Page 1

OUTUBRO 2012

Valorizamos o teu futuro!

o l e Pmun do

Nº 8- Mensal - Distribuição gratuita - Não pode ser vendida

a r fo

Notícias em curso

Existe um ‘alfaiate’ de bicicletas... E é português

Look at me

A Pipoca mais doce fala-nos de estilo

Limite de velocidade Como comprar carro usado para ‘totós’

PDF disponível em www.maissuperior.com

São eles alunos de Ensino Superior ao abrigo dos mais variados programas de mobilidade. Objetivo? Explorar os programas curriculares, melhorar o CV e, claro, conhecer outros países.


ÍNDICE | BINGO Quando estudar faz girar o mundo

BINGO

12 | EM FORMA

4 | NOTÍCIAS EM CURSO

14 | LER PARA CRER

6 | PÁGINA A PÁGINA

20 | LOOK AT ME

8 | PLAYLIST

21 | LIMITE DE VELOCIDADE

9 | TAKE 1

22 | MANUAL DE INSTRUÇÕES

10 | MAIS GAMES

PASSATEMPO Participa e ganha!

ÍNDICE

Foram curiosos e voltaram apaixonados, deixando de lado os receios e arriscando estudar fora da zona de conforto. Os programas de mobilidade têm vários nomes e várias formas, mas um objetivo comum – pôr o mundo nos olhos de quem estuda. A Mais Superior quis saber o que muda na vida dos estudantes que, todos os anos, decidem alargar as fronteiras do conhecimento.

3 | ÍNDICE . BINGO

temos ma is passatem pos para ti! entra em

www.ma

issuper

ior.c e habilita -te a ganharom !

Um Curso de DJ à tua espera! A A Dancefloor DJ Academy Lisboa juntou-se à Mais Superior para apresentar uma bela surpresa a todos os que querem fazer uma carreira como DJ’s ou produtores de música eletrónica: estamos a oferecer um Curso Master de DJ (Níveis I, II e III, ou seja inicial, intermédio e avançado), onde poderás, além duma ampla e completa formação, conseguir dicas e conselhos muito úteis sobre como escolher repertório, como prevenir apreensões de equipamento por utilização de músicas pirata e de que forma devem ser usadas as redes sociais, por exemplo...

Ficha Técnica Proprietário/Editor: Young Direct Media, Lda

O que é que precisas de fazer? Ir à nossa aplicação do Facebook fazer LIKE e começar a ter ideias para uma participação irresistível. Só garantimos uma coisa: não precisas de saber dançar.

ar ambém visit t e d s a ç e u oor Não te esq a Dancefl d k o o b e e fac a página d y Lisboa. DJ Ac adem Duração: 2 meses (variável consoante o regime de aulas pretendido) PVP: 799 euros Esta informação foi facultada pelo departamento comercial.

NIPC nº 510080723 Empresa jornalistica inscrita com o nº: 223852 Administração Graça Santos, gracasantos@youngdirectmedia.pt DIRETORA GERAL DA EMPRESA Graça Santos, gracasantos@youngdirectmedia.pt DIRETOR ADJUNTO DA EMPRESA Paulo Fortunato, paulofortunato@youngdirectmedia.pt Sede de redação: Rua Ester Bettencourt Duarte, Lote 76, 2625 - 095 Póvoa de Santa Iria Tlf: 21 155 47 91 Fax: 21 155 47 92 Email geral: geral@youngdirectmedia.pt

www.maissuperior.com DIRETORA EDITORIAL Bruna Pereira, brunapereira@youngdirectmedia.pt DIRETOR COMERCIAL E PUBLICIDADE Duarte Fortunato, duartefortunato@youngdirectmedia.pt REDAÇÃO Bruna Pereira, brunapereira@youngdirectmedia.pt João Diogo Correia, joaocorreia@youngdirectmedia.pt Colaboradores editoriais Susana Albuquerque, Guilherme Ferreira da Costa, Revista BGamer e Revista Empire DESIGN Mónica Santos, monicasantos@youngdirectmedia.pt New media André Rebelo, andrerebelo@youngdirectmedia.pt COMUNICAÇÃO e DISTRIBUIÇÃO Samuel Alves, samuelalves@youngdirectmedia.pt Tiragem: 40.000 exemplares Peridiocidade: Mensal Registo na ERC nº 126168 Depósito legal: 339820/12 Tipografia e Morada: Lidergraf - Rua do Galhano, n.º 15 4480-089 Vila do Conde, Portugal

Condições gerais dos passatempos da Mais Superior 1. O passatempo começa a 15 de Outubro de 2012 e termina às 17:00 horas do dia 19 de Novembro de 2012, fora das quais todas as participações recebidas serão recusadas. | 2. Das respostas recebidas, apenas serão consideradas válidas as que preencherem devidamente os campos solicitados no formulário de resposta. | 3. Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente. | 4. Do conjunto de respostas válidas recebidas, os premiados serão selecionados de acordo com o método de seleção e o número de prémios comunicados no respetivo passatempo. | 5. No caso do número de participações ser inferior ao número de prémios disponíveis, serão contemplados todos os participantes que responderem acertadamente. | 6. A lista dos premiados será publicada online, na área de Passatempos, sendo os vencedores ainda notificados via e-mail ou telefone, pelo que os participantes deverão facultar sempre os seus contactos corretos e atuais. | 7. Todas as demais dúvidas e questões podem ser endereçadas para o e-mail passatempos@maissuperior.com. | 8. Caso os prémios não sejam levantados após 3 meses de serem anunciados os vencedores, esse vencedor perderá o direito a esse prémio.

Banco de imagens: Todas as imagens utilizadas na publicação, salvo as que estão creditadas, são retiradas do depositphotos.com Esta publicação já se encontra escrita ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Outubro 2012 . MaisSuperior | 3


NOTÍCIAS EM CURSO

Desperta O

DJ que há em ti!

Dos casamentos aos bares, passando pelos festivais, as discotecas e outros festejos entre amigos, há sempre lugar para um bom DJ, aquele profissional capaz de ressuscitar os pés de chumbo e fazer cantarolar os mais duros de ouvido. Mas para a arte de mixar, desenganem-se os néscios, pois nem todos estão talhados – a Dancefloor DJ Academy Lisboa (www.cursodj.com) sabe disso e convida-te a descobrir as formações que tem disponíveis e que te poderão ajudar a sobressair num mercado onde abundam os ‘pseudo DJ’. Ah, por falar nisso, também temos um passatempo onde poderás ganhar o Curso Master de DJ! Texto: Bruna Pereira Fotos: Samuel Alves

Contra os 'pseudo DJs', estudar, estudar!

Começou por ser apenas funcionário, mas hoje Rogério Romão é dono, diretor e formador na Dancefloor DJ Academy Lisboa, sediada no Parque das Nações, e lançada em 2003, atendendo à falta duma instituição em Portugal com formação credível e know-how técnico e humano, tanto na área do DJing e da produção profissional de música eletrónica - as duas vertentes formativas da escola. Ambos cursos estão divididos pelos Níveis I, II e III (inicial, intermédio e avançado), que podem ser tirados por separado ou em conjunto, através do chamado Curso Master, que engloba os três níveis. À partida, e tendo em conta o furor que um DJ é capaz de causar, muitos são os que acreditam ter vocação para mixar músicas. No entanto, e no caso de achares que até sabes 'umas coisas', Rogério Romão explica: “quando as pessoas nos dizem “já sei fazer isto”, “já mexo em casa”, “já tenho alguns equipamentos” ou “quero começar no Nível II”, nós pedimos para vir cá aos estúdios e, na presença dum formador, fazemos uma avaliação e dizemos se achamos boa ideia a pessoa começar no Nível II ou fazer primeiro o Nível I, onde pode aprender as dificuldades ainda apresentadas”. Isto tudo porque “porque às vezes a pessoa pensa que já tem as noções aprendidas mas não tem e há certas bases sem as quais a pessoa depois não consegue avançar”. Quanto a idades, e se a paixão pelo Djing e pela produção de música eletrónica for de coração, os limites estipulados pelo Cartão de Cidadão

4|

MaisSuperior . Outubro 2012

não existem. “Antes de adquirir a empresa, tinha ideia de que o típico aluno teria 15 ou 16 anos... Mas não é bem esse o perfil do aluno aqui na escola. A média de idades andará pelos 20 e muitos, sendo que já tivemos alunos até com 11 anos (um caso dum rapaz de 14 anos que veio inscrever-se com o pai e o irmão mais novo, de 11 anos, que também se quis inscrever ao ver o mais velho). Temos também alunos de 40 e 50 anos e já tive, pelo menos, dois casos de alunos na casa dos 60 – aquelas pessoas que sempre tiveram o sonho de ser DJ e agora que estão reformados têm tempo para se dedicar a isto”. No que toca a sexos, a percentagem andará pelos 70% de alunos homens e os 30% restantes de alunas mulheres, que “aparecem cada vez mais”, acrescenta Rogério. A Dancefloor DJ Academy Lisboa conta com os melhores equipamentos existentes no mercado atual, permitindo misturar com CD's, vinil e com as novas tecnologias de controladores digitais. Dispõe ainda de quatro salas de DJ individuais e uma sala de produção com gravação e captação de som, bem como formadores com larga experiência e reconhecidos no mercado. Qualquer pessoa interessada nos cursos deverá ir até ao site da escola, www.cursodj.com e fazer um pré-registo. A partir daí, será contactada pela escola para marcar uma visita aos estúdios, conhecer as instalações e ser esclarecida quanto ao funcionamento dos cursos.

