendonça, se reuniram os oficiais na última semana de maio de 1624, na Aldeia jesuítica do Espírito Santo, para escolher o novo governador104, sendo escolhido Mathias de Albuquerque (1580-1647). Mas esse estava governando a capitania de Pernambuco por seu irmão, Duarte de Albuquerque Coelho. O bispo D. Marcos Teixeira de Mendonça foi eleito como capitão-mor e teve logo como iniciativa retomar a cidade e ordenou um sítio informal à cidade; adotou a “guerra brasílica”, que utilizava do conhecimento do terreno e das práticas indígenas. Nessa tática foi que o coronel neerlandês Van Dorth, enquanto estava cavalgando a fim de fiscalizar o forte de São Filipe, foi emboscado e morto juntamente com o seu trombeteiro. O seu sucessor no comando das tropas, Alberth Schouten, estava mais preocupado em freqüentar as tavernas e, por isso, não manteve a disciplina das tropas da Companhia. (SALVADOR, 1989, p. 365) Logo que o rei Filipe IV da Espanha (III de Portugal), cujo reinado em Portugal se estende de 1621 a 1640, soube do ataque à Bahia ficou bastante irritado “por entender que os holandeses por esta via determinavam diverti-lo das guerras que atualmente lhes faziam em Holanda, ou que, por sustentá-la e acudir aos assaltos que continuamente lhe faziam na costa da Espanha”. (SALVADOR, 1989. p. 381) Então, Filipe III despachou ordens para “aprestar suas armadas” e que de Lisboa deveriam sair ajuda não só à Bahia, mas, às outras capitanias, para que o inimigo não fosse além de onde estava. Filipe III, para recuperar a Bahia, mandou organizar as armadas em Castela, Portugal e em Biscaia, uma jornada que ficou conhecida como “Jornada dos Vassalos”. A armada zarpou de Lisboa em 22 de novembro de 1624, onde foi se reunir em Cabo Verde com a frota espanhola. No total, a armada foi composta de 52 navios de guerra e quase 13 mil homens. Em seu comando estava D. Fradique de Toledo, um dos mais importantes comandantes da marinha Espanhola. Além da esquadra, reuniram-se Salvador Correia de Sá (1602-1688) e com seus homens do Rio de Janeiro, índios dos aldeamentos jesuítas de São Vicente e Guanabara e o conde de Bagnuolo, futuro comandante da guerra contra os neerlandeses em Pernambuco, no ano de 1630. Na véspera de Páscoa de 1625, Frei Vicente do Salvador relatou que os neerlandeses viram a armada espanhola e foram se preparar para o combate: os primeiros retiraram os portugueses que estavam navegando, colocaram navios próximos aos fortes para impedir a entrada da armada de Filipe III e recomendaram que a população não saísse de casa. Os neerlandeses, sentindo o prejuízo que poderiam adquirir, iniciaram uma batalha que durou duas horas e matou muitos da armada de 103

O senhor de terras é autoridade pública e militar em seu território. A Coroa é responsável pela defesa do mar, pois é área de monopólio que pertence a esta. O senhor não é responsável pela defesa do mar e a Coroa não é responsável pela defesa terrestre. A população do interior e do litoral estava sempre organizada para a guerra e a Coroa detinha a defesa com seu poder marítimo. ( SODRÉ, op. cit., pp. 2542) 104 Segundo Frei Vicente do Salvador as ordens de El- Rei eram que em caso de morte ou ausência de Diogo de Mendonça Furtado, Mathias de Albuquerque deveria substituí-lo. Já Varnhagen assinala que na reunião feita pelos desembargadores na Aldeia, o governador foi considerado morto para o Estado pela sua prisão e, por isso estava abertas as vias de sucessão, daí escolheu-se Mathias de Albuquerque como governador. ( VARNHAGEN, 2002, p. 57)

Filipe III. Os franceses da WIC foram os primeiros desertores da tropa. O capitão dos neerlandeses enfureceu-se e ofereceu recompensa a quem denunciasse outros. Mas as tropas já estavam exauridas pela má alimentação e pelas punições impostas pelo comandante, o que culminou numa rebelião e no ato de punir fisicamente o coronel. (LOPEZ, 2002, p. 29) Os neerlandeses, percebendo os danos causados pela armada real, decidiram começar os tratados de paz. No dia 30 de abril de 1625 eles entregaram a cidade de Salvador: Os quais, depois de suas conferências, assentaram que os holandeses entregariam a cidade ao general D. Fradique de Toledo em nome de Sua Majestade, no estado em que se achava aquele dia 30 de abril de 1625, a saber: com toda a artilharia, armas, bandeiras, munições, petrechos, batimentos, navios, dinheiro, ouro, prata, jóias, mercancias, negros escravos, cavalos, e tudo o mais, que se achasse na cidade de Salvador, com todos os presos que tivessem, e que não tomariam armas contra Sua Majestade até se verem em Holanda. Em torno de 1627, os neerlandeses já circulavam pelo Atlântico Sul com liberdade e sem grande oposição sobre o Atlântico Sul. Os ataques à costa brasileira tornaram-se cada vez mais freqüentes: em 1627 atacaram novamente a Bahia; no ano seguinte, 1628, atacaram e ocuparam a Ilha de Fernando de Noronha, sendo expulsos por tropas de Pernambuco em 1629. (LOPEZ, 2008, p. 130) Em 14 de fevereiro de 1630, os neerlandeses desembarcaram na praia do Pau Amarelo e tomaram Olinda. A‘opção’ pela capitania de Pernambuco demonstra ainda o desejo pelo domínio da produção açucareira pelos comerciantes e capitalistas de Flandres e Brabante e judeus sefardistas portugueses. A arquitetura da invasão ocorreu através das informações sobre as precárias condições de segurança da capitania. (LOPEZ, 2008, p. 130) Na mesma semana de fevereiro de 1630, os invasores neerlandeses marcharam rumo ao Recife. O irmão do governador e donatário, Mathias de Albuquerque, tentou impedir o avanço do exército sobre a cidade, mandando queimar 24 navios carregados com 8 mil caixas de açúcar, além de pau-brasil, tabaco, algodão; e incendiou os armazéns causando um prejuízo em torno de 1milhão e 600 mil cruzados. (LOPEZ, 2008, p. 130) Duas semanas depois, no mês de fevereiro de 1630, os neerlandeses tinham tomado Recife. Os portugueses, juntamente com Mathias Albuquerque, fugiram para o interior, constituindo a resistência no Arraial do Bom Jesus que ficava entre Recife e Olinda. (LOPEZ, 2008, p. 130) O exército dos invasores tentou durante dois anos dissolver a resistência dos habitantes em vão. Devido a este impasse, os neerlandeses tinham o domínio marítimo e da cidade, enquanto os portugueses dominavam as roças e a cultura dos mantimentos. Em 1633, a WIC mudou a estratégia de guerra e começou um lento, mas progressivo, processo de conquista da zona açucareira; e o colapso da resistência deu-se quando o Arraial do Bom Jesus e o Cabo de Santo Agostinho foram tomados, em 1635.

Em 1636, a WIC resolveu oferecer o cargo de governador-general da Nova Holanda a Maurício de Nassau (1604-1679).105 A Companhia intentou enviar junto com o novo governador uma armada composta de 32 naus e um exército que variava entre 7 mil a 8 mil homens para conquistar a região. Nassau derrotou a resistência de Porto Calvo e capturou o forte de Povoação em fevereiro com exército neerlandês que avançou por terra, ajudado pelos navios comandados pelo almirante Lichthart que carregavam artilharia e suprimentos. Os ibero-brasileiros tiveram que recuar para a margem sul do Rio São Francisco. (LOPEZ, 2008, p. 133) Durante o seu governo, Maurício de Nassau tentou remontar o sistema de produção açucareira e fazer alianças com os senhores de engenho que haviam ficado nos territórios que estavam sob a posse dos neerlandeses oferecendo-lhes igualdade e fidelidade à WIC: Para apaziguar os senhores de engenho que permaneceram nos territórios dos holandeses, Nassau prometeu-lhes igualdade perante as leis e liberdade de consciência. Se jurassem fidelidade à Companhia, teriam o direito de portar armas para defender-se dos bandidos, poderiam voltar para suas terras e reconstruir seus engenhos. (LOPEZ, 2008, p. 134) O conde de Nassau-Siegen logo percebeu que sem ajuda dos senhores de engenho seria impossível que a empresa do açúcar desse certo, pois os neerlandeses não sabiam fazer açúcar. Então, a WIC concedeu empréstimos tanto aos seus como aos senhores de engenho para que remontassem o sistema produtivo. (LOPEZ, 2008, p. 134) Ainda em seu governo, a Nova Holanda experimentou um curto período de paz de menos de 3 meses, um avanço no crescimento urbano, Recife e a Cidade Maurícia em 1644 tinham mais de 2 mil casas e a população mais cosmopolita da América. Recife se tornou base para empresas à costa da África ocidental ao Caribe. Contrariando as ordens dos Heren XIX, empreendeu ataques aos entrepostos de tráfico de escravos africanos em Angola, Guiné que eram controlados pelos portugueses. (LOPEZ, 2008, p. 135) Os ataques não cessaram. Em agosto de 1637, os neerlandeses tomaram a Fortaleza de São Jorge da Mina para obter o controle do tráfico internacional de escravos, mas não detiveram o controle do tráfico internacional com a tomada de São Jorge da Mina. Tanto é que partiram para conquistar Angola anos depois. Em dezembro deste mesmo ano construíram uma fortificação no Ceará. Em 1638 Nassau reuniu uma frota de 36 navios e 3.600 europeus e índios no Recife e zarpou em 8 de abril para conquistar a Bahia . Chegaram no alvo da incursão no dia 16 de abril devido às correntezas favoráveis e aportaram sem nenhuma resistência ibero-portuguesa no porto de São Brás. No dia 17 de abril de 1638, os neerlandeses não atacaram. Nassau se preocupou com a alimentação dos soldados, mas, ao saber por um prisioneiro de um desfiladeiro num engenho próximo, mandou um dos capitães fazer o reconhecimento que lá descobriu o inimigo ibero-português entrincheirado. (MELLO, 2010, p. 189) 105

Johan Maurits, conde de Nassau-Siegen nasceu no condado alemão de Dillemburgo. Era membro de uma das famílias mais antigas e tradicionais da Europa. Teve uma educação humanista e protestante em Herborn, Basiléia e Genebra. Com o início da Guerra dos Trintas anos interrompeu os estudos e iniciou sua carreira militar sob a tutela de seu tio que era stathouder da Frísia. Dois anos depois se alistou como voluntário no Exercito dos Estados Gerais da Republica dos Países Baixos. Suas atuações no cerco a Den Bosch (1629), captura de Maastrich (1632) e principalmente na tomada de Schenckenshans (1636) lhe garantiu uma reputação em toda a Europa.

