Page 1

fim de semana Portugal tanto por descobrir ... N.º1

Serpa a beleza da rainha do cante

Portel

o grande lago por quintal

Mértola uma vila árabe à beira do guadiana

Alcoutim na rota do contrabando

FEVEREIRO 2011

GRÁTIS


铆ndice Serpa momentos hist贸ricos escapadelas produtos da terra onde comer onde ficar como ir

5 7 9 9 10 11

Portel momentos hist贸ricos escapadelas produtos da terra onde comer onde ficar como ir

13 14 16 17 18 19

2

Mertola munomentos escapadelas produtos da terra onde comer onde ficar como ir

21 23 24 25 26 27

Alcoutim munomentos escapadelas produtos da terra onde comer onde ficar como ir

29 31 32 34 34 35


editorial

bom fim de semana

3

Agora. Agora que nas aldeias escritas a cal flutua no ar o cheiro agreste do sobro queimado, que aquece as casas brandas e as almas das gentes; Agora que os campos se derramam de camolilas, borragens, dedaleiros, corriolas, estevas, flores das hortas, rosmaninho, papoilas, madressilvas, margassas e verbascos, num manto de paletas irreais. Agora que o pão desponta de verde nas searas das auroras de mais uma esperança renascida; Agora que aperto todos os botões do meu capote e dobro a gola ao pescoço para que a geada não me queime; Agora que o cante de um povo, regado por vinho novo ecoa de um postigo aberto de uma taberna de balcão de mármore gasto; Agora que as ribeiras correm cheias e musicais por entre os barros que dão vida; Agora que me pedes que te aqueça as mãos frias; Agora, acabámos de nascer. Sem pressas, devagar, serenamente, como os passos e as vozes das gentes que calcorreiam as ruas e os campos dos destinos alentejanos que neste primeiro número da nossa revista vos propomos. E como pensamos que todas as épocas do ano são boas para passear, conhecer e descontrair, propomos quatro roteiros invernais para um acolhedor e caloroso final de semana. Saia ao encontro amistoso de um Portugal por descobrir.


4


tanto por descobrir ...

Aos ombros do rio Guadiana e encostada a um aqueduto, Serpa é hoje afamada não tanto devido ao seu considerável património histórico mas sobretudo devido aos seus queijos, uns dos melhores do Alentejo. Por isso mesmo, entre visitas aos Monumentos da cidade, não se deve perder a oportunidade de visitar um dos muitos produtores de queijo de Serpa. Já de regresso à vila, passada a entrada acastelada, sugerimos passar pelo Castelo Mourisco, reconstruído no séc. XIII por D.Dinis.

5

Serpa


6

Perto deste edifício encontra-se a Igreja de Santa Maria, construída em trezentos sobre as fundações de uma mesquita árabe. Testemunha da vitalidade da vila no séc.XIV é a Torre do Relógio, acessível ainda hoje aos visitantes através de uma escadaria de madeira.

Serpa já era povoada antes do domínio dos Romanos, contudo foram estes que fomentaram o desenvolvimento do concelho, em especial a nível agrícola. Em 1166 foi conquistada aos Mouros por D. Afonso Henriques, tendo sido perdida por várias vezes nas constantes lutas da Reconquista. Foi definitivamente constituída como concelho por D. Dinis, que também mandou reconstruir o seu castelo e cercar Serpa por uma cintu-

ra de muralhas, em 1295. Em 1512 D. Manuel I deu a Serpa um novo foral. Serpa já era povoada antes do domínio dos Romanos, contudo foram estes que fomentaram o desenvolvimento do concelho, em especial a nível agrícola. Em 1166 foi conquistada aos Mouros por D. Afonso Henriques, tendo sido perdida várias vezes nas constantes lutas da Reconquista. Foi constituída como concelho por D. Dinis, que também mandou reconstruir o seu castelo e cercar Serpa por uma cintura de muralhas, em 1295. Em 1512 D. Manuel I deu a Serpa um novo foral.


Noites da Nora em Serpa. A cidade de Serpa apresenta, durante todo o ano, espectáculos e happenings culturais, na “Nora” um local ancestral pleno de história, situado junto ao aqueduto no coração do Centro Histórico de Serpa, um dos ex-líbris desta tão pitoresca cidade. Teatro, música, dança, novo circo, teatro de marionetas, cinema e residências para criações artísticas compõem o cartaz. Os espectáculos acontecem todas as noites, excepto às segundas-feiras, pelas 22:30.

