Issuu on Google+

Responsabilidade Social

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

Painel Interativo Aquarela André Pires Finati Gean Gustavo Christovam Mauro Cesar de Oliveira Orientado por Prof.Ms. José Eduardo Zago

Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigui Dezembro - 2009


Aquarela

Responsabilidade Social

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

Painel Interativo Aquarela André Pires Finati Gean Gustavo Christovam Mauro Cesar de Oliveira

Projeto final de produto apresentado à Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigui - FATEB para obtenção de Título de Bacharel em Desenho Industrial. Orientador: Prof. Ms. José Eduardo Zago

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela Folha de Aprovação

André Pires Finati Gean Gustavo Christovam Mauro Cesar de Oliveira Painel Interativo Aquarela

Projeto de Produto apresentado à Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigui – FATEB como requisito para obtenção do Título de Bacharel em Desenho Industrial. Nome do Curso: Bacharel em Desenho Industrial

Aprovado em: Banca Examinadora Prof. Ms. José Eduardo Zago Instituição: Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigui Assinatura ________________________ Prof. ________________________________________________________________________________ Instituição: _____________________________________ Assinatura ________________________ Prof. ________________________________________________________________________________ Instituição: _____________________________________ Assinatura ________________________

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Agradecimentos A todos os professores que nos auxiliaram em especial, o professor Zago nosso orientador. A nossas famílias e amigos pela paciência e compreensão. As empresas que colaboraram com nossa pesquisa fornecendo importante informações ao projeto. E a Deus que nos deu forças para chegar até aqui.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Resumo O presente projeto visa mostrar a importância dos brinquedos na vida das crianças, bem como uma nova proposta de produto confeccionado a partir de matérias primas descartadas pelas indústrias. Através de intervenções no design do brinquedo, incentivar o prazeroso ato de brincar, auxiliar na formação psicológica das crianças e também dar uma destinação sustentável a materiais até então eram descartados ou tinham uma destinação aquém de suas possibilidades de uso, agregando o conceito de responsabilidade social.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Sumรกrio aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Introdução Nos últimos tempos a responsabilidade social apresenta-se como tema cada vez mais importante no comportamento das organizações. Essas por sua vez buscam adotar posturas éticas e compromissos sociais perante a comunidade. Segundo Emerson Kapaz, presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial e Conselheiro do Instituto Ethos: “Responsabilidade Social nas empresas significa uma visão empreendedora mais preocupada com o entorno social em que a empresa está inserida, ou seja, sem deixar de se preocupar com a necessidade de geração de lucro, mas colocando-o não como um fim em si mesmo, mas sim como um meio para se atingir um desenvolvimento sustentável e com mais qualidade de vida.” Crescendo diretamente proporcional com a responsabilidade social, tem-se o desenvolvimento sustentável, sendo esta uma atitude responsável em relação ao ambiente e a sociedade, não somente preserva e economiza os recursos naturais, mas também amplia o conceito de responsabilidade social. No que se diz respeito às questões sociais, a relação entre crianças e comunidade atinge o ápice das preocupações e cuidados para os profissionais envolvidos com tais peculiaridades. Uma das ferramentas de formação psico-social das crianças são os brinquedos. Com o exercício da brincadeira elas trazem para a realidade traços de seu imaginário. O brinquedo é um elemento muito importante do universo infantil e leva a criança a perceber seus limites e o leque de possibilidades de resolução de problemas que as brincadeiras podem gerar, tendo então suas primeiras experiências culturais e sociais, além de exercitar capacidades sensoriais e motoras fundamentais para o desenvolvimento infantil. Com o avanço da tecnologia, o universo dos brinquedos torna-se maior e com produtos cada vez mais complexos, que trazem representações ou simulações prontas da realidade dando poucas chances de que a criança, que é o sujeito da ação de brincar, construa sua própria experiência da realidade que a cerca. Dessa forma vislumbra-se mais um campo onde a contribuição do designer se faz de grande importância, através de uma ação preocupada com valores sociais e ambientais, o designer tem a possibilidade de otimizar a interação entre as pessoas, os produtos e o meio em que estão inseridos.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

07


Aquarela

Objetivo Este projeto tem como objetivo o desenvolvimento de brinquedos pedagógicos, conceituados no uso adequado de cores, formas, texturas entre outros aspectos lúdicos que o designer deve implantar nas bases do projeto, observando a reutilização de materiais a fim de reduzir o impacto ambiental das atividades industriais aqui pesquisadas.

Objetivos específicos Desenvolvimento de um brinquedo pedagógico Otimização da relação “usuário-produto-meio” através de fatores estéticos e funcionais. Reutilização de material descartado por indústrias específicas

08

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Justificativa O presente projeto se justifica primeiramente, na necessidade crescente que a nossa sociedade tem de gerar soluções educacionais, uma vez que, é a educação um fator de fundamental importância ao desenvolvimento de qualquer sociedade e dos valores que a regem e sustentam. Observando também a necessidade eminente de preservarmos essa mesma sociedade através do respeito e correta utilização e reutilização dos recursos naturais, renováveis e não renováveis, cultivando a consciência de um consumo coerente com as nossas reais necessidades e buscando equilíbrio em nossa relação com o meio ambiente e com aqueles que nos cercam.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

09


Aquarela

Metodologia A metodologia escolhida para direcionar o presente projeto é a descrita por LÖBACH (2000, p. 142), a qual se apresenta em quatro fases principais: fase de pesquisa e conhecimento do problema, fase de geração das alternativas do problema, fase de avaliação das alternativas do problema e fase de realização da solução do problema. Apesar da divisão das fases, o autor propõe que, conforme as necessidades do projeto possa se voltar as fases anteriores para correção de possíveis falhas e obtenção de novas informações que sejam necessárias.

10

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Desenvolvimento

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

11


Aquarela

Pesquisa Para a obtenção das informações necessárias ao desenvolvimento deste projeto, focamos nossas pesquisas nos conceitos de responsabilidade social e ambiental, possíveis materiais, definição e características do objeto brinquedo e definição e características do usuário.