Essa notícia causou uma mudança nos planos de Nassau. De logo, ele mandou as tropas ficarem em ordem de batalha sobre um morro que ficava de frente ao inimigo ibero-português; e ao capitão Jan Mast ordenou que fosse para a cidade acompanhado de 14 navios neerlandeses e ancorasse longe do alcance dos tiros rivais. (MELLO, 2010, p. 189) No dia 18 de abril de 1638, os ibero-americanos ergueram proteção contra os tiros dos neerlandeses perto do Convento do Carmo. Com esta proteção, os lusos não podiam defender o convento e Nassau mandou logo tropas para que o tomasse. Em 19 de abril de 1638, os neerlandeses avançaram pela cidade sempre tendo em vista o inimigo nos desfiladeiros e rios, mas sempre em retirada. No dia 20 chegaram ao acampamento, que distava pouco das fortificações dos ibero-portugueses que não os atacaram, apesar do poderio militar. No mesmo dia, os ibero-portugueses abandonaram o forte e os neerlandeses ocuparam-no. No dia 21, Nassau mandou o major Van den Brande para conquistar o forte São Felipe e no dia 22 conquistaram o forte São Bartolomeu. Os desertores e prisioneiro neerlandeses, segundo Nassau, tiveram um papel importante, pois contaram aos ibero-portugueses o quanto o contingente invasor era inferior, causando uma verdadeira sucessão de ataques. Ao perceber que o intuito de posse não seria alcançado, Nassau convocou Johan Gisselingh e todos os outros comandantes que em reunião, visto as condições das tropas, resolveram retornar à capitania de Pernambuco. No dia 25 de maio os neerlandeses saíram da Bahia. Restauração Portuguesa e invasão neerlandesa no Maranhão No dia 1 de dezembro de 1640 ocorreu o levante dos portugueses contra os a realeza dos Habsburgos espanhóis levando o até então servo de Castela, o oitavo Duque de Bragança a ser aclamado como D, João IV (1604-1656). Os conflitos entre portugueses e espanhóis duraram de 1640 a 1668. A adesão à causa portuguesa não foi muito amplo: O apoio político da causa portuguesa era, aparentemente modesto. Limitava-se, no topo da escala social, à entourage clientelar da Casa de Bragança, espalhada pelo reino e à pequena nobreza contrariada com o estrangulamento da autoridade portuguesa na “Monarquia Dual”, em franco despeito aos acordos de Tomar firmados em 1581 (...) No campo eclesiástico, é verdade que os jesuítas deram apoio ao novo rei, o que não era pouca coisa (...) (VAINFAS, 2010, p. 311) As classes populares também apoiaram o novo rei português. Ronaldo Vainfas salienta que apesar das saudações ao rei Filipe II, a crença no sebastianismo na população portuguesa estava presente e, viu o rei desaparecido aparecer “encoberto” legitimando a Restauração. (VAINFAS, 2010, p. 313) Mário Meireles destaca que o novo governo português logo se organizou para enviar missões diplomáticas às diferentes cortes europeias a fim de obter reconhecimento frente aos Habsburgos. (MEIRELES, 1991, p. 71) Uma dessas missões foi a Repúblicas das Províncias Unidas do Norte, na cidade de Haia, tendo em vista que os neerlandeses ainda lutavam pelo reconhecimento de sua

independência em relação aos espanhóis. 106 As negociações lograram pequeno sucesso, pois o tratado de paz proposto pelos portugueses era prejudicial às Províncias Unidas: A assinatura de um tratado de paz que estabelecesse não só o imediato restabelecimento franco comércio entre as duas nações, a assinatura de oficiais do exército holandês para o adestramento de suas tropas e a ajuda de uma força naval para a defesa de seus portos, como também a pronta devolução das colônias lusitanas que a Holanda ocupara durante a dominação espanhola, ainda que fosse mediante indenização pecuniária. (MEIRELES, 1996, p. 72.) Os Estados Gerais não acreditando muito na duração da Restauração Portuguesa e alegando que as possessões foram conquistadas em guerra legítima com tropas lusitanas acordaram com os portugueses uma trégua válida por dez anos. Depois desse período tendo se resolvido a situação do governo lusitano assinariam um tratado de paz definitivo. O armistício entre as partes só seria válido a partir da data em que fosse assinado o acordo por ambos: As ssobredittas tregoas e ssuspenssao de todo acto de hostilidade teram seus effeito por tempo de dez anno en as terras emares pertencentes aodestritto da Iurdição concedida pollos senhores das ordeés geraes a Companhia das India Occidental destas Provincias des de a data, tanto que aratificação sobre este trattado em nome d’El Rey de Portugal neste lugar for apresentada, ea publica manifestaçaó das dittas tregoas esuspensaõ de todo acto de hostilidade chegar a qualquer parte das dittas terras emáres respeitivamente; desde o qual tempo hsica eoutra parte em as dittas terras eseus mares se abstenha de todo acto de hostilidade. (TRATTADO DAS TREGOAS E SUSPENSÃO..., 1641, p. 03) A notícia da Restauração Portuguesa e das pazes com a República das Províncias Unidas do Norte foi recebida com muita alegria pelos habitantes da cidade de São Luís. O governador do Maranhão neste período, Bento Maciel Parente escreveu para ao Pará contando a novidade: “Foi nosso Senhor, servido dar-nos Rey Portuguez, o qual he D. João IV, Duque que até agora foy de Bragança, está jurado, e obedecido geralmente em todo o Reyno de Portugal, e suas ilhas, sem custar sangue, nem morte(..) guarde-no-lo Deos muito annos” (BERREDO,1905, p..04.) Maurício de Nassau soube do armistício pelo Marques de Montalvão e em prova de satisfação enviou onze prisioneiros de guerra que estavam com os neerlandeses. O governador-geral da Nova Holanda “por debaixo dos panos” recebeu dos Estados Gerais ordens para apressar a conquista de domínios, pois, ao ser firmada a paz definitiva as terras conquistadas ficariam sobre o domínio neerlandês pelo princípio do utis possidetis. (MEIRELES, 1996, p. 73) Segundo Carlos de Lima a conquista do Maranhão já vinha sendo recomendada desde 1637: “Gedeon Morris, incitava a Câmara holandesa a ocupar as terras o Maranhão, acenando exagerados benefícios: belos açúcares, fumos, algodão, laranjas, anil, tintas, óleos e belíssimos gengibres , ceras e madeiras”. (LIMA, 2006, p. 285)

106

Os Países Baixos foram domínio dos Habsburgos espanhóis desde 1515 com Carlos V (1500-1558) e passaram a Filipe II, seu filho (1527-1598). A repressão religiosa feita ao calvinismo, doutrina reformada muito difundida nessa região, levou ao movimento de emancipação dos Países Baixos do Norte em 1568 que passou a ser chamada de República das Províncias Unidas do Norte, mas, foi só reconhecida em 1648 pela Espanha. Esta luta ficou conhecida como Guerra dos Oitenta Anos. (PEREIRA, 2012, pp. 21-22)

