Issuu on Google+

Dossier de Projecto

Atelier de Artes Plásticas lll

Inês Snyckers 9508 APM2 2011/2012


Assim começou a aventura. Fomos enviados à mata. Éramos alunos com uma missão: Encontrar um objecto para representar na U.C. de Atelier de Artes Plásticas lll Rapidamente fui confrontada com uma terrível decisão.

...o roubo

....ou o sacríficio.


Escolhi o roubo e, pedindo desculpa aos meus animais de estimação, levei-lhes o tronco do seu terrário. Esta seria a minha peça, e gostava bastante dela... gostava. Via nela potencial. Via nela trabalho, mas muito, muito potencial.


Mãos à obra! Começa a fase da escultura em barro.


De material em punho e após um processo de admiração intenso, que quase parecia o de uma assolapada paixão, foi ganha a coragem e foi tocado o barro. Terminou-se a paixão. O material frio e viscoso causava-me uma impressão inimaginável, e quando começava a secar-me nas mãos só me apetecia gritar. No entanto, a persistência foi a chave eu eu não ia desistir desta batalha! Moldei a forma geral da peça (que parecia outra coisa que não a forma geral da peça) e começei a tirar de uns lados, a pôr de outros. Sendo este o meu primeiro contacto com o material, as primeiras 2 tentativas falharam redondamente. Finalmente, à terceira tentativa e depois de vários arames pelo meio, a minha peça finalmente se parecia com algo decente. Semanas passaram e, ao longo destas, mais pormenores foram adicionados...


Chegou por fim a luz ao fundo do túnel:

O gesso amarelo Esta é a primeira fase da criação do molde. Consiste em misturar o gesso de estuque em àgua de forma a deixá-lo numa consistência relativamente líquida que lhe permita alcançar todas as reentrâncias da peça em barro. A este gesso é acrescentado um pigmento amarelo que servirá para que, quando o molde for quebrado, se consiga diferenciar o molde da peça. Também ajuda a calcular a força que deverá ser depositada quando se está a quebrar, mas disso falaremos mais à frente.


Acabado o gesso amarela, passamos ao

gesso branco. Esta fase é semelhante à do gesso amarelo, mas com algumas diferenças - primeiro de tudo o gesso usado é mais espesso e esta camada é mais grossa. Mais uma vez cobre-se a peça toda com o gesso. Esta começa a emitir calor à medida que o gesso assenta! Agora é esperar que seque...


O gesso está seco. Só pode querer dizer uma coisa: acabou-se a espera! Chegou a altura de retirar o barro de dentro do molde! É uma fase minuciosa e que exige várias horas de trabalho seguido, mas é muitissimo divertida! Usando uma várias ferramentas, todo o barro é retirado do molde. Depois de ter a certeza de que tudo está limpo, uma camada de sabão é aplicada sobre toda a superficie para evitar que o gesso do preenchimento se peque ao molde. Depois da primeira camada vem uma segunda, e a essa segue-se uma terceira.


O molde está limpo? Está seco? Está bem ensaboado? Quando a resposta a estas três questões foi ‘sim’, chegou a altura de...

encher o molde!

E encher com o quê? Mais gesso, está claro! O gesso que preencherá o molde terá de ser líquido, cremoso. A melhor comparação que encontrei foi ‘gelado derretido’, e foi esta a textura que procurei alcançar. Depois de a peça estar direita (para não entornar) e o gesso pronto, toca a despejar! Rápido o suficiente para não começar a solidificar, devagar o suficiente para não fazer asneira. Depois de o molde estar LITERALMENTE a trasnbordar, basta mais uma vez esperar.


...mas quem espera nem sempre alcanรงa. Depois de se raspar o excesso do topo do molde (usando uma pequena serra) para que este fique liso, pequenas grandes fendas lรก permaneceram. O gesso tinha rachado... E agora?

No stress!

Tudo se resolve!


Pensava eu que estava nas artes, mas mais parecia medicina dentåria! Num processo moroso e detalhado, todas as pequenas fendas foram preenchidas com uma mistura extremamente aguada de gesso. É chato, sim, mas eu pessoalmente gosto de trabalho de pormenor, e gostei bastante desta fase.


Como novo!

E depois de superado este desafio, chegou a parte divertida! A destruição! O descarregar de raiva!

Partir o molde! Começa-se por colocar a peça sobre vários panos (para amortecer o choque). Agora de maço e formão em punho, começa o processo. O formão deverá ter o declive virado para fora, de modo a evitar danificar a peça, e o maço deve ser usado com determinação em todas as pancadas. Nesta fase descobre-se mais uma vez a utilidade do gesso amarelo como ‘aviso’ da proximidade da peça, permitindo-nos avaliar melhor a froça necessária e também a forma geral do objceto.


