__MAIN_TEXT__

Page 1

DA FORMA À DISTINÇÃO PROPOSTA CURATORIAL PARA A XII BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO


xii bienal internacional de arquitetura são paulo

DA FORMA À DISTINÇÃO PROPOSTA CURATORIAL PARA A XII BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

Diego Fagundes / Erica Mattos / Paula Franchi / Romullo Baratto 2018

1


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Resumo “Draw a distinction”... a ação de desenhar a distinção, segundo o filósofo e matemático inglês George Spencer-Brown, gera toda e qualquer possibilidade de percepção. Conhecer e agir sobre o mundo implica em identificar naquilo que é inicialmente amorfo, indiferenciado, algo particular, individualizado. Conhecer o mundo é um processo ativo de construção da nossa realidade. Assim, paredes, muros, fronteiras, leis e políticas são algumas das distinções com as quais a Arquitetura trabalha, mas certamente não são as únicas. A própria definição do campo, da profissão e de seus discursos - o que está dentro de seus limites e o que é mantido fora - é carregado de intenções e valores. Portanto, pensar a XII Bienal de Arquitetura de São Paulo, nesse sentido, supera a tarefa de apresentar a produção realizada por arquitetos e urbanistas, trata-se de uma oportunidade rara para se repensar a natureza do campo disciplinar com suas regras, seus limites e modos de ser. “Da forma à distinção” é o tema escolhido como mote para promover debates e enfrentamentos, tensionar os limites das construções históricas que regem o campo da arquitetura e definem a imagem do arquiteto frente à sociedade.

2


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Tema: Da forma à distinção

Gordon Matta-Clark Splitting - 1974 “Construction: Draw a distinction.” - Spencer- Brown “Tudo que não invento é falso.” - Manoel de Barros

Desenhar a distinção1, segundo o matemático e filósofo inglês George Spencer-Brown é um processo formal sobre o qual se assenta toda e qualquer possibilidade de percepção. Separamos e organizamos para podermos lidar com a complexidade do mundo e, assim, toda distinção é em última instância a construção de uma realidade uma elaboração histórica e cultural - como a linha que desenha um círculo em uma folha em branco e com ele fazer surgir o dentro, o fora e - talvez o mais importante - o limite comum entre ambos. O traço que marca tudo aquilo que é, faz surgir também sua contraparte, tudo aquilo que não é. Com o sim nasce o não - e a estabilidade desse par é assegurada pela linha. Paredes, muros, fronteiras e leis são algumas das distinções com as quais a Arquitetura trabalha, mas não são as únicas. A própria definição do campo, da profissão e de seus discursos - o que está dentro de seus limites e o que é mantido fora, é carregado de intenções e valores. Iluminar esse traços que são construídos e reconstruídos cotidianamente nos possibilita encarar o que valorizamos e questionar porque distinguimos em primeiro lugar. Pensar uma exposição com o alcance e a importância da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo, nesse sentido, deve ir além de simplesmente reapresentar categorias já postas e há muito consolidadas. Trata-se de uma oportunidade única, frente ao nosso contexto, para repensar a natureza do próprio campo disciplinar, com suas regras, seus limites e modos de ser. Nesse sentido, a proposta curatorial batizada como “Da forma à distinção” trabalhará com uma noção de projetar que tensiona os limites das concepções e dos conhecimentos validados e

1

“Draw a distinction” in: Spencer Brown, G. 1979. ​Laws of form​. New York: Dutton.

3


xii bienal internacional de arquitetura são paulo propagados pelo nosso campo profissional, buscando não a celebração de produtos cristalizados e finalizados, mas sim a construção de um processo crítico, democrático, aberto à cidade e acima de tudo, acessível a todos os que dela desejam participar.

Núcleo temático O tema “Da forma à distinção” é tomado aqui como núcleo gerador a partir do qual irradiam uma série de eixos, cada um deles sendo a representação de algum meio onde distinções são colocadas, difundidas e confrontadas. Ainda que a proposta para a exposição da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo seja concentrada em um único espaço expositivo e sua espacialização dependa da escolha futura por um local e de projeto expográfico específico, cada eixo deverá se fazer presente em alguma medida.