Se, por um lado, há cada vez mais DJs no mercado e “felizmente há muitos casos de sucesso em alunos formados pela Dancefloor”, muitos são igualmente os casos dos ‘pseudo DJs’, como lhes chama Rogério Romão. “São pessoas sem formação e sem qualidade que, por isso, depois tornam difícil a quem tem essa formação ou essa qualidade arranjar o seu posto de trabalho”, refere o responsável da Dancefloor, discriminando o primeiro tipo de ‘pseudo DJs’ mais prolífico. “São rapazes novos que arranjam um programa pirata e um controlador barato e fazem uso das ajudas tecnológicas e truques que não havia antigamente: botões mágicos que fazem a sincronização da música sem ser preciso o DJ estar a acertar manualmente, por exemplo, mas isso não é Djing verdadeiro”. Quanto ao segundo tipo de falsos DJ, Rogério explica que “são eles modelos, atores e pessoas conhecidas que aparecem na TV e, sem os requisitos mínimos, são automaticamente promovidos a DJ. Sabem que têm mercado e vêm inclusivamente parar cá à escola para tirar o Nível I e aprender ‘qualquer coisinha’ para irem depois fazer as presenças. Todas essas pessoas seriam muito menos criticadas pelos verdadeiros DJ e apreciadores se tivessem, pelo menos, uma formação básica para fazerem um trabalho com os requisitos mínimos de qualidade”. Embora possa parecer uma tarefa hercúlea, fazer com que os donos dos espaços e o público saibam reconhecer a qualidade do bom profissional passa, em grande parte, por uma boa formação. No caso da Dancefloor DJ Academy Lisboa, os objetivos passam lutar contra o aparente “défice de bom gosto musical português”: “tentamos incutir nos alunos gosto e cultura musical. Queremos que saibam onde surgiu a música de dança, quem foram os DJ, quais foram os equipamentos e técnicas utilizados.... Porque se não forem os Dj a mudar o panorama ninguém vai mudar – as pessoas vão querer ouvir aquilo que ouviram todo o dia na rádio e acabamos por ficar com a mesma pescadinha de rabo na boca em que nada vai mudar”. Além de formação, a Dancefloor DJ Academy Lisboa dá ainda conselhos sobre como escolher repertório e como prevenir apreensões de equipamento por utilização de músicas pirata, de que forma dar início à promoção pessoal e como devem ser usadas as redes sociais. “Faz tudo parte do curso de DJing”, garante Rogério Romão, apelando à participação no passatempo Mais Superior/Dancefloor DJ Academy Lisboa, que oferece um Curso Master de DJ. Sabe mais na página Bingo! desta mesma revista e em www. maissuperior.com.


Uma paixão

e duas rodas

NOTÍCIAS EM CURSO Num mundo perfeito, toda a gente guardaria com amor e carinho a sua bicicleta na garagem, esperando, com saudades do amanhã, que o tempo acorde bem-disposto para pedalar pela estrada fora. É precisamente a pedalar que Dinis Ramos, o rapaz da Gafanha da Nazaré que personaliza bicicletas por medida, se vai inspirando e pensando na vida – tarefa facilitada pelo facto de ser designer freelancer, explica este artista dotado também de humor apurado: “sou designer freelancer, ou seja, trabalho para mim. Tenho um patrão porreiro (eu) e um empregado com horário flexível (eu). Isso faz com que tenha o meu próprio horário de trabalho”. Texto: Bruna Pereira Fotos: Dinis (Noca) Ramos

“Todos aqui andam de bicicleta. É claro que uns mais do que outros, mas todas as casas guardam nas suas garagens uma ou mais bicicletas. Cresci com isso sem perceber que era algo bem caraterístico desta zona”. É assim que Dinis – Noca para os amigos – se remonta às memórias mais ternas em torno das duas rodas, um sentimento que nasceu, tal como ele, na Gafanha da Nazaré, em Ílhavo. O primeiro modelo personalizado surgiu com a vontade de ter uma bicicleta mais própria e mais original. “Gostava de ter a minha bicicleta diferente das outras. E gostava de pintar ao meu gosto. Quando fui estudar para fora, o vício das bicicletas ficou adormecido mas não morto. Quando regressei às origens, rapidamente acordou e voltei a querer ter as minhas bicicletas de certa forma únicas”. Na altura, apenas mudava a cor das bicicletas. Depois de estudar Arquitetura no Porto, Dinis voltou-se para o Design, na Universidade de Aveiro (UA), e foi então que o artista que trazia dentro ganhou ainda mais vida. Passou das bicicletas de BTT e BMX para as bicicletas urbanas, as fixed gear, e foi espevitando as ideias em vários sites de Design e Fotografia. “Rapidamente senti vontade de ter uma. Foi aí que montei uma singlespeed (bicicleta de estrada com uma velocidade apenas) que personalizei ao meu gosto e a que chamei 'before the bullfight'”.

Bicicletas para todos os gostos Começou por aceitar personalizar as bicicletas dos amigos. Com a magia da Internet que torna o mundo mais pequeno, Dinis Ramos foi sendo contactado por gente de todo o mundo, curiosa com as bicicletas personalizadas que iam aparecendo na galeria do facebook deste rapaz. E embora na cabeça dele nunca tivesse passado a ideia de negócio, confessa, até porque não gosta nada da palavra ‘encomendas’ – prefere antes chamar-lhe ‘pedidos’ ou ‘abordagens’ –, Dinis tem tido muito trabalho pela frente e até já lhe pediram também para fazer 50 réplicas duma das bicicletas que fez para si... Mas recusou. “Digamos que é algo difícil de recusar, mas foi coisa que fiz quase automaticamente. Estar a replicar algo que fiz para mim, ao meu

gosto, à minha imagem, é estar a mentir-me... É algo que por muito vantajoso que fosse para mim (numa lógica puramente comercial) ia adormecer a paixão que tenho em fazer bike a bike”. O artesão admite ainda que nunca fez nenhuma bicicleta com o intuito de a vender: “Nunca encarei a coisa como negócio mas sim como paixão. Só me envolvo em projetos com os quais me identifico. Só assim me consigo apaixonar pelos mesmos. E só consigo ter uma paixão de cada vez...” Para todos verem os trabalhos que o Noca tem feito em torno das duas rodas, está já a ser preparado um site, que o designer não sabe ainda quando vai estar pronto, mas até lá fica a dica: “No meu facebook, na galeria de fotos ‘my bikes’, tenho um pouco de tudo aquilo que já fui fazendo. Se procurarem por “Noca Ramos” no facebook irão encontrar um maluco que está sempre a partilhar fotos das suas bikes, assim como desenhos que vai fazendo (outra das minhas paixões)”.

Dinis explica que o projeto da bicicleta (conceito, geometria, etc.) é ele que faz. Depois, quando se trata de fazer um quadro de raiz, recorre ao Senhor Valdemiro - um dos últimos construtores de bicicletas de Ovar - para lhe soldar tubos (aço ou alumínio) que Dinis escolhe de acordo com o esquema que lhe apresenta. “Depois vem a fase de preparação para pintura personalizada (fase bastante trabalhosa mas que faço questão de fazer). A arte final (pintura em estufa) é feita por um amigo pintor profissional que me garante uma qualidade superior (sim, sou ‘estupidamente’ perfecionista). Quando preciso de enraiar rodas recorro a um amigo mecânico de bicicletas que, assim como o meu amigo pintor, me garante qualidade no rolar das rodas. Os componentes são algo que eu vou comprando à medida que o projeto vai sendo feito. A bike começa no meu escritório (na fase de projeto) e acaba sempre na minha garagem (montagem final de todas as peças)”.

A dupla com o Senhor Valdemiro

E também T-Shitrs!

Quando se lhe pergunta quanto tempo demora a fazer uma bicicleta, a reposta é um engraçado “uuuuuuuuuuuuuuuuuui!”, pois “cada projeto é único” e “depende de muitas variáveis”. Defensor da lógica ‘cada macaco no seu galho’,

Atrás das bicicletas veio a roupa de quem anda nelas. Assim, Noca criou ainda uma linha de t-shirts a pensar na indumentária dos ciclistas. “Adoro desenhar e muitas vezes as bikes que crio começam mesmo em desenho. Tenho mandado t-shirts para o mundo inteiro”, termina.

“Um menino numa loja de brinquedos” Se o Pai Natal existir mesmo, num Polo Norte branco e longínquo, Dinis Ramos encaixaria que nem uma luva no papel de ajudante: “Quando ando envolvido num projeto duma bicicleta sinto-me com um menino numa loja de brinquedos. Quando acabo esse mesmo projeto, pedalo com um sorriso de orelha a orelha. O prazer de pedalar em algo que de certa forma criei à minha imagem é mil vezes superior ao prazer que sinto a pedalar numa bicicleta igual a tantas outras”. O brilho nos olhos parece aumentar, e é então que o jovem artesão – ou 'alfaiate de bicicletas’, como começa a ser conhecido nos media -, lança a frase: "Um homem nunca tem demasiadas bicicletas. Tem é pernas a menos." Outubro 2012 . MaisSuperior | 5


PÁGINA A PÁGINA

MANOBRAS nA REDAÇÃO

Escreveu o primeiro livro aos 14 anos e aos 16 viu-o publicado pela Papiro Editora. “Suzannah” era só um começo para Ana Margarida Cardoso, que não esperou muito mais até ver a sua segunda obra nas bancas - “O Peão Indomável” leva-nos pelos corredores da redação de um influente jornal nacional, onde dois jovens estagiários tentam a sorte no mundo do jornalismo, com a precariedade como pano de fundo. As pressões e os jogos de poder marcam o dia-a-dia atribulado de Ana Luísa e Rui. Ainda assim, para a autora, a vontade de ser jornalista não morreu. E a de manter a veia literária também não. Texto: João Diogo Correia Fotos: Ana Margarida Cardoso

Fonte: Chiado Editora

“Ao escrevermos uma história na primeira pessoa, acabamos por passar os nossos próprios traços de personalidade, porque exprimimos as nossas visões do mundo”. É este o tiro de partida dado por Ana Margarida Cardoso, autora de “O Peão Indomável”, justificando assim as caraterísticas que partilha com Ana Luísa, protagonista do enredo. Ana Luísa e Rui são dois jovens recém-licenciados em Jornalismo e as suas histórias não te são estranhas: um estágio precário, ainda que num diário de referência, que lhes permite encher o horário e esvaziar o bolso em menos de nada. Quis o destino que se cruzassem pouco antes de iniciarem um estágio no mesmo local e foi ainda mais caprichoso esse destino quando os embrulhou na delicada teia da política e dos jogos entre o poder e o jornalismo. “A história não se baseia em nenhum caso concreto”, garante Ana. “Resultou de muitas conversas que fui tendo com amigos meus que já fizeram estágio, que me contaram histórias, e eu fui

6|

MaisSuperior . Outubro 2012

criando um imaginário próprio, com situações que podiam acontecer”. E atores políticos a tentar pressionar e subjugar jornalistas são situações que podem acontecer? Ana Margarida Cardoso não tem dúvidas: “com a crise económica, os jornais têm tendência a tornar-se mais subservientes”.