Este Gedeo Morris, era capitão, foi preso pela prática corso na região e cumpriu pena de oito anos de prisão no Grão-Pará e, quando retornou às Províncias e apresentou a possibilidade de invasão ressaltando a extensão de quatrocentas léguas de costa, com muitas especiarias e habitadas por no máximo 1.500 portugueses que estavam dispersos pelo Maranhão , Cametá e Grão-Pará. Acentuou também que os gentios não se davam bem com os lusos. (MEIRELES, 1991, p. 75.) Segundo Barléus as razões da conquista do Maranhão eram que primeiramente se alargariam as conquista da Companhia reforçando as anteriores. Os gentios com o tempo auxiliariam e muitos e acostumariam aos costumes holandeses. Quanto ao comércio, seria uma desvantagem aos portugueses e a localização geográfica era ótima para incursões nas “ilhas do Mar Setentrional, Hispaníola, Cuba, Jamaica, Pôrto Rico e as costas do continente ocidental”. O clima era convidativo “pela salubridade do clima, pela urbedade do solo para prodizir açpucar, algodão gengibre e tabaco, pelo comércio do sal e pela esperança de minas”. (BÁRLEUS, 1940, p. 232.) Mário Meireles acentua que em 1620 o Maranhão estava em segundo lugar na produção de açúcar (16, 36%) no Erário Real do Brasil. Somente abaixo da Bahia que detinha 31, 2%. (MEIRELES, 1991, p. 74) Assim, em 25 de novembro de 1641 chegou a São Luís e aportou na região do Desterro uma esquadra neerlandesa composta de 18 navios de guerra, sob o comando do almirante Johan Cornellizon Lichthardt e o coronel Koen comandando a tropa terrestre de dois mil homens enquanto a população assistia a tudo, bestializada. Considerações finais Os neerlandeses ocuparam o nordeste pelo desejo de conquistar as áreas açucareiras: primeiramente a Bahia e Pernambuco que eram os principais centros desse sistema produtivo. Logrado sucesso em Pernambuco e não na Bahia procuraram invadir todo o território do Nordeste atual. A Restauração Portuguesa abriu a possibilidade de reatar as relações perdidas pelo domínio espanhol, mas, antes da paz definitiva era necessário conquistar o Maranhão. Referências Bibliográficas BÁRLEUS, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no brasil e noutras partes sob o govêrno do illustrissimo João Maurício conde de Nassau.. Rio de Janeiro, Ministério da Educação, 1940. Berredo, Bernardo Pereira. Annaes Históricos do Estado do Maranhão. Vol. II. Florença: Tipografia Barbera, 1905. BOXER, Charles. O império Marítimo Português, 1415-1825. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. CARDOSO Alirio; CHAMBOULEYRON, Rafael. "Cidades e vilas da Amazônia colonial". Revista de Estudos Amazônicos: v. IV, 2009, p. 37-51. LIMA, Carlos de. História do Maranhão. Vol. 1. 2 ed. São Luís: Instituto Geia, 2006. LOPEZ, Adriana. Guerra, açúcar e religião no Brasil dos Holandeses. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2002. _____________. História do Brasil: uma interpretação. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2008.

MEIRELES, Mário. Holandeses no Maranhão (1641-1644). São Luís: PPPG, EDUFMA, 1991. MELLO, Evaldo Cabral de. O Brasil holandês (1630-1654). São Paulo: Penguin Classics, 2010. ___________________. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 9ª Edição, Campinas, SP: Pontes Editores, 2010. SODRÉ, Nelson Werneck. História Militar do Brasil. 2ª Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2002. PEREIRA, Joyce Oliveira. Em nome do Deus dos Exércitos: a teologia política Antônio Viera no contexto das invasões neerlandesas na Bahia (1624-1641). 2012. Monografia (Graduação em História) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA. VAINFAS, Ronaldo. Jerusalém Colonial: judeus portugueses no Brasil Holandês. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. Referências eletrônicas Mapa de Mercator. Disponível em edupaz.blogspot.com.br. Acesso em 29/07/2012 às 10:49. Trattado das tregoas e suspensao do todo o acto de hostilidade e bem assi de navegaçao, commercio e juntamente socorro, feito começado e accabado em Haya de Hollande a Xij de iunha 1641(..). Haia : Em caza da Viuva e Erdeiros de Ilebrandt Iacobson van Wouw, Imprimidor Ordinario dos muy altos e poderosos Senores Estados Generais, 1642. Disponível em < http://www.brasiliana.usp.br/bbd/handle/1918/01936100> Acesso em 07/07/2012 às 12:02.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO MARANHÃO COMISSÃO DE COMEMORAÇÕES DOS 400 ANOS DE FUNDAÇÃO DE SÃO LUÍS PORTARIA 03/IHGM, de 15/12/2010 CICLO DE ESTUDOS/DEBATES –

A CIDADE DO MARANHÃO – UMA HISTÓRIA DE 400 ANOS 2011 – 2012 SEMINÁRIO 6 – SÃO LUÍS FOI FUNDADA POR QUEM? CONCLUSÕES POSSÍVEIS 05 DE SETEMBRO DE 2012 – PALÁCIO CRISTO REI

Brasão de João de Barros Brasão de Aires da Cunha

Brasão de La Ravardiére

EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CURADORIA: ANTONIO NOBERTO; CLORES HOLANDA; JOANA BITTENCOURT

05/SETEMBRO/2012 PALÁCIO CRISTO REI – 08:00 ÀS 18:00 HORAS SEMINÁRIO 6 - SÃO LUÍS FOI FUNDADA POR QUEM? – CONCLUSÕES POSSÍVEIS 08:00 – Abertura EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CURADORIA: ANTONIO NOBERTO; CLORES HOLANDA; JOANA BITTENCOURT

08:15 - Conferencia Magna ANA LUIZA ALMEIDA FERRO – IHGM - A FUNDAÇÃO DA CIDADE DE SÃO LUÍS: fatos e mitos 09:15 – Intervalo (café) 09:15 - Sessão de Pôsteres 09:30 – Debatedor: ALEXANDRE FERNANDES CORREA – IHGM; UFMA/CRISOL - A FUNDAÇÃO MÍTICA DE CIDADES: Elementos para a ritanálise da Bigfesta dos 400 anos de São Luís. 10:30 – Debate com a plenária 15:00 – EXPOSIÇÃO FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CURADORIA: ANTONIO NOBERTO; CLORES HOLANDA; JOANA BITTENCOURT

PROJETO GONÇALVES DIAS 1 - Apresentação do andamento das atividades do Projeto “Projeto Mil Poemas para Gonçalves Dias" por Dilercy A. Adler 2- Mostra de poesias da Antologia “Mil Poemas para Gonçalves Dias" (apresentação/declamação) de algumas poesias de autoria dos alunos da EPFA, de autores de São Luís, Caxias, de outros Estados do Brasil e do estrangeiro. 3- Apresentação do samba enredo da Mangueira (Canção do exílio), de 1958 pelos alunos da EPFA. – EXPOSIÇÃO ORAL SEMINÁRIOS 4, 5, E 6 Sessão de Pôsteres

17:00 – LANÇAMENTO DE LIVROS/TARDE DE AUTÓGRAFOS Telma Reinaldo e Euges Lima (Coordenação)

ALDY MELLO: O ENCONTRO ÁLVARO MELO: "Apontamentos para literatura de São Bento" "Mistérios da Vila de São Bento" ANA LUIZA ALMEIDA FERRO: O náufrago e a linha do horizonte: poesias "Versos e anversos" ANTONIO NOBERTO: FRANÇA EQUINOCIAL PARA SEMPRE CÉLIO SARDINHA: "Candido Ribeiro: O maior Industrial do Maranhão DILERCY ADLER: TINKUY MARIA ESTERLINA : “Santo Amaro” MARIA HÉLIA : "Murmurios do Pensamento" : "Ramagens de emoções" OSVALDO PEREIRA ROCHA: ‘MAÇONARIA E MAÇONS – Um Pouco de História” RAIMUNDO NOGUEIRA: "Canal do Arapapaí"

A FUNDAÇÃO DA CIDADE DE SÃO LUÍS: FATOS E MITOS

ANA LUIZA ALMEIDA FERRO Daniel de la Touche e François de Razilly não fundaram a cidade de São Luís em 1612, apenas uma colônia de duração efêmera. Ou nem isso. Os franceses, como piratas ou corsários, invadiram o norte do Brasil, uma legítima possessão portuguesa na época. O dia 8 de setembro de 1612 marca tão somente a realização de uma cerimônia gaulesa de tomada de posse da terra e de celebração do início da catequese dos indígenas pelos missionários capuchinhos. La Ravardière era um herege. Tudo o que os franceses construíram, inclusive o Forte São Luís, feito de madeira e palha, era precário, não definitivo. Talvez nem houvessem decidido se a sede da pretendida colônia seria mantida na Ilha de São Luís. Os cronistas religiosos da missão jamais falaram em edificação de uma cidade. Deus estava do lado dos lusos e Nossa Senhora foi o seu instrumento na Batalha de Guaxenduba. Os portugueses heroicamente expulsaram os invasores da terra maranhense, reconquista essa sacramentada com a entrega do Forte São Luís por La Touche a Alexandre de Moura em 1615, e o comandante Jerônimo de Albuquerque, seguindo disposições da Corte de Madrid, fundou a cidade de São Luís no mesmo sítio antes ocupado pelos gauleses, que nada deixaram que se assemelhasse a uma cidade. Foi Albuquerque, valente brasileiro, filho de um português com uma índia, quem deu organização física e institucional à novel cidade, com casas melhores do que os tugúrios erguidos pelos gauleses, por meio do plano elaborado por Francisco Frias de Mesquita, Engenheiro-mor do Brasil. O herói vitorioso batizou-a de São Luís, porque a ilha já era assim conhecida em razão da fortaleza francesa, porque desejava preservar a memória de sua vitória em Guaxenduba ou porque tencionava homenagear um santo. A interpretação da fundação francesa de São Luís não passa de um mito, criada e defendida a partir do limiar do século XX por intelectuais vinculados à Academia Maranhense de Letras, o grupo dos Novos Atenienses, como mais uma expressão do culto às origens francesas do Maranhão, fomentado desde o crepúsculo do século XIX pelas suas elites decadentistas, visando ao reforço da noção da identidade singular do Maranhão. Esta é, em linhas gerais e simplificadas, com variações dependendo do arauto, a formulação do que denominaremos cá de mito da “fundação” portuguesa da cidade de São Luís. Mas o que é um mito? Há dois mitos concorrentes sobre a fundação da cidade, o francês e o lusitano?

