Page 1

Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011 Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

FEIRA De 7 a 15/08 A EXPOAGRO MOVIMENTA SALVADOR ENTREVISTA cOM O SECRETÁRIO EDUARDO SEIXAS SALLES NEGÓCIOS cerca de seis mil animais em exposição


Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011

2

Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

O trabalho do homem do campo em destaque expoagro acontecce de 7 a 15 de agosto no parque de exposições de salvador provando bastante eficiente. “Este ano, vamos consolidar a união de todas as entidades de classes à frente da organização da Feira”, destacou Braga.

A 11ª edição da Expoagro vai oferecer, durante nove dias, a possibilidade de se conhecer mais o trabalho que o homem do campo baiano, e de outros estados, vem desenvolvendo com sucesso. Trabalho que responde hoje por 24% do PIB baiano. Serão seis mil animais e entre eles algumas raças que não estiveram presentes em outras edições. Negócios diretos, no valor R$ 40 milhões serão realizados. E muita diversão e entretenimento estarão disponíveis. A festa começa em 7 de agosto e segue até o dia 15, no Parque de Exposição de Salvador. Para Matheus Braga, presidente da Associação de Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador da Bahia (ACCMMB) e um dos organizadores do evento, a cada ano que passa mais a Feira vem ganhando em qualidade. “É um reflexo da qualidade crescente da produção do Estado, afinal a Bahia tem talento para ser um dos polos de produção agropecuária no Brasil, e vem mostrando isso”. Segundo Matheus Braga, um exemplo do crescimento do setor no Estado, pode ser dado pela melhoria da raça de cavalos que ele representa. “Na última exposição nacional da raça Mangalarga Marchador, de 160 animais premiados, 80 deles foram animais baianos, o que consolidou a Bahia como o primeiro Estado no ranking nacional”, comemora. Braga informa ainda que muitos desses animais estarão na Expoagro, juntamente com representantes de outros estados do Nordeste.

O modelo tem total apoio da Secretaria de Agricultura e Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia (Seagri) e é visto pelo secretário Eduardo Salles, como uma mudança positiva. “Esta forma de gestão tem dado mais independência e agilidade aos organizadores. Além disso, tem trazido um benefício para o setor agropecuário de extremo valor, que é a união entre as diversas entidades que representam os produtores e os criadores”.

Cerca de 200 mil visitantes são esperados na feira Além da exposição das raças, os cavalos serão atração em um esporte que pouco a pouco vem ganhando popularidade. O esporte, conhecido como Team Penning, testa a agilidade tanto dos animais como dos cavaleiros, através de provas funcionais, que recriam situações do trabalho de peões numa fazenda. O circuito, organizado pela Associação Baiana de Team Penning, vai premiar do primeiro ao décimo colocado. Segundo o presidente da associação, Marcos Azevedo, a expectativa é que cerca de 900 cavaleiros disputem os prêmios.

Entre os bovinos, a novidade fica por conta da presença de raças que não participaram da Feira do ano passado. São elas: Simental e Guzerá. Já os caprinos marcam presença, como têm feito nos últimos anos, para mostrar a melhoria das raças que vêm sendo trabalhadas no Estado. Outra atração, esta com grande poder de entretenimento para as crianças, será o 11º Circuito Baiano de Cães, promovido pelo Clube Baiano de Cinofilia. Para os pecuaristas, uma das maiores atrações são mesmo

os leilões, que são também os responsáveis por boa parte dos negócios fechados na Feira. Este ano, serão 16 ao todo, e neles serão negociados cavalos das raças Quarto de Milha e Mangalarga Marchador. Entre os bovinos, haverá leilões das raças Nelore, Girolando e Gir. Entre os caprinos, serão negociados animais das raças Santa Inês e Dorper. Novo modelo de gestão Os 200 mil visitantes esperados na Expoagro vão poder usufruir de uma Feira cujo modelo de gestão vem se

A a secretaria estará presente também com seus estandes. A Bahia Pesca, empresa vinculada à Seagri, exporá alguns resultados de seus trabalhos em busca da melhoria da pesca no Estado, como, por exemplo, as unidades demonstrativas de piscicultura em tanques-rede e os kits-marisqueira, dentre outros. Peixes e alevinos estarão expostos também no estande. A Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) estará realizando demonstrações técnicas da classificação de produtos de origem vegetal e seus subprodutos; através da instalação de uma horta vertical feita com garrafa plástica, adaptada ao ambiente urbano. Além disso, produtos de homeopatia animal, desenvolvidos pela empresa, estarão expostos.


Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011

3

Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

Celeiros do mundo

A Bahia é muito importante no processo de apoio à agricultura familiar

Entrevista com o secretário estadual de agricultura, Eduardo Seixas Salles O secretário da Agricultura, nessa entrevista ao Caderno Especial de A TARDE, traçou um panorama da agropecuária no Estado. Mostrando confiança no futuro, o engenheiro agrônomo Eduardo Seixas Salles acredita que, no momento, tem muito a celebrar, mas é prudente ao ponto de colocar o trabalho e a união de esforços como chaves para que a Bahia alcance o lugar de destaque para o qual tem todos os atributos naturais necessários.

Qual a situação atual do setor agropecuário na Bahia?

Qual a participação da Seagri na Expoagro?

Por ser engenheiro agrônomo e conhecer bem as necessidades do campo, posso dizer que estamos passando por um momento muito bom. Todos os nossos produtos estão se superando em qualidade e avançando nos mercados consumidores. A Bahia está se preparando, assim como o Brasil, para atender a uma demanda crescente de alimentos, o que está tornando o País e o Estado em celeiros do mundo.

A Secretaria participa financiando e dando apoio institucional. O financiamento já é previsto em seu orçamento, pois cumprimos uma política de investir nas feiras do Estado, por saber o quanto elas são importantes na geração de negócio e na disseminação de conhecimento técnico, importantes fatores de desenvolvimento do setor. Não participamos da organização, diretamente, por apoiarmos este novo modelo de gestão das grandes feiras estaduais. Hoje, a Expoagro, é gerida completamente pelas associações de criadores e sindicatos rurais. Nós os apoiamos em tudo que estiver ao alcance da Secretaria, mas acreditamos que esta forma de gestão, além de se mostrar mais eficiente, está tendo um efeito que veio ajudar muito o setor, que é a união das diversas entidades que representam os produtores.

Qual a importância de uma feira como a Expoagro? A Feira cumpre um papel importante de ser o ponto de união entre o homem do campo e o da cidade. O do campo tem uma importância muito grande em nossa sociedade. É ele quem produz nossos alimentos, quem gera, hoje, 24% do PIB do Estado. E muitos dos que vivem na cidade não conhecem este homem, e, por consequência, não reconhecem o seu valor. A Expoagro acaba cumprindo este papel.

O senhor tem anunciado um projeto de planejamento estratégico para os próximos

20 anos para a agropecuária baiana. Em que estágio está este projeto? Depois de um ano mantendo debate com 20 câmaras setoriais de cadeias produtivas, no qual mais de 800 pessoas foram envolvidas, conseguimos concluir um documento que já foi entregue ao governador. Agora, o trabalho é focalizar em cada cultura para se alcançar um planejamento mais segmentado, buscando pensar no futuro de cada produto, levantando questões sobre assistência técnica, crédito assistido, capacitação, pesquisa, agroindustrialização, dentre outras. Nos próximos dias, por exemplo, vamos nos reunir em Ituberá para começamos este trabalho junto aos produtores baianos de borracha. Quais são as prioridades da Seagri para os próximos anos? São duas: a agricultura familiar e a agroindustrialização. No próximo mês, será lançado o programa Inclusão Produtiva, do governo federal, que dará condições de manter

