Issuu on Google+

Guia prático de finalização de arquivos & produção para mídia impressa


Flavia Melgaรงo Rangel Rafael Santos Lopes William Ferreira Matos 2012

2


Sumário Apresentação ................................................ 04 Fluxo de Trabalho em DTP................................. 05 Softwares x Finalidades .................................... 06 Ilustrações Vetoriais ........................................ 08 Imagens Bitmap .............................................. 10 Diagramação .................................................. 12 Fontes Digitais ............................................... 14 Arquivos PDF ................................................. 16 Sistemas de Impressão ..................................... 18 Acabamentos Gráficos ...................................... 24 Dicas Rápidas ................................................. 28 Glossário ...................................................... 30 Referências Bibliográficas ................................. 31 Conclusão .....................................................32 Momentos de descontração na produção do guia.....33 Expediente & Ficha Técnica............................... 34

03


Apresentação GUIA PRÁTICO DE FINALIZAÇÃO DE ARQUIVOS & PRODUÇÃO PARA MÍDIA IMPRESSA

Este guia, serve de referência e consulta na construção e finalização de arquivos digitais para artes gráficas levando em conta processos e procedimentos gráficos. uma sistematização dos assuntos, no intuito de a criar um conteúdo de técnico, mas de fácil compreensão. O foco principal é a pré-impressão mas para tal devem ser elucidados os processos e procedimentos envolvidos.

04


Fluxo de Trabalho em DTP Quando a prática da editoração eletrônica (DTP) tornou-se popular como opção à fotocomposição? A prática da editoração eletrônica, ou do chamado Desktop Publishing (DTP), nome pelo qual ela é internacionalmente conhecida hoje em dia, foi aparecendo gradualmente nas décadas de 70 e 80, com os primeiros programas processadores de texto e as impressoras de impacto (tipo margarida ou daisywheel), utilizados nas universidades e nas grandes empresas para a confecção in house das artefinais de teses e relatórios de circulação interna e restrita. Para isso se usavam inicialmente os computadores mainframes, depois os minicomputadores, e finalmente os PCs. O PROJETO GRÁFICO O projeto gráfico tem como partida um conceito; e desse conceito vem o projeto gráfico. ETAPAS DE UM TRABALHO DE DESIGN GRÁFICO Um projeto gráfico é constituído de uma série de plataformas que formam a sua lógica construtiva. Estas estruturas definem o seu aspecto de visual - layout - (cores, tipografia, design, etc.), bem como seu aspecto editorial (textos, linguagem, conteúdo). Geralmente um projeto gráfico é antecedido de uma série de perguntas junto ao cliente, o que se denomina briefing. O objetivo do briefing é enfatizar questões que servirão de ferramentas relevantes na constituição do projeto. Para desenvolvimento de um projeto gráfico, são necessários aproximadamente de sete a dez dias antes da etapa seguinte, que é chamada “Reunião de pauta”, evento em que se reúnem os Designers e as equipes de Marketing, Publicidade e Editoração. A finalidade é justamente determinar qual o formato que o projeto gráfico terá e de que forma ele será representado na mídia expressa. Leva-se em torno de dez dias de produção editorial antes da publicação propriamente dita do projeto gráfico. Nesta etapa são realizados uma série de procedimentos que revisam a própria estrutura do projeto. Na próxima etapa é realizada a diagramação, evento que une os aspectos visuais de um projeto com os aspectos gráfico-editoriais. Validadas as provas editoriais, dá-se início à publicação do material, evento que já antecipadamente é fonte de reunião entre as equipes de publicidade e propaganda.

05


Softwares Gráficos & Finalidades EDITORES DE TEXTO Editores de Texto: Não são considerados softwares gráficos, embora interajam com eles. Sua principal função para a área gráfica é editar textos, de preferência sem formata-los e nem importar imagens e ilustrações para dentro deles. São inúmeros os editores de texto existente no mercado, de diversos Word fabricantes e desenvolvedores, alguns gratuitos e outros não. Podemos destacar entre estes softwares o Microsoft Word, Corel Word Perfect, Writer (gratuito / suíte Open Office), etc. Os arquivos gerados por estes softwares devem ser salvos nos formatos .TXT ou .RTF para intercâmbio com outros softwares gráficos.

ILUSTRADORES Esta é a denominação de aplicativos cuja principal função é a execução de ilustrações, logos e peças gráficas simples. Chamados vetoriais pela característica da execução de seus desenhos, baseados em entidades geométricas e cálculos matemáticos, estes softwares não são destinados à formatação de grandes quantiAdoebe Illustrator dades de texto e nem à edição de imagens digitais (fotográficas). No mercado gráfico podemos destacar os principais: Corel Draw, Adobe Illustrator e Macromedia Freehand. Existem também softwares gratuitos com esta finalidade, como o Inkscape. Os arquivos gerados por estes softwares devem ser salvos nos formatos .EPS para intercâmbio com outros softwares gráficos, apesar de suas extensões nativas serem outras (.CDR, .AI, .FH, etc.).

