Page 1

Ano 32 - Número 2

Colégio de Nª Sª da Assunção

Famalicão - Anadia

Por detrás de uma porta… Que misteriosa porta era aquela que aguçava a curiosidade inocente e acarinhava o segredo amigo dos mais novos?! Muito devagarinho, as espreitadelas iam aumentando o ângulo de abertura, desvendando o que se passava dentro ! - Venham ver! Não façam barulho… há música clássica lá dentro … alunos sentados nos bancos… um professor …e ainda outro aluno junto do senhor padre que, ontem, nos celebrou a Missa … - Ai que fenómeno!… Os grandes estão a confessar-se! - Nem sabes dizer bem! Deves dizer como a minha professora ensinou: estão a celebrar o sacramento da reconciliação. - Oh, é a mesma coisa! Pedimos perdão a Deus pelo mal que fizemos e pelo bem que não realizámos. Sabemos bem que às vezes somos indiferentes a Jesus, como se não quiséssemos ser amigos d’Ele, para sempre!... - Os alunos grandes também vão pedir perdão dos pecados que fazem? Às tantas…são obrigados! - Que ideia! Se fosse assim, não achas que todos os alunos do secundário estariam ali naqueles bancos ? E estão lá poucos…Certamente, ainda nem todos perceberam que a obrigação nasce dentro de nós… - Sabes o que é que a minha professora disse? Que os grandes deviam treinar-se a pedir perdão, porque já viveram mais tempo … aprenderam muitas mais coisas… e precisam de sentir o amor de Jesus, sobretudo quando as dificuldades apertam ! - Ouvi dizer que aqui no CNSA, os nossos pais também vão começar a vir celebrar o sacramento da reconciliação, nuns fins de tarde. Vê como já sei dizer bem… - Quando nos confessamos, Jesus perdoa mesmo e para sempre? - Claro que sim. Ele gosta de nós e quer que sejamos felizes. Ele ama-nos, não porque somos bons … mas tornamo-nos bons, quando sentimos que nos ama. - A tua professora ensinou-te muitas coisas. A minha não me disse nada disso! Falou-nos de outra coisa, muito mais espetacular ! Sabias que o Papa escreveu uma carta grande, de 4 páginas, aos homens, mulheres, rapazes e raparigas de todo o mundo ? - Quando?!... - No princípio da qua---qua---resma! Olha, vai ao nosso placard da sala, que Diretora do Jornal está bem giro, e ficarás a saber muitas coisas. E, se alguém te perguntar,… - Irmã Idalina Faneca passarás por um sabichão! Coordenadores: - Diz lá! - Olha, escreveu que devemos prestar atenção uns aos outros…que Deus nos - Prof.ª Rosa Baptista pede para sermos “guarda” dos nossos irmãos…que a Fé nos leva a ter um olhar - Prof.ª Sandra Vieira de fraternidade…que é urgente abrir os olhos para as necessidades dos outros… - Prof.ª Sónia Costa que não podemos ter o coração endurecido pelo egoísmo…que não podemos ficar - Prof.ª Sónia Marques calados diante do mal…e ainda muitas outras coisas… - Olhem, está a tocar para dentro! Colaboradores: E, nessa altura, ainda sentada no banco da capela, bem juntinho à porta, mer- Professores gulhada naquele misto de silêncio e de escuta… agradeci a Deus aquele diálogo ininterrupto como se de um monólogo se tratasse. Era uma oração tão especial, que preparava a intimidade com o Senhor Ressuscitado. Havia uma maneira nova de falar da Fé . Por detrás daquela porta, algo de muito lindo tinha acontecido em nós. A Páscoa estava a chegar. 1

Irmã Idalina

- Alunos


Segurança na Internet... No dia 7 de fevereiro, Dia da Internet Segura, os segundo e terceiro ciclos do Colégio Nossa Senhora da Assunção, assistiram a uma fantástica palestra sobre a segurança na internet. Este tema foi explorado pelo grupo “Dognaedis”, tendo como oradores os especialistas na área da informática Francisco Mendes e Sérgio Gancho, ambos ex-alunos da nossa escola. Estes apresentaram um Power Point, onde tanto se encontrava o objetivo da criação da sua empresa, como o objetivo da palestra. Para além disso, também nos apresentaram situações das mais inimagináveis e impossíveis que alguma vez julgámos ser possível, como os exemplos que vou passar a explicar. Sem dúvida alguma, a Internet não é segura, pelo menos tanto como pensávamos, pois esta pode vir muitas vezes a enganar-nos. Ou seja, aprendemos que nunca podemos partilhar informação pessoal na internet, e, principalmente, não contactar na vida virtual com pessoas que não conhecemos na vida real, pois isto pode vir a criar graves problemas na nossa vida, tanto pessoal, como profissional. Isto é, o facto de haver pessoas espalhadas pelo Mundo que inventam um blog, colocam fotos tiradas de sites da internet, no seu perfil, e se fazem passar por pessoas que na realidade não são, têm apenas como objetivo magoar outras. Logo, temos que ter muito cuidado com o que partilhamos na nossa vida virtual. Foi o principal conhecimento que esta palestra nos quis transmitir. Saímos de lá com a certeza de que devemos ser cautelosos com a utilização da internet! Andreia Vaz, 8ºA

2


No dia 16 de março de 2012, decorreu no Colégio Nossa Senhora da Assunção uma palestra orientada por quatro alunos que se encontram a frequentar o Mestrado de Ciências Biomédicas na Universidade de Aveiro. De salientar que um deles é um brilhante ex-aluno. Esta atividade decorreu no âmbito da “Semana Internacional do Cérebro”. Os assuntos apresentados foram: alguns conceitos de anatomia do cérebro: a representação esquemática de um neurónio; as diferentes áreas que constituem o cérebro e respetivas funções; o papel na alimentação como contributo de um bom funcionamento cerebral; as drogas e o seu efeito no comportamento humano, nomeadamente a dependência psíquica e física que causam. Esta palestra foi de grande interesse para os alunos. Com a participação nesta atividade, ficámos a perceber que o sistema nervoso, na sua função, é inseparável do corpo, isto é, não é aceitável fazer uma distinção dualista entre o cérebro e o corpo. A promoção da saúde, os comportamentos e um estilo de vida saudável, evitando drogas contribuem para termos um cérebro saudável, órgão este indispensável à Vida. Nós, alunos e representantes educativos, estamos gratos pelo contacto com uma equipa tão sábia como esta, que tivemos o privilégio de conhecer sobre uma área de conhecimento riquíssima e bastante pedagógica. Timóteo Mendes Martins, 9º C

No início do ano letivo, o grupo da Língua Portuguesa planificou um conjunto de atividades no âmbito da leitura e da escrita, de onde se destacava a visita da autora Palmira Martins, autora da obra “O Grilinho Tenor”. De acordo com o calendário proposto, a visita ficou agendada para o dia 3 de fevereiro de 2012, com as sessões a serem realizadas em blocos de 45 minutos. No dia referido, iniciaram-se os trabalhos na Sala 6. A autora optou por contar a estória que escreveu, com recurso a algumas imagens projetadas e músicas de fundo, de forma a estimular o imaginário infantil. No final de cada sessão, foram dedicados alguns minutos a questões e comentários dos alunos, aos quais a autora foi respondendo e descrevendo a forma como a estória lhe foi surgindo. Aos alunos que adquiriram a obra, foi-lhes autografado o livro e oferecido um marcador de livros, com imagens da referida obra. Os alunos gostaram bastante da estória e da forma original como foi contada. O facto da maioria dos alunos ter adquirido a obra, facilitou a exploração visual das personagens, pois algumas crianças desconheciam personagens como cigarras, libelinhas e pirilampos. Já em sala de aula, os alunos foram convidados a expressarem-se através do desenho sobre esta experiência lúdica de leitura. Ficam alguns dos seus trabalhos. Elena Lopes

3


Como já vem sendo habitual, no último sábado do mês de janeiro, dia vinte e oito, realizou-se mais um Encontro Nacional de Associados, no Colégio Rainha Santa Isabel. Com uma bonita oração comunitária iniciámos o dia de convívio e reflexão. Após as acolhedoras palavras da Ir. Ludovina Lemos e da Ir. Maria da Glória, os associados do CRSI, propuseram-nos uma reflexão profunda sobre os momentos mais marcantes da vida notável de Ana Maria Javouhey. Um exemplo de abnegação, disponibilidade e serviço que nunca é de mais relembrar. Seguimos para a capela e, de forma intensa, partilhámos momentos de comunhão espiritual. Os salmos, as leituras e os cânticos cuidadosamente selecionados permitiram a elevação do espírito e constituíram o momento alto de todo o encontro. Reconfortados com uma saborosa refeição, formámos grupos de partilha e reflexão. Foi inspirador conhecer a vivência de outros associados, no que diz respeito à forma como testemunham o exemplo da Madre Fundadora. Chegou o momento da despedida, e com ele uma ponta de comoção. Os laços estabelecidos ao longo destes anos de encontros e retiros, vão-se fortalecendo sob o olhar atento e carinhoso das Irmãs da Congregação e, de Ana Maria Javouhey. Bem hajam todos os que nos proporcionaram este encontro. Margarida Soares