7

Serpa tanto por descobrir ...


Encontro de Culturas Encontro de culturas é um evento cultural que reúne elementos da cultura portuguesa, brasileira, cabo-verdiana, moçambicana, mexicana, cubana, sérvia, argentina, espanhola e do Médio Oriente, promovendo assim o concelho a nível cultural e turístico junto dos vários públicos e artistas presentes.

entidades: Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa; Associação de Agricultores do Concelho de Serpa; Confraria do Queijo Serpa; Rota do Guadiana, Associação de Desenvolvimento Integrado; Juntas de Freguesia de Salvador e Santa Maria; Espaço Vemos, Ouvimos e Lemos, Serpa; Escola Superior Agrária de Beja e a ACOS.

Feira Mediaval O centro histórico de Serpa, veste-se a rigor para receber o quotidiano das populações do sec. XIII.

8

Durante três dias é garantida a animação permanente de bobos, histriões, bufões, trampolineiros, saltimbancos, acrobatas e malabaristas, misturando-se com a multidão com soldados, contadores de histórias, vendedores de sonhos e ilusões, aventureiros e trapicheiros. Poderá adquirir vários produtos da época, festejar pela noite dentro ao sabor de vinhos servidos em copos de barro.

Feira do queijo A Feira do Queijo do Alentejo, promovida pela Câmara Municipal de Serpa, decorre de 26 a 28 de Fevereiro. Durante estes três dias o Pavilhão de Feiras e Exposições reúne, uma vez mais, os produtores de Queijo Serpa bem como produtores de outros queijos nacionais de renome. O certame conta com a colaboração de várias


Serpa tanto por descobrir ...

Visitar Serpa e não provar o seu queijo, é, a nosso ver, uma falta tão grave como ir a Roma e…

9

Das especialidades locais é forçoso O Queijo de Serpa é provavelmente o queijo tradicional de mais afamado Alentejo, muito conhecido e apreciado, é sem dúvida parte fundamental do património gastronómico e cultural das gentes do Baixo Alentejo; no entanto pouco se conhece da sua origem. Trata-se de um queijo de ovelha curado, de pasta semi-mole amanteigada, com poucos ou nenhuns “olhos”, possui um singular aroma forte e de sabor picante.

» Restaurante A Adega. Tel: 284311254 » Restaurante Adega Regional Molhó Bico. Tel: 284385419 » Restaurante A Tradição. Tel: 284 378952 » Restaurante do Zézinho. Tel: 284 325479 » Restaurante O Alentejano. Tel: 284 311422 » Restaurante O Voluntário. Tel: 284309781 » Restaurante O Zé. Tel: 284 390872 » Restaurante Pedra de Sal. Tel: 284 327568 » Restaurante/Churrasqueira O Nay. Tel: 284 355697 » Bar / Pizzaria O Forcado. Tel 284 342567 » Cervejaria / Restaurante Vila Branca. Tel: 284 351237 » Cervejaria Jorge Branco. Tel: 284 397281 » Cervejaria Lebrinha. Tel: 284 352721


Serpa oferece a quem a visita uma enorme variedade de unidades hoteleiras para todos os gostos e consequentemente para todas as bolsas: a pousada de Serpa, residenciais, albergues, bed and breakfasts, turismos rurais, agroturismo, parque de campismo, etc. Há, no entanto, algo que une todos estes variadíssimos espaços: a certeza do conforto e da hospitalidade que oferecem a todos os que na cidade de Serpa pernoitam.

10

Pulo do Lobo - Classificação Residencial - 2ª Morada : Estrada de S. Brás, 9-A 7830-324 Serpa Telefone(s) :284 544 664 - Fax :284 544 665 E-Mail: geral@residencialpulodolobo.com Endereço : www.residencialpulodolobo.com Serpínia - Classificação : Casa de Hóspedes Morada : Rua Serpa Pinto, 34 - 7830-439 Serpa Telefone(s) :284 544 055 - 284 544 628 Fax :284 544 961 E-Mail: geral@residencialserpinia. Endereço URL: www.residencialserpinia.com Parque de Campismo e Caravanismo Parque de Campismo Municipal Morada : Eira de S. Pedro, 7830-303 Serpa Telefone(s) :284 544 290 - Fax :284 540 109 E-Mail :geral@cm-serpa.pt


11

Serpa tanto por descobrir ...