12

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável A cada dia se torna crescente a preocupação na gestão das empresas quanto aos valores éticos e de responsabilidade social e ambiental, esta preocupação se deve ao fato de que as pessoas passaram a desenvolver uma consciência critica a respeito da conservação do planeta e de seus recursos naturais. A poluição das grandes cidades, catástrofes climáticas, recursos naturais cada vez mais escassos e caros e a violência resultante de uma educação precária, e ma distribuição de renda, levam a repensar nossas atitudes com relação ao meio ambiente e as pessoas que nos rodeiam. Este pensamento repercute na administração das empresas interessadas em satisfazer o seu consumidor e confirma a ação daquelas interessadas também numa relação mais harmônica com o meio em que estão inseridas. Assim o desenvolvimento sustentável pode ser definido segundo alguns aspectos de relevante importância. A satisfação das necessidades básicas da população e a elaboração e efetivação de sistemas sociais e educativos fazem parte do lado social do desenvolvimento sustentável. Seguindo a mesma linha temos a preocupação ambiental do conceito, com a participação marcante da

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

13


Aquarela população na preservação dos recursos naturais, garantindo que gerações futuras desfrutem desses recursos. Tudo isso dentro de fatores econômicos viáveis. Dessa maneira se define o tripé da sustentabilidade, as ações devem ser orientadas de modo que sejam social e ambientalmente corretas e economicamente viáveis

14

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Alguns materiais descartados pelas indústrias Todo processo industrial está caracterizado pelo uso de insumos que, submetidos a uma transformação dão lugar a produtos, subprodutos e resíduos. Com o crescimento da economia e desenvolvimento desenfreado das indústrias, esses produtos são gerados e consumidos de forma exorbitante resultando uma quantidade, cada vez maior, de resíduos industriais e produtos descartados, que com a substituição pelos novos, acabam tendo como destino aterros sanitários ou até mesmo um fim indevido poluindo o meio ambiente. Em visita feita em algumas indústrias da cidade de Birigui, podemos constatar que alguns tipos de materiais que são descartados nos processos industriais vêm sendo pouco explorados em relação a seu reaproveitamento e reciclagem. Entre as indústrias visitadas, temos as das seguintes áreas de atuação: calçados, gráfica, marcenaria, madeireira e tapeçaria. Cada uma com um leque de materiais descartados, mas apenas alguns se enquadram na situação acima citada. Podemos observar estas situações nas fichas de materiais

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

15


Aquarela

Indústria Calçadista Materiais

Usado em

Destino

Laminados sintéticos Tecidos

Cabedais de calçados

Reciclagem Reciclagem

Embalagem de colas

16

Cabedais e enfeites de calçados A cola é usada para fixar peças o cabedal com o solado do calçado

Reciclagem

Papel timbó

Gabaritos para corte de modelos piloto

Reciclagem

Nylon

Cabedais de calçados

Reciclagem

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Indústria Gráfica Materiais

Usado em

Destino

Papel

Embalagens de produtos Amarrações de produtos

Reciclagem

Fitilhos

Lixo

Embalagens de tintas

As tintas são usadas na impressão das embalagens

Lixo

Paletes

Empilhamento e transporte de matéria prima e produtos

Incineração

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

17


Aquarela

Tapeçaria Materiais

Usado em

Destino

Tecidos

Forração de estofados

Lixo

Madeira em lascas e pequenos pedaços

Estrutura dos estofados

Incineração ou lixo

18

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Marcenaria Materiais

Usado em

Destino

Madeira

Confecção de produtos

Aparas restantes vendidas como lenha ou incineradas no local

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

19


Aquarela

Madeireira Materiais

Usado em

Destino

Madeira de antigos postes de energia elétrica

Lascas para cerca

Venda

Outras madeiras

Confecção de artigos para construção

Pequenas lascas e toco são vendidos como lenha, pó de serra é vendido como forração para uma granja.

20

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

A origem e evolução do brinquedo Ao longo da historia, os brinquedos sempre ocuparam um lugar muito importante nas mais diversas culturas e há certa ambigüidade em relação a sua origem. Alguns brinquedos nasceram do espírito de emulação das crianças, que as leva a imitar as atitudes dos adultos, reduzindo-os à sua escala: foi o caso do cavalo de pau, numa época em que o cavalo era o principal meio de transporte e de tração. Da mesma forma, as pás que giravam na ponta de uma vareta só podiam ser a imitação feita pelas crianças de uma técnica que, contrariamente ao cavalo, não era antiga: a técnica dos moinhos de vento, introduzida na Idade Média. Mas, enquanto os moinhos de vento há muito desapareceram de nossos campos, os cata-ventos continuam a serem vendidos nas lojas de brinquedos, nos quiosques dos jardins públicos ou nas feiras. As crianças constituem as sociedades humanas mais conservadoras. (Ariès, 1981, p. 89) Quando fala da ambigüidade, Ariès mostra uma relação entre os brinquedos e os objetos dos rituais religiosos. Os historiadores dos brinquedos e os colecionadores de bonecas e de brinquedosminiatura sempre tiveram muita dificuldade em distinguir a boneca, brinquedo de criança, de todas as outras imagens e estatuetas que as escavações nos restituem em quantidades semi-industriais e que sempre tinham uma significação religiosa: objetos de culto doméstico ou funerário, ex-votos dos devotos de uma peregrinação etc. Quantas vezes nos apresentavam como brinquedos as reduções de objetos familiares depositados nos túmulos? Não pretendo concluir que as crianças pequenas de outrora não brincavam com bonecas ou com réplicas dos objetos dos adultos, mas elas não eram as únicas a se servir dessas réplicas. Aquilo que na Idade Moderna se tornaria seu monopólio, ainda era partilhado na Antigüidade, pelo menos pelos mortos. Essa ambigüidade da boneca e da réplica persistiu durante a Idade Média, por mais tempo ainda no campo: a boneca era também o perigoso instrumento do feiticeiro e do bruxo. (Ariès, 1981, p. 90)