VOLTAR A JESUS! No dia 10 de fevereiro, decorreu em Fátima, uma formação para professores e diretores das escolas católicas, promovida pelo Secretariado Nacional de Educação Cristã, intitulada “Projetos e Práticas Pastorais na Escola Católica”. O formador, já nosso conhecido, o hermano Óscar Alonso, ajudou-nos a refletir sobre a necessidade de todo o projeto educativo de uma escola católica ser um Projeto de Pastoral. Isto é, um projeto que parte e, simultaneamente, aponta para Jesus. Um projeto onde é possível fazer a experiência de amor e seguimento de Jesus de Nazaré. Para isso, é urgente VOLTAR A JESUS, pondo os alunos em contacto com ELE! Não chega propor, convidar… é necessário conhecer a Sua Palavra, experimentar o Seu cumprimento e veracidade. Gerar um vínculo e uma pertença de amor com este Deus que não faz outra coisa senão procurar-nos e chamar-nos à verdadeira felicidade. Partirão os nossos alunos para a vida com esta certeza? Com esta mais-valia? Terão experimentado que só em Deus tudo vale a pena e tudo tem sentido? Deixar-se possuir pelo Reino de Deus é possuir uma nova vida, um estilo de vida novo! Foi esta a proposta lançada também a todos os educadores. Sabendo que não se pode ter experiência de relação com Deus sem interioridade, sem relação consigo próprio. A interioridade permite-nos viver desde dentro e exercitar o olhar do coração na busca de um Projeto Vital, Possível, Pleno, Atual, Completo, Iluminado (pela Luz que não tem ocaso) e Iluminador! É esta a nossa Missão: Experimentar o quão o Evangelho é potentíssimo! Tocar Jesus! Transformar a cultura desde dentro! Dulce Loureiro

4


Nos dias 10, 11 e 12 de fevereiro, realizou-se mais um retiro de associados em Torres Novas, no Colégio de Santa Maria. Para muitos dos presentes, o primeiro sem a sábia orientação da Ir. Isabel Claude, ausente do país em missão evangelizadora. Os associados participantes iniciaram a pausa reflexiva com o encontro marcado para as dezanove e trinta, de sexta-feira. Fomos acolhidos de forma muito calorosa pelas Irmãs Idalina e Maria do Carmo. Uma agradável surpresa: a presença na casa da Ir. Ludovina, que se encontrava em visita canónica à comunidade das irmãs. Ao todo, éramos cerca de vinte participantes, um alegre grupo que partilhou de forma fraterna a primeira refeição comum. O primeiro encontro, orientado pelo Sr. Padre Ricardo Conceição, teve lugar após o jantar. Os encontros iriam estar subordinados a uma linha de reflexão profunda sobre o Evangelho de S. Marcos, a sua mensagem atual, e como que deve ser implicado na nossa vida quotidiana. Alternando momentos de preleção com os de reflexão e oração individual, este retiro proporcionou-nos um período de aprofundamento do conhecimento da palavra de Deus e da sua importância vital para o crescimento do verdadeiro cristão. Para tal, contribuiu ainda a vigília de Adoração do Santíssimo, que decorreu na capela, pelas vinte e uma horas e trinta de sábado, tendo-se prolongado até por volta das vinte e três, em ambiente de silêncio orante e recolhimento. Mais uma oportunidade de (re) estabelecermos laços de intimidade com Deus, que não foi descurada pelos participantes. No domingo, a Eucaristia fortemente participada, incluiu o momento para a renovação dos compromissos e, para o acolhimento de novos associados. A habitual fotografia e o almoço, desta vez já não em silêncio, marcaram o encerramento de mais um retiro. Descrevê-lo como enriquecedor seria redutor, pois as marcas que ficam em todos os participantes são profundas. É um renascer espiritual e um restabelecer de prioridades na nossa vida. Sem os «ruídos» que nos perturbam o entendimento no dia a dia e com a clareza que só conseguimos quando paramos e olhamos para o nosso «Eu». Muito obrigada a todos quantos tornaram estes momentos possíveis. Margarida Soares

5


Cluny 9 No dia 7 de janeiro, tivemos um grande dia com o “Cluny9”. Esta atividade foi dirigida aos alunos do 9º ano e consistiu na realização de jogos, apresentação de dramatizações e espetáculos, e partilha de experiências. De manhã, houve um momento de oração e, em seguida, um jogo que nos permitiu conhecermonos melhor uns aos outros. Posteriormente, dividimo-nos em quatro grupos. A cada grupo foi dado um tema principal para interpretar e, no fim do dia, apresentar a todos, de forma dinâmica. O tema do meu grupo foi “Quem é Deus para ti?”. A nossa tarefa era responder a esta pergunta, realizando um programa de televisão. Pudemos partilhar as nossas opiniões e debatê-las com os elementos da equipa. Levámos ainda, neste dia, um objeto com valor sentimental para nós e explicámos por que o escolhemos e por que era especial. Muitos deles traziam recordações de infância ou de alguém especial. Foi um sábado diferente, divertido, em que refletimos e partilhámos um pouco de nós, além de ficarmos mais unidos. Aprendemos uns com os outros e penso que todos têm algo a recordar deste dia. Sofia Semedo, 9ºB

Cluny 7 O Cluny 7 é uma atividade religiosa e lúdica que os 7ºs anos realizaram no dia 26 de fevereiro, na Mata do Bussaco. A Via Sacra que celebrámos, percorrendo 10 estações, importantes para a nova libertação do Povo de Deus, tiveram o principal objetivo de recordar aos adolescentes que Cristo morre na Cruz por nós, para vivermos na paz e no amor. Então, por que razão damos valor ao preconceito e ao ódio? O exemplo de Jesus, de perdoar, de amar todos e cada um apareceu-nos em cada paragem para rezar e refletir. Na Mata do Bussaco, um verdadeiro paraíso natural, um ambiente puro e limpo, revivemos as últimas horas da paixão de Jesus. Refletimos nos erros da sociedade, o "etiquetar", o "afastar" dos jovens diferentes ou com dificuldades. Vale a pena realizar esta atividade, da qual fazemos um balanço muito positivo. Ficamos com vontade de repetir! Joana Lousado, 7º A

6


Cluny 7 A atividade Cluny 7… uma Via Sacra muito especial feita no Bussaco. Na minha opinião, como Delegado Pastoral, acho que foi uma atividade muito bem organizada pelos professores e alguns alunos. A Mata do Bussaco tem um ambiente calmo, que nos permite estar mais em contacto com a natureza, com tipos de árvores que não são muito comuns. Os alunos que participaram nesta atividade, puderam relembrar os últimos passos da história de Jesus, tendo os Delegados Pastorais carregado uma cruz durante todo o percurso da Via Sacra. As leituras estavam muito bem escritas. Cada estação continha uma passagem do Evangelho, seguida de uma pequena reflexão e de uma música, que todos cantavam acompanhados de três alunos com as suas guitarras. No final, houve também uma surpresa, que consistia numa atividade. Cada aluno deveria apanhar dois paus, juntá-los em forma de cruz, com a ajuda de uma corda. Luís Eduardo, 7ºA

No âmbito da disciplina de Educação Moral Religiosa Católica, realizámos no dia 2 de março uma Via Sacra na serra do Bussaco, o que se tornou já uma tradição do nosso Colégio e chamamos-lhe "CLUNY 7" (designação esta, por se realizar no 7º ano de escolaridade). Saímos às 13h15 e chegámos ao nosso destino por volta das 13h45. Às 14h00 demos início à nossa Via Sacra. Uma cruz, muito bonita e especial foi transportada pelos Delegados Pastorais das três turmas. O ambiente envolvente, da floresta e da natureza, convidava à reflexão e ao recolhimento. Os trilhos que Jesus percorreu até ao Calvário foram por nós lembrados e sentidos em cada estação. Foram evocadas passagens dos Evangelhos segundo S. João, S. Lucas e S. Mateus. Cada um de nós, através das passagens Bíblicas reviu-se em cada um dos passos de Jesus Cristo e fez um paralelo com o nosso dia a dia, quando nos deparamos com as situações de injustiça, de escárnio e maldizer. A nossa oração foi igualmente acompanhada por cânticos e concluímos a nossa caminhada com a construção de uma cruz, individual, feita com recurso à natureza, nomeadamente ramos de árvores que encontrámos no chão. No final do percurso, rezámos junto de um templo sagrado dedicado à Senhora da Assunção. Maria dos Santos Figueira, 7º B

