Issuu on Google+

Distribuição Gratuita

Ano V | Edição 54 | Junho 2011

DIETA E NUTRIÇÃO

GASTRONOMIA

Dietas da Moda

Codornas Recheadas

MOTOR E CIA

VINHOS E CIA

Chery QQ

Uvas Riesling

ENTREVISTA

DECORAÇÃO Espaço Gourmet

1 Yellow Magazine | Junho/2011

Ana de Biase


2 Yellow Magazine | Junho/2011


3 Yellow Magazine | Junho/2011


4 Yellow Magazine | Junho/2011


5 Yellow Magazine | Junho/2011


6 Yellow Magazine | Junho/2011


7 Yellow Magazine | Junho/2011


8 Yellow Magazine | Junho/2011


9 Yellow Magazine | Junho/2011


Georg Breuer B端rklin-Wolf D旦nnhoff K端nster Leitz J.L.Wolf Br端ndlmayer Prager

Marcel Deiss Hugel Ostertag Trimbach Weinbach Zind-Humbrecht Yalumba 11


Gastronomia Tânia Carlquist Formada em Gastronomia, pós-graduada em Administração, trabalha em cozinha experimental nas indústrias de alimentos há mais de 10 anos e leciona na área

Codornas Recheadas

Ingredientes 100g de peito de frango 10g de bacon Ervas frescas (tomilho, salsa, sálvia, manjericão) para marinar e assar Sal Pimenta do reino 2 colheres (sopa) de vinho do porto 3 colheres (sopa) de creme de leite 4 codornas desossadas pelas costas* 1 xícara (chá) de vinho branco

Modo de preparo Recheio 1. Tempere o peito de frango e o bacon com sal, pimenta e ervas frescas e deixe marinando no vinho do porto por, no mínimo, duas horas. 2. Moa as carnes e as ervas no processador. 3. Retire a mistura do processador, acrescente o creme de leite e misture delicadamente até incorporar.

no mínimo, meia hora em geladeira para firmar o recheio. 8. Asse-as em forno médio (180ºC) por 30 minutos, cobertas com papel alumínio, regando constantemente com o vinho da assadeira. Retire o papel alumínio e asse por cerca de 20 minutos ou até dourar, sem deixar de regar. Coe o vinho restante da assadeira e sirva sobre as codornas para que se mantenham úmidas.

Codorna 4. Tempere as codornas com sal e pimenta. 5. Coloque uma parte do recheio no centro de cada codorna e feche-as formando uma “bolinha”. 6. Em uma assadeira pequena disponha as codornas lado a lado para que não abram durante a cocção. 7. Cubra com as ervas frescas e regue com o vinho branco. Deixe descansar por,

*Para desossar a codorna pelas costas 1. Com a ajuda de uma tesoura retire a coluna da codorna. 2. Com uma faca pequena e com as pontas dos dedos, retire os ossos da costela e do peito. 3. Para as asas: corte a ponta da asa deixando somente a “coxinha” e inverta a posição da asa. Delicadamente raspe a faca no osso até que ele se solte. 4. Para as coxas: faça um corte na “sobrecoxa” da codorna para que o osso fique visível e delicadamente raspe a faca no osso até que ele se solte. Separe o osso na junta da “coxa”, preservando-a.

Dicas:

- Dissolva meia colher (chá) de mostarda no vinho para assar as codornas. - Acrescente creme de leite no líquido que restar na assadeira e sirva como um molho. - Utilize forma de bolo inglês para que as codornas fiquem unidas. 12 Yellow Magazine | Junho/2011