o microprodutor rural no campo. E a Bahia é muito importante nesse processo de apoio à agricultura familiar, pois temos o maior número de representantes deste segmento no País, cerca de 15% do total nacional. Já a agroindústria é uma das maiores carências do Estado. Temos o melhor algodão do Brasil, mas precisamos de um parque têxtil para aproveitá-lo. Somos o segundo produtor de laranja do País, mas compramos o suco de outros estados. Por isso é uma prioridade nossa. Perdemos com isso a chance de agregar valor ao que produzimos e de resolver a questão do êxodo rural com a criação de postos de trabalho no interior. Já obtivemos avanços, mas ainda há muito a se fazer. Qual das obras do PAC na Bahia causará mais impacto positivo na agropecuária local? Sem dúvida, a Ferrovia OesteLeste e o Porto Sul. Com elas, nos tornaremos muito mais competitivos. Como está a situação da

aftosa no Estado? Está sob controle e estamos nos encaminhando para melhorar ainda mais nosso status sanitário. Se tudo der certo, esperamos que, nos próximos três anos, passemos de zona livre, com vacinação, para zona livre, sem vacinação. Para alcançarmos este sonho dos pecuaristas baianos, dependemos da união de esforços entre o Ministério da Agricultura, da Secretaria estadual e dos pecuaristas, o que já está ocorrendo e dando frutos, mas há ainda muito trabalho a ser feito. A extinção da zona tampão, na fronteira com o Piauí, foi um passo importante. Na primeira etapa da campanha de vacinação deste ano, em maio, conseguimos vacinar 98% dos nossos animais. A novidade é que a partir da segunda etapa, que será iniciada no mês de novembro, apenas os animais com menos de 24 meses de vida vão necessitar da vacina. Com isso, deixam de ser vacinados cerca de 6,5 milhões de animais, o que representa também uma economia superior a R$ 10 milhões para os pecuaristas baianos.


Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011

4

Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

Exposição de animais é a principal vitrine Participar de um evento como este é o desejo da maioria dos criadores

*

Cerca de seis mil animais vão estar expostos durante a Expoagro. E participar de eventos de grande porte como este é o desejo de muitos criadores. Mas é uma atividade que requer investimentos e envolve logística bem planejada para o deslocamento do plantel de animais. Todo este esforço é superado com os resultados pós-evento. Além de fechar negócios bastante lucrativos, os expositores têm a grande chance de apresentar para o segmento a qualidade de seu rebanho, além da possibilidade de participar de julgamentos que conferem prêmios aos animais, tornando-os mais rentáveis comercialmente. Na avaliação de Paulo Falcão, presidente da Associação Baiana dos Criadores do Cavalo Campolina (ABCCC), a participação em um evento como a Expoagro permite ao criador divulgar a qualidade de seu rebanho. “Este ano, levaremos 120 animais para o evento. É aquém do que esperávamos, pois boa parte dos criadores está em Belo Horizonte para participar da exposição nacional da raça, já no início de setembro”, explica. Falcão destaca o crescimento da raça campolina na Bahia, seja por sua beleza zootécnica, qualidade de marcha ou funcionalidade “Essas qualidades ficaram evidenciadas na ExpoBahia, que começou em 10 de abril”. No evento, a entidade realizou a primeira exposição nacional itinerante campolina, com a participação de 400 animais e criadores baianos e de outros

A feira é uma boa oportunidade de negócio e de apresentação da qualidade dos rebanhos o presidente da entidade, Almir Lins, que comemora o desempenho do segmento em todo o País. “A caprinovinocultura está em uma fase boa. A arroba custa R$ 150 hoje, 50% a mais que a bovina”.

A raça santa inÊs é um dos destaques estados, como Alagoas, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro e Recife. Durante a Expoagro, a ABCCC vai realizar a primeira etapa da Copa de Marcha, cuja final acontece na Fenagro, em dezembro. As outras fases da Copa vão ser em Feira de Santana (setembro), Alagoinhas (outubro) e Inhambupe (novembro). O presidente da Associação Baiana dos Criadores de Mangalarga (ABCM), Beto Fachinetti, conta que a

entidade estará representada na exposição por 20 criadores e 50 animais da raça. “O Mangalarga, o cavalo de sela brasileiro, é considerado o melhor para quem pratica cavalgada. E a Bahia se configura hoje como o segundo polo de animais e criadores Mangalarga do Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo”. Representada por 70 expositores, a Associação de Caprinos e Ovinos da Bahia (Accoba) levará para a Expoagro em torno de 1,5 mil animais, conforme

