Page 1

Informativo do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Pernambuco ‐ Nº01 ‐ Janeiro/Fevereiro/Março 2014‐ Ano 15

Lições da sustentabilidade cada vez mais fortes no dia a dia da construção Pgs 16 e 17

cenários

Mercado

Mídia

especialistas falam sobre os impactos da copa e da eleição presidencial na economia

Apartamentos com dois quartos e área privativa de até 50 m² dominam mercado em fevereiro

aspectos da construção civil são abordados no cotidiano dos veículos de comunicação de massa


Sumário Sumário de anunciantes

03

Editorial

04

Visões sobre cenários para 2014

09

História da Construção

10

Campanha de Prevenção de acidentes

14 16

Mídia aborda aspectos da construção civil

Trevo Drywall (88) 9219 8520

Para anunciar, entre em contato com o Sinduscon-PE (81) 21270600. Solicite nossa tabela de valores e formatos disponíveis

Alutec (81) 3339 5788 Hidroplast (81) 3481 0355

Sustentabilidade

18

Artigo

19

Imóveis e Burocracia

21

Velocidade de Vendas

23

Legislação

Sinduscon-PE também está no Twitter. Siga-nos!

expediente

Sinduscon-PE I Rua Marques do Amorim, 136, Ilha do Leite, RecifePE, CEP 50070 - 330. Fone: 21270600 sindusconpe@sindusconpe.com.br Superintendente - Cristiana Matos Jornalista Responsável: Gabriela Vasconcelos I Impresso Comunicação Impressão: Gráfica Brascolor

diretoria

O Construtor é uma publicação do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Pernambuco - Sinduscon-PE.

PRESIDENTE: Gustavo Alberto Cocentino de Miranda. VICE-PRESIDENTE: José Antônio Alvarez de Lucas Simón. DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PATRIMÔNIO: Geraldo de Azevedo Gusmão Filho. DIRETOR DE RELAÇÕES DO TRABALHO: Érico Cavalcanti Furtado Filho. DIRETORA DE SEGURANÇA, MEDICINA E HIGIENE DO TRABALHO: Dolores Maria Mendonça Luna. DIRETOR DE CUSTOS E MATERIAIS: Paulo José Wanderley da Cunha. DIRETOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA: Serapião Bispo Ferreira Neto. DIRETOR DE OBRAS PÚBLICAS E RELAÇÃO COM ÓRGÃOS PÚBLICOS: Franklin Carvalho Malta. DIRETOR DE ASSUNTOS IMOBILIÁRIOS, OBRAS PRIVADAS E INSTALAÇÕES: Antônio Benévolo do Amaral Carrilho. DIRETOR DE RELAÇÕES PÚBLICAS, COMUNICAÇÃO E MARKETING: Paulo Cezar de Almeida Wanderley. DIRETOR DE AÇÃO SOCIAL E CIDADANIA: Zeilo Luna Machado. SUPLENTES: Albânio Ferreira do Nascimento, Miguel Alexandre Sá Rossi, Celso Muniz Araújo Filho, Bruno de Menezes Ferreira, João Melo Filho, Fernando José Baptista Neves, Roberto Duarte Gusmão, Antônio José Maia Reis.

CONSELHO FISCAL: Gabriel José Dubeux Neves, Antônio Benévolo do Amaral Carrilho e Jorge Wicks Côrte Real SUPLENTES: Aurélio Márcio Nogueira e Paulo Martins REPRESENTANTES JUNTO À FIEPE: Jorge Wicks Côrte Real e Gustavo Alberto Cocentino de Miranda SUPLENTES: Antônio Benévolo do Amaral Carrilho, Aurélio Márcio Nogueira REPRESENTANTES JUNTO À CBIC: Marcos Roberto de Oliveira Cavalcanti, Maria Elizabeth Cacho do Nascimento SUPLENTES: Antônio Benévolo do Amaral Carrilho e Gabriel José Dubeux Neves PRESIDENTES DE COMISSÕES ESPECIAIS: CPRT - André Callou da Cruz - COP - Artur da Silva Valente


O CONSTRUTOR I 03

Nº01 - Janeiro / Fevereiro/Março 2014

Editorial

Copa, eleição e ficons no calendário do setor Por Gustavo de Miranda, presidente do Sinduscon-PE

2014 trouxe consigo a expectativa de um ano cheio de desafios para o setor da construção civil pernambucano por encerrar em seu calendário eventos de grande magnitude tanto para a sociedade em geral quanto para o empresariado que milita neste segmento econômico. A Copa do Mundo de Futebol e o pleito para a sucessão nos poderes executivos federal e estadual pedem uma atenção redobrada dos empresários da construção. Os que atuam no setor de obras públicas devem atentar aos prazos assim como a outros aspectos das obras como condições de pagamento e de atualização de custos. Aos construtores que atuam no mercado imobiliário, por sua vez, cabe cobrar do poder público a infraestrutura necessária ao desenvolvimento urbano de nossa região. Impulsionada pelos novos polos econômicos em andamento no estado, a necessidade de novas habitações cresce em áreas antes não cogitadas e carentes de fornecimento de água, saneamento básico e transporte urbano coletivo, só para citar alguns «detalhes». E todos devem ficar atentos à itens que não costumávamos mais acompanhar, como o retorno da inflação e o crescimento do desemprego. O cenário para discutir essas questões não poderia ser mais oportuno, haja vista que estamos bem próximo de eleger o próximo presidente do Brasil para os próximos quatro anos, assim como o futuro governador de Pernambuco, além dos nossos representantes no Legislativo estadual e federal. A hora de colocar a opinião e apresentar a expertise do Sinduscon-PE é essa. Como já é tradição da

entidade, os candidatos do pleito estadual serão convidados para um ciclo de encontros com os empresários do setor construtivo, em nossa sede, à exemplo de ocasiões anteriores. E por fim, o segundo semestre de 2014 será marcado também pela realização da IX Feira Internacional de Materiais, Equipamentos e Serviços da Construção - IX Ficons, que ocorrerá no período de 16 a 20 de setembro, no Centro de Convenções de Pernambuco. A Ficons é comprovadamente a maior feira do segmento no Norte e Nordeste do país e a primeira do país realizada pela entidade representante da categoria. 2014 já está sendo um ano em que é preciso muito «fôlego» e determinação. É um ano que certamente ficará bem pontuado na história brasileira.