7


Chegou o grande dia!  Encontrámo‐nos no Colégio pelas 3 da manhã do dia 17 de fevereiro para iniciar esta viagem tão ansiada.  Poucos tinham dormido, mas ainda assim estávamos todos cheios de energia para esta aventura. Assim que o grupo  estava completo, partiu de autocarro para o aeroporto do Porto. Apanhámos o voo das 7h05 para Paris e aterrámos  no aeroporto de Orly, onde fomos acolhidos por uma guia que nos deu algumas orientações básicas sobre a cidade.  Do aeroporto dirigimo‐nos até ao FIAP ‐ Foyer International d’Accuiell de Paris – para deixarmos as malas e  almoçar. E, a seguir, começou a nossa grande aventura. Saímos do FIAP e fomos até à Torre Eiffel, onde subimos até  ao segundo andar e apreciámos a vista sobre a cidade de Paris que era verdadeiramente bonita. Depois desfrutámos  de uma viagem espetacular pelo Sena no Bateaux Mouches, um barco que percorria o rio e nos dava informações  sobre alguns factos importantes, na nossa língua. Voltámos para o FIAP, jantámos e fomos para o nosso quarto dor‐ mir a nossa primeira noite ou pelo menos tentar, tal era a nossa agitação por estarmos numa cidade tão vibrante.   O nosso meio de transporte preferencial foi o metro. Subimos e descemos imensas escadas. Corremos para  junto  dos  responsáveis  dos  vários  grupos  para  entrarmos  todos  juntos.  A  alegria  era  visível  no  nosso  rosto  e,  por  onde passávamos, tentávamos usufruir de tudo o que nos era oferecido: uma paisagem, um momento ao fim do dia,  os animadores no metro… Tudo nos fazia reconhecer que estes momentos seriam inesquecíveis.    No  dia  18,  sábado,  fomos  até  à  Basílica  da  Medalha  Milagrosa,  na  Rue  du  Bac.  De  seguida,  fomos  até  à  La  Geode, onde vimos um filme em 3D sobre dinossauros. Foi desafiante acompanhar o filme que era narrado em fran‐ cês, mas foi muito interessante.   Não podíamos deixar de visitar o famoso museu do Louvre, onde usufruímos de uma visita guiada que nos  levou a algumas exposições, incluindo a famosíssima «Mona Lisa» que, ao contrário do que a maioria pensa, não é  assim muito grande. Passámos pelos Jardins das Tuilleries e fomos ao Arco do Triunfo, com toda a sua monumentali‐ dade. Claro que todos ficámos maravilhados com as lojas que vimos nos Champs Elysées. Ficámos tentados a entrar.    Domingo foi dia de visita à Casa Mãe. Primeiro visitámos os jardins e fomos, então, para a missa que, como é  óbvio, foi em francês, o que se revelou uma experiência muito enriquecedora. Depois fomos até ao Quartier Latin,  onde vimos a enorme e famosa Basílica de Notre Dame. O nosso almoço decorreu nesse bairro e fomos, pela primei‐ ra vez, às compras na Cidade da Luz. Em seguida, fomos até ao tão conhecido Hard Rock Café comprar as t‐shirts e  sweats que todos queríamos.     No dia 20, fomos à EuroDisney. Foi um dia exaustivo, mas com diversão do início ao fim. Com todas aquelas  montanhas‐russas e outros divertimentos passámos os melhores momentos e guardámos imensas recordações. Cla‐ ro que, no fim, houve tempo para comprar prendas para todos.    E chegámos, com muita pena nossa, ao último dia. Visitámos a Basílica do Sacré Coeur e as ruas em redor. Na  Praça du Tertre vimos artistas de rua a trabalhar ao ar livre. Depois do almoço, fomos até às galerias La Fayette onde  pudemos ver representadas as lojas mais reconhecidas no mundo da moda como a Chanel, a Gucci, Prada, … . Nessa  tarde, despedimo‐nos do FIAP, voltámos ao Aeroporto de Orly e despedimo‐nos da cidade de Paris.    Foi uma viagem extremamente agradável, em que criámos enormes laços de amizade e da qual guardamos  imensas  memórias  e  recordações,  pois  tudo  o  que  vivemos  nos  marcou  imenso.  Penso  que  será  uma  viagem  que  nunca iremos esquecer e que marcou as nossas vidas para sempre. Já temos saudades de tudo, até das coisitas que  considerámos mais irritantes. Todos nós adorávamos repetir a experiência, pois foi algo único.    Queríamos  agradecer  à  Direção  do  Colégio,  na  pessoa  da  Irmã  Idalina,  por  esta  fantástica  oportunidade de  conhecer uma nova cidade e experienciar uma cultura de que só ouvimos falar na aula de Francês. Claro que incluí‐ mos  no  nosso  agradecimento  a  disponibilidade  das  professoras  que  nos  acompanharam  e  nos  proporcionaram  momentos de alegre convívio.    Pedro Veiga & Juliana Nogueira 

8


9


No dia onze de fevereiro de 2012, realizou-se o baile de finalistas do CNSA, pelas 19 horas e trinta minutos, dia esperado por todos! O nervosismo tomou conta de todos os finalistas que andavam numa roda viva. Começou o momento da sessão fotográfica e da fotogenia, inerente a esta faixa etária. Os vestidos e fatos eram uma manta de mil cores, cada um vestiu o que a moda e as possibilidades dos progenitores ditaram, teimando em afastar o frio. Tules, rendas, folhos, cetins, cabelos arranjados e retoques, maquilhagem a condizer e saltos de susto davam um toque de “glamour” à noite. A sala estava vestida de cinza, branco e negro, com uma passadeira à Hollywood, vermelha e imponente, não fosse o tema o cinema. À entrada, a receber os convidados, surgia a majestosa Marylin Monroe, com o seu vestido esvoaçante, num cartaz convidativo à magia do momento. Não faltou o ícone do cinema: as pipocas. No centro de cada mesa, um castiçal emanava cor e brilho. Os finalistas entraram ao som de música, de braço dado com o seu par e, como é natural, com um sorriso nos lábios e um arrepio no estômago; a ocasião merece! A refeição foi servida com brio e profissionalismo, intercalada com pequenas mostras do talento dos finalistas, representativas do trabalho até então realizado. O convívio parecia saudável, entre as famílias, inundadas de orgulho, colocado nos olhares indiscretos e nos diálogos amenos. O mote para a valsa surgiu. Cada progenitor tomou os seus “mais que tudo” nos braços e o salão tornou-se num vaivém de passos descompassados e cheios de ternura. As sessões fotográficas sucederam-se infindamente, num estúdio de improviso, com sorrisos pensados e ensaiados! Alunos 12º Ano

10


Inês, Laura e Lucas Os seus nomes ditos assim, de seguida, têm uma beleza melódica extraordinária e, quando pronunciados à vez, fazem bater mais forte os corações dos papás, respetivamente, Professores Sandra Vieira, Patrícia Norte e David Videira. Que o Senhor cubra de bênçãos estes bebés e as suas famílias, que começaram da melhor maneira a sua caminhada para a renovação do “esplendor de Portugal”. Os nossos carinhosos parabéns!

A equipa do Sobreirinho

Faleceu a 9 de Dezembro de 2011, a última aluna do primeiro grupo de alunos com os quais o nosso Colégio abriu as suas portas, em 1922. Nessa altura, embora com o mesmo nome que tem hoje, o Colégio era mais conhecido pelas povoações vizinhas como o Colégio do Sobreiro, mercê do seu ex-libris natural, essa saudosa árvore, que tantas alegrias, preocupações e confidências abrigou, durante longas décadas, no pátio do recreio. Branca, uma criança por certo feliz, também brincou e aprendeu a amar este espaço que nos acolhe como uma segunda casa. Nascida a 5 de Julho de 1912, a Excelentíssima Senhora D. Branca Portela da Cruz Navega Rodrigues, natural de Aguim, era casada com o Dr. José Rodrigues, ilustre advogado de Anadia. Esta querida antiga aluna é mãe do Dr. José Luís Navega Rodrigues e avó do Dr. José Manuel Navega Rodrigues, advogados em Anadia. Celebraria o seu centésimo aniversário no dia 5 de Julho deste ano. R.B.

11


No passado dia 13 de março, o Colégio Nossa Senhora da Assunção participou na Sessão Distrital de Aveiro, no auditório do Museu Marítimo de Ílhavo, no âmbito do projeto “Parlamento dos Jovens 2012”, estando então representado pelos seus três deputados e o candidato à mesa da sessão, eleitos na Sessão Escolar. A sessão foi uma experiência incrível, enriquecedora e inesquecível, para a nossa vida política e social. Pudemos trocar impressões com outros deputados jovens de outras escolas e de longínquos concelhos do nosso distrito, que já conheciam a dinâmica do projeto de edições anteriores. O Colégio demonstrou a sua personalidade tendo cumprido os deveres da democracia, e da essência do deputado, destacando-se assim de outras escolas. Infelizmente, o Colégio não se qualificou para a Sessão Nacional por meros votos, o que demonstra a força da nossa escola. Tentaremos possivelmente na próxima edição do projeto, com ainda mais força, para levarmos o nome do Colégio ainda mais longe e mais alto. Marco Carvalho e Mariana Silva, 10ºB

Desde a segunda metade do primeiro período do ano letivo 2011/2012 que os alunos do décimo ano do nosso Colégio se encontravam envolvidos no projeto do programa Parlamento dos Jovens, organizado pela Assembleia da República, em colaboração com outras entidades, com o objetivo de promover a educação para a cidadania ativa e o interesse dos jovens pela discussão de temas atuais. Para se prepararem para este autêntico desafio, os alunos começaram por fazer uma pesquisa sobre este programa, sobre a Assembleia da República e sobre o tema que teriam de defender: Redes Sociais – Participação e Cidadania. Puderam ainda contar com a palestra de um antigo deputado – José Manuel Ribeiro, que transmitiu aos alunos valiosos conhecimentos sobre o funcionamento da Assembleia da República e sobre esta importante instituição. De seguida, constituíram-se as listas (Lista A, Lista B e Lista C), prosseguiu-se com inúmeras reuniões pré-campanha eleitoral e com a campanha eleitoral. A Lista B acabou por ser a lista vencedora. Na Sessão Escolar, procedeu-se, por fim, ao debate entre listas no Colégio, onde se exerceu a verdadeira democracia. Foram eleitos os deputados que iriam representar a escola e o candidato à mesa, foram ainda selecionadas as medidas que iriam ser apresentadas na Sessão Distrital do Parlamento dos Jovens. Nesta Sessão Distrital, o nosso colégio e as suas medidas acabaram por ficar em segundo lugar, tendo sido visível o esforço e o empenho de todos aqueles que o representaram. Com esta atividade, foi possível aos alunos desenvolverem uma atitude mais cívica e esta revelou -se interessante e proveitosa, possibilitando-nos uma orientação quanto ao nosso dever (cívico) enquanto cidadãos, o que nos irá orientar e ajudar no futuro que aí se avizinha. Inês Marçal, 10º A

12


PAIS PARA O SÉCULO XXI A equipa do Projeto CRIAR LAÇOS – Educação da Afetividade e Sexualidade, juntamente com a ASSOCIAÇÃO DE PAIS do nosso Colégio, gostaria de o/a convidar a participar no ciclo de formação para pais de alunos do primeiro e segundo ciclo, intitulado “PAIS para o século XXI”. Os temas e calendarização são os seguintes:

TEMAS

DATA

HORÁRIO

- 1.º tema “ A Educação dos Filhos” - 2.º tema “ Castigar ou não eis a questão!”