06


EDITORES DE IMAGENS BITMAP Os aplicativos pertencentes a esta classe trabalham com arquivos digitais abaseados em pixels, que são pequenos quadradinhos que formam as fotografias e outras imagens digitalizadas. A estas “imagens” damos o nome de bitmaps ou mapas de bits. São ideais para fazer fusões de imagens, retocar fotos, pintar ilustrações feitas à mão, corrigir cores em fotografias digitais, etc. No mercado gráAdobe Photoshop fico podemos destacar os principais: Corel Photopain, Adobe Photoshop e Painter, dos quais o Adobe Photoshop é líder absoluto em utilização. Existem também softwares gratuitos com esta finalidade, como o Gimp. Os arquivos gerados por estes softwares devem ser salvos nos formatos .TIFF , .JPG , .EPS ou .DCS para intercâmbio com outros softwares gráficos, apesar de suas extensões nativas serem outras (.PSD, etc.). DIAGRAMADORES Também chamados de diagramadores, estes são os softwares responsáveis pela disposição (layout) dos elementos gráficos nas páginas, sendo que os recursos de desenho e manipulação de imagens nestes aplicativos são escassos. Por outro lado o posicionamento, formatação e paginação são bastante complexos. Os arquivos executados nos demais softwares citados acima são importados para os Adobe InDesign softwares de paginação para que as peças gráficas sejam finalizadas. No mercado gráfico podemos destacar os principais: Adobe Pagemaker (em descontinuação), QuarkXpress e Adobe Indesign (substituto do Pagemaker). Existem também softwares gratuitos com esta finalidade, como o Scribus. Os arquivos gerados por estes softwares são destinados à impressão devendo, para este fim, ser salvos nos formatos .EPS , .PS ou .PDF.

07


Ilustações Vetoriais BITMAP X VETOR Imagem bitmap - formada por pequenos pontos chamados pixels que se agrupam em linhas e colunas para formar a imagem. Sua ampliação causa o chamado “serrilhado” e portanto possui limitações de uso. Imagem vetorial - ou imagem matemática, é formada por linhas e círculos (ou quaisquer outras formas geométricas) e por isso pode ser ampliada infinitamente sem perda de qualidade.

Imagem vetorial e Bitmap.

FORMATOS DE ARMAZENAMENTO AI - Ela é ideal para quando se deseja compartilhar o arquivo entre os aplicativos Adobe ou entre softwares vetoriais dos diversos fabricantes. Esta será a única extensão nativa de softwares gráficos que iremos tratar, pelo fato dela ser de fácil intercâmbio entre os ilustradores. EPS Esta é a extensão mais importante para intercambiar arquivos entre os principais aplicativos de editoração eletrônica destinados à impressão em dispositivos hi-end com linguagem PostScript. PDF - Facilitar a distribuição eletrônica de documentos, de modo que os usuários não precisassem possuir o aplicativo que originou o arquivo e nem mesmo as fontes utilizadas de arquivos neste formato.

08


PRINCIPAIS CUIDADOS NA EDIÇÃO & FINALIZAÇÃO FONTES - Colocar uma fonte adequada no trabalho sempre é o melhor, mas quando esse cuidado não feito, vem outros problemas... Por exemplo: quando a fonte não é convertida em curvas, quando não inclui as fontes na finalização do arquivo, por exemplo, no PACKAGE no Adobe InDesign. Acontece que na hora de finalizar e enviar o arquivo dá erro. LINKS - Aração de um arquivo para a impressão gráfica envolve uma série de variáveis para que produto final tenha a melhor qualidade possível. Dependendo do padrão do arquivo o processo do fechamento é mais complexo ou simplificado. Com isso, devemos colocar os links todos dentro de um pasta separada para que não se percam. EFEITOS - EVITAR O USO DE EFEITOS ESPECIAIS: Efeitos especiais em programas vetoriais causam grandes problemas de interpretação no dispositivo de saída. Caso haja a necessidade de utilização de efeitos especiais na arte vetorial, procure sempre exportar seu arquivo em formato bitmap e depois vincula-lo em seu arquivo.

Simulação no software, de conversão das fontes em curvas.

09


Imagens Bitmap RGB X CMYK RGB- São as que formam as cores nos monitores. Muito embora sejam impressas em CMYK as imagens digitais devem permanecer em RGB para manipulação e tratamento, só sendo convertidas quando não forem ser mais editadas. CMYK- Muito embora sejam impressas em CMYK as imagens digitais devem permanecer em RGB para manipulação e tratamento, só sendo convertidas quando não forem ser mais editadas.

Representação das cores.