04 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Cenários 2014

visões sobre o que vem por aí Ciente deste se tratar de um ano especial não só para a economia pernambucana como para todo o país, a diretoria do Sinduscon-PE iniciou em Janeiro o ciclo de palestras intitulado "Cenários PolíticoEconômicos para 2014". A fim de levar ao associado informações importantes para o seu planejamento estratégico. Durante as suas reuniões

s e m a n a i s , f o r a m c o n v i da d o s importantes formadores de opinião pública para conversar sobre o tema. Confira agora o ponto de vista do d i r e t o r da T G I C o n s u lt o r i a , Francisco Cunha, do jornalista de Economia, Fernando Castilho, do cientista político da CBIC, Leonardo Barreto, e dos economistas Tânia Bacelar e Alexandre Rands.

Primeiro a participar do ciclo de palestras, o arquiteto e diretor da TGI, Francisco Cunha, começou contextualizando o cenário atual a partir dos principais acontecimentos da economia recente tomando como ponto de partida a crise econômica de 2008, a seu ver, evento que ainda exerce forte influência no cenário global.

Sobre os Estados Unidos, foco principal da crise, abordou a lenta recuperação caracterizada, entre outras coisas, pela queda na taxa de emprego. É a mais lenta recuperação de crise das últimas décadas", pontuou. Na mesma linha, seguiram os países da Zona do Euro. 000000000000000000000 Por outro lado, Francisco Cunha destacou o


Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

desenvolvimento da China, principal expoente dos BRICS atualmente, mesmo em processo de desaceleração do seu crescimento. "Há investimentos importantes relacionados à infraestrutura sendo feitos por lá", disse, ilustrando sua opinião com a Lugiazui Pedestrian Bridge, obra de anel viário para pedestres erguida em Xangai. Fligth to Quality - Sobre as tendências para 2014, Cunha citou o movimento financeiro conhecido como Flight to Quality, no qual a maioria dos investimentos segue para onde a possibilidade de retorno é melhor. "O dinheiro "viaja" para onde a qualidade é melhor, gerando uma fuga de capitais para os Estados Unidos", exemplificou Cunha, para quem fica cada vez mais difícil a ampliação de investimentos no Brasil. Segundo ele, outra variável que vem impactando fortemente nas demandas de consumo é o aumento da expectativa de vida no Brasil e no mundo. "Além de gerar uma mudança cultural no estilo de vida da população", completa o consultor. 000000000000000 Sobre os movimentos sociais iniciados em junho de 2013, considerou entre os principais "start ups" o descompasso entre a qualidade da educação oferecida pelo país e a tecnologia de comunicação e informação disponível e amplamente difundida. "O aluno do Século XXI ainda convive em sua educação com a mesma estrutura do século passado", avalia. Francisco Cunha falou ainda sobre o que ele

O CONSTRUTOR I 05

compreende como sendo os principais entraves hoje ao crescimento do Brasil, à exemplo do baixo nível de investimentos em infraestrutura e da demora das reformas em andamento no Congresso Nacional. Sobre o atual momento de Pernambuco, destacou a baixa integração econômica regional. 00000000 Quanto ao setor da construção civil mais especificamente, considerou que a tendência é de estabilidade. "É um setor fortíssimo no Nordeste e em Pernambuco", acredita, já imaginando que devido à Copa do Mundo e às eleições, muitos gargalos que estão sendo deixados de lado este ano terão que ser enfrentados em 2015.


06 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Cenários 2014 2014 ainda pode surpreender "As coisas não estão tão mal. Ainda podemos ter uma surpresa em 2014". A frase é do jornalista econômico Fernando Castilho e remete à sua avaliação do Brasil pós Dilma Roussef. Para embasar sua opinião. Castilho comentou o pequeno, mas significativo, crescimento do PIB do Brasil em 2013. "Se os Estados Unidos crescem 2,9%, agregam uma Taiwan. Quando crescemos 2,2%, crescemos uma República Dominicana", compara ele, traçando um paralelo com a evolução do PIB de outros países. "Dizem que o Chile e a Argentina cresceram mais, mas isso não quer dizer muita coisa pois são países com a economia menor do que a do estado de São Paulo", avalia, lembrando ainda que o Brasil continua atraindo capital externo.00000000000000000000000000000000 Na hora de falar sobre os investimentos públicos no setor da construção civil, Castilho mudou o tom e partiu para a crítica. "A relação entre o PIB e o investimento público em infraestrutura e habitação no Brasil é hoje uma vergonha", disse. Aproveitando a deixa, considerou que a presidente Dilma Roussef terminou atrapalhando a economia querendo agir ao mesmo tempo presidente e como ministra da Fazenda. "Aí o Banco Central errou feio ao baixar as taxas de juros por pressão dela", falou, destacando que agora o banco está passando pela situação de ter que subir as taxas ligeiro. 00000000000000 No âmbito pernambucano, Castilho enfocou a economia pós Eduardo Campos, governador pré-candidato à presidência da República. Ao citar o final do ciclo de investimentos em construção no litoral sul do estado, lincou o fato com o início de outro importante polo de investimento, agora na Mata Norte. Abordou também investimentos em outros polos descentralizados do estado atestando o cenário positivo da economia industrial pernambucana, bastante superior ao cenário encontrado há uma década.000000000000000000000000000 Política - Castilho colocou ainda como um dos principais desafios políticos de Eduardo Campos tornar seu sucessor um pesonagem político tão "empolgante" quanto ele. Quanto à sucessão presidencial, ponderou: "Se Eduardo

for presidente, vai ser o melhor dos mundos, mas se Dilma se reeleger, a situação vai se complicar". Para Castilho, o próximo governador pernambucano receberá um estado razoavelmente organizado, com melhores bases econômicas do que as que Eduardo recebeu quando foi eleito pela primeira vez. No entanto, um olhar a mais para a segurança e para a educação e um esforço muito grande com relação á mobilidade serão indispensáveis. 00000000000000 Recife - O cenário da capital pernambucana não escapou das considerações do jornalista. Na sua visão, o prefeito Geraldo Júlio trouxe em sua gestão um pacote de ações apoiado pelo governo do estado. No entanto, ele não vem se aproximando do setor da construção civil, estratégico para o desenvolvimento econômico. "Seu foco principal é trânsito", conclui Castilho.


Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

O CONSTRUTOR I 07

Leonardo Barreto, Tânia Bacelar e Alexandre Rands fecham ciclo de debate As eleições presidenciais foram o tema central da apresentação do cientista político e assessor da Câmara Brasileira da Indústria da Construção - CBIC, Leonardo Barreto, no Ciclo de Palestras "Cenários Político/Econômico para 2014". 00000000000000000000 Para ele, Pernambuco passará por um momento de bastante evidência nacional, com a candidatura de Eduardo Campos à presidência de República. "Há uma razão para acreditar que essa eleição será mais especial que outras, pois vai passar bem perto de vocês", avisou. Barreto destacou a presidente Dilma Roussef como favorita da disputa, mas levou ao público a seguinte questão: o quão favorita ela é? Avaliou ainda os pontos fortes e fracos dos potenciais concorrentes diante de alguns cenários. Entre os pontos fortes do atual governo, colocou o combate à fome e o incentivo à habitação. O cientista político, longe de querer "bater o materlo", destacou que cada eleição é uma história. "Uma das variáveis imprevisíveis é essa seca extraordinária que está acontecendo, que está colocando os reservatório de água em níveis de risco altíssimos", considerou. 000000000000 O impacto da união de Eduardo Campos com a ex-ministra do Meio Ambiente e criadora da Rede, Marina Silva

também foi abordado. Segundo ele, em pesquisa de intenções feita em Brasília, sozinho Eduardo Campos não oferecia risco à pretensão da presidente se reeleger. Associado à Marina, o presidente do PSB subia para um incômodo segundo lugar, em percentual bem próximo ao de Dilma. Alexandre Rands ‐ O economista Alexandre Rands, por sua vez, enfatizou em sua apresentação a questão da educação no Brasil e a grande disparidade ainda existente entre regiões como o Sudeste e o Nordeste quanto à essa matéria. De acordo com ele, atualmente o governo federal "gasta" com o aluno nordestino apenas 67% do que investe em um estudante no Sudeste. 000000000000000000000000000000 "Está sendo criado um cidadão de segunda classe. É claro que a probabilidade desse estudante ter uma educação da mesma qualidade é muito pequena. Isso gera uma reprodução das desigualdades regionais", considera ele. Para o economista, embora o Nordeste e notadamente Pernambuco estejam em uma progressão positiva do PIB, o problema com a educação segue como uma "trava", impedindo um crescimento mais acelerado. "Esse passivo precisa ser urgentemente recuperado", alerta Rands. 0000000000000000000000 Em estados como Pernambuco, que passam por um processo grande reindustrialização, o investimento em educação é passo indispensável para resolver duas outras questões - a geração de mão de obra e a capacitação profissional. "A gente vê que houve crescimento no estoque de capital humano da região, que tem crescido também com relação ao resto do Brasil, apesar de ser uma região mais pobre que a média brasileira", comenta. 000000000000000000000000 Rands destaca também o impacto da política distributiva do governo federal, com o bolsa família e o aumento do salário mínimo, criando uma demanda maior por parte da população. 0000000000000000 Cenário - Sobre suas expectativas para este ano, Rands


08 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

acredita que em 2014 a taxa de crescimento do Brasil deve continuar baixa. "Nós temos hoje uma situação de endividamento bem próximo de países que tem uma economia com certa maturidade, mas as práticas heterodoxas do governo causam perda de credibilidade e confiança, retraindo os investimentos e o nível de crescimento da economia", considera o economista. Para ele, o crescimento do PIB brasileiro em 2014 deverá ser algo em torno de 1,8%, enquanto o pernambucano deverá alcançar 3%. "Este ano temos empreendimentos importantes em desenvolvimento, mas antes mesmo desses empreendimentos começarem a rodar, devem gerar muitos outros dividendos para o estado ", justifica ele. 00000000000000000000000000000000000 Eleições - Sobre a corrida presidencial, Rands se mostrou bastante otimista quando às possibilidades de Eduardo Campos. Para ele, o favoritismo da presidente Dilma Roussef é "ilusório". Alexandre Rands citou exemplos de outros favoritos dentro da política pernambucana. Foram ocasiões em que na hora da eleição a situação não se manteve. 00000000000000000000000000000 "A nossa presidente não tem uma imagem positiva junto a população, o melhor que ela consegue é as pessoas não terem nada contra ela, mas vc não vê ninguém empolgado com sua reeleição", opina, lembrando que a manutenção das políticas sociais é sua única sustentação por falta de um discurso mais forte. Tânia Bacelar - A economista Tânia Bacelar, ex-secretária de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente do Recife, e sócia da Ceplan, - Consultoria Econômica e Planejamento, em sua apresentação no Sinduscon-PE, avaliou o desempenho de 2013 e externou a sua visão para este ano.00000000000000000000000000000000000000. De acordo com ela, a combinação de algumas políticas econômicas com políticas sociais sintetizam o que chamou de "lógica do crescimento brasileiro". "Economistas de outros países não entendem como deu certo, uma vez que o Brasil tem uma das taxas de juros mais elevadas do mundo", comentou ela, destacando ainda que o brasileiro

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Rands pede reforço na educação

não costuma fazer conta com juros. Ele apenas confere se a prestação cabe no seu bolso, naquele mês. Sobre os quatro últimos anos, Tânia Bacelar foi enfática: "A gente percebe nitidamente que o Brasil puxou o "freio de mão" de 2010 para cá. Além disso, alguns problemas foram piorando, como os indicadores de desenvolvimento caindo e a inflação voltando a amedrontar a população. 00000000000000000000000 O retorno da inflação, aliás, é para a economista um dos maiores destaques de 2014. Ainda assim, ela acredita em uma tendência de melhora para as atividades econômicas. No cenário pernambucano, Tânia Bacelar demostrou preocupação quando ao destino dos trabalhadores da construção com a desmobilização dos grandes canteiros de obras. 000000000000000000000 Sobre o entrave de investimentos no estado, a economista critica o posicionamento federal. "Não consigo entender como um problema eleitoral pode ser capaz de travar investimentos de grande importância, como o Arco Metropolitano, por exemplo", falou. "Nós, como cidadãos, temos o papel de não aceitar isso. A densidade econômica de Pernambuco, por si só, justifica algumas obras", considerou ela.