8 de Maio

18h – 19h45

15 de Maio

18h – 19h45

- 3.º tema “ Educação da afectividade na criança” - 4.º tema “ Amar é educar – desenvolvimento dos valores humanos na infância”

A formação será realizada no nosso Colégio pela Dr.ª Alexandra Chumbo, Psicóloga e Membro da Associação Família e Sociedade.

Esta atividade tem como objetivo criar uma dinâmica saudável entre o Colégio e a família, aumentando, desta forma, o sucesso escolar e o envolvimento dos pais na educação dos filhos. Haverá espaço para o diálogo, questões e partilha de experiências.

ESPERAMOS POR SI!

Dulce Loureiro

13


3º Ano - Porto “Mundo dos Dinossauros” No dia 16 de fevereiro de 2012, os alunos do 3ºano foram à cidade do Porto visitar a exposição “O Mundo dos Dinossauros”. Partimos do Colégio por volta das nove horas. Chegámos ao Porto cerca das dez e trinta e tomámos o lanche da manhã, no belo jardim do Palácio de Cristal. Logo depois, iniciámos a visita. Vimos um filme sobre a vida dos dinossauros na terra. De seguida, vimos esqueletos e fósseis destes animais. Na reta final da exposição observámos réplicas de animais verdadeiros. Alguns destes animais chegaram a assustar-nos, mas adorámos. Ao longo da visita, tínhamos écrans pequenos que explicavam as principais características deste mundo, já distante. Ainda fomos convidados a sermos paleontólogos e fizemos escavações em tanques de areia. Divertimo-nos quando avistámos as ossadas que estavam debaixo daquela areia. Logo depois esperava-nos um momento mágico… um filme a 5D, onde gritámos de susto e de contentamento! Viajámos por terra e por mar ao lado de dinossauros que nos queriam assustar. O tempo passava e começavam a ser horas de nos deliciarmos com o almoço preparado com carinho pelas nossas mães. De novo nos jardins, almoçámos onde os pavões, gaivotas e pombos vieram pedir alguma comidinha! Depois fomos brincar num parque que ali existe. Na caminhada de regresso ao autocarro, vimos o rio Douro e a sua foz. A nossa professora explicou-nos a importância deste rio no transporte do vinho do Porto, há muitos anos atrás. Os barcos que faziam este transporte chamavamse barcos rabelos. Regressámos ao Colégio por volta das cinco horas, felizes por termos tido esta oportunidade. Agradecemos às nossas professoras, às Irmãs que nos acompanharam (Irmã Glória e Irmã Ermelinda) e ao Sr. João. É bom fazer visitas de estudo! Alunos do3ºano – Turma B

14


8º Ano - Porto Uma aventura … no Porto.

No passado dia 15 de fevereiro, as três turmas do 8º ano, acompanhadas por alguns educadores, foram ao Porto numa fantástica aventura. Nesta viagem, tiveram a oportunidade de rever os conhecimentos adquiridos nas disciplinas de Ciências Naturais e Geografia, os quais foram explorados com uma extraordinária visita ao Parque Biológico de Gaia e, ainda, na disciplina de Língua Portuguesa, usufruindo de um fabuloso espetáculo, que explorava o tema da obra Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett. O dia destes sortudos começou logo às oito da manhã, quando o autocarro começou a sua viagem, rumo ao Porto. Depois de duas horas bem passadas, as três turmas chegaram ao Parque Biológico de Gaia, onde já os esperavam as respetivas Guias. Começava a aventura... No parque, puderam encontrar várias espécies de animais: aves, destacando-se as corujas devido à grande variedade destas; animais “ peludos ”, dos quais posso destacar os texugos, pois os jovens puderam observar uma cria a dormir e outra que se encontrava junto das pessoas, que as estavam a observar; animais que adoram comer, como as vacas e as cabras; não esquecendo de mencionar os animais que adoram estar sujos, como os porquinhos, sujos a toda a hora. A meio do caminho, entraram num pavilhão, onde encontraram representados vários climas e biomas alusivos a um tema estudado na aula de Geografia, onde se puderam abstrair um pouco de um tema referente à disciplina de Ciências Naturais. Depois de acabarem de ver as exposições e de terem explorado tudo o que havia para explorar, foram todos almoçar ao parque de merendas do Parque Biológico. Posteriormente, foram ver um espetáculo sobre a obra Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett, como já referi anteriormente, onde não só se divertiram e riram com as personagens representadas, como também puderam desfrutar da “ delícia ” que é poder assistir e observar tamanha riqueza. Andreia Vaz da Cruz, 8ºA

“Falar Verdade a Mentir”

Os alunos do oitavo ano do CNSA fizeram uma viagem de estudo ao Porto, no dia 15 de fevereiro para visitar o Parque Biológico de Gaia e assistir à peça Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett, encenada pela companhia de teatro O Sonho. Assim, dois autocarros partiram às oito horas e trinta minutos do Colégio levando os alunos do oitavo ano numa viagem, que durou cerca de duas horas. Logo que as turmas chegaram ao Parque Biológico, dirigiram-se ao parque de merendas, para poderem tomar um “lanche da manhã”. Depois de estarem saciadas, arrumaram as mochilas nos cacifos, que se encontravam na receção, e começaram a caminhada pelo parque, caminhada essa com 2800 metros de comprimento e uma pequena exposição interior. Deste modo, começaram por visitar a exposição, que falava de plantas, do universo, dos animais pré-históricos e, ainda, dos animais em vias de extinção. No exterior, teve início a longa caminhada. Havia plantas de todos os tipos e animais europeus, alguns soltos e outros em cativeiro, mas com muito espaço para se movimentarem. “Foi muito agradável estar no meio da natureza, com todos os animais à nossa volta”, relata Francisco Power, aluno do oitavo ano, que participou na viagem. Após o almoço, as turmas foram assistir à encenação da peça Falar Verdade a Mentir, que também foi muito interessante e cómica, para alguns alunos, mas aborrecida, para outros. Terminada a representação teatral, os alunos dirigiram-se para os respetivos autocarros e chegaram ao Colégio, por volta das dezassete horas e trinta minutos. Francisco Castel-Branco Power,8ºB

15


5º Ano - Coimbra

No dia 16 de março de 2012, sexta-feira, os 5ºs anos tiveram uma visita de estudo no âmbito das disciplinas de ciências da natureza e educação visual e tecnológica. Bem de manhãzinha, sentia-se a euforia no “porteiro”. Estávamos todos excitados com a nossa ida ao Jardim Botânico e ao Portugal dos Pequenitos, em Coimbra. Chegaram as nossas professoras, para orientar a situação. Estavam presentes as professoras: Olga Cristina, Paula Coelho e Silva, Graça Novo, Hermínia Pereira e Margarida Mesquita. No autocarro, duas meninas do 5ºA fizeram a oração da manhã, que nunca falta nas nossas visitas de estudo e no nosso dia-a-dia. Chegados ao destino, entrámos no Jardim Botânico, onde ainda tivemos tempo para brincar um pouco, até as nossas guias chegarem. Ouvimos todas as explicações, visitámos estufas muito quentes e outras mais fresquinhas e também observámos vários tipos de árvores – conhecemos as suas características e os seus frutos e plantas. Chegámos ao Portugal dos Pequenitos, 2º sítio do dia a visitar. Entrámos, esperámos um pouco e tivemos outra guia, que nos levou a visitar várias construções. Vimos em último lugar a aldeia do Portugal dos Pequenitos, onde havia casas ainda mais pequenas do que as outras. Também havia algumas em construção. A nossa guia explicou-nos que no início aquele parque temático era todo assim, em miniatura, mas que depois foi evoluindo mais. Por fim, desenhámos algumas casas. Este era o trabalho para E.V.T.. Lá fora, o autocarro demorou-se um bocadinho, mas, passado algum tempo, estávamos todos já lá dentro. Desta vez todos cantavam... Foi uma viagem curta, mas divertida!! É sempre bom podermos “ver” com todos os nossos sentidos aquilo de que ouvimos falar nas aulas. Por isso é que gosto tanto das visitas de estudo! Mariana Santos, 5ºB

