Page 1

Xavier Frías Conde

Prontuário de Gramática Galega (Norma Reintegrada)


Xavier Frias Conde

Prontuรกrio de gramรกtica galega (norma reintegrada)


Š Xavier Frias Conde, 2015 Š Ianua Editora ISBN:978-84-617-0788-1 D.L. TO-414-2015 Todos os direitos reservados info@ianuaeditora.com


LIMIAR O presente material visa oferecer ao público galego umas breves notas do como se escreve o galego reintegrado, isto é, o galego escrito conforme a ortografia portuguesa. Esta visão surge, como é lógico, da crença de o galego e o português serem uma única língua, chamada galego-português. Mas visto que o português é uma língua internacional, achamos normal que o galego se adapte à escrita do português, embora mantendo a sua fonética e muitas das suas características. Como o português tem duas normas básicas, a portuguesa e a brasileira, o que aqui oferecemos é uma terceira norma, a norma galega do português. Ora bem, a norma galega do português não está ainda totalmente estabelecida e, ademais, existem polo menos duas tendências. A primeira é a que escreve o galego mais próximo da sua pronúncia autêntica, que imos chamar aqui Norma Reintegrada (NR), enquanto a segunda já dá passos no achegamento ao português, é de facto conhecida como Português da Galiza (PG), mas sem ser português padrão, nem europeu nem brasileiro, que chamaremos português de Galiza (PG). Estas normas estão redigidas conforme ao PG, mas faremos também referências à NR. O presente prontuário está pensado para utentes da norma oficial que queiram achegar-se ao português de Galiza. A apresentação dos conteúdos foi feita de uma maneira intuitiva para as pessoas acederem facilmente à nova maneira de escrever o galego, que não deixa de ser o que é apesar das mudanças ortográficas: a língua própria da Galiza e dos territórios circundantes da Terra Eo-Návia, O Baixo Bierço e As Portelas. 5


1. Generalidades Este é o sistema ortográfico do galego conforme a ortografia portuguesa <a> <b> <c>

<ç> <d> <e>

<f> <g>

soa /a/ soa /b/. Soa /k/ diante de /a/, /o/, /u/ ou precedida ou seguida doutra consoante: casa, cousa, crime, classe, técnica. Diante de /E/ e /i/ soa /θ/: cento, recebe. Porém, pode ser pronunciado /s/ Usa-se apenas com <a>, <o> <u> e soa /ɵ/ ou /s/ Soa /d/ Soa /ɛ/ ou /e/ em posição tónica. Em posição átona a vogal aberta não aparece, salvo que se trate de nomes com diminutivo. Soa /f/ Soa /g/ diante de consoante ou as vogais <a>, <o>, <u>: grande, gato, água, agoiro, ignorar, glossa.

7


Soa /ʃ/ com as vogais <e> e <i>: gente, gigante1 Para /ge/ e /gi/ escrevem-se <gue> e <gui>: guerra, guitarra.

<i>

Para /gwe/ e /gwi/ usa-se <güe> e <güi>,pode usar-se opcionalmente a diérese, mas a norma portuguesa não a emprega: argüír, lingüística Não soa, ainda que em certos préstimos é aspirada. Como vogal, /i/.

<l> <m>

Tem valor semiconsonântico /j/, como em Maio Soa /l/ Soa /m/

<n>

Em posição final, soa /ɳ/: falam, correm, som, etc. Soa /n/.

<h>

<o>

1

Aparece poucas vezes em posição final, em tal caso soa [ɳ]: íman, cólon, etc. Soa /ɔ / ou /o/ em posição tónica. Em posição átona por

Na ortografia do ILG, usa-se neste caso <x>: xente, xigante.

8


<p> <q>

norma /o/ ou até /u/. Soa /p/ Soa /k/. Escreve-se sempre o cúmulo <qu> seguido por <e> ou <i>: querer, aqui. Na norma portuguesa, usa-se com <qua> e <quo>: aquário, quota.

<r>

<s> <t> <v> <x>

<z>

Há casos em que se pronuncia <u>: cinquenta, frequente. Pode-se usar a diérese neste caso. No começo soa /rr/ (forte). No meio ou trás consoante soa /r/ (suave). Para marcar o som forte intervocálico usa-se <rr>, como em guerra. Soa /s/ Soa /t/ Soa /b/. Pode soar /ks/ em cultismos (em posição não intervocálica é normalmente /s/) ou /š/ noutros casos. Soa /θ/, sempre diante de <a,o,u> ou em final de sílaba ou palavra: azul, cruz. Por coincidência com o português, não se usa em posição inicial, embora soe /ɵ/: sapa-

9


to, sumo, etc. São dígrafos: <ch> <lh> <mh> <nh> <qu> <rr> <sc> <ss>

Soa /tʃ/ Soa /y/ já praticamente em todos os âmbitos Soa /ɳ/ Soa /ɲ/, como o <ñ> do espanhol. Já visto arriba Já visto arriba Soa /θ/: nascer, pascer, adolescente, descer, piscina. Veja-se depois

10


2. Grafias particulares Imos sinalar alguns grafemas que precisam certas explicações: <ç/z>:

A reprodução de /θ/ pode fazer-se segundo duas séries:  <za, ze, zi, zo, zu>: o uso desta série costuma responder a critérios etimológicos: fiúza, rezar, zoologia, vizinho, cozinha, vez, vezes, cariz, carizes, azul, etc.  <ça, ce, ci, ço, çu>: o uso desta série também se rege por princípios etimológicos: caçar, poço, fronteiriço, força. A grafia <ç> não se pode usar em posição nem inicial nem final de sílaba ou palavra; nesses casos usa-se sempre <z>

<b/v>:

O seu emprego está sujeito a critérios etimológicos as mais das vezes. Frente ao castelhano, em PG usa-se <b> em: rebentar, beira, baldeiro, cobarde, etc. Em contraste, usa-se <v> em: vulto, avultar, advogado, avó, varrer, vassoira, desinência –ava (do imperfeito como em falava), cavalo, alcova, etc.

<h>:

O seu emprego ou omissão segue a norma portuguesa. Escreve-se <h> e posição inicial: harmonia, home, hasta. Mas não se escreve em posição interior: veículo, proibir, filarmónica, etc. 11


<ss>

SĂł se usa intervocĂĄlico e soa /s/. Alguns casos comuns sĂŁo: esse, isso, essĂŞncia, passar, associar, assulagar, assobiar, assessorar, sossego, assembleia, assinar, etc.

12


3. A acentuação e outros elementos 3.1. Generalidades As regras de acentuação em galego reintegrado são bastante diferentes do que em galego ILG. Para começar, o galego emprega quatro tipos diferentes de acentos:  Agudo: (´): marca uma vogal aberta: próprio, léxico, etc.  Circunflexo (^): marca uma vogal fechada: ciência, âmbito, etc. Em galego não há duas classes de /a/, só em português, mas a distinção é mantida por motivos ortográficos.  Grave (`): usa-se apenas em contrações: à, às, àquele, àquela, àqueles, àquelas.  Til (~): marca a nasalidade: chão, operações, etc. Porém, esta nasalidade em galego é residual. Veja-se mais abaixo §4.3 3.2. Normas de acentuação do acento agudo e circunflexo 1. As palavras agudas são acentuadas quando acabam nas séries: –á / –ás –é / –ém / –és / –éns –ó / –ô / –ós / –ôs

papá, papás café, cafés, refém, reféns, avô, avôs,

2. As palavras graves são acentuadas 13


a. quando acabam em –r, –n, –l (e também outras consoantes menos frequentes, mas nunca quando acabam em –m e –s): póster, pulôver, hífen, íman, túnel, difícil. b. Também se acentuam as palavras graves que acabam em: –i, –is –om (só em NR)

táxi, táxis falárom, comêrom, tírom2 tátu,

–u, –us

par-

3. Todas as palavras esdrúxulas são acentuadas. Aqui é preciso ter em conta que em galego-português são esdrúxulas palavras como próprio, ciência, provisório, etc. à diferença do castelhano. 4. Os monossílabos são acentuados quando são tônicos, isto é, quando se tratar de substantivos, verbos e advérbios acabados em vogal ou –s: é, és, vás, três, já, dá, etc. 3.3. Mais algumas normas 1.