Dos eixos e suas interseções As linhas estruturantes associadas ao tema remetem à intenção da curadoria de valorizar e estimular uma diversidade representativa da prática arquitetônica contemporânea. Assim, cada abordagem se constrói a partir dos diferentes meios que vêm produzindo e recriando dinamicamente e continuamente o campo. Esses agrupamentos tornam possível reunir trabalhos e experiências pelas características de suas mediações consideradas também relevantes enquanto conteúdo-mensagem. A divisão não convencional para mostras de arquitetura procura dar destaque ao próprio tema - e chamar atenção para a diversidade e a amplitude da produção atual, tanto em escala local, quanto global. Como estratégia para a formalização dessa intenção propomos a seguinte estrutura: 1. O discurso da fala - Promoção de debates e palestras abertas ao público, realização de entrevistas e registros sonoros digitais (produção de podcasts) a serem disponibilizados via internet de acordo com o plano de comunicação. Além disso, pretende-se também que o eixo acomode outras formas de diálogo como as oficinas e ações direcionadas a públicos e contextos específicos. 2. A linha impressa - Sobre o discurso impresso e suas variantes. Neste eixo seriam reunidas - via processo curatorial e chamada aberta para envios - produções impressas (livros, revistas, HQ’s, zines, cartilhas e manuais) contemporâneas, internacionais e nacionais, de relevância para os diversos tópicos em discussão no campo da arquitetura. Prevê-se a formação de um acervo aberto à visitação durante o período do evento como um espaço de leitura, estudo e pesquisa. Fazem parte desse eixo também estratégias adotadas na própria produção do evento, como a produção de banners, outdoors e peças gráficas, bem como sua divulgação no espaço urbano, contando com a participação de artistas gráficos, além da produção do catálogo do evento como importante registro e síntese do processo. 3. Os limites no espaço - Sobre paredes, muros, abrigos, cidades, objetos e fronteiras. Neste eixo, pretende-se explorar as repercussões dos limites físicos e políticos construídos ou impostos que determinam e constrangem nossa experiência no espaço. Os elementos aqui reunidos deverão se 4


xii bienal internacional de arquitetura são paulo destacar por seu caráter material, abrangendo protótipos, instalações, objetos, artefatos e dispositivos espacializados. 4. Tempo, imagem e som em movimento - Este eixo busca dar visibilidade à produção audiovisual sobre o campo da arquitetura abrangendo registros históricos, documentários, filmes e vídeos que tenham como temática a cidade, o espaço arquitetônico e suas dinâmicas e distinções. As obras reunidas aqui serão exibidas continuamente e em sessões especiais com posterior discussão. 5. Interatividade e digitalidade - ​Este eixo propõe repensar a própria natureza da mostra, deslocando o foco tradicionalmente centrado em uma contemplação passiva para a experiência ativa da interação com o público. A partir de meios e dispositivos digitais pretende-se a construção de experiências interativas com a utilização de recursos de realidade virtual e realidade aumentada, além de jogos (digitais e analógicos) que possam expandir o espaço físico da exposição. Como parte dessa estratégia prevê-se que o próprio site da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo funcione não apenas como um recurso de divulgação e registro do evento, mas como um ambiente virtual para a experimentação, ampliando a experiência da exposição a quem não puder ter acesso direto a ela. Além disso, tais experimentos digitais podem servir como possibilidade de incorporar a participação de arquitetos e grupos internacionais convidados a conceber e a realizar tais espaços.

Palestras, debates, oficinas e ações Ciclo de Palestras Um ciclo de palestras será realizado durante o período da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo. Os temas escolhidos deverão entrar em conversação com o tema central do evento, ampliando o diálogo e promovendo visões distintas e por vezes contrastantes. Entre alguns dos tópicos tratados e seus respectivos convidados, a equipe curatorial sugere os seguintes nomes: . Arquitetura Queer, sexualidade e corpo - Andrés Jaque (Espanha) Diretor do Advanced Architectural Design Program na Columbia University e fundador do Office for Political Innovation. . Arquitetura escrita - Ethel Baraona Pohl e César Reyes Nájera (Espanha), editores, críticos e curadores, fundadores do dpr Barcelona. . Fronteiras políticas e conflitos espaciais - Léopold Lambert (França), escritor, editor da The Funambulist Magazine. . Produção contemporânea em arquitetura - James Taylor-Foster (Reino Unido), escritor, editor e curador de arquitetura contemporânea e design no ArkDes, Swedish Centre for Architecture and Design.

5


xii bienal internacional de arquitetura são paulo . Tensões e diálogos no digital - Giselle Beigelman (Brasil), artista, curadora e professora, membro do Laboratório para OUTROS Urbanismos (FAUUSP) e do Interdisciplinary Laboratory Image Knowledge – Humboldt-Universität zu Berlin.