No dia 16 de março, os alunos das turmas do 5º ano do Colégio Nª Sª da Assunção, realizaram uma visita de estudo ao Jardim Botânico de Coimbra e ao Portugal dos Pequenitos, no âmbito das disciplinas de Ciências da Natureza e Educação Visual e Tecnológica. Iniciada a visita no Jardim Botânico, os alunos puderam ali conhecer uma grande variedade de plantas e reconhecer a necessidade da sua preservação. Já no enorme espaço lúdico-pedagógico, que é o Portugal dos Pequenitos, pôde ser apreciada a arte escultórica e arquitetónica projetada em miniatura, através de réplicas representativas da nossa cultura. O espaço encontra-se organizado em áreas temáticas dedicadas aos Países de Língua Oficial Portuguesa, ao Portugal Insular ( Açores e Madeira ), ao Portugal Monumental, às Casas Regionais, do norte ao sul do país, e a Coimbra. Inclui ainda três museus: o do Traje, o da Marinha e o do Mobiliário. Tudo em miniatura, daí o nome Portugal dos Pequenitos. Depois de toda a observação feita, e munidos dos materiais necessários, os alunos dedicaram-se ao esboço de casas regionais portuguesas, sob a orientação das professoras. De forma muito participada, os jovens artistas reconheceram a diversidade e importância do património português, aquém e alémfronteiras. Foi um dia bem passado, em que todos aprenderam, conviveram e reforçaram laços de amizade. Turma do 5ºC ( texto coletivo)

16


9º Ano - Lisboa No dia 1 de fevereiro, saímos do Colégio em direção a Lisboa para visitar o Centro Cultural de Belém (CCB) e assistir a uma peça de teatro, Auto da Barca do Inferno, no Mosteiro dos Jerónimos. A visita de estudo foi programada no âmbito das disciplinas de Língua Portuguesa e Educação Visual. Chegámos a Lisboa por volta das 10:00H e dirigimo-nos ao Mosteiro dos Jerónimos, onde aguardámos pelo início da peça de teatro que seria nos claustros do mosteiro. Antes desta começar, os atores fizeram-nos uma pequena introdução onde referiram o momento da História em que o mosteiro tinha sido construído. A peça de teatro foi representada num dos corredores dos claustros do mosteiro. Nós estávamos de pé e a encenação era feita mesmo ao nosso lado. Por isso, os atores interagiam muito connosco. À tarde, após termos almoçado no centro comercial Vasco da Gama, dirigimo-nos ao Centro Cultural de Belém (CCB) visitar a coleção Berardo. Dividimo-nos em grupos e cada um tinha um monitor que fazia a visita guiada às exposições. Numa delas estavam expostos cartazes de propaganda da II Guerra Mundial, intitulando-se esta exposição A Arte da Guerra -Propaganda da II Guerra Mundial. Naquela altura, estes cartazes tinham não só a função de provocar emoções nas pessoas, mas também de mudar o Mundo. Na outra exposição estavam expostas obras dos séculos XX e XXI, de pintores como Pablo Picasso, Salvador Dalí , Francis Bacon, Piet Mondrian, entre outros. Durante a visita tivemos a oportunidade de fazer a interpretação de algumas obras. No fim da visita lanchámos na praça do Império, em frente ao CCB e ao Mosteiro dos Jerónimos. Partimos de Lisboa às 17:00H e chegamos ao Colégio por volta da 19:00H. Divertimo-nos muito, convivemos e conhecemos lugares novos e importantes, vimos teatro e artes visuais : chegamos a casa mais ricos. Inês Carvalho, 9ºA

17


7º Ano - Matosinhos e a Guimarães. No dia 20 de janeiro, sexta-feira, fui a uma visita de estudo com os meus colegas. Pediram-nos que estivéssemos para estar na escola bem cedinho e acho que todos conseguiram cumprir esse pedido. Quando entrámos no autocarro, e nos instalámos da melhor forma, começou a viagem. Estava planeado que, na parte da manhã, iríamos a Matosinhos ver um teatro sobre uma obra, que estudámos na disciplina de Língua Portuguesa, O Cavaleiro da Dinamarca. A meio da viagem para Matosinhos, parámos numa estação de serviço em Antuã. Seguimos viagem e chegámos ao teatro da Companhia “O Sonho”, onde iríamos ver o nosso espetáculo. Enquanto as professoras compravam os bilhetes, nós comemos o lanche da manhã. Acabámos de comer e fomos ver a peça de teatro. Depois, seguimos para Guimarães, onde nos deliciámos com os nossos almoços, perto do Castelo. Acabado o almoço, visitámos o Castelo de Guimarães, onde vimos as altas muralhas erguidas do monte, os espaços nos quais os arqueiros atacavam, os altos degraus de pedra e a antiga igreja de S. Miguel, onde se pensa que foi batizado D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal. A seguir, visitámos a parte histórica da cidade, que tinha uma grande beleza e grandiosidade. Também se via em toda a cidade um símbolo característico, pois Guimarães foi considerada a Capital Europeia da Cultura. Depois, fomos visitar o Paço dos Duques de Bragança que, com as suas tapeçarias, grandes quadros e armas majestosas e com a ajuda da nossa guia, nos deu a conhecer um pouco mais da cultura antiga. Ficámos de boca aberta! Finalmente, regressámos e chegámos por volta das 19:30h. Foi um ótimo dia! Tiago Ferreira – 7º C

18


No dia 20 de janeiro, os alunos do Colégio Nossa Senhora de Assunção realizaram uma visita de estudo ao Norte do país. De manhã fomos ao Teatro de Matosinhos, onde vimos a peça de teatro “ O Cavaleiro da Dinamarca” realizada e adaptada pela Companhia O Sonho. O espetáculo foi muito engraçado, pois os atores interagiram muito com o público. Passámos uma manhã muito divertida. Entrámos no autocarro e viajámos com destino a Guimarães. Almoçámos e da parte da tarde visitámos a capelinha onde D. Afonso Henriques foi batizado. De seguida, visitámos o Castelo de Guimarães e a sua Torre de Menagem. Depois de visitarmos este magnífico castelo, fomos conhecer o centro histórico da cidade onde andámos pelas ruas e vimos a preparação para a abertura de Guimarães como Capital Europeia da Cultura 2012. Para melhorar ainda mais a nossa tarde, fomos visitar o Paço dos Duques de Bragança. Lá vimos inúmeros quartos ,gigantescas salas e belíssimas peças de tapeçaria e olaria. No fim da tarde, depois de visitarmos todos estes maravilhosos monumentos, fomos lanchar num largo onde está situada a famosa estátua do primeiro rei de Portugal. Depois de tantas aventuras, regressámos ao Colégio. Foi um dia muito bem passado com os nossos colegas, amigos e professores. No final da visita, ficámos a conhecer um pouco melhor da cidade onde se pensa ter nascido Portugal.

Francisco Belo e Joana Carvalho, 7ºB.

19


6º Ano - Lisboa “Aventura de Ulisses e Mosteiro dos Jerónimos” No dia 18 de janeiro, o 6ºano rumou a Lisboa a fim de assistir a uma peça de teatro intitulada” Aventura de Ulisses” e visitar o Mosteiro dos Jerónimos. Tivemos que nos levantar cedo, ainda de noite, mas estávamos ansiosos com a viagem. Chegámos ao auditório de S.João de Brito, por volta das 10 horas, e assistimos à “ Aventura de Ulisses”. A peça de teatro, de que gostámos muitíssimo, transportou –nos para o mundo mágico dos deuses e heróis da mitologia grega. Como a fome apertava, dirigimo-nos ao Jardim dos Jerónimos onde nos regalámos com o nosso farnel. Depois, e acompanhados por guias, fomos conhecer o Mosteiro dos Jerónimos, As guias captaram toda a nossa atenção relatando, pormenorizadamente, aspetos relativos aos primeiros ocupantes, arquitetos, estilos artísticos utilizados, decoração… e responderam, pacientemente, às nossas perguntas. No final, fomos convidados a participar num jogo sobre tudo o que tínhamos aprendido na visita. Foi aliciante e cada grupo disputou a vitória na construção de um” puzzle” gigante, de forma divertida, mas responsável. Próximo deste local, deliciámo-nos com um dos doces “ o mais maravilhoso” da doçaria portuguesa, o célebre pastel de Belém, e não nos esquecemos dos nossos familiares! A viagem/visita chegara ao fim. Regressámos cansados, mas culturalmente enriquecidos e com vontade de voltar!

12º Ano - Mafra Memorial do Convento nos Convento e Palácio De Mafra Ainda no clarear do dia 6 de janeiro, partimos rumo a Mafra. A viagem foi curta para muitos que tiveram a sorte de adormecer pelo caminho, tendo estes sido presenteados com as clássicas partidas entre amigos. A animação e a boa disposição estiveram também presentes. Chegámos ao nosso destino. Depois de termos sido divididos em grupos, procedemos à visita guiada pelo Palácio Nacional de Mafra direcionada especialmente para a obra de José Saramago. A visita foi divertidíssima, mas, sobretudo, de uma riqueza invulgar! As interpelações da guia ao grupo, acompanhadas de algumas piadas acerca da obra, conseguiram cativar-nos e fazer com que a compreendêssemos mais facilmente. Da parte da tarde assistimos a uma representação da obra com alguns atores de renome, feita especialmente para as escolas, dentro do próprio palácio. Fomos transportados, como que por magia, ao mundo da passarola de Bartolomeu de Gusmão, dos amores de Blimunda e Baltasar, ao reinado de D. João V, ao povo anónimo que cumpriu os caprichos de um rei déspota. A visita foi extremamente profícua, pois se a alguns alunos ajudou a sistematizar a obra de Saramago, a outros aguçou o apetite para a começar a ler. Chegámos ao Colégio felizes, pois mais uma vez mostrámos que somos verdadeiros jovens cluny. Renata Dias, 12ºB