Em sua obra Mito e realidade, Mircea Eliade, advertindo que o mito é uma “realidade cultural extremamente complexa, que pode ser abordada e interpretada através de perspectivas múltiplas e complementares”, e admitindo que não é fácil cravar uma definição que seja, simultaneamente, acolhida por todos os eruditos e acessível aos leigos, apresenta uma que se lhe afigura menos imperfeita, pela sua amplitude: “o mito conta uma história sagrada; ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial, o tempo fabuloso do ‘princípio’.”107 Ela divide os mitos em cosmogônicos e de origem: os primeiros se concentram na criação do cosmo, do mundo; os últimos se dedicam à origem de algo, pressupondo e prolongando a cosmogonia. 108 Em termos de estrutura e função, Eliade exibe algumas das características do mito, no contexto da experiência das sociedades arcaicas: a) ele representa a história dos atos dos entes sobrenaturais; b) tal história é tida como absolutamente verdadeira, uma vez que diz respeito a realidades, e sagrada, pois constitui obra dos entes sobrenaturais; c) o mito tem sempre como objeto uma “criação”, narrando como algo passou a existir ou como um padrão de conduta ou outra coisa foram firmados, motivo pelo qual os mitos desempenham o papel de paradigmas de todos os atos humanos expressivos; d) o conhecimento do mito implica o conhecimento da “origem” das coisas, permitindo que estas sejam dominadas e manipuladas à vontade, de modo que tal conhecimento não é “exterior”, “abstrato”, porém “vivido” ritualmente, quer pelo relato cerimonial do mito, quer pela condução do ritual por ele justificado; e) o mito é, de uma forma ou de outra, “vivido”, “no sentido de que se é impregnado pelo poder sagrado e exaltante dos eventos rememorados ou reatualizados”.109 A autora igualmente ressalta que “alguns aspectos e funções do pensamento mítico são constituintes do ser humano”; que, no curso da História, alguns mitos foram despidos de sua significação religiosa e outros permaneceram em vigor, substituindo a consecução do “essencial” mediante meios rituais pela obtenção do “essencial” mediante um movimento de “voltar atrás”, por um esforço do pensamento; que o prestígio de que usufruía o “retorno às origens” nas sociedades arcaicas sobreviveu nas sociedades europeias; e, ainda mais revelador, que o mito, embora modificado e camuflado, “mais do que em qualquer outra parte, [...] sobrevive na historiografia”.110 No mito convivem contingências não suficientemente estudadas ou criadas por uma cultura na interpretação da realidade. Geraldo Prado pontifica que os mitos “atuam, entre outras maneiras, encobrindo a realidade e opondo idealizações às explicações derivadas do conhecimento das causas e condições de constituição da realidade”, sendo que a difusão do pensamento mítico, nesse caso, “aborta a historicidade própria do presente e apresenta as suas teses como verdades universais, e não contingentes.” 111 Por

* Promotora de Justiça-MA, Doutora e Mestre em Ciências Penais (UFMG), Professora da Universidade Ceuma e da ESMP/MA, Presidente da Academia Maranhense de Letras Jurídicas, Sócia efetiva do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (Cadeira 36), Membro efetivo da Academia Caxiense de Letras, Membro de Honra da Sociedade Brasileira de Psicologia Jurídica e integrante da Comissão Gestora do Programa Memória Institucional do Ministério Público do Estado do Maranhão. Autora de vários livros, entre os quais O Tribunal de Nuremberg e Crime organizado e organizações criminosas mundiais. 107 ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Tradução de Pola Civelli. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011. p. 11. 108 Ibidem, p. 25. 109 Ibidem, p. 21-22. 110 Ibidem, p. 100-102, 156-157. 111 PRADO, Geraldo Luiz Mascarenhas. Eficácia e funcionalidade e processo penal. In: GOMES, Abel Fernandes; PRADO, Geraldo Luiz Mascarenhas; SANTOS, William Douglas Resinente dos. Crime

outro prisma, conquanto um mito possa refletir uma falsa crença, não é sempre e necessariamente assim, porquanto o mito pode ser ao menos em parte verdadeiro.112 De fato, é possivelmente essa meio-verdade em sua estrutura que o faz tão fascinante e atraente às pessoas. Se não apresentasse qualquer conexão com o real, mínima que fosse, talvez não pudesse conquistar tantos espíritos das mais diversas posições e formações com duradoura frequência. Aliás, o Dicionário Houaiss registra, entre os significados do vocábulo “mito”: “narrativa acerca dos tempos heroicos, que ger. guarda um fundo de verdade”; “relato simbólico, passado de geração em geração dentro de um grupo, que narra e explica a origem de determinado fenômeno, ser vivo, instituição, costume social” (no campo da Antropologia); e “representação de fatos e/ou personagens históricos, amplificados através do imaginário coletivo e de longas tradições literárias orais ou escritas”.113 O que chamamos de mito da “fundação” portuguesa da cidade de São Luís ostenta perfeitamente as características apontadas pelos estudiosos. Trata-se de um mito de origem, que narra a “criação” da capital maranhense, isto é, a sua fundação, “o tempo fabuloso do ‘princípio’”, do ponto de vista lusitano. Constitui um movimento de “voltar para trás”, de “retorno às origens” da cidade, sob a ótica lusa, quando da conquista do Maranhão em 1615, em consequência do triunfo dos portugueses sobre os franceses comandados por La Ravardière e François de Razilly. Este mito foi construído por uma historiografia, alimentada por relatórios, cartas e outros documentos da época colonial, que, no período subsequente à conquista lusitana, vocalizaram as posições, interesses e preocupações das elites políticas ibéricas (da metrópole) e dos segmentos sociais que as representavam ou simplesmente as apoiavam no Maranhão, para os quais era importante “encobrir a realidade”, ou seja, apagar os traços da ocupação gaulesa efetuada pelas letras e pelas armas na Ilha de São Luís a partir de 1612 e, concomitantemente, tachá-la de invasão promovida por hereges (protestantes), em desacordo com a vontade divina (daí a “história sagrada” relatando a interferência da divina Providência em favor dos católicos lusos). E hoje tal mito sobrevive por meio de uma historiografia que desconsidera ou descontextualiza evidências histórias do feito de La Touche e Razilly, em prol da equivocada versão de que São Luís foi fundada pelos portugueses. Este mito oferece, desde a sua concepção original, idealizações no tocante à atuação dos lusitanos na formação da cidade (elevados, com todas as glórias, à categoria de heroicos conquistadores e fundadores de algo que já existia, que já fora fundado). Estas idealizações incluem, mormente a partir do século XX, a exaltação, ora sutil, ora arrebatada, da figura de Jerônimo de Albuquerque como símbolo de brasilidade, de afirmação da identidade e integridade nacional, por suas raízes mestiças (em referência a ações praticadas numa época em que o Brasil ainda nem sonhava em ser uma nação independente), em contraposição à presença do estrangeiro invasor, predominantemente retratado e atacado na figura do fidalgo Daniel de la Touche. Comenta Guy Martinière que, em nome de um discurso uniforme de construção “nacional”, na historiografia luso-brasileira, “toda alusão a um evento que não de organizado e suas conexões com o Poder Público: comentários à Lei nº 9.034/95: considerações críticas. Rio de Janeiro: Impetus, 2000. p. 120. 112

KENNEY, Dennis J.; FINCKENAUER, James O. Organized crime in America. Belmont, California: Wadsworth, 1994. p. 231. 113 MITO. In: HOUAISS; VILLAR. HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. p. 1300.

origem portuguesa na formação histórica do Brasil se via assimilado a uma ‘invasão’: tal era bem o caso das invasões ‘francesa’ e ‘holandesa’.” 114 O “Relatório de Alexandre de Moura sobre a expedição à Ilha do Maranhão e expulsão dos franceses”, datado de 24 de outubro de 1616 e dirigido ao monarca espanhol (ver ANEXO O), é um bom exemplo da retórica portuguesa de demonização dos súditos de Maria de Médicis, acoimados de “corsários” e “hereges”, na condição de ameaça continuada ao domínio luso no Brasil, nas searas intimamente ligadas da soberania e da evangelização: São terras que V. Magde deve mandar povoar e aproveitar asi para tirar ao Demonio tantas almas como ali possue E ouvera de possuir se estivera em poder de francezes hereges, como tambẽ pelo que se pode esperar de proveito a sua real fazenda, e quando nenhũa destas, pelas tirar de mãos de estrangeiros, que nellas hião fazendo hũ novo R no sendo continua escala de cosairos que ali se hião refazer de suas largas navegaçõis E a muita seguridade cõ que ficão a costa de guine do Brazil E a de Indias que dali infestavão.115 Ainda na primeira metade do século XVII, papéis da burocracia espanhola, hoje abrigados no Castelo de Simancas, referentes ao tempo da União das Coroas Ibéricas, referiam-se amiúde a La Ravardière como herege, a exemplo do “Parecer a propósito da mercê a ser concedida a La Ravardière”, de 11 de junho de 1617 (ver ANEXO Q), do “Parecer do Conselho de Estado sobre duas consultas do Conselho de Portugal”, de 20 de junho de 1617, e do “Parecer do Conselho de Estado ao rei Felipe IV”, de 3 de fevereiro de 1623.116 Bernardo Pereira de Berredo, governante do Maranhão de 1718 a 1722, na sua obra Anais históricos do Estado do Maranhão, originalmente publicado em 1749, é feraz em alusões críticas à suposta ilegitimidade política e religiosa dos franceses. Em um trecho, ao mesmo tempo em que elogia François de Razilly por seu “zelo mais católico” ao resistir às “diabólicas sugestões” do “mortal inimigo do gênero humano” e primar pela defesa da afirmação do catolicismo na França Equinocial, censura Daniel de la Touche por adotar a “errada seita de Lutero” e Claude d’Abbeville por não abordar, em função de “culpável política”, a deplorável presença, na colônia, de muitos protestantes, levados por La Ravardière. 117 Em passagem ulterior, ataca os dois líderes da expedição pela “notória violência do seu procedimento”:

114

115

116

117

MARTINIÈRE, Guy. São Luís, capitale du Maranhão, capitale rêvée de la France équinoxiale: the dream capital of equinoctial France. História, Franca, v. 30, n. 1, p. 254, June 2011. Available from Internet: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010190742011000100012&lng=en&nrm=iso>. Cited: 06 July 2012. (Tradução nossa). Esta é a frase em francês: “[...] toute allusion à un évènement autre que d’origine portugaise dans la formation historique du Brésil se voyait assimilé à une ‘invasion’: tel était bien le cas des invasions ‘française’ ou ‘hollandaise’.” Ver “Relatorio de Alexandre de Moura sobre a expedição á ilha do Maranhão e expulsão dos Francezes” em BIBLIOTHECA NACIONAL DO RIO DE JANEIRO. Annaes. Rio de Janeiro: Officina Typographica da Bibliotheca Nacional, 1905. v. 26, p. 202. Ver pareceres citados em DAHER, Andrea (Org.). Papéis da conquista do Maranhão (1612-1624). São Luís: Edições AML, 2009. p. 42-43, 95. BERREDO, Bernardo Pereira de. Anais históricos do Estado do Maranhão, em que se dá notícia do seu descobrimento, e tudo o mais que nele tem sucedido desde o ano em que foi descoberto até o de 1718: oferecidos ao Augustíssimo Monarca D. João V. Nosso Senhor. 4. ed. Rio de Janeiro: Tipo Editor, 1988. p. 54.