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

21


Aquarela

Em Benjamin (1985, p. 90) temos desde os tempos mais antigos, a adoção de um objeto ritualístico – o chocalho – ser dado ao bebê como forma de espantar os maus espíritos, e em seguida outros (bola, papagaio, o arco, a roda de penas) que teriam sido concebidos e impostos as crianças para serem posteriormente produzidos em série. Em WAJSKOP (1981, p. 19) temos com base nas idéias de Platão e Aristóteles a utilização do brinquedo com fins educativos, associando o estudo ao prazer. Platão sugeria ainda que o próprio estudo seria uma forma de brincar. Pela racionalização da sociedade, principalmente as ocidentais, as características do brincar e do jogar mudaram de conceitos. O que era motivo de profundas relações familiares, com valores e sentidos culturais muito significativos, tornou-se objeto destinado a um público específico, as crianças. O estudo do brinquedo como objeto da cultura infantil teve inicio a partir do século XVIII com o desenvolvimento do capitalismo. Assim o brinquedo passou a ser comercializado com fins lucrativos, com isso se afastaram cada vez mais da sua origem. Com a tecnologia atual, os mais diversos tipos de brinquedos são produzidos desde os que utilizam como matéria prima a madeira ou qualquer outro material natural, até os que recorrem de recursos eletrônicos sofisticados. Para tanto é preciso aceitar o fato de que o brinquedo está inserido em um sistema social e suporta funções sociais que lhe conferem razão de ser e colaboram, quando utilizado de maneira correta, na formação da personalidade das crianças. O estudo do brinquedo como objeto da cultura infantil teve início a partir do século XVIII com o desenvolvimento do capitalismo. Assim, o brinquedo passou a ser comercializado com fins lucrativos, com isso, se afastando cada vez mais da sua origem. Com a tecnologia atual, os mais diversos tipos de brinquedos são produzidos, desde os que utilizam como matéria-prima, a madeira ou qualquer outro material natural, até os que recorrem recursos eletrônicos sofisticados.. para tanto, é preciso aceitar o fato de que o brinquedo está inserido em um sistema social e suporta funções sociais que lhe conferem razão de ser e colaboram em um sistema social e suporta funções sociais que lhe conferem razão de ser e colaboram, quando utilizado de maneira correta, na formação da personalidade das crianças.

22

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Classificação dos Brinquedos Dentre as várias formas de classificar os brinquedos. Existem aquelas concentradas no brinquedo, outras baseadas no tipo de jogo que proporcionam, na etapa evolutiva, outras segundo o seu valor educativo, e ainda segundo os aspectos da personalidade que desenvolvem, entre outros. ? Segundo a idade

Esta é a classificação observada na maioria dos brinquedos. Todos os fabricantes são obrigados a indicar de forma visível em etiquetas, a idade mínima de referência a que o seu produto se destina, com a seguinte frase: “Brinquedo recomendado a partir de… anos” ? Segundo o grau de desenvolvimento que fomentam

Esta classificação se baseia nas variáveis: sensorial, motricidade, cognitiva social ou emocionais: 1. Sensorial ou de desenvolvimento da criatividade Têm a finalidade de facilitar o conhecimento e domínio do próprio corpo e auxiliar a criança desde a primeira infância a entrar em contato com o que o rodeia a partir da estimulação dos sentidos, favorecendo a descoberta e o prazer de novas sensações. Exemplos: brinquedos de moldar, os jogos de pinturas, criações de moda, bijuteria, maquilagem ou até mesmo os jogos de disfarce. 2. Motricidade ou de desenvolvimento da mesma Têm a finalidade de melhorar ou desenvolver habilidades através da prática, ganhando destreza, coordenação equilíbrio, exercitada através dos jogos. Trabalhando a motricidade global (coordenação de movimentos de todo o corpo) e motricidade fina (exercitação precisa das mãos e dedos). - Motricidade global: bicicletas, triciclos, patins, cordas, malabares, bolas, entre outros.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

23


Aquarela

- Motricidade fina e habilidade manual: io-io, construções, miniaturas, fantoches, entre outros. Brinquedos de coser, recortar, tecer e tricotar ou vestir os vestidos às bonecas. 3. Cognitivos ou de desenvolvimento da inteligência São aqueles que auxiliam no desenvolvimento intelectual, no raciocínio, na lógica, na atenção, no domínio da linguagem, etc. Exemplos: brinquedos como de construção, associações, jogos de cartas, dominós, montar e desmontar, jogos de perguntas e respostas, jogos de linguagem. 4. Relação social ou de desenvolvimento da sociabilidade São brinquedos que favorecem as relações entre as pessoas. A participação de mais do que um jogador, ajuda a criança a relacionar-se com os outros e a comunicar, negociar, favorecendo o intercâmbio de idéias, materiais, experiências e assimilação de regras sociais. São exemplos desta tipologia os brinquedos que colaboram com jogo simbólico: bonecas e bonecos, veículos, cozinhas, hospitais, escolas, disfarces, etc. também os jogos desportivos, de mesa entre outros. 5. Desenvolvimento afetivo e emocional O jogo é uma atividade que deve proporcionar prazer, alegria e satisfação, permite à criança que se expresse livremente e a descarregar tensões, garantido um bom equilíbrio emocional e afetivo. Exemlos: disfarces e as representações em miniaturas de elementos do mundo real (carros, lojas, cozinhas…), propiciam representar e imaginar várias situações do mundo dos adultos, experimentando diferentes papéis que ajudam a formar a própria personalidade. Exemplos: as bonecas ou as figuras de ação, promovem a expressão e manifestação de sentimentos, desejos, medos e emoções. Por outro lado, as crianças gostam de se por sobre aprovação. Os desafios que lhes propõem jogos como quebra-cabeças, jogos de habilidade ou de mesa, favorecem a experimentação do êxito pessoal e social, que é a base da auto-estima. O sistema ESAR É um instrumento de classificação e análise de jogos e brinquedos proposto pela psicóloga canadense Denise Garon, que se apresenta como uma forma de avaliar a contribuição pedagógica que brinquedos e acessórios de jogos utilizados pelas crianças segundo as etapas do seu desenvolvimento. Assim, o sistema ESAR (Exercise, Symbolical, Assemblage, Rules), classifica os jogos segundo: -E. Brinquedos que proporcionam exercício (exercise). -S. Brinquedos que proporcionam o jogo simbólico (symbolical). -A. Brinquedos de construção (assemblage). -R. Brinquedos que facilitam o jogo de regras (rules). Especificando melhor, podem-se agrupar os jogos da seguinte forma no quadro abaixo referido:

24

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

E. 1. Jogo de exercício 0.1 Jogo sensorial sonoro 0.2 Jogo sensorial visual 0.3 Jogo sensorial táctil 0.4 Jogo sensorial olfativo 0.5 Jogo sensorial gustativo 0.6 Jogo sensorial motor 0.7 Jogo de manipulação S. 2. Jogo simbólico 0.1 Jogo de «para fazer como se» 0.2 Jogo de rolos 0.3 Jogo de representação A.3. Jogo para montar 0.1 Jogo de construção 0.2 Jogo de disposição 0.3 Jogo de montagem mecânica 0.4 Jogo de montagem eletromecânica 0.5 Jogo de montagem eletrônico 0.6 Jogo de acoplação cientifica 0.7 Jogo de acoplação artística R.4. Jogo de regras simples 0.1 Jogo da loteria 0.2 Jogo do dominó 0.3 Jogo da seqüência 0.4 Jogo de circuito 0.5 Jogo da habilidade 0.6 Jogo desportivo elementar 0.7 Jogo de estratégia elementar 0.8 Jogo de azar 0.9 Jogo de perguntas e respostas elementares 10. Jogo de vocabulário1 11. Jogo matemático 12. Jogo de teatro R.5. Jogo de regras complexas 0.1 Jogo de reflexão 0.2 Jogo desportivo complexo 0.3 Jogo de estratégia complexo 0.4 Jogo de azar 0.5 Jogo de perguntas e respostas complexas 0.6 Jogo de vocabulário complexo 0.7 Jogo de analises matemáticas 0.8 Jogo de montar complexo

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

25


Aquarela

0.9 Jogo de representação complexo 10. Jogo de cena Por exemplo os seguintes jogos: -RISK. Podia categorizar-se como: Rc503. -Categoria principal: Regras complexas: Rc5. -Subcategoria: Jogo de estratégia complexo: 03. -Jogo de magia: E107. -Categoria principal: Exercício: E1. -Subcategoria. Jogo de estratégia complexo: 03 -LEGO: A301. -Categoria principal: Montar: A3. -Subcategoria. Jogo de construção: 01

26

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

O mercado de brinquedos no Brasil O Brasil, um país de dimensões continentais, possui um amplo mercado para o consumo de brinquedos, estimativas da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (ABRINQ), apontam neste ano de 2009 um crescimento no faturamento da indústria nacional de brinquedos na faixa de 37,1%, contra 216,3% dos importados, isto mostra que mesmo diante de um cenário aparentemente negativo – invasão de importados e crise econômica –, a indústria brasileira de brinquedos tem se mostrado forte e em constante crescimento. Vendas por segmento: Ainda segundo a ABRINQ, podemos avaliar através do percentual do faturamento total da indústria de brinquedos no ano de 2008 o posicionamento de cada segmento desta no último ano, como segue:

² Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos - ABRINQ - é uma entidade de classe de representação oficial da indústria e do setor de brinquedos, sem fins lucrativos, fundada em 02/07/1985. Desenvolvimento de Projeto de Produto III

27


Aquarela

A Criança O Estatuto da Criança e do Adolescente em seu capítulo primeiro define como criança, a pessoa com até doze anos de idade incompletos, dentre os direitos e as prioridades nele contidas, destacamos: “Art. 4º É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende: a) primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias; b) precedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância pública; c) preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas; d) destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude.”

Podemos destacar ainda, sobre o direito à liberdade: “Art. 16. O direito à liberdade compreende os seguintes aspectos: I - ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, ressalvadas as restrições legais; II - opinião e expressão; III - crença e culto religioso; IV - brincar, praticar esportes e divertir-se; V - participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação; VI - participar da vida política, na forma da lei; VII - buscar refúgio, auxílio e orientação.”

Esses entre outros aspectos revelam a importância da criança em nossa sociedade, que por isso deve ter sua integridade protegida e seu desenvolvimento físico e psíquico estimulados a fim de se tornar um adulto capaz de conviver harmonicamente em sociedade.

28

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Fases do Desenvolvimento da criança: De zero a dezoito meses Neste estágio, o bebê é totalmente dependente dos adultos – geralmente os pais – para quase todas as suas atividades, como locomoção, alimentação ou higiene. Neste período, seu aprendizado se concentra nos atos básicos de locomoção como sentar, engatinhar, andar. Neste estágio, a criança cresce aceleradamente, nascem os primeiros cabelos, e os primeiros dentes. Ao final desse período, a maioria das crianças já balbuciaram suas primeiras palavras. Ainda não compreende que faz parte de uma sociedade, e o mundo para ele gira em torno de si mesmo. Dos dezoito meses a três anos Neste peíodo, a criança cresce mais lentamente do que no anterior. Aprende a comer sem a ajuda, e fala algumas com significado – mamãe, papai, bola, etc – , o que chama mais atenção nessa fase é o desenvolvimento da fala e linguagem, já começa a dizer frases completas usando palavras aprendidas e já possui um pequeno vocabulário. Lentamente, percebe o mundo e as pessoas a sua volta, suas características, sentimentos, regras, embora ainda seja bastante egocêntrica. Próximo dos quatro anos já tem suas preferências – roupas e entretenimento –, sendo capaz até de se vestir sozinha. De três a quatro anos Nesta faixa etária começam a desenvolver responsabilidades e de independência, muito ativas, sempre interessadas no mundo que a cerca, é a preparação para o estágio da escola. Podem também compreender padrões de comportamento, podem se identificar com pessoas a sua volta pelos mais diversos motivos. Nesta fase começam a perceber as diferenças entre masculino e feminino e os esteriótipos dados a cada um pela sociedade. De cinco a nove anos Este período é marcado pelo desenvolvimento psicológico, além do desenvolvimento físico, começam a amadurecer emocionalmente, socialmente e mentalmente, geralmente é neste período que começam a frequentar a escola e começam a assimilar mais fortemente as regras de convivência em sociedade. Ela começa a formar sua auto-imagem e se comparar com as outras pessoas. Nesta fase, por volta dos seis anos começam a cair os primeiros dentes de leite. De dez a doze anos Época de muitas e intensas mudanças físicas e psicológicas, a pré-adolescência. Passam a ter mais responsabilidades, a exigir mais respeito, principalmente dos adultos, gostam de pertencer a grupos com interesses comuns que passa a ter mais importância que o grupo familiar, esta fase geralmente determina o início da puberdade.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

29


Aquarela

Escolha do publico alvo Com base nas nas informações até agora registradas , foi definida a faixa etária etrária de 3 (tres) a 6 (seis) anos como público-alvo do produto a ser desenvolvido, por ser a fase que recebe o desenvolvimento psicológico e mental mais acentuados. E da preparação para a vida escolar.