20


11º Ano - Sintra

Partida à descoberta…

Foi-nos dito que iríamos realizar uma visita de estudo Para descobrir Os Maias e o seu conteúdo… Eça de Queirós é o autor desta obra E assim fomos conhecer cidades de fora. Partimos do Colégio às sete e meia em ponto, Para Eça nos revelar os locais do seu conto; Estava um dia de sol luminoso E sabíamos que nos esperava algo maravilhoso. A viagem foi demorada, Mas nada impedia a nossa chegada… Lisboa acolheu-nos na margem do seu rio, Saímos no cais do Sodré, onde sentimos o frio. A guia, a história nos começou a contar Excertos da obra acabámos por partilhar… Caminhámos pelo Chiado, acompanhados pela sua magia, E vimos o local onde Carlos beijou Maria. No Rossio tivemos que almoçar… Umas fotografias, junto à fonte, fomos tirar, Para o nosso desejo se realizar, Um gelado ao McDonald’s fomos comprar. Continuámos a nossa viagem… Sintra era a nossa próxima paragem. Um jogo estava à nossa espera; Qualquer desafio a nossa turma supera. A guia foi ao nosso encontro, Ao contrário de Carlos e Maria que sofreram um desencontro. Não podíamos deixar de comprar as famosas queijadas, Que em Sintra são encontradas. Na viagem de regresso revelaram os campeões, “As Ariscas” e “Os Maestros” ficaram nos nossos corações. Com esta vitória, o Colégio ficou reconhecido, E adorámos Sintra ter conhecido. A nossa viagem ao fim chegou, Um dia inteiro ela durou No final, restam as recordações De uma sexta-feira cheia de emoções!... Marina Neves e Sara Simões, 11ºA

21


Rugby no C.N.S.A.

Ao longo do mês de março, os responsáveis pelo Moita Rugby Clube da Bairrada presentearam os alunos do 1º Ciclo do Colégio com um mini-treino desta modalidade. Os alunos tiveram oportunidade de aprender as principais regras, alguns jogos e ainda os gestos técnicos fundamentais do Rugby. Todos gostaram e participaram com entusiasmo na atividade! Obrigada ao Dr. Rui Rodrigues que motivou e animou os alunos nesta atividade. Paula Coelho e Silva

Corta-mato infantis B feminino (6º e 7º anos)

Corta-mato iniciados masculinos (8º e 9ºanos)

Pintura do campo de volley

O nosso colégio possuía dois campos de volleyball, porém, como há muitos alunos, do quinto ao oitavo anos, que praticam este desporto, decidimos acrescentar um terceiro. Deste modo, numa quinta-feira, à hora do almoço, vestimos batas brancas, empunhámos pincéis, trinchas e baldes de tinta e, sob a coordenação da professora Paula Coelho, que dá as aulas do desporto supracitado, deitámos mãos à obra. A rede já tinha sido colocada antes, portanto apenas foi necessário fazer as marcações com fita-cola e pintar. Não foi fácil estarmos tanto tempo debruçados no chão, mas valeu a pena. Agora, já são três campos de volley e cada vez há mais alunos a querer jogar. Quem sabe se não vão sair daqui jogadores famosos, que um dia dirão com orgulho: “Em pequeno pratiquei num campo feito por mim!”. Francisco Power, 8.º B

22


NOTÍCIAS DO TÉNIS Ao longo do período, os vários grupos de ténis existentes no Colégio têm participado em vários torneios. Ficam aqui alguns registos.

Cerca de duas dezenas dos alunos de iniciação estiveram no Luso a participar no Torneio de Ano Novo que decorreu a 28 de janeiro. No fim de semana dias 11 e 12 de fevereiro decorreu em Cantanhede a 1ª Etapa Nacional do Smash Tour nos escalões sub7, sub9 e sub10. De referir, a excelente prestação de Gonçalo Cunha que, ao vencer o torneio, fica desde já apurado para o Masters a realizar no Porto em outubro. Igualmente, Marta Fernandes com o 3º lugar, consegue o apuramento para a mesma prova.

Francisco Carvalho – 3º Lugar sub7

Marta Fernandes – 3º Lugar sub10 Feminino

Gonçalo Cunha – 1º Lugar sub10 Masculino

Nos dias 10 e 11 de março, decorreu o 1º Torneio Sénior da Mealhada. Alexandra Ferreira apesar dos seu 15 anos conseguiu um brilhante 2º lugar.

João Magalhães

23


Condeixa, 4 de enero de 2012

Queridos Reyes Magos: Me llamo Francisca y vivo en Condeixa. Tengo 16 años y soy una niña solidaria, generosa y me gusta ayudar todos los que nos rodean, por eso este año espero muchas cosas. Quiero un comando que tenga la función de mudar todo lo que está mal en el mundo, pero también un cargador para el funcionar, porque estoy cansada de ver guerras, odio, individualismo, prejuicio entre tantas otras cosas malas que nos rodean. También quiero un libro de instrucciones y necesito de un bolso para guardar el comando y sus accesorios. Y para mi nada más. Mis padres necesitan de una dosis extra de paciencia para las intrigas entre mí y mi hermano. Para mi hermano quiero todo lo que él os ha pedido, porque así no me equivoco con sus regalos. Para mi primo quiero mucho coraje, porque va a necesitarla cuando Laura crecer. Y para ella un comienzo de vida muy bueno. Solo me falta pedir mucha alegría y salud para todos. O deseo de muy buen viaje a Portugal. Muchos besos y abrazos, Francisca

Carta vencedora do concurso “Carta a los Reyes Magos” Francisca Salgado, 11ºB

24


O Livro Falante Um livro a falar, Que não sabe rimar. Está sempre a cismar, Então põe-se a chorar, Pois, só queria rimar. Um dia ele ficou numa estante E viu um livro dançante! Então decidiu dançar! Caiu da estante E ficou como dantes, E ficou a rimar, Até a estória acabar! Beatriz Quintas, 4º B

MÃE Mãe tu és linda És amiga És vida Ramo de flores De muitas cores És o meu sorriso, Mãe ! És mar azul És botão de rosa aberto Na brisa da manhã. És linda minha Mãe! Nuno Miguel Salgado,4º B

25


O meu colégio é enorme! Eu gosto muito de andar no colégio. Já sei ler e escrever. Já sei contar. Gosto da minha professora e dos meninos da minha turma. Eu brinco muito no meu colégio. Eu adoro o meu colégio! Maria Inês, 1ºA

Eu gosto de andar no colégio. Estou no primeiro ano. A minha professora é Alexandra, eu gosto muito dela. Nós somos vinte alunos. A minha colega do lado chama-se Carolina. Ela ajuda-me a fazer os trabalhos. Eu gosto muito dela. Constança, 1ºA

Eu gosto do meu colégio. O colégio é para aprender. As professoras são muito simpáticas e giras. Eu não sabia ler, mas agora já sei. Nunca vi uma escola assim! Guilherme Melo, 1ºA

Eu gosto muito do colégio, porque eu tenho muitos amigos, tenho professoras muito simpáticas e aprendo muitas coisas. Francisco, 1ºA

Eu sou a Violeta do 1ºA e quero dizer que gosto muito do meu colégio. O que eu gosto mais é do Inglês e do Ballet. Maria Violeta, 1ºA

Eu gosto de andar no colégio. Gosto de trabalhar no meu colégio, é a primeira vez que cá ando. Estou feliz, porque gosto muito da minha professora. Estou a gostar de aprender a ler e a escrever. Mafalda, 1ºA

Eu gostei muito do carnaval no colégio, porque foi muito divertido, brincámos muito! Mas eu gosto mais de estudar e de ir às aulas com os meus amigos. Neste colégio aprendi muito com a professora. Assim já sei escrever para o jornal do colégio! Tomás Andrade, 1ºA

26


Eu gosto muito do meu colégio. Aprendi a ler, a escrever e a fazer contas. Arranjei amigos novos e nos intervalos brinco com eles. Jogo futebol, às escondidas, à apanhada, divirto-me muito! Diogo, 1ºA

Olá, o meu nome é Bernardo, ando no primeiro ano. Gosto muito do meu colégio, a minha atividade é o judo. O colégio é muito bom, gostei muito do carnaval, foi muito divertido. Bernardo, 1ºA

Gosto muito de andar no colégio. Tenho amigos com quem gosto de brincar e falar. Nos intervalos brincamos com os matraquilhos e às escondidas. Gosto de aprender coisas novas, principalmente de língua portuguesa. Tomás Gonçalves, 1ºA

Eu gosto muito do meu colégio. A minha turma é o 1ºA, entrei este ano para a primária e está a correr tudo bem. Adoro a minha professora e as minhas disciplinas preferidas são matemática e estudo do meio. Gosto muito de jogar à bola nos intervalos com os meninos da minha turma e também com os meninos do terceiro ano. Um abraço amigo do Miguel. Miguel, 1ºA

27


O Carnaval Finalmente, o Carnaval. A festa que ninguém leva a mal! Portugueses, chineses, marcianos, Todos têm Carnavais muito bacanos! Mas já nem todos o podemos festejar, Isto, Porque a crise tudo nos está a levar. Mas porquê? Pergunta o povo português. Hoje vamo-la desrespeitar, Rir, divertir e no fundo aproveitar! Olhem, ali estão os palhaços, Os nossos grandes amigos. Venham, venham ver, Como eles vos vão entreter! Agora, vou-me mascarar, Ninguém me vai reconhecer! Não querem acreditar? Então venham ver A festa já começou, Os carros estão a desfilar, As serpentinas voam pelo ar! Que fixe, Estão todos a dançar! Ricardo Loureiro, 4º B

