Atividades Working Genderation

Page 1

Working Genderation: No Trabalho e na Vida Desenvolvimento de instrumentos e métodos promotores da Igualdade de Género nas Empresas

Atividades

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto


Atividades Desenvolvidas No sentido da promoção do Projecto e seus objectivos, foram desde logo efectuados diferentes tipos de contactos. Procuramos entidades e associações com papel ativo no contacto com as empresas e cuja ponte esperávamos frutífera. Os parceiros oficiais do projeto foram convidados a partilhar contactos de possíveis interessados. Após a partilha de contactos, a equipa de gestão efectuou marcações de reuniões presenciais com os interessados, para os quais foram enviados os seguintes materiais: apresentação do projeto, panfleto e flyer de divulgação das actividades e vantagens de adesão ao projeto. Para levar a cabo algumas das ações, foi essencial a parceria informal criada com uma entidade em Braga (Instituto Sénior de Braga/Balão de Ideias) cujos contactos privilegiados nos permitiram realizar ações de formação em empresas do concelho que de outra forma seriam difíceis de mobilizar. Pelo peso que têm junto das comunidades e respectivos associados, o projeto foi também apresentado a entidades como a AIMinho, a UGT (Porto e Braga) ou a ANJE, junto dos quais a divulgação foi feita, embora sem que outras actividades pudessem ter sido desenvolvidas.

Ações de Formação Tal como previsto em candidatura, foram realizadas diferentes ações de formação para: a)

Ações de formação certificada para Colaboradores/as, num total de 15h para

qualificar, informar e capacitar os/as colaboradores/as das empresas. Foi nosso objectivo tornar a formação em IG parte integrante das horas de formação obrigatórias para todos os trabalhadores/as por conta de outrem. Das 16 ações previstas, realizamos um total de 23 ações em empresas e instituições de diversas áreas de intervenção.


Local/Empresa

Ações

Certificações

FPCEUP

1

9

LemonadeShoes

3

32

CM Guimarães

2

30

CM Felgueiras

2

32

CM Vizela

1

11

Promecel

1

13

EP Felgueiras

2

32

Norberto Costa

1

10

LCVShoes

2

35

BoomBapWear

2

33

F3M

1

7

Maiêutica

3

29

KnowFood

2

18

TOTAL

23

291

Tabela 1: Contabilização do número de ações e colaboradoras/es certificados por empresa/local de formação.

Apesar de termos superado o número de ações de formação previstas, a sua execução foi dificultada pelas características das empresas do norte do país. Mais uma vez reforçamos que são empresas maioritariamente de cariz familiar, de média dimensão e onde as questões de IG são problemáticas. Persiste a cultura de produtividade e rentabilidade que se sobrepõe à capacitação de recursos humanos das empresas. Deparamo-nos com a sucessiva remarcação e alteração de cronogramas em função de ritmos e timings produtivos e mesmo desvalorização da formação ou impossibilidade de agendamento por parte de algumas empresas como por exemplo, Pedro e Paula Lda, Fersola, Bosch and Delphi (ver Anexo1-EmpresasContactadas).

b)

Ações de formação para agentes estratégicos na formação e gestão de recursos

humanos/capital humano. A metodologia de formação foi presencial, num total de 58h, estando desenhada para a implementação de planos de igualdade de género em empresas. O objetivo final foi a


criação de uma base local de consultores/as em igualdade de género, responsáveis pela auditoria e disseminação de políticas e práticas de igualdade em empresas locais. Apesar de apenas estarem previstas 8 ações, foram realizadas 9 tendo no total sido certificados 89 consultores/as em IG.

Local

Ações

Certificações

CFPIC

1

6

AEF

1

7

ACIV

1

7

Braga

2

15

FPCEUP

3

46

ACIG

1

8

TOTAL

9

89

Tabela 2: Contabilização do número de ações e Técnicos/as Superiores certificados por local de formação.