Um amor que não se esquece As primeiras incursões de Ana Luísa e Rui no mundo do jornalismo foram pródigas em surpresas, para quem mantinha uma ideia muito romantizada da profissão. Afinal, descobriram eles, o sensacionalismo e os jogos de poder faziam parte até do melhor jornal do país. A perceção de Ana Margarida Cardoso não é, para já, nada que a demova de um sonho antigo: “o mercado está complicado mas mantenho a vontade de fazer jornalismo”. “Sempre foi um interesse meu”, confessa. Foi por isso que ingressou na Universidade do Minho para cursar Ciências da Comunicação (encontrando-se neste momento prestes a terminar o mestrado em Comunicação Estratégica, na Universidade Nova de Lisboa) e é daí que vem a garra que acabou por passar para a personagem de Ana Luísa: “não podemos escapar-lhe [à precariedade], não adianta, no fundo, sermos fracos”, alerta. “Temos de lutar contra ela”. Mais ainda se pensarmos que um jornalista deve “insistir, bater às portas, ir atrás das fontes”. O mesmo se passa com os aspirantes – “não basta enviar um currículo e esperar em casa”. Ainda assim, a autora não esquece as dificuldades e diz ser compreensível um certo desapontamento por parte dos jovens, dado o cenário atual, que é o mesmo que serve de pano de fundo à história de “O Peão Indomável”. “Vi um estudo no outro dia que dizia que 69% dos jovens universitários pensam emigrar e claro que isso é preocupante”, lamenta. “Nós crescemos a pensar que íamos ter um bom futuro no nosso país e é claro que isto desilude”. Mas visto que “a desilusão também não

dá dinheiro”, Ana Margarida Cardoso aponta já ao futuro e um terceiro livro é coisa que não lhe deverá escapar.

Viver para contar Com “Suzannah” começou, com “O Peão Indomável” parece manter o hábito de ser convidada para dar palestras em escolas básicas e secundárias de todo o país. Ana Margarida Cardoso não rejeita a possibilidade, já que considera fundamental “sensibilizar e incentivar os jovens para a leitura”. No seu caso nem foi preciso grande incentivo externo, já que a literatura e a escrita a marcaram desde muito cedo. Num “aborrecimento de férias”, quando fazia a pausa entre o 9º e o 10º ano, escreveu a primeira obra, na altura com 14 anos. Só passados dois anos viu “Suzannah” ser publicado e não esquece “todo o processo de escolher a capa, fazer a sinopse”, que a deixou entusiasmada. Ao segundo livro, “nota-se muita diferença na escrita, que está mais adulta”, para além da “forma de ver o mundo, que também é diferente”. Mantém o gosto pelas light novels – “eu escrevo essencialmente light novels” – e quer provar aos mais novos que a idade não é tudo quando se tem uma forma muito própria de estar na vida. “O Peão Indomável” foi apresentado no passado dia 8 de junho, com a presença de dois nomes fortes do jornalismo nacional – Pedro Santos Guerreiro, diretor do Jornal de Negócios, e José Pedro Marques, coordenador de informação da RTP Informação.


Pub

Pub


PLAYLIST

Música com a maciez

das nuvens

São um puzzle com nome de livro que começou com Salvador Menezes, Afonso Cabral e Luís Costa. Juntaram-se David Santos (Noiserv), João Gil e Tomás Sousa e agora são seis os rapazes em palco a fazer música com a maciez das nuvens. A Mais Superior aproveitou a companhia dos patos do lago do Jardim da Estrela e foi conhecer melhor os You Can’t Win, Charlie Brown (YCWCB): saber o que andam a fazer, como correu a viagem ao Texas para o Festival South by Southwest e que acontecimentos bizarros ainda os fazem corar quando relembrados. Texto: Bruna Pereira Fotos: YCWCB

Como é que de três rapazes que faziam música em casa passámos para seis artistas em palco? Salvador Menezes (SM): Éramos amigos. O Luís, o Afonso e eu éramos os três que fazíamos coisas em casa. O Tomás é nosso primo (eu, o Afonso e Tomás somos primos). O João já o conhecemos desde crianças. O Luís tinha o projeto dele e nós os três tínhamos o nosso e chegámos a tocar juntos algumas vezes. Com essa banda que tínhamos antes, na altura estávamos a pensar em usar loops, porque tínhamos muitas camadas, mas depois falamos com o David e ele juntou-se a nós – e o facto é que nunca chegámos a usar loops ou usámos muito poucos. Depois, achámos que precisávamos de mais mãos para tocar e pensámos no Tomás e no João, obviamente, e começámos a trabalhar, já os seis, no disco. Como é ser artista/músico em Portugal, tendo também em conta o vosso percurso desde o Novos Talentos da FNAC (2008), o Optimus Discos (2009) até ao vosso primeiro álbum “Chromatic” (2010)? SM: Para sobreviver nunca dá... Pelo menos só tendo um projeto é impossível sobreviver só da música. Ou se tem mais do que um projeto musical e se faz mais qualquer coisa ligada à música ou então já se é grande no meio.... Mas nós ainda estamos no princípio. Afonso Cabral (AC): Nós fazemos isto pelo amor à camisola e pelo amor à música. Não podemos pensar, neste momento, em fazer disto a nossa vida. Seria muito bom que isso acontecesse, mas é muito complicado.... Acho que só faz música quem quer mesmo e quem tem vontade para passar os tempos livres e os dias de férias que tem a tocar e a dar concertos. SM: Mas em termos de promoção, fomos sempre evoluindo e fomos ficando mais conhecidos – primeiro pelo Festival Termómetro, depois pelo Optimus Discos... A nossa banda sempre teve uma grande ajuda em termos promocionais de projetos e de pessoas que estão interessadas na música portuguesa. Nesses aspeto, sempre tivemos sorte. A nível desse vosso crescimento: qual a importância dos fãs e de todas as pessoas que admiram o vosso trabalho em momentos tão particulares como a vossa ida ao South by Southwest (SBSW)? Viram a vossa vida a andar para trás quando foram convidados para um

8|

MaisSuperior . Outubro 2012

festival super importante, mas as despesas de deslocação até ao Texas não estavam incluídas? Tomás Sousa (TS): Vimos a vida a andar para trás durante alguns meses, mas depois quando avançámos com o concerto de angariação de dinheiro para a viagem que demos no São Jorge, em Lisboa, vimos uma quantidade de gente para nós absurda, quase. Eram pessoas que estavam dispostas a ajudar-nos a ir ao concerto, a comprarem cartazes... E esse gesto surpreendeu-nos a todos – no princípio, até pensávamos que fazer um concerto no São Jorge ia ser muito arriscado, não íamos ter muita gente e não ia correr bem, mas felizmente correu da melhor maneira possível.

também vais ter!”. (Gargalhadas gerais) Passados uns momentos (apontando para o Afonso e o Tomás) alguém me disse: “Salvador, era uma rapariga!”.

Em relação ao feedback nas redes sociais, como é poder ler as reações das pessoas no momento? TS: Sabe bem, primeiro porque dá para associar uma cara a cada pessoa que está do outro lado. Isso é engraçado e dá para ter um discurso mais direto. Hoje em dia o Facebook acaba por ser a melhor forma de lidar com os fãs (não gosto desta palavra, mas pronto) – já foi o Myspace, mas agora já não.

SM:... Porque as bandas nunca levam baterias, sai mais caro, porque são muito grandes e o costume é alugar. Tinha desaparecido tudo.

Quem é, afinal, o maior fã de Charles M. Schulz? Isto para percebermos donde vem o nome da banda... SM: O Afonso tinha um projeto a solo com um nome. Eu também tinha outro projeto a solo que nunca chegou a e existir com outro nome, mas o do Afonso era o melhor. O David não gostava, porque lhe fazia lembrar o nome doutra banda muito má (risos). Como tínhamos que ter um nome para o Novos Talentos FNAC, no dia antes do limite, estávamos na casa dele [aponta para o Afonso] a ensaiar e ele tinha uma data de livros, que até são da mãe dele e nem sequer estavam arrumados, e pegámos no “You can´t win, Charlie Brown”. E pronto, ficou esse o nome. AC: Portanto, à pergunta “Quem é o maior fã do Schulz” a resposta é: a minha mãe (risos). Contem lá algumas situações caricatas ou bizzarras pelas quais já passaram... SM: Fizemos três concertos na rua e num deles, no Chiado, houve um casal com uma criança que veio falar comigo, sendo que a criança se virou para mim e disse: “Ah, que giro, tens barba!”, ao que eu respondi: “Ah, não te preocupes que tu

TS: Outra peripécia foi no SBSW: nós fomos para o Texas só com o básico, mas era preciso uma bateria para dar o concerto. Nós não levámos nenhuma, mas tínhamos combinado com a banda que ia tocar no nosso sítio que íamos tocar com a deles. Entretanto, eles telefonam-nos a dizer que não iam conseguir chegar a tempo do nosso concerto e que, se calhar, não iam chegar a tempo do deles. Nós, em desespero, andámos a correr tudo o que era sítio para aluguer de equipamento e já não havia baterias em lado nenhum...

TS: No próprio dia do concerto, a única solução foi andar a correr todas as lojas de penhores e encontrámos lá uma bateria que custava 200 dólares. No final do concerto, vendemos a bateria por metade do preço, ou seja, a bateria ficou-nos por 100 dólares. Nunca estive tão nervoso na vida e gastei quase 160 euros de roaming só a tentar telefonar para os taxis... Para os que nunca assistiram a um concerto dos WCWCB, o que podem esperar? AC: Depende muito do estado de espírito de cada um de nós nesse dia, mas acho que é uma boa experiência: são seis amigos que se divertem em palco a tocar a música deles. Quando isso corre bem e estamos todos no mesmo barco, acho que isso passa para o outro lado.