Debates Além do ciclo de palestras, serão realizados ao menos dois debates para a promoção de diálogos e transversalidades entre diferentes ramos da produção do espaço. O foco será direcionado aqui para a diversidade das práticas espaciais envolvendo a participação de arquitetos, coletivos, artistas, ativistas e entidades organizadas. O objetivo aqui é enfatizar a multiplicidade de práticas que tangenciam e penetram o campo de distinções que tratamos oficialmente por arquitetura e urbanismo, revelando, assim, que a cidade, como bem comum, é de interesse de muitos.

Ações e Oficinas As ações e as oficinas propostas para a XII Bienal de Arquitetura de São Paulo têm por objetivo formalizar aspectos da discussão conceitual pertinente ao tema. Ou seja, ampliar o espectro das possibilidades de atuação sobre o espaço, promovendo a troca de conhecimentos, técnicas e recursos entre profissionais e leigos. Como ação, propomos o ​Laboratório de espacialidades​, ponto de atendimento sobre questões ligadas ao espaço construído, privado e coletivo. O laboratório será constituído como uma estrutura técnica (com a participação de arquitetos e estudantes) a fim de prestar assessoria técnica ao público, promovendo a redução na formalidade, a ampliação do acesso ao trabalho técnico e a construção conjunta de soluções. Esta ação se desenvolverá durante o período de realização da Bienal em espaço ainda a ser definido.

Contexto urbano e espacialização da proposta Bienais de arquitetura oferecem ricas possibilidades de discussão do espaço urbano e a XII Bienal de Arquitetura de São Paulo objetiva tomar proveito dessa característica para debater o momento crítico que vive a cidade e, num panorama mais amplo, boa parte das grandes cidades do mundo. Questões como identidade, fronteiras, conflitos, gênero e política são, de certa forma, condensadas nas cidades e, portanto, encontram na densidade e diversidade do espaço urbano um fator catalizante. A XII Bienal se concentrará em um lugar central caracterizado pelo cruzamento de fluxos e presença de conflitos. Tensões estabelecidas pela diferença entre pessoas são o que constitui a cidade - e os lugares em que isso ocorre de maneira mais visível serão procurados nessa XII Bienal.

De possíveis espaços Embora sem a intenção de definir lugares específicos, sugere-se:

6


xii bienal internacional de arquitetura são paulo . Biblioteca Mário de Andrade . Praça das Artes . Casa do Povo . Pinacoteca . Sesc 24 de maio . Casa das Caldeiras

O público Em busca de diversidade e conflito, a XII Bienal pretende atingir pessoas de dentro e fora do campo da arquitetura, leigos e especialistas, acreditando que (i) essa distinção enriquece o debate sobre temas relevantes à arquitetura e (ii) contribui com a tarefa de tornar menos hermética a discussão da arquitetura, democratizando-a em alguma medida. Esta ambição se reflete no plano de comunicação previsto para o evento, que além de mirar em veículos especializados, busca atingir também meios de maior abrangência acessados pelo público geral. Jornais impressos e banners colocados em lugares e momentos estratégicos fazem parte do conjunto de ações para engajar a população sobre a XII Bienal e sua programação.

7


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Cronograma de fluxo de trabalho O processo de realização da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo se prolongará por 17 meses, de agosto de 2018 a dezembro de 2019, e os principais marcos deste decurso ocorrerão de acordo com o seguinte cronograma: 2018 AGO SET

OUT NOV DEZ

2019 JAN

FEV

MAR ABR

MAI

JUN

JUL

AGO SET

OUT NOV DEZ

Lançamento do website Lançamento da conta no instagram Início da divulgação em sites parceiros Organização dos núcleos da XII Bienal Concurso identidade visual Lançamento de teasers Início da divulgação no youtube Início da divulgação em jornais impressos Lançamento do catálogo online Abertura da exposição Palestra Arquitetura Queer Palestra Arquitetura escrita Palestra Fronteiras políticas Palestra Produção contemporânea Palestra Diálogos no digital Debates Oficinas e ações Encerramento da exposição

8


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Cronograma físico-financeiro Partindo do orçamento definido no edital para a realização do evento (R$ 800 mil), dividimos os custos operacionais em quatro instâncias - pré-produção, produção/execução, divulgação e despesas administrativas fracionadas de acordo com o cronograma físico-financeiro a seguir: ITEM Custos de pré-produção

