Issuu on Google+

1


MJV e o processo de design para inovação 2

3


a MJV A MJV iniciou suas atividades como uma empresa de serviços profissionais em informática, atuando há mais de 15 anos nos segmentos de Telecom, Financeiro, Varejo, Seguradoras e Governo, entre outros. Hoje, a MJV oferece soluções inovadoras em negócios e tecnologia utilizando o design estratégico como diferencial, tendo como meta humanizar a tecnologia e valorizar a experiência do usuário. Nosso desafio diário consiste em buscar a combinação ideal, o equilíbrio perfeito de forças para atender à necessidade específica de cada cliente, e assim ajudá-lo a ampliar os horizontes de seu negócio, seja ele qual for. Identificar possíveis conexões entre as áreas de Tecnologia, Inovação e Integração Mobile é o objetivo da MJV. Nosso campo de atuação é delimitado pela capacidade de enxergar além destas interseções, bem como compreender de que maneira elas podem nos conduzir à soluções realmente diferenciadas.

2

3


como pensamos

incerteza

foco

Inovar tornou-se uma questão de sobrevivência, mas isto não é uma tarefa fácil, requer pessoas e ambiente físico adequados para tal. Desde 2007, a MJV desenvolve projetos de Inovação, gerenciados por uma equipe multidisciplinar composta por antropólogos, desenvolvedores, designers, engenheiros de software, estrategistas, publicitários e outros especialistas que trabalham colaborativamente. A metodologia aplicada nos projetos de Inovação foi desenvolvida pela MJV, que adaptou para a realidade brasileira ferramentas e processos empregados com sucesso por renomadas empresas e consultorias de inovação no mundo todo.

4

O método de Inovação da MJV está em consonância com o desafio de reinventar modelos de negócio e construir mercados inteiramente novos, que vão ao encontro de necessidades humanas não atendidas. Mais do que isso, objetiva selecionar e executar as ideias certas, e trazê-las para o mercado em tempo recorde. No atual cenário de competição global, as empresas têm percebido cada vez mais que oferecer superioridade tecnológica ou excelência em desempenho como vantagem de mercado já não é suficiente, visto que seus competidores são, também, organizações de alto desempenho, com tecnologia compatível.

design pesquisa

‘Design Thinking’, articula necessidades, anseios e oportunidades ao aproximar empresas às experiências de seus usuários

Assim, inovar tornou-se uma questão de sobrevivência, mas isto não é uma tarefa fácil; estatísticas apontam que apenas 4% dos novos produtos lançados nos Estados Unidos são bem sucedidos no mercado. Por conta disso, torna-se essencial que o processo de inovação ocorra de forma estruturada, assegurando resultados de forma contínua. O pensamento estratégico de design, ou ‘Design Thinking’, é uma ferramenta poderosa na busca de sistematização nos processos de inovação. Aproximando as empresas da experiência dos usuários dos produtos/serviços, ele articula necessidades, anseios e oportunidades, agindo como uma alavanca de comunicação entre as empresas e os mercados onde elas atuam. 5


como fazemos O foco desse processo se desloca da tecnologia para a experiência do ser humano, considerando seus aspectos físico, emocional, cognitivo e cultural. O grande diferencial dessa metodologia deve-se ao fato dela promover uma real aproximação entre o mundo das empresas e o universo dos usuários. Ao confrontar necessidades e oportunidades, levando em consideração todos os envolvidos no processo, o ‘Design Thinking’ aponta para soluções inovadoras, sejam elas radicais ou incrementais. Ao buscar insumos no ‘mundo real’, auxilia as empresas a identificar oportunidades de negócio pregnantes e imediatamente aplicáveis.

6

Potencializamos a promoção de mudanças de atitude e processos, trazendo os consumidores para o centro do debate.