11 boas razões para ouvires “Chromatic” Os YCWCB confessam que já estão a trabalhar num segundo disco para o próximo ano. Até lá, tempo de sobra para escutares com a devida atenção “Chromatic”. 1. Over the Sun/Under the Water 2. Until December 3. Green Grass 4. A While Can Be A Long Time 5. Songworm

6. Glimpse 7. I’ve Been Lost 8. In The End We Start Again 9. Euphemisms 10. Green Grass 11. All Of Your Stories Fly


NOTÍCIAS The Master

Texto e fotos: Revista Empire

O mais recente trabalho de Paul Thomas Anderson já começou a conquistar o coração da crítica e todos estão expetantes. “The Master”, assim se chama o novo filme, conta a história de um veterano de guerra perturbado pelos horrores que testemunhou e sem certezas quanto ao seu futuro, que se encanta pelo líder de uma organização que parece crescer em influência sob o risco de se tornar um culto. Depois de uma exibição surpresa nos EUA que deixou a audiência atónita, o filme tem estado a ser vendido como um clássico da década, possivelmente o melhor filme do ano. Será o regresso tão aguardado do quase recluso Anderson? As críticas são unânimes em pelo menos um ponto: Joaquin Phoenix merece o Óscar para Melhor Ator.

O filme estreia por cá a

TAKE 1

A Empire é a revista de cinema mais vendida no mundo. Todas as novidades do cinema, entrevistas exclusivas, acesso privilegiado aos estúdios e grandes especiais são apenas alguns dos ingredientes que todos os meses vais poder encontrar nas bancas e em www.empire.com.pt.

29 de novembro.

ht: A Saga Twilig anhecer Parte 2 Am

As controvérsias surgiram depois do lançamento do filme “A Branca de Neve e o Caçador”, com Kristen Stewart envolvida num caso de traição do namorado e coprotagonista, Robert Pattinson. Depois de uma breve separação, o casal está junto novamente e agora só mesmo os Volturi os poderão separar. Esperemos que o laço entre Bela e Edward seja assim tão forte no grande ecrã, no próximo episódio A “Saga Twilight: Amanhecer Parte 2”, quando estes se preparam para

Fica atento!

Dredd A adaptação de BD agora encabeçada por Karl Urban, no papel da personagem homónima, surge do trabalho talentoso do realizador Pete Travis e do argumentista Alex Garland. Nesta nova aventura, acompanhamos o impiedoso Juiz Dredd, um polícia que é juiz, júri e carrasco, cujo dever é patrulhar e manter a paz nas ruas caóticas da gigante Mega-City One, uma cidade colossal num futuro sobrevivente de um holocausto nuclear. Enquanto investiga um homicídio no perigoso arranha-céus Peach Trees no mesmo dia em que avalia a novata Juíza Anderson, Dredd e a jovem recruta dão por si aprisionados por um clã de perigosos criminosos determinados a proteger o seu império de tráfico de droga. Tendo a crítica social como pano de fundo para um dos filmes de ação mais brutais e completos dos últimos anos, esta é uma tradução realista da personagem icónica Já nas salas e, quem sabe, uma visão provável do futuro. Não falta aventura, ação e o queixo impressionante de Karl Urban! FICHA TÉCNICA: Título Original: Dredd Realização: Pete Travis Argumento: Alex Garland Elenco: Karl Urban, Olivia Thirlby, Lena Headey

Até Que O Fim do Mundo Nos Separe Se te dissessem Já nas salas que o mundo ia acabar dentro de três semanas, o que farias? Viajarias para todos os sítios que ainda não conheces? Irias fazer as pazes com os amigos que te magoaram? Ou irias cometer todas as loucuras que ainda não viveste? Neste filme de Lorene Scafaria, Penny (Keira Knightley) e Dodge (Steve Carell) decidem ajudar-se nas duas últimas ações de cada um: ele quer reencontrar o amor de adolescência, ela só deseja ver a família pela última vez, que vive no outro lado do planeta. Nesta viagem, ambos acabam por descobrir algo que vai para além do próprio fim do mundo. Com uma banda sonora inscrita em vinil e alguns momentos bem cómicos, este é um filme que traz ao de cima o espírito livre de Keira Knightley e que faz de Steve Carell um ator que não desempenha apenas comédia com qualidade. FICHA TÉCNICA: Título Original: Seeking A Friend For The End Of The World Realização: Lorene Scafaria Argumento: Lorene Scafaria Elenco: Steve Carell, Keira Knightley, Melanie Lynskey

enfrentar os sanguinários inimigos que querem destruir a vida de sua filha, Renesmee. A pequena Renesmee consegue ler a mente de qualquer pessoa com um simples toque, e o realizador Bill Condon garante que este será o filme mais curto da série, mas não menos épico, parecendo quase um ‘grande musical’. Em Portugal, a Saga Twilight termina a 15 de novembro.

CRÍTIC AS

Taken - A Vingança

O agente especial Brian Mills (Liam Neeson) está de regresso na sequela tão aguardada do grande êxito de ação de 2008 “Busca Implacável”. Desta vez, Mills terá não só que salvar e proteger a sua filha e ex-mulher, mas também que lutar pela própria vida, quando os três se tornam vítimas de uma tentativa de rapto em Istambul, por parte da terrível organização criminosa do primeiro filme que agora procura vingança contra o nosso herói. A ação é muito mais pessoal desta vez, e Liam Neeson demonstra porque é que aos 60 anos de idade ainda é um dos mais carismáticos heróis de ação mundial. Prepara-te para uma aventura muito mais violenta, com perseguições alucinantes, confrontos explosivos e um inimigo que Mills poderá não conseguir derrotar. FICHA TÉCNICA: Título Original: Taken 2 Realização: Olivier Megaton Argumento: Luc Besson, Robert Mark Kamen Elenco: Liam Neeson, Famke Janssen, Maggie Grace Pub

Outubr0 2012 . MaisSuperior | 9


MAIS GAMES

RESIDENT EVIL 6 Um dos grandes títulos de ação do ano Texto: Rui Parreira, Revista BGamer “Resident Evil 6” é o culminar de uma direção radical da série, que havia sido assumida no capítulo anterior. Os momentos de tensão e suspense caraterísticos dos primeiros jogos foram praticamente extintos, dando origem a inúmeras mecânicas de ação, tornando-o no mais explosivo de sempre. Para este novo capítulo houve uma aposta numa narrativa épica, centrada em perspetivas distintas dos protagonistas e divididas em campanhas que se interligam.

Cada campanha corresponde a um estilo ligeiramente diferente das restantes, tentando aproximar-se a cada episódio da série. A primeira, e a mais semelhante às suas raízes, centra-se em Leon S. Kennedy, enquanto a segunda, com Redfield e Piers Nivans, se aproxima do conceito de “RE5”, mas com elementos de ação. A terceira narrativa traz Jake Muller, um mercenário, filho do eterno antagonista da série, Albert Wesker, e acompanhado por Sherry Birkin. Nesta campanha a ação é mais física, com Jake a fazer uso dos seus golpes de luta corpo a corpo. Este arco narrativo homenageia o terceiro capítulo da saga, com a dupla de personagens a ser perseguida por uma criatura quase invencível, tal como o terrível Nemesis. Por fim, e como uma espécie de bónus, terão acesso a Ada Wong, numa campanha exclusiva a solo, e mais focada na ação furtiva e em puzzles. Ainda que todas as campanhas tenham elementos próprios, todas elas estão recheadas de momentos bombásticos, confrontos com bosses, perseguições a alta velocidade, entre outros. Um dos pontos mais controversos da série era a impossibilidade de as personagens se movimentarem enquanto apontavam e disparavam as armas. “RE6” não só introduz esta mecânica básica nos jogos de ação na terceira pessoa, como oferece um sistema de cobertura, ainda que este não seja dos melhores modelos no género. É possível fazer alguns golpes e finalizações especiais, bastando estar atento ao ícone no ecrã quando próximos dos inimigos. Além disso, aplicar ataques poderosos corpo a corpo é uma forma eficaz de nos livrarmos dos zombies. Por fim, podemos disparar um tiro mortal, premindo em simultâneo o bo-

tão de apontar e de fogo. Estas ações são geridas por uma barra de cansaço, que uma vez gasta torna a personagem mais vulnerável aos inimigos, com movimentos cambaleantes. Todas as mecânicas novas seriam, talvez, injustificáveis no confronto com os típicos inimigos da série. Como já é sabido, a Capcom apresenta uma nova estirpe de vírus, que serve de mote à trama deste episódio. Este gera aberrações denominadas J’avo, um tipo de zombies capaz de se transformar e adaptar às circunstâncias. Uns apresentam uma fisionomia humana e inteligente, enquanto outros são puras aberrações, que uma vez derrotadas, transformam o seu corpo num casulo, dando origem a um monstro ainda mais aterrorizante. Por outro lado, estes zombies têm capacidades regenerativas e dos seus membros amputados podem surgir tentáculos; ou corpos que, uma vez cortados ao meio, se transformam em duas criaturas distintas. Para além das campanhas, que podem ser jogadas em modo cooperativo online ou em ecrã dividido, o jogo apresenta modos multijogador competitivos. O Agent Hunt é um curioso formato onde outros jogadores podem assumir o papel dos zombies. O Mercenaries regressa, colocando-nos em cenários inspirados na narrativa, com o objetivo de eliminar vagas sucessivas de zombies. Ainda que RE6 tenha problemas, é um jogo intenso, com um ritmo frenético e uma narrativa interessante, cheia de conspirações, como a série nos habituou. É um dos grandes títulos de ação do ano, pela diversidade de mecânicas de jogo e uma excelente longevidade.

Classificação: 86%

A BGamer é a revista de videojogos líder do mercado. Todos os meses, apresenta dezenas de análises, antevisões, artigos especiais, passatempos de sonho e muitas outras novidades e surpresas – incluindo jogos de oferta. Sabe mais em www.bgamer.pt ou numa banca perto de ti.