14 Yellow Magazine | Junho/2011


16


18 Yellow Magazine | Junho/2011


Varanda

Gourmet

20 Yellow Magazine | Junho/2011


21 Yellow Magazine | Junho/2011


23 Yellow Magazine | Junho/2011


24 Yellow Magazine | Junho/2011


25 Yellow Magazine | Junho/2011


C

omo você já deve ter percebido, gosto muito de falar sobre filmes. Não só porque aprecio a sétima arte um pouco mais do que às outras, mas também porque ela oferece várias oportunidades para reflexão. Assisti Cisne Negro pouco antes da cerimônia do Oscar deste ano e achei inevitável falar sobre ele. A maioria dos filmes que são lançados durante um ano é apenas uma vírgula de entretenimento, em uma vida atribulada, mas Cisne Negro é uma tremenda pausa nessa regra. Cisne Negro é um enorme gancho de direita (sem alusão ao filme O Vencedor!) em nossas convicções tão bem elaboradas sobre e vida. Você já quis tanto alguma coisa, mas tanto, tanto, que ela conseguiu ebulir todo o resto de sua vida? Já apostou todas as suas fichas em algo sem o qual não imaginaria viver? Já depositou toda a sua confiança e devoção em um propósito, a ponto de ficar completamente fora do ar para qualquer coisa que não o envolvesse? Provavelmente sim. Talvez não com essa intensidade visceral, mas se está lendo, certamente lembrouse de uma ocasião destas. E se a resposta for realmente positiva, então você se identificou com o filme. Nina ficou tão focada em fazer um cisne negro perfeito para sua performance como bailarina na apresentação de Lago dos Cisnes, que em determinado momento achou que tinha se transformado em um. Em uma das

principais cenas, as pernas dela se quebram, imaginariamente, no contexto de um surto psicótico, ficando arcadas como as de um cisne. Então você entende perfeitamente porque o Oscar de melhor atriz tinha de ser de Natalie Portman. Ninguém jamais fará aquele olhar de pavor como ela. Mas, voltando à questão principal, o preço que Nina pagou para chegar onde queria foi alto demais. Ela precisou destituir-se de qualquer valor que sobrepujasse a importância de seu alvo. Precisou lançar mão de qualquer artifício que pudesse ser útil para torná-la um cisne negro perfeito. Precisou deformar o seu corpo, seu caráter e toda a sua vida para moldá-la ao seu grande objetivo. E então você deve estar pensando: “ah, não, nunca cheguei a tanto”. E nesse ponto preciso lembrá-la ou lembrá-lo, de que todo alcoolismo começa com o primeiro copo; toda bulimia começa com a primeira náusea; todo adultério começa com o primeiro pensamento; todo grande roubo começa com um pequeno peso de papel. São os pequenos atos compulsivos que levam aos grandes vícios, salvo raras exceções. Quando o objetivo que pretende alcançar faz você sacrificar a maioria das coisas que são importantes na vida, então, por melhor que ele seja, provavelmente, não vale à pena. Existe uma linha muito tênue entre a determinação e a loucura, quando o que se pretende está vazio de valores reais 26 Yellow Magazine | Junho/2011

e crenças positivas. E isso me leva ao caso clássico de Hitler, que cria na supremacia da raça ariana e por isso matou milhões de pessoas. Metas e objetivos são extremamente valiosos para a organização da vida. Não dá para caminhar por aí sem um foco. Quando uma pessoa perde o sentido das coisas que faz, costuma ficar perdida. Mas colocar expectativa demais nos eventos da vida causa um imenso sofrimento. Porque o casamento pode acabar, o emprego pode ser perdido, a casa pode desmoronar, o amigo pode trair, o exame pode dar positivo, a empresa pode falir, o sonho pode virar um pesadelo. E aí, se você apostou todas as suas fichas na mesma jogada, o chão vai sumir debaixo dos seus pés, o mundo vai desabar e todos aqueles comparativos que se possa imaginar para a situação são aplicáveis. Claro que uma ruptura é sempre dolorosa. Só que ela não precisa ser desastrosa. Não precisa modificar a sua essência, mesmo que altere seu comportamento por um tempo. E esse equilíbrio só vai acontecer se você conseguir dosar o grau de determinação para realizar seus objetivos. Deseje, creia, busque e aja, mas nunca permita que o seu desejo consuma você, no caminho para alcançá-lo. Existe uma diferença exponencial entre ser e parecer um cisne negro. Saiba identificá-la. Sua sanidade vale muito mais do que uma plateia aplaudindo em pé. Nisso, você pode apostar.