Em nenhum caso se acentuam os advérbios em –mente: rapidamente, fantasticamente, etc.

2

Em português da Galiza são preferíveis as formas coincidentes com o resto do português: falaram comeram, partiram

14


2.

Não se acentuam a maioria dos ditongos decrescentes: animais, papeis, falou, etc. Sim se acentuam os acabados em –ói(s): espanhóis, sóis, etc.

3.

Sim se acentuam os ditongos anteriores em posição átona: amáveis, possíveis, túneis.

3.4. Uso do diacrítico O acento diacrítico, aquele que permite distinguir palavras quase iguais, mas que se diferenciam por terem a vogal aberta ou fechada. Estes são os mais comuns: a (prep. ou art.) cha (che + a) (só em NR, em PG ta’) da (de + a) pe (nome de letra) vem (3PS de vir) nós (tónico) vós (tónico) compre( de comprar e cumprir) polo (contração) pola (contração) é (verbo) osso (do corpo) sé (=catedral) tem (3PS de ter)

à (contração) chã (fem. de chão) dá (verbo) pé (fim da perna) vêm (3PP de vir) nós (átono) vós (átono) cómpre (de cumprir (=ser mester) pólo (=extremo) póla (=rama) e (conjunção) ôsso (animal, PT urso) sê (imperativo de ser) têm (3PP de ter)

Há certas diferenças na apertura vocálica que estabelecem por médio doutras formas ortográficas:

15


pressa (=rapidez) doce (de sabor) viaje (conjuntivo de viajar)

presa (capturada; banço) doze (numeral) viagem (substantivo)

Há casos em que o galego não distingue na pronúncia pares que sim distingue o português, como é o caso de queijo (alimento) e queixo (parte do rostro), que soam igual em galego, mas não em português. 3.5. Uso do hífen Na norma portuguesa, é obrigatório separar o clítico do verbo em posição pós-verbal. Dessa maneira encontramos: vejo-te, digo-te’, escrevemo-nos, aplicai-vos, etc. O verb o mantém a sua acentuação quando lhe for adicionado o clítico: falávamos > falávamos-lhe. 3.6. A diérese Depois do Acordo Ortográfico, a diérese foi eliminada do sistema ortográfico português. Previamente vinha sendo usada em brasileiro. Contudo, consideramos que pode ser usada opcionalmente naqueles casos em que o <u> seja pronunciado, como em cinquenta / cinqüenta, sequência / seqüência, aguentar / agüentar, etc.

16


4. Outros elementos ortográficos 4.1. Pronúncia de qua– e gua– Na maioria do galego, o /w/ não soa, mas mantém-se na escrita por coerência com o resto do galego-português. Portanto, há-se dizer /´garda/ mas escreve-se guarda; o mesmo com /´kando/ que se escreve quando. Mesmo o primeiro elemento de quarta-feira acostuma pronunciar-se /´korta/ 4.2. Pronúncia de uma Na NR é possível encontrar umha para marcar o som velar, mas aqui preferimos não adicionar uma grafia nova e coincidir com o português em uma, embora em galego tenha sempre pronúncia velar: /uηa/ 4.3. Uso do til nasal (~) Mantém-se na escrita por existir em português. Usa-se apenas sobre <ã> e <õ>. Não mantém a pronúncia nasal em galego. 4.3.1. Uso e pronúncia de –ão Para formas como irmão, a pronúncia varia de região para região, podendo-se pronunciar /ir´maη/ ou /ir´maw/. Nos plurais nasais, uma forma como camiões admite três pronúncias: /ka´mjoηs/, /ka´mjos/ ou /ka´mjois/, a partir de um singular camião que se pronuncia igual em toda a parte.

17


Para o singular usamos –ão. Em PG terá diversas pronúncias segundo a etimologia. 1. É nalguns casos /-on/, como em todos os acabados em –ção, -são e alguns outro vocábulos, como relação, coração, ocasião, então, são (de ser), então 2. É /-an/, noutros muitos casos como catalão, afegão, alemão, cão, são (de santo), etc., por manter a unidade com o português. O trio são, som e sou causam bastante confusão polas divergências entre grafia e pronúncia: 1) são: (1) Deriva de SUNT e é a 3PP do verbo ser em presente de indicativo: eles/as são. Neste caso pronuncia-se /'soη/ (2) Deriva de SANUS e a sua pronúncia é /'saη/. O seu feminino é sã. (3) É a forma abreviada de santo e a sua pronúncia é também /'saη/. O seu feminino é santa. 2) sou É a 1PS do verbo ser em presente de indicativo, pronunciada /'soη/ em boa parte do território galego, mas existe também a pronúncia /'sow/ que é comum a estou, dou, vou. 3) som É forma emparentada com sonido e a sua pronúncia é /'soη/, em plural sons. Quadro resumo: são (1)

/'soη/

são (2) (3)

/'saη/

sou

/'sow/ ~ /'soη/

som

/'soη/

18


4.3.2. Plurais de –ão > –ães, –ãos e –ões Para o plural, o mais frequente é que se poda distinguir entre –ões, –ãos e –ães segundo a etimologia:  relação > relações; coração > corações; etc.  vulcão > vulcões; irmão > irmãos; aldeãos > aldeãos; etc.  cão > cães; capitão > capitães; catalão > catalães; etc. Acontece que há uns poucos casos em que não coincide a forma de plural entre galego e português por o galego ser mais fiel ao padrão etimológico 4.3.4. A terminação –ão átona O til nasal também aparece em sílabas átonas, por norma como –ao. Neste caso, pronuncia-se /o/: órfão, sótão, tróbão, etc. 4.4. Pronúncia de –eio, –eia, –eie Por norma, o /i/ anti-hiático, desenvolvido em português, não se pronuncia em galego. Portanto, leio lê-se /´leo/, aldeia lê-se /al´dea/, passeie /pa´see/, etc. Veja-se, ademais, §14.7

19


4.5. Pronúncia de –(ag)em Em português, a nasal final soa, mas em galego nom, mas mantém-se na escrita: viagem, garagem, personagem, portagem, imagem, maquilhagem, etc. Outros casos de –m final mudo são homem, ontem, jovem, etc. Em todos os casos anteriores, o plural <-ns> é pronunciado apenas com /s/ 4.6. Casos de –e final mudo Há vários casos em que o –e final galego, nomeadamente depois de <l> não soa em galego: vale, ele, aquele, fole, controle, etc., embora sim soe no plural.