10 |

MaisSuperior . Outubro 2012


Pub

Pub


EM FORMA

U m v i vaà canoagem!

ta s. Mas Fernando Pimen um privilégio de pouco é is pla rta du a mo s Foi un s... com use s falar em De à maioria do rdo duma canoa. E por s muitas vezes vedadas ino com a natureza a bo Londres 2012. Ah, sim, Poder deslizar nas água div de s ase ico qu mp to Olí tac os con Jog s sse ste de ne em ta fru pra usu de a lha Silv e Emanuel futebol. louros da meda a - num país bordado a azes que arrebatou os m existe – e brilha lá for composta por estes rap bé tam e qu e ad lid da essa mo falamos de canoagem, Texto: Bruna Pereira do Pimenta a de Canoagem e Fernan Foto: Federação Portugues

Fernando Pimenta, ainda adolescente de 11 anos, decidiu, “aos poucos”, usar o Rio Lima para dar as primeiras remadelas no mundo da canoagem. “Comecei para me divertir com os meus amigos da altura, que ainda hoje conservo, e fui continuando e conseguindo os meus primeiros resultados e as minhas primeiras medalhas mas o início foi um bocado atribulado, porque não conseguia ter as medalhas que queria ter, virava muitas vezes a embarcação e chegava a acabar provas em último... Mas nunca desisti!”. Conta Fernando, recordando, com humildade, que foi o seu atual treinador (Hélio Lucas) que descobriu o talento que trazia dentro: “ele achou que eu tinha algum potencial que merecia ser aproveitado. Eu fui-me adaptando, criando um estilo e uma rotina de treino, até que comecei a ter os meus primeiros títulos... E consegui a minha primeira medalha de ouro no Festival da Juventude Europeia, em K4 500 metros. Tinha 15 anos”. Também Emanuel Silva lembra que, com 15 anos, participou no primeiro Campeonato de Juniores. “Foi nessa altura que eu e o meu treinador começámos a perceber que podia nascer daqui alguma coisa interessante... Mais a nível profissional”. E a partir daí, já nada foi capaz de afastar esta atração pela canoagem – uma modalidade em contacto privilegiado com a natureza, elogia Emanuel: “É o que mais gosto na canoagem, o facto de ser praticada ao ar livre e em contacto com a natureza. Não estamos dependentes

12 |

MaisSuperior . Outubro 2012

de ninguém, pegamos no barco e vamos para o rio, podendo beneficiar duma paisagem absolutamente fascinante, ao contrário do que acontece com outros desportos, como a natação, por exemplo, praticada num recinto mais fechado”. Obviamente isso tem o seu senão, que é o clima... Mas também Fernando se mostra agradecido pelas belas vistas que presencia enquanto treina: “passamos por sítios lindíssimos onde, por vezes, até é proibido andar com barcos a motor, ou seja: pouca gente consegue andar lá. Eu sinto-me privilegiado, pois durante os treinos vejo sítios fantásticos: rios, lagoas... E isso de trabalhar com a natureza, em função de como ela se encontra aquele dia, é bastante atrativo para mim, até porque nós não faço só canoagem, nos treinos há sempre um ou outro complemento como corrida, ciclismo, BTT...”.

Jogos Olímpicos bem suados É o sonho de qualquer atleta e o tipo de memória que vale a pena ter vivido para um dia contar aos netos: ganhar uma medalha olímpica. Para Fernando Pimenta estes foram os primeiros Jogos Olímpicos, por isso houve ainda uma pitada de nervosismo: “é claro que estava um pouco nervoso, mas estava mais nervoso no dia das eliminatórias do que no dia das finais – nessa altura, estava mais tranquilo e mais descansado, pois tinha a consciência de que íamos lutar pelas medalhas e conseguir o melhor resultado possível”. Atendendo às especificidades de competir em dupla, Fernando acrescenta que o facto de conhecer o Emanuel há já algum tempo e ter competido contra ele e com ele na mesma embarcação facilitou as coisas, até porque “bastava que um estivesse mais inclinado para um lado e outro para o outro... Que não ia dar certo”. Já Emanuel enfatiza o talento individual de cada um: “Tanto eu como o Fernando temos objetivos muito bem traçados e individualmente somos muito bons. E uma vez colocados no K2, o barco passou a andar da melhor maneira, porque nem sempre os melhores resultados

nacionais fazem o melhor barco.... Mas, neste caso, houve a felicidade de poder juntar os dois melhores atletas nacionais e o barco ficou a andar muito bem”. A juntar a este facto, Emanuel acredita que a medalha foi muito bem merecida, dizendo, orgulhosamente, que houve “imenso trabalho por detrás desta vitória” e que “o barco chegou o mais rápido possível à meta”.

Obrigada pelo apoio! É assim que os nossos heróis olímpicos manifestam o carinho demonstrado pelos portugueses. Fernando Pimenta confessa que, tal como outros atletas, tinha o sonho de ganhar uma medalha nos Jogos Olímpicos, “o evento máximo do desporto”, e que fez de tudo para merecer o feito: “claro que sonhei, mas também lutei para estar lá”, refere o canoísta, ao mesmo tempo que nos confessa que agora a medalha está num “sítio secreto”, até que chegue o “cofre oferecido pela empresa Chaves do Areeiro”. Por seu turno, Emanuel Silva reconhece que todas as mensagens que recebeu estão guardadas no coração. “Acarinho-as como se fossem palavras dum Presidente da República. Eu admiro todas as pequenas e grandes felicitações que me fazem, porque sei que são feitas com o maior carinho e é sinal de que prestaram atenção às provas e deram valor à nossa modalidade, acompanhando de perto os nossos êxitos”. O canoísta termina dizendo que a sensação chega a roçar quase o sentimento pueril do aluno que é considerado “o melhor da escola” ou, no plano profissional, o funcionário que é eleito “o melhor funcionário da empresa”. Até aos próximos Jogos Olímpicos (Rio de Janeiro, em 2016), os dois atletas pretendem completar os percursos universitários, mas os objetivos desportivos continuam na linha do horizonte. Fernando Pimenta diz mesmo que se esperam “quatro anos de muito trabalho e de muitos sacrifícios”.


Pub

Emanuel Silva

Idade: 26 anos Naturalidade: Braga Curso: Enfermagem, na Universidade do Minho (UMinho), em Braga Perfil: Com 18 anos, foi o único representante português na modalidade nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 e obteve a segunda melhor classificação de sempre da canoagem nacional, ao terminar em 7º no K1 1000m. Já foi campeão europeu (K4 1000, em 2011), bicampeão europeu de sub-23 (K1 1000, em 2006 e 2007) e campeão do mundo de juniores (K1 500m, em 2003), além de somar outros lugares no pódio em grandes compe-

tições. Na sua terceira participação olímpica, e em dupla com Fernando Pimenta no K2 1000, trouxe para Portugal a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Curiosidade: Uma espécie de rapaz dos sete instrumentos, Emanuel confessa que está a pensar mudar de curso, já que “Desporto é que seria mesmo a praia ideal”. Além disso, o nosso medalhado olímpico contou-nos que também trabalha, de vez em quando, na Confeitaria e Pizzaria “Viena”, em Braga. “O negócio é da minha esposa e dum tio meu sócio, mas eu sempre que posso vou para lá ajudar no que for preciso”, admite.

Pub

Fernando Pime nta

Idade: 23 anos Naturalidade: Ponte de Lima Curso: Reabilitação Psicomotora, na Universidade Fernando Pessoa (polo de Ponte de Lima) Perfil: Campeão europeu de juniores em 2007 (K1 1000) e de sub-23 em 2009 (K1 1000) e 2010 (K2 500). Em 2011, venceu três provas da Taça do Mundo, mas o grande resultado obtido no ano passado foi a vitória no Campeonato da Europa em K4 1000, juntamente com Emanuel Silva, João Ribeiro e David Fernan des. Em dupla com Emanuel Silva no K2 1000, arrebatou a medalh a de prata nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Curiosidade: Quando Fernando percebeu que tinha uma mancha de gente à espera dele em Ponte de Lima ficou extremamente emocionado. “Foi, como toda a gente viu, uma coisa fantástica! Eu nunca tinha visto tanta a gente a vibrar tanto: sabia que havia muita gente contente com o bom resultado, mas não sabia é que as pessoas viessem assim manifestar-se pra a rua. Senti-me muito acarinhado com aqueles sete autocarros de gente no aeroporto e todas aquelas pessoas na beira da estrada... Foi mesmo fantástico”.


LER PARA CRER

o d n mu

Quando estudar faz girar Foram curiosos e voltaram apaixonados, deixando de lado os receios e arriscando estudar fora da zona de conforto. Os programas de mobilidade têm vários nomes e várias formas, mas um objetivo comum – pôr o mundo nos olhos de quem estuda. A Mais Superior quis saber o que muda na vida dos estudantes que, todos os anos, decidem alargar as fronteiras do conhecimento. Texto:João Diogo Correia

Mariana Pinto da Costa era feliz no Porto,

quer fosse a subir à Torre dos Clérigos, a passear nos barcos com partida da Ribeira ou a descansar numa esplanada na Foz. Não era cansaço, não era infelicidade. Era uma vontade incontornável de arriscar. “O conceito de uma experiência deste género, estudar e viver num contexto diferente, atraía-me”, pensava Mariana, já antes de se tornar estudante de Medicina. Em 2007/2008 surgiu essa possibilidade, através do Programa Erasmus, um dos mais conhecidos e apreciados pelos jovens universitários. Do Porto, Mariana saltou para Siena, em Itália, com uma enorme vontade de conhecer o que por lá se fazia em termos de práticas médicas. Quis também perceber se eram mais os pontos que aproximam portugueses e italianos do que as diferenças que os separam. Responde assim: “em Siena, persiste um modo de estar mais relaxado, que é atributo dos latinos, o que permite o contacto com a forma de ensino num país com uma cultura semelhante à nossa e com afinidades, não só linguísticas como também sociais”. Na Facoltà di Medicina e Chirurgia da Università degli Studi di Siena, precisou de se adaptar “a uma certa desorganização administrativa universitária”. Via “pouco pessoal para tratar de muitos assuntos diferentes”, e as dificuldades só lhe punham um sorriso no rosto graças à “simpatia do povo e à sua forma de conviver”, garante Mariana. Fez de Siena, medieval, pequena e acolhedora, a sua cidade e não sentiu problemas em adaptar-se – “a cultura italiana é semelhante à portuguesa, somos povos mediterrânicos e isso nota-se na forma como encaramos a vida”. Hoje recorda facilmente as longas