A peça ‘saiu da casca’ sem problemas, aparentemente.... Mentira. A peça saiu do molde inteira mais rápidamente se começou a despedaçar. Mas nada está perdido e tudo se resolve! De volta ao minucioso trabalho de enchimento de fendas. Os pedaços separados foram ligados uns aos outros por pequenos pedaços de arame. Depois de tudo acertado, gaze é introduzida no espaço entre elas cuidadosamente. Pequenos pedacinhos embebidos em gesso são colocados com uma fina ponta metálica até ficarem bem apertados dentro da peça. É feita uma mistura extremamente líquida de gesso e, com uma pequena colher de café vaise introduzindo a mistura nas fendas. a àgua ajudará o gesso a expandirse e a ligar às novas particulos, colando a peça. Depois de cerca de 3 canecas desta mistura despejadas pelas fendas, a minha peça estava como nova! (ou quase...) Agora era confrontada com problemas mais graves: bocados em falta, Ao quebrar o molde, duas das extremidades mais sensiveis da minha peça perderam-se. Estas tinham de voltar. Recorri a um pequeno palito com gaze embebida em gesso enrolada a ele, e mais uma vez toca a despejar gesso liquido em cima da peça. Assim fui combatendo a gravidade até que esta pequena extremidade vertical tinha voltado à vida!


A peรงa estรก agora QUASE terminada...


...e depois de ser toda lixada, pude finalmente ver o produto de tanto trabalho.


Por outro lado, também desenvolvi um estudo do objecto em

fotogravura. O processo de fotogravura, embora tenha vários passos a seguir, é relativamente simples. Antes de tudo é preciso uma imagem negativa do obejcto. Captei a minha usando o scanner, o Photoshop e alguma paciência. Esta é a minha imagem:

Esta imagem é impressa em acetato, e desse acetato faz-se uma fotografia. A imagem é exposta numa folha de pelicula fotográfica por 3-5 minutos e depois revelada e fixada nos quimicos correspondentes (revelador e fixador), e posteriormente passada sob àgua corrente. A primeira fase está completa. De seguida lixa-se uma placa de zinco até que fique lisa e sensibiliza-se com Positiv20 da Kontakt, um sensibilizador de circuitos impressos. É exposta usando a fotografia feita anteriormente e revelada. Depois de revelada são tapadas as partes expostas não desejadas e vai corroer ao àcido. Seca-se e cobre-se com pós de resina. Derrete-se o pós de resina na peça, dando textura, e de volta ao àcido!


A placa estรก gravada, e tal como eu a queria!


Na primeira impressão decidi fazer algumas experiências e quebrar algumas regars, algo que não agradou ao mestre, mas a verdade é que o resultado final foi o esperado: Uma imagem texturada e rústica. Sem limpor a placa fiz uma segunda impressão. O objectivo era ter uma impressão bastante esbatida, para que o meu personagem podesse ser desenhado por cima.

O meu personagem dá pelo nome de Simão, o girino extraterrestre. Acontece que o Simão foi o primeiro Ser Vivo à face desta terra, e dele descendemos todos nós! O Simão é grande (para um girino), inteligente (para um girino), e extremamente bem parecido (para um girino). Ele nada, ele anda, ele voa. Ele faz barbecues aos fins de semana com os amigos. É fã de indie rock, e especialmente dos The Eels. É um gajo porreiro (para um girino).


E agora chegou a altura de trazer o Simão à 3a dimensão! Escultura! (enfim, mais barro... e eu a pensar que já me tinha livrado dele...) E depois, acabou!


Por fim este trabalho está terminado, e não podia estar mais feliz! (não com o trabalho, mas com o facto de o ter terminado... OK, também estou mais ou menos feliz com o trabalho... mais ou menos.) Não gostei do barro, não, de todo. Considero-o o meu novo arqui-inimigo. Gosto do que pode ser feito com ele, mas dispenso - fico-me pela plasticina. O gesso, por outro lado, adorei! Mexer na pasta, corrigir os erros... Se tivesse sido só isso teria adorado este projecto do início ao fim! Quanto à parte da gravura, pois bem, nada de novo. Já tinha feito gravuras antes e gosto bastante do processo, parte da razão pela qual escolhi agora também fazer uma. Elaborei outras experiências mas não estão completas e não estou satisfeita com nenhuma. Por fim, falando do Simão, o personagem, estou MUITO orgulhosa dele. Gosto do personagem, da história do personagem e das formas como o representei. Tenho alguma pena em não estar cá no próximo semestre para lhe dar continuidade. (e tenho também a certeza de que essa pena me vai passar) No geral, foi uma nova experiência, muitas coisas que nunca tinha feito, algumas coisas que não quero voltar a fazer, mas um processo no qual aprendi bastante.

Posso dizer que gostei de elaborar este projecto.


FIM


Projecto de Atelier III