20


5. Formação do feminino em nomes e adjetivos 5.1. Mudanças de morfemas ou morfema zero masc. alto cansado italiano doutor juiz interessante fatal taxista ciclista irmão chão aldeão artesão castelão [castelhano] catalão alemão afegão folgazão campeão anfitrião ladrão leão dragão

fem. alta cansada italiana doutora juíza interessante fatal taxista ciclista irmã chã aldeã artesã castelã [castelhana] catalã alemã afegã folgazã campeã anfitrioa ladroa leoa dragoa

21


bretão saxão avô bom só cru nu mau

bretoa saxoa avoa (PT: avó) boa soa (PT: só) crua nua má

5.2. Mudança de lexema ou variações importantes masculino cão abázcaro carneiro castrão, bode touro, boi cavalo tigre galo home(m) padrinho pai ator imperador duque marquês rei príncipe

feminino cadela, cuça abelha ovelha cabra vaca égua tigresa galinha, pita mulher madrinha mai atriz imperatriz duquesa marquesa rainha princesa 22


6. Paradigma de número no nome e adjetivo sing. alto cansado interessante taxista rei boi saber animal quartel caracol azul amável possível túnel difícil fácil alemão folgazão capitão catalão vulcão afegão irmão aldeão

plur. altos cansados interessantes taxistas reis bois saberes animais quarteis caracóis azuis amáveis possíveis túneis difíceis fáceis alemães folgazães capitães catalães vulcães (PT: vulcões) afegãos irmãos aldeãos

23


chão artesão camião razão ocasião falcão fim confim armazém retém refém comum atum tirapedras sopragaitas

chãos artesãos camiões razões ocasiões falcões fins confins armazéns reténs refens comuns atuns tirapedras sopragaitas

24


7. Comparação e intensificação 7.1. Dos adjetivos e os advérbios 7.1.1. Comparativo 7.1.1.1.Superioridade mais

adj.

que/ca3

adj.

que/ca como

adj.

que/ca

nome

que

nome

como

7.1.1.2. Igualdade igual de tão 7.1.1.3. Inferioridade menos 7.2. Dos nomes 7.2.1. Comparativo 7.2.1.1.Superioridade mais 7.2.1.2. Igualdade tanto(s) /-a(s)

3

Em muitos falares galegos obrigatório com s pronomes pessoais: mais ca mim, menos ca ti, etc.

25


7.2.1.3. Inferioridade menos

nome

que

7.3. Intensificação dos adjetivos e advérbios Para indicar intensificação, usam-se: mui(to): é mui(to) inteligente bastante: é bastante inteligente demais (depois do advérbio ou adjetivo): é parvo demais Para indicar o contrário: pouco: é pouco inteligente 7.4. Intensificação dos nomes Vejam-se os quantificadores de §12.1 e §12.2.

26


8. Artigos 8.1. Artigo definido 8.1.1. Formas

singular plural

masculino o os

feminino a as

neutro o

8.1.2. Contrações de artigo com preposição prep. a de em por

o ao do no polo

a à da na pola

os aos dos nos polos

as às das nas polas

A contração com com existe na fala, mas não se reproduz na escrita. Observe-se como é o acento da contração à(s) 8.2. Artigo indefinido 8.2.1. Formas

singular plural

masculino um uns

27

feminino uma umas


8.2.2. Contrações

de en

um dum num

uma duma numa

uns duns nuns

O dito em §8.1.2. para com serve também aqui.

28

umas dumas numas


9. Possessivos 9.1. Formas sintéticas

1PS 2PS 3PS 1PP 2PP 3PP

singular masc. fem. meu minha teu tua seu sua nosso nossa vosso vossa seu sua

plural masc. meus teus seus nossos vossos seus

fem. minhas tuas suas nossas vossas suas

O possessivo, por norma geral, vai acompanhado do artigo definido: o meu livro, as nossas concas. Contudo, em galego é normal omiti-lo com os nomes de parentesco direto: meu irmão, tua avoa, etc. O possessivo galego pode também ir precedido de artigo indefinido e até de demostrativo: uma minha amiga; aquela tua companheira, esses teus livros, colocação que não se dá em português. 9.2. Formas analíticas Vão atrás do nome que acompanham: uns amigos de teu. O possessivo queda invariável

29


singular masc. fem. 1PS 2PS 3PS 1PP 2PP 3PP

plural masc. de meu de teu de seu de nosso de vosso de seu

fem.

TambĂŠm ĂŠ frequente o uso de dele, dela, deles, delas, na terceira pessoa: a sua casa = a casa dele.

30


10. Demostrativos 10.1. Formas

I II III

masc. este esse aquele

sing. fem. esta essa aquela

plur. neut. isto isso aquilo

masc. estes esses aqueles

fem. estas essas aquelas

10.2. Contrações com preposições de deste, desse, daquele em neste, nesse, naquele 10.3. Contrações com outro

masc. I II III

estoutro essoutro aqueloutro

sing. fem.

plur. neut.

masc.

fem.

estoutra estoutro estoutros estoutras essoutra essoutro essoutros essoutras aqueloutra aqueloutro aqueloutros aqueloutras

31


Quadro resumo das contrações dos determinantes

4

o

a

um

uma

este

esse

aquele

a

ao

á

de

do

da

dum

duma

deste

desse

daquele

em

no

na

num

numa

neste

nesse

naquele

por

polo

pola4

Em português, esta contração é pelo, pela, pelos, pelas

32


11. Pronomes pessoais 11.1. Tabela

1PS 2PS 3PSM

3PSF

eu ti

pronomes mim comigo ti contigo

ele

ele

com ele

––

si

consigo

ela

ela

com ela

––

si

consigo

3PSN

––

––

com (isso)

1PP 2PP

nós vós

nós vós

connosco convosco

3PP M

eles

eles

com eles

3PPF

elas

elas

com elas

5 6

clíticos me te5 o –lo –no

lhe se

a –la –na

lhe se

o –lo –no

lhe nos vos

os los nos as las nas

Para o objeto direto: vejo-te, esperamos-te Para o objeto indireto: digo-te’ que…, trouxem-te’ aquilo.

33

te’6

lhes

lhes


Os distintos alomorfes da terceira pessoa partilham-se da seguinte maneira: (a) a forma primeira o vai sempre proclítica: já o sei, quando o queiras, para o pôr; não as tenho, já as deixei. Proclítica vai trás vogal simples e /n/: vejo-o, vejo-a, canta-as. (b) a forma com <l> é sempre enclítica e vai 2PS: deixa-lo, roubala, trás infinitivo, que perde /r/: comprá-los, entendê-lo, abrilo (c) a forma com nasal <n> e com a 3PP vai trás <-m>: falam-no, colhem-nas, partem-nas. No caso dos ditongos não se reproduz o <n> na escrita, embora sim se pronuncie: falei-o, colheuo, partiu-as.

11.2. A forma de dativo te’ É bem sabido que o galego, à diferença do português, distingue entre o acusativo te e o dativo che. Tal diferenciação é um dos traços fundamentais do galego (apenas distinguem dativo e acusativo na segunda pessoa algumas variedades do asturiano oriental e o romeno). Este che é aliás usado para o dativo de solidariedade, outro fenómeno exclusivamente galego sem equivalência em português. Achamos que tal diferença não pode ser ignorada num galego reintegrado e que se adapte à ortografia portuguesa. Porém, achamos que não seria bom grafá-la como che no PG, embora sim o seja na NR, mas procurar outro sistema. A nossa proposta é utilizar a grafia te'. Desta maneira, qualquer português ou brasileiro que leia um texto em português da Galiza continuará a pronunciar /te/, enquanto um galego já lerá aí /tše/.