Na MJV, para construir um cenário futuro confiável, desenvolvemos uma investigação abrangente da condição atual, mapeando os pontos de contato entre nossos clientes e seus consumidores. Percebemos a aproximação com o usuário como algo essencial. Através dela, não somente apoiamos o desenvolvimento de novos produtos e serviços, mas também potencializamos a promoção de mudanças de atitude e processos, dentro da empresa, trazendo os consumidores para o centro do debate. Ao expormos nossos clientes à experiência dos seus consumidores em contato com os produtos e serviços oferecidos, articulamos necessidades, anseios e oportunidades,

que catalisam mudanças no relacionamento entre empresa e seus consumidores. Dentro de um projeto de Inovação da MJV existem três momentos importantes, que são descritos a seguir.

usuário 7


Descubra observe, questione, identifique oportunidades, analise e trace metas.

c0-cri aç ã

o

usuário

o

fi a

avaliação

ra

p r o t o ti p a ç ã

cliente

o etn descubra

desenvolva

g

implemente

gestão da inovação

8

!

!

O cliente, por conta própria ou já assistido pelos serviços da MJV, observa e identifica algum problema ou oportunidade a ser resolvida. A partir daí, elabora-se a proposta de projeto, com definição dos objetivos e delimitação do escopo. Nesse momento o foco está em conhecer o cliente para refinar a demanda, sendo que esta fase de posicionamento e de planejamento ocorre no primeiro mês do projeto. A equipe MJV entrevista então profissionais envolvidos com o projeto, buscando obter informações relevantes sobre a expectativa e os pontos de vista do cliente sobre como abordar o problema a ser resolvido. A imersão no contexto do cliente contribui para mapearmos o serviço ou o produto que deve ser redesenhado. A constante interação com a equipe, bem como a vivência da realidade interna do cliente, são fundamentais para entendermos e formularmos o desafio de design do projeto. 9


Desenvolva mergulhe no contexto de seu usuário, pesquise, inspirese, tenha ideias, crie possibilidades, faça protótipos, teste.

A pesquisa etnográfica – ou de campo – consiste no estudo de hábitos e comportamentos de pessoas É nesta etapa em se faz uma imersão através de observação participante, técnica de pesquisa qualitativa oriunda da antropologia social. no contexto do usuário através de É uma pesquisa qualitativa, e por isso não serve diversas técnicas e ferramentas. para quantificar, nem estabelecer comparativos Em colaboração com o cliente e os usuários, ideias são geradas e soluções numéricos, mas para conhecer pessoas, suas demandas e necessidades latentes. Buscamos desenvolvidas. qualidade e não quantidade. Para tanto, é desenvolvido um plano Em campo, identificamos os agentes envolvidos de pesquisa que inclui protocolos nessas interações e nos aproximamos de seus de pesquisa primária e secundária, perfis de usuário para recrutamento e anseios, necessidades e valores. O intuito é mapa de campo. Através da pesquisa, pesquisar perfis que sejam significativos e representem extremos. Entendemos que ao compomos um quadro sobre o mapearmos os extremos, conseguimos entender mercado e a realidade de uso dos o espectro dos usuários de determinado produto clientes. ou serviço. Buscamos qualidade na informação, as informações das entrelinhas. 10

11


Buscamos qualidade na informação, as informações das entrelinhas. O comportamento humano não é quantificável, e a pesquisa qualitativa se encaixa melhor para os propósitos criativos. Conhecer não só o que as pessoas falam, mas, também, entender o que e como elas fazem é o objetivo final deste tipo de pesquisa. A pesquisa de mercado tem como objetivoentender o comportamento do consumidor dentro do contexto do projeto. Nesta etapa realizam-se o levantamento de dados referentes à ofertas atuais do mercado, de tendências em novas soluções (comparando-as com outros players), de modelos de negócios inovadores e de dados estatísticos sobre o mercado em questão. Através da pesquisa de mercado podemos entender as preferências do consumidor, a fim de envisionar padrões e tendências do mercado para onde o projeto se direciona. Após a imersão no universo de uso dos produtos/ serviços, e a investigação sobre as tendências do mercado onde a empresa atua, analisamos e sintetizamos os dados levantados, cruzando as informações com o objetivo de identificar critérios norteadores para o desenvolvimento de ideias. 12