12


Portel tanto por descobrir ... Portel, porta de acesso a Alqueva, onde o Grande Lago constitui um pólo de atracção para o desenvolvimento do turismo de recreio e lazer. As actividades ao ar livre como a pesca desportiva e utilização como zona balnear; ou os passeios na natureza, a observação de aves, a navegação recreativa a remo, à vela e a motor são actividades cada vez com maior expressão na região Obra grandiosa localizada no coração do Alentejo, a Barragem de Alqueva, insere-se na bacia hidrográfica do Rio Guadiana e desde 2002 está a formar o maior lago artificial da Europa. A albufeira ocupa uma área de cerca de 250km2, sendo o seu perímetro de 1160 km, estendendose ao longo dos municípios de Portel, Mourão, Moura, Reguengos de Monsaraz e Alandroal.

13

O castelo apresenta-se em forma de polígono irregular, aproxisítio aproximadamente circular, contrafortado nos ângulos formados pelo encontro dos planos de muralha por cubelos semi-circulare


14

As actividades ao ar livre como a pesca desportiva e utilização como zona balnear; ou os passeios na natureza, a observação de aves, a navegação recreativa a remo, à vela e a motor são actividades cada vez com maior expressão na região.

Obra grandiosa localizada no coração do Alentejo, a Barragem de Alqueva, insere-se na bacia hidrográfica do Rio Guadiana e desde 2002 está a formar o maior lago artificial da Europa. A albufeira ocupa uma área de cerca de 250km2, sendo o seu perímetro de 1160 km, estendendo-se ao longo dos municípios de Portel, Mourão, Moura, Reguengos de Monsaraz e Alandroal.


tanto por descobrir ...

Graças à grande autonomia destas embarcações, os utentes poderão navegar pelo Grande Lago nas zonas autorizadas, podendo aportar com facilidade e deslocar-se a pé ou de bicicleta às povoações ribeirinhas e a outros destinos, usufruindo de todo o potencial turístico da região. As embarcações, para além dos quartos, das instalações sanitárias e das áreas comuns, possuem zonas de solário, de pesca, e barbecue exterior, pelo que estará garantida a ausência de monotonia para quem alugue estas embarcações. Os barcos casa possuem ainda dois pontos de comando, um exterior no tombadilho e outro interior, ambos com uma ampla visibilidade, que permite uma navegação em total segurança.

15

Portel


As pastagens verdegantes que nascem ao longo da serra de Portel porpocionam a alimentação natural ideal para a pastoricia da região. O queijo de cabra que se obtem apartir do seu leite é um dos produtos mais apreciados da região. Beneficiando da riqueza e diversidade da flora da Serra de Portel, associada a condições climatéricas favoráveis, o mel de Portel, esse “fio de ouro”, possui características muito próprias, que lhe confere uma excelente qualidade. O rosmaninho (Lavandula stoechas), planta aromática que predomina na serra, dá origem ao mel característico desta região.

16

O artesanato assume papel importante nas gentes de portel, podemos percorrer as suas ruas e encontrar lojas de produtos da região, tais como sapatos e pantufas à base de lã de ovelha, objectos de recoração manufacturados onde a cortiça volta como matéria prima. A cortiça é sem dúvida um dos produtos mais tipicos da região de Portel. Uma visita pelos campos de sobreiros na altura da retirada da cortiça pode ser um interessante e diferente passeio.


tanto por descobrir ...

O Congresso das Açordas é um evento que pretende valorizar um dos pratos mais emblemáticos da gastronomia alentejana – a Açorda, assumindo-se como um fórum, um espaço de partilha e debate, sobre o nosso património gastronómico. Associado ao Congresso das Açordas, a Feira Gastronómica e de Produtos Regionais, onde é possível provar as “mil e uma açordas” que Portel tem para oferecer, são iniciativas que atraem milhares de visitantes. Exposições, concursos, fado e o cante tradicional preenchem os dias e as noites do Congresso das Açordas

SÃO PEDRO” Largo 5 de Outubro, 6A - 7220 Portel Tel. 266 611 520 SÃO PEDRO II” Rua D. João V - Charneca da Caparica, 39 Tel. 212 969 405

17

Portel


Casas do Montado Morada: Rua de Évora, 25 - 7220-397 Portel Telefone/Fax: 266 087 165 Telemóvel: 917 629 261 / 937 114 930 E-mail: casasdomontado@hotmail.com Página Internet: www.casasdomontado.supage.com

18

Classificação: Hotel Rural Morada: Largo Miguel Bombarda, 8 - 7220-369 Portel Telefone: 266 619 010 Fax: 266 619 011 Página Internet: www.refugiodavila.com SÃO PEDRO” Largo 5 de Outubro, 6A - 7220 Portel Tel. 266 611 520 SÃO PEDRO II” Rua D. João V - Charneca da Caparica, 39 Tel. 212 969 405


19

Portel tanto por descobrir ...