Tânia Bacelar critica demora com Arco Metropolitano


Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

O CONSTRUTOR I 09

História Publicação aborda papel da construção

Não há conselheiro maior do que a história. Diante desse princípio, o Sinduscon-PE promoveu uma ampla pesquisa abordando desde a evolução da Industria da Construção Civil em Pernambuco até a sua influência no desenvolvimento do Estado. Desse trabalho, desenvolvido pelos jornalistas Fábio Lucas e Júlia de Almeida, originouse o livro "Sinduscon-PE - Participando da Construção de Pernambuco", lançado pela entidade no final de 2013. A publicação faz uma síntese das ações desenvolvidas pelo sindicato ao longo de 25 anos, assim como elenca as obras de maior relevância erguidas nesse período iniciado em 1988 e que segue até 2013. Para reunir as informações necessárias, os jornalistas utilizaram material de arquivo do sindicato além de terem realizado dezenas de entrevistas com personalidades expoentes do setor. De acordo com o presidente do Sinduscon-PE, Gustavo de Miranda, 1988 foi escolhido para abrir o período de pesquisas por se tratar de um ano marcante: nele, foi promulgada a nova Constituição Brasileira, dando uma

nova dimensão à representação sindical empresarial. Muito antes disso, o Sindicato da Construção Civil de Pernambuco já buscava uma atuação eficiente em defesa da categoria, tendo completado em 2013 nada menos que 71 anos de atividades. "A representatividade alcançada pelo Sinduscon-PE nos últimos anos é o resultado do esforço coletivo e da dedicação de várias pessoas ao longo de sete décadas", declarou o presidente. Entre os pontos abordados pelo livro estão conquistas como o café-da-manhã nos canteiros de obras, os programas de saúde e segurança do trabalho, além das ações sociais e intervenções da entidade junto ao poder público. Quanto as obras listadas, foram consideradas marcos da engenharia nos últimos 25 anos o Aeroporto Internacional do Recife - Gilberto Freyre, a Arena Pernambuco, a Adutora de Pirapama, o Estaleiro Atlântico Sul, escolas técnicas estaduais, entre outras. A publicação está disponível na sede do Sinduscon-PE.


10 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Segurança Segurança do trabalho é prioridade no setor da construção pernambucano

A Campanha de Prevenção de Acidentes do Trabalho na Indústria da Construção Civil no Estado de Pernambuco, criada pelo Sinduscon-PE e desenvolvida com o patrocínio do Sebrae-PE, completará em agosto de 2014 nada menos que 17 anos de atuação. A ação surgiu da necessidade de construir junto ao empresário da construção e ao trabalhador dos canteiros de obras uma consciência prevencionista crescente e focada na redução dos acidentes do trabalho.00000000000000000000 Passados mais de 16 anos, pode-se afirmar que a adoção de práticas de segurança e respeito às normas regulamentadoras, notadamente a NR18, já está inteiramente integrada às rotinas da maioria das empresas da construção civil, com destaque para as associadas à entidade representativa do setor, o Sinduscon-PE. 000000000000000000000000000000000 Projetos em destaque - Com funcionamento ininterrupto, a equipe da campanha é coordenada pelo engenheiro Beda Barkokébas e conta com engenheiros e técnicos de segurança, além dos estagiários, todos subordinados à diretoria de Saúde e Segurança do

Atualmente, além de canteiros localizados na Região Metropolitana do Recife, a campanha abrange edificações também em cidades do interior como, Petrolina, Garanhuns e caruaru


Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

O CONSTRUTOR I 11

Trabalho do Sinduscon-PE. Dos cinco projetos que a compõe, três ganharam maior repercussão no dia a dia do seu público alvo: 1- Pesquisa das Condições Inseguras em Obras de Construção Civil em Pernambuco, 2 Treinamento do Trabalhador em Práticas de Prevenção de Acidentes na Construção Civil e 3- Perfil Sócio Educacional do Trabalhador da Construção Civil no estado de Pernambuco.00000000000000000000000000000 Técnicos nas obras - O primeiro projeto em questão prevê a visitação dos canteiros de obras por integrantes da campanha com o objetivo de aplicar um check-list identificando a obediência às regras de segurança, além de potenciais situações de risco. Nesses casos, a equipe orienta a solução adequada à cada situação encontrada. Após as visitas, são emitidos relatórios para o engenheiro responsável pela obra e para a construtora. Cerca de um mês depois, a equipe de segurança do Sinduscon-PE retorna aos canteiros visitados a fim de checar se as orientações foram seguidas. A visitação não tem caráter punitivo, e sim orientativo e preventivo. 00000000000 Atualmente, além de canteiros localizados na Região Metropolitana do Recife, a campanha abrange edificações também em cidades do interior como, Petrolina, Garanhuns e em uma ação maior, em Caruaru, onde o m e rc a d o i m o b i l i á r i o ve m a p re s e nta n d o u m desenvolvimento bastante avançado. Para montar o roteiro das visitas, é feito um mapeamento de obras pelos estagiários da campanha. No entanto, as empresas associadas ao Sinduscon-PE, cientes da

campanha, também entram em contato com a coordenação a fim de agendar suas obras. Em 2013 - de janeiro à dezembro - foram visitados 341 canteiros de obras, numa média de duas à três visitas por dia útil do ano. Capacitação - Uma vez que conscientiza o trabalhador da construção da importância do uso dos Equipamentos de Proteção Individual - EPIs e Equipamentos de Proteção Coletivas - EPCs não só para a manutenção de sua integridade física, como também dos demais operários em seu entorno, sem falar nas famílias que


12 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

dependem desses funcionários, o Treinamento em Práticas de Prevenção de Acidentes se configura como uma das ações mais importantes da campanha. Atualmente o treinamento é dividido em dois módulos: Treinamento em Saúde e Treinamento em Segurança, ambos ministrados dentro dos canteiros de obras.000000 No Treinamento em Saúde são abordados desde Doenças Sexualmente Transmissíveis - DST, alcoolismo e trabagismo, até noções de primeiros socorros. Já no Treinamento em Segurança, o conteúdo programático envolve itens como a NR 06 (Equipamentos de Segurança Individual), NR18 ( Segurança na Indústria da Contrução Civil), a NR35 ( Trabalho em altura), combate à principio de incêndios, instalações elétricas, medidas de proteção contra quedas, organização dos canteiros e até gerenciamento dos resíduos produzidos nos canteiros. Em 2013, foram treinados nada menos que 5.650 trabalhadores da construção, com uma média de 42 participantes por treinamento. 00000000000000