30

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Análise de similares A presente análise de produtos similares, tem por objetivo a obtenção de informações conceituais a respeito de produtos existentes no mercado. Considerando os aspectos funcionais e significantes do brinquedo BROUGÈRE (1994, p. 44) propõe uma análise do brinquedo a partir do aspecto material (material, forma/desenho, cor, aspecto tátil, aspecto odorífico, ruído e produção de sons) e de suas significações (representação de uma realidade, modificações induzidas nessa realidade, universo imaginário representado, representação isolada ou que pertence a um universo, impacto da dimensão funcional). Monhanha Russa (Classificação E.S.A.R.: E106)

http://www.kitsegifts.com.br/loja

Aspecto material Material: madeira e polímero; Forma: colunas e barras irregulares e argolas em base de madeira; Cor: cor de madeira, cores primárias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: calor da madeira; Aspecto odorífico: cheiro característico de madeira; Ruído e produção de sons: vazio.

Significações Representação de uma realidade: montanha russa Modificações induzidas nessa realidade: redução de tamanho; Universo imaginário representado: estradas sobre montanhas; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real : caminhos de trens sobre montanhas como universo; Impacto da dimensão funcional: a realização de movimentos direcionados e restritos tem incidência na forma. Desenvolvimento de Projeto de Produto III

31


Aquarela

Ábaco Fechado (Classificação E.S.A.R.: Rs411) Aspecto material Material: madeira e polímero EVA; Forma: colunas e barras e argolas; Cor: cor de madeira, cores primárias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: maciez da madeira; Aspecto odorífico: cheiro característico de madeira; Ruído e produção de sons: vazio. http://images.quebarato.com.br

Significações Representação de uma realidade: calculadora antiga Modificações induzidas nessa realidade: vazio Universo imaginário representado: jogos de matemáticos; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real: o ensino matemático como universo; Impacto da dimensão funcional: movimentos restritos e direcionados têm incidência na forma.

Jogo da velha (Classificação E.S.A.R.: Rc503) Aspecto material Material: polímero EVA; Forma: peças pequenas e achatadas sobre um tabuleiro quadrado e fino; Cor: Primárias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: Maciez do polímero E.V.A.(peças), calor da

http://www.kitsegifts.com.br/loja

madeira (tabuleiro) Aspecto odorífico: vazio; Ruído e produção de sons: vazio.

Significações Representação de uma realidade: jogo de tabuleiro; Modificações induzidas nessa realidade: vazio; Universo imaginário representado: jogos de competir; Representação isolada ou que pertence a algum universo: universo da competição e estratégia; Impacto da dimensão funcional: a liberdade de ações segundo as decisões do jogador tem incidência na forma.

32

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Ábaco de montar (Classificação E.S.A.R.: Rs411) Aspecto material Material: madeira; Forma: formas geométricas simples; Cor: cor de madeira, cores primárias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: calor da madeira; Aspecto odorífico: cheiro característico de madeira; Ruído e produção de sons: vazio. http://www.kitsegifts.com.br/loja

Significações Representação de uma realidade: calculadora antiga; Modificações induzidas nessa realidade: alteração de forma e disposição dos elementos; Universo imaginário representado: jogos matemáticos; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real: o ensino matemático como universo; Impacto da dimensão funcional: a liberdade de disposição dos elementos tem incidência na forma.

Tabuleiro Viking (Classificação E.S.A.R.: Rc503) Aspecto material Material: polímero; Forma: formas geométricas simples; Cor: cores primárias e secundarias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: frieza do polímero; Aspecto odorífico: vazio; Ruído e produção de sons: vazio. http://mundoludico.blogspot.com/2008_11_01_archive.html

Significações Representação de uma realidade: jogo estratégico; Modificações induzidas nessa realidade: alteração de forma e disposição dos elementos; Universo imaginário representado: competição estrategica; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real: universo da competição estratégica; Impacto da dimensão funcional: a liberdade de disposição dos elementos tem incidência na forma,decisão rápida de estratégia.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

33


Aquarela

Estratégia de Guerra (Classificação E.S.A.R.: Rc503) Aspecto material Material: polímero; Forma: formas orgânicas complexas; Cor: cores básicas, em tons médios; Aspecto tátil: frieza do polímero; Aspecto odorífico: vazio; Ruído e produção de sons: vazio. http://www.leonaraujo.com

Significações Representação de uma realidade: jogo de tabuleiro; Modificações induzidas nessa realidade: alteração de forma e disposição dos elementos; Universo imaginário representado: estratégia de guerra; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real: universo da competição estratégica; Impacto da dimensão funcional: a liberdade de disposição dos elementos tem incidência na forma,decisão rápida de estratégia.

Tabuleiro Mario (Classificação E.S.A.R.: Rs412) Aspecto material Material: papel; Forma: formas geométricas simples; Cor: cores primárias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: calor do papel; Aspecto odorífico: cheiro caracteristico do papel; Ruído e produção de sons: vazio. http://wiiclube.uol.com.br/blog

Significações Representação de uma realidade: jogo de tabuleiro; Modificações induzidas nessa realidade: alteração de forma e disposição dos elementos; Universo imaginário representado: representação de uma história; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada de um jogo virtual; Impacto da dimensão funcional: a liberdade de disposição dos elementos tem incidência em uma cena.

34

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Presépio (Classificação E.S.A.R.: Vazio) Aspecto material Material: metal; Forma: formas orgânicas complexas; Cor: metal envelhecido; Aspecto tátil: frieza do metal; Aspecto odorífico: cheiro característico do aço; Ruído e produção de sons: vazio. http://www.wiccaworkshop.com.br/imagesml

Significações Representação de uma realidade: cenas urbanas; Modificações induzidas nessa realidade: alteração da disposição dos elementos; Universo imaginário representado: realidade humana; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real: criação de cenários; Impacto da dimensão funcional: a liberdade de disposição dos elementos tem incidência na cena.