34


Para a forma contracta, o português tem to, enquanto o galego apresenta cho. Igualmente, a grafia aqui seria to'. Eis uns exemplos que o refletem: 

Digo-te' sempre a verdade

Não te' dixem nada por medo

Ele não to' roubou

Ele roubou-to'

É-te' assim de simples (dativo de solidariedade)

11.3. Contrações de pronomes átonos

me te’ lhe nos vos lhes7

7

o mo to’ lho no-lo vo-lo lhe-lo

a ma ta’ lha no-la vo-la lhe-la

os mos tos’ lhos no-los vo-los lhe-los

as mas tas’ lhas no-las vo-las lhe-las

O português não distingue singular de plural neste caso: lho, lha, lhos lhas.

35


11.3. Colocação dos clíticos a respeito do verbo diante dos negativos

não o sei nunca mo dixeram Ênclise das formas diante doutros advér- sim o tenho bios pré-verbais finitas em todas as subordi- ... que me deixem nadas ... se no-lo traguem Ênclise das formas pode havê-la depois para vê-lo de preposições para o ver não finitas sempre com a estrutu- o João sabe-o ra SVO Próclise das forO(S)V focalizado O rapaz vi-o no parmas finitas que

36


12. Indefinidos e quantificadores 12.1. Invariáveis: cada tudo cada quem alguém ninguém qualquer demais quem queira demais (sempre posnominal) 12.2.Variáveis todo, toda, todos, todas; nenhum, nenhuma, nenhuns, nenhuma; algum, alguma, alguns, algumas; certo, certa, certos, certas, outro, outra, outros, outras; ambos, ambas; frequentemente ambos os e ambas as avondo, avonda, avondos, avondas; muito, muita, muitos, muitas; tanto, tanta, tantos, tantas; tal,tais; uns quantos, umas quantas; vários, várias; um, uma, uns, umas; demasiado, demasiada, demasiados, demasiadas 37


entrambos, entrambas 12.13. Interrogativos e relativos quem que onde como quando quanto, quanta, quantos, quantas, qual, quais. Quadro resumo das contraçþes dos quantitativos

de en

outro doutro noutro

outra doutra noutra

38

algum dalgum nalgum

alguma dalguma nalguma


13. Numerais 13.1. Cardinais 1. um, uma 2. dous8, duas 4. quatro 5. cinco 7. sete 8. oito 10. dez 11. onze 13. treze 14. catorze 16. dezasseis 17. dezassete 19. dezanove 20. vinte 22. vinte e dous 30. trinta 50. cinquenta 60. sessenta 80. oitenta 90. noventa 200. duzentos 300. trezentos 500. quinhentos 600. seiscentos 800. oitocentos 900. novecentos

3. três 6. seis 9. nove 12. doce 15. quinze 18. dezaoito 21. vinte e um 40. quarenta 70. setenta 100. cem 400. quatrocentos 700. setecentos 1000. mil

As centenas admitem feminino: duzentas, trezentas, etc.

13.2. Ordinais (até o décimo com variação de género e número)      8

primeiro, segundo, terceiro, quarto, quinto,

PT: dois.

39


    

sexto, sétimo, oitavo, nono, décimo.

13.3. Partitivos        

metade, dobre, triple, médio, tercio, quarto, quinto, dúzia.

40


14. Tabela de conjugação de verbos regulares

14. 1. Notas sobre as conjugações verbais galegas 14.1.1. Acentuação das 1PP e 2PP do copretérito de indicativo, do prepretérito e do presente de conjuntivo O copretérito e o prepretérito levam o acento sobre a segunda sílaba em muitas falas galegas, mas não mantemos este paradigma como no galego ILG, mas adaptamo-nos à norma portuguesa, que também se dá noutros falares galegos. Por tanto:  falávamos, faláveis;  faláramos, faláreis; O copretérito de conjuntivo si mantém porém o acento na mesma sílaba:  falássemos, falásseis.

41


14.1.2. Alternâncias consonânticas Os verbos incoativos são plenamente regulares, observemse os tratamentos ortográficos dos verbos acabado em –cer ou – zir.: (1) Conhecer: conheço, conheces, conhece…; conheça, conheças, conheça… (2) Produzir: produzo, produzes, produz… produza, produzas, produza… 14.1.3. Metafonia verbal A metafonia verbal dos verbos da segunda e terceira conjugação: METAFONIA TIPO 1 1PS 2PS 3PS 1PP 2PP 3PP

Pres. Ind. e/o ɛ/ɔ ɛ/ɔ e/o e/o ɛ/ɔ

Pres. Conj. e/o e/o e/o e/o e/o e/o

Exemplo de metafonia de /e/-/ɛ/ na segunda conjugação: 42


 

cedo /e/, cedes, cede, cedemos, cedeis, cedem /ɛ/ ceda, cedas, ceda, cedamos, cedais, cedam

Como ele: meter, ferver, reger, verter Exemplo de metafonia de /o/-/ɔ / na segunda conjugação:  podo /o/, podes /ɔ/, pode /ɔ/, podemos, podeis, podem /ɔ/  poda, podas, poda, podamos, podais, podam Como ele: mover, comer, chover METAFONIA TIPO 2 1PS 2PS 3PS 1PP 2PP 3PP

Pres. Ind. i/u ɛ/ɔ ɛ/ɔ e/u e/u ɛ/ɔ

Pres. Conj. i/u i/u i/u i/u i/u i/u

Exemplo de metafonia de /i/-/ɛ/-/e/ na terceira conjugação:  sigo, segues /ɛ/, segue /ɛ /, seguimos, seguis, seguem /ɛ/  siga, sigas, siga... 43


Como ele: servir,mentir Exemplo de metafonia de /u/-/ɔ/:  durmo, dormes, dorme, dormimos, dormis, dormem [ɔ]  durma, durmas, durma... Como ele: cobrir, descobrir METAFONIA TIPO 3 1PS 2PS 3PS 1PP 2PP 3PP

Pres. Ind. i e e e e e

Pres. Conj. i i i i i i

Exemplo de metafonia /i/-/i/-/e/  pido9, pedes, pede, pedimos, pedis, pedem  pida, pidas, pida, pidamos, pidais, pidam. Como ele: sentir, preferir, divertir, ferir

9

PT: peço, e no conjuntivo: peça, peças, peça...

44


14.2. Paradigma ordinário I CONJ. falar

falo falas fala falamos falais falam falava falavas falava falávamos faláveis falavam falei falaste10 falou falamos falastes falaram

II CONJ. colher INDICATIVO Presente colho colhes colhe colhemos colheis colhem Copretérito colhia colhias colhia colhíamos colhíeis colhiam Pretérito colhi colheste11 colheu colhemos colhestes colheram

10

III CONJ. partir

parto partes parte partimos partis partem partia partias partia partíamos partíeis partiam parti, partiste12 partiu partimos partistes partiram

Em, NR, usa-se a grafia –ache. Em galego é sempre pronunciado /atʃe/. Em, NR, usa-se a grafia –eche. Em galego é sempre pronunciado /etʃe/. 12 Em, NR, usa-se a grafia –iche. Em galego é sempre pronunciado /itʃe/. 11

45


falara falaras falara faláramos faláreis falaram falarei falarás falará falaremos falareis falarão falaria falarias falaria falaríamos falaríeis falariam

fale fales fale falemos faleis falem

Prepretérito colhera colheras colhera colhêramos colhêreis colheram futuro colherei colherás colherá colheremos colhereis colherão condicional colheria colherias colheria colheríamos colheríeis colheriam CONJUNTIVO presente colha colhas colha colhamos colhais colham 46

partira partiras partira partíramos partíreis partiram partirei partirás partirá partiremos partireis partirão partiria partirias partiria partiríamos partiríeis partiriam

parta partas parta partamos partais partam


falasse falasses falasse falássemos falásseis falassem fala falai

falar falando falado falar falares falar falarmos falardes falarem

copretérito colhesse partisse colhesses partisses colhesse partisse colhêssemos partíssemos colhêsseis partísseis colhessem partisses IMPERATIVO colhe parte colhei parti FORMAS NOMINAIS infinitivo colher partir gerúndio colhendo partindo particípio colhido partido infinitivo conjugado colher partir colheres partires colher partir colhermos partirmos colherdes partirdes colherem partirem