28


Quero conhecer Portugal

Para bem conhecer Portugal é necessário viajar! Portugal é um país pequeno, mas tem muita história, muitos monumentos, lindas paisagens e muitos homens importantes que tornaram este país conhecido. Nasceu no século XII, em 1143, quando D. Afonso Henriques se tornou primeiro rei de Portugal, depois de um tratado realizado em Zamora com o primo, o rei de Leão e Castela. D. Afonso Henriques nasceu em Guimarães, onde ainda existe um castelo e uma estátua dele. Ele está sepultado no mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra. Coimbra é uma Cidade onde passa o rio Mondego e nas suas margens pratica-se a agricultura. É uma cidade cuja a Universidade é muito importante, porque aí estudaram grandes homens da ciência. É uma universidade muito antiga mandada construir por Dom Dinis. A capital de Portugal é Lisboa. É uma grande cidade com muitos monumentos históricos, como o Mosteiro dos Jerónimos, que lembra os descobrimentos portugueses, assim como a Torre de Belém e o Padrão dos Descobrimentos. Por todas as cidades, vilas e aldeias encontram-se vários edifícios antigos, que contam feitos da História de Portugal. Em Sagres, no Algarve, foi fundada uma escola náutica onde os primeiros navegadores portugueses aprenderam a arte de navegar. Assim, se levou o nome de Portugal a todos os continentes. E uma das formas de conhecer Portugal é “viajando”. O meu país é tão lindo, como ele não há igual, tem um nome bem bonito, bem Bonito, é Portugal!

Gonçalo Roque da Cunha, 4º B

29


Uma viagem espacial «Uma viagem espacial», pensava eu , quando me sentei na nave que nos iria levar até à Lua. Três, dois, um…descolagem .Lá vou eu, de capacete e fralda, apenas com três anos. A nave subiu, e subiu, até que comecei a ouvir uma voz: -Ah! Gravidade! Ah!-era o Batatudo. Ele não pôs o cinto! Já passadas algumas horas de viagem, vejo um planeta, depois um astro com varicela e logo a seguir a lua: era linda…! Branca e corada! Era um queijo gigante!... Estacionámos a nave numa estação de serviço. Saímos, conhecemos vários “ lunáticos” , guardámos muitas recordações . Mas, a ida à Lua também teve as suas desvantagens: roubaram os parafusos da nave! Como vamos voltar para casa? Lá fui eu, já com a barriga a roncar, até uma loja e troquei três chupetas pelos parafusos. Arranjei a nossa nave e lá voltámos para casa. Quando cheguei, fui comer e ver televisão. Estavam a dar as notícias: amanhã vão pisar a Lua pela primeira vez! Espetacular! Se eles soubessem que um miúdo de três anos já lá esteve… Ricardo Loureiro, 4º B

Como o tempo passa depressa! Um dos momentos da minha vida em que eu sinto que o tempo passa depressa é quando estou na missa. Nesse momento, eu sinto-me bem e, como estou tão concentrada a louvar e agradecer a Deus, nem percebo que já estamos a chegar ao fim da missa. É como se Deus me embalasse nos seus braços. Na comunhão sinto-me ainda melhor, pois recebo Jesus no meu coração e o tempo parece que voa, porque a alegria de estar com Jesus alegra-me o coração e põe asas nos meus pensamentos, levando-me ao céu. Por estes e muitos outros motivos, posso confirmar o que a minha mãe costuma dizer –”O que é bom dura pouco. “

Maiara Vaz Melo Pinto Ribeiro, 5ºB

30


As árvores De dia são inofensivas Doces e suaves Mas de manhã, as árvores Levantam-se e andam Falam, dançam Olham e ouvem. Dirigem-se todos os dias Para o bosque E fazem uma festa De árvores e flores. Lírios brancos cantam, Rosas suaves dançam Gladíolos vaidosos desfilam, Malmequeres sensíveis conversam e Papoilas vistosas dançam. O carvalho olha em volta E limita-se a olhar. Está muito velho para dançar. É ele que anuncia o amanhecer. E é ele que os dirige para o jardim, Porque uma boa árvore, Ajuda os amigos até ao fim. Rita Semedo, 5ºC

11 de Novembro de 2011

Querido avô Fausto, Chamo-me Leonor. Tu não me conheces. Sou tua neta, filha do teu filho mais novo, o Zeca. Nasci 1 ano depois de tu morreres, no dia 23 de Maio de 2001. Tenho agora mais dois irmãos mais novos: a Luísa, que nasceu no dia 23 de Julho de 2003 e o Luís, que nasceu no dia 9 de Dezembro de 2010. Escrevo-te esta carta para te dizer que gostava muito de te ter conhecido. Já que não te posso ligar, pois aí no céu não há telefones, nem telemóveis. Sei que tu morreste com uma doença que te fez sofrer muito, e estou muito triste, porque se tu estivesses um pouco mais de tempo connosco, saberias do meu nascimento. Falta um mês para o Luís fazer 1 ano. Ele já anda, embora agarrado às paredes. A avó Rosa está bem. Por agora, está lá a viver com ela o tio Nelson. O meu pai ainda é maquinista e está muito bem. E eu? Eu estou mais contente por saber que o avô me ouve! Desejo-lhe uma boa Páscoa! Beijinhos da Leonor Leonor, 5ºB 31


Os adjetivos Tudo isto quer dizer:

Um adjetivo ali,

O Pedro é amigo,

Outro acolá

amável,

Sem saber como Formam um ser que parece vivo. Por exemplo, O Pedro é amicíssimo, amabilíssimo, dulcíssimo.

doce. Doce no sentido de doçura própria. Em latim quer dizer: O Pedro é amicus, amabilis,

E muitas mais coisas que Vou desvendar, Vou descobrir, Vou encontrar…

dulcis. Entendeste? Percebeste? Compreendeste? Mª Beatriz Loureiro, 5ºC

Eu sou uma árvore Eu sou uma árvore chamada Bonsai. Bonsai quer dizer árvore em bandeja e fui inventado pelos chineses que adoravam fazer jardinagem. Sou uma réplica de uma árvore da natureza em miniatura. Eu sou uma obra de arte produzida pelo Homem através de cuidados muito especiais. Quase todas as espécies de árvores podem ser bonsais, eu sou um pinheiro. Tenho muitas folhas muito verdes. Eu gosto muito do verão, é a minha estação preferida. Eu gosto desta estação, porque o Sol aparece e está calor. As árvores na Natureza crescem livremente, por isso, ficam grandes. Eu não, porque as minhas raízes estão limitadas pelos vasos onde cresço. Gostava de poder viver no campo que é o meu sítio preferido e ver à minha volta outras árvores, o Sol, as montanhas. Sou uma árvore muito especial e muito acarinhada pelo meu dono.

José Eduardo Carvalho, 2ºC

32


De manhã Ao acordar Penso sempre: “Este dia é para recordar”.

Escola

Verbos, nomes, adjetivos Parem com a confusão Com tantas palavras Até caio ao chão!

Lavo-me bem Preparo a sacola, Tomo o pequeno-almoço, Estou pronta para ir para a escola.

Trrim! Ouvi a campainha Vamos para o intervalo, Uma forma de descontrair, De brincar e de falar.

O autocarro está à espera, A porta a abrir E lá vou eu a correr. Queremos todos seguir

Um, dois, três Vamos relembrar outra vez. O dois vem a seguir ao um E depois, há mais algum?

Ao chegar ao destino Abre-se um caminho A professora está a chamar Toca a andar!

Está na hora de partir Estou pronta para ir! Já vejo a minha mãe Agora, está tudo bem! Leonor, 5ºB

Sou uma árvore Eu sou uma árvore de fruto. Sou um pessegueiro. Eu gosto mais da primavera, porque nesta estação fico com mais flores. Nesta estação os pássaros fazem os seus ninhos nos meus ramos e fazem-me companhia. À minha volta vejo as minhas amigas árvores, os pássaros, a relva, o céu, o sol, as ovelhas a pastar nas montanhas, os cavalos, as vacas, um rio e os meninos a brincar. No verão começo a dar uns frutos grandes e deliciosos de que as pessoas gostam muito. Como sou uma árvore de folha caduca, no outono as minhas folhas começam a ficar amarelas e vão caíndo. No inverno fico nua, o vento forte e a chuva batem nos meus ramos sem folhas. Gabriela Neves Silva, 2ºC

33


Família Cristã, desafio e esperança! No dia 3 de março, ali estávamos nós, todos reunidos, no nosso Colégio, prontos para mais um momento de convívio e reflexão em conjunto com outros jovens da nossa idade. Os encontros fazem com que cada um de nós se encontre consigo próprio e descubra coisas que nem imaginava ter dentro de si. Este encontro teve como base o tema da Família, fez-nos refletir sobre vários assuntos, tal como o de nos conservarmos fiéis ao matrimónio e ao respeito pelo nosso corpo e pela nossa castidade, o facto de darmos o devido valor a todos os que nos rodeiam, os nossos pais, irmãos, primos, tios, avós e também aos nossos amigos e a todas as pessoas que cuidam de nós. Fomos divididos em grupos e misturados, para podermos conhecer colegas de outras Escolas Católicas. Cantámos muito e partilhámos experiências e ideias que nunca pensámos conseguir compartilhar. Decorreram, durante a manhã, duas palestras em simultâneo sobre a família, e, de tarde, houve jogos e quatro tipos de ateliês. Penso que quem esteve no nosso encontro conseguiu aprofundar um pouco mais os seus laços com Deus, conseguiu abrir-se um pouco mais ao mundo e a novas formas de ser. Percebemos que a nossa Família é, de facto, uma grande dádiva de Deus e agradeço-Lhe todos os dias pela que tenho.