20


Mértola tanto por descobrir

...

21

Povoação muito antiga, Mértola foi porto fluvial do tráfego mediterrânico e carrega a História consigo. Primeiro foram os comerciantes fenícios que escolheram o Guadiana como caminho, depois os Cartagineses. Os Romanos (que lhe chamaram Myrtilis) embelezaram-na e os Árabes (chamaram-lhe Mertolah) fortificaram-na. D.Sancho II conquistou a povoação em 1238.

Nas terras deste concelho existem vestígios de Mértola ter sido um entreposto comercial importante na época dos Fenícios, Cartagineses, Romanos e Árabes, devido à existência de via fluvial e terrestre com ligação ao Sul da península. Os Árabes deixaram uma fortaleza, posteriormente ocupada pelos cristãos, e uma mes-

quita, que veio a ser transformada em igreja paroquial da sede do concelho. Em 1238, D. Sacho II conquista Mértola aos mouros, doando a vila à Ordem de Santiago para esta a repovoar.


Existem alguns torreões amparando muralhas, em grande parte obra de mouros, mas com muita silharia romana. Referência também para a Igreja de Nossa Senhora da Anunciação, matriz de Mértola, dos séculos XIXIII e que sofreu alterações no século XVI, em

22

estilo manuelino e renascentista. Destaca-se ainda o Santuário de Nossa Senhora de Aracelis ou Araceles e o património mineiro, como o porto de escoamento do Pomarão, o bairro dos mineiros e as suas infra-estruturas, que constituem marcos importantes da época de exploração mineira.

Apesar da sua posição estratégica, o Castelo de Mértola perde importância e o abandono a que foi sujeito estende-se às suas muralhas. Do recinto castrense, para além da já mencionada altiva torre de menagem trecentista, subsistem uma outra torre menor e alguns cubelos defensivos que reforçam os arruinados panos de muralha e que se estendem até à vila, para além de outras edificações defensivas, algumas das quais revelando estruturas e materiais romanos e árabes. No centro da praça de armas encontra-se a cisterna,

coberta por uma abóbada de berço.

Cerca de cinco séculos mais tarde, a contraofensiva das armas cristãs fazia sentir a sua pressão sobre as margens do Guadiana. O crepúsculo do Islão em território nacional iria ocorrer nos meados do século XIII. Com efeito, Mértola é conquistada por D. Sancho II em 1238, doando este monarca o seu castelo à Ordem de Santiago da Espada - monges-militares que já tinham na sua posse a defesa de outras localidades no Sul do País. Antes da sua transferência para Palmela, os Espatários fizeram de Mértola a sede da sua ordem. Igreja Matriz A Igreja Matriz de Mértola é um reaproveitamento cristão da antiga mesquita muçulmana dos séculos XII-XIII. Foi com os cavaleiros da Ordem de Santiago, em 1238, depois de sagrado para o uso do ritual cristão, que este edifício recebeu a sua primeira intervenção, que lhe alterou a sua primitiva configuração de mesquita árabe. Hoje, a Matriz de Mértola apresenta uma temática mudéjar do século XVI. Mas, apesar disso, torna-se possível, a partir de certos elementos arquitectónicos e decorativos, reconstituir o templo mourisco.


Mértola tanto por descobrir ...

Festival Peixe do Rio - Pomarão Quanto à Gastronomia o concelho dispõe também de um vasto leque de pratos típicos muito apreciados pelos turistas. A lampreia, a caldeirada de peixe do Rio o ensopado de enguias, as ovas de saboga, o gaspacho, a perdiz, o ensopado de borrego, as migas, a açorda, os espargos, as túberas constituem uma mostra do que de bom se pode saborear em Mértola. De modo a promover o Peixe do Rio nas suas mais variadas formas de concepção, é realizado, anualmente o “Festival do Peixe do Rio”, na localidade ribeirinha do Pomarão.