14 |

MaisSuperior . Outubro 2012

o

tardes e as quentes noites sentada na Piazza del Campo ou as pizzas na Mensa de Sant’ Agata, e nem os percalços – “os comboios em Itália chegam quase sempre atrasados” – a conseguem incomodar. “Programas de mobilidade como o Erasmus permitem-nos conhecer outras realidades do ponto de vista cultural e profissional, o que nos leva a ponderar a reequacionar onde e como queremos estar, viver e trabalhar, facilitando a projeção internacional no mundo do trabalho”, remata esta apaixonada pela descoberta que é “estar sozinha num país diferente”.

r

b ra Erasmus a do

A experiência de Mariana em Itália mudou-lhe a vida. E talvez não haja melhor maneira de o provar do que contar o que veio a seguir – um novo Erasmus, desta vez no Programa Erasmus Estágios, na Second Faculty of Medicine da Warszawski Uniwersytet Medyczny (é isso mesmo que estás a pensar, a Universidade de Medicina de Varsóvia, na Polónia). Foram oito meses de contacto “com um povo e uma cultura totalmente diferentes, com uma língua muito distinta, o que me levou a situações caricatas, em que fui tendo de improvisar para conseguir comunicar”. Frequentou aulas de polaco, mas o inglês foi sempre boa solução, já que as pessoas, principalmente os colegas e o pessoal médico, não mostram grandes dificuldades com a língua universal. Espantou-a a organização polaca,

(“em Varsóvia vivi o chamado ‘choque cultural’”), e a adaptação foi conseguida um passo de cada vez: “na Polónia, nos trams [elétricos] ninguém fala alto e cheguei a ser chamada a atenção para falar mais baixo, quando conversava a níveis claramente inferiores à média do que costumamos registar em Portugal”. As dificuldades não significam que o processo de adaptação tenha sido doloroso, apenas que sentiu “mais vincadas as diferenças entre os dois países, no que se refere à língua, à cultura, ao clima e aos métodos de ensino”. Mas foi por isso que decidiu que o ‘segundo Erasmus’ seria numa realidade distinta das que até ali conhecera. Por tudo isto, Mariana Pinto da Costa acabou por ser reconhecida com o Prémio do Concurso “Erasmus, Histórias de Sucesso - Estudante Erasmus 2 milhões” promovido pela Comissão Europeia, representando Portugal e o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), da Universidade do Porto, na conferência “Erasmus – the way forward and the Green paper on mobility of young people”, em 2009, na cidade de Lund, na Suécia. Lá ou cá não tem dúvidas – “compreendi que as pessoas, apesar de provirem de culturas diferentes, têm desejos semelhantes: viver melhor, ter acesso a cuidados de saúde e serem felizes”. E Mariana também o foi: “estes dois períodos foram experiências irrepetíveis e inesquecíveis vividas no timing próprio, o que as tornou ainda mais aliciantes, pois motivaram e reforçaram o meu espírito de aventura, de conhecer realidades culturais e políticas tão diferentes, construindo um leque de contactos, colegas e amigos, nacionais e internacionais, que partilharam comigo  estas etapas da minha vida, recordando com satisfação pessoal o meu percurso académico”.


LER PARA CRER Palácio com vista para o futuro Depois da licenciatura em Gestão no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Sara Cartaxo pensou ‘e agora?’. “Já tinha a ideia de envergar mais pelo ramo da hotelaria, mas não me queria cingir a uma licenciatura de Gestão Hoteleira ou mesmo Turismo”. A solução foi candidatar-se a uma pós-graduação em Gestão de Operações de Hotelaria (PGD in Hotel Operations Management), no Swiss Education Group. A escolha pela Suíça prendeu-se com a quantidade e qualidade da oferta formativa e pela vila de Caux com um ambiente incomparável, “devido ao magnetismo do campus, um palacete situado nas montanhas com vista sobre Montreux e o lago Leman” (Sara desafia os leitores a procurar no Google por Swiss Hotel Management School Caux e comprovarem com os próprios olhos). A uma Suíça muito cosmopolita, faltou apenas aquela característica tão portuguesa, “o chamado ‘bairrismo’”. Sara encontrou um povo “mais isolado, mais distante” e até o rigor que nos leva a utilizar a expressão ‘como um relógio suíço’ foi rapidamente apreendido: “foi uma das experiências mais intensas da minha vida estudantil, com uma carga horária brutal e imensos trabalhos de grupo e projetos, mas que deu imensos frutos a nível também de experiência, networking e propostas de estágio”. Felizmente, como a vida ainda não é só feita de trabalho, viver em Montreux permitiu-lhe aproveitar “os passeios pela borda do lago”, a beleza da estátua de Freddie Mercury ou da viagem de “comboio até Caux ou mesmo Gilon, com uma vista fabulosa

das montanhas e do lago”, o “fondue no ‘Le Chalet’, um dos melhores fondues de sempre!”. “Se eu tivesse de designar um lema para este programa, seria sem dúvida: ‘Work hard, Play hard!’”, brinca Sara. Definindo-o como uma “experiência extremamente valiosa ao nível de formação sobre as várias áreas de operação de um hotel, as várias facetas da indústria hoteleira, com uma ótima interligação entre a prática e a teórica”, o período na Suíça permitiu que Sara saltasse para a Disneyland Paris (onde está a fazer o estágio necessário para terminar a pós-graduação), tendo já conseguido fechar, logo na primeira semana na capital francesa, “um contrato de ano e meio com uma cadeia hoteleira nos Emirados Árabes Unidos”. Em Paris está com o que diz ser o melhor de estudar no estrangeiro: as pessoas. “Vim para a Disney com mais quatro colegas da SHMS Caux, uma verdadeira embaixada de quatro continentes diferentes e isso também é outro aspeto de programas como estes: a multiculturalidade”.

Um oceano de alegrias Diana Silva atravessou o Atlântico para conhecer esse Brasil que tanto a fascinava. O Programa de Bolsas Luso-Brasileiras, lançado em 2007 pelo Santander Universidades, foi o empurrão que lhe faltava. Também estudante de Medicina, Diana sentia o corpo ferver quando pensava no “clima, na praia e na alegria” que se conhece aos brasileiros. “Eu sempre quis viver num país tropical, de havaiana no pé”, confessa. Ouviu Caetano Veloso cantar a ‘cidade maravilhosa’ e assim escolheu o Rio de Janeiro.

Pub


LER PARA CRER Alojamento de valor acrescentado

“Esta experiência mostrou-me outra forma de encarar a Medicina, num país com um sistema de saúde ainda em crescimento, com menos recursos técnicos, mas com doentes otimistas e colaborantes”. A hospitalidade e a felicidade contagiante do povo brasileiro foram o que mais a impressionaram, mostrando-lhe que as dificuldades e as discrepâncias sociais não fazem da vida um problema: “’não esquenta não’, ‘tá bom’, ‘deixa rolar’, foram algumas expressões que jamais vou esquecer, ditas por pessoas que estavam em situações de doença grave”. Como estudante de Medicina, não deixou de perceber que os doentes são “muito menos queixosos e resignados”. E resume - “o brasileiro vive o carpe diem, é feliz com pouco, basta chegar ao fim de semana, beber um choupinho (cerveja) e participar numa roda de samba”. Rapidamente Diana se sentiu ‘gringa’ (“uma expressão carinhosa para nos alcunharem de estrangeiros”) integrada, uma pessoa capaz de se adaptar aos desafios. “Aprendi a ver a minha casa e os ‘meus’ com outros olhos e a valorizar pequenas coisas que dantes me passavam despercebidas. Cresci, fiquei mais forte, incrementei a minha personalidade”. Com ela ficarão para sempre a gastronomia, “uma verdadeira perdição, os rodízios, as caipirinhas, a comida dos vendedores de praia, queijo coalho, esfirras, empadas…”, as paisagens, “praias e trilhos dos mais maravilhosos que se possa imaginar” ou os fins de tarde no calçadão a contemplar “aquela paisagem de mar imenso e cenário maravilhoso”. Diana conclui: “enfrentar o desconhecido faz parte do significado de viver, que é muito mais do que meramente existir. Já dizia Fernando Pessoa, em heterónimos, ‘Assim em cada lago a lua brilha, porque alta vive’".

encontrar casa pode tornar-se É a primeira grande dor de cabeça de quem vai para fora: s. E o quarto onde vais passar finança de e tempo de uma tarefa dispendiosa em termos pormenor. entre seis a dez meses da tua vida não é propriamente um estudo fora de Portugal, que de ncia experiê uma m bagage na m trazere Foi por isso, e por a que ajuda os estudantes empres uma ctor, Riskive a Vítor Laranjeira e Abílio Costa criaram uma agência imobiliária, somos não “Nós ça. Bragan em casa rar encont a eiros estrang ária medeia entre senhonem o pretendemos ser”, alerta Abílio. “Uma agência imobili por alunos estrangeiros: as habitad serem rio e inquilinos, nós preparamos casas para material de cozinha, cama, de roupas mos fornece árias, necess s mobília as colocamos . eletrodomésticos, etc.”, garante escola do Instituto Politécnico A Riskivector procura casa para cada aluno consoante “a oriedade de misturar alunos de obrigat a aulas, ter irá aluno o que em de Bragança [IPB] es”. Depois disso, baseando-se mulher e s homen r países diferentes e também de mistura parte do que eles custariam se uma do cobran s recurso aluga , ’ sharing e ‘resourc de ideia na

fossem comprados. de cama, utensílios de cozinha, Abílio exemplifica: “um estudante que compre as roupas ça), etc, gastaria um valor Bragan como fria região numa l ensáve (indisp aquecedor o ‘utilities kit’ com todo este mos chama que o os alugam muito significativo. Quando lhe chegaria para comprar mal que material gasta apenas um pequena parte desse valor, fora por um período está quem que os pensarm Se ‘kit’”. no os incluím os edredons que os ganhos vão para que emos perceb r, compra que de tempo definido prefere alugar do que “deixou de ter de afetar ao IPB, próprio o para e a empres eiros, estrang alunos todos: esforço de trabalho do pessoal do apoio com alojamento parte significativa do tempo e Gabinete de Relações Internacionais”. do ganho económico, há o gaPara que não restem dúvidas, Abílio deixa a certea: “além ção local com uma pirâmide popula sua a tem que região nho cultural e social para uma etária cada vez mais invertida”.