Estas ações de formação foram sobretudo dirigidas a técnicos/as superiores, com habilitações mínimas de entrada de licenciatura. As ações foram desenvolvidas junto dos parceiros do Projeto e contaram com bastante adesão e interesse dos/as participantes. O referencial usado (Referencial CIG) permitiu uma abrangência global das temáticas da Igualdade e Conciliação e possibilitou a realização de um trabalho final individual centrado na implementação de um Plano de Igualdade de Género em contexto Empresarial. Fruto da parceria interna estabelecida entre o Projeto e o Serviço de Educação Contínua da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, foi feito pedido de acreditação ao Conselho Científico-Pedagógico de Formação Contínua (CCPFC) e a atribuição de créditos ECTS pela Reitoria da Universidade do Porto. O CCPFC considerou que os objectivos e conteúdos da formação não se inseriam nos referenciais de formação geral de professores e da parte da Reitoria a resposta


tardia dificultou a adoção de alterações para correspondência às exigências de acreditação (ver Anexo2-RespostaAcreditação).

Entrevistas Empresários/as Embora inicialmente estipulássemos ações de formação para as direcções das empresas, cedo percebemos a necessidade de realizarmos um trabalho mais individualizado para apresentação do projeto e sensibilização da importância de uma política organizacional respeitadora da Igualdade de Género. Assim, propusemo-nos levar a cabo um conjunto de intervenções formativas individualizadas com as direcções das empresas e nas quais foi-nos possível recolher, através de uma entrevista semiestruturada, dados quantitativos e qualitativos relevantes para a caracterização do contexto empresarial em que nos movemos. Nesta intervenção presencial tínhamos dois objectivos centrais: a apresentação do projeto, suas actividades e principais impactos antecipados da adesão ao mesmo, e o levantamento de práticas e métodos das empresas locais. Foi através deste contacto individualizado e personalizado que nos foi possível abordar também as necessidades formativas dos/as trabalhadores/as e levar a cabo algumas das ações de formação. Ganhar a confiança e empatia dos/as empresários/as foi fundamental para o acesso ao interior e vida das empresas. Foram entrevistados 28 empresários/as de diferentes áreas de atuação, nos quais 22 eram homens e 6 eram mulheres (ver Anexo3-IntervençõesIndividualizadas). Os resultados da análise quantitativa e qualitativa destas entrevistas serão apresentados no separador Apresentação e Discussão das Entrevistas.

Ações de Sensibilização Aquando o desenvolvimento do Working Genderation tornou-se necessário encontrar métodos de divulgação e promoção da temática da Igualdade de Género e formas de sensibilizar diferentes públicos para as desigualdades ainda vincadas no nosso país.


Assim sendo a equipa de gestão do projecto decidiu criar ações de sensibilização capazes de provocar uma reacção imediata e contribuir para a evolução de um mercado de trabalho não discriminatório e respeitador da vida familiar e pessoal. As ações de sensibilização foram pensadas e construídas mediante o tipo de público a quem se dirigiam, e numa logica pedagógica, com uma abordagem de desconstrução de estereótipos e preconceitos, acerca dos principais temas do nosso Projeto. Foram realizadas 6 ações, impactando cerca de 300 alunos/as, nos seguintes locais:

Local

Nº Ações

Números

AE Lixa

2

130

AE Felgueiras

2

80

1

40

1

50

6

300

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras Escola Superior de Estudos Industriais e Gestão TOTAL

Tabela 3: Contabilização de Ações de Sensibilização realizadas e número de pessoas envolvidas por local de realização

Durante as sessões os/as participantes ficaram a conhecer o projecto Working Genderation e a sua área de atuação, descobrindo de igual modo as noções de papéis de género e o seu impacto no presente e futuro, através da abordagem de temas atuais como os tradicionais papéis de género em vários aspectos da vida quotidiana, a violência no namoro e o papel influente da publicidade. As apresentações mostraram a importância de uma sociedade igualitária nas vertentes profissional e social, e revelou aos/às alunos/as a necessidade de desconstrução dos estereótipos impostos pela sociedade e a conscientização acerca da evolução lenta destas problemáticas em Portugal.