47


14.3. Conjugação dum verbo com pronome enclítico falo-o fala-lo fala-o falamo-lo falai-lo falam-no

falei-o13 falaste-o falou-(n)o falámo-lo falaste-lo falaram-no

14.4. Perífrases 14.4.1. Perífrases temporais  Ir + inf.: vou comprar pão para o almorço.  Estar a + inf. / estar + ger.: estavam a falar há um chisco  Estar para + inf.: Como estavam anojados, estiveram para berrarem. 14.4.2. Perífrases modais, obrigativas e hipotéticas  Haver + inf. ou haver de + inf.: hás (de) falar com teu irmão.  Há que + inf.: há que se dar pressa.  Ter que + inf.: Tens que me mirar as rodas do carro. 13

Lembre-se o já dito que nestes casos o galego coloca um /n/ anti-hiático que não é reproduzido na escrita. Na norma ILG seria: faleino.

48


 Ter de + inf.: Tens de botar essa carta aos correios já.  Dever + inf.: Deveriam chegar mais cedo.  Poder + inf.: Não podo entender o que fam.  Ser quem de + inf.: Não sou quem de abrir esta botelha 14.4.3. Perífrases aspetuais imperfetivas  Andar a + inf. ou andar + ger.: Andavam a procurar cogorços depois de chover.  Ir + ger.: Vão aprendendo muito ultimamente. 14.4.4. Perífrases aspetuais perfectivas  Acabar de + inf.: Acabo de falar com ele.  Deixar de + inf.: Deixa de falar com todos os que topas pola rua.  Ter + part.: Tenho já rematado todos os exames  Dar + part.: Não dão chegado ainda. (perífrase exclusiva do galego que equivale a lograr, conseguir com o particípio invariável)

49


14.5. O infinitivo conjugado Usos:  Quando tendo o mesmo sujeito que a oração principal, o infinitivo vai precedido de preposição: Para comprarmos o pão, imos apressar-nos.  Quando há muita distancia entre o verbo principal e o infinitivo: Prendemos a televisão às duas da manhã, quando todo todos esteiam deitados para gravarmos o programa no vídeo.  Quando a 3º pessoa do plural indica a indeterminação do sujeito: É hora de falarmos; A culpa é do juiz porque não deixou prenderem os ladrões.  Em construções reflexivas e em verbos pronominais: Avisamos aos vizinhos para virem às cinco; Mercámos-te’ um presente para logo queixares-te de que não te’ prestava.  Quando o infinitivo tem um sujeito expresso distinto do que tem o verbo principal: Viram-te ao saíres de ali.  Quando se quer expressar o sujeito que é distinto ao do verbo principal: Falam para escutarmo-los. 14.6. Tempos compostos São tempos compostos em galego os que se constroem com ter + particípio, exceto no caso do presente e do imperfeito de indicativo, em que se trata de verdadeiras perífrases: 50


Perífrases aspetuais tenho falado tinha falado

Tempos simples falei falara

Tempos compostos

terei falado teria falado tivesse falado ter falado tendo falado 14.7. Sobre as conjugações em –iar O galego português tende a conjugar os verbos em presente de indicativo e conjuntivo mantendo a vogal tónica na penúltima vogal em hiato, à diferença do espanhol, que prefere a antepenúltima. Observe-se como se conjuga o verbo diferenciar nestes dous tempos:

Presente indicativo diferencio diferencias diferencia diferenciamos diferenciais diferenciam

Presente conjuntivo diferencie diferencies diferencie diferenciemos diferencieis diferenciem

Como este conjugam-se muitos outros: acariciar, anunciar, cambiar, etc. 51


14.8. Sobre os verbos em –ear Estes verbos tomam um –i– anti-hiático em português, que não se pronuncia em galego, na 1PS, 2PS, 3PS e 3PP do presente de indicativo de conjuntivo: Presente indicativo passeio passeias passeia passeamos passeais passeiam

Presente conjuntivo passeie passeies passeie passeemos passeeis passeiem

52


15. Tabela de conjugação dos verbos irregulares Caber Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

caibo cabes cabe cabemos cabeis cabem Pres. conj.

coubem coubeste coubo coubemos coubestes couberam Copret. conj.

cabia cabias cabia cabíamos cabíeis cabiam Imperat.

caberei caberás caberá caberemos cabereis caberão Gerund.

caberia caberias caberia caberíamos caberíeis caberiam Part.

caiba caibas caiba caibamos caibais caibam Inf. conj.

coubesse coubesses coubesse coubéssemos coubésseis coubessem Fut. conj.

cabendo

cabido

caber caberes caber cabermos caberdes caberem

couber couberes couber coubermos couberdes couberem

cabe

cabei

53


Cair Conjuga-se igual trair (=causar traição), distinto de traguer (PT trazer) Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

caio cais cai caímos caís caem Pres. conj.

caím caíste caiu caímos caístes caíram Copret. conj.

caía caías caía caíamos caiais caíam Imperat.

cairei cairás cairá cairemos caireis cairão Gerund.

cairia cairias cairia cairíamos cairíeis cairiam Part.

caia caias caia caiamos caiais caiam Inf. conj.

caísse caísses caísse caíssemos caísseis caíssem Fut. conj.

caindo

caído

cair caíres cair cairmos cairdes caírem

cair caíres cair cairmos cairdes caírem

cai caí

54


Choer Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

choio chois choi choemos choeis choem Pres. conj.

choím choeste choeu choemos choestes choeram Copret. conj.

choía choías choía choíamos choíais choíam Imperat.

choerei choerás choerá choeremos choereis choerão Gerund.

choeria choerias choeria choeríamos choeríais choeriam Part.

choia choias choia choiamos choiais choian Inf. conj.

choesse choesses choesse choéssemos choésseis choessem Fut. conj.

choendo

choído

choer choeres choer choermos choerdes choerem

choer choeres choer choermos choerdes choerem

choi

choei

55


Construir E como ele: destruir Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

construo construís constrói construímos construís constroem Pres. conj.

construím construíste construiu construímos construístes construíram Copret. conj.

construía construías construía construíamos construíeis construíam Imperat.

construirei construirás construirá

construiria construirias construiria

construiremos

construiríamos

construireis construirão

construiríeis construiriam

Gerund.

Part.

construa construas construa construamos construais construam Inf. conj.

construísse construísses constrói construísse construíssemos construísseis construí construíssem Fut. conj.

construindo

construído

construir construíres construir

construir construíres construir

construirmos

construirmos

construirdes construirdes construírem construírem

56


Dar Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

dou dás dá damos dais 14 dão Pres. conj.

dim / dei deste deu demos destes deram Copret. conj.

dava davas dava dávamos dáveis davam Imperat.

darei darás dará daremos dareis darão Gerund.

daria darias daria daríamos daríeis dariam Part.

deia deias deia deamos deais deiam Inf. conj.

desse desses desse déssemos désseis dessem Fut. conj.

dando

dado

dar dares dar darmos dardes darem

der deres der dermos derdes derem

14

dá dai

Pronunciado /dan/

57


Doer Pres. ind.

Pret.