FORMATOS DE ARMAZENAMENTO PSD - É um formato que abri diretamente com suas layers nos softwares de bitmap, com todas a layers de acordo com o que foi feito em outros softwares de bitmaps. JPG - É um formato que depois de convertido, não se tem como mais fazer nenhum tipo de alteração, a imagem fica totalmente chapada, as camadas e as layers se fundem. PDF - Portable Document Format (PDF) é um formato de arquivo, desenvolvido pela Adobe Systems em 1993, para representar documentos de maneira independente do aplicativo, do hardware e do sistema operacional usados para criá-los.

10


PRINCIPAIS CUIDADOS NA EDIÇÃO & FINALIZAÇÃO RESOLUÇÃO - É dos termos mais utilizados em editoração eletrônica, mas também um dos menos compreendidos. Tem que se ter cuidado na hora que for mexer com uma imagem para impressão, pois, para a impressão as imagens nunca podem estar abaixo de 300 DPI. CAMADAS - camada é oque separa os tipos de efeitos, imagens e outros objetos de uma forma que de para manipular separadamente se que prejudique a imagem toda que esta sendo trabalhada. USO DE TEXTOS - Recomenda-se sempre converter as fontes em curvas quando estiver para finalizar os arquivos. Sempre anexar as fontes em uma pasta para que futuramente não aja nenhum problema de incompatibilidade de arquivos na hora na impressão. Sempre verificar o espaço adequado no grid para que na hora da impressão os textos não saem cortados na hora do refile.

Exemplo de resolução em pixels.

11


Diagramação USO DE GRIDS & PÁGINA MESTRA Páginas mestras e o uso de grids fornecem o aspecto, sensação e padrão do comportamento que desejar para todas as páginas no seu site. Junto com o conteúdo de páginas, eles geram saída que combina o layout da página mestra com o conteúdo a partir de página de conteúdo. Os grids surgiram com a proposta de ser uma ferramenta de ordem e arranjo de elementos visuais, uma forma estudada de se resolver visualmente uma composição e obter coesão no layout.

Simulação

FORMATOS DE ARMAZENAMENTO INDD - Arquivo aberto da qual é criado em um software gráfico e que o descreve por sigla (.indd) podendo ser aberto em qualquer computador que tenha o aplicativo que o gerou, em versão igual à gravação do arquivo, no caso do software Indesign. IDML - São arquivos ZIP, contendo diversos arquivos XML. Todo o conjunto destes ficheiros representar um documento InDesign completa. Os arquivos em um arquivo são descritas minuciosamente no Adobe InDesign CS4 IDML Especificação de formato de arquivo. PDF – Hoje, para facilitar e agilizar o fechamento de arquivos, todos os programas já oferecem a opção de exportar ou salvar PDF.

12


PRINCIPAIS CUIDADOS NA EDIÇÃO & FINALIZAÇÃO PACKAGE - Isso é nescessario pra que não haja problema no arquivo,é gem de programação que manipulam a entrada/saída de dados. Vantagens: Facilidade em encontrar e usar as classes; Evitar conflitos no que respeita aos nomes; Controlar o acesso; Para criar um package basta colocar uma interface e uma classe dentro de um package. PRINT BOOKLET - Isso é necessário, pois o aplicativo de imposição, o PRINT BOOKLET não exporta ou salva a boneca em outro formato, apenas a imprime. A segunda é somente utilizar a opção PRINT BOOKLET quando o docmento original possuir um número de páginas múltiplo de 4. LINKS - Aração de um arquivo para a impressão gráfica envolve uma série de variáveis para que produto final tenha a melhor qualidade possível. Dependendo do padrão do arquivo o processo do fechamento é mais complexo ou simplificado. Com isso, devemos colcar os links todos dentro de um pasta separada para que não se percam. PREFLIGHT - O Preflight funciona permanentemente em background, verificando em tempo real as alterações aos documentos.Perto do canto inferior esquerdo do documento de Indesign, o painel indica se as alterações produzidas estão dentro dos parâme-tros aceites pelo Preflight.

13


Fontes Digitais FONTES BITMAP X FONTES VETORIAIS Fontes bitmaps não em como alterar pois são pixels, não podendo alterar a fonte fica menos apropiada em alguns momento. As fontes vetorias ja tem como editar, sendo que o vetor e de uma forma mateticamente calculada, não contem pixel.

Legenda da figura

FONTES TRUE TYPE (TTF) Foram desenvolvidas pela Apple e Microsoft e incluídas como fontes de sistema tanto no Windows como no Mac OS. Por não serem diretamente compatíveis com a linguagem PostScript, têm de ser convertidas no padrão Adobe no momento da impressão em uma impressora profissional. FONTES OPENTYPE (OTF) OpenType é um formato de fontes de computador escalável, inicialmente desenvolvido pela Microsoft, e mais tarde em cooperação com a Adobe Systems. Foi anunciado pela primeira vez em 1996, com um número significante de fontes lançadas em 2000 e 2001.

