Page 1


|4


Créditos: Direção: Érick Dias e Edson Bolinha Coordenação editorial e revisão: Guigo Monfrinato Projeto gráfico: Cristian Pereira Produção gráfica: Gráfica Vilhena |5


Estrelando:

GUI URBAN | TEYLOR SOARES

ARIEL MARTINI (I HATE FLASH) | CAUÊ DINIZ RICARDO REIS | RICARDO CAMARGO FABRIZIO PEPE (IMAGE DEALERS) | GUS BENKE EDER LEANDRO | JEAN FLANDERS | ALISSON DEMETRIO EDUARDO RIBEIRO | FABRÍCIO COELHO | RAPHAEL SINAPSE RENAN MARTINELLI | MICHEL WILL | JOSEMAR ALVES MARIO CHAVES | BRUNO MOOCA | LEO AZEVEDO | RENATA PABST AUGUSTO MESTIERI | GUILHERME RAMOS | LEANDRO QUARTIERMEISTER

|6


O Festival agradece

eternamente às marcas Fusion Energy Drink e Skol Beats, sem as quais este projeto não teria sido possível. Um obrigado também muito especial a todos os artistas, colaboradores, funcionários, fornecedores e órgãos públicos que dividiram com a gente nesses 20 anos a tarefa de refrescar a vida desse sofrido povo brasileiro com alguns momentos de alegria. Por fim, o nosso obrigado gigante a cada pessoa que já experimentou a XXX em algum episódio dessa jornada. O festival segue em sua missão de levar entretenimento de alta qualidade a quem estiver de mente e coração abertos, independentemente de raça, sexo, cor ou classe social.

|7


Escrever sobre a história de um evento que se tornou ícone da música eletrônica no Brasil é fácil. Mas é muito mais gostoso ver as imagens que mostram a evolução de tudo isso, desde um carregamento de gelo na lama para abastecer o bar até uma apresentação de um tal Armin van Buuren enlouquecendo uma multidão de fãs de maneira estarrecedora. Daí a ideia de um livro de fotos. Como disse o alemão D-Nox, “a XXXPERIENCE é a mãe de todos os festivais brasileiros”. Tudo começou com um ato de coragem e ousadia de um ex-dentista que resolveu trazer um novo formato de entretenimento ao país. Rica Amaral havia frequentado eventos do gênero dentro e fora do Brasil. E teve a felicidade de criar a sua própria festa, em um formato ainda muito intimista, somente para amigos, mas com um sabor que começava na explicação sobre o local: “em uma floresta a 15 minutos de sua casa”. O fato é que a química aconteceu e as festas a céu aberto caíram nas graças do público jovem. Não por uma questão simples de adesão à música ou a um evento em si. O buraco era muito mais embaixo. Existia um menu completo de valores, de positividade, de conexão com a natureza, de liberdade, de união, de paz, de respeito ao próximo e a tão oportuna fuga à realidade. Algo que os clubs não ofereciam.

|8


De 1996 a 2016, a chamada “cena brasileira” evoluiu na marra, sob todos os aspectos. Do lado de trás da cortina, os produtores precisavam quebrar tabus, romper barreiras de preconceitos, despertar desejo em novos entrantes, convencer patrocinadores, valorizar os artistas nacionais, brigar com a mídia sensacionalista e negociar bravamente com agentes internacionais. Mas na pixxxta... Ah, na pista tudo corria bem, como se pode testemunhar através do apurado trabalho de cobertura fotográfica nas próximas páginas. Essas duas décadas certamente trazem consigo uma infinidade de histórias de todas as espécies. Mas este livro se propõe a colocar o trabalho dos fotógrafos no topo do line-up, como verdadeiros headliners. Esses profissionais tiveram um papel essencial na construção da marca e esta obra é inteiramente dedicada a eles. Afinal de contas, uma imagem sempre vale mais do que mil palavras. Divirta-se! Experimente a vida sem moderação, pelo menos até a última página.