Copret.

dói doem Pres. conj.

doeu doía doeram doíam Copret. conj. Imperat.

dóia dóiam Inf. conj.

doesse doessem Fut. conj.

doer doerem

doer doerem

dói

58

Fut.

Cond.

doerá doerão Gerund.

doeria doeriam Part.

doendo

doído


Dizer Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

digo dis / dizes di / diz dizemos dizeis dim / dizem Pres. conj.

dixem dixeste dixo dixemos dixestes dixeram Copret. conj.

dizia dizias dizia dizíamos dizíeis diziam Imperat.

direi dirás dirá diremos direis dirão Gerund.

diria dirias diria diríamos diríeis diriam Part.

diga digas diga digamos digais digam Inf. conj.

dixesse dixesses dixesse dixéssemos dixésseis dixessem Fut. conj.

dizendo

dito

dizer dizeres dizer dizermos dizerdes dizerem

dixer dixeres dixer dixermos dixerdes dixerem

di(z) dizei

59


Estar Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

estou estás está estamos estais estão Pres. conj.

estivem estiveste estevo estivemos estivestes estiveram Copret. conj.

estava estavas estava estávamos estáveis estavam Imperat.

estarei estarás estará estaremos estareis estarão Gerund.

estaria estarias estaria estaríamos estaríeis estariam Part.

esteia esteias esteia esteamos esteais esteiam Inf. conj.

estivesse estivesses está estivesse estivéssemos estai estivésseis estivessem Fut. conj.

estando

estado

estar estares estar estarmos estardes estarem

estiver estiveres estiver estivermos estiverdes estiverem

60


Fazer Pres. ind.

Pret.

fago fás fai fazemos fazeis 15 fão Pres. conj.

fazia fazias fazia fazíamos fazíeis faziam Copret. conj.

faga fagas faga fagamos fagais fagam Inf. conj.

fizesse fizesses fizesse fizéssemos fizésseis fizessem Fut. conj.

fazer fazeres fazer fazermos fazerdes fazerem

fizer fizeres fizer fizermos fizerdes fizerem

Copret. 16

fizem fizeste 17 fezo fizemos fizestes fizeram Imperat.

Fut.

Cond.

farei farás fará faremos fareis farão Gerund.

faria farias faria faríamos faríeis fariam Part.

fazendo

feito

fai

fazei

15

Pronunciado /fan/ A pronúncia mais comum é com /ʃ/ 17 As formas com metafonia na 3PS dos pretéritos fortes estão documentadas no galego eonaviego: fizem><fezo, pudem><pôdo, pusem><poso, estivem><estevo, tivem><tevo. 16

61


Haver Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

hei hás há havemos haveis ham Pres. conj.

houvem houveste houvo houvemos houvestes houveram Copret. conj.

havia havias havia havíamos havíeis haviam Imperat.

haverei haverás haverá haveremos havereis haverão Gerund.

haveria haverias haveria haveríamos haveríeis haveriam Part.

haja hajas haja hajamos hajais hajam Inf. conj.

houvesse houvesses houvesse houvéssemos houvésseis houvessem Fut. conj.

havendo

havido

haver haveres haver havermos haverdes haverem

houver houveres houver houvermos houverdes houverem

62


Ir Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

vou vás vai imos ides vão Pres. conj.

fu(i)m foste foi fomos fostes foram Copret. conj.

ia ias ia íamos íeis iam Imperat.

irei irás irá iremos ireis irão Gerund.

iria irias iria iríamos iriais iriam Part.

vaia vaias vaia vaiamos vaiais vaiam Inf. conj.

fosse fosses fosse fôssemos fôsseis fossem Fut. conj.

indo

ido

ir ires ir irmos irdes irem

for fores for formos fordes forem

vai

ide

63


Ler Como ele conjuga-se crer Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

leio lês lê lemos leis leem Pres. conj.

li leste leu lemos lestes leram Copret. conj.

lia lias lia líamos líeis liam Imperat.

lerei lerás lerá leremos lereis lerão Gerund.

leria lerias leria leríamos leríeis leriam Part.

leia leias leia leamos leais leiam Inf. conj.

lesse lesses lesse lêssemos lêsseis lessem Fut. conj.

lendo

lido

ler leres ler lermos lerdes lerem

ler leres ler lermos lerdes lerem

lede

64


Moer Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

moo móis mói moemos moeis moem Pres. conj.

moí moeste moeu moemos moestes moeram Copret. conj.

moía moías moía moíamos moíeis moíam Imperat.

moerei moerás moerá moeremos moereis moerão Gerund.

moeria moerias moeria moeríamos moeríeis moeriam Part.

moa moas moa moamos moais moam Inf. conj.

moesse moesses moesse moêssemos moêsseis moessem Fut. conj.

moendo

moído

moer moeres moer moermos moerdes moerem

moer moeres moer moermos moerdes moerem

mói

moei

65


Ouvir Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

ouço ouves ouve ouvimos ouvis ouvem Pres. conj.

ouvi ouviste ouviu ouvimos ouvistes ouviram Copret. conj.

ouvia ouvias ouvia ouvíamos ouvíeis ouviam Imperat.

ouvirei ouvirás ouvirá ouviremos ouvireis ouvirão Gerund.

ouviria ouvirias ouviria ouviríamos ouviríeis ouviriam Part.

ouça ouças ouça ouçamos ouçais ouçam Inf. conj.

ouvisse ouvisses ouvisse ouvíssemos ouvísseis ouvissem Fut. conj.

ouvindo

ouvido

ouvir ouvires ouvir ouvirmos ouvirdes ouvirem

ouvir ouvires ouvir ouvirmos ouvirdes ouvirem

oi

ouvi

66


Poder Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

podo podes pode podemos podeis podem Pres. conj.

pudem pudeste pôdo pudemos pudestes puderam Copret. conj.

podia podias podia podíamos podíeis podiam Imperat.

poderei poderás poderá poderemos podereis poderão Gerund.

poderia poderias poderia poderíamos poderíeis poderiam Part.

poda podas poda podamos podais podam Inf. conj.

pudesse pudesses pudesse pudéssemos pudésseis pudessem Fut. conj.

podendo

podido

poder poderes poder podemos poderdes poderem

puder puderes puder pudermos puderdes puderem

67


Pôr Pres. ind.

Pret. 18

ponho pões põe pomos pondes põem Pres. conj.

pusem puseste pôso pusemos pusestes puseram Copret. conj.

ponha ponhas ponha ponhamos ponhais ponham Inf. conj.

pusesse pusesses pusesse puséssemos pusésseis pusessem Fut. conj.

pôr pores pôr pormos pordes porem

puser puseres puser pusermos puserem puserem

18

Copret.

Fut.

Cond.

punha punhas punha púnhamos punhais punham Imperat.

porei porás porá poremos poreis porão Gerund.

poria porias poria poríamos poríeis poriam Part.

pondo

posto

põe

ponde

Contudo, a pronúncia normal é com /ʃ/

68


Querer Pres. ind.

Pret. 19

quero queres quer(e) queremos quereis querem Pres. conj.

quisem quiseste quiso quisemos quisestes quiseram Copret. conj.

queira queiras queira queiramos queirais queiram Inf. conj.

quisesse quisesses quisesse quiséssemos quisésseis quisessem Fut. conj.

querer quereres querer querermos quererdes quererem

quiser quiseres quiser quisermos quiserdes quiserem

19

Copret.

Fut.