14


OBTENÇÃO DE FONTES Gratuitamente, as fontes estão disponíveis nos CDs do Corel Draw (cerca de 1200) e nos CDs que acompanham o PageMaker e Adobe Illustrator. Elas podem, também, ser adquiridas por meio do Adobe Font Folio e Adobe Type and Call. Pela Internet você encontrará uma listagem das principais Font Houses no site da publish (www.publish.com.br). Nunca adquira fontes em banca de jornal, na Internet (a não ser em sites de fabricantes), fóruns de discussão ou de qualquer outra origem desconhecida. Na dúvida, faça um teste antes no seu bureau. INSTALAÇÃO X GERENCIADORES Um gerenciador é um software de sistema que controla o posicionamento e a aparência dentro de um sistema de uma interface gráfica do usuário. A maioria dos gerenciadores são projetados para ajudar a fornecer um ambiente de desktop. Eles trabalham em conjunto com o sistema subjacente gráfica que fornece a funcionalidade necessária, tais como suporte para gráficos hardware, dispositivos apontadores, e um teclado, e muitas vezes são escritos e criados usando um toolkit widget.A instalação ´bastante simples, se o gerenciador não estiver decodificado, mas a maioria das vezes da certo. Cada fonte, ou seja, cada tipo de letra, corresponde a um arquivo. Mas, diferentes tipos de arquivos constituem fontes, sendo que um dos formatos mais usados é o TTF (de True Type Font), que pode incluir acentos e sinais gráficos.

15


PDF ORIGEM & FINALIDADES Antes o PDF era gerado apartir de um arquivo (PS POSTSCRIPT, Ou seja, tinhamos uma etapa a mais que era gerar o PS atraves dos programas fazenso todas as configuraões como: marca de corte, tamanho da pagina, SAngria ATC... depois de todo esse processo, o PS tinha de ser “distilado” ou convertido em PDF no programa ADOBE ACROBAT DISTILLER que também deveria ter uma configuaração correta para a imperssão. Hoje para facilitar e agilizar o fechamento de arquivos, todos os programas ja oferecem a opçção de exportar ou salvar PDF. PDF’S PARA WEB & VISUALIZAÇÃO (SMALLEST FILE SIZE) É muitas vezes esquecido quando a criação de arquivos PDF para a Internet.EnquantoPDFs se tornaram bastante populares na Web, muitos PDFs usados em sites são projetados para saída de alta qualidade de impressão e não são otimizados para a web. Mesmo PDFs projetados para o uso da Web pode ter um problema de espera, sobrecarregados com o excesso de fontes, histórias de mudança, e não otimizados imagens e formas. Otimizar arquivos PDF para a Web pode diminuir significativamente seu tamanho e aumentar a velocidade de exibição, economizando banda e frustração do usuário. PDF’S PARA IMPRESSÃO DIGITAL (HIGH QUALITY PRINT) Se esta predefinição PDF para impressão de alta qualidade comercial, onde a impressora é confortável receber um PDF com transparência ao vivo.Compatibilidade com o Acrobat 5 é selecionada e transparência não é achatado.Imagens coloridas e em tons de cinza são reduzida para 300 ppi (considerado um padrão da indústria para impressão comercial). As imagens RGB são convertidos para CMYK, CMYK valores mantêm-se inalterados. Esta seria uma boa opção se a impressora está enviando este para uma filmadora ou platesetter fora do Acrobat 7 Professional. Acrobat pode lidar com a transparência ao vivo e produzir produtos de alta qualidade separações.

16


PDF’S PARA IMPRESSÃO OFFSET (PRESS QUALLTY) Qualidade de Imprensa é uma configuração quando você salva um documento como um arquivo PDF do Adobe Acrobat. Você pode fazer isso a partir do Photoshop e Illustrator. É uma das opções selecionadas e isso significa que você definiu a qualidade suficiente no PDF para que ele esteja pronto para imprimir em uma gráfica profissional, ao invés de apenas uma impressora desktop. Eu não sei se o Gimp oferece esta , mas gostaria de verificar quais são suas opções em seu menu Salvar como no Gimp. PDF’S PADRÃO “X” PDF/X-1a - O padrão PDF/X-1a prevê arquivos seguros e confiáveis, montadosa partir de informações genéricas e universais, permitindo seu uso portodos os sistemas de fluxo de trabalho gráfico que suportam o formatoPDF, independente do aplicativo e da plataforma em que os documentos originais foram criados. O objetivo final é garantir um intercâmbio de arquivos no modo conhecido como “troca cega” (blind exchange):o criador do arquivo não precisa obter nenhuma informação sobre osistema de trabalho do fornecedor destinatário (bureau de serviços,gráfica, editora etc), e este também não necessita de informaçõesadicionais sobre o processo de geração do arquivo PDF/X-1a. PDF/X-3 - O padrão PDF/X-3 prevê arquivos seguros e confiáveis, montados a partir de informações genéricas e universais, permitindo seu uso por todos os sistemas de fluxo de trabalho gráfico que suportam o formato PDF, independente do aplicativo e da plataforma em que os documentos originais foram criados. O objetivo final é garantir um intercâmbio de arquivos no modo conhecido como troca cega (blind exchange): o criador do arquivo não precisa obter nenhuma informação sobre o sistema de trabalho do fornecedor destinatário. PDF/X-4 - A utilização de transparência é permitido.Todos os dados de cor pode ser cinza, CMYK, cores especiais nomeados, RGB, Lab ou ICC-perfil com base. Os dados de imagem pode ser de 8 bits ou 16 bits. Imagens de 16 bits ainda são raramente utilizados e pode causar problemas com um bom número de RIPs.