|9


6 9 19

da res lho ulo). e Pa o “M e” n e São v a d r rR ha lho sa”. elho al Fol “Me Feio). a ca : M ) “ u n o s l r e e Pau Rica io d o Jo s de uto rêm nista d São stas” ( n P i e . d io colu lo a”. 15 m lha e Fe Me l , Be do então l Fo utor d ta a s r a e dia do Lu a n r ( r n d B o o â o o l J o fl o r ( n r i n ã P e ” a , s b m a u n m alo sias no Ma trad er o ia, U mu are rika P éus iân ado “ Ilus romot o “e f M o t o e E G n t r m sta m , e 3t Noi or P cha ut e li dão o ev com Jor lugar s da “Melh deb jorna ria a e c o o r d l d um ra lho pla r” e a ndo pela pos ma “Me r Flye od tem clui ovido am ce em n o n aA C i o n c o , , i açã c i e s s s h t R l m é e a u m n e o õ é e in aco r pre trof CD mp ), “M ediç a”, p iro ” na e 4 maral , Ca rasília e 7: 4 strad e a a v 9 i b m l i a i 9 í B A r 1 lu R ras de urit ). up ica te I de m C dição m B ão” (R Noi leo e se Paulo e e c d t t ú e ç o u rN ebu evela São ent deb de: a elho R 8: D çam lha de ndo iosida M i n “ u a 199 e”, “DJ l l e o l Fo ud Cur , inc Rav com (Jorna ões caba. rofé t ç o i n o d ” e . 1 e Soro 5º a ada ulo ceb e 9: 1 seu Ilustr ” re ão Pa a 199 izonte e r c e t b n S Noi de cele erie Hor sta res da XXp l Folha e X f ave rna 0: a elho a “R no Jo 200 io “M z e m a v mino Prê um lo ais ka Pa M : i r 1 200 nista E colu

2 0 20 lico púb as. m o u be ess ece mil p r ” ave de 10 i no a “r kaz es. S m u e d nt vez eia segui r t ira s e s e e. ano prim 4, a hoj o 5 ar nos ela é t ã P r a . l a e ória Cas que fa nec os no hist ma , o r a P e a úsic uí. S i a p / r r m e e a a u t a d d ra p ue -se , on Roq e Ta ent ão gem q ndo ório d eda o S a a ã t ç t M em sona edi , jun rva na r be, cial Conse Are 50ª e ece um pe a p r : s l r E do o la ecia rasil, ção B nov Esp Edi o a m ã n u ç rt” Edi sta nce qui 61ª o n C A o : 3 lc “In ão 200 ecia taç Esp n e o s diçã pre aa AE : m 4 u z 200 i fa kaz S : 5 200

|10


6 0 0

2

co

úni

m mu

a co

X

eX

sd ano

a Xn

aed aM

n Are

es.

diçõ

0

, 10

co pal

e.

. bro

l em

cia spe

oE

diçã aE

ce. ran T %

em Nov

nge

eA

luv

ktro . Le r D ls,

had aS ook

eB

is,

r Har vin l a al: C stiv

ike &L u o fe s e d a b Veg ória ão rece itri raç ram 5 hist no) o. b b u m a a i e e a l l d D e n e m r ce uel to, rbo lho as c da ead icot room. naq de ca me sso lco eD l P e a o a o o p p s p r o i sh e il u o d Julh rinc missõ Ma ed Mu era . 0m oé m P , r d i 3 i i e k o e s e e t c o n s c pe as uns con Pal e Ja ve A Infe auí Qua do s as su je é itar alg oS Ste ol” do o io d o d s h d R i J l a ta e até ra c tod 7: O cho os D (ap Cos que re, pa 200 na os” ralizou m d “Old S p é t h l fi u u n a t b t o , eb line e Du J se igy neu os S 8: D rod um D o d stival xe o ojack l P u e 200 t e o e s de tr Th Afr “Ca ,of o 3D wtin, nda o, além : O o ano ã a 9 ç b i a 0 c ed hie H 20 sm xe a adis me ada ic trou n e Toc No s rroj Dyk, R o a an oor ma an e 15 van D 0: U aul v d 1 l 0 a r P 2 e ci ha, spe and Sas o E ell, S ã ç i Ed Halliw 1: A e 201 , Eddi e k i M