Cond.

queria querias queria queríamos queríeis queriam Imperat.

quererei quererás quererá quereremos querereis quererão Gerund.

quereria quererias quereria quereríamos quereríeis quereriam Part.

querendo

querido

quer

querei

Contudo, a pronúncia normal é com /ʃ/

69


Rir Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

rio ris ri rimos rides rim Pres. conj.

ri riste riu rimos ristes riram Copret. conj.

ria rias ria riamos ríeis riam Imperat.

rirei rirás rirá riremos rireis rirão Gerund.

riria ririas riria riríamos riríeis ririam Part.

ria rias ria riamos ríeis riam Inf. conj.

risse risses risse ríssemos rísseis rissem Fut. conj.

rindo

rido

rir rires rir rirmos rirdes rirem

rir rires rir rirmos rirdes rirem

ri

ride

70


Saber Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

sei sabes sabe sabemos sabeis sabem Pres. conj.

soubem soubeste soubo soubemos soubestes souberam Copret. conj.

sabia sabias sabia sabíamos sabíeis sabiam Imperat.

saberei saberás saberá saberemos sabereis saberão Gerund.

saberia saberias saberia saberíamos saberíeis saberiam Part.

saiba saibas saiba saibamos saibais saibam Inf. conj.

soubesse soubesses sabe soubesse soubéssemos soubésseis sabei soubessem Fut. conj.

sabendo

sabido

saber saberes saber sabermos saberdes saberem

souber souberes souber soubermos souberdes souberem

71


Seguir Como ele, conjuga-se servir, mentir, ferir, sentir, pedir. Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

sigo segues segue seguimos seguis seguem Pres. conj.

segui seguiste seguiu seguimos seguistes seguiram Copret. conj.

seguia seguia seguia seguíamos seguíeis seguiam Imperat.

seguirei seguirás seguirá seguiremos seguireis seguirão Gerund.

seguiria seguirias seguiria seguiríamos seguiríeis seguiriam Part.

siga sigas siga sigamos sigais sigam Inf. conj.

seguisse seguisses seguisse seguíssemos seguísseis seguissem Fut. conj.

seguindo

seguido

seguir seguires seguir seguirmos seguirdes seguirem

seguir seguires seguir seguirmos seguirdes seguirem

segue

segui

72


Ser Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

sou és é somos sodes / sois são

fu(i)m foste foi fomos fostes foram

era eras era éramos éreis eram

serei serás será seremos sereis serão

seria serias seria seríamos seríeis seriam

Pres. conj.

Copret. conj.

Imperat.

Gerund.

Part.

seja sejas seja sejamos sejais sejam Inf. conj.

fosse fosses fosse fóssemos fósseis fossem Fut. conj.

sendo

sido

ser seres ser sermos serdes serem

for fores for formos fordes forem

sede

73


Ter Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

tenho tens tem temos tendes 20 têm Pres. conj.

tivem tiveste tevo tivemos tivestes tiveram Copret. conj.

tinha tinhas tinha tínhamos tínhais tinham Imperat.

terei terás terá teremos tereis terão Gerund.

teria terias teria teríamos teríeis teriam Part.

tenha tenhas tenha tenhamos tenhais tenham Inf. conj.

tivesse tivesses tivesse tivéssemos tivésseis tivessem Fut. conj.

tendo

tido

ter teres ter termos terdes terem

tiver tiveres tiver tivermos tiverdes tiverem

20

tem

tende

Em NR também tenhem

74


Traguer (PT trazer) Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

trago tragues trague traguemos tragueis traguem Pres. conj.

trouxem trouxeste trouxo trouxemos trouxestes trouxeram Copret. conj.

traguia traguias traguia traguíamos traguíeis traguiam Imperat.

trarei trarás trará traremos trareis trarão Gerund.

traria trarias traria traríamos traríeis trariam Part.

traga tragas traga tragamos tragais tragam Inf. conj.

trouxesse trouxesses trague trouxesse trouxéssemos trouxésseis traguei trouxessem Fut. conj.

traguendo

traguido

traguer tragueres traguer traguermos traguerdes traguerem

trouxer trouxeres trouxer trouxermos trouxerdes trouxerem

75


Valer Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

valho vales vale valemos valeis valem Pres. conj.

vali valeste valeu valemos valestes valeram Copret. conj.

valia valias valia valíamos valíeis valiam Imperat.

valerei valerás valerá valeremos valereis valerão Gerund.

valeria valerias valeria valeríamos valeríeis valeriam Part.

valha valhas valha valhamos valhais valham Inf. conj.

valesse valesses valesse valêssemos valêsseis valessem Fut. conj.

valendo

valido

valer valeres valer valermos valerdes valerem

valer valeres valer valermos valerdes valerem

vale

valei

76


Ver Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

vejo vês vê vemos vedes veem Pres. conj.

vi(m) viste viu vimos vistes viram Copret. conj.

via vias via víamos víeis viam Imperat.

verei verás verá veremos vereis verão Gerund.

veria verias veria veríamos veríeis veriam Part.

veja vejas veja vejamos vejais vejam Inf. conj.

visse visses visse víssemos vísseis vissem Fut. conj.

vendo

visto

ver veres ver vermos verdes verem

vir vires vir virmos virdes virem

vede

77


Vir Pres. ind.

Pret.

Copret.

Fut.

Cond.

venho vens vem vimos vindes 21 vêm Pres. conj.

vim vinheste veio vinhemos vinhestes vinheram Copret. conj.

vinha vinhas vinha vínhamos vínheis vinham Imperat.

virei virás virá viremos vireis virão Gerund.

viria virias viria viríamos viríeis viriam Part.

venha venhas venha venhamos venhais venham Inf. conj.

vinhesse vinhesses vem vinhesse vinhéssemos vinhésseis vi(n)de vinhessem Fut. conj.

vindo

vido

vir vires vir virmos virdes virem

vinher vinheres vinher vinhermos vinherdes vinherem

21

Em NR também venhem.

78


16. Advérbios e locuções adverbiais 16.1. Lugar a contramão a mão abaixo, em baixo acima, em cima acô acolá, acolô aí ao carão ao pé

nenhures algures, ali alô aqui arriba, em riba à parte atrás dentro

diante em frente fora longe ao longe de longe onde perto

aginha cedo quando daquela de quando em quando de vez em quando de manhã à /de tarde à/ de noite de seguida de repente de súbito decote depois

antes então entrementes entretanto finalmente hoje hoje em dia hogano logo nunca mais enquanto, mentes no lusco-fusco nunca ontem

16.2. Tempo: a cada pouco, a desora a diário à tardinha a tempo atualmente afinal agora ainda amanhã amiúdo antano antes anteontem arestora às vezes

79


depois de amanhã por de pronto por vezes algumas vezes posteriormente

pouco a pouco primeiro sempre já jaquando jamais

no início no princípio no final afinal

de sobra de todo mais ou menos mais malamente mui, muito muito nada mais,

mais nada pouco só talmente tanto tudo justo

às apalpadelas às carreiras às escuras às furtadelas às toas assim a sério bem

demais (posposto) depressa devagar de veras deste jeito de chança em vão com efeito,

16.3. Quantidade a esgalha a maça avondo bastante quanto quase demais de menos

16.4. Modo à direita a escape á esquerda, aposta amodo aposta em balde a jeito afeito arreio

80


efetivamente indubitavelmente,

mal

melhor outramente, pior

pouco a pouco

A imensa maioria dos advérbios formados sobre adjetivos quando se lhes adiciona –mente pertencem a esta categoria. 16.5. Afirmação sim decerto, de seguro claro também. 16.6. Negação não nem sequer sequer tampouco em absoluto.