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

0000000000000000000000000000000 Um fator facilitador dos resultados obtidos com o treinamento foi a quase erradicação do analfabetismo entre os trabalhadores dos setor, meta conquistada através do programa "Afabetizar é Construir", d e s e nv o l v i d o e m p a rc e r i a c o m o S e s i - P E . 00000000000000000000000000 Perfil ‐ Também em 2013, a Campanha de Prevenção de Acidentes promoveu a entrevista de 733 profissionais da construção civil atuantes nos canteiros de obras, sendo 562 operários, 18 engenheiros civis, 136 técnicos em segurança e 17 mestres de obras. O objetivo das entrevistas foi o de colher informações para compor o perfil sócio-educacional desse contingente. De posse desses dados, não só a diretoria de Saúde e Segurança do Trabalho do Sinduscon-PE, como também outras diretorias da entidade, á exemplo da Ação Social e Cidadania e de Ciência e Tecnologia estão aptas a desenvolverem projetos que vão ao encontro dos anseios desses públicos. Todos os projetos desenvolvidos pela campanha são gratuitos e atingem tanto construtoras associadas quanto não associadas. De acordo com os dados do Ministério do Trabalho, após a implantação da campanha o número de acidentes de trabalho no setor da construção reduziu drasticamente, inclusive os fatais. Já em 2008, o setor da construção civil em Pernambuco registrou a passagem da 3º posição no ranking de acidentes do Ministério do Trabalho dos setores produtivos para a 7ª posição, desmistificando ainda o comentário enganoso de que a construção é o setor econômico que contabiliza mais acidentes de trabalho no país e no estado. Cabe ainda destacar que com a consolidação das certificações de qualidade à exemplo da ISSO e da adoção do Plano Nacional de Resíduos Sólidos o controle dos procedimentos dentro dos canteiros foi ainda mais intensificado, fato que repercutiu positivamente também na segurança do trabalhador.


O CONSTRUTOR I 13

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

Segurança caruaru recebeu ação de segurança já no início do ano

Entre 10 e 14 de fevereiro, a equipe da Campanha de Prevenção de Acidentes do Trabalho passou mais uma vez uma temporada em Caruaru, a fim de dar continuidade às ações de segurança nos canteiros de obras daquela cidade. De acordo com a diretora de Saúde e Segurança do Trabalho, Dolores Luna, foram beneficiadas sete construtoras que buscaram a assistência do Sinduscon-PE - CP Construção e Incorporação LTDA, Comello Construtora e Comércio Mello LTDA, Gláucio Roberto Empreedimentos, Bezerra Engenharia e Comércio LTDA, Verçosa Coellho Empreendimentos, Ricolli Construção e Incorporação LTDA e Incorporadora Melo Rodrigues. Os representantes das construtoras indicaram as obras nas quais gostariam de receber a visita dos técnicos de segurança da campanha. Ao todo foram 31 empreendimentos visitados, com direito à retorno para conferência da solução dos problemas encontrados. Além das visitas, o pessoal da campanha promoveu ainda treinamentos nas áreas de saúde e segurança. Foram criadas 16 turmas, totalizando 356 trabalhadores

c a p a c i ta d o s . 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dolores Luna aproveita para lembrar que em 2013 a campanha havia visitado Caruaru, em junho, mês em que foram avaliados 33 empreendimentos em construção.


14 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Mídia JORNAIS E TVS ABORDAM ASPECTOS DA CONSTRUÇÃO

O estado de Pernambuco vem passando nos últimos quatro anos por um período de crescimento acelerado motivado, sobretudo, pelos investimentos nas áreas de infraestrutura e de industrialização com destaque para a descentralização geográfica das novas fábricas, criando polos de desenvolvimento em diferentes regiões de seu território. 00000000000000000000000000000000 Um agente em especial, nesse cenário, tem chamado desde então a atenção da mídia, sejam os jornais diários, as emissoras de rádio ou as redes de televisão: a Indústria da Construção Civil. Procurados semanalmente por jornalistas, diretores e presidentes das entidades representativas do setor vem estabelecendo um canal de comunicação através do qual explicam e informam os profissionais que levam diariamente para o público as notícias. O resultado dessas entrevistas podem ser acompanhados na sessão «Clipping» do site do

Sinduscon-PE, ou ainda nos e-mails enviados diariamente para o cadastro de associados da entidade.000000000000000000000000000000 Um reflexo natural desse elo foi a realização de prêmios de jornalismo criados para incentivar e fortalecer esses contatos. No Sinduscon-PE, o Prêmio Sinduscon de Jornalismo passou por dezesseis edições ininterruptas. Foi o primeiro no país nesse sentido e caminha este ano de 2014 para a sua décima-sétima edição. Na mesma trilha, seguiram a Ademi, com seu Prêmio de Jornalismo e a Câmara Brasileira da Construção Civil - CBIC. Novidades - Em sua última edição, cujo resultado foi divulgado em dezembro de 2013, o Prêmio Sinduscon de Jornalismo bateu recorde de inscrição. Foram 39 trabalhos elaborados por profissionais atuantes nos veículos impressos, mídia online e televisão. A média «Arcos da Passarela» - Hélia Scheppa


Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

O CONSTRUTOR I 15

VENCEDORES 16º PRÊMIO anterior girava em torno de 27 inscrições. O certame continua com cinco categorias: Jornalismo OnLIne, Fotojornalismo, Telejornalismo, Impresso Série ou Caderno Especial e Impresso Isolada.00000000000000 Naquela ocasião, o Sinduscon-PE decidiu fazer de 2013 um ano "laboratório" para o prêmio. "Vivemos em uma era cada vez mais digital, facilitadora das comunicações. Então porque não trazer isso para o prêmio?", colocou o vice-presidente do Sinduscon-PE, José Antônio Lucas Simon, à frente da concurso.000000000000000000000 Os diferenciais começaram pelo formato na entrega do material, agora com os PDFs em meio digital. O processo 01 de votação, baseado em uma análise conjunta dos membros da comissão julgadora, também foram novidade. Os profissionais estiveram reunidos no Sinduscon-PE durante toda a tarde para ler e discutir todo o material. "A experiência foi muito positiva, uma vez que pudemos discutir juntos critérios como adequação ao tema, abordagem e serviço prestado à sociedade", explica José Antônio. "Juntos, chegamos a um consenso", completa. Entre os membros da comissão, figuraram o diretor da TGI Consultoria, Francisco Cunha, e a jornalista Elayne Lira, editora da revista Construir Nordeste. Para este ano, serão solicitados apenas os PDFs em meio digital e as inscrições poderão ser feitas através do site da entidade, com upload do material. A data para o início das inscrições ainda será divulgada.000000000000000000 O objetivo do Prêmio Sinduscon de Jornalismo, além de homenagear os jornalistas atuantes nos veículos de

Telejornalismo: "Se essa casa fosse minha" - Fabiani Assunção (TV Jornal) Fotojornalismo: "Arcos da Passarela" - Hélia Scheppa Jornal do Commercio Jornalismo Impresso Série: "Cidades Possíveis" - Ana Cláudia Dolores - Diário de Pernambuco Jornalismo Impresso Isolada: «A Nova Expansão do Litoral Norte" Giovanni Sandes - Jornal do Commercio Jornalismo Online: "Ser Urbano" - Tânia Passos e Ed Wanderley - Diário de Pernambuco

comunicação do estado, é o de promover o debate amplo sobre o desenvolvimento da construção civil e o papel que o setor desempenha na busca de um ambiente urbano saudável e da qualidade de vida da sociedade. "Estamos conseguindo trazer à tona esse debate", finaliza José Antônio.