Vendo-se então os Senhores de la Ravardière, e Racily no domínio pacífico do Maranhão, formaram novas máquinas para dissimular a notória violência do seu procedimento; porque fazendo persuadir a todos os índios pelos seus intérpretes, que para melhor se assegurarem na proteção da França deviam procurar, que o real estandarte da nação fosse por eles arvorado naquele mesmo sítio: reconhecido já como cabeça da colônia [...].118 Mais adiante, o governador português desaprova Razilly – no episódio do regresso do nobre à França em companhia dos embaixadores indígenas a serem apresentados ao rei – por seu empenho na preservação da ocupação francesa no Brasil setentrional, enxergada como usurpadora: Não havia indústria, de que se não valessem os franceses para se conservarem no intruso domínio do Maranhão; e Racily, que era nele um dos mais empenhados, sabendo-se servir para o mesmo projeto da rudeza dos índios, levava seis na sua companhia ainda pagãos, com o título de embaixadores a el-rei cristianíssimo seu amo [...].119 Sobre La Touche, diz que, indubitavelmente, seria “dos mais ilustres de toda a França, pelas ações da sua vida, principalmente nos sucessos da guerra com o exercício de grandes empregos, se na parte mais essencial da imortalidade lho não escurecera com merecida lástima o detestável erro do luteranismo.”120 Comentando algumas dessas passagens, Andrea Daher, na apresentação ao livro Papéis da conquista do Maranhão (1612-1624), intitulada “A conquista do Maranhão em letras”, destaca que, nas letras portuguesas, a França Equinocial foi retratada como um fator de incômodo dentro da concepção do império lusitano, além de caracterizar a onda nacionalista e bibliófila do século XIX sobre a “invasão francesa” do Maranhão e a sua influência na historiografia do século XX: Nas letras portuguesas, foi como ‘elemento perturbador’ do estado de comunhão no império luso que foi representada a França Equinocial. Na História do Brasil, redigida por volta de 1627, frei Vicente do Salvador representa a heresia dos franceses do Maranhão [...]. Em meados do século XVIII, os Annaes Históricos do Estado do Maranhão, de Bernardo Pereira de Berredo, veicularam igualmente as mais severas críticas à tentativa de colonização francesa, e particularmente ao relato de Claude d’Abbeville. Berredo acusou o capuchinho de [...] silenciar sobre a ‘diversidade de religião’ da colônia francesa. Calcada ainda em documentos portugueses, a crônica histórica de Berredo visava denunciar não apenas o caráter herético, mas também usurpador da empresa [...]. Menos de um século mais tarde, o público teve acesso, pela primeira vez, aos documentos em língua espanhola e portuguesa que tratam da derrota francesa, com a publicação pela Academia das Ciências de Lisboa, em 1812, da coletânea intitulada Colleção de notícias para a história e geografia das nações ultramarinas que vivem nos domínios portuguezes..., em que se pode ler a ‘Jornada do Maranhão por ordem de S. Magestade feita o anno de 1614’ de Diogo de Campos Moreno. A voga nacionalista e 118

Ibidem, p. 61. Ibidem, p. 63. 120 Ibidem, p. 83. 119

bibliófila do século XIX permitiu ainda que o dossiê sobre a ‘invasão francesa’ do Maranhão se enriquecesse, exatamente um século depois, na primeira década do século XX, com toda uma série de documentos, divulgados pela iniciativa do Barão de Studart e da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Nesses papéis, redigidos à época por capitães, missionários e cronistas portugueses, a vontade de não deixar transparecer vestígios da presença efetiva dos franceses no Maranhão é manifesta, e perfeitamente compatível com a construção da positividade da representação da empresa francesa como ‘invasão estrangeira’ pelos historiadores e bibliófilos que os tornaram públicos, quase três séculos depois, na qualidade de peças para a composição da história pátria.121 Não somente estes relatos escritos por militares, administradores, religiosos e cronistas lusitanos ou lusófilos, produzidos no período colonial, notadamente francófobos, inspiraram toda uma historiografia posterior, mas também Portugal, livre da União Ibérica, submeteu o Brasil a um rígido controle sobre qualquer manifestação de cunho cultural, chegando, inclusive, a reprimir os esforços de implantação da imprensa em Pernambuco e no Rio de Janeiro. Jomar Moraes assim contribui sobre o tema: Ao lado dessas circunstâncias é preciso não esquecer que o obscurantismo reinante em Portugal impunha uma política de severa repressão ao desenvolvimento de qualquer manifestação cultural na Colônia, encarada principalmente como fonte supridora das necessidades materiais do reino. São bastante conhecidos os rigores com que Portugal reprimiu as tentativas de implantação da imprensa em Pernambuco e no Rio de Janeiro. Por outro lado, a difusão cultural através dos livros sofria as obstaculizações de uma rigorosa lista proibitiva cuja inobservância importava em sanções legais. Mesmo assim, a partir do século XVII têm início na Colônia as primeiras manifestações literárias, como pálido prenúncio de uma atividade que só encontraria a plenitude de seu desenvolvimento depois da Independêcia (sic).122 No Maranhão, a situação não era diferente, como discorre Rossini Corrêa: O Convento das Mercês e o Seminário de Santo Antônio contaram com livrarias numerosas, compostas por milhares de volumes, em uma colônia proibida de ter tipografia, por sucessivas e ameaçadoras Ordens Régias, dispostas sempre a reafirmarem a necessidade das licenças da Inquisição e do Conselho Ultramarino, para os livros serem impressos na metrópole, sob o pretexto de que, nela, os serviços gráficos eram mais baratos, não havendo necessidade de realização de despesas superiores na Colônia do ultramar americano... Enfrentar o desafio da censura régia poderia resultar prisão e as penas decorrentes dessa ousadia literária deveriam ser cumpridas em Portugal. A 121

DAHER (Org.). Papéis da conquista do Maranhão (1612-1624), p. VII-VIII. Ver igualmente DAHER, Andrea. O Brasil francês: as singularidades da França Equinocial, 1612-1615. Tradução de Albert Stückenbruck. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 27-28. 122 MORAES, Jomar. Apontamentos de literatura maranhense. 2. ed. São Luís: Sioge, 1977. p. 4.

Espanha, ibérica como os lusitanos, colonialista como os portugueses, não foi, como Portugal, refratária à fundação de universidades coloniais. À diferença do Peru e do México, o Brasil, só muitíssimo tardiamente conheceu a experiência universitária. Refeudalizada a sociedade portuguesa, com perseguição profunda ao capital mercantil judaico, houve um vigoroso regresso à mentalidade do medievo ossificado, cuja tradição moderna estaria presente no espírito da Contra-Reforma, diretivo da formação social brasileira.123 E se a Independência, em 1822, abriu caminhos para a liberdade de expressão literária e historiográfica no Brasil, não nos esqueçamos de que apenas no dia 28 de julho de 1823 foi solenemente proclamada a adesão do Maranhão à Independência do Brasil, quase um ano depois da proclamação desta última, dado que o Maranhão “foi antes um reduto da lealdade à Coroa, graças a seu contato mais íntimo, até às vésperas da independência, com a metrópole do que com o Brasil”, de forma que, neste estado colonial, a influência lusitana era tão grande que a adesão se fez mediante “ação de fora para dentro, forçada, haja vista que em nossa província não se haviam ainda oferecido manifestações bastantes que nos permitam reconhecer que aqui tenha havido, internamente, clima para uma adesão espontânea imediata”, conforme ensina Mário Meireles.124 Por conseguinte, até pelo menos o primeiro quartel do século XIX, eram praticamente inexistentes ou muito precárias as condições para que prosperassem no Maranhão interpretações favoráveis ao reconhecimento do papel de fundadores da cidade de São Luís, desempenhado por Razilly e La Ravardière. Também a França contribuiu para lançar um manto de obliteração sobre a rica memória da França Equinocial nos dois primeiros séculos que se seguiram à queda da colônia do Maranhão. Embora tenha logrado a permissão real para a impressão de sua Suitte de l’histoire des choses plus memorables advenuës en Maragnan, és annees 1613 & 1614, Yves d’Évreux não teve a satisfação de ver a obra chegar ao público, porquanto os seus exemplares foram destruídos ainda nas oficinas do editor François Huby, por ordens superiores, no interesse de não comprometimento da aliança franco-hispânica, cujo ápice foi o casamento do Rei Luís XIII com Ana d’Áustria em novembro de 1615. Afortunadamente, François de Razilly conseguiu salvar um exemplar, porém mutilado, com que ele presenteou o soberano em 1617. O livro foi parar na Biblioteca SainteGeneviève, até ser finalmente encontrado pelo historiador Ferdinand Denis em 1835, que providenciou a sua publicação, em edição comentada, em 1864. Outros dois exemplares foram salvos. Todavia, mesmo do original conservado na Biblioteca Pública de Nova York, considerado o mais completo, faltam, por exemplo, na seção do Primeiro Tratado, parte do importantíssimo Capítulo III, dedicado à construção do Forte São Luís, a totalidade dos capítulos IV e V e o começo do Capítulo VI, além de um número indeterminado de capítulos finais, integrantes do Segundo Tratado. A perda é deplorável, principalmente para os anais da História, conquanto em nada prejudique o reconhecimento das origens gaulesas de São Luís, suficientemente estabelecidas no conjunto dos registros, tanto franceses quanto ibéricos, disponíveis. Deve ser sublinhado, por outro ângulo, que os capítulos desaparecidos talvez viessem a oferecer

