Issuu on Google+

VA L E

VITRINE

DO

AÇO

z Q U I N T A - F E I R A , 2 5 / A G O S T O / 2 0 1 1 z E - m a i l : vitrine@jornalvaledoaco.com.br z Te l e f o n e : ( 3 1 ) 2 1 0 9 . 3 5 5 0

C U L T U R A

FOTOS: LAIRTO MARTINS E VINÍCIUS FERREIRA

&

V A R I E D A D E S

1-A 1-A

Exposição reúne orquidófilos do Vale do Aço Vinícius Ferreira R E P Ó R T E R

TIMÓTEO - No próximo sábado e domingo (dias 27 e 28), orquidófilos de todo o Vale do Aço estarão reunidos no Salão Paroquial, no Centro de Coronel Fabriciano, em frente ao Bretas, para a primeira exposição do gênero no município. A realização é do grupo Nato (Núcleo Acesita Timóteo de Orquidófilos ou Nós Amamos Todas as Orquídeas, como gostam de lembrar), mas não é o primeiro evento do grupo, e sim o nono. Com 11 anos de atuação na região, o grupo tem mais de 200 associados, não só em Timóteo, mas em todo o Vale do Aço. E, se você pensa que cultivar orquídeas é apenas um hobby, é porque você não conhece bem o grupo. Um dos seus associados tem mais de 30 mil mudas em sua casa, sendo o principal vendedor da região. Orquídeas são plantas fascinantes. Pertencentes a uma das maiores famílias existentes na flora mundial, a Orchidaceae, estas plantas fascinam pela variedade de formas e cores. Tais características têm atraído há 11 anos a atenção de um grupo de 200 pessoas no Vale do Aço. O Nato é a única associação de orquidófilos da região, promovendo encontros, exposições e acima de tudo, proporcionando o intercâmbio de conhecimento e a troca de espécie para os 'aficionados' pelas belas orquídeas. No mês passado (22 de julho), foi comemorado o Dia do Orquidófilo. QUINHENTOS VASOS Waldemar Moreira Fernandes é o presidente do Nato. Conhecido mais como Dema do que como Waldemar, o orquidófilo tem mais de 500 vasos em sua casa. "Eu amo as orquídeas, mas isto pra mim é um hobby, uma terapia. Cuido de acordo com as minhas capacidades e adquiro as plantas de acordo com o meu bolso. Não tenho um grande orquidário, mas tenho muitas espécies aqui", disse Dema. De acordo com o presidente do Nato, não existe um orquidófilo sequer que já tenha reunido todas as orquídeas do mundo. "O fascinante é que, além das plantas nativas, existem as espécies híbridas, o que é a principal causa de fascínio. Tem pessoas hoje criando novas orquídeas, promovendo o enxerto de espécies diferentes, criando novas plantas, cada vez mais bonitas", explicou Dema.

Região tem mais de 200 aficionados por orquídeas. Grande parte deles compõe o Nato, único grupo de orquidófilos na região MÁRIO HANAOKA é o único vendedor de orquídeas da região. Ele tem mais de 30 mil vasos para comercialização, sendo que há alguns anos não tem mais para onde crescer, tanto que comprou outra área, onde pretende cultivar 200 mil vasos em cinco anos

ORQUIDÁRIO VEREDAS Perto da prefeitura de Timóteo mora o professor Ary Pereira de Sá, de 70 anos. Ary é o proprietário do Orquidário Veredas, seu cantinho especial onde ele cuida de mais de 600 plantas. Ele é o segundo tesoureiro da Nato e um dos fundadores. O professor Ary explica que no começo, a ideia era de um grupo para reunir apenas timotenses, por isto o nome. "Porém, depois de um tempo, pessoas de Ipatinga, de Fabriciano e de outras cidades da região começaram a procurar a gente, querendo participar do grupo. Mas o nome já estava em registro, e resolvemos não mudar por enquanto. Mas, nada impede de, daqui a um tempo, o Nato passar a ser a Associação de Orquidófilos do Vale do Aço", afirma o professor. PRIMEIRA ORQUÍDEA Para Ary, a paixão pelas plantas começou enquanto ele ainda lecionava na cidade de Bom Jesus do Galho, onde ele nasceu. "Um dos meus alunos era filho de um mateiro, e o pai dele achou uma orquídea no meio da mata. Ele pegou e levou para a sala, para me mostrar. Quando me deparei com a planta, senti que era uma das coisas mais linda que eu já tinha visto. A partir daí comecei a colecionar orquídeas. Ainda tenho esta primeira planta aqui no meu orquidário" disse Ary. 30 MIL PLANTAS O orquidário Hanaoka, propriedade de Mário Hanaoka, fica na saída de Timóteo, em direção a Cava Grande. Quando você chega ao local se surpreende com o tamanho das estufas de Mário. Ele é comerciante de orquídeas há seis anos, mas antes de vender, ele tinha o cultivo destas plantas como hobby. "Eu já cultivava as orquídeas há cinco anos, por hobby mesmo. Depois comecei a visitar alguns orquidários comerciais. Um amigo meu de Mateus Leme me influenciou a comercializar, e eu gostei", afirmou Mário. Em seu orquidário, ele vende cerca de 300 plantas mensalmente. ""98% das minhas vendas são realizadas aqui. É a minha loja afastada da cidade", explicou. Mário, antes de ser orquidófilo, era funcionário da Acesita. Mexia com aço, e agora mexe com plantas. "Entendo que tive os meus ciclos. Aprendi muito na Acesita, sobre como administrar, cresci muito. Hoje trabalho para mim, outro processo. Posso falar que fui feliz no outro emprego, e sou feliz hoje também", disse Mário. Segundo ele, a variedade de plantas é imensa. "São cerca de 1.800 espécies e mais de 35 mil variedades. Explicando melhor, espécies são como uma marca, exemplo, a Fiat. As variedades são os tipos de carros da empresa, Uno, Stilo, Siena, e etc". O orquidário de Mário, segundo ele, poderia ser bem maior hoje, se ele tivesse mais espaço. "Estou há um tempo sem ter para onde crescer. Estou comprando outro terreno, para onde vou transferir o meu orquidário. Lá pretendo chegar, em até cinco anos, a cerca de 200 mil plantas", afirmou o orquidófilo, que é um dos grandes exemplos que se pode unir o hobby a uma atividade lucrativa, e ganhar a vida fazendo aquilo que se gosta. EXPOSIÇÃO As plantas de Mário, Dema e Ary estarão na exposição em Coronel Fabriciano. Outros expositores do Vale do Aço e alguns vendedores de outras regiões estarão à disposição dos interessados em conhecer mais sobre as orquídeas, dos que quiserem adquirir uma espécie para ornamentação de suas casas ou daqueles que pretendem começar uma coleção.

ARY SEGURANDO uma de suas orquídeas mais belas, da espécie Vanda


Exposição reúne orquidófilos do Vale do Aço