O saber aliado à tradição criou um conjunto de produtos tradicionais de sabores e qualidades ímpares. O pão, o mel, o queijo de cabra e de ovelha, os enchidos, a doçaria e a tecelagem são alguns dos produtos tradicionais do Concelho de Mértola. De modo a promover estes produtos, a Autarquia realiza anualmente, em Abril, a “Feira do Mel, Queijo e Pão”.

23

Feira do Mel, Queijo e Pão

Festival Islamico O Festival Islamico oferece a que visita Mertóla uma interessante e fascinante retorno à época. Mertóla cobre-se de inumeras cores e cheiros e impossivel ficar-se indiferente. A gastronomia da época, o chá de menta típico, a musica são elementos aos quais não vai ficar indiferente.


Comer muito mel irá oferecer-lhe muitos anos de vida. Conhecem-se as suas propriedades rivigorantes à imenso tempo. Produto doce segregado pelas abelhas, Mertola produz um mel de elevado qualidade gaças aos seus campos repletos de rosmaninhos.

24

As mantas de trapos de Mertóla são produtos muiro apreciados pelos seus visitantes. Anteriormente usadas como cobertas actualmente procuradas como peças de decoração. As mantas de influência islâmica e tecidas pelos métodos tradicionais são um ponto alto na riqueza patrimonial desta autarquia. Por favor escolham Mértola para um dos vossos destinos de fim de semana. Boa comida, boa dormida e uma paisagem deslumbrante enquadrada pelo Guadiana e pelos vestigios islâmicos tão presentes naquela brancura.

O queijo de ovelha reconhecido e apreciado por muitos, é dos produtos mais procurados da região. Graças às suas carateristicas particulares, já foi merecedor do 1.º prémio de qualidade de queijo da região de Serpa.


Mértola tanto por descobrir ...

Alcarial Monte Gatão São Pedro de Sólis 7750-707 Mértola Alengarve (2.ª) Avenida Aureliano Mira Fernandes 7750-320 Mértola Alentejo (2.ª) Rua Grande, 3 Moreanes 7750-409 Mértola Restaurante Cegonha Branca Av. Aureliano M. Fernandes, Mértola Tel.: 286 611 066

Restaurante Preguinho da Muralha Rua Alves Redol, Mértola Tel.: 286 612 701

25

Restaurante Boa Viagem Rua Dr. Afonso Costa, Mértola Tel.: 286 612 483


Hotel São Domingos Rua Dr. Vargas - Mina de São Domingos, Mertola O hotel inaugurado em 2004 é uma simbiose de construção alentejana e pós vitoriana. Monte do Alhinho (Santana de Cambas) Alojamentos - Turismo no espaço rural Caixa Postal 1 - 7750-909 - Mértola Telefone: +351 286655115 E-mail: montedoalhinho@hotmail.com

26

Monte da Bela Vista (Santana de Cambas) Alojamentos - Turismo no espaço rural Monte dos Alves, 2632 - 7750-402 - Mértola Telefone: +351 286655012 E-mail: reservas@montedabelavista.com


tanto por descobrir ...

27

MĂŠrtola


28


tanto por descobrir ...

Para ir a Alcoutim, é preciso querer ir a Alcoutim; não se passa lá por acaso: a única estrada que há para lá chegar fica distante da principal que segue rumo a Vila Real de Santo António ou no sentido inverso direito a Mértola; a não ser que vá de barco, pelo caminho do Guadiana. Serenamente plantada à margem do rio, Alcoutim oferece a quem o visita a beleza e a personalidade das terras genuínas observadas nas ruas estreitas calcadas de pedra gasta que de cima serpeitam da igreja manuelina até lá abaixo ao cais de madeira que alberga os pequenos barcos atracados. De vez enquando um ou outro veleiro. Em Alcoutim, quase todos os seus habitantes para além de um carro têm um barco. Tal é a relação amorosa que têm como o rio. Do outro lado, se esticarmos um braço podemos quase tocar a Vila Sanlúcar de Guadiana, com o seu forte quinhentista e as suas lendas de fantasmas que ficaram da guerra civil de Espanha. Quem vai a Alcoutim é porque quer mesmo lá ir. Vá, que vale a pena.