2018/2019

ago-dez 2018

jan-abr 2019

mai-ago 2019

set-dez 2019

R$270.000

Núcleo de curadoria

R$ 50.000,00

R$ 12.500,00

R$ 12.500,00

R$ 12.500,00

Núcleo editorial e pesquisa

R$ 40.000,00

R$ 15.000,00

R$ 15.000,00

R$ 10.000,00

Núcleo expográfico

R$ 50.000,00

R$ 20.000,00

R$ 20.000,00

R$ 10.000,00

Núcleo de design gráfico

R$ 40.000,00

R$ 15.000,00

R$ 15.000,00

R$ 10.000,00

Produção

R$ 80.000,00

R$ 20.000,00

R$ 20.000,00

R$ 20.000,00

R$ 20.000,00

R$ 10.000,00

R$ 30.000,00

R$ 20.000,00

R$ 150.000,00

R$ 60.000,00

Custos de produção/execução Material gráfico Expografia

R$ 12.500,00

R$410.000 R$ 60.000,00 R$ 210.000,00

Equipamentos

R$ 20.000,00

R$ 20.000,00

Deslocamentos / passagens

R$ 15.000,00

R$ 15.000,00

Montagem/desmontagem

R$ 65.000,00

R$ 65.000,00

Hospedagem para palestrantes

R$ 10.000,00

R$ 10.000,00

Transporte materiais

R$ 30.000,00

Custos de divulgação

R$50.000

Assessoria de imprensa Gerenciamento redes sociais Registros em foto e vídeo

R$ 15.000,00

R$ 20.000,00

R$ 5.000,00

R$ 5.000,00

R$ 5.000,00

R$ 5.000,00

R$ 4.000,00

R$ 1.000,00

R$ 1.000,00

R$ 1.000,00

R$ 1.000,00

R$ 15.000,00

Website

R$ 8.000,00

Tradução simultânea

R$ 3.000,00

Custos administrativos

R$ 15.000,00

R$ 15.000,00 R$ 2.000,00

R$ 2.000,00

R$ 2.000,00

R$ 2.000,00 R$ 3.000,00

R$70.000

Assessoria jurídica

R$ 18.000,00

R$ 4.500,00

R$ 4.500,00

R$ 4.500,00

R$ 4.500,00

Assessoria contábil-financeira

R$ 20.000,00

R$ 5.000,00

R$ 5.000,00

R$ 5.000,00

R$ 5.000,00

Seguros

R$ 25.000,00

R$ 15.000,00

R$ 10.000,00

R$ 2.000,00

R$ 1.000,00

Custos de Escritório

Receita total

R$ 7.000,00

R$ 2.000,00

R$ 2.000,00

R$800.000

9


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Estrutura organizacional da equipe A estrutura organizacional da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo será encabeçada pela equipe curatorial e pelos representantes da diretoria do IABsp. Estas duas instâncias, juntas, serão responsáveis pela articulação dos demais núcleos - editorial, pesquisa, design, expografia e comunicação. Haverá ainda um núcleo de produção, definido pela diretoria do IABsp e pela equipe curatorial, responsável por viabilizar o resultado dos esforços dos núcleos mencionados acima, isto é, a comunicação do evento de acordo com o plano de comunicação, a realização dos debates, palestras, workshops, o catálogo e a própria exposição. A equipe se organizará segundo este esquema:

10


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Plano de divulgação e comunicação O Plano de Comunicação da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo terá início no mês de agosto de 2018, logo após o anúncio do resultado do Concurso de Curadoria organizado pelo IABsp, pouco mais de doze meses antes da realização do evento. A equipe de curadoria da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo, juntamente com a diretoria do IABsp, se responsabilizarão pela contratação de uma equipe de Assessoria de Comunicação, que ao ficará responsável por colocar em marcha e, quando necessário, adaptar a estratégia de comunicação do evento. O Plano de Comunicação abrange o período de agosto de 2018 a dezembro de 2019, totalizando 17 meses, e será composto pelas seguintes ações: Concurso para identidade visual da Bienal Realização de um concurso nacional para a escolha da identidade visual da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo abrangendo a criação de: logomarca e cartaz oficial. Website Criação de um website oficial da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo que abrigará todas as informações e notícias sobre o evento, da proposta conceitual à programação e, iniciado o evento, também os registros das palestras e debates. Newsletter E-mails enviados à base de contatos e interessados a receber informações referentes à programação da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo. A frequência dos e-mails variará de acordo com a proximidade do início do evento; nos primeiros meses será semanal e, nos dois meses que antecedem a abertura da XII Bienal, passarão a ser enviados semanalmente. Perfil no Instagram e Facebook Criação de um perfil no Instagram e Facebook para a divulgação imediata de assuntos relacionado à XII Bienal e sua programação, bem como a transmissão ao vivo dos debates e palestras através do IGTV. Publicações selecionadas serão veiculadas como anúncios segundo orçamento previamente estipulado. Divulgação online em websites parceiros Divulgação do anúncio da equipe de curadoria e, posteriormente, da programação da XII Bienal em websites parceiros. Anúncio no Youtube Compra de propaganda no Youtube. Produção de vídeos de poucos segundos a serem associados à conteúdos relacionados à arquitetura, espaço público, design e afins.