16 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Sustentabilidade exemplos sustentáveis mundo aofora Fotos: Gabriela Vasconcelos

Entre as construções com fins mercadológicos e comerciais no mundo, uma das que chama mais atenção, no quesito inovação e sustentabilidade, é o Museu BMW, localizado próximo ao Olimpia Park, em Munique, na Alemanha. Embora inaugurado em 1973, com projeto do professor e arquiteto vienense, Karl Schwanzer, o museu passou por uma grande reforma iniciada em 2002 culminando em reconstrução radical em 2004. Em 2008, o espaço foi reaberto, totalmente pontuado por aspectos sustentáveis, de forma a divulgar para o público conceitos da marca como proteção ambiental e uma conservação de recursos naturais. 000000000000000 Tudo no museu leva à preocupação da marca em avaliar continuamente todos os processos ecologicamente relevantes e com o desenvolvimento de estratégias e medidas para ajudar a minimizar o consumo de recursos e seu impacto ambiental. 00000000000000000000 Certificado pela norma de proteção ambiental ISSO 14001, o museu é auto-sustentável. Do alto da Torre Olímipica descata-se a visão da cobertura do museu e da

fábrica da BMW anexa, cobertos por painéis solares que suprem a necessidade de energia das edificações. Dentro do museu que hoje possui área interna de 5 mil


Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

m², chama a atenção a enorme fachada de vidro lateral, permitindo a entrada de luz natural. 0000000000000000 A arquitetura do museu interage com a paisagem urbanística do seu entorno ao mesmo tempo que reflete os conceitos da marca considerada referência de inovação, design, engenharia e tecnologia. 0000000000000000000 O projeto de arquitetura, planejamento e exposições da reestruturação do Museu BMW é assinado pelo Atelier Brückner. Já o projeto de mídia espacial e instalações interativas foi criado pela ART+COM. A suíça Delux AG responde pelo projeto de iluminação geral. 00000000000 A edificação foi projetado como um "corpo auto-

O CONSTRUTOR I 17

sutentável": a casca de concreto armado suporta o telhado e o caminho em espiral dentro do museu se apóia totalmente nas colunas que suportam as quatro plataformas que aumentam constantemente de tamanho conforme vai se subindo os andares.

forum pernambucano de sustentabilidade inicia atividades de 2014 Em reunião ocorrida na manhã do dia 02 de abril, uma Quarta feira, o Fórum Pernambucano de Construção Sustentável retomou as suas atividades na sede do Sinduscon-PE. Para a primeira reunião, foram apresentados os seguintes temas: «Projeto para atendimento à NBR 15575 em acústica - Piso e Parede» e “Sistema construtivo estrutural sustentável para atendimento da NBR 15575". Também foi apresentada uma coletânea de resultados de ensaios de desempenho acústico realizados em edifícios na cidade do Recife em 2013. O encontro voltará a reunir mensalmente empresários da construção, arquitetos, professores universitários e representantes de órgãos públicos, sempre nas primeiras quartas-feiras. 000000000000000000000000000000000 Para o diretor de Ciência e Tecnologia do Sinduscon-PE, Serapião Bispo, a questão da eficiência em sustentabilidade está nao só na mente dos empresários da construção, como ela é parte integrante do planejamento

dos seus empreendimentos em algum nível. «Com o Programa Nacional de Resíduos Sólidos, além de uma série de obrigações, não há como as empresas de construção, arquitetos e engenheiros deixarem de implantar em suas obras esses conceitos», diz ele. «E a população também está cobrando mais isso», completa Serapião Bispo. 0000000000000000000000000000 Ele reforça que a adoção dessas novas regras que garantem a sustentabilidade da obra são benéficas não só para o canteiro de obras ou para o orçamento da execução do empreendimento, mas também para o funcionamento e manutenção dos condomínios residenciais, comerciais, escolas, hospitais e outros equipamentos que venham a ser instalados na edificação em questão. 000000000000000000000000 Outra novidade do Fórum Pernambucano de Construção Sustentável será a reativação do portal Movimento Vida Sustentável, que trará artigos, trabalhos e cases de sucesso.


18 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Artigo A QUEM INTERESSA PERTURBAR? Paulo Simão - Presidente da CBIC

Volta e meia surgem "especialistas" que anunciam a iminência do estouro de uma bolha imobiliária no Brasil. Utilizando-se somente do aumento nos preços dos imóveis como justificativa, esses "analistas" afirmam categoricamente que viveremos uma situação semelhante àquela que ocasionou a crise norteamericana de 2008.000000000000000000000000000 Nada mais equivocado. Além do preço, existe uma série de condições necessárias para a formação de uma bolha imobiliária. Nenhuma delas se faz presente no país. Nos últimos dez anos, assistimos no Brasil ao crescimento e à consolidação de um mercado imobiliário consistente. Desde a criação do marco regulatório do setor, em 2004, o segmento tem gerado renda e emprego, reduzido os índices de inadimplência, além de atender à enorme demanda do país por moradia e empreendimentos comerciais.0000000000000000000000000000000000 O marco regulatório resgatou a indústria da construção e do mercado imobiliário de um longo período de paralisia e tornou a atividade atraente, transparente e sobretudo segura. O país vive hoje uma situação bem diferente daquela que gerou a crise americana. Nosso sistema financeiro é um dos mais seguros do mundo. Aqui, a instituição que dá origem ao crédito "morre com o crédito", ou seja, sempre será a responsável final pelas operações. Esse aspecto praticamente elimina a possibilidade dos chamados derivativos de alto risco. Além disso, nosso mercado imobiliário ainda é modesto quando comparado a outras economias como a norteamericana e apresenta grande potencial de crescimento. No Brasil, o financiamento imobiliário equivale a cerca de 8% do PIB. Nos Estados Unidos, o financiamento imobiliário equivalia, na época da crise, a aproximadamente 80% do PIB norte-americano. Cerca de 90% das pessoas que compram imóveis financiados no Brasil não estão fazendo investimentos, mas sim estão adquirindo a sua casa própria, o que resulta em níveis baixos de inadimplência.00000000000 O comportamento dos preços dos imóveis no país é resultado da relação entre oferta e demanda. Com mais

«

Existe uma série de condições necessárias para a formação de uma bolha imobiliária. Nenhuma delas se faz presente no país.