A presença humana no território que constitui actualmente o concelho de Alcoutim poderá remontar ao Paleolítico Médio. Foram descobertos recentemente vestígios arqueológicos deste período, na freguesia do Pereiro. Mas terá sido a partir do Neolítico (5.000 a.C. a 3.000 a.C), que as populações construtoras de megálitos se fixaram um pouco por todo o território de Alcoutim. Testemunhos dessa presença são os vários exemplos de monumentos megalíticos espalhados pelas cinco freguesias - antas, menires, tholos ou cistas megalíticas merecem a sua visita. São também muitos os elementos que nos atestam a continuidade de comunidades humanas nos períodos que se seguem - necrópoles de cistas da Idade do Bronze e do Ferro. O concelho, reorganizado desde finais do século XIX nas cinco freguesias com que se mantém actualmente, pertence à comarca de Vila Real de Santo António.

29

Alcoutim


Em Alcoutim, homenagearam-se figuras da terra ligadas ao rio, como o contrabandista, o pescador e o guarda fiscal. Estátua do Contrabandista (junto ao rio Guadiana) É alusiva a actividades ilícitas de contrabando, que existiam em toda a margem do rio. Ainda que ilícita, esta actividade desde tempos distantes, que vinha referida no tratado de Alcanises, foi importante como meio de vida dos alcoutenejos. Vivendo da pastoricia e da agricultura com predominância da cerealicultura, os alcoutenejos trocaram muitas vezes estas actividades pelo contrabando, mais problemática, mais arriscada, mas mais rentável. Frei João de José refere no séc. XVI o comércio clandestino de gados para Castela, feito acima de Alcoutim. Sabe-se também que em meados do séc. XVI algumas pessoas compravam escravos para levar para Castela e que os passavam por Alcoutim, sem pagar a dizima da lei. Trigo e outros cereais, figos, ovos e gado (pois acarne vaila mais em Espanha), entre outros, passavam perto da Vila, nas épocas em que afluíam os compradores a Sanlucar.

Estátua do Guarda Fiscal em constante vigia ao rio. (na zona baixa de Alcoutim, no mira-

douro do quiosque, junto ao Rio Guadiana) Muitos foram os alcoutenejos que fugiram ao trabalho árduo e pouco rentável da vida do campo para desempenhar o papel de guardafiscal e obter mais tarde a almejada reforma, a partir de 1885. Mas a partir do início dos anos 70 este cargo começou a ver a sua extinção

Estátua do Pescador (na parte baixa de Alcoutim, em frente à Capela de Santo António, junto ao rio Guadiana.) Homenageia a actividade do pescador, porque a pesca no Rio Guadiana foi sempre a principal actividade para a subsistência das populações ribeirinhas. No séc. XVII, Alcoutim já era considerada zona de pesca fluvial ou ponto fulcral piscatório no Guadiana. A arte e conhecimento dos utensílios de pesca faz parte da vida das gentes locais e eram usadas diversas técnicas na pesca, tais como: pesca ao Candeio, pesca à Colher, pesca ao Tresmalho, o Covo, a Nassa, o Palangre e o Tapa Esteiro. Contudo, devido à sua reduzida rentabilidade, nos princípios de década de 90, os últimos pescadores da vila cessaram a sua actividade.


Alcoutim tanto por descobrir ...

Venha descobrir o melhor da gastronomia serrana e desfrutar das belas e paradisiacas paisagens na companhia das gentes locais.

Miradouro do Guadiana Local privilegiado na vista sobre o rio Guadiana e sobre toda a paisagem que o envolve, no Mirad o pode relaxar e apreciar calmamente a riqueza natural desta zona da serra algarvia. O Miradouro do Guadiana situa-se entre Alcoutim e Guerreiros do Rio. Sugerimos-lhe que conheça o Miradouro fazendo o percurso pedestre “PR2 - Ladeiras do Pontas” que ali tem inicia, um passeio de 14 Km onde se pode encontrar com os mais diversos tipos de flora e fauna locais.

Praia Fluvial Local de recreio e lazer por excelência, a Praia Fluvial do Pego do Fundo, em Alcoutim, é actualmente um dos maiores atractivos turísticos do concelho. Situada na ribeira de Cadavais, já próximo da foz com o rio Guadiana, é uma praia de areia dourada bastante bem equipada com um vasto leque de infraestruturas e serviços. Para além do apoio de praia com nadadores-salvadores, bar, sanitários, duches, parqueamento automóvel e acessos adaptados para deficientes, a praia dispõe ainda de um parque de merendas com cobertura e mesas de madeira, um parque geriátrico, campo de voleibol e uma área para actividades lúdicas e desportivas. Com uma excelente localização, junto à zona de expansão urbana e bastante próximo das unidades hoteleiras existentes, este espaço abraçado pela natureza assume contornos paradisíacos, sendo, sem dúvida, uma excelente escolha para passar memoráveis momentos de lazer e convívio.