11


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Teasers Vídeos de curta duração usados para apresentar tanto a proposta da XII Bienal como sua programação. Poderão ser veiculados em diferentes meios, como Newsletter, Instagram, Facebook, websites parceiros e anúncios no Youtube. Anúncio em jornal impresso Visando o público não especializado, as maiores atrações da programação da XII Bienal serão divulgadas nos jornais impressos de maior circulação em São Paulo. Banner impresso em locais da cidade Peças gráficas de dimensão 2m x 1m serão expostas em locais estratégicos de grande movimentação na cidade de São Paulo. Kit de ecobag, papel timbrado, adesivo e marca páginas Sacolas de tecido estampadas com o logotipo da XII Bienal contendo adesivos, marca páginas e papel timbrado. Serão disponibilizadas gratuitamente na entrada da exposição. Pretende-se também elaborar carimbos para a customização de material.

Cronograma de comunicação 2018 AÇÃO

AGO

SET

OUT

2019 NOV

DEZ

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

diária

diária

diária

diária

diária

Website Newsletter

semanal semanal semanal semanal semanal semanal semanal semanal semanal semanal semanal diária

transmis transmis transmis transmis sões sões sões sões

Perfil no Instagram Concurso identidade visual Websites parceiros

início mensal

mensal

final mensal

mensal

mensal

mensal

mensal

mensal

mensal

mensal

mensal

semanal semanal semanal semanal semanal semanal

Anúncio no Youtube Teasers Anúncio em jornal impresso Banner impresso Kit de ecobag

12


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Currículo dos membros da equipe DIEGO FAGUNDES DA SILVA SOBRE Diego Fagundes (1985) é ilustrador, arquiteto e pesquisador brasileiro residente em Belo Horizonte, MG. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, é atualmente doutorando pela Universidade Federal de Minas Gerais com pesquisa que investiga as relações entre arquitetura, cibernética, interatividade e jogos digitais. Através do estúdio de arquitetura e design ​Nimbu desenvolve desde 2010 projetos colaborativos, cenografias e intervenções interativas. Foi um dos fundadores do hackerspace brasileiro Tarrafa Hacker Clube, em Florianópolis, SC.

PRODUÇÃO SELECIONADA 2017 - Participação na 11ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo com o projeto e a oficina Micro-Arquiteturas e Outros Manifestos Espaciais. 2011 - Exposição individual Precisão Poética. NaCasa Coletivo Artístico - Florianópolis, SC. 2009 - Exposição individual Tragédia Misturada ao Nada. Galeria de Arte da Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis, SC.

PUBLICAÇÕES SELECIONADAS Diego Fagundes. "Micro-utopias: Notas sobre radical e critical design" 16 Set 2016. ArchDaily Brasil. Acessado 4 Jul 2018. <https://www.archdaily.com.br/br/795341/micro-utopias-notas-sobre-radical-e-critical-design> ISSN 0719-8906 Diego Fagundes. "Micro-utopias: Can you see me Now? Dos jogos e da liberdade" 16 Ago 2016. ArchDaily Brasil. Acessado. <https://www.archdaily.com.br/br/793401/micro-utopias-can-you-see-me-now-dos-jogos-e-da-liberdade> ISSN 0719-8906 Diego Fagundes. "Pokémon Go - Jogos pervasivos e espaços urbanos ampliados / Diego Fagundes" 21 Jul 2016. ArchDaily Brasil. Acessado. <https://www.archdaily.com.br/br/791775/pokemon-go-jogos-pervasivos-e-espacos-urbanos-ampliados-diego-fa gundes> ISSN 0719-8906