Cá dentro tam bém se vê para fora

Estudar no estrangeiro pode fazer do dinhe iro a principal barreira. Mariana Pinto da Costa não o desmente, falando da vida em Itália, muito cara porque virada para o turismo; Sara Cartaxo fala da Suíça como “provavelmente, o país maisc aro da Europa”; e Diana Silva lembra a subid a abrupta do nível de vida no Rio de Janeiro e um pouco por todo o país – “Brasil e gastar pouco é quase utópico e não me refiro a viajar ou passe ar por lá, mas apenas ao quotidiano”. Assim sendo, viajar cá dentro pode ser a solução. O Programa Almeida Garrett serve para isso mesmo, promovendo a cooperação entre alunos e instituições de ensino universitár io em Portugal. Este programa de mobilidade intern a de estudantes do Ensino Superior públi co universitário tem o seu irmão gémeo no Programa Vasco da Gama – o mesmo conceito, a mesma aventura, mas entre escolas de Institutos Politécnico s.

Pub

16 |

MaisSuperior . Outubro 2012


Pub

Pub


LER PARA CRER

Estágios a perder de vista 'We Mean Business' foi o nome escolhido para a campanha da Comissão Europeia que quer convencer as empresas de que vale a pena investir em jovens estagiários. Apresentada em abril, a campanha chegou a Portugal a 28 de junho de 2012, pela mão da Agência Nacional PROALV (Programa Aprendizagem ao Longo da Vida). A Mais Superior foi conversar com Maria do Céu Crespo, diretora da AN PROALV, e perceber o que pode mudar na vida dos estudantes, das universidades e da própria Europa. Texto:João Diogo Correia

O que é que as empresas realmente ganham ao dar lugar a um jovem estagiário oriundo de outro país europeu? Os benefícios para uma empresa no acolhimento de jovens europeus para estagiar exploram e potenciam a capacidade da empresa para a internacionalização e para uma atividade no mundo global. Ao criarem estágios para os jovens europeus e ao definirem o perfil e conteúdo do estágio, a empresa está a contribuir para a empregabilidade do jovem, reforçando as suas competências, ao mesmo tempo que aprofunda os seus contatos com mercados de trabalho e setores económicos em países estratégicos. Ao acolherem os jovens estagiários, as empresas não incorrem em despesas financeiras, sendo-lhe somente exigido acompanhamento qualitativo do estágio, visando um impacto e retorno positivo para o jovem e para a empresa. Que tipo de incentivos são dados às empresas para que invistam nesses jovens? Os incentivos surgem com o acolhimento dos estagiários, uma vez que podem estabelecer contato com mercados externos, internacionalizar os recursos humanos, dar visibilidade às empresas junto de milhares de estudantes que, anualmente, fazem Erasmus e Leonardo da Vinci. Quais têm mais a ganhar: as PME ou as grandes empresas? Porquê? Todas as empresas e organizações ganham com o acolhimento de jovens estagiários. O maior ou menor ganho depende da estratégia de internacionalização da empresa. E para os jovens será mais desafiante estagiar numa PME, onde talvez tenham maior responsabilidade, ou numa grande empresa, onde os meios de acompanhamento serão, à partida, mais eficazes? É relativo. O sucesso do estágio, o impacto e retorno positivo para o jovem, para a empresa e para a universidade depende de todos os intervenientes. Tendo em vista o sucesso e o impacto do estágio nos jovens, a Agência Nacional em cooperação com os Consórcios Erasmus e um conjunto alargado de empresas promoverá, a partir de Novembro de 2011,um ciclo de 5 seminários regionais sobre os Estágios Erasmus. Cada seminário

18 |

MaisSuperior . Outubro 2012

abordará 5 temáticas que pretendem identificar os elementos que potenciam um impacto e um retorno positivo do estágio para os jovens, para as empresas e para as universidades: cultura empresarial; criatividade: conhecimentos e competências; inovação: eficácia e competitividade; empregabilidade; cidadania europeia. Todos os seminários são abertos ao público em geral. Várias sociedades ocidentais têm sido massacradas pelo desemprego. Que zonas ou países em específico, na Europa, têm capacidade para acolher estes jovens? O que os estágios Leonardo da Vinci e Erasmus oferecem aos jovens são condições de empregabilidade. O que é que isto significa? Significa que os estágios Erasmus e o Leonardo da Vinci têm caraterísticas únicas e diferenciadoras de todos os outros: são realizados em mobilidade; e mobilidade é sinónimo de capacidade de adaptação, de exploração de competências linguísticas, de oferta de conhecimentos de cultura empresarial, de participação em estratégias de eficiência e de competitividade, etc. O retorno mais significativo de um estágio Erasmus e/ou Leonardo da Vinci é, de facto, a empregabilidade. Os países que participam no Erasmus e Leonardo da Vinci têm todas as condições para acolherem os jovens. Contudo, se pretendermos passar das condições de empregabilidade para o primeiro emprego de qualidade, certamente falamos dos países europeus onde o nível de desemprego seja mais baixo que o português. Neste sentido, a posição de Portugal seria interessante como país exportador. Mas será que temos condições para receber estagiários de outros países, partindo do princípio que a ideia é que estes se mantenham e cá encontrem o primeiro emprego? A situação económica e financeira portuguesa pode reverter em nosso favor. A possibilidade de uma empresa em Portugal acolher jovens estagiários europeus é uma oportunidade de abertura a novos e potenciais mercados e setores económicos. Portugal pode e dever ser um país atrativo para jovens estagiários europeus. Os Consórcios Erasmus têm tido um papel fundamental para fazer de Portugal não só um país de envio de jovens estagiários, mas também um país atrativo para jovens europeus. O papel

dos Consórcios Erasmus junto das estruturas de poder local, das pequenas e médias empresas, de grandes empresas, das câmaras de comércio, das organizações não-governamentais, etc. Este enraizamento regional e local dos Consórcios Erasmus permite-lhes um conhecimento único da realidade dessas empresas e organizações. Deste conhecimento nasce uma abordagem, em termos de oferta/criação de estágios, que responde às necessidades de competitividade e de internacionalização. Tendo como pano de fundo o envolvimento e desenvolvimento regional, os Consórcios Erasmus têm conseguido sensibilizar os stakeholders para o papel e importância dos estágios Erasmus e o Leonardo da Vinci. Em que é que uma aventura no estrangeiro pode mudar a vida de um jovem recém licenciado? O maior benefício de um estágio é o seu impacto e o retorno positivo para os jovens, para as empresas e para as universidades. O impacto e retorno positivo manifestam-se em condições de empregabilidade e, eventualmente, no primeiro emprego de qualidade, seja em Portugal ou noutro país.

Estudante prevenido vale por dois Estás a pensar passar um semestre Erasmus em Itália? Vais continuar a formação com o MBA que sempre sonhaste no Brasil? Estás prestes a começar um prometedor estágio profissional em Macau. Seja qual for o caso, e não vá o ‘Diabo tecê-las’, como diz o ditado, não viajes sem um seguro de viagem. Para ti que és jovens e decidiste estudar ou trabalhar fora de Portugal, eis aqui as principais vantagens do Student Care, uma solução inovadora e direcionada exclusivamente para jovens que vão estudar para o estrangeiro ao abrigo de programas académicos, como o Programa Eramus, ou para jovens Profissionais que vão efetuar estágios, especializações, pós-graduações ou MBA’S. No site www.europ-assistance.pt vais encontrar a resposta a todas as tuas possíveis dúvidas, antes de fazeres as malas rumo ao teu futuro.


Pub

Pub


LOOK AT ME

O estilo pode ser a tua melhor arma

“A pipoca mais doce” existe há já nove anos, sendo atualmente o blogue mais lido em Portugal. Motivos? É fresco, cómico, fashion, útil e conta com o inigualável estilo da sua autora Ana Garcia Martins, que traz agora mais uma novidade editorial prestes a revolucionar a maneira de vestir de todas as mulheres e cujo título nos remete imediatamente para a série dos anos 80 protagonizada pela escritora Jessica Fletcher (Angela Lansbury)... Mas aqui não se esperam assassinatos nem crimes e muito menos a ‘tortura’ de escolher a roupa adequada todos os dias, até porque o objetivo do livro é descomplicar e falar do estilo duma forma divertida, refere a autora em entrevista. Texto: Bruna Pereira Fotos: Carlos Ramos | Matéria-Prima Edições Como é ser a autora do blogue mais lido do país? Pensa mais no que vai escrever agora ou nem por isso? Criei o blogue há quase nove anos, acompanhou várias fases da minha vida e penso que é normal que vá mudando de opinião em relação a alguns assuntos. A crescente exposição do blogue obrigou-me a ser um pouco mais contida na escolha dos assuntos e na forma de os abordar, mas penso que o blog mantém a sua essência. Já foi nomeada a mulher mais invejada de Portugal. Isso faz-lhe subir os níveis de autoestima quando se vê ao espelho? Não. A autoestima continua com níveis normais. Tem, decerto, muitas leituras que lhe escrevem diariamente. Quais são as coisas mais estranhas que lhe costumam perguntar ou sobre as quais pedem conselhos? Essencialmente, pedem conselhos de estilo. É frequente receber mails em que as leitoras me pedem ajuda sobre o que vestir num casamento, ou sobre a cor de cabelo, ou sobre acessórios. Mas também há quem peça conselhos profissionais, amorosos, de viagens ou de restaurantes. E leitores homens, vai havendo? E perguntam o quê? Geralmente o grande dilema dos homens é saber o que oferecer às mulheres e namoradas. Geralmente dizem-me que a namorada viu qualquer coisa no blog que adorou e querem saber onde podem comprar igual.

favorece os pontos positivos e o que atenua os nossos pontos mais fracos, a tarefa de saber o que vestir torna-se muito mais fácil. A sua vida está cheia de atividades diferentes: do jornalismo ao blogue, passando pelas rubricas televisivas com dicas de moda, os livros, os vernizes, a Bazaar Chiado.... Além de todos os pares de Laboutin do universo, o que é que poderia fazer ainda muito feliz nesta vida? Não penso muito nisso. As coisas vão acontecendo de forma natural, e eu vou aproveitando, fazendo uma triagem natural daquilo que me interessa e não interessa. Essencialmente, quero continuar ligada à escrita e à moda. Mas mais dois ou três pares de Louboutins são sempre bem-vindos! Acha que os jovens se andam a vestir melhor ou pior do que os pais desses mesmos jovens, assim duma maneira geral? Muito melhor, sem dúvida. As novas gerações estão muito mais atentas à moda, sabem tudo o que se passa, acompanham e lançam tendências. Atualmente, temos tanta informação à disposição que é impossível não estar mais por dentro do assunto. E isso reflete-se, obviamente, na forma como nos vestimos. Aos poucos, os portugueses vão começando a arriscar mais e a sair da sua zona de conforto. O que pensa d'”A Pipoca mais azeda”? Pelo nome imagino que isso seja mais um hate blogue. Há tantos que torna-se difícil acompanhá-los.