achados

cartões insights

achados

cartões insights

pesquisa mercado

pesquisa etnográfica

Nessa etapa, as ideias e conceitos (identificados nas pesquisas etnográfica e secundária) são compilados e traduzidos na forma de insights de pesquisa e personas, ou em arquétipos que comunicam padrões de comportamento de usuários reais. Ideias e soluções inovadoras são cocriadas pela associação entre as equipes do cliente e da MJV, a partir da imersão inicial. Essa etapa de ideação colaborativa inicia- se com um workshop, para que o conhecimento adquirido pela MJV seja transmitido para os demaisintegrantes do projeto. Organizado na forma de uma série de atividades em grupo, combinadas com apresentações dos resultados das pesquisas, o workshop tem por objetivo estimular a criatividade e a colaboração, fomentando o desenvolvimento de soluções inovadoras. Como parte destas atividades, é realizado um brainstorming para geração colaborativa de novas ideias ou conceitos, através de dinâmicas de grupo estruturadas.

pesquisa mercado

pesquisa etnográfica

inspiração para ideação personas, insights, critérios norteadores

N

13


workshop

Como uma sessão criativa de trabalho, todos são convidados a interagir na geração de ideias.

soluções diversas

Como uma sessão criativa de trabalho, todos são convidados a interagir na geração de ideias. Após o workshop, as ideias são analisadas e sintetizadas para composição de soluções. O resultado dos workshops de cocriação é um panorama de apontamentos de problemas e oportunidades dentro do contexto do negócio do cliente. Na sequência, o trabalho da equipe MJV é de organizar esses apontamentos. Ao analisar o conteúdo bruto do workshop, são definidos os critérios de agrupamentos. As ideias, ainda brutas, são então posicionadas em relação a estes critérios, e desenvolvidas individualmente, de forma a que fiquem claros o problema/oportunidade, e as soluções propostas. 14

critérios norteadores

matriz posicionamento das soluções

É, então, feita uma análise estratégica de todas as ideias geradas, validando as mesmas em relação aos critérios norteadores e às necessidades dos usúarios. A partir da composição das soluções finais, desenvolvemos o plano de prototipação (teste de adesão e análise de viabilidade tecnológica).

definição das soluções

s1 s2 s3 s4 s5 s6

Prototipar consiste em simular experiências, interações e ambientes de uso, encorajando os usuários a cocriar e colaborar no desenvolvimento dos novos produtos e serviços, bem como na sua iteração e melhoria. Na fase de prototipação, as ideias ou conceitos são desenvolvidos para a criação de cenários de uso, que visam simular as experiências que os usuários teriam em relação a esses produtos e serviços.

análise de viabilidade tecnológica

15


s1

s2

s3

s4

s5

s6

desenvolvimento soluções

matriz de adesão

s1

s2 s3

s4 s5 s6

s1

s2 s3

s4 s5 s6 desenvolvimento protótipos 16

teste de adesão

solução final

Este processo de materialização e teste do produto concebido acontece de forma cíclica após a geração de diversas ideias, e tem o intuito de refinar as propostas. O produto ideado é testado com usuários finais, com o objetivo principal de validar conceitos, gerar novos requisitos e materializar uma solução o mais próxima possível das necessidades do usuário. Cada ciclo de testes é composto pelas fases de: ideação, prototipação, teste e recomendações, que são requisitos para o início do novo ciclo. As validações são feitas de forma qualitativa. Estimulando os usuários a interagir com as soluções, compondo partes e rearranjando as configurações propostas, buscamos observar que reações as ideias provocam nas pessoas, e a partir disso, melhorar nossas propostas para chegar em soluções ótimas para cliente e usuários.