Carros miniaturas (Classificação E.S.A.R.: S203) Aspecto material Material: madeira; Forma: formas arredondadas e simples; Cor: cor de madeira, cores primárias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: frieza da pintura Aspecto odorífico: vazio; Ruído e produção de sons: vazio. http://blogdebrinquedo.com.br/wp-content/uploads

Significações Representação de uma realidade: automóveis; Modificações induzidas nessa realidade: estilização e simplificação nas formas; Universo imaginário representado: amadurecimento ilusósio da criança; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real: representação da criança ja adulta; Impacto da dimensão funcional: comparação da criança em relação aos adultos.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

35


Aquarela

Tabuleiro Lego (Classificação E.S.A.R.: A301 ) Aspecto material Material: Polímero; Forma: formas geométricas simples; Cor: cores primárias, vivas e limitadas; Aspecto tátil: frieza do polímero; Aspecto odorífico: vazio; Ruído e produção de sons: vazio. http://blogdebrinquedo.com.br/2009/06/14

Significações Representação de uma realidade: jogo de tabuleiro, blocos de construção; Modificações induzidas nessa realidade: alteração de forma e disposição dos elementos; Universo imaginário representado: representação de ambientes; Representação isolada ou que pertence a algum universo: lógica originada do real: universo da competição estratégica; Impacto da dimensão funcional: a liberdade de disposição dos elementos tem incidência na forma,decisão rápida de estratégia.

36

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

A importância das cores As cores são importantes elementos de comunicação e expressão, tanto no mundo dos artistas quanto no setor industrial. Elas geram estímulos psicológicos para a sensibilidade humana, influindo o indivíduo, a gostar ou não de algo, a negar ou afirmar, a se abster ou agir. Dessa forma a correta utilização da cor se torna indispensável no embasamento de qualquer produto. Em BARROS (2006, p. 184), a autora expõe a interpretação de Kandinsky para as principais cores (amarelo, azul, branco, preto, vermelho, laranja, violeta e verde) “associando-as ao conceito de movimento, temperatura e sons musicais, em razão do seu simbolismo e das sensações detectadas”. As cores têm a capacidade de liberar um leque de possibilidades criativas na Imaginação dos indivíduos e em relação às crianças isso se torna de extrema importância para que haja um perfeito desenvolvimento psicológico e social. Essas observações são bem percebíveis quando se trata dos produtos voltados para o universo da criança, tais como brinquedos, roupas e acessórios, são muito coloridos, chamando assim a atenção e aguçando os sentidos dos pequenos.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

37


Aquarela

Lista de requisitos Com base nas informações recolhidas sobre o contexto do produto, podemos definir uma lista de requisitos a serem atendidos conforme segue: Utilização de padrões cromáticos convenientes ao meio infantil. Utilização de formas e texturas agradáveis ao tato e que não representem risco ao usuário. Baixo custo de produção. Peso e volumes condizentes à capacidade físico-motora do usuário, obedecendo aos devidos critérios de segurança indicados nestes casos. Utilização de matérias-primas reaproveitadas de indústrias específicas. O produto e seus componentes devem ser atóxicos.

38

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Definição de problema Brinquedo infantil que auxilie no desenvolvimento intelectual, psicológico e social de crianças de 3 a 6 anos de idade, confeccionado com material de descarte. Este produto, ainda deve ser concebido de forma a facilitar a sua posterior fabricação por terceiros, tornando-se uma oportunidade de geração de renda para entidades assistenciais.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

39


Aquarela

Geração de alternativas Para a geração de alternativas, buscamos realizar um “Brainstorming” de desenhos, com os temas: brincar, aprender e reaproveitar. A partir desta primeira fase de geração de alternativas obtivemos 14 alternativas, como segue:

01 - Mesa para desenho em grupo. As crianças desenham elementos de um determinado tema, e giram a mesa para preencher outros espaços com mais desenhos, tendo como intuito a formação de um desenho coletivo.

02 - Jokenpo. É uma releitura do jogo popular ‘Jokenpo’. Consite em um tapume de madeira onde as crianças colocam a peça desejada (pedra, papel e tesoura), simultaneamente com os demais amigos estipulando assim um vencedor

40

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

03 - Jogo da memória giratório. Consiste em girar os aneis em sentidos diferentes, embaralhando totalmente as figuras, dificultando a memorização das peças.

04 - Eletrônicos de madeira. Representação lúdica de objetos eletrônicos feitos em madeira, despertando a imaginação das crianças.

05 - Balancê. Balanço de madeira formado por peças de encaixes que aguça o equilíbrio e a coordenação motora das crianças.

06 - Bibloquê. Releitura de brinquedo existente no mercado. Com nova estética e agregando conceitos de materiais reaproveitados.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

41


Aquarela

07 - Blocos Blobjetic. Peça de encaixe com formas orgânicas que possibilitam várias conformações estruturais sem depender de padrões de encaixes.

08 - Blocos perfurados. Consiste por encaixes de todos os lados das peças através de cilindros, possibilitando a formação de estruturas em ângulos diferentes.

09 - Painel de interação. Painel que possiblita a interação da criança com peças que encaixam ao decorrer de determinada história.

10 - Blocos com pino. Permite a formação de estruturas somente em dois eixos imaginários. Simula estruturas de engenharia civis.

42

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

11 - Personalização lúdica. Possibilita formar uma série de objetos através de encaixes (personagens, carros, casa, etc).

12 - Plataforma de encaixe. Estruturas de encaixe, capazes de suportar o peso da criança, possibilitando a locomoção da mesma, simulando um veículo.

13 - Personalização de blocos. Através de peças planificadas e simétricas, é possível formar blocos personalizados e montar diferentes tipos de estruturas

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

43


Aquarela

Em seguida, as opções foram submetidas a uma matriz decisória na qual foram atribuídos pontos para cada alternativa, considerando a originalidade das idéias e formato do desenho como segue: ALTERNATIVA

ORIGINALIDADE

FORMA

TOTAL

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13

2 2 2 1 2 1 1 1 3 1 1 1 2

3 3 1 1 2 1 3 3 3 3 3 3 3

5 5 3 2 4 2 4 4 6 4 4 4 5

A partir desta matriz decisória foram selecionadas as alternativas 01, 02, 09 e 13. Em seguida, as opções passaram por outra matriz decisória, considerando a disponibilidade de material, a interface e a produtividade. ALTERNATIVA

DISP. MATERIAL

INTERFACE

PRODUÇÃO

TOTAL

01 02 09 13

2 2 3 3

2 3 3 2

2 3 3 2

6 8 9 7

Melhoramento da Alternativa Escolhida A partir desta última matriz decisória, foi escolhida a alternativa 09 para ser finalizada e posteriormente realizada.