123

CORRÊA, Rossini. Atenas Brasileira: mito & realidade: a arte de tirar leite das pedras. Jornal Pequeno, São Luís, 3 mar. 2012. Suplemento Cultural & Literário JP Guesa Errante, p. 3. 124

MEIRELES, Mário Martins. História do Maranhão. 3. ed. São Paulo: Siciliano, 2001. p. 206.

ainda mais elementos sobre os progressos da colônia, pois Yves d’Évreux permaneceu no Maranhão por dois anos, muito mais do que os quatro meses de Claude d’Abbeville. Andrea Daher evidencia que os portugueses conquistaram o Maranhão não apenas pelas armas, mas igualmente pelas letras, e que estes promoveram uma autêntica “fundação letrada” da cidade de São Luís, por intermédio de textos como os de Luiz Figueira e Simão Estácio da Silveira: No lastro da fundação do Estado do Maranhão, em 13 de junho de 1621, toda uma série de textos, publicados em Portugal, veio coroar a vitória contra os franceses e integrá-la à propaganda xenófoba. O Maranhão seria definitivamente português, por armas e por letras. A ‘proto-história’ da cidade de São Luís foi marcada por uma verdadeira caça ao estrangeiro invasor baseada, primeiro, no avanço das expedições militares portuguesas e, em seguida, na destruição do sistema de alianças comerciais franco-tupi, pela substituição vitoriosa do modo português de colonização e de evangelização das populações locais. Todas essas estratégias político-militares não deixaram, evidentemente, de ser corroboradas por estratégias letradas. Não é difícil constatar, em perspectiva histórica, que a fundação territorial se dá tanto pela ocupação militar quanto pelos discursos. A noção de ‘fundação’ reativa a tópica muito antiga das letras e das armas, presente especialmente em discursos demonstrativos coloniais que louvavam ou vituperavam, prenunciando através da tópica o destino heroico da colonização levada a cabo por portugueses grandiosos na prudência da administração. Dessa forma se deu a ‘fundação letrada’ de cidades como São Sebastião do Rio de Janeiro e, pouco mais de meio século mais tarde, São Luís do Maranhão. Relatos como os do jesuíta Luiz Figueira ou o de Simão Estácio da Silveira, ainda nas primeiras décadas do século XVII, vieram preencher essa função de fundação letrada de São Luís. Tal como o poema épico De Rebus Gesti Mem di Saa e o auto de Na festa de São Lourenço, de José de Anchieta, que representam a providencial vitória lusa sobre o invasor francês no Rio de Janeiro, esses relatos veiculam representações de hereges usurpadores, inimigos do Império e de Deus. Neles, o recurso narrativo de amplificatio, consistindo na repetição de um episódio por vezes já descrito em relatos anteriores, acrescido de sentenças laudatórias, sustenta a fundação letrada na chave providencialista do Estado monárquico português.125 Os escritos Relação de vários sucessos no Maranhão e Grão-Pará (1631) e Memorial de terras e gentes do Maranhão e Grão-Pará (1637), do Padre Luiz Figueira, são exatamente o tema de um artigo de Aline Bezerra de Menezes, publicado em 2005, no qual esta disseca as estratégias de cunho teológico e político que os tornam relatos de “fundação” de São Luís, atuando como um instrumento de legitimação da conquista lusa, por obra da Providência, de maneira a incluir a cidade no corpo do Império lusitano.

125

DAHER (Org.). Papéis da conquista do Maranhão (1612-1624), p. XXI-XXII.

Ela sublinha que os textos do jesuíta Luiz Figueira, nascido em Almodóvar em 1574, assemelham-se às crônicas religiosas, mais próximas de “relatos míticos do que históricos”, e que a fundação letrada da cidade de São Luís pelos portugueses implicava o esforço de estabelecimento da ilegitimidade dos colonizadores franceses que os antecederam na ilha, enquadrados como hereges e usurpadores, e a necessidade de apagamento dos traços das realizações do “invasor” derrotado: A partir da retomada do Maranhão aos franceses, a fundação da nova cidade deveria ser feita com base na negação da legitimidade do “invasor”. Isto significa a tentativa de apagar as marcas deixadas pelo estrangeiro para dar lugar à ocupação legítima. Nesses textos, aparecem veiculadas as imagens do francês como invasor herege e usurpador, como aquele que deveria ser rechaçado, dando lugar, evidentemente, ao legítimo conquistador.126 A autora aponta a relevância desses escritos para as elites sociais lusitanas dos séculos XVI e XVII, dentro de um processo de formação de um sentimento nacional: Para o caso específico dos escritos de Luiz Figueira, consideramos que se inscrevem também em uma trajetória que privilegia as descrições escritas que, segundo Bethencourt, ganharam uma maior importância nos séculos XVI e XVII entre a população letrada, pois as informações sobre o território português faziam parte de uma movimentação das elites sociais no sentido de conhecer Portugal através dessas representações escritas. Desta forma, esses textos adquiriram grande importância para a elite letrada da época, inserindo-se em um possível conjunto de gêneros em voga no período. Observando o modo como as elites sociais se movimentaram no processo de formação de um sentimento nacional português, Bethencourt aponta para a importância das descrições territoriais escritas que ganharam força neste contexto [...].127 Ela também ressalta que a legitimidade da conquista militar lusa do Maranhão encontrava justificação na ideia de que Portugal era especialmente privilegiado por Deus na medida em que cumpria a Sua vontade e combatia os hereges gauleses, “invasores” da terra destinada a ser incorporada ao reino divino, numa inseparável associação entre os interesses da Coroa e da religião, regida pelo binômio formado pelos símbolos da espada e da cruz, o que se traduzia na escrita jesuítica de Luiz Figueira: Assim, acreditava-se que Portugal dispunha de uma particular proteção divina, que se caracterizava por uma espécie de contrato entre Deus e os lusos onde estes eram protegidos na medida em que cumpriam os seus mandados. A partir dessas considerações, percebemos que a empresa da conquista do Maranhão está inserida em uma ordem teológico-política que assegura a legitimidade do empreendimento português através dos interesses da fazenda e da fé, que são indissociáveis neste momento. A empresa colonial era guiada por uma finalidade superior, que transcendia sua dimensão prática e instrumental e, mais ainda, porque ‘a expansão 126

MENEZES, Aline Bezerra de. Os escritos do Padre Luiz Figueira e a fundação de São Luís no Maranhão. Mneme – Revista de Humanidades, Caicó, v. 7, n. 16, p. 129, jun./jul. 2005. Disponível em: <http://www.periodicos.ufrn.br/ojs/index.php/mneme/article/view/300/276>. Acesso em: 24 ago. 2012. 127

Ibidem, p. 132.

portuguesa, inscreve-se no sentido meta-histórico da história – a dilatação do reino de Deus – é não só querida e aprovada, mas até sobrenaturalmente apoiada pelas forças celestes.’ Assim, os relatos de aparições de santos durante as batalhas com franceses e os apelos ao sagrado eram utilizados para explicar, justificar e legitimar a conquista do Maranhão, configurando uma batalha pelas armas e pelas letras. [...] A conquista da América – circunscrita em uma ordem teológico-política onde Estado e religião não são esferas separadas – teve como uma das principais bases de apoio a atuação do braço espiritual das coroas ibéricas. [...] Ao longo do texto Luiz Figueira relata várias ocasiões em que Deus beneficiou os portugueses em detrimento dos hereges, provando assim que a Divina Providência os acolhia. [...] Ainda com o intuito de agradar o destinatário, Luiz Figueira afirma que Deus protege a colônia do Maranhão como um hortelão ao seu jardim, resguardando-o dos perigos e confiando nos frutos que são as virtudes cristãs e a propagação da fé. Desta maneira, percebe-se que há também expressa a tópica do alargamento do império, pois quando a fé cristã se expande aos homens através dos portugueses, alarga-se também o poder temporal sobre os territórios. [...] Podemos observar, também nesse trecho, que a colônia do Maranhão estaria defendida por Deus, primeiramente pela atuação das ordens religiosas e também por meio das armas do rei que lutam contra os inimigos. Esses inimigos são tidos por hereges que agem como animais, tentando destruir a planta da boa fé católica recém-implantada no Maranhão. Assim, observamos que o binômio cruz e espada marcou definitivamente a conquista da América portuguesa. [...] Luiz Figueira compara os sucessos dos portugueses no Maranhão com a punição de Deus sobre os filhos de Israel e conclui que, se houve sucessos no Maranhão contra holandeses e franceses, significa que Deus favoreceu e apreciou o andamento da colônia. Mais uma vez observa-se a interpretação dos acontecimentos como sinais da vontade divina e a direção dos escritos do gênero histórico, no sentido de ensinar através de relatos de fatos que sempre comunicam exemplos pios de conduta. [...] A partir do estudo dos escritos de Luiz Figueira, identificamos suas principais tópicas e percebemos as linhas de um projeto colonial português para a fundação da cidade cristã no Brasil. A escolha de São Luís para este estudo se dá por dois motivos: em primeiro lugar, porque foram grandes os obstáculos para se implantar a colônia do Maranhão, uma vez aniquilado o