Para Zilberto Peixoto, presidente da Associação Baiana dos Criadores de Nelore (ABCN), a Expoagro tem um significado ainda maior para a raça. “É bom para o ranking baiano e nacional. É a nossa exposição regional obrigatória”, diz. O ranking baiano contempla a pontuação de seis exposições: Vitória da Conquista, Itapetinga, ExpoBahia, ExpoFeira, Expoagro e Fenagro. Durante a Fenagro, o ranking baiano vai julgar mais de mil animais. Hoje, ele é liderado por Miguel Pinto, da Fazenda Jacurici, que está disputando

com Wilson Marques, da Fazenda Ouro Bahia, e Adroelza Limoeiro, da Fazenda Bombaí. O Núcleo Gir da Bahia deve contar com a presença de, pelo menos, 200 animais e 20 expositores durante o evento, inclusive de São Paulo e Minas Gerais. É o que estima Edvaldo Brito Filho, presidente da entidade, salientando que é a raça que mais produz leite a baixo custo. “Por isso, virou mania nacional, se adapta facilmente ao nosso clima tropical. A gente encontra espalhada por várias regiões do Estado”, observa. Pelo menos 250 animais da raça Mangalarga Marchador e 80 expositores da Bahia e de outros estados, como Pernambuco, Alagoas e Sergipe, também vão participar da Expoagro. Para Matheus Braga, presidente da Associação Baiana dos Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador (ACCMM), o evento vai possibilitar a troca de experiências entre criadores. “Mais que a oportunidade de comercializar animais, é o lugar de troca de conhecimento”. O cavalo Mangalarga Marchador vem se desenvolvendo consideravelmente na Bahia, que já possui mais de mil criadores. “Hoje, somos o segundo Estado em produção de equinos, ficando atrás apenas de Minas Gerais. Em termos do Mangalarga Marchador, somos o terceiro do Brasil em números de animais, perdendo apenas para o Rio e Minas”, afirma Braga.


Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011

5

Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

Leilões movimentaram até R$ 5 milhões Oportunidade: são ofertados os melhores animais de todas as raças Os leilões são uma das principais atrações dos eventos agropecuários. De 7 a 13 de agosto (domingo a sábado), eles vão movimentar as arenas da II Expoagro. Ao todo, serão realizados 11 leilões, atraindo um público estimado de 5 mil pessoas. De acordo com Rudivan Pinto, coordenador de leilões da Expoagro, são ofertados os melhores animais de todas as raças. A previsão de movimentação, segundo Pinto, é de R$ 5 milhões, com a venda de equinos, bovinos, caprinos e ovinos. “Esses leilões representam o tão esperado momento de os criadores mostrarem o que têm de melhor. E é, sem sombra de dúvida, muito mais rentável realizar um leilão em um evento como a Expoagro do que de forma independente. Afinal, aqui é uma vitrine, estarão criadores de várias regiões da Bahia e de outros estados do País”, assinala. A grande novidade para essa edição da exposição agropecuária é a realização do primeiro leilão africano, organizado por Almir Lins, presidente da Associação dos Caprinos e Ovinos da Bahia (Accoba). “Estarei comemorando 10 anos como criador de animais. Daí a ideia de promover um leilão”, revela Lins, que estima um faturamento da ordem de R$ 300 mil. O leilão, que terá duas raças de ovinos, a Santa Inês e Dorper, acontece das 20 às 2 horas, na Tatersal de Leilões do Bambuzal. E ele avisa: “Os 45 lotes