17


Sistemas de Impressão IMPRESSÃO DIGITAL (TONNER) No processo de impressão digital não existe matriz, a imagem é criada atravez de cargas elétriicos em cilindros metalicos internos das maquinas que atraem o pigmento e o transferem para o suporte. Como não existem matrizes fixas, na impressão dital é possivel se imprimir um imagem para cada maquina tornando assim verdadeiro o processi de personalização do trabalho. Cada folha pode conter informações relativas ao cliente com o seu nome, foto e cada produto pode ser feito na quantidade desejada mesmo que seja uma unica peça. É bom lembrar que a impressão digital ainda não atingiu a qualidade na impressão offset convencional que utiliza, obviamente , as chapas.

Cartucho de Tonner

Essa tecnologia se torna viável para pequenas tiragens. Como os custos fixos de produçãoa são proporcionais à quantidade de impressos, para as grandes tiragens o preço torna-se inviavel se utilizar tal tecnologia hoje disponivel.

Máquina digital

18


IMPRESSÃO DIGITAL (PLOTAGEM JATO DE TINTA) A Impressao digital e plotagem dispensa o uso de fotolitos e é feita em copiadoras coloridas (para pequenas tiragens até 200 cópias), plotters (para impressão de grandes formatos), impressoras de provas digitais e também as chamadas de impressoras digitais que imprimem grandes tiragens sem fotolitos. Ao longo do tempo a impressão digital foi ganhando espaço no mercado gráfico, conseguindo a mesma qualidade e durabilidade das impressões “off-set” e permitindo praticamente todos os acabamentos e encadernações. Os desafios da impressão digital estão focados em reduzir os custos para a popularização de seu uso. Algumas gráficas de vanguarda aprimoraram o seu uso com a técnica de impressão híbrida, parte do material é produzido no tradicional off-set e outra em processo de impressão digital, permitindo um impresso de altíssima qualidade e aplicações de personalizações, tanto de texto quanto imagens.

Aplicação de plotagem em loja

Máquina digital

19


Sistemas de Impressão A Impressao digital e plotagem dispensa o uso de fotolitos e é feita em copiadoras coloridas (para pequenas tiragens até 200 cópias), plotters (para impressão de grandes formatos), impressoras de provas digitais e também as chamadas de impressoras digitais que imprimem grandes tiragens sem fotolitos. Ao longo do tempo a impressão digital foi ganhando espaço no mercado gráfico, conseguindo Aplicações em cartazes a mesma qualidade e durabilidade das impressões “off-set” e permitindo praticamente todos os acabamentos e encadernações. Os desafios da impressão digital estão focados em reduzir os custos para a popularização de seu uso. Algumas gráficas de vanguarda aprimoraram o seu uso com a técnica de impressão híbrida, parte do material é produzido no tradicional off-set e outra em processo de impressão digital, permitindo um impresso de altíssima qualidade e aplicações de personalizações, tanto de texto quanto imagens. Hoje, equipamentos de impressão digital grandes formatos contam com resoluções de até 2400dpi´s e imprimem gráficos e textos com nitidez.

Aplicação em caminhão

20


IMPRESSÃO OFFSET Aexpressão “offset” vêm de “offset litography” (literalmente, litografia fora-do-lugar), fazendo menção à impressão indireta (na litografia, a impressão era direta, com o papel tendo contato direto com a matriz).

À jato de tinta

O offset é um dos processos de impressão mais utilizadosA offset é ideal para grandes quantidades de impressos pois o papel corre pela máquina, e precisa de nenhuma intervenção humana enquanto o processo é feito. Mas não pense que o humano não têm utilidade nessa hora. Pelo contrário, a máquina precisa de vários ajustes durante a impressão, seja na quantidade de tinta e água ou seja na hora em que um impresso for ter mais de uma cor.

“E como um impresso por offset pode ter mais de uma cor, se no cilindro apenas vai uma?”. Oras, caro leitor, isso é simples: como os impressos são geralmente feitos com o sistema CMYK (ou “Europa”) de cores, cada cor é impresso separadamente. Utilizando-se das retículas, todas as cores são impressas separadamente e mais tarde nossos olhos é que vão ver a cor planejada. offset faz uma impressão indireta: ou seja, a imagem não é impressa direta no material (neste artigo, vou usar o papel como exemplo).