13


xii bienal internacional de arquitetura são paulo MATTOS, E. A. DA C.; SILVA, D. F. DA. Módulos Eletrônicos Interativos: Cibernética e Indeterminação para a Exploração e Aprendizagem em Design. Editora Edgard Blücher, 2016. SILVA, D. F. DA; MATTOS, E. A. DA C.; KÓS, J. R. Interface Entre-Labs: Uma Experiência Dialógica entre Laboratórios Experimentais de Mídia e Tecnologia Editora Edgard Blücher, 2015. SILVA, D. F. DA; MATTOS, E. A. DA C. E; FONTENELLE, R. B. hack[PUBLIC SPACE]. V!RUS, v. 10, 2014. MATTOS, E. A. DA C. E; SILVA, D. F. DA; KÓS, J. R. Design studios associated with hackerspaces: Stimulating students’ collaboration, creativity and transdisciplinarity Proceedings of the conference “Creative Adjacencies” at the Faculty of Architecture, KU Leuven, Campus Ghent from 3rd - 6th June 2014. Anais... In: CREATIVE ADJACENCIES - NEW CHALLENGES FOR ARCHITECTURE, DESIGN AND URBANISM. Ghent: ADU 2020, 2014.

PREMIAÇÕES 2016 - Menção Especial no Concurso Internacional Amsterdam Children's playschool, Archmedium com o projeto Play-U-All. 2014 - Menção Honrosa no concurso internacional Think Space - Money: Culture & Society, com o projeto hack [PUBLIC SPACE], Think Space. 2012 - 3º lugar no concurso internacional Architecture Pavilion Competition, com o projeto Sky Light Pavilion, Arhitekton Magazine. 2007 - Menção Especial no Concurso Internacional de Escolas de Arquitetura da 7 Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, com o projeto Difusor de Desejos - Uma experiência sobre o Corpo Ciborgue, Fundação Bienal/IAB-SP. 2007 - 1º lugar no Concurso para o Cartaz do XXXI ENEA, COMORG-ENEA. 2006 - 2º Lugar no concurso de ideias para habitação popular promovido pelo CTHAB, CTHAB.

14


xii bienal internacional de arquitetura são paulo ERICA AZEVEDO DA COSTA E MATTOS SOBRE Erica Mattos (1985) arquiteta e pesquisadora brasileira é professora da Universidade Federal de Minas Gerais e residente na cidade de Belo Horizonte, MG. Formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, é atualmente doutoranda pela UFMG e sua pesquisa investiga práticas de design a partir das noções de complexidade e indeterminação. Através do estúdio de arquitetura e design ​Nimbu vêm desenvolvendo desde o ano de 2010 projetos colaborativos, cenografias e intervenções interativas. Foi uma das fundadoras do hackerspace brasileiro Tarrafa Hacker Clube, em Florianópolis, SC.

PRODUÇÃO SELECIONADA 2017 - Participação na 11ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo com o projeto e a oficina Micro-Arquiteturas e Outros Manifestos Espaciais.

PUBLICAÇÕES SELECIONADAS MATTOS, E. A. DA C.; SILVA, D. F. DA. Módulos Eletrônicos Interativos: Cibernética e Indeterminação para a Exploração e Aprendizagem em Design. Editora Edgard Blücher, 2016. SILVA, D. F. DA; MATTOS, E. A. DA C.; KÓS, J. R. Interface Entre-Labs: Uma Experiência Dialógica entre Laboratórios Experimentais de Mídia e Tecnologia Editora Edgard Blücher, 2015. MATTOS, E. A. DA C. E; SILVA, D. F. DA; KÓS, J. R. Hackerspaces: espaços colaborativos de criação e aprendizagem. V!RUS, v. 10, 2014. SILVA, D. F. DA; MATTOS, E. A. DA C. E; FONTENELLE, R. B. hack[PUBLIC SPACE]. V!RUS, v. 10, 2014. MATTOS, E. A. DA C. E; SILVA, D. F. DA; KÓS, J. R. Design studios associated with hackerspaces: Stimulating students’ collaboration, creativity and transdisciplinarity Proceedings of the conference “Creative Adjacencies” at the Faculty of Architecture, KU Leuven, Campus Ghent from 3rd - 6th June 2014. Anais... In: CREATIVE ADJACENCIES - NEW CHALLENGES FOR ARCHITECTURE, DESIGN AND URBANISM. Ghent: ADU 2020, 2014. MATTOS, E. A. DA C. E; SILVA, D. F. DA; KÓS, J. R. Novas Práticas em Arte e Arquitetura: Processos Criativos e Tecnologias Interativas para Um Campo Expandido. In: VI SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE ENSINO E PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA - PROJETAR 2013. Salvador: PPGAU/FAU-UFBA, 2013.