28 Yellow Magazine | Junho/2011


Yellow Magazine | Junho/2011


Motor e Cia

C

omo um dos modelos mais populares da Chery em todo o mundo, o Chery QQ chega ao Brasil com seu estilo mini e muita simpatia para se tornar o compacto mais completo e com a melhor relação de custo-benefício do mercado automotivo brasileiro. O Chery QQ é o carro mais gracioso da marca e o mais vendido na China. QQ (sigla originada por seu significado em inglês, lê-se Quiu Quiu) em chinês significa objeto ou pessoa de muita graça, “fofo”, delicado. É assim que a Chery traduz o QQ, um carro supercompacto, “fofo” e perspicaz. No Brasil ele será chamado de “Que-quê”, remetendo ao som em português das suas letras. Com visual diferenciado e personalidade marcante, o Chery QQ traz conforto, qualidade e segurança por preço justo, competitivo, assim como os demais modelos da marca disponíveis no Brasil, além de oferecer economia no consumo de combustível e facilidade para estacionar.

DESIGN

Como se cumprimentasse com um sorriso, as suaves linhas do QQ apresentam uma moderna frente em forma de “U”. Além dos efeitos de beleza, o formato também aumenta eficazmente a visão frontal do motorista, contribuindo para melhor segurança na condução. Os faróis, em forma de gota d’água, integram elegantemente o capô do motor e parachoque dianteiro. Os traços externos apresentam-se em harmonia entre as linhas circulares e quadradas presentes no design do Chery QQ. Além disso, as proteções laterais, para-choques e retrovisores externos são da mesma cor do veículo. O design dos faróis traseiros com revestimento em arco torna a traseira do veículo mais atrativa, melhorando a legibilidade da direção traseira e reforçando os efeitos de aviso da direção lateral. O espelho retrovisor do Chery QQ também adota o design de superfície em arco para combinar com a carroceria do veículo. Mais do que um recurso estético e de bom gosto, economiza o espaço ao qual a chuva se instala por meio da combinação de superfície em curva e ar dinâmico, sem prejudicar a função do retrovisor. Além da modelagem das linhas suaves, a estrutura de design do QQ observa a teoria de ar dinâmico e reduz efetivamente o ruído e a resistência contra o vento, melhorando a estabilidade de direção em alta velocidade e a segurança. 32 Yellow Magazine | Junho/2011


33 Yellow Magazine | Junho/2011


Dados sobre o

SUICテ好IO

34 Yellow Magazine | Junho/2011


A guerra do fim do mundo Número de páginas: 608 Editora: Alfaquara Preço médio: R$ 72,90.

36 Yellow Magazine | Junho/2011


37 Yellow Magazine | Junho/2011


38 Yellow Magazine | Junho/2011


39 Yellow Magazine | Junho/2011


40 Yellow Magazine | Junho/2011


43 Yellow Magazine | Junho/2011


44 Yellow Magazine | Junho/2011


45 Yellow Magazine | Junho/2011


46 Yellow Magazine | Junho/2011


47 Yellow Magazine | Junho/2011


49 Yellow Magazine | Junho/2011


50 Yellow Magazine | Junho/2011


51 Yellow Magazine | Junho/2011


52 Yellow Magazine | Junho/2011


54 Yellow Magazine | Junho/2011


56 Yellow Magazine | Junho/2011


57 Yellow Magazine | Junho/2011


58 Yellow Magazine | Junho/2011


59 Yellow Magazine | Junho/2011


60 Yellow Magazine | Junho/2011


61 Yellow Magazine | Junho/2011


62 Yellow Magazine | Junho/2011


64 Yellow Magazine | Junho/2011


Yellow Magazine | Junho/2011


68 Yellow Magazine | Junho/2011


74 Yellow Magazine | Junho/2011


75 Yellow Magazine | Junho/2011


76 Yellow Magazine | Junho/2011


78 Yellow Magazine | Junho/2011


Veja a lista de músicas do jogo: Bad Beat It Billie Jean Black or White Blood on the Dance Floor Don’t Stop ‘Til You Get Enough Earth Song Ghosts Heal the World I Just Can’t Stop Loving You In the Closet Leave Me Alone Money Remember the Time

Rock With You Smooth Criminal Speed Demon Stranger In Moscow Streetwalker Sunset Driver The Girl Is Mine The Way You Make Me Feel They Don’t Care About Us Thriller Wanna Be Startin’ Somethin’ Who Is It Will You Be There Workin’ Day and Night


80 Yellow Magazine | Junho/2011


81 Yellow Magazine | Junho/2011


82 Yellow Magazine | Junho/2011


83 Yellow Magazine | Junho/2011


84 Yellow Magazine | Junho/2011


Yellow Magazine 54