Aplicação de Offset em editoriais

21


Sistemas de Impressão SERIGRAFIA Serigrafia ou silk-screen é um processo de impressão no qual a tinta é vazada – pela pressão de um rodo ou puxador – através de uma telapreparada. A tela (Matriz serigráfica), normalmente de poliéster ou nylon, é esticada em um bastidor (quadro) de madeira, alumínio ou aço. A “gravação” da tela se dá pelo processo de fotosensibilidade, onde a matriz preparada com uma emulsão fotosensível é colocada sobre um fotolito, sendo este conjunto matriz+fotolito colocados por sua vez sobre uma mesa de luz. Os pontos escuros do fotolito correspondem aos locais que ficarão vazados na tela, permitindo a passagem da tinta pela trama do tecido, e os pontos claros (onde a luz passará pelo fotolito atingindo a emulsão) são impermeabilizados pelo endurecimento da emulsão fotosensível que foi exposta a luz. A expressão “offset” vêm de “offset litography” (literalmente, litografia fora-do-lugar), fazendo menção à impressão indireta (na litografia, a impressão era direta, com o papel tendo contato direto com a matriz).

Aplicação em tecido

22

Máquina


FLEXOGRAFIA Flexografia é um processo de impressão gráfica em que a fôrma, um clichê de borracha ou fotopolímero, é relevográfica. O sistema pode ser considerado como um “bisneto” do carimbo. Usa-se tintas líquidas altamente secativas, a base de água, solvente ou curadas por luz UV ou feixe de elétrons. Uma de suas virtudes é a flexibilidade para imprimir os mais variados suportes, de durezas e superfícies diferentes. A flexografia é um processo de impressão direto caracterizado pelo emprego de uma fôrma relevográfica (isto significa que seus grafismos ou áreas de impressão estão em relevo) e resiliente, produzida na forma de chapas planas ou camisas (tubulares, para máquinas impressoras dotadas de mandris e sistema de ar comprimido, indicadas para trocas rápidas).

Aplicação em embalagens

Máquina

23


Acabamentos Gráficos REFILE O refile é conhecido como aqueles cortes feitos na borda do papel necessários para a finalização do impresso. Ele pode ser realizado em diversas etapas da produção. Por ser uma etapa básica e necessária para a qualidade final do impresso, o refile sequer é mencionado no item acabamento dos pedidos de orçamento, por isso não acarreta nenhum valor a mais esse acabamento.

Processo manual

DOBRA A dobra é a operação do acabamento onde o produto começa a assumir sua forma final. No caso de produtos como folhetos, mapas e publicações com até 16 páginas, esta pode ser a última etapa do processo de fabricação... Outra definição fala do ato de juntar folhas de forma que seja mais fácil manuseá-las. Normalmente usa-se o método para garantir que páginas avulsas com algum conteúdo em comum não se percam ou estejam juntas para uma consulta. O uso mais conhecido é confecção de livros, apostilas e afins, mas também é comum que empresas encadernem folhas avulsas de notas fiscais e outros documentos, a fim de preservá-los por um lonRepresentação da dobra. go tempo.

24


ENCADERNAÇÕES

Exemplo de encadernação, Wire-o

Utilização de um sistema que apoia o material impresso numa superfície e em determinado ponto recebe uma pressão, criando a dobra. Máquinas multifuncionais com diversos tipos de dobras recomenda-se consultar catálogo de dobras para verificar qual é a melhor para cada impresso.

Outra definição fala do ato de juntar folhas de forma que seja mais fácil manuseá-las. Normalmente usa-se o método para garantir que páginas avulsas com algum conteúdo em comum não se percam ou estejam juntas para uma consulta. O uso mais conhecido é confecção de livros, apostilas e afins, mas também é comum que empresas encadernem folhas avulsas de notas fiscais e outros documentos, a fim de preservá-los por um longo tempo. Blocagem atualmente generaliza-se o termo “encadernação” para designar qualquer junção de folhas por qualquer processo. Tecnicamente, o processo de juntar quaisquer outras folhas soltas, seja por serrotagem, perfuração ou simples colagem, constitui Blocagem. São processos largamente utilizados comercial e industrialmente, como Brochura, Canoa, Wire-o Espiral e outros.

Exemplo de encadernação Lombada Quadrada.

25


Acabamentos Gráficos VERNIZ LOCALIZADO Verniz - Atualmente, um dos recursos de acabamento mais utilizados em impressos, é aplicação de verniz, uma película de acabamento quase transparente, usada geralmente em madeira e outros materiais para proteção, profundidade e brilho. Sua formulação tradicional contém óleo secante, resinas e um solvente como aguarrás, mas modernamente são utilizados também derivados de petróleo como poliuretano ou epóxi. Em oposição às tintas, verniz não contém pigmento para ressaltar a textura ou cor natural. É utilizado também como última camada sobre pintura, para proteção e efeito de profundidade e a película se seca em contato com o ar. Cartão de visita com verniz aplicado.