44

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

09 - Painel de interação Painel de interação entre a criança, a história e o leitor, onde é possível a complementação do cenário através de peças de encaixes que são fixadas pela criança de acordo com sua visão e intuição.

Desenho esquemático representando as peças do painel separadamente.

Desenho esquemático representando o painel fechado.

Desenho esquemático representando o painel aberto para iniciar as atividades.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

45


Aquarela

Detalhamento do produto Detalhamento da Alternativa escolhida A alternativa consiste num tabuleiro retrátil acompanhado de um livreto de apoio e de peças com formatos de personagens ou objetos de uma determinada história, com a finalidade de suporte à ação de contar histórias. Quando aberto, o tabuleiro terá a ilustração de um cenário correspondente à história a ser contada, com lacunas para posterior encaixe das peças que acompanham o produto, estas por sua vez, têm a função de proporcionar maior interação entre a criança, o contexto e o narrador da história, assim a criança deixa de ser apenas um ouvinte, podendo participar ativamente da história contada, podendo inclusive inventar suas próprias histórias com base no cenário ilustrado. História a ser contada A função principal do produto possibilita a representação das mais diversas histórias, guardadas as devidas proporções quanto à complexidade e quantidade de personagens e elementos a serem representados, para exemplificar esta função foi escolhido o texto da canção “Aquarela” da autoria de Toquinho, Vinícius de Moraes, G. Morra e M. Fabrizio. A escolha deste texto se deve ao fato da importância da música enquanto instrumento de edudaçao e pela estrutura textual da letra, com começo, meio e fim, semelhante à estrutura textual da maioria as histórias infantis.

46

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Estética A estética é na maioria das vezes um fator determinante no ato da compra e complementa as funções práticas de um produto industrial, as que apenas serão percebidas a médio e longo prazo ou durante a utilização do produto (LÖBACH, 2001, p. 63), neste projeto através do redesenho da alternativa escolhida focamos alguns conceitos da Gestalt buscando uma melhor aceitação do produto, como segue: - Pregnância da forma: o tabuleiro, tanto fechado como aberto representa uma forma simples e de fácil leitura. - Segregação: os elementos (peças de encaixe) são superdimensionados a fim de facilitar sua leitura, identificação e relação com o cenário representado. - Fechamento: todos os elementos representados na ilustração tendem a pertencer ao universo da criança, assim como as cores e formas utilizadas para representá-los. Materiais A escolha dos materiais utilizados na produção levou em consideração, principalmente a facilidade de obtenção e manejo a fim de reduzir o custo final e tornaro tanto o projeto quanto o produto mais acessíveis. Em seguida, verificamos dentre os materiais pesquisados anteriormente, aquele que poderia ser melhor aproveitado no projeto, e que representasse o menor risco ao usuário. A partir destas considerações o material base escolhido foi Madeira de Pinus, neste caso, obtida através do reaproveitamento de paletes. Deve-se observar que só poderão ser utilizadas peças que não tiveram contato ou proximidade com materiais tóxicos ou em decomposição entre outros que possam oferecer risco de contaminação da madeira. Para as articulações do produto foi escolhido o Couro Bovino e para as fixações Cola PVA atóxica.

O termo gestalt, no sentido mais amplo, significa uma integração de partes em oposição à soma do “todo”. (GOMES FILHO, 2000, p.18).

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

47


Aquarela

Pallets Basicamente, um Pallet ou Pálete consiste de uma plataforma construída de madeira, plástico, metal, fibra ou outro material, disposta horizontalmente, no qual uma carga pode ser empilhada e estabilizada. Na maioria dos casos é projetado para ser movimentado mecanicamente, através de guindastes, empilhadeiras. Em 1990 foi introduzido no mercado pela Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) e entidades que fazem parte do Comitê Permanente de Paletização (CPP), juntamente com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), um pallet padrão denominado PBR, um modelo ideal para a movimentação e armazenamento de mercadorias no Brasil, e que atende ao maior número de segmentos industriais. Dentre os diversos materiais que são produzidos, os de maior presença nas industrias é o pallet de madeira utilizando como matéria prima a Peróba-rosa, o Eucalipto e o Pinus. O padrão PBR tem como medidas Básicas de área para empilhamento de carga 1,00 x 1,20 metros, podendo variar a forma que é estruturado, como mostra a imagem abaixo:

A- 2 entradas, dupla face reversível, aba lateral para içamento por cabos, uso com empilhadeira. B- 2 entradas, dupla face reversível, quatro longarinas e uso com empilhadeira. C- 4 entradas, longarina com corte, uso com empilhadeira e carro hidráulico.

48

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

D- 2 entradas, aba lateral para içamento por cabos, uso com empilhadeira e carro hidráulico. E- 2 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico, com calço. F- 4 entradas, dupla face reversível, uso com empilhadeira. G- 4 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico. H- 2 entradas,uso com empilhadeira e carro hidráulico. I- 2 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico, sem peças na face inferior. J- 2 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico, com calço. K- 2 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico. L- 4 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico, face superior sem vão entre as peças. M- 4 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico. N- 4 entradas, uso com empilhadeira e carro hidráulico, face superior com vão grande. O- Mostra o exemplo de Palete com madeiras abauladas (sem quina). Próprio para sacarias, pois evita o rasgamento. Apesar da grande variedade estrutural dos pallets, os que são encontrados na região Noroeste do estado de São Paulo, principalmente na cidade de Birigui, são as opções C, G, L, M e N da imagem anterior, são confeccionados de madeira da qualidade Pinus e apresentam quatro entradas possibilitando o fácil manuseio com carros hidráulicos; são encontrados principalmente na industria gráfica, onde o volume de pallets é grande e o descarte desse tipo de produto é constante, servindo de combustível para caldeiras das próprias industrias. Atualmente existem algumas empresas de reformas de pallets fora de uso, onde é feito uma reestruturação desse produto e disponibilizado novamente no mercado, mesmo com essas empresas coletando e reciclando esses pallets, o descarte ainda é muito grande como vemos na imagem abaixo, abrindo uma boa possibilidade de reaproveitamento dessa madeira para a obtenção de novos produtos, através do design, empregando a logística reversa a esses pallets.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