"Estilo, disse ela" é uma espécie de policial em busca de todas as mulheres que assassinam o seu estilo, às vezes por preguiça de ler mais sobre o que favorece o seu tipo de corpo, por exemplo? O que podem esperar todas as pessoas que comprarem o livro? O título foi, de facto, inspirado na série policial "Crime, disse ela", que eu via no final dos longínquos anos 80. Peguei no título e fiz uma brincadeira com isso. Acho que todas as mulheres têm uma palavra a dizer sobre estilo, por isso pareceu-me um nome acertado. Quis que este fosse um livro eclético e descomplicado, que falasse de estilo de uma forma divertida e acessível, para que as mulheres percebam que a roupa não tem de ser uma tortura diária. Se soubermos o que nos assenta bem, as cores mais indicadas para nós, o nosso estilo pessoal, o que nos

Armários à lupa

Ir a um festival de verão, ser convidada para uma festa ou comparecer a um velório implicam diferentes olhares sobre o mesmo armário. Para todas as mulheres que diariamente se deparam com o dilema do “o que é que eu vou vestir hoje?”, Ana Garcia Martins (mais conhecida como A pipoca mais doce) tem uma solução em forma de livro: “Estilo, disse ela”.

20 |

MaisSuperior . Outubro 2012

Aqui esclarecem-se dúvidas quanto ao tipo de roupa e de acessórios que mais favorecem a cada estilo de corpo e de rosto, não deixando de lado questões como a escolha certa de sapatos e biquínis. O humor também promete ser presença assídua ao longo de todas as páginas, até porque o objetivo de “Estilo, disse ela” é descomplicar aquilo que para muitas mulheres é um drama diário.

“Estilo, disse ela” | Ana Garcia Martins Edição: 2012 Editor: Matéria-Prima Edições PVP: 17,90 euros


LIMITE DE VELOCIDADE

Como comprar

carro usado para

TÓTÓS

O RazãoAutomóvel.com e a Mais Superior juntam-se, este mês, para em conjunto te proporem algo inovador, e que poderá vir a ser-te muito útil: um curso intensivo para saber como comprar carro usado para ‘Tótós’. Texto: Guilherme Ferreira da Costa

Guilherme Ferreira da Costa, estudante de Mestrado no Instituto Superior de Gestão e editor do site Razão Automóvel, colabora mensalmente com a Mais Superior na rubrica "Limite de Velocidade".

O teu quotidiano pede desesperado e a plenos pulmões por um automóvel, não é? Talvez porque começaste agora a trabalhar, ou porque acabaste de entrar na universidade, e é incomportável andar de transportes públicos na tua área de residência. Ou simplesmente por uma questão de mobilidade e conforto, certo? Ok, é legítimo. Mas, por outro lado, com esta crise toda, o teu orçamento para a compra de carro é mais reduzido que a chuva no verão, ou o calor no inverno. Pois bem, a compra de uma viatura usada, em vez de nova, pode ser a solução. E há-as em todas as cores, idades, géneros e preços. O problema agora reside na escolha. Será que o carro em que estás interessado é de confiança, ou um antes velho lobo do asfalto com mais quilómetros feitos que o Space Shuttle? Por isso, a compra de carro usado exige cuidados redobrados para evitar a aquisição de um veículo em péssimo estado. O ideal será adquiri-lo junto de pessoas ou entidades de confiança. Mas como isto nem sempre é possível, temos de tomar as devidas precauções antes de fechar qualquer negócio. Como? Não deixando de fazer coisas simples como, confirmar a autenticidade dos documentos da viatura, a mecânica e toda a carroçaria. Os restantes truques nós vamos ensinar-te.

Decide o que queres Primeiro pensa no que queres, quanto queres gastar e quanto é que poderás gastar. Só depois poderás partir em busca do melhor negócio. E não te esqueças: mantém-te fiel àquilo que pensaste. Caso contrário, acabarás por escolher algo de que não precisas ou que não podes pagar.

Pede ajuda Pede ajuda a um amigo que tenha conhecimentos sobre automóveis. Em caso de dúvida, leva contigo um mecânico da tua confiança para fazer uma avaliação ao estado geral do carro. Precisas de ver tudo com a máxima atenção, especialmente os itens de segurança, tais como travões, amortecedores e pneus.

Preços O preço dos carros usados varia muito. Só há uma solução: Pesquisar. Jornais, revistas e sites divulgam frequentemente as tabelas de preços de mercado, essa é a tua melhor referência. Para avaliares se o preço do carro é compatível com o de mercado, deverás levar em linha de conta variáveis como a quilometragem, o estado geral do veículo e o equipamento proposto. E não te esqueças: regateia sempre o preço! Perde a vergonha e negoceia até achares que atingiste um bom equilíbrio entre o valor do carro e aquilo que estás disposto a pagar. E não te esqueças de imputar os custos de eventuais reparos ao valor de venda.

Recomendações Finais Alguns estabelecimentos comerciais têm a prática de emitir no recibo de compra e venda a expressão “o cliente ao assinar este contrato assumem que o veículo se encontra em bom estado

de conservação “. Deves exigir que sejam incluídos no contrato todos os defeitos de mecânica e de chapa e não efetues a compra sem antes verificar que o veículo não é furtado ou tem multas pendentes. O IMTT poderá informar-te sobre a situação do veículo: se houve furto, se existem multas, etc. E claro, só aceites documentos originais. Recusa determinantemente papéis com rasuras ou fotocópias, ainda que autenticadas.

Sites de compra de usados:

www.standvirtual.pt – É a referência nacional em carros usados, com um enorme portefólio de escolha. Desde o mais caro ao mais barato, é a tua imaginação e a tua carteira que são o limite. www.hourselection.com – Queres um automóvel ‘premium’ compacto, mas não queres gastar uma fortuna. O HourSelection, através de consultores especializados, faz importação de veículos usados com garantia de fábrica. www.olx.pt – Neste site poderás encontrar algumas das propostas mais ‘modestas’ quando procuras um automóvel com um valor abaixo dos 1000 euros.

Continuar a ler este artigo em www.maissuperior.com antes de fazeres negócio! Outubro 2012 . MaisSuperior | 21


MANUAL DE INSTRUÇÕES

Antes de partir… Faz as contas Criado em 1987, o Programa Erasmus já mudou a vida a cerca de três milhões de alunos. Não te vou contar a história de Erasmo de Roterdão, nem sequer do programa. Já ouviste falar dele e já sonhas com a ideia, não é verdade? Venho apenas alertar que, se queres ser o próximo português a entrar neste ou noutro programa de mobilidade, faz primeiro as contas. Texto: Susana Albuquerque

Com as finanças controladas e um orçamento estipulado do qual não te vais desviar, só terás que aprender, divertir-te, conhecer uma nova cultura e, claro, acumular experiências e memórias. A escolha do país de destino terá a ver com o teu curso, primeiro, e com o teu gosto, depois. Antes de escolher, pensa no dinheiro que terás ao teu dispor e recolhe dados sobre o custo de vida dos países que gostavas de conhecer. Talvez só tenhas orçamento para um país menos dispendioso, não significando isso que tenhas uma experiência menos enriquecedora. Quer estejas de partida para Espanha, Eslovénia ou Suécia, informa-te antes de ir. É que terás que planear tudo para que o dinheiro que tens seja suficiente para não estares sempre a pensar nele. De modo a determinares o teu orçamento mensal deves somar todo o dinheiro que tens ou que sabes que vais receber. A bolsa a que terás direito, algum dinheiro que os teus pais ou outros familiares te possam dar e algum dinheiro que tenhas de parte ou que saibas que irás receber como, por exemplo, um presente de aniversário. Depois, deves calcular os gastos ao longo da tua estada. Nesta busca, a internet pode ser a tua melhor amiga. Usa o vasto universo da internet para saber os preços dos produtos na cidade para onde vais. Tudo conta, desde um bilhete nos transportes públicos até ao preço de um simples café. Calcula depois o valor médio que vais gastar. Estas contas poderão sofrer ajustes quando já estiveres no país, mas serão o ponto de partida. Conta com a ajuda dos outros estudantes portugueses. Podem, em conjunto, fazer planos de gastos e ajudar-se uns aos outros a cumpri-los. Se possível, porque o objetivo da experiência não é só estudar, mas também conhecer uma nova cultura, guarda dinheiro para ir ao cinema, aos museus e para sair à noite. Se fizeres o “trabalho de casa”, verás que o teu orçamento é suficiente para te ajudar a ter um ano ou semestre inesquecível.

Susana Albuquerque é Secretária-Geral e coordenadora do programa de educação financeira da ASFAC – Associação de Instituições de Crédito Especializado. A também autora do livro “Independência Financeira para Mulheres” colabora mensalmente na revista Mais Superior para te dar dicas práticas que poderás aplicar no teu dia-a-dia.

22 |

MaisSuperior . Outubro 2012


Mais Superior | Outubro '12  

PELO MUNDO FORA São eles alunos de Ensino Superior ao abrigo dos mais variados programas de mobilidade. Objetivo? Explorar os programas curr...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you