2

2 1 0

0 os 1

das

e 100

n eia estr

da isca a no ou r r a l a fi marc ma e nu uxava ano va s ra tta p o .O X”, an ntu dia ave id Gue undo m um the XX oca. l a e p g v iv is in na é est o se ada . Da , o f vento uren n l, apoi “Love ernet z e #1 t e v DJ ira as de an Bu festiva tema a a in o e o m v i o v ri 2 d min ina com tou l do ap Pel ada de ia e Ar visua resen já dom ora g a p e al, jorn eiro d tidad X16 a o que ada stiv n X m jorn o fe prim va ide . O #X ateris a d o r um es alco a n marca a ao h pla Dragõ o op a t m o s e g a up t s in po lo rn con ale do no Re o lineres eto a i r r m l i r l V o e . e ega and elo ero que dw gy, ando p até ch s. Pux y Rom Har . o : l i 3 ) r ick XT ano ass 201 laneta 015 -up p #XX gia”, p jos (2 os 20 ack e N a do e line an, a d j a s o ç o m e r m e f ã D u a ç A m al ara s: Ard riati, : Co inho d tal dos elebra deses p 4 1 s o treia Cap 20 “cam Por ra a c olan áre s h o m p itas e Joseph am pelo 4), pel 16) pa m os a r o u a v , 1 f 0 v o m 0 2 l o ( b sta ta (2 s nã uren e n Dia que e gico X18 es o i á a o u M e r an B de, D leiros #XX de v a si do esta Armin , Upgr 2 bra p . m e i y e Je ed nize 5: t o re 201 tinha haram renzy Illusio F S e que tone, e, Kill eleiro z p p a a Cl ny D : Cha o Dan odind l p ex

m Kro

6 1 20 o, bol do os a j n e cer 0A é a Tour 2 e as 0 X2 , a“ orr #XX uanto ” perc Alegre , l i q o en Bras Port izonte . r o Pel des de elo Ho aneiro a B de J cid tiba, i Rio r e u C sília Bra

|11


|12


|13


Harmonia

A indissociável relação rave-natureza permitiu à XXXPERIENCE estabelecer um valor que viria a ser espontaneamente praticado por seus frequentadores: o devido respeito à mãe natureza. Esta fotografia de Gui Urban traduz essa relação com muita propriedade.

|14


|15


|16


Como chegar? É inegável que a aventura por encontrar o local do evento excitava os fãs. Esse espírito aventureiro rendia uma boa carga de adrenalina. Em uma época pré-GPS, sem aplicativos como Waze, a chegada ao local era fortemente celebrada quando tinha êxito. Mas nem sempre tinha, verdade seja dita. |17


1996 2001 Do nascimento aos primeiros passos...

|18


E a cena eletrĂ´nica no Brasil jamais seria a mesma.

|19


Natureza

o ingrediente essencial das primeiras ediçþes.

|20


Guaratuba, Paranรก, 2000 Arquivo Pessoal

|21


Rica Amaral, Sorocaba, 1999 Teylor Soares

|24


Casarão 54, Edição Especial, 2001 Teylor Soares e Michel Will

Casarão 54, Bolinha, Dimitri Avonts, Edição Especial, 2001 Teylor Soares

|25


2002 2007 O “boom”...

|36


A “XXX” (como é carinhosamente chamada até hoje) foi a grande protagonista desse movimento que varreu o Brasil e que gerou discussões até em programas de televisão, como o de Lobão, na MTV.

|37


|38


Yasser Hanzi, Rica Amaral, Feio, Campinas, 2002 Teylor Soares

|39


Ah,se esse lago falasse... o Hotel Fazenda Quatro Estações vai deixar saudades! As edições em Campinas marcaram época.

Campinas, 2005 Teylor Soares

|54


|55


Tive muitas alegrias

tocando na XXX por todo o Brasil, lembro de muitas edições. Mas a XXX 2006 em Campinas eu posso dizer que mudou a minha vida e também os rumos da festa, que até então era voltada somente ao Psytrance. Viktor Mora

|62


Campinas, 2006 Teylor Soares

|63


Eskimo

foi um dos primeiros DJs na história da XXX a ganhar status de estrela, mesmo quando o line-up ainda era considerado “roots”. Nesta foto, o britânico levantou poeira às 13h30 de um domingo. Quantos graus de sensação térmica você daria para a ocasião?

|72


Edição Especial 10 anos, 2006 Teylor Soares

|73


2008 2010 A transformação...

|82


Era hora de dar um passo adiante. E tudo começou com a Edição Especial de 12 anos, com a escalação de Deadmau5 para o palco principal. Como toda mudança gera desconforto, aqui os idealistas naturalmente torceram o nariz. Mas o que viria a seguir valeria cada xingamento nas redes sociais. Em um gradativo processo de transformação, deixando de ser uma simples festa para se tornar um verdadeiro festival, a XXXPERIENCE consolidou essa metamorfose em 2010, com um line-up que até hoje é considerado o melhor de sua história.

|83


|86


Foto aĂŠrea, Itu, #XXX12, 2008 Ricardo Camargo

|87


|95


#XXXFan como vocĂŞ expressa seu amor pelos festivais?