49


Aquarela

Peças de composição dos pallets

Dimensões Tábuas ? Face superior:

- comprimento = 1200 mm - largura = 100 mm - espessura = 24 mm ? Ligação:

- comprimento = 1200 mm - largura = 100 mm - espessura = 24 mm ? Face inferior: - comprimento = 1200 mm - largura = 100 mm - espessura = 24 mm ? BLOCOS comprimento = 150 mm largura = 100 mm espessura = 100 mm

50

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Resultado Tendo como base as considerações levantadas durante a pesquisa, e os requisitos aqui apresentados a seguinte solução foi gerada:

Painel fechado

Peças separadas

Painel montado

O produto consiste em três pranchas articuladas que, quando abertas formam uma espécie de concha que contém a ilustração de um cenário específico para uma determinada história, conta também com peças que serão encaixadas no cenário conforme o desenrolar da história. O produto tem um formato simples, linhas fluídas combinadas a retas e cantos arredondados. Desenho técnico e vista explodida Segue em anexo A

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

51


Aquarela

Processo de produção

1ª Etapa O processo de produção baseiase na obtenção dos paletes, desmonte dos mesmos e posterior triagem das pranchas em condições de ser aproveitadas para a fabricação do produto.

2ª Etapa Em seguida são definidas as espessuras das ripas passando pela desengrossadeira. Com a homogenização das superfícies, é feito a gabaritagem das peças e posterior corte na serra de banca tico-tico.

52

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

3ª Etapa Para dar melhor acabamento na peça,foi utilizado a lixadeira vibratória e e de banca.

4ª Etapa Após as peças estarem com suas medidas básicas definidas, é necessário utilizar a desempenadeira para chanfrar as extremidades das peças propiciando ao painel a abertura desejada. Na mesma é feita os rebaixos para fixação do couro que tem a função de articular as peças.

5ª Etapa As peças temáticas foram cortadas a laser devido a complexidade das curvas, podendo dispensar o recurso em caso de peças com desenhos simples. As mesmas são furadas e colocadas cavilhas para o encaixe no painel.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

53


Aquarela

6ª Etapa A massa acrílica para madeira é aplicada com a finalidade corrigir imperfeições e furos de pregos. As peças são lixadas manualmente deixando-as preparadas para fixação do couro e pintura.

7ª Etapa Após feito a fixação dos pés e do couro, o painel é furado nos pontos de encaixe das peças temáticas e na seqüência para finalizar é adesivado ou pintado manualmente.

Utilização A utilização do produto consiste em: ? Posicionar o produto numa superfície firme e plana e abrir as abas; ? Um adulto, com o apoio de um livreto com a história escrita vai narrando a história

para a criança; ? Com as peças ao alcance das mãos, a criança vai encaixando-as no cenário

conforme o decorrer da história, dividindo a função de narrador com o adulto.

54

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Ficha técnica do produto FICHA DE CLASSIFICAÇÃO Classificação Etária Classificação pelo grau de densenvolvimento Classificação ESAR

03 a 06 anos 4 - Relação social / Desenvolvimento da sociabilidade S 203 - Jogo simbólico de representação

Aspecto Material Material: Madeira Forma: Peças de formatos variados sobre um tabuleiro articulado Cor: Primarias vivas e limitadas Aspecto tátil: Calor da madeira Aspecto Odorífico: Cheiro característico de madeira Ruído e produção de sons: vazio

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

55


Aquarela

Conclusão Tendo em vista as informações geradas durante a pesquisa, bem como os conceitos e necessidades aos quais o projeto se propôs contemplar, observamos que as soluções obtidas se fizeram satisfatórias até o momento da conclusão do projeto, acreditamos que todos os usuários aos quais o produto se destina sejam beneficiados através da geração de mais uma alternativa para o incentivo à leitura e ao desenvolvimento infantil, além do aproveitamento de um material muitas vezes desprezado, agregando assim valores de responsabilidade social e sustentabilidade ao produto.

56

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Aquarela

Referências Bibliográficas ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2a ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981. Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos. Faturamento do mercado de b r i n q u e d o s n o B r a s i l . D i s p o n í v e l e m : <http://www.abrinq.com.br/userfiles/file/Faturamento.pdf>. Acesso em 15/10/2009. Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos. Faturamento do mercado de brinquedos no Brasil (Percentual por segmento). Disponível em: <http://www.abrinq.com.br/userfiles/file/Vendas%20por%20segmento.pdf>. Acesso em 15/10/2009. BARROS, L. R. M. A cor no processo criativo: um estudo sobre a Bauhaus e a teoria de Ghoethe. 2ª Ed. – São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007. 336p. BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus Editorial, 1984. BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 6ª Ed. São Paulo: Cortez, 2006. 109p. CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO. Especificação para palete padrão de distribuição nacional - PBR-I. Disponível em: <http://www.abrapal.org/downloads/Especif-PBR-I.pdf>. Acesso em: 03/10/2009. GOMES Filho, João. Gestalt do Objeto: Sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras, 2000. MEFANO, Lígia. O Design de Brinquedos no Brasil: Uma arqueologia do projeto e suas origens. Rio de Janeiro, 2005. 163p. Dissertação (Mestrado em Design), Departamento de Artes & Design da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. LÖBACH, B. Desenho Industrial - base para configuração dos produtos industriais. São Paulo: Edgar Blücher, 2000. 206p.

Desenvolvimento de Projeto de Produto III

57


Aquarela

Witter,G. P.; Ramos, O. A. Influência das cores na motivação para leitura das obras de literatura infantil. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), v. 12, 2008. MUNARI, B. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins fontes, 1998. 378p. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: <HTTP://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l8069.htm>. Responsabilidade social?, O que é. Revista FAE Business. Nº 9, pag. 08-10. 09/2004. TEODORICO, M. (Coord). Classificação e análise de materiais lúdicos – O Sistema ESAR. Disponível em: <http://www.labrinjo.ufc.br/apostilas/apostila%20%2002.pdf>. Acessado em 23 de maio de 2009. WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. 5. Ed. – São Paulo : Cortez, 2001.

58

Desenvolvimento de Projeto de Produto III


Faculdade de CiĂŞncias e Tecnologia de Birigui Dezembro - 2009


Responsabilidade Social - Design com madeiras