17


Implemete transforme ideias em produtos, serviços, ações e resultados. O momento da implementação ocorre quando, com a solução de produto ou serviço em mãos, é traçado um plano estratégico de ações para que a inovação desenvolvida entre em vigor e atinja todo seu potencial. Este momento nem sempre ocorre de forma linear, podendo começar antes da conclusão do desenvolvimento da solução. Essas ações geralmente englobam a análise de viabilidade técnica da solução, análise de viabilidade financeira, estruturação do serviço e/ou construção do produto e definição de uma estratégia de negócios.

Gestão da inovação A gestão da inovação atravessa os momentos anteriores e perdura após a conclusão de um projeto. Esta gestão engloba diversas iniciativas para estruturar e estimular a inovação de forma contínua. Nesse processo, são realizados programas de capacitação continuada e implantação de ferramentas e processos de apoio à inovação. Investir em inovação não é suficiente sem um ecossistema que apóie a colaboração multidisciplinar, a criatividade e a sustentabilidade, e sem uma estratégia que possibilite superar os entraves culturais de empresas tradicionais.   Para dar suporte a esse processo, foram criadas ferramentas para colaboração como: listas de discussão; blog de inovação aberto ao público, escrito com a contribuição de todos da empresa; blogs específicos para cada projeto, atualizados em tempo real para que os envolvidos possam acompanhar o progresso do projeto; e ferramentas de compartilhamento de arquivos e vídeo conferência.

18

Além disso, as salas de projeto foram equipadas com móveis retráteis sob rodas, que possibilitam a rápida reconfiguração do espaço de acordo com a necessidade momentânea de cada projeto. Assim, espaços individuais rapidamente tornamse mesas de reuniões, ou são transformados em áreas livres para trabalho colaborativo – por exemplo, utilizando as paredes de fórmica como superfície para exposição de conceitos ou para o agrupamento de achados de campo escritos em adesivos de PostIt!, a partir do rápido empilhamento e armazenamento dos móveis.

19


laboratório de inovação Um lugar onde ideias para novos projetos podem ser criadas, trocadas e desenvolvidas, um espaco onde a diversidade de perpectivas interage na criação e tradução de ideias de produtos. O conceito de laboratório remete tradicionalmente ao lugar onde ideias para novos projetos devem ser sugeridas, trocadas e desenvolvidas, um espaço onde a diversidade de perspectivas interage na criação e na tradução de ideias em produtos. É neste ambiente que os aspectos de experimentação com materiais, colaboração, envolvimento, reflexão e performance são mediados e guiados pela equipe MJV. Em um laboratório de inovação, os projetos são conduzidos como uma série de experimentos em escala real, sendo transformados – através do trabalho coletivo de grupos de executivos 20

pertencentes a diferentes departamentos – em uma tradição coerente de inovação. Esta experiência tem se mostrado capaz de promover a transformação social das empresas onde é realizada, ao absorver capital e concentrar recursos, competências e mão de obra em um objetivo comum. A prática organizacional do dia a dia de uma empresa dificulta a comunicação, o laboratório, ao contrário, possibilita o desencadear de um processo em que o conhecimento trânsita e é

compartilhado entre diversos participantes. Desta maneira, a criação de um laboratório de inovação, que recebe funcionários com formações distintas para trabalhar colaborativamente, viabiliza a transmissão de conhecimento entre departamentos e através de gerações. No contexto vislumbrado para um laboratório de inovação, a MJV trabalha como facilitadora do processo, sendo responsável por implantar e projetar a continuidade da cultura da inovação e dar apoio às diferentes etapas da realização de cada projeto. Também fica a cargo de nossa equipe a escolha dos atores que devem estar envolvidos em cada momento, de acordo com as necessidades específicas do projeto em questão, bem como o compromisso de trazer, de maneira ativa, a opinião dos participantes para dentro do processo, da forma que melhor convier. 21


amplie seus horizontes busque soluções inovadoras para agregar valor sustentável ao seu negócio. www.mjv.com.br 22

23


MJV e o processo de design para inovação