PREMIAÇÕES 2016 - Menção Especial no Concurso Internacional Amsterdam Children's playschool, Archmedium com o projeto Play-U-All. 15


xii bienal internacional de arquitetura são paulo 2014 - Menção Honrosa no concurso internacional Think Space - Money: Culture & Society, com o projeto hack [PUBLIC SPACE], Think Space. 2012 - 3º lugar no concurso internacional Architecture Pavilion Competition, com o projeto Sky Light Pavilion, Arhitekton Magazine. 2007 - Menção Especial no Concurso Internacional de Escolas de Arquitetura da 7 Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, com o projeto Difusor de Desejos - Uma experiência sobre o Corpo Ciborgue, Fundação Bienal/IAB-SP.

16


xii bienal internacional de arquitetura são paulo ROMULLO BARATTO FONTENELLE SOBRE Romullo Baratto Fontenelle (1988) é arquiteto e editor residente em São Paulo, SP. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013), é mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (2016) com pesquisa sobre a relação entre cinema e arquitetura a partir da obra de Heinz Emigholz. Trabalha como editor do website ArchDaily e também fotógrafo e filmmaker no ​estúdio Flagrante​, explorando as relações entre movimento e espaço através das imagens. Fez parte da equipe editorial da 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo em 2017.

PRODUÇÃO SELECIONADA 2018 - Direção e produção do curta-metragem “See-Through” sobre os cavaletes de vidro de Lina Bo Bardi no MASP. 2017 - Participação na 11ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo com o projeto e a oficina Micro-Arquiteturas e Outros Manifestos Espaciais. 2017 - Integrou a equipe editorial da XI Bienal de Arquitetura de São Paulo. 2017 - Realização das fotografias oficiais das quatro mostras da XI Bienal de Arquitetura de São Paulo. 2014 - Intervenção urbana Micro-Arquiteturas e Outros Manifestos Espaciais na avenida Beira Mar de Florianópolis, SC.

PUBLICAÇÕES SELECIONADAS Romullo Baratto. “São Paulo, fora de alcance: uma entrevista com Mauro Restiffe.” 9 Mai 2018. ArchDaily Brasil. <https://www.archdaily.com.br/br/893981/sao-paulo-fora-de-alcance-uma-entrevista-com-mauro-restiffe> ISSN 0719-8906 Romullo Baratto. “Capela em Bataan do artista suíço Not Vital desafia limites entre arte e arquitetura” 13 Mar 2018. ArchDaily Brasil. <https://www.archdaily.com.br/br/890499/capela-em-bataan-do-artista-suico-not-vital-desafia-limites-entre-arte -e-arquitetura> ISSN 0719-8906 Romullo Baratto. “Arquitetura como filme: o caso da Acrópole de Atenas” 4 Mai 2017. ArchDaily Brasil. <https://www.archdaily.com.br/br/870263/arquitetura-como-filme-o-caso-da-acropole-de-atenas> ISSN 0719-8906

17


xii bienal internacional de arquitetura são paulo Romullo Baratto. “Como a arquitetura fala com o cinema” 30 Mar 2017. ArchDaily Brasil. <https://www.archdaily.com.br/br/867865/como-a-arquitetura-fala-com-o-cinema> ISSN 0719-8906 Romullo Baratto. “A imagem fala: ou, Por que precisamos ir além dos renders” 15 Set 2016. ArchDaily Brasil. <https://www.archdaily.com.br/br/795322/a-imagem-fala-ou-por-que-precisamos-ir-alem-dos-renders> ISSN 0719-8906 Romullo Baratto. “A autonomia da fotografia: re-apresentações de arquiteturas” 16 Ago 2016. ArchDaily Brasil. <https://www.archdaily.com.br/br/793432/a-autonomia-da-fotografia-re-apresentacoes-de-arquiteturas> ISSN 0719-8906 Romullo Baratto. “Entrevista com Heinz Emigholz: Diálogos cruzados entre cinema e arquitetura” 1 Set 2015. ArchDaily Brasil. <https://www.archdaily.com.br/br/772702/entrevista-com-heinz-emigholz-dialogos-cruzados-entre-cinema-e-arq uitetura> ISSN 0719-8906