31

Situado na entrada poente da vila, o Mural de Azulejos, da autoria de Carlos Luz, composto por 31 painéis, conta e preserva histórias de Alcoutim, comemorando assim a riqueza alcouteneja: vários povos que passaram por Alcoutim e contribuíram para a riqueza cultural de que hoje desfrutamos, a entrega do Foral a Alcoutim pelo Rei D. Dinis (1304), o Tratado de Paz celebrado a 31 de Março de 1371, entre os reis D. Fernando e D. Henrique II de Castela (Pazes de Alcoutim), as gentes da terra e as suas expressões singulares, a vida no rio Guadiana e antigas profissões que já vão sendo esquecidas. Não deixe de visitar.


32

Feira da Perdiz A Feira da Perdiz realiza-se, habitualmente, no primeiro fim de semana do mês de Outubro, na aldeia de Martim Longo. Organizado pela Câmara Municipal de Alcoutim, o certame promove o concelho como zona privilegiada da cinegética nacional. Na Feira da Perdiz pode encontrar uma grande variedade de artigos ligados à caça, artesanato e gastronomia regionais, música e várias actividades desportivas.   Feira de Doces d’Avó O evento, que constitui um incentivo à produção e comercialização dos doces típicos da região, é um instrumento de divulgação, promoção e valorização do que de melhor possuímos neste sector. Durante a feira, a animação musical é uma constante e, como decorre durante a época da Páscoa, desenrolam-se simultaneamente actividades de animação infantil alusivas á época festiva, nomeadamente a pintura de ovos e a confecção de folares. Festa de Alcoutim A Festa de Alcoutim realiza-se anualmente e começa, habitualmente, na segunda quartafeira do mês de Setembro, durando 5 dias. A par dos tradicionais festejos, com espectáculos musicais, fogo preso e aquático e actividades desportivas no rio Guadiana, a autarquia, entidade organizadora do evento, promove um variado programa de actividades, todas elas relacionadas com os temas a que estão subordinados aos cinco dias de festa. Com entrada livre, a festa de Alcoutim é o maior acontecimento festivo do concelho, dirigido sobretudo aos filhos da terra que aqui se juntam nesta altura do ano. Feira de artesanato e etnográfica de Alcoutim Para além de pretender valorizar e promover o artesanato e produtos locais, através da mostra e venda directa por parte dos próprios artesãos e produtores, o objectivo desta iniciativa passa também pela divulgação da gastronomia, música, folclore e valioso património

etnográfico da região, dando a conhecer aos visitantes a magnífica cultura popular serrana. Transportando-os, durante dois dias, numa espécie de viagem no tempo, à descoberta de um Algarve genuíno, ainda vivo e real, e dos saberes, usos e costumes das suas gentes.

Arranjos Florais: Feitos de palma de milho e decorados com ervas campestres. São peças feitas com paciência, dedicação e muita sensibilidade. Este tipo de artesanato requer muita destreza manual para dar formas de pétalas às palmas de milho, de onde surgem lindas flores. (Lutão, Santa Justa)

Bonecas de Juta: Figuras típicas da região, são feitas de serapilheira, com o corpo armado em estrutura de arame. Com linho são feitas as cabeleiras e com chitas, o vestuário que as enfeitam. Os adornos, que caracterizam a actividade que representam.


Alcoutim tanto por descobrir ... Têm hoje em dia outras finalidades, sendo muitas vezes meramente decorativas. Alguns artesãos fazem também chapéus de cana. (Balurcos, Alçaria Queimada, Ferrarias, Alcoutim, Azinhal, Fernandilho) Calçado: No concelho de Alcoutim ainda se confeccionam sapatos, botas e sandálias de

São miniaturas feitas em metal, madeira ou barro. (Martinlongo) Cadeiras: Executadas com materiais da região, estas cadeiras são autênticas obras de arte popular. São de vários tamanhos, feitas de madeira de oliveira, as costas e os pés de loendro e o tampo é tecido com junça, uma planta que nasce espontaneamente na região. (Zorrinhos de Cima, Fortim)

forma artesanal. Esta técnica mantém intactas as suas características, quer do ponto de vista da matéria-prima a utilizar, quer ainda das técnicas ancestrais, aplicadas na manufacturação do calçado. (Giões)