Francisca Cid Souto, 10ºA

34


Dezanove de março, dia dedicado a todos os pais, em homenagem a S. José. Para marcar este dia foi celebrada uma eucaristia na Capela do nosso Colégio. Celebração festiva, alegrada pelos cânticos dos nossos Coros, e marcada pela homilia sempre atual e calma do Sr. Padre Bernardo, onde destacou o bom e sempre vivo exemplo de S. José, em que todas as famílias cristãs devem assentar. Como de uma festa se tratava, não podia faltar o presente. Uma “pulseira colorida”. Esta troca deu origem a um momento de ternura entre pais e filhos, enquanto a “pulseira” era colocada no pulso do pai num misto de alegria e orgulho. Rosarinho Alvim de Castro (mãe de alunos)

No dia vinte de março de dois mil e doze, os alunos do Secundário participaram na Eucaristia presidida e orientada pelo Senhor Padre Bernardo, que muito tem auxiliado o nosso Colégio. A Eucaristia decorreu de forma tranquila e dinâmica, sendo composta por diversos cânticos. Contudo, sem dúvida alguma, que o momento mais emocionante foi a leitura do Evangelho e a exploração da seguinte pergunta que Jesus colocou a um enfermo: ”Queres ser curado?”. Assim, sem dúvida alguma, nós temos grande valor e é certo que cada um de nós quer amar, mas também quer ser amado. Todos nós temos sede, tal como Jesus teve sede de amor, enquanto se encontrava na Cruz e declarou “Tenho sede”. Esta sede de Jesus não era mais do que sede de amor, tal como todos temos e é este amor que Jesus nos oferece. No entanto, tudo depende de nós, se o queremos ou se não o queremos. Sabemos que somos amados, porque Jesus deu a sua vida por nós na Cruz. Assim, estas sábias palavras serviram de orientação para nós e ajudaram-nos a ver que a vida, apesar de ter bastantes surpresas negativas, também tem diversas coisas positivas, o que nas alturas mais desmotivadoras da vida nos pode servir de encorajamento. Inês Marçal, 10ºA

35


No dia 26 de fevereiro, os Pequenos Cantores Cluny, juntamente com o coro Stella Maris fizeram um concerto no Santuário de Nossa Senhora Auxiliadora de Mogofores. O objetivo principal era ajudar na reconstrução da Casa Amarela, que será o novo centro paroquial daquela paróquia. Conseguimos, por um lado, ajudar esta causa e, por outro, proporcionar um excelente momento musical a todos os que nos foram ouvir. A Igreja estava cheia , não só dos nossos familiares, mas também de outras pessoas. O primeiro a atuar foi o coro Stella Maris, formado pelas mães do Colégio, que cantaram muito bem. A nossa atuação foi muito boa. Cantámos temas muito bonitos dedicados a Nossa Senhora, Rainha do Santuário. Terminámos o concerto com a música de que mais gosto: “ A Capoeira”, que pôs toda a gente a rir. Gostava de ser uma formiguinha para ter entrado no santuário e poder ver Jesus a rir às gargalhadas. Obrigado, professor Celestino, por fazer músicas tão bonitas e nos ensinar a cantá-las tão bem!

Maria Luísa Tovar 4ºC

36


Nos dias 16, 17 e 18 de março, realizou-se em Torres Novas um retiro de Jovens promovido pelas Irmãs de S. José de Cluny, do sector da Pastoral Juvenil, e orientado pelo Padre Ricardo Conceição. Do nosso Colégio, tiveram a possibilidade de participar um grupo de alunos do Secundário: a Eva Catarina Oliveira, a Patrícia Ferreira, a Marina Wischert e o João Lima. Foi com grande expectativa que partimos de Anadia. Nas nossas bagagens levávamos o desejo de dar mais sabor e alegria à nossa vida. Neste sentido, o retiro, que é um tempo de reflexão, convidou-nos a entrar no “Banquete da Alegria” de Deus, a partir do texto bíblico “As bodas de Caná”. A alegria de quem sabe que encontrou o fundamento e a meta da sua vida. A alegria serena que permanece em qualquer circunstância da nossa vida, porque sabemos que a vida venceu a morte e que o amor é mais forte do que a dor. Por isso, “chegou a hora e é já…” de experimentarmos a alegria que a Ressurreição nos traz. Obrigado a todos os que tornaram possível este encontro. Feliz Páscoa! Jovens Cluny

Adoração ao Santíssimo na capelinha No dia 24 de fevereiro, já em plena Quaresma, tivemos o privilégio de ir, em turma, fazer a Adoração ao Santíssimo na capelinha. A D.T. tinha estado connosco a relembrar os tópicos mais importantes da mensagem do Papa Bento XVI para a Quaresma. Foi bom, pois fomos chamados a “prestar mais atenção ao outro” e começámos, ali mesmo, a pensar nisso… A Clarinha tinha feito em casa a preparação de algumas orações e cânticos. A Mariana, a Maiara, a Leonor e mais alguns meninos da turma ajudaram a pôr em prática e todos colaborámos muito bem. Rezámos e cantámos com alegria. Portámo-nos como seria de esperar e, no fim, agradecemos a Deus as Graças que nos dá diariamente, e pedimos também por algumas intenções. No final, a Irmã Emília, que esteve sempre presente, deu-nos os parabéns e ajudou-nos em mais uns minutos de reflexão. Gostámos muito! A nossa D.T. convidou-nos a vir mais vezes à Capelinha para agradecer, rezar e estar com Jesus. Prometemos que viríamos. Alunos do 5ºB

37


A vivência quaresmal iniciou-se com o encontro com Jesus. Nos dias 23, 24 e 27 de março, cada turma acompanhada pelo seu diretor de turma, professor de EMRC ou de outra disciplina, dirigiu-se à capelinha do colégio onde Jesus se encontra à nossa espera. Este tempo espiritual foi dinamizado a partir da leitura e reflexão da Palavra de Deus, de orações partilhadas, onde cada aluno expressou o que sentia e proferiu agradecimentos e pedidos de bênçãos. Na sala de aula, os placards foram recheados com compromissos de esperança. Cada aluno usou o símbolo do “homem-cruz” para estabelecer uma meta de vida para a Quaresma. Nesse símbolo, que uniu toda a turma, estava em destaque a palavra “esperança”… Como uma corrente de mudança, os propósitos de Quaresma são expressões de uma fé que se quer concreta, em comunhão com Deus. Um destaque especial para as Eucaristias e para o Sacramento da Penitência, vividos pelos alunos do 4º ao 12ºanos. A vida do nosso Colégio é marcante na forma como encaramos os momentos espirituais, sobretudo quando vividos de forma intensa. Quantos dos nossos alunos e famílias já não têm uma prática sacramental habitual e sistemática? Mais do que meras celebrações rituais, assistimos à participação de um grande grupo de alunos e educadores: silêncio e concentração nos momentos mais solenes e na homilia, entusiasmo nos cânticos, número considerável de alunos a quererem confessar-se. Os “Padrinhos AMJ”, alunos do 12º ano, dinamizaram a sua etapa 3, fazendo uma “Visita Pascal” aos “afilhados”. Nos seus encontros com os alunos das 12 turmas do primeiro ciclo criaram uma cruz especial, inserindo flores e símbolos cristãos da Quaresma e Páscoa. No último dia de aulas do segundo período, as 12 cruzes foram acompanhadas por um elemento de cada equipa de “padrinhos” e “afilhados”, na alegria de anunciar a oferta e sacrifício de Jesus. A presença e palavra nesta oração da Provincial das Irmãs de S. José de Cluny, a Irmã Ludovina, foram um momento muito bonito. A Irmã Ludovina salientou a capacidade demonstrada pelos alunos no saber estar em clima de oração e o modo peculiar de celebrar a fé em sentido de família. Deus ficará decerto contente com o esforço efetivo por parte dos alunos e educadores que promoveram a vivência de um tempo determinante para a perceção e assunção da essência do cristianismo. Olga Cristina e José Pedro Negrão (Departamento Pastoral CNSA)

38


Com esta técnica fazem-se trabalhos maravilhosos: bolas de Natal, estrelas, ovos de Páscoa, coroas natalícias, corações, telas, caixas… Para as bolas, coroas, ovos, estrelas e corações é necessário que os mesmos sejam em esferovite. As caixas e as telas levam uma placa de esferovite colada, por exemplo, na tampa da caixa. Com a tela passa-se o mesmo, cola-se a placa na tela e: 1. Golpeie (com 3mm de profundidade) a peça que pretende revestir com tecido com um xacto, fazendo desenhos geométricos ou outros. 2. Escolha os tecidos, fitas, cordões… 3. Prepare o material que vai precisar: tesoura pequena, abre-casas ou lima das unhas, tecidos… 4. Corte os pedaços de tecido um pouco maiores do que o tamanho das superfícies a serem cobertas. 5. Utilize o abre-casas ou a lima para empurrar suavemente a borda do tecido para dentro da ranhura, sem rasgar.

Para esta Páscoa

Uma bonita sugestão para o dia da mãe. Não te esqueças que é sempre no primeiro domingo de maio.

39


A Equipa de Sobreirinho deseja a todos uma Santa Pรกscoa

40

Sobreirinho  

Jornal O Sobreirinho [publicação do Colégio Nossa Senhora da Assunção | Famalicão - Anadia]

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you