81


16.7. Dúvida talvez se quadra quiçá provavelmente se calhar possivelmente.

82


17. Preposições 17.1. Simples a ante até baixo cara com contra

de deica desde durante em entre para

por segundo sem sob sobre trás junta

embaixo de a fim de ao lado de através de ademais de além de diante de quanto a a favor de em lugar de

atrás de tocante a respeito a a respeito de junto a junto de por cima de perto de acerca de em prol de

17.2. Compostas a rentes de ao carão de ao lado de a caminho de em riba de por riba de em cima de por cima de no cimo de por mor de

83


18. Conjunções 18.1. Copulativas e e mais nem ademais aliás quanto mais... mais. 18.2. Disjuntivas ou ou... ou já... já nem... nem ora... ora logo... logo quer ... quer 18.3. Adversativas ainda que salvo exceto mas porém assim e tudo todavia no entanto 84


contudo embora (com conjuntivo) 18.4. Temporais da que enquanto aginha que quando ment(r)es que tĂŁo cedo como assim que atĂŠ que a pouco de desde que cada vez que. 18.5. Locativas onde onde queira que, 18.6. Modais como mesmo como queira que conforme de jeito que de modo que

85


ademais de que 18.7. Causais porque jรก que posto que por causa que visto que pois (que) 18.8. Condicionais se caso a nรฃo ser que a menos que

86


INDICE

Limiar .......................................................................................... 5 1. Generalidades ......................................................................... 7 2. Grafias particulares ............................................................... 11 3. A acentuação e outros elementos ........................................ 13 3.1. Generalidades .................................................................... 13 3.2. Normas de acentuação do acento agudo e circunflexo .... 13 3.3. Mais algumas normas ........................................................ 14 3.4. Uso do diacrítico ................................................................ 15 3.5. Uso do hífen ....................................................................... 16 3.6. A diérese ............................................................................ 16 4. Outros elementos ortográficos ............................................. 17 4.1. Pronúncia de qua– e gua– ................................................. 17 4.2. Pronúncia de uma .............................................................. 17 4.3. Uso do til nasal (~) ............................................................. 17 4.3.1. Uso e pronúncia de –ão .................................................. 17 4.3.2. Plurais de –ão > –ães, –ãos e –ões.................................. 19 4.3.4. A terminação –ão átona ................................................. 19 4.4. Pronúncia de –eio, –eia, –eie ............................................. 19 4.5. Pronúncia de –agem .......................................................... 20 4.6. Casos de –e final mudo ...................................................... 20 5. Formação do feminino em nomes e adjetivos ..................... 21 5.1. Mudanças de morfemas ou morfema zero ....................... 21 5.2. Mudança de lexema ou variações importantes ................ 22 6. Paradigma de número no nome e adjetivo .......................... 23 87


7. Comparação e intensificação ................................................ 25 7.1. Dos adjetivos e os advérbios.............................................. 25 7.1.1. Comparativo.................................................................... 25 7.1.1.1.Superioridade ............................................................... 25 7.1.1.2. Igualdade...................................................................... 25 7.1.1.3. Inferioridade ................................................................ 25 7.2. Dos nomes.......................................................................... 25 7.2.1. Comparativo.................................................................... 25 7.2.1.1.Superioridade ............................................................... 25 7.2.1.2. Igualdade...................................................................... 25 7.2.1.3. Inferioridade ................................................................ 26 7.3. Intensificação dos adjetivos e advérbios ........................... 26 7.4. Intensificação dos nomes .................................................. 26 8. Artigos ................................................................................... 27 8.1. Artigo definido ................................................................... 27 8.1.1. Formas ............................................................................ 27 8.1.2. Contrações de artigo com preposição ............................ 27 8.2. Artigo indefinido ................................................................ 27 8.2.1. Formas ............................................................................ 27 8.2.2. Contrações ...................................................................... 28 9. Possessivos ............................................................................ 29 9.1. Formas sintéticas ............................................................... 29 9.2. Formas analíticas ............................................................... 29 10. Demostrativos ..................................................................... 31 10.1. Formas ............................................................................. 31 10.2. Contrações com preposições ........................................... 31 10.3. Contrações com outro ..................................................... 31 11. Pronomes pessoais ............................................................. 33 11.1. Tabela ............................................................................... 33 11.2. A forma de dativo te’ ....................................................... 34 88


11.3. Colocação dos clíticos a respeito do verbo ...................... 36 11.3. Contrações de pronomes átonos ..................................... 35 12. Indefinidos e quantificadores ............................................. 37 12.1. Invariáveis ........................................................................ 37 12.13. Interrogativos e relativos ............................................... 38 12.2.Variáveis ............................................................................ 37 13. Numerais ............................................................................. 39 13.1. Cardinais........................................................................... 39 13.2. Ordinais ............................................................................ 39 13.3. Partitivos .......................................................................... 40 14. Tabela de conjugação de verbos regulares ........................ 41 14. 1. Notas sobre as conjugações verbais galegas .................. 41 14.1.1. Acentuação das 1PP e 2PP do copretérito de indicativo, do prepretérito e do presente de conjuntivo ....................... 41 14.1.2. Alternâncias consonânticas .......................................... 42 14.1.3. Metafonia verbal........................................................... 42 14.2. Paradigma ordinário ........................................................ 45 14.3. Conjugação dum verbo com pronome enclítico .............. 48 14.4. Perífrases ......................................................................... 48 14.4.1. Perífrases temporais ..................................................... 48 14.4.2. Perífrases modais, obrigativas e hipotéticas ................ 48 14.4.3. Perífrases aspetuais imperfetivas ................................. 49 14.4.4. Perífrases aspetuais perfectivas ................................... 49 14.5. O infinitivo conjugado ...................................................... 50 14.6. Tempos compostos .......................................................... 50 14.7. Sobre as conjugações em –iar ......................................... 51 14.8. Sobre os verbos em –ear ................................................. 52 15. Tabela de conjugação dos verbos irregulares .................... 53 16. Advérbios e locuções adverbiais ......................................... 79 16.1. Lugar................................................................................. 79 89


16.2. Tempo: ............................................................................. 79 16.3. Quantidade ...................................................................... 80 16.4. Modo ................................................................................ 80 16.5. Afirmação ......................................................................... 81 16.6. Negação ........................................................................... 81 16.7. Dúvida .............................................................................. 82 17. Preposições ......................................................................... 83 17.1. Simples ............................................................................. 83 17.2. Compostas ....................................................................... 83 18. Conjunções .......................................................................... 84 18.1. Copulativas ....................................................................... 84 18.2. Disjuntivas ........................................................................ 84 18.3. Adversativas ..................................................................... 84 18.4. Temporais ........................................................................ 85 18.5. Locativas........................................................................... 85 18.6. Modais ............................................................................. 85 18.7. Causais ............................................................................. 86 18.8. Condicionais ..................................................................... 86

90


Para quem quiser conhecer quais os rudimentos do galego escrito segundo a norma reintegrada, eis um livro muito simples que permitirá aos falantes galegos entenderem a sua própria língua segundo a norma internacional galego-portuguesa. A caraterística principal deste prontuário é a singeleza que permite uma consulta ágil e sem complicações técnicas. Xavier Frias Conde é docente de Filologia Galego-Portuguesa na UNED, escritor e editor, membro do Círculo Linguístico de Praga. É um dos membros fundadores do Grupo Bilbao, coletivo de escritores de expressão galega em Madrid. Conta com uma extensa coleção de estudos sobre linguística e literatura galegas.

Prontuário de língua galega segundo a norma reintegrada  

Prontuário de língua galega para utentes de galego que queiram provar a escrever o galego segundo a norma reintegrada