CORTE E VINCO (FACAS ESPECIAIS) O processo do vinco é bem simples. Ele é aplicado ao papel para facilitar seu manuseio ou a realização de dobras. Por exemplo, no primeiro caso, ele é utilizado principalmente em capas de brochuras com lombada quadrada, por exemplo de livros, permitindo a abertura da capa sem forçar o papel, sem fazer com o papel dobre ou estrague a encadernação do mesmo. O processo de corte tem os seus mais simples e os mais complexos. faze-se uma marca onde ira a lamina de corte e o produto final sera a peça gráfica com o seu devido corte. por exemplo: uma embalagem redonda, ou com um vazado no meio da embalagem.

26

Faca especial


RELEVOS O relevo, sendo ele baixo ou alto, tem sido um recurso muito pouco utilizado, ou utilizado de forma pouco interessante. Podemos criar texturas, destacar detalhes ou simplesmente criar uma marca d’água diferente. Devemos sempre ter em mente que ele pode ser um recurso que causa um grande impacto visual e principalmente tátil, mas deve ser usado sempre com propriedade. Abaixo seguem alguns bons exemplos de como usar este recurso para enobrecer seus cartões de visitas.

Relevo alto.

HOT & COLD STAMPING A Hot Stamp - Serviços gráficos há mais de 20 anos iniciou suas atividades com impressão em guardanapos de papel e convites de casamentos. Com o tempo, o processo off-set ficou mais barato e ofereceu ao mercado essa forma de impressão mais rápido do que a tipografia e silkscreen.

Aplicação de Hot Stamping em sacolas.

Atualmente trabalhamos exclusivamente com impressões off-set, imprimindo de cartões de visitas, folhetos, talões de pedidos, talões de orçamentos, pastas, envelopes, etc...

27


Dicas Rápidas CORES - DICA 01 Tenha em mente: No Disco de Cores quando somamos amarelo com magenta, criamos o vermelho, portanto, para tirar o vermelho de uma imagem devemos reduzir as porcentagens de amarelo e magenta ( nesse caso estaremos aumentando o ciano que é o complemento do vermelho).Utilize o Channel Mixer para criar sanduíches entre os canais e obter um canal P&B consistente. Cuidados a serem tomados no processo de digitalização da imagem. Podemos destacar: a digitalização da foto com a resolução errada; uso incorreto de conguração de cores; a má definição; o julgamento de cores com base no monitor ou prova mal ajustada ou a escolha de um original com poucos recursos para correção. Serigrafia - DICA 02 Envie seus arquivos fechados em: pdf, jpg, tif, converta suas fontes em curvas, envie sempre um print com sua arte final, arquivos devem estar em tamanho real com 150 dpi, evite lentes e degradês de programas vetoriais, como exempli o corel draw, evite drop shdow (sobreamento) do corel draw, verifique seu cd antes de enviarnos os arquivos

Relevo seco - DICA 03 Para fazer o relevo seco é necessário, uma placa sinalizadora com o desenho que se quer fazer (esta placa pode ser de metal ou de stencil), um boleador e uma caixa de luz. É possível fazer o relevo contornando o desenho pelo lado de trás do papel ou pela frente, conforme o efeito desejado.´

28


Adobe InDesign - DICA 04 Adobe InDesign é um software da Adobe Systems desenvolvido para diagramação e organização de páginas, criado para substituir o Adobe PageMaker, apresentando uma variedade de aprimoramentos, resultando em mais produtividade. O programa cria documentos em formato próprio, editável, que posteriormente pode ser exportado para PDF ou outros formatos específicos de impressão. O InDesign permite criar, diagramar, visualizar e editar materiais como: revistas, jornais, anúncios, embalagens etc. pré-impressão.

PRÉ- IMPRESSÃO - DICA 05 O processo industrial gráfico apresenta um universo complexo com relação aos tipos de impressão. Os principais processos subdividem-se de acordo com as técnicas usadas. Entretanto, para qualquer que seja a técnica de impressão e para que o processo se complete, este se divide em três fases lineares conhecidas como pré-impressão, impressão e pós-impressão ou acabamento. Cada uma destas fases apresenta características específicas e etapas a serem completadas antes de seguirem o fluxo de trabalho. Cabe ressaltar que é importante determinar bem cada uma das fases e sua importância, para compreender as mudanças em curso e possibilitar alguma projeção num futuro próximo. Adobe PDF - DICA 06 Portable Document File - PDF, ou seja, Arquivo de Documento Portátil. Na verdade, são arquivos com qualidade fiel, semelhante a uma revista e, geralmente, são arquivos pesados e o principal programa que os lê são mais pesados ainda.