*

Novidade deste ano é a presença de duas raças de ovinos: Santa Inês e Dorper

que vão ser ofertados são premiados, com qualidade genética comprovada”. Os animais serão escolhidos durante a própria Expoagro, depois de serem avaliados por três dos mais rigorosos juízes do País. Inclusive, esses ovinos têm grande chance de ser premiados na exposição nacional da raça Santa Inês, que acontecerá no próximo mês de outubro, em Fortaleza. Bastante esperado também é o Leilão Novas Baianas, promovido pela Bahia Leilões e que será realizado das 20 às 2 horas do dia 9 de agosto, na sede da Associação Baiana dos Criadores de Nelore (ABCN). “Vão ser ofertados os melhores animais da raça, inclusive os mais premiados”, adianta Zilberto Peixoto, presidente da ABCN. Se depender dos criadores, vão ser levados para os

Serão realizados 11 leilões no evento deste ano leilões animais da melhor procedência, de qualidade comprovada. Aliás, as possibilidades de negócios se tornam promissoras e se multiplicam. É seguindo essa premissa que o Núcleo Gir da Bahia vai prover, no dia 10 de agosto, às 20 horas, o 2º leilão Mais Mania. No dia 12, sextafeira, no mesmo horário, o 3º leilão Gir Mania, promovido pela Morena Agro, do criador Augusto Andrade. “Na quarta-feira, vão ser ofertados 15 lotes com controle leiteiro oficial da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ). São filhos de touros provados em testes de

progene. Já na sexta, vamos ofertar de 25 a 35 lotes de excelente procedência e qualidade genética”, pontua Edvaldo Brito Filho, presidente do Núcleo Gir da Bahia.

é um criador tradicional, com referência e destaque em todo o Brasil”, frisa o presidente da Associação Mangalarga Marchador, Matheus Braga.

Para encerrar com chave de ouro, será realizado no dia 13, das 20 às 2 horas, na Tatersal de Leilões Tenda, o leilão que promete movimentar uma maior arrecadação, em torno de R$ 1 milhão. Promovido pela Fazenda Pau da Rola, do criador Arzênio Sampaio Barreto, contará com 45 lotes da raça Mangalarga Marchador, ofertando animais de altíssima qualidade genética. “Arzênio

Além destes leilões, a Associação Baiana dos Criadores de Cavalos de Passeio (ABCCPE) estará promovendo, no dia 9, um leilão com o intuito de captar recursos para a entidade. Os animais, como explica Rudivan Pinto, serão de raças distintas, a exemplo de caprinos, bovinos e equinos. “Em alguns casos, são ofertados até mesmo medicamentos e outros produtos para angariar verbas”, ressalva.


Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011

6

Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

Circuito baiano de cães Cães de diversas raças são apresentados e concorrem entre si

*

Duas especialidades integradas das raças Dobermann e American Staffordshire Terrier são as novidades

Quais as raças que podem participar? Todas as raças podem participar, nós não temos como prever com muita antecedência as raças e a quantidade de cães que serão inscritos, pois isso depende muito da campanha de cada cão (vale ressaltar que o rancking é nacional, geral e por raça) no momento. A única raça que não participa é o Pastor Alemão, pois esta raça tem uma federação à parte. Há novidades reservadas para a Expoagro? As novidades serão as duas especializadas integradas da raça Dobermann e American Staffordshire Terrier com árbitros especializados nestas raças que, acreditamos, deverá atrair criadores de todo o País, aumentando assim o número de cães no evento.

american Staffordshire terrier Você sabe o que significa cinofilia? Se você cria cães, não importa de que raça, então você é cinófilo, ou seja, você é criador destes animais que são apontados como “o melhor amigo do homem”. Quem quiser saber um pouco mais sobre esta atividade não pode perder, no dia 7 de agosto, a realização do 11º Circuito Baiano de Cães, dentro da programação da Expoagro. Segundo Maurício Penna, presidente do Clube Baiano de Cinofilia (CBC), a criação de cães na Bahia vem crescendo e se profissionalizando cada vez mais. Dados do CBC mostram que, em 2008, o Clube tinha 38 associados e, em 2010, este número subiu para 143. O Clube fornece toda orientação