»

facilidade no acesso ao crédito e com a melhoria dos níveis de renda das famílias brasileiras, a procura pela compra de imóveis cresceu. Esse fator, aliado a outros aspectos como a falta de terrenos disponíveis nos grandes centros urbanos, provocou o fenômeno da elevação dos valores dos imóveis.0000000000000000 Então, por que algumas pessoas insistem em defender essa tese da bolha, que além de não representar a verdade gera insegurança? Há várias explicações. A mais provável é a falta de conhecimento sobre o setor que, de fato, é complexo.00000000000000000000000000000 Outra diz respeito a indivíduos que veem nesse discurso uma oportunidade de se aproveitar de problemas pontuais para desenhar um quadro de crise sistêmica e, com isso, se projetarem como gurus. É aquela velha prática de inventar problema para vender solução. Uma atitude extremamente perigosa para a saúde do mercado e passível de crítica por parte da Comissão de Valores Mobiliários.00000000000000000000000000 Há ainda um terceiro grupo, dos que fracassaram no mercado e tentam alterar na marra as condições de regulação, mexendo nas regras equilibradas para terem, de novo, a chance de operar de maneira menos regrada e menos competitiva.000000000000000000000000 A liberdade de expressão é fundamental, mas pessoas que emitem opinião sobre o mercado imobiliário precisam agir com mais responsabilidade. Difundir informações inconsistentes significa colocar a economia e a própria sociedade sob ameaça. O mercado imobiliário brasileiro está saudável, maduro e alerta para que suas condições equilibradas não sejam alteradas por quaisquer abusos ou desvios indesejáveis.


Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

O CONSTRUTOR I 19

Imóveis Burocracia atrapalha bom andamento do mercado imobiliário

Foto: Erivelton Viana

A Indústria da Construção Civil recebeu no final de março país. Também estiveram presentes a ministra do mais uma ferramenta com duas importantes funções: Planejamento, Miriam Belchior, o ministro chefe da balizar seu planejamento estratégico e comprovar Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Afif Domingos, perante órgãos públicos e instituições bancárias o quão e o vice-presidente da Caixa Econômica Federal, José nocivo o excesso de burocracia pode ser para todos os Urbano Duarte. 000000000000000000000000000000 agentes envolvidos. Entre eles, o consumidor O estudo contou com as informações de final. 00000000000000000000000 seis sindicatos, nove empresas de Trata-se do estudo "O Custo da Burocracia no Burocracia pode construção com faturamento superior à Imóvel", realizado pela Booz&Co, por R$ 500 milhões e nove com faturamento deixar imóveis iniciativa da CBIC (Câmara Brasileira da inferior à esse patamar. De acordo com os até 12% Indústria da Construção), da ABRAINC resultados, o excesso de burocracia mais caros (Associação Brasileira de Incorporadoras enfrentado por empresas e compradores Imobiliárias) e do MBC (Movimento Brasil da construção à aquisição da casa própria Competitivo).0000000000000000000 0 pode chegar a 12% do custo da unidade. 0 O lançamento do material ocorreu no dia 19, durante O prazo de entrega também sofre com os efeitos da evento em Brasília reunindo empresários da construção e burocracia. De acordo com o relatório apresentado, o representantes de entidades sindicais de várias partes do tempo perdido é de até dois anos. São entraves que se


20 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

estendem desde a aquisição do terreno até a entrega da casa própria e envolvem instituições públicas e privadas. Entre eles, destacam-se atraso na aprovação dos projetos pelas prefeituras, falta de padronização dos cartórios, falta de clareza nas avaliações das licenças ambientais e mudanças na legislação que atingem obras já iniciadas, como alterações nos planos diretores e de zoneamento. Os resultados encontrados motivaram a criação de uma agenda de redesenho ou simplificação dos processos administrativos para o melhor desenvolvimento do segmento imobiliário no Brasil. Foram enfocados também exemplos reais, sugestões para trazer maior eficiência ao processo, bem como cases de sucessos nacionais e internacionais, além da apresentação das boas práticas no País. 00000000000000000000000000000000000000000 Segundo a CBIC, se medidas como as propostas fossem adotadas, além dos custos serem reduzidos, o prazo para entrega dos imóveis cairia de 60 para 32 meses. O estudo está disponível na download no site do Sinduscon-PE, na sessão Comunicação, em Releases. Foto: Gabriela Vasconcelos

86º ENIC Goiana sediará em maio encontro da construção Entre os dias 21 e 23 de maio de 2014, Goiânia (GO) será palco do maior evento da Indústria da Construção na América Latina. Trata-se do 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção (ENIC), promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e realizado pelo Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Goiás (Sinduscon-GO) e Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi-GO). A expectativa é de que 1,5 mil pessoas, entre empresários e profissionais da indústria da construção de todo o Brasil, participem do

encontro no Centro de Convenções.000000000000000 O evento faz parte do calendário anual de empresários da cadeia da construção, que inclui empreendedores da construção, indústria e comércio de materiais, de serviços, de máquinas e equipamentos, entre outros fornecedores. Na sua programação constam debates sobre os mais relevantes e estratégicos temas relacionados ao futuro da atividade e ao próprio desenvolvimento do país, em especial sobre a indústria imobiliária, obras públicas, privatizações e concessões,


O CONSTRUTOR I 21

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

Imóveis FEVEREIRO DE BONS RESULTADOS PARA O MERCADO IMOBILIÁRIO O setor imobiliário da Indústria da Construção Civil passou por bons momentos em fevereiro. Ao menos é o que atesta o resultado da pesquisa do Índice de Velocidade de Vendas - IVV, desenvolvida mensalmente pela Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco - Fiepe, sob a coordenação da economista Mariana Haack (foto). 00000000000000000000 No segundo mês do ano, o IVV foi de 10,2%, mostrando um crescimento de 3,1% com relação à janeiro. De acordo com o relatório, em fevereiro foram ofertados 5.472 imóveis novos, sendo 696 lançamentos. 000000000000000 As vendas, por sua vez, fecharam o mês em 597 unidades. «Um crescimento de 59,6% com relação ao mês anterior e de 37,9% no comparativo com fe v e re i ro d e 2 0 1 3 " , ava l i a a economista. Do total de imóveis comercializados, 79,1% eram do tipo «dois quartos», 11,6%, «três quartos», 5,5% «um quarto» e