projeto da França Equinocial. Em segundo lugar, pela relevância e repercussão que esses episódios tiveram nas letras seiscentistas, em documentos administrativos, cartas, crônicas, histórias etc. Tais escritos comunicam a exemplaridade dos fatos, tanto os bons quanto os maus. No caso do Maranhão, o exemplo a ser seguido era o da combatividade e lealdade dos homens em torno da missão de expulsar os franceses e fundar uma cidade católica. Os maus exemplos estavam relacionados à falta de cuidados espirituais com o gentio e do que isso poderia acarretar de prejuízos para a Coroa e também para o serviço de Deus.128 Por derradeiro, Aline Menezes antecipa, partindo da análise dos textos do padre, as conclusões de Andrea Daher sobre a “fundação” da cidade de São Luís, realizada pelos lusitanos, tanto pelas armas quanto pelas letras, ao mesmo tempo em que sugere o caráter mítico desses escritos, forjadores de uma memória: Desta maneira, a partir das letras, assim como das armas a cidade de São Luís é fundada. Ao se referir à necessidade de manter os índios nas aldeias para evitar que fossem escravizados e obter sucesso na sua conversão, ao tratar dos deveres de administradores e colonos, ao louvar as atuações dos religiosos, Figueira estava definindo os lugares e os papéis dos indivíduos no corpo do império. A fundação de São Luís é, portanto, exemplar, representada pela batalha contra os heréticos, espelhando as guerras de religião entre católicos e protestantes em andamento na Europa. [...] Neste sentido, os relatos aqui examinados participam da fundação de São Luís, na medida em que forjam uma memória desses acontecimentos. Esta memória está atrelada à interpretação jesuítica dos fatos, enquadrados em uma realidade que é divina, regida pela Providência.129 A concepção de que Portugal usufruía de uma particular proteção de Deus pode ser exemplarmente identificada na lenda de que os portugueses, em um momento crucial de desânimo na Batalha de Guaxenduba, receberam o auxílio de Nossa Senhora na forma de uma bela e cintilante mulher, a qual teria transformado o que colhia do chão em munição para os lusos contra os franceses hereges, chefiados pelo huguenote Daniel de La Touche, e os tupinambás pagãos,130 à semelhança de São Sebastião no

128

Ibidem, p. 133, 135-137, 140-141, 152. Ibidem, p. 153, 155-156. 130 Conta Jomar Moraes sobre o chamado milagre de Guaxenduba: “Em 1614, dois anos depois da ocupação francesa, os portugueses, sob o comando de Jerônimo de Albuquerque, iniciaram a grande investida belicosa pela retomada do Maranhão. Como a Ilha de São Luís estivesse ocupada pelo inimigo, os lusitanos ergueram no continente, defronte da Baía de São José, o Forte de Santa Maria. A 19 de novembro deu-se o grande confronto entre as duas tropas rivais, e logo parecia claro que os portugueses sairiam derrotados, pois estavam em grande inferioridade de armas, munições e combatentes. Quando ânimo dos soldados de Jerônimo de Albuquerque já começava a abater-se por completo, ante a evidente supremacia das hostes ao comando do huguenote Daniel de La Touche, Senhor de La Ravardière, apareceu entre os portugueses, envolta por uma auréola resplandecente, uma bela mulher que, ao contato de suas mãos milagrosas ia transformando a areia em pólvora e as pedras em projéteis. Tomados de grande revigoramento moral em face de tão consoladora e providencial presença, os soldados portugueses logo reverteram os lances do combate e facilmente impuseram aos franceses a mais completa derrota. Em reconhecimento a esse feito, a Virgem-Mãe foi aclamada 129

“combate das canoas” no Rio de Janeiro em 1566, quase meio século atrás, o qual teria combatido ao lado dos lusitanos contra outros gauleses hereges e os tamoios pagãos. Patenteia o Padre José de Morais, em meados do século XVIII, que a lenda já era de muito corrente: Foi fama constante (e ainda hoje se conserva por tradição) que a Virgem Senhora fora vista entre os nossos batalhões animando os soldados em todo o tempo do combate, retardando-se milagrosamente a enchente da maré para complemento da vitória~; e por esta causa lhe dedicaram depois os portugueses o primeiro templo na cidade de São Luís, que é hoje sé episcopal, com o título de Nossa Senhora da Vitória [...].131 Sintomaticamente, a campanha vitoriosa dos portugueses é chamada de “Jornada Milagrosa”. Bem enraizada, portanto, no mito da “fundação” portuguesa da cidade de São Luís a presença de uma “história sagrada”, cara aos mitos em geral, desde as eras primordiais da humanidade. Este mito, como manda a tradição, também é parcialmente verdadeiro, tem um “fundo de verdade”: os portugueses efetivamente conquistaram o Maranhão, mas não o reconquistaram, porque Aires da Cunha, Luís de Melo da Silva e outros que antecederam os franceses da expedição de 1612 jamais haviam logrado êxito nesse propósito; o dia 8 de setembro de 1612 marca a condução de uma cerimônia gaulesa de tomada de posse da Ilha do Maranhão, contudo serve igualmente de marco da fundação da cidade de São Luís; Jerônimo de Albuquerque, de fato, dedicou-se à urbanização de São Luís, de que esta necessitava, porém não fundou a cidade, iniciada por Razilly e La Ravardière, tanto que não ousou mudar-lhe a denominação, dada pelos inimigos vencidos; o grupo dos Novos Atenienses realmente defendeu a interpretação da atribuição da fundação da cidade aos franceses, todavia esses intelectuais não a criaram, pois ela já existia antes do século XX e não estava restrita à posição de Ferdinand Denis, tratando-se, na verdade, do resgate da memória de um fato histórico, por longo tempo desestimulada e sufocada pelos ibéricos, especialmente pela metrópole portuguesa em relação à sua colônia sul-americana, e por seus aliados. O mito português, destarte, reúne todos os elementos clássicos do gênero: relato de uma “criação”, permitindo o conhecimento das “origens”, do “tempo fabuloso do ‘princípio’”, dos “tempos heroicos”; representação de figuras e fatos históricos idealizados, amplificados e glorificados por meio de tradições literárias; manipulação do real, de feição a ocultar ou subestimar aspectos do fato não enquadráveis na narrativa tida como verdadeira e a sobrevalorizar e exagerar alguns aspectos selecionados; e presença do elemento sobrenatural ou sagrado. Na atualidade, o mito analisado exibe seis características bastante peculiares: a) desqualificação da historiografia (dominante) que propugna o reconhecimento aos franceses do papel de fundadores da cidade de São Luís, tachada de “não científica” (simples repetidora acrítica de posicionamentos de trabalhos anteriores) ou de mera expressão dos interesses e anseios das elites do Maranhão;

131

padroeira da Cidade de São Luís, com o nome de Nossa Senhora da Vitória.” MORAES, Jomar. O rei touro e outras lendas maranhenses. 2. ed. Imperatriz: Ética, 2008. p. 27-28. MORAIS, Padre José de. História da Companhia de Jesus na extinta Província do Maranhão e Pará. Rio de Janeiro: Editorial Allhambra, 1987. p. 48.

b) desqualificação dos autores que defendem as origens gaulesas de São Luís, historiadores ou não, pesquisadores ou não, visualizados como “não cientistas” e como meros reprodutores de uma versão mítica francófila; c) desqualificação dos fundadores da França Equinocial e de suas realizações e exaltação do papel desempenhado pelos vencedores de Guaxenduba; d) escolha de Daniel de la Touche como antagonista do herói Jerônimo de Albuquerque; e) subvalorização do papel do indígena na fundação da cidade e na disputa francoportuguesa pelo Maranhão; f) mecanismo de projeção de seus traços característicos como mito para um alter, mediante a identificação de um suposto “mito” da fundação francesa de São Luís, o que denominamos “visão de espelho”. Antes de passarmos ao exame da configuração do mito português em textos de autores modernos, vejamos o que pode ser compreendido como fundação de uma cidade. Segundo o Dicionário Houaiss, fundar significa “assentar as fundações de (uma construção); edificar”; é, por derivação, “dar início; estabelecer o princípio de; criar, instituir”,132 enquanto fundação exprime o “ato ou efeito de fundar, de instituir”; a “base sobre a qual se constrói um edifício; alicerce” (no campo da construção).133 No livro História da cidade, Leonardo Benevolo explica a origem das cidades e acompanha a sua formação e evolução no tempo e no espaço. Não há, nem nunca houve, uma única modalidade de fundação. As cidades nascem de diversas maneiras. O espaço onde está situada a cidade italiana de Bolonha na atualidade, por exemplo, “tem sido habitado desde a mais remota Antiguidade, e foi escolhido pelos romanos para a fundação de uma colônia, em 189 a.C.”134 A belga Bruges, tida como a maior cidade mercantil na região da Europa transalpina, desenvolveu-se “em volta de um castelo fortificado – chamado posteriormente Oudeburg, o velho burgo – fundado pelos condes de Flandres ao longo do curso do Rio Reye, no final do século IX.”135 A alemã Nuremberg, que ficou tão conhecida após o término da Segunda Guerra Mundial, em virtude do julgamento dos grandes criminosos de guerra nazistas, “foi fundada pelo Imperador Henrique III em 1040, no ponto de confluência das vias de comunicação entre a Baviera, a Francônia, a Suábia e a Boêmia”, sendo que o local selecionado “é um vale percorrido pelo Rio Pegnitz, e dominado por um morro onde foi construído um castelo”, aparecendo o conjunto habitado inicial “entre o morro e o rio, concentrado ao redor do mercado, que permanece a partir de então o centro principal da vida da cidade”.136 O autor deixa claro que umas cidades sofreram repetidas transformações ao longo do tempo, não preservando a configuração original assumida quando da fundação, enquanto outras tiveram definido o seu feitio ao tempo mesmo da fundação, sem alterações posteriores expressivas, além de enfatizar que as cidades variam muito de forma, sem que haja uma regra geral para a opção por um ou outro modelo, e que o fundador de uma cidade é também o dono da área ocupada: Veneza, Bruges, Bolonha e Florença são exemplos de grandes cidades, fundadas na Antiguidade ou na Alta Idade Média e repetidamente 132