para quem pretende se tornar um criador. Outras informações no site www.cbkc.org. Maurício Penna diz que os cães de pelo curto são os que mais se adaptam ao clima quente da Bahia. Até o momento, apenas duas raças são reconhecidas pela Federação Internacional de Cinofilia como genuinamente brasileiras: Fila Brasileiro e Terrier Brasileiro. O Buldogue Campeiro está em processo de reconhecimento. O Circuito Baiano de Cães teve uma etapa anterior, realizada em maio deste ano, com a participação de 143 cães. A expectativa é de superar este número na Expoagro. A

pontuação na Feira conta para o ranking nacional. Sobre o 11º Circuito Baiano de Cães, Maurício Penna concedeu a seguinte entrevista: O que é o Circuito Baiano de Cães? É a realização do conjunto de três exposições acontecendo simultaneamente, uma paralela à outra, onde cães de todas as raças e de diferentes partes do Brasil concorrem entre si em busca de primeiro lugar (Best in Show). Como são realizadas as competições? Primeiro, os cães disputam as classes (Filhote, Jovem, Inicial, Aberta, Campeonato, Grande

Campeonato) da mesma raça, depois são as finais de raça, cada raça pertence a um grupo (existem 11 grupos), após vencida a etapa dos grupos, eles vão para as finais, e é eleito o melhor cão por pista. O árbitro vai avaliar (na sua visão) o cão pelo seu fenótipo, genótipo diante do padrão de cada raça. O cão que mais se aproximar da perfeição (pela avaliação do árbitro) é considerado o melhor. Quando acontecem as competições? Acontecem durante todo o dia do evento, pois o tempo das exposições depende da quantidade de cães e classes que forem inscritas. Logo, não tem como precisar o tempo de julgamento.

Exposições Especializadas: 27ª Exposição Panamerica Especializada Integrada de Dobermann (Válida CBRD) - Érika Correa Hofmann Gatti (Brasil) 28ª Exposição Panamericana Especializada Integrada de American Staffordshire Terrier - Patricia Nemirovsky de Alsina (Argentina) 29ª Exposição Panamericana Ricardo Saldaña (México)

Serviço: Clube Baiano de Cinofilia, Salvador/BAHI, (71) 4102-0626, 3013-4931, 3365-0308, clubecbc@yahoo.com.br


Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011

7

Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

Esporte para cowboys Team Penning traz a mesma situação vivida pelos peões nas fazendas

*

As disputas da Expoagro fazem parte do calendário do Campeonato Baiano

Com o passar do tempo, o esporte se transformou em competição Quem já assistiu a um bom filme de western já deve ter visto a cena do cowboy que sai cavalgando em velocidade e, com uma corda, laça um boi. Mais do que uma boa cena de cinema, a prática se tornou um esporte praticado em vários países: o Team Penning (team = equipe/ pen = curral). Um esporte equestre, criado nos Estados Unidos, que procurou trazer para as pistas a mesma situação vivida pelos peões nas fazendas e

ranchos: apartar um lote de bois e confiná-los no curral. O esporte deriva de um trabalho muito antigo e necessário para a rotina de tratamento dos animais: separar o gado para dentro dos currais para a marcação, medicação, ou até transporte. Com o passar do tempo, o Team Penning se transformou em uma competição de ritmo acelerado e excitante que dá a uma equipe de três cavaleiros 120 segundos para separar

três bovinos numerados de um rebanho de 30, sendo 10 grupos de três bois numerados. Aqui no Brasil este tipo de esporte é praticado há cerca de sete anos, sendo mais forte em São Paulo e Minas Gerais, onde são realizadas várias competições do gênero envolvendo até duas mil equipes em cada prova. “Aqui na Bahia, temos cerca de 300 equipes”, afirma Marcos Sales, diretor da Associação Baiana de Team Penning.