3,8%, do tipo «quatro quartos ou mais». Quanto à área privativa, ganharam destaque os imóveis com até 50m², com 68% das vendas, categoria seguida pela dos imóveis com área de 50 à 70m² - 21,4%.0000000000000000 Quanto à preferência por bairros, também entre as vendas efetuadas em fevereiro, destacaram-se os imóveis localizados em Candeias ( 259), Boa Viagem (90), Piedade (31), Rosarinho (22), Califórnia, em Ipojuca (22), e Muribara, em São Lourenço da Mata (21). 000000000000000000000000 Quanto à origem dos recursos envolvidos nas operações de venda, a pesquisa do IVV apontou para uma participação expressiva dos financiamentos via recursos próprios, respondendo por 69,8% do total. Foto: Gabriela Vasconcelos Financiamentos bancários e o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, foram responsáveis por 13,6% e 14,4% dos negócios fechados.

meio ambiente, relações de trabalho e novas tecnologias. A Indústria da Construção, segundo afirma o presidente da CBIC, Paulo Safady Simão, tem papel importante no desenvolvimento nacional. Ele lembra que os últimos 20 anos mudaram para sempre a realidade social e econômica do país e, em grande parte, essa mudança passou pela cadeia da construção. "O setor tem concentrado cerca de 45% de todos os investimentos, gerado números recordes de empregos formais, contribuído para o aumento da oferta de crédito e, deste modo, ajudado a mover a roda da economia", enfatizou Simão.0000000000000000000000000000000000 Como resultado do desenvolvimento, o presidente da Ademi-GO, Ilézio Inácio Ferreira, ressalta que, nas duas

ú l t i m a s d é ca d a s , o s b ra s i l e i ro s s a l ta ra m , rigorosamente, de um país para outro. "É inegável a participação da Indústria da Construção neste novo Brasil. E Goiânia estará, nos próximos meses, no foco do setor, somando-se a essa cadeia maior de progresso e prosperidade."000000000000000000000000000000 O presidente do Sinduscon-GO, Carlos Alberto de Paula Moura Júnior, afirma que Goiás tem grandes potencialidades e deve atrair representantes de todos os players do setor. "Com a expectativa de receber participantes de todos os Estados, o 86º ENIC de Goiânia já é certeza de sucesso.» Mais infomações: www.enic.org.br


22 I O CONSTRUTOR

www.sindusconpe.com.br

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março 2014

Legislação atenção Às áreas de conservação urbana

Foto: Gabriela Vasconcelos

As áreas de conservação ambiental em Pernambuco estão prestes a serem submetidas às novas regulamentações, o que leva as construtoras do estado a redobrar a atenção sobre o tema. A informação é do advogado especialista em Direito Ambiental, Ivon Pires, que fez apresentação para os empresários da construção sobre as novidades nas legislações ambientais do estado, junto com a também advogada especialista, Sandra Pires. De acordo com eles, embora algumas ações tenham sido desenvolvidas no âmbito ambiental após a implantação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC, como a criação de unidades de conservação, havia muito tempo em que essas áreas não eram alvo de novidades. Agora, o cenário mudou. «Com mais de R$200 milhões em caixa referente à compensações ambientais, o governo decidiu regulamentar essas áreas», informou Ivon Pires. Mais: algumas unidades serão

Linha Infra-Estrutura - PBA DEFOFO COLETOR Linha Predial - Esgoto Primário Esgoto Secundário Soldáveis Linha Irrigação - Junta Soldável Junta Elástica

DEFOFO

www.hidroplast.com.br

TELEVENDAS - (81) 3481.0355

recategorizadas, conselhos de gestão estão sendo criados e já está na rua uma licitação para formatação de planos de manejo. 0000000000000000000000000000000000000 O impacto no setor construtivo vem do fato de que o entorno dessas áreas de conservação, chamado de Zona de Amortecimento, poderá ter suas regras de uso alteradas. São regras cujo atendimento sobreporá até legislações como o Plano Diretor vigente. Isso poderá trazer níveis de restrição que causem impactos sérios nos empreendimentos localizados em suas proximidades.0000000000000000000á De acordo com Sandra Pires, as regras a serem observadas pelos construtores vão depender do tipo de Unidade de Conservação. «As áreas protegidas são como um gênero e as Unidades de Conservação, as espécies. O objetivo é o de proteger o sistema para as próximas gerações», explica ela. As unidades podem ser de proteção integral ou de uso sustentável, no qual é possível conciliar a preservação com algum uso dos recursos existentes dentro dela. Como exemplo de unidades de proteção integral Sandra Pires destacou Saltinho, no caminho da praia de Tamandaré. Para uso sustentável, citou as áreas de proteção ambiental de Guadalupe e Beberibe. Ivon Pires, por sua vez, lembrou que os Conselhos Gestores são formados de forma paritária, com representantes do poder público e da sociedade civil. Orientou as entidades representativas do setor construtivo a pleitear cadeiras nesses conselho, a fim de participar de forma proativa das


O CONSTRUTOR I 23

Nº01 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2014

decisões. Também recomendou que os construtores fiquem bastante atentos ao andamento de regulamentações, além da presença de Árias de Relevante Interesse Ecológico - ARIE próximas aos seus empreendimentos ou de terrenos onde se planeja empreender. De acordo com Ivon Pires, as regras para as zonas de amortecimento podem atingir um raio de até 5 kilômetros a partir da Unidade de Conservação. Ivon Pires informou ainda que as unidades existentes estão mapeadas, mas as que estão em processo de criação não, assim como as suas zonas de amortecimento. Outras, com o processo de regulamentação, estão sendo ampliadas. 0000000000000000 Para o vice-presidente do Sinduscon-PE, José Antônio Lucas Simón, que recebeu os advogados na sede do Sinduscon-PE, com a expansão do mercado imobiliário para novas áreas, começando a sair dos bairros consolidados, a discussão sobre a regulamentação dessas unidades ganham cada vez mais relevância.

Foto: Gabriela Vasconcelos

Drywall Trevo Perfeito para todos os ambientes

!

atendimento@trevobrasil.com - www.trevobrasil.com - (88) 3571-6019 / 4561


O Construtor  

Sinduscon, 01 - 2014

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you