FUNDAR. In: HOUAISS; VILLAR. Dicionário Houaiss da língua portuguesa, p. 939. FUNDAÇÃO. In: HOUAISS; VILLAR. Dicionário Houaiss da língua portuguesa, p. 938. 134 BENEVOLO, Leonardo. História da cidade. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011. p. 325. 135 Ibidem, p. 313. 136 Ibidem, p. 340. 133

transformadas na Baixa Idade Média. Não é possível descrevê-las sem levar em conta este dinamismo, e sua forma complicada registra todas as vicissitudes de seu desenvolvimento. Muitas outras cidades menores, ao contrário, foram fundadas na Baixa Idade Média, e muitas vezes sua forma definitiva foi fixada, de uma vez por todas, no momento da fundação. Estas cidades têm todas as formas possíveis. Os estudiosos tentaram classificá-las em vários tipos: lineares, circulares, radiocêntricos, em tabuleiro etc.; mas não se conseguiu encontrar uma causa constante pela qual se escolhe um tipo de cidade e não outro. Cada cidade é imaginada como um caso especial, seja quando é desenvolvida com uma cadeia de decisões sucessivas, seja quando é inventada com uma única decisão inicial. Não se aceita nenhuma regra geral, mas se leva em conta um semnúmero de circunstâncias: a natureza do terreno, a tradição local, as sugestões exóticas, o simbolismo sagrado e profano. Cada um destes motivos pode ser determinado. Quem funda uma cidade – o rei, o feudatário, o abade, ou o governo de uma cidade-Estado – é também o proprietário de todo o terreno [...].137 Por outro lado, é evidente que o início das cidades igualmente ostenta pontos em comum. A pesquisa de Benevolo parece apontar, em geral, para os seguintes traços comuns na formação das cidades mundiais: a) delimitação de uma área geográfica, com modificação da paisagem natural mediante o erguimento de construções, mais ou menos próximas entre si, de destinação pública e/ou privada, laboral e/ou residencial; b) aglomeração estável de pessoas; c) existência de um governo oficial; d) existência de vias e de um lugar de ajuntamento para fins cívicos, comerciais, militares e/ou religiosos; e) especialização de atividades, não diretamente ligadas ao cultivo da terra, como as comerciais. 138 No dia 8 de setembro de 1612, São Luís reunia todos estes padrões fundacionais. Possuía, no mínimo, um forte principal, que não era o único na ilha; uma praça pública para celebrações cívico-religiosas, que ganharia brevemente um pelourinho e uma

137 138

Ibidem, p. 382. Ver ibidem, p. 10, 23, 55, 76, 136-137, 225, 269. Sobre a especialização das atividades, Leonardo Benevolo sinaliza que este critério distingue as cidades das aldeias: “A cidade – local de estabelecimento aparelhado, diferenciado e ao mesmo tempo privilegiado, sede da autoridade – nasce da aldeia, mas não é apenas uma aldeia que cresceu. Ela se forma, como pudemos ver, quando as indústrias e os serviços já não são executados pelas pessoas que cultivam a terra, mas por outras que não têm esta obrigação, e que são mantidas pelas primeiras com o excedente do produto total. Nasce, assim, o contraste entre dois grupos sociais, dominantes e subalternos: mas, entrementes, as indústrias e os serviços já podem se desenvolver através da especialização, e a produção agrícola pode crescer utilizando estes serviços e estes instrumentos. A sociedade se torna capaz de evoluir e de projetar a sua evolução.” Ibidem, p. 23.

forca;139 um porto; numerosas habitações de um ou dois pavimentos; um convento parcialmente edificado, primeira escola do Maranhão, cuja capela seria concluída no Natal, seguida da construção de outra capela; um grande armazém, tudo assentado em uma área delimitada e preparada por seus fundadores e pelos aliados índios para abrigar essa estrutura (um promontório previamente escolhido). E ainda cresceria nos anos subsequentes, até a queda da colônia, com o acréscimo, por exemplo, de lojas 140 e uma serraria.141 Até a conquista lusitana, lá viveram, além dos nobres e dos soldados, diversos artífices – carpinteiros, pedreiros, fundidores, serralheiros, tecelões, alfaiates, sapateiros,142 entre outros –, dois astrônomos e um cirurgião, 143 não apenas homens, porém igualmente mulheres e crianças, 144 comprovando a variedade populacional e a especialização de atividades já existentes na cidade em evolução. A cerimônia de 8 de setembro foi, sem dúvida, um evento solene de tomada de posse da terra; afinal, quem funda uma colônia e com ela uma cidade precisa ser, por antecedente de ordem lógica e material, o senhor do território. São Luís começou como sede de uma promissora colônia, como muitas cidades pelo mundo nascidas de colônias fundadas, por exemplo, pelos gregos e, depois, pelos romanos. Formou-se a partir da construção de um forte, assim como incontáveis cidades europeias se originaram de castelos, posto que a fortificação dos lugares escolhidos para o abrigo de povoações era uma necessidade daqueles tempos de imensa insegurança territorial. Do mesmo modo que outras tantas cidades do Velho Continente, São Luís teve a sua feição original – imprimida pelos franceses – profundamente transformada posteriormente – pelos conquistadores lusitanos. Belém, que também nasceu de um forte, principiou com bem menos, tanto em estrutura física, quanto em recursos humanos. Francisco Caldeira de Castelo Branco, após a queda da França Equinocial, acompanhado de 150 soldados, foi enviado por Alexandre de Moura ao Pará para solidificar a conquista da região, e ali fundou, no dia 12 de janeiro de 1616, para proteção própria e de seus comandados contra os nativos, um forte de madeira, sob a denominação de Presépio, em homenagem ao dia 25 de dezembro, data da partida de São Luís, no Natal de 1615, fortaleza esta que, apoiada por uma capela e alguns casebres, constituiu o núcleo originário da futura cidade de Belém, nome que apenas ulteriormente lhe foi atribuído.145 O autor, que faz questão de asseverar que a fortaleza estabelecida pelo fundador de Belém não era de pedra, e sim de madeira,146 admite a sua precariedade: O Forte do Presépio foi o ponto de partida para o nascimento e desenvolvimento do núcleo urbano. Do interior dessa modesta praça 139

Ver ÉVREUX, Yves d’. História das coisas mais memoráveis, ocorridas no Maranhão nos anos de 1613 e 1614. Introduções de Ferdinand Denis (e notas), Gabriel Marcel e Mércio Pereira Gomes. Tradução de Marcella Mortara. Rio de Janeiro: Batel: Fundação Darcy Ribeiro, 2009. p. 146. 140 Ver PROVENÇAL, Lucien. A França Equinocial: os franceses no Maranhão. In: MARIZ, Vasco (Org.). Brasil-França: relações históricas no período colonial. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Ed., 2006. p. 94. 141 Ver VIVEIROS, Jerônimo de. História do comércio do Maranhão: 1612-1895. São Luís: Associação Comercial do Maranhão, 1954. v. 1, p. 8. 142 Ver “Interrogatorio dos prisioneiros francezes do combate de Guaxenduba” em BIBLIOTHECA NACIONAL DO RIO DE JANEIRO. Annaes, p. 264, 269, 271-272. 143 Ver MEIRELES. História do Maranhão, p. 191. 144 Ver JARNOUX, Philippe. La France équinoxiale: les dernières velléités de colonisation française au Brésil (1612-1615). Annales de Bretagne et des pays de l’Ouest, Rennes, t. 98, n. 3, p. 273, 1991. 145 Ver CRUZ, Ernesto. História de Belém. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973. v. 1, p. 13, 19. 146 Ibidem, p. 19-23.

d’armas, construída de madeira, com os defeitos e as impropriedades dos primeiros dias, saíram os desbravadores do povoado.147 Não menos precárias são as fundações de Salvador e do Rio de Janeiro. A respeito de Salvador, primeira capital do Brasil, Mário da Veiga Cabral relata que a cidade fortificada, fundada em 29 de março de 1549, nasceu com casas cobertas de palha, cercadas por uma proteção de taipa grossa: Chegado à Bahia, foi Tomé de Sousa festivamente recebido por Caramuru e seus aliados – os Tupinambás, hospedando-se na casa daquele, no rústico povoado da Vitória. Tratou depois o governador de mudar o povoado para melhor lugar, isto é, tratou de escolher o local em que devia ser fundada a nova cidade e foi então iniciada a construção de casas cobertas de palha, sendo murado o recinto com taipa grossa. Recebeu essa cidade o nome de Salvador, tendo por armas em campo verde uma pomba branca com um ramo de oliveira no bico, com a seguinte inscrição em letras