Artefactos em Madeira: São essencialmente miniaturas de peças utilitárias: dobadouras, fusos, rocas, cadeiras, cântaros ou colheres. Na sua mai oria são utensílios que já caíram em desuso, mas que surgem com uma nova dinâmica, nomeadamente a decorativa. Desta forma os artesãos procuram manter viva a memória, através da miniaturização destes utensílios. (Martinlongo, Lutão, Alcaria Alta, Fernandilho, Vaqueiros) Cestaria: Com as canas apanhadas junto do rio e das ribeiras, fazem-se cestos, cabazes e canastas, que antigamente serviam de transporte dos produtos agrícolas e do peixe.

33

Cerâmica: Ressurge no concelho de Alcoutim com novas formas e cores. Umas vezes vidrada com cores fortes, outras recriando peças ancestrais. Representam o aparecimento de jovens artesãos com perspectivas actuais, baseadas nas mais antigas técnicas de tratar o barro. (Cortes Pereiras, Martinlongo)

Tecelagem: É uma das mais antigas expressões do artesanato algarvio, nomeadamente de Alcoutim. Hoje em dia, ainda é feito nos teares manuais e de forma tradicional, desde a montagem da teia e da trama até ao corte e cosedura.


Entre os vários artefactos produzidos, contam-se as mantas feitas de retalhos, lã ou linho. Além destas, fazem-se também, colchas, toalhas de linho, alforges, sacos, tapetes e muitos outros artigos. (Penteadeiros, Vaqueiros, Clarines, Mestras)

massa de pão, o nógado, filhós, folares e azevias. A acompanhar as refeições não pode faltar um bom vinho caseiro e como digestivo uma aguardente de figo ou de medronho ou um dos licores tradicionais.

Encontra um variado leque das pequenas maravilhas feitas por mãos hábeis dos artesãos da região à venda na Casa de Artesanato, situada no centro histórico da vila

Alcatiã Bairro do Rossio 8970-052 Alcoutim Central (Casa de Pasto) Pereiro 8970-301 Alcoutim

34

Soeiro Rua do Município, 4 8970 Alcoutim de Alcoutim, mesmo em frente à casa dos Condes e ao lado do posto de turismo. A proximidade do rio Guadiana, a riqueza cinegética e a agricultura praticadas no concelho de Alcoutim, reflectem-se na sua gastronomia. Os pilares da alimentação no concelho são sobretudo a carne de porco, o pão e o azeite. A carne de porco é um dos pilares mais importantes na riqueza gastronómica alcouteneja. A matança do porco, habitualmente entre Novembro e Dezembro, proporciona alimento para todo o ano, porque, para além de todas as partes do porco serem comestíveis, a sua carne é fácil de conservar. O pão é utilizado para confeccionar diversos tipos de pratos e tem a vantagem de se poder aproveitar mesmo depois de duro - as migas, sopas, açordas, gaspacho ou ensopados são habitualmente confeccionados a partir de pão duro. Nas zonas mais próximas do rio Guadiana, o peixe também faz parte dos pilares da alimentação, nomeadamente a lampreia, a enguia, o barbo e o muge. Estas bases são complementadas pelos produtos da horta (frutas, legumes e hortaliças), pelas árvores (oliveira, amendoeira, figueira e medronheiro, etc.) e pelas plantas e ervas aromáticas (orégãos, poejos, coentros, etc.) No campo da doçaria, de realçar o bolo de

Estalagem do Guadiana: Bairro do Rossio Localidade: Alcoutim Código Postal: 8970-052 -Alcoutim Contactos: 281540120 Fax: 281540120 Hotel Rural Guerreiros do Rio Guerreiros do Rio, Alcoutim E.N. 1063, Guerreiros do Rio 8970-025 ALCOUTIM 281 540 170 281 540 179 Pousada da Juventude de Alcoutim Alcoutim 8970-022 Alcoutim Tel: 281 546 004 Fax: 281 546 332


tanto por descobrir ...

35

Alcoutim


revista  

Portel Mértola Portugal tanto por descobrir .. . na rota do contrabando a beleza da rainha do cante o grande lago por quintal uma vila árabe...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you