BH, 2008 Raphael Sinapse

|96


Céu azul é a base de qualquer cenografia.

Itu, #XXX12, 2008 Ricardo Camargo

|104


|105


Boris Brejcha, Curitiba, 2010 Eduardo Ribeiro

|124


|125


Calvin Harris

antes dos sucessos “Summer”, “Blame” e “How Deep Is Your Love”.

#XXX14, 2010 Cauê Diniz

|146


|147


Paul van Dyk lenda viva do Trance europeu, encerrou uma Edição Especial que até hoje é comentada por ter apresentado o melhor line-up de todos os tempos.

#XXX14, 2010 Cauê Diniz

|148


|149


2011 2016 Yes, we can...

|150


A celebração de 15 anos com a banda britânica The Prodigy; A chegada de “big names” como David Guetta, Armin van Buuren e Hardwell; o resgate da força do Trance; a intervenção do grafiteiro brasileiro Cranio; o retorno de Skazi; a trilogia pelo caminho da magia; e a “Tour 20 Anos Pelo Brasil”. Este último capítulo certamente reserva as melhores imagens. Experimente!

|151


CauĂŞ Diniz

|152


15 anos de festival.

|153


Smack My Bitch Up

a maior banda da história da música eletrônica finalmente chega ao palco do festival, e com um show estarrecedor. Os fãs de Prodigy jamais se esquecerão do #XXX15.

|154


The Prodigy, #XXX15, 2011 CauĂŞ Diniz

|155


Emocionado

Neelix parecia não acreditar no que via. A expressão do produtor alemão revela uma época de ouro para o Progressive Trance no Brasil.

|172


Curitiba, 2012 Renata Pabst

|173


#XXX16, 2012 I Hate Flash

|184


#XXX16, 2012 I Hate Flash

|185


Hardwell, #XXX16, 2012 I Hate Flash

Love Stage, #XXX16, 2012 Ariel Martini

|188


David Guetta, #XXX16, 2012 I Hate Flash

|189


Stephan Bodzin, Curitiba, 2013 I Hate Flash

Curitiba, 2013 I Hate Flash

|198


Amine Edge & Dance, #XXX17, 2013 I Hate Flash

Hardwell, #XXX17, 2013 Gui Urban

|199


|208


Encerramento do Love Stage com Viktor Mora, 2014 Gui Urban

|209


O caminho para o love stage

por esta pequena ponte passaram, neste ano: Afrojack, Nicky Romero, Oliver Heldens, Arty, Vinai, Bobby Burns, Viktor Mora, Kickstarts, WAO e Tom Keller.

|214


#XXX18, 2014 Gui Urban

|215


|220


Union Stage, Curitiba, 2015 Gui Urban

|221


Quem ĂŠ rei

nunca perde a majestade: Armin van Buuren abraçou nosso Love Stage.

#XXX19, 2015 Gui Urban

|228


|229


/ XXX 2015

#XXX19, 2015

Gui Urban

Quero parar mas não consigo, quero parar mas não consigo...

|248


|249


Se você já foi a alguma edição de XXXPERIENCE ao longo de sua vida, esta é uma obra do tipo obrigatória, que reúne artistas do mais alto gabarito dos dois lados do jogo. Este livro de fotos se propõe a contar a história do festival mais tradicional da música eletrônica brasileira pelas lentes dos principais fotógrafos que já passaram pelo evento. Aprecie registros históricos de uma jornada de amor e resistência, marcada pelos valores que permeiam até hoje nas pistas do festival: paz, liberdade, união e respeito, tendo sempre a natureza não apenas como um pano de fundo, mas como a grande mãe de cada celebração. Experimente!

|250

Photobook preview: "20 Anos Pelo Brasil"  

Experimente o preview online do Photobook que registra as melhores imagens desses 20 anos de XXXPERIENCE Festival!

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you