PREMIAÇÕES 2014 - Menção Honrosa no concurso internacional Think Space - Money: Culture & Society, com o projeto hack [PUBLIC SPACE], Think Space. 2014 - Terceiro Lugar no Concurso Nacional para a Requalificação Urbanística do Centro Histórico de São José, IAB-SC. 2012 - Terceiro lugar no concurso internacional Architecture Pavilion Competition, com o projeto Sky Light Pavilion, Arhitekton Magazine. 2011 - Segundo Lugar no Concurso Internacional de Escolas de Arquitetura da 9ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, com o projeto Ágora Desterro, IAB-SP. 2008 - Primeiro Lugar no Concurso Nacional de Ideias para o Solar Decathlon Europe, UFRJ. 2007 - Menção Especial no Concurso Internacional de Escolas de Arquitetura da 7ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, com o projeto Difusor de Desejos - Uma experiência sobre o Corpo Ciborgue, Fundação Bienal/IAB-SP.

18


xii bienal internacional de arquitetura são paulo PAULA FRANCHI MACEDO SOBRE Paula Franchi Macedo (1987) é arquiteta formada pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2013. Em 2011 cursou na Université Paris Ouest disciplinas de vídeo e história da arte. Curadora e co-fundadora da plataforma Piscina, um projeto de curadoria experimental que reúne e divulga o trabalho de mulheres artistas. Atuou em projetos expográficos, cenografia teatral e comercial, arquitetura, intervenções urbanas, direção de arte, styling, e produção de conteúdo para sites, revistas e blogs. Atualmente é responsável pela Comunicação da Galeria Nara Roesler e através da Simplee, marca que criou em 2016, faz experimentos manuais em diferentes técnicas e meios.

PRODUÇÃO SELECIONADA 2017 - Participação na 11ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo com o projeto e a oficina Micro-Arquiteturas e Outros Manifestos Espaciais. 2017 - Curadoria e montagem da exposição coletiva ​Há Algo Aqui. G ​ aleria Recorte, São Paulo. 2016 - Integrou a equipe do escritório Álvaro Razuk na produção de projeto expográfico da 32a Bienal de São Paulo, da exposição ​REVER​, no SESC Santo André e ​Arte Ofício/Artifício​, no SESC Bom Retiro, São Paulo. 2014 - Cenografia para a peça "Um certo tipo de abalo irremediável do espírito", Florianópolis. 2014 - Intervenção urbana Micro-Arquiteturas e Outros Manifestos Espaciais na avenida Beira Mar de Florianópolis, SC.

PUBLICAÇÕES SELECIONADAS Paula Franchi. “A cidade pelas vitrines"- Revista Arquitetura e Construção, Agosto, 2015. Paula Franchi. "Piscina #1"- publicação independente com tiragem de 250 exemplares que apresenta o trabalho de 55 mulheres artistas. Maio, 2016. Paula Franchi. "Artistas-Curadoras na 33a Bienal de São Paulo" - série de posts no blog da Piscina. <​https://www.piscina-art.com/blog/​> Paula Franchi. "Por que não houve grandes mulheres artistas" de Linda Nochlin"- post no blog da Piscina. <​https://www.piscina-art.com/blog/2017/12/18/textos-1-por-que-no-houve-grandes-mulheres-artistas-de-lindanochlin​>

19


xii bienal internacional de arquitetura são paulo PREMIAÇÕES 2016 - Selecionada para o ​Trama Afetiva I,​ programa de imersão da Fundação Hermann Hering para profissionais e estudantes interessados em repensar consumo, questionar modelos de organização social e econômica e investigar os verdadeiros valores contemporâneos. 2012 - Terceiro lugar no concurso internacional Architecture Pavilion Competition, com o projeto Sky Light Pavilion, Arhitekton Magazine. 2011 - Segundo Lugar no Concurso Internacional de Escolas de Arquitetura da 9ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, IAB-SP. 2007 - Menção Especial no Concurso Internacional de Escolas de Arquitetura da 7ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, com o projeto Difusor de Desejos - Uma experiência sobre o Corpo Ciborgue, Fundação Bienal/IAB-SP.

20

Profile for XII BIA

PROPOSTA 34  

PROPOSTA 34  

Profile for xiibia
Advertisement