29


Glossário VERBETE 01 - O grid começa a ser configurado já na criação de um novo documento. Depois das configurações básicas de sua publicação, como número estimado de páginas, formato, etc VERBETE 02 - Antes mesmo de iniciar as configurações básicas do documento é importante ter em mente que tipo de publicação você irá criar. Procure por referências de publicações do mesmo tipo, preferencialmente num estilo próximo do que o que pretende produzir. VERBETE 03 - Além do grid, existem outras linhas-guia que podem facilitar a sua vida! O Baseline Grid, por exemplo, vai auxiliar na distribuição horizontal dos textos, como as pautas do caderno. VERBETE 04 -Com a ferramenta page é possível mudar mais facilmente o tamanho das páginas do nosso documento e, além disso, usar tamanhos diferentes de páginas dentro de um mesmo arquivo. VERBETE 05 -VERNIZ ACRÍLICO BRILHANTE / VERNIZ FOSCO / VERNIZ SEMI-BRILHO São vernizes especiais, em spray, servem para dar acabamento e proteção em trabalhos artesanais. Podem ainda ser utilizados para proteger desenhos, plantas, documentos, layouts, fotos, etc. VERBETE 06 - SVG Padrão para gráficos vetoriais recomendado pela W3C, CDR Formato proprietário da Corel(R), AI Formato Adobe Illustrator, EPS CMX, WMF Windows Meta File (Meta-arquivo do Windows) VERBETE 07 - Recursos do InDesign em tipografia torná-lo adequado para a concepção de livros impressos, se se trata de um livro só de texto, ou um com gráficos e ilustrações. Definir um estilo específico para os títulos de capítulo também permite uma compilação automática de um índice analítico. VERBETE 08 - As vantagens que o InDesign tem com folhetos prender verdadeiras para cartazes também. Alguns cartazes podem ser criadas inteiramente no Photoshop ou Illustrator, mas se você tiver Creative Suite e não há mais informações que podem ser tratados em poucas palavras, o InDesign é a melhor opção para unir todos os elementos. VERBETE 10 - tinisquat utempore consequia pratium nusam que voluptis qui sitatatempel ipsuntiis ad quunditae veni asim lamet faccae vel ipsant quatem comni aut ea dolupti occus autet idebit.

30


Referências Excelência no tratamento de imagens digitais Luis Felipe P. B. Cunha -2002 Tratamento de Imagens Gerenciamento de Cores - SENAI - São Pauo COLLARO, Antônio Celso. Produção visual e gráfica. São Paulo. Editora Sumuus, 2005. Rangel Sales - Arquivos IDML - http://rangelsales.com.br/blog/archives/132 Print Booklet - http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u= Midializando - 2008/2010- http://www.midializado.com.br/2010/08/imagensbitmap-x-imagens-vetoriais.htmlimagem bitmap. HORIE, Ricardo Minoru. Arte-finalização: preparação e fechamento de arquivos pdf. São Paulo: Editora Érica, 2009. ADOBE SISTEMS: http://pt.wikipedia.org/wiki/OpenType zipper, Bernde. And Woekflow in-detail. Nome da Cidade: Nome da Editora, Data. Claudiney .A. Santos http://pt.wikipedia.org/wiki/OpenType. Guia prático do novo padrão internacional de arquivos para uso gráfico - São Paulo, ABTG Antônio Guedes - Editora Abril - gatononio@abril.com.br

31


CONCLUSÃO

Com base nesse guia, podemos desenvolver arquivos mais seguros e sem problema na hora da impressão, sendo que , podemos aproveitar varios outros tipos de seguimentos de softweres e explorar outros tipos de equipamentos. O material foi elaborado visando a uma aprendizagem autônoma. Assim, abordamconteúdos especialmente selecionados e adota linguagem que facilite seu estudo na produção gráfica. A abordagem do assunto remeteu a um breve aspecto da produção gráfica no mundo de hoje.

32


Momentos de descontração na

produção do

Apresentação dos autores

William Ferreira Matos

Rafael Santos Lopes

Flavia Melgaço Rangel

guia

33


Expediente PLANEJAMENTO GRÁFICO Leandro Canabrava Damas CONTEÚDO TÉCNICO Flavia Melgaço, Rafael Santos e William Ferreira EDIÇÃO DE IMAGENS & ILUSTRAÇÕES Flavia Melgaço, Rafael Santos e William Ferreira CAPA Flavia Melgaço, Rafael Santos e William Ferreira DIAGRAMAÇÃO Flavia Melgaço, Rafael Santos e William Ferreira MONTAGEM E IMPOSIÇÃO DE PÁGINAS Flavia Melgaço, Rafael Santos e William Ferreira CHECAGEM & PRODUÇÃO GRÁFICA Flavia Melgaço, Rafael Santos e William Ferreira

Ficha Técnica MIOLO 32 págs | Formato 130x190mm | Qtde de cores frente 4x4 verso Impresso em: tipo do papel e gramatura CAPA 4 págs | Formato 260x190mm | Cores 4x4 Impresso em: Impresso em: Papel couche 300gm IMPRESSÃO Sempre Editora

34


Guia Prático de Finalização de Arquivos & Finalização para Mídia Impressa