Segundo Sales, os cavalos mais utilizados para este tipo de prova são Quarto de Milha ou misto desta raça. Na Expoagro 10 trios serão premiados e vão dividir uma quantia de R$15 mil. A competição é uma verdadeira corrida contra o relógio. Ganha quem conseguir fazer o menor tempo. No dia 10 de agosto, serão abertas as inscrições, a partir das 17h, após a realização de um leilão no Parque de Exposições. As provas serão realizadas de

11 a 14 de agosto em horários distintos. Na quinta e sextafeira, as disputas acontecem às 20h, no sábado e domingo, às 14h. Vale lembrar que de quinta-feira a sábado, as provas são classificatórias e no domingo acontece a grande final. “A novidade é que este ano criamos duas novas categorias: Amazonas e Iniciantes”, conta Sales. As disputas da Expoagro fazem parte do calendário do Campeonato Baiano. Depois da Feira serão realizadas mais três etapas: em setembro, Racho Umuarama, em Camaçari; em outubro, Haras EB, em São Gonçalo dos Campos; em novembro, a grande final aqui em Salvador, durante a Fenagro


Salvador, Bahia, 05 de Agosto de 2011

8

Este suplemento é parte integrante do Jornal A Tarde e não pode ser comercializado separadamente.

Hora de conhecer a bicharada Feira reúne atrações diversas que agradam as crianças

*

A feira de pequenos animais deve se tornar em um dos espaços mais visitados

Garotada urbana pode conferir de perto animais de fazenda De 6 a 14 de agosto, os bichos vão invadir o Parque de Exposições. É a Expoagro Bahia, Feira que além de movimentar o agronegócio no Estado é, também, uma ótima oportunidade para a meninada urbana ver de perto animais como cavalos, cabras, vacas, além de cãezinhos e gatinhos. “A programação de lazer é bem diversificada, atendendo a crianças de todas as faixas etárias. Temos passeio de pôneis e charretes, parque infantil do Tio Paulinho e parque com roda gigante, carro de autopista, entre outros brinquedos, para a diversão da

criançada. Além dos parques infantis, haverá uma feira de pequenos animais”, conta Mário Abreu, coordenador de Comunicação e Operações da Expoagro. A criançada também pode optar por passear pelas dependências do parque e observar o cotidiano dos bichos, como a hora do banho ou da alimentação. Mas sempre acompanhadas por algum adulto. Para meninos e meninas acostumados a brincar em playgrounds ou se divertir com a tela do computador, o contato

de perto com animais, que muitos nunca viram de perto, tem tudo para se tornar uma experiência inesquecível. Para Mário Abreu, a possibilidade de ficar em contato com a vida do campo é o que desperta o interesse do público infantil para este tipo de evento. “Conhecer mais sobre os animais que fazem parte da nossa cadeia alimentar, poder presenciar uma vaca ser ordenhada. Cenas que não são do cotidiano de crianças de uma grande cidade e que elas só veem pela TV”, diz.

A Feira de Pequenos Animais deve se tornar um dos espaços mais visitados. No local, a gurizada poderá apreciar os bichinhos, mas sem brincar com os mesmos. A boa notícia é que será realizada venda de filhotes, tanto de grande porte – vacas, cavalos, etc - como de mascotes, como cães, gatos, pássaros, hamster, coelhos e outros. “A essência do evento é exatamente essa, compra e venda de animais”, avalia Mário Abreu. Na hora que a fome apertar, os pais não precisam se preocupar. A Expoagro conta

com uma boa estrutura de alimentação, com restaurantes de comida típica regional, fast food, com sanduíches, pastéis, pizza, sorvete, além de ambulante com pipoca, algodão doce e outras guloseimas que a criançada adora. Este ano, além das opções de lazer para a criançada, haverá uma feira de artesanato promovida pela Secretaria de Ação Social da Prefeitura do Salvador, que serve como uma opção de lazer para os adultos. A Expoagro funcionará das 8h às 22h, com ingressos a R$ 5,00. Mas crianças menores de 12 anos acompanhadas pelo responsável têm acesso gratuito ao evento. Quem quiser mais informações sobre a Feira basta acessar www. expoagro-ba.com.br.

Expoagro  

Caderno especial sobre o